PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO"

Transcrição

1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Curso Técnico em Informática para Internet Rio Pomba-MG Dezembro/2013

2 IF Sudeste MG Reitor Paulo Rogério Araújo Guimarães Campus Rio Pomba Diretor-Geral Arnaldo Prata Neiva Júnior Diretor de Ensino do Campus João Eudes da Silva Coordenadora Geral de Ensino Técnico Luciléia Maria Arantes Coordenador do Curso Técnico Informática para Internet Sandro de Paiva Carvalho 2

3 IDENTIFICAÇÃO INSTITUCIONAL IF SUDESTE MG CAMPUS RIO POMBA CNPJ: / Endereço: Av. Dr. José Sebastião da Paixão, s/nº - Bairro Lindo Vale Rio Pomba MG CEP: Fone/Fax de Contato: (32) de contato: Diretor Geral: Arnaldo Prata Neiva Júnior DADOS GERAIS Nome do Curso: Técnico em Informática para a Internet (Concomitante) Aspectos Legais: O curso Técnico Informática para Internet consta no Catálogo Nacional de Cursos Técnicos do Ministério da Educação, inserido no Eixo Tecnológico Informação e Comunicação. A Resolução 03 de 05/01/2001 do Conselho Diretor referenda a aprovação do curso e a Resolução 01 de 01/02/2012 do Conselho Superior do IF Sudeste MG altera a nomenclatura. Área do Conhecimento/Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Nível: Técnico Modalidade: Presencial Carga Horária Total: 1440 h Duração Prevista: 1 ano e 6 meses Tempo de Integralização do Curso: O prazo máximo de integralização do curso, considerando o estágio curricular, será de 03 anos a partir da conclusão das disciplinas. Este prazo poderá ser prorrogado, uma única vez por igual período, mediante requerimento e justificativa a ser aprovado pelo Colegiado de Curso. O prazo máximo para conclusão das disciplinas será de 05 anos. Habilitação: Técnico em Informática Periodicidade de Oferta: Semestral 3

4 Turno: Noturno Número de Vagas Ofertadas por Turma: 40 vagas Períodos: 3 (três) Requisitos de Acesso: A seleção e/ou ingresso no curso será por meio de: I Exame de seleção, previsto em edital público. II Transferência de instituições de ensino, caso haja vaga. III Transferência ex-ofício, conforme legislação vigente. IV Por intermédio de processo de mobilidade acadêmica nacional e/ou internacional. V Por outras formas de ingresso, regulamentadas pelo Conselho Superior, a partir das políticas emanadas do MEC. A(s) sistemática(s) de seleção no curso será(ão) dimensionada (s) a cada período letivo, sendo organizada e executada pela Comissão Permanente de Processo Seletivo (COPESE). Local de Funcionamento: Campus Rio Pomba 4

5 CONTEXTO GERAL Apresentação Esse documento apresenta o Projeto Pedagógico do Curso Técnico em Informática para a Internet (Concomitante) e tem como princípio ressaltar aspectos a fim de orientar o educando na construção de uma sociedade em benefício de todos. Fatores como a interdisciplinaridade, inserção social, ética, participação dos alunos nos processos de aprendizagem, integração de processos de produção de conhecimento em conjunto com a percepção das necessidades da sociedade, devem ser enfatizados e são apresentados com um dos grandes desafios do ensino técnico. O objetivo é desenvolver uma comunidade acadêmica pensante, com capacidade de criticar e elaborar procedimentos que tornem mais eficazes o desenvolvimento dos egressos, da instituição e da sociedade. Atualmente, as aceleradas mudanças da sociedade do século XXI estão exigindo que as Instituições de Ensino Técnico busquem melhores alternativas para a concepção, a organização e o desenvolvimento de seus cursos. Além disso, o interesse em aperfeiçoar e atualizar o ensino é um compromisso da instituição. A integração entre os setores, o equilíbrio e a estabilidade da instituição, sua administração, seu crescimento e, principalmente, sua identidade no sistema social, dependem da existência, qualidade e acessibilidade dessas diretrizes definidoras de sua personalidade, assim como dependem dessas diretrizes todos os participantes do IF Sudeste - MG Com um mundo cada vez mais globalizado, novas tendências de mercado estão surgindo a uma velocidade assustadora, exigindo das instituições de ensino, novos critérios e referenciais, obrigando aos professores a pensar e elaborar melhor o que ensinar a esses jovens que buscam as instituições de ensino para preparar, viver e trabalhar com mais responsabilidade e qualidade. 5

6 A necessidade de mudança da Educação Técnica é inevitável. O desafio de realizá-las implica em um processo de reconstrução das organizações educacionais, de redefinição de critérios e de criação de novas práticas de instituições de ensino. O IF SUDESTE MG Campus Rio Pomba, diante dessas considerações, avalia que o aluno é sujeito de seu processo educativo, e ainda, para educar, é preciso saber e atualizar a cada dia. Por isso o IF SUDESTE MG Campus Rio Pomba proporciona as condições e os requisitos essenciais para que o aluno possa construir sua própria história. Histórico da Instituição O Campus Rio Pomba do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais está localizado a 5 km do centro urbano da cidade, em um local denominado Lindo Vale, região da Zona da Mata mineira. A região da Zona da Mata é formada por 142 municípios agrupados em sete microrregiões geográficas, abrangendo uma área de Km², com uma população estimada em habitantes. A origem da Escola data de 16 de agosto de 1962, quando foi inaugurada pelo deputado Último de Carvalho, atendendo aos anseios políticos, econômicos e sociais vigentes, idealizando-se uma escola voltada para as necessidades do meio rural, numa metodologia adaptada ao sistema escola-fazenda. Foi criado pela Lei 3092/56 de 29 de dezembro de 1956, publicada no DOU em 02 de janeiro de 1957, com a denominação de Escola Agrícola de Rio Pomba. Era subordinada ao Ministério da Agricultura e utilizava as terras e benfeitorias do Departamento Nacional de Produção Animal e da Estação Experimental de Fumo do Serviço Nacional de Pesquisas Agronômicas. Ao longo de sua trajetória, o Campus Rio Pomba passou pelas seguintes transformações: Ginásio Agrícola de Rio Pomba: em 13 de dezembro de 1964, através do 6

7 Decreto N /64. Colégio Agrícola de Rio Pomba: em 25 de janeiro de 1968, através do Decreto N Escola Agrotécnica Federal de Rio Pomba - MG: em 04 de setembro de 1979, através do Decreto N Centro Federal de Educação Tecnológica de Rio Pomba: em 14 de novembro de IF SUDESTE MG Campus Rio Pomba: em 30 de dezembro de O Campus Rio Pomba participa de forma ativa das mudanças do mundo globalizado, introduzindo um novo modelo de formação profissional com ênfase no homem e suas relações com o meio ambiente no qual está inserido. A mobilização e democratização do conhecimento, hoje requerido pelo mundo moderno fazem com que a educação tenha papel de destaque neste processo de crescimento. Em consonância com o desenvolvimento da região, estamos constantemente revendo os conteúdos curriculares, de forma a garantir qualificações que facilitem a colocação desses profissionais no mercado de trabalho que a cada dia se torna mais exigente. Vale ressaltar que todos os cursos aqui ministrados mantêm a preocupação com a parte ambiental, principalmente na questão dos estudos dos impactos provenientes das agroindústrias e da produção agropecuária em geral. O profissional que o Campus Rio Pomba forma traz embutido nos conhecimentos científicos, uma formação cidadã baseada nos princípios do desenvolvimento sustentável. JUSTIFICATIVA O IF SUDESTE MG Campus Rio Pomba está situado no município de Rio Pomba, microrregião de Ubá, no centro do eixo Belo Horizonte - São Paulo - Rio de Janeiro Vitória (Figura 1), sofrendo, portanto, as influências econômicas e sociais do processo evolutivo dessas metrópoles. 7

8 Figura 1 Localização do município de Rio Pomba Formada basicamente por pequenas e médias empresas, a região vem passando por transformações sócio econômicas significativas e se inserindo no mundo globalizado atuando em diversos pontos da indústria. O pólo moveleiro da região da Zona da Mata Mineira começou com pequenas marcenarias que tiveram a iniciativa de fabricar móveis para suprir as necessidades do lar e hoje conta com aproximadamente 320 indústrias. Apresenta elevada organização e pode ser considerado arranjo produtivo local, possuindo intensidade diferenciada em termos de potencial de desenvolvimento. Segundo o IBGE, o setor moveleiro movimenta o mercado pelo alto índice de empregos gerados, contribuindo assim para o desenvolvimento local e regional. Estima-se que sejam gerados cerca de sete mil empregos diretos pelas indústrias de móveis que fazem parte do pólo moveleiro da Zona da Mata Mineira. Além disso, a região conta com diversos outros segmentos como indústrias de alimentos, fábricas de rações, indústria têxtil, indústria de papel, vestuário, entre outras, apresentando-se como uma área carente de investimento tecnológico. A tecnologia da informação é de fundamental importância para a sobrevivência e competitividade entre as empresas. Sendo assim, o 8

9 desenvolvimento de softwares de qualidade, tecnologias de ponta e suporte especializado tornam-se imprescindíveis para o desenvolvimento local, proporcionando as indústrias da região suporte tecnológico no mercado competitivo. Estima-se que a região da Zona Mata Mineira apresenta poucas empresas desenvolvedoras de softwares, fazendo com que os empresários locais, busquem softwares de gestão empresarial no sul do país como também no exterior. A área de pesquisa tecnológica encontra-se concentrada em regiões como Belo Horizonte, São Paulo, entre outras, chegando a região da Zona da Mata já desatualizada. Com o crescimento das empresas surge a necessidade de oferta especializada na área de tecnologia da informação, que busca a gerência dentro de uma empresa desde a matéria-prima até o produto acabado, controlando as diversas áreas na busca contínua do aprimoramento, desenvolvimento e superação de resultados. Além disso, a indústria de softwares vem se aprimorando no que tange a sistemas de apoio a decisão. Segundo o Ministério da Ciência e Tecnologia (Figura 2), até o ano de 1998, o índice de qualificação de mão-de-obra com curso de graduação no setor de informática no Brasil, era sempre inferior ao nível técnico, o que torna clara a necessidade de profissionais qualificados e com instruções de nível superior. A proposta de criação do curso Técnico em Informática para Internet do IF SUDESTE MG Campus Rio Pomba é oferecer mão de obra especializada e qualificada para o desenvolvimento de produtos tecnológicos, proporcionando a região um desenvolvimento tecnológico e conseqüentemente econômico. 9

10 Figura 2 Qualificação de mão-de-obra ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Objetivo Geral O Curso Técnico em Informática para Internet tem como propósito oferecer formação profissional suportada em base técnica, em diretrizes alinhadas com as necessidades do mercado de trabalho, permitindo-lhes atuar como agentes de transformação do mundo pela intervenção e desenvolvimento de tecnologias, para promoção das instituições sociais e do homem. Objetivos Específicos O profissional Técnico em Informática terá a competência em desenvolver programas de computador para internet, seguindo as especificações e paradigmas da lógica de programação e das linguagens de programação. Utiliza ferramentas de desenvolvimento de sistemas, para construir soluções que auxiliam o processo de criação de interfaces e aplicativos empregados no comércio e marketing eletrônicos. Desenvolve e realiza a manutenção de sites e portais na internet e na intranet. 10

11 Perfil Profissional Em termos gerais, de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional de Nível Técnico área profissional Informática, o profissional poderá atuar em quaisquer atividades afins e correlatas à Informática como segue abaixo: Identificar o funcionamento e relacionamento entre os componentes de computadores e seus periféricos. Instalar e configurar computadores, isolados ou em redes, periféricos e softwares. Identificar a origem de falhas no funcionamento de computadores, periféricos e softwares avaliando seus efeitos. Ser capaz de desenvolver sistemas para a Internet dinâmicos utilizando linguagens de programação e banco de dados. Ser capaz de criar páginas com conteúdos e recursos ricos para a Internet. Certificados e Diplomas expedidos aos concluintes do curso O aluno percorrerá o itinerário que se inicia pelo módulo DESENVOLVEDOR DE PÁGINAS DE INTERNET ESTÁTICA e que prossegue pelos módulos seguintes, 2 e 3, que são parte integrante da habilitação. Ao completar o primeiro módulo, o IF Sudeste MG Campus Rio Pomba conferirá ao aluno o correspondente Certificado de Qualificação Profissional de DESENVOLVEDOR DE PÁGINAS DE INTERNET ESTÁTICA. Concluindo o segundo módulo, o IF Sudeste MG Campus Rio Pomba conferirá ao aluno o correspondente Certificado de Qualificação Profissional de DESENVOLVEDOR DE PÁGINAS DE INTERNET E MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES. Concluindo o terceiro módulo, o IF Sudeste MG Campus Rio Pomba conferirá ao aluno o correspondente Certificado de Qualificação Profissional de PROGRAMADOR E 11

12 DESENVOLVEDOR/MANTENEDOR DE REDES DE COMPUTADORES. Tendo o aluno concluído os três módulos e realizado o estágio obrigatório, o IF Sudeste MG Campus Rio Pomba conferirá ao aluno o correspondente DIPLOMA DE TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET. MATRIZ CURRICULAR O Curso Técnico em Informática obedece ao disposto na Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996; na Portaria MEC nº 646, de 14 de maio de 1997; no Parecer CNE/CEB no 17/97, de 03 de dezembro de 1997; na Resolução CNE/CEB nº 04/99 que estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional de Nível Técnico. Sendo assim, o curso está estruturado em regime de módulos semestrais, com a Matriz Curricular dividida em três módulos de 400 horas, perfazendo um total de horas de formação teórico-prática, acrescida de 240 horas de estágio supervisionado conforme se demonstra a seguir. Atendendo ao DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005 que regulamenta o ensino de LIBRAS na educação profissional, conforme descrito no parágrafo 3º. do art. 3º., será ofertada a disciplina curricular optativa de LIBRAS com carga horária de 20h. De acordo com o regulamento de cursos de nível técnico do IF SUDESTE MG Campus Rio Pomba, para obtenção do título Técnico em Informática para Internet, o aluno deverá concluir com aprovação toda a estrutura curricular do curso. MÓDULOS E QUALIFICAÇÕES 1 DESENVOLVEDOR DE PÁGINAS DE INTERNET ESTÁTICA DISCIPLINAS Algoritmos e Estruturas de Dados Desenvolvimento de Projeto I Linguagem de Programação WEB Inglês Instumental CARGA HORÁRIA 12

13 2 DESENVOLVEDOR DE PÁGINAS DE INTERNET E MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES 3 PROGRAMADOR E DESENVOLVEDOR/MA NTENEDOR DE REDES DE COMPUTADORES Matemática Aplicada Português Instrumental Banco de Dados Desenvolvimento de Animação para WEB Linguagem de Programação WEB II Desenvolvimento de Projeto II Montagem e Manutenção de Computadores e Sistemas Operacionais Redes e Segurança para WEB Administração de Negócios WEB Teste de Software Contabilidade Interface Homem Máquina SUBTOTAL SUBTOTAL SUBTOTAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO 240 TOTAL HORA AULA(DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS) 1200 TOTAL HORA AULA(DISCIPLINA OPTATIVA: LIBRAS) 20 TOTAL ESTÁGIO 240 TOTAL DO CURSO 1460 Tabela 1-Matriz Curricular do Curso Técnico em Informática para Internet do IFSudeste MG Câmpus Rio Pomba A carga horária apresenta-se distribuída da seguinte forma: Primeiro Período carga horária de 400 horas, após concluir esta etapa o aluno estará apto a desenvolver páginas de internet estática. Segundo Período carga horária de 400 horas, após concluir esta etapa o aluno estará apto a criar programas voltados para a Internet utilizando arquitetura 13

14 cliente/servidor fazendo uso de banco de dados e fazer manutenção em computadores. Terceiro período com carga horária de 400 horas, após concluir esta etapa o aluno estará apto a desenvolver programas para a Internet e montar/configurar redes de computadores. 14

15 COMPONENTES CURRICULARES Disciplina: Algoritmos e Estrutura de Dados Período: 1 Carga Horária (hora-relógio): h Ementa: Informática aplicada ao curso técnico integrado de informática utilizando de técnicas e métodos de construção de algoritmos para o desenvolvimento de lógica e elaboração de trechos de programas a partir de introdução à lógica, introdução a algoritmos e de programação estruturada. Bibliografia Básica: 1. GUIMARÃES, Lajes. Algoritmos e Estruturas de Dados. LTC Editora. 2. FARRER, Harry et al. Algoritmos Estruturados. Ed. Guanabara. 3. ZIVIANI, N. Projetos de Algoritmos com Implementação em Pascal e C. Editora Pioneira. Bibliografia Complementar: 1. AVILLANO, I. C. Algoritmos e Pascal. Ciência Moderna. 2. MANZANO, José Augusto N. G.; MENDES, Sandro S. Vicca. Estudo Dirigido, Delphi. São Paulo: Ed. Érica, VELOSO, Paulo et al. Estrutura de Dados. Ed Campus. 4. TENENBAUM, A. M., Langsan Y. e Augenstein, M.J.,Estruturas de Dados Usando C. Makron Books, São Paulo, WIRTH, N. Algoritmos e Estruturas de Dados. LTC. COMPONENTES CURRICULARES Período: 1 Carga Horária (hora-relógio): h Disciplina: Desenvolvimento de Projeto I 15

16 Ementa: Construção de projetos de acordo com as normas de Engenharia de Software: Definição do Sistema; Modelagem do Sistema; Modelagem e construção do Banco de Dados, Codificação do Sistema e Implantação do Sistema. Bibliografia Básica: 1. PRESSMAN, R.S. Engenharia de Software. Editora Mc Graw Hill - 5 º Edição SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de software. 8. ed. São Paulo: Pearson Education, PETERS, James F. Engenharia de Software. Campus, Bibliografia Complementar: 1. DATE, C. J. Introdução a Sistemas de Bancos de Dados. 5a ed. Editora Campus, DEITEL, Harvey; DEITEL, Paul. Java: como programar. Pearson Prentice Hall 6ª edição, GANE, Chris e SARSON, Trish. Análise Estruturada de Sistemas. LTC Editora Yourdon, E. Análise Estruturada Moderna. Ed Yourdon Press DeMarco,Tom. Análise Estruturada e Especificação de Sistema. Ed. Campus COMPONENTES CURRICULARES Período: 1 Carga Horária (hora-relógio): h Disciplina: Inglês Instrumental Ementa: Abordagem integrada dos níveis de compreensão de leitura, suas estratégias e aspectos léxico-gramaticais. Ensino da língua inglesa através de literaturas técnico-científicas interdisciplinares. Técnicas do inglês instrumental. Bibliografia Básica: 1. SWAN, Michael. Practical English Usage. Oxford University Press, MUNHOZ, Rosângela. Inglês Instrumental. Estratégias de leitura. Módulo I e 16

17 II. São Paulo: Texto Novo, SOUZA, Adriana Grade Fiori et al. Leitura em Língua Inglesa:uma abordagem instrumental. São Paulo: Disal, Bibliografia Complementar: 1. GALANTE, Terezinha Prado, Pow, Elizabeth. Inglês para Processamento de dados. São Paulo: Atlas, OXFORD/Dicionário para estudantes brasileiros. Oxford University Press, OXFORD/Dictionary of Synonyms and Antonyms. Oxford University Press, MARINOTTO, Demóstene. Reading on Info Tech. Inglês para Informática.São Paulo: Novatec, TORRES, Décio et al. Inglês.com. textos para Informática. São Paulo: Disal, COMPONENTES CURRICULARES Período: 1 Carga Horária (hora-relógio): h Disciplina: Linguagem de Programação WEB Ementa: Propiciar condições básicas para o desenvolvimento WEB, mediante a compreensão domínio e aplicação das técnicas inerentes à Programação WEB. Questionar / Interpretar problemas cotidianos de uma organização criando parâmetros para possíveis soluções informatizadas via WEB. Criação de páginas da Internet(home pages) usando Linguagem HTML, JavaScript e CSS. Aprender a programar nestas importantes Linguagens. Desenvolver trabalhos no computador na área do curso. Bibliografia Básica: 1. RAMALHO, José Antônio Alves, HTML 4 prático e Rápido / J.A.Alves 17

18 Ramalho. São Paulo: Berkeley Brasil, GILMORE, W. Jason. Dominando php e mysql: do iniciante ao profissional. Altabooks: 2008, p. inclui PHP5 e PHP6. 3. HAHN, Harley; STOUT, Rick. Dominando a internet. Tradução Antonio Augusto Orselli. São Paulo: Makron Books, Bibliografia Complementar: 1. Converse, Tim. PHP4: a Bíblia/ Tim Converse, Joyce Park; tradução da 2ª ed. Original de Edson Furmankiewcz - Rio de Janeiro: Elsevier, ª Reimpressão. 2. Sica, Carlos. PHP Orientado a Objetos Fale a Linguagem da Internet Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda., INTERNET: passo a passo: lite. São Paulo: Makron Books, p. (Curso Prático para Iniciantes) 4. Heide, Ann - Stiliborne, Linda. Guia do professor para a Internet, Editora Artmed Sul, 2a edição, DEITEL, Harvey; DEITEL, Paul. Java: como programar. Pearson Prentice Hall 6ª edição, COMPONENTES CURRICULARES Período: 1 Carga Horária (hora-relógio): 40h Disciplina: Matemática Aplicada Ementa: Equação do 1º e 2º Graus. Áreas e Volumes. Juros e Porcentagem. Regra de três. Médias. Matriz e Determinante. 18

19 Bibliografia Básica: 1. MATEMÁTICA. Autor: DANTE, Luiz Roberto. 1ª série, 1ª Ed. São Paulo: Ática, MATEMÁTICA. Autor: DANTE, Luiz Roberto. 2ª série, 1ª Ed. São Paulo: Ática, MATEMÁTIA. Autores: Jorge Daniel Silva e Valter dos Santos Fernandes. Coleção Horizontes. São Paulo: IBEP, s/data. Bibliografia Complementar: 1. MATEMÁTICA. Autor: DANTE, Luiz Roberto. Volume Único. 1ª Ed. São Paulo: Ática, Matemática para o Ensino Médio. Autores: MARCONDES, Carlos Alberto dos Santos; GENTIL, Nelson e GRECO, Sérgio Emílio. Volume 1, 6ª Ed. São Paulo: Ática, MATEMÁTICA - Coleção Novo Olhar. Autor: Joamir Souza. Volume 1, 1ª Ed. São Paulo: Editora FTD Código: 25133COL02 4. MATEMÁTICA. Autores: Antonio Nicolau Youssef; Elizabeth Soares; Vicente Paz Fernandez. Editora Scipione. Volume Único, 1ª Ed. São Paulo, Código: MINIMANUAL COMPACTO DE MATEMÁTICA: Teoria e Prática - Ensino Médio. Autoras: Tânia Cristina Neto G. Viveiro e Marlene Lima Pires Corrêa. Editora Rideel, 1ª Ed. SP COMPONENTES CURRICULARES Período: 1 Carga Horária (hora-relógio): 40h Disciplina: Português Instrumental Ementa: Compreensão, recepção e produção de textos; Leitura ativa, analítica e crítica dos textos propostos; Linguagem e Língua; Usos da língua falada e escrita; Ensino de gramática. Bibliografia Básica: 1. 1.CADORE, Luis Agostinho. Curso Prático de Português: literatura, 19

20 gramática, redação. São Paulo: Ática, SARMENTO, Leila Lauar. Oficina de Redação. 2ª ed. São Paulo: Moderna, SARMENTO, Leila Lauar; TUFANO, Douglas. Português: literatura gramática, produção de texto. 1ª ed. São Paulo: Moderna, Bibliografia Complementar: 1. 1.CEREJA, Willian Roberto; MAGALHÃES, Tereza Cochar. Português: linguagens. Volume único. São Paulo: Moderna, CUNHA, Celso. Gramática do português contemporâneo. 10ªed. Rio de Janeiro: padrão Livraria, DE NICOLA, José, INFANTE, Ulisses. Gramática Contemporânea de Língua Portuguesa. São Paulo: Scipione, MARTINS, Dileta Silveira. Português instrumental. 19ª ed. Porto Alegre: Sagra, TERRA, Ernani. Português de olho no mundo do trabalho. Volume único. São Paulo: Scipione, COMPONENTES CURRICULARES Período: 2 Carga Horária (hora-relógio): h Disciplina: Banco de Dados Ementa: Conceitos de Armazenamento e Gerenciamento de Dados; Histórico e Evolução dos Bancos de Dados; Modelagem de Dados; Principais Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD);Abordagem entidade-relacionamento; Álgebra relacional; Introdução aos comandos SQL. Bibliografia Básica: 1. RAMEZ E. ELMASRI & SHAMKANT NAVATHE. SISTEMAS DE BANCO DE DADOS, 4ªed., ADDISON-WESLEY, HEUSER CARLOS A., Projeto de Banco de Dados., 6ª ed. Editora Bookman. 3. ELMASRI, KORTH, Henry F. SILBERCHATZ, Abraham. Sistema de Banco de Dados. Makron Books. 4. DATE, C.J. Introdução a Sistemas de Bancos de Dados. Ed. Campus. 20

21 Bibliografia Complementar: 1. KORTH, H.F. e Silberschatz, A. Sistemas de Bancos de Dados, Makron Books, 5a.edição, Editora Campus, DATE, C.J. An introduction to database systems, Addison-Wesley, 8th edition, (Tradução: Introdução a Sistemas de Bancos de Dados, Editora Campus, ELMASRI, R. and Navathe, S.B. Fundamentals of database systems, 4th. edition,addison-wesley, (Tradução: Sistemas de Banco de Dados, Addison-Wesley, RAMAKRISHNAN, R. Database management systems, McGraw-Hill, 3rd edition, O'NEIL, D. and O'Neil, E. Database: Principles, Programming Performance, Morgan Kaufmann, COMPONENTES CURRICULARES Disciplina: Desenvolvimento de Animação para a WEB Período: 2 Carga Horária (hora-relógio): h Ementa: Conceitos: Mídia, Tipos de Mídia, Classificação das Mídias, Multimídia, Aplicações Multimídia. A interface do Ambiente de Desenvolvimento. Criação de Elementos Gráficos (Criação de mídia vetorial, layers, organização de layers em folders, uso das ferramentas de desenho vetorial, bibliotecas, máscaras, importação de imagens).desenvolvendo Animações (frame-a-frame, tweening motion, motion guide layer, tweening shape Morph, efeitos de timelines). Adicionando Interatividade (botões, behaviors, movieclips, múltiplas cenas). Fundamentos do Rich Media (eventos, símbolos alinhados, Movieclips com diferentes estágios, uso de timelines secundárias). Mídias Áudio e Vídeo (importação, behavios de áudio, components de vídeo). Publicação e otimização de arquivos para web, com HTML e geração de executável). Bibliografia Básica: 1. MANZI, F. Flash CS3 Professional - Criando Além da Animação - para Windows 2a Ed. São Paulo:Érica, MEDEIROS, F. ARAI, N. Flash 8 Professional - Fundamentos e Aplicações - 21

22 Para Windows - 3a Ed. São Paulo: Érica, ADOBE CREATIVE TEAM - Adobe Flash CS3 Professional: Classroom in a Book - Guia Oficial detreinamento, São Paulo: ArtMed, SCHAWARTZ, Evan I, Darwinismo digital : 7 estratégias inovadoras para sobreviver na implacável economia da web Bibliografia Complementar: 1. MIRANDA, Ana Paula, Praticando e Entendendo Adobe Flash CS5 - VISUAL BOOKS. ISBN-10: GOODMAN, Danny, JavaScript & DHTML Guia Prático, ALTA BOOKS, 2008, ALTA BOOKS, ISBN: SAMY SILVA, Maurício Samy Construindo sites com CSS e (X)HTML : sites controlados por folhas de estilo em cascata / Maurício Samy Silva. -- São Paulo : Novatec Editora, Bibliografia. ISBN SILVA, Maurício Samy Criando sites com HTML : sites de alta qualidade com HTML e CSS / Maurício Samy Silva. -- São Paulo : Novatec Editora, Bibliografia. ISBN SILVA, Maurício Samy HTML5 - A linguagem de marcação que revolucionou a web / Maurício Samy Silva. -- São Paulo : Novatec Editora, Bibliografia. ISBN COMPONENTES CURRICULARES Período: 2 Disciplina: Linguagem de Programação WEB II Carga Horária (hora-relógio): h Ementa: Propiciar condições básicas para o desenvolvimento WEB, mediante a compreensão domínio e aplicação das técnicas inerentes à Programação WEB. Questionar / Interpretar problemas cotidianos de uma organização criando parâmetros para possíveis soluções informatizadas via WEB. Trabalhar com a linguagem PHP, em especificações técnicas, criando um Site. Compreender as transformações que ocorrem no mundo virtual, tendo condições de trabalhar com vários recursos para desenvolvimento de aplicações WEB. Bibliografia Básica: 1. Converse, Tim PHP4: a Bíblia/ Tim Converse, Joyce Park; tradução da 2ª ed. Original de Edson Furmankiewcz - Rio de Janeiro: Elsevier, ª Reimpressão. 2. Sica, Carlos PHP Orientado a Objetos Fale a Linguagem da Internet Rio 22

23 de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda., GILMORE, W. Jason. Dominando php e mysql: do iniciante ao profissional. Altabooks: 2008, p. inclui PHP5 e PHP6. Bibliografia Complementar: 1. INTERNET: passo a passo: lite. São Paulo: Makron Books, p. (Curso Prático para Iniciantes). 2. Heide, Ann - Stiliborne, Linda. Guia do professor para a Internet, Editora Artmed Sul, 2a edição, DEITEL, Harvey; DEITEL, Paul. Java: como programar. Pearson Prentice Hall 6ª edição, HAHN, Harley; STOUT, Rick. Dominando a internet. Tradução Antonio Augusto Orselli. São Paulo: Makron Books, RAMALHO, José Antônio Alves, HTML 4 prático e Rápido / J.A.Alves Ramalho. São Paulo: Berkeley Brasil, (manual PHP) COMPONENTES CURRICULARES Período: 2 Carga Horária (hora-relógio): h Disciplina: Desenvolvimento de Projeto II Ementa: Construir páginas/aplicativos voltados para a Internet. Elaborar propostas de páginas/aplicativos para Internet. Programar sites dinâmicos utilizando HTML e linguagens de programação para Internet. Linguagem HTML/DHTML. Tecnologias de Web Sites. Aplicações PHP. Bibliografia Básica: 1. GILMORE, W. Jason. Dominando php e mysql: do iniciante ao profissional. Altabooks: 2008, p. inclui PHP5 e PHP6. 2. SILVA, Maurício Samy Criando sites com HTML : sites de alta qualidade com HTML e CSS / Maurício Samy Silva. -- São Paulo : Novatec Editora, Bibliografia. ISBN GOODMAN, Danny, JavaScript & DHTML Guia Prático, ALTA BOOKS, 2008, 23

24 ALTA BOOKS, ISBN: Bibliografia Complementar: 1. ALBERTIN, Alberto Luiz. Comércio Eletrônico: modelo, aspectos e contribuições de sua aplicação. 6. ed. São Paulo, SP: Atlas S.A, p. ISBN MANZI, F. Flash CS3 Professional - Criando Além da Animação - para Windows 2a Ed. São Paulo:Érica, SAMY SILVA, Maurício Samy Construindo sites com CSS e (X)HTML : sites controlados por folhas de estilo em cascata / Maurício Samy Silva. -- São Paulo : Novatec Editora, Bibliografia. ISBN SILVA, Maurício Samy Criando sites com HTML : sites de alta qualidade com HTML e CSS / Maurício Samy Silva. -- São Paulo : Novatec Editora, Bibliografia. ISBN SILVA, Maurício Samy HTML5 - A linguagem de marcação que revolucionou a web / Maurício Samy Silva. -- São Paulo : Novatec Editora, Bibliografia. ISBN COMPONENTES CURRICULARES Período: 2 Disciplina: Montagem e Manutenção de Computadores / Sistemas Operacionais: Carga Horária (hora-relógio): h Ementa: introduzir os conceitos básicos de informática, de montagem e manutenção de hardware e instalação/ configuração de sistemas operacionais através de aulas teóricas e aplicações práticas. Bibliografia Básica: 1. TANEMBAUM A. Sistemas Operacionais Modernos. 2ª Edição Prentice Hall do Brasil 2. SILBERSCHATz. A, Galvin P.B, Greg G. Sistemas Operacionais Conceitos e Aplicações. Editora Campus TORRES, Gabriel. Manutenção e configuração de micros: para principiantes. 2. ed. Rio de Janeiro: Axcel, c p 4. SCHIAVONI, Marilene. Hardware. Curitiba, PR: Livro Técnico, p. ISBN

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA VISCONDE DE CAIRU CEPPEV CURSO: GESTÃO DE DATACENTER E COMPUTAÇÃO EM NUVEM 2013.2

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA VISCONDE DE CAIRU CEPPEV CURSO: GESTÃO DE DATACENTER E COMPUTAÇÃO EM NUVEM 2013.2 NÚMERO DE VAGAS: 25 (Vinte e Cinco) Vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS 01 de Novembro de 2013 CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA VISCONDE DE CAIRU CEPPEV APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA A Fundação Visconde

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 3º EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 3º EMENTA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE ENSINO Rua Esmeralda, 430 Faixa Nova Camobi -97110-767

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Técnico em Informática

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Técnico em Informática INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS - CAMPUS AVANÇADO SÃO JOÃO DEL-REI MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Técnico em Informática APRESENTAÇÃO O objetivo do presente

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais

PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Curso de Especialização em Gestão e Relações Internacionais Área de Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

ANEXO I CARGO: Professor Substituto/Temporário

ANEXO I CARGO: Professor Substituto/Temporário EDITAL 035/2013 DE 22 DE MAIO DE 2013 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR SUBSTITUTO/TEMPORÁRIO ANEXO I CARGO: Professor Substituto/Temporário Área Libras Informática (Hardware/Redes

Leia mais

Integrar o processo de ensino, pesquisa e extensão;

Integrar o processo de ensino, pesquisa e extensão; REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE AGRONOMIA DO IFES CAMPUS ITAPINA O Estágio Curricular constitui um momento de aquisição e aprimoramento de conhecimentos e de habilidades essenciais ao

Leia mais

O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a importância do Princípio da Indissociabilidade, estabelecido pelo

O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a importância do Princípio da Indissociabilidade, estabelecido pelo REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Aprovado na CamEx, na 84 Sessão, realizada em 18 de março de 2015, apreciada no CONSEPE, na 54ª Sessão,

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS LAGES Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras

MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras Rio de Janeiro Julho/2013 1. Apresentação O presente Manual foi reorganizado pelos membros do Colegiado dos Cursos de Licenciatura

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO TECNOLÓGICA INOVATEC/UERGS 2012

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO TECNOLÓGICA INOVATEC/UERGS 2012 PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO TECNOLÓGICA INOVATEC/UERGS 2012 EDITAL PROPPG 011/2011 O Reitor da UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO ENSINO A DISTÂNCIA

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO ENSINO A DISTÂNCIA PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO ENSINO A DISTÂNCIA 1- DADOS DE IDENTIFICAÇÃO CAMPUS:SANTO AUGUSTO DIREÇÃO GERAL: VERLAINE GERLACH DIREÇÃO DE ENSINO:MARINÊS HAMES COORDENAÇÃO

Leia mais

EDITAL Nº 06/2014, de 14 de fevereiro de 2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA TUTORES A DISTÂNCIA PROCESSO Nº 23222.

EDITAL Nº 06/2014, de 14 de fevereiro de 2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA TUTORES A DISTÂNCIA PROCESSO Nº 23222. EDITAL Nº 06/2014, de 14 de fevereiro de 2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA TUTORES A DISTÂNCIA PROCESSO Nº 23222.000079/2014-73 O Diretor Geral do campus Rio Pomba do Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO - CONSUP Nº 001/2012 REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA NATUREZA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 2.3. PROFESSORES

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC Programador de Dispositivos Móveis. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC Programador de Dispositivos Móveis. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015 1 A Coordenação do Curso de Administração, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições e em cumprimento ao Art. 5 o do Regulamento de Monitoria, Anexo da Resolução de 21 de dezembro

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA Qualificação:

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional INTERESSADO: Centro de Estudos e Pesquisas em Eletrônica Profissional e Informática Ltda CEPEP EMENTA: Reconhece o Curso Técnico em Redes de Computadores Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação, ofertado

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Fundamentos de Linguagens de Programação para Multimídia

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Fundamentos de Linguagens de Programação para Multimídia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenador Geral de Estágio: Prof. Ricardo Constante Martins

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO Diretoria de Educação a Distância REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS Art. 1º. As atividades acadêmico-científico-culturais

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

Curso Técnico em Informática para Internet. Depto Acadêmico de Saúde e Serviços (DASS) Campus Florianópolis

Curso Técnico em Informática para Internet. Depto Acadêmico de Saúde e Serviços (DASS) Campus Florianópolis Curso Técnico em Informática para Internet Depto Acadêmico de Saúde e Serviços (DASS) Campus Florianópolis Rede Escola Técnica Aberta do Brasil Programa nacional MEC (SEED/SETEC) - Decreto No.6301 de 12/12/2007

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

Planos de Ensino/Planos de Trabalho Docente

Planos de Ensino/Planos de Trabalho Docente Planos de Ensino/Planos de Trabalho Docente EIXO TECNOLÓGICO: Produção Alimentícia IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Agroindústria FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado

Leia mais

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Dispõe sobre Normas para criação de cursos Técnicos de Nível

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante)

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

CÂMPUS CAMPOS BELOS. Divulgação do edital 31 de março de 2015

CÂMPUS CAMPOS BELOS. Divulgação do edital 31 de março de 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO EDITAL N 007, DE 31 DE MARÇO 2015 SELEÇÃO INTERNA

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO ICSP/FESP CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO ICSP/FESP CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS 1 FESP ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CGC/MF: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua General Carneiro, 216 Fone/Fax (0xx41) 264-3311

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem O Projeto e-jovem é uma iniciativa do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Educação SEDUC, cuja proposta visa oferecer formação em Tecnologia da Informação

Leia mais

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS EDUCAÇÃO INFANTIL Maternal I ao jardim II Faixa etária:

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica 1. APRESENTAÇÃO O Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório no curso de Engenharia Elétrica é uma atividade curricular obrigatória

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL EM LINUX Campus Lages Junho/204 Parte (solicitante) DADOS DO CAMPUS PROPONENTE. Campus: Instituto Federal de Santa Catarina Campus Lages. 2. Endereço/CNPJ/Telefone

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel

Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA ADENDOS DO CURSO DE ZOOTECNIA AS

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 4 DE JANEIRO DE 205 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Projeto BRA/07/004 Seleciona: Consultor para identificação das melhores

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER 1 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES (A.A.C.C.) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO: ATIVIDADES

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI/SC em Florianópolis EDITAL DE PROCESSO SELETIVO. Pós-Graduação Lato Sensu em Sistemas Web e Dispositivos Móveis

Faculdade de Tecnologia SENAI/SC em Florianópolis EDITAL DE PROCESSO SELETIVO. Pós-Graduação Lato Sensu em Sistemas Web e Dispositivos Móveis Faculdade de Tecnologia SENAI/SC em Florianópolis EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduação Lato Sensu em Sistemas Web e Dispositivos Móveis A Faculdade de Tecnologia SENAI/SC em Florianópolis informa

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Ferramentas Online. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Ferramentas Online. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PARAÍBA DO SUL RJ 2014 2 DA NATUREZA Art. 1. Os alunos do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

CURSO DE CAPACITAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS JOÃO CÂMARA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS CURSO DE CAPACITAÇÃO TECNOLOGIA

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que o projeto dos cursos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente documento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL DE PROGRAMADOR WEB Campus Lages Junho/2014 Parte 1 (solicitante) DADOS DO CAMPUS PROPONENTE 1. Campus: Instituto Federal de Santa Catarina Campus Lages. 2.

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento define, no âmbito da Faculdade INEDI, as atividades complementares, bem como os procedimentos a serem

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento disciplina

Leia mais

RESOLUÇÃO N 003/2010

RESOLUÇÃO N 003/2010 RESOLUÇÃO N 003/2010 Institui regulamento para o cumprimento das atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia da FCH/ FUMEC. O PRESIDENTE DO COLEGIADO DE CURSOS NO USO DE SUAS

Leia mais

Pós-Graduação em Marketing de Moda

Pós-Graduação em Marketing de Moda Pós-Graduação em Marketing de Moda Público alvo Indicado para profissionais com formação em Moda, Design, Marketing, Comunicação, Arquitetura, dentre outros, e que atuem ou desejem atuar na área de Moda,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DA MATRIZ CURRICULAR DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR E ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM MARKETING E O REGULAMENTO

Leia mais

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. - Área de Comunicação: Técnico em Propaganda e Marketing

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. - Área de Comunicação: Técnico em Propaganda e Marketing CONLHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Homologado em 24/7/2001, publicado no DODF de 27/7/2001, p. 40. Portaria nº 353, de 14/8/2001, publicada no DODF de 16/8/2001, p. 16. Parecer nº 136/2001-CEDF Processo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

REGULAMENTO MES MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS Universidade Ibirapuera Aprovado pela Res. CONSUN nº 10/07, de 19.09.07 REGULAMENTO MES - MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO FASIPE CENTRO EDUCACIONAL LTDA. Mantenedora Faculdade Cenecista de Sinop Facenop/FASIPE Mantida REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO SINOP / MATO GROSSO

Leia mais

Curso de Nutrição MANUAL DO ACADÊMICO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Curso de Nutrição MANUAL DO ACADÊMICO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso de Nutrição MANUAL DO ACADÊMICO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Caxias do Sul 2014 Escola de Educação e Saúde Curso de Nutrição Esp. Nelson Felipe de Vargas Diretor da Da. Delzimar da Costa Lima Coordenadora

Leia mais