DECISÕES ESTRATÉGICAS DE CANAL DE DISTRIBUIÇÃO: Diretrizes para o lançamento do City Clean Poo Bag

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DECISÕES ESTRATÉGICAS DE CANAL DE DISTRIBUIÇÃO: Diretrizes para o lançamento do City Clean Poo Bag"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CÁTIA TAÍS MIRA DECISÕES ESTRATÉGICAS DE CANAL DE DISTRIBUIÇÃO: Diretrizes para o lançamento do City Clean Poo Bag Balneário Camboriú 2010

2 1 CÁTIA TAÍS MIRA DECISÕES ESTRATÉGICAS DE CANAL DE DISTRIBUIÇÃO: Diretrizes para o lançamento do City Clean Poo Bag Monografia apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Administração com habilitação em Marketing pela Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Educação Balneário Camboriú. Orientador: Prof. MSc. Carlos Marcelo Ardigó Balneário Camboriú 2010

3 2 CÁTIA TAÍS MIRA DECISÕES ESTRATÉGICAS DE CANAL DE DISTRIBUIÇÃO: Diretrizes para o lançamento do City Clean Poo Bag Esta monografia foi julgada adequada para obtenção do título de Bacharel em Administração com habilitação em Marketing e aprovada pela Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Educação Balneário Camboriú. Área de concentração: Marketing Balneário Camboriú, 18 de Novembro de Prof. MSc. Carlos Marcelo Ardigó UNIVALI CE de Balneário Camboriú Orientador Prof. MSc. Manuel Carlos Pinheiro da Gama UNIVALI CE de Balneário Camboriú Membro Prof. MSc. Márcio Daniel Kiesel UNIVALI CE de Balneário Camboriú Membro

4 3 EQUIPE TÉCNICA Estagiário(a): Cátia Taís Mira Área de Estágio: Marketing Professor Responsável pelos Estágios: Lorena Schröder Supervisor da Empresa: Jazielson Fidelis da Silva Professor(a) orientador(a): Carlos Marcelo Ardigó

5 4 DADOS DA EMPRESA Razão Social: City Clean Artigos para Animais Ltda. Endereço: Rua João Moraes, nº 240, Centro Camboriú / SC Setor de Desenvolvimento do Estágio: Duração do Estágio: 240 horas Nome e Cargo do Supervisor da Empresa: Jazielson Fidelis da Silva Sócio Proprietário Carimbo do CNPJ da Empresa:

6 5 AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA Balneário Camboriú, 18 de Novembro de A Empresa City Clean Comércio de Artigos para Animais Ltda, pelo presente instrumento, autoriza a Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, a divulgar os dados do Relatório de Conclusão de Estágio executado durante o Estágio Curricular Obrigatório, pela acadêmica Cátia Taís Mira. Responsável pela Empresa

7 6. A coisa mais bela que podemos experimentar é o mistério. Essa é a fonte de toda a arte e ciências verdadeiras. Albert Einstein

8 7 DEDICATÓRIA Dedico esta monografia ao meu marido e filha, que ao longo dos anos de estudo sempre estiveram presentes e souberam administrar o tempo e o lar enquanto eu me fiz ausente em busca de conhecimento e formação acadêmica.

9 8 AGRADECIMENTOS Ao Professor Carlos Marcelo Ardigó pela sua orientação e seu apoio para a elaboração desta Monografia. Aos Professores Manoel da Gama e Márcio Daniel Kiesel pelas excelentes contribuições dadas ao longo do curso. À Coordenação do curso pela presença constante em todos os momentos. Ao meu marido Jazielson Fidelis da Silva pelo apoio oferecido. Á minha filha Manoella Fidelis da Silva pela compreensão de minha ausência. Aos meus pais Carlos e Terezinha Mira pela educação e formação de meu caráter. Aos meus colegas de curso Amanda Cassaniga, André Makoto Kamikihara, Carlos Vinícius Messina, Daniele Pires, Guilherme Vieira da Cunha e Ismael Izaac Zunino pela parceria e amizade.

10 9 RESUMO Em um contexto socioeconômico cuja evolução é constante, as organizações necessitam de estratégias que as diferenciem umas das outras. Em busca do diferencial competitivo e melhor posicionamento de mercado, o marketing surge com ferramentas para auxiliar em uma gestão mais eficaz. Por meio do composto mercadológico é possível entender a situação do mercado para então atendê-lo de forma mais completa, lucrativa e satisfatória. As decisões de canal de distribuição fazem parte deste composto e exercem um importante papel na abordagem do mercado, pelo motivo de que proporcionam os meios pelos quais os produtos e serviços alcançaram os usuários finais. Diante dessa importância, este estudo teve como objetivo definir o arranjo (Design) de canal de distribuição, sob a ótica do marketing, mais indicado na etapa de lançamento do City Clean Poo Bag. Para alcançá-lo, os objetivos específicos traçados foram analisar as necessidades do consumidor final e do varejista do setor pet, estabelecer os objetivos e limitações do canal, identificar as principais alternativas de canal e, por fim, avaliar as principais alternativas de canal. A metodologia utilizada apresentou caráter exploratório e descritivo, com abordagem qualitativa e quantitativa, seguindo como procedimentos de pesquisa diagnóstico e a de levantamento. A pesquisa foi realizada em quatro cidades catarinenses do Vale do Itajaí, nas quais se buscou identificar as necessidades do consumidor final e do varejista do setor pet. No varejo do segmento foram entrevistados oitenta varejistas enquanto que no mercado final, foram aplicados trezentos e noventa e três questionários a proprietários de cães. Os resultados do estudo permitiram traçar uma estratégia de distribuição baseada em um sistema multicanal, o qual foi desenhado de acordo com as necessidades do perfil de cada cidade em questão. Palavras-chaves: Marketing, Composto Mercadológico, Canais de Distribuição.

11 10 ABSTRACT In a socioeconomic context in which the evolution is constant, companies need strategies to differentiate from others. The marketing emerges with tools to support more effective management, looking for competitive advantages and better market positioning. The marketing mix is used to better understand the market and then meet its requirements in a complete, lucrative and satisfactory way. The decisions about distribution channels are part of this mix and represent an important role in market approach, because they are the way that products and services achieve consumers. Considering this importance, the objective of this study was to define the best design of distribution channel for the launching of City Clean Poo Bag. To achieve it, it has been traced specific goals: analyze consumer and retailers needs, establish channel objectives and limitations, identify the main channel alternatives, and evaluate these alternatives. The research methodology used was exploratory and descriptive, with both qualitative and quantitative approaches, and diagnostic and survey procedures. The research was conducted in four cities in Santa Catarina state, in the region of Itajai Valley, in which was looked for consumers and retailers needs in pet market. It had been done eighty interviews with retailers and applied three hundred, ninety three questionnaires with dog owners. The results allow to trace a distribution strategy based in a multichannel system, designed according to the needs of each city studied. Key words: marketing, marketing mix, distribution channels.

12 11 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Coletor de fezes Figura 2: Composto de marketing com as suas subdivisões Figura 3: Variáveis estratégicas do marketing mix com a variável distribuição subdividida pelos componentes de canal e logística Figura 4: Canais de Marketing para produtos de consumo Figura 5: Canais para produtos industriais Figura 6: Relação entre proximidade do canal e intensidade de distribuição Figura 7: Tipos de sistemas verticais de marketing Figura 8: Tipos de conflito de canal Figura 9: Gráfico do ponto de equilíbrio para escolha entre a força de vendas da empresa e o representante de vendas do fabricante Figura 10: Vendas e lucros durante a vida do produto, da introdução ao declínio Figura 11: Adoção e difusão do processo de inovação Figura 12: Desenho de canal para atendimento direto ao consumidor local Figura 13: Configuração do canal direto Figura 14: Configuração do canal com intermediários abastecidos por força de vendas do fabricante Figura 15: Desenho de sistema multicanal para maior área de cobertura

13 12 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1: Hábitos de passeio Gráfico 2: Intenção de passeio Gráfico 3: Intensidade de saídas Gráfico 4: Frequencia com que os cães defecam durante os passeios Gráfico 5: Hábito de coleta das fezes animais Gráfico 6: Materiais utilizados para a coleta das fezes Gráfico 7: Conhecimento sobre coletores fecais Gráfico 8: Intenção de compra dos coletores fecais Gráfico 9: Estabelecimentos sugeridos para comercialização dos coletores Gráfico10: Sugestão de venda dos coletores fecais Gráfico11: Previsão de compra dos coletores fecais... 89

14 13 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Registros da empresa junto ao INPI Quadro 2: Formas de concorrência de mercado Quadro 3: Categoria de adotantes e sua representatividade quanto ao potencial de mercado Quadro 4: Número de estabelecimentos entrevistados em cada cidade Quadro 5: Percepção do varejista do setor em relação ao perfil dos clientes em Balneário Camboriú Quadro 6: Percepção do varejista do setor em relação ao perfil dos clientes em Camboriú Quadro 7: Percepção do varejista do setor em relação ao perfil dos clientes em Itajaí Quadro 8: Percepção do varejista do setor em relação ao perfil dos clientes em Itapema Quadro 9: Alternativas de distribuição que se enquadram no varejo com loja para produtos do mercado pet Quadro 10: Distribuidores do estado de Santa Catarina por cidade Quadro 11: Resumo da avaliação das alternativas de canais de distribuição

15 14 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Apresentação de população e proporção de questionários aplicados em pesquisa Tabela 2: Movimentação anual do mercado pet com referência no ano

16 15 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Problema de pesquisa Objetivos da pesquisa Justificativa da pesquisa Contextualização do ambiente de estágio... Organização do trabalho FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Marketing - conceitos centrais e evolução Administração de marketing Composto mercadológico Canais de distribuição Definições e funções Estrutura de canal Dinâmica dos canais e as diferentes formatações Canal de marketing como um sistema social Decisões estratégicas do projeto de canal Gerenciamento do projeto de canal Ciclo de vida do produto e as decisões de canal Etapa de introdução do produto Etapa de crescimento Etapa de maturidade Etapa de declínio A quinta fase adicional o desenvolvimento do produto O processo de difusão de inovação (estágio de introdução) e o canal de distribuição METODOLOGIA CIENTÍFICA Tipologia de pesquisa Sujeito do estudo Instrumentos de pesquisa... 74

17 Análise e apresentação dos dados Limitações da pesquisa RESULTADOS DA PESQUISA Análise das necessidades do consumidor final e do varejista do setor pet Análise das necessidades do consumidor final Análise das necessidades do varejista do setor pet Descrição dos objetivos e limitações do canal... Apresentação das principais alternativas de canal Avaliação das principais alternativas de canal Apresentação da proposta ao estabelecimento de arranjo de canal (design) para o City Clean Poo Bag CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES

18 17 1 INTRODUÇÃO No atual contexto socioeconômico, a competitividade emerge e traz consigo inúmeros fatores positivos para diversas áreas impactando na informação, na comunicação, nas ciências entre inúmeros outros campos, porém, também apresenta alguns fatores negativos, principalmente no sentido psicológico e emocional do ser humano. Diante da constante evolução, com o propósito de se adaptarem as novas exigências, as organizações passam a exigir alto desempenho de seus colaboradores e apresentam cada vez mais rotinas que requerem alta agilidade mental e/ou física dos mesmos. Em contrapartida, muitas vezes os sentimentos e as emoções destes acabam sendo atingidas pela carência afetiva e a solidão. Essas carências, por sua vez, acabam gerando necessidades de companhia e estímulos sociais, as quais vêem sendo preenchidas em muitos casos por animais de estimação. Muitos são os episódios em que as pessoas divorciam-se ou moram longe de suas famílias, outros que optam por não ter filhos ou quando os tiveram, os mesmos já saíram de casa. Para preencher estes vazios os animais passaram a suprir de alguma forma esta lacuna emocional. Destas necessidades, surgiu um fenômeno mercadológico e social - o mercado pet. Este inclui uma proposta além do fornecimento de alimentação para os animais, oferecendo para os seus animaizinhos saúde, estética e moda. Caracteristicamente, essas lojas são especializadas em oferecer produtos e serviços para animais de pequeno e médio porte. O Brasil é o segundo no ranking de consumo de produtos para pets, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. De acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Alimentos para Animais de Estimação (ANFALPET) o país possui cerca de 29,7 milhões de cães e conta com no mínimo 100 mil pontos de venda de produtos direcionados aos animais de estimação, sendo que deste total 40 mil são pet shops. É um mercado que movimenta anualmente R$ 9 bilhões no país. (ANFALPET, 2009). Os impactos desta grande população presente neste mercado com potencial atraente, também podem ser negativos e apresenta algumas preocupações dignas de atenção. Um dos problemas causados pela concentração de cães em território urbano está na transmissão de doenças por meio da contaminação com as fezes

19 18 dos animais. São inúmeros os parasitas que os cães podem eliminar ao evacuar, e que em contato com a pele humana podem desenvolver doenças infecciosas. Uma das doenças transmissíveis pelas fezes dos cães é a Ancylostoma Caninum, também conhecida como Larva Migrans, popular bicho geográfico. Outro parasita que pode desenvolver uma doença no ser humano por meio do contato com os dejetos fecais dos animais, é a toxoplasmose. A mesma é uma doença infecciosa, congênita ou adquirida, causada pelo protozoário toxoplasma gondii, muito freqüente em mamíferos (NEVES, 1998). Para tais doenças existem tratamentos específicos, contudo o ideal é a prevenção. Analisados alguns riscos de contaminação e contágio de algumas parasitoses, salienta-se a importância de recolher as fezes dos cães quando estes defecam em vias urbanas. Surge, portanto, uma necessidade e consequentemente uma oportunidade. 1.1 Tema de pesquisa Observado a importância do setor, as oportunidades que surgem dessa realidade são muitas e, o mais importante, estas poderão ser maximizadas pelas organizações interessadas neste segmento, por meio de uma ferramenta e área de conhecimento muito significante, o marketing. Marketing de acordo com Kotler (2000, p. 30) é definido como a arte e a ciência da escolha de mercados-alvo e da captação, manutenção e fidelização de clientes por meio da criação, da entrega e da comunicação de um valor superior para o cliente. Segundo o American Marketing Association (AMA), marketing é uma atividade gerencial e funcional na organização, a qual compreende um conjunto de processos destinados a criação, comunicação, entrega de ofertas que tenham valor para clientes, parceiros e para a sociedade em geral (AMA, 2007). Churchill e Peter (2000, p. 4) observam que a essência do Marketing é o desenvolvimento de trocas em que organizações e clientes participam voluntariamente de transações destinadas a trazer benefícios para ambos. As trocas voluntárias entre organizações e clientes ocorrem em todos os segmentos, e uma atenção especial está voltada aos benefícios e satisfações, que precisam ser

20 19 observados a fim de garantir a fidelização dos consumidores dos produtos e ou serviços. A partir destas definições, visando trocas que beneficiam ambas as partes, inicia-se um processo de identificação das fases e etapas pelas quais os produtos ou serviços serão submetidos até chegar ao objetivo singular que é o cliente. Uma destas etapas a ser estudada é o canal de distribuição. Rosenbloom (2002, p. 27) define canal de marketing como: a organização contatual externa que a administração opera para alcançar seus objetivos de distribuição. Nesta proposta, define-se como tema de pesquisa o canal de marketing, implícito a área de marketing, analisando as possibilidades estratégicas de canal de distribuição que melhor se adaptem para lançar no mercado o produto City Clean Poo Bag (Coletor de fezes de cachorros) no mercado pet. 1.2 Problema de pesquisa Tendo em vista o produto City Clean Poo Bag, que passa a existir no mercado como uma opção sustentável e atrativa para coleta das fezes dos animais, mantendo a cidade limpa e colaborando para a redução de algumas doenças, surge consequentemente uma preocupação para a empresa resumida na seguinte indecisão: como distribuí-lo. A partir disto, define-se neste estudo a seguinte questão problema: qual o arranjo (Design) de canal de distribuição, sob ótica do marketing, é mais indicado na etapa de lançamento do City Clean Poo Bag, para alcançar o maior número de consumidores finais no mercado pet? 1.3 Objetivos de pesquisa Descrito o problema de pesquisa anteriormente, segue o objetivo geral e os objetivos específicos que direcionam o desenvolvimento desta pesquisa.

21 Objetivo geral Definir o arranjo (Design) de canal de distribuição, sob a ótica do marketing, mais indicado na etapa de lançamento do City Clean Poo Bag, para alcançar o maior número de consumidores finais no mercado pet Objetivos Específicos Analisar as necessidades do consumidor final e do varejista do setor pet; Estabelecer os objetivos e limitações do canal; Identificar as principais alternativas de canal; Avaliar as principais alternativas de canal. 1.4 Justificativa de pesquisa Um trabalho desta natureza deve ter sua justificativa pautada para todos os envolvidos. A pesquisa elaborada para identificação do canal de distribuição mais indicado na etapa de lançamento do City Clean Poo Bag, para alcançar o maior número de consumidores finais no mercado pet vai de encontro a isso e tem sua importância duplamente justificada, pessoal e organizacional. No âmbito pessoal, pelo fato da acadêmica ser sócia proprietária, há um interesse muito significativo em identificar de que forma o produto conseguirá conquistar o mercado gerando a necessidade pelo uso do mesmo. A ideia a compreender o consumidor e suprir a satisfação superando as expectativas, chegando a ser referencia no que se tratar deste utilitário. Como organização, a importância vai além da auto realização e decisão empreendedora, para a empresa, descobrir qual é o modelo de canal de distribuição mais indicado na etapa de lançamento do City Clean Poo Bag, é sinônimo de estratégia, reconhecimento no mercado pet, fortalecimento da marca, redução de custos e consequentemente maximização de resultados. De acordo com Rosembloom (2002, p. 29) como uma das grandes áreas estratégicas da administração mercadológica, a estratégia de canal de marketing encaixa-se na variável distribuição do composto mercadológico. Pode-se então

22 21 entender que por meio do canal de distribuição adequado, as outras áreas do composto mercadológico serão supridas e estarão em sincronia, gerando melhores resultados. Por estas duas visões, pessoal e organizacional, tem-se a importância do desenvolvimento de estudos baseados em canais de distribuição. 1.5 Contextualização do ambiente de estágio A City Clean Comércio de Produtos para Animais Ltda é uma empresa catarinense, fundada em Agosto de Um de seus sócios proprietários sempre teve um sonho, o de ter um produto de sua criação no mercado á disposição dos consumidores. A princípio não havia um produto específico tampouco uma idéia sobre segmento ou mercado-alvo que este produto deveria alcançar. Em uma noite, ao assistir um documentário sobre os cuidados com os animais de estimação em países de 1º mundo, teve sua criatividade despertada e direcionou suas forças para o processo de criação e inovação. Por muitos dias trabalhou em cima de suas idéias e então, após muitas tentativas, nascia um protótipo de um coletor para fezes animais. O produto trata-se de um pequeno pacote de papel com duas abas que recolhem as fezes sem que haja contato das mãos com o volume fecal (Figura 1). Utilizando o City Clean Poo Bag, o portador do animal não sente o volume, a temperatura nem a consistência dos excrementos. Além da praticidade e conforto está a visão de sustentabilidade, pois o produto é confeccionado com material totalmente biodegradável. Por meio de uma contabilidade iniciou o processo de abertura da empresa. Em seguida, contratou uma agência de publicidade e propaganda para desenvolver layout, marca e tudo o que diz respeito á comunicação visual do produto, o que posteriormente lhe permitiu o registro da marca e a patente de sua invenção. Contudo, a empresa ainda é um conceito, pois não iniciou o exercício de suas atividades tendo em vista seu produto estar em fase de produção para então ser lançado no mercado. Mesmo sendo um conceito, os investimentos realizados em planejamento e desenvolvimento são significativos. Foram realizados inúmeros testes com diversas

23 22 gramaturas de papel até chegar a um com resistência satisfatória. Além disso, ocorreu a criação de protótipos com diferentes tamanhos de abas até obter o tamanho ideal que atenda cães de pequeno e médio porte, sem que haja a necessidade de produção em tamanhos diferenciados pelo porte do animal. Figura 1: Coletor de fezes. Fonte: Dados da empresa. Foram realizados investimentos em marca junto ao Instituto Nacional de Propriedade Individual INPI, por meio de um órgão autorizado para tal atividade. Também referente á marca e posicionamento de mercado, considera-se o investimento em promoção, comunicação visual, publicidade e propaganda. Os números dos registros junto ao INPI estão descritos no Quadro 1. Tipo de Inscrição Número do Processo Procurador Base de Marcas Rogério de Souza Pedido de Patente MU U2 Rogério de Souza Quadro 1: Registros da empresa junto ao INPI Fonte: Dados da empresa

24 Organização do trabalho O presente trabalho está organizado em cinco capítulos seguidos pelas referências e apêndices. No primeiro capítulo apresenta-se a introdução sobre o que o assunto que o trabalho irá discorrer, bem como tema e problema de pesquisa, objetivo geral e objetivos específicos, justificativa de pesquisa e contextualização do estágio. No capítulo seguinte está a fundamentação teórica abordando os conceitos ligados ao assunto principal. Nesta etapa estão referenciados diversos autores reconhecidos nacional e internacionalmente juntamente com suas colaborações enriquecedoras para a academia e para a sociedade. Ao adentrar o terceiro capítulo é apresentada a metodologia de estudo, incluindo a tipologia de pesquisa, sujeito de estudo, instrumento de pesquisa, análise e apresentação dos dados e, por fim, as limitações da pesquisa. O quarto capítulo compreende a apresentação dos resultados da pesquisa, a qual expõe cada objetivo especifico e os resultados a eles atribuídos. Também neste capítulo é apresentada a proposta para solucionar o problema de pesquisa identificado. Nesta fase o trabalho passa a ser entendido como parte prática que complementou a fundamentação teórica já embasada. No quinto capítulo estão as considerações finais relacionadas ao estudo proposto, evidenciando de forma conclusiva os principais resultados obtidos do estudo. Além disso, destaca-se sua importância para a acadêmica, para a empresa na qual se desenvolveu o estágio, para a universidade e a sociedade. Em seguida estão as referências das literaturas utilizadas e seus respectivos autores bem como as demais fontes bibliográficas. Enfim, estão os apêndices desenvolvidos e utilizados durante o estudo.

25 24 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A presente fundamentação teórica descreve conceitos centrais de Marketing, Administração de Marketing, Composto de Marketing e suas variáveis com maior profundidade sobre Canais de distribuição, suas funções, atribuições, finalidades entre outros aspectos. Os conceitos apresentados são fundamentados por autores de reconhecimento na literatura acadêmica nacional e internacional, tais como Rosembloom (2002), Kotler e Armstrong (2000), Kotler e Keller (2006), Churchill e Peter (2000), Crocco et al (2006), Dias (2004), Keegan (2005), Hair, Lamb e McDaniel (2004), Moore e Parek (2008), Urdan e Urdan (2006) entre outros. 2.1 Marketing - conceitos centrais e evolução Observa-se na história das organizações, uma evolução muito significativa, com mudanças em inúmeras áreas, em busca do aperfeiçoamento de processos visando o crescimento e em grande parte das organizações objetivando a lucratividade. Em 1950, de acordo com Las Casas (1997), houve uma percepção por parte dos empresários, quando estes passaram a perceber que nem tudo o que produziam ou vendiam poderia ser empurrado para o mercado a partir de um esforço agressivo de comunicação e vendas. O foco começava a ser modificado, iniciava-se a era do Marketing. A partir desta percepção o mais importante era conquistar e manter negócios no longo prazo, criando um relacionamento com a clientela. Surgia então uma preocupação em constatar os desejos e necessidades do consumidor para então atendê-los. Falava-se de Marketing e de estabelecer trocas que pudessem satisfazer as necessidades das partes envolvidas. Em marketing, conforme Lamb, Hair e McDaniel (2004, p. 6) o termo-chave para sua definição é troca. A troca é consideravelmente algo simples, é a atitude de uma pessoa ofertar algo que possui em troca daquilo a que prefere. É importante salientar que trocas não são sinônimos de entrega de valores monetários em contrapartida, todo valor monetário é resultado de uma troca. De acordo com Crocco et al. (2006, p. 75) as motivações são estímulos que manifestam emoções e impulsionam os indivíduos para as atitudes e tomadas de

26 25 decisão. As necessidades e desejos são satisfeitas mediante a aquisição de produtos e serviços, cuja compra pode ser impulsionada por uma necessidade fisiológica (alimentação, abrigo, vestuário), por necessidade de segurança (segurança física pessoal, segurança financeira, saúde e bem-estar), necessidades sociais (amizade, família, convívio social), necessidade de estima (auto-estima, confiança, conquista) ou ainda necessidades de auto-realização (moralidade, espontaneidade, criatividade). Segundo o autor, as motivações, emoções, desejos, ambições, são determinados por cada sujeito diante da importância dada ás suas capacidades pessoais. Algumas variáveis sociológicas e psicossociológicas que influenciam no comportamento do consumidor, como grupos de referência, família, classes sociais, cultura e microcultura. Com base nestas motivações ao consumo, seguindo a Hierarquia das Necessidades de Maslow, as empresas procuram produzir bens e serviços que atendam ao público-alvo. Nota-se que há uma mudança no enfoque, não mais somente no produto e sim no sentimento de que a aquisição ou uso deste proporciona aos consumidores, direcionando essas percepções a ponto de garantir os objetivos e metas propostas nas organizações, avaliando também o resultado deste ciclo perante a sociedade. Nesta visão de entendimento da cadeia social, encontra-se uma definição de McCarthy e Perreault (1997, p. 22) que estabelecem o marketing como um conjunto de atividades desempenhadas por organizações e também um processo social. Nesta mesma linha, Christensen e Rocha (1999) mencionam que o marketing é, entre outras, uma função social, tendo um processo que atende as necessidades e desejos do consumidor por meio de oferta e da demanda. Uma conotação dinâmica ligando a atividade e a organização aos aspectos sociais também é abordada Las Casas (1997), que define marketing como: [...] a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de trocas, orientadas para a satisfação dos desejos e necessidades dos consumidores, visando alcançar determinados objetivos de empresas ou indivíduos e considerando sempre o meio ambiente de atuação e o impacto que essas relações causam no bem-estar da sociedade (LAS CASAS, 1997, p. 26).

27 26 As empresas no contexto contemporâneo são desafiadas a ampliar a visão, saindo da zona de conforto que era apenas o produto, e passando a estudar o comportamento do consumidor como base para então afiançar o conceito de seus produtos e serviços gerando o sucesso e o retorno financeiro para a empresa. Mas isso apenas já não basta mais. Como visto, o foco passou a ser mais abrangente. A última definição do AMA também apresenta essa mudança de foco identificando o marketing como uma atividade gerencial e funcional na organização, a qual compreende um conjunto de processos destinados a criação, comunicação, entrega de ofertas que tenham valor para clientes, parceiros e para a sociedade em geral (AMA, 2007). Não basta apenas satisfazer as necessidades dos consumidores, esta solução precisa vir com consciência social e ambiental. Uma importante e clássica definição que aborda a mudança no enfoque do marketing é definida por Kotler e Keller (2006, p. 39) quando afirmam que o marketing holístico integra as atividades de exploração de valor, criação de valor e entrega de valor coma finalidade de construir relacionamentos de longo prazo mutuamente satisfatórios e prósperos entre os principais interessados. Esta proposta identifica a importância não apenas da relação de satisfação das necessidades e desejos, mas da preocupação em desenvolver uma relação em longo prazo. Em uma visão holística do marketing, conforme Kotler e Keller (2006) existem uma estrutura que busca tratar três questões básicas: exploração, criação e entrega de valor. No processo de exploração as empresas buscam descobrir como identificar novas oportunidades de valor. Na etapa de criação está o questionamento de como a empresa pode criar de forma eficiente ofertas de valor mais promissoras. No nível de entrega de valor, o objetivo é saber como utilizar as capacidades e toda a infraestrutura para entregar as novas ofertas de valor com maior eficiência. O marketing holístico tem uma grande importância para o desenvolvimento de estratégias e planos de marketing, contudo é muito mais uma bandeira de orientação, ou seja, uma filosofia que guia as ações da empresa para o mercado e a sociedade como um todo. Mas para que essa orientação possa ser colocada em prática, é necessário gerenciar sua aplicação, ou seja, a administração de marketing.

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Logística e Distribuição

Logística e Distribuição Logística e Distribuição 02 Disciplina: LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO Plano de curso PLANO DE CURSO Objetivos Proporcionar aos alunos os conhecimentos básicos sobre logística e distribuição como elemento essencial

Leia mais

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO MRKETING DESENVOLVIMENTO HUMNO MRKETING rte de conquistar e manter clientes. DESENVOLVIMENTO HUMNO É a ciência e a arte de conquistar e manter clientes e desenvolver relacionamentos lucrativos entre eles.

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

Tema Nº 7 Gestão Comercial

Tema Nº 7 Gestão Comercial Tema Nº 7 Gestão Comercial Habilidades a Desenvolver: Identificar as diferenças entre marketing e vendas. Definir as ações de marketing a serem adotadas pela empresa. Estruturar os procedimentos comerciais

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Pesquisa de Marketing

Pesquisa de Marketing Pesquisa de Marketing CONCEITOS INICIAIS Prof. Daciane de Oliveira Silva Fonte: MALHORTA, Naresh K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. MATTAR, Fauze Najib.

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Plano de marketing Um roteiro para a ação

Plano de marketing Um roteiro para a ação Plano de marketing Um roteiro para a ação 1. Planejar, planejar, planejar 2. Planejamento de marketing e plano de marketing 3. Processo de elaboração e roteiro do plano de marketing 4. Detalhamento do

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

APLICABILIDADE DA GESTÃO EM MARKETING DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO NORTE E NOROESTE DO PARANÁ RESUMO

APLICABILIDADE DA GESTÃO EM MARKETING DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO NORTE E NOROESTE DO PARANÁ RESUMO APLICABILIDADE DA GESTÃO EM MARKETING DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO NORTE E NOROESTE DO PARANÁ Pedro Henrique Coelho de Farias - FAFIJAN Marilei Kroll - FAFIJAN Geise Barbosa Correa - FAFIJAN José Antonio

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

Conceito de Marketing

Conceito de Marketing Conceito de Marketing Marketing é uma função organizacional e uma série de processos para a criação, comunicação e entrega de valor para clientes, e para a gerência de relacionamentos com eles de forma

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Objetivo: identificar as variáveis de marketing e os 4 A s; saber da sua utilizaçao

Objetivo: identificar as variáveis de marketing e os 4 A s; saber da sua utilizaçao Objetivo: identificar as variáveis de marketing e os 4 A s; saber da sua utilizaçao 1 Composto de marketing é um conjunto de instrumentos geradores de ações para direcionar a demanda de produtos e realização

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Artigo: O Marketing e o Comportamento do Consumidor.

Artigo: O Marketing e o Comportamento do Consumidor. Artigo: O Marketing e o Comportamento do Consumidor. Carmen Beatriz Miranda Portela PUC/SP MBA EM MARKETING Resumo Este trabalho objetiva apresentar de forma teórica o marketing e o comportamento do consumidor,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Administrando os canais de distribuição (aula 2)

Administrando os canais de distribuição (aula 2) 13 Aula 2/5/2008 Administrando os canais de distribuição (aula 2) 1 Objetivos da aula Explicar como os profissionais de marketing usam canais tradicionais e alternativos. Discutir princípios para selecionar

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

MERCADOS QUESTÃO 3. A Ações como visitar a concorrência para verificar os pontos QUESTÃO 4

MERCADOS QUESTÃO 3. A Ações como visitar a concorrência para verificar os pontos QUESTÃO 4 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Introdução ao Marketing. História do Conceito

Introdução ao Marketing. História do Conceito História do Conceito O termo marketing, de acordo com Cobra (1988, p. 34) é uma expressão anglo-saxônica derivada da palavra mercari, do latim, que significa comércio, ou ato de mercar, comercializar ou

Leia mais

PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING César Augusto de Albuquerque ARAÚJO (1) (1) Instituto Federal do Maranhão (IFMA/Campus-Buriticupu), Rua Dep.Gastão Vieira, 1000-Vila Mansueto; Buriticupu-MA;

Leia mais

e-mail: professor@luisguilherme.adm.br / www.luisguilherme.adm.br FONE: (62) 9607-2031

e-mail: professor@luisguilherme.adm.br / www.luisguilherme.adm.br FONE: (62) 9607-2031 INSTITUTO UNIFICADO DE ENSINO SUPERIOR OBJETIVO - IUESO PLANO DE ENSINO CURSO: Administração PROF. Luis Guilherme Magalhães SÉRIE: 7º e 8º Período TURNO: Matutino DISCIPLINA: Gestão Mercadológica CARGA

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO Bruna Carolina da Cruz Graduando em administração Unisalesiano Lins bruna-estella@hotmail.com Rafael Victor Ostetti da Silva Graduando

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

Consultor em pesquisa de mercado, levantamentos estratégicos de abordagem comportamental do consumidor. Prof. Paulo Barreto

Consultor em pesquisa de mercado, levantamentos estratégicos de abordagem comportamental do consumidor. Prof. Paulo Barreto 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp Clube Graduado em Administração de Empresas Pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios MBA em Negociação Mestrando Administração,

Leia mais

MERCADOLOGIA 2º ANO DE ADMINISTRAÇÃO FARN 2009.1. sc. Prof. Franklin Marcolino de Souza, M.sc. Slide 01

MERCADOLOGIA 2º ANO DE ADMINISTRAÇÃO FARN 2009.1. sc. Prof. Franklin Marcolino de Souza, M.sc. Slide 01 MERCADOLOGIA 2º ANO DE ADMINISTRAÇÃO FARN 2009.1 Prof. Franklin Marcolino de Souza, M.sc sc. Slide 01 O QUE O MARKETING NÃO É? MARKETING NÃO É PROPAGANDA. MARKETING NÃO É VENDAS. MARKETING NÃO É MERAMENTE

Leia mais

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 118 MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Diogo Xavier

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 RESUMO O marketing é uma função da administração que

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 RESUMO: Esse estudo tem como objetivo mostrar a importância da promoção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE CURITIBA ABRIL - 2000 ODILIO SEPULCRI TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

MARKETING NO AGRONEGÓCIO

MARKETING NO AGRONEGÓCIO MARKETING NO AGRONEGÓCIO O QUE VOCÊ ENTENDE DE MARKETING? Marketing é um processo social e gerencial pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam através da criação, oferta e troca de

Leia mais

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA SWOT Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) Forças Oportunidades Fraquezas Ameaças Interno Externo Ajudam Atrapalham

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro Atuamos junto a estes três grupos de empresas, ajudando-os a atender da melhor maneira às necessidades do consumidor 2 Atendemos às necessidades

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado Plano de Direcionamento Conhecimento de Mercado Conhecimento de Mercado É necessário conhecer o mercado para que sejam desenvolvidos produtos que atendam as necessidades e expectativas dos clientes. Segmentação

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

1 O PROBLEMA 1.1 INTRODUÇÃO

1 O PROBLEMA 1.1 INTRODUÇÃO 1 O PROBLEMA 1.1 INTRODUÇÃO Ao analisar-se o mercado imobiliário de apartamentos novos, em particular os lançamentos voltados para a classe média no Município do Rio de Janeiro, observa-se que a indústria

Leia mais

EMPREENDIMENTO COMERCIAL: QUAL O MELHOR CAMINHO A SEGUIR EM SEUS MOMENTOS INICIAIS? RESUMO

EMPREENDIMENTO COMERCIAL: QUAL O MELHOR CAMINHO A SEGUIR EM SEUS MOMENTOS INICIAIS? RESUMO FÁBIO RODRIGO DE ARAÚJO VALOIS Discente do Curso de Ciências Contábeis - UFPA RESUMO Não é de uma hora pra outra que um comerciante abre as portas de seu empreendimento. Se fizer deste modo, com certeza

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais