No circuito abaixo determinar as correntes nos ramos, seus verdadeiros sentidos e quais elementos são geradores e receptores.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "No circuito abaixo determinar as correntes nos ramos, seus verdadeiros sentidos e quais elementos são geradores e receptores."

Transcrição

1 No circuito abaixo determinar as correntes nos ramos, seus verdadeiros sentidos e quais elementos são geradores e receptores. Dados do problema Resistores: R 1 = 0, Ω; R = 0, Ω; R 3 = 1 Ω; R 4 = 0, Ω; R = 0, Ω; R 6 = 3 Ω; R 7 = 1 Ω. Geradores e Receptores: E 1 = 0 V; E = 0 V; E 3 = 6 V. Solução Em primeiro lugar a cada ramo do circuito atribuímos, aleatoriamente, um sentido de corrente. No ramo EFAB temos a corrente i 1 no sentido horário, no ramo BE a corrente i de B para E e no ramo EDCB a corrente i 3 no sentido anti-horário. Em segundo lugar para cada malha do circuito atribuímos um sentido, também aleatório, para se percorrer a malha. Malha α (ABEFA) sentido horário e malha β (BCDEB) também sentido horário. Vemos todos estes elementos na figura 1. figura 1 Aplicando a Lei dos Nós As correntes i 1 e i 3 chegam no nó B e a corrente i sai dele i = i 1 i 3 (I) 1

2 Aplicando a Lei das Malhas Para a malha α a partir do ponto A no sentindo escolhido, esquecendo a malha β, (figura ), temos substituindo os valores do problema, temos figura R i 1 R 4 i E R i R 3 i 1 R 1 i 1 E 1 = 0 0,i 1 0, i 0 0,i 1i 1 0,i 1 0 = 0 i 1 i = 0 (II) Para a malha β a partir do ponto B no sentindo escolhido, esquecendo a malha α, (figura 3), temos figura 3 substituindo os valores R 6 i 3 E 3 R 7 i 3 R i E R 4 i = 0 3 i i 3 0,i 0 0,i = 0 i 4i 3 14 = 0 i 4 i 3 = 14 (III) e i 3) As equações (I), (II) e (III) formam um sistema de três equações a três incógnitas (i 1, i i = i 1 i 3 i 1 i = 0 i 4i 3 = 14

3 isolando o valor de i 1 na segunda equação, temos i 1 = i (IV) isolando o valor de i na terceira equação, temos i 3 = 14 i 4 (V) substituindo as expressões (IV) e (V) na primeira equação, obtemos i = i 14 i 4 i i 14 i = 0 4 o Mínimo Múltiplo Comum (M.M.C.) entre 1, e 4 é 4, então 4i i 14 i = 0 4 4i i 14 i = i 14 = 0 7i = 14 i = 14 7 i = A (VI) substituindo o valor (VI) encontrado acima nas expressões (IV) e (V) encontramos os valores de i 1 e i 3 respectivamente i 1 = i 1 = 1 A 14 i 3 = 4 i 3 = 14 4 i 3 = 1 4 i 3 = 3 A Como o valor das correntes i e i 3 são negativas, isto indica que seus verdadeiros sentidos são contrários àqueles escolhidos na figura 1. Os valores das correntes são i 1=1 A, i = A e i 3=3 A e seus sentidos estão mostrados na figura 4. figura 4 3

4 Os elementos E 1 e E são geradores, pois as correntes têm sentido de (-) para (+) e o elemento E 3 é um receptor, o sentido da corrente é de (+) para (-). 4

5 No circuito abaixo determinar as correntes nos ramos, seus verdadeiros sentidos e quais elementos são geradores e receptores. Dados do problema Resistores: R 1 = 0, Ω; R = 0, Ω; R 3 = 1 Ω; R 4 = 0, Ω; R = 0, Ω; R 6 = 3 Ω; R 7 = 1 Ω. Geradores e Receptores: E 1 = 0 V; E = 0 V; E 3 = 6 V. Solução Em primeiro lugar a cada malha do circuito atribuímos, aleatoriamente, um sentido de corrente. Na malha ABEFA temos a corrente i 1 no sentido horário e na malha BCDEB temos a corrente i também sentido horário (figura 1) Aplicando a Lei das Malhas de Kirchhoff à malha i 1 a partir do ponto A no sentindo escolhido, esquecendo a malha i (figura - a seguir), escrevemos R i 1 R 4 i 1 i E R i 1 i R 3 i 1 R 1 i 1 E 1 = 0 substituindo os valores do problema fica figura 1 0,i 1 0, i 1 i 0 0, i 1 i 1i 1 0,i 1 0 = 0 1

6 0,i 1 0, i 1 i 0, i 1 i 1 i 1 0,i 1 = 0 0,i 1 0, i 1 0,i 0,i 1 0,i 1 i 1 0,i 1 = 0 3 i 1 i = 0 (I) figura Esquecendo a malha i 1 e aplicando a Lei da Malhas à malha i, como foi feito acima, temos pela figura 3, a partir do ponto B substituindo os valores do problema fica figura 3 R 6 i E 3 R 7 i R i i 1 E R 4 i i 1 = 0 3i 6 1i 0, i i 1 0 0, i i 1 = 0 3i i 0,i 0,i , i 0, i 1 = 0 i 1 i = 14 (II) i ) Com as equações (I) e (II) temos um sistema de duas equações a duas incógnitas (i 1 e 3i 1 i = 0 i 1 i = 14 isolando o valor de i na primeira equação, temos i = 3 i 1 (III) substituindo este valor na segunda equação, obtemos i 1.3i 1 = 14

7 i 1 1i 1 = i 1 = 14 i 1 = i 1 = 1 A Substituindo este valor na expressão (III), temos i = 3.1 i = 3 A No ramo BE vai circular uma corrente i 3 dada por i 3 = i i 1 i 3 = 3 1 i 3 = A O sentido da corrente i 3 será o mesmo da corrente i (de maior valor). Como o valor das correntes são todos positivos, isto indica que os sentidos escolhidos na figura 1 são corretos. Os valores das correntes são i 1=1 A, i =3 A e i 3= A e seus sentidos estão mostrados na figura 4. figura 4 Os elementos E 1 e E são geradores, pois as correntes têm sentido de (-) para (+) e o elemento E 3 é um receptor, o sentido da corrente é de (+) para (-). 3

8 Duas pilhas cujas f.e.m. e resistências internas são respectivamente E 1 = 0 V, E = 10 V e r 1 = 0,, r = 0, são ligadas por fios de resistência desprezível a um resistor R = 1, segundo o esquema indicado na figura. Determinar as intensidades das correntes nos diferentes trechos do circuito. Dados do problema Resistências das pilhas r 1 = 0, ; r = 0, f.e.m. das pilhas E 1 = 0 V; E = 10 V. Resistência externa R = 1. Solução Em primeiro lugar a cada ramo do circuito atribuímos, aleatoriamente, um sentido de corrente. No ramo EFAB temos a corrente i 1 no sentido horário, no ramo BE a corrente i 3 indo de B para E e no ramo EDCB a corrente i no sentido anti-horário. Em segundo lugar para cada malha do circuito atribuímos um sentido, também aleatório, para se percorrer a malha. Malha (ABEFA) sentido horário e malha (BCDEB) também sentido horário. Vemos todos estes elementos na figura 1 figura 1 Aplicando a Lei dos Nós As correntes i 1 e i chegam no nó B e a corrente i 3 sai dele i 3 = i 1 i (I) Aplicando a Lei das Malhas Para a malha a partir do ponto A no sentindo escolhido, esquecendo a malha (figura ), temos R i 3 r 1 i 1 E 1 = 0 (II) 1

9 figura substituindo os valores do problema, temos 1i 3 0,i 1 0 = 0 i 3 0,i 1 = 0 (III) Para a malha a partir do ponto B no sentindo escolhido, esquecendo a malha, (figura 3), temos figura 3 E r i R i 3 = 0 (IV) substituindo os valores 10 0,i 1i 3 = 0 0,i i 3 = 10 (V) e i 3) As equações (I), (III) e (V) formam um sistema de três equações a três incógnitas (i 1, i i 3 = i 1 i i 3 0,i 1 = 0 0,i i 3 = 10 isolando o valor de i 1 na segunda equação, temos i 1 = 0 i 3 0, (VI) isolando o valor de i na terceira equação, temos i = 10 i 3 0, (VII)

10 substituindo as expressões (VI) e (VII) na primeira equação obtemos i 3 = 0 i 3 0, 10 i 3 0, Escrevendo na expressão acima 0, = 10 e 0, = 10 fica i 3 = 0 i i 3 10 i 3 = 10 0 i i 3 i 3 = 0 i 3 10 i 3 i 3 = 40 i 3 0 i 3 i 3 = 90 7i 3 i 3 7i 3 = 90 8i 3 = 90 i 3 = 90 8 i 3 = 11, A substituindo o valor encontrado acima nas expressões (VI) e (VII) encontramos os valores de i 1 e i respectivamente i 1 = 0 11, 0, i 1 = 8,7 0, i 1 = 17, A i = 10 11, 0, i = 1, 0, i = 6, A Como o valor da corrente i é negativo, isto indica que seu verdadeiro sentido é contrário ao escolhido na figura 1. Os valores das correntes são i 1=17, A, i =6, A e i 3=11, A e seus sentidos estão mostrados na figura 4. figura 4 3

11 Duas pilhas cujas f.e.m. e resistências internas são respectivamente E 1 = 0 V, E = 10 V e r 1 = 0, Ω, r = 0, Ω são ligadas por fios de resistência desprezível a um resistor R = 1 Ω, segundo o esquema indicado na figura. Determinar as intensidades das correntes nos diferentes trechos do circuito. Dados do problema Resistências das pilhas r 1 = 0, Ω; r = 0, Ω f.e.m. das pilhas E 1 = 0 V; E = 10 V. Resistência externa R = 1 Ω. Solução Em primeiro lugar a cada malha do circuito atribuímos, aleatoriamente, um sentido de corrente. Na malha ABEFA temos a corrente i 1 no sentido horário, e na malha BCDEB temos a corrente i no sentido anti-horário (figura 1) Aplicando a Lei das Malhas de Kirchhoff à malha i 1 a partir do ponto A no sentindo escolhido, esquecendo a malha i (figura - a seguir), escrevemos substituindo os valores do problema fica figura 1 R i 1 i r 1 i 1 E 1 = 0 1 i 1 i 0, i 1 0 = 0 i 1 i 0, i 1 = 0 1,i 1 i = 0 (I) Esquecendo a malha i 1 e aplicando a Lei da Malhas à malha i, como foi feito acima, temos pela figura 3, a partir do ponto B 1

12 figura Esquecendo a malha i 1 e aplicando a Lei da Malhas à malha i, como foi feito acima, temos pela figura 3, a partir do ponto C substituindo os valores do problema fica figura 3 R i 1 i r i E = 0 1 i 1 i 0, i 10 = 0 i 1 i 0,i = 10 i 1 1,i = 10 (II) i ) Com as equações (I) e (II) temos um sistema de duas equações a duas incógnitas (i 1 e 1,i 1 i = 0 i 1 1, i = 10 isolando o valor de i na primeira equação, temos i = 0 1, i 1 (III) substituindo este valor na segunda equação, obtemos i 1 1, 0 1,i 1 = 10 i 1 4 1,8i 1 = 10 1,8i 1 i 1 = ,8 i 1 = 14 i 1 = 14 0,8 i 1 = 17, A Substituindo este valor na expressão (III), temos

13 i = 0 1,.17, i = 0 6, i = 6, No ramo BE vai circular uma corrente i 3 dada por i 3 = i 1 i i 3 = 17, 6, i 3 = 17, 6, i 3 = 11, A O sentido da corrente i 3 será o mesmo da corrente i 1 (de maior valor). Como o valor da corrente i é negativo, isto indica que seu verdadeiro sentido é contrário ao escolhido na figura 1. Os valores das correntes são i 1=17, A, i =6, A e i 3=11, A e seus sentidos estão mostrados na figura 4. figura 4 3

14 No circuito abaixo determinar as correntes nos ramos, seus verdadeiros sentidos. Dados do problema Resistores R 1 = 1 Ω; R = Ω R 3 = 1 Ω; R 4 = Ω R = 1 Ω; R 6 = f.e.m. das pilhas E 1 = 10 V; E = 0 V. E 3 = 10 V; E 4 = 0 V. Solução Em primeiro lugar a cada ramo do circuito atribuímos, aleatoriamente, um sentido de corrente. No ramo GHAB temos a corrente i 1 no sentido horário, no ramo BC a corrente i indo de B para C, no ramo CDEF a corrente i 3 no sentido horário, no ramo CF a corrente i 4 indo de C para F, no ramo FG a corrente i indo de F para G e no ramo BG a corrente i 6 indo de B para G. Em segundo lugar para cada malha do circuito atribuímos um sentido, também aleatório, para se percorrer a malha. Malha α (GHABG), malha β (BCFGB) e malha γ (CDEFC) todas percorridas no sentido horário (figura 1) figura 1 Aplicando a Lei dos Nós A corrente i 1 chega ao nó B e as correntes i e i 6 saem dele i 1 = i i 6 (I) A corrente i chega ao nó C e as correntes i 3 e i 4 saem dele i = i 3 i 4 (II) 1

15 As correntes i 3 e i 4 chegam ao nó F e a corrente i sai dele i = i 3 i 4 (III) Aplicando a Lei das Malhas Para a malha α a partir do ponto A no sentindo escolhido, esquecendo as malhas β e γ (figura ), temos substituindo os valores do problema fica figura R 1 i 1 E R 6 i 1 E 1 = 0 1i 1 0 i 1 10 = 0 3i 1 30 = 0 3i 1 = 30 i 1 = 30 3 i 1 = 10 A Para a malha β a partir do ponto B no sentindo escolhido, esquecendo as malhas α e γ (figura 3), temos substituindo os valores figura 3 R i E 3 R i E = 0 i 10 1i 0 = 0 i i 30 = 0 i i = 30 (IV)

16 Para a malha γ a partir do ponto C no sentindo escolhido, esquecendo as malhas α e β (figura 4), temos substituindo os valores figura 4 R 3 i 3 E 4 R 4 i 3 E 3 = 0 1i 3 0 i 3 10 = 0 i 3 i 3 30 = 0 3i 3 = 30 i 3 = 30 3 i 3 = 10 A Substituindo os valores de i 1 e i 3 em (I), (II) e (III), temos com as equações (I), (II), (III) e (IV) um sistema de quatro equações a quatro incógnitas (i, i 4, i e i 6) i i 6 = 10 i i 4 = 10 i i 4 = 10 i i = 30 isolando o valor de i 4 na segunda equação, temos i 4 = i 10 (V) substituindo (V) na terceira equação, obtemos i i 10 = 10 i i 10 = 10 i i = i i = 0 i = i (VI) substituindo (VI) na quarta equação, temos i i = 30 3 i = 30 i = 30 3 i = 10 A Assim pela expressão (VI) também temos 3

17 i = 10 A Substituindo o valor de i na expressão (V), obtemos i 4 = i 4 = 0 A Substituindo o valor de i na primeira equação, obtemos 10 i 6 = 10 i 6 = i 6 = 0 A Como o valor das correntes i, i 4 e i são negativos, isto indica que seus verdadeiros sentidos são contrários ao escolhido na figura 1. Os valores das correntes são i 1=10 A, i =10 A, i 3=10 A, i 4=0 A, i =10 A, e i 6=0 A e seus sentidos estão mostrados na figura. figura 4

18 No circuito abaixo determinar as correntes nos ramos, seus verdadeiros sentidos. Dados do problema Resistores R 1 = 1 Ω; R = Ω R 3 = 1 Ω; R 4 = Ω R = 1 Ω; R 6 = Ω. f.e.m. das pilhas E 1 = 10 V; E = 0 V. E 3 = 10 V; E 4 = 0 V. Solução Em primeiro lugar a cada malha do circuito atribuímos, aleatoriamente, um sentido de corrente. Nas malhas ABGHA, BCFGB e CDEFC temos, respectivamente, as corrente i 1, i e i 3 no sentido horário (figura 1) Aplicando a Lei das Malhas de Kirchhoff à malha i 1 a partir do ponto A no sentindo escolhido, esquecendo as malhas i e i 3 (figura - a seguir), escrevemos substituindo os valores do problema fica figura 1 R 1 i 1 E R 6 i 1 E 1 = 0 1i 1 0 i 1 10 = 0 3i 1 30 = 0 3i 1 = 30 i 1 = 30 3 i 1 = 10 A 1

19 figura Esquecendo as malhas i 1 e i 3 e aplicando a Lei da Malhas à malha i, como foi feito acima, temos pela figura 3, a partir do ponto B substituindo os valores figura 3 R i E 3 R i E = 0 i 10 1i 0 = 0 i i 30 = 0 i i = 30 3i = 30 i = 30 3 i = 10 A Esquecendo as malhas i 1 e i e aplicando a Lei da Malhas à malha i 3, como foi feito acima, temos pela figura 4, a partir do ponto C figura 4 R 3 i 3 E 4 R 4 i 3 E 3 = 0

20 substituindo os valores 1i 3 0 i 3 10 = 0 i 3 i 3 30 = 0 3i 3 = 30 i 3 = 30 3 i 3 = 10 A No ramo BG vai circular uma corrente i 4 dada por i 4 = i 1 i i 4 = i 4 = i 4 = 0 A O sentido da corrente i 4 será o mesmo da corrente i 1. No ramo CF vai circular uma corrente i dada por i = i 3 i i = i = i = 0 A O sentido da corrente i será o mesmo da corrente i 3. Como o valor da corrente i é negativo, isto indica que seu verdadeiro sentido é contrário ao escolhido na figura 1. Os valores das correntes são i 1=10 A, i =10 A, i 3=10 A, i 4=0 A, e i =0 A e seus sentidos estão mostrados na figura. figura 3

21 No circuito abaixo determinar as correntes nos ramos e seus verdadeiros sentidos. Dados do problema Resistores R 1 = Ω; R = 3 Ω R 3 = Ω; R 4 = Ω R = 3 Ω; R 6 = Ω; R 7 = 3 Ω; R 8 = Ω. f.e.m. das pilhas E 1 = V; E = V. E 3 = 4 V. Solução Em primeiro lugar a cada ramo do circuito atribuímos, aleatoriamente, um sentido de corrente. No ramo GHAB temos a corrente i 1 no sentido horário, no ramo BC a corrente i 3 indo de B para C, no ramo CDEF a corrente i 4 no sentido horário, no ramo CF a corrente i indo de C para F, no ramo FG a corrente i 6 indo de F para G e no ramo BG a corrente i 3 indo de B para G. Em segundo lugar para cada malha do circuito atribuímos um sentido, também aleatório, para se percorrer a malha. Malha α (GHABG), malha β (BCFGB) e malha γ (CDEFC) todas percorridas no sentido horário (figura 1) figura 1 Aplicando a Lei dos Nós A corrente i 1 chega ao nó B e as correntes i e i 3 saem dele i 1 = i i 3 i 1 i i 3 = 0 (I) 1

22 A corrente i chega ao nó C e as correntes i 4 e i saem dele i = i 4 i i i 4 i = 0 (II) As correntes i 4 e i chegam ao nó F e a corrente i 6 sai dele i 6 = i 4 i i 4 i i 6 = 0 (III) Aplicando a Lei das Malhas Para a malha α a partir do ponto A no sentindo escolhido, esquecendo as malhas β e γ (figura ), temos substituindo os valores do problema fica figura R i 1 R 3 i 3 R 1 i 1 E 1 = 0 3i 1 i 3 i 1 = 0 i 1 i 3 = (IV) Para a malha β a partir do ponto B no sentindo escolhido, esquecendo as malhas α e γ (figura 3), temos figura 3 R 4 i E R 6 i R i 6 R 3 i 3 = 0 substituindo os valores i i 3i 6 i 3 = 0

23 i i 3 i 3i 6 = (V) Para a malha γ a partir do ponto C no sentindo escolhido, esquecendo as malhas α e β (figura 4), temos substituindo os valores figura 4 R 8 i 4 E 3 R 7 i 4 R 6 i E = 0 i 4 4 3i 4 i = 0 i 4 i 1 = 0 i 4 i = 1 (VI) Com as equações (I), (II), (III), (IV), (V) e (VI) temos um sistema de seis equações a seis incógnitas ( i 1, i, i 3, i 4, i e i 6 ) i 1 i 3 = i i 3 i 3i 6 = i 4 i = 1 i 1 i i 3 = 0 i i 4 i = 0 i 4 i i 6 = 0 (VII) escrevendo o sistema como i 1 0i i 3 0i 4 0i 0i 6 = 0i 1 i i 3 0i 4 i 3i 6 = 0i 1 0i 0i 3 i 4 i 0i 6 = 1 1i 1 1i 1i 3 0i 4 0i 0i 6 = 0 0i 1 1i 0i 3 1i 4 1i 0i 6 = 0 0i 1 0i 0i 3 1i 4 1i 1i 6 = 0 este sistema pode ser representado pela matriz a seguir, onde os valores a esquerda da linha tracejada representam a matriz dos coeficientes das correntes e os valores a direita representam o vetor dos termos independentes 3

24 Observação: para resolver este sistema vamos escalonar esta matriz de modo a obter uma matriz triangular superior. Para fazer o escalonamento podemos realizar operações sobre as linhas da matriz como multiplicar ou dividir uma linha inteira (no caso incluindo o vetor dos termos independentes) por um número qualquer, podemos somar ou subtrair uma linha de outra e podemos inverter duas linhas de posição. Uma matriz triangular superior é aquela em que os elementos abaixo da diagonal principal são todos nulos. Para que o elemento a 41 = 1 seja zerado vamos dividir a 1. a linha por e somar com a 4. a linha e substituir na 4. a linha L 1 L 4 L L L 4 L a 41 = 1 = 1 1 = 0 ; a 4 = 0 1 = 0 1 = 1 ; a 43 = 1 = 1, multiplicando o numerador e o denominador do último termo por, a 43 = 1. = = 7 ; a 44 = 0 0 = 0 ; a 4 = 0 0 = 0 ; a 46 = 0 0 = 0 ; v 4 = 0 = Para que o elemento a 4 = --1 seja zerado vamos dividir a. a linha por e somar com a 4. a linha e substituir na 4. a linha L L 4 L 4 e para que o elemento a = 1 seja zerado 4

25 vamos dividir a. a linha por -- e somar com a. a linha e substituir na. a linha L L L L L 4 L 4 L L L a 41 = 0 0 = 0 ; a 4 = 1 = 1 1 = 0 ; a 43 = 7 = 1 7, multiplicando o numerador e o denominador do primeiro termo por, a 43 = 1. 7 = 7 = 1 ; a 44 = 0 0 = 0 ; a 4 = 0 = 1 ; a 46 = 3 0 = 3 ; v 4 = 1 = 1, multiplicando o numerador e o denominador do último termo por, v 4 = 1. = = 3. a 1 = 0 0 = 0 ; a = 1 = 1 1 = 0 ; a 3 = 0 = 1 ; a 4 = 0 1 = 1 ; a = 1 = 1 1 = ; a 6 = 3 0 = 3 ; v = 0 =

26 Para que o elemento a 43 = 1 seja zerado vamos trocar de posição as linhas 3 e 4 L 3 L L L 4 Para que o elemento a 3 = 1 seja zerado vamos multiplicar a 3. a linha por somar com a. a linha e substituir na. a linha 1 L L L L 3 L L a 1 = = 0 ; a = = 0 ; 1 e a 3 = = 1 1 = 0 ; a 4 = = 1 ; a = 1.1 = 1, multiplicando o numerador e o denominador do último termo por 1, a = = = 19 1.; a 6 = = = 8 3, multiplicando o numerador e o denominador do último termo por 4, a 66 = = = 7 8 ; 6

27 v = 1. 3 = 4. 1 = 8, multiplicando o numerador e o denominador do último termo por 4, v = = = Para que o elemento a 4 = --1 seja zerado vamos dividir a 4. a linha por e somar com a. a linha e substituir na. a linha L 4 L L e para que o elemento a 64 = 1 seja zerado vamos dividir a 4. a linha por -- e somar com a 6. a linha e substituir na 6. a linha L 4 L L L 4 L L L 4 L 6 L 6 a 1 = 0 0 = 0 ; a = 0 0 = 0 ; a 3 = 0 0 = 0 ; a 4 = 1 = 1 1 = 0 ; a = 19 1 = 19, o Mínimo Múltiplo Comum (M.M.C.) entre e 1 é 60 1 mmc (, 1) = 60, a = a 6 = = 7 8 ; = v = = 1 1 8, mmc (, 8) = 40, v = a 61 = 0 0 = 0 ; a 6 = 0 0 = 0 ; a 63 = 0 0 = 0 ; a 64 = 1 = 1 1 = 0 ; = ; = =

28 a 6 = 1 = 1, multiplicando o numerador e o denominador do último termo por, a 6 = 1. = = 7 ; a 66 = 0 1 = 1 ; v 6 = 1 0 = 1. Para que o elemento a 6 = 7 seja zerado vamos multiplicar a.a linha por somar com a 6. a linha e substituir na 6. a linha L L L e Observação: multiplicamos por para que o elemento a fique igual a 1 a 119 = = 1, em seguida multiplicamos por 7 para que o elemento a fique igual a 7 e somado com o elemento a 6 este elemento seja zero L L 6 L a 61 = = 0 ; a 6 = = 0 ; a 63 = = 0 ; a 64 = = 0 ; a 6 = = 7 7 = 0 ; 8

29 a 66 = = = , multiplicando o numerador e o denominador do último termo por 1190, a 66 = = = ; v 6 = = 3 v 6 = esta matriz representa o sistema = = , mmc (, 1190) = 1190, i 1 i 3 = i i 3 i 3 i 6 = 1 i 3 1 i 3 i 3 6 = i 4 i = i 7 8 i = i 6 = este sistema é equivalente ao sistema (VII), de imediato da sexta equação temos i 6 = i = i 6 = i 6 = dividindo o numerador e o denominador por 3, temos 10: 3 i 6 = 19: 3 i 6 = 43 i 6 = 0,78 A Substituindo o valor da corrente i 6 na quinta equação, temos Observação: ao invés de substituirmos a corrente no valor decimal vamos substituir o valor dado pela fração para diminuir erros de arredondamento. 9

30 i = i = i = dividindo por 10 ambos os lados da igualdade, obtemos o mmc (4, 6, 44) = :10 i = 83 40: : i = i 13 = i = i = simplificando o valor 13 de ambos os lados da igualdade 618 i = 1836 i = dividindo o numerador e o denominador por 34, temos 1836 :34 i = 618:34 i = 4 77 i = 0,70 A Substituindo o valor da corrente i na quarta equação, temos i = 1 i = 1 i 4 = multiplicando o numerador e o denominador por 77 do lado direito da igualdade i 4 = i 4 = i 4 = i 4 = i 4 =

31 i 4 = 0,08 A Substituindo os valores das correntes i e i 6 na terceira equação, temos o mmc (,, 77, 110) = i = 3 1 i = 3 1 i = i = i = i = simplificando o valor 770 de ambos os lados da igualdade 1848 i 3 = 88 i 3 = dividindo o numerador e o denominador por 4, temos 88 :4 i 3 = 1848: 4 i 3 = 1 77 i 3 = 0,16 A Substituindo os valores das correntes i 3, i e i 6 na segunda equação, temos o mmc (1,, 77) = 38 i = i = i = i = i = i = i = simplificando o valor 38 de ambos os lados da igualdade 770 i = 60 i =

32 dividindo o numerador e o denominador por 14, temos i = 60:1 770 :14 i = 43 i = 0,78 A Substituindo o valor da corrente i 3 na primeira equação, temos i = i 1 = 4 77 multiplicando o numerador e o denominador por 77 do lado direito da igualdade i 1 = i 1 = i 1 = i 1 = i 1 = i 1 = 0,94 A Como o valor das correntes são todos positivos os sentidos escolhidos na figura 1 estão corretos. Os valores das correntes são i 1=0,94 A, i =0,78 A, i 3=0,16 A, i 4=0,08 A, i =0,70 A, e i 6=0,78 A e seus sentidos estão mostrados na figura. 1

33 No circuito abaixo determinar as correntes nos ramos e seus verdadeiros sentidos. Dados do problema Resistores R 1 = Ω; R = 3 Ω R 3 = Ω; R 4 = Ω R = 3 Ω; R 6 = Ω; R 7 = 3 Ω; R 8 = Ω. f.e.m. das pilhas E 1 = V; E = V. E 3 = 4 V. Solução Em primeiro lugar a cada malha do circuito atribuímos, aleatoriamente, um sentido de corrente. Nas malhas ABGHA, BCFGB e CDEFC temos, respectivamente, as corrente i 1, i e i 3 no sentido horário (figura 1) Aplicando a Lei das Malhas de Kirchhoff à malha i 1 a partir do ponto A no sentindo escolhido, esquecendo as malhas i e i 3 (figura - a seguir), escrevemos substituindo os valores do problema fica figura 1 R i 1 R 3 i 1 i R 1 i 1 E 1 = 0 3 i 1 i 1 i i 1 = 0 3 i 1 i 1 i i 1 = 7 i 1 i = (I) 1

34 figura Esquecendo as malhas i 1 e i 3 e aplicando a Lei da Malhas à malha i, como foi feito acima, temos pela figura 3, a partir do ponto B substituindo os valores figura 3 R 4 i E R 6 i i 3 R i R 3 ì i 1 = 0 i i i 3 3i i i 1 = 0 i i i 3 3i i i 1 = i 1 9 i i 3 = (II) Esquecendo as malhas i 1 e i e aplicando a Lei da Malhas à malha i 3, como foi feito acima, temos pela figura 4, a partir do ponto C substituindo os valores figura 4 R 8 i 3 E 3 R 7 i 3 R 6 i 3 I E = 0

35 i i 3 i 3 i = 0 i 3 3 i 3 i 3 ì 1 = 0 ì 7 i 3 = 1 (III) Com as equações (I), (II) e (III) temos um sistema de três equações a três incógnitas ( i 1, i, i 3, i 4, i e i 6 ) 7 i 1 i = i 1 9 i i 3 = ì 7 i 3 = 1 (VII) isolando o valor da corrente i 1 na primeira equação e da corrente i 3 na terceira equação, temos 7 i 1 i = 7 i 1 = i ì 7 i 3 = 1 7 i 3 = 1 ì i 1 = i 7 e i 3 = 1 ì 7 (VIII) substituindo estes valores na segunda equação, obtemos i 7 9 i 1 ì 7 = 10 4 i 9 i 7 4 ì = 7 multiplicando o numerador e o denominador do segundo termo do lado esquerdo da igualdade e do lado direito, temos 10 4 i i 4 ì = i i 4 ì = i 63 i 4 ì = simplificando o fator 7 de ambos os lados da igualdade 10 4 i 63 i 4 ì = 3 8 i = 3 i = 3 8 i = 43 i = 0,78 A Substituindo este valor nas expressões dadas em (VIII) obtemos os valores das correntes i 1 e i 3 Observação: ao invés de substituirmos a corrente no valor decimal vamos substituir o valor dado pela fração para diminuir erros de arredondamento. i 1 = i 1 =

36 multiplicando o numerador e o denominador do primeiro termo entre parenteses por, temos i 1 = i 1 = i 1 = i 1 = i 1 = 0,94 A i 3 = i 3 = multiplicando o numerador e o denominador do primeiro termo entre parenteses por, temos i 3 = i 3 = i 3 = i 3 = i 3 = 0,08 A No ramo BG vai circular uma corrente i 4 dada por i 4 = i 1 i i 4 = o Mínimo Múltiplo Comum (M.M.C.) entre e 38 é 60 mmc (, 38) = 38 dividindo o numerador e o denominador por i 4 = i 4 = i 4 = i 4 = 60: 38 : i 4 = 1 77 i 4 = 0,16 A O sentido da corrente i 4 será o mesmo da corrente i 1 (de maior valor). No ramo CF vai circular uma corrente i dada por i = i i 3 4

37 i = o mmc (, 38) = 38 dividindo o numerador e o denominador por i = i = i = : i = 38 : i = 4 77 i = 0,70 A O sentido da corrente i será o mesmo da corrente i (de maior valor). Os valores das correntes são i 1=0,94 A, i =0,78 A, i 3=0,08 A, i 4=0,16 A, e i =0,70 A e seus sentidos estão mostrados na figura. figura

Sistemas de equações do 1 grau com duas incógnitas Explicação e Exercícios

Sistemas de equações do 1 grau com duas incógnitas Explicação e Exercícios Sistemas de equações do 1 grau com duas incógnitas Explicação e Exercícios Introdução Alguns problemas de matemática são resolvidos a partir de soluções comuns a duas equações do 1º a duas incógnitas.

Leia mais

equações do 1 grau a duas variáveis 7 3.(3) = 2

equações do 1 grau a duas variáveis 7 3.(3) = 2 Sistemas de equações do 1 grau a duas variáveis ESTUDE A PARTE TEÓRICA E RESOLVA OS EXERCÍCIOS DO FINAL DA FOLHA NO CADERNO. Introdução Alguns problemas de matemáticaa são resolvidos a partir de soluções

Leia mais

Resolver uma equação do 1º grau é determinar o valor da incógnita [letra] que satisfaz a equação.

Resolver uma equação do 1º grau é determinar o valor da incógnita [letra] que satisfaz a equação. EQUAÇÃO DO º GRAU Definição: Uma equação do grau [com uma incógnita] é toda equação que pode ser reduzida à forma ax = b, onde a e b são números reais, com a 0. Veja alguns exemplos e suas formas reduzidas

Leia mais

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos Unidade I MATEMÁTICA Prof. Celso Ribeiro Campos Números reais Três noções básicas são consideradas primitivas, isto é, são aceitas sem a necessidade de definição. São elas: a) Conjunto. b) Elemento. c)

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL II. Sistemas de equações do 1 grau a duas variáveis

ENSINO FUNDAMENTAL II. Sistemas de equações do 1 grau a duas variáveis ENSINO FUNDAMENTAL II ALUNO (A): Nº PROFESSOR(A):Rosylanne Gomes/ Marcelo Vale e Marcelo Bentes DISCIPLINA: matemática SÉRIE: 7 ano TURMA: TURNO: DATA: / / 2016 Sistemas de equações do 1 grau a duas variáveis

Leia mais

Revisão: Potenciação e propriedades. Prof. Valderi Nunes.

Revisão: Potenciação e propriedades. Prof. Valderi Nunes. Revisão: Potenciação e propriedades. Prof. Valderi Nunes. Potenciação Antes de falar sobre potenciação e suas propriedades, é necessário que primeiro saibamos o que vem a ser uma potência. Observe o exemplo

Leia mais

TEORIA 6: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 2º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA

TEORIA 6: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 2º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA TEORIA 6: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 2º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA Nome: Turma: Data / / Prof: Walnice Brandão Machado Equações de 2º grau Definições Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação

Leia mais

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se efetuar a divisão. Essas regras são chamadas de critérios

Leia mais

ADL A Representação Geral no Espaço de Estados

ADL A Representação Geral no Espaço de Estados ADL14 3.3 A Representação Geral no Espaço de Estados definições Combinação linear: Uma combinação linear de n variáveis, x i, para r = 1 a n, é dada pela seguinte soma: (3.17) onde cada K i é uma constante.

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS EXERCÍCIOS ) Dado o circuito da figura, determinar a corrente I, a potência dissipada pelo resistor R 2.

CIRCUITOS ELÉTRICOS EXERCÍCIOS ) Dado o circuito da figura, determinar a corrente I, a potência dissipada pelo resistor R 2. FSP CRCUTOS ELÉTRCOS EXERCÍCOS RESOLVDOS 00 CRCUTOS ELÉTRCOS EXERCÍCOS 00 ) Dado o circuito da figura, determinar a corrente, a potência dissipada pelo resistor R. ssumindo que a corrente flui no sentido

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo I Aula 02 EQUAÇÕES Pense no seguinte problema: Uma mulher de 25 anos é casada com um homem 5 anos mais velho que ela. Qual é a soma das idades

Leia mais

AV1 - MA UMA SOLUÇÃO. d b =. 3q 2 = 2p 2,

AV1 - MA UMA SOLUÇÃO. d b =. 3q 2 = 2p 2, AV1 - MA 11-01 Questão 1. Prove que se a, b, c e d são números racionais tais que a + b 3 = c + d 3 então a = c e b = d. A igualdade a + b 3 = c + d 3 implica que (a c) = (d b) 3. Suponha que tenhamos

Leia mais

Capítulo 27: Circuitos

Capítulo 27: Circuitos Capítulo 7: Circuitos Índice Força letromotriz Trabalho, nergia e Força letromotriz Calculo da Corrente de um Circuito de uma Malha Diferença de Potencial entre dois Pontos Circuitos com mais de uma Malha

Leia mais

Sistemas de equações do 1 grau com duas variáveis LISTA 1

Sistemas de equações do 1 grau com duas variáveis LISTA 1 Sistemas de equações do 1 grau com duas variáveis LISTA 1 INTRODUÇÃO Alguns problemas de matemática são resolvidos a partir de soluções comuns a duas equações do 1º a duas variáveis. Nesse caso, diz-se

Leia mais

n. 5 Determinantes: Regra de Cramer e Triangulação Podemos classificar um sistema linear de três maneiras:

n. 5 Determinantes: Regra de Cramer e Triangulação Podemos classificar um sistema linear de três maneiras: n. 5 Determinantes: Regra de Cramer e Triangulação Podemos classificar um sistema linear de três maneiras: SPD Sistema possível determinado: existe apenas um conjunto solução; SPI Sistema possível indeterminado:

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR: aplicações de sistemas lineares

ÁLGEBRA LINEAR: aplicações de sistemas lineares ÁLGEBRA LINEAR: aplicações de sistemas lineares SANTOS, Cleber de Oliveira dos RESUMO Este artigo apresenta algumas aplicações de sistemas lineares, conteúdo estudado na disciplina de Álgebra linear da

Leia mais

Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, , b i

Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, , b i 3 6 ADL aula 2 Função de Transferência Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, onde c(t) é a saída, r(t) é a entrada e os a i, b i e a forma

Leia mais

CAPÍTULO 5 TRANSISTORES BIPOLARES

CAPÍTULO 5 TRANSISTORES BIPOLARES CAPÍTULO 5 TRANSSTORES BPOLARES O transistor é um dispositivo semicondutor de três terminais, formado por três camadas consistindo de duas camadas de material tipo "n", de negativo, e uma de tipo "p",

Leia mais

Deixando de odiar Matemática Parte 5

Deixando de odiar Matemática Parte 5 Deixando de odiar Matemática Parte Adição e Subtração de Frações Multiplicação de frações Divisão de Frações 7 1 Adição e Subtração de Frações Para somar (ou subtrair) duas ou mais frações de mesmo denominador,

Leia mais

Circuitos Elétricos Simples

Circuitos Elétricos Simples Circuitos Elétricos Simples Circuitos elétricos que contém apenas resistores e fontes. A corrente elétrica se move sempre no mesmo sentido, ou seja, são circuitos de corrente contínua. Circuitos com mais

Leia mais

Circuitos com Amperímetro e Voltímetro

Circuitos com Amperímetro e Voltímetro Circuitos com Amperímetro e Voltímetro 1. (Pucrs 2014) Considere o texto e a figura para analisar as afirmativas apresentadas na sequência. No circuito elétrico mostrado na figura a seguir, um resistor

Leia mais

MATEMÁTICA PROF. JOSÉ LUÍS FRAÇÕES

MATEMÁTICA PROF. JOSÉ LUÍS FRAÇÕES FRAÇÕES I- INTRODUÇÃO O símbolo a / b significa a : b, sendo a e b números naturais e b diferente de zero. Chamamos: a / b de fração; a de numerador; b de denominador. Se a é múltiplo de b, então a / b

Leia mais

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS Introdução: REGRA DE SINAIS PARA ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO: Sinais iguais: Adicionamos os algarismos e mantemos o sinal. Sinais diferentes: Subtraímos os algarismos e aplicamos

Leia mais

TAREFA DE FÍSICA Prof. Álvaro 3ª Série

TAREFA DE FÍSICA Prof. Álvaro 3ª Série TAREFA DE FÍSICA Prof. Álvaro 3ª Série Site 02 01 - (Mackenzie SP) No circuito desenhado abaixo, a intensidade de corrente elétrica contínua que passa pelo resistor de 50 é de 80 ma. A força eletromotriz

Leia mais

NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA I 3º ANO EM TURMA 232 PROFº FABIANO 1º BIMESTRE

NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA I 3º ANO EM TURMA 232 PROFº FABIANO 1º BIMESTRE 1925 *** COLÉGIO MALLET SOARES *** 2016 91 ANOS DE TRADIÇÃO, RENOVAÇÃO E QUALIDADE DEPARTAMENTO DE ENSINO DATA: / / NOTA: NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA I 3º ANO EM TURMA 232 PROFº FABIANO 1º

Leia mais

Notas em Álgebra Linear

Notas em Álgebra Linear Notas em Álgebra Linear 1 Pedro Rafael Lopes Fernandes Definições básicas Uma equação linear, nas variáveis é uma equação que pode ser escrita na forma: onde e os coeficientes são números reais ou complexos,

Leia mais

25 = 5 para calcular a raiz quadrada de 25, devemos encontrar um número que

25 = 5 para calcular a raiz quadrada de 25, devemos encontrar um número que RADICIAÇÃO Provavelmente até o 8 ano, você aluno só viu o conteúdo de radiciação envolvendo A RAIZ QUADRA Para relembrar: = para calcular a raiz quadrada de, devemos encontrar um número que elevado a seja,

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1º SEMESTRE 3º ANO

LISTA DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1º SEMESTRE 3º ANO Maceió - Alagoas FÍSICA TIO BUBA LISTA DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1º SEMESTRE 3º ANO Professor(a): JOÃO CARLO ( BUBA) 01) O campo elétrico gerado em P, por uma carga puntiforme positiva de valor +Q a uma

Leia mais

Ánalise de Circuitos. 1. Método Intuitivo

Ánalise de Circuitos. 1. Método Intuitivo Ánalise de Circuitos 1. Método Intuitivo Ramo de um circuito: é um componente isolado tal como um resistor ou uma fonte. Este termo também é usado para um grupo de componentes sujeito a mesma corrente.

Leia mais

TESTE DE DIAGNÓSTICO

TESTE DE DIAGNÓSTICO TESTE DE DIAGNÓSTICO 9.º 10.º ANO NOME: N.º: TURMA: ANO LETIVO: / DURAÇÃO DO TESTE: 90 MINUTOS DATA: / / O teste é constituído por dois grupos. No Grupo I, são indicadas quatro opções de resposta para

Leia mais

PROJETO KALI MATEMÁTICA B AULA 3 FRAÇÕES

PROJETO KALI MATEMÁTICA B AULA 3 FRAÇÕES PROJETO KALI - 20 MATEMÁTICA B AULA FRAÇÕES Uma ideia sobre as frações Frações são partes de um todo. Imagine que, em uma lanchonete, são vendidos pedaços de pizza. A pizza é cortada em seis pedaços, como

Leia mais

Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se

Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Conjuntos Numéricos Prof.:

Leia mais

Medida da resistência elétrica

Medida da resistência elétrica Medida da resistência elétrica 1 Fig.31.1 31.1. No circuito da Fig. 31.1 o amperímetro e o voltímetro são reais (isto é, R A 0 e R V ). Eles fornecem, respectivamente, as leituras i e U. Podemos afirmar

Leia mais

[ ] EXEMPLOS: Muitas vezes precisamos montar uma Matriz a partir de uma lei geral. Analise os exemplos a seguir:

[ ] EXEMPLOS: Muitas vezes precisamos montar uma Matriz a partir de uma lei geral. Analise os exemplos a seguir: MATRIZES CONCEITO: Um conjunto de elementos algébricos dispostos em uma tabela retangular com linhas e colunas é uma Matriz. A seguir, vemos um exemplo de Matriz de 3 linhas e 4 colunas, e que representaremos

Leia mais

O símbolo usado em diagramas de circuito para fontes de tensão é:

O símbolo usado em diagramas de circuito para fontes de tensão é: Circuitos Elétricos Para fazer passar cargas elétricas por um resistor, precisamos estabelecer uma diferença de potencial entre as extremidades do dispositivo. Para produzir uma corrente estável é preciso

Leia mais

Equações de 2º grau. Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: IR e

Equações de 2º grau. Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: IR e Equações de 2º grau Definições Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: ax 2 + bx + c = 0; a, b, c IR e Exemplo: x 2-5x + 6 = 0 é um equação do 2º grau com a = 1, b = -5 e

Leia mais

a é sempre o coeficiente de x²; b é sempre o coeficiente de x, c é o coeficiente ou termo independente.

a é sempre o coeficiente de x²; b é sempre o coeficiente de x, c é o coeficiente ou termo independente. Definições Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: ax 2 + bx + c = 0; a, b, c Exemplo: x 2-5x + 6 = 0 é um equação do 2º grau com a = 1, b = -5 e c = 6. 6x 2 - x - 1 = 0 é

Leia mais

Capítulo 4. Métodos de Análise

Capítulo 4. Métodos de Análise Capítulo 4 Métodos de Análise 4. Análise Nodal Análise de circuitos mais gerais acarreta na solução de um conjunto de equações. Análise nodal: Tensões são as incógnitas a serem determinadas. Dee-se escolher

Leia mais

Matrizes - Parte II. Juliana Pimentel. juliana.pimentel. Sala Bloco A, Torre 2

Matrizes - Parte II. Juliana Pimentel.  juliana.pimentel. Sala Bloco A, Torre 2 Matrizes - Parte II Juliana Pimentel juliana.pimentel@ufabc.edu.br http://hostel.ufabc.edu.br/ juliana.pimentel Sala 507-2 - Bloco A, Torre 2 AB BA (Comutativa) Considere as matrizes [ ] [ 1 0 1 2 A =

Leia mais

Circuitos de Corrente Contínua

Circuitos de Corrente Contínua UNVESDDE nstituto de Física de São Carlos Nesta prática estudaremos as leis de Kirchoff para análise de circuitos de corrente contínua. Nos experimentos, investigaremos alguns circuitos simples formados

Leia mais

ADIÇÃO mesma natureza homogêneas Como fazer Exemplo heterogêneas Como fazer Exemplo

ADIÇÃO mesma natureza homogêneas Como fazer Exemplo heterogêneas Como fazer Exemplo ADIÇÃO É a operação que tem por fim determinar uma fração que contenha todas as unidades e partes de unidades de várias parcelas de mesma natureza. Entende-se por mesma natureza as frações que exprimem

Leia mais

TUTORIAL DE OPERAÇÕES BÁSICAS

TUTORIAL DE OPERAÇÕES BÁSICAS TUTORIAL DE OPERAÇÕES BÁSICAS MULTIPLICAÇÃO POR E SEUS MÚLTIPLOS Para multiplicar multiplicar por, 0, 00,... basta deslocar a vírgula para a direita tantas casas quantos forem os zeros.,6,6 (desloca a

Leia mais

NÚMEROS RACIONAIS OPERAÇÕES

NÚMEROS RACIONAIS OPERAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE ANGRA DOS REIS DISCIPLINA: MATEMÁTICA CONTEÚDO E MÉTODO Período: 2016.2 NÚMEROS RACIONAIS OPERAÇÕES Prof. Adriano Vargas Freitas Noção de número

Leia mais

ELETROTÉCNICA (ENE078)

ELETROTÉCNICA (ENE078) UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Graduação em Engenharia Civil ELETROTÉCNICA (ENE078) PROF. RICARDO MOTA HENRIQUES E-mail: ricardo.henriques@ufjf.edu.br Aula Número: 06 Revisão Aula Anterior... Revisão

Leia mais

Matemática E Extensivo V. 6

Matemática E Extensivo V. 6 Etensivo V. 6 Eercícios ) a) P() é sempre igual à soma dos coeficientes de P(). b) P() é sempre igual ao termo independente de P(). c) P() é a raiz de P(), pois P() =. ) D a) P() = ³ + 7. ² 7. P() = +

Leia mais

Álgebra Linear e Geometria Analítica

Álgebra Linear e Geometria Analítica Álgebra Linear e Geometria Analítica Engenharia Electrotécnica Escola Superior de Tecnologia de Viseu wwwestvipvpt/paginaspessoais/lucas lucas@matestvipvpt 007/008 Álgebra Linear e Geometria Analítica

Leia mais

Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. INTERATIVIDADE FINAL

Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. INTERATIVIDADE FINAL Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. Habilidades: Diferenciar as formas de associação de resistores, bem como determinar

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1C

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1C CADERNO DE EXERCÍCIOS C Ensino Médio Matemática Questão Conteúdo Teorema de Pitágoras Área de círculo Equação do º grau Área de círculo Equação do º grau Habilidade da Matriz da EJA/FB H H7 H8 H H7 H8

Leia mais

Lista de exercícios: Polinômios e Equações Algébricas Problemas Gerais Prof ºFernandinho. Questões:

Lista de exercícios: Polinômios e Equações Algébricas Problemas Gerais Prof ºFernandinho. Questões: Lista de eercícios: Polinômios e Equações Algébricas Problemas Gerais Prof ºFernandinho Questões: 0.(GV) Num polinômio P() do terceiro grau, o coeficiente de P() = 0, calcule o valor de P( ). é. Sabendo-se

Leia mais

CIRCUITOS COM CAPACITORES

CIRCUITOS COM CAPACITORES CIRCUITOS COM CAPACITORES 1. (Ufpr 13) Considerando que todos os capacitores da associação mostrada na figura abaixo têm uma capacitância igual a C, determine a capacitância do capacitor equivalente entre

Leia mais

Notas de Aula Disciplina Matemática Tópico 02 Licenciatura em Matemática Osasco -2010

Notas de Aula Disciplina Matemática Tópico 02 Licenciatura em Matemática Osasco -2010 Notas de Aula Disciplina Matemática Tópico 0 Licenciatura em Matemática Osasco -010 Equações Polinomiais do primeiro grau Significado do termo Equação : As equações do primeiro grau são aquelas que podem

Leia mais

EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA 3.1 OBJETIVOS Verificar experimentalmente as Leis de Kirchhoff 3.2 INTRODUÇÃO Para a resolução de um circuito de corrente contínua (cc), com várias malhas,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E LEIS DE KIRCHHOFF

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E LEIS DE KIRCHHOFF ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E LEIS DE KIRCHHOFF Introdução Associação de Resistores Em muitas aplicações na engenharia elétrica e eletrônica é muito comum fazer associações de resistores com o objetivo de

Leia mais

FRAÇÕES. O QUE É UMA FRAÇÃO? Fração é um número que exprime uma ou mais partes iguais em que foi dividida uma unidade ou um inteiro.

FRAÇÕES. O QUE É UMA FRAÇÃO? Fração é um número que exprime uma ou mais partes iguais em que foi dividida uma unidade ou um inteiro. FRAÇÕES O QUE É UMA FRAÇÃO? Fração é um número que exprime uma ou mais partes iguais em que foi dividida uma unidade ou um inteiro. Assim, por exemplo, se tivermos uma pizza inteira e a dividimos em quatro

Leia mais

Frações significa a:b, sendo a e b números naturais e b diferente de zero. Chamamos: de fração; a de numerador; b de denominador.

Frações significa a:b, sendo a e b números naturais e b diferente de zero. Chamamos: de fração; a de numerador; b de denominador. O símbolo Frações significa a:b, sendo a e b números naturais e b diferente de zero. Chamamos: de fração; a de numerador; b de denominador. Se a é múltiplo de b, então é um número natural. Veja um exemplo:

Leia mais

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x EQUAÇÃO POLINOMIAL Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma a n x n + a n 1 x n 1 + a n 2 x n 2 +... + a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x C a incógnita e a n, a n 1,..., a

Leia mais

MÓDULO XI. INEQUAÇÕES 2x 20

MÓDULO XI. INEQUAÇÕES 2x 20 MÓDULO XI. Inequação INEQUAÇÕES < Logo, o conjunto solução será S. Vamos supor que, na nossa escola, a média mínima para aprovação automática seja 6 e que essa média, em cada matéria, seja calculada pela

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES:

GERADORES E RECEPTORES: COLÉGIO ESTADUAL JOSUÉ BRANDÃO 3º Ano de Formação Geral Física IV Unidade_2009. Professor Alfredo Coelho Resumo Teórico/Exercícios GERADORES E RECEPTORES: Anteriormente estudamos os circuitos sem considerar

Leia mais

Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações

Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações 1. A Base de Nosso Sistema Numérico Se observarmos a história, nós veremos que os primeiros números usados pelos humanos

Leia mais

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo A UA UL LA Frações e números decimais Introdução Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos de um bolo se dividirmos esse bolo em cinco partes iguais e tomarmos

Leia mais

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS BANCO DE EXERCÍCIOS - HORAS 9º ANO ESPECIALIZADO/CURSO ESCOLAS TÉCNICAS E MILITARES FOLHA Nº GABARITO COMENTADO ) A função será y,5x +, onde y (preço a ser pago) está em função de x (número de quilômetros

Leia mais

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo A UA UL LA Frações e números decimais Introdução Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos de um bolo se dividirmos esse bolo em cinco partes iguais e tomarmos

Leia mais

Circuitos com Cargas em Série e em Paralelo

Circuitos com Cargas em Série e em Paralelo PONTFÍCA UNERSDADE CATÓLCA DE GOÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARA ENG04 Circuitos Elétricos Exper. 3 Circuitos com Cargas em Série e em Paralelo Objetivo dentificar, em um circuito resistivo, as associações

Leia mais

Roteiro da aula. MA091 Matemática básica. Simplificação por divisões sucessivas. Divisores. Aula 4 Divisores e múltiplos. MDC. Operações com frações

Roteiro da aula. MA091 Matemática básica. Simplificação por divisões sucessivas. Divisores. Aula 4 Divisores e múltiplos. MDC. Operações com frações Roteiro da aula MA091 Matemática básica Aula Divisores e múltiplos. MDC. Operações com frações 1 Francisco A. M. Gomes UNICAMP - IMECC Março de 016 Francisco A. M. Gomes (UNICAMP - IMECC) MA091 Matemática

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D Ensino Médio Ciências da Natureza I Questão Conteúdo 1 Teorema de Pitágoras Área de círculo Equação do º grau Área de círculo Habilidade da Matriz da EJA/FB H16 H1 H 3 Aceleração

Leia mais

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara ELETICIDADE Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Circuito Elétrico Chamamos de circuito elétrico a um caminho fechado, constituído de condutores,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Progressão Aritmética e Geométrica Progressão Aritmética Uma sucessão de números na qual a diferença entre dois termos consecutivos é constante, é denominada progressão aritmética,

Leia mais

Conjuntos Numéricos Conjunto dos números naturais

Conjuntos Numéricos Conjunto dos números naturais Conjuntos Numéricos Conjunto dos números naturais É indicado por Subconjuntos de : N N e representado desta forma: N N 0,1,2,3,4,5,6,... - conjunto dos números naturais não nulos. P 0,2,4,6,8,... - conjunto

Leia mais

Aula 1. e o conjunto dos inteiros é :

Aula 1. e o conjunto dos inteiros é : Aula 1 1. Números reais O conjunto dos números reais, R, pode ser visto como o conjunto dos pontos da linha real, que serão em geral denotados por letras minúsculas: x, y, s, t, u, etc. R é munido de quatro

Leia mais

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 Neste curso, consideraremos o conjunto dos números naturais como sendo o conjunto N = {0, 1, 2, 3,... }, denotando por N o conjunto N \ {0}. Como

Leia mais

Métodos Numéricos. Turma CI-202-X. Josiney de Souza.

Métodos Numéricos. Turma CI-202-X. Josiney de Souza. Métodos Numéricos Turma CI-202-X Josiney de Souza josineys@inf.ufpr.br Agenda do Dia Aula 15 (21/10/15) Sistemas Lineares Métodos Diretos: Regra de Cramer Método da Eliminação de Gauss (ou triangulação)

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 3º ANO PROF. FELIPE KELLER ELETROSTÁTICA

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 3º ANO PROF. FELIPE KELLER ELETROSTÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS 01 3º ANO PROF. FELIPE KELLER ELETROSTÁTICA 1 (UNIFESP) Um condutor é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade i = 800 ma. Conhecida a carga 19 elétrica elementar, e = 1,6

Leia mais

OPERAÇÕES COM FRAÇÕES

OPERAÇÕES COM FRAÇÕES OPERAÇÕES COM FRAÇÕES Adição A soma ou adição de frações requer que todas as frações envolvidas possuam o mesmo denominador. Se inicialmente todas as frações já possuírem um denominador comum, basta que

Leia mais

Técnico Judiciário TJ / RS

Técnico Judiciário TJ / RS CONTINHAS Prof. Ivan Zecchin Adição e Subtração Algébrica de Números Fracionários: - Somente podemos somar ou subtrair frações de MESMO DENOMINADOR - Caso não tenham mesmo denominador devemos escrevê-las

Leia mais

OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS

OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS Sumário OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS... 2 Adição e Subtração com Números Racionais... 2 OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS NA FORMA DECIMAL... 4 Comparação de números racionais na forma decimal... 4 Adição

Leia mais

Frações Parciais e Crescimento Logístico

Frações Parciais e Crescimento Logístico UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Frações Parciais e

Leia mais

MÓDULO II. Operações Fundamentais em Z. - Sinais iguais das parcelas, somam-se conservando o sinal comum. Exemplo: 2 4 = 6

MÓDULO II. Operações Fundamentais em Z. - Sinais iguais das parcelas, somam-se conservando o sinal comum. Exemplo: 2 4 = 6 1 MÓDULO II Nesse Módulo vamos aprofundar as operações em Z. Para introdução do assunto, vamos percorrer a História da Matemática, lendo os textos dispostos nos links a seguir: http://www.vestibular1.com.br/revisao/historia_da_matematica.doc

Leia mais

Um sistema linear é um conjunto de n equações lineares do tipo:

Um sistema linear é um conjunto de n equações lineares do tipo: Um sistema linear é um conjunto de n equações lineares do tipo: Este sistema pode ser representado através de uma representação matricial da forma: A.x = b onde: A matriz de coeficientes de ordem x vetor

Leia mais

Medição. Os conceitos fundamentais da física são as grandezas que usamos para expressar as suas leis. Ex.: massa, comprimento, força, velocidade...

Medição. Os conceitos fundamentais da física são as grandezas que usamos para expressar as suas leis. Ex.: massa, comprimento, força, velocidade... Universidade Federal Rural do Semi Árido UFERSA Pro Reitoria de Graduação PROGRAD Disciplina: Mecânica Clássica Professora: Subênia Medeiros Medição Os conceitos fundamentais da física são as grandezas

Leia mais

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior 1

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior  1 Raciocínio Lógico-Quantitativo para Traumatizados Aula 07 Matrizes, Determinantes e Solução de Sistemas Lineares. Conteúdo 7. Matrizes, Determinantes e Solução de Sistemas Lineares...2 7.1. Matrizes...2

Leia mais

= 0,333 = 0, = 0,4343 = 0, = 1,0222 = 1,02

= 0,333 = 0, = 0,4343 = 0, = 1,0222 = 1,02 1 1.1 Conjuntos Numéricos Neste capítulo, serão apresentados conjuntos cujos elementos são números e, por isso, são denominados conjuntos numéricos. 1.1.1 Números Naturais (N) O conjunto dos números naturais

Leia mais

Me. Leandro B. Holanda,

Me. Leandro B. Holanda, 27-1 O que é física? Estamos cercados de circuitos elétricos. Todos os esses aparelhos e também a rede de distribuição de energia elétrica que os faz funcionar, dependem da engenharia elétrica moderna.

Leia mais

Associação de Resistores

Associação de Resistores Exper. 4 Objetivo Associação de esistores dentificar em um circuito resistivo as associações serie, paralela e mista. Determinar a resistência equivalente entre dois pontos de um circuito elétrico resistivo,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS AVANÇADO DE NATAL CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: ÁLGEBRA LINEAR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS AVANÇADO DE NATAL CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: ÁLGEBRA LINEAR UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS AVANÇADO DE NATAL CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: ÁLGEBRA LINEAR PROFESSOR: MARCELO SILVA 1. Introdução No ensino fundamental você estudou

Leia mais

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão)

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão) R é ordenado: Se a, b, c R i) a < b se e somente se b a > 0 (a diferença do maior com o menor será positiva) ii) se a > 0 e b > 0 então a + b > 0 (a soma de dois números positivos é positiva) iii) se a

Leia mais

Exponencial de uma matriz

Exponencial de uma matriz Exponencial de uma matriz Ulysses Sodré Londrina-PR, 21 de Agosto de 2001; Arquivo: expa.tex Conteúdo 1 Introdução à exponencial de uma matriz 2 2 Polinômio característico, autovalores e autovetores 2

Leia mais

Em primeiro lugar devemos converter a massa do corpo dada em gramas (g) para quilogramas (kg) usado no Sistema Internacional (S.I.

Em primeiro lugar devemos converter a massa do corpo dada em gramas (g) para quilogramas (kg) usado no Sistema Internacional (S.I. Um corpo de massa 100 g é abandonado no ponto sobre uma superfície cilíndrica, com abertura de 150 o, sem atrito, cujo o eixo é horizontal e normal ao plano da figura em O. Os pontos e O estão sobre o

Leia mais

INSTITUTO SÃO JOSÉ - RSE LISTA PREPARATÓRIA PARA PROVA DO TERCEIRO TRIMESTRE

INSTITUTO SÃO JOSÉ - RSE LISTA PREPARATÓRIA PARA PROVA DO TERCEIRO TRIMESTRE 1. (Unesp) Mediante estímulo, 2 10 íons de K atravessam a membrana de uma célula nervosa em 1,0 milisegundo. Calcule a intensidade dessa corrente elétrica, sabendo-se que a carga elementar é 1,6 10 ª C.

Leia mais

SUBPROJETO DE MATEMÁTICA-2014 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

SUBPROJETO DE MATEMÁTICA-2014 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E APLICADAS DCEA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO Á DOCÊNCIA (PIBID)

Leia mais

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que Capítulo 11 1. Equações da reta no espaço Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que AP = t AB Fig. 1: Reta r passando por A e B. Como o ponto

Leia mais

Equações. João Marcos Ferreira

Equações. João Marcos Ferreira Equações Não existe apenas um processo para resolver uma equação mas, normalmente, segue-se um determinado número de passos que têm uma sequência pela qual são realizados. Não existe apenas um processo

Leia mais

Prepara a Prova Final Matemática 4.º ano

Prepara a Prova Final Matemática 4.º ano Nem todos os números representam quantidades inteiras e existem, por isso, diferentes formas de representar as partes da unidade. Os números decimais e fracionários representam essas partes da unidade.

Leia mais

MÓDULO II OPERAÇÕES COM FRAÇÕES. 3 (lê-se: três quartos), 1, 6. c) d) Utilizamos frações para indicar partes iguais de um inteiro.

MÓDULO II OPERAÇÕES COM FRAÇÕES. 3 (lê-se: três quartos), 1, 6. c) d) Utilizamos frações para indicar partes iguais de um inteiro. MÓDULO II OPERAÇÕES COM FRAÇÕES d) Utilizamos frações para indicar partes iguais de um inteiro. Exemplos: No círculo abaixo: EP.0) A figura a seguir é um sólido formado por cinco cubos. Cada cubo representa

Leia mais

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL. Introdução Considere f uma função, não constante, de uma variável real ou complexa, a equação f(x) = 0 será denominada equação de uma incógnita. EXEMPLO e x + senx

Leia mais

Matemática. Versão 1 COTAÇÕES. Teste Intermédio de Matemática. Versão 1. Teste Intermédio. Duração do Teste: 90 minutos

Matemática. Versão 1 COTAÇÕES. Teste Intermédio de Matemática. Versão 1. Teste Intermédio. Duração do Teste: 90 minutos Teste Intermédio de Matemática Versão 1 Teste Intermédio Matemática Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 17.05.2011 9.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de Janeiro 1. COTAÇÕES 1.1....

Leia mais

Exp11 - O divisor de tensão

Exp11 - O divisor de tensão p11 - O divisor de tensão 11.1 Fundamentos: Um problema comum que aparece na vida diária é a necessidade de alimentar um dispositivo elétrico a partir de uma fonte de tensão maior que a tensão nominal

Leia mais

Resolução de circuitos usando Teorema de Thévenin Exercícios Resolvidos

Resolução de circuitos usando Teorema de Thévenin Exercícios Resolvidos Resolução de circuitos usando Teorema de Thévenin Exercícios Resolvidos 1º) Para o circuito abaixo, calcular a tensão sobre R3. a) O Teorema de Thévenin estabelece que qualquer circuito linear visto de

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Geradores, Receptores e Potência Elétrica

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Geradores, Receptores e Potência Elétrica Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Geradores, Receptores e Potência Elétrica 1. (Espcex (Aman) 2013) A pilha de uma lanterna possui

Leia mais

ESPARSIDADE. Portanto é evidente que processando e armazenado apenas os elementos não nulos pode-se melhorar consideravelmente a eficiência.

ESPARSIDADE. Portanto é evidente que processando e armazenado apenas os elementos não nulos pode-se melhorar consideravelmente a eficiência. SPARSIA Revisão abril - Introdução A prática de engenharia requer muitas vezes a análise de problemas grandes e complexos que são definidos por uma série de equações algébricas lineares envolvendo milhares

Leia mais