SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS NO ESTADO DE GOIÁS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DE GOIÁS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS NO ESTADO DE GOIÁS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DE GOIÁS"

Transcrição

1 SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS NO ESTADO DE GOIÁS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DE GOIÁS

2

3 SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS NO ESTADO DE GOIÁS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DE GOIÁS

4 Sumário 149 Coopertivs detlhds Entiddes...6 Mensgem do Presidente...7 Serviços Prestdos pelo Sistem OCB/SESCOOP-GO...8 Números do Coopertivismo Ncionl...9 Números do Coopertivismo Goino...12 Coopertivs Intivs no Período de Coopertivs que Não Envirm Ddos Pr Publicção Coopertivs Registrds em Metodologi d Publicção Índice ds coopertivs por rmo Agropecuário 16 Infrestrutur 115 Consumo 61 Produção 117 Crédito 64 Súde 122 Educcionl 106 Trblho 144 Hbitcionl 113 Trnsporte 154

5 Os Rmos do Coopertivismo Agropecuário Coopertivs de produtores ruris ou gropstoris e de pesc, cujos meios de produção pertencem o cooperdo. Crcterizm-se pelos serviços prestdos os ssocidos, como recebimento ou comercilizção d produção conjunt, rmzenmento e industrilizção, lém d ssistênci técnic, educcionl e socil. Consumo Coopertivs dedicds à compr em comum de rtigos de consumo pr seus cooperdos. Crédito Coopertivs com o objetivo de fcilitr o cesso dos ssocidos o mercdo finnceiro com melhores condições que s instituições bncáris trdicionis, promovendo poupnç, finncindo necessiddes e empreendimentos, entre outros de seus cooperdos. Atu no crédito rurl e urbno. Educcionl Coopertivs de profissionis em educção, de lunos, de pis delunos, de empreendedores educcionis e de tividdes fins. Este rmo é composto por coopertivs de professores, que se orgnizm como profissionis utônomos pr prestrem serviços educcionis, por coopertivs de lunos de escol grícol que, lém de contribuírem pr o sustento d própri escol, às vezes produzem excedentes pr o mercdo, ms tem como objetivo principl formção coopertivist dos seus membros, por coopertivs de pis de lunos, que têm por objetivo propicir melhor educção os filhos, dministrndo um escol e contrtndo professores, e por coopertivs de tividdes fins. Especil Fundmentdo pel Lei 9.867/99, este rmo se constitui de coopertivs formds por pessos em situção de desvntgem, como deficiênci físic, sensoril e psíquic, ex-condendos ou condendos pens lterntivs, dependentes químicos e dolescentes prtir de 16 nos em situção de vulnerbilidde fmilir, econômic, socil ou fetiv. As coopertivs tum visndo à inserção no mercdo de trblho desss pessos, gerção de rend e à conquist d ciddni. Hbitcionl Coopertivs destinds à construção, mnutenção e dministrção de conjuntos hbitcionis pr o seu qudro socil. Infrestrutur Coopertivs que tendem diret e prioritrimente o seu qudro socil com serviços essenciis, como energi e telefoni. No Brsil são mis conhecids s coopertivs de eletrificção e de telefoni rurl. As coopertivs de eletrificção rurl têm por objetivo fornecer, pr comunidde, serviços de energi elétric, sej repssndo ess energi de concessionáris, sej gerndo su própri energi. Minerl Previsto n Constituição, este rmo tu n pesquis, extrção, lvr, industrilizção, comércio, importção e exportção de produtos mineris. De grnde lcnce socil, está presente principlmente ns pequens e médis jzids, que não despertm interesse ds grndes minerdors. Produção Coopertivs dedicds à produção de um ou mis tipos de bens e produtos, qundo detenhm os meios de produção. Súde O Rmo Súde é composto por coopertivs que se dedicm à preservção e recuperção d súde humn. As coopertivs brngem médicos, psicólogos, odontólogos e fins. Trblho Coopertivs que se dedicm à orgnizção e dministrção dos interesses inerentes à tividde profissionl dos trblhdores ssocidos pr prestção de serviços. São constituíds por pessos ligds um determind ocupção profissionl, com finlidde de melhorr remunerção e s condições de trblho, de form utônom. Trnsporte Coopertivs que tum n prestção de serviços de trnsporte de crgs e pssgeiros. As coopertivs de trnsporte tum em váris modliddes: trnsporte individul de pssgeiros (táxi e moto táxi), trnsporte coletivo de pssgeiros (vns,ônibus, outros), trnsporte de crgs (cminhão, motociclets, furgões, outros) e trnsporte escolr (Kombis, vns e ônibus). Turismo e Lzer Em processo de estruturção, foi crido em 2000, durnte Assembléi Gerl Ordinári d OCB. Resplddo no enorme potencil turístico brsileiro, vis à prestção de serviços turísticos, rtísticos, de entretenimento, esportes e hotelri por profissionis desss áres.

6 O Sindicto e Orgnizção ds Coopertivs Brsileirs no Estdo de Goiás (OCB-GO) tem como finlidde defes socioeconômic do coopertivismo no estdo de Goiás trvés d mobilizção de ções e recursos que promovm o desenvolvimento ds socieddes coopertivs e d prestção de serviços de suporte dministrtivo, técnico e logístico de nturez sindicl e orgnizcionl. Av. Deputdo Jmel Cecílio, 3427 Jrdim Goiás CEP: Goiâni-Goiás Fone: (62) Fx: (62) e-mil: VISÃO > Ser referênci do coopertivismo goino, grntindo mbiente fvorável o desenvolvimento ds coopertivs no Estdo de Goiás. MISSÃO > Promover Defes Polític e Econômic ds Coopertivs do Estdo de Goiás, oferecendo serviços que poiem o pleno e efetivo desenvolvimento sustentdo ds coopertivs em todos os rmos de tividde, mntendo: unidde doutrinári de cordo com princípios universis do coopertivismo; e integrção dos diversos rmos coopertivists. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Presidente: Antonio Chvgli (Comigo) Vice-presidente: Antonio Crlos Borges (Agrovle) Secretário: Hroldo Mx de Sous (Centroleite) Membro: Fábio Btist Veloso (Coopmego) Membro: Vndervl Lim Ferreir (Sicoob Goiás Centrl) Membro: Dejn Rodrigues Nonto (Unicred Brsil Centrl) Membro: Mrcos Mrith Rngel (Sicoob Crediseguro) Membro: José Abel Alcnfor Ximenes (Unimed Cerrdo) Membro: Krl Jorm Tvres Brndão (Uniodonto Goiâni) CONSELHO fiscal CONSELHEIROS EfETIvOS: Membro: Welber DÁssis Mcedo e Silv (Copl) Membro: Adilson Ferreir de Mores (Comiv) Membro: Vndervl José Ribeiro (Sicoob do Vle) CONSELHEIROS SupLENTES: Membro: Ênio Freits de Sene (Sicredi Vle GO) Membro: João Btist Pereir Mchdo (Federção ds Uniodontos) Membro: Rodrigo Penn de Siqueir (Sicoob Coopercred) Superintendente: Vléri Mendes d Silv Av. Deputdo Jmel Cecílio, Jrdim Goiás CEP: Goiâni-Goiás Fone: (62) Fx: (62) e-mil: VISÃO > Ser referênci do coopertivismo goino, grntindo mbiente fvorável o desenvolvimento ds coopertivs no Estdo de Goiás. MISSÃO > Promover, poir e executr ções de monitormento, formção profissionl e promoção socil no âmbito ds Coopertivs Goins CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Presidente: Antonio Chvgli CONSELHEIROS EfETIvOS: Membro: Hroldo Mx de Sous (Centroleite) Membro: Sizenndo d Silv Cmpos Jr. (Unimed Goiâni) Membro: Euclécio Dionízio Mendonç (Complem) Membro: Amrildo Mores de Oliveir (Comigo) CONSELHEIROS SupLENTES: Membro: Osmr Luiz Slvlggio (Cocer) Membro: João Btist d Pixão Jr. (Cooperbelgo) Membro: Rento Nobile (Sescoop Ncionl) Membro: Edmr Queiroz d Silv (Comigo) CONSELHO fiscal CONSELHEIROS EfETIvOS: Membro: Astrogildo Gonçlves Peixoto (Copil) Membro: Pedro Jime de Arújo Clds (Sicredi Plnlto Centrl GO) Membro: João Gonçlves Vilel (Cgel) CONSELHEIROS SupLENTES: Membro: Crlos Henrique Arrud Durte (Cocl) Membro: Rubens d Cruz Sntn (Covl) Membro: Dnúbio Antônio de Oliveir (Unimed Anápolis) Superintendente: Vléri Mendes d Silv 6 CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO

7 PALAVRA DO PRESIDENTE Prezdos (s) dirigentes coopertivists, Mntendo nosso esforço de bem disseminr o tmnho e importânci do coopertivismo goino, chegmos à quint edição deste Censo do Coopertivismo Goino. Mei décd sepr o início d inicitiv com os ddos compildos nests págins, grdtivmente com mis e melhores informções cerc do movimento coopertivist em nosso estdo. É um clro sinl de que nossos dirigentes compreenderm bem e brçrm os propósitos dest publicção. Não pelos números em si, ms no que eles representm d tividde coopertivist em Goiás. Os ddos são novmente resultdo de nosso investimento n continuidde do Progrm de Visits, instrumento desse rio-x e d relção sudável que procurmos mnter com nosss coopertivs. Noss equipe refez o itinerário de norte sul do estdo, btendo à port ds coopertivs registrds no Sistem OCB/SESCOOP-GO pr colher s informções qui orgnizds. O período purdo concentrou-se no exercício fiscl de. Continundo o processo de perfeiçomento d presentção desse rio-x, est quint edição present um qudro mis curdo do que s nteriores, detlhndo diverss informções por rmos. Número bsoluto de cooperdos, nível de prticipção desses cooperdos nos cursos e eventos promovidos pelo Sistem, distribuição geográfic do coopertivismo goino e esttístic do coopertivismo ncionl seguem nos principis cpítulos d publicção. Outr inovção dest edição é o registro d prticipção de cd coopertiv ns últims edições deste censo. Entre os principis destques observdos qui, estão retomd do crescimento de indicdores importntes d orgnizção coopertivist de Goiás. Crescemos 12,5% no número de registros de coopertivs em relção 2008 e subimos tmbém de form consistente o número de cooperdos (lt de 80,4%) e no de funcionários (lt de 16,5%). São ddos por trás d pujnç econômic coopertivist em nosso estdo, que registrou um crescimento de 33,4% em seu ptrimônio líquido em (pr R$ 1,24 bilhão) n comprção com o purdo no no nterior. É retomd do crescimento n esteir d própri recuperção d economi brsileir como um todo. Ms é tmbém derivção d decisão polític de nosso Conselho de Administrção de incentivr pens coopertivs que demonstrem cpcidde de sobreviver no mbiente crescentemente competitivo do mercdo em todos os rmos. São números que espermos ver vnçr cd vez mis em Goiás. Pr isso, reforçmos qui nosso compromisso de fzer do Sistem OCB/SESCOOP-GO um instrumento serviço desse crescimento sustentdo pr nosss coopertivs e s comuniddes que s cercm. Sem nos esquecer de voltr grdecer todos que diret ou indiretmente contribuírm pr edição de mis esse cpítulo n memóri esttístic do coopertivismo goino, espermos continur merecedores d confinç de todos. Sudções coopertivists, Antonio Chvgli / Presidente do Sistem OCB/SESCOOP-GO CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO 7

8 SERVIÇOS PRESTADOS PELO SISTEMA OCB/SESCOOP-GO O Sistem OCB/SESCOOP-GO coloc à disposição ds coopertivs filids inúmeros serviços pr o desenvolvimento e melhori d gestão coopertivist. São Eles: n Jurídico - Advogdos especilizdos pr prestção de serviços de consultori e emissão de preceres ns áres do Direito Coopertivo, Tributário, Comercil, Previdenciário, Administrtivo, Trblhist e Cível. n Contábil - Profissionis experientes em consultori contábil-fiscl específic pr coopertivs, inclusive pr orientção em procedimentos internos. n Estrutur Físic - Auditório destindo o uso ds coopertivs de todo o Estdo com cpcidde pr 117 pessos, sl de cursos com vnçd estrutur físic pr qulidde dos cursos oferecidos e estcionmento próprio com totl segurnç. n Educção e Fomento - Deprtmento importnte n consolidção do coopertivismo em Goiás, cont com profissionis voltdos à orientção e compnhmento pr constituição de novs coopertivs, consultoris e plestrs específic n áre de coopertivismo e poio técnico no desenvolvimento d gestão coopertivist. n Expedição - Apoio pr trnsporte de documentos, remess de encomends e demis serviços necessários pr s coopertivs filids loclizds for d região metropolitn de Goiâni. n Bibliotec - Acervo com mis de 3 mil livros em litertur coopertivist ncionl e interncionl lém de fotogrfis, DVDs e fits de vídeo em VHS sobre eventos do coopertivismo. Todo este mteril pode ser consultdo n sede do sistem por cooperdos, funcionários e o público em gerl. n Arrecdção - Serviço que integr o deprtmento de Autogestão é responsável pelo compnhmento d rrecdção do SESCOOP/GO e orientção às coopertivs ns contribuições legis à entidde. n Assessori de Comunicção - Setor do sistem que cuid d comunicção com público interno e externo do coopertivismo goino. Além dos veículos informtivos do sistem, os profissionis deste deprtmento podem uxilir s coopertivs no trblho de divulgção de notícis, eventos e projetos no meio coopertivist e pr mídi e sociedde. n Cpcitção - Orgnizção de cursos, treinmentos e plestrs em tods s áres do coopertivismo. As tividdes são plnejds nulmente, de cordo com s solicitções ds coopertivs, e vibilizds em prceri com o SESCOOP/GO. Todo o trblho é relizdo por um sistem informtizdo (GDH) que fcilit gestão dos processos de treinmento. O Sistem tmbém cont com curso de Pós-Grdução em Gestão de Coopertivs relizdo em convênio com PUC Goiás. n Tecnologi d Informção - Deprtmento responsável por tod polític de Tecnologi d Informção do Sistem OCB/SESCOOP-GO. Os profissionis deste setor uxilim s coopertivs especilmente qunto o funcionmento do Sistem AG, dndo suporte no cdstrmento de senhs, configurções e soluções de problems técnicos. n Autogestão - Setor que cuid ds operções do Sistem de Análise e Acompnhmento ds Coopertivs (Sistem AG). A equipe do Autogestão orient os gestores ds coopertivs no preenchimento e tulizção do sistem informtizdo que integr ddos finnceiros, de controle dministrtivo e de recursos humnos ds coopertivs, formndo um bnco de ddos importnte n tomd de decisões d sociedde coopertiv 8 CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO

9 NÚMEROS DO COOPERATIVISMO NACIONAL 1. Evolução do número de coopertivs por rmo de tividde no período de 2007 Fonte: OCB / Elborção OCB-GO. 2. Número de cooperdos por rmo de tividde em nível ncionl no período de 2007 Fonte: OCB / Elborção OCB-GO. CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO 9

10 3. Número de empregdos por rmo de tividde em nível ncionl no período de 2007 Fonte: OCB / Elborção OCB-GO. Fonte: OCB / Elborção OCB-GO. 4. Coopertivs, Cooperdos e Empregdos do coopertivismo ncionl por rmo de tividde comprndo os períodos de 2008 e NÚMEROS DO COOPERATIVISMO NACIONAL POR RAMO DE ATIVIDADE /2008 Rmo de Atividde Coopertivs Vr. (%) Cooperdos Vr. (%) Empregdos Vr. (%) Agropecuário , (2,75) ,16 Consumo (7,25) (0,48) ,09 Crédito (1,17) , ,33 Educcionl (7,03) (2,60) ,70 Especil , (11,68) 10 9 (10,00) Hbitcionl (25,59) , ,84 Infrestrutur , , ,73 Minerl , , (1,90) Produção , (4,48) ,23 Súde (2,57) , ,20 Trblho (19,36) (9,17) (15,09) Trnsporte , , ,35 Turismo e Lzer , , (31,82) TOTAL (5,48) , ,71 10 CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO

11 5. Número do coopertivismo ncionl por Estdo em dez/ ESTADOS NÚMERO DE NÚMERO DE NÚMERO DE COOPERATIVAS COOPERADOS EMPREGADOS Acre Algos Amzons Ampá Bhi Cerá Distrito Federl Espírito Snto Goiás Mrnhão Mins Geris Mto Grosso do Sul Mto Grosso Prá Príb Pernmbuco Piuí Prná Rio de Jneiro Rio Grnde do Norte Rondôni Rorim Rio Grnde do Sul Snt Ctrin Sergipe São Pulo Tocntins Brsil Fonte: OCB CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO 11

12 NÚMEROS DO COOPERATIVISMO GOIANO 1. Evolução de coopertivs registrds e registros concedidos n OCB-GO no período de 2000 Fonte: OCB-GO Conforme gráfico cim, o número de coopertivs registrds e registros concedidos nulmente pel OCB- GO vêm sofrendo oscilções. Isso se deve, principlmente, pelo cumprimento rigoroso do Esttuto Socil d OCB- GO onde trt dos deveres ds socieddes coopertivs. Trtndo de períodos mis recentes, somente em 2008, form cnceldos 39 registros de coopertivs por descumprimento de seus deveres, fzendo com que o número totl de coopertivs, que o finl de 2007 er de 222, psssse ser de 200. Com 27 registros em, posição consolidd o finl do período foi de 225 devido liquidção de 2 coopertivs no mesmo período. 2. Número de coopertivs registrds e registros concedidos por rmo n OCB-GO em Fonte: OCB-GO 12 CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO

13 3. Loclizção Geográfic ds Coopertivs do Estdo de Goiás registrds n OCB-GO Noroeste Goino Coopertivs: 8 Empregdos: 46 Cooperdos: Norte Goino Coopertivs: 6 Empregdos: 200 Cooperdos: 688 Leste Goino Coopertivs: 19 Empregdos: 115 Cooperdos: Sul Goino Coopertivs: 77 Empregdos: Cooperdos: Centro Goino Coopertivs: 115 Empregdos: Cooperdos: Fonte: OCB-GO/Sepln 4. Evolução do número de cooperdos por rmo de tividde no período de 2007 Fonte: OCB-GO Pr efeito de elborção ds informções presentds cim, o número de coopertivs goins registrds n OCB-GO que envirm ddos referentes cooperdos tivos e intivos em 2005, 2006, 2007, 2008 e foi de 142, 115, 118, 125 e 151 de um totl de 193, 179, 200, 208 e 225 respectivmente. CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO 13

14 5. Número de empregdos ds coopertivs goins por escolridde no período de 2005 Fonte: OCB-GO O gráfico cim foi elbordo prtir de informções coletds no Progrm de Visits d OCB-GO e reltórios de tividdes envidos pels coopertivs. O número de coopertivs goins registrds n OCB-GO que envirm ddos pr mensurção nos nos de 2005, 2006, 2007, 2008 e foi de 109, 137, 113, 125 e 151 de um totl de 188, 193, 179, 200, 208 e 225 respectivmente. 6. Coopertivs, Cooperdos e Empregdos do coopertivismo goino por rmo de tividde comprndo os períodos de 2008 e NÚMEROS DO COOPERATIVISMO GOIANO POR RAMO DE ATIVIDADE /2008 Rmo de Atividde Coopertivs Vr. (%) Cooperdos Vr. (%) Empregdos Vr. (%) Agropecuário , (1,85) ,92 Consumo 4 4 0, , ,00 Crédito , , ,86 Educcionl , , ,72 Especil Hbitcionl , , (100,00) Infrestrutur 4 4 0, , (92,86) Minerl 2 2 0, , ,00 Produção , , ,00 Súde , , ,93 Trblho , (97,61) (94,82) Trnsporte , , ,40 Turismo e Lzer TOTAL , , ,57 Fonte: OCB-GO 14 CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO

15 7. Evolução do Ptrimônio Líquido e Receit Totl ds coopertivs goins no período de 2004 * Em bilhões de reis Fonte: OCB-GO Os gráficos cim e bixo form elbordos prtir de informções coletds no Progrm de Visits d OCB-GO e reltórios de tividdes envidos pels coopertivs. O número de coopertivs goins registrds n OCB-GO que envirm ddos pr mensurção nos nos de 2004, 2005, 2006, 2007, 2008 e foi de 105, 114, 146, 115, 119 e 151 de um totl de 188, 193, 179, 200, 208 e 225 respectivmente. 8. Evolução ds Receits Totis ds Coopertivs Goins no Período de 2004 * Em bilhões de reis Fonte: OCB-GO CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO 15

16 AGROPECUÁRIO RAMO AGROPECUÁRIO 1. Evolução do Recebimento de Leite ds Coopertivs Agropecuáris do Estdo de Goiás no período de 2005 * Em litros Pr efeito de elborção ds informções específics do rmo gropecuário demonstrds no gráfico cim e bixo, o número de coopertivs goins gropecuáris registrds n OCB-GO que envirm ddos referentes o recebimento de leite em 2005, 2006, 2007, 2008 e foi de 17, 18, 20, 33 e 44 de um totl de 52, 24, 60, 56 e 59 respectivmente. 2. Representção do Recebimento de Produtos Agrícols pels Coopertivs Goins em Milho 14,06 % Soj 69,16 % Fonte: OCB-GO Sorgo 1,39% Arroz 0,20% Feijão 0,21% Algodão 4,03% Outros Produtos 8,41% Outros Produtos pecuários 2,54 % 16 CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO

17 COOPERATIVA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO VALE DO PARANAÍBA Registro: 066 Presidente: Antônio Crlos Borges AGROVALE Rmo: Agropecuário Município: Quirinópolis Endereço: Av. Gribldi Teixeir nº 153 Centro - CEP: Fones: / Emil: - Site: Informções Geris - Ano Bse Cpitl Socil ,52 Fundo de Reserv ,32 RATES ,27 Totl do P.L ,74 ICMS ,15 PIS ,14 COFINS 0,00 IR - Operções 0,00 ISSQN 891,40 IRRF - Retido ,57 INSS ,61 SESCOOP/GO 6.844,61 22 Eventos/treinmentos Prticipntes ARMAZENAGEM DA PRODUÇÃO Cpcidde de rmzengem estátic convencionl - scs - Cpcidde de rmzengem estátic grnel - tonelds Cpcidde de rmzengem grnel líquido - leite Recebimento de commodities - tonelds Recebimento de leite - litros COMPOSIÇÃO PARCIAL DA RECEITA OPERACIONAL BRUTA (R$) Produtos grícols/groindustriis/pecuários ,99 Lojs gropecuáris/rções/insumos ,03 Prestção de serviços/outrs receits opercionis ,85 AGROVALE FUNDAÇÃO: 28/05/1976 Município: Quirinópolis Distânci té Goiâni: 272 km Cooperdos Cooperdos Empregdos Empregdos CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO 17

18 ALGOVALE COOPERATIVA DOS COTONICULTORES DO VALE DO PARANAIBA Registro: 356 Rmo: Agropecuário Presidente: Hiroshi Mno Município: Itumbir Endereço: Av. Osvldo Cruz Nº 120, Prníb Shopping, Sl. 22/23 Setor Rodoviário - CEP: Fones: / E-mil: - Site: não tem Informções Geris - Ano Bse Cpitl Socil ,00 Fundo de Reserv ,59 RATES ,55 Totl do P.L ,14 ICMS 0,00 PIS 178,09 COFINS 0,00 IR - Operções 0,00 ISSQN 0,00 IRRF - Retido 800,00 INSS 5.128,83 SESCOOP/GO 0,00 0 Evento/treinmento 0 Prticipnte ARMAZENAGEM DA PRODUÇÃO Cpcidde de rmzengem estátic convencionl - scs - Cpcidde de rmzengem estátic grnel - tonelds - Cpcidde de rmzengem grnel líquido - leite - Recebimento de commodities - tonelds - Recebimento de leite - litros - COMPOSIÇÃO PARCIAL DA RECEITA OPERACIONAL BRUTA (R$) Produtos grícols/groindustriis/pecuários ,79 Lojs gropecuáris/rções/insumos - Prestção de serviços/outrs receits opercionis - ALGOVALE FUNDAÇÃO: 30/05/2004 Município: Itumbir Distânci té Goiâni: 203 km Cooperdos Cooperdos Empregdos Empregdos CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO

19 COOPERATIVA DOS PRODUTORES DE ALGODÃO DO ESTADO DE GOIÁS Registro: 290 Presidente: João Pereir Mtos ALLCOTTON Rmo: Agropecuário Município: Acreún Endereço: Ru Rio Brnco nº 269 Setor Agroindustril - CEP: Fones: E-mil: - Site: Informções Geris - Ano Bse Cpitl Socil ,68 Fundo de Reserv ,60 RATES ,24 Totl do P.L ,59 ICMS ,65 PIS 1.283,66 COFINS 0,00 IR - Operções 0,00 ISSQN 175,10 IRRF - Retido 2.553,06 INSS ,81 SESCOOP/GO 9.254,67 2 Evento/treinmento 8 Prticipntes ARMAZENAGEM DA PRODUÇÃO Cpcidde de rmzengem estátic convencionl - scs - Cpcidde de rmzengem estátic grnel - tonelds - Cpcidde de rmzengem grnel líquido - leite - Recebimento de commodities - tonelds Recebimento de leite - litros - COMPOSIÇÃO PARCIAL DA RECEITA OPERACIONAL BRUTA (R$) Produtos grícols/groindustriis/pecuários ,03 Lojs gropecuáris/rções/insumos - Prestção de serviços/outrs receits opercionis - ALLCOTTON FUNDAÇÃO: 24/01/2001 Município: Acreún Distânci té Goiâni: 136 km 2 Cooperdos 32 Cooperdos Empregdos 6 1 Empregdos CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO 19

20 CAGEL COOPERATIVA AGROPECUARIA DE GOIANESIA LTDA Registro: 075 Rmo: Agropecuário Presidente: João Gonçlves Vilel Município: Goinési Endereço: Rodovi GO-080 KM 56,3 Zon Rurl - CEP: Fones: / Fx E-mil: - Site: não tem Informções Geris - Ano Bse Informções Geris - Ano Bse Ptrimônio Líquido (R$) Cpitl Socil ,92 Fundo de Reserv ,79 RATES 6.439,72 Totl do P.L ,00 ICMS ,00 PIS - COFINS - IR - Operções - ISSQN ,30 IRRF - Retido - INSS ,44 SESCOOP/GO ,30 2 Eventos/treinmentos 5 Prticipntes ARMAZENAGEM DA PRODUÇÃO Cpcidde de rmzengem estátic convencionl - scs - Cpcidde de rmzengem estátic grnel - tonelds Cpcidde de rmzengem grnel líquido - leite Recebimento de commodities - tonelds - Recebimento de leite - litros COMPOSIÇÃO PARCIAL DA RECEITA OPERACIONAL BRUTA (R$) Produtos grícols/groindustriis/pecuários ,00 Lojs gropecuáris/rções/insumos ,00 Prestção de serviços/outrs receits opercionis ,00 CAGEL FUNDAÇÃO: 22/08/1976 Município: Goinési Distânci té Goiâni: 168 km Cooperdos Cooperdos 2008 Empregdos Empregdos CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO

21 COOPERATIVA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DE OUROANA Registro: 412 Rmo: Agropecuário Presidente: José Frncisco Ferreir Filho Município: Rio Verde CAMPO Endereço: Avenid Brsil nº 1360,Qd Lote 12 Distrito de Ouron- CEP: Fones: E-mil: - Site: não tem Informções Geris - Ano Bse Cpitl Socil ,00 Fundo de Reserv ,62 RATES ,68 Totl do P.L ,11 PIS 8.481,30 COFINS 0,00 IR - Operções 0,00 ISSQN 0,00 IRRF - Retido ,28 INSS 0,00 SESCOOP/GO 0,00 0 Evento/treinmento 0 Prticipnte ARMAZENAGEM DA PRODUÇÃO Cpcidde de rmzengem estátic convencionl - scs - Cpcidde de rmzengem estátic grnel - tonelds - Cpcidde de rmzengem grnel líquido - leite Recebimento de commodities - tonelds - Recebimento de leite - litros COMPOSIÇÃO PARCIAL DA RECEITA OPERACIONAL BRUTA (R$) Produtos grícols/groindustriis/pecuários ,85 Lojs gropecuáris/rções/insumos - Prestção de serviços/outrs receits opercionis - CAMPO FUNDAÇÃO: 01/08/2003 Município: Rio Verde Distânci té Goiâni: 216 km 1 Cooperdos 34 Cooperdos 2008 Empregdos Empregdos 2008 CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO 21

22 CAPAL COOPERATIVA AGROPECUÁRIA DE AURILÂNDIA LTDA Registro: 018 Rmo: Agropecuário Presidente: Arnldo Nunes Bonfim Município: Aurilândi Endereço: Av. Antunes de Sntn 300 Centro - CEP: Fones: / E-mil: - Site: não tem Informções Geris - Ano Bse Cpitl Socil ,00 Fundo de Reserv ,00 RATES 0,00 Totl do P.L ,00 ICMS ,00 PIS 627,00 COFINS - IR - Operções - ISSQN - IRRF - Retido 3.376,00 INSS ,00 SESCOOP/GO - 1 Evento/treinmento 3 Prticipntes ARMAZENAGEM DA PRODUÇÃO Cpcidde de rmzengem estátic convencionl - scs - Cpcidde de rmzengem estátic grnel - tonelds - Cpcidde de rmzengem grnel líquido - leite - Recebimento de commodities - tonelds - Recebimento de leite - litros - COMPOSIÇÃO PARCIAL DA RECEITA OPERACIONAL BRUTA (R$) Produtos grícols/groindustriis/pecuários - Lojs gropecuáris/rções/insumos ,00 Prestção de serviços/outrs receits opercionis - CAPAL FUNDAÇÃO: 30/04/1968 Município: Aurilândi Distânci té Goiâni: 141 km Cooperdos Cooperdos Empregdos 3 7 Empregdos CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO

23 COOPERATIVA CENTRAL DE LATICINIO DE GOIÁS Registro: 253 Rmo: Agropecuário Endereço: Av. Deputdo Jmel Cecílio nº º ndr Jrdim Goiás - CEP: Fones: E-mil: - Site: Informções Geris - Ano Bse Presidente: Hroldo Mx de Sous Município: Goiâni Cpitl Socil ,26 Fundo de Reserv ,17 RATES ,15 Totl do P.L ,62 ICMS 0,00 PIS 3.049,35 COFINS 0,00 IR - Operções 0,00 ISSQN 0,00 IRRF - Retido ,28 INSS ,81 SESCOOP/GO 3.197,95 8 Eventos/treinmentos 200 Prticipntes ARMAZENAGEM DA PRODUÇÃO Cpcidde de rmzengem estátic convencionl - scs - Cpcidde de rmzengem estátic grnel - tonelds - Cpcidde de rmzengem grnel líquido - leite - Recebimento de commodities - tonelds - Recebimento de leite - litros - COMPOSIÇÃO PARCIAL DA RECEITA OPERACIONAL BRUTA (R$) Produtos grícols/groindustriis/pecuários - Lojs gropecuáris/rções/insumos - Prestção de serviços/outrs receits opercionis ,85 CENTROLEITE Coopertiv Centrl CENTROLEITE FUNDAÇÃO: 01/05/1997 Município: Goiâni Distânci té Goiâni: 0 km Cooperdos 15 Cooperdos Empregdos 3 2 Empregdos CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO 23

24 CIP COOPERATIVA DOS IRRIGANTES DE PIRACANJUBA LTDA Registro: 208 Rmo: Agropecuário Presidente: Joquim José Rodrigues Município: Pircnjub Endereço: Av. Antônio Btist Arntes nº Qd Lote 464 Centro - CEP: Fones: / E-mil: - Site: não tem Informções Geris - Ano Bse Cpitl Socil ,45 Fundo de Reserv ,43 RATES 0,00 Totl do P.L ,88 ICMS 0,00 PIS 237,41 COFINS 41,25 IR - Operções 197,33 ISSQN 16,50 IRRF - Retido 0,00 INSS 7.830,61 SESCOOP/GO 180,89 2 Eventos/treinmentos 4 Prticipntes ARMAZENAGEM DA PRODUÇÃO Cpcidde de rmzengem estátic convencionl - scs - Cpcidde de rmzengem estátic grnel - tonelds - Cpcidde de rmzengem grnel líquido - leite - Recebimento de commodities - tonelds - Recebimento de leite - litros - COMPOSIÇÃO PARCIAL DA RECEITA OPERACIONAL BRUTA (R$) Produtos grícols/groindustriis/pecuários - Lojs gropecuáris/rções/insumos - Prestção de serviços/outrs receits opercionis ,13 CIP FUNDAÇÃO: 30/09/1991 Município: Pircnjub Distânci té Goiâni: 87 km 1 1 Cooperdos 63 Cooperdos Empregdos 2 Empregdos CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO

25 COOPERATIVA DOS PRODUTORES RURAIS DE BURITI ALEGRE COABA Registro: 416 Rmo: Agropecuário Presidente: José Ricrdo Vsconsellos Município: Buriti Alegre Endereço: Ru Noss Senhor d Abdi nº 244 Centro - CEP: Fones: E-mil: - Site: não tem Informções Geris - Ano Bse Cpitl Socil ,00 Fundo de Reserv 0,00 RATES 0,00 Totl do P.L ,00 ICMS ,80 PIS 278,15 COFINS 0,00 IR - Operções 0,00 ISSQN 0,00 IRRF - Retido 0,00 INSS 8.560,12 SESCOOP/GO 0,00 0 Evento/treinmento 0 Prticipnte ARMAZENAGEM DA PRODUÇÃO Cpcidde de rmzengem estátic convencionl - scs - Cpcidde de rmzengem estátic grnel - tonelds - Cpcidde de rmzengem grnel líquido - leite - Recebimento de commodities - tonelds - Recebimento de leite - litros - COMPOSIÇÃO PARCIAL DA RECEITA OPERACIONAL BRUTA (R$) Produtos grícols/groindustriis/pecuários - Lojs gropecuáris/rções/insumos - Prestção de serviços/outrs receits opercionis - COABA FUNDAÇÃO: 10/10/2006 Município: Buriti Alegre Distânci té Goiâni: 178 km Cooperdos Cooperdos 2008 Empregdos 3 2 Empregdos 2008 CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO 25

Presidente: Haroldo Max de Sousa

Presidente: Haroldo Max de Sousa CENTROLEITE: Fone comercial: (62) 3281-4999 Email: presidente@centroleite.com.br OCB-GO: Fone comercial: (62) 3240-2610 Email: presidente@ocbgo.org.br Presidente: Haroldo Max de Sousa FAZENDA TAMBO Município:

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 4, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 4, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 5-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 4, 2015 Dengue Em 2015

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 15, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 15, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 14-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 15, 2015 Dengue Em 2015,

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Sistema AG subsidia prestação de contas das cooperativas 7. Investimento das cooperativas foi de R$ 49 milhões 6 GESTÃO COOPERATIVISTA

Sistema AG subsidia prestação de contas das cooperativas 7. Investimento das cooperativas foi de R$ 49 milhões 6 GESTÃO COOPERATIVISTA GESTÃO COOPERATIVISTA Sistema AG subsidia prestação de contas das cooperativas 7 www.ocbgo.org.br Jornal do Sistema OCB/SESCOOP-GO ANO V Nº 32 MARÇO/ABRIL 2011 DIRIGENTES APROVAM CONTAS E ELEGEM NOVO CONSELHO

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Volume 45 N 17-2014 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde Dengue: monitormento té Semn Epidemiológic (SE) 29 de 2014 Em 2014 form registrdos 688.287 csos de dengue no pís

Leia mais

COOPERATIVISMO DE BASE TECNOLÓGICA E INTEGRADA

COOPERATIVISMO DE BASE TECNOLÓGICA E INTEGRADA SESCOOP/GO Uma década capacitando o cooperativismo de Goiás PÁGINA 3 Ano 4, nº 21, MAIO/JUNHO - 2009 Jornal do Sistema OCB/SESCOOP-GO A Casa do Cooperativismo COOPERATIVISMO DE BASE TECNOLÓGICA E INTEGRADA

Leia mais

APROVADO PLANO DE TRABALHO DO COOPERATIVISMO GOIANO PARA 2011

APROVADO PLANO DE TRABALHO DO COOPERATIVISMO GOIANO PARA 2011 Jornal do Sistema OCB/SESCOOP-GO INTERCOOPERAÇÃO 5º Encontro Goiano de Mulheres Cooperativistas incentivou a troca de experiências ANO IV Nº 30 NOVEMBRO/DEZEMBRO/2010 www.ocbgo.org.br PÁGINAS 6 e 7 APROVADO

Leia mais

Professor Fernando Rosa, de Piracanjuba, entre os vencedores 3 PRÊMIO COOPERJOVEM ANO V Nº 36 NOVEMBRO/DEZEMBRO 2011

Professor Fernando Rosa, de Piracanjuba, entre os vencedores 3 PRÊMIO COOPERJOVEM ANO V Nº 36 NOVEMBRO/DEZEMBRO 2011 PRÊMIO COOPERJOVEM Professor Fernando Rosa, de Piracanjuba, entre os vencedores 3 Jornal do Sistema OCB/SESCOOP-GO www.ocbgo.org.br ANO V Nº 36 NOVEMBRO/DEZEMBRO 2011 APROVADO PLANO DE TRABALHO DO COOPERATIVISMO

Leia mais

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do Reltório de tividdes Abril / 2011 Jneiro / 2014 A d UFG/CAC está vinculd à direção do Câmpus e, posteriormente, o Setor de Convênios e Contrtos do Gbinete d Reitori. Tem como função intermedir s relções

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA : 15 Mnutenção e Revitlizção do Ensino Infntil FUNDEB 40% 1. Problem: O município possui pens dus escol que oferece ensino infntil e não tende tod demnd.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO. SESCOOP/GO reuniu secretárias de cooperativas em 1º Encontro

CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO. SESCOOP/GO reuniu secretárias de cooperativas em 1º Encontro SESCOOP/GO reuniu secretárias de em 1º Encontro www.ocbgo.org.br CAPACITAÇÃO 8 2012 Ano Internacional das Cooperativas Jornal do Sistema ANO VI Nº 40 JULHO/AGOSTO 2012 CENSO DO COOPERATIVISMO GOIANO Mais

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Sntn de Prníb Áre de Conhecimento: : Proteção e Prevenção Componente Curriculr: LNR Legislção e Norms Regulmentodors

Leia mais

Mais SESCOOP/GO RAMO SAÚDE NA LUTA POR REVISÃO DO ROL DA ANS. 7 COOPERMODEL CRESCE A PARTIR DE RIO VERDE. 3 4/5

Mais SESCOOP/GO RAMO SAÚDE NA LUTA POR REVISÃO DO ROL DA ANS. 7 COOPERMODEL CRESCE A PARTIR DE RIO VERDE. 3 4/5 2008 será um ano movimentado na agenda do cooperativismo goiano. Confira PÁGINA 8 Ano 3, nº 13, Janeiro/Fevereiro/2008 Jornal do Sistema OCB/SESCOOP GO Mais SESCOOP/GO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Jornal do Sistema OCB/SESCOOP-GO QUALIFICAÇÃO COOPERATIVISTA SESCOOP/GO

Jornal do Sistema OCB/SESCOOP-GO QUALIFICAÇÃO COOPERATIVISTA SESCOOP/GO CASA NOVA Sistema OCB/SESCOOP-GO inaugura nova sede em abril 3 Jornal do Sistema OCB/SESCOOP-GO ANO V Nº 31 JANEIRO/FEVEREIRO/2011 QUALIFICAÇÃO COOPERATIVISTA www.ocbgo.org.br SESCOOP/GO Entidade reafirma

Leia mais

OCB-GO discutiu com Seagro investimentos do projeto Goiás-China 3. Jornal do Sistema OCB/SESCOOP-GO

OCB-GO discutiu com Seagro investimentos do projeto Goiás-China 3. Jornal do Sistema OCB/SESCOOP-GO ESTRATÉGIA OCB-GO discutiu com Seagro investimentos do projeto Goiás-China 3 www.ocbgo.org.br Jornal do Sistema OCB/SESCOOP-GO ANO V Nº 33 MAIO/JUNHO 2011 INA UG UR AÇÃO E P OSSE CASA NOVA, NOVA DIRETORIA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

PROJETOS DE EXTENSÃO EXECUTADOS

PROJETOS DE EXTENSÃO EXECUTADOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE SÃO LUÍS DE MONTES BELOS Ru d Sudde, esq. com Viel B, nº56 Vil Edurd São Luís de Montes Belos GO CEP: 76.100-000 - Telefone: (64) 3671-3751 Site:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

Projeto. Sinalização Interna do CNPq. Prédio 507. Painel ilustrativo (box aéreo - perspectiva)

Projeto. Sinalização Interna do CNPq. Prédio 507. Painel ilustrativo (box aéreo - perspectiva) Sinlizção Intern do CNPq Projeto Pinel ilustrtivo (box éreo - perspectiv) Suporte: metl, pintur utomotiv cor brnc Suporte: tubo de lumínio escovdo Box em fce dupl de ço escovdo SISTEMA MODULAR (régus em

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

A Activar centrará a sua ação em CINCO eixos de intervenção fundamentais:

A Activar centrará a sua ação em CINCO eixos de intervenção fundamentais: ACTIVAR EM 2015 PLANO DE INTERVENÇÃO ANUAL INTRODUÇÃO: A Animção de um território depende do conjunto de tores existentes e de cordo com missão de cd um deles. É fundmentl que exist um efetiv cooperção

Leia mais

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa.

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa. Av. Fernndo Ferrri, 514 Vitóri ES CEP: 29.075-910 Cmpus de Goibeirs Tel/Fx: +55 (27) 4009-7657 E-mil: ppghis.ufes@hotmil.com http://www.histori.ufes.br/ppghis EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO ESPECIAL

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

O Presidente da Federação Mineira de Basketball, no uso de suas atribuições estatutárias, RESOLVE:

O Presidente da Federação Mineira de Basketball, no uso de suas atribuições estatutárias, RESOLVE: NOTA OFICIAL Nº 079.2014 O Presidente d Federção Mineir de Bsketbll, no uso de sus tribuições esttutáris, RESOLVE: DA COORDENAÇÃO TÉCNICA 1. Convocr Seleção Mineir Sub 17, Nipe Msculino, pr disput d X

Leia mais

Ano CXLIV N o - 135 Brasília - DF, segunda-feira, 16 de julho de 2007

Ano CXLIV N o - 135 Brasília - DF, segunda-feira, 16 de julho de 2007 ISSN 1677-7042 Ano CXLIV N o - 135 Brsíli - DF, segund-feir, 16 de julho de 2007 Sumário. PÁGINA Presidênci d Repúblic... 1 Ministério d Agricultur, Pecuári e Abstecimento... 4 Ministério

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO

PLANO ANUAL DE TRABALHO PLANO ANUAL DE TRABALHO DE ARAUCÁRIA 06 smed@rucri.pr.gov.br 1 1. APRESENTAÇÃO O Conselho Municipl de Educção CME de Arucári, crido nos termos d Lei Municipl nº 1.527/04, de 02 de novembro de 04, é o órgão

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO Objetivo 1: Grntir prioridde técnic, polític e finnceir pr ções de enfrentmento do HIV/DST voltds

Leia mais

Nota de Pagamento Realizado

Nota de Pagamento Realizado Unidade 22022 tividade SERVIÇO UTÔNOMO MUNICIPL ÁGU E ESGOTO DMINISTRDO PEL FUNDÇÃO NCIONL SÚ RU SOFI TCHINI, 237 Cep 87230000 CGC 809090960001-44 JUSSR-PR PRNÁ Fones (044) 3628-1401 Fax (044) 3628-1401

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ESOLA SEUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE ARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 [Escrev texto] Págin 0 B I B L I O T E A E S O L A R PLANO ANUAL DE TRABALHO/ATIVIDADES A urrículo, litercis

Leia mais

Porto Alegre. Instituição Endereço Fone Fax. Av. Bento Gonçalves, 3722 Bairro Partenon Cep: 90650.001

Porto Alegre. Instituição Endereço Fone Fax. Av. Bento Gonçalves, 3722 Bairro Partenon Cep: 90650.001 Porto Alegre Uniddes Dispensdors de Medicmentos ARV ADS-Ambultório de Dermtologi Snitári Av. João Pesso, 1327 Birro Cidde Bix Cep: 94-1 (51) 391-1432 (51) 391-1457 (51) 391-1423 Hospitl de Clínics de Porto

Leia mais

Nota de Pagamento Realizado

Nota de Pagamento Realizado Unidade 14001 tividade SERVIÇO UTONOMO MUNICIPL ÁGU E ESGOTO CONVENID COM FUNDÇÃO NCIONL SÚ RU NTONIO COLETTO N 1228 Cep 86790-000 CGC 809102010001-65 LOBTO-PR PRNÁ Fones (44) 3249-1399 Fax (44) 3249-1399

Leia mais

goiás cooperativo Dirigentes aprovam contas e plano de trabalho 2013 PRESTAÇÃO DE CONTAS DE 2012

goiás cooperativo Dirigentes aprovam contas e plano de trabalho 2013 PRESTAÇÃO DE CONTAS DE 2012 Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Goiás capacite-se SESCOOP/GO lança agenda anual de treinamento e desenvolvimento. 3 goiás Ano VII 44 Março-Abril de 2013 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Escola SENAI Theobaldo De Nigris

Escola SENAI Theobaldo De Nigris Escol SENAI Theobldo De Nigris Conteúdos borddos nos cursos de Preservção 2011 1) CURSO ASSISTENTE DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA (362h) I Étic e históri n conservção (72h): 1. Étic e históri d Conservção/Resturo

Leia mais

Sindicatos. Indicadores sociais 2001

Sindicatos. Indicadores sociais 2001 Ministério do Plnejmento, Orçmento e Gestão Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE Diretori de Pesquiss Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis Sindictos Indicdores sociis 2001 Rio de Jneiro

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia Eleições Está berto o período de inscrição pr s novs chps do Diretório Acdêmico - Gestão 2015 Inscrições: dos dis 17 29 de gosto de 2015 somente pelo e-mil: fisioufu.d.@gmil.com A votção será relizd nos

Leia mais

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276 Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1274; 1275 e 1276 A Câmr Municipl Mi procede

Leia mais

Faculdade Estácio de Sá de Vitória Rua Doutor Herwan Modenesi Wanderley, nº 1.001, Quadra 06, Lote 01 Jardim Camburi Vitória/ES

Faculdade Estácio de Sá de Vitória Rua Doutor Herwan Modenesi Wanderley, nº 1.001, Quadra 06, Lote 01 Jardim Camburi Vitória/ES GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE NÍVEL MÉDIO E NÍVEL SUPERIOR EDITAL Nº 8 PCES, DE 14 DE JANEIRO DE 2011 O PRESIDENTE DA

Leia mais

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem*

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem* Educção Ambientl n Comunid Escolr no Entorno do Prque Nturl Municipl do Prgem* 1 ALMEIDA, Grciel Gonçlves ; ARENDT, Krine Sles; LIRA, Elinlv Silv ; MACEDO, Gbriel Zcris; VIEIRA, An Pul. Plvrs-chve: Meio

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

LOCAIS DE INSCRIÇÃO EM TODO O ESTADO

LOCAIS DE INSCRIÇÃO EM TODO O ESTADO LOCAIS DE INSCRIÇÃO EM TODO O ESTADO Águas Lindas de Goiás Área Especial II / III, Setor 12, ao lado da Paróquia São Pedro Apóstolo, CEP 72910-000. Alexânia Secretaria do Trabalho, Avenida 15 de Novembro,

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

ESCOLAS DE MERGULHO COM CREDENCIAMENTO ATIVO

ESCOLAS DE MERGULHO COM CREDENCIAMENTO ATIVO ESCOLAS DE MERGULHO COM ATIVO ESCOLA CREDENCIADA CURSOS AUTORIZADOS CERTIFICADO DE SEGURANÇA DE SISTEMAS DE MERGULHO R(CSSM) CURSO BÁSICO DE MERGULHO RASO PROFISSIONAL * Hbilitção: mergulhos com r comprimido

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

CARTA CIRCULAR PROPESQ/UFT/N 017/2005. Palmas, 16 de agosto de 2005. Análise das solicitações de auxílio financeiro. Prezados(as) Senhores(as),

CARTA CIRCULAR PROPESQ/UFT/N 017/2005. Palmas, 16 de agosto de 2005. Análise das solicitações de auxílio financeiro. Prezados(as) Senhores(as), Fundç Universidde Federl do Tocntins - UFT Pro-Reitori de Pesquis e Pós-Grduç - Avenid NS 15, ALCNO 14. Cmpus Universitário de Plms Bloco 04, Sl 28. Cix Postl 111 Plms TO Cep: 77.001-970 CARTA CIRCULAR

Leia mais

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL 1. DO PROGRAMA 1.1. O PSG destin-se pessos de bix rend cuj rend fmilir mensl per cpit não ultrpsse 2 slários mínimos federis,

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: Comercilizr e Vender (10.º Ano) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Mri do Crmo Mendes Ano Letivo 2013/2014 Competêncis Geris

Leia mais

Informativo. Sistema Faerj Fevereiro 2012 Ano 03 - nº5 WEB: NOVO SITE INTEGRA INFORMAÇÕES DO SISTEMA FAERJ

Informativo. Sistema Faerj Fevereiro 2012 Ano 03 - nº5 WEB: NOVO SITE INTEGRA INFORMAÇÕES DO SISTEMA FAERJ Informtivo Sistem Ferj Fevereiro 2012 Ano 03 - nº5 WEB: NOVO SITE INTEGRA INFORMAÇÕES DO SISTEMA FAERJ Blde Cheio conheç o trblho no sítio Bel Vist Avicultur: cresce investimentos no estdo IN62: sib mis

Leia mais

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação!

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação! O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! Dr() Pesso O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! ORIGEM DO CONCEITO Apesr dos tempos contenção, há de muits empress estão disposts vlorizr

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil

Ordem dos Advogados do Brasil QUINTO PERFIL DAS SOCIEDADES DE ADVOGADOS - OAB/MG Por Stnley Mrtins Frsão 1 A Comissão de Sociedde de Advogdos d Ordem do Brsil dos Advogdos, seção Mins Geris, present o QUINTO PERFIL DAS SOCIEDADES DE

Leia mais

LIQUIDO - AQUISIÇÃO DE FERRAMENTAS PARA MANUTENÇÃO DE APARELHOS DE AR 341 / 08515 / 0000201203 684,00 20158256 LTDA - ME

LIQUIDO - AQUISIÇÃO DE FERRAMENTAS PARA MANUTENÇÃO DE APARELHOS DE AR 341 / 08515 / 0000201203 684,00 20158256 LTDA - ME 05/01/2016 3 JER COMERCIO INSTALACAO E MANUTENCAO DE AR CONDICIONADO LIQUIDO - AQUISIÇÃO DE FERRAMENTAS PARA MANUTENÇÃO DE APARELHOS DE AR 341 / 08515 / 0000201203 684,00 20158256 LTDA - ME CONDICIONADOS

Leia mais

EDITAL 001/2013 - EADUnC

EDITAL 001/2013 - EADUnC EDITAL 001/2013 - EADUnC O Reitor d Universidde do Contestdo-UnC, de cordo com o disposto no Regimento, fz sber, trvés do presente Editl, que estrão berts inscrições e mtriculs pr ingresso nos Cursos de

Leia mais

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS.

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. 5ª EDIÇÃO O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 01? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. FEIRA DE TURISMO DA BAHIA 01 Cpcitção Plestrs Debtes Workshops Rodd de Negócios Como se

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 13:29 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

Questionário. Base de Dados dos Recursos Humanos da Área Jurídica da Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau

Questionário. Base de Dados dos Recursos Humanos da Área Jurídica da Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau Registo inicil Actulizção de ddos Direcção dos Serviços d Reform Jurídic e do Direito Interncionl Questionário Bse de Ddos dos Recursos Humnos d Áre Jurídic d Administrção Públic d Região Administrtiv

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove Aem n S Informe Icesp Semnl Ano IV nº 49 11/04/2014 Vem í, novo curso no Icesp/Promove A prtir do segundo semestre de 2014, o ICESP Promove de Brsíli brirá inscrições pr o curso de Tecnologi em Construção

Leia mais

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC GAE/ 04 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguçu Prná - Brsil GRUPO VI GRUPO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS (GAE) REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO Prof. Crlos Rul Borenstein,

Leia mais

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis Crid pel Lei Estdul nn 2. 766/63 CNPJ.: 21.420.85610001-96 - lrrsc Estdul. ISENTA Entidde M ntenedor do Grupo Educcionl Uni: Centro Universitdrio do Sul d Mins - UNIS Fculdde Bum- FABE Fculdde Três Ponts

Leia mais

Um parceiro com objectivos

Um parceiro com objectivos Um prceiro com objectivos Índice 1. Sistem de Automção scolr... 3 2. Portri... 5 3. Gestão Finnceir I... 6 4. Sls de Aul... 14 5. Internet... 15 6. Gestão de Alunos.. 16 7. sttístics. 17 8. Inforvist:

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

I - APRESENTAÇÃO. Prof. Dr. Ricardo Oliveira Lacerda de Melo Presidente do Conselho de Administração

I - APRESENTAÇÃO. Prof. Dr. Ricardo Oliveira Lacerda de Melo Presidente do Conselho de Administração 5 I - APRESENTAÇÃO Com mis um reltório nul, o décimo terceiro desde su crição, FAPESE present de form quntittiv e qulittiv um retrospectiv d su tução no no de 2006, ind n gestão do Prof. Dr. José Roberto

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 083/2003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003.

LEI COMPLEMENTAR Nº 083/2003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. LEI COMPLEMENTAR Nº 083/2003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. INSTITUI A TAXA DE SERVIÇO DE LIMPEZA URBANA, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE TANGARÁ DA SERRA-MT E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 5.580 Institui o Plno de Crreir e Vencimentos do Mgistério Público Estdul do Espírito Snto O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Fço sber que Assembléi Legisltiv decretou e eu snciono seguinte

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

negócios agroindustriais

negócios agroindustriais graduação administração linha de formação específica negócios agroindustriais Características gerais A Linha de Formação Específica de Negócios Agroindustriais da Univates visa ao desenvolvimento de competências

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE 31 DE JULHO DE 2015.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE 31 DE JULHO DE 2015. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE DE JULHO DE 15. ##TEX O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de sus tribuições e competêncis

Leia mais

DEMONSTRATIVO DAS LICITAÇÕES HOMOLOGADAS NO MÊS DE FEVEREIRO/2014

DEMONSTRATIVO DAS LICITAÇÕES HOMOLOGADAS NO MÊS DE FEVEREIRO/2014 ESTDO D BHI PREFEITUR MUNICIPL DE QUIJINGUE PODER EXECUTIVO MUNICIPL COMISSÃO DE LICITÇÃO DEMONSTRTIVO DS LICITÇÕES HOMOLOGDS NO MÊS DE FEVEREIRO/2014 Órgão/Entidade: PREFEITUR MUNICIPL DE QUIJINGUE Exercício:

Leia mais

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática.

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática. Desenvolvendo vs ferrments pedgógics pr formção gestores prques ncionis: jogos ppéis e simulção informátic 1 Equipe Jen-Pierre Briot (LIP6 & LES/DI/PUC-Rio) (coorndor) Mrt Irving (EICOS/IP/UFRJ) (vice-coorndor)

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO ESTDO D PRIB PREFEITUR MUNICIPL DE LGO SEC GBINETE DO PREFEITO Lei nº 117/20, de 31 de dezembro de 20 INSTITUI O CENTRO DE TENÇÃO PSICOSSOCIL NO MUNICÍPIO DE LGO SEC-PB, CRI CRGOS DE PROVIMENTO EFETIVO

Leia mais

EDITAL DE 3 DE FEVEREIRO DE 2006 CONCURSO DE ADMISSÃO À CARREIRA DE DIPLOMATA

EDITAL DE 3 DE FEVEREIRO DE 2006 CONCURSO DE ADMISSÃO À CARREIRA DE DIPLOMATA EDITAL DE 3 DE FEVEREIRO DE 2006 CONCURSO DE ADMISSÃO À CARREIRA DE DIPLOMATA O DIRETOR DO INSTITUTO RIO BRANCO, em obediênci o subitem 6.2.1 do Editl de 29 de dezembro de 2005, publicdo no Diário Oficil

Leia mais

Chamada Pública MCT/FINEP/SEBRAE Ação Transversal - Cooperação ICTs / Empresas - 10/2005 LINHA 1

Chamada Pública MCT/FINEP/SEBRAE Ação Transversal - Cooperação ICTs / Empresas - 10/2005 LINHA 1 LINH 1 Prot. Elet. Ref. Título do Projeto Proponente / Executor / Projeto Nome Executor UF 1 2984/05 PL TECNOLOGI VNÇD PR PEDR CRIRI FCPCCENTECPLTPCRI INSTITUTO CENTRO DE ENSINO TECNOLÓGICO 3 3235/05 E

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curriculr: EDUCAÇÃO E CIDADANIA

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA EDITAL Nº 01 /2015

SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA EDITAL Nº 01 /2015 SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA EDITAL Nº 01 /2015 SELEÇÃO DE PROFESSOR BOLSISTA EXTERNO DO PRONATEC PARA CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL A Coordenção Gerl do PRONATEC torn públic lterção do Anexo II

Leia mais

ANEXO 1. NOTA TÉCNICA

ANEXO 1. NOTA TÉCNICA ANEXO 1. NOTA TÉCNICA O feijão cupi (Vign unguicult (L.) Wlp), conhecido tmbém como feijão-decord ou feijão mcssr, constitui-se em fonte de proteíns e limento básico pr grnde prte d populção d Região do

Leia mais