EDUARDO HERMÍNIO NORONHA QUALIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO EM AMBIENTES LABORAIS NO DISTRITO FEDERAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUARDO HERMÍNIO NORONHA QUALIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO EM AMBIENTES LABORAIS NO DISTRITO FEDERAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso de Física QUALIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO EM AMBIENTES LABORAIS NO DISTRITO FEDERAL Autor: Eduardo Hermínio Noronha Orientador: Prof. Dr.Sérgio Luiz Garavelli BRASÍLIA 2007

2 EDUARDO HERMÍNIO NORONHA QUALIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO EM AMBIENTES LABORAIS NO DISTRITO FEDERAL Trabalho de Conclusão de Curso submetido à Universidade Católica de Brasília para obtenção do título de Licenciado em Física Orientador: Dr, Sérgio Luiz Garavelli

3 QUALIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO EM AMBIENTES LABORAIS NO DISTRITO FEDERAL RESUMO O estudo sobre os efeitos da poluição sonora é de grande importância, uma vez que alguns danos causados ao aparelho auditivo são irreversíveis e de sérias conseqüências para saúde física e mental das pessoas por eles afetadas. O presente estudo teve como objetivo determinar se trabalhadores de certas atividades profissionais no Distrito Federal, estão expostos a níveis de ruído acima dos permitidos pela norma trabalhista brasileira. Foram coletados dados em vários ambientes e a partir destes, foi feita uma análise da intensidade dos níveis de ruído presente nestes ambientes e dos problemas que eles podem causar às pessoas que os freqüentam. O trabalho experimental desenvolvido demonstrou que os níveis de poluição sonora presentes em certas atividades profissionais apresentaram valores acima dos 85 db recomendados para uma jornada de oito horas segundo a OMS e ABNT. A partir da análise do espectro sonoro realizada pode-se concluir que o protetor tipo plugue pode ser utilizado em qualquer uma das atividades avaliadas. Palavras-chave: ambientes laborais, ruído ocupacional, proteção auditiva. 2

4 INTRODUÇÃO No decorrer da história, os homens têm acompanhado a evolução dos conceitos da palavra trabalho, observando que ele se constitui num ato de transformação da natureza: os seres humanos alteram a natureza de acordo suas necessidades. O trabalho gera transformações no corpo dos trabalhadores, tanto de ordem física como mental, além de efeitos positivos e negativos. O desenvolvimento da indústria surgiu com a Revolução Industrial, que foi acompanhada pela implantação de grandes centros de produção com componentes e máquinas industriais geralmente muito ruidosas (MELLO, 1999). Segundo Creppe e Porto (2001), foi na época da Revolução Industrial que iniciaramse as investigações sobre as condições as que os operários eram submetidos, pois o grande número de mão de obra existente e o desejo de grandes lucros levavam a situações onde até mesmo crianças eram compradas de suas famílias para atuarem como mão de obra em parques industriais. Surgia na Inglaterra em 1802, a primeira lei sobre condições de trabalho. Esta lei regulamentou o limite de 12 horas de trabalho por dia para os menores, proibindo seu trabalho noturno, obrigava os empregadores a lavar as paredes das fábricas uma vez por ano, bem como exigia a ventilação das mesmas. Esta lei foi fundamental para a melhoria das condições de trabalho. Dentre os agentes que agridem o trabalhador, o ruído excessivo tem recebido um grande destaque nas últimas décadas, já que é uma conseqüência do desenvolvimento das cidades. Segundo a Organização Mundial de Saúde (WHO, 1999), a partir de 55 decibéis os efeitos da poluição sonora já aparecem, tendo como sintoma um leve estresse e a partir de 70 db em muitos indivíduos já aparecem os sintomas que indicam prejuízos à saúde. Muitas pessoas não percebem é que são os níveis de ruídos moderados os responsáveis por grande parte dos problemas auditivos. Isso porque eles são toleráveis e aparentemente adaptáveis pela audição humana, devido ao ritmo da vida moderna. Uma pesquisa realizada por Yorg e Zannin (2003) pode exemplificar este fato, quando várias pessoas foram questionadas se os níveis de ruído encontrados em seu ambiente laboral e/ou em seu ambiente urbano, produzia alguma espécie de incômodo, a resposta freqüente foi: "...Nós já estamos acostumados a estes ruídos, com o tempo a gente se acostuma...". Respostas dessa natureza demonstram claramente que a exposição contínua ao ruído não é mais considerada como algo incômodo. Os problemas causados por excesso de ruído, como fadiga, perturbação do sono, problemas cardiovasculares, perdas auditivas, irritabilidade, estresse, alergias, distúrbios 3

5 digestivos, úlceras, falta de concentração, entre outros, prejudicam a saúde e o bom desempenho nas atividades profissionais (DANI e GARAVELLI, 2001). Para Gerges (2000), o primeiro efeito fisiológico de exposição a elevados níveis de ruído, é a perda de audição na faixa de freqüências entre 4000 e 6000 Hz. Normalmente o efeito é acompanhado pela sensação de percepção do ruído após o afastamento da fonte ruidosa. Este efeito é temporário e o nível original do limiar da audição é recuperado. Esta é a chamada mudança temporária do limiar de audição (MTLA) e qualquer redução na sensibilidade de audição é considerada como perda de audição (GERGES, 2000). A exposição contínua a altos níveis de pressão sonora pode acarretar: Se a exposição ao ruído é repetida antes da completa recuperação, a perda temporária da audição pode tornar-se permanente não apenas nas freqüências citadas, mas em freqüências maiores e menores (GERGES, 2000; pág. 46). REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Som As ondas sonoras possuem natureza mecânica, o que significa que se propagam devido às forças elásticas atuantes sobre as partículas do meio. De acordo com Resnick, Halliday e Krane (2003), as ondas mecânicas propagam-se através de qualquer meio, seja ele sólido, liquido e gasoso, sendo que nestes dois últimos, as ondas sonoras só podem ser longitudinais (pelo fato dos fluidos não suportarem forças de cisalhamento), consequentemente as partículas do meio sempre oscilarão nas mesma direção de propagação da onda. Segundo Young e Freedman (2004) a velocidade de uma onda mecânica depende inteiramente das propriedades do meio, podendo ser escrita de acordo com a Equação (1) γrt v = (1) M onde: γ é a razão entre as capacidades caloríficas a pressão e a volume constante; R a constante universal dos gases; T a temperatura do meio e M a massa molar do meio de propagação. Podemos concluir que a velocidade do som em um gás é: independente da pressão; diretamente proporcional a T ; inversamente proporcional a M. A velocidade do som no ar a 300 K é de aproximadamente 332 m/s. O aumento da frequência produz uma redução no comprimento de onda, de tal forma que o produto da Equação (2) permanece constante 4

6 v = λf (2) Dentro da faixa de freqüências de 20 até Hz as ondas sonoras são audíveis. Nível de intensidade sonora o decibel (db) A resposta do ouvido humano à variações de intensidades sonoras é aproximadamente logarítmica, então para Resnick, Halliday e Krane (2003), é conveniente utilizarmos uma escala dessa natureza que é chamada de nível de intensidade sonora (NIS), que é definida pela Equação (3) I NIS = 10log (3) O NIS é definido com base em uma intensidade de referência I 0, que é adotada como W (limiar da audição humana). Os níveis de intensidade sonora são medidos em m unidades chamadas decibels (db). I 0 Ruído Ruído pode ser classificado como algo indesejável, porém Bistafa (2006) considera que esse julgamento depende do contexto. Qual o significado do termo indesejável? O que dizer do som de uma serra elétrica? Certamente seria classificado como ruído se alguém estivesse tentando dormir. Porém esse mesmo som teria uma outra classificação no caso de um supervisor de obras da construção civil observando seus subordinados à distância. Para Gerges (2000) som e ruído não são sinônimos. Um ruído é um tipo de som, porém um som não é necessariamente um ruído. Nível sonoro equivalente O potencial de danos à audição de um dado ruído depende não somente de seu nível, mas também de sua duração. Para Gerges (2000) uma exposição de um minuto a 100 db não é tão prejudicial quanto uma exposição de 60 minutos a 90 db. É possível estabelecer um valor único, conhecido como L eq, que é o nível sonoro médio integrado durante uma faixa de tempo especificada. O cálculo é baseado na energia do ruído (ou pressão sonora quadrática). O L eq pode ser definido pela Equação (4) 1 = 10log T 2 P (t) dt P L 2 0 eq (4) 5

7 onde: T é o tempo de integração; P(t) é a pressão acústica instantânea; P 0 é a pressão acústica de referência (2 x 10-5 N/m 2 ). Espectro sonoro A qualidade que permite distinguir um som grave de um som agudo chama-se altura. Assim, costuma-se dizer que o som do violino pode ser alto ou agudo, e o do violoncelo é baixo ou grave. A altura de um som depende de sua frequência. Quanto maior a frequência mais agudo será o som e vice-versa. Bistafa (2006) cita que podem ser considerados graves os sons de frequência inferior a 200 Hz; os médios situados entre 200 e 2000 Hz; e os agudos acima de 2000 Hz. Segundo Bistafa (2006) essa divisão não é rigorosa, mas tem a vantagem de basear-se em números simples. Sons numa única frequência são chamados de tons puros, porém os sons comumente ouvidos dificilmente são tons puros. Na realidade, os sons que escutamos são quase sempre uma combinação de tons puros em diversas frequências. Conhecer o espectro sonoro de um ambiente de trabalho torna-se importante quando Araújo (2002) afirma que as altas freqüências são as mais traumatizantes, desencadeando lesões cocleares, além disso Barros (1998) afirma que o espectro, nível de pressão sonora, tempo e a dose de exposição influenciam nas perdas auditivas. Portanto uma análise dos níveis de ruído e do espectro influencia na escolha do EPI (equipamento de proteção individual) por parte de empresa. As figuras 1 e 2 mostram como são os protetores tipo abafador (concha) e inserção (plugue). Figura 1: Protetor concha. Disponível em 6

8 Figura 2: Protetor plugue. Disponível em A figura 3 mostra a atenuação dos protetores tipo plugue e tipo concha. Figura 3: Atenuação dos protetores. Fonte: Berger, apud: Bistafa, 2006, pág Com adaptações. A figura 3 mostra que para regiões inferiores a 500 Hz o protetor tipo plugue apresenta uma maior atenuação. Nas faixas entre 500 e 2000 Hz a atenuação do protetor tipo plugue é maior. Nas regiões acima de 2000 Hz as atenuações de ambos protetores praticamente se equivalem. Bandas de frequências Equipamentos de medição acústica normalmente fornecem o espectro sonoro em bandas ou faixas de frequências. Bistafa (2006) considera que um dos parâmetros que caracterizam a banda de frequência é a sua largura. A largura pode ser larga ou estreita, dependendo da instrumentação utilizada, o espectro de banda estreita pode ser obtido com a largura de 1 Hz, e até menor. O espectro de banda larga pode ser obtido com a largura constante ou variável. Um espectro de banda larga com a largura variável bastante utilizado é o de bandas de oitava, 7

9 em que a largura de cada banda é aproximadamente 70% da frequência central. Assim, para a frequência central de 1000 Hz, a largura da banda é de 700 Hz. Filtros ponderadores Também denominados simplesmente de ponderadores, para Bistafa (2006) são utilizados para modificar o espectro sonoro de acordo com a resposta do sistema auditivo às freqüências contidas no som. Os medidores de nível de pressão sonora incorporam filtros ponderadores que tentam aproximar a sensação subjetiva de intensidade dos sons, a grandeza fornecida, no entanto, continua sendo o nível de pressão sonora só que ponderado. A figura 4 mostra como as curvas de cada modo de compensação. A desenfatiza as baixas freqüências e reproduz a sensibilidade humana; B ênfase um pouco maior para as baixas freqüências; C quase plana; D desenvolvida para avaliação de ruídos de sobrevôos de aeronaves (penaliza altas freqüências). Figura 4: Circuitos de compensação A,B,C e D. Fonte:Bistafa 2006, Sabe-se que a ponderação A apresenta as maiores atenuações para freqüências inferiores a 1000 Hz, seguida da ponderação B, com a ponderação C apresentando as menores atenuações. 8

10 Uma forma de se deduzir o conteúdo de freqüências do ruído medido consiste em comparar os valores obtidos com as três ponderações. Caso esses valores estejam próximos, o ruído é predominantemente composto por freqüências acima de 600 Hz, aproximadamente. Caso os valores obtidos com as ponderações B e C forem maiores do que com a ponderação A, o ruído apresenta componentes significativas nas freqüências abaixo de 600 Hz. Para Gerges (2000), os níveis mostrados na figura 4 são relativos, para um NPS de 70 db em 1000 Hz, por exemplo, o ouvido humano percebe integralmente 70 db(a), entretanto, se este nível está em 50 Hz, o ouvido humano percebe um NPS 70-30,2 = 39,8 db(a). Dose De acordo com Gerges (2000) a dose é o parâmetro utilizado para caracterização da exposição ocupacional ao ruído, expresso em porcentagem de energia sonora. A exposição a níveis diferentes é considerada dentro dos limites permitidos da Portaria Brasileira 3.214, se o valor de Dose Diária de Ruído - D, calculada pela Equação (5), não excede a unidade. C 1 C 2 C 3 C 4 D = T 1 T 2 T 3 T 4 onde: C i é o tempo real de exposição a um específico nível de pressão sonora e T i é o tempo total permitido para o mesmo. Para o cálculo da dose percentual de ruído absorvida diariamente, além da Equação (5), a Equação (6) também pode ser utilizada D = T exp 8 2 (L crit L eq ) q C n T n 100 % (6) onde: T exp é o tempo de exposição; L crit é o nível limiar de integração a partir do qual os valores devem ser computados para fins de determinação da dose de exposição; L eq é o nível médio baseado na equivalência de energia definido pela Equação (4); q é o incremento de dose que quando adicionado a um determinado nível, implica a duplicação da dose de exposição ou a redução para a metade do tempo máximo permitido. Um exemplo para podermos entender o que é o incremento de dose é o seguinte: se utilizarmos o fator q=5, que é o valor utilizado no Brasil e nos EUA, para um L eq de 90 db(a) e uma exposição diária de 8 horas, temos uma dose diária de 200%, caso utilize-se um fator q=3, que é o valor utilizado nos países europeus, para o mesmo L eq de 90 db(a) e tempo de exposição diária de 8 horas, teremos uma dose diária de 317%. (5) 9

11 A Tabela 1 expressa os critérios a serem adotados na análise da dose diária segundo a NR-15 (Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho) que estabelece em seu Anexo N 1, os Limites de Tolerância para Ruído Contínuo ou Intermitente. Tabela 1 Critérios para medição da dose de ruído Parâmetro Valor Jornada 8 horas Ruído para Jornada 85 db Incremento de dose 5 db Circuito de Ponderação A Circuito de Resposta Lenta Nível Limiar de Integração 85 db Faixa de Medição db Os limites segundo a NR-15, são objetos de estudos para verificar sua real eficácia na proteção do trabalhador. Algumas entidades preocupadas com a segurança, como a FUNDACENTRO Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho -, estipulam critérios mais rígidos para a avaliação da exposição pessoal ao ruído. Em sua Norma de Higiene Ocupacional NH0-01, que não possui força de lei, a FUNDACENTRO (1999) recomenda que seja adotado o incremento de dose de 3 db além do nível limiar de integração de 80 db, ou seja, exposições a níveis inferiores a 80 db(a) não são consideradas no cálculo da dose. A FUNDACENTRO também recomenda, que de acordo com o valor constatado pela medição de ruído, sejam adotadas medidas para preservação auditiva dos trabalhadores. A Tabela 2 apresenta estas medidas em função da dose (%) e como estes valores podem ser considerados tecnicamente (CREPPE e PORTO, 2001). Tabela 2 Critério de tomada de decisão (FUNDACENTRO) Dose - % Consideração técnica Atuação recomendada 0 50 Aceitável No mínimo manutenção da condição existente Acima do nível de ação Adoção de medidas preventivas Região de incerteza Adoção de medidas preventivas e corretivas Acima de 100 Acima do limite de exposição Adoção de medidas corretivas Legislação trabalhista Atualmente no Brasil, as condições do ambiente de trabalho são fiscalizadas pelo Ministério do Trabalho ao editar as Normas Regulamentadoras (NRs). Essas normas 10

12 estabelecem as condições mínimas de higiene e segurança que devem ser oferecidas pelos empregadores. Segundo a legislação trabalhista (BRASIL, 1994), todo indivíduo que trabalha ou trabalhará num ambiente com elevados níveis de pressão sonora deve ser submetido a exames audiométricos periódicos, para que o estado de sua audição seja avaliado. O primeiro exame audiométrico é realizado no momento da admissão e este exame é considerado como referencial, pois os exames posteriores serão comparados com ele. As normas trabalhistas indicam os valores máximos de tempo que um trabalhador pode estar submetido a níveis específicos de ruídos. A estimativa do tempo máximo de exposição tolerada T t, ou seja, o tempo máximo permitido sem proteção auditiva pode ser obtida seguindo a Equação (7) t ( L - L ) q crit eq T = 8 2 (7) A Tabela 3 expressa a máxima exposição permissível sem protetor auditivo em função dos níveis de pressão sonora, segundo a NR-15 (Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho). Tabela 3 Máxima exposição diária permissível Nível de Ruído db(a) Máxima Exposição Diária Permissível 85 8 horas 86 7 horas 87 6 horas 88 5 horas 89 4 horas e 30 minutos 90 4 horas 91 3 horas e 30 minutos 92 3 horas 93 2 horas e 40 minutos 94 2 horas e 15 minutos 95 2 horas 96 1 hora e 45 minutos 98 1 hora e 15 minutos hora minutos minutos minutos minutos NOTA: O EPI, segundo as normas trabalhistas, é indicado para níveis e tempos superiores ao da tabela. 11

13 Segundo Bistafa (2006), as normas e legislações que tratam do ruído ocupacional estabelecem limites baseados em um compromisso entre os riscos associados à exposição ocupacional a determinado nível de ruído, e os benefícios que o indivíduo e a sociedade podem retirar do trabalho realizado nessas condições, portanto, as decisões não podem se basear exclusivamente em considerações biológicas. Programa de conservação auditiva (PCA) Quando se pretende realizar o controle dos níveis de ruído, atender a legislação, ou mesmo prever o nível de ruído de uma fábrica, ainda que na fase de projeto, é fundamental a realização de medições. Os resultados vão refletir o futuro de uma empresa e/ou pessoas, além de influenciar nos objetivos, planejamento, investimento e proteção. Pode-se ainda ser citado que um controle dos níveis de pressão sonora gera: Benefício direto: a redução do estresse e fadiga, relacionados à exposição ao ruído, geram um aumento da produtividade do empregado; Manutenção da imagem da empresa: prática de políticas que dizem respeito à saúde e segurança dos funcionários; Redução da rotatividade do quadro de pessoal: a melhoria do relacionamento entre os funcionários torna o ambiente mais agradável, reduzindo gastos extras devidos a novas contratações e treinamentos; Redução de gastos: prevenção de possíveis pagamentos de indenizações. Quando ocorre o afastamento do trabalhador, além de prejudicar o próprio funcionário, gera prejuízos para as empresas, já que na maioria das vezes, não existe mãode-obra treinada para substituir o funcionário acidentado, interferindo assim, nos prazos de entrega dos produtos e levando conseqüentemente a insatisfação da clientela. De acordo com Bistafa (2006), a proteção auditiva deve ser a última iniciativa na redução dos níveis de ruído que chegam até a orelha, além disso, existem normas sobre a utilização e fornecimento de protetores auditivos: a empresa é obrigada a fornecer aos empregados gratuitamente, Equipamento de Proteção Individual adequado ao risco e em perfeito estado de conservação e funcionamento, sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes e danos à saúde dos empregados.(nr-6 da CLT, apud BISTAFA, 2006, pág.345). Segundo Gerges (2000), os EPI s não vedam completamente a passagem do ruído, pois o protetor pode vibrar contra a almofada e o ar dentro da concha. Também, devido à flexibilidade do canal do ouvido, os protetores de inserção (tipo plugue) podem vibrar e 12

14 limitar sua atenuação. Portanto, os dois tipos de protetores (inserção e concha), nas baixas freqüências é limitada a valores que ficam em torno de 6 e 20 db. OBJETIVO Este estudo tem como objetivo avaliar os níveis de pressão sonora (NPS), em determinados ambientes laborais no Distrito Federal, afim de detectar se estes ambientes podem ser considerados como insalubres de acordo com os limites permitidos pela legislação trabalhista. Como objetivos específicos destacam-se: Avaliar o ruído no ambiente em situações normais, com o intuito de evitar qualquer espécie de mascaramento dos resultados. Realizar uma avaliação do espectro sonoro em bandas de oitava, para que o tipo de ruído em cada ambiente possa ser determinado. Identificar, a partir do espectro sonoro de cada ambiente avaliado, o tipo de protetor auditivo a ser utilizado. METODOLOGIA Este estudo fez parte do trabalho da dissertação de mestrado de Borger (2007) numa parceria entre a Universidade de Brasília (UnB) e a Universidade Católica de Brasília (UCB), sendo que o grupo da UCB avaliou e analisou os dados referentes aos níveis de ruído e do espectro sonoro, e o grupo da UnB realizou exames audiométricos nos trabalhadores e analisou a influência do espectro sonoro na perda auditiva dos trabalhadores. No trabalho de Borger (2007) assim como neste, foram avaliadas as condições acústicas em uma marmoraria, marcenaria e uma metalúrgica, e com o intuito de completar o presente estudo e pela facilidade de acesso, foram avaliados os níveis de ruído em ônibus da nova frota que integram o sistema de transporte coletivo do Distrito Federal e num consultório dentário do Curso de Odontologia da UCB. As medidas nas indústrias foram realizadas no mês de maio de 2007, no período da manhã, com uma média de quarenta operários que apresentam uma jornada de trabalho de oito horas por dia. As medidas nos ônibus foram realizadas no mês de junho de 2007, no período da manhã, durante os seguintes trajetos: Riacho Fundo - W3 Sul, W3 Sul - Park Shopping, Park Shopping - Riacho Fundo, onde cada trajeto foi percorrido em aproximadamente 25 minutos, que foi o tempo das medições. 13

15 Foram utilizados os equipamentos SIP95 da 01 db, com tripé e protetor de vento, o uso do protetor de vento sobre o microfone é sempre recomendável a fim de evitar possíveis interferências da velocidade do ar e proteger o microfone contra poeira. O dosímetro de ruído da Pulsar também foi utilizado. Devido a dificuldades burocráticas, os dosímetros não foram utilizados nas medidas no consultório dentário e no interior dos ônibus, porém na indisponibilidade da utilização desses equipamentos a FUNDACENTRO (1999) oferece procedimentos alternativos para outros tipos de medidores não fixados no trabalhador, que podem ser utilizados na avaliação da dose de ruído e para tanto a Equação (6) foi utilizada. Na clínica do Curso de Odontologia da UCB, o medidor de nível de pressão sonora foi posicionado a menos de um metro do profissional, durante o procedimento de uma obturação que durou cerca de 20 minutos. Nas medições no interior dos ônibus, o equipamento foi posicionado próximo ao condutor e consequentemente do motor, evitando ao máximo, qualquer espécie de movimento do equipamento. O L eq (nível de pressão sonora) foi lido em resposta lenta (slow) a cada 1 segundo, no modo de compensação A. Os dosímetros de ruído foram ajustados de forma a atender aos seguintes parâmetros: Circuito de ponderação A ; Circuito resposta lenta (slow); Nível limiar de integração de 85 db(a), que corresponde a uma dose de 100% para uma exposição de 8 horas; Faixa de medição entre 85 e 115 db(a), que significa que níveis abaixo de 85 db(a) não serão considerados, bem como proibida qualquer ocorrência acima de 115 db(a); Incremento de dose igual a 5. Antes de cada medição, os aparelhos foram calibrados e todas as medidas foram realizadas seguindo as recomendações da NBR Também foram verificadas a integridade eletromecânica e coerência da resposta do instrumento bem como as condições de cargas das baterias. Os dosímetros ficaram presos próximos a orelha dos trabalhadores, sem interferir em seus movimentos de tal forma que o ruído a que o mesmo está exposto durante a medição pudesse ser avaliado. Antes da medição foi informado aos trabalhadores: Do objetivo do trabalho; Que a medição não deveria interferir em suas atividades habituais, devendo manter a sua rotina de trabalho; 14

16 Que as medições não efetuariam gravação de conversas; Que o equipamento nele fixado só poderia ser removido pelo avaliador; Que o microfone nele fixado não poderia ser tocado ou obstruído; As medidas foram iniciadas somente após o microfone estar ajustado e fixado no trabalhador e retiradas após a interrupção da medição. Como a medição que foi aproximadamente de quatro horas, não cobriu toda a jornada de trabalho, a dose foi projetada para a jornada diária efetiva de trabalho, determinando-se a dose diária. Os dados referentes a análise do espectro sonoro foram armazenados no SIP 95 e analisados com o programa dbtrait da 01dB. Todos os procedimentos de avaliação interferiram o mínimo possível nas condições ambientais e operacionais características das condições de trabalho em estudo. RESULTADOS E DISCUSSÕES Os resultados obtidos nas avaliações para o parâmetro L eq estão expressos na Tabela 4, assim como o percentual da dose diária e o tempo máximo de exposição permitido pela legislação trabalhista brasileira. Tabela 4- L eq, dose e o tempo de exposição máximo tolerado Ambiente L eq (A) Dose(%) T t (h) Metalúrgica 103,3 1264,1 0,6 Marcenaria 108,5 2599,2 0,3 Marmoraria 104,5 1492,9 0,5 Ônibus 76,5 30,7 26,9 Consultório 67,1 8,3 95,6 Na Tabela 5, estão os valores da análise do espectro sonoro nos ambientes avaliados. Tabela 5- Dados referentes à análise do espectro sonoro nos ambientes avaliados Frequência (Hz) Marmoraria db(a) Marcenaria db(a) Metalúrgica db(a) Ônibus db(a) Consultório db(a) 31,5 73,9 72,1 81,0 60,1 43, ,5 70,8 79,7 63,2 54, ,6 87,3 87,1 67,4 61, ,6 87,6 92,3 70,7 64, ,3 90,1 93,1 68,1 73, ,0 89,4 90,9 70,2 74, ,3 88,0 90,5 68,4 68, ,8 81,6 91,7 62,1 75, ,0 76,7 93,0 51,7 72, ,4 66,9 88,8 39,3 59,4 15

17 Pode-se verificar que os níveis de pressão sonora a que os trabalhadores das indústrias estão submetidos são elevados. O limite máximo para a dose percentual, que deveria ser de 100%, é ultrapassado nas três indústrias. Neste caso, a situação é extremamente preocupante do ponto de vista da qualidade de vida e da saúde ocupacional. Entre os valores encontrados para o L eq nas indústrias e os níveis do espectro sonoro existe uma diferença, já que o dosímetro acompanhou o trabalhador durante toda sua atividade, onde ocorre a operação de várias máquinas, e o medidor de pressão sonora captou o espectro do ruído ambiental, com todas as máquinas em funcionamento no centro de cada pátio, com certa distância das máquinas. Costa (1988) avaliou a audição de 714 metalúrgicos com menos de dez anos de exposição a ruído, pertencentes a três indústrias no interior de São Paulo, e encontrou em 22,9% dos trabalhadores indícios de PAIR (Perda Auditiva Induzida por Ruído). Kwitko e Pezzi (1990) analisaram a audição de 524 trabalhadores de indústrias metalúrgicas de Porto Alegre, e encontraram 246 (46,9%) trabalhadores com PAIR. Lopes et al. (2004) ao analisar marcenarias no Paraná, encontrou que uma serra circular emite níveis de ruído que chegam a 97,5 db(a), seguido pela plaina com 95,2 db(a) e a serra de fita com 93,4 db(a). Venturoli et al. (2003) ao avaliar marcenarias no Distrito Federal, encontrou para essa máquinas um valor de 101,3 db(a), Em marmorarias, não foram medidos esforços para a aquisição de máquinas cada vez mais aperfeiçoadas que cortam e lapidam o mármore e o granito, este último por sua vez, peça fundamental em acabamentos dentro da construção civil, que de acordo com Fernandes e Rossi (2001) são efetuados com peças de grande poder abrasivo que produzem níveis elevados de ruído. Harger e Branco (2004) realizaram um estudo em marmorarias do Distrito Federal, onde foi verificado que em trabalhadores desse tipo de indústria a prevalência de dano auditivo foi de 48% dos trabalhadores que realizaram exames audiométricos, sendo que o maior grau de perda auditiva na freqüência de 6000 Hz. Segundo esses autores é possível que existam diferenças no espectro sonoro entre as máquinas mais antigas e as atuais, ou seja, o tipo de ruído pode mudar à medida que as máquinas se modernizam. Na avaliação dos níveis de ruído no interior dos ônibus, merece destaque que Ribeiro e Garavelli (2004), encontraram 86 db(a) para ônibus que integram o sistema do transporte coletivo do Distrito Federal. Em uma avaliação realizada em setembro de 2006 pela mesma equipe, foi identificada uma predominância de baixas freqüências, porém com um L eq (A) que chegava em alguns casos a 88,7 db(a), pode ser observado que com a substituição de boa parte da frota, as baixas freqüências ainda prevaleceram, porém o L eq (A) encontrado não passou de 76,5 db(a). Esse resultado mostra que um motor em boas 16

18 condições reduz consideravelmente os níveis de ruído no interior dos ônibus do transporte coletivo. Vale a pena ressaltar que os níveis de ruído em um consultório odontológico não são contínuos por oito horas, por isso, a exposição não se assemelha a exposição de outras atividades profissionais avaliadas. Os níveis de ruído encontrados no consultório odontológico podem ser considerados desconfortáveis e como foi observada uma predominância para altas freqüências e Araújo (2002), considera estas como as mais nocivas ao aparelho auditivo. Fiorini (1995) cita que os odontólogos e seus assistentes formam um grupo de profissionais que está particularmente ameaçado pelos efeitos do ruído, pois durante um dia de trabalho passam muito tempo expostos a ruídos de alta freqüência, originários principalmente das turbinas. Coloquialmente conhecidas como brocas. Segundo Gonçalves (1989), os ruídos chegam a provocar uma redução de 60% na produtividade, pois dificultam a concentração, propiciando erros, desperdícios e acidentes por distração. Costa (1989) observou várias fontes de ruído em um consultório odontológico, tais como: compressor de ar, turbina de alta velocidade, sugadores de saliva, além de outros fatores como o som ambiente e ruídos externos. Lacerda et.al. (2002) observou que algumas peças de mão de alta rotação alcançaram 76 db(a). Nogueira (1983), afirma que não se conhecem casos de perda auditiva em dentistas pela utilização de peças de mão, de velocidade média e baixa, porém, as peças de mão com turbina de alta rotação produzem níveis de ruído extremamente altos, que são considerados como causa da perda de audição. Silva (2003) realizou uma pesquisa sobre o impacto da poluição sonora nos usuários do transporte coletivo de Goiânia e constatou que os ônibus chegavam a emitir níveis de ruído em torno de 87,5 db(a), esse autor ao realizar um questionário entre os usuários, observou que 12,5% dos entrevistados consideravam o ruído desconfortável. Filho et al. (2002) estudaram a prevalência da PAIR em 104 condutores de ônibus no município de Campinas, SP. Os resultados mostraram 59,6% com audição normal, 32,7% com perda auditiva induzida por ruído e 7,7% com outras alterações auditivas. Fonseca et al. (1993) avaliaram a exposição ao ruído dos motoristas e cobradores de ônibus urbanos da cidade de São Paulo e constataram que, para os veículos com motor dianteiro, o ruído ultrapassava os limites previstos na legislação trabalhista. De acordo com a FUNDACENTRO (1999) a situação nos ônibus e no consultório é aceitável, já nas indústrias a exposição é elevada, sendo necessária à adoção de medidas corretivas. Ao analisar a Tabela 5, pode ser observado que nas indústrias os maiores níveis de ruído concentram-se na região de 500 Hz, para os ônibus a região de 250 Hz foi a que 17

19 apresentou a maior intensidade, já para o consultório odontológico pode ser verificado que em 4000 Hz foi encontrada a maior intensidade. De posse dessas informações e analisando a figura 3 é possível fazer a escolha do tipo de protetor auditivo que pode ser utilizado em cada atividade, essa sugestão encontra-se na Tabela 6. Tabela 6- Tipo de protetores em cada atividade Atividade Tipo de protetor Marmoraria plugue /concha Marcenaria plugue /concha Metalúrgica plugue/ concha Ônibus plugue Consultório plugue Como os níveis de ruído encontrados para o consultório dentário e no interior dos ônibus não excedem os níveis permitidos pela legislação trabalhista, a proteção auditiva pode ser utilizada para reduzir qualquer espécie de incômodo. Uma outra alternativa para a escolha do EPI pode ser a utilização da Equação (8) db(a) na orelha = db(a) (NRR 7 db) (8) De acordo com Bistafa (2006) o NRR (do inglês Noise Reduction Rating) ou classe de redução de ruído, expresso em decibels, é obtido em laboratório utilizando-se métodos normalizados. Quanto maior o NRR, maior será a atenuação do protetor em ambientes ruidosos. CONSIDERAÇÕES FINAIS De acordo com os resultados obtidos, pode-se concluir que: De maneira geral, o maquinário utilizado nas indústrias, apresenta níveis de ruídos acima do nível estabelecido pela Portaria Nº na NR 15, Anexo 1, sendo portanto, ambientes de trabalho insalubres, tornando obrigatório consequentemente, a utilização de protetores auditivos. Um aspecto importante observado nas indústrias é uma politica de Redução do Ruído Ambiental, além de programas de conservação auditiva com a realização de exames audiométricos periódicos. Na metalúrgica, certas iniciativas para controle de ruído mereceram destaque: a) Máquinas de corte que emitiam níveis elevados de ruído foram substituídas por prensas. b) Nas prensas onde há a queda de materiais, a altura foi reduzida. c) Utilização de tapetes de borracha no piso onde ocorrem impactos. A medição dos níveis de ruído nos postos de trabalho é importante para o redimensionamento da carga horária de trabalho nas atividades analisadas, assim como para a orientação do tipo de EPI que deve ser utilizado. 18

20 A substituição de uma parte considerável da frota de ônibus no Distrito Federal contribuiu para que os níveis de ruído emitidos fossem reduzidos de forma significativa trazendo um maior conforto tanto para usuários quanto para funcionários. A utilização de protetores auditivos para os rodoviários é importante, já que além da redução da exposição do próprio ruído já existente, outros tipos de ruído como: sirenes, buzinas e freadas e carros de som podem vir a acarretar em alguma espécie de desconforto. Apesar dos níveis de ruído encontrados no consultório odontológico não excederem os níveis permitidos pela legislação trabalhista, a proteção auditiva é importante para que acidentes devido à falta de concentração decorrentes ao ruído sejam reduzidos. 19

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira Audição e Trabalho Marcelo Madureira Som Qualquer perturbação vibratória em meio elástico, a qual produz uma sensação auditiva Energia transmitida por vibrações no ar (ou outros materiais) e que causa

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Josevan Ursine Fudoli ENGº CIVIL E DE SEGURANÇA DO TRABALHO HIGIENE OCUPACIONAL RUÍDO Aula

Leia mais

Gestão ambiental e poluição sonora

Gestão ambiental e poluição sonora Gestão ambiental e poluição sonora João Candido Fernandes (UNESP) jcandido@feb.unesp.br Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar os principais problemas causados pela poluição sonora, a forma

Leia mais

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno SOM Isabel Lopes Nunes FCT/UNL toda a vibração mecânica que se propaga num meio elástico (ar, metais, líquidos ), desde que as frequências que a compõem se encontrem dentro de uma determinada faixa audível

Leia mais

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Introdução O ruído pode ser definido como um som desagradável e indesejável que pode afetar

Leia mais

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM POLUIÇÃO SONORA O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM SOM É o resultado de movimentos de flutuação de partículas de ar

Leia mais

ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA

ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA SÉRGIO TAKAHASHI 1 Resumo: O ser humano se for submetido a níveis de ruído acima do tolerável, pode induzir a PAIR (perda auditiva induzida

Leia mais

Trabalho apresentado no SEMINÁRIO DE PERÍCIAS TRABALHISTAS Florianópolis, 7 a 9 de setembro de 2.006. ACEST/ANEST MARCELO FONTANELLA WEBSTER/UFSC

Trabalho apresentado no SEMINÁRIO DE PERÍCIAS TRABALHISTAS Florianópolis, 7 a 9 de setembro de 2.006. ACEST/ANEST MARCELO FONTANELLA WEBSTER/UFSC Trabalho apresentado no SEMINÁRIO DE PERÍCIAS TRABALHISTAS Florianópolis, 7 a 9 de setembro de 2.006. ACEST/ANEST DEFINIÇÕES: SOM - Fenômeno acústico que consiste na propagação de ondas sonoras produzidas

Leia mais

Nível de pressão sonora de um consultório odontológico: uma análise ergonômica

Nível de pressão sonora de um consultório odontológico: uma análise ergonômica Adriana Lacerda et al. 17 Nível de pressão sonora de um consultório odontológico: uma análise ergonômica Adriana Lacerda (Doutoranda) Curso de Fonoaudiologia Universidade Tuiuti do Paraná Sandra Cristina

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Gerência de Pesquisa e Pós-Graduação ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA

Leia mais

Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil

Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil Paulo Alves Maia FUNDACENTRO / Campinas Introdução O ruído gerado nos canteiros de obra

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva O ouvido humano pode ser separado em três grandes partes, de acordo com

Leia mais

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem 71 Capítulo 9 Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem Nos últimos anos, os altos níveis de ruído se transformaram em uma das formas de poluição que atinge maior número de pessoas. A poluição sonora

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN Carmem

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Curso de Engenharia de Segurança do Trabalho Disciplina: Higiene do Trabalho III Aula 47

Leia mais

Perda Auditiva Induzida por Ruído

Perda Auditiva Induzida por Ruído AUDIÇÃO E TRABALHO Audição e Trabalho Ouvir é essencial para a comunicação verbal. É pela audição que percebemos os sons e temos uma boa orientação ambiental. A audição é um canal importante de entrada

Leia mais

O Ruído e sua Medição

O Ruído e sua Medição 61 Capítulo 8 O Ruído e sua Medição 1. - Introdução Como já vimos no capítulo 2, podemos definir Ruído, de maneira subjetiva, como toda sensação auditiva desagradável, ou fisicamente, como todo fenômeno

Leia mais

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma fixa as condições exigíveis para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades. Ela especifica um

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F. B. Moreira O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da

Leia mais

Engenharia Automotiva Parte II

Engenharia Automotiva Parte II Engenharia Automotiva Parte II PROF. KEY FONSECA DE LIMA 2 0 1 1 Medições de Ruído AMBIENTAL Levantamento ponto a ponto com medições instantâneas para conhecimento do perfil do ruído na área; Rastreamento

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais

PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS

PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS Camilla Missio 1 ; Jorge Wilson Cortez 3 ; Wellytton Darci Quequeto 2 ; Leonardo Maldaner 2 ; Anamari Viegas de Araujo Motomiya 3 UFGD/FCA Caixa Postal

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão PROGRAMAÇÃO 18/08 - Apresentação

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA ARMANDO CAMPOS

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA ARMANDO CAMPOS PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA LEGISLAÇÃO E NORMAS: RUÍDO CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO - CAPÍTULO V NORMA REGULAMENTADORA 15 - NR 15, ANEXOS 1 E 2 (LIMITES DE TOLERÂNCIA) DECRETO 3048/1999 - INSS

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO Formadora - Magda Sousa O Ruído no Meio Ambiente O problema do Ruído no meio ambiente tem-se tornado, cada vez mais, numa

Leia mais

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes RUÍDO Trabalho Elaborado por: Bruno Pereira nº 13791 Engenharia Mecânica Fábio Oliveira nº 15434 Engenharia Química Filipe Ataíde nº 15909 Engenharia Química Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 6 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 6 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 6 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Propósito (Objetivo) do Programa O propósito (objetivo) do programa de Conservação

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO Contratante: Sistema Ribrane de Ensino Ltda ME Praça Padre Tavares, 46 - Centro Avaré - SP. Responsável Técnico: Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA:

Leia mais

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente Ruído Como se define Define-se ruído, como sendo um som sem interesse ou desagradável para o auditor. O ruído (som) pode ser mais ou menos intenso, composto por uma só tonalidade ou composto por várias

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO: ANÁLISE COMPARATIVA DOS RUÍDOS EM UMA OFICINA MECÂNICA E RECAPAGEM EM FORMIGA-MG MARCELO CARVALHO RAMOS 1, FERNANDA MOREIRA LOPES ASSUMPÇÃO 2, JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE PRESSÃO SONORA Conforme Resolução CONAMA 001/90 CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S/A ESTALEIRO E BASE NAVAL DO PROJETO PROSUB - ITAGUAÍ/RJ

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS GARÇONS À EXPOSIÇÃO DA PRESSÃO SONORA EM AMBIENTES FECHADOS COM MÚSICA AO VIVO

AVALIAÇÃO DOS GARÇONS À EXPOSIÇÃO DA PRESSÃO SONORA EM AMBIENTES FECHADOS COM MÚSICA AO VIVO AVALIAÇÃO DOS GARÇONS À EXPOSIÇÃO DA PRESSÃO SONORA EM AMBIENTES FECHADOS COM MÚSICA AO VIVO Felyppe Blum Goncalves (UTFPR) felyppeblumg5@hotmail.com Rodrigo Eduardo Catai (UTFPR) catai@utfpr.edu.br LUISA

Leia mais

CÉSAR DINIZ ROLDÃO NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA EM BANDAS MILITARES NO DF

CÉSAR DINIZ ROLDÃO NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA EM BANDAS MILITARES NO DF UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso de Física NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA EM BANDAS MILITARES NO DF Autor: César Diniz Roldão Orientador: Prof.

Leia mais

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Conceito Poluição sonora é qualquer alteração nas características do som ambiente provocada por ruídos. Som e Ruído SOM É o resultado

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 8 da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

Propriedades Físicas do Som

Propriedades Físicas do Som 12 Capítulo 2 Propriedades Físicas do Som 1. - Introdução O som é um fenômeno vibratório resultante de variações da pressão no ar. Essas variações de pressão se dão em torno da pressão atmosférica e se

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Palavras Chaves: Perda auditiva induzida por ruído, audição, militares. Introdução

Leia mais

Prova Discursiva de SST Professor Flávio Nunes

Prova Discursiva de SST Professor Flávio Nunes QUESTÃO 13: A empresa Cabeça de Prego Metalúrgica Ltda. possui, no setor de produção de pregos metálicos de duas cabeças, diferentes máquinas e equipamentos, que são operadas por trabalhadores capacitados.

Leia mais

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares Treinamento de Prot. Auditiva Treinamento aos usuários de protetores auriculares 1 Objetivo Reconhecer o agente físico ruído Conhecer os efeitos à saúde causado por exposição ao ruído Conhecer os tipos

Leia mais

RUÍDO E SEUS EFEITOS NO HOMEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL

RUÍDO E SEUS EFEITOS NO HOMEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL VII ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO QUALIDADE NO PROCESSO CONSTRUTIVO 27 A 30 DE ABRIL DE 1998 FLORIANÓPOLIS - SC ANTAC NÚCLEO DE PESQUISA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva

Leia mais

Imagens Ilustrativas. Proteção Auditiva Pense no que é importante

Imagens Ilustrativas. Proteção Auditiva Pense no que é importante Imagens Ilustrativas Proteção Auditiva Pense no que é importante 1 Proteção auditiva Vivemos em um mundo ruidoso. Não podemos vê-los, porém sabemos que os sons inconvenientes estão presentes diariamente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RUÍDO NA ÁREA CENTRAL DE IJUÍ, RS1

AVALIAÇÃO DO RUÍDO NA ÁREA CENTRAL DE IJUÍ, RS1 AVALIAÇÃO DO RUÍDO NA ÁREA CENTRAL DE IJUÍ, RS1 Jaciele Schirmer Strieder 2, Luiza A. U. Scortegagna 3, Thiana D. Herrmann 4, Raquel Kohler 5. 1 Pesquisa Institucional desenvolvida no Departamento de Ciências

Leia mais

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI Prezados(as); Informamos que foi publicada no DOU de hoje, seção 1, páginas 110 e 111 a Portaria MTE n.º 1.297, de 13 de agosto de 2014, que aprova o Anexo 1 - Vibração - da Norma Regulamentadora n.º 9

Leia mais

EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1

EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1 1 EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1 RESUMO. Os efeitos do ruído decorrentes do desenvolvimento tecnológico alcançado pela Sociedade atual, não podem mais ser relegados

Leia mais

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO Francisco Dornelles FUNDACENTRO PRESIDÊNCIA Humberto Carlos Parro DIRETORIA

Leia mais

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação;

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação; O SOM Segundo a Diciopédia, o som pode ser: 1. Física: sensação auditiva produzida por vibrações mecânicas de frequência compreendida entre determinados valores (20 e 20 000 vibrações por segundo, em média);

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M4 D3 HIGIENE DO TRABALHO III GUIA DE ESTUDO PARTE II EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO RUÍDO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M4 D3 HIGIENE DO TRABALHO III GUIA DE ESTUDO PARTE II EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO RUÍDO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M4 D3 HIGIENE DO TRABALHO III GUIA DE ESTUDO PARTE II EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO RUÍDO AULA 47 PROFESSOR AUTOR: ENG. JOSEVAN URSINE FUDOLI PROFESSOR

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA 1ª edição 2009 2ª edição 2013 3ª edição 2014 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro Mecânico. Engenheiro de Segurança do Trabalho. Advogado. Mestre em meio

Leia mais

PROTEÇÃO AUDITIVA PONHA EM DIA SUA. e mais... aprenda a se proteger corretamente dicas para adquirir seu protetor auditivo. www.racconet.com.

PROTEÇÃO AUDITIVA PONHA EM DIA SUA. e mais... aprenda a se proteger corretamente dicas para adquirir seu protetor auditivo. www.racconet.com. www.racconet.com.br n 31 seu informativo de segurança Infoseg n 31 PONHA EM DIA SUA PROTEÇÃO AUDITIVA aprenda a se proteger corretamente dicas para adquirir seu protetor auditivo e mais... foto cedida

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA 1ª edição 2000 2ª edição 2001 3ª edição 2004 4ª edição 2008 5ª edição 2009 6ª edição 2011 7ª edição 2013 8ª edição 2014 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA 1ª edição 2000 2ª edição 2001 3ª edição 2004 4ª edição 2008 5ª edição 2009 6ª edição 2011 7ª edição 2013 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro Mecânico; Engenheiro

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG Análise descritiva da poluição sonora na área central da cidade de Governador Valadares- MG Governador Valadares,

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

COMUNICADO/SOLICITAÇÃO

COMUNICADO/SOLICITAÇÃO COMUNICADO/SOLICITAÇÃO Nos dias 5, 6 e 7 de novembro de 2013, na Universidade Aberta do Brasil Polo/UAB Imperatriz, será realizado o Curso de Medição e Avaliação de Ruído Ambiental, a ser ministrado pelo

Leia mais

Engenharia Automotiva Parte I

Engenharia Automotiva Parte I Engenharia Automotiva Parte I PROF. KEY FONSECA DE LIMA 2 0 1 1 Som Definições Básicas Som Se caracteriza por flutuações em um meio elástico (sólido, líquido ou gasoso). É a parte da vida diária como uma

Leia mais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais Introdução ao Ruído Vibrações e Ruído (10375) 2014 Tópicos Som. Pressão Sonora e Potência Sonora. Níveis Sonoros. 2 1. Som O som pode ser definido como uma manifestação positiva resultante da variação

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVII Ruído um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização

Leia mais

Matéria: Técnicas de medição Aula 7 - Ruido Parte 02

Matéria: Técnicas de medição Aula 7 - Ruido Parte 02 Página1 Nível de Pressão Sonora Decibel Como o ouvido humano pode detectar uma gama muito grande de pressão sonora, que vai de 20 μ Pa até 200 Pa (Pa = Pascal), seria totalmente inviável a construção de

Leia mais

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR Perda Auditiva Induzida Disciplina Medicina Social e do Trabalho MLS 0412 Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Graduação 3º Ano Grupo A1 Trata-se de uma perda auditiva do tipo neuro-sensorial,

Leia mais

O nível de ruído próximo aos motoristas de ônibus urbano na cidade de Porto Alegre, RS

O nível de ruído próximo aos motoristas de ônibus urbano na cidade de Porto Alegre, RS O nível de ruído próximo aos motoristas de ônibus urbano na cidade de Porto Alegre, RS Alessandro Giuliani 1 Resumo Apesar das grandes vantagens propiciadas pelo avanço tecnológico, o progresso tem trazido

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas, entre pessoas

Leia mais

GUSTAVO HENRIQUE FREIRE RODRIGUES CONFORTO ACÚSTICO NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UCB

GUSTAVO HENRIQUE FREIRE RODRIGUES CONFORTO ACÚSTICO NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UCB UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso de Física Conforto Acústico na Biblioteca Central da UCB Autor: Gustavo Henrique F. Rodrigues Orientador:

Leia mais

Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014

Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014 Pontos fundamentais para o êxito de programas relacionados a riscos ambientais Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014 Histórico ANEXO I do QUADRO II NR 7 (Port. 19-04/1998

Leia mais

Artigo. Desempenho acústico de divisórias para escritórios

Artigo. Desempenho acústico de divisórias para escritórios Artigo Desempenho acústico de divisórias para escritórios Raros escritórios comerciais não possuem divisórias para definir ambientes. Trata-se de um elemento arquitetônico versátil, com boas opções de

Leia mais

O RUÍDO AERONÁUTICO E OS EFEITOS NA SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS DO AEROPORTO SANTA GENOVEVA E DE GUARULHOS

O RUÍDO AERONÁUTICO E OS EFEITOS NA SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS DO AEROPORTO SANTA GENOVEVA E DE GUARULHOS O RUÍDO AERONÁUTICO E OS EFEITOS NA SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS DO AEROPORTO SANTA GENOVEVA E DE GUARULHOS JACQUELINE COSTA SANTOS HUMBERTO CÉSAR MACHADO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS http://sites.pucgoias.edu.br/home/

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

----- CARTILHA ORIENTATIVA ----- ------- Agente Físico: RUÍDO ------- Ilustração: Beto Soares - Foto Revista Proteção

----- CARTILHA ORIENTATIVA ----- ------- Agente Físico: RUÍDO ------- Ilustração: Beto Soares - Foto Revista Proteção Membros do Comitê Cícero Firmino da Silva STIG de Taubaté e Vale do Paraíba José Augusto de Oliveira STIG do Estado do Paraná; Marcelo de Souza Marques STIG de Jundiaí e Região; ----- CARTILHA ORIENTATIVA

Leia mais

Qualidade ambiental em Shoppings Centers: uma análise dos Níveis de Pressão Sonora - NPS

Qualidade ambiental em Shoppings Centers: uma análise dos Níveis de Pressão Sonora - NPS Qualidade ambiental em Shoppings Centers: uma análise dos Níveis de Pressão Sonora - NPS Ademir Batista CASTORINO 1 ; Eguimar Felício CHAVEIRO 2 ; Juliana Ramalho BARROS 3 1 Instituto de Estudos Sócio

Leia mais

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico.

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico. PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO Aleciane Aleni Thomazi 1 Dr. Euclides Antônio Pereira Lima 2 RESUMO A perda auditiva em ambientes de trabalho é a alteração mais frequente à saúde dos trabalhadores

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 18 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Grandes realizações são possíveis quando se dá atenção aos pequenos

Leia mais

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 1 Programa de Recuperação de Espaços Didáticos Pró-Reitoria de Graduação MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 2 1. INTRODUÇÃO Adotou-se um processo de trabalho convencional, de desenvolvimento

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro Saúde e segurança marceneiro. A preocupação com o bem-estar, a saúde e a segurança do marceneiro no trabalho, vem crescendo no decorrer dos últimos anos, pois, quando o trabalho representa apenas uma obrigação

Leia mais

CONTROLE DE RUÍDO. Samir N. Y. Gerges

CONTROLE DE RUÍDO. Samir N. Y. Gerges CONTROLE DE RUÍDO Samir N. Y. Gerges Supervisor do Lab. de Ruído Industrial Universidade Federal de Santa Catarina Dept. Engenharia Mecânica Cx.P. 476 Florianópolis SC Tel: (048) 2344074 Fax: (048) 2334455

Leia mais

Qualificação Profissional (Capacitação)

Qualificação Profissional (Capacitação) Qualificação Profissional (Capacitação) M.SC Rogério Dias Regazzi Mestre em Metrologia e Qualidade Industrial PUC-Rio Engenheiro de Segurança do Trabalho e Ambiental Engo Mecânico e de Instrumentação e

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO NA AVENIDA COLOMBO EM MARINGÁ-PR.

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO NA AVENIDA COLOMBO EM MARINGÁ-PR. AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO NA AVENIDA COLOMBO EM MARINGÁ-PR. Laurence Damasceno de Oliveira 1, Camila Fernanda Giannini 2, Paulo José Moraes Monteiro

Leia mais

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL EM AUDIOMETRIA INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION (ISO) 8253-1 Versão 2010 Neste material você encontrará informações sobre a ISO 8253 Parte 1 versão 2010 e sua relação

Leia mais

POLUIÇÃO SONORA. Ricardo E. Musafir Depto. Recursos Hídricos e Meio Ambiente/EP e Prog. Eng. Mecânica/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro

POLUIÇÃO SONORA. Ricardo E. Musafir Depto. Recursos Hídricos e Meio Ambiente/EP e Prog. Eng. Mecânica/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro POLUIÇÃO SONORA Ricardo E. Musafir Depto. Recursos Hídricos e Meio Ambiente/EP e Prog. Eng. Mecânica/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro 1. Introdução Fevereiro, 2014 (v. 2.2) O ruído é um fator

Leia mais

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA INTRODUÇÃO À ACÚSTICA 1. Introdução As sociedades industriais com o seu desenvolvimento tecnológico têm contribuído para o aumento dos níveis de ruído, sendo um dos principais factores de risco para a

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS 1. OBJETO 1.1 Prestação de serviços técnicos especializados em Engenharia de segurança do Trabalho, de modo a elaborar o Programa de Prevenção de Riscos

Leia mais

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do

Leia mais

Análise dos níveis de ruído em máquinas florestais no estado Paraná

Análise dos níveis de ruído em máquinas florestais no estado Paraná Análise dos níveis de ruído em máquinas florestais no estado Paraná David Yuri Stocco (UTFPR) angimedi@terra.com.br Rodrigo Eduardo Catai (UTFPR) catai@utfpr.edu.br Jayme Passos Rachadel (UTFPR) jaymerachadel@terra.com.br

Leia mais

NR-15 (Texto para Consulta Pública)

NR-15 (Texto para Consulta Pública) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para alteração da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

RISCOS OCUPACIONAIS NA ÁREA CONTAMINADA DE UMA LAVANDERIA HOSPITALAR

RISCOS OCUPACIONAIS NA ÁREA CONTAMINADA DE UMA LAVANDERIA HOSPITALAR RISCOS OCUPACIONAIS NA ÁREA CONTAMINADA DE UMA LAVANDERIA HOSPITALAR Josiane Arsego (UNISUL) josiane@floripa.com.br Ângela Regina Poletto (CEFET/UFSC) arpoletto@hotmail.com Eliete Medeiros (UNISUL) elietemedeiros@yahoo.com.br

Leia mais

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express Apresentação 2 PPRA perguntas & respostas 3 PCMSO perguntas & respostas 5 Links Úteis 6 apresentação

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

Relatório de Segurança e Medicina do Trabalho. Ciretran de Vitória/ES. Adendo

Relatório de Segurança e Medicina do Trabalho. Ciretran de Vitória/ES. Adendo Relatório de Segurança e Medicina do Trabalho Ciretran de Vitória/ES Ciretran Vitória/ES, situado à Avenida Nossa Senhora da Penha, nº1388, Vitória - ES foram encontradas várias condições inadequadas de

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais