SEMIÓTICA E CULTURA ORGANIZACIONAL: Estudo multicaso em organizações militares brasileiras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMIÓTICA E CULTURA ORGANIZACIONAL: Estudo multicaso em organizações militares brasileiras"

Transcrição

1 SEMIÓTICA E CULTURA ORGANIZACIONAL: Estudo multicaso em organizações militares brasileiras RESUMO O objetivo deste artigo é identificar quais os valores organizacionais, sob o ponto de vista da semiótica, são os princípios orientadores da vida de organizações militares da Forças Armadas Brasileiras, segundo a percepção de seus integrantes. O estudo tem um delineamento qualiquantitativo (misto) e adapta um instrumento de pesquisa já validado por estudos anteriores (Escala de Valores Organizacionais EVO), para obtenção de resultados construídos através de processo semiótico. O lócus da pesquisa empírica foram organizações militares das Forças Armadas Brasileiras e os resultados apontaram um grupo de valores que caracterizam a cultura organizacional dessas instituições, segundo o universo simbólico dos seus integrantes. PALAVRAS-CHAVES: Semiótica. Cultura Organizacional. Valores Organizacionais. 1 INTRODUÇÃO As profundas modificações sociais que se instalaram nas ultimam décadas, demandaram e ainda demandam modificações igualmente profundas no modo de atuar das organizações. Toda tecnologia que visa um aprimoramento da gestão encontra terreno fértil no ambiente organizacional, destarte toda teoria já publicada a respeito do tema. Atualmente o paradigma da administração tem sido o ser humano, que se constitui a peça fundamental de funcionamento de qualquer organização moderna. Nesse contexto o tema cultura organizacional tem ensejado uma gama de pesquisas que colocam o homem e seu universo simbólico como aspecto importante para a gestão organizacional. Srour ( ) afirma que as representações imaginárias que uma organização cultiva pautam os comportamentos e constituem uma espécie de mapa ou kit de sobrevivência organizacional. O estudo desse universo simbólico, sob o ponto de vista da Semiótica é oportuno e plausível, já que essa ciência tem por objeto, as relações de significâncias das mentes humanas e o universo simbólico que as constituem.

2 1.1 Objetivo O objetivo geral deste estudo é identificar quais valores organizacionais orientam a vida de organizações integrantes das Forças Armadas brasileiras, sob um ponto de vista semiótico, segundo a percepção de seus integrantes? 2. BASE TEÓRICA 2.1 Semiótica Por ter como objeto de estudo os símbolos, a Semiótica pode ser considerada como a ciência dos signos, ou seja, uma teoria geral dos significados incutidos nas idéias de cada signo, que por sua vez tem uma representação subjetiva e peculiar para cada interpretante. Santaella (58) apresenta uma conceituação de signo de onde afirma que, signo é tudo aquilo que proporciona uma relação tripla entre o objeto (fato), interpretante (entendimento que alguém abstrai do fato) e o representâmen (corpo do signo em si). A ilustração 2.1 traz a representação do conceito. Ilustração 2.1: Figura da relação Tripla do Signo. Fonte: Eco, 2007, p. 56, adaptado. Embora seja necessária uma capacidade de abstração considerada alta para o entendimento deste conceito, o fato é que uma vez assimilado esse campo de relações conceituais, ocorre uma modificação no entendimento dos fenômenos aos quais estamos sujeitos, nos permitindo vê-los de ângulos e enfoques nunca antes percebidos e nos levando a diferenciações sutis nas linguagens com as quais vivemos. Santaella apud Peirce (58) alega que:

3 Um signo intenta representar, em parte pelo menos, um objeto que é, portanto, num certo sentido, a causa ou determinação do signo, mesmo se o signo representar seu objeto falsamente. Mas dizer que ele representa seu objeto implica que afete uma mente, de tal modo que, de certa maneira, determine naquela mente algo que é mediatamente devido ao objeto. Essa determinação da qual a causa imediata é o objeto, pode ser chamada de interpretante. [g.n.] Esses conceitos levam ao entendimento de que existe uma relação de causa e efeito em um processo semiótico, sendo que quando uma mente detém o conhecimento do código ao qual determinado signo está intentando representar, seja o objeto concreto ou abstrato, a interpretação desse objeto na mente em questão impulsiona essa mesma mente à ação no sentido de adequar o meio externo aos entendimentos ou idiossincrasias existentes nos conjuntos de signos conhecidos por essa mente. 2.2 Cultura Organizacional Segundo Schein (44-167), o termo cultura deve ser usado para se designar as crenças e os pressupostos básicos compartilhados pelos membros de uma organização, os quais operam inconscientemente e definem a visão que a organização tem de seu ambiente e de si própria. Nesse sentido o autor afirma que cultura organizacional consiste em um padrão de pressupostos básicos que se mostraram eficazes para resolver os problemas de adaptação externa e integração interna, na razão pela qual vão sendo ensinados aos novos membros, passando assim a fazer parte da cultura da organização. Em suma, as organizações são formadas por indivíduos que carregam manifestações culturais que são compartilhadas coletivamente e acham-se impregnadas nas práticas organizacionais que são constituídas por uma série de representações mentais e por um conjunto complexo de saberes dos indivíduos que a compõem.

4 2.3 Valores Organizacionais Gomes (4) apresenta a seguinte conceituação de valores: são os princípios ou qualidades considerados compensadores pela organização, tais como atendimento ao cliente ou inovações no produto, sinceridade ou poder e autoridade compartilhados entre os colegas [...] Segundo Hofstede (21-103), as práticas organizacionais configuram-se a partir dos valores dos fundadores e/ou de figuras significativas que ocupam os escalões hierarquicamente superiores da organização, mas nem todos os membros compartilham tais valores, na medida que não precisam necessariamente externa-los. No entanto, devem adotar as práticas da organização se quiserem fazer parte dela. Desse modo, os valores dos líderes e fundadores indubitavelmente moldam a cultura, porém é por meio das práticas diárias, transmitidas aos membros mediante mecanismos de socialização, que essa cultura afeta seus membros, razão pela qual as percepções compartilhadas de tais práticas constituem a essência da cultura de uma organização. 2.4 Semiótica x Valores Organizacionais (pontos convergentes) Os pressupostos encontrados no referencial teórico apontam para uma congruência entre os processos semióticos e aqueles processos determinantes da cultura como um todo e da cultura organizacional especificamente. Com base nesse pressuposto, Eco (21) comenta que: a cultura, como um todo, deveria ser estudada como um fenômeno de comunicação baseado em sistemas de significação, apontando uma natural convergência ou transversalidade das teorias que abordam a semiótica e a cultura organizacional. Esse alinhamento também pode ser encontrado entre a semiótica e os valores organizacionais. Neste sentido Eco (21) diz: [...] a cultura, em sua complexidade, pode ser entendida melhor se for abordada de um ponto de vista semiótico. Quer dizer, em suma que os objetos, os comportamentos e os valores funcionam como tais porque obedecem a leis semióticas. [g.n].

5 Esse entendimento se dá por que, os valores são um dos elementos que compõem a cultura organizacional e são observáveis como um aspecto de identificação social entre os elementos de uma organização, ou seja, são representações mentais que se encontram entranhadas nas práticas cotidianas da organização. 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A presente pesquisa tem a característica metodológica de levantamento exploratório (mista). O instrumento de coleta de dados foi adaptado da Escala de Valores Organizacionais validada por Tamayo e Gondim (62-72). Foram adicionados a listagem original mais 5 (cinco) valores que constam da declaração de valores do Exército Brasileiro, que estão explicitados no art. 27 do Estatuto dos Militares: Patriotismo; Civismo; Amor à profissão; Fé na missão da organização e Aprimoramento técnico-profissional, sendo que esta inclusão se constituiu na principal modificação do instrumento de pesquisa original. A confiabilidade do instrumento adaptado foi feita utilizando-se o coeficiente Alfa de Cronbach através da utilização do programa Statistical Package the Social Sciences SPSS, sendo encontrado o coeficiente 0,82 para a primeira parte do instrumento e 0,73 para a segunda seção. Por fim numa terceira parte do questionário os respondentes elencaram as práticas que observavam na organização e que estavam associadas àqueles valores com níveis de conhecimento cujo escore fosse igual ou superior a 3. Essa seção do instrumento de pesquisa teve tratamento diferenciado na coleta e análise dos dados, com a utilização de uma abordagem qualitativa, o que caracterizou a pesquisa como sendo quali-quantitativa ou mista. Na aplicação do instrumento se pretendeu conhecer as associações mentais ligadas aos valores organizacionais, construídas pelas práticas organizacionais e aprendidas através de um processo de socialização organizacional. Essa abordagem semiótica, procurou identificar os três pressupostos básicos do signo na sua categoria símbolo que segundo Santaella (1-41) é tudo aquilo que proporciona uma relação tripla entre o objeto (fato) evidenciado na 3ª parte do instrumento;

6 interpretante (entendimento que alguém abstrai do fato), demonstrado na segunda parte do instrumento e o representâmen (corpo do signo em si), associado a 1ª parte do questionário, construído assim um conjunto de valores que foram identificados por um processo semiótico de entendimento. 3.1 Lócus da pesquisa O lócus da pesquisa se constituiu de unidades das Forças Armadas brasileiras, do Exército, Marinha e Aeronáutica, localizadas em Porto Velho RO, que zelam pela defesa da Pátria, a garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa destes, da lei e da ordem. As Forças Armadas do Brasil são a segunda maior força militar das Américas, sendo a maior da América Latina. 3.2 População e amostra A população da pesquisa se constituiu do efetivo profissional atualmente lotado na cidade de Porto Velho, estes distribuídos em unidades militares da Marinha, Exército e Aeronáutica e integrantes dos círculos hierárquicos dos oficiais e sargentos totalizando 256 (duzentos e cinqüenta e seis) militares de carreira. Os questionários foram aplicados no período de 1 de maio a 25 de junho de 2009, de forma direta e com o auxilio do correio eletrônico obtendo um número de retorno de 118 (cento e dezoito) questionários válidos. 3.3 Análise dos dados A estatística descritiva foi a opção mais apropriada para analisar os dados obtidos na primeira e segunda parte do instrumento de pesquisa e a moda foi utilizada como medida de freqüência. Com esses dados procedeu-se a criação de um ranking de importância e um ranking de conhecimento sobre os valores elencados no instrumento.

7 Ao final dessa fase foi apresentado um rol de valores habilitados a seguir para a fase seguinte do estudo. No entanto optou-se pela construção de uma escala de performance que compatibilizasse os dados da primeira e segunda fase da pesquisa. A ilustração 3.2 traz essa escala e seus conteúdos. ESCALA DO NÍVEL DE IMPORTÂNCIA ESCALA DO NÍVEL DE CONHECIMENTO ESCALA DE PERFORMANCE GRAU DE PERFORMANCE MODA = 7 MODA = 4 4 MÁXIMO MODA = 6 MODA = 3 3 MODA ENTRE (4 e 3) MODA = 2 2 MODERADO ALTO MODERADO BAIXO MODA ENTRE (2 e 1) MODA ENTRE (zero e -1) MODA = 1 1 BAIXO MODA = zero zero INEXISTENTE Ilustração 3.2 Quadro da escala de compatibilização de performance dos níveis de importância e conhecimento Fonte: Chritopher e Thor, 1993 p (adaptado) Uma análise integrada dos dados da primeira e segunda fase da pesquisa foi então realizada e nela eliminou-se aqueles valores que não tiveram nível máximo de performance nas duas fases seguidamente. Assim o novo rol de valores habilitados passou a terceira e última fase da pesquisa Na terceira e última parte do questionário o ranking de nível de conhecimento foi utilizado para se apontar práticas organizacionais observadas pelos respondentes em suas organizações e que estivessem associadas aos valores descritos no ranking de nível de conhecimento. A partir desse ponto procedeu-se a análise dos dados qualitativos, utilizando-se a análise de conteúdo. Nesse momento foram destacadas das respostas dos respondentes 2 (duas) práticas organizacionais associadas para cada um dos valores estudados, para tanto a freqüência relativa foi utilizada como critério de escolha. O produto final desse processo foi um conjunto de valores construídos através de um processo semiótico, e orientadores da vida organizacional das instituições estudadas, segundo as percepções de seus integrantes.

8 4 Resultados 4.1 Ranking do nível de importância A ilustração 4.1 mostra graficamente a configuração do ranking construído de acordo com as percepções dos respondentes sobre o nível de importância dos valores organizacionais. Na observação do ranking construído com os resultados obtidos na primeira fase da pesquisa, verificase que o valor hierarquia se apresenta em primeiro lugar na percepção dos respondentes. Logo em seguida os valores competência e aprimoramento técnico-profissional aparecem rankeados em segundo e terceiro lugar respectivamente. O ranking segue o escalonamento de importância delineado pelas percepções dos respondentes até a posição 42 e seus cinco últimos valores foram: coleguismo, abertura, polidez, democracia e competitividade. 39 ABERTURA 42 COMPETITIVIDADE 41 DEMOCRACIA 40 POLIDEZ 1 HIERARQUIA COMPETÊNCIA 3 APRIMORAMENTO TECNICO PROFISSIONAL 4 DEDICAÇÃO 5 COMPROMETIMENTO 36 INTEGRAÇÃO INTERORGANIZACIONAL 38 COLEGUISMO 37 EFICÁCIA HONESTIDADE 7 ORGANIZAÇÃO 8 RESPEITO 35 SOCIABILIDADE 2 9 POSTURA PROFISIONAL 34 HARMONIA 1 10 COOPERAÇÃO 33 SUPERVISÃO 32 PLANO DE CARREIRA ESPÍRITO DE CORPO 12 PONTUALIDADE 31 FLEXIBILIDADE 13 OBEDIÊNCIA 30 INCENTIVO A PESQUISA 14 FÉ NA MISSÃO DA ORGANIZAÇÃO 29 MODERNIZAÇÃO 15 JUSTIÇA 28 PRODUTIVIDADE 16 PATRIOTISMO 27 BENEFÍCIOS 26 EFICIÊNCIA 17 QUALIDADE 18 PLANEJAMENTO 25 AMIZADE 19 FISCALIZAÇÃO 24 PROBIDADE 20 TRADIÇÃO 23 CIVISMO 21 CRIATIVIDADE 22 RECONHECIMENTO Ilustração Gráfico do ranking do nível de importância dos valores organizacionais Fonte: Dados da pesquisa, 2009.

9 Ao apresentar os valores organizacionais aos respondentes, utilizou-se a grafia dos valores (palavras que representavam os valores) para iniciar em suas mentes um processo mental (semiose) que relacionava essa representação gráfica dos valores aos conceitos individuais entendidos sobre esses termos. Assim fica pontuada a utilização das palavras como símbolos da imagem mental de cada conceito dos valores subjetivamente entendidos por cada respondente, podendo-se afirmar que essas palavras funcionaram como os representâmen s vistos na estrutura sígnica proposta por Peirce (2008). 4.2 Ranking do nível de conhecimento O ranking explicitado na ilustração 4.2, trata do nível de conhecimento a respeito dos valores organizacionais na percepção dos respondentes. 33 INCENTIVO A PESQUISA 34 PROBIDADE 35 HARMONIA 37 PLANO DE CARREIRA 36 FISCALIZAÇÃO 1 HONESTIDADE COMPETÊNCIA 3 AMIZADE 4 HIERARQUIA 5 RESPEITO 6 POSTURA PROFISIONAL 32 CIVISMO 31 INTEGRAÇÃO INTERORGANIZACIONAL 2 7 PONTUALIDADE 8 DEDICAÇÃO 30 FLEXIBILIDADE 1 9 COOPERAÇÃO 29 SOCIABILIDADE 0 10 PATRIOTISMO 28 MODERNIZAÇÃO 11 OBEDIÊNCIA 27 EFICÁCIA 12 FÉ NA MISSÃO DA ORGANIZAÇÃO 26 PRODUTIVIDADE 13 TRADIÇÃO 25 BENEFÍCIOS 14 QUALIDADE 24 ESPÍRITO DE CORPO 15 APRIMORAMENTO TÉCNICO PROFISSIONAL 23 EFICIÊNCIA 16 COMPROMETIMENTO 22 CRIATIVIDADE 21 PLANEJAMENTO 20 SUPERVISÃO 17 JUSTIÇA 18 RECONHECIMENTO 19 ORGANIZAÇÃO Ilustração Gráfico do ranking do nível de conhecimento dos valores organizacionais Fonte: Dados da pesquisa, 2009.

10 O ranking foi construído com os trinta e sete valores que atendiam os critérios de rankeamento (escore mínimo de três no nível de importância), e a honestidade aparece no topo do ranking de conhecimento em primeiro lugar, seguida da competência ; hierarquia ; respeito e postura profissional, respectivamente em segundo, terceiro, quarto e quinto lugar. Essa configuração do ranking permite inferir que a conduta ética é na percepção dos respondentes, o enfoque com o maior nível de conhecimento nas organizações militares brasileiras, seguidos de aspectos de profissionais e hierárquicos, o que de certa forma está alinhado com os níveis de importância encontrados anteriormente. Como observado na ilustração 4.2 o nível de conhecimento decresce de forma gradual até o seu 29 lugar (sociabilidade) quando então ocorre uma inflexão nos escores conotando a ausência de conhecimentos dos valore: Flexibilidade, integração interorganizacional, civismo, incentivo a pesquisa, probidade, harmonia, fiscalização e plano de carreira. Nessa segunda fase fez-se o alinhamento entre o representâmem (denotado pelo nível de importância apontado pelo respondente) e o interpretante (denotado pelo nível de conhecimento) identificado no esquema sígnico de Peirce. Na análise integrada dos dados iniciais optou-se pela construção de uma escala que compatibilizasse as graduações das escalas de nível de importância e conhecimento num mesmo patamar de performance, pois como as escalas gradativas de cada nível (importância e conhecimento) tem pontos de medição compostos por graus numéricos diferentes isso dificulta a definição de parâmetros comparativos na análise integrada. A ilustração 4.4 informa a performance dos 11 (onze) primeiros valores rankeados na segunda fase da pesquisa (nível de conhecimento) em comparação com suas performances na primeira fase do estudo (nível de importância). Da verificação das performances dos valores organizacionais, percebe-se que dois valores não mantiveram o nível máximo na primeira parte da pesquisa, quais sejam: obediência e

11 patriotismo. Este fato motivou suas exclusões da listagem de valores habilitados à fase final do estudo. VALORES FASE I - IMPORTÂNCIA FASE II - CONHECIMENTO RANKING PERFORMANCE RANKING PERFORMANCE HIERARQUIA 1 4 = MÁXIMO 1 4 = MÁXIMO COMPETÊNCIA 2 4 = MÁXIMO 2 4 = MÁXIMO DEDICAÇÃO 5 4 = MÁXIMO 3 4 = MÁXIMO HONESTIDADE 7 4 = MÁXIMO 4 4 = MÁXIMO RESPEITO 9 4 = MÁXIMO 5 4 = MÁXIMO POSTURA PROFISIONAL 10 4 = MÁXIMO 6 4 = MÁXIMO COOPERAÇÃO 11 4 = MÁXIMO 7 4 = MÁXIMO PONTUALIDADE 13 4 = MÁXIMO 8 4 = MÁXIMO OBEDIÊNCIA 14 3 = MODERADO ALTO 9 4 = MÁXIMO FÉ NA MISSÃO DA ORGANIZ = MÁXIMO 10 4 = MÁXIMO PATRIOTISMO 17 3 = MODERADO ALTO 11 4 = MÁXIMO Ilustração Tabela de performance dos valores organizacionais( fases I e II) Fonte: Dados da pesquisa, Ao final da fase inicial encontramos um conjunto de valores que foi utilizado como base categorial para aplicação da terceira e ultima fase da pesquisa. A ilustração 4.5 explicita esses valores. VALORES HABILITADOS A FASE QUALITATIVA HIERARQUIA HONESTIDADE COOPERAÇÃO COMPETÊNCIA RESPEITO PONTUALIDADE DEDICAÇÃO POSTURA PROFISSIONAL FÉ NA MISSÃO Ilustração 4.5 Quadro dos valores habilitados à fase qualitativa Fonte: Dados da pesquisa, 2009.

12 4.3 Resultados da fase final O dados da fase final do estudo se constituíram de um conjunto de textos descritivos das práticas organizacionais que estavam associadas aos 9 (nove) valores encontrados ao final das fases iniciais. Essas práticas surgiram dos entendimentos dos respondentes a respeito desses valores e essas associações foram feitas de forma espontânea e completaram o ciclo semiótico e, por conseguinte, o processo de semiose iniciado nas fases anteriores do estudo, com a identificação do objeto (fenômeno) que constitui o ultimo correlato do esquema semiótico peirceano. Pretendeu-se com isso conhecer o alinhamento signico entre os fenômenos observados (objeto) pelos respondentes e o entendimento (interpretante) das representações (representâmem) desses fenômenos (valores) nas mentes dos integrantes das instituições estudadas. A abordagem qualitativa da análise de conteúdo foi utilizada para o tratamento desses dados. Por conveniência metodológica optou-se apresentar apenas uma prática organizacional relacionada a cada um dos valores, entendo que essa opção atende perfeitamente aos objetivos da pesquisa. O critério utilizado para essa seleção foi a freqüência com que apareceram no conjunto de dados estudados, sendo destacada a de maior freqüência Relacionamento: práticas e valores da organização As práticas organizacionais apresentadas pelos respondentes estão descritas na ilustração 4.6 e organizadas segundo as categorias (valores organizacionais) habilitadas nos critérios da primeira e segunda fase da pesquisa. A ilustração também informa a freqüência que essas idéias apresentaram no conjunto dos dados. Como verificado, no conteúdo das percepções textualizadas pelos respondentes a respeito dos valores organizacionais, em praticamente todas as categorias foram associadas práticas do cotidiano dessas organizações que estivessem associadas a cada um dos valores em observação. Exceção feita ao valor Fé na missão da organização que não foi contemplado com nenhuma prática organizacional associada, segundo a percepção dos respondentes.

13 VALORES HONESTIDADE COMPETÊNCIA HIERARQUIA RESPEITO POSTURA PROFISSIONAL PONTUALIDADE DEDICAÇÃO COOPERAÇÃO FÉ NA MISSÃO DA ORGANIZAÇÃO PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS 1 Todos os dias cabo responsável pela guarda dos armamentos faz a conferência dos mesmos para que não haja desvios e roubos 1 para pilotar um avião, um militar tem que demonstrar muito conhecimento e habilidade, e todos as semanas existem vôos de treinamento. 1- Toda vez que um subordinado encontra um superior tem que prestar a continência individual. 1 Em qualquer situação sempre o militar mais antigo tem a preferência na escolha. 1 Todos os dias o oficial de dia exige dos soldados que estão de serviço uma boa apresentação na guarda do quartel 1 Ao iniciar o expediente realiza-se uma reunião para verificar se todos os militares já estão no quartel e atrasos não são tolerados sendo punidos com advertência. 1 O militar tem que estar 24 horas disponível para cumprir qualquer missão 1 O serviço de guarda no quartel, é feito por uma equipe que sempre está cooperando entre si. Não foram relacionadas pelos respondentes, práticas organizacionais associadas a esse valor. Ilustração 4.6 Quadro de categorização dos valores habilitados na fase qualitativa Fonte: Dados da pesquisa, Essa fase da pesquisa teve o propósito de identificar os fenômenos no mundo real a que Peirce chamou de objeto ou seja o fato observado fora da mente (objeto) e que é levado até ela por uma representação desse fato, que no caso foi realizado pelas representações gráficas ou palavras que representavam esses valores no instrumento de pesquisa (representâmem) e que continham um conteúdo entendível na mente dos respondentes ou seja que fosse parte dos seus universos simbólicos (interpretante). Nesse sentido pode-se afirmar que os valores: hierarquia, respeito, postura profissional, pontualidade, dedicação e cooperação, completaram o processo de semiose na mente dos respondentes e que o valor Fé na missão da organização não pode ser caracterizado como signo, pois não se conseguiu identificar um dos correlatos sígnicos descritos por Peirce: o objeto. 2.3 Valores orientadores das Forças Armadas brasileiras A ilustração 4.7 apresenta a listagem final dos valores organizacionais orientadores da vida de organizações militares das Forças Armadas brasileiras após a aplicação da pesquisa.

14 QUANTITATIVA QUALITATIVA VALORES FASE I FASE II FASE III PERFORMANCE PERFORMANCE PRÁTICAS IMPORTÂNCIA CONHECIMENTO ORGANIZACIONAIS HONESTIDADE 4* 4* IDENTIFICADAS COMPETÊNCIA 4* 4* IDENTIFICADAS HIERARQUIA 4* 4* IDENTIFICADAS RESPEITO 4* 4* IDENTIFICADAS POSTURA PROFISIONAL 4* 4* IDENTIFICADAS PONTUALIDADE 4* 4* IDENTIFICADAS DEDICAÇÃO 4* 4* IDENTIFICADAS COOPERAÇÃO 4* 4* IDENTIFICADAS 4* = NÍVEL MÁXIMO DE PERFORMANCE Ilustração 4.7 Tabela de valores orientadores Fonte : Dados da pesquisa 2009 Os 8 (oito) valores organizacionais emergiram de um universo de 42 (quarenta e dois) valores propostos na pesquisa. Esses valores surgiram após serem submetidos a vários filtros estatísticos e lógicos que foram definidos pela metodologia de investigação, além de estarem alinhados com os conceitos de semiótica defendidos por Charles Sanders Peirce, principal teórico contemporâneo dessa ciência. Todos os valores encontrados tiveram nível de performance máximo nas duas primeiras fases da pesquisa e tiveram seus processos de semiose confirmados pela identificação de práticas organizacionais associadas aos seus conteúdos. Encerra-se assim a proposta de identificação semiótica dos valores organizacionais de organizações militares. 5 CONCLUSÕES O conjunto de valores encontrados e hierarquizados, sob um ponto de vista semiótico, elege paradigmas de conduta ética e moral que são formados contínua e paulatinamente. Eles emergem e consolidam-se como características próprias da organização, tornando-a impar entre outras, pois definem um particular modus vivendi dos seus integrantes. Enfatiza-se a existência de uma identidade, que marca as organizações militares brasileiras, pautada na capacitação e no comportamento dos seus membros, em especial dos seus profissionais em transmitir os ensinamentos e de proceder de forma alinhada com seus objetivos institucionais para, pelo exemplo,

15 cooptar seus novos integrantes, formando um ciclo virtuoso que potencializa na instituição o alcance dos mais altos resultados institucionais possíveis. OBRAS CITADAS Brasil. Estatuto dos Militares. Lei de 09 de dezembro de Eco, Umberto. Tratado geral de semiótica. 4ª ed. São Paulo: Perspectiva Hofstede, G. Attitudes, values and organizational culture: disentangling the concepts, Organization Studies. Berlin, v.19, n.3, p , May Peirce, Charles S. The collected papers of Charles Sanders Peirce. 4ª ed. São Paulo. Perspectiva, Schein, E. H. Organization culture and leadership. 2nd ed. São Francisco: Jossey-Bass, Srour, R. H. Poder cultura e ética nas organizações. Rio de Janeiro. Campus, Tamayo, A.; Gondin, M. G. C. Escala de Valores Organizacionais. Revista de Administração Rausp, São Paulo, v.31, n, 2, p , abr

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE Ministério da Educação Novembro de 2013 1 SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Introdução 1.2 Base Legal 1.3 Justificativa 2.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10 Curso tecnológico em Redes de Computadores CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

O signo enquanto representamen constitui a sua esfera mais primitiva e estaria relacionado à forma como algo está representado, sentido do signo como

O signo enquanto representamen constitui a sua esfera mais primitiva e estaria relacionado à forma como algo está representado, sentido do signo como AS NOVAS MÍDIAS COMO FERRAMENTA SEMIÓTICA NO PROCESSO DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PARA CRIANÇAS 1. INTRODUÇÃO Waleska da Graça Santos (UFS) O ensino de línguas, assim como em qualquer outra esfera do saber

Leia mais

Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias

Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias Margareth Carneiro, PMP, MSc PMI GovSIG past-chair PMA Diretora Executiva Wander Cleber da Silva, PhD Fundação Funiversa 1 O Guia do PMBoK O Guia

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Introdução à Semiótica

Introdução à Semiótica Introdução à Semiótica Prof. Ecivaldo Matos Dept. de Ciência da Computação Colégio Pedro II Pesquisador LEAH - UERJ Março/2008 Síntese dos principais tópicos O que a Semiótica estuda Signos, significação

Leia mais

Ubirajara Brum da Silva (COPEL/CEFET-PR) brum@copel.com. João Luiz Kovaleski (CEFET-PR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Ubirajara Brum da Silva (COPEL/CEFET-PR) brum@copel.com. João Luiz Kovaleski (CEFET-PR) kovaleski@pg.cefetpr.br Identificação das necessidades de desenvolvimento da liderança através do Feedback 360º Caso de uma equipe de manutenção da COPEL, Superintendência Centro-sul Ubirajara Brum da Silva (COPEL/CEFET-PR) brum@copel.com

Leia mais

20 de junho de 2013.)

20 de junho de 2013.) 20 de junho de 2013.) Tecnologias Educacionais (G.E.N.T.E.) _ 2 _ > Rio de Janeiro 20 de junho de 2013 Proposta elaborada pelo IETS _Contextualização O projeto Ginásio Experimental de Novas Tecnologias

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945) NORMAS PARTICULARES PARA GESTÃO ESCOLAR NO ÂMBITO DA DIRETORIA

Leia mais

Diagnóstico de cultura organizacional: o caso de uma empresa de despachos aduaneiros

Diagnóstico de cultura organizacional: o caso de uma empresa de despachos aduaneiros Diagnóstico de cultura organizacional: o caso de uma empresa de despachos aduaneiros Vilmar Antonio Gonçalves Tondolo (FURG) vtondolo@terra.com.br Éderson Wyse (FURG) ewyse@pop.com.br Vanderlei Borba (FURG)

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO Elizabeth Braz Fabiana Gonçalves de Oliveira Azevedo Matos Vanessa Barros Santi Annelise de Oliveira Rodrigues Priscila Conde Bogo

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Missão Capacitar Administradores, propiciando uma base técnico-científica que lhes permita um aprendizado hábil a absorver, processar e adequar informações

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

EMPREGABILIDADE DOS FORMANDOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DA PUC-RIO

EMPREGABILIDADE DOS FORMANDOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DA PUC-RIO EMPREGABILIDADE DOS FORMANDOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DA PUC-RIO Aluno: Marcos Rodrigues Gomes Orientadora: Ana Heloísa da Costa Lemos INTRODUÇÃO Atualmente os indivíduos procuram

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC

PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC DEZEMBRO DE 2013 1 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 CONCEITOS BÁSICOS... 4 3 OBJETIVO DO PCRC... 6 4 REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS PARA FORMULAÇÃO DO PCRC... 7 5

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS No que se refere à gestão, recrutamento e seleção de pessoas, julgue os itens a seguir. 51 A gestão de pessoas recebeu forte influência dos estudos de Hawthrone, especialmente

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA Ires de Oliveira Furtado Universidade Federal de Pelotas iresfurtado@gmail.com

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES

REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES Andréia Serra Azul da Fonseca 1 Maristela Lage Alencar 2 Sinara Mota Neves 3 Universidade

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P Deliberações Resumo 1ª reunião: papéis, procedimentos gerais

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O Banco da Amazônia S.A., consciente da importância da ética nas relações com a comunidade em que atua, divulga este Código de Ética, que contém os padrões

Leia mais

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Complexidade do assunto e multiplicidade de interpretações que o tema encerra. Ações mais assemelhadas à indisciplina

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

5 Conclusões e Recomendações, Limitações e Sugestões para futuros trabalhos

5 Conclusões e Recomendações, Limitações e Sugestões para futuros trabalhos 5 Conclusões e Recomendações, Limitações e Sugestões para futuros trabalhos Este capítulo apresenta inicialmente uma síntese dos passos percorridos no decorrer deste trabalho. Em seguida são apresentadas

Leia mais

PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS AGI.01 1ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. INTRODUÇÃO... 2 3. ABRANGÊNCIA E APLICABILIDADE... 2 4. PRINCÍPIOS GERAIS... 2 5. COLABORADORES... 3 A Conduta Pessoal e Profissional... 3 B Condutas não Aceitáveis...

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

Instrumentos de Coleta de Dados em Projetos Educacionais

Instrumentos de Coleta de Dados em Projetos Educacionais Instrumentos de Coleta de Dados em Projetos Educacionais (Publicação do Instituto de Pesquisas e Inovações Educacionais - Educativa) Eduardo F. Barbosa - 1998 A necessidade de obtenção de dados no desenvolvimento

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL UMA CARACTERIZAÇÃO DA CAPACITAÇÃO POR COMPETÊNCIAS

POLÍTICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL UMA CARACTERIZAÇÃO DA CAPACITAÇÃO POR COMPETÊNCIAS Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 POLÍTICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL: UMA CARACTERIZAÇÃO DA CAPACITAÇÃO POR COMPETÊNCIAS

Leia mais

APLICAÇÃO DA SEMIÓTICA NO DESENVOLVIMENTO DE INTERFACES HUMANO COMPUTADOR. Adriana MORAIS 1 Ricardo Roberto LEME 2

APLICAÇÃO DA SEMIÓTICA NO DESENVOLVIMENTO DE INTERFACES HUMANO COMPUTADOR. Adriana MORAIS 1 Ricardo Roberto LEME 2 APLICAÇÃO DA SEMIÓTICA NO DESENVOLVIMENTO DE INTERFACES HUMANO COMPUTADOR Adriana MORAIS 1 Ricardo Roberto LEME 2 Resumo: Desenvolver uma interface para o usuário final nos sistemas computacionais envolve

Leia mais

Apresentação Executiva

Apresentação Executiva Pesquisa Consultoria Marketing Recursos Humanos Gestão Estratégica Apresentação Executiva 55 11 3297-6488 www.newsense.com.br newsense@newsense.com.br A NewSense foi consolidada em 2005 por iniciativa

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Engenharia da Computação RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG CONSELHO DIRETOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG CONSELHO DIRETOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG Em defesa da Agroecologia CONSELHO DIRETOR CONSELHO DIRETOR DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação

Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação Paulo Roberto Corrêa Leão; Káthia M. Oliveira; Eduardo A. D. Moresi Universidade Católica de Brasília (UCB) SGAN 916

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Experiência Gestão do conhecimento e alocação de recursos humanos no setor público. A experiência do Banco Central do Brasil.

Experiência Gestão do conhecimento e alocação de recursos humanos no setor público. A experiência do Banco Central do Brasil. Experiência Gestão do conhecimento e alocação de recursos humanos no setor público. A experiência do Banco Central do Brasil. Responsável/Equipe: Gercy Brasil Cardoso Lima (Responsável) - gercy@bcb.gov.br

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS - SEGER MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO INDIVIDUAL

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS - SEGER MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO INDIVIDUAL GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS - SEGER MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO INDIVIDUAL 2013 PARTE I 1. OBJETIVOS DO MANUAL Este manual tem como propósito orientar

Leia mais

Taxonomia da aprendizagem

Taxonomia da aprendizagem Taxonomia da aprendizagem Taxonomia de Bloom Desde 1948, um grupo de educadores assumiu a tarefa de classificar metas e objetivos educacionais. Eles propuseram-se a desenvolver um sistema de classificação

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7.1 INTRODUÇÃO Considera-se que produtos e serviços são conjuntos de atributos, por exemplo, no caso de apartamentos, preço, localização, planta, serviços oferecidos

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

1. AS PESSOAS SÃO IGUAIS NO DESEMPENHO DE TAREFAS?

1. AS PESSOAS SÃO IGUAIS NO DESEMPENHO DE TAREFAS? CARTILHA DO CANDIDATO APRESENTAÇÃO Uma seleção criteriosa e bem fundamentada premia tanto a organização que necessita incluir profissionais em seus quadros, quanto o candidato que anseia por nela ingressar.

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE Jesse Alencar da Silva Centro Universitário La Salle (UNILASALLE-RS)

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Supremo Tribunal Federal Secretaria de Recursos Humanos Coordenadoria de Desenvolvimento de Pessoal Seção de Programas Institucionais de Desenvolvimento Obrigatoriedade: - Lei nº 11.416/2006: instituiu

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

www.odmconsulting.com.br www.odmconsulting.com

www.odmconsulting.com.br www.odmconsulting.com www.odmconsulting.com.br www.odmconsulting.com Quem somos 3 Remuneração e Desempenho 4 Desenvolvimento de Pessoas 5 Engajamento Funcional 6 Desenvolvimento Organizacional 7 Desenvolvimento do RH 8 Treinamento

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA PARA O ALINHAMENTO DO TRABALHO CIENTÍFICO NA ÁREA DA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA PARA O ALINHAMENTO DO TRABALHO CIENTÍFICO NA ÁREA DA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA PARA O ALINHAMENTO DO TRABALHO CIENTÍFICO NA ÁREA DA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Professor Paulo Roberto Vidigal Orientador da FASEJ Faculdade Sumaré

Leia mais

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Jéssica Goulart da Silva Universidade Federal do Pampa

Leia mais

ANÁLISE DO TREINAMENTO SOBRE SISTEMAS INTEGRADOS NA ÁREA EDUCACIONAL

ANÁLISE DO TREINAMENTO SOBRE SISTEMAS INTEGRADOS NA ÁREA EDUCACIONAL ANÁLISE DO TREINAMENTO SOBRE SISTEMAS INTEGRADOS NA ÁREA EDUCACIONAL Andrey Carlos Passos andrey-passos@hotmail.com FATEC Dércia Antunes de Souza derciaantunes@uol.com.br FATEC Resumo:Este trabalho tem

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 Natal, outubro de 2014 DESEMBARGADOR PRESIDENTE ADERSON SILVINO JUÍZES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Crenças Organizacionais DO SÉCULO XXI

Crenças Organizacionais DO SÉCULO XXI PESQUISA Crenças Organizacionais DO SÉCULO XXI O que é Que benefícios traz Como participar Como é o relatório que eu recebo Qual o investimento Quem somos nós Contato No que acreditam e como pensam os

Leia mais

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA PLANO DE CARREIRA DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO TÍTULO I DO REGULAMENTO CAPÍTULO I DO CORPO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA PLANO DE CARREIRA DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO TÍTULO I DO REGULAMENTO CAPÍTULO I DO CORPO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA PLANO DE CARREIRA DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO TÍTULO I DO REGULAMENTO Art. 1º - Este Plano de Carreira do Pessoal Técnico-Administrativo é um instrumento de constituição

Leia mais

AUTOR(ES): SUELEN MAYARA DA SILVA, LAIS MATOS DE GODOI, MARINA LUZIA BRACCIO

AUTOR(ES): SUELEN MAYARA DA SILVA, LAIS MATOS DE GODOI, MARINA LUZIA BRACCIO TÍTULO: O CÓDIGO DE ÉTICA E A VALORIZAÇÃO DO CONTADOR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): SUELEN MAYARA

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: DE MAIRIPORÃ Código: 271 Município: MAIRIPORÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM CONTABILIDADE Qualificação:

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Ser Professor Universitário / INSTRUMENTOS DE COLETA DE DADOS EM PE...

Ser Professor Universitário / INSTRUMENTOS DE COLETA DE DADOS EM PE... Página 1 de 5 METODOLOGIA DA PESQUISA INSTRUMENTOS DE COLETA DE DADOS EM PESQUISAS EDUCACIONAIS Eduardo F. Barbosa A Necessidade de Dados para Monitorar e Avaliar Projetos Um sistema de monitoramento e

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO MARKETING

CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO MARKETING CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/01 CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO MARKETING CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 10

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 10 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 10 Índice 1. Regulamento, Procedimento e Programação em Recursos Humanos...3 2. Aprendizagem...3 3. Como melhorar a aprendizagem...5 4. Avaliação

Leia mais

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais