O Orçamento como uma vantagem competitiva na estratégia empresarial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Orçamento como uma vantagem competitiva na estratégia empresarial"

Transcrição

1 O Orçamento como uma vantagem competitiva na estratégia empresarial Amós Alfredo Krebel 1 Resumo A importância do orçamento empresarial dentro das empresas como uma forma de vantagem competitiva esta formatada apenas para os altos níveis administrativos da empresa onde são tomadas as decisões estratégicas as quais a empresa ira seguir, pois, para uma empresa obter uma vantagem é necessário se manter em sigilo suas decisões estratégias sendo apenas passado a maneira a chegar aos objetivos e os caminhos a ser atingido para os demais níveis hierárquicos o que faz com que não vêse o qual importante uma estratégia é e como foi formada e estruturada para que não vaze para fora de suas estruturas empresarial. A estratégia que a empresa criou fica particionada nos diversos setores que a empresa tem sendo feito um trabalho de equipe entre os setores resultando em cada setor fazer sua parte para que a ao final à estratégia funcione perfeitamente como planejada e assim obtenha o resultado esperado. Uma estratégia empresarial esta relacionado ao melhor método de economizar e investir para que a empresa obtenha melhores resultados. Diminuição de custos, aumento na produtividade e vendas, responsabilidade social, marketing tudo está ligado entre si para uma melhor administração do orçamento e obtenção de lucro e rentabilidade para empresa e acionistas. Palavras-chave: Orçamento Empresarial, Gestão Estratégica, Vantagem Competitiva, Finanças, Introdução 1 Aluno do MBA em Gestão Empresarial e Negócios da Faculdade PIO XII. 1

2 A empresa se utiliza de planejamentos e estratégias para obter vantagem sobre as demais e tentar se manter no mundo competitivamente, uma ferramenta fundamental que se encontra na composição da estratégia empresarial esta o orçamento empresarial. A empresa busca reduzir o maximo de seus gastos e otimizar o seu lucro para obter um maior crescimento e assim ganhar mais espaço no mercado aumentando seu marketshare, porém para se manter um controle de seus gastos e de seus investimentos para uma melhora em sua alavancagem é preciso um bom planejamento e um orçamento bem estruturado que possa ser administrado durante o período. Para isso é preciso analisar o histórico da empresa e pensar visando o futuro para que possam ser tomadas decisões corretas no presente resultando em um bom trabalho e alcançar o que foi planejado. Deve-se levar em consideração que no decorrer do ano possa haver oscilações e mudanças no mercado como possíveis crises, queda ou aumento do dólar, inflação, medidas governamentais dentre outras variáveis que possam afetar o planejamento da estratégia da empresa. A estratégia deve seguir os objetivos que a empresa almeja alcançar e para obter o resultado esperado ou superior é fundamental ter vantagem competitiva sobre os concorrentes e a maneira de se obter uma vantagem e tendo uma descrição do que fortalece e enfraquece a empresa as oportunidades e ameaças que o mercado oferece que fará com que a empresa foque corretamente seu target. O que fará com que seus objetivos ao final do período sejam obtidos com sucesso. Orçamento Empresarial O orçamento empresarial teve origem na administração pública sendo utilizado como instrumento de planejamento e controle das operações empresarias pela Du Pont nos EUA em 1919 o que fez com que nas décadas de 50 e 60 ganhasse relevância em grandes empresas. Esta ferramenta tem como objetivo acompanhar a estratégia da empresa. O seu controle deve ser constante, bem como o seu acompanhamento para que os objetivos planejados sejam assim atingidos. (Morales, 2009) O orçamento tem como função manter o controle da saúde dos negócios identificando os recursos e os compromissos necessários para se atingir os objetivos da organização em um determinado período, pois ele será utilizado para ajudar nas tomadas de decisões da empresa. Podendo assim resultar em uma vantagem na realização do planejamento do negócio dando assim a oportunidade de compreender a performance e também auxiliando na realização de fatores que afetam, ajudando no melhoramento continuo e antecipando problemas oferecendo informações sólidas com uma maior clareza e foco efetuando assim as decisões. (Finance, 2010) 2

3 O enfoque sistemático do orçamento esta na execução das responsabilidades do planejamento, coordenação e controle da organização que envolve os objetivos globais de longo prazo da empresa, um plano de resultados a curto e longo prazo, e um sistema de controle de desempenho sendo adequado as circunstancias existentes da entidade. (Coffeebreakgestao, 2010) A Elaboração do Orçamento A elaboração do orçamento está na especificação estratégica da organização, na qual expressa suas metas estratégicas e objetivos a longo prazo. O orçamento é o grande plano de ação da organização para um período, no qual seus objetivos a curto prazo estão traduzidos em etapas que culminam na elaboração de um conjunto de demonstrações financeiras. O orçamento feito por algumas empresas são preparados individualmente sendo possível dividir em seis tipos: orçamento de vendas, orçamento de produção, orçamento de material, orçamento pessoal, orçamento de despesas e orçamentos de despesas de capital. A elaboração do orçamento baseia-se em dados históricos, fatos ocorridos no passado, visão de mercado, dados esses armazenados pelo setor contábil da empresa que faz o registro das operações financeiras e econômicas da empresa. A maior dificuldade dos gestores financeiros está em prever com antecedência os custos financeiros que serão incorridos nas atividades ou ate possíveis mudanças no mercado como uma possível crise. (ZANLUCA, 2011) O orçamento requer uma discussão dos objetivos em todas as partes dos níveis hierárquicos da organização aumentando o nível de integração e comprometimento por parte dos colaboradores tendo seu envolvimento direto nos resultados planejados. Outro ponto importante é o detalhamento por meio de metas que prevêem o que deverá ser feito Como? Quando? E por quem? Há ainda a possibilidade de identificar problemas com antecedência para diminuir os erros e aumentar a chance de encontrar soluções apropriadas e eficazes. Para isso deve-se ter um constante acompanhamento e atualização. Uma desvantagem do orçamento empresarial é o alto custo em todas as suas etapas sendo por isso importante a clareza dos objetivos e envolvimento deste a alta direção ate o operacional sendo possível um retorno maior que os custos. (SCHAEPPI, 2011) O desenvolvimento do orçamento detalha quais serão as receitas e despesas futuras para um período. A elaboração do orçamento limitado apenas em históricos e nos resultados passados é um erro estratégico cujo resultado é invariavelmente o desperdício revelando em sua estratégia a falta de objetivos. Em sua elaboração o orçamento empresarial tem algumas fases que são: 1- Coleta de Dados: Levantamento dos dados e informações principais; 3

4 2- Analise do Orçamento: Analise dos planos estratégicos, tático e operacional e das informações coletadas, visando alcançar as metas da empresa; 3- Composição do Orçamento: Composto pelo processo de elaboração do fluxo orçamentário: histórico; premissas; previsões estimativas para o próximo exercício; planilhas eletrônicas e relatório final; 4- Analise da Proposta Orçamentária: O relatório preliminar é encaminhado aos órgãos de decisão. Se aprovado seque para implantação, caso não seja aprovado retorna para o tempo anterior; 5- Implantação: Implantação da proposta orçamentária para o próximo exercício e preparação do relatório final. O orçamento empresarial é um instrumento de implementação da estratégia da entidade sendo delineados seus objetivos estratégicos. (Wikipedia, 2011) Tipos de Orçamentos Durante a pesquisa verificou-se alguns diferentes tipos de orçamento, os quais são citados abaixo: Orçamento Base Zero: Neste processo orçamentário os gestores prepararam o orçamento a partir de uma base zero no qual não permite incluir atividades ou funções, a menos que os gestores justifiquem suas necessidades. Geralmente neste tipo de orçamento é comum cortes e reduções. O gestor ao adotar este orçamento deve justificar detalhadamente todas suas dotações solicitadas cabendo-lhe explicar o porquê do gasto desse investimento. Há ainda a preparação de um pacote de decisões para cada atividade operacional incluindo análise de custo, finalidade, alternativas, medidas de desempenho, risco, retorno do investimento e conseqüências da não execução. O orçamento base zero busca a garantia da eficiência, economia e financeira das atividades. (PYHN, 2007, acesso em 15 out 2010) Orçamento Flexível: Este orçamento tem como função auxiliar os gestores a entender por que os orçamentos não foram cumpridos, pois através dele os administradores podem obter uma base de melhor analise baseando-se no conhecimento padrão de comportamentos dos custos e receitas e, assim, preparando o orçamento para uma faixa de nível e não apenas para um nível de atividades. É com o orçamento flexível conhecido também como orçamento variável que os padrões e orçamentos são estabelecidos representando o que deve ser conseguido. Este tipo de orçamento é adaptável as alterações dos níveis de atividade e não a um só nível estático. Sua avaliação de desempenho é facilitada pela comparação de feedback aos resultados efetivos com as expectativas do orçamento. (Zeusrio, 2010) 4

5 Orçamento Fixo: É elaborado o orçamento a partir da fixação de determinado volume de produção ou vendas o que, por conseqüência, estes volumes determinam o volume das demais atividades e setores da empresa. Este tipo de orçamento não está sujeito a mudanças ou alterações durante o período orçado. Este orçamento se baseia em um nível de planejamento de produção no início do período do orçamento, não havendo mudanças no decorrer do tempo. A empresa apenas corrige o orçamento em pelo menos dois pontos: o custo de uma atividade e o volume de produção. Referenceforbusiness, 2010) Orçamento Ajustado: Este modelo de orçamento é derivado do orçamento flexível na qual passa a ser vigorado quando se modifica um volume ou nível de atividades que inicialmente foi planejado para outro nível decorrente de um ajuste de plano. O que se pode dizer é que o orçamento ajustado é o ajuste efetuado nos volumes planejados dentro do conceito de orçamento estático. Neste caso é possível fazer ajustes nos volumes planejados para outro nível ou até para com novas quantidades obtendo um novo orçamento, no qual permite modificar quantas vezes for necessário o orçamento original. (keepandshare, 2010) Beyond Budgeting (Além do Orçamento): Este tipo de gestão surgiu em Londres no ano de Este modelo foi desenvolvido para habilitar na implementação um jeito mais descentralizado de gestão em vez da tradicional liderança centralizada permitindo que as tomadas de decisões e o comprometimento de desempenho sejam desenvolvidos nos setores operacionais criando um ambiente auto-gerenciado de trabalho e uma cultura de responsabilidade pessoal, levando a uma motivação maior e uma alta na produtividade e em melhorias nos serviços prestados. A base do beyond budgeting é formada por doze princípios, os quais seis são focados na descentralização do poder na empresa e os demais na flexibilidade de processos. Os seis elementos da descentralização são: governança, desempenho, empowerment, responsabilidade, responsabilidade pelos clientes e informação. A parte de flexibilidade é formada de: metas, motivação e recompensa, planejamento, recursos, coordenação e mensuração e controle. O destaque desse modelo de gestão é a velocidade de resposta, inovação contínua, clientes leais e rentáveis, excelência operacional, desempenho sustentável e satisfação dos acionistas. (CAMPOS & KROM, 2010) Estratégia Empresarial Em tempos modernos Yip e Johnson (2009) acreditam que a estratégia dos últimos 20 anos que as empresas praticam é estática o que para eles a estratégia das empresas para concorrer nos tempos atuais de um mercado altamente competitivo deve ser dinâmica, transformacional a fim de se adaptar aos devidos momentos do mercado podendo ser mudada com o tempo. Porter (1996) descreve que em tempos de 5

6 instabilidade econômica as estratégias tem se vinculado mais forte com a sociedade na as pessoas têm se preocupado mais com os problemas no mundo. Visão Estratégica por alguns Estudiosos A formulação da estratégia para as organizações pela visão de Mintzberg (1973) retrata a três modos: modo empreendedor, modo adaptável e modo de planejamento. O modo empreendedor constrói sua estratégia sob o domínio das novas oportunidades, deixando os problemas em segundo plano e focando oportunidades tendo o crescimento como objetivo dominante. No modo adaptável é descrita pela caracterização das soluções de problemas existentes como algo proativo pela busca de novas oportunidades. Neste modo o feedback é visto como uma ferramenta importante para construção da estratégia. O último modo o de planejamento tem como papel principal para a construção da estratégia o foco na análise, particularmente na avaliação de custos e benefícios da estratégia. Cada modo possui uma característica para cada tipo de organização, liderança, ambiente dentre outros, o que traz o modo empreendedor uma estratégia autoritária com poder individual. O modo adaptável é voltado para empresas que tem rápidas transformações no ambiente e de complexas faces e o modo de planejamento é para organizações que terão de ser grande o suficiente para fornecer uma analise de custo e muitos objetivos operacionais. (SANTANGELO, 2008) Com idéias diferentes Drucker (1985) tinha como concepção: a estratégia não era competir por uma fatia maior no mercado, mas sim criar um novo mercado preenchendo assim um novo espaço deixado em branco juntando os melhores recursos possíveis para preencher tal espaço em branco não visto pelos concorrentes e investindo nesses recursos, medindo e gerindo os resultados constantemente, com as necessárias adaptações. Imaginar o futuro e atuar agora para se investir com nossos melhores recursos numa visão do amanha visão essa de Drucker (1985) sobre uma verdadeira estratégia e sustentabilidade. (EDERSHEIM, 2007) Elaboração para Construção de uma Estratégia A formulação de uma estratégia se dá inicio em sua missão, visão e objetivos o que faz com que a organização crie um conjunto de valores para que ela seja consistente e constante ao longo do tempo direcionando os gestores e empregados. Para que tais valores sejam duradouros e conhecidos toda organização deve ter conhecimento e assim converta-as em ações bem orientadas. Missão, visão e objetivos geram idéias para a qual são distribuídas energia e as forças dentro da organização na qual é o ponto de partida para orientar o planejamento. Os três conceitos dentro da organização podem ser conjugados da seguinte maneira: a visão provoca o empenho, de todos, na 6

7 missão da organização, através do trabalho realizado com base nos objetivos estratégicos. (HENRIQUES, 2010) Missão: é a proposta pela qual ou razão que a organização existe. Dentre a sua definição destacam-se definições como: concentrar esforços, assegurar a não perseguir propósitos conflitantes ou incompatíveis, centrar a base lógica para alocação de recursos e a base para desenvolver objetivos organizacionais. A missão tem como objetivo descrever a finalidade fundamental da entidade. A missão da organização deve informar aos funcionários e executivos sobre as metas gerais que juntos se uniram para perseguir. (HSM 74, maio-junho 2009) A visão tem como propósito mostrar a imagem que a organização tem a respeito do futuro, o que ela pretende ser, o destino que se espera transformar em realidade, e o projeto que a organização pretende em um determinado prazo de tempo, bem como o caminho que deseja seguir para chegar ate sua estratégia. A descrição da visão é voltada para o mercado e expressa, em termos visionários, como a entidade quer ser vista e percebida pelo mundo. Diante disso, a visão da organização precisa conter três elementos sendo: uma meta expandida em relação à atual posição que a entidade se encontra, definição do nicho de mercado na qual a empresa pretende atuar e o horizonte de tempo na qual a meta será alcançada. (HSM 74, maio-junho 2009). Outro ponto importante a ser observado é a declaração de valores que a empresa quer seguir o que descreve a atitude, comportamento e caráter da organização. Algumas empresas têm tais valores como alicerces da cultura da empresa transcendendo até questões como índice de crescimento ou tamanho. (HSM 74, maio-junho 2009). Além disso, a elaboração da estratégia tem como meio analisar suas forças e fraquezas, oportunidades e ameaças conhecidas essas pela análise SWOT que contribui para a descrição do mercado e da organização tendo em mãos conhecimento do que é necessário para desenvolver sua estratégia. Tal análise traça um comparativo entre o ambiente externo com as oportunidades e as ameaças e, no ambiente interno, com suas forças e fraquezas. (HENRIQUES, 2010) Outra ferramenta importante na estrutura da estratégia são as cinco forças competitivas de Porter que estão relacionadas da seguinte forma: a rivalidade entre os concorrentes: ameaças de novos entrantes; ameaças de produtos substitutos; poder de barganha dos fornecedores e poder de barganha dos clientes. Cada uma sendo estrutura de maneira adequada a cada organização e ao seu ramo de negocio e juntamente administrada a sua estratégia empresarial. Diferenciação entre estratégia e tática 7

8 Pode-se chamar a estratégia de cálculo ou manipulação das relações de forças que se torna possível a partir do momento no qual o sujeito atuar no mercado. Postulado um lugar suscetível a ser circunscrito como algo próprio a ser a base de onde se podem gerir as relações com uma diversidade de alvos ou ameaças sendo elas clientes, concorrentes, objetos e diversos outros campos. (CERTEAU, 2007). O conceito de estratégia teve origem a cerca de anos pelo estrategista chinês Sun Tzu que dizia: todos os homens podem ver as táticas pelas quais eu conquisto, mas o que ninguém consegue ver é a estratégia a partir da qual grandes vitórias são obtidas. Seu vocabulário teve origem na Grécia Antiga tendo inicialmente o significado de arte do general. Posteriormente adquiriu uma conotação voltada para a guerra a arte e a ciência de conduzir um exército por um caminho (HERRERA, 2007). A definição de estratégia é a definição de um plano global com função de traçar os objetivos em um espaço de tempo a longo prazo. A realização desses movimentos corretos para poder atingir tais objetivos no plano global é considerada tática. A diferenciação entre a estratégia e a tática está na compreensão da estratégia como forma de planejar o caminho a ser seguido assim definindo os objetivos a serem alcançados o que deixa a tática na parte de implementação da estratégia o que define os movimentos corretos para atingir a estratégias que foi planejada. Pode-se dizer que a estratégia é o conhecimento na qual se formula os planos de ação e a tática é a habilidade que se tem para por em pratica a ação. Sendo assim a estratégia é uma ferramenta de planejamento enquanto a tática é uma ferramenta de execução. Tem-se a estratégia como um planejamento total de um objetivo a ser atingido e a tática como uma maneira de como a estratégia será executada. (MORON, 2011) Clausewitz (ANO) apresenta sua interpretação A tática nos ensina o emprego das forças armadas nas batalhas e a estratégia, o uso das batalhas para atingir o objetivo da guerra. E até se torna atipicamente simplista: A estratégia é o movimento para o campo de batalha, a tática, o movimento no campo de batalha. (CARDOSO, 2005) Portanto, é hábil no ataque o general cujo adversário não sabe onde defender é hábil na defesa aquele cujo oponente não sabe onde atacar. Sun Tzu. (CARDOSO, 2005) Descreve-se o conceito de estratégia tendo em sua formação os seguintes pontos: Objeto: O quê? Intenção, ação futura desejada; Objetivo: Para que? Obter poderio, vantagem, supremacia; Condição: Como? Alterar posicionamento, comportamento; Referencia: A fim de Concorrência, ambiente externo: 8

9 A estratégia é a perspectiva, de seu futuro e direção sendo usada como bússola para tomar decisões. A preparação da estratégia envolve todo um plano global, e como esses planos vão ser atingidos, e irão atingir suas metas e objetivos. (Advice-business, 2010). Simon retrata a estratégia como sendo um conjunto de decisões que determinam o comportamento a ser exigido em um determinado espaço de tempo. Para Mintzberg a estratégia é dita como: Forma de pensar no futuro, integrada no processo decisório, com base em um procedimento formalizado e articulador de resultados. Com isso pode-se analisar e notar alguns traços para a estrutura de uma estratégia como: medidas, orientações, decisões, forma de pensar no futuro, ação futura, concorrência e ambiente. (HERRERA, 2007). Qualquer plano a longo prazo na qual será o produto da arte de conduzir uma campanha e manobrar um exército uma definição de estratégia que está ligada a planos a longo prazo para auxiliar nas decisões futuras das instituições definições estas que se difere da tática que são procedimentos alcançados através do exército, a ciência ou arte de manobrar em presença do inimigo implantado diversos meios de manobras para atingir objetivos e metas desejadas. A tática é um meio concreto de executar as estratégias onde deve ser adequada correta. As ações que levam a execução das estratégias são as táticas colocadas em ação. A tática militar é como a água, pois, a água, em seu curso natural, foge dos lugares altos e corre para baixo. Assim é na guerra: a maneira de evitar o que é forte é atacar o que é fraco. (CARDOSO, 2005). Nesta frase Sun Tzu quis disser que para um exercito obter a vitoria é ser como a água modelar seu curso conforme o solo por onde ela corre o que seria a se adaptar as ações a situação dos concorrentes. O que é vantagem competitiva? Determina-se vantagem competitiva como sendo um conjunto de características que permite a empresa diferenciar-se, o que faz com que se entregue mais valor aos seus clientes sob o ponto de vista dos consumidores e de seus concorrentes. A vantagem competitiva é algo que torna o individuo ou a empresa diferente aos olhos dos clientes, e também é conhecido como diferencial competitivo. Sendo assim, vantagem competitiva ou diferencial competitivo para um determinado segmento de mercado é a razão pela qual os consumidores ou clientes em potencial, tendem a escolher a oferta da sua empresa, e não a das demais concorrentes, decorrente da sua empresa ter em sua oferta a vantagem competitiva que eles buscam sendo a única, ou melhor, 9

10 oferta do mercado de atuação em comparação da sua empresa e seus concorrentes. (FARIAS, 2010) Suas vantagens competitivas somente serão vantagens e competitivas se isso estabelecer uma oferta com características que dêem razão para seus clientes escolherem a sua empresa e não a oferta de seu concorrente. Uma vantagem competitiva é sempre algo que realce sua oferta em comparação aos seus concorrentes levando a sua empresa a uma posição relativa dentro do mercado de atuação ou segmento. (FARIAS, 2010) A vantagem competitiva tem dois tipos: ser único em seu mercado de atuação ou segmento ou ser diferente que é a mais comum no mercado. Dentre os 5 R`s: Relevância, Reconhecimento, Receptividade, Responsividade e Relacionamento, o que está ligado à vantagem competitiva é o Reconhecimento. Pois se refere a ter um serviço ou produto único ou diferente para atender seus clientes. Produzir um produto ou oferecer um serviço com características que levem seus clientes a comprar a sua idéia ao invés de seus concorrentes. (FARIAS, 2010) Segundo Faria (2010) quais seriam as características de uma vantagem competitiva? I. A vantagem competitiva precisa ter valor para seus clientes: Não adianta ser único ou diferente, essa diferença ou unicidade tem que ser vista, desejada, buscada e almejada pelos seus clientes, uma vantagem competitiva que não agregue valor para seus clientes na qual eles não tenham interesse não é vantagem competitiva é desperdício. II. III. IV. A Vantagem competitiva não pode ter outras vantagens competitivas substitutas disponíveis prontamente aos concorrentes: Os concorrentes que não podem ter o mesmo diferencial competitivo, contudo podem substituir sua vantagem competitiva o impacto de sua vantagem será neutralizado. A empresa precisa ter os recursos e a capacidade para fornecer a vantagem competitiva para os clientes de forma constante e consistente: Caso sua empresa não possua recursos ou capacidades necessárias sua vantagem competitiva não será vindoura isso acarretara em perda de recursos. A vantagem competitiva precisa ser sustentável: A vantagem competitiva que você se utiliza em sua empresa não for bem sustentada ao longo do tempo ou seu concorrente se utilizar de benchmarking para copiá-la ela não terá resultado. Como já visto a vantagem competitiva geralmente se origina de uma competência central do negócio, na qual para ser efetivamente uma vantagem competitiva ela 10

11 precisar ter em sua característica: difícil de imitar; única; sustentável; superior a competição e aplicável a múltiplas situações. As características que uma empresa precisa ter para constituir uma vantagem competitiva incluem: (Wikipedia, 2010) a) Foco no cliente e valor para o cliente; b) Qualidade superior do produto; c) Distribuição ampla; d) Alto valor de marca e reputação positiva da empresa; e) Técnicas de produção com baixo custo; f) Patentes, direitos autorais e de propriedade industrial; g) Proteção do governo; h) Equipe gerencial e de funcionários superior: Construindo a Vantagem Competitiva Para uma empresa possuir vantagem competitiva sustentável é importante ter um desenvolvimento consistente acima do normal derivada tanto de recursos e competências únicas da empresa especifica como da exploração de uma posição especifica e protegida em um determinado mercado. Porter (2009) procura mostrar como a estratégia escolhida pela empresa e posteriormente seguida pela organização poderia determinar e sustentar o sucesso competitivo, na qual a vantagem competitiva surge fundamentalmente do valor que a empresa conseguiu criar para seus clientes e que ultrapassa os custos de produção. O efeito de rede na qual Porter (2009) fala são os clientes que hoje são uma poderosa vantagem competitiva para empresas que desejam evitar a entrada de novos entrantes que ameaça seu mercado. Pois a empresa criando uma rede de clientes faz com que a entrada de novas empresas no mercado seja dificultada o que se torna uma vantagem competitiva para a empresa. (HSM, 2010). Uma oferta com valor superior sendo um produto ou serviço com características idênticas aos da concorrência por um preço inferior ou, alternativamente, da oferta de um serviço ou produto com benefícios superiores aos concorrentes que compense um preço mais caro. Para Porter (2009) uma vantagem competitiva sustentável é um diferencial que não pode ser copiado pelo seu concorrente facilmente. (STOECKL, 2010) 11

12 Segundo Porter (1989), para se obter uma vantagem competitiva sustentável embora tendo vários pontos fortes e pontos fracos, a empresa pode possuir dois tipos básicos de vantagem competitiva: a de baixo custo ou a de diferenciação. Esses dois tipos combinados com o escopo da estratégia empresarial da organização levam a três tipos de estratégias genéricas: liderança de custos, diferenciação e enfoque. Para a empresa obter uma vantagem competitiva é preciso que ela faça uma escolha sobre o tipo de vantagem competitiva que ela pretende obter. Liderança em Custos: Este tipo de estratégia talvez seja a mais clara na qual a empresa parte para se tornar o produtor de baixo custo em seu segmento. O líder em custos deve explorar todas as possíveis fontes de vantagens em custo. Diferenciação: Nesta estratégia a empresa procura ser única. A entidade que escolhe por esta estratégia em obter e sustentar uma diferenciação será um concorrente acima da média em seu ramo. A empresa deve sempre procurar formas de diferenciação que levem a seu preço - premio superior ao custo da diferenciação. Enfoque: Diferente das outras estratégias esta se baseia na escolha de um ambiente competitivo dentro de seu mercado. Este foca um segmento ou grupo e adéqua sua estratégia a atendê-los. O enfoque tem duas variantes: o enfoque no custo que a empresa procura uma vantagem em custos e o enfoque na diferenciação que a empresa busca diferenciação em determinado segmento. (PORTER, 1989) Fonte: Michael E. Porter, The Competitive Ad Em tempos de alta competitividade e de rápida mudança nenhuma vantagem competitiva pode ser mantida por um longo prazo. A única vantagem competitiva sustentável em tempos atuais é uma empresa que esteja alerta, informada e ágil para cada momento do mercado encontrar uma vantagem competitiva não importando com as mudanças que possam ocorrer. 12

13 Nicho de Mercado Os nichos de mercados podem ser definidos como pequenos segmentos que oferecem oportunidade de negócios. Sendo definido o posicionamento em pequenos segmentos homogêneos que tenham sido ignorados ou negligenciados pelos outros concorrentes. Focando sua estratégia para aproveitar nichos que na identificação das bases de segmento quando explorados representam a vantagem competitiva da empresa. O desenvolvimento da estratégia de nicho tem que haver uma oportunidade de mercado e potencialidades exploratórias da empresa, tento a existência de oportunidades de mercado decorrida do ambiente de marketing das características dos clientes ou da ausência dos concorrentes em seu segmento ou publico estão tendo suas necessidades pouco exploradas. (Wikipedia, 2010) A estratégia de nicho de mercado é baseada na segmentação o que pode ser utilizada na estratégia de segmentação de mercado onde muitas empresas se utilizam dessa estratégia para evitar a competição direta com os lideres de mercado. O que levam pequenas e medias empresas a identificar e atendem a um segmento ou um nicho de mercado de um mercado maior. A vantagem competitiva dessa estratégia está em encontrar um segmento especifico de mercado, no qual a empresa possa atender com a melhor de suas habilidades e competência focando satisfazer as necessidades especificas ou novas necessidades de determinado segmento. (NAJIB & AUAD, 2010) O mercado atual faz com que as empresas apostem cada vez mais em nichos de mercado o que faz com que elas aprendam a se apoiar mais nos lucros do que no volume total de vendas. Ao se referir neste assunto Porter nos retrata que as empresas devem encontrar uma proposição de valor que defina bem os clientes e quais necessidades as empresas ira atender. (HSM 66, janeiro-fevereiro 2008). Considerações Finais Diante de uma analise de todo o conteúdo do presente trabalho, pode-se verificar que os estudos sobre o orçamento empresarial foi sendo cada vez mais abrangente com o passar dos anos na busca de uma melhor definição e aplicação de seu uso para as empresas. A evolução de seus métodos e aplicações junto com as novas estratégias que o mercado impôs para uma maior competitividade e sobrevivência. Assim nota-se que o orçamento empresarial dentro da empresa deste o começo era essencial para a formulação de estratégias e um meio de vantagem competitiva diante das demais empresas, na qual a empresa mantém um controle de suas finanças alinhado com seus objetivos e metas que foram traçados no planejamento estratégico da empresa. Isso fez com que empresas aumentassem sua qualificação e inovação para alcançar 13

14 os objetivos da empresa e a se adaptar as rápidas mudanças do mercado como tecnologias e novos métodos de produção e consumo, globalização e até momentos de crise ocorridos nos dias atuais. A utilização do orçamento dentro das empresas que era usado apenas para verificar a movimentação financeira virou hoje uns dos principais pontos usados das organizações para obter uma vantagem competitiva, tentar se prevenir de eventuais acontecimentos, aplicação de investimento em mercados ainda não explorados, mudança de tecnologias, pesquisas para novos produtos e inovação. O que faz do orçamento um dos pontos base para elaboração e aplicação da estratégia da empresa. O conhecimento que obtive com a elaboração do artigo mostra que o orçamento empresarial pode ter determinados tipos porem, qualquer que seja o orçamento escolhido pela empresa com um gerenciamento adequado o alinhamento as suas estratégias, focado aos seus objetivos e metas trará os resultados esperados porem caso a empresa não estiver bem estruturada financeiramente a ocorrência de inesperadas eventos poderá levara ao fracasso. Como diria Sun Tzu (1988) O general deve ser e saber sozinho, no sentido de que deve ver o que os outros não vêem (perspicácia) e saber o que os outros não sabem (genialidade). Referências ADVICE 4 FINANCE, Alcançar seus objetivos financeiros através do Orçamento <http://www.advice4finance.com/pt/conselho htm> acesso em 15 out ADVICE BUSINESS, A Diferença entre Estratégica e Tática, <http://www.advicebusiness.com/pt/conselho htm> acesso em 11 out 2010 EDERSHEIM, Elizabeth Haas, A voz de Peter Drucker ainda ressoa, disponível em 26 dez. 2007, <http://boostalpha.blogspot.com/2007/12/voz-de-peter-drucker-aindaressoa.html> acesso em 11 out 2010 FARIAS, Carlos Alberto de, Vantagem Competitiva: O que e Como?, <http://www.merkatus.com.br/10_boletim/120.htm> acesso em 11 out 2010 HENRIQUES, Jose Paulo, É Preciso Gestão Estratégica, <http://student.dei.uc.pt/~jpdias/gestao/strategic/> acesso em 15 out 2010 MORALES, Pedro Paulo Galinho, Importancia do Orcamento para as Empresas. Disponivel em 11 set <http://www.webartigos.com/articles/21283/1/a- Importancia-do-Orcamento-para-as-Empresas/pagina1.html>, acesso em15 de out. 2010) 14

15 MORON, Celso, Analisando os Conceitos de Estratégia e Tática no xadrez, disponível em maio de 2008, <http://www.clubedexadrez.com.br/portal/capelaxadrezclube/tectat.htm> acesso em 07 out 2010 PYHN, Peter A. Orçamento Base Zero Um instrumento administrativo prático para avaliação das despesas, disponivel em 17 dez 2007, <http://pt.shvoong.com/books/ or%c3%a7amento-base-zero-uminstrumento/> acesso em 15 out 2010 REFENCE FOR BUSINESS, Budgets and Budgeting <http://www.referenceforbusiness.com/small/bo-co/budgets-and-budgeting.html> acesso em 15 out 2010 SANTANGELO, Caio Cesar Ferrari Os Três Modos da Construção da Estratégia Empresarial - Visão de Mintzberg, disponivel em 20 abr 2008, <http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/os-tres-modos-da-construcaoda-estrategia-empresarial-visao-de-mintzberg/22410/> acesso em 07 out 2010 SCHAEPPI, João Paulo S. Orçamento Empresarial, disponível em 02 mar 2009 <http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/orcamento-empresarial/21484/> acesso em 11 out 2010 STOECKL, Karl, Conceitos de Vantagem Competitiva, sua Aplicacao e Sustentabilidade, disponível em 30 set 2009, <http://pt.shvoong.com/businessmanagement/entrepreneurship/ conceitos-vantagem-competitiva-sua-aplica %C3%A7%C3%A3o/> acesso em 07 out 2010 UCF, <http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-br&langpair=en %7Cpt&u=http://www.bus.ucf.edu/ajudd/Managerial%2520Accounting/Chapter08.ppt> acesso em 19 out WIKIPEDIA Orçamento, disponível em jun de 2009 <http://pt.wikipedia.org/wiki/or %C3%A7amento> acesso em 11 out WIKIPEDIA, Nichos de Mercado, <http://pt.wikipedia.org/wiki/nichos_de_mercado> acesso em 11 out 2010 WIKIPEDIA, Vantagem Competitiva, disponível desde 17 jun 2010, <http://pt.wikipedia.org/wiki/vantagem_competitiva> acesso em 11 out 2010 ZANLUCA, Júlio César, Como Elaborar Um Orçamento Empresarial? Acesso em 07 out

16 ZEUS RIO SOLUTIONS, Orçamento Flexivel, <http://www.zeusrio.com.br/dotnetnuke/default.aspx?tabid=95> acesso em 15 out

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios.

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. A palavra vem do grego strátegos, que significa "a arte do general". Arte militar de escolher onde, quando e

Leia mais

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Os negócios não serão mais os mesmos em poucos anos Velocidade Custo X Receita cenário mudou Novos Concorrentes competição

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Planeamento e estratégia

Planeamento e estratégia Planeamento e estratégia Tipos de planos e vantagens Etapas do processo de planeamento Informação para o planeamento Análise SWOT Definir missão e objectivos Processo de gestão estratégica Níveis da estratégia

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br GESTÃO ORÇAMENTÁRIA João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br EMPRESAS OBJETIVOS INDIVIDUAIS em instituições de Saúde devido as corporações profissionais, que detém graus de autonomia diferenciados,

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação das capacidades internas de uma empresa

Capítulo 3. Avaliação das capacidades internas de uma empresa Capítulo 3 Avaliação das capacidades internas de uma empresa O que uma análise interna nos diz? A análise interna nos permite ter um comparativo entre as capacidades da empresa Quais são as forças da empresa?

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO! O que é Orçamento Contínuo?! Qual a periodicidade normal para um Orçamento Contínuo?! Como podemos estruturá-lo?! O que é mais importante para um Orçamento Contínuo?!

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios.

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. A palavra vem do grego strátegos, que significa "a arte do general". Arte militar de escolher onde, quando e

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial Página 1 de 5. 05/09/2011 ORÇAMENTO BASE ZERO uma ferramenta gerencial para redução de custos e otimização de resultados, distribuição de dividendos e nível de retorno dos investimentos Prof. Ricardo Ferro

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data 9 Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Sua empresa sabe interpretar os dados que coleta? Para aumentar

Leia mais

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (http://www.trt23.jus.br) Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard José Silva Barbosa Assessor de Planejamento e Gestão Setembro/2009 Objetivos Apresentar a

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária II

Contabilidade Financeira e Orçamentária II Contabilidade Financeira e Orçamentária II Curso de Ciências Contábeis - 7º período Prof. Edenise Tópicos Iniciais Plano Orçamentário compreende: todo o processo operacional da empresa. Envolve todos os

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA Profº MS. Carlos Henrique Carobino E-mail: carobino@bol.com.br 1 Pressões Externas MEGATENDÊNCIAS Competição

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Antes de tudo como sugestão aos donos de construtoras, incorporadoras, imobiliárias e escritórios de arquitetura

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL programação do evento 4ª edição RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL 10 de abril de 2014 Staybridge Suites São Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO SILVER EXPO BRAND APOIO REALIZAÇÃO Os desafios do futuro na

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo Estratégia como fator de Competitividade Autora: Claryce Barros Santos Resumo Em meio à variabilidade de processos organizacionais a estratégia surge como ferramenta crucial nas organizações. O presente

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

CONCEITO DE ESTRATEGIA

CONCEITO DE ESTRATEGIA CONCEITO DE ESTRATEGIA O termo estratégia deriva do grego stratos (exército) e agein (conduzir). O strategos era o que conduzia o exercito, isto é, o general, o comandante-chefe, o responsável pela defesa

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

ORÇAMENTO BASE ZERO. Ana Elisa Gonçalves Josiane de Fátima Sidô. Autores: RESUMO

ORÇAMENTO BASE ZERO. Ana Elisa Gonçalves Josiane de Fátima Sidô. Autores: RESUMO ORÇAMENTO BASE ZERO Autores: Ana Elisa Gonçalves Josiane de Fátima Sidô RESUMO O Orçamento Base Zero (OBZ) consiste em uma técnica utilizada para a elaboração do programa orçamentário de uma organização,

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000)

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000) de Marketing e Estratégias de Marketing Parte 01 OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO Marcoambiente Ambiente setorial Estratégia Administração Estratégica Estratégico Organização / Direção Estratégia

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof. Lillian Alvares O Planejamento

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período: Encontro 30 Disciplina: Planejamento Estratégico de Marketing Unidade V: O Plano de Marketing Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 4º. ADM Planejamento é tudo... Link: http://www.youtube.com/watch?v=dwt9ufbxluk

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Apresentação A AGM está se estruturando nos princípios da Qualidade Total e nos requisitos da Norma NBR ISO 9001:2000, implantando em nossas operações o SGQ Sistema

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais