REFLEXÃO FINAL PLANO DE MARKETING. Reflexão Final do Módulo Plano de Marketing. R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFLEXÃO FINAL PLANO DE MARKETING. Reflexão Final do Módulo Plano de Marketing. R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1"

Transcrição

1 Reflexão Final do Módulo Plano de Marketing R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1

2 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos... 3 Percurso académico... 4 Percurso profissional... 5 Perspetivas profissionais... 8 Referencial do módulo... 9 Crítica reflexiva Trabalho(s) de grupo ou individual Agradecimento R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 2

3 Dados biográficos Nome: Rui Jorge da Eira Pereira Data de nascimento: 24 de maio de 1973 Situação profissional: Procurando outras oportunidades à situação que atualmente me encontro (desempregado) Carreira contributiva: (18 anos) Desde 1994 até 2012 sem interrupção no mercado de trabalho R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 3

4 Percurso académico Iniciei o meu percurso académico no externato Pica-Pau, em 1979, e fiz a conclusão do 1º Ano. Os três anos seguintes foram feitos na escola pública, essa escola tem agora o nome de EB1 Professora Maria Costa. Em 1984 voltei para o colégio ICE (Instituto Ciências Educativas), onde conclui o 6º Ano. Decorria o ano de 1989 e foi-me proposto a conclusão do ensino básico em três anos com a componente profissional incluída, e que terminei com êxito em 1992 no IEFP na Póvoa de Santo Adrião. Em 2012, voltei novamente para a conclusão do ensino secundário, através do Cenfic (Centro de Formação Profissional da Industria da Construção Civil e Obras Públicas do Sul), pelo processo do RVCC (Reconhecimento, Validação e Certificado de Competências), tendo esta ação decorrido entre 28 de março de 2012 e 28 de agosto de R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 4

5 Percurso profissional O meu percurso profissional começa após a conclusão do 6º Ano. Durante quase 5 anos trabalhei numa empresa que fazia perfurações de solos para obtenção de água potável. Começar a trabalhar com 13 anos era na altura uma prática muito comum entre adolescentes não de uma forma muito legal. Claro, que nem tudo correu pelo melhor. Com essa idade e fazendo uma retrospetiva, é a idade da parvoíce, aquele que sabe tudo e tudo o que os mais velhos pais, diziam era mentira. Os meus pais tomaram a decisão correta, e foram à procura de uma solução para a minha irreverência também própria da idade. A obtenção completa do ensino básico (9º Ano), conferiu-me o Nível II de qualificação profissional na área de Metalomecânica enquanto Serralheiro Civil e tive como nota final de curso 17 valores. Fiquei com um misto de emoções, por um lado provei que o ensino público não era o mais adequado para mim, por outro também consegui identificar-me em contexto de trabalho que seria uma pessoa útil para a sociedade. R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 5

6 Em 1992, inicia-se uma nova fase da minha vida profissional. Entro para uma empresa do ramo da construção civil na área de venda por grosso, onde fui fiel de armazém e motorista de ligeiros de mercadorias. Rapidamente acumulo outras competências e após ter a carta de condução de pesados e de semirreboques de mercadorias, começo a ter outras responsabilidades. Como exigente que sou, fui adquirindo aptidão para a área dos negócios e comecei a elaborar algumas tabelas de preços e a negociar com fornecedores e clientes. Nunca tive qualquer tipo de formação por parte da entidade patronal. Os autodidata têm essa vertente, aprende com o que vê, ouve e aplica à sua maneira o melhor que sabe. Desempenhei estas competências dentro da mesma empresa, até ao seu encerramento definitivo, a 31 de maio de O despedimento por extinção do posto de trabalho, não foi fácil de assimilar. Pensamos em muitas coisas, tais como: O que vai acontecer a partir de agora? O valor da indemnização? Como, irei planear a minha estrutura financeira, passando de um ordenado de fixo para um subsídio de desemprego com uma penalização de um terço. O que irei fazer depois de 20 anos 18 dos quais de forma legal, ligado a uma só empresa, em que a vi nascer, a criei e a vi morrer? Como transmitir essa informação à minha família, sobretudo aos mais pequenos com idades ainda dos porquês 16, 13, 7 e 3 anos respetivamente. R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 6

7 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 7

8 Perspetivas profissionais Estando na situação de inatividade profissional, tinha diversas opções, ou continuava inativo, ou geria um negócio ou então procurava a minha valorização profissional de uma área com a qual me identificasse. Uma das áreas com a qual me identifico é a área Comercial. A área Comercial abrange o Técnico Comercial, tinha inicialmente optado por um outro curso que era o de Técnico de Vendas. Isto foi no CITEFORME, só que o curso nunca chegou a iniciar-se com a desculpa de que não havia formandos em quantidade suficiente para se poder avançar. Também me inscrevi no CECOA, e quando fui selecionado para seguir essa formação já tinha o agendamento para fazer o curso no IEFP. Optei pelo IEFP, por ser uma referência nacional e também por ser mais completo que os outros dois centros de formação. No entanto, irei agarrar esta oportunidade, esperando que num futuro próximo, possa proporcionar alguma estabilidade financeira e psicológica para mim e criando também alicerces fundamentais para a minha família. R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 8

9 Referencial do módulo OBJETIVOS Identificar e analisar os pressupostos para a elaboração de um plano de marketing. Elaborar planos operacionais de marketing, respeitando as etapas de desenvolvimento. CONTEÚDOS Plano de marketing Necessidades e princípios o Principais necessidades de um plano de marketing Avaliar a situação do mercado e do meio Avaliar a competitividade da empresa e seus princípios Planificar os objetivos, meios e adaptação das ações de desenvolvimento e das ações corretivas Operacionalização do plano de marketing o Etapas do desenvolvimento do plano operacional de marketing Etapa 1 Análise da situação interna e externa Situação do negócio Atuação da empresa Análise da concorrência Análise SWOT o Etapa 2 Definição do objetivos do plano o Etapa 3 Definição da estratégia de marketing mix o Etapa 4 Afetação de recursos para a organização do plano o Etapa 5 Estabelecimento do plano de ação o Etapa 6 Concretização do plano de ação o Etapa 7 Controlo das ações desencadeadas R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 9

10 Crítica reflexiva Foi uma UFCD de 50 horas, onde comecei a perceber alguns conceitos e objetivos da elaboração de um plano de marketing. A elaboração de um plano de marketing para a empresa tem diversas etapas, tendo como objetivo final a identificação da/s necessidade/s do/cliente/s e se para a empresa é ou não viável a comercialização do/s produto/s e ou serviço/s. Não foi para mim um módulo fácil de o validar, porque não consigo identificar-me com tudo o que é Marketing. No trabalho de grupo, fiquei inserido num grupo de pessoas com a qual tem outra prespetiva em relação ao marketing. O Rui Alão pela sua experiência em empresas de dimensão nacional e ou internacional, trouxe uma mais valia para o trabalho de grupo. A Susana Veladas pela sua visão e na elaboração dos power point, passando pela montagem dos mesmos tornando apelativo e intuitivo e que poderá ser no futuro quiçá não muito distante ser uma realidade no mercado dos iogurtes com o nome da variedade Chágurte da marca Yoplait. A minha prestação neste trabalho de grupo, envolveu o inquérito para chegarmos à conclusão final de que não existe no mercado nacional este tipo de iogurte que é biológico, natural, com sabor a chá e com preços acessíveis. Para elevar o nosso ego, na avaliação final deste trabalho de grupo obtivemos muitos elogios pela forma como foi estruturado o Plano de Marketing. R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 10

11 Trabalho(s) de grupo ou individual Trabalho de grupo realizado por: Rui Alão, Rui Pereira e Susana Veladas PLANO DE MARKETING Iogurtes Líquidos Biológicos 1 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 11

12 ÍNDICE 1) Introdução 2) General Mills 3) A marca 4) Posicionamento 5) Analise económica 6) Análise do Mercado 7) Novo segmento 8) O nosso publico alvo 9) Fatores críticos de sucesso 10) Posição da Concorrência 11) Análise SWOT 12) Marketing Mix 13) Mensagem 14) Conclusões 2 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 12

13 INTRODUÇÃO No âmbito da unidade de formação Plano de Marketing, este trabalho consiste na elaboração de um plano de marketing, de uma empresa de produtos lácteos, sobre a categoria dos iogurtes, nomeadamente na exploração do segmento dos iogurtes funcionais, trazendo inovação e criatividade ao setor, aliado á preocupação com a saúde publica e aos benefícios terapêuticos que se pode ter no consumo destes. Os iogurtes têm uma relevância proeminente nos hábitos alimentares, não só por serem considerados um substituto do leite, por representar uma importante fonte de cálcio, mas também por possuir variadas características nutritivas indispensáveis para o bem-estar. Verifica-se então, que se trata de um produto essencial no dia-a-dia de cada um. Este facto condiciona as necessidades do mercado, o que leva à investigação/criação de novos sabores, novos frutos, entre outros, de acordo com os diferentes públicos-alvo. Esta introdução de variedades é a principal causa do grande aumento de produção de iogurte nestes últimos anos. Deste modo, pode-se afirmar que esta actividade tem um impacto significativo tanto social como economicamente. Algumas marcas de iogurte introduziram até produtos biológicos que recorrem, como o nome sugere, à agricultura biológica, que têm em mente não só a saúde do consumidor, mas também as gerações futuras pois trata-se de um método de produção sustentável que utiliza recursos renováveis, minimizando a poluição e consequentemente os danos provenientes. A marca escolhida foi a YOPLAIT, marca francesa que pertence à empresa General Mills, e escolhemos esta marca porque, além de ter uma notoriedade mundial e um histórico reconhecido no mercado dos iogurtes, não está presente no mercado português atualmente, o que torna aliciante o desafio de uma reintegração, com uma gama de iogurtes novos, estudados e adaptados, aos consumidores portugueses, tendo em vista os sabores tradicionais utilizados na infusão dos chás mais consumidos, e a promoção dos benefícios terapêuticos que deles podem ter. O objetivo é medir os impactos positivos e negativos desta ação, baseado nas tendências e necessidades dos mercados referenciados, com o fim de, justificar e sustentar, a presença, destes produtos, na lista de compras dos consumidores. 3 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 13

14 GENERAL MILLS Os iogurtes Yoplait pertencem, desde 2012, á empresa norte-americana General Mills, com 51% do capital da marca francesa, e á cooperativa francesa Soodial. Este gigante norte-americano da área alimentar, fabricante dos gelados Haagen-Dazs e dos cereais Cheerios, entre outros, é o 2º a nível mundial no setor dos iogurtes e produtos lácteos frescos e tornou-se na empresa de bens de consumo com mais forte crescimento da europa. Com uma estratégia bem definida, no investimento realizado, em aliar o Know How na comercialização de produtos lácteos a uma grande e prestigiada marca mundial de iogurtes, tem como target a expansão do negocio e ambição de liderar o setor no planeta. General Mills oferece os consumidores em todo o mundo produtos que melhoram a nutrição, que encurtam os tempos de preparação, que fornecem benefícios para a saúde, que permitem comer on-the-go e claro de bom gosto. Na General Mills, somos guiados pelos nossos valores eles são a fonte de nossa força e o coração de quem nós somos. Os nossos valores guiam-nos para envolver as nossas comunidades adaptarem-se à mudança positiva. Ética e responsabilidade social Nós somos inflexíveis sobre nossos altos padrões de ética e compromisso com a responsabilidade social corporativa. Com sede nos Estados Unidos, a General Mills tem uma força de trabalho global que reflete e respeita a diversidade de culturas em todo o lado. Trabalhamos duro para promover um ambiente que convida à lealdade e dedicação do empregado ao colocar confiança em cada funcionário a agir com integridade. Proteção do ambiente Como um comerciante global e fabricante de produtos alimentares de marcas líderes de mercados, a General Mills leva a sério seu papel de responsabilidade ambiental nos seus negócios, nas suas comunidades e no mundo em geral. Nós esforçamo-nos para reduzir nosso impacto sobre o meio ambiente. Nós descobrimos maneiras de conservar os recursos, e comprometemo-nos a continuar nesse caminho. Valores Os nossos valores são a base das nossas promessas para com os nossos clientes, os nossos investidores e para nós próprios. Vivemos esses valores, todos os dias, através do nosso povo, das nossas marcas, da nossa inovação e do nosso desempenho. A nossa missão é fazer a vida das pessoas: MAIS SAUDÁVEL MAIS FÁCIL MAIS RICA 4 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 14

15 MARCA A marca YOPLAIT existe desde 1964, quando duas marcas de cooperativas leiteiras francesas, YOLA e COPLAIT, resolveram se fundir, dando á luz a YOPLAIT. Os seus fundadores uniram forças e usando um processo especial, criaram o seu iogurte, distinto e único, que desde há 49 anos, é considerado o melhor iogurte do mundo. Foram os primeiros a produzir iogurtes com baixo índice de gordura (os low fat) e a criar um iogurte liquido pronto a beber(yop). Com 11 diferentes tipos de iogurte e mais de 85 sabores, a YOPLAIT está presente em mais de 50 países ao redor do mundo, sendo a numero 1 e 2 do mercado, em 39 desses países. Mundialmente, a cada minuto, são consumidos cerca de potes de YOPLAIT. 5 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 15

16 MARCA Em 1971 começaram a sua odisseia no mercado Norte-Americano, e aos poucos foram conquistando um lugar no mercado com as suas ideias inovadoras e revolucionárias. Depois de entrar nos mercados Africanos e Asiáticos, foi na década de 80 que começou a sua grande expansão pelo mercado Europeu, e Portugal foi um desses países. Foi fabricado e distribuído pela GELGURTE, uma fábrica da Guarda que produziu até 2010, quando não foi renovado a parceria com a marca francesa. É com espirito de reconquistador, que verificamos a existência de uma janela de oportunidade no relançamento da marca em Portugal, fomentando a forma inovadora e revolucionária da marca no mercado, com a proposta de entrada no setor, dos Iogurtes Líquidos/Sólidos Biológicos YOPLAIT com sabores de infusão de plantas naturais, tais como, Cidreira, Camomila, Lúcia-lima e Príncipe. Únicos no mercado. POSICIONAMENTO A marca YOPLAIT transmite a ideia que o produto é direcionado para pessoas que gostam de iogurtes saborosos, saudáveis e de qualidade. O cliente do iogurte biológico YOPLAIT, não é unicamente um habitual consumidor de iogurtes, é também um cliente preocupado com a sua saúde e com as questões ambientais, já que a marca assume um compromisso com a natureza, com a saúde, mas também com a inovação, apostando na agricultura biológica com uma produção socialmente responsável, porque envolve agricultores e consumidores numa produção equilibrada, ao nível ambiental, social e económico. Este produto situa-se como concorrente aos Iogurtes funcionais, nomeadamente nos segmentos de Defesas ativas e Cardiovasculares. Este conceito de utilização do iogurte biológico magro com os sabores e as propriedades terapêuticas das infusões de plantas naturais, permite inovar e revolucionar este mercado das bebidas lácteas ready to use. Conforme os resultados do inquérito realizados, por nós, concluiu-se que os pontos acima mencionados conferem nas % obtidas ir ao encontro deste posicionamento. (Anexo1) 6 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 16

17 ANALISE ECONÓMICA A economia portuguesa tem vindo a viver uma das mais graves crises das últimas décadas, confrontada com um conjunto de debilidades estruturais, seja ao nível do desequilíbrio das contas públicas, seja ao nível do excesso de endividamento global, o que conduziu o país ao pedido de ajuda externa e à celebração do Memorando de Entendimento com a Troika BCE, FMI e Comissão Europeia. Atualmente o contexto económico caracteriza-se por uma forte contração da atividade económica,devido á redução do Produto Interno Bruto (PIB) de 3,2 % em 2012 (em 2011 a queda foi de 1,6 %). As projeções para a economia portuguesa, de acordo com o Boletim de Inverno do Banco de Portugal, apontam para a continuação da redução da atividade económica, traduzida num decréscimo do PIB de -1,9% em Em relação ao mercado de trabalho, tem vindo a registar uma deterioração desde o ano de A taxa média de desemprego no ano de 2012 foi de 15,7%, o que corresponde a mais 3 % face a A inflação manteve um nível relativamente elevado em 2012 (2,8 por cento), o que traduz, em larga medida a evolução dos preços do petróleo e de outras matérias-primas nos mercados internacionais bem como o impacto do aumento dos impostos indiretos (IVA). Indicadores principais Produto Interno Bruto 1,4-1,6-3,2 Taxa de Desemprego 10,8 12,7 15,7 Inflação 1,4 3,7 2,8 Fonte: INE Conclusão: Na análise destes indicadores podemos concluir que, como o aumento da inflação não acompanha o aumento do rendimento dos consumidores (remunerações/vencimentos), verifica-se então uma diminuição do poder de compra dos mesmos, que se vai refletir no consumo e na sua retração, com as escolhas a serem ajustadas e mais económicas, a procura é condicionada, e neste contexto de crise, a categoria de iogurtes e sobremesas apresenta-se, algo surpreendentemente, como não essencial para os lares portugueses. 7 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 17

18 ESTUDO DE MERCADO CATEGORIA DE IOGURTES (DADOS DE 2013) Esta tem sido uma das categorias mais afetadas pela crise, uma vez que a sua evolução em volume tem estado no negativo, pelo menos desde Janeiro No primeiro trimestre de 2013, esta categoria manteve-se no negativo tanto em valor como em volume (menos 2,6% e menos 3,6%, respetivamente), face ao primeiro trimestre de Um comprador menos regular foi o entrave ao crescimento, com a frequência de compra a diminuir 3,2% e a diminuição de compradores a situar-se em menos 1,4%,em relação ao ano A verdade é que a categoria sofreu um aumento de preços considerável e os segmentos com preços mais elevados foram negativamente impactados, havendo uma transferência de compra para os segmentos mais económicos. Os IOGURTES sólidos normais lideram a categoria com 26,3% de quota em volume, apesar do decréscimo em relação ao mesmo período do ano passado ( -0,3%), seguido dos IOGURTES líquidos normais com 25,6%, tendo estes aumentado o seu peso em volume de 1,1%, e dos IOGURTES líquidos magros com 9,4%, ligeira quebra de 0,2% relativamente ao 1ºtrimestre do ano passado. (Ver Quadro nº1) Peso dos segmentos de Iogurtes e Sobremesas em volume (1ºTrimestre 2012 vs 1º Trimestre 2013) Quadro nº1 8 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 18

19 ESTUDO DE MERCADO CATEGORIA DE IOGURTES (DADOS DE 2013) Devido a uma luta renhida entre fabricantes e marcas da distribuição, e ás constantes inovações dos diversos segmentos, o mercado de IOGURTES em Portugal é dos mais dinâmicos. No entanto, apesar da introdução de novos segmentos altamente dirigidos, o segmento IOGURTES Gregos continua a destacar-se em relação a todos os outros, estando a crescer em volume neste trimestre na ordem dos 60%, sendo que o aumento da sua base de compradores foi o motivo desta performance. Os IOGURTES Duplos também apresentaram um grande crescimento na ordem dos 38%, sustentado no crescimento da sua penetração nos lares portugueses, bem como no aumento da compra média por ato. Com crescimentos mais modestos, mas ainda assim em contraciclo com a categoria, IOGURTES Soja, IOGURTES Bifidus magros e IOGURTES líquidos normais cresceram em volume 7,8%, 6,8% e 1,1% respetivamente. Este crescimento traduz as mudanças de hábitos dos portugueses, que optam por comprar IOGURTES Líquidos por questões de maior facilidade de consumo e ainda por poderem ser consumidos em qualquer circunstancia, em qualquer lugar (ready to use). Todos os restantes segmentos da categoria, tiveram quebras, destacando-se os segmentos de IOGURTES de vidro (-48,8%), IOGURTES cremosos (-43,1%) e IOGURTES redução de colesterol (-35%) com as maiores quebras. Ainda assim, apesar de ter tido uma quebra de 5,9%, IOGURTES sólidos normais foi o segmento que mais contribuiu para o decrescimento da categoria, uma vez que também é aquele com mais peso. 9 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 19

20 ESTUDO DE MERCADO CATEGORIA DE IOGURTES (DADOS DE 2013) As marcas da distribuição (MDD s) que têm vindo a ganhar peso em volume na categoria de iogurtes e sobremesas, perdem quota de mercado no 1º trimestre deste ano, comparativamente com o período análogo de Assim as MDD representavam em volume 57%, no 1º trimestre de 2012, e neste mesmo período mas de 2013, passaram a representar 52,9%, ainda assim, conseguem ter um pouco mais de metade da categoria. (Ver gráfico nº2) Fonte: Painel de lares da Kantar Worldpanel Universo de lares de Portugal Continental Categoria de iogurtes e sobremesas Em relação ás insígnias, o Continente é líder com 33,4%% de quota de mercado em volume, seguido do Pingo Doce com um peso em volume de 19,4%. O Minipreço e o Lidl, com pesos muito semelhantes, representam 11,5% e 10,5% em volume, respetivamente. (Ver gráfico nº3) 10 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 20

21 O NOSSO SEGMENTO NA CATEGORIA IOGURTES : Bio Terapêutico (Iogurte biológico com funções terapêuticas de foro neurológico, sistema digestivo, sistema respiratório e oncológico) 11 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 21

22 PÚBLICO-ALVO Os últimos resultados obtidos sobre a população residente em Portugal Continental, são de pessoas, dos quais 38,5% nos grandes centros populacionais de Lisboa e Porto, cerca de pessoas. Resultam destes números um total de famílias, das quais em Lisboa e Porto tendo como referência uma dimensão média familiar de 2,6 pessoas (Censos 2011). A categoria de IOGURTES é consumida, em média, por 2,2 pessoas que compõem o lar, sendo por isso considerada uma categoria familiar. De acordo com dados Target Group Index(TGI) Portugal, 75% dos portugueses com idades entre os 15 e os 64 anos, residentes em Portugal Continental, afirmaram ter consumido iogurtes líquidas nos últimos 12 meses. A variável sexo parece ser diferenciadora no que concerne ao consumo de iogurtes, na medida em as mulheres (81%) mais que os homens (69%) afirmam ter consumido este produto alimentar nos últimos 12 meses. Focando na variável idade, verifica-se que o consumo de iogurtes líquidos nos últimos 12 meses atinge o valor mais expressivo junto dos indivíduos com 25/34 anos (83%). De salientar que a penetração deste produto alimentar vai sendo progressivamente reduzida à medida que a idade avança. Aproveitando esta lacuna na penetração deste produto idealizamos criar um produto que fosse de encontro ás necessidades deste consumidores mais velhos. 12 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 22

23 PÚBLICO-ALVO A nossa marca vai focar a sua intervenção junto das pessoas com maior representatividade etária no nosso pais, com tendência a acompanhar progressivamente o crescimento das mesmas faixas etárias ao longo tempo. Distribuição por faixas etárias das maiores incidências a nível nacional (dados de 2012) Cerca 22,5% da população residente situa-se entre os 35 e os 54 anos em 2012 De referir que nas projeções da população residente para 2020 e 2030 a tendência é para o crescimento nas faixas etárias, acompanhando a incidência nesse aumento e assim sucessivamente ao longo das décadas seguintes, estando previsto um envelhecimento da população portuguesa ao ponto de em 2050 a maior incidência estará na faixa etária dos anos e em 2060 a faixa etária com maior incidência será a das mulheres com 85 e mais anos. O nosso público-alvo são pessoas que tem um estilo de vida mais preocupado com a saúde e cuidado na alimentação, é um segmento com um tamanho considerável e com uma forte tendência para o crescimento. 13 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 23

24 PÚBLICO-ALVO É um segmento onde os concorrentes indiretos não tem tanta influência, pois a grande maioria proporciona aos clientes alternativas não saudáveis ou de algum modo prejudiciais para a saúde. Em resumo o nosso produto enquadra-se nesta necessidades de prevenção e inovação neste setor de produtos lácteos abrangendo as pessoas que nutrem destas preocupações, procurando satisfazer as suas necessidades. FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO Os fatores essenciais para que esta gama e estes produtos tenham sucesso são a Notoriedade da marca, onde apesar de não estar presente no mercado português, é reconhecida e recordada pela qualidade dos seus produtos e um dos maiores players do mercado de Iogurtes. A Inovação constante, é uma das características atuais desta marca, que pretende estar atual e acompanhar as tendências de mercado, inovando em alguns conceitos. A Qualidade dos seus produtos, que é reconhecida nos seus consumidores. As Funções terapêuticas que gama de iogurtes biológicos magros com sabores tem, irá proporcionar aos seus consumidores, um bem estar característico, prevenindo e auxiliando a saúde dos mesmos, prevendo-se uma lealdade e fidelização a curto e médio prazo. O Preço destes produtos, que estando conotados como elevados, vão ter em conta o poder económico das famílias portuguesas, a concorrência direta e indireta. 14 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 24

25 CONCORRÊNCIA INDIRETA Nesta altura, todo o mercado de iogurtes sobrevive com as categorias Básicos(sólidos), Líquidos Básicos e Magros, que crescem em volume 5,5%, 6,7% e 9,8% respetivamente, mas em valor o crescimento é decimal, espelhando as reservas económicas dos consumidores. O líder de mercado é a Danone, logo seguido da Lactogal e da Nestlé, que representam em termos de quota 63%, num mercado que vale aproximadamente 530 milhões por ano. Lactogal Nestlé Danone Gelgurte Adágio; Agros; Mimosa Longa Vida; Yoggi; Sveltesse; Yoco; Grego(Nestlé); Leiteira Actimel; Activia; Dunacol; Corpos danone; Danoninho; O meu primeiro danone; Cremoso; Grego(danone);Danone; Danup Marcas próprias de Jumbo, Pingo Doce e Continente CONCORRÊNCIA DIRETA A entrada da Agros no mercado biológico, revolucionou o segmento, contribuindo para o seu crescimento exponencial, liderando a categoria de iogurtes biológicos com 78% de quota em volume, no entanto os últimos dados indicam uma queda da categoria na ordem dos 26% quer em volume quer em valor, isto fruto instabilidade que o pais vive, com os níveis de confiança dos portugueses negativos, a redução sistémica do poder de compra leva a que as pessoas optem por produtos mais económicos em alternativa da sua saúde e bem estar. Iogurtes Biológicos Agros Biológico Sonatural Biológico Pur Natur 15 Soebbeke Vrai R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 25

26 ANALISE SWOT 16 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 26

27 MARKETING MIX: PRODUTO Designação: Iogurte Biológico solido/liquido Magro Yoplait com sabores de chás IOGURTE que consegue juntar as propriedades de um produto biológico com os benefícios terapêuticos de plantas naturais, reconhecidos e comprovados nas suas infusões, que vão potencializar a saúde e o bem estar dos seus consumidores. IOGURTE Liquido biológico (170gr.) Sólido biológico (125gr.) - Lúcia-lima - Erva-Cidreira - Camomila - Erva-Príncipe 5 referências - Magro 17 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 27

28 MARKETING MIX: PRODUTO Sabores Magro Lúcia-Lima Cidreira Camomila Erva-Príncipe Propriedades Próprias Baixo teor de gordura Relaxante Melhora o sono Reduz enxaquecas Reduz a pressão arterial Estimula o apetite Ansiedade Nervosismo Dificuldades para dormir Prevenção doenças cardíacas Auxilio tratamento de Herpes Má digestão Melhora as funções cognitivas Ajuda a reduzir os sintomas Alzheimer Dor de cabeça Pé de atleta Controle eficaz de ulceras Estimulante lácteo Diurético Anti-reumático Anti-fabril Antitússico Propriedades Terapêuticas Ajuda a desfazer as pedras da vesícula. Infecções urinárias Menstruações dolorosas Protege contra os efeitos adversos da quimioterapias na medula óssea Anti-inflamatório Antiespasmódicos Irritações cutâneas Sinusite Diarreia Tratamento de artrite Estimula o sistema imunológico Remoção das impurezas e rejuvenescimento da pele Diminuição da hiperactividade Expectorante Vasodilatador Sedativo 18 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 28

29 PRODUTO Embalagens: São certificados pelo FSC garantia de que a embalagem resulta de matérias-primas renováveis provenientes de florestas cujas operações são realizadas de forma ecologicamente correta, socialmente fusta e economicamente viável. Para quem procura uma alimentação equilibrada e saudável, com um teor de apenas 0,5% de gordura. Certificado, saboroso e amigo do ambiente 19 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 29

30 MARKETING MIX: DISTRIBUIÇÃO A distribuição da marca Yoplait tem de ser feita através dos canais alimentas e horeca. Esta distribuição será bastante selectiva, ou seja, é importante escolher quais são os pontos de venda que interessam á marca. Híper e Supermercados, as pastelarias, lojas biológicas, lojas dietéticas, estabelecendo com estes uma politica de preço e de condições de venda que preveja alguns descontos conforme a quantidade comprada e/o pronto pagamento. Em relação ás grandes superfícies terá de estabelecer contractos com os híper e supermercados, através dos quais consiga fazer com que o produto Yoplait tenha um maior espaço e qualidade de prateleira. De referir que os iogurtes líquidos são os que ocupam maior área de exposição em linear de loja. Em termos médios o segmento de líquidos ocupa cerca de 21,18% de espaço de linear, seguido dos iogurtes Magros (14,09%) e Bifidus (12,72%). Feita a análise aos três segmentos com maior quota de espaço de linear, concluiu-se que em todas as insígnias é o segmento dos líquidos que detém um maior share of shelf, á exceção das lojas Continente Bom Dia em que os iogurtes Bifidus apresentam uma maior quota. (De acordo com os dados dos serviços Precise e e-foliotrack, da Marktest) 20 R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 30

Reflexão Final do Módulo Marketing Comercial conceitos e fundamentos

Reflexão Final do Módulo Marketing Comercial conceitos e fundamentos Reflexão Final do Módulo Marketing Comercial conceitos e fundamentos R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos...

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Língua inglesa - Atendimento

Reflexão Final do Módulo Língua inglesa - Atendimento Reflexão Final do Módulo Língua inglesa - Atendimento R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos... 3

Leia mais

REFLEXÃO FINAL FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. Reflexão Final do Módulo Fidelização de clientes. R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1

REFLEXÃO FINAL FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. Reflexão Final do Módulo Fidelização de clientes. R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Reflexão Final do Módulo Fidelização de clientes R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos... 3 Percurso

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Empresa comercial funcionamento e organização do trabalho

Reflexão Final do Módulo Empresa comercial funcionamento e organização do trabalho Reflexão Final do Módulo Empresa comercial funcionamento e organização do trabalho R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo...

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Software aplicado à atividade comercial

Reflexão Final do Módulo Software aplicado à atividade comercial Reflexão Final do Módulo Software aplicado à atividade comercial R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos...

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Língua inglesa - Gestão de stocks

Reflexão Final do Módulo Língua inglesa - Gestão de stocks Reflexão Final do Módulo Língua inglesa - Gestão de stocks R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos...

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Atendimento e serviço pós-venda

Reflexão Final do Módulo Atendimento e serviço pós-venda Reflexão Final do Módulo Atendimento e serviço pós-venda R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos...

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Técnicas de negociação e venda

Reflexão Final do Módulo Técnicas de negociação e venda Reflexão Final do Módulo Técnicas de negociação e venda R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos...

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Equipamentos e sistemas aplicados à atividade comercial

Reflexão Final do Módulo Equipamentos e sistemas aplicados à atividade comercial Reflexão Final do Módulo Equipamentos e sistemas aplicados à atividade comercial R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo...

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Ambiente, segurança, higiene e saúde no trabalho - Conceitos básicos

Reflexão Final do Módulo Ambiente, segurança, higiene e saúde no trabalho - Conceitos básicos Reflexão Final do Módulo Ambiente, segurança, higiene e saúde no trabalho - Conceitos básicos R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Controlo e armazenagem de mercadorias

Reflexão Final do Módulo Controlo e armazenagem de mercadorias Reflexão Final do Módulo Controlo e armazenagem de mercadorias R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos...

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Língua inglesa - Atendimento no serviço pósvenda

Reflexão Final do Módulo Língua inglesa - Atendimento no serviço pósvenda Reflexão Final do Módulo Língua inglesa - Atendimento no serviço pósvenda R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Técnicas de Merchandising

Reflexão Final do Módulo Técnicas de Merchandising Reflexão Final do Módulo Técnicas de Merchandising R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos... 3 Percurso

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Comunicação interpessoal Comunicação assertiva

Reflexão Final do Módulo Comunicação interpessoal Comunicação assertiva Reflexão Final do Módulo Comunicação interpessoal Comunicação assertiva R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados

Leia mais

Licenciatura em Marketing e Publicidade Regime diurno Docente: Fernando Gaspar

Licenciatura em Marketing e Publicidade Regime diurno Docente: Fernando Gaspar Licenciatura em Marketing e Publicidade Regime diurno Docente: Fernando Gaspar Trabalho elaborado por: Vanessa Fragoso n.º 9033 Santarém, 19 de Maio de 2008 Índice Introdução..2 Identificação do problema...3

Leia mais

REFLEXÃO FINAL LÍNGUA INGLESA -VENDAS. Reflexão Final do Módulo Língua inglesa -Vendas. R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1

REFLEXÃO FINAL LÍNGUA INGLESA -VENDAS. Reflexão Final do Módulo Língua inglesa -Vendas. R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Reflexão Final do Módulo Língua inglesa -Vendas R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos... 3 Percurso

Leia mais

Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Gestão de Santarém. Plano de Marketing

Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Gestão de Santarém. Plano de Marketing Plano de Marketing Curso: Marketing e Publicidade Cadeira: Marketing II Docente: Dr. Fernando Gaspar Discente: Alexandra Marujo_9006 Ano lectivo: 2007/2008 1 Índice Introdução.pg 3 Macro ambiente..pg 3

Leia mais

REFLEXÃO FINAL ATENDIMENTO TELEFÓNICO. Reflexão Final do Módulo atendimento telefónico. R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1

REFLEXÃO FINAL ATENDIMENTO TELEFÓNICO. Reflexão Final do Módulo atendimento telefónico. R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Reflexão Final do Módulo atendimento telefónico R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos... 3 Percurso

Leia mais

QUAL O POTENCIAL DE PHARMAFOODS EM PORTUGAL?

QUAL O POTENCIAL DE PHARMAFOODS EM PORTUGAL? QUAL O POTENCIAL DE PHARMAFOODS EM PORTUGAL? SUMÁRIO EXECUTIVO PORTUGALFOODS AGENDA 1. O Shopper e as suas Motivações Como e onde compra?... 3 2. Como está a Saúde em Portugal? Um Retrato sobre a Saúde

Leia mais

Breve Apresentação do Negócio

Breve Apresentação do Negócio CELEIRO-DIETA Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Celeiro Dieta N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos 25 Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010 Facturação

Leia mais

[Escrever texto] Trabalho realizado por: Ana Margarida de Oliveira Duarte nº 9062 Marketing e Publicidade (Pos Laboral)

[Escrever texto] Trabalho realizado por: Ana Margarida de Oliveira Duarte nº 9062 Marketing e Publicidade (Pos Laboral) Trabalho realizado por: Ana Margarida de Oliveira Duarte nº 9062 Marketing e Publicidade (Pos Laboral) 1 Introdução O objectivo do presente trabalho é elaborar um plano de marketing para a empresa Bacardi

Leia mais

4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE

4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE MARKETING AGRÍCOLA ESPECIALIZAÇÃO 4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE 2016 14 DIAS 72H 10 MÓDULOS Iniciativa: Formação acreditada por: Media Partners: CONSUMIDOR MERCADO PRODUTO POSICIONAMENTO MARCA PRICING

Leia mais

REFLEXÃO FINAL PUBLICIDADE E PROMOÇÃO. Reflexão Final do Módulo Publicidade e promoção. R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1

REFLEXÃO FINAL PUBLICIDADE E PROMOÇÃO. Reflexão Final do Módulo Publicidade e promoção. R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Reflexão Final do Módulo Publicidade e promoção R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos... 3 Percurso

Leia mais

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva CONFERÊNCIA Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020 Estrutura de Apresentação 3. Perspetivas para o Crescimento Inclusivo no contexto da Estratégia Europa

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

Lic. Marketing e Publicidade. Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral

Lic. Marketing e Publicidade. Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral Lic. Marketing e Publicidade Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral Trabalho realizado por: Maria Marques, 7005 Docente: Dr. Fernando Gaspar SANTARÉM Licenciatura em Marketing & Publicidade 1 de 10 2007/2008

Leia mais

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores 0366 PLANO DE MARKETING Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20 TAG 4/2010 17 Valores Índice Introdução Diagnóstico Análise do Mercado Análise da Concorrência Análise da Empresa Análise SWOT Objectivos

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

Cadernos IVP nº4. Março 2003. Serviço de Estudos

Cadernos IVP nº4. Março 2003. Serviço de Estudos Cadernos IVP nº4 Março 2003 Serviço de Estudos O Vinho do Porto sempre foi maioritariamente exportado, com o mercado nacional a ganhar dimensão apenas na época mais recente da vida de um produto que entrou

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD UTAD 2011 OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD (2003-2007) O. Enquadramento As políticas públicas de ensino superior

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas.

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas. Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues; Senhor Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

www.ine.pt Titulo Saúde e Incapacidades em Portugal 2011

www.ine.pt Titulo Saúde e Incapacidades em Portugal 2011 Titulo Saúde e Incapacidades em Portugal 2011 Editor Instituto Nacional de Estatística, IP Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa, Portugal Telefone: 21 842 61 00 Fax: 21 844 04 01 Presidente do Conselho

Leia mais

(124) Planeamento urbano para a integração de imigrantes

(124) Planeamento urbano para a integração de imigrantes A análise dos grupos profissionais da população activa portuguesa e estrangeira residente na Área Metropolitana do Porto, de acordo com o concelho é a seguinte: Figura 25. Repartição da população activa

Leia mais

Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4

Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 Índice Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 População alvo...4 Unidade amostral...4 Dimensão da população...4 Metodologia...4 Caracterização da amostra...4

Leia mais

QUAL O POTENCIAL DE PHARMAFOODS EM PORTUGAL? PORTUGAL FOODS

QUAL O POTENCIAL DE PHARMAFOODS EM PORTUGAL? PORTUGAL FOODS QUAL O POTENCIAL DE PHARMAFOODS EM PORTUGAL? PORTUGAL FOODS 11 de Novembro de 2011 1 O bjectiv O IDENTIFICAR QUAL O POTENCIAL DE PHARMAFOODS EM PORTUGAL 2 A gend A O SHOPPER E AS SUAS MOTIVAÇÕES Como e

Leia mais

3º ENCONTRO DA ORIZICULTURA PORTUGUESA

3º ENCONTRO DA ORIZICULTURA PORTUGUESA 3º ENCONTRO DA ORIZICULTURA PORTUGUESA ASSOCIAÇÃO DE ORIZICULTORES DE PORTUGAL FIGUEIRA DA FOZ 16 DE FEVEREIRO DE 2012 1. A Centromarca 2. A distribuição moderna 3. As relações produção / distribuição

Leia mais

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO BUSINESS BRIEFING Análise IPD 2011 MAIO 2012 INTRODUÇÃO O Investment Property Databank (IPD) é um índice que analisa o retorno do investimento institucional direto em ativos imobiliários, assumindo-se

Leia mais

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor 2014 Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para a estruturação e defesa

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

OS CURSOS NA FEUP FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

OS CURSOS NA FEUP FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO OS CURSOS NA FEUP Dulce Campos (ee12134); Flávio Dantas (ee12153); João Neves (ee12035); João Espírito Santo (ee12057); Miguel Costa (ee12091); 0 1MIEEC07_3

Leia mais

ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES

ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES Os inquéritos foram realizados junto de alunos do 6º ano da Escola EB 2,3 de Matosinhos, durante o mês de Novembro de 24. Responderam ao inquérito 63

Leia mais

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL 1. ENVELHECIMENTO ACTIVO A Organização Mundial da Saúde e a Comissão da União Europeia consideram de grande importância todas as medidas, políticas e práticas, que contribuam para

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

"Retrato social" de Portugal na década de 90

Retrato social de Portugal na década de 90 "Retrato social" de Portugal na década de 9 Apresentam-se alguns tópicos da informação contida em cada um dos capítulos da publicação Portugal Social 1991-21, editada pelo INE em Setembro de 23. Capítulo

Leia mais

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização PLANO DE MARKETING Ferramenta importante do plano estratégico de uma empresa. Deve estar em perfeita sintonia com os objetivos estabelecidos pela empresa. É um passo para a elaboração do PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Relatório de Recursos Humanos 2014 da Administração Pública Regional dos Açores e Setor Empresarial Regional

Relatório de Recursos Humanos 2014 da Administração Pública Regional dos Açores e Setor Empresarial Regional Relatório de Recursos Humanos 2014 da Administração Pública Regional dos Açores e Setor Empresarial Regional Angra do Heroísmo Março de 2015 2 Índice Introdução... 4 Sumário Executivo... 5 1. Trabalhadores

Leia mais

Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014. http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/

Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014. http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/ Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014 http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/ Estrutura possível de um plano de marketing 1. Sumário Executivo 7. Marketing-mix

Leia mais

Comunicação Integrada de marketing.

Comunicação Integrada de marketing. Comunicação Integrada de marketing. - COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO - 4 A s - 4 C s Comunicação: é a transmissão de uma mensagem de um emissor para um receptor, de modo que ambos a entendam da mesma maneira.

Leia mais

Rentabilidade em Food Service

Rentabilidade em Food Service Rentabilidade 6 passos para tornar sua franquia mais lucrativa Seja bem-vindo ao e-book da Linx. Aqui estão reunidos os principais caminhos para o aumento da rentabilidade em operações de fast food. São

Leia mais

1. Aumentar o conhecimento sobre a fileira (dimensão, valor, intervenientes);

1. Aumentar o conhecimento sobre a fileira (dimensão, valor, intervenientes); SUMÁRIO EXECUTIVO Enquadramento do Estudo O Estudo Económico de Desenvolvimento da Fileira do medronho enquadra-se na estratégia de valorização da floresta do, procurando estudar a dinamização da fileira

Leia mais

Cruz Vermelha Portuguesa

Cruz Vermelha Portuguesa FÓRUM NACIONAL ÁLCOOL E SAÚDE FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 14 de Março 2014 NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO Cruz Vermelha Portuguesa TÍTULO DO COMPROMISSO PREVENIR

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro.

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro. Página 1 de 9 2. Análise de Mercado 2.1 Estudo dos Clientes O que é e como fazer? Esta é uma das etapas mais importantes da elaboração do seu plano. Afinal, sem clientes não há negócios. Os clientes não

Leia mais

A vida não é encontraras-te a ti mesmo. É criares-te. - CASA RHEA - Módulo-0366- Plano de Marketing. Formadora: Dra. Teresa Palrão.

A vida não é encontraras-te a ti mesmo. É criares-te. - CASA RHEA - Módulo-0366- Plano de Marketing. Formadora: Dra. Teresa Palrão. - CASA RHEA - A vida não é encontraras-te a ti mesmo. É criares-te. Módulo-0366- Plano de Marketing Formadora: Dra. Teresa Palrão Tag-4 Formanda Dulce Oliveira nº 5 1 Índice Capa 1 Índice 2 1-Diagnóstico

Leia mais

Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Gestão Licenciatura em Marketing e Publicidade Cadeira de Marketing II Ano Lectivo 2007-2008

Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Gestão Licenciatura em Marketing e Publicidade Cadeira de Marketing II Ano Lectivo 2007-2008 Licenciatura em Marketing e Publicidade Cadeira de Ano Lectivo 2007-2008 Plano de Marketing do Chocolate Nestlé Sem Adição de Açúcar Docente: 1º Ano / 2º Semestre Discente: Doutor Fernando Gaspar Ana Abreu,

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

A proposta apresentada é propriedade intelectual da BBZ. Qualquer u6lização das ideias, imagens, estratégia e planeamento constantes nesta

A proposta apresentada é propriedade intelectual da BBZ. Qualquer u6lização das ideias, imagens, estratégia e planeamento constantes nesta A proposta apresentada é propriedade intelectual da BBZ. Qualquer u6lização das ideias, imagens, estratégia e planeamento constantes nesta apresentação será alvo de acordo prévio a estabelecer entre ambas

Leia mais

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL Resultados Quantitativos Outubro 2008 1 METODOLOGIA FICHA TÉCNICA Total da Amostra: 606 Entrevistas telefónicas, realizadas por CATI (computer assisted telephone interview).

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

Teresa Barata. Tratar de Mim

Teresa Barata. Tratar de Mim Tratar de Mim Guia de boas práticas para viver melhor tratar-de-mim_3as.indd 5 13/05/15 15:49 Índice Introdução............................................. 9 Por que procuramos ser saudáveis?........................

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Plano de Formação de Colaboradores 2014

Plano de Formação de Colaboradores 2014 2014 Plano de Formação de Colaboradores 2014 Avaliação Nível I/II Avaliação da Satisfação e Aprendizagem A avaliação do valor acrescentado pela formação ao desempenho dos colaboradores é cada vez mais

Leia mais

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se: ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Organograma 7 3. Caracterização Global do Efectivo 9 4. Emprego 10 5. Estrutura Etária do Efectivo 13 6. Antiguidade 14 7. Trabalhadores Estrangeiros 15 8. Trabalhadores Deficientes

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento 29 de setembro de 2014 INQUÉRITOS DE CONJUNTURA ÀS EMPRESAS E AOS CONSUMIDORES Setembro de 2014 Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos 18 de Outubro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS Departamento da Qualidade na Saúde Maio 2015 Ficha Técnica Relatório elaborado pelo Departamento da Qualidade na Saúde Ano: 2015 Condução

Leia mais

V Congresso da Indústria Portuguesa Agro-Alimentar COMPETITIVIDADE E CRESCIMENTO. Intervenção do Presidente da FIPA

V Congresso da Indústria Portuguesa Agro-Alimentar COMPETITIVIDADE E CRESCIMENTO. Intervenção do Presidente da FIPA V Congresso da Indústria Portuguesa Agro-Alimentar COMPETITIVIDADE E CRESCIMENTO Intervenção do Presidente da FIPA Exmo. Secretário de Estado Agricultura, Exmo. Senhor Presidente da CIP, Estimados associados

Leia mais

O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho

O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho Situação em junho de 2014 Trabalho realizado por: José Pedro Ferreira, Elisabete Pacheco e Isabel Santos Serviços para a Garantia da Qualidade Miguel

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM COACHING 5 a 12 de Setembro, Belo Horizonte Brasil. www.criscarvalho.com

CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM COACHING 5 a 12 de Setembro, Belo Horizonte Brasil. www.criscarvalho.com CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM COACHING 5 a 12 de Setembro, Belo Horizonte Brasil O processo de Certificação tem como finalidade formar e preparar os participantes para serem capazes de compreender e atuar

Leia mais

Consulta - Serviços de consultoria para elaboração de Diagnósticos e Guião para qualificação de fornecedores no âmbito do PORTUGAL SOU EU

Consulta - Serviços de consultoria para elaboração de Diagnósticos e Guião para qualificação de fornecedores no âmbito do PORTUGAL SOU EU Consulta - Serviços de consultoria para elaboração de Diagnósticos e Guião para qualificação de fornecedores no âmbito do PORTUGAL SOU EU Abril 2014 Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Enquadramento... 2 3.

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Trabalho realizado por: Pedro Lamy nº 7010 20/05/08. Escola Superior de Gestão de Santarém. Curso: Marketing e Publicidade. Disciplina: Marketing II

Trabalho realizado por: Pedro Lamy nº 7010 20/05/08. Escola Superior de Gestão de Santarém. Curso: Marketing e Publicidade. Disciplina: Marketing II Escola Superior de Gestão de Santarém Curso: Marketing e Publicidade Disciplina: Marketing II Docente: Fernando Gaspar Trabalho realizado por: Pedro Lamy nº 7010 20/05/08 Índice Introdução.3 Análise do

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

Taxa de desemprego estimada em 11,9%

Taxa de desemprego estimada em 11,9% 5 de agosto de 215 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 215 Taxa de desemprego estimada em 11,9% A taxa de desemprego no 2º trimestre de 215 foi de 11,9%. Este valor é inferior em 1,8 pontos percentuais

Leia mais

Cortes nas Finanças Pessoais 2014

Cortes nas Finanças Pessoais 2014 Cortes nas Finanças Pessoais 2014 Baker Tilly Janeiro 2014 Audit Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Information Systems An independent member of Baker Tilly International Cortes nas Finanças

Leia mais

Fazer um plano de marketing

Fazer um plano de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Fazer um plano de marketing A coerência e articulação das diferentes políticas da empresa ou produto(s) é responsável em grande parte pelo seu sucesso ou insucesso.

Leia mais

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS DE EMPREGO TRABALHO DOMÉSTICO: REGULAMENTAR, VALORIZAR E DIGNIFICAR A PROFISSÃO ARMANDO FARIAS Comissão Executiva do Conselho Nacional da

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL

ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL Duarte Albuquerque Carreira, Coordenador editorial da revista Pessoal (da.carreira@moonmedia.info) João d Orey, Diretor Executivo da

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 da procura - inverno 2014/15 Portugal - NUTS II Portugal - Principais NUTS II Principais 4 5 6 da procura - verão

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais