Professor Mauricio Lutz AMOSTRAGEM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Professor Mauricio Lutz AMOSTRAGEM"

Transcrição

1 1 AMOSTRAGEM 1)Conceitos em amostragem Inferência estatística é o processo e obter informação sobre uma população a partir e resultaos observaos na amostra. Amostragem é o processo e retiraa os n elementos amostrais, na ual eve seguir um métoo aeuao (tipos e amostragem). ) Plano e amostragem 1 ) Definir claramente os objetivos a pesuisa; ) Definição a população; 3 ) Definição a uniae amostral; 4 ) Forma e seleção os elementos a população; 5 ) Tamanho a amostra. Exemplo: População Alvo: Moraores e uma ciae. Objetivo: Tipo e resiência: - Própria; alugaa; emprestaa. - Um piso; ois pisos; três ou mais pisos. Uniae Amostral: Domicílios (resiências). Elementos a população: Família por omicílio. Tipo e amostragem: por exemplo, aleatória simples, sistemática, estratificaa. 3) Tipos e amostragem Poemos classificar a amostragem em não-probabilística e probabilística (mais utilizaa). Dentro a amostragem não probabilística temos a amostragem a esmo, intencional e cotas, para a amostragem probabilística existe a amostragem simples ou ocasional, sistemática, estratificaa e por conglomeraos. RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

2 Quaro resumo amostragem Vejamos alguns tipos principais e amostragem probabilística: a) Amostragem simples ou ocasional É o processo mais elementar e freüentemente utilizao. Toos os elementos a população têm igual probabiliae e serem escolhios. Para uma população finita o processo eve ser sem reposição. Toos os elementos a população evem ser numeraos. Para realizar o sorteio os elementos evemos usar a Tabela e Números Aleatórios. b) Amostragem Sistemática Trata-se e uma variação a amostragem aleatória simples, conveniente uano a população esta naturalmente orenaa, como fichas em um fichário, lista telefônica, etc. Seno N o tamanho a população e n o tamanho a amostra esejao, efine-se a uantiae N K, chamao intervalo e amostragem. n Faz-se um sorteio entre os números 1,, 3,..., k, e se obtém o valor i, one será o meu primeiro elemento, os emais elementos poerão ser calculaos pelo termo geral e uma progressão aritmética. a n i+ ( n-1). k A amostra sistemática é freüentemente utilizaa em pesuisas ue obrigam ue a seleção seja feita urante a etapa e coleta e aos, por pessoas ue não estão familiarizaas com tabelas e números aleatórios ou com uso e software. RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

3 3 Exemplo e amostragem simples e sistemática. Suponha ue uma empresa e telefonia fixa eseja saber o grau e satisfação e seus usuários com serviços prestaos. O número e assinantes é a orem e e nos esejamos selecionar uma amostra aleatória e assinantes com o intuito e obter a avaliação sobre os serviços. No caso a amostragem simples. Primeiramente evemos ter os assinantes numeraos seüencialmente e 1 a e somente após seriam selecionaos os assinantes. A seleção seria feita com o uso e uma tabela e números aleatórios ou e software ue gere estes números. No caso a amostragem sistemática N n N n Portanto evemos selecionar 1 assinante entre os primeiros 50. Fazeno-se um sorteio entre 1,,..., 50, igamos ue foi sorteao o número 10. obtemos: Aplicano na fórmula o termo geral e uma progressão aritmética, a n a a 1 3 i+ ( n-1). k a 10+ (1-1) (-1) (3-1) E assim sucessivamente, logo temos então os números 10, 60, 110,... c) Amostragem estratificaa É um processo e amostragem usao uano nos eparamos com populações heterogêneas, no ual poe-se istinguir subpopulações mais ou menos homogêneas, enominaos estratos. Após a eterminação os estratos, seleciona-se uma amostra aleatória e caa uma subpopulação (estrato). As iversas subamostras retiraas as subpopulações evem ser proporcionais aos respectivos números e elementos os estratos e guararem a proporcionaliae em relação a variabiliae e caa estrato, obteno-se uma estratificação ótima. RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

4 4 Exemplo: Vamos obter uma amostra estratificaa e 10% a população para a pesuisa a estatura e 90 alunos e uma escola seno ue estes 54 sejam meninos e 36 sejam meninas. São, portanto ois estratos (gênero feminino e gênero masculino) e ueremos uma amostra e 10% a população. Gênero População 10% Amostra M 54 F 36 10x54 5 5, x ,6 100 Total 90 10x90 9 9,0 100 Numeramos os alunos e 1 a 90, seno ue e 01 a 54 corresponem meninos e e 55 a 90, meninas. Tomano na tabela e números aleatórios a primeira e a seguna coluna a esuera, e cima para baixo, obtemos os seguintes números: RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

5 5 Temos então: para os meninos; para as meninas; A amostragem poe ser com ou sem reposição os elementos. Consieremos N o número e elementos e uma população, e seja n o número e elementos e uma amostra, então: Se o processo e retiraa os elementos for com reposição o número e amostras possíveis será: Número e amostras Se o processo e retiraa os elementos for sem reposição o número e amostras possíveis será: Número e amostras C n N n N N! n!( N - n)! 4) Dimensionamento a amostra Proceimentos: 1 o ) Analise o uestionário, ou roteiro a entrevista e escolha uma variável ue julgue mais importante para o estuo. Se possível, escolha mais o ue uma variável. intervalar. o ) Verifiue o nível e mensuração a variável: se nominal, orinal ou 3 o ) Consiere o tamanho a população: finita ou infinita. 4 o ) Se a variável escolhia for intervalar e a população consieraa infinita, você poerá eterminar o tamanho a amostra pela fórmula: æ Z. s ö ç è ø one: Z abscissa a istribuição normal parão, fixao um nível e ( 1-a )% e confiança para construção o intervalo e confiança para a méia. Se o nível for e 90%, Z 1, 645. Se o nível for e 95,5%, Z. Se o nível for e 95%, Z 1, 96. Se o nível for e 99%, Z, 57. RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

6 6 Geralmente, utiliza-se Z, isto é, amite-se ( 1-a )% 95,5%. s esvio parão a população, expressão na uniae variável. Você poerá avaliá-lo e, pelo menos, uma as três maneiras: - Especificações técnicas; - Resgatar o valor e estuos semelhantes; - Fazer conjecturas sobre possíveis valores. Obs.: Se o esvio parão não for conhecio evemos utilizar um valor preliminar amplitue obtio por processos como fazer uma aproximação ou realizar um 4 estuo piloto, iniciano o processo e amostragem. Com base na primeira coleção e pelo menos 31 valores amostrais selecionaos aleatoriamente, calcular o esvio-parão amostral e utilizá-lo em lugar o esvio parão populacional. Este valor poe ser refinao com a obtenção e mais aos amostrais. erro amostral, expresso na uniae a variável. O erro amostral é a máxima iferença ue o investigaor amite suportar entre m e X, isto é: m - X <, one m é a veraeira méia populacional, ue ele não conhece, e X será a méia amostral a ser calculaa a partir a amostra. 5 o ) Se a variável escolhia for intervalar e a população finita, tem-se: Z. s. N ( N -1) + Z s one: Z abscissa a istribuição normal parão (veja comentaria o item 4 o ); s esvio parão a população (veja comentaria o item 4 o ); N tamanho a população; erro amostral (veja comentaria o item 4 o ). 6 o ) Se a variável escolhia for nominal ou orinal, e a população consieraa infinita, você poerá eterminar o tamanho a amostra pela fórmula: Z. pˆ.ˆ one: Z abscissa a istribuição normal parão (veja comentaria o item 4 o ); pˆ estimativa a veraeira proporção e um os níveis a variável escolhia. Por exemplo, se a variável escolhia for porte a empresa, pˆ poará ser a estimativa RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

7 7 a veraeira proporção e granes empresas o setor ue está seno estuao. Será expresso em ecimais. Assim, se p ˆ 30%, teremos: p ˆ 0, 30. ˆ 1- pˆ Obs.: Se pˆ e ˆ forem esconhecios, substituímos pˆ e ˆ por 0,5, obteno a Z.0,5 seguinte estimativa: erro amostral, expresso em ecimais. O erro amostral neste caso será a máxima iferença ue o investigaor amite suportar entre p e pˆ, isto é: p - pˆ <, em ue p é a veraeira proporção, ue ele não conhece, e pˆ será a proporção (freüência relativa) o evento a ser calculao a partir a amostra. tem-se: 7 o ) Se a variável escolhia for nominal ou orinal e a população finita, Z. pˆ.ˆ. N ( N -1) + Z. pˆ.ˆ one: Z abscissa a istribuição normal parão (veja comentaria o item 4 o ); pˆ estimativa a proporção (veja comentaria o item 6 o ); ˆ 1- pˆ (veja comentaria o item 6 o ); erro amostral (veja comentaria o item 6 o ); N tamanho a amostra. Estas fórmulas são básicas para ualuer tipo e composição a amostra; toavia, existem fórmulas específicas seguno o critério e composição a amostra. n obtio. Se o investigaor escolhe mais e uma variável, eve optar pelo maior Exemplos: a)suponha ue a variável escolhia em estuo seja o peso e certa peça e ue a população seja infinita. Pelas especificações o prouto, o esvio parão é e 10kg. Logo, amitino um nível e confiança e 95,5% e m erro amostral e 1,5kg, temos: s 10kg 1, 5kg ( 1-a )% 95,5%, ou seja: Z æ Z. s ö ç è ø æ.10ö ç è 1,5 ø 178 RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

8 8 Ou seja: com uma amostra aleatória simples e 178 peças, há um erro máximo e 1,5kg para construir um intervalo e confiança para o peso méio, com nível e confiança e 95,5%. b) Amitimos os mesmos aos o exemplo anterior e uma população finita e 600 peças. Logo: s 10kg 1, 5kg ( 1-a )% 95,5%, ou seja: Z N 600 n Z. s. N ( N -1) + Z s ,5 (600-1) c) Suponha ue a variável escolhia em um estuo seja a proporção e eleitores favoráveis ao caniato X e ue o investigaor tenha elementos para suspeitar ue essa porcentagem seja e 30%. Amitir a população infinita, um nível e confiança e 99% e um erro amostral e % (ou seja, ue a iferença entre a veraeira proporção e eleitores o caniato X e a estimativa a ser calculaa na amostra seja no máximo e %). Assim: ( 1-a )% 99%, ou seja: Z, 57 p ˆ 30% 0, 30 ˆ 1-0,30 0, 70 % 0,0 Z. pˆ.ˆ (,57).(0,30)(0,70) n (0,0) Ou seja, consultano, aleatoriamente, eleitores, poeremos fazer inferência a veraeira proporção e eleitores o caniato X, com erro máximo e %. ) Amitir os mesmo aos o exemplo anterior e ue a população e eleitores seja finita e eleitores. Logo: n Z. pˆ.ˆ. N ( N-1) + Z pˆ.ˆ (0,0) ( ) + (,57) (0,30)(0,70) Obs.: Como eterminar o valor e Z: Se Z 90% então Z 45% 0, 450 RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55) Z a 90%, ir na tabela a istribuição normal e ver em ual linha e coluna está o valor 0,450, localizao vemos ue o valor na linha é 1,6 e na coluna é 0,04, o ue correspone a 1,6+0,041,64.

9 9 Se Z 98% então Z 49% 0, 490 Z a 98%, ir na tabela a istribuição normal e ver em ual linha e coluna está o valor 0,490, localizao vemos ue o valor na linha é,3 e na coluna é 0,03, o ue correspone a,3+0,03,33. Exercícios 1) Um estatístico eseja estimar a rena méia para o primeiro ano e trabalho e um tecnólogo em Grãos. Quantos valores e rena evem ser tomaos, se o estatístico eseja ter 95% e confiança em ue a méia amostral esteja a menos e R$ 500,00 a veraeira méia populacional? Suponha ue saibamos, por um estuo prévio, ue para tais renas, s R$ 650,00. ) Baseao nos aos o exercícios 1, utilize uma margem e erro maior, como R$1.000,00 e etermine ual seria o tamanho a amostra necessária nesta situação. 3) Uma pesuisa é planejaa para eterminar as espesas méicas anuais as famílias os empregaos e uma grane empresa. A gerência a empresa eseja ter 95% e confiança e ue a méia a amostra está no máximo com uma margem e erro e ±$50 a méia real as espesas méicas familiares. Um estuo-piloto inica ue o esvio-parão poe ser calculao como seno igual a $400. a) Qual o tamanho e amostra necessário? b) Se a gerência eseja estar certa em uma margem e erro e ± $5, ue tamanho e amostra será necessário? 4) O teste e QI parão é planejao e moo ue a méia seja 100 e o esvio parão para aultos normais seja 15. Ache o tamanho a amostra necessária para estimar o QI méio os instrutores e estatística. Queremos ter 99% e confiança em ue nossa méia amostral esteja a menos e 1,5 pontos e QI a veraeira méia. A méia para esta população é obviamente superior a 100, e o esvioparão é provavelmente inferior a 15, porue se trata e um grupo com menor variação o ue um grupo selecionao aleatoriamente a população geral; portanto, se tomamos s 15, estaremos seno conservaores, por utilizarmos um valor ue ará um tamanho e amostra no mínimo tão grane uanto necessário. Suponha s 15 e etermine o tamanho a amostra necessário. RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

10 10 5) Uma assistente social eseja saber o tamanho a amostra (n) necessário para eterminar a proporção a população atenia por uma Uniae e Saúe, ue pertence ao município e Alegrete. Não foi feito um levantamento prévio a proporção amostral e, portanto, seu valor é esconhecio. Ela uer ter 90% e confiança ue sua o erro máximo e estimativa () seja e ± 5% (ou 0,05). Quantas pessoas necessitam ser entrevistaas? 6) Baseao nos aos o exercício 5, utilize uma margem e erro maior, como ± 0,0 (0%) e etermine ual seria o tamanho a amostra necessário uano o nível e confiança é 90% e uano é 95%. 7) Daa a seguinte população: (renas em R$1.000,00) a) Calcular o tamanho a amostra para estimar a méia, seno R$.000, 00, s R$7.000,00 e ( 1-a )% 95,5%. b) Retirar uma amostra aleatória simples, consierano o tamanho amostral obtio no item anterior. c) Calcular sua méia amostral. ) Calcular o esvio parão amostral. e) Calcular a méia a população e verifiue se m - X. 8) Seno p ˆ ˆ 0, 5, população infinita, 0, 05 e ( 1-a )% 95,5%, eterminar o tamanho amostral. RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

11 11 9) Seno p ˆ ˆ 0, 5, população e , 0, 05 e ( 1-a )% 95,5%, eterminar o tamanho amostral. Comparar com o resultaos obtio no exercício 8. 10) Qual é o tamanho a amostra ue o Departamento e Trânsito e uma grane ciae eve tomar para estimar a porcentagem e semáforos efeituosos, se o objetivo é ter 95,5% e confiança em não errar mais e 3%. 11) Estuos anteriores mostram ue o esvio parão a altura os homens ue cursam o Instituto Feeral Farroupilha é e 10cm. Quereno estimar a atura méia e toos os homens essa universiae, com tolerância e 3cm e probabiliae e 0,955, uantas observações everão ser utilizaas? 1) Qual é o tamanho necessário a amostragem ue um alfaiate eve usar se eseja estimar o tempo méio ue os fregueses levam ao trocaor? Ele acha ue o esvio parão é e 3 minutos, com base em amostras anteriores, e eseja estimar a méia a menos e 1 minuto, usano um nível 95,5%. 13) Em Alegrete, há árvores. Qual eve ser o tamanho a amostra ue o Departamento e Jarins precisa tomar para estimar a porcentagem e plantas ue merecem poas, se o objetivo é ter 99% e confiança e não errar mais e 3%? 14) Seguno aos e uma pesuisa anterior, 40% os alunos e certa escola são gremistas. Amita um erro e,5%, ( 1-a )% 95,5%, para imensionar tamanho e amostra e tricolores. Sabe-se ue a escola tem alunos matriculaos. 15) Um engenheiro encarregao o controle e ualiae eseja estimar a fração e artigos efeituosos e um grane lote e lâmpaas. Com base em sua experiência, ele sabe ue a fração efetiva e lâmpaas efeituosas eve estar próxima e 0,. Que tamanho eve ter uma amostra, se ele esejar estimar a veraeira fração e lâmpaas efeituosas com tolerância e 0,01, usano um nível e confiança e 98% RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

12 1 Gabarito 1) Um estatístico eseja estimar a rena méia para o primeiro ano e trabalho e um tecnólogo em Grãos. Quantos valores e rena evem ser tomaos, se o estatístico eseja ter 95% e confiança em ue a méia amostral esteja a menos e R$ 500,00 a veraeira méia populacional? Suponha ue saibamos, por um estuo prévio, ue para tais renas, s R$ 650,00. Queremos eterminar o tamanho n a amostra, ao ue a 0, 05 (95% e confiança). Desejamos ue a méia amostral seja a menos e R$ 500 a méia populacional, e forma ue 500. Supono s R$650, 00, aplicamos a euação abaixo, obtemos: æ Z. s ö ç è ø æ1,96.650ö ç è 500 ø 601 Devemos, portanto, obter uma amostra e ao menos 601 renas e primeiro ano, selecionaas aleatoriamente, e tecnólogos a faculae ue tenham feito um curso Tecnólogo em Grãos. Com tal amostra teremos 95% e confiança em ue a méia amostral ifira em menos e R$500,00 a veraeira méia populacional. ) Baseao nos aos o exercícios 1, utilize uma margem e erro maior, como R$1.000,00 e etermine ual seria o tamanho a amostra necessária nesta situação. Daos o problema: a 0,05 (95% e confiança) Z 1, s R$650,00, aplicano a euação abaixo, obtemos: æ Z. s ö ç è ø æ1,96.650ö ç è 1000 ø 151 Devemos, portanto, obter uma amostra e ao menos 151 renas e primeiro ano, selecionaas aleatoriamente, e tecnólogos a faculae ue tenham feito um curso Tecnólogo em Grãos. Com tal amostra teremos 95% e confiança em ue a méia amostral ifira em menos e R$1.000,00 a veraeira méia populacional. RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

13 13 3) Uma pesuisa é planejaa para eterminar as espesas méicas anuais as famílias os empregaos e uma grane empresa. A gerência a empresa eseja ter 95% e confiança e ue a méia a amostra está no máximo com uma margem e erro e ±$50 a méia real as espesas méicas familiares. Um estuo-piloto inica ue o esvio-parão poe ser calculao como seno igual a $400. a) Qual o tamanho e amostra necessário? b) Se a gerência eseja estar certa em uma margem e erro e ± $5, ue tamanho e amostra será necessário? a) Daos o problema: a 0,05 (95% e confiança) Z 1, s 400, aplicano a euação abaixo, obtemos: æ Z. s ö ç è ø æ1,96.400ö ç è 50 ø 46 Devemos, portanto, obter uma amostra e ao menos 46 espesas méicas, selecionaas aleatoriamente, e famílias os empregaos. Com tal amostra teremos 95% e confiança em ue a méia amostral ifira em menos e $50 a veraeira méia populacional. b) Dao o problema: a 0,05 (95% e confiança) Z 1, s 400, aplicano a euação abaixo, obtemos: æ Z. s ö ç è ø æ1,96.400ö ç è 5 ø 984 Devemos, portanto, obter uma amostra e ao menos 984 espesas méicas, selecionaas aleatoriamente, e famílias os empregaos. Com tal amostra teremos 95% e confiança em ue a méia amostral ifira em menos e $5 a veraeira méia populacional. RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

14 14 4) O teste e QI parão é planejao e moo ue a méia seja 100 e o esvio parão para aultos normais seja 15. Ache o tamanho a amostra necessária para estimar o QI méio os instrutores e estatística. Queremos ter 99% e confiança em ue nossa méia amostral esteja a menos e 1,5 pontos e QI a veraeira méia. A méia para esta população é obviamente superior a 100, e o esvioparão é provavelmente inferior a 15, porue se trata e um grupo com menor variação o ue um grupo selecionao aleatoriamente a população geral; portanto, se tomamos s 15, estaremos seno conservaores, por utilizarmos um valor ue ará um tamanho e amostra no mínimo tão grane uanto necessário. Suponha s 15 e etermine o tamanho a amostra necessário. Dao o problema: a 0,01 (99% e confiança) Z, 57 1,5. s 15, aplicano a euação abaixo, obtemos: æ Z. s ö ç è ø æ,57.15ö ç è 1,5 ø 661 Devemos, portanto, obter uma amostra e ao menos 661 instrutores e estatística, selecionaas aleatoriamente. Com tal amostra teremos 99% e confiança em ue a méia amostral ifira em menos e 1,5 a veraeira méia populacional. 5) Uma assistente social eseja saber o tamanho a amostra (n) necessário para eterminar a proporção a população atenia por uma Uniae e Saúe, ue pertence ao município e Alegrete. Não foi feito um levantamento prévio a proporção amostral e, portanto, seu valor é esconhecio. Ela uer ter 90% e confiança ue sua o erro máximo e estimativa () seja e ± 5% (ou 0,05). Quantas pessoas necessitam ser entrevistaas? Daos o problema: a 0,1 (90% e confiança) Z 1, % 0,05, aplicano a euação abaixo, obtemos: Z. pˆ.ˆ n ( 1,645) ( 0,05).0,5 71 Devemos, portanto, obter uma amostra e 71 pessoas para eterminar a proporção a população atenia na Uniae e Saúe, ue se origina o município e Alegrete. RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

15 15 6) Baseao nos aos o exercício 5, utilize uma margem e erro maior, como ± 0,0 (0%) e etermine ual seria o tamanho a amostra necessário uano o nível e confiança é 90% e uano é 95%. Daos o problema para 90% e nível e confiança: a 0,1 (90% e confiança) Z 1, % 0,0, aplicano a euação abaixo, obtemos: Z. pˆ.ˆ n ( 1,645) ( 0,0).0,5 17 Devemos, portanto, obter uma amostra e 17 pessoas para eterminar a proporção a população atenia na Uniae e Saúe, ue se origina o município e Alegrete. Daos o problema para 90% e nível e confiança: a 0,05 (95% e confiança) Z 1, 96 0 % 0,0, aplicano a euação abaixo, obtemos: Z. pˆ.ˆ n ( 1,96) ( 0,0).0,5 5 Devemos, portanto, obter uma amostra e 5 pessoas para eterminar a proporção a população atenia na Uniae e Saúe, ue se origina o município e Alegrete. 7) Daa a seguinte população: (renas em R$1.000,00) a) Calcular o tamanho a amostra para estimar a méia, seno R$.000, 00, s R$7.000,00 e ( 1-a )% 95,5%. RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

16 16 Daos o problema: ( 1-a )% 95,5% Z R$.000,00 s R$7.000,00 aplicano a euação abaixo, obtemos: n Z. s. N ( N -1) + Z s ( )( ).100 ( 000 )( ) + ( )( ) 34 b) Retirar uma amostra aleatória simples, consierano o tamanho amostral obtio no item anterior. Utilizano uma tabela e números aleatórios obtemos os seguintes números para uma seleção e 34 números: 57, 8, 9, 90, 80,, 56, 73, 53, 18, 53, 03, 7, 05, 40, 54, 71, 61, 8, 89, 00 6, 94, 44, 97, 39, 60, 03, 41, 77, 8, 74, 00, 05, 6, 7, 80, 59, 38, 91, 01, 4, 44, 99, 9, 08, 58. Selecionamos os primeiro 34 números 9, 34, 15, 6, 04, 16 18, 13, 10, 05, 13, 17, 18, 07, 14, 11, 1 36, 3, 17, 05, 1, 1, 30, 14, 17,, 15, 0, 6, 5, 30, 17, 09. c) Calcular sua méia amostral. X å n x i ) Calcular o esvio parão amostral. S 1 é êå xi - n-1ê ë ( x ) å n i ù 1 æ (619) ú ç - ú - è 34 û ,06 34 ö ø 1 33 ( ,44) 7, 471 S S 7,471 8,53 e) Calcular a méia a população e verifiue se m - X. å m N x i , m - X Þ 19,6-18,06 1, RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

17 17 8) Seno p ˆ ˆ 0, 5, população infinita, 0, 05 e ( 1-a )% 95,5%, eterminar o tamanho amostral. Daos o problema: ( 1-a )% 95,5% e Z p ˆ ˆ 0,5 0,05, aplicano a euação abaixo, obtemos: Z. pˆ.ˆ n ( ) ( 0,05).0, ) Seno p ˆ ˆ 0, 5, população e , 0, 05 e ( 1-a )% 95,5%, eterminar o tamanho amostral. Comparar com o resultaos obtio no exercício 8. Daos o problema: ( 1-a )% 95,5% e Z N p ˆ ˆ 0,5 n 0,05, aplicano a euação abaixo, obtemos: Z. pˆ.ˆ. N ( N -1) + Z. pˆ.ˆ ( )(. 0,5 )( ) ( 0,05 )( ) + ( )(. 0,5) , Comparano os resultaos, verifica-se ue o cálculo o tamanho amostral para uma população e á, aproximaamente, o mesmo resultao, se consierarmos a população infinita. 10) Qual é o tamanho a amostra ue o Departamento e Trânsito e uma grane ciae eve tomar para estimar a porcentagem e semáforos efeituosos, se o objetivo é ter 95,5% e confiança em não errar mais e 3%. Daos o problema: ( 1-a )% 95,5% e Z p ˆ ˆ 0,5 3 % 0,03, aplicano a euação abaixo, obtemos: Z. pˆ.ˆ ( ) ( 0,03).0,5 1 0, RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

18 18 11) Estuos anteriores mostram ue o esvio parão a altura os homens ue cursam o Instituto Feeral Farroupilha é e 10cm. Quereno estimar a atura méia e toos os homens essa universiae, com tolerância e 3cm e probabiliae e 0,955, uantas observações everão ser utilizaas? Daos o problema: ( 1-a )% 95,5% e Z s 10cm 3, aplicano a euação abaixo, obtemos: æ Z. s ö ç è ø æ.10ö ç è 3 ø 45 1) Qual é o tamanho necessário a amostragem ue um alfaiate eve usar se eseja estimar o tempo méio ue os fregueses levam ao trocaor? Ele acha ue o esvio parão é e 3 minutos, com base em amostras anteriores, e eseja estimar a méia a menos e 1 minuto, usano um nível 95,5%. Daos o problema: ( 1-a )% 95,5% e Z s 3cm 1, aplicano a euação abaixo, obtemos: n æ Z. s ö ç è ø æ.3ö ç è 1 ø 36 13) Em Alegrete, há árvores. Qual eve ser o tamanho a amostra ue o Departamento e Jarins precisa tomar para estimar a porcentagem e plantas ue merecem poas, se o objetivo é ter 99% e confiança e não errar mais e 3%? Daos o problema: N ( 1-a )% 99% e Z, 57 p ˆ ˆ 0,50 3 % 0,03, aplicano a euação abaixo, obtemos: Z. pˆ.ˆ. N ( N -1) + Z 1651,5 10, pˆ.ˆ 1551 (,57 )(. 0,5 )( ) ( 0,03 )( ) + (,57 )(. 0,5) RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

19 19 14) Seguno aos e uma pesuisa anterior, 40% os alunos e certa escola são gremistas. Amita um erro e,5%, ( 1-a )% 95,5%, para imensionar tamanho e amostra e tricolores. Sabe-se ue a escola tem alunos matriculaos. Daos o problema: N ( 1-a )% 95,5% e Z p ˆ 40% 0,40 ˆ (1-0,4) 0,60,5% 0,05, aplicano a euação abaixo, obtemos: Z. pˆ.ˆ. N ( N -1) + Z , pˆ.ˆ 1176 ( )(. 0,4)(. 5000) ( 0,05 )( ) + ( )(. 0,4) 15) Um engenheiro encarregao o controle e ualiae eseja estimar a fração e artigos efeituosos e um grane lote e lâmpaas. Com base em sua experiência, ele sabe ue a fração efetiva e lâmpaas efeituosas eve estar próxima e 0,. Que tamanho eve ter uma amostra, se ele esejar estimar a veraeira fração e lâmpaas efeituosas com tolerância e 0,01, usano um nível e confiança e 98% Daos o problema: ( 1-a )% 98% e Z, 33 pˆ 0, ˆ (1-0,) 0,8 0,01, aplicano a euação abaixo, obtemos: Z. pˆ.ˆ n (,33 )(. 0,16) 0, ( 0,01 ) ( 0,01 ) RS 377 km 7 Passo Novo Fone/Fax: (55)

III - Amostragem. Prof. Herondino

III - Amostragem. Prof. Herondino III - Amostragem Prof. Herondino População e amostra População uma população é o conjunto de todos os itens, objetos, coisas ou pessoas a respeito das quais a informação é desejada para a solução de um

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery) Controle Estatístico e Qualiae Capítulo 4 (montgomery) Amostragem e Aceitação Lote a Lote para Atributos Introução A Amostragem poe ser efinia como a técnica estatística usaa para o cálculo e estimativas

Leia mais

Em várias ocasiões há de se proceder à coleta de dados diretamente na origem, isto é, dos sujeitos com quem pretendemos realizar determinado estudo.

Em várias ocasiões há de se proceder à coleta de dados diretamente na origem, isto é, dos sujeitos com quem pretendemos realizar determinado estudo. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Amostragem Luiz Medeiros de Araujo Lima Filho Departamento de Estatística INTRODUÇÃO Em várias ocasiões há de se proceder à coleta de dados diretamente na origem, isto é,

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Estimação de Parâmetros Intervalo de Confiança

Probabilidade e Estatística. Estimação de Parâmetros Intervalo de Confiança Probabilidade e Estatística Prof. Dr. Narciso Gonçalves da Silva http://páginapessoal.utfpr.edu.br/ngsilva Estimação de Parâmetros Intervalo de Confiança Introdução A inferência estatística é o processo

Leia mais

Noções de Amostragem

Noções de Amostragem Noções de Amostragem AMOSTRAGEM Amostragem: é a área da estatística que estuda técnicas e procedimentos para retirar e analisar uma amostra com o objetivo de fazer inferência a respeito da população de

Leia mais

CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA

CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS GCN 7901 ANÁLISE ESTATÍSTICA EM GEOCIÊNCIAS PROFESSOR: Dr. ALBERTO FRANKE CONTATO: alberto.franke@ufsc.br F: 3721 8595 CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA As pesquisas de opinião

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem) Amostragem: Em pesquisas científicas, quando se deseja conhecer características de uma população, é comum se observar apenas uma amostra de seus elementos e, a partir dos resultados dessa amostra, obter

Leia mais

DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1

DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1 DIFERENÇ DE POTENCIL 1. Trabalho realizao por uma força. Consieremos uma força ue atua sobre um objeto em repouso sobre uma superfície horizontal como mostrao na figura 1. kx Esta força esloca o objeto

Leia mais

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo.

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo. 1. No gráfico abaixo, mostra-se como variou o valor o ólar, em relação ao real, entre o final e 2001 e o início e 2005. Por exemplo, em janeiro e 2002, um ólar valia cerca e R$2,40. Durante esse períoo,

Leia mais

Na sala e computaores Preparação Divia os alunos em uplas e se achar pertinente, peça para levar lápis e papel para anotações. Requerimentos técnicos

Na sala e computaores Preparação Divia os alunos em uplas e se achar pertinente, peça para levar lápis e papel para anotações. Requerimentos técnicos Guia o Professor Móulo IV Ativiae - Fazeno um Plano e Vôo Apresentação: Nesta ativiae será proposto que o aluno faça um plano e vôo observano certas regras. Para isso, será preciso calcular a istância

Leia mais

Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística PPGEMQ / PPGEP - UFSM

Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística PPGEMQ / PPGEP - UFSM Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística PPGEMQ / PPGEP - UFSM 1 Na prática da pesquisa em geral, o tamanho da amostra parece sintetizar todas as questões relacionadas ao processo

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Importância da Utilização da Amostragem

1 Introdução. 1.1 Importância da Utilização da Amostragem Prof. Janete Pereira Amador 1 1 Introdução Um dos principais objetivos da maioria dos estudos, análises ou pesquisas estatísticas é fazer generalizações seguras com base em amostras, sobre as populações

Leia mais

A Regra da Cadeia Continuação das notas de aula do mês 11/03 Versão de 20 de Novembro de 2003

A Regra da Cadeia Continuação das notas de aula do mês 11/03 Versão de 20 de Novembro de 2003 A Regra a Caeia Continuação as notas e aula o mês /03 Versão e 20 e Novembro e 2003 Agora queremos entener o que acontece com a erivaa e uma composição e funções. Antes e mais naa, lembremos a notação

Leia mais

Pesquisa Operacional II. Professor: Roberto César

Pesquisa Operacional II. Professor: Roberto César Pesquisa Operacional II Professor: Roberto César POPULAÇÃO E AMOSTRA População: refere-se ao grupo total. Amostra: é toda fração obtida de uma população (independente de seu tamanho). Quando usar Amostragem?

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos 1º Semestre de 2013 Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística

Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos 1º Semestre de 2013 Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos Agora,

Leia mais

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica António Pestana Elementos e Topografia v1.0 Junho e 006 5 Meição e istâncias e áreas na planta topográfica 5.1 Meição e istâncias na planta topográfica Como as plantas topográficas são projecções horizontais,

Leia mais

Amostragem Objetivos - Identificar as situações em que se deve optar pela amostragem e pelo censo. - Compreender e relacionar AMOSTRA e POPULAÇÃO.

Amostragem Objetivos - Identificar as situações em que se deve optar pela amostragem e pelo censo. - Compreender e relacionar AMOSTRA e POPULAÇÃO. Amostragem Objetivos - Identificar as situações em que se deve optar pela amostragem e pelo censo. - Compreender e relacionar AMOSTRA e POPULAÇÃO. - Que é Amostragem Aleatória Simples. - Métodos para a

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS DE MECÂNICA

QUESTÕES COMENTADAS DE MECÂNICA QUESTÕES COMENTDS DE MECÂNIC Prof. Inácio Benvegnú Morsch CEMCOM Depto. Eng. Civil UFGS ) Calcule as reações em para a viga isostática representaa na figura () kn/m,5 m Solução: Este cálculo fica simplificao

Leia mais

Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística PPGEMQ / PPGEP - UFSM

Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística PPGEMQ / PPGEP - UFSM Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística PPGEMQ / PPGEP - UFSM Amostragem É o processo de seleção de amostras de uma população com o objetivo de fazer inferências sobre a população

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta Metanálise MTC: o uso combinao e eviência ireta e inireta na comparação e múltiplos tratamentos Patrícia Klarmann Ziegelmann Universiae Feeral o Rio Grane o Sul Em estuos e avaliação tecnológica em saúe

Leia mais

Estimativas e Tamanhos de Amostras

Estimativas e Tamanhos de Amostras Estimativas e Tamanhos de Amostras 1 Aspectos Gerais 2 Estimativa de uma Média Populacional: Grandes Amostras 3 Estimativa de uma Média Populacional: Pequenas Amostras 4 Tamanho Amostral Necessário para

Leia mais

Parte II - Amostragem

Parte II - Amostragem Universidade Estadual de Santa Cruz UESC Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Professora: Camila M. L. Nagamine Curso: Licenciatura Biologia- EaD Disciplina: Bioestatística Parte II - Amostragem

Leia mais

Equações Diofantinas Lineares

Equações Diofantinas Lineares Equações Diofantinas Lineares Equações, com uma ou mais incógnitas, e que se procuram soluções inteiras esignam-se habitualmente por Equações iofantinas. Vamos apenas consierar as equações iofantinas lineares,

Leia mais

que Q = 10-6 C e d = 0,3m. O meio é o vácuo. É 9.10 9 2

que Q = 10-6 C e d = 0,3m. O meio é o vácuo. É 9.10 9 2 FÍSI - ELETRIIDDE - TRLH E PTENIL S RESPSTS ESTÃ N FINL DS EXERÍIS. 1. Uma carga elétrica puntiforme = 1µ é transportaa e um ponto até um ponto e um nos casos a e b inicaos. mita, em caa caso, 6. Determine

Leia mais

Modulo 5 Lei de Stevin

Modulo 5 Lei de Stevin Moulo 5 Lei e Stevin Simon Stevin foi um físico e matemático belga que concentrou suas pesquisas nos campos a estática e a hirostática, no final o século 16, e esenvolveu estuos também no campo a geometria

Leia mais

TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM

TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM Ralph dos Santos Silva Departamento de Métodos Estatísticos Instituto de Matemática Universidade Federal do Rio de Janeiro Sumário Amostragem estratificada Divisão da população em

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

Universidade de São Paulo

Universidade de São Paulo Universiae e São Paulo Instituto e Física NOTA PROFESSOR 4323202 Física Experimental B Equipe 1)... função... Turma:... 2)... função... Data:... 3)... função... Mesa n o :... EXP 5- Difração e Interferência

Leia mais

A Influência da Amostragem na Representatividade dos Dados

A Influência da Amostragem na Representatividade dos Dados A Influência da Amostragem na Representatividade dos Dados por Manuel Rui F. Azevedo Alves ESTG- Instituto Politécnico de Viana do Castelo REQUIMTE Rede de Química e Tecnologia Sumário Tópico 1: Definições

Leia mais

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES 1. (FELA - 96) Uma ona é estaelecia numa cora, fazeno-se o ponto A oscilar com uma freqüência igual a 1 x 103 Hertz, conforme a figur Consiere as afirmativas:

Leia mais

Inferência Estatística

Inferência Estatística Metodologia de Diagnóstico e Elaboração de Relatório FASHT Inferência Estatística Profa. Cesaltina Pires cpires@uevora.pt Plano da Apresentação Duas distribuições importantes Normal T- Student Estimação

Leia mais

Cálculo Numérico Computacional Exercícios. que coïncida com f até na terceira derivada:

Cálculo Numérico Computacional Exercícios. que coïncida com f até na terceira derivada: Cálculo Numérico Computacional Exercícios fórmula e Taylor T. Praciano-Pereira Dep. e Matemática Univ. Estaual Vale o Acaraú Sobral, 7 e fevereiro e 7 Relembrano: Fórmula e Taylor A equação a reta tangente

Leia mais

Estatística e Probabilidade. Aula 11 Cap 06

Estatística e Probabilidade. Aula 11 Cap 06 Aula 11 Cap 06 Intervalos de confiança para variância e desvio padrão Confiando no erro... Intervalos de Confiança para variância e desvio padrão Na produção industrial, é necessário controlar o tamanho

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG.

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG. INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS Arian Hinojosa e Aniura Milanés Departamento e Estatística ICEx. UFMG. Sumário Capítulo 1. As probabiliaes e a teoria o risco 1 1. Por que as probabiliaes? 1 2. Probabiliaes

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

Estatística Indutiva

Estatística Indutiva Estatística Indutiva MÓDULO 7: INTERVALOS DE CONFIANÇA 7.1 Conceitos básicos 7.1.1 Parâmetro e estatística Parâmetro é a descrição numérica de uma característica da população. Estatística é a descrição

Leia mais

A Regra da Cadeia. 14 de novembro de u(x) = sen x. v(x) = cos x. w(x) = x 5

A Regra da Cadeia. 14 de novembro de u(x) = sen x. v(x) = cos x. w(x) = x 5 A Regra a Caeia 4 e novembro e 0. As operações algébricas entre funções (soma, prouto, etc) fornecem uma grane iversiae e novas funções para os iferentes casos que vimos até agora. Porém, existe uma outra

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

ESTATÍSTICA. na Contabilidade Parte 7. Amostragem

ESTATÍSTICA. na Contabilidade Parte 7. Amostragem ESTATÍSTICA na Contabilidade Parte 7 Luiz A. Bertolo Amostragem Chama-se amostragem o processo de colher amostras. Nesse processo, cada elemento da população passa a ter a mesma chance de ser escolhido.

Leia mais

3. (Mackenzie 2015) Uma esfera metálica A, eletrizada com carga elétrica igual a 20,0 μc,

3. (Mackenzie 2015) Uma esfera metálica A, eletrizada com carga elétrica igual a 20,0 μc, 1. (Epcar (Afa) 015) Uma peuenina esfera vazaa, no ar, com carga elétrica igual a 1μ C e massa 10 g, é perpassaa por um aro semicircular isolante, e extremiaes A e B, situao num plano vertical. Uma partícula

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

CAPÍTULO 7. ( p)= -1 p2. Segue que a reta tangente no ponto de abscissa p é y 1. f( x)- f() Exercícios f( x)= sen px. Exercícios

CAPÍTULO 7. ( p)= -1 p2. Segue que a reta tangente no ponto de abscissa p é y 1. f( x)- f() Exercícios f( x)= sen px. Exercícios CAPÍTULO 7 Eercícios 7 8 f 3-9 f sen p Eercícios 73 8 f ' ( p) - p Segue que a reta tangente no ponto e abscissa p é y - - ( - p) p p p Para y, - p e, portanto, p; ou seja, a reta tangente no ponto e abscissa

Leia mais

Seminários Digitais Parte VI. Do universo, da amostra e da delimitação do corpus na pesquisa

Seminários Digitais Parte VI. Do universo, da amostra e da delimitação do corpus na pesquisa Seminários Digitais Parte VI Do universo, da amostra e da delimitação do corpus na pesquisa Curso de Comunicação em Mídias Digitais Pesquisa Aplicada em Comunicação e Mídias Digitais Marcos Nicolau Do

Leia mais

Herança. Herança. Especialização. Especialização

Herança. Herança. Especialização. Especialização Herança Herança Em muitos casos, um tipo e entiae tem vários subconjuntos e entiaes que são significativos para a aplicação. Exemplo: as entiaes e um tipo e entiae Empregao poem ser agrupaas em Secretária,

Leia mais

a) Sabendo que o carro A faz 6 km por litro de combustível no circuito, quantos litros esse carro gastará durante o percurso total?

a) Sabendo que o carro A faz 6 km por litro de combustível no circuito, quantos litros esse carro gastará durante o percurso total? UFJF MÓDULO I DO PISM TRIÊNIO 013-015 REFERÊNCIA DE CORREÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA Questão 1 Um circuito e teste para carros é constituío e uas pistas circulares e raios 10 km e 5 km, que se intersectam

Leia mais

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Estatística Professor Fábio Amorim. ICMS PE 2014: Resolução da prova de Estatística Prof.

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Estatística Professor Fábio Amorim. ICMS PE 2014: Resolução da prova de Estatística Prof. ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Estatística Professor Fábio Amorim 1 de 6 Pessoal, segue a resolução das questões de Estatística da prova realizada pela SEFAZ-PE, para o cargo de Auditor Fiscal do Tesouro

Leia mais

HEP-5800 BIOESTATÍSTICA

HEP-5800 BIOESTATÍSTICA HEP-5800 BIOESTATÍSTICA UNIDADE III INFERÊNCIA ESTATÍSTICA : AMOSTRAGEM PROBABILÍSTICA, DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL, INTERVALOS DE CONFIANÇA. Nilza Nunes da Silva Regina T. I. Bernal 2 1. AMOSTRAGEM PROBABILISTICA

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO 1º TRIMESTRE MATEMÁTICA

LISTA DE EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO 1º TRIMESTRE MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO 1º TRIMESTRE MATEMÁTICA ALUNO(a): Valor: Nº: SÉRIE:2ª TURMA: 5,0 UNIDADE: VV JC JP PC DATA: / /2015 Obs.: Esta lista eve ser entregue apenas ao professor no ia a aula

Leia mais

c) Encontre um intervalo de confiança 95% para a razão das variâncias variâncias das duas amostras podem ser iguais com este grau de confiança?

c) Encontre um intervalo de confiança 95% para a razão das variâncias variâncias das duas amostras podem ser iguais com este grau de confiança? MQI 003 Estatística para Metrologia semestre 008.0 Lista 4 Profa. Mônica Barros PROBLEMA Toma-se duas amostras de engenheiros formados há 5 anos por duas Universidades e faz-se uma pesquisa salarial, cujos

Leia mais

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Segunda Semana - 01/2016

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Segunda Semana - 01/2016 Lista e Exercícios e Cálculo 3 Seguna Semana - 01/2016 Parte A 1. Se l tem equações paramétricas x = 5 3t, y = 2 + t, z = 1 + 9t, ache as equações paramétricas a reta que passa por P ( 6, 4, 3) e é paralela

Leia mais

Estatística Descritiva (I)

Estatística Descritiva (I) Estatística Descritiva (I) 1 O que é Estatística Origem relacionada com a coleta e construção de tabelas de dados para o governo. A situação evoluiu: a coleta de dados representa somente um dos aspectos

Leia mais

Uma breve introdução ao estudo de equações diferenciais 1

Uma breve introdução ao estudo de equações diferenciais 1 Uma breve introução ao estuo e equações iferenciais 1 2 Pero Fernanes Este texto tem o objetivo e apresentar os métoos e resolução os moelos mais básicos e equações iferenciais. A ieia é fornecer um treinamento

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvios e Física Básica Jason Alfreo Carlson Gallas, professor titular e física teórica, Doutor em Física pela Universiae Luwig Maximilian e Munique, Alemanha Universiae Feeral a Paraíba (João

Leia mais

Introdução à Inferência Estatística

Introdução à Inferência Estatística Introdução à Inferência Estatística Capítulo 10, Estatística Básica (Bussab&Morettin, 7a Edição) 2a AULA 02/03/2015 MAE229 - Ano letivo 2015 Lígia Henriques-Rodrigues 2a aula (02/03/2015) MAE229 1 / 16

Leia mais

ESTATÍSTICA. Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

ESTATÍSTICA. Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 1 ESTATÍSTICA Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA Estatística descritiva : o objectivo é sintetizar e representar de uma forma

Leia mais

FÍSICA Professor: João Macedo

FÍSICA Professor: João Macedo FÍSICA Professor: João Maceo Aluno(a): 0 08/08/014 01. Duas esferas metálicas iguais, A e B, estão carregaas com cargas QA = + 76μC e QB = + 8μC, respectivamente. Inicialmente, a esfera A é conectaa momentaneamente

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

Introdução à Termologia

Introdução à Termologia Introução à Termoloia Termoloia é a parte a Física que estua a eneria térmica. Definições importantes: Eneria interna: É a soma as enerias cinéticas as moléculas e um corpo. Calor (eneria térmica: É a

Leia mais

Média tensão Uso Geral

Média tensão Uso Geral Dimensionamento Os valores e capaciae e conução e correntes constantes as tabelas a seguir foram retiraos a NBR 14039/2003. No caso e cabos iretamente enterraos foi aotao uma resistiviae térmica o terreno

Leia mais

Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Federal de Goiás. Bioestatística. Prof. Thiago Rangel - Dep. Ecologia ICB

Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Federal de Goiás. Bioestatística. Prof. Thiago Rangel - Dep. Ecologia ICB Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Federal de Goiás Bioestatística Prof. Thiago Rangel - Dep. Ecologia ICB rangel.ufg@gmail.com Página do curso: http://www.ecologia.ufrgs.br/~adrimelo/bioestat

Leia mais

Estatística Descritiva (I)

Estatística Descritiva (I) Estatística Descritiva (I) O que é Estatística Para muitos, a Estatística não passa de conjuntos de tabelas de dados numéricos. Os estatísticos são as pessoas que coletam esses dados. A Estatística originou-se

Leia mais

Avaliação da flexibilização do horário do programa de rádio A Voz do Brasil - Março/2014 -

Avaliação da flexibilização do horário do programa de rádio A Voz do Brasil - Março/2014 - Avaliação da flexibilização do horário do programa de rádio A Voz do Brasil - Março/2014 - 2 Objetivo Metodologia Perfil da amostra Programa A Voz do Brasil Transmissão em horário fixo / flexível Importância

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA 81 1 SOLENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOLENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores, ou por uma única espira são, para efeitos práticos, bastante fracos. Uma forma e se prouzir campos magnéticos

Leia mais

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior O comportamento o mercao brasileiro e ensino superior Fernano Luiz Anrae Bahiense (UNIVILLE e FAMEG) ferbah@brturbo.com Milton Procópio e Borba (UDESC) Milton_borba@terra.com.br Resumo Estuo escritivo

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE ESTÁGIO DE PÓS-DOUTORADO (Bolsas contempladas pelo Edital FAPES/CAPES 009/2014 bolsa de Fixação de Doutores)

PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE ESTÁGIO DE PÓS-DOUTORADO (Bolsas contempladas pelo Edital FAPES/CAPES 009/2014 bolsa de Fixação de Doutores) PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE ESTÁGIO DE PÓS-DOUTORADO (Bolsas contemplaas pelo Eital FAPES/CAPES 009/2014 bolsa e Fixação e Doutores) A coorenação o Programa e Pós-Grauação em Eucação o Centro e Eucação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS MEDIÇÕES REALIZADAS NO MÓDULO ESTEREOPLOTER DA VERSÃO INTEGRADA DO SOFTWARE LIVRE E-FOTO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS MEDIÇÕES REALIZADAS NO MÓDULO ESTEREOPLOTER DA VERSÃO INTEGRADA DO SOFTWARE LIVRE E-FOTO p. 001-0010 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS MEDIÇÕES REALIZADAS NO MÓDULO ESTEREOPLOTER DA VERSÃO INTEGRADA DO SOFTWARE LIVRE E-FOTO NATÁLIA VARGAS LENGRUBER 1 JOÃO GONÇALVES BAHIA 2 LUIZ GUIMARÃES BARBOSA

Leia mais

Criptografia, assinaturas digitais e senhas segmentadas

Criptografia, assinaturas digitais e senhas segmentadas Criptografia, assinaturas igitais e senhas segmentaas Ariele Giareta Biase Universiae Feeral e Uberlânia - Faculae e Matemática Grauana em Matemática - PROMAT arielegbiase@ yahoo. com. br Eson Agustini

Leia mais

Lista 5 de exercícios

Lista 5 de exercícios Lista 5 de exercícios 1. (ANDRADE; OGLIARI, 2010) Em um experimento, 320 em 400 sementes germinaram. Determine o intervalo de confiança de 99% para a verdadeira proporção de sementes que germinaram. Para

Leia mais

Observe que o embutimento com esta ferramenta simples produz rugas na peça.

Observe que o embutimento com esta ferramenta simples produz rugas na peça. A UU L AL A Repuxo Nesta aula você vai saber o que é o processo e fabricação conhecio pelo nome e repuxo ou embutimento. Por meio ele é que são feitos utensílios omésticos e uso iário como bacias, canecas

Leia mais

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura Óptica Princípios a Óptica Geométrica ) Princípio a propagação retilínea a luz: nos meios homogêneos e transparentes a luz se propaga em linha reta. Natureza e Velociae a Luz A luz apresenta comportamento

Leia mais

Aula: Qualidade do petróleo. 3. Determinação analítica dos constituintes do petróleo

Aula: Qualidade do petróleo. 3. Determinação analítica dos constituintes do petróleo 1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA UNIDADE DE ENSINO SIMÕES FILHO Disciplina: Química o Petróleo e Gás Natural Aula: Qualiae o petróleo Professora: Geraline Nóbrega 3. Determinação analítica

Leia mais

Conceitos básicos: Variável Aleatória

Conceitos básicos: Variável Aleatória : Variável Aleatória Variável aleatória (v.a.) valor numérico que é resultado de uma eperiência aleatória. Podemos ter variáveis aleatórias contínuas ou discretas. Eemplo 1: Suponha que lança duas moedas

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 3 09/2014 Estatística Descritiva Medidas de Centro Probabilidade e Estatística 3/19 Medidas de Centro Uma medida

Leia mais

Determinando a aceleração gravitacional 1

Determinando a aceleração gravitacional 1 Determinano a aceleração ravitacional Fernano an a Silveira Instituto e Física, Universiae Feeral o Rio Grane o Sul. Av. Bento Gonçalves, 9500. Caixa Postal 505, CEP 950-970. Porto Alere. RS. Brasil. Enereço

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva C E N T R O D E M A T E M Á T I C A, C O M P U T A Ç Ã O E C O G N I Ç Ã O UFABC Estatística Descritiva Centro de Matemática, Computação e Cognição March 17, 2013 Slide 1/52 1 Definições Básicas Estatística

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNICA UNIVERIDADE ETADUAL AULITA JÚLIO DE MEUITA FILHO FAULDADE DE ENGENHARIA - DEARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRIA ELETROTÉNIA Experiência 01: Meição a potência e correção o fator e potência em circuitos monofásicos

Leia mais

A Importância do Desenho Amostral. Donald Pianto Departamento de Estatística UnB

A Importância do Desenho Amostral. Donald Pianto Departamento de Estatística UnB A Importância do Desenho Amostral Donald Pianto Departamento de Estatística UnB Objetivo dessa aula Explicar os tipos básicos de amostragem e a razão pelo uso de cada um Contemplar o uso simultaneo de

Leia mais

Estatística I Aula 8. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística I Aula 8. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística I Aula 8 Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS CONTÍNUAS Lembram o que vimos sobre V.A. contínua na Aula 6? Definição: uma variável

Leia mais

FERRAMENTAS ESTATÍSTICAS PARA ANÁLISE DA CLASSIFICAÇÃO

FERRAMENTAS ESTATÍSTICAS PARA ANÁLISE DA CLASSIFICAÇÃO Objetivos: - QUANTIFICAR OS ERROS COMETIDOS NA CLASSIFICAÇÃO - MEDIR A QUALIDADE DO TRABALHO FINAL - AVALIAR A APLICABILIDADE OPERACIONAL DA CLASSIFICAÇÃO Fontes de erro das classificações temáticas Os

Leia mais

Resoluções. A lâmpada emite luz que incide sobre Marília. Parte da luz é refletida por Marília e atinge o globo ocular de Dirceu.

Resoluções. A lâmpada emite luz que incide sobre Marília. Parte da luz é refletida por Marília e atinge o globo ocular de Dirceu. Resoluções Segmento: Pré-vestibular Coleção: Alfa, Beta e Gama. Disciplina: Física Caerno e Eercícios 1 Uniae VIII Óptica Geométrica Série 1: Funamentos 1. A A lâmpaa emite luz que incie sobre Marília.

Leia mais

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus e Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento e Engenharia Civil Disciplina: 117 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS Prof.

Leia mais

AMOSTRAGEM 1. O QUE É AMOSTRAGEM?

AMOSTRAGEM 1. O QUE É AMOSTRAGEM? 1. O QUE É AMOSTRAGEM? AMOSTRAGEM CAROLINA PROCÓPIO PIO DE MOURA GUSTAVO ADOLFO MAIA P. L. LIMA JOSEVALDO DO AMARAL DE SOUSA Prof. Rodrigo Leone É uma técnica t e/ou conjunto de procedimentos necessários

Leia mais

! " # $! #%!&'(' & )*, -. / (1-43 5, -(6 1 (8 -(93 -(, -:45, -( A@1 9 B -?* 5C/ 9 D 9 -(* 5 C(> E D * F G5 95 >AH!5 5 * 5I!1 *, 1 E D 1

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Enem 013) A Lei a Gravitação Universal, e Isaac Newton, estabelece a intensiae a força e atração entre uas massas. Ela é representaa pela expressão: F G m m = 1 one m 1 e m corresponem às massas os

Leia mais

Determinação do raio de atuação e otimização do serviço de transporte de pequenos animais

Determinação do raio de atuação e otimização do serviço de transporte de pequenos animais DETERMINAÇÃO DO RAIO DE ATUAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE DE PEQUENOS ANIMAIS lmareti@yahoo.com.br APRESENTACAO ORAL-Estrutura, Evolução e Dinâmica os Sistemas Agroalimentares e Caeias Agroinustriais

Leia mais

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA:

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA: Curitiba, 09 de dezembro de 2016. Apresentamos a seguir os resultados da pesquisa de opinião pública realizada no Brasil, com o objetivo de consultar à população sobre avaliação situação política eleitoral.

Leia mais

Prof. Sérgio Carvalho Estatística. I Jornada de Especialização em Concursos

Prof. Sérgio Carvalho Estatística. I Jornada de Especialização em Concursos DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS & INTERPOLAÇÃO LINEAR DA OGIVA 0. (AFRF-000) Utilize a tabela que se segue. Freqüências Acumuladas de Salários Anuais, em Milhares de Reais, da Cia. Alfa Classes de Salário

Leia mais

M a n h ã... p r e s e n t e! L u g a r... p r e s e n t e! Q u e m... p r e s e n t e! N e n h u m... p r e s e n t e! C u í c a... p r e s e n t e!

M a n h ã... p r e s e n t e! L u g a r... p r e s e n t e! Q u e m... p r e s e n t e! N e n h u m... p r e s e n t e! C u í c a... p r e s e n t e! C a r o l i n a M a n h ã......................................................................... p r e s e n t e! L u g a r.......................................................................... p

Leia mais

Conceitos Básicos Teste t Teste F. Teste de Hipóteses. Joel M. Corrêa da Rosa

Conceitos Básicos Teste t Teste F. Teste de Hipóteses. Joel M. Corrêa da Rosa 2011 O 1. Formular duas hipóteses sobre um valor que é desconhecido na população. 2. Fixar um nível de significância 3. Escolher a Estatística do Teste 4. Calcular o p-valor 5. Tomar a decisão mediante

Leia mais

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E

U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E E S T U D O D O S P R O B L E M A S D A E C O N O M I A B R A S I L

Leia mais

Murilo Hidalgo Lopes de Oliveira Diretor

Murilo Hidalgo Lopes de Oliveira Diretor Curitiba, 08 de outubro de 2014. Apresentamos a seguir os resultados da pesquisa de opinião pública realizada no Brasil, com o objetivo de consulta à população, sobre situação eleitoral para Presidência

Leia mais

Princípios de Bioestatística

Princípios de Bioestatística Princípios de Bioestatística Cálculo do Tamanho de Amostra Enrico A. Colosimo/UFMG http://www.est.ufmg.br/ enricoc/ Depto. Estatística - ICEx - UFMG 1 / 32 2 / 32 Cálculo do Tamanho de Amostra Parte fundamental

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ESTATÍSTICA NOTURNO

PERFIL PROFISSIONAL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ESTATÍSTICA NOTURNO PERFIL PROFISSIONAL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ESTATÍSTICA NOTURNO Andreza Jardelino da Silva 1,Ednário B. de Mendonça 2, Márcia Marciele dos Santos Silva 3, Kleber N. N. O. Barros 4 Departamento de Estatística,

Leia mais

AULA 07 Inferência a Partir de Duas Amostras

AULA 07 Inferência a Partir de Duas Amostras 1 AULA 07 Inferência a Partir de Duas Amostras Ernesto F. L. Amaral 10 de setembro de 2012 Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FAFICH) Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Fonte: Triola,

Leia mais

Medidas de Dispersão 1

Medidas de Dispersão 1 Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Medidas de Dispersão 1 Introdução Uma breve reflexão sobre as medidas de tendência central permite-nos concluir que elas não

Leia mais