UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL NO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. DCEEng DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS GIOVANI LUIZ BONA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL NO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. DCEEng DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS GIOVANI LUIZ BONA"

Transcrição

1 1 UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL NO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DCEEng DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS GIOVANI LUIZ BONA SISTEMA ONLINE PARA CÁLCULO DE JUROS BANCÁRIOS Ijuí (RS), 2013

2 2 GIOVANI LUIZ BONA SISTEMA ONLINE PARA CÁLCULO DE JUROS BANCÁRIOS Trabalho de Conclusão de Curso do Curso apresentado ao Curso de Informática de Sistemas de Informação do Departamento de Ciências Exatas e Engenharias (DCEEng), da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUI, como requisito para a obtenção do título Bacharel em Informática Sistemas de Informação. Coordenador da disciplina: Ms. Marcos Ronaldo Melo Cavalheiro Orientador: Ms. Romário Lopes Alcântara Ijuí (RS), 2013

3 3 GIOVANI LUIZ BONA SISTEMA ONLINE PARA CÁLCULO DE JUROS BANCÁRIOS Trabalho de Conclusão de Curso do Curso apresentado ao Curso de Informática de Sistemas de Informação do Departamento de Ciências Exatas e Engenharias (DCEEng), da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUI, como requisito para a obtenção do título Bacharel em Informática Sistemas de Informação. Orientador: Prof. (Ms) Romário Lopes Alcântara BANCA EXAMINADORA Prof. Marcos Ronaldo Melo Cavalheiro (Ms) Ijuí (RS), 2013

4 4 AGRADECIMENTOS Agradeço a minha companheira de vida Naiara, aos meus pais Nelci e Dirlei Bona, pessoas amadas e especiais, por saberem respeitar este momento, apoiandome e encorajando-me em meus passos nesta realização. Agradeço à meu orientador, Romário Lopes Alcântara pelo caminho percorrido em conjunto, levando-me a evoluir em meu percurso acadêmico/profissional. Agradeço aos meu irmão Giordano, meus sogros Ironita e Olimpio, e toda a grande família por sempre acreditarem que este sonho seria possível e persistiram comigo, esta conquista também é um pouco de vocês! Agradeço aos colegas e amigos de faculdade pelas horas em que estivemos juntos, dividindo experiências de vida, trabalho e amadurecendo neste período acadêmico. Aos colegas de trabalho professores e aos colegas colaboradores, por se permitirem ouvir, compreender minhas angústias e auxiliarem na elaboração deste sistema, através de testes e sugestões. De modo geral, agradeço ao apoio recebido de todos os professores, familiares e amigos durante este período de dedicação à construção de um saber. Aos amigos e parentes por possibilitarem e saberem não só perdoar a retirada e o silêncio que este o ato de escrita e construção de um sistema exige, mas também por muitas conversas cotidianas que perpassaram esta elaboração. E, de maneira especial, agradeço a Deus, pela proteção nesta caminhada.

5 5 RESUMO Nos últimos anos houve a crescente busca pelo acesso a informação. Atualmente, a tecnologia está presente em todos os lugares, pois a informática faz parte do cotidiano das pessoas, muitas vezes como uma ferramenta indispensável para o trabalho e até mesmo o lazer. Outra questão em ascensão é o consumo em grande escala, no qual a busca de crédito aumentou consideravelmente e também aqueles que buscam aplicações financeiras. Diante deste contexto, percebeu-se a necessidade de ferramentas que auxiliem na tomada de decisão para a efetivação de empréstimos bancários e aplicações financeiras. O presente sistema tem como objetivos principais facilitar ao usuário o entendimento da forma de aplicação e possibilitar a simulação, no que diz respeito aos sistemas de amortização, bem como as fórmulas e cálculos para os mesmos. Para isso, utilizou-se de ferramentas de modelagem de sistemas. Palavras-chave: Informação, financeiras, simulação, amortização, modelagem;

6 6 ABSTRACT In recent years there has been a growing demand for access to information. Currently, the technology is present everywhere, because the computer is part of everyday life, often as an indispensable tool for the job and even leisure. Another issue is the rise in consumption on a large scale, in which the pursuit of credit increased considerably and also those seeking investments. Given this context, we realized the need for tools that assist in decision making for effective bank loans and investments. This system has as main objectives to facilitate user understanding of the application form and enable the simulation, with regard to systems of recovery as well as the formulas and calculations for the same. For this, we used modeling tools systems. Keywords: Information, financial, simulation, amortization, modeling;

7 7 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Sistema de Amortização Constante Figura 2: Cálculo Price Figura 3: Tabela Price Figura 4: Simulação investimentos em depósito a prazo Figura 5: Regras de Poupança...35 Figura 6: Caso de Uso Sistema Online para cálculo de juros bancários Figura 7: Diagrama de sequência 01 Cadastros Figura 8: Diagrama de sequência 02 Simulações Figura 9: Diagrama de sequência 03: Cadastrar Taxa e Relações Figura 10: Diagrama de sequência 04: Simulações e relações...48 Figura 11: Protótipo diagrama de classes Figura 12: Login Figura 13: Cadastro de usuário Figura 14: Cadastro de Taxas Figura 15: Simulação Sac Figura 16: Resultado SAC x PRICE x SACRE Figura 17: Simulação aplicação financeira Figura 18: Resultado da simulação de aplicação financeira... 52

8 8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CENÁRIO FINANCEIRO ATUAL História do crédito Financiamento x Empréstimo Regulação do sistema financeiro Conselho Monetário Nacional (CNM) Banco Central do Brasil Bacen Comissão de Valores Mobiliários (CVM) Crédito na atualidade O Consumidor Exigente O mercado financeiro atual x Era da Informação ASPECTOS GERAIS E FERRAMENTAS PARA CÁLCULOS DE JUROS Ferramental e elementos utilizados para os cálculos do sistema Linguagens de programação Banco de dados Servidor web: Elementos financeiros do sistema Variáveis envolvidas Juro Taxa Efetiva x Taxa Equivalente Capital ou Valor Presente... 28

9 Periodicidade Sistemas de Amortização SAC PRICE SACRE Sistema de amortização constante Desconto Simples e Composto Investimentos Poupança Aplicações Financeiras ANÁLISE E MODELAGEM DO SISTEMA ONLINE PARA CÁLCULOS Visão Geral Modelagem do Sistema UML Proposta de Modelagem Domínio Objetivos do Sistema Objetivos gerais Objetivos Específicos Análise de Requisitos Local do Sistema Cenários Primários Cenários Secundários Caso de Uso Diagramas de sequência Diagrama de classe Projeto de Telas Conclusão... 53

10 10 5 REFERÊNCIAS: Referências da Web... 56

11 11 INTRODUÇÃO Este trabalho de conclusão de curso foi elaborado para desenvolver as competências e habilidades trabalhadas durante o percurso de graduação em Informática: Sistemas de Informação, com o objetivo de colocar em prática os conhecimentos adquiridos durante o mesmo. Para desenvolver este trabalho foram utilizadas pesquisas bibliográficas, baseadas em autores que trabalham teoricamente sobre os sistemas de amortização, planilhas desenvolvidas na ferramenta Excel com cálculos pré-prontos, enfim, o a- porte teórico que adquiri ao longo da graduação para colocar em prática em um sistema. O interesse em desenvolver um sistema de cálculos online na área financeira surgiu devido ao meu trabalho, no momento em que sinto a dificuldade das pessoas que não detém conhecimento da área financeira, encontram quando procuram pelos serviços de instituições bancárias. Também, enquanto professor de informática de um Curso Técnico em Administração, percebi a necessidade de uma ferramenta que auxiliasse nas competências e habilidades desenvolvidas durante o curso, de modo que professores e alunos pudessem visualizar de forma mais clara os conteúdos trabalhados teoricamente, através da simulação prática da área de finanças. A construção deste trabalho se deu, inicialmente, pela contextualização do cenário econômico financeiro atual, contemplando também a articulação de alguns conceitos da área financeira. É apresentado o país de uma forma econômica, sendo conceituado os principais indicadores no mercado financeiro com suas devidas interpretações. No segundo capítulo são trabalhadas as ferramentas necessárias para a modelagem, bem como a parte conceitual de cada cálculo. E por fim, a modela-

12 12 gem do sistema como um todo, quando é colocado em prática os conceitos, as fórmulas e todo o aparato da parte funcional do sistema. O trabalho em si, consiste numa demonstração para qualquer público de todo o aparato para a construção de uma ferramenta que auxilie para simulações on-line. Ele demonstra toda parte conceitual de parte financeira utilizada no sistema e todo o ferramental da modelagem de sistemas, linguagem utilizada e banco de dados, bem como seus diagramas e uma projeção de telas.

13 13 1 CENÁRIO FINANCEIRO ATUAL O mercado financeiro surge quando uma economia supera o estágio econômico do escambo e passa a realizar suas trocas através de uma unidade padrão de valor, a moeda. A utilização da moeda supera uma limitação importante das trocas num sistema de escambo: a necessidade de haver uma coincidência de necessidades inversas entre comprador e vendedor. Com o uso da moeda, não é preciso que a contraparte que possui aquilo que se quer adquirir necessite dos produtos que se tem a oferecer para uma troca. Podese, primeiro, trocar por moeda os produtos que se tem com aqueles que dele necessitam e, com moeda, adquirir de terceiros aquilo que se quer ou precisa. Além disso, podemos simplesmente nos abster de consumir e, assim acumular riqueza. 1.1 História do crédito A Revolução Industrial provocou uma mudança no mercado de trabalho e, com isso, o trabalho físico, pouco a pouco foi sendo substituído pelo intelectual, o que acarretou mudanças na natureza e na forma de mensurar essa força de trabalho, surgindo novos tipos de atividades altamente qualificadas. Essa nova realidade alterou as relações entre pessoas e empresas, atingindo todos os setores produtivos e exigindo, dessa forma, também um novo perfil de gerência dos recursos que administrariam essa situação. Com vistas a aumentar os índices de produtividade das empresas, foram eliminadas e/ou transformadas várias funções e profissões, exigindo daqueles que desejam se manter no mercado de trabalho melhores qualificações, um novo modo de gerenciar e de avaliar as estratégias financeiras, entre outras estratégias indispensáveis para a sobrevivência das empresas. Nesse sentido, observa-se que a inova-

14 14 ção tecnológica acelerou, intensificou e qualificou a forma de trabalhar, aumentando a produção com o mesmo número de trabalhadores ou até mesmo com um número reduzido destes. As estratégias, políticas ou decisões a serem tomadas para manter a empresa no mercado podem ser encontradas em diversas obras que tratam da área financeira, evidenciando critérios, técnicas de avaliação e seleção de diretrizes para a tomada de decisão e orientando, ainda, sobre os investimentos que poderão ser feitos para agregar valor às empresas. Quando o crédito aumenta a demanda pelo investimento, este investimento extra dirige-se ao processo de produção e modifica o valor produzido. Ele poderia aumentar, manter ou reduzir a força de trabalho, dependendo se está duplicando a tecnologia existente ou introduzindo novas tecnologias ou ganhos produtivos. As decisões para aumentar investimentos dependem do estado das artes tecnológicas e da demanda do mercado. Um mercado em expansão convida à duplicação da produção existente com aumento da força de trabalho e do valor produzido. Um mercado estável ou retraído impõe ganhos em produtividade. Estes ganhos resultam de avanços tecnológicos ou de economias de escala, quando há concentração de capitais e terceirização. Estas mudanças mantêm ou até mesmo reduzem o valor produzido. Seu objetivo é aumentar as margens de lucro pela redução do custo do trabalho e dispensa temporária da força de trabalho. Ao falar de história de crédito, ou melhor, do surgimento do nosso sistema financeiro, é pertinente iniciar pela vinda da família real portuguesa para o Brasil com um início que, a partir daí nasce o Banco do Brasil, primeira instituição financeira do país. Posteriormente, tivemos quase 100 anos de espera para acontecer um fato marcante, quando em 1920 foi fundada a Inspetoria Geral dos Bancos, cujo objetivo era fiscalizar as instituições financeiras atuantes da época, que contava com outras além do Banco do Brasil. Dando sequência a esta retrospectiva histórica, temos a Segunda Guerra Mundial, um importante marco, que trouxe consigo vários acontecimentos favoráveis a organização financeira mundial, onde temos como grande o exemplo a criação do FMI (Fundo Monetário Internacional).

15 Financiamento x Empréstimo Instituições Financeiras possuem em seu balcão várias modalidades de crédito com várias formas, prazos e tabela de taxas. Dentre esses créditos podemos dividi-los em duas grandes famílias: empréstimos e financiamentos. O empréstimo, de forma mais geral, caracteriza-se como um contrato definido entre o cliente e a instituição com capital, taxa e prazo, acrescido pelos juros; tendo que ser devolvido conforme cláusulas da cédula. Esse crédito não tem destinação específica. Um financiamento é facultar o capital necessário a um empreendimento, ou seja, ter uma finalidade, uma definição para qual o mesmo está sendo tomado. Temos como exemplo, o financiamento de automóvel ou o financiamento da casa própria. 1.3 Regulação do sistema financeiro Conforme ANBIMA (2010) 1 o Sistema Financeiro Brasileiro pode ser entendido como um conjunto de instrumentos; mecanismos e instituições que asseguram a canalização da poupança para o investimento, ou seja, dos setores que possuem recursos financeiros superavitários para os que desejam ou necessitam de recursos (deficitários). O Sistema Financeiro Brasileiro é segmentado em quatro grandes mercados nos quais são realizados diversos tipos de operações: Mercado monetário: é o mercado no qual se concentram as operações para controle da oferta de moeda e das taxas de juros de curto prazo, a fim de garantir a 1 Certificado Profissional ANBIMA (2010) Módulo I Sistema Financeiro Nacional. As informações contidas neste capítulo foram tomadas do Módulo I sobre o Sistema Financeiro Nacional. Este material bibliográfico é elaborado para uso exclusivo de profissionais da área financeira, para obter certificação exigida para exercer determinados cargos.

16 16 liquidez da economia. O Banco Central do Brasil atua neste mercado praticando a chamada Política Monetária. Mercado de crédito: nele atuam diversas instituições financeiras e não financeiras prestando serviços de intermediação de recursos de curto e médio prazo pra agentes deficitários que necessitam de recursos para consumo ou capital de giro. O Banco Central do Brasil é o principal órgão responsável pelo controle, regulação e fiscalização deste mercado. Mercado de Capitais: tem como objetivo canalizar recursos de médio e longo prazo para agentes deficitários, através das operações de compra e de venda de títulos e valores mobiliários, efetuadas entre empresas, investidores e intermediários. A Comissão de Valores Mobiliários é o principal órgão responsável pelo controle, regulação e fiscalização deste mercado. Mercado de câmbio: local onde são negociadas as trocas de moedas estrangeiras por reais. O Banco Central do Brasil é o responsável pela administração, fiscalização e controle das operações de câmbio e da taxa de câmbio atuando através de sua Política Cambial. 1.4 Conselho Monetário Nacional (CNM) O Conselho Monetário Nacional (CMN) é o órgão superior do Sistema Financeiro Nacional. Foi criado pela Lei 4.595, de 31 de dezembro de 1964, e sofreu algumas alterações em sua composição ao longo dos anos. O CMN tem a responsabilidade de formular a política da moeda e do crédito, objetivando a estabilidade da moeda e o desenvolvimento econômico e social do País. Sua composição atual é: - Ministro da Fazenda, como presidente do Conselho; - Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão; - Presidente do Banco Central do Brasil; Os seus membros reúnem-se periodicamente para deliberar sobre assuntos relacionados à suas competências. As matérias aprovadas são regulamentadas por meio de Resoluções, normativo de caráter público, sempre divulgando no Diário Oficial da União e na página de normativos do Banco Central do Brasil, na Internet.

17 17 As principais atribuições do Conselho Monetário Nacional são: - Normatizar a constituição e regulamentos das instituições financeiras; - Estabelecer medidas de prevenção ou correção de desequilíbrios econômi- - Disciplinar todos os tipos de crédito; - Estabelecer a meta anual da inflação. cos; Banco Central do Brasil Bacen O Banco Central do Brasil foi criado em 1964, pela Lei da Reforma Bancária (Lei de 31/12/64). Sua sede é em Brasília e possui representações regionais em outros estados. É uma autarquia Federal que tem como principal missão institucional assegurar a estabilidade do poder de compra da moeda nacional e da solidez do SFN. A partir da Constituição de 1988, o Bacen passou a ter o exercício exclusivo para emissão de moeda. O presidente do BC e os seus diretores são nomeados pelo Presidente da República após a aprovação prévia do Senado Federal, que é feita por uma arguição pública e posterior votação secreta. As principais atribuições do Banco Central são: - Autorizar o funcionamento e fiscalizar as instituições financeiras; - Emitir moeda; - Controlar crédito e capitais estrangeiros; - Executar a política monetária e cambial Comissão de Valores Mobiliários (CVM) É responsável por regulamentar, desenvolver, controlar e fiscalizar o mercado de valores mobiliários do país, promovendo medidas incentivadoras para a canalização de poupança de investimentos ao mercado de capitais. Suas principais atribuições são:

18 18 - Promover medidas incentivadoras da canalização da poupança ao mercado de capitais; - Estimular o funcionamento das bolsas e das instituições operadoras do mercado de capitais; - Proteger os investidores do mercado de capitais; 1.5 Crédito na atualidade No cotidiano de nossas vidas, necessitamos de instituições que nos ajudem a manipular e a intermediar o papel-moeda, a moeda metálica e os títulos financeiros e de crédito. O impulso do crédito atualmente é muito forte na sociedade, pois há expansão com recursos livres, ou seja, aquela onde o crédito pode ser livremente oferecido pela instituição financeira com taxas e condições pactuadas com o tomador sem limitações impostas pelo governo. O grande avanço da tecnologia nos dias atuais, nesse contexto da era da informação temos a informação levada de forma muito rápida ao consumidor final, onde esse se torna cada dia, a cada hora, mais exigente e conseqüentemente mais investigador. A partir destes fatos, podemos dizer que o cliente é buscador de informação e de novas descobertas a partir da Rede Mundial de Computadores (Internet), fato este que traz uma nova temática a ser abordada. O mundo das finanças ou o sistema financeiro está constantemente presente no dia-a-dia das pessoas, pois o governo, através da implementação de políticas públicas traz várias formas de acesso ao crédito com taxas e prazos diferenciados daqueles praticados no comércio em geral. A Lei da Oferta e Procura relaciona-se ao mencionado anteriormente, pois a demanda para essas linhas cresceu em grande escala e, através disso, o consumidor/cliente começou a procurar novas formas de questionar as instituições financeiras. Nesta situação, a sociedade passou a conhecer melhor a sua ou as suas instituições financeiras, questionando-as sobre o modo de parcelamento e os cálculos/taxas aplicadas em seu empréstimo/financiamento. Deste modo,

19 19 (...) se para a compra de equipamentos procuramos obter um financiamento através do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), por exemplo, a maneira pela qual será feita a distribuição de pagamentos de principal e juros, no prazo da operação, obedece a determinados critérios. O conjunto desses critérios representa um sistema de amortização. Para os empréstimos e financiamentos realizados, encontramos diversas formas de amortização. Um sistema de amortização representa a resposta à pergunta: de que forma iremos pagar o principal e os juros relativos a uma determinada operação? (SENAC, 2008, p. 43). O processo pelo qual as pessoas buscam estes conhecimentos, se dá de certa forma, devido ao aumento de renda das pessoas, como no caso do aumento do índice de pertencentes a classe C nos últimos anos. Assim, conhecer os sistemas de amortização já faz parte de uma boa fatia da sociedade, para assim poder administrar as contas e exigir mais das instituições financeiras no momento da aderência ao crédito. Dutra (2000, p. 19) em suas discussões sobre economia, diz que os pagamentos, para se amortizar (quitar) uma dívida podem ser feitos em parcelas iguais ou diferentes, com periodicidade mensal, trimestral, anual, quinzenal ou em períodos variáveis. Os sistemas de amortização mais utilizados em todos os países implicam em prestações mensais compostas por duas parcelas distintas: uma de capital (chamada de amortização) e outra de juros. E neste caso, os sistemas mais utilizados no mundo são o Sistema de Prestações Iguais (ou uniformes) e o Sistema de Amortização Constante (SAC). O sistema financeiro nacional trabalha atualmente com vários sistemas de amortização, mas, os usados pelas financeiras e pelas instituições financeiras não ultrapassa dez formas de pagamento. Os sistemas de amortização mais usados são o Sistema Francês (PRICE) e o Sistema de Amortização Constante (SAC), pois suas usabilidades são diretas em créditos comerciais ou até mesmo nas linhas do BNDES que são conhecidas e usadas pelo Sistema de Crédito Brasileiro. 1.6 O Consumidor Exigente O consumidor final é amplamente exigente e, frente a isso faz-se necessário dispor usuários um sistema Online para simulação destes tipos de financiamento e

20 20 também para esclarecer de que forma este usuário paga sua prestação, pois afinal é este público que desembolsa periodicamente o pagamento de seus compromissos. Atualmente, o mercado é extremamente exigente quanto às transações diárias, que ao longo dos últimos anos vem revelando um novo perfil de consumidor, mais consciente de seus direitos e em busca da melhor relação custo-benefício. Aspectos como o aumento da concorrência em grandes centros e pontos de comércio em geral, a popularização da Internet que chega hoje com tanta facilidade aos usuários finais, resultaram neste novo consumidor que questiona mais antes de comprar, que pesquisa mais antes de efetivar seu negócio. Este novo perfil pode ser relacionado a questão do crédito, onde buscam menores taxa/tarifas, a partir de questionamentos na hora de adquirir um empréstimo ou financiamento. O reflexo desse consumidor, além de sua postura crítica, encontra-se no crescente interesse pelo e-commerce (comércio virtual). No Brasil, essa vertente de consumo tem velocidade proporcional à oferta de marcas e empresas que apostam em novas tecnologias para seduzirem seus clientes. Além das classes A e B, houve uma maior confiança das classes C e D na utilização da Internet como ferramenta de pesquisa e compra, tornando-se uma tendência em livre ascensão no mercado atual. 1.7 O mercado financeiro atual x Era da Informação Diante do contexto social atual, no qual a internet vem se popularizando em grande escala, acessar informações, compras diversas, movimentos bancários, a- cessar as redes sociais, pesquisa e entretenimento são atividades que fazem parte da rotina das pessoas. Através do acesso á internet, todas essas atividades podem ser realizadas sem sair de casa ou do trabalho. Além disso, vale salientar que o Governo tem criado políticas públicas voltadas para a população de baixa renda, facilitando significativamente o acesso ao crédito em várias linhas. Pode-se citar como exemplo, o acesso pelo SNH Sistema Nacional de Habitação, que visa oferecer créditos com juros diferenciados, com prazos alongados deixando o financiamento com parcelas acessíveis, e ainda, de acordo com a renda e a região em que o imóvel se encontra, disponibilizando um valor

21 21 subsidiado, que consiste em uma ajuda do Governo Federal, através do desconto de um valor proporcional a cada parcela do financiamento. Neste sentido,o setor da agricultura também vem sendo beneficiado por projetos Governamentais, principalmente através de recursos oriundos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que consiste em uma empresa pública federal, considerada hoje como principal instrumento de financiamento de longo prazo para a realização de investimentos em todos os segmentos da economia, políticas públicas que incluem as dimensões social, regional e ambiental. É importante destacar que trabalho em uma instituição financeira como assistente de negócios durante o dia e à noite como professor de Informática de um Curso Técnico em Administração, de forma que faz parte de minhas vivências diárias o contato com as questões relativas a cálculos de juros, investimentos e afins, bem como o contato com pessoas que acabam necessitando de um sistema como este que proponho no presente trabalho. Frequentemente, me deparo com situações na quais me dou conta de que os consumidores estão cada vez mais exigentes, pois buscam informações mais completas possíveis, quanto as taxas de juros, por exemplo, que estão inclusas nas linhas de créditos que desejam utilizar, fato que comprava, mais uma vez, a necessidade de um sistema que ofereça essas informações de forma acessível e efetiva para os consumidores. Outro fator importante a ser destacado é o fato de alunos de cursos técnicos, principalmente de administração e contabilidade, que necessitam de uma ferramenta auxiliar para ajudar nas disciplinas da área financeira, possibilitando a interligação entre o conhecimento adquirido através de simulações práticas e objetivas. Deste modo, ainda considerando o contexto socioeconômico-cultural em que encontramo-nos inseridos, o presente trabalho se justifica na medida em que foi i- dentificada a carência de um sistema online que realize cálculos de juros da mesma forma que as instituições financeiras os utilizam, para que a população possa ter acesso, sem precisar deslocar-se até as instituições em questão.

22 22 2 ASPECTOS GERAIS E FERRAMENTAS PARA CÁLCULOS DE JUROS Financiamento é uma operação financeira em que a parte financiadora, em geral uma instituição financeira, fornece para uma outra parte que está sendo financiada, de modo que esta possa executar algum investimento específico previamente acordado. Ao contrário do empréstimo, os recursos do financiamento precisam necessariamente ser investido do modo acordado em contrato. A calculadora é um dispositivo para a realização de cálculos numéricos. Este tipo (online ou considerado uma calculadora bancária) é considerado distinto das máquinas calculadoras e dos computadores, pois traz uma aplicação diretamente para um fim específico. Como por exemplo, temos calculadoras voltadas para engenheiros, calculadoras para arquitetos, enfim, esta uma maneira de simulação voltado a área da economia, mas ligada a parte financeira. Neste capítulo veremos o que o sistema web irá fazer e quais as maneiras que foram utilizadas para seu desenvolvimento. Também veremos explicações teóricas de cada item, tendo assim um maior embasamento em teorias provadas e concretas. 2.1 Ferramental e elementos utilizados para os cálculos do sistema Software pode ser definido como um conjunto de programas, em linguagem capaz de interagir com a máquina, que quando executadas produzem a ação e o desempenho que esperamos. Apresenta estruturas de dados a fim de que os pro-

23 23 gramas manipulem de forma adequada as informações. E ainda, documenta as operações e o uso de programas Linguagens de programação Segundo informações disponíveis no concluímos que o computador é uma super calculadora, capaz de fazer cálculos muito mais rápido que nós, mas para isso devemos dizer para o computador o que deve ser calculado e qual a maneira que o cálculo deve ser feito. A função das linguagens de programação é exatamente essa, ou seja, servir de um meio de comunicação entre computadores e humanos. Para o desenvolvimento do sistema web será utilizada as seguintes ferramentas, listadas abaixo: PHP (Hypertext Preprocessor): linguagem de programação, permite criar sites WEB dinâmicos, possibilitando uma interação com o usuário através de formulários, parâmetros da URL e links. Conforme informações constantes no Wikipedia bem como citados em livros de programação também, concluímos que PHP é uma linguagem interpretada livre, usada originalmente apenas para o desenvolvimento de aplicações presentes e atuantes no lado do servidor, capazes de gerar conteúdo dinâmico na www. Trata-se de uma linguagem extremamente modularizada, o que a torna ideal para instalação e uso em servidores web. Diversos módulos são criados no repositório de extensões PECL e alguns destes módulos são introduzidos como padrão em novas versões da linguagem. No desenvolvimento foi utilizado esta linguagem por ser um software gratuito e de código aberto publicado sob a PHP Licence. É uma linguagem que considero de domínio especifico, pois sua principal área é para o desenvolvimento web. Considero um propósito principal de implementar soluções web, simples e ao mesmo tempo eficientes. HTML (HyperText Markup Language): um código simples que descreve as páginas Internet. A sua função é "marcar" os títulos, sub-títulos, parágrafos, hiperligações, etc. O navegador interpreta-o e cria a sua re-

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE)

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) 1. O depósito criado pela Resolução 3.692/09 do CMN é um RDB (Recibo de Depósito Bancário) ou um CDB (Certificado de Depósito Bancário)? R. É um Depósito

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br Juros Simples Juros simples é o acréscimo percentual que normalmente é cobrado quando uma dívida não foi pago na data do vencimento. Financiamento de casa própria A casa própria é o sonho de muitas famílias,

Leia mais

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR José Luiz Miranda PLANOS DE FINANCIAMENTO Imagine uma operação financeira representada por um financiamento de R$ 1.200,00 no prazo de 5 meses à taxa de juros

Leia mais

Prof. Dr. João Muccillo Netto

Prof. Dr. João Muccillo Netto Prof. Dr. João Muccillo Netto INTRODUÇÃO 1. Juros Segundo a Teoria Econômica, o homem combina Terra Trabalho Capital Aluguel Salário Juro para produzir os bens de que necessita. Juro é a remuneração do

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida CORREÇÃO MONETÁRIA 1 Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida Roteiro 2 Roteiro 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução 1. Em maio de 2008, João emprestou R$ 20.000,00 a Pedro, à taxa de juros compostos

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Rodrigo O. Barbati AULA 01 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema normativo Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional (SFN) pode ser entendido

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 1 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. 1 LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 1) Certo banco concede um financiamento de 80.000

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

CAIXA ECONOMICA FEDERAL

CAIXA ECONOMICA FEDERAL JUROS SIMPLES Juros Simples comercial é uma modalidade de juro calculado em relação ao capital inicial, neste modelo de capitalização, os juros de todos os períodos serão sempre iguais, pois eles serão

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945 Evolução do SFN MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Profa. Dra. Andréa Paula Segatto-Mendes apsm@ufpr.br 1. Primeiro Período: 1808-1914 Abertura dos portos - acordos comerciais diretos Criação do Banco do

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Neste artigo, farei a análise das questões de cobradas na prova do ISS-Cuiabá, pois é uma de minhas

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO! Sistemas de amortização de empréstimos! Sistema Price! SAC! Fórmulas do Excel! Planilha fornecida Autores: Francisco Cavalcante(cavalcante@netpoint.com.br) Administrador

Leia mais

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira se preocupa com o valor do dinheiro no tempo. E pode-se iniciar o estudo sobre o tema com a seguinte frase: NÃO SE SOMA OU SUBTRAI QUANTIAS EM DINHEIRO

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão Matemática Financeira Walter Sousa Gran Cursos Rendas Certas financiamentos e capitalizações 1) Fluxo de Caixa Representa uma série de pagamentos ou recebimentos que ocorrem em determinado período de tempo.

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança?

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança Novas regras 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Por ter parte de sua remuneração (chamada de adicional)

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA No regime de Capitalização Composta, os juros prodzidos ao final de um dado período n se agregam ao capital, passando ambos a integrar a nova base de cálculo para o período

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE)

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) 1. O depósito criado pela Resolução 3.692/09 do CMN é um RDB (Recibo de Depósito Bancário) ou um CDB (Certificado de Depósito Bancário)? R. É um Depósito

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I O QUE SÃO OPERAÇÕES PRÉ E PÓS FIXADAS? OS PRINCIPAIS INDEXADORES E SUAS CARACTERÍSTICAS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE CURTO PRAZO Autores:

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP Renda Fixa Privada Notas Promissórias - NP Uma alternativa para o financiamento do capital de giro das empresas O produto A Nota Promissória (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper,

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

www.concurseiro10.com.br

www.concurseiro10.com.br 1) Um capital de R$ 18.000,00, aplicados a 6% ao ano, durante 8 anos, qual o juros produzido? a) 7.640,00 b) 6.460,00 c) 8.640,00 d) 9.000,00 2) Um investidor aplicou R$10.000,00, à taxa de 13% ao mês

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? *

Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? * Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? * Com a queda da taxa básica de juros, a economia brasileira observa uma aceleração do crédito como nunca antes vista. Os juros em baixa

Leia mais

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS Conceitos iniciais Antes de iniciarmos os estudos específicos em relação a cada metodologia de amortização, é necessário conceituar alguns termos utilizados pelo mercado: Amortização:

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Luiz Felix Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Sistemas de amortização de empréstimos e financiamentos São desenvolvidos basicamente para operações de empréstimos e financiamentos de longo prazo, envolvendo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS UNIDADE. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Empréstimo - Recurso financeiro que não necessita ser justificado quanto a sua finalidade; por exemplo: cheque especial e CDC(Crédito Direto

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA O estudo da matemática financeira é desenvolvido, basicamente, através do seguinte raciocínio: ao longo do tempo existem entradas de dinheiro (receitas) e saídas

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES. Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ.

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES. Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ. RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ. Caso você entenda que cabe recurso em relação a alguma questão, não hesite

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Certificado de Recebíveis do Agronegócio Instrumento de captação de recursos e de investimento no agronegócio O produto O Certificado de

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Belo Horizonte, outubro de 2006 Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Calculadora do Tesouro Direto O que é Tesouro Direto? Em 07 de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1 - OBJETIVO CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1.1 Estabelecer normas para concessão de empréstimos aos participantes ativos e assistidos. 2 - QUALIFICAÇÃO PARA O EMPRÉSTIMO 2.1 Ser

Leia mais

EMPRÉSTIMO DE ATIVOS

EMPRÉSTIMO DE ATIVOS EMPRÉSTIMO DE ATIVOS Empréstimo de Ativos BM&FBOVESPA 3 4 Empréstimo de Ativos BM&FBOVESPA 1) O que é o serviço de Empréstimo de Ativos? Lançado em 1996, é um serviço por meio do qual os investidores,

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de IGP-M Futuro de IGP-M Ferramenta de gerenciamento de risco contra a variação do nível de preços de diversos setores da economia O produto Para auxiliar o mercado a se proteger

Leia mais

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Descontos Desconto é a liquidação de uma operação antes de seu vencimento, envolvendo um prêmio ou recompensa. Valor Nominal, Valor de Resgate ou Valor de Face é o valor de um título

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com gabarito

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com gabarito 216 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) MATEMÁTICA FINANCEIRA: 216 questões com gabarito. São Paulo:

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Unidade 28 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco?

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco? Quais as principais funções de um banco? A Captar depósitos e gerir a poupança dos seus clientes. B Conceder empréstimos a empresas, particulares e ao Estado. C Disponibilizar meios e formas de pagamento

Leia mais

a) Buscar informações no site da Caixa Econômica Federal, http://www.caixa.gov.br/, ou

a) Buscar informações no site da Caixa Econômica Federal, http://www.caixa.gov.br/, ou CASA PRÓPRIA DO SERVIDOR O Governo do Estado do Goiás, em convênio com a Caixa Econômica Federal, disponibiliza aos seus servidores civis e militares, ativos e inativos, bem como aos pensionistas, linhas

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Dentro dos programas dos diversos cursos de matemática

1. INTRODUÇÃO. Dentro dos programas dos diversos cursos de matemática 1. Introdução; 2. Conceito e classificação das taxas de juros; 3. Taxas equivalentes e proporcionais; 4. Juros pagos antecipadamente; 5. Conclusão. 1. INTRODUÇÃO No mercado financeiro brasileiro, mesmo

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira. Valor do dinheiro no tempo. Moeda. Gastar X investir

Introdução à Matemática Financeira. Valor do dinheiro no tempo. Moeda. Gastar X investir Introdução à Matemática Financeira Valor do dinheiro no tempo Moeda Antes de detalharmos a Matemática Financeira, vejamos algumas definições sobre o que são moeda e capital. Moeda é o meio que facilita

Leia mais

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO O QUE É? No Brasil um fundo de investimento possui a sua organização jurídica na forma de um condomínio de investidores, portanto o fundo de investimento possui um registro na Receita Federal (CNPJ) pois

Leia mais

Consulta Pública de Lâmina de Fundo

Consulta Pública de Lâmina de Fundo Page 1 of 8 Consulta Pública de Lâmina de Fundo Atenção: Estas informações tem por base os documentos enviados à CVM pelas Instituições Administradoras dos Fundos de Investimento e são de exclusiva responsabilidade

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

renda fixa Certificado de Depósito Bancário

renda fixa Certificado de Depósito Bancário renda fixa Certificado de Depósito Bancário Certificado de Depósito Bancário Rentabilidade e proteção em um único investimento O produto Certificado de Depósito Bancário (CDB) é um título de renda fixa,

Leia mais

ATENÇÃO. O Banco do Brasil apesar de não ser mais uma autoridade, ainda exerce atividades típicas de Banco Central.

ATENÇÃO. O Banco do Brasil apesar de não ser mais uma autoridade, ainda exerce atividades típicas de Banco Central. 1. BREVE HISTÓRICO DO SFN O SFN brasileiro é relativamente novo. Tem pouco mais de 50 anos. Foi criado em 1964. Mas isso não quer dizer que não existiam instituições financeiras anteriormente. Com a vinda

Leia mais

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER DE JUROS?

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER DE JUROS? QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER! Como se calcula a taxa de juros Over?! Como se calcula a taxa de juros CDI?! Como a taxa de juros CDI e Over se comparam? Francisco Cavalcante(francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira O que é melhor? Juros simples ou juros compostos? Pagar a vista ou comprar a prazo? ano? Receber hoje R$ 1,00 é melhor que receber o mesmo valor daqui a um Podemos ver

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÕES MF5 1 EMPRÉSTIMOS E Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando

Leia mais