DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM E A DESORDEM DE PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM E A DESORDEM DE PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL"

Transcrição

1 DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM E A DESORDEM DE PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL Raquel Lemes Lourenço de Oliveira Vittorazzo 1 Regiane Banzzatto Bergamo 2 RESUMO Esta pesquisa foi realizada com o intuito de compreender os aspectos que envolvem a aprendizagem de uma criança portadora de Desordem do Processamento Auditivo Central, pois esta desordem pode influenciar diretamente no processo de aprendizagem, significando um obstáculo funcional, que, por sua vez, interfere no desenvolivmento cognitivo, não permitindo que o indivíduo faça relações coerentes entre o conhecimento que possui e novas informações. A metodologia adotada voltou-se para uma investigação educacional de forma qualitativa relacionada às características e atitudes que uma aluna portadora de Desordem do Processamento Auditivo em processo de inclusão e as concepções dos profissionais que trabalham com a mesma. A investigação foi realizada em uma instituição de Educação Básica, bilíngüe, promovendo intervenções pedagógicas junto a uma aluna portadora da referida desordem, como também por meio de questionários envolvendo professores que a atendem no contexto escolar, e, foi possível levantar uma série de questões que envolvem o processo de desenvolvimento e aprendizagem de portadores de Desordem do Processamento Auditivo, uma vez que apresentam dificuldades de aprendizagem em diferentes níveis, as quais estão relacionadas diretamente ao obstáculo funcional acarretada pela desordem. Palavras-chave: aprendizagem, Desordem do Processamento Auditivo. 1 Licenciada em Pedagogia PUCPR/ Professora da PUCPR, orientadora da pesquisa.

2 468 Introdução O presente estudo foi realizado com o intuito de compreender os aspectos que envolvem a aprendizagem de uma criança portadora de Desordem do Processamento Auditivo. Os aspectos abordados estão ligados a realidade escolar, sendo explicitado o desempenho e as características da aluna neste ambiente, embora o âmbito familiar seja indispensável e influencie no desempenho acadêmico da criança, para que o leitor possa ter uma visão ampliada quanto à realidade vivenciada dentro da escola, podendo analisar outras situações que envolvam fatores semelhantes. Durante o período que cursava Pedagogia, tive a oportunidade de desenvolver um trabalho pedagógico junto a uma aluna que apresentava um diagnóstico de Desordem do Processamento Auditivo, a qual freqüentava uma escola de Educação Básica Bilíngüe, no município de Curitiba. A partir deste contexto buscou-se pesquisar as características e atitudes de portadores de Desordem do Processamento Auditivo em processo de inclusão e as concepções dos profissionais que atuam junto a estes alunos. As dificuldades de aprendizagem que emergem no contexto escolar vêm sendo foco de estudos cada vez mais profundos, pois propiciam um campo abrangente de pesquisas e aprofundamentos teórico-práticos. Uma das causas destas dificuldades é a Desordem do Processamento Auditivo, que gera na criança obstáculos que impedem que a aprendizagem ocorra normalmente. É evidente que as pessoas não aprendem no mesmo ritmo, nem do mesmo modo, nem tão pouco têm acesso aos mesmos recursos, mas o que se espera é que a aprendizagem seja

3 469 efetiva na vida de todo ser humano, o que nem sempre ocorre da forma esperada, não atendendo, assim, as expectativas da prórpria pessoa, da família e da escola. Desordem do Processamento Auditivo: conceito Atualmente há um alto índice de crianças que apresentam dificuldades de aprendizagem no âmbito escolar. A escola, por sua vez, lida com causas diversificadas e, com isso, apresenta soluções específicas para cada caso, levando em consideração os sucessos anteriormente alcançados. A Desordem do Processamento Auditivo não está sendo compreendido pelas escolas, pois os casos de comprovação da mesma ainda representam novidade. Fonoaudiólogos e psicopedagogos têm feito um bom trabalho de conscientização e divulgação a respeito do diagnóstico, tratamento e ações que devem envolver as crianças portadoras desta desordem. Katz & Wilde (apud LE BOURLEGAT, 2001, p. 40) definem a desordem do processamento auditivo como (...) uma construção que fazemos em cima do sinal auditivo para tornar a informação funcionalmente útil, envolvendo não somente a percepção dos sons, mas também, como aplicamos nosso conhecimento para entender melhor a mensagem, e como integramos e associamos a informação auditiva com estímulos visuais, e outros estímulos sensoriais. Para que o termo Desordem do Processamento Auditivo possa ser compreendido, é necessário traçar um caminho que caracterize a função auditiva e expresse a importância de desenvolver a percepção auditiva. A função auditiva diz respeito ao significado que os sons trazem ao homem, expressando uma imagem daquilo que pode vir a ser um sinal de conforto ou de perigo. Nesta perspectiva Le Bourlegat (2001, p. 20) afirma que

4 470 (...) todo o sistema de comunicação é desenvolvido e estruturado através da habilidade que o homem apresenta em distinguir e reconhecer o significado dos sons, em conjunto com sua capacidade em produzir e simbolizar uma grande variedade deles através da fala. A comunicação é essencial para a vida, mas esta depende de funções auditivas bem desenvolvidas para que ocorra com sucesso, sendo imprescindível que a acuidade e o processamento auditivo estejam sendo observados e estimulados constantemente desde o início da vida da criança. Ao diagnosticar uma deficiência auditiva ou uma desordem no processamento auditivo nos primeiros meses ou anos de vida, a possibilidade de que os cuidados e as medidas tomadas levem a diminuição ou eliminação das conseqüências tornam-se muito maior. Por sua vez, a percepção faz parte do ser humano desde sua vida intrauterina, pois desde o ventre, o bebê é capaz de sentir o que a mãe sente, de ouvir sons que a mãe e o meio produzem, de receber carinho ou rejeição, enfim, o feto percebe o mundo que o cerca e também aprende com isso. Machado (2001, p. 21) utiliza o termo cognitivismo, atribuindo à percepção uma nova semântica, deixando de ser estritamente relacionada aos órgãos dos sentidos visão, audição, tato, paladar e olfato e passando a ser vista, também, como representação mental do estímulo recebido. Portanto, o bebê cria vínculos com o mundo por meio dessas representações. é Geert (apud MACHADO 2003, p ) afirma que o processo de percepção (...) uma relação transformadora contínua entre o mundo externo percebido e a energia física que atua na mente. (...) a relação cognitiva entre o homem e o mundo é chamada de percepção, assim como uma relação conceitual é chamada de pensamento, ou uma relação afetiva é chamada de amor. Percepção é, portanto, um termo que se refere à existência de um relacionamento de base somática (sensorial) entre um organismo vivo e o universo, num sentido de conhecer e reconhecer fatos.

5 471 Cada indivíduo percebe o mundo e o universo ao qual está inserido, de acordo com o tipo de relação que é capaz de criar. Da mesma forma ocorre a percepção auditiva, o indivíduo perceberá auditivamente aquilo que suas experiências anteriores puderem lhe fornecer de base para novas relações. O processamento auditivo utiliza as percepções que o indivíduo tem dos sons ao seu redor, tranformando-os em mensagens. Se o indivíduo ouve, tem acuidade auditiva, processa os sons e transforma-os em informações relevantes para si e/ou para o meio, possui o processamento auditivo central natural, ou seja, apresenta um funcionamento morfofisiológico correto. Quanto a Desordem do Processamento Auditivo, não basta referir-se ao conceito de processamento auditivo de forma inversa, pois a referida desordem é muito mais profunda, atingindo indivíduos inteligentes, que se deparam com dificuldades de aprendizagem por motivos funcionais e não mentais. Neste sentido, Katz e Wilde (apud LE BOURLEGAT, 2001, p. 41), esclarecem que Um déficit de processamento auditivo, (...), estará presente quando o indivíduo não é capaz de utilizar plenamente o sinal ouvido, não atingindo o potencial total das habilidades auditivas. Afirmam ainda que, este déficit não depende da idade ou da inteligência do indivíduo, independente da presença ou não de um retardo mental ou, de outros comprometimentos cognitivos. Como foi expresso na citação acima, a desordem do processamento auditivo central não permite que o sujeito utilize plenamente o sinal auditivo. Desta forma, o indivíduo passa a ter um déficit em todos os âmbitos que necessitam de comunicação. Analisando esta realidade, e sobrepondo-a ao âmbito escolar, Pereira (apud LE BOURLEGAT, 2001, p. 41), alega que existe uma relação direta entre os distúrbios de aprendizagem infantil e o baixo desempenho em diversos testes que avaliam o processamento auditivo central.

6 472 Atualmente há estudos que comprovam que crianças com dificuldades de aprendizagem podem se desenvolver e os problemas podem ser amenizados. Sisto (2001) conceitua a expressão de forma clara, especificando que pessoas que apresentam tais dificuldades possuem potencial normal de inteligência, podendo receber ajuda e instrução para aprender. O autor afirma que Assim, poder-se-ia definir que o termo dificuldade de aprendizagem engloba um grupo heterogênio de transtornos, manifestando-se por meio de atrasos ou dificuldades em leitura, escrita, soletração e cálculo, em pessoas com inteligência potencialmente normal ou superior e sem deficiências visuais, auditivas, motoras, ou desvantagens culturais. Geralmente não ocorre em todas essas áreas de uma só vez e pode estar relacionada a problemas de comunicação, atenção, memória, raciocínio, coordenação, adaptação social e problemas emocionais (SISTO, 2001, p. 33). Desordem do Processamento Auditivo: causas A Desordem do Processamento Auditivo Central pode ter causas variadas, podendo, inclusive, ocorrer devido a uma ou mais causas ao mesmo tempo. Conhecer as possibilidades que levam uma criança a apresentar este distúrbio pode facilitar a identificação dos sintomas, que geram o encaminhamento adequado para profissionais capacitados, fazendo com que a criança tenha mais oportunidades de iniciar um atendimento o mais precoce possível. Alvarez e cols (apud LE BOURLEGAT, 2001), citaram alguns fatores que podem influenciar no processamento auditivo, tais como: otites, febres altas, distúrbios da função auditiva, lesões no aparelho auditivo e deprivação sensorial auditiva. No entanto, Katz e Wilde (apud LE BOURLEGAT, 2001, p. 44) identificaram outros fatores como

7 473 a) Hereditariedade: enfatizam as características familiares como fatores associados à desordem do processamento auditivo, sendo comum encontrar um dos pais que tenha tido dificuldades semelhantes. Afirmam que a organização do Sistema Nervoso Central está diretamente associado às influências genéticas; b) Diferenças quanto ao sexo: observaram que a desordem é mais freqüente no sexo masculino, igualmente quanto aos distúrbios de aprendizagem, concluindo que as mulheres são capazes de integrar informações visuais e auditivas dos dois hemisférios mais efetivamente do que os homens; c) Antecedentes familiares de dominância manual: alertam que distúrbios de aprendizagem são mais comuns em canhotos do que em destros, associando este fator a uma vantagem menor na orelha direita para estímulos verbais dicóticos; d) Perda auditiva periférica: ressaltam que podem ser encontrados alterações de processamento auditivo e de aprendizagem em crianças com perdas auditivas periféricas. Admitem que a lesão coclear tem influência adversa no Sistema Nervoso Central; e) Otite média: está diretamente associada à distúrbios de aprendizagem e de processamento auditivo, uma vez que os primeiros 18 meses de vida são considerados como o período mais crítico, enfatizando como fatores importantes a serem considerados, o número de ocorrência, sua duração e idade de início; f) Padrão sócio-econômico: consideram alguns fatores entre eles, hereditariedade, nutrição, incidência ou tratamento de problemas de orelha média, falta de estimulação, como possíveis de serem as causas principais da discrepância observada em achados de habilidades mais pobres em indivíduos com padrão sócio-econômico baixo. Ao conhecer os fatores que levam à Desordem do Processamento Auditivo, é possível que a escola e a família observem a criança, e identifiquem na vida da mesma, aspectos que envolvam estas características, a fim de encontrarem formas de prevenir a ocorrência da referida desordem. Desordem do Processamento Auditivo: características Em relação aos sintomas, é possível delinear com a contribuição de Alverez (apud LE BOURLEGAT, 2001, p. 46), revelando que as características mais freqüentes relacionadas às crianças com esta desordem trata-se de (...) déficits de compreensão da fala na presença de ruído, a distractibilidade, a atenção reduzida, a dificuldade de comunicação, um baixo desempenho acadêmico que é incompatível com o nível de inteligência, uma limitada memória auditiva. E ainda: dificuldade de identificar a idéia principal de um enunciado, baixa capacidade de interpretar palavras, frases, anedotas,

8 474 metáforas, trocadilhos, analogias de sentido ambíguo, além de alterações na emissão verbal e dificuldade de resgate verbal. Dentre os sintomas citados, há os que são bem específicos e há os que são considerados gerais, podendo ser confundidos com outros distúrbios e outras dificuldades de aprendizagem que podem ou não ter relação com a Desordem de Processamento Auditivo. Os sintomas mais específicos acusam maior probabilidade da criança desenvolver esta desordem. Quando há sintoma muito aparente, é necessário encaminhar a criança para profissional especializado, para que realize um diagnóstico preciso e detalhado. A escola e a família possuem um papel essencial neste processo de identificar os sintomas e encaminharem a criança, de forma segura e discreta, para profissionais competentes que possam auxiliar. É importante cuidar da auto-estima da criança, para que esta não crie novos bloqueios em relação a aprendizagem e não se sinta excluída do ambiente de convívio social. Desordem do Processamento Auditivo e o processo de aprendizagem A aprendizagem é o processo pelo qual os indivíduos passam para modificar as estruturas cognitivas de modo a evoluir o conhecimento e passar a utilizar as informações novas para fazer relações com informações já internalizadas. O objetivo central da educação é a aprendizagem do aluno, não somente em termos de conhecimentos científicos, mas também em termos afetivos, sociais, políticos, econômicos e de desenvolvimento de habilidades necessárias para o bom desempenho de atividades cotidianas. As aulas devem ser ministradas visando a interação professor-aluno-conhecimento, somente por esta concepção é que a construção do conhecimento torna-se possível.

9 475 Neste sentido, Winkeller (1998, p.48) propõe que A dinâmica do aprender a aprender, emergente em sala de aula é requisitadora de um professor que se coloque como aprendente e exige a sensibilização do professor considerando a integração professor-alunoconhecimento como situação geradora da aprendizagem. Nesta ótica, a aprendizagem não procede só do aluno, nem só do professor, mas da interação de ambos, o que resulta na construção do conhecimento. Mais uma vez o professor é colocado em posição de sujeito ativo no processo de construção do conhecimento pelo aluno. Embora esta construção se dê por meio da interação aluno-professor-conhecimento, e ambos (educador e educando) tenham suas responsabilidades, é o professor que deve estar sensível às oportunidades do meio para que a aprendizagem se torne significativa no contexto escolar. Chamat (1997) enfatiza que há outros aspectos que permeam a aprendizagem de alunos com dificuldades de aprendizagem, como por exemplo, alunos que conseguem estabelecer bons vínculos humanos, têm mais chances de estabelecer bons vínculos com o conhecimento. Se o aluno tem segurança e proteção em seus vínculos com outras pessoas, é bem provável que estabelecerá um vínculo de segurança em relação à construção de novos conhecimentos que estarão constantemente sendo estimulados. Este vínculo de segurança permite que o aluno consiga trabalhar com diversas informações e aos poucos produzir seu próprio conhecimento, pois é a síntese de vários dados e informações que o aluno utiliza no momento de fazer relações. Winkeller (1998, p. 39) afirma que A aprendizagem não está ligada à quantidade de informações que o indivíduo armazena, mas vai além: está ligada à capacidade do indivíduo em estabelecer relações entre várias informações. Cabe ao professor a tarefa de viabilizar a organização do contexto de forma que o aluno possa vincular o seu novo conhecimento com outros anteriores.

10 476 Esta vinculação de conhecimentos só é possível se o professor trabalhar com a interdisciplinaridade. Não há como vincular várias informações e produzir o conhecimento de forma sólida a partir de uma única ciência. A trajetória da pesquisa Com 13 anos de idade e cursando a quinta série em uma escola bilíngüe, a aluna passou por sessões diárias de acompanhamento realizada pela pesquisadora. Além dos dados obtidos com o trabalho desenvolvido diretamente com a aluna, todos os professores, a psicóloga e a psicopedagoga da escola foram envolvidos para melhor caracterizar o caso e enriquecer o presente estudo. Com o intuito de definir o que são dificuldades de aprendizagem e Desordem do Processamento Auditivo; verificar quais são as características e as atitudes em sala de aula de uma criança portadora de Desordem do Processamento Auditivo; listar os profissionais que devem ser envolvidos para o bom desenvolvimento desta criança; identificar o papel dos pais e da escola no desenvolvimento escolar de uma criança portadora de Desordem de Processamento Auditivo; a pesquisa foi realizada em uma instituição particular e bilíngue. A escola atende alunos do Ensino Infantil, Fundamental e Médio, localizada na região norte do município de Curitiba. A clientela desta instituição é composta minoritariamente por estrangeiros de países espalhados pelos continentes Americano, Europeu e Asiático. A quantidade de alunos brasileiros na escola é mais expressiva, sendo que muitos são curitibanos. A escola atende alunos de classe alta e média alta.

11 477 O caráter metodológico da escola é interdisciplinar, enfatizando a produção de conhecimento globalizado, proporcionando aos alunos experiências que os levem a reconstrução de seu saber teórico e prático. Os conteúdos são bem definidos e os professores mediam a articulação das áreas de conhecimento, para que cada aluno possa aprender a aprender. Há avaliações periódias do conhecimento, ocorrendo ora por meio de provas e testes e ora por projetos e auto-avaliações. A aluna envolvida na presente pesquisa apresenta o diagnóstico de Desordem do Processamento Auditivo, e, em sala de aula seu comportamento é oscilante, suas amizades superficiais, ou, ainda, em alguns momentos, inexistentes. Embora a escola tenha se esforçado para atender este caso, a aluna necessitou de uma atenção especial da família para que pudesse ter acesso a profissionais especializados que, segundo a escola, auxiliariam a aluna de forma mais específica e individual. CONSIDERAÇÕES FINAIS A presente pesquisa foi realizada com o intuito de perceber o panorama geral que engloba uma aluna com dificuldades de aprendizagem, uma vez que é portadora de Desordem do Processamento Auditivo e pode-se compreender que a aprendizagem é um processo amplo e contínuo de construção e produção de conhecimentos significativos no decorrer da vida do ser humano. Cabe ressaltar a importância das relações que os indivíduos fazem com as informações que recebem, pois estas viabilizam a produção de um novo conhecimento significativo condizentes com a realidade. A aprendizagem se dá por meio de uma rede de relações com o mundo interior de cada aluno. O professor

12 478 precisa conhecer cada aluno para que se torne capacitado a organizar o contexto escolar, a fim de que este desenvolva as ferramentas necessárias para vincular seus conhecimentos já internalizados com os conhecimentos mais recentes. Os professores que participaram desta pesquisa se esforçam para cativar a aluna e estabelecer vínculos afetivos que permitam um bom relacionamento com a mesma, mas sabem que é necessário ensiná-la e verificar os resultados da aprendizagem. Por isso estão buscando caminhos que os levem a entender melhor o contexto para que possam agir de forma coerente com a aluna. Ao utilizar o marco teórico para fundamentar as respostas obtidas por meio dos questionários respondidos, é possível perceber que a aluna em questão apresenta aspectos funcionais que a impedem de aprender todos os conteúdos formais que a escola seleciona para os seus alunos. Com isso, é necessário que a escola se adapte, oferecendo serviços específicos para que a aluna possa desenvolver habilidades necessárias para a sua aprendizagem, pois esta ocorre de forma diferenciadas dos demais alunos. Outro aspecto relevante levantado pelos professores refere-se ao fato de que a aluna por ser portadora de Desordem do Processamento Auditivo não deveria estar estudando em uma escola bilíngüe. E, neste sentido, Le Bourlegat (2001) deixa claro que alunos com Desordem do Processamento Auditivo apresentam naturalmente dificuldades de apredizagem. E, é por esta razão que uma segunda língua torna a aprendizagem mais difícil e os obstáculos mais aparentes. A escola está em busca de alternativas que possam viabilizar o bom encaminhamento das aulas para que a inclusão da aluna possa ser efetiva. Daí a importância de novos estudos e novas pesquisas que direcionem o trabalho realizado, proporcionando aos docentes e a equipe de trabalho uma formação

13 479 contínua que propicie aos mesmos, momentos de reflexão para que a prática pedagógica possa estar sempre em sintonia com as necessidades dos alunos e as possibilidades da instituição em atendê-los. Assim sendo, a aprendizagem de portadores de Desordem de Processamento Auditivo deve ser acompanhada por profissionais de diferentes áreas, auxiliando na diminuição da interferência que a desordem causa e maximizando as habilidades já adquiridas e desenvolvidas, para que o aluno aprenda significativamente o que precisa para a vida. REFERÊNCIAS BARBOSA, L. M. S. Projeto de Trabalho: uma forma de atuação psicopedagógica. Curitiba: L. M. S. Barbosa, CHAMAT, L. S. J. Relações Vinculares e Aprendizagem: um enfoque psicopedagógico. São Paulo: Vetor, LE BOURLEGAT, M. P. S. Desordem do Processamento Auditivo: uma triagem em fissurado lábio-palatal. Monografia de Especialização em Audiologia, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, MACHADO, S. F. Processamento Auditivo: uma nova abordagem. São Paulo: Plexus, PEREIRA, L. D., SCHOCHAT, E. (Orgs) Processamento Auditivo Central: manual de avaliação. São Paulo: Lovise, SISTO, F. F. Dificuldades de Aprendizagem no Contexto Psicopedagógico. Petrópolis: Vozes, WINKELLER, M. S. B. A prática Pedagógica e a Psicopedagogia. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, 1998.

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA 1 TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA Introdução Quando nos deparamos com um aluno que apresenta dificuldade de aprendizagem, as perguntas

Leia mais

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a seguir. COLÉGIO NOTRE DAME FONOAUDIOLOGIA PREVENTIVA

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3 GRUPO 5.2 MÓDULO 10 Índice 1. Definição de Deficiência Motora...3 1.1. O Que é uma Deficiência Motora?... 3 1.2. F82 - Transtorno Específico do Desenvolvimento Motor... 4 2 1. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci. out/2012

Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci. out/2012 Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci out/2012 É o que fazemos com que ouvimos. (Katz, 1996) É como a orelha conversa com o cérebro. (Musiek, 1994) Compreensão de como as orelhas comunicam-se com o

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) Aleksandra Debom Garcia 1 Fatima Gomes Nogueira Daguiel 2 Fernanda Pereira Santana Francisco 3 O atendimento educacional especializado foi criado para dar um

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

Apresentadoras: Ana Paula Corrêa Julia Tognozzi Orientação: Profa. Dra. Mariza R. Feniman Co-orientação: Maria Renata José

Apresentadoras: Ana Paula Corrêa Julia Tognozzi Orientação: Profa. Dra. Mariza R. Feniman Co-orientação: Maria Renata José Apresentadoras: Ana Paula Corrêa Julia Tognozzi Orientação: Profa. Dra. Mariza R. Feniman Co-orientação: Maria Renata José "Você já pensou o porquê das crianças irem mal na escola, mesmo sendo inteligentes

Leia mais

RELAÇÃO INTERPESSOAL DE PNE (SÍNDROME DE DOWN) NA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (ESTUDO DE CASO)

RELAÇÃO INTERPESSOAL DE PNE (SÍNDROME DE DOWN) NA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (ESTUDO DE CASO) RELAÇÃO INTERPESSOAL DE PNE (SÍNDROME DE DOWN) NA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (ESTUDO DE CASO) HOFMANN *, Ana Paula - PUCPR aninhahofmann@gmail.com Resumo Os portadores de necessidades especiais

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PSICÓLOGO ESCOLAR E DO PSICOPEDAGOGO NO DIAGNÓSTICO DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Resumo

CONTRIBUIÇÕES DO PSICÓLOGO ESCOLAR E DO PSICOPEDAGOGO NO DIAGNÓSTICO DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Resumo DOI: http://dx.doi.org/10.14295/idonline.v6i18.206 66 Interface Educação CONTRIBUIÇÕES DO PSICÓLOGO ESCOLAR E DO PSICOPEDAGOGO NO DIAGNÓSTICO DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Edilândia Carvalho de Sousa

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários.

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários. PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS Zeni Aguiar do Nascimento Alves i Zênio Hélio Alves ii O SESC LER Zona Norte de Natal desenvolve atividades que evidenciam a questão da

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO TÍTULO: ALUNOS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ATENDIDOS NO PROJETO EDUCAÇÃO ESPECIAL: ATIVIDADES DE EXTENSÃO, PESQUISA E ENSINO AUTORES: Luis Henrique de Freitas Calabresi, Maria da Piedade Resende da

Leia mais

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho.

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho. 1 A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO Marlene das Graças de Resende 1 RESUMO Este artigo científico de revisão objetiva analisar importância do trabalho na vida das pessoas portadoras

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior)

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) Dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação básica. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA;

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal.

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. Entre os gregos e romanos antigos, havia divergências quanto à maneira de ver e considerar

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Mau desempenho escolar

Mau desempenho escolar Mau desempenho escolar Dra Juliana Gurgel Giannetti Neuropediatra Professora Associada do Depto. de Pediatria - UFMG Coordenadora da Residência de Neuropediatria do Hospital das Clínicas / UFMG Mau desempenho

Leia mais

A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil

A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil Aline Daniela Gomes da Silva Vieira Discente de Psicologia Universidade Sagrado Coração Bauru-SP. e-mail: ninedvieira@hotmail.com Raquel Regina

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MESTRANDO - GILSON DO NASCIMENTO GOUVÊA VICTORIANO

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

AUTORES: CASTRO, M. S.; SANTANA N. F. O.; BILMAIA R. A.

AUTORES: CASTRO, M. S.; SANTANA N. F. O.; BILMAIA R. A. TÍTULO: AS DIFICULDADES E AS COMPLEXIDADES ENCONTRADAS NA ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DENTRO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO E O RELACIONAMENTO COM O DESENVOLVIMENTO INFANTIL RESUMO AUTORES: CASTRO, M.

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

XIII Congresso Estadual das APAEs

XIII Congresso Estadual das APAEs XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL A IMPORTÂNCIA E SIGNIFICÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE INTERDISCIPLINAR

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Terapia Fonoaudiológica com Ênfase na Estimulação do Processamento Auditivo Fonoaudióloga. Mestra. Adriana de Souza Batista Ouvir é... Habilidade que

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Considerações sobre o normal e o patológico Segundo Leticia Lanz: a pessoa é considerada normal quando sua conduta corresponde aos padrões e expectativas do sistema.

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

MÉTODO DAS BOQUINHAS

MÉTODO DAS BOQUINHAS MÉTODO DAS BOQUINHAS MÉTODO DAS BOQUINHAS ALFABETIZAÇÃO FONOVISUOARTICULATÓRIA Refletir sobre a educação e sobre novas formas de encarar a aprendizagem tem se tornado constante, principalmente em relação

Leia mais

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE?

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? Lívia Ferreira da Silveira 1 Tatiana Azevedo de Souza da Cunha Lima 2 Resumo: O presente trabalho apresenta algumas reflexões acerca da historicidade e do conceito de dislexia

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA - Clínica e Institucional

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA - Clínica e Institucional 1 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA - Clínica e Institucional A Psicopedagogia e seus desdobramentos conceituais podem ser vistos, na atualidade, como um movimento de novas buscas e conhecimentos.

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSO PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ( ) PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ( ) PROJETO DE PESQUISA ( )

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSO PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ( ) PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ( ) PROJETO DE PESQUISA ( ) DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSO PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ( ) PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ( ) PROJETO DE PESQUISA ( ) PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmico ( X ); Social ( ) PROJETO DE

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

ADAPTAÇÃO CURRICULAR INDIVIDUALIZADA DE ALUNOS DISLÉXICOS EM ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE ESTEIO/RS

ADAPTAÇÃO CURRICULAR INDIVIDUALIZADA DE ALUNOS DISLÉXICOS EM ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE ESTEIO/RS 644 IV Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS ADAPTAÇÃO CURRICULAR INDIVIDUALIZADA DE ALUNOS DISLÉXICOS EM ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE ESTEIO/RS Aluna: Neuza Barbosa Michel,

Leia mais

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire Câmpus Alfenas 28 de novembro de 2011 SUMÁRIO Alessandra Santana... 2 Angélica Cristina da Silva Freire... 2 Bárbara Luiza Novais... 3 Bruna Aparecida Reis... 3 Carolina Esteves Martins... 4 Celsianne

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS Patrícia Correia de Paula Marcocia - UTP Este trabalho apresenta resultados parciais e preliminares de uma pesquisa qualitativa sobre a inclusão escolar

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Artigo original: Fga: Profª Telma Pântano Adaptação: Fgas: Profª Lana Bianchi(CRFª: 2907/ SP) e Profª Vera Mietto(CFFª

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

A Pedagogia Integrativa no contexto escolar

A Pedagogia Integrativa no contexto escolar A Pedagogia Integrativa no contexto escolar Cláudio Mendes Tourinho claudiotourinho@hotmail.com Universidade Estadual de Montes Claros-UNIMONTES Huagner Cardoso da Silva huagnercardoso@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE. UMA ANÁLISE DO MATERIAL DE FORMAÇÃO DOCENTE

PROGRAMA NACIONAL EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE. UMA ANÁLISE DO MATERIAL DE FORMAÇÃO DOCENTE PROGRAMA NACIONAL EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE. UMA ANÁLISE DO MATERIAL DE FORMAÇÃO DOCENTE MARTIN, Mariana UEL 1 INTRODUÇÃO Este trabalho objetiva analisar o material Educar na Diversidade:

Leia mais

A EXPERIÊNCIA NO TRATAMENTO PSICOLÓGICO COM PESSOAS SURDAS: UM ESTUDO DE CASO

A EXPERIÊNCIA NO TRATAMENTO PSICOLÓGICO COM PESSOAS SURDAS: UM ESTUDO DE CASO A EXPERIÊNCIA NO TRATAMENTO PSICOLÓGICO COM PESSOAS SURDAS: UM ESTUDO DE CASO Adriana Cattalini, Silvia Aparecida Fornazari. Centro Universitario Católico Salesiano Auxilium UNISALESIANO /Lins,SP. acattalini@bol.com.br,

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 A IMPORTÃNCIA DA ESTIMULAÇÃO ESSENCIAL DO DEFICIENTE VISUAL E O PAPEL DA FAMÍLIA NESTE PROCESSO Autor: Bárbara Zanini 1 Co-autor: Letícia Dal Forno 2 Universidade Federal de Santa Maria RESUMO A maioria

Leia mais

ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA

ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DIVISÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Responsável: Denize da Silva Souza ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA Cristina Dias Allessandrini

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES Ana Claudia Tenor

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

Processamento Auditivo (Central)

Processamento Auditivo (Central) Processamento Auditivo (Central) O QUE É PROCESSAMENTO AUDITIVO (CENTRAL)? É o conjunto de processos e mecanismos que ocorrem dentro do sistema auditivo em resposta a um estímulo acústico e que são responsáveis

Leia mais

3 Aun (2005) adota a definição de contexto como regras de relação que são estabelecidas pelo(s)

3 Aun (2005) adota a definição de contexto como regras de relação que são estabelecidas pelo(s) Resenha AUN, J.G.; ESTEVES DE VASCONCELLOS, M. J.; COELHO, S.V. Atendimento sistêmico de famílias e redes sociais. Volume I - Fundamentos teóricos e epistemológicos (2005); Volume II - O processo de atendimento

Leia mais

Instituto Educacional Santa Catarina. Faculdade Jangada. Atenas Cursos

Instituto Educacional Santa Catarina. Faculdade Jangada. Atenas Cursos Instituto Educacional Santa Catarina Faculdade Jangada Atenas Cursos Curso de Capacitação em AEE Aluna: Ivete D. Poleto De Cezare Vanini, 01 de Maio de 2015. 1 - Tema: Deficiência Intelectual 2 - Problema:

Leia mais

ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE.

ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE. ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE. Amauri de Oliveira¹, Adenilson Argolo¹, Marilene Pereira¹. ¹Universidade do Estado da Bahia Campus XV Educação e trabalho

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Prof. Me. Wagner Antonio Junior Secretaria Municipal da Educação de Bauru e-mail: wag.antonio@gmail.com Pôster Pesquisa em andamento A

Leia mais

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013 Expressão Musical II Docente: António Neves Discente: Ana Matos nº 53184 A música e o som, enquanto energia, estimulam

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

PROJETO A SER DESENVOLVIDO PELA ACADÊMICA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO ATENA CURSOS-SC. MARA REGINA MACHADO

PROJETO A SER DESENVOLVIDO PELA ACADÊMICA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO ATENA CURSOS-SC. MARA REGINA MACHADO 1 PROJETO A SER DESENVOLVIDO PELA ACADÊMICA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO ATENA CURSOS-SC. MARA REGINA MACHADO TRANSTORNOS NA APRENDIZAGEM. Passo Fundo, dezembro 2014. 2 TRANSTORNOS NA APRENDIZAGEM Professora:

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais