Marketing Turístico e Hoteleiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marketing Turístico e Hoteleiro"

Transcrição

1 Marketing Turístico e Hoteleiro 3 CAPÍTULO III O Marketing Mix em Serviços de Hotelaria e Turismo Alexandra Malheiro

2 O Marketing Mix em Serviços de Hotelaria e Turismo Capítulo IV O MARKETING MIX EM SERVIÇOS DE HOTELARIA E TURISMO Sumário Características Distintivas dos Serviços Composto de Marketing nos Serviços (7 P s) 2

3 O conceito e especificidades dos serviços Continuum dos serviços Produto puramente tangível Produto tangível com serviços a acompanhar Híbrido Serviço principal acompanhado por serviços e/ou produtos menores Serviço puro (intangível) (Kotler e Armstrong) 3

4 Características Distintivas dos Serviços Características Distintivas dos Serviços Intangibilidade Inseparabilidade Perecibilidade Variabilidade Propriedade (inabilidade de posse) Nota: o grau destas características tende a variar, de serviço para serviço 4

5 O triângulo do marketing de serviços O triângulo do marketing de serviços Empresa (Gestão) Marketing Interno possibilitar a promessa Qualidade Satisfação Marketing Externo dar a conhecer a promessa Funcionários Marketing Interactivo entregar a promessa Clientes Fonte: Adaptado de Mary Jo Bitner, Christian Gronroos e Philip Kotler 5

6 A qualidade do serviço Fidelização Satisfação Qualidade do serviço 6

7 A qualidade do serviço As dimensões da qualidade percebida pelos consumidores são diferentes quer se trate de um produto ou de um serviço. As características atrás referidas acerca dos serviços fazem com que, genericamente, se possa falar em diferenças de critérios na apreciação da qualidade dos produtos e dos serviços. 7

8 A PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO A qualidade do serviço pode ser avaliada pela discrepância entre as expectativas dos consumidores e as suas percepções e consideramse habitualmente quatro factores chave que influenciam as expectativas dos consumidores: passa-palavra, necessidades pessoais, experiência anterior e comunicação externa (Zeithaml, Parasuraman e Berry, 1990). 8

9 A PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO 9

10 O MODELO SERVQUAL O Modelo Servqual desenvolvido pelos mesmos autores, foi construído para permitir medir a satisfação dos clientes numa empresa de serviços. Este modelo permite identificar 4 situações típicas em que se verifica insatisfação dos consumidores perante a empresa que lhes presta serviços: 10

11 O MODELO SERVQUAL 11

12 O MODELO SERVQUAL 1. Deficiente conhecimento das expectativas e necessidades dos clientes (gap 1) 2. Ausência de normas que regulem a prestação dos serviços, como por exemplo acerca de tempo de espera, prazos de entrega, rapidez na prestação do serviço (gap 2) 12

13 O MODELO SERVQUAL 3. Não conformidade entre o serviço prestado e as normas existentes por deficiência dos meios ou do pessoal (gap 3) 4. Diferenças entre o serviço prestado e a promessa de comunicação (gap 4) 13

14 O MODELO SERVQUAL O modelo exibe ainda um outro gap (gap 5) que traduz a insatisfação de um consumidor face ao serviço esperado, como resultado de qualquer um dos gaps anteriormente referidos ou de vários deles, em simultâneo. Ao avaliar a satisfação das necessidades e expectativas dos consumidores as empresas de serviços estão a identificar os aspectos chave da sua estratégia de marketing e a avaliar até que ponto o seu desempenho na prestação do serviço está a ser bem recebido pelos consumidores. 14

15 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Há diferentes métodos de avaliação dos quais se destacam: 1. A nível externo: inquéritos que medem o grau de satisfação dos clientes, o cliente-mistério, o método dos incidentes críticos, a gestão das reclamações, o pedido de comentários (ex: em hotéis, companhias de aviação). 2. A nível interno: inquéritos realizados junto dos dirigentes e empregados para avaliar o grau de satisfação interna, nomeadamente, no que se refere às relações entre departamentos e funções da empresa, perante as solicitações dos clientes. 15

16 Marketing-mix nos Serviços Marketing-mix alargado para os Serviços Nos serviços surgem 3 novos P s aos 4 já existentes no marketing-mix dos produtos Fonte: google imagens 16

17 Marketing-mix nos Serviços Transacções Evidência Física 4 P s Produto Preço Comunicação Distribuição Produto Preço Serviços Relacionamentos Redes Interacções Compra Venda Processo Pessoas Distribuição Comunicação Paradigma do Marketing Mix Paradigma Relacional Fonte: Adapt. Gummesson,

18 PRODUTO 18

19 PRODUTO O que é um produto turístico? Para o turista, o produto engloba toda a experiência desde o momento em que ele sai de casa até ao momento em que ele volta (Medlik e Midleton, 1973) 19

20 PRODUTO Assim, para um visitante de um hóspede de um hotel o produto é um pacote de experiências que passa por: Experiência inicial ao fazer a selecção a partir de brochura ou site Experiência do processo de reserva Primeira impressão ao chegar ao hotel Processo de recepção na chegada Padrão do quarto e recursos nele disponíveis Experiência do cliente (interacções) Provisão de refeições Processo de check-out na saída Qualquer tipo de acompanhamento recebido posteriormente 20

21 PRODUTO Cinco componentes principais de um produto turístico Atracções no destino e meio envolvente Instalações e serviços de destino Acessibilidade ao destino Imagens do destino Preço para o consumidor 21

22 PRODUTO Atracções no destino e meio envolvente São os elementos componentes do destino que determinam em grande parte a opção dos consumidores e influenciam as motivações de compradores potenciais. Incluem: Atracções naturais: paisagem, mar, praia, clima, flora, fauna Atracções construídas: arquitectura, monumentos, marina, pistas de esqui Atracções culturais: história, folclore, religião, arte, teatro, museus Atracções sociais: modo de vida e costumes da população, idioma 22

23 PRODUTO Instalações e serviços no destino São os elementos componentes localizados no destino ou ligados a ele e que possibilitam aos visitantes ficar e aproveitar as atracções. Incluem: Unidades de acomodação Hospedagem, bares e cafés Transporte no destino Desportos/actividades de interesse Serviços (v.g. spas, lojas de comércio, serviços de informação ) 23

24 PRODUTO Acessibilidade ao destino São os elementos componentes localizados no destino ou ligados a ele e que possibilitam aos visitantes ficar e aproveitar as atracções. Incluem: Infra-estrutura Equipamentos Factores operacionais Regulamentos governamentais 24

25 PRODUTO Imagens e percepções do destino As atitudes e imagens que os consumidores têm sobre os produtos influenciam bastante as suas decisões de compra. As imagens do destino não são necessariamente baseadas na experiência ou factos, mas são sempre motivadores poderosos na indústria de viagens e turismo de lazer. 25

26 PRODUTO Preço para o consumidor Qualquer visita a um destino tem um preço, que é a soma do custo da viagem, acomodação e participação numa gama seleccionada de instalações e serviços. Como muitos destinos oferecem uma variedade de produtos e interessam bastantes segmentos, o preço na indústria de viagens e turismo abrange opções bastante amplas. Ex: Destino Nova Iorque Opção A: hotel de luxo Opção B: residência universitária 26

27 PRODUTO Os 3 níveis do Produto Produto central (básico ou principal) Nível do produto que proporciona o benefício real (central) ou percebido Produto tangível (real ou formal) Conjunto de características e capacidades oferecidas pelo produto, qualidade e durabilidade, design e estilo do produto. Em suma, aquilo que o cliente recebe pelo valor pago. Produto aumentado (ou ampliado) Aspectos de apoio ao produto, incluindo serviço ao cliente, garantia, entrega e crédito, pessoas, instalações e apoio pós-venda. Todas as formas de valor acrescentado ao produto real de modo a torná-lo mais atractivo. 27

28 PRODUTO Os 3 níveis do Produto Kotler 28

29 PRODUTO Decisões ao nível do produto Características físicas e qualidade do produto Serviços de apoio Marca Produto Rotulagem Embalagem 29

30 PRODUTO Características físicas e qualidade do produto Capacidade para realizar as suas funções Nº de combinações de características oferecidas Valor para o cliente vs custo para a empresa 30

31 Marketing Mix 31

32 PREÇO Percepção dos consumidores: quem decide se o preço do produto ou serviço é correcto sempre será o consumidor. A empresa deve considerar a percepção que os consumidores têm do preço e como essa percepção vai afectar as suas decisões de compra. 32

33 PREÇO O que é o preço? Sentido Restrito É o volume de dinheiro cobrado por um produto ou serviço Sentido Amplo É a soma dos valores que os consumidores trocam pelo benefício de possuir ou usar um produto ou serviço 33

34 PREÇO O significado do preço Para o consumidor Utilidade da qual ele tem de abrir mão para obter o produto ou serviço. Um sacrifício do poder aquisitivo: Satisfação = Benefícios - Custos Para a sociedade Factor de ajustamento entre a oferta e a procura Para a empresa Geração de receitas: Receita = Preço X Quantidade 34

35 PREÇO Algumas considerações Antigamente, o preço era claramente o factor predominante nas escolhas do comprador; O preço é o único elemento do marketing mix que produz receitas; os outros representam custos; É um dos elementos mais flexíveis do marketing mix. Pode ser mudado rapidamente; Reconhecimento crescente de outras variáveis. 35

36 PREÇO Erros mais comuns Preços muito orientados pelos custos Preços não revistos com frequência necessária. Devem acompanhar as mudanças no mercado (procura) Preços que não levam em conta os restantes elementos do marketing mix Preços não suficientemente diferentes para os diferentes produtos, serviços, segmentos de mercado ou ocasiões de compra 36

37 PREÇO Factores a serem considerados na fixação de preços Factores Internos - Objectivos de Marketing - Estratégia de Marketing Mix -Custos - Considerações Organizacionais 37

38 PREÇO Factores a serem considerados na fixação de preços Factores Externos -O mercado e a procura: Enquanto os custos definem o limite inferior dos preços, o mercado e a procura definem o limite superior -Custos, -Preços e Ofertas dos concorrentes - Outros factores externos 38

39 PREÇO Produtos de procura inelástica São os produtos indispensáveis à população. Alterações no preço praticamente não afectam a sua procura Produtos de procura elástica São os que não são indispensáveis à subsistência da população e são geralmente utilizados pelos sectores médios da sociedade. Uma elevação do preço causa uma diminuição da procura. 39

40 PREÇO Características dos serviços de viagens e turismo que influenciam os preços: Alta elasticidade do preço nos segmentos de mercado de lazer, recreação e viagens Longo período entre a decisão sobre o preço e as vendas dos produtos Impossibilidade de haver stocks de viagens Alta probabilidade de flutuações a curto-prazo imprevisíveis Frequentes cortes de preços tácticos por parte dos concorrentes Alta probabilidade de guerras de preços em sectores como o transporte, acomodação e outras operações de turismo 40

41 PREÇO Características dos serviços de viagens e turismo que influenciam os preços: Os efeitos das regulamentações legais Necessidade de estabelecimento de preços para períodos de temporada Alto nível de envolvimento psicológico dos clientes Altos custos fixos de operação Alto nível de vulnerabilidade a mudanças na procura motivadas por factores políticos ou económicos imprevistos 41

42 PREÇO Custos para o cliente Emocionais Conveninência Atendimento Eficácia Imagem Satisfação Operacionais Oportunidade Psicoló- gicos Utilidade Qualidade Desempenho Preço Risco Tempo benefícios custos VALOR Adaptado de Elisabete Sá (2007) 42

43 Marketing Mix 43

44 DISTRIBUIÇÃO Cobertura Geográfica Horários Canais físicos Canais Electrónicos Controlo e conveniência do cliente Parceiros de distribuição / intermediários Decisões de distribuição = conveniência para o cliente 44

45 DISTRIBUIÇÃO Algumas questões: Qual a natureza da interacção? Qual a proximidade necessária para com o cliente? Quando é que os clientes querem o serviço? (dia/hora) Como entregar o serviço? Directamente ou através de intermediários? Que requisitos operacionais são necessários para que o serviço possa ser prestado em condições? Qual o horário de funcionamento permitido pela lei? 45

46 DISTRIBUIÇÃO Onde? Acesso Proximidade Centros de serviços (one stop shop) Requisitos operacionais Natureza das operações Economias de escala Automático vs Pessoal E-commerce Vending Minilojas Partilha de instalações Adaptado de Elisabete Sá (2007) 46

47 DISTRIBUIÇÃO Quando? Factores que encorajam a flexibilização e alargamento de horários Pressão dos consumidores Mudanças na legislação Rentabilização de recursos Disponibilidade dos trabalhadores Atendimento automático/ self-service 47

48 DISTRIBUIÇÃO Ter em conta: Conveniência e acesso por parte dos clientes Requisitos operacionais: certos serviços podem ter localizações inconvenientes por uma questão de necessidade operacional (ex: aeroportos). O e-commerce deve também ser considerado. A venda de produtos e serviços através da internet tem vindo a aumentar e um website é o local ideal para praticar marketing de um para um. 48

49 DISTRIBUIÇÃO Ter em conta: É possível descentralizar serviços, minimizando os custos operacionais através da instalação de balcões de atendimento automático (quiosques electrónicos, vending, bilheteira). As pessoas que procuram lojas virtuais fazem-nos pelas seguintes razões: conveniência (proximidade; 24/7), facilidade de encontrar o que se procura melhores preços mais escolha. 49

50 Marketing Mix 50

51 COMUNICAÇÃO Não basta oferecer um bom produto O produto oferece benefícios A distribuição proporciona utilidade de lugar O preço atribui valor ao produto A comunicação comunica os factores anteriores A Comunicação é o mais visível dos 4 P s 51

52 COMUNICAÇÃO Instrumentos de comunicação Publicidade nos media Força de vendas Serviço ao cliente Promoção de vendas Relações publicas Patrocínio Marketing directo Imagem e reconhecimento Marcas Imagem institucional Pessoal de serviço Veículos e equipamento Conteúdo Informação/ conselho Mensagens persuasivas Educação / formação Manter relacionamentos Merchandising 52

53 COMUNICAÇÃO Construír relacionamento emocionalmente satisfatório com os clientes Relacionamento duradouro Oferecer valores reais Comunicações eficientes Assentes num programa integrado de comunicação, consistente e coordenado 53

54 COMUNICAÇÃO Atenção Conhecimento Interesse Desejo Convicção Compra 54

55 COMUNICAÇÃO Criatividade nos media 55

56 COMUNICAÇÃO Publicidade nos media: -televisão - imprensa nacional - banners em ferramentas de pesquisa na Intenet (sites, facebook) -revistas - revistas especializadas - brochuras e guias -rádio -outdoors -cinema 56

57 COMUNICAÇÃO 57

58 COMUNICAÇÃO Elementos da comunicação Emissor Parte que envia a mensagem à outra parte Receptor Parte que recebe a mensagem que a outra parte envia Mensagem Conjunto de palavras, imagens ou símbolos que o emissor transmite Meios de comunicação Canais de comunicação através dos quais a mensagem passa do emissor para o receptor 58

59 COMUNICAÇÃO Codificação Processo de colocar a mensagem ou pensamento numa forma simbólica Descodificação Processo através do qual o receptor atribui significado aos símbolos transmitidos pelo emissor Resposta Reacções do receptor depois de ter sido exposto à mensagem Feedback Parte da resposta do receptor que retorna ao emissor 59

60 COMUNICAÇÃO Ruído Distorção não planeada que ocorre durante o processo de comunicação e que se traduz no facto de o receptor receber uma mensagem diferente da enviada pelo emissor Para a mensagem ser efectiva, o processo de codificação do emissor deve corresponder ao processo de descodificação do receptor Para a comunicação ser eficaz, o comunicador de marketing deve compreender o campo de experiência do consumidor 60

61 COMUNICAÇÃO Passos no desenvolvimento de uma comunicação eficaz Identificação do público-alvo Determinação dos objectivos da comunicação Consciência Conhecimento Simpatia Preferência Convicção Compra Desenvolvimento da mensagem conteúdo, estrutura e forma da mensagem 61

62 COMUNICAÇÃO Escolha dos canais de comunicação Recolha de feedback Decisões importantes ao nível da comunicação Qual o orçamento total para promoção? Como dividir o orçamento entre as principais ferramentas de promoção? 62

63 Marketing Mix 63

64 PESSOAS Como gerir as pessoas? O que as caracteriza? A capacidade a pessoa tem de ser o rosto do serviço O desenho num serviço é como que o funcionário fosse desenhado na sua actuação e aparência (uniformes) O cliente deve ser formado para utilizar o serviço Todos são marketers em part-time todos têm de ter orientação para o cliente, postura para a organização e todos são praticantes de marketing 64

65 PESSOAS A componente das pessoas é um input muito variável O staff e clientes têm de ser desenhados e formados para os serviços No staff todos são marketers a tempo parcial As pessoas são uma componente de input altamente variável nos serviços As próprias empresas salientam, na publicidade, a importância das pessoas (salienta o valor das pessoas e a sua importância) ex: comunicação com funcionário 65

66 PESSOAS A British Airways diz que não é a melhor companhia aérea pelos prémios que recebe, mas sim pelas pessoas que tem. Nos serviços, as pessoas são fundamentais. muitas empresas de serviços dedicam, nas suas páginas na internet, um link para as pessoas. 66

67 PESSOAS Gerir o lado humano dos serviços Desenhar e gerir funções - Recrutamento e selecção - Formação - Avaliação de desempenho e recompensas de acordo com o perfil da função Atrair e fidelizar e recompensar os melhores clientes - aqueles que: - Se adequam ao produto/processo e objectivos da empresa - Valorizam os benefícios oferecidos - Possuem (ou podem ser formados) as competências para co-produção do serviço 67

68 Marketing Mix 68

69 PROCESSOS Nos serviços, o processo é fundamental Organizar um processo de serviço e a forma como ele deve decorrer É assim que se gere a linha de produção de um serviço. O antes, durante e pós serviço! Processos produtivos são, usualmente, irrelevantes para os compradores de produtos, mas são críticos para os serviços Blueprints (manuais) podem ser utilizados para descrever o processo do produto Tentativa de retirar a necessidade de habilidade 69

70 PROCESSOS Blueprint Componentes do Blueprint do Serviço Linha de Interacção Linha de visibilidade Linha de interacção interna Acções dos clientes Contacto Front-office Acções dos empregados Contacto Back-office Acções dos empregados Processos de apoio Adaptado de Elisabete Sá (2007) 70

71 PROCESSOS Método e sequência no desenvolvimento e entrega do serviço Desenho dos fluxos de actividades Número e sequência das acções para os clientes Componentes da cadeia de valor dos fornecedores Natureza do envolvimento dos clientes Papel do pessoal de contacto Papel da tecnologia, nível de automatização Adaptado de Elisabete Sá (2007) 71

72 Marketing Mix 72

73 EVIDÊNCIA FÍSICA As compras de serviços são arriscadas muito poucas pistas tangíveis A evidência física é um indicador do serviço design dos edifícios, uniformes dos funcionários, brochuras, etc, proporcionam pistas tangíveis Nos serviços, a evidência física é uma peça fundamental para o seu sucesso. Nos produtos físicos não tanto. 73

74 EVIDÊNCIA FÍSICA Edifícios e áreas circundantes, estacionamento Instalações e equipamentos Design, mobiliário e decoração Ambiente: sons, cheiros, temperatura, limpeza Casas de banho, caixotes de lixo Água, café, comida Entretenimento (TV, revistas...) 74

AULA 1 Marketing de Serviços

AULA 1 Marketing de Serviços AULA 1 Marketing de Serviços Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

Prof. Jorge Romero Monteiro 1

Prof. Jorge Romero Monteiro 1 Marketing 1 CONCEITOS DE MARKETING 2 Conceitos de Marketing O MARKETING é tão importante que não pode ser considerado como uma função separada. É o próprio negócio do ponto de vista do seu resultado final,

Leia mais

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO ÁREA DE ACTIVIDADE - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO OBJECTIVO GLOBAL - Planear, dirigir e controlar as actividades de produção e de serviço de alimentos

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Marketing Territorial: uma aposta regional?

Marketing Territorial: uma aposta regional? Marketing Territorial: uma aposta regional? Conferência Alentejo Atractivo: nas rotas do Investimento Global Évora, 10 de Março de 2012 Contexto Contexto de competição entre territórios - regiões, cidades,

Leia mais

Marketing de Serviços

Marketing de Serviços Marketing de Serviços Concepção e Gestão da Prestação de Serviços 1 Objectivos Discutir a importância do layout dos serviços na criação de experiências positivas para os clientes Avaliar as formas como

Leia mais

GESTÃO. 5. - Marketing. 5.3-Marketing mix

GESTÃO. 5. - Marketing. 5.3-Marketing mix GESTÃO 5. - Marketing 5.3-Marketing mix A estratégia de posicionamento é corporizada em termos tácticos por variáveis controláveis: Marketing Mix Produto Preço Distribuição Comunicação/Promoção 2 Produto

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA Mestre em turismo e hotelaria-univali Professora do curso de turismo da Universidade de Uberaba-MG Trata-se nesse artigo da teoria e da prática do marketing no turismo.

Leia mais

Sistemas de categorias 15 ANEXO II SISTEMAS DE CATEGORIAS

Sistemas de categorias 15 ANEXO II SISTEMAS DE CATEGORIAS Sistemas de categorias 15 ANEXO II SISTEMAS DE Sistemas de categorias 16 Sistemas de categorias 17 ÍNDICE 1. Introdução 2.Dimensão estratégica do conceito imagem interna de marca corporativa 2.1. Significados

Leia mais

MERCADO MERCADO PESSOAS 22-05-2013

MERCADO MERCADO PESSOAS 22-05-2013 MERCADOLOGIA MARKETING FAZER e TRABALHAR MERCADOS MARKETING... O sucesso da empresa está no exterior. Dentro só existem custos...(drucker) Abordagem Inside out? Tecnologias/Recursos... Outside-in? O que

Leia mais

Disciplina Objectivos Conteúdos Programáticos

Disciplina Objectivos Conteúdos Programáticos Disciplina Objectivos Conteúdos Programáticos Legislação para Operação Hoteleira Analisar o quadro legal aplicável no contexto da atividade turística e hoteleira. Caracterizar os organismos institucionais

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

Escola Secundaria de Paços de Ferreira Técnicas de secretariado 2009/2010

Escola Secundaria de Paços de Ferreira Técnicas de secretariado 2009/2010 Marketing mix Trabalho realizado por: Sandra Costa 12ºS Marketing mix É formado por um conjunto de variáveis controláveis que influenciam a maneira com que os consumidores respondem ao mercado e é dividido

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

Geomarketing Expansão e Desenvolvimento de Negócio. Luis Pera Tiago Paulino Marco Viana

Geomarketing Expansão e Desenvolvimento de Negócio. Luis Pera Tiago Paulino Marco Viana Geomarketing Expansão e Desenvolvimento de Negócio Luis Pera Tiago Paulino Marco Viana Agenda Introdução Conceitos Gerais Orientação ao Negócio Valor Acrescentado do Geomarketing Gerir Forças de Vendas

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Marketing Turístico e Hoteleiro

Marketing Turístico e Hoteleiro 2 CAPÍTULO II Significado do Marketing em Hotelaria e Turismo Significado do Marketing em Hotelaria e Turismo Capítulo II Sumário As características especiais do Marketing em Hotelaria e Turismo O ambiente

Leia mais

AULA 2 Marketing de Serviços

AULA 2 Marketing de Serviços AULA 2 Marketing de Serviços Categorias de serviços Uma das formas de se classificar serviços é baseada na natureza dos processos pelos quais os serviços são criados e entregues. Um processo é um método

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles A COMUNICAÇÃO INTEGRADA NO MARKETING DE SERVIÇOS Principal causa da percepção desfavorável sobre um serviço: diferença

Leia mais

Marketing Operacional

Marketing Operacional Gerir Serviços Objectivos Compreender como se definem e se classificam os serviços. Identificar as diferenças entre bens e serviços Discutir a importância de focar os serviços nos clientes e no mercado

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Fazer um plano de marketing

Fazer um plano de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Fazer um plano de marketing A coerência e articulação das diferentes políticas da empresa ou produto(s) é responsável em grande parte pelo seu sucesso ou insucesso.

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Marketing Mix. Tânia Leão n.º19 12.ºS

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Marketing Mix. Tânia Leão n.º19 12.ºS Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Marketing Mix Tânia Leão n.º19 12.ºS Marketing Mix O Marketing mix ou Composto de marketing é formado por um conjunto de variáveis controláveis que influenciam

Leia mais

A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS

A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS Descubra a importância da reputação online do seu hotel na rentabilidade. Perceba qual a melhor maneira de tirar partido das ferramentas digitais. O PORQUÊ DE LER ESTE EBOOK!

Leia mais

Indíce. Gráfico XII: Comparação da situação das sub-acções com o período homólogo de 2008

Indíce. Gráfico XII: Comparação da situação das sub-acções com o período homólogo de 2008 Indíce 1. Característica básica...1 Gráfico I: Distribuição em sexo Gráfico II: Distribuição em cidadãos e turistas Gráfico III: Distribuição em idade Gráfico IV: Distribuição dos turistas 2. Resultado

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras Termo Agente Análise SWOT Auditoria de marketing Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização Cash-and-carry Central de compras Ciclo de vida do produto/serviço Contexto de marketing

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MARKETING

FUNDAMENTOS DE MARKETING FUNDAMENTOS DE MARKETING Há quatro ferramentas ou elementos primários no composto de marketing: produto, preço, (ponto de) distribuição e promoção. Esses elementos, chamados de 4Ps, devem ser combinados

Leia mais

GESTÃO. 5. - Marketing. 5.3-Marketing mix

GESTÃO. 5. - Marketing. 5.3-Marketing mix GESTÃO 5. - Marketing 5.3-Marketing mix A estratégia de posicionamento é corporizada em termos tácticos por variáveis controláveis: Marketing Mix Produto Preço Distribuição Promoção 2 Produto DEFINIÇÃO

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Organização, Processo e Estruturas 1 Organização Processo de estabelecer relações entre as pessoas e os recursos disponíveis tendo em vista os objectivos que a empresa como um todo se propõe atingir. 2

Leia mais

DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO PLANO DE MARKETING

DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO PLANO DE MARKETING DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO PLANO DE MARKETING Na elaboração do plano de marketing deve procurar responder a três questões básicas: - onde é que estamos? - para onde é que queremos ir? - como é que lá chegamos?

Leia mais

Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014. http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/

Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014. http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/ Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014 http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/ Estrutura possível de um plano de marketing 1. Sumário Executivo 7. Marketing-mix

Leia mais

Comunicação Integrada de marketing.

Comunicação Integrada de marketing. Comunicação Integrada de marketing. - COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO - 4 A s - 4 C s Comunicação: é a transmissão de uma mensagem de um emissor para um receptor, de modo que ambos a entendam da mesma maneira.

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais Marketing Internacional 1 Objectivos do Capítulo Compreender a Política do Produto e a sua implementação a nível internacional; Descortinar as razões que levam as empresas a escolher entre a estandardização

Leia mais

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD Escola secundária de Figueiró dos Vinhos Disciplina de Organização de gestão desportiva Data de entrega: 10/02/2015 Diogo Santos Página 1 Escola secundária

Leia mais

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Um encontro de serviço é um período de tempo durante o qual clientes interagem diretamente

Leia mais

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos.

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. Contabilidade Contabilidade Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. É uma ciência de natureza económica, cujo objecto é a realidade

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

Objectivos de Marketing

Objectivos de Marketing Negócios Internacionais Marketing e Finanças as Objectivos de Marketing Tipos de Marketing; Introduzir técnicas t para avaliar dimensões para determinados países; Enfatizar como as diferenças contextuais

Leia mais

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas Psicologia organizacional A Psicologia Organizacional, inicialmente

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

Exemplos de Inovação. Inovações de produto: Exemplos de inovações de produto:

Exemplos de Inovação. Inovações de produto: Exemplos de inovações de produto: Exemplos de Inovação Neste documento apresenta-se uma descrição dos vários tipos de inovação e respectivos exemplos para ajuda no preenchimento das questões relacionadas com a introdução de inovações.

Leia mais

Desenvolver uma estratégia de marketing

Desenvolver uma estratégia de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Desenvolver uma estratégia de marketing O principal objectivo de uma Estratégia de Marketing é o desenvolvimento do negócio, tendo em linha de conta, a análise

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML.

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Descritivo completo PHC dportal A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Benefícios Actualização e manutenção simples

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Marketing Identificar e Seleccionar Segmentos de Mercado

Marketing Identificar e Seleccionar Segmentos de Mercado Marketing Identificar e Seleccionar Segmentos de Mercado Prof. José M. Veríssimo 1 Objectivos Discutir a forma como as empresas identificam os segmentos que constituem o mercado. Identificar os critérios

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Partilha de informação com as comunidades

Partilha de informação com as comunidades Briefing da CAFOD sobre : Nível 1 (Básico) com as comunidades Este Briefing apresenta um guia básico passo-a-passo para os parceiros da CAFOD sobre a partilha de informação com as comunidades que apoiam

Leia mais

Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica

Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica As empresas podem crescer de três maneiras diferentes. Os métodos

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Agências de Viagens e Transportes Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

Organização de Eventos

Organização de Eventos Organização de Eventos Página de Rosto Aluna: Tânia Marlene Silva Ano/ Turma: 12º ano do Curso Profissional Técnico de Secretariado Disciplina: Técnicas de Secretariado Modulo: 20 Organização de Eventos

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações Introdução: Os Sistemas de Informação (SI) enquanto assunto de gestão têm cerca de 30 anos de idade e a sua evolução ao longo destes últimos anos tem sido tão dramática como irregular. A importância dos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO 8 PRINCÍPIOS DA QUALIDADE Focalização no cliente Relações com fornecedores mutuamente benéficas Liderança Decisão baseada em factos Princípios da Qualidade

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA DAS CASAS BRANCAS DO LITORAL ALENTEJANO E COSTA VICENTINA

CARTA DE QUALIDADE EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA DAS CASAS BRANCAS DO LITORAL ALENTEJANO E COSTA VICENTINA CARTA DE QUALIDADE EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA DAS CASAS BRANCAS DO LITORAL ALENTEJANO E COSTA VICENTINA I. CRITÉRIOS IMPERATIVOS Comprometo me a cumprir todos os critérios aqui descritos como imperativos,

Leia mais

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas. O Varejo 16 Aula 16/5/2008 Objetivos da aula Explicar como os varejistas podem contribuir para o processo de criar valor. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

ANIMAÇÃO TURÍSTICA DE APOIO AO TERMALISMO

ANIMAÇÃO TURÍSTICA DE APOIO AO TERMALISMO PLANO DE NEGÓCIO ANIMAÇÃO TURÍSTICA DE APOIO AO TERMALISMO Fernando F. Martins Empreendorismo no Vale do Sousa AderSousa Introdução A apresentação do nosso Plano desenvolve se em em duas partes distintas:

Leia mais

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2006/2007. Resumo

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2006/2007. Resumo Análise do Questionário aos Utentes Internet 2006/2007 Resumo Nos três últimos anos a Administração Fiscal tem vindo a efectuar estudos qualitativos de periodicidade anual com o objectivo de conhecer o

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Conceito, Análise de Concorrência 1. INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO INDÚSTRIA CONSTRUÇÃO Custos Prazo de execução /Esforço Qualidade EXTRAS Ambiente Socio-Políticos Imposições legais Segurança

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA Viviane Santos Salazar 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 O mercado Crescimento da demanda por hospedagem Copa do Mundo Olimpíadas Qual a representatividade

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO Os 4 Ps CONCEITO DE PRODUTO E SERVIÇO Um produto é algo que pode ser oferecido a um mercado para satisfazer uma necessidade ou desejo. Serviço é qualquer ato ou desempenho, essencialmente

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

o SEU clube de aluguer de DVD s na internet. BluePlanetDVD.com Study Case 2003 - IDEF/ISEG www.blueplanetdvd.com 1

o SEU clube de aluguer de DVD s na internet. BluePlanetDVD.com Study Case 2003 - IDEF/ISEG www.blueplanetdvd.com 1 BluePlanetDVD.com Study Case www.blueplanetdvd.com 1 A Ideia Necessidades não satisfeitas para o cliente; Uma IDEIA; Dois anos a amadurecer a ideia, de forma a ser inovadora, tecnologicamente avançada,

Leia mais

Formulário de Projecto de Investimento

Formulário de Projecto de Investimento Formulário de Projecto de Investimento 1. Identificação do Projecto Título do projecto: Nome do responsável: Contacto Telefónico: Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais