LOGÍSTICA E MARKETING, A ESTRATÉGIA QUE FUNCIONA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LOGÍSTICA E MARKETING, A ESTRATÉGIA QUE FUNCIONA."

Transcrição

1 LOGÍSTICA E MARKETING, A ESTRATÉGIA QUE FUNCIONA. Nathália Trindade e Silva. Fatec da zona leste. José Ailton da Silva. Fatec da zona leste. Reinaldo Evaristo de Lima. Fatec da zona leste. Romeu de Souza Siqueira Neto. Fatec da zona leste. Área temática: Administração Logística e Gestão Estratégica Gestão Estratégica da Logística Resumo: Os estudos e percepções de marketing são influenciados pelas mudanças de mercado, através das quais, modelos logísticos de negócios são reestruturados a fim de obter ou preservar a competição no atual cenário globalizado. No Brasil, por meio destas ferramentas de marketing os modelos do atacado e do varejo deram lugar a uma nova interface de negócios, o cash care ou como ficou conhecido nacionalmente, atacarejo, mix das características estruturais do atacado com as vendas unitárias do varejo, objetivando atender diversos públicos. Palavras-chave: Marketing, atacado, varejo, atacarejo. Abstract: The studies and marketing perceptions are influenced by changes in the market, through which, logistic models of business are restructured in order to obtain or preserve competition in the current global scenario. In Brazil, through these marketing tools models the wholesale and retail trade gave way to a new business interface, cash or care as it became known nationally atacarejo, mix structural features with the wholesale retail unit sales, aiming serve different audiences. Keywords: Marketing, wholesale, retail, atacarejo. Introdução: Como pode ser observado em telejornais e idas e vindas ao comércio popular, os hábitos de consumo das chamadas classes C e D tem mudado com o passar dos anos, essas mudanças vão muito além da perda da fidelização ou da aquisição de bens duráveis. Esse grupo de consumidores tem buscado reduzir seus gastos não apenas durante a negociação de um televisor, mas inclusive em suas compras mensais de alimentos, produtos de limpeza e higiene pessoal, uma das maneiras de alcançar esse objetivo foi invadir o espaço antes dominado por pequenos e médios comerciantes, os atacados. Através da percepção do surgimento desses novos clientes, as empresas moldam-se a esse novo mercado e expandem suas operações para atender essa promissora demanda, com novas táticas de mercado, estratégias de marketing e rápida absorção de novos conceitos são apenas algumas das medidas necessárias para se manter competitivo no mercado globalizado. Este artigo irá discutir algumas das atuais mudanças estratégicas no mercado nacional de atacado e varejo demonstrando a grande relevância das classes C e D no contexto atual.

2 Objetivo: Estudar como o marketing atua no atacado e varejo e como as mudanças e novas tendências de mercado influenciam a adoção de novas práticas de venda e apresentação de produtos para os consumidores. Problema: De que maneira novos hábitos de consumo influenciam as tendências de mercado? Hipóteses: As constantes mudanças nos hábitos de consumo nacional ditam os parâmetros que regem o mercado atual, empresários que desejam manter-se no cenário contemporâneo devem moldar seus negócios e sua maneira de negociar. Justificativa: A velocidade com a qual as classes C e D movem a economia tem sido objeto de constante investigação cientifico acadêmica, através deste estudo será possível identificar mais umas das muitas vertentes deste fenômeno econômico e social. Metodologia: Foi utilizada a pesquisa bibliográfica através de livros e revistas, a internet e reportagens exibidas na TV. Marketing A revolução industrial mudou grandiosamente a relação entre administradores, negociantes e seus produtos, a maneira de produzir passou a ser encarada com outro olhar, como observou Simões et al (2004) com a revolução industrial, os produtos deixam de ser feitos somente a mão (artesanato) e passam a ser também industrializados. Devido à grande demanda o foco dos negócios evidentemente é o produto o bom artefato industrial feito em série e muito mais barato que o artesanal. O foco na produção começa a perder forças após a grande depressão na década de 1930 e dá lugar a orientação de vendas que busca através de diversos instrumentos promover o produto, Simões et al (2004) a orientação para o produto começou a dar lugar à orientação para as vendas, a qual privilegia o uso dos instrumentos de promoção propaganda, publicidade, merchandising, venda pessoal, displays com o objetivo de alavancar os resultados a curto prazo, persuadindo ou mesmo pressionando o consumidor, com a orientação para vendas em alta fundamentada na satisfação da própria empresa começa a surgir uma nova maneira de administrar, aquela em que o cliente passa a ser o centro dos negócios e sua satisfação é o objetivo da empresa a curto, médio e longo prazo, segundo Levitt (1975) muitas empresas americanas quebraram por não compreender as necessidades de seus consumidores, bem como de estruturar suas atividades em função disso. Nas ultimas décadas a constante reinvenção do mercado e da maneira de se negociar tornou o marketing uma arma vantajosa para ganhar território e vencer a concorrência, justamente por ser utilizado em todos os setores da economia o marketing adquiriu varias interfaces, o resultado é que o marketing efetivo pode assumir várias formas. (KOTLER, 2000 p.25). A administração empresarial unida a um eficiente planejamento em marketing não apenas prevê demandas, controla estoques e promove produtos, os profissionais de marketing possuem técnicas para estimular a demanda pelos produtos de uma empresa. Mas essa é uma visão demasiadamente simplista das atribuições dos profissionais de

3 marketing. [...] Gerentes de marketing procuram influenciar o nível, a velocidade e a composição da demanda para alcançar os objetivos da organização. (KOTLER, 2000, p.27). A compreensão do significado e do papel do marketing é recente, e decorre do aumento da competição e da própria transformação dos mercados, situações estas que colocam em cheque as formas tradicionais de organizar e administrar o esforço de mercado das empresas. Essas mudanças que tiveram grande impacto na administração empresarial, colocaram em evidencia as estruturas organizacionais de marketing, que assumem dimensão importante no momento em que se valoriza o estilo de gestão focado no cliente. (Mattar e Santos, 2003 p.15). Pensando neste constante aprimoramento das práticas de marketing nas organizações, surge um conceito chamado marketing mix, Simões et al (2004) diz marketing mix é a combinação de ingredientes de que os profissionais de marketing se valem para atingir os objetivos de retorno. Segundo o conceito tradicional, trata-se dos quatro pés: produto, preço, praça (distribuição) e promoção. Munhoz, em seu artigo Marketing Mix - 4 P's, C's, A's publicado em (01/04/ :24: 49 www. htmlstaff.org.) fala a respeito de uma das grandes ferramentas utilizadas no marketing organizacional, são os 4A' s do marketing que atuam de modo interligado e auxiliam na compreensão desta seqüência de eventos que quando utilizados de modo estratégico e consciente tornam-se outro aliado para o alcance do sucesso. Os 4A s do Marketing. Segundo Munhoz (2008), os 4A's do marketing são: Análise, Adaptação, Ativação e Avaliação. 1- Análise Busca e processamento das informações pertinentes as decisões da empresa, seu objetivo é prever mudanças mercadológicas, estabelecer oportunidades e neutralizar ameaças. 2- Adaptação Busca ajustar as diversas características dos produtos e sua oferta as tendências do mercado do qual participa afim de adequalos as necessidades dos clientes. 3- Ativação Após uma segunda avaliação dos produtos ou serviços baseada na análise e adaptação a empresa reavalia e reestrutura suas diversas interfaces de comunicação objetivando o interesse pleno do cliente do produto que lhe é ofertado. Nesta etapa diversas áreas são co-participantes dos processos da ativação, elas são a de produção, publicidade e logística. 4- Avaliação Auditoria de marketing: Através de exames periódicos imparciais, todas as operações, colaboradores e estruturas relativas ao marketing da empresa são avaliadas na busca do alcance dos objetivos e padrões almejados pela empresa. Canais de distribuição Os canais de distribuição são os meios pelos quais os produtos e serviços chegam desde os produtores até seus consumidores, um canal de distribuição muito conhecido é o ponto-de-venda (PDV), como observa Arbache et al (2006) para alguns produtos com demanda inelástica como, por exemplo, insumos agrícolas, a presença do produto na gôndola do supermercado é primordial, pois ele é comprado por necessidade e não pela marca, sendo facilmente substituído. Por outro lado, produtos focados na qualidade podem ser trocados caso não estejam ao alcance imediato do consumidor, dando chance ao concorrente de ampliar sua base de clientes.

4 O economista, professor e consultor de empresas Paulo Nunes em publicação no dia 31/01/2009 fala a respeito da importância dos canais de distribuição e do quanto à escolha de um canal apropriado para cada tipo de negócio é essencial: As características do canal de distribuição têm fortes implicações quer de âmbito comercial e financeiro, quer de âmbito da estratégia e do marketing. Se a empresa optar por um canal de distribuição mais longo, certamente conseguirá chegar a um mercado mais vasto e com menor necessidade de investimento, mas também perderá o controle sobre diversas variáveis do marketing como o preço de venda ao consumidor final, a qualidade do serviço associado ou mesmo alguns componentes da comunicação. Pelo contrário, se optar pela venda direta, consegue o total controle sobre as variáveis do marketing referidas, mas terá uma maior dificuldade em chegar a um mercado com a mesma dimensão. Existem algumas formas de conciliar esta aparente incompatibilidade entre o controle das variáveis do marketing e a dimensão do mercado a atingir nomeadamente através do estabelecimento de acordos estratégicos com os distribuidores como sejam, por exemplo, os contratos de franchising. Marketing no Varejo Ao entrar em um supermercado com a intenção simples de comprar pães o cliente A caminha até a padaria da loja, que em geral e propositalmente encontra-se nos fundos do comércio, adquire o produto que desejava e por sentir-se atraído e confortável com todo o contexto no qual encontra-se leva para casa não somente o produto que saiu de casa com a intenção de comprar, mas também com outros três ou quatro itens que o agradaram enquanto caminhava até a padaria, este cliente voltara enquanto sua satisfação for atendida, infelizmente se após toda esta experiência de satisfação o atendente de caixa não o tratar como ele, o cliente, acredita merecer a concorrência provavelmente ganhara um novo consumidor. Para a eficiência do marketing nos varejistas é necessária a constante integração de todos os diversos envolvidos nos processos, objetivando sempre a satisfação plena do cliente. Segundo Kotler (1998) Caracteriza-se como varejo as atividades de venda de produtos e serviços oferecidos em pequenos lotes e unidades diretamente ao consumidor final para seu uso pessoal. A nova concorrência no varejo não acontece mais entre unidades independentes de negócios, mas entre sistemas completos de redes programadas centralmente (corporativas, administradas e contratuais) que competem umas com as outras para conseguir a maior economia de custos e a melhor resposta do cliente. (KOTLER 2000 pg.527). Com o dinamismo do mercado atual e o aumento constante das exigências de melhores condições de serviços e produtos oferecidos aos consumidores torna-se indispensável ao varejista concluir que não basta apenas atender as expectativas e estar dentro do esperado pelo consumidor para ganhar a concorrência, é necessário ir além do que o cliente alvo espera. A qualidade é comunicada também por outros elementos de marketing, Um alto preço geralmente indica um produto de alta qualidade para os compradores. A imagem de qualidade do produto também é afetada pela embalagem, distribuição, propaganda e promoção. Eis alguns casos em que a imagem de qualidade de uma marca foi prejudicada: Uma conhecida marca de alimentos congelados perdeu prestígio por estar em oferta freqüentemente, a imagem de uma cerveja Premium foi atingida quando ela passou a ser vendida em latas, em vez de em garrafas, um aparelho de TV muito procurado perdeu sua imagem de qualidade quando grandes lojas de varejo começaram a vendê-lo. (KOTLER, 2000, p.325)

5 Marketing no atacado Segundo Arbache et al (2006) atacadistas são aqueles cujo objetivo nos canais de distribuição é revender produtos adquiridos nas indústrias, seus clientes tradicionalmente são pequenos comerciantes sem demanda grande o bastante para negociarem diretamente com as manufatureiras. O atacado inclui todas as atividades relacionadas com a venda de bens ou serviços para aqueles que compram para revenda ou uso comercial. O atacado exclui os fabricantes e os agricultores, que lidam basicamente com a produção, e os varejistas. (KOTLER 2000 pg.553) Os atacadistas (também denominados distribuidores) diferem dos varejistas em vários aspectos. Em primeiro lugar, dão menor importância a promoções, ao ambiente e à localização porque estão lidando com clientes empresarias e não com consumidores finais. Em segundo, as transações no atacado são geralmente maiores que aquelas realizadas no varejo, e em geral os atacadistas cobrem uma área maior de comércio que os varejistas. Em terceiro lugar, os negócios do governo com os atacadistas e com os varejistas são diferentes, no que diz respeito a leis respectivas e impostos. (KOTLER 2000 pg.553) Cash e Care Pagar e levar ou como ficou conhecido no Brasil, atacarejo é uma nova interface dos atacados, para o consultor de varejo Moacir Moura a operação se destina a atender prioritariamente as compras maiores das famílias, mas pelas suas características e sortimento, acabam atendendo o cliente de food service, que são bares, restaurantes, hotéis, hospitais e outros grandes consumidores institucionais. Segundo publicação de Laila Abou Mahmoud na Istoé dinheiro no dia 25/4/2006, os atacadistas tem conquistado clientes que antes faziam suas compras em redes do varejo, isso se deve ao fato de que comprar nas lojas destinadas aos pequenos comerciantes pode ser muito mais vantajoso que ir a um supermercado ou hipermercado tradicional. Uma das maiores redes de atacados do país, o Roldão, comera essa migração e em 2006 anunciou abertura de três novas lojas (Osasco, Campo Limpo e ABC) com a pretensão de aumentar seu faturamento em 80 %. Marketing nos atacarejos Segundo reportagem exibida do dia 17/03/2012 no jornal nacional consumidores que possuem grandes volumes de compras mensais ou sazonais começaram a optar por fazer suas compras em atacados com a intenção de baixar seus gastos mensais, porém muitos dos produtos que fazem parte da composição de uma compra familiar não eram adquiridos nos atacados por ser necessário adquirir um volume muito maior que a necessidade do consumidor em questão para que seu preço ainda fosse interessante, como observado por Kotler (2000 pg.525) Canais de distribuição não são estáticos. Surgem novas instituições de atacado e varejo e novos sistemas de canais. Com essa conclusão Kotler exemplifica o que as gerencias de inúmeros atacados perceberam e através dessa nova percepção adaptaram o modo de comercializar seus produtos, o surgimento dessa nova modalidade foi definida como atacarejo. Ainda segundo a reportagem, Uma rede de São Paulo - que só vendia em quantidades grandes - descobriu que abrir as caixas era um ótimo negócio. Havia demanda também pela

6 compra em unidade e a rede passou também a oferecer o produto, além da caixa fechada em unidade direto ao consumidor final", diz o presidente da rede, Belmiro Gomes. O movimento das 60 lojas cresceu 32% no ano passado. Como observou Kotler (2000), o atacadista que comercializa seus produtos tanto em atacado quanto no varejo necessita de estratégias para reduzir suas deficiências e um serviço diferenciado e de qualidade ao consumidor-alvo. A individualidade multiplica em grande escala as preferências e percepções dos clientes com relação às empresas, desta maneira, como dito anteriormente, é primordial oferecer produtos e serviços além das expectativas de seus consumidores, assim natural e gradativamente aumentando seu numero de clientes. Para o presidente da rede de atacado Roldão, Ricardo Maciel, a migração do cliente não é tão recente. Ela vem crescendo desde 2000, quando houve o boom dos chamados cash & cares. Estamos pejorativamente sendo chamados de atacarejo, mas nosso principal foco ainda é o transformador e o varejista, explica. Não tem como impedir as pessoas de virem, mas também não há um trabalho de propaganda. É tudo no boca-aboca, explica. Para Dreifuss (1996 pag.33) as colossais inovações cientificotecnológicas que marcam essa época viabilizam reestruturações dos sistemas produtivos e gerenciais, de alcance global, além de induzir reorganizações de cunho societário, no contexto atual de mercado torna-se cada vez mais comum ver folhetos de atacadistas contendo preços unitários, como por exemplo, a rede Calvo, que em seus folhetos panfletados exibe preços em atacado e unidade, demonstração clara de que o chamado boca-a-boca deixou de ser o único meio utilizado pelos atacarejos na conquista de novos clientes. O caso Carrefour/Atacadão. Marcelo Cabral em seu artigo O Carrefour que dá certo publicado na edição de 07/03/2012 da revista Istoé dinheiro fala a respeito do sucesso dos atacarejos no mercado nacional e das novas percepções empresariais por parte desse segmento. Segundo a publicação a rede de hipermercados Carrefour encontra-se em situação perigosa com queda de 3% no ultimo semestre do ano passado, em contrapartida, o Atacadão, rede comprada pelo grupo Carrefour em 2007 registrou alta de 11% no mesmo período. Atualmente a Carrefour hipermercado possui cerca de 160 lojas distribuídas pelo país e os indicadores econômicos apontam que continuará assim nos próximos anos, enquanto o Atacadão já possui 80 lojas e planeja abrir mais 40 nos próximos dois anos. O sucesso observado no modelo de negócios do Atacadão no mercado nacional incentivou a expansão da rede para outros países emergentes, como Marrocos, Índia e Indonésia, a empreitada começa pela inauguração da loja marroquina prevista para este mês. Essa elogiada linha de negociação baseia-se no baixo custo das operações, lojas com pouco conforto, menos funcionários, serviços mais simples, os únicos meios de pagamento aceitos são os cartões de débito e dinheiro, desta maneira evitando as taxas dos cartões e neutralizando os cheques sem fundo, a queda nos custos operacionais de uma unidade pode chegar a 70% se comparada a um hipermercado. Considerações finais: O contexto econômico atual é constantemente bombardeado por avanços tecnológicos e a aplicação correta das praticas e conceitos logísticos são uma das mais atuais e eficientes ferramentas para a permanência e gradativo aumento da competitividade de

7 mercado. O estudo dos canais de distribuição e a aplicação dos conceitos estratégicos adquiridos ao longo da evolução do marketing podem proporcionar substancial solidez para o mercado mundial e são eficientes ferramentas para o êxito das práticas comerciais, a correta percepção das tendências de mercado e constante aperfeiçoamento da maneira de se negociar são fatores decisivos para o sucesso neste mercado globalizado. Entender o dinamismo e acompanhar a velocidade com a qual as mudanças econômicas e tendências de consumo acontecem são fatores decisivos para garantir a permanência no mercado. No contexto da aplicabilidade dos 4A s do marketing esse processo é chamado de análise e é aquele que da inicio a uma série de atividades que auxiliam empresas a manterem-se competitividades através da previsão de mudanças mercadológicas. Foi possível verificar que as percepções de marketing influenciaram as práticas logísticas de atacado e varejo resultando em um novo modelo de comércio popularmente conhecido como atacarejo, por meio de suas estratégias e impacto no consumo das classes C e D, para tanto foi apresentado estudo de caso do grupo Carrefour e sua subsidiária Atacadão, através do qual foi novamente evidenciado o impacto do marketing neste tipo de comércio. Visando a aplicabilidade do conceito dos 4A s do marketing, aqui se pode identificar a segunda etapa, denominada adaptação e a terceira etapa, a ativação, momento estratégico no qual o modelo de negócios e os respectivos produtos são ajustados as tendências do mercado do qual faz parte sintonizando-se as necessidades do cliente e remodulando suas estruturas e canais de comunicação se necessário. No exemplo citado da rede Atacadão, o sucesso no mercado nacional foi fator decisivo para a expansão do modelo em outros países emergentes, a avaliação dos resultados foi satisfatória a ponto de merecer estudo para atingir novos mercados, finalizando o ciclo de operações dos 4A s do marketing, essa etapa é denominada avaliação e consiste na auditoria e exames periódicos dos que fazem parte do ciclo de negócios e das estruturas de marketing e itens correlatos, objetivando alcançar a satisfação do cliente e crescimento da empresa. Por tanto, reafirma-se a importância dos conceitos de marketing nos processos logísticos para o conhecimento adequado do mercado contemporâneo. O conteúdo expresso no trabalho é de inteira responsabilidade do(s) autor(es). Referencial Teórico: ARBACHE, Fernando Saba; MONTENEGRO, Christophe; SALLES, Wladimir Ferreira; SANTOS, Almir Garnier. Gestão de logística, distribuição e trade marketing. 3ª edição. FGV CABRAL, Marcelo. O Carrefour que dá certo. Istoé dinheiro. Edição nº /03/2012. CHI, Bem Thion; MADRUGA, Roberto Pessoa; SIMÕES, Licínio da Costa; TEIXEIRA, Ricardo Franco. Administração de marketing no mundo contemporâneo. FGV DREIFUSS, René Armand. A época das perplexidades: mundialização, globalização e planetarização. Novos desafios. Petrópolis: Vozes, 1996.

8 KOTLER, Philip. Administração de Marketing 10ª Edição, 7ª reimpressão Tradução Bazán Tecnologia e Lingüística; revisão técnica Arão Sapiro. São Paulo: Prentice Hall, MAHMOUD, Laila Abou. Ataque ao varejo. Disponível em: acessado em 22/03/2012 ás 18:47. MENEZES, Cezar. Consumidores tomam lugar de comerciantes em lojas de atacarejo. Disnponivel em: acessado em: 23/03/2012 ás 13:30 MOURA, Moacir. Modelo de Negócio no Varejo: Cash & Carry Pagar e Levar. Disponivel em: Acessado em: 23/03/2012 ás 21:30. MUNHOZ, Carlos Eduardo. Marketing e propaganda: Marketing Mix? 4P's, C's,A's. Enviado em 01/04/2008. SANTOS, Dilson Gabriel dos; MATTAR, Fauze Najib. Gerência de produtos: Como tornar seu produto um sucesso. Atlas O conteúdo expresso no trabalho é de inteira responsabilidade do(s) autor(es).

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista PLANO DE ENSINO DISCIPLINA SÉRIE PERÍODO LETIVO CARGA HORÁRIA Gestão de Marketing 2ª. Série 2014 I EMENTA Função e cenário mercadológico. Inter-relacionamento da função mercadológica com as demais funções

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 RESUMO: Esse estudo tem como objetivo mostrar a importância da promoção

Leia mais

Este Plano de Negócios foi elaborado em Junho de 2014

Este Plano de Negócios foi elaborado em Junho de 2014 ESPETO VACA LOUCA Pc TUBAL VILELA Nº 0 CENTRO- UBERLANDIA MG (34) 9876-5432 contato@vacalouca.com Ademir Gonçalves Filho Diretor Administrativo Gustavo Rodovalho Oliveira - Diretor de Marketing Jhonata

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS

MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS CAUÊ SAMUEL SCHIMIDT 1 FERNANDO GRANADIER 1 Resumo O mercado atual está cada vez mais competitivo e para sobreviver nesse meio, é necessário

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 1 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Administração

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Pós Graduação em Trade Marketing

Pós Graduação em Trade Marketing Pós Graduação em Trade Marketing Público - alvo O curso é dirigido para profissionais de Marketing, Comunicação, Administração e ainda para aqueles que atuem no Varejo ou Indústria nas áreas de Gestão,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC)

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC) Título (Limite de 250 caracteres incluindo os espaços) Título: Relações Públicas e Ferramentas de Comunicação um estudo abordando à realidade de Ibitinga A capital nacional do bordado 1 Autores (Incluir

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS CATEGORIA:

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

MERCHANDISING NO PDV: AGREGANDO VALOR AO PLANO DE COMUNICAÇÃO 1

MERCHANDISING NO PDV: AGREGANDO VALOR AO PLANO DE COMUNICAÇÃO 1 1 MERCHANDISING NO PDV: AGREGANDO VALOR AO PLANO DE COMUNICAÇÃO 1 Rafael Vinícius Back RESUMO Esse artigo consiste em demonstrar brevemente o papel do Merchandising no composto da comunicação e sua importância

Leia mais

Logística e Distribuição

Logística e Distribuição Logística e Distribuição 02 Disciplina: LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO Plano de curso PLANO DE CURSO Objetivos Proporcionar aos alunos os conhecimentos básicos sobre logística e distribuição como elemento essencial

Leia mais

Objetivo: identificar as variáveis de marketing e os 4 A s; saber da sua utilizaçao

Objetivo: identificar as variáveis de marketing e os 4 A s; saber da sua utilizaçao Objetivo: identificar as variáveis de marketing e os 4 A s; saber da sua utilizaçao 1 Composto de marketing é um conjunto de instrumentos geradores de ações para direcionar a demanda de produtos e realização

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

O VAREJO APLICADO AO MERCADO FARMACÊUTICO

O VAREJO APLICADO AO MERCADO FARMACÊUTICO O VAREJO APLICADO AO MERCADO FARMACÊUTICO Carla Cristina Silva Teles Jorge Bilenky Vítor Saturi Reis Professor Ms Orivaldo Donzelli Resumo O varejo vem assumindo uma importância crescente no âmbito dos

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

LOGÍSTICA DE MERCADO

LOGÍSTICA DE MERCADO LOGÍSTICA DE MERCADO SILVA, Adriano Pereira KAWAKITA, Gerson M. SILVA, Natália Heloísa RASQUEL, Stefano Adriano Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais (FAEG/ACEG)

Leia mais

Capa VERÃO 30 n SuperVarejo novembro 2009

Capa VERÃO 30 n SuperVarejo novembro 2009 30 n SuperVarejo novembro 2009 Protetores solares, bronzeadores e cremes para pele e cabelo vão garantir o faturamento do verão na categoria higiene e beleza >> Rogério Gatti > rgatti@supervarejo.com.br

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima O Papel Estratégico e Estratégia de Produção

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima O Papel Estratégico e Estratégia de Produção Gestão da Produção e Operações Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima O Papel Estratégico e Estratégia de Produção Objetivos Discutir o papel da função produção nos planos estratégicos da organização e analisar

Leia mais

UM MERCADO EM CRESCIMENTO CONHEÇA AS OPORTUNIDADES E COMO PARTICIPAR

UM MERCADO EM CRESCIMENTO CONHEÇA AS OPORTUNIDADES E COMO PARTICIPAR FOOD SERVICE UM MERCADO EM CRESCIMENTO CONHEÇA AS OPORTUNIDADES E COMO PARTICIPAR I-INTRODUÇÃO AO MERCADO DE FOOD SERVICE INTRODUÇÃO Mercado que envolve toda a cadeia de produção e distribuição de alimentos,

Leia mais

Lavanderia Primavera: um estudo de caso de uma marca de sucesso 1

Lavanderia Primavera: um estudo de caso de uma marca de sucesso 1 Lavanderia Primavera: um estudo de caso de uma marca de sucesso 1 Diego Pereira de MELO 2 Flávio Mendes FEITOSA 3 Gustavo dos Santos FERNANDES 4 Faculdade de Ciências Educacionais e Empresariais de Natal

Leia mais

Especialização em Marketing Digital - NOVO

Especialização em Marketing Digital - NOVO Especialização em Marketing Digital - NOVO Apresentação Previsão de Início Agosto/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O ambiente de negócios tem sido modificado pelas Novas Tecnologias da

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

4. Função Marketing e Vendas

4. Função Marketing e Vendas 4. Função Marketing e Vendas Conteúdo 1. Conceitos de Marketing 2. Principais atividades do Marketing na Empresa 3. Evolução do Marketing 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista Plano de Ensino Disciplina: INTRODUÇÃO AO MARKETING Código: Série: 1º Obrigatória (X) Optativa ( ) CH Teórica: CH Prática: CH Total: 80 horas Período Letivo: 2015 Obs: Objetivos O objetivo da disciplina

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Introdução à pesquisa em Marketing. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Introdução à pesquisa em Marketing. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Introdução à pesquisa em Marketing Professor: Roberto César Pesquisa de marketing no Brasil e no mundo A pesquisa de marketing, apesar de ser um negócio crescente no Brasil,

Leia mais

COMO VENDER. A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição

COMO VENDER. A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição BP COMO VENDER A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição PRODUTOS EDUCACIONAIS MULTIVERSO Avenida Batel, 1750 Batel CEP 80420-090 Curitiba/PR Fone: (41) 4062-5554 Editor:

Leia mais

PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING César Augusto de Albuquerque ARAÚJO (1) (1) Instituto Federal do Maranhão (IFMA/Campus-Buriticupu), Rua Dep.Gastão Vieira, 1000-Vila Mansueto; Buriticupu-MA;

Leia mais

O Super Nosso surgiu em novembro de 1998 com a primeira loja no bairro Buritis, conta hoje com 11 lojas, na região metropolitana de Belo Horizonte.

O Super Nosso surgiu em novembro de 1998 com a primeira loja no bairro Buritis, conta hoje com 11 lojas, na região metropolitana de Belo Horizonte. O GRUPO ALIANÇA tem como visão, ser o melhor distribuidor de produtos de consumo industrializados de Minas Gerais, no canal alimentar e nos diferentes segmentos que atua. NOMES FANTASIAS: Previsão de faturamento

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

F.Market Business & Consulting. Escola do Varejo

F.Market Business & Consulting. Escola do Varejo F.Market Business & Consulting Escola do Varejo Programa de Educação Continuada cujo objetivo é oportunizar conhecimentos e experiências aos participantes nas principais demandas do comércio varejista

Leia mais

Caso Armazéns Global

Caso Armazéns Global Fonte: Google imagens Caso Armazéns Global Docente: Professor Doutor Fernando Gaspar Disciplina: Distribuição Discentes: Ivo Vieira nº 080127020 Nuno Carreira nº 080127009 João Franco nº 080127034 Edgar

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio

O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Planeje suas vendas O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Consultorias Palestras SEBRAE Mais Programas setoriais Palestras Trilha de aprendizagem empresarial EAD Na Medida Cursos SEI E muito

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

Tendências de consumo. Empresas correm atrás de informações que lhes permitam atualizar-se para conquistar os seus clientes.

Tendências de consumo. Empresas correm atrás de informações que lhes permitam atualizar-se para conquistar os seus clientes. Empresas correm atrás de informações que lhes permitam atualizar-se para conquistar os seus clientes Por Adriana Bruno Tendências de consumo Fotolia 98 www.revistadistribuicao.com.br ago 2014 No ano passado,

Leia mais

Estratégias de marketing digital como diferencial competitivo para pequenas empresas

Estratégias de marketing digital como diferencial competitivo para pequenas empresas IX WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 15 e 16 de outubro de 2014 Estratégias Globais e Sistemas Produtivos Brasileiros ISSN: 2175-1897 Estratégias de marketing digital

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

O MERCADO E PERSPECTIVAS

O MERCADO E PERSPECTIVAS Sell Book O MERCADO E PERSPECTIVAS MERCADO E PERSPECTIVA BRASIL VAREJO FRANQUIAS PIB: projeção de 3% para 2013; Desemprego em baixa (inferior a 6% em 2013); Crescimento do consumo da classe média; Aumento

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Logística no Ponto de Venda (PDV)

Logística no Ponto de Venda (PDV) Logística no Ponto de Venda (PDV) Pesquisa: Percepção do Varejo em Relação às Ações Promocionais Maio de 2005 Objetivo: Avaliar o impacto dos vários tipos de promoções praticadas em supermercados junto

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio

O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Aumente suas vendas O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Consultorias Palestras SEBRAE Mais Programas setoriais Palestras Trilha de aprendizagem empresarial EAD Na Medida Cursos SEI E muito

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: merchandising; varejo; conhecimento.

PALAVRAS-CHAVE: merchandising; varejo; conhecimento. AVALIAÇÃO DO MERCHANDISING NO VAREJO FARMACÊUTICO DE TOLEDO - PR TEGONNI, Anderson Richard 1 CREPALLI, David Ricardo 2 RESUMO: Este trabalho tem como principal objetivo averiguar o conhecimento sobre estratégias

Leia mais

Administração Mercadológica I

Administração Mercadológica I Administração Mercadológica I O preço também informa ao mercado o posicionamento de valor pretendido pela empresa para seu produto ou marca. Um produto bem desenvolvido e comercializado pode cobrar um

Leia mais

Ambiente externo à empresa. Resumo

Ambiente externo à empresa. Resumo Ambiente externo à empresa Fábio Bruno Tavares de Sousa 1 1) Fábio Sousa fabiobtsousa@gmail.com Resumo O ambiente empresarial é bastante complexo. Na actualidade, é imprescindível avaliar o comportamento

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em MARKETING

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em MARKETING PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL com ênfase em MARKETING SIGA: TMBAGE Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS AO QUINTO SEMESTRE!!! 2 Nossos encontros AULÃO 3 Materiais da aula www.admvital.com/aulas 4 Critérios AV I: Redação Critérios AV I: Redação Serão descontados pontos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MARCAS PRÓPRIAS NO BRASIL. a experiência do Grupo Pão de Açúcar (Companhia Brasileira de Distribuição)

DESENVOLVIMENTO DE MARCAS PRÓPRIAS NO BRASIL. a experiência do Grupo Pão de Açúcar (Companhia Brasileira de Distribuição) Central de Cases DESENVOLVIMENTO DE MARCAS PRÓPRIAS NO BRASIL a experiência do Grupo Pão de Açúcar (Companhia Brasileira de Distribuição) www.espm.br/centraldecases Central de Cases DESENVOLVIMENTO DE

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado Plano de Direcionamento Conhecimento de Mercado Conhecimento de Mercado É necessário conhecer o mercado para que sejam desenvolvidos produtos que atendam as necessidades e expectativas dos clientes. Segmentação

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 6 PLANO DE NEGÓCIOS (PN): UMA VISÃO GERAL - O QUE É E PARA QUE SERVE? Plano de negócios (do inglês business plan), também chamado plano empresarial, é um documento que especifica, em linguagem

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

in light eletro house supri shop linea domus outdoor living & garden

in light eletro house supri shop linea domus outdoor living & garden utility house in domus eletro house in light linea domus supri shop outdoor living & garden FEIRA PROFISSIONAL Reunir em um mesmo local e momento investidores e mercado-alvo, formando um ambiente de negócios

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Sistema de Informação Sistemas de Informação em Negócios e SIG Francisco Rodrigues Sistemas de Informação em Negócios Ajudam os funcionários na execução das tarefas, principalmente

Leia mais

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail. Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.com Papéis fundamentais dos SI Os SI desempenham 3 papéis vitais em

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais