ENDOMARKETING: CONSTRUINDO ESTRATÉGIA COMPETITIVA NO NEWLAB LABORATÓRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENDOMARKETING: CONSTRUINDO ESTRATÉGIA COMPETITIVA NO NEWLAB LABORATÓRIO"

Transcrição

1 CESED CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO FACISA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RODRIGO MORAES MARTINS ENDOMARKETING: CONSTRUINDO ESTRATÉGIA COMPETITIVA NO NEWLAB LABORATÓRIO CAMPINA GRANDE PB 2010

2 RODRIGO MORAES MARTINS ENDOMARKETING: CONSTRUINDO ESTRATÉGIA COMPETITIVA NO NEWLAB LABORATÓRIO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como pré-requisito para a obtenção do título Bacharel em Administração pela Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas. Área de Concentração: Marketing Orientador: Roberta Dias Arruda Campina Grande PB 2010

3 Dados Internacionais da Catalogação na Publicação (Biblioteca da Facisa) M386e Martins, Rodrigo Moraes. Endomarketing: construindo estratégia competitiva no NewLab Laboratório / Rodrigo Moraes Martins. Campina Grande, Originalmente apresentada como Trabalho de Conclusão de Curso de bacharel em Administração do autor (bacharel Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas, 2010). Referências. 1. Endomarketing. 2. Recursos Humanos. 3. Comunicação interna. I. Título. CDU (043)

4 Trabalho de Conclusão de Curso, Endomarketing: construindo estratégia competitiva no NewLab Laboratório, apresentado por Rodrigo Moraes Martins como parte dos requisitos para obtenção do título Bacharel em Administração outorgado pela Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Campina Grande- PB. APROVADO EM: 16/06/2010 BANCA EXAMINADORA: Profª. Roberta Dias Arruda, Esp. da Facisa Orientadora Profª. Juliana Vale Ribeiro Freire, Esp. da Facisa Prof. Carlos Ximenes Carneiro da Cunha, Msc. da Facisa

5 Deus, que é um amigo fiel. A minha família, principalmente, aos meus avós, em especial meus avôs Ubirajara de Moraes e Antônio de Sá Martins (In memorian), grandes administradores, fonte de inspiração; minha mãe, Lille e meu pai, Carlos; meus irmãos, Rayssa e Rodolfo pela incansável dedicação, carinho e compreensão.

6 AGRADECIMENTOS À DEUS, por me guiar com sua luz divina permitindo a concretização de mais uma realização. À minha família, pelo apoio e incentivo a mim dedicados, não apenas financeiro como também afetivo, sem os quais não teria conseguido concluir o meu curso. Aos meus amigos, Saulo, Vinicius, Giselly, Iris, Regina, Vlânder, Alvaro, Zila e Wellington, que foram tão importantes na minha vida acadêmica e no desenvolvimento desta monografia. Não serão esquecidos por mim. À meu tio Ubirajara de Moraes Júnior, que sempre preocupado com o futuro de seus sobrinhos, incentiva-nos a ir em busca de nossos sonhos. À professora Roberta Dias pela paciência na orientação e incentivo que tornaram possível a conclusão desta monografia.

7 Marketing atrai e retém clientes, Endomarketing atrai e retém funcionários... que retêm clientes. Saul Faingaus Bekin

8 RESUMO Endomarketing tem se tornado uma ferramenta de extrema importância para as organizações. O trabalho de comunicação na organização deve ser constante e parte da responsabilidade dos gestores. Os funcionários são público-chave no sucesso dos negócios e cabe aos gestores levar o estímulo a suas equipes a fim de garantir o resultado proposto. Este trabalho tem como objetivo geral analisar as ações e instrumentos de Endomarketing da empresa NewLab Laboratório Clinico Ltda, localizada nas dependências do Hospital Regional de Campina Grande, PB. Foi feita uma longa revisão bibliográfica para embasamento da pesquisa, classificando-a como sendo uma pesquisa descritiva, pois foram observados e analisados fatos, como também é um levantamento, pois busca explicar e discutir um assunto ou tema com base em referências bibliográficas. Após isso foi realizada uma análise das ações e instrumentos de Endomarketing utilizados pela empresa, bem como avaliado a comunicação interna da empresa e logo após foi recomendado algumas ações voltadas para a implantação de um programa de Endomarketing. Identificou-se que a empresa possui ação e instrumentos de Endomarketing, porém os utiliza de forma primária, sem tomar conhecimento de suas origens e benefícios. A empresa ainda possui alguns instrumentos como quadro de avisos, livro de ocorrências no plantão e deixou de usar outros como treinamentos e programas avaliação de funcionários com premiação no fim do ano. Por fim foi feito sugestões como: criação de um jornal interno, criação de uma política de benefícios ao cliente interno, colocar alguns instrumentos utilizados anteriormente em pratica, entre outros. PALAVRAS-CHAVE: Endomarketing. Recursos Humanos. Comunicação interna.

9 ABSTRACT Endomarketing has become a critical tool for organizations. The work of communication in the Organization must be constant and part of the responsibility of managers. Employees are "public-key in the success of business and it managers take the stimulus to their teams to ensure the proposed outcome. This work aims to analyze the Endomarketing s actions and instruments of NewLab company located in dependencies of The Hospital Regional de Campina Grande, PB. Was made a long bibliographical search for reliance by rating it as being descriptive, since research were observed and analyzed the facts, but also is an uprising, because search explain and discuss a topic or theme based on bibliographic references. After this was performed an analysis of actions and instruments endomarketing used by the company, as well as evaluated the company's internal communication and soon after was recommended some actions directed to roll out a program of Endomarketing. Identified that the company has action and instruments endomarketing, however the use of primary shape, they are unaware of its origins and benefits. The company still owns some instruments like whiteboard, book of occurrences in the call and no longer use others as training and assessment programs with employees at the end of the year awards. Finally was made suggestions how to: create an internal newspaper, creating a policy of internal customer benefits, put some instruments used previously in pratice, among others. KEYWORDS: Internal Marketing. Human Resources. Internal communication.

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Pirâmide das necessidades de Maslow Figura 2 Os 4 P s de McCarthy Figura 3 Número de canais de distribuição... 22

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Os novos papéis da função de RH... 25

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A ORIGEM DO MARKETING As Eras do Marketing Era da Produção Era de Vendas Era do Marketing Necessidades, Desejos e Demandas CONCEITOS E DEFINIÇÕES DE MARKETING COMPOSTO DE MARKETING Produto Preço Praça ou Distribuição Promoção MARKETING E CAPTAÇÃO DE CLIENTES EM UM LABORATÓRIO CLÍNICO ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Cultura Organizacional HISTÓRICO DO ENDOMARKETING CONCEITOS E DEFINIÇÕES DO ENDOMARKETING Fundamentos do Endomarketing PROGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DO ENDOMARKETING Treinamento Motivação Comunicação Comunicação Interna x Marketing Interno Fatores que Determinam a Eficácia de um Programa de Endomarketing ATITUDES DO ENDOMARKETING Ações Complementares do Endomarketing Marketing de Benefícios... 36

13 Marketing de Incentivos Instrumentos para a Prática do Endomarketing CONCEITOS E DEFINIÇÕES DE SERVIÇOS METODOLOGIA UNIVERSO E AMOSTRA INSTRUMENTOS DE COLETA DE DADOS VARIÁVEIS A EMPRESA ANÁLISE DOS RESULTADOS AÇÔES Treinamento Motivação Comunicação Marketing de Benefícios Marketing de Incentivos INSTRUMENTOS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE A Fotos do treinamento e quadro de avisos APÊNDICE B Fotos do quadro de avisos e livro de ocorrências APÊNDICE C Fotos da realização dos exames e área de triagem e realização dos exames APÊNDICE D Foto da digitação dos laudos... 56

14 12 1 INTRODUÇÃO Durante décadas, empresários se preocupavam apenas com o conceito de produção. Produzir em escalas cada vez maiores e reduzir custo através do aumento da produção e exploração de mão de obra, que julgavam ser fontes inesgotáveis. Não tinham a visão que o mercado estava mudando e o cliente, exigindo cada vez mais. Todas as decisões eram centralizadas nos altos escalões da empresa sem nenhuma participação dos escalões inferiores. Eles eram apenas informados sobre o que fazer, independente se sabiam fazer ou não, por que fazer ou a importância. Embora ainda existam defensores desse pensamento, já se percebeu, a duras penas, que para se conseguir a excelência na produção, não basta apenas produzir em grande escala, mas sim produzir com foco na qualidade total e passar uma boa imagem tanto para seus clientes como para seus funcionários. Hoje muitas empresas trabalham com participação efetiva dos clientes internos, descentralizam decisões e dão incentivos à participação e criatividade de suas equipes. Através desse modelo de gestão, as empresas podem tomar decisões mais precisas, pois são subsidiados por informações seguras, provindas de quem conhece a fundo o funcionamento da empresa. Essas empresas se preocupam com seus colaboradores e com seu bem estar e com isso ganham um diferencial competitivo, o fato de ser admirada por quem trabalha ali e seus clientes externos que recebem os benefícios de um trabalho realizado com motivação e prazer, dentro de um clima organizacional harmônico. A escolha deste tema justifica-se pelo fato de ter uma influência direta na satisfação do cliente externo, além do aumento da produtividade do funcionário em função do seu bem-estar. Assim, tendo a atual necessidade de competitividade da empresa em um mercado de constante mudança e alta concorrência. Ter uma equipe bem treinada, motivada e integrada é crucial para a empresa que deseja sobreviver e, ainda, ser competitiva no mercado. Este trabalho contribuirá com sugestões de como empregar instrumentos do Endomarketing na empresa para que ela possa atender melhor o seu cliente externo e assim se tornar mais competitiva. Este trabalho tem como objetivo analisar as ações e instrumentos utilizados

15 13 para a prática de Endomarketing na empresa NewLab Laboratório Clínico. Tem como objetivos específicos observar o Endomarketing praticado pela empresa, avaliar a atual situação de comunicação interna da empresa e recomendar ações voltadas para a implantação de um programa de Endomarketing. O presente estudo esta dividido em capítulos, sendo eles; Capítulo 1 - O presente capítulo, que contém uma breve explicação a cerca do que o trabalho oferece ao leitor. Capítulo 2 - Fundamentação teórica: apresenta a revisão bibliográfica, a fim de dar suporte e conhecimento para a consecução dos objetivos. Capítulo 3 Metodologia: apresenta os procedimentos metodológicos utilizados durante o desenvolvimento do trabalho. Capítulo 4 Analise das ações e instrumentos de Endomarketing. Capítulo 5 Considerações finais.

16 14 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Este capítulo tem como objetivo o estudo de alguns temas para o entendimento desta pesquisa, como Marketing e suas origens, Marketing em Laboratórios Clínicos, Administração de Recursos Humanos, Cultura Organizacional e Endomarketing, assunto principal deste trabalho. 2.1 A ORIGEM DO MARKETING De acordo com McCarthy (1997), os alicerces do marketing foram construídos na era colonial quando ainda não existia moeda, quando os colonos negociavam entre si e com os índios. A partir dessa época pode-se notar que o marketing tem como foco o processo de troca, nas quais duas ou mais partes oferecem algo de valor para o outro em troca de satisfazer seus desejos e necessidades As Eras do Marketing Embora a essência do marketing possa ser dividida em mais partes, a maioria dos autores a divide em três principais. De acordo com Cobra (2009) o marketing passou por três fases, chamadas de eras: Era da produção, era da venda e era do marketing, definidos em seguida Era da Produção Em meados de 1930, muitas empresas estavam orientadas pela produção. Não havia a preocupação com vendas e o termo marketing ainda não era usado. A atenção dos fabricantes era apenas na qualidade dos produtos. Se fosse produzido

17 15 produtos de qualidades então eles seriam procurados Era de Vendas Entre 1930 e 1950, com a grande depressão da economia, os fabricantes começaram a dar ênfase na venda com o objetivo de encontrar compradores para seus produtos. Os gerentes começaram a perceber que vender seus produtos em um ambiente onde o consumidor tinha mais oportunidade de escolha, exigia um maior esforço promocional. Assim, a era da venda foi caracterizada por uma maciça dependência promocional Era do Marketing Por causa da 2ª Guerra Mundial houve uma enorme demanda de produtos destinados ao consumidor, criada pela escassez dos tempos de guerra. Como resultado, as fabricas vendiam o que produziam. Entretanto após o fim da guerra os gastos feitos pelo consumidor diminuíram quando a oferta se igualou com a demanda e muitas empresas, a partir daí, tinham produtos em excesso. Diante disto, as empresas perceberam que para colocarem seus produtos o mercado, elas precisariam produzir o que os consumidores queriam. Neste estágio as empresas estão fazendo marketing mais do que simplesmente vendendo, pois estão preocupadas com as necessidades e desejos dos consumidores Necessidade, Desejos e Demanda Para entender melhor os conceitos de marketing, faz-se necessário entender a diferença entre necessidades, desejos e demanda As necessidades são exigências humanas básicas, como descreve Maslow

18 16 na figura 1. As pessoas necessitam de comida, água, ar, roupas e um abrigo para poderem sobreviver em um ambiente, seja ele urbano ou rural, essas chamada de necessidades fisiológicas. As pessoas também têm necessidades de ter um ambiente seguro para se morar, ter um emprego estável, um plano de saúde entre outros, essas chamadas de necessidades de segurança. Saciadas essas necessidades, as pessoas têm necessidades de estar em meio a um grupo social, ter um relacionamento, estar incluído na sociedade, é chamado de necessidades de pertencimento. Logo após as pessoas tem as necessidades de estima, que é definida como necessidades de ser reconhecido pelas outras pessoas. Por fim estão as necessidades de auto-realização, que são as mais elevadas, de cada pessoa realizar o seu próprio potencial e de auto desenvolver-se continuamente. Figura 1 - Pirâmide das necessidades de Maslow. Fonte: DeCenzo e Robbins (2000?), p. 62. Desejo é aquilo que o consumidor quer, apenas por vontade, não é uma necessidade, sem o mesmo o consumidor consegue viver. Primeiro deve vir o que é necessário, para depois o supérfluo. Infelizmente boa parte das pessoas não age assim. Compram por impulso ou de modo compulsivo, querendo satisfazer primeiro os desejos e quando as necessidades chegam, o dinheiro acabou e alguma forma de endividamento faz-se presente. A demanda pode ser interpretada como procura, mas nem sempre como consumo, uma vez que é possível demandar (desejar) e não consumir (adquirir) um bem ou serviço. Como a demanda é o desejo ou necessidade apoiados pela capacidade e intenção de compra, ela somente ocorre se um consumidor tiver um desejo ou necessidade, se possuir condições financeiras para suprir sua necessidade ou

19 17 desejo e se ele tiver intenção de satisfazê-los. 2.2 CONCEITOS E DEFINIÇÕES DE MARKETING Muitas pessoas pensam no marketing como sendo apenas propaganda e vendas, ou somente propaganda, pois todos os dias, por ande passamos, nota-se propagandas, comerciais de televisão, anúncios de novos produtos, campanhas e ofertas. Porém isto é apenas uma fração do que realmente o marketing é. O marketing inicia-se antes mesmo de existir o produto. Os administradores devem avaliar o mercado e com isso saber quais as necessidades e desejos dos seus clientes-alvo e é nisso que o marketing atua. Definimos marketing como um processo administrativo e social pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam, por meio da criação, oferta e troca de produtos e valor com os outros (KOTLER; ARMSTRONG, 2003). Além de um processo administrativo, o marketing também pode ser considerado um processo social, pois é importante para todas as pessoas, desde as mais simples às mais sofisticadas. Cobra (2009) afirma que o sucesso na implementação de estratégias de marketing está na criação de qualidade de vida para os consumidores realizando seus desejos e necessidades. 2.3 COMPOSTO DE MARKETING O Mix de Marketing foi formulado primeiramente por McCarthy em seu livro Basic Marketing (1960). O mix de marketing é o conjunto de estratégias que as empresas devem estar atentas para conseguir seus objetivos. Juntos, esses quatro fatores deve satisfazer às necessidades do seu mercado-alvo. É composto por estratégias de produto, preço, praça e promoção.

20 18 Figura 2 Os 4 P s de McCarthy Fonte: Cobra (2009, p.10) Produto Os produtos são um conjunto de benefícios entregue ao cliente para satisfazer suas necessidades e/ou desejos de acordo com sua disponibilidade de recursos. Definimos um produto como algo que pode ser oferecido a um mercado para apreciação, aquisição, uso ou consumo e para satisfazer um desejo ou uma necessidade. Produtos são mais do que apenas bens tangíveis. Definidos amplamente incluem bens físicos, serviços, eventos, pessoas, lugares, organizações, idéias ou um misto de todas essas entidades. (KOTLER; ARMSTRONG, 2006, p. 204). Existem duas categorias de produtos: a) tangíveis: São os bens duráveis (roupas, automóveis, maquinas, etc.) e não duráveis (comidas, bebidas, cosméticos, etc.); b) intangíveis: São os bens imateriais como: serviços, locais (Rio de Janeiro, Belo Horizonte, etc), idéias (planejamento familiar, planejamento financeiro, etc.). Todo e qualquer produto atravessa um ciclo de vida. O ciclo de vida de um produto descreve os estágios que um produto atravessa do início ao fim. De acordo com McCarthy (1997), o ciclo de vida de um produto está dividido em quatro estágios importantes: introdução, crescimento do mercado, maturidade do mercado

21 19 e declínio das vendas. Na introdução as vendas são baixas, uma vez que uma nova ideia é lançada no mercado e os consumidores não estão procurando o produto. A promoção informativa é necessária para dizer aos consumidores as vantagens do uso deste novo produto. No estágio de crescimento do mercado, as vendas do setor industrial crescem rapidamente. A empresa inovadora começa a obter grandes lucros à medida que os consumidores vão comprando os produtos e com isso despertando o interesse de novos entrantes, alguns copiam o produto, outros melhoram. Com novos entrantes no mercado, gera uma maior variedade de produtos. O estágio de maturidade do mercado ocorre quando o nível de vendas do setor industrial se estabiliza. Com muitos concorrentes no mercado, a entrada de novas empresas fica mais difícil. Durante o estágio de declínio das vendas, novos produtos substituem o velho. Algumas empresas podem manter as vendas desses produtos antigos atraindo os consumidores leais ou aqueles que ainda não conheceram o produto na fase de introdução Preço O preço é uma das principais variáveis controlada por um profissional de marketing. As decisões de preço são especialmente importantes porque afetam o volume de vendas de uma empresa e quanto dinheiro ela ganha. Preço é o valor agregado pago pela posse ou troca de um produto ou serviço. Para o marketing a análise de custos de um produto não é fator chave na precificação de um produto, o custo passa a não ser um determinante, mas apenas mais um componente da formação do preço final do produto ao consumidor. Em sentido mais restrito, preço é a quantia em dinheiro que se cobra por um produto ou serviço. Em sentido mais amplo, é a soma de todos os valores que os consumidores trocam pelos benefícios de obter ou utilizar um produto ou serviço. Historicamente, o preço tem sido o principal fator a afetar a escolha do comprador. Isso ainda é valido para as nações e os grupos mais pobres e para as mercadorias genéricas (commodities). Contudo, fatores não ligados ao preço têm-se tornado mais importantes para o comportamento de escolha do comprador nas ultimas décadas. (KOTLER; ARMSTRONG, 2003, p. 263).

22 20 Na definição mais ampla usada por Kotler, podemos ter como exemplo, um restaurante de luxo, onde o preço que se paga pela comida não tem somente como base os custos, mas também o fato de se estar comendo um prato feito por um chef bem preparado, o conforto do restaurante, o atendimento e muitos outros fatores que estão agregados ao preço. É o composto mais flexível, pois entre eles é o que pode ser mudado mais rapidamente. Na maioria das vezes uma pequena mudança no mercado pode fazer com que as empresas mudem totalmente uma estratégia de preço, podemos ver isso mais claramente no mercado de tecnologia, ao se lançar um produto no mercado, não dura muito e já se tem outro mais avançado com mais recursos, diante deste fato as empresas que lançaram o produto há algum tempo atrás terão que mudar toda a estratégia, reduzindo consideravelmente os preços. Não é fácil definir preço em situações reais porque ele reflete muitas dimensões. As pessoas que não percebem isso podem cometer grandes erros. Fatores externos como a recessão econômica, inflação, redução de IPI, também afetam as decisões de preço, portanto, as empresas devem considerar tanto fatores internos como fatores externos antes de estabelecer preços Praça ou Distribuição De acordo com McCarthy (1997) os gerentes devem tornar os bens e serviços disponíveis nas quantidades e nos locais corretos. Esta é uma das tarefas que o profissional de marketing tem ao tomar decisão de praça. Praça é o local e/ou meio pelo qual é oferecido o produto. A decisão de onde irá ser exposto o produto é talvez uma das mais importantes. Decisões erradas de praça pode afetar significativamente as vendas de um produto e/ou serviço. Saber planejar onde, como, quando e sob que condições o produto irá chegar até o cliente é fator crucial para o produto se manter no mercado. De todos os elementos que compõem o marketing mix, a distribuição é, aos olhos do cliente ou consumidor, a menos aparente e palpável. Entretanto, para a organização, as decisões de distribuição são muito importantes pelos impactos que geram nos outros elementos do marketing mix, especialmente a longo prazo [...]. (BATISTA, 2009, p. 41).

23 21 As decisões de distribuição estão ligadas as outras decisões. A determinação do preço do produto vai depender se, por exemplo, ele usar muitos intermediários ou nenhum, se terá grandes lojas de varejo ou lojas especializadas. Muitas vezes, algumas empresas não dão muita atenção a seus canais de distribuição, às vezes com resultados desastrosos outras vezes não. Algumas empresas inovaram o mercado vendendo seus produtos diretamente ao consumidor final, sem o uso de lojas físicas. Alguns podem pensar que é mais vantajoso vender diretamente ao cliente, sem o uso de intermediários. Afinal, isso significa entregar parte do controle sobre como e para quem os produtos são vendidos. O uso de intermediários resulta em uma maior eficiência no contato com o cliente final, por meio de seus contatos, experiências e especialização os intermediários oferecem vantagens as empresas que, sozinhas, ela não conseguiria. Segundo Kotler (2003), as decisões de distribuição envolvem compromissos de longo prazo, pois muitas empresas podem mudar com facilidade seus produtos, seus preços, seus anúncios, mas quando estabelecem canais de distribuição por meio de franqueados, revendedores, e varejistas, não podem substituir rapidamente por lojas próprias. As formas de distribuição são divididas em: a) distribuição direta: Quando a empresa vende diretamente ao consumidor. Temos como exemplo: Avon, Amway, Dell, MaryKay, Hermes; b) distribuição indireta: Quando a empresa utiliza-se de distribuidores para levar o produto ou serviço até o consumidor. Por exemplo: fabricantes de pneus, gêneros alimentícios, eletrodomésticos e muitos outros, vendem suas mercadorias a grandes varejistas como Wall-Mart e Carrefour e por fim estes repassam aos consumidores finais. Podem existir não apenas um intermediário entre o fabricante e o consumidor, mas dois ou até três intermediários, como mostra a figura 3 abaixo.

24 22 Figura 3 - Número de canais de distribuição. Fonte: Kotler; Armstrong (2003, p. 309). Os canais de distribuição que não possuem intermediários são considerados um canal curto, com um intermediário é considerado um canal médio e um canal com dois ou mais intermediários é um canal longo Promoção As organizações devem estabelecer um meio mais adequado de comunicação com o mercado consumidor, a fim de promover seus produtos, suas marcas, benefícios entre outros. Para uma organização que está preocupada com a percepção do seu produto e/ou serviço no mercado, a questão não é se, mas quanto irá gastar e como irá fazer a comunicação com o mercado consumidor. Para muitas empresas, essa estratégia é vista como mais um custo para as empresas, outras vêem como um investimento. Também conhecido como mix de comunicações de marketing, o mix de propaganda possui alguns instrumentos de comunicação como: propaganda, promoção de vendas, marketing direto ou relacionamento com o cliente, relações publicas e venda pessoal. a) propaganda: é uma veiculação paga de um produto e/ou serviço, que visa persuadir as pessoas ao consumo. Segundo Cobra (2009) uma comunicação é

25 23 classificada como propaganda quando: A comunicação for paga; a entrega da mensagem for feita via alguma mídia de massa e quando for persuasiva; b) promoção de vendas: são incentivos para estimular a compra de um produto e/ou serviço. Exemplos de promoção de vendas estão constantemente presentes: Cartão fidelidade, cupons de descontos ou até um produto em tamanho gigante em um supermercado para estimular a compra; c) marketing direto: São comunicações diretas e individuais com os clientes com o objetivo de ter uma resposta imediata e também criar e manter um relacionamento entre a empresa e o cliente; d) relações públicas: é o desenvolvimento de uma boa imagem da empresa com os diversos públicos (clientes ou não), evitando uma imagem desfavorável da empresa e a disseminação de boatos. De acordo com Cobra (2009), as empresas precisam ordenar seus relacionamentos com o publico não cliente, como a comunidade, imprensa, governo e outras associações com o objetivo de conquistar a boa vontade da comunidade de negócios e publico em geral; e) venda pessoal: É a apresentação pessoal da empresa com o objetivo de efetuar as vendas e estabelecer relacionamentos com o cliente. De acordo com Kotler (2003) a força de vendas é o elo entre a empresa e os clientes, primeiro representam a empresa junto ao cliente e ao mesmo tempo representam os clientes junto às empresas, defendendo seus interesses. Algumas empresas não possuem vendedores, é o caso de empresas que vendem através de catálogos ou por meio de representantes. 2.4 MARKETING E CAPTAÇÃO DE CLIENTES EM UM LABORATÓRIO CLÍNICO O sucesso de qualquer evento que tenha como objetivo a captação de clientes, passa obrigatoriamente pela administração de marketing destinado a atingir determinados alvos. De acordo com Ogushi (1998) a origem dos clientes de um laboratório clínico esta perfeitamente definida e pode ser identificada como: a) INSS/SUS: Refere-se aos pacientes pertencentes ao Sistema Único de Saúde (SUS), instituído pelo Ministério da Saúde e coordenado pelas secretarias municipais;

26 24 b) conveniados: Diz respeito aos pacientes oriundos de empresas agenciadores e que operam através dos chamados planos de saúde; c) particular: Trata-se de um segmento de pacientes de procedência diversa e que não possui vinculo com as medicinas conveniadas e previdenciárias; d) laboratorial: Compõe-se, geralmente, de pacientes e/ou amostras encaminhadas por laboratórios de menor porte. De acordo com Ogushi (1998), existem alguns aspectos que favorecem a conquista de clientes e que representa um indicador de potencial de um laboratório clinico, são eles: a) localização próxima aos consultórios médicos, de preferência com estacionamento; b) quadro satisfatório de analistas; c) solidariedade e pontualidade no tratamento aos clientes; d) utilização de publicidade; e) participação em eventos de classe, através de palestras, trabalhos científicos ou outro expediente condizente com a ética profissional; f) dependências externas e internas bem cuidadas, sobressaindo a limpeza, o bom gosto e a funcionalidade; g) resultados fidedignos; h) fixação justa de preços e; i) sistema de comunicação atuante. 2.5 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Assim como o maestro de uma orquestra, o setor de Recursos Humanos tem o papel de reger as pessoas, sem ele a empresa seria apenas um grupo de pessoas reunidas, cada uma com um interesse. Cada instrumento produz um som único, cada músico é responsável por fazer a sua parte, mas sem maestro, provavelmente, a orquestra não seria capaz de tocar em harmonia. A gestão de Recursos Humanos, lida com sistemas formais para administrar pessoas no trabalho, mas recentemente passou a assumir um papel estratégico vital à medida que organizações buscam a competitividade não só com seus produtos,

27 25 mas também através de seu capital humano. Nos últimos tempos, a área de recursos humanos passou por mudanças significativas. A tabela 1 mostra uma ideia resumida dessas transformações. Tabela 1 - Os novos papéis da função de RH. De Operacional e Burocrático Policiamento e Controle Curto Prazo e Imediato Administrativo Foco da Função Foco Interno e Introvertido Reativo e solucionador de problemas Foco na Atividade e nos Meios Fonte: Chiavenato (1999, p. 37). Para Estratégico Parceria e Compromisso Longo Prazo Consultivo Foco no Negócio Foco Externo e no Cliente Proativo e Preventivo Foco nos Resultados e nos Fins Segundo Bateman (2003), cada vez mais, as empresas estão reconhecendo que seu sucesso depende de o que as pessoas sabem, isto é, seus conhecimentos e habilidades. A expressão capital humano muitas vezes, é hoje usada para descrever o valor estratégico das habilidades e dos conhecimentos do empregado. As empresas podem criar uma vantagem competitiva quando possuem ou desenvolvem recursos que são valiosos, raros, inimitáveis e organizados. Pessoas é fonte de vantagem competitiva quando aprimoram a eficiência ou a efetividade da empresa. Os mesmos critérios de competitividade nas empresas podem ser usados nos Recursos Humanos: a) as pessoas devem ter valor: pessoas podem criar valor para a empresa quando usam de seus esforços para baixar os custos ou oferecer algo único aos seus clientes; b) os recursos devem ser raros: pessoas é fonte de vantagens competitivas quando suas habilidades e competências não são disponíveis para os concorrentes; c) os recursos devem ser inimitáveis: pessoas é fonte de vantagem competitiva quando suas capacidades não podem ser imitadas por outras pessoas; d) os recursos devem ser organizados: pessoas é fonte de vantagem competitiva quando seus talentos podem ser combinados entre si e remanejados para trabalhar em novas tarefas rapidamente. O trabalho em equipe e a cooperação

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013 Isabella Assunção Cerqueira Procópio Janeiro de 2013 1 Sumário 1. Dados Básicos de Identificação...3 2. Histórico

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

O papel do CRM no sucesso comercial

O papel do CRM no sucesso comercial O papel do CRM no sucesso comercial Escrito por Gustavo Paulillo Você sabia que o relacionamento com clientes pode ajudar sua empresa a ter mais sucesso nas vendas? Ter uma equipe de vendas eficaz é o

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA 4 E ÚLTIMO MÓDULO: Como Ganhar dinheiro com Mala Direta APRESENTAÇÃO PESSOAL Edileuza

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E PRODUTIVIDADE

GESTÃO DE PESSOAS E PRODUTIVIDADE GESTÃO DE PESSOAS E PRODUTIVIDADE 2 Download da Apresentação www.gptw.com.br publicações e eventos palestras Great Place to Work - Missão 3 Construindo um Excelente Ambiente de Trabalho 4 1 2 3 4 O que

Leia mais

MARKETING NO AGRONEGÓCIO

MARKETING NO AGRONEGÓCIO MARKETING NO AGRONEGÓCIO O QUE VOCÊ ENTENDE DE MARKETING? Marketing é um processo social e gerencial pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam através da criação, oferta e troca de

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE MUITOS DOS PROBLEMAS MAIS CRÍTICOS NÃO ESTÃO NO MUNDO DAS COISAS, MAS NO MUNDO DAS PESSOAS. DESENVOLVIMENTO: APTIDÕES TÉCNICAS >>> HABILIDADES SOCIAIS CIÊNCIAS BEM SUCEDIDAS X CIÊNCIAS MAL SUCEDIDAS. -

Leia mais

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES Empreendedorismo Curso de Moda e Estilismo Graduação em Administração de Empresas Especialização em Marketing Empreendedorismo COMPETÊNCIAS Conhecer o processo de empreender utilizando as estruturas, as

Leia mais

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Copyright 2011 Edvaldo de Farias Prof. Edvaldo de Farias, MSc. material disponível em www.edvaldodefarias.com Minha expectativa

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Introdução: Código de Conduta Corporativa

Introdução: Código de Conduta Corporativa Transporte Excelsior Ltda Código de Conduta Corporativa Introdução: A Transporte Excelsior através desse Código Corporativo de Conduta busca alinhar e apoiar o cumprimento de nossa Missão, Visão e Valores,

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

Título do Case: Programa ELOS - Cliente e Colaborador como uma só corrente. Categoria: Projetos Internos Tema: Pessoas

Título do Case: Programa ELOS - Cliente e Colaborador como uma só corrente. Categoria: Projetos Internos Tema: Pessoas 1 Título do Case: Programa ELOS - Cliente e Colaborador como uma só corrente. Categoria: Projetos Internos Tema: Pessoas RESUMO A empresa vivia um cenário claro de desequilíbrio na gestão empresarial e

Leia mais

FAQ Escrita de Cases

FAQ Escrita de Cases FAQ Escrita de Cases 1. Sobre o que escrever um case e com qual foco? Sua EJ poderá escrever cases de sucesso ou insucesso que tenha trazido muito aprendizado e superação, ou seja, cases distintos da realidade

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011)

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) 1 ERA DOS TALENTOS SEGUNDO PETER DRUCKER, O PAI DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA, ESTAMOS NO INÍCIO DA ERA DOS TALENTOS. FORÇA FÍSICA,

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrada: Um dos maiores peritos em administração de empresas e recursos humanos, o brasileiro Idalberto Chiavenato, está de regresso

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO COMO FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA. Rogerio Leme rogerio@lemeconsultoria.com.br

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO COMO FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA. Rogerio Leme rogerio@lemeconsultoria.com.br TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO COMO FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA Rogerio Leme rogerio@lemeconsultoria.com.br PUBLICAÇÕES Solicitar slides: eventos@lemeconsultoria.com.br Contato: rogerio@lemeconsultoria.com.br

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas.

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas. INTRODUÇÃO Você, provavelmente, já sabe que colaboradores felizes produzem mais. Mas o que sua empresa tem feito com esse conhecimento? Existem estratégias que de fato busquem o bem-estar dos funcionários

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Conceito de Marketing

Conceito de Marketing Conceito de Marketing Marketing é uma função organizacional e uma série de processos para a criação, comunicação e entrega de valor para clientes, e para a gerência de relacionamentos com eles de forma

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

e das pessoas; conceitos e informações socialmente responsável funcionais e institucionais; estimular o comportamento divulgar aos colaboradores

e das pessoas; conceitos e informações socialmente responsável funcionais e institucionais; estimular o comportamento divulgar aos colaboradores Levar todas as informações decisivas da empresa, de forma rápida e simples; jornalmural divulgar aos colaboradores conceitos e informações funcionais e institucionais; reconhecer o trabalho das áreas e

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais