Terceiro Setor: um estudo sobre Composto de Marketing e Captação de Recursos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Terceiro Setor: um estudo sobre Composto de Marketing e Captação de Recursos"

Transcrição

1 Terceiro Setor: um estudo sobre Composto de Marketing e Captação de Recursos Evandro Alves das Chagas (Universidade Anhembi Morumbi) Rogerio Bandeira de Melo (Universidade Anhembi Morumbi) Antônio Carlos Estender (Universidade Anhembi Morumbi) Resumo: Diante do crescimento das necessidades sociais, por conta do descompasso entre o desenvolvimento tecnológico e o humano, as atividades do Terceiro setor ganham cada vez mais espaço para suprir as lacunas sociais existentes entre a relação do Primeiro Setor (Estado) e o Segundo (Empresas privadas com fins lucrativos). Neste momento torna-se oportuno o profissionalismo na gestão do Terceiro setor para a concretização de seus propósitos e, por sua vez, sobrevivência das organizações que o compõem. E em meio a este cenário o presente artigo procura apresentar um estudo sobre as intenções da aplicação do composto de marketing (Produto, Preço, Praça/Distribuição, Promoção/Comunicação) na captação de recursos em ONGs, conceituando e caracterizando essas organizações que compõem o Terceiro Setor, seu surgimento, suas peculiaridades na gestão e métodos de captação de recursos, com o objetivo de responder ao problema de pesquisa: como se pratica a utilização do composto de marketing para a captação de recursos em organizações do Terceiro Setor? Dado o problema acima mencionado, por meio de pesquisa do tipo exploratória e entrevista semi-estruturada foram analisadas duas instituições atuantes no Estado de São Paulo, com atividades semelhantes. A partir da técnica de análise de conteúdo, os resultados demonstraram que não existe intenção consciente da necessidade de trabalhar os itens do composto de marketing, no entanto, a intenção de realizar maiores investimentos a fim de promover uma melhora na captação de recursos é apresentada, assim como a intenção de promover um bem para a sociedade civil. Palavras chave: Terceiro Setor, Marketing, Captação de recursos. Third Sector: a view of marketing mix and fundraising Abstract Faced with growing social needs, due to the mismatch between technological and human development, the activities in the Third sector gain more space to overcome the social gaps between the relationship of the First Sector (State) and Second (private companies for purposes profit). At this moment it is timely professionalism in the management of Nonprofit Sector to achieve its purposes and, in turn, survival of the organizations that comprise it. And amid this backdrop this article presents

2 a study on the intentions of the application of marketing mix (Product, Price, Place / distribution, promotion / communication) in fundraising in NGOs, conceptualizing and characterizing these organizations that compose the third Sector, its appearance, its peculiarities in the management and fundraising methods, aiming to answer the research problem: how to practice the use of marketing mix for fundraising organizations in the Third Sector? Given the problem mentioned above, by means of exploratory and semi-structured interviews were analyzed two institutions in the State of São Paulo, with similar activities. From the technique of content analysis, the results showed that conscious intention of the need work items of the compound is not very clear, however, the intention to invest more in order to promote an improvement in fundraising may be noticed as well as the intention of promoting a social good. Key words: Third/Nonprofit Sector, Marketing, Fundraising. 1 Introdução O tema a ser estudado trata das possíveis intenções do uso do composto de marketing na captação de recursos por uma organização do terceiro setor. Tendo em vista o crescimento das necessidades sociais, por conta do descompasso entre o desenvolvimento tecnológico e o humano, torna-se oportuno o profissionalismo na gestão do Terceiro setor para a concretização dos propósitos e, por sua vez, sobrevivência das organizações que o compõem. Dentre os diversos autores que conceituam Terceiro setor como organizações não governamentais e sem fins lucrativos, Hudson (2004) salienta que os lucros obtidos são necessários para que as atividades propostas pela organização possam adolescer e sustentar seu funcionamento e de acordo com Villas Bôas Neto, Stefani e Pezzi Jr. (2003), assim como organizações do primeiro e segundo, as organizações do terceiro setor demandam uma administração bem estruturada, planejada e competente. Corroborando com os autores citados anteriormente, o processo de captação de recursos também necessita ser conduzido de forma eficiente e orientado por profissionais capacitados (PEREIRA, 2001). Dessa forma, sendo o marketing um poderoso aliado na gestão das organizações com fins lucrativos, o presente trabalho visa identificar possíveis intenções de uso do composto de marketing para com um processo vital para as organizações do Terceiro Setor na captação de recursos, a fim de desenvolver outros estudos na área, de maior abrangência, consolidando, adaptando ou descartando a importância do uso de tais estratégias de marketing na gestão desse segmento de organizações, fazendo-a mais profissional e eficiente. Diante disso, o problema de pesquisa deste trabalho é: como se pratica a utilização do composto de marketing para a captação de recursos em organizações do Terceiro Setor? Assim, o objetivo geral dessa pesquisa é verificar possíveis intenções do uso composto do marketing para a captação de recursos. Dessa forma, os objetivos específicos são: Identificar características do Terceiro Setor Identificar particularidades na gestão de organizações do Terceiro Setor Identificar o processo de captação de recursos da organização Identificar intenções do uso do Marketing na gestão da organização O artigo está organizado da seguinte forma: inicialmente são apresentadas as fundamentações teóricas do que é o Terceiro Setor, seus conceitos, legislações e administração. Em seguida, o referencial teórico irá discorrer sobre os conceitos de captação de recursos, sua atuação em organizações do terceiro setor e, segundo indicações da literatura, sua relação com o composto de marketing. Após o referencial teórico são explicitados os procedimentos metodológicos utilizados na pesquisa. Por fim, os resultados, análises e considerações finais. O presente artigo pretende despertar o interesse para outros estudos na área com maior profundidade e proporção.

3 2 Referencial Teórico 2.1 A idéia de um terceiro setor e seu conceito Alvo de muitas discussões, a definição de terceiro setor dá margem a diversas interpretações. A idéia de um terceiro setor confunde-se ora com o primeiro setor, a partir do momento em que procura atender a questões usualmente consideradas pela sociedade como funções do Estado, ora com o segundo setor, já que se trata de uma iniciativa privada (HUDSON, 2004). Fernandes (2002) reafirma tal idéia quando expõe que é importante destacar a característica não-governamental, à medida que há entre o terceiro setor e o governo a característica comum de ter uma função essencialmente coletiva. Mas, afinal, o que é o terceiro setor? O termo Terceiro Setor pode, como apresentado por Lins (1999, p.10), ser definido por um conjunto de entidades da sociedade civil com fins públicos e não lucrativas. Hudson (2004) contrapõe-se ao termo sem fins lucrativos, já que, para manter a sustentabilidade da atividade que exercem, essas organizações precisam que as entradas de capital superem as saídas, sendo este saldo reinvestido na própria organização, não havendo, portanto, distribuição de excedentes. A finalidade não é a distribuição do lucro, mas este precisa existir para manter, desenvolver e, obviamente, tornar viáveis os objetivos organizacionais. Salamon (1993) apud Fernandes (2002, p.21), numa definição mais completa, menciona o caráter nãogovernamental das organizações de terceiro setor à medida que as coloca fora do aparato formal do Estado e quando diz que são autogovernadas, ou seja, são administradas independentemente por iniciativa privada. Ademais, destaca a característica de, como dito por Hudson (2004), não terem como finalidade a distribuição de lucros advindos de suas atividades: [...] (a) organizações estruturadas; (b) localizadas fora do aparato formal do Estado; (c) que não são destinadas a distribuir lucros aferidos com suas atividades entre os seus diretores ou entre um conjunto de acionistas; (d) autogovernadas; e envolvendo indivíduos num significativo esforço voluntário (SALAMON, 1993 apud FERNANDES, 2002, p.21). Pereira e Grau (1999) referem-se ao terceiro setor como propriedade pública não estatal, termo que não deixa clara a natureza não governamental do setor. Por outro lado, explicam quais as diferenças de finalidade e naturezas de iniciativa, confirmando as idéias supracitadas: Nesse sentido, é preciso destacar que a diferença crítica da propriedade pública não-estatal em relação à privada é que, enquanto esta implica a acumulação de capital para ganhos privados, aquela existe para servir o bem público. Por outro lado, compartilhando esse mesmo propósito com as entidades estatais, delas se distingue por serem cidadãos privados, voluntários, e não políticos eleitos, os responsáveis por criar essas agências, adotar suas políticas e selecionar seu pessoal (CORMAN, 1987 apud PEREIRA e GRAU, 1999, p. 31). Apesar de não se enquadrarem no setor do Estado, as organizações do Terceiro Setor tem como princípio a participação da sociedade e sua existência se dá sob uma necessidade coletiva, o Terceiro Setor é, dessa maneira, público, mas não é o Estado A origem do Terceiro setor Hudson (2004) remete a origem do terceiro setor às ações, ao longo da história, de judeus e igrejas cristãs para atender as necessidades das populações carentes: Os ensinamentos judeus promoviam a idéia de que os pobres tinham direitos e que os ricos tinham deveres. As primeiras igrejas cristãs criaram fundos para apoio às viúvas, órfãos, enfermos, pobres, deficientes e prisioneiros. Esperava-se que os fiéis levassem donativos, que eram colocados na mesa do Senhor para que os necessitados pudessem recebê-lo das mãos de Deus (HUDSON, 2004, p. 2) O surgimento do Protestantismo quebra esse monopólio religioso da Igreja e constitui um caminho direto entre o indivíduo e Deus, assim, Como consequência, a responsabilidade individual. Essa nova religião defendia que o trabalho era agradável e aceito por Deus, assim como o lucro propiciado por ele já não era mais pecado, como antes pregava a Igreja Católica. No momento em que o

4 Protestantismo legitima essa condição, acrescido, ainda, de sua expansão, a organização social. Existia, aí, uma forte iniciativa individual e uma preocupação com os assuntos da comunidade em geral, é com as boas ações que se conquista o Reino dos Céus sai a esmola herdada da religião católica e entra em cena o senso de filantropia (PAES, 2006). Para Hudson (2004), a preocupação com o desenvolvimento social se estendeu a outros tipos de organizações que não estão conectadas às instituições religiosas. Caetano apud Cavalcanti (2006) acrescenta que, ao assumir sua incapacidade em atender a todos, o Estado não se apresenta como um concorrente dessas organizações, mas sim, como parceiro. Tal parceria é materializada na Lei n de 23 de março de 1999, Lei das Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIPs), que apresenta o Termo de Parceria, uma consolidação do acordo entre a organização da sociedade civil e o Estado para o fomento e execução de projetos. Falconer e Fischer (1998) apontam o surgimento do terceiro setor no Brasil como sendo os resquícios dos movimentos sociais contra o regime ditatorial e das entidades que buscaram a igualdade social, complementando ou substituindo o papel do Estado. A Igreja, como abordado anteriormente, desempenhou um papel importante e quase que exclusivo no atendimento à população carente de recursos. Villas Bôas Neto, Stefani e Pezzi Jr. (2003, p.23) afirmam que "a Igreja, pela sua tradição e força, preserva sua independência e constitui-se no único espaço de atuação fora do controle direto do regime". No período da ditadura, aquilo que acontecia fora do controle do Estado era considerado ilegal, dessa forma, as organizações da sociedade civil foram deixadas à margem (VILLAS BÔAS NETO, STEFANI e PEZZI Jr., 2003). A Igreja se manteve como uma das únicas instituições não fortemente afetada pelo regime militar, que, ao contrário dos movimentos reprimidos, auxiliou o Estado em sua política de manter a ordem social, como aborda Salamon (1997). Salamon (1997) acrescenta, ainda, que as organizações civis que surgiram nesse momento foram reprimidas pelo governo totalitarista. Although a great number of civil associations, both left- and right-wing, sprang up during the 1930s, most of them were suffocated by the authoritarian regime installed in 1937 (SALAMON, 1997, p. 329). Após o período da ditadura, com o estabelecimento da democracia no Brasil, as associações civis começam a ganhar espaço perante o Estado e a Sociedade, já que, nesse momento, a Constituição de 1988 legitima "que a tarefa pública é dever do Estado e da Sociedade", idéia oposta ao sistema instaurando anteriormente, no qual o Estado mantinha o controle sob a sociedade (VILLAS BÔAS NETO, STEFANI e PEZZI Jr., 2003) As Organizações do Terceiro Setor e a Administração Para Bateman e Snell (2006, p. 15), Administração é o processo de trabalhar com pessoas e recursos, que visa cumprir as metas de uma organização. Usar da melhor forma possível os recursos a fim de atingir seus objetivos faz parte da intenção de administrar uma organização. Dessa forma, por se tratarem de organizações, as entidades classificadas como pertencentes ao terceiro setor precisam alocar devidamente seus recursos para atingirem seu objetivo, ou seja, administrar. Villas Bôas Neto, Stefani e Pezzi Jr. (2003) colocam que, em função do desejo de mudar algo, lutando por uma causa, as organizações do terceiro setor possuem uma maneira peculiar de serem administradas, vezes esbarrando na falta de profissionalismo e planejamento, pois apresentam o foco maior na causa que defendem e não em sua gestão. Com base no exposto acima, percebemos que as organizações do Terceiro precisam buscar constantemente um equilíbrio entre o modelo de gestão das Empresas privadas com fins lucrativos e seu modelo próprio de gestão com objetivo em sua causa. 2.2 Captação de recursos e a função do captador de recursos

5 De acordo com Pereira (2001, p. 42), a captação de recursos, ou fund rasing, pode ser definida como "a ação organizada e orientada para a captação de fundos ou recursos para determinada causa ou organização, filantrópica ou não." Tromble apud Pereira (2001, p. 42) define o fund raising como "a ação de solicitar ofertas de várias fontes, ou o esforço sistemático para atrair suporte financeiro, ou ainda, o ato de persuadir outros para dar o apoio financeiro de uma determinada causa. Fund raiser, segundo o Fund Raising Dictionary, "é a pessoa remunerada ou voluntária que planeja ou participa da captação de recursos para uma organização ou causa" (PEREIRA, 2001, p. 42). No Brasil, os captadores de recursos fazem parte de uma associação de profissionais (Associação Brasileira de Captadores de Recursos) que possuem princípios e valores e um código de ética que, por exemplo, proíbe o pagamento de comissão sobre o valor arrecadado pelo captador. Um captador de recursos passa grande parte do tempo gerindo a relação que há entre a organização, os doadores e os doadores potenciais. Isso é extremamente importante para tornar o doador fiel à organização e à causa defendida (CRUZ; ESTRAVIZ, 2003). Conforme exposto por PEREIRA, 2001 a captação de recursos ou de voluntários, na maioria das vezes, ainda não é um trabalho desenvolvido por profissionais especializados, que conheçam e apliquem os métodos de maneira eficiente, de forma a obter melhores resultados Além disto, é necessária uma profissionalização da capitalização de recurso. A captação de recursos é muito importante para que as organizações sem fins lucrativos possam alcançar seus objetivos e sua estratégia. Para isso, é imprescindível que as organizações conheçam muito bem os requisitos e as motivações internas e externas que estão ligadas a seus doadores, como a credibilidade, os incentivos fiscais e o reconhecimento, como defendido por CRUZ; ESTRAVIZ, (2003). Como exposto, o processo de capitação de recursos é vital para a existência das organizações do Terceiro setor e dentre as diversas formas que existem para captar recursos, a mais utilizada no Brasil é a forma onde a entidade mostra para o doador quais são as necessidades, através de um contato, e pede a doação, porém este processo ocorre, por muitas vezes, de forma amadora. 2.3 Marketing O Marketing é visto hoje como uma atividade que está intimamente conectada com a atuação das organizações e sua relação com um mercado: procura prestar serviços à empresa, para que esta possa penetrar a fundo no mercado e, em última análise, fortalecer sua imagem e vender mais. Nesse sentido, definimos o marketing simplesmente como a intenção de entender e atender o mercado. Dessa maneira, o marketing pode ser definido como um processo social por meio do qual pessoas e grupos de pessoas obtêm aquilo de que necessitam e o que desejam com a criação, oferta e livre negociação de produtos e serviços de valor com outros (KOTLER, 2001, p.30). Yanaze (2007) segue a mesma linha de raciocínio quando coloca que tanto em organizações que visam lucro quanto nas que não o visam o marketing é visível produtos são direcionados a um determinado mercado e a um público-alvo. A relação de troca defendida por Kotler, como já exposto anteriormente, está evidenciada ai, para que, dessa forma, os objetivos da organização sejam atingidos. Drucker (2001) constrói a ponte entre o processo de captar recursos e o marketing quando considera que as organizações sem fins lucrativos tem o público doador como cliente e precisam oferecer valor a ele, mostrando a efetividade de suas ações, em troca do financiamento de seus projetos. Kotler em Drucker (2001, p. 57) afirma que A reciprocidade e o intercâmbio estão subjacentes ao pensamento de marketing. Os autores apresentados defendem que as estratégias de marketing aplicadas às organizações que visam lucros podem, pois, serem adotadas por organizações do Terceiro setor. Apesar de se servirem do banquete de estratégias e ações do marketing utilizado pelas organizações que visam lucro, algumas adaptações, tanto em conceito quanto em ações, devem ser realizadas pelas organizações que não visam lucro em função de suas particularidades já apresentadas anteriormente.

6 2.3.1 Composto de marketing Dentre as diversas ferramentas existentes o composto de marketing (ou mix de marketing, como é utilizado por alguns autores) é definido por Kotler (2001, p. 21) como o conjunto de ferramentas de marketing que a empresa utiliza para perseguir seus objetivos de marketing no mercado-alvo. Churchill e Peter (2003) colocam, ainda, que o composto serve para atingir os objetivos da organização e gerar valor para os clientes dela. Dividido em quatro ferramentas: produto, preço, comunicação e distribuição, sobre as quais os autores de marketing não divergem em conceito apenas atribuem nomes diferentes nos casos de praça/distribuição e promoção/comunicação, que usadas de forma combinada, calcadas na segmentação e no posicionamento, funcionam como ações estratégicas na atuação da organização no mercado. Para Gelatt (1998), o composto torna-se eficiente à medida que a organização realiza a segmentação correta, o que a torna mais eficiente quanto ao uso de seus recursos e a efetividade do serviço prestado. Yanaze (2007, p.25) diz que todas as organizações empresariais, tendo ou não fins lucrativos, encontrariam-se nos quatro Pês de McCathy sua base de interação com o mercado. Villas Bôas Neto, Stefani E Pezzi Jr (2003) corroboram com essa idéia quando adaptam o uso dos 4 Ps para as organizações do terceiro setor. Para fins de um melhor entendimento, os tópicos seguintes irão abordar o conceito original de cada um dos itens do composto e apresentar as adaptações que os autores propõem Produto Primeira ferramenta do composto de marketing, o produto, refere-se ao que as organizações têm a oferecer aos clientes (CHURCHILL e PETER, 2003). Um produto é algo que pode ser oferecido a um mercado para satisfazer uma necessidade ou desejo. Os produtos comercializados incluem bens físicos, serviços, experiências, eventos, pessoas, lugares, propriedades, organizações e idéias (KOTLER, 2001, p. 416). Para Villas Bôas Neto, Stefani e Pezzi Jr. (2003) o componente Produto é a causa pela qual as organizações existem, seja ajudar crianças carentes ou incentivar o uso de software livre. Os mesmos autores defendem que cada serviço prestado pela organização do terceiro setor deve ser considerado um produto Preço Para Churchill e Peter (2003, p.20), a ferramenta preço é a quantidade de dinheiro ou outros recursos que os profissionais de marketing pedem por aquilo que oferecem. Kotler (2001, p.476) coloca que o preço é o elemento do mix de marketing que produz receita. Assim, essa ferramenta auxilia as organizações a obterem sua entrada de recursos. Saber os custos envolvidos na operação e as reais necessidades da organização do terceiro setor pode ser considerado o P de preço do composto (GELATT, 1998). Muitas organizações oferecem seus serviços de forma gratuita para o beneficiário e outras cobram pelo serviço prestado uma universidade, um clube, um museu são alguns exemplos. É fundamental que os projetos da organização tenham seus orçamentos muito bem elaborados, pois com certeza eles irão ser analisados pelos financiadores na hora da captação de recursos (VILLAS BÔAS NETO, STEFANI e PEZZI JR., 2003, p.81). A determinação dos custos do que será oferecido auxilia as organizações do terceiro setor a saberem o quanto será necessário para realizar sua operação e, assim, capte os recursos necessários. Parafraseando Villas Bôas Neto, Stefani e Pezzi Jr (2003), ao estruturarem seu orçamento, essas organizações podem obter credibilidade por parte de seus agentes financiadores, já que há transparência na forma como os recursos tomados são investidos.

7 Praça/Distribuição A terceira ferramenta do composto de marketing é a praça/distribuição que mostra como a organização planeja tornar seus produtos e serviços disponíveis e acessíveis aos clientes (KOTLER, 1978, p.200). São, ainda, os caminhos utilizados para que o produto/serviço da organização chegue ao mercado (CHURCHILL e PETER, 2003). Na aplicação do conceito da distribuição para as organizações que não visam a lucro, existem nomes alternativos que descrevem o problema. As pessoas no campo da educação, quando discutem os passos que possam ser tomados para a aceleração da adoção de inovações educacionais, descrevem isso como um problema de disseminação (KOTLER, 1978, p. 200). As organizações do terceiro setor necessitam avaliar os meios e as formas de distribuir os serviço/produtos prestados sua causa social, sua sede, suas ideias. Para Gelatt (1998), a ferramenta distribuição pode ser tanto a localidade quanto a visibilidade da organização. Os clientes devem saber o que a organização está fazendo e como ela está alocando os recursos que obtem de seus provedores. Outra visão é abordada por Villas Bôas Neto, Stefani e Pezzi Jr. (2003, p.82) quando dizem que a distribuição, colocada no contexto das organizações do terceiro setor, refere-se ao contexto social ou a sociedade onde a organização está desenvolvendo suas atividades. É o espaço de interação, mobilização e transformação social onde as relações do projeto são desenvolvidas. Tais autores apresentam uma posição mais sociológica, menos voltada para as práticas de gestão ou marketing Promoção/Comunicação O marketing moderno exige mais do que desenvolver um bom produto a um preço atraente e torná-lo acessível. As empresas precisam também se comunicar com as atuais e potenciais partes interessadas e com o público em geral (KOTLER, 2001, p. 570). O componente Promoção/Comunicação diz respeito a toda forma de contato da instituição com o público. É relacionado com a maneira como a organização faz com que seus clientes sejam convencidos a adquirir produtos e serviços oferecidos, assim como lembrá-los que a organização existe (CHURCHILL e PETER, 2003). Aumentar as vendas, conversar com clientes potenciais são algumas das atribuições dessa ferramenta do composto de marketing em organizações com fins lucrativos, cujas metas e objetivos estão voltados para a maximização do lucro. As organizações do terceiro setor também podem fazer uso do componente promoção/comunicação para atingirem suas metas, quando desejam atrair recursos financeiros ou humanos (voluntários), está pode ser considerada a ferramenta de utilização mais fácil pelas empresas do Terceiro setor, por compreenderem que a comunicação é necessária para a obtenção de recursos, seja de doações ou venda de produtos, porém ao contrário das organizações com fins lucrativos a medição da efetividade desta ferramenta não se mostra visível. Villas Bôas Neto, Stefani e Pezzi Jr. (2003) denominam o elemento como Comunicação Social e ampliam o seu sentido, colocando que além da comunicação voltada para a captação de recursos, que teria os potenciais financiadores como interlocutores, as organizações de Terceiro Setor tem a possibilidade de utilizar essa ferramenta para interar o público interno da gestão e das metas; para trabalhar a imagem da instituição, de acordo com o posicionamento estabelecido; para demonstrar transparência e dar credibilidade ao público; para defender a legitimidade da organização e, finalmente, para promover a venda dos produtos/serviços oferecidos. Desta forma, iremos considerar está ferramenta, conforme exposto pelos autores supracitados, como uma aglutinação entre a utilização da comunicação para a obtenção de recursos (promoção de um produto) assim como a relação que as instituições do Terceiro setor mantêm com a sociedade (comunicação social).

8 3 Aspectos Metodológicos Para Richardson (2007, p.326), a pesquisa exploratória visa conhecer as características de um fenômeno para procurar, posteriormente, explicações das causas e consequências de dito fenômeno. Tal formato de pesquisa é adequado para situações em que pouco se conhece do tema, por isso o termo exploratório, a intenção é explorar o assunto para que sejam testadas, discutidas e mensuradas hipóteses em outro tipo de pesquisa, a descritiva (COOPER; SCHINDLER, 2004). Cervo e Bervian (2004) atentam para o fato de que a pesquisa exploratória deve ser aplicada quando se tem pouco conhecimento sobre o problema de pesquisa. Refletindo sobre esses conceitos, entende-se que a pesquisa em questão é do tipo exploratório, tendo em vista que o objetivo do estudo é verificar como é realizado o uso do composto de marketing para captação de recursos por uma organização do terceiro setor. A caracterização do tipo de pesquisa também se explica pelo número reduzido de estudos anteriores relacionados ao tema. Para Godoy (1995): em função da natureza do problema que se quer estudar e das questões e objetivos que orientam a investigação, a opção pelo enfoque qualitativo muitas vezes se torna a mais apropriada. Quando estamos lidando com problemas pouco conhecidos e a pesquisa é de cunho exploratório, este tipo de investigação parece ser o mais adequado (p. 63). Segundo Richardson (2007), a pesquisa qualitativa tenta compreender detalhadamente as percepções dos entrevistados, em vez de mensurar ou quantificar características ou comportamentos. Dessa forma, o método qualitativo de pesquisa é o mais adequado para o trabalho em questão, visto que se pretende verificar a existência de possíveis intenções do uso do composto de marketing para captação de recursos por uma organização do Terceiro Setor. A presente pesquisa terá uma amostra não probabilística de 2 (duas) ONGs que foram escolhidas por conveniência tendo a validade dos resultados apenas para o grupo estudado e dado o número de entrevistados é reduzido será utilizado como instrumento de coleta de dados uma entrevista semiestruturada que apresenta um roteiro com perguntas abertas com o foco no objetivo do artigo. 4 Estudo de duas ONGs Foram realizadas duas entrevistas iguais com ONGs da Grande São Paulo que possuem comuns atividades voltadas para pessoas carentes uma realiza trabalhos com moradores de rua e a outra com crianças e adolescentes abandonados ou que sofrem de violência doméstica. As entrevistas foram transcritas na íntegra, já que se deve extrair o máximo do texto, esgotando suas possibilidades (BARDIN, 1977). Criou-se uma matriz com os objetivos específicos da pesquisa, os conceitos fundamentais que seriam usados para cada objetivo, o referencial teórico, as questões do roteiro, os conceitos usados de suporte para as questões, a síntese das respostas dadas por cada ONG foram classificadas como ONG1 e ONG2 e, por fim, as considerações conectando o referencial teórico com a análise das entrevistas. O uso dessa matriz fez-se necessário para facilitar o entendimento e extrair o máximo do texto das transcrições das entrevistas, realizando as conexões entre os objetivos, o referencial e os resultados colhidos nas entrevistas a fim de responder a questão de pesquisa que norteia este artigo. A ONG1, com sede em São Paulo, no bairro do Brás, e, sem um espaço físico, mas atuante na cidade do Rio de Janeiro, tem como atividade fim a geração de renda para moradores de rua, albergados e todos aqueles que estão em situação de risco social - seja porque perderam o emprego e não têm profissão ou para egressos do sistema penitenciário e outras situações alarmantes como essas. Para tal, a entidade realiza a publicação de uma revista bimestral que é vendida a R$1 para os beneficiários e posteriormente vendidas por estes a R$3. Dessa forma, o beneficiário tem um lucro por revista de R$2, que passa a ser sua fonte de renda. A receita da venda das revistas é revertida para cobrir os custos de impressão, local de armazenagem e distribuição, e pagamento da única funcionária contratada (auxiliar de escritório) para atender os beneficiários durante o horário comercial - o restante dos 20 colaboradores da entidade são todos voluntários. A ONG1 é classificada como associação civil, o que consta no seu estatuto social, atualizado no ano de 2009.

9 A ONG2 é uma instituição localizada no município de Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo, que consiste numa casa de passagem para crianças e adolescentes que sofrem violência doméstica ou maus tratos. As crianças, dentre elas algumas portadoras de deficiência e paralisia infantil, ficam sob custódia da instituição durante seis meses para depois serem realocadas em um abrigo. Todavia, devido à falta de abrigos na cidade de Itaquaquecetuba, o período de custódia de muitas crianças é excedido. Todos os 6 colaboradores trabalham em regime de CLT e a entidade não possui voluntários. O trabalho realizado recebe o apoio financeiro da prefeitura do município, já que essa parcela da população não é atendida através de iniciativas públicas, além das pessoas jurídicas e físicas que fazem doações mensais. A entidade é classificada em seu estatuto como Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), Como supracitado no referencial, uma organização é enquadrada no Terceiro Setor quando se apresenta como a sociedade civil organizada, que tendo como finalidade o bem público e investindo todo seu superávit, ou seja, a sobra existente na equação das receitas menos as despesas, na própria organização. Ambas as organizações se enquadram nesse universo. Quando questionadas sobre seu papel na sociedade, ambas consideram sua atuação como um fator importante para o desenvolvimento social. A ponte com a vontade de ajudar a sociedade exposta por Fernandes (2002) é válida, já que existe esse desejo em ambos os casos, assim como o auxílio ao desenvolvimento da sociedade, na luta contra as desigualdades (LINS, 1999). 5 Analise de Dados A análise tomou como critérios os objetivos específicos da pesquisa (identificar características do Terceiro Setor; identificar particularidades na gestão de organizações do Terceiro Setor; identificar o processo de captação de recursos da organização e identificar intenções do uso do Marketing na gestão da organização). Bardin (1977, p.42) define análise de conteúdo como: um conjunto de técnicas de análise das comunicações visando obter, por procedimentos sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens, indicadores (quantitativos ou não) que permitam a inferência de conhecimentos relativos às condições de produção/recepção (variáveis inferidas) destas mensagens. Respondendo ao problema de pesquisa: como se pratica a utilização do composto de marketing para a captação de recursos em organizações do Terceiro Setor? É evidenciado que o uso do composto de marketing ocorre de maneira inconsciente, visto que em momento algum se fala de profissionais especializados para a realização de tal tarefa, no entanto ambas as organizações reconhecem a necessidade da existência de recursos para que suas atividades se mantenham. Os objetivos específicos desta pesquisa também foram alcançados, considerando que Bardin (1977) ressalta que a categorização dos componentes não é uma etapa obrigatória, portanto, a análise não se utilizou dessa etapa, partindo para a extração máxima dos textos das entrevistas tendo o referencial teórico como suporte mantendo sempre o foco no objetivo da pesquisa. Retomando o conceito de administração como sendo o processo de trabalhar com pessoas e recursos, que visa cumprir as metas de uma organização (BATEMAN E SNELL,2006, p. 15), tanto a ONG1 quanto a ONG2 realizam tal tarefa. O primeiro caso tem mais clara a definição das metas, de onde a entidade pretende chegar no momento que apresenta a intenção de aumentar os programas de apoio, realizar a publicação mensal da revista e continuar com a colaboração para que mais pessoas possuam uma vida mais digna. O segundo caso não apresenta de forma elaborada suas metas, mas o ato de "ajudar a população carente de Itaquá" pode ser a evidência da intenção de se estipular uma meta para a atividade fim da ONG. A receita para a realização da atividade fim da ONG 1 vem da venda de espaços publicitários na revista, utilizada como atividade meio. As doações também existem e em sua maioria "as pessoas querem doar material, entendeu". O projeto desenvolvido pela entidade é gerador de renda e, segundo a entrevistada, esse é um fator que impossibilita a captação de recursos do Estado. Ao contrário do primeiro caso, a ONG2 possui entradas fixas de receitas oriundas da verba cedida pelo município de

10 Itaquaquecetuba, além disso, possuem uma "doação grande que é todo mês de produtos de limpeza de uma empresa e de fraudas de outra". O fato de apresentar uma verba mensal fixa da prefeitura colabora para um melhor controle dos gastos da entidade - "a gente se adequô à questão da prefeitura, porque ela estava exigindo plano pedagógico, projetos e a gente apresentou esse projeto e por essa questão que a gente recebe da prefeitura de Itaquá. Esse fato não evidencia a melhor nem a pior maneira de se controlar as atividades da entidade, mas apresenta a intenção de realizar o controle de alguma maneira. Hudson (2004) coloca que a organização deve planejar bem suas metas de longo e curto prazos, a fim de determinar os recursos a serem captados e como serão alocados. Isso vai ao encontro do que é proposto por VILLAS BÔAS NETO, STEFANI e PEZZI JR., (2003) e por Gelatt (1998), quando mencionam que o P de preço no Terceiro Setor, constitui os custos da entidade para manter-se funcionando. Ambos os casos apresentam alguns indícios de que as entidades baseiam-se no cálculo do custo para saber o quanto precisarão captar, entretanto, não fica tão claro no caso da ONG2 - a preocupação maior está em manter o controle dos gastos para apresentar à prefeitura e manter a entrada fixa de renda. No caso da ONG1,"Para a produção da revista nós já temos mais ou menos a base de quanto que vai precisar, seja para 4 ou 5 mil exemplares, nós já fazemos os levantamentos internos, mas o valor para a produção da Revista a gente se baseia no valor da produção que é pago por aí (...) se baseia no valor que é pedido pelo mercado como qualquer veículo de comunicação normal". A entrevistada aponta que a captação efetuada pode servir para a edição de quatro meses da revista, por exemplo, mas não existe um cálculo exato do necessário para um período específico. Sendo assim, a ONG2 apresenta intenção maior em definir quais os custos que a entidade possui, grande parte em função do contrato que possui com a prefeitura. No caso da ONG1, a dificuldade em relacionar quais os reais custos fica clara durante a entrevista - "esse negócio de conseguir grana do governo é muito complicado, porque ai a gente tem que montar todo um esquema pra mostrar pra eles como é que a gente ta gastando esse dinheiro, é complicado". A definição do motivo da existência das organizações em ambos os casos está bem explícito nas entrevistas, no caso da ONG1, a preocupação com o P de produto está bem evidente - "A gente tá sempre brigando, a impressão que eles fizeram com um material ruim numa edição passada, que não era o combinado, o Luciano ligou lá e falou não dá pra vocês fazerem isso na revista porque isso prejudica todo o nosso trabalho principalmente na área de marketing, como é que a gente vai conseguir os anunciantes se vocês estão piorando o papel? E quem lê, não vai querer pagar por isso!" A ONG2 não deixou explícito qual a relação que isso possa ter na entrada de receita na entidade - "a gente sempre quer fazer o melhor, né?". A Distribuição planeja como tornar os produtos/serviços da organização disponíveis para seus clientes (Kotler, 1978). A ONG1 apresenta uma sede na qual fica disponível a distribuição e armazenagem das revistas em São Paulo, sendo que este local é um espaço cedido por uma igreja da região. Quando questionada sobre a possibilidade do financiador ou doador visitar as instalações da organização, a entrevistada argumenta que "Então, a gente tem que dar satisfação quando a gente consegue alguma coisa. Algumas pessoas pedem pra conhecer, a gente tem o lugarzinho lá no Brás". No caso da ONG2 o único local é a sede que fica em Itaquaquecetuba. Algumas pessoas realizam doações não apenas em dinheiro, mas também com móveis e roupas usadas, por exemplo. Entretanto, a entidade possui um veículo que realiza a coleta dessas doações, já que a sede da ONG não é de fácil acesso. Gelatt (1998) coloca que, a ferramenta distribuição pode ser tanto a localidade quanto a visibilidade da organização. Os clientes devem saber o que a organização está fazendo e como ela está alocando os recursos que obtém de seus provedores. Existe, pois, uma intenção maior por parte da ONG1 em trabalhar a disponibilidade do que é oferecido. Em menor escala também ocorre essa intenção na ONG2. Apesar de sua localidade, as pessoas podem visitar a ONG de segunda à sexta, em horário comercial. O ultimo P (Promoção/Comunicação), consideramos conforme Kotler (2001): "As empresas precisam também se comunicar com as atuais e potenciais partes interessadas e com o público em geral (KOTLER, 2001, p. 570). Partindo disso, ficam evidentes as intenções de usar mecanismos de comunicação para a captação de recursos. Em ambos os casos estudados, esse foi o ponto que apresentou maior relevância quando as entidades foram questionadas a respeito das ferramentas usadas para captar recursos. No caso da

11 ONG2, a única ferramenta no P de comunicação é o telemarketing, realizado por empresa contratada, que faz as ligações sem a devida segmentação. Quando questionada sobre o tema a ser trabalhado nesta pesquisa, a entrevistada citou que "ah sim, tem tudo a ver o marketing mesmo. A gente tem o nosso site e a empresa de telemarketing que ajuda com as doações, né". É evidenciado neste ponto, uma certa limitação do uso de outras ferramentas, de maneira consciente, para a realização de captação de recursos. A ONG1 não destoa quanto à visão desse item do composto de marketing -"Quando foi lançada a revista teve um grande boom, o pessoal realmente começou a anunciar na tv, nos jornais, principalmente porque a M.Officer veio patriocinando (...) o material que a gente apresenta pras empresas também é importante. Toda essa parte da assessoria de imprensa que eu faço é super importante", também foi evidenciada a importância do boca a boca para venda das revistas. Conversar com o cliente é considerado muito importante por Churchill e Peter (2003), especialmente quando as organizações sem fins lucrativos querem atrair recursos financeiros e humanos. Por fim a comunicação como ferramenta para deixar claro e apresentar com transparência ao público e que atividade está realizando foi um ponto apontado pela ONG1, a comunicação serve para mostrar que o trabalho realizado "é sério e não somos qualquer ONG ai". 6 Considerações Finais A conclusão está calcada nas entrevistas realizadas que foram transcritas integralmente e nas análises realizadas através da matriz. O estudo não prezou pelo foco no quanto a administração e utilização do composto de marketing podem influenciar a captação de recursos. Para responder à pergunta que norteia a pesquisa como se pratica a utilização do composto de marketing para a captação de recursos em organizações do Terceiro Setor? foram definidos objetivos geral e específicos. Os objetivos foram atingidos, respondendo ao problema de pesquisa. A pratica do uso do Composto de marketing ocorre de maneira inconsciente para captar recursos, ou seja, não existe a visão clara dos quatro componentes de marketing, no entanto em nenhum dos casos fala-se em profissionais habilitados em Administração à frente da gestão, mas sim a visão de que é importante atender cada vez mais e da melhor forma os beneficiários (Produto); disponibilizar canais ao público financiador; (Distribuição); planejar e controlar gastos (Preço/Custo); transmitir ao público financiador a missão e mostrar o que é realizado (Comunicação). Porém, pode-se dizer,também,que a limitação orçamentária e a grande preocupação com a causa em si são fatores determinantes para dificultar a prática dessas ações, evidenciando a falta de profissionalismo na gestão. Dessa forma, foi possível compreender na prática a idéia de Drucker (2001) de que essas organizações concentram-se na causa enquanto que a gestão é deixada em segundo plano. A comunicação foi entendida como a ferramenta mais representativa de que o marketing possa auxiliar a captação. Este fato é definido por Kotler (1978) como uma ação míope por parte da organização, já que a segmentação do mercado, posicionamento perante ele com produto/serviço, determinação de preço/custos e a forma como irão disponibilizá-lo são ações que quando não realizadas alcançam resultados insatisfatórios e não atingem os objetivos da organização. Como limitação do estudo, os resultados obtidos são válidos apenas para as duas organizações estudadas. Recomenda-se o aprofundamento do tema em questão. Poucos trabalhos foram realizados até o momento que promovam o uso da administração, marketing e temas afins dentro de organizações do Terceiro Setor e, quando feitos, vale-se das mesmas referências literárias o que, não aumenta o escopo dos estudos, mantendo-se dentro do círculo vicioso. Em relação às entidades sem fins lucrativos, esta pesquisa procurou auxiliar na tentativa de oferecer ferramentas de gestão comumente associadas ao segundo setor - as empresas com fins lucrativos -, possibilitando profissionalismo e eficiência nos resultados dessas entidades. Referências BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, BATEMAN, Thomas S.; SNELL. SCOTT A. Administração: novo cenário competitivo. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

12 BRASIL. Código Civil, Disponível em: Acesso em: 04 abr.2012, 15:12:30 CAVALCANTI, Marly (Org.). Gestão social, estratégias e parcerias: redescobrindo a essência da administração. São Paulo: Saraiva, CERVO, Amado L. e BERVIAN, P. A.. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Prentice Hall, CHURCHILL, A. Gilbert; PETER, J. Paul. Marketing: criando valor para os clientes. São Paulo: Saraiva, COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Método de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, CRUZ, Célia Meirelles, ESTRAVIS, Marcelo. Captação de diferentes recursos para organizações sem fins lucrativos. São Paulo: Global, DRUCKER, Peter Ferdinand. Administração de Organizações Sem fins Lucrativos: Princípios e Práticas. São Paulo: Pioneira, FERNANDES, Rubem César. Privado Porém Público: O Terceiro Setor na América Latina. 3 ed.. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, FISCHER, Rosa Maria; FALCONER, Andrés Pablo. Desafios da parceria governo e terceiro setor. Revista de Administração. São Paulo, USP, v.33, n.1, p.12, jan./mar GELATT, James P. Managing Nonprofit Organization in the 21st Century. Phoenix: The Oryx Press, GODOY, Arilda S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v.35, n.2, p.57-83, mar/abr HUDSON, Mike. Administrando Organizações do Terceiro Setor: O Desafio de Administrar Sem Receita. São Paulo: Pearson Education do Brasil, KOTLER, Philip. Marketing para organizações que não visam o lucro. São Paulo: Atlas, KOTLER, Philip. Administração de marketing: a edição do novo milênio. 10 ed.. São Paulo: Prentice Hall, 2001 LINS, Neylar Coelho Vilar. Por uma agente comunitária. In: ONG: identidade em mutação. São Paulo: Cenpec, PAES, José Eduardo Sabo. Fundações, associações e entidades de interesse social: aspectos jurídicos, administrativos, contábeis, trabalhistas e tributários. Brasília : Brasília Jurídica, PEREIRA, Custódio Filipe de Jesus. Captação de Recursos (fund raising): Conhecendo melhor porque as pessoas contribuem. São Paulo: Mackenzie, PEREIRA, Luiz Carlos Bresser; GRAU, Nuria Cunill (orgs.). O Público não-estatal na reforma do Estado. Rio de Janeiro: FGV, PIMENTA, Solange Maria; SARAIVA, Luiz Alex Silva; CORRÊA, Maria Laetitia. Terceiro Setor: dilemas e polêmicas. São Paulo: Saraiva, RICHARDSON, Roberto.J. et al. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, SALAMON, Lester M.; ANHEIER, Helmut K.. Defining the nonprofit sector: A cross-national analysis. New York: Manchester University Press, VILLAS BÔAS NETO, Antônio; STEFANI, Monalisa; PEZZI Junior, Sady. Gestão de Marketing para Organizações do Terceiro Setor. Londrina: Midiograf, VOLTOLINI, Ricardo (Org.). Terceiro setor: planejamento e gestão. São Paulo: Senac, YANAZE, Mitsuru Higuchi. Gestão de marketing e comunicação: avanços e aplicações. São Paulo: Saraiva, 2007.

Gestão e Estrutura Organizacional

Gestão e Estrutura Organizacional Gestão e Estrutura Organizacional I. INTRODUÇÃO Eduardo Marcondes Filinto da Silva Secretário Executivo e Pesquisador FIPE Rafael Martín Delatorre Graduando em Administração pela FEA/USP Um dos fenômenos

Leia mais

Terceiro Setor Buscando uma Conceituação

Terceiro Setor Buscando uma Conceituação Terceiro Setor Buscando uma Conceituação Eduardo Marcondes Filinto da Silva Secretário Executivo e Pesquisador FIPE Marianne Thamm de Aguiar Graduanda em Economia pela FEA/USP Sob o impacto de um Estado

Leia mais

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP Diretoria Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP O Terceiro Setor no Brasil Sumário: Histórico e Legislação Bandeira: a figura da Filantropia (do

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

operacional que, na maioria das vezes, é realizada por voluntários, a fim de manter baixo o custo da operação.

operacional que, na maioria das vezes, é realizada por voluntários, a fim de manter baixo o custo da operação. 5 INTRODUÇÃO O terceiro setor é composto por uma grande diversidade de organizações do setor privado que realizam atividades para o público em geral, isto é, para a sociedade. Estas organizações não têm

Leia mais

Voluntariado: tendência de crescimento?

Voluntariado: tendência de crescimento? Voluntariado: tendência de crescimento? Walter de Tarso de Campos Pesquisador FIPE Antonio Bara Bresolin Graduando em Economia FEA/USP Desde o período colonial é possível observar no Brasil a presença

Leia mais

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino Unidade III ESPECIALIZAÇÕES DO MARKETING Profa. Cláudia Palladino Marketing social Atuação das empresas hoje e a Responsabilidade social: Obtenção de insumos e processamento de matéria prima de maneira

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Breve análise acerca das Instituições Comunitárias de Educação Superior

Breve análise acerca das Instituições Comunitárias de Educação Superior Breve análise acerca das Instituições Comunitárias de Educação Superior Kildare Araújo Meira Advogado sócio da Covac Sociedade de Advogados, Pós Graduado em Direito Processual Civil pelo Instituto Brasiliense

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Doações por Terceiros - Pessoa Física e Pessoa Jurídica João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org

Doações por Terceiros - Pessoa Física e Pessoa Jurídica João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org Doações por Terceiros - Pessoa Física e Pessoa Jurídica João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org Objetivo Doações por terceiros (pessoa física e pessoa jurídica): Desafios e possibilidades de uma organização

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

TÍTULO: PESQUISA APAE DE SANTA BÁRBARA D OESTE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL

TÍTULO: PESQUISA APAE DE SANTA BÁRBARA D OESTE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL TÍTULO: PESQUISA APAE DE SANTA BÁRBARA D OESTE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE SANTA BÁRBARA AUTOR(ES): RODOLFO OSÓRIO

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação.

No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação. Gestão e Sustentabilidade para o 3 Setor Orientações Técnicas CONCEITOS No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação. Pessoa Jurídica:

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

É Natural Educar Assim 1

É Natural Educar Assim 1 É Natural Educar Assim 1 Luana da Silva de ANDRADE 2 Larissa Santos de ASSIS 3 Luana Cristina KNOD 4 Rafaela Ritz dos SANTOS 5 Simone Cristina KAUFMANN 6 Tamires Lopes SILVA 7 YhevelinSerrano GUERIN 8

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Trabalho voluntário: o cidadão em ações sociais

Trabalho voluntário: o cidadão em ações sociais Trabalho voluntário: o cidadão em ações sociais O trabalho voluntário vem assumindo um papel expressivo na sociedade. Adeptos da prática vêm de todas as classes sociais. Por Mayara Kelly Há seis anos,

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE O TERCEIRO SETOR NO ÂMBITO DAS ENTIDADES

UMA ABORDAGEM SOBRE O TERCEIRO SETOR NO ÂMBITO DAS ENTIDADES UMA ABORDAGEM SOBRE O TERCEIRO SETOR NO ÂMBITO DAS ENTIDADES FERREIRA, Juliana de Campos 1 SCARPINELLI, Marcelo 2 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo fundamental redigir uma breve análise a respeito

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa: envolve marketing, comunicação,

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli

Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli O contexto do debate A idéia da construção de indicadores de resultados para projetos vem ganhado força entre

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

A experiência do Escritório de Direitos Humanos Advocacia Universitária (EDH)

A experiência do Escritório de Direitos Humanos Advocacia Universitária (EDH) A experiência do Escritório de Direitos Humanos Advocacia Universitária (EDH) Joana Zylbersztajn 1 Introdução O Centro de Direitos Humanos surgiu em 1998, por iniciativa de professores e estudantes da

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo III Gestão das Políticas Públicas Aula 5 Parcerias na gestão e execução

Leia mais

Marketing. - Fatos históricos.

Marketing. - Fatos históricos. Marketing - Fatos históricos. Escambo. Produção e consumo baixos. Crescimento do consumo. Crescimento da produção = paridade. Explosão da produção. Marketing é o desempenho das atividades de negócios que

Leia mais

Pesquisa APAE de Santa Bárbara d Oeste 1

Pesquisa APAE de Santa Bárbara d Oeste 1 Pesquisa APAE de Santa Bárbara d Oeste 1 Caroline Matias VENTURA 2 Edinelson Cristiano PRAZER 3 Oziel CARVALHO 4 Pâmela FARIA 5 Raphael Laudissi PINHEIRO 6 Rodolfo MIRANDA 7 Paulo César D'ELBOUX 8 Vivian

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões novembro 2012 apoio 2 do CEO Carta do CEO A pesquisa levanta questões interessantes relativas à sustentabilidade e à boa

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA: UMA ANÁLISE DO SETOR DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA: UMA ANÁLISE DO SETOR DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA: UMA ANÁLISE DO SETOR DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Leandro Azevedo Da Silva Rosadas Marcelo Alvaro Da Silva Macedo Resumo: A questão da formação do preço de venda de produtos e

Leia mais

Terceiro Setor, ONGs e Institutos

Terceiro Setor, ONGs e Institutos Terceiro Setor, ONGs e Institutos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais. Usualmente é chamado de

Leia mais

TERCEIRO SETOR. Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado

TERCEIRO SETOR. Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado TERCEIRO SETOR Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado Modalidade de apoio e financiamento por parte do Estado ESPÉCIE Auxílios Contribuições Subvenções PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

Leia mais

CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES. 1. Conclusões e Recomendações

CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES. 1. Conclusões e Recomendações 153 CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES 1. Conclusões e Recomendações Um Estudo de Caso, como foi salientado no capítulo Metodologia deste estudo, traz à baila muitas informações sobre uma

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Bota pra Fazer: Negócios de Alto Impacto.

Bota pra Fazer: Negócios de Alto Impacto. Bota pra Fazer: Negócios de Alto Impacto. Instituto Educacional BM&FBOVESPA e Endeavor: Negócios de Alto Impacto. Com reconhecida experiência, o Instituto Educacional BM&FBOVESPA, a Escola de Negócios

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DE ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR: UMA ANÁLISE PRELIMINAR DAS INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES

DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DE ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR: UMA ANÁLISE PRELIMINAR DAS INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DE ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR: UMA ANÁLISE PRELIMINAR DAS INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES FERNANDES, Cristoferson Allison 1 REZENDE, Isabelle Carlos Campos 2 SAEGER, Márcia

Leia mais

A Importância de Parcerias Estratégicas para a Transformação Social. Ilda Ribeiro Peliz Setembro 2008

A Importância de Parcerias Estratégicas para a Transformação Social. Ilda Ribeiro Peliz Setembro 2008 A Importância de Parcerias Estratégicas para a Transformação Social Ilda Ribeiro Peliz Setembro 2008 Responsabilidade Social O conceito da RSA não está mais entre as quatro paredes dos escritórios. A sociedade

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

Modalidade de trabalho: Presentación de experiencias profesionales y metodologías de intervención.

Modalidade de trabalho: Presentación de experiencias profesionales y metodologías de intervención. A incubadora de empresas como experiência de empreendedorismo social no Brasil Cirlene Aparecida Hilário da Silva Oliveira cirleneoliveira@terra.com.br Rodrigo Matos do Carmo rodrigoc@sebraesp.com.br Modalidade

Leia mais

Panorama da avaliação de programas e projetos sociais no Brasil. Martina Rillo Otero

Panorama da avaliação de programas e projetos sociais no Brasil. Martina Rillo Otero Panorama da avaliação de programas e projetos sociais no Brasil Martina Rillo Otero 1 Sumário Objetivos da pesquisa Metodologia Quem foram as organizações que responderam à pesquisa? O que elas pensam

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

DESAFIOS. (Autor desconhecido)

DESAFIOS. (Autor desconhecido) QUEM É O EMPREENDEDOR? POR QUE SER EMPRESÁRIO? DEFINIÇÕES DE EMPREENDEDORISMO O empreendedor é motivado pela autorealização, desejo de assumir responsabilidades e independência. Considera irresistível

Leia mais

NBC T 10.16. Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações AUDIT

NBC T 10.16. Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações AUDIT NBC T 10.16 Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações AUDIT NBC T 10.16 - Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações Foco do seminário em: Conceito (conceituando

Leia mais

ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS

ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS Autores: Alexandre Costa Quintana Daniele Pereira Mesquita RESUMO A forma de estruturação das demonstrações contábeis é fundamental

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

Gestão da Organização Terceiro Setor

Gestão da Organização Terceiro Setor Gestão da Organização Terceiro Setor Administração de Organizações sem Fins Lucrativos/Peter f. Drucker Profª. Mestrando Elaine Araújo elainearaujo.administradora@hotmail.com As organizações do terceiro

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Jardim Fim de Semana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

Jardim Fim de Semana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE Jardim Fim de Semana Bruna de Carvalho Raggi Terra Carolina Ramos Troeira Fabio Jose Cação Kono Gustavo Perticarati Ruiz Polido

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

A COMUNICAÇÃO COMO FERRAMENTA CHAVE PARA CONSOLIDAÇÃO DE PARQUES TECNOLÓGICOS

A COMUNICAÇÃO COMO FERRAMENTA CHAVE PARA CONSOLIDAÇÃO DE PARQUES TECNOLÓGICOS A COMUNICAÇÃO COMO FERRAMENTA CHAVE PARA CONSOLIDAÇÃO DE PARQUES TECNOLÓGICOS Paula Soares Matias 1 Janaine Farrane Cardoso 2 RESUMO O artigo tem como objetivo evidenciar a comunicação como ferramenta

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS Comissão de Direito do Terceiro Setor Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br INCENTIVOS FISCAIS Contexto MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1

O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1 O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1 Resumo: Delane Santos de Macedo 2 Universidade Federal do Recôncavo da Bahia delayne_ba@hotmail.coml Gilson Bispo de Jesus

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Serviços e Cidadania

Mostra de Projetos 2011. Serviços e Cidadania Mostra de Projetos 2011 Serviços e Cidadania Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Instituto GRPCOM Cidade: Londrina.

Leia mais

Curso EDUCANDO PARA A TRANSPARÊNCIA

Curso EDUCANDO PARA A TRANSPARÊNCIA Curso EDUCANDO PARA A TRANSPARÊNCIA Iniciando a caminhada... AFINAL DE CONTAS O QUE É O TERCEIRO SETOR? 1. O conceito de Terceiro Setor 2. Breve retrato do Terceiro Setor 3. Inserção das Organizações da

Leia mais

Marketing e Comunicação Cláudio Pessanha

Marketing e Comunicação Cláudio Pessanha Marketing e Comunicação Cláudio Pessanha Vamos Discutir... Um produto fala? Mesmo sendo esse produto um chinelo? Leiam o texto abaixo e falem comigo. Um produto tem o poder de falar por si só? E de que

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 118 MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Diogo Xavier

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Campanha ONG Animais 1

Campanha ONG Animais 1 Campanha ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera Santa Bárbara, Santa

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

InfoReggae - Edição 33 Panorama das ONGs no Brasil 25 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior. Coordenador Editorial Marcelo Reis Garcia

InfoReggae - Edição 33 Panorama das ONGs no Brasil 25 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior. Coordenador Editorial Marcelo Reis Garcia O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens das camadas populares.

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

Marketing sustentável ferramentas eficazes para atrair e manter clientes

Marketing sustentável ferramentas eficazes para atrair e manter clientes Marketing sustentável ferramentas eficazes para atrair e manter clientes CONCEITOS: Responsabilidade Social Sustentabilidade Consumo consciente Marketing REFLEXÃO: Marketing sustentável Papel da escola

Leia mais

DIVISÃO DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS ASSISTENCIAIS ATRAVÉS DA FERRAMENTA DE TELEMARKETING SOCIAL.

DIVISÃO DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS ASSISTENCIAIS ATRAVÉS DA FERRAMENTA DE TELEMARKETING SOCIAL. DIVISÃO DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS ASSISTENCIAIS ATRAVÉS DA FERRAMENTA DE TELEMARKETING SOCIAL. Eduardo Rafael Pavin¹ Cláudio Garcia¹ Luis Felipe Winkler¹ Valdir B. Cavalheiro¹ Wagner Rocha¹ Orientador: Almiro

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TERCEIRO SETOR

A IMPORTÂNCIA DO TERCEIRO SETOR A IMPORTÂNCIA DO TERCEIRO SETOR Cíntia Pierote de Oliveira 1, Friedhilde Maria Kustner Manolescu 2 1 UNIVAP FCSAC Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação. Av. Shishima Hifumi, 2911 Urbanova.

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais