DIA NACIONAL DE PROTEST

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIA NACIONAL DE PROTEST"

Transcrição

1 w V B H 8 nlflluú gfw \HMsvrB?** Os trabalhadores e o povo nal o nas fábrcas o locas www do Dstrto Federal copre- de trabalho os trabalhadores DfCton Pedl*0 OS TRABALHADORES E O POVO Motísjl L» F* JÀ ÂílO endera V >-* desde logo o apelo so oventa, N 59 no sentdo ÍTÊM ONDE ENTREGAR A SUA CON" lançado pela prensa popn* de crar cossões de ajuda lar, TRBUÇAO AOS JORNAS DA quo luta neste oento aos jornas da prensa pooo dfculdades cada vens pntar.,_ MPRENSA POPULAR! as graves para se anter. <g? 0&/e"M n % ^f As contrbuções já coeça- \ as P ssvel a entre*>a ãaslt%.. Y, - ra a chegar ao nosso jor> l - (Conclu na 4 pag.) R*o de Janero, Tçrç«r cera* 6 de Jfanero de 95 DA NACONAL DE PROTEST A GUE MBK lo^o^o^l ^^^D Nffl ^ o^uo^bç^r ^^^B^ ^BB ÍDMA COMSSÃO DE PERSONALDADES COMPARECERA* HOJE, AS 7 HORAS, A CA-. MARA FEDERAL, PARA FAZER ENTREGA DA CARTA DA PAZ, APROVADA NO CONGRESSO DE VARSOVA PELOS REPRESENTANTES DE MAS DE 500 MLHÕES DE PESSOAS PASSEATAS, COMCOS-RELAMPAGOS E OUTROS ATOS REALZA- UAM-SE DOMNGO E ONTEM POR TODA A CDADE FALAM A k(mprensa PO- PULAR» OS DEPUTADOS CAMPOS VERGAL E ROBERTO MORENA, O VEREADOR MLTON LOBATO E A JORNALSTA VONE JEAN - Encerrasc hoje e todo o país a Qunzena Naconal da Paz, co as últas deonstrações que arcarão o da de hoje coo o Da Naconal de Protesto contra a guerra. O ato prncpal será a entrega soleno à Câara Federa da Carta da Paz aprovada no Congresso de Varsóva pelos represeutantes de as de 500 lhões de- seres huanos. Onte e dongo realzara- (Conclu na 4* pag.) MU MM waaant, M* >t*mmm«l\«m«- - ^T^fflWSS^j^OKySJ^Blw ^BKÍMÉOwtKÍBM^o^B3o^OMtfc^jStJS ^L Aspecto do coco-relapago de dongo de anhã na Praça 7. APROVADO 0 ABONO ONTEM PELA CÂMARA Ofensva Geral no Vet-Na HANO, 5 (NS) Afrtna-se que 5 batalhões de guerrlheros do Vet Mhn, e apoados por as de 30 batalhoes de reserva, ncara ua ofensva geral ao norte da ndo Chna., Dze que está se tobatendo ao longo de todo o peretro de defesa dos fran* eeres- ao norte de Hano e ftú. depende So Senado - Descoberto o te do Catete, «aadava ^vss * tsz o hder Acurco sabotar o pr ojeto (Le» na 4.* págna) Luan. {LEA NA 5. PAGNA) ST CRETA Do Festval De Cnea. O QUE AQU SE ^ÉALSpUaNAO ÍRA OÍÈ FEST j$fj& "fue governo do Eçto- ^tunclou 3LS pessoas, nclusve o exnstro da guerra è ebro» a ST" **<& fula rea,.í9sr*""» ^lüdaetc-jr «í,do co %, ^«nnjne BoMCTM^BBBff^fflMBWo^O^^l^lHBo^^O^EJ MH EéRwWí ^S^F ^^^fl^h H»í-»o-Jcí; os < /^ R^Nd fclc!jad? ao * Cj"Ml^^SSPÇJí A: tornaos: nubü nnhll De Reçjfe, «u estfv^do, enderegoürnos esta énss ^J&M^W^sa Popuía:» UM» l»l. ^o jj^hlfet * ksbboííwbp^::!^^ B^^l^nOlll^^OlllllllllHlllllllll^O^OllOlH--.-..v. v.; >...-í-zv/.; da^okocvl C-S!v4«BhBQWT^.v^uMHhh Chegando do Méxco, e copanha de sua ta ÍAgWyÃnta Leacáâa é receoda no aeroporto por seu pa. W ê prera ve» * - que eles se vêe» SÓ 0 POVO PODERÁ CRAR CONDÇÕES PARA 0 REGRESSO DE ANTA ynnnaarunjffln... >! Cóntruflra rí5p5teí?tíj!?~jw-íg)- onde os fatos são cgp w" não púbk^? através da Câráa- anera deagóglt; r D7Ar r V ^a Federal; e da prensa/no Eíetvaente dz ^0 * [ Kü/Vb -^^ ;\ pas-»4dajda flha de Preátes tno na anchete" Aprovado no Sen ;e 0 Códgo de Ven /da + ark, «7 ^*Weaçasv p^ ^»»MKarrKoberto que ( raao, Gennho e JWL ^"ffw-.-^^..s2jéj3 Cw*"""H/ / dexara zer o, t^«:;^^^;-?*-^^(sl»ssww-.*^ que-twte: j{! GER^üÔ^UlÜ nn P f*lm5&raprov«lo ò tenfa^m^--. VJ ÍJa-^^Í rs ; - 5 «- ^ w-5/ %.-.T.«v -u,,-.. a no- t.-^mlí>_ ex-a valter.l-^-! ; â»",mj"" Jl ücnarüo Cnt.V«tóP ;^->

2 Págna 2 JfttfPRENSA FOTtíO W..95 \ O POVO TàTj^NO contra a guerra A excursão to gàúletõr» Esenhower através da Europa jío.ve assnalando por ndgno das anfestações ce proteste) tas assas populares contra a presença do carnceífo-chefc de ÜTruan. E Roa -anunca-se que Esenhower será recebdo co a greve geraldos trabalhadores. Esse protesto eletvo é.as u passo na luta pela paz, e que o povo talano se destaça pela sua energa e cobatvdade. Vnte lhões de talanos gualdade dos povos. Quev assnara o Apelo de Estocolo. E Roa, Mlão, Fora atar os jovens da Coréa, envar-vos coo rebanho parença, Gênova e outras çrlà- da Chna e de outros países des se realzara coícos e anfestações, be coo grejes de protesto contra a reltarzação da Aeanh.:\ Ocdental. E Rca, tw n:;níostáúés reúnírà-se orr. írrjue ã ebaxada anque è o :.Jn;-lóro dó Exteror, pe- Jjul) a cessão da ntervenção aercana na Coréa. Os parrc^cníes da anfestação grí avar: -Não -o; quereos w pados de Truáh». *Que d* aercanos volte pa") seu país»- Os soldados do 30 ento de Artlhara declaraara nua resolução de pro reuro: -"Todos nós desejaos 9 * * 4, *?! * * te-.- * paz, pos soos flhos J.o pyó. Jaas epunhareos aras, norte-aercanas con ra poyps pacífcos*; Expess:\nlo a vontade de lhões -Jo talanos. o Cõté ;lós >amklâr<>s da Pa/ da tálu apresentou u projeto de le Ao Parlaento exgndo probção da propaganda de ÍJÚoTa.. «A paz não se espera, a F-vv-v-: Nós hão soos a *>, : ca de Dulíes. de Mac ^.- e outras forças de.^v^íá-çásâ Aorícít da Dr- «7 ;<íp,^ <*A 0M, TNDEPEN- ; Quere reduz-los ao slenco enquanto Esenhower e Stassen transfora as unv?rsdades aercanas e qüar (.ce». t Resuo das atvdades levadas a efeto e Nter o, São João de Mert» Cabo Fro, Magé, J?rbur go e outros uncípos flunenses Notcaos hoje un resuo das atvdades levadas a efeto no Estado co Ro durante as coeorações da Qunzena Naconal da Paz. EM NTERÓ Da 6 Festa na sede do Clube dos Marítos, falando na ocasão Sra. Ruth Fretas, delegada braslera ao Congresso Mundal dos Partdáros da Paz. EM SAO JOÃO DE MERTY Da 6 Coíco e São João do Merty. Presentes as de trezentas pessoas. u ÜÍM UP (MM rnrnnrknn nrnnr rnn n nnn nn v Entra-la. Cr$ 20000, Mensal. Cr 00,00 MARAVSTA. Perto da as lnda praa do Estado do Ro Condução gráts para os pretendentes Tratar co o sr. PRES- Rua Andradas f 9 Sob. - Telefone: ás 2 horas H Bolsa xne e ou a. EM CABO FRO Da 7 Conferênca e festa. EM MAGE» Da 3 Palestra do captão Pessoa de Andrade, pela rádo local. EM NOVA GUAÇU Da 3 Palestra do Snr. Pedro Maa, delegado ao Congresso Mundal dos Partdáros EM TAPRUNA Da 3 Coíco. Copareceu grande nuero de pessoas, falando há ocasão a Sra. Ruth de Freras e o Snr. Walkro de Fretas. EM SAO GONÇALO Da 4 Conferênca do ldor sndcal Spencer Bttencourt. Falara anda na esna solendade o Sr. Pedro Maa e Sra Ruth Fretas. EM SAO JOÃO DA BARRA Da 4 Coíco. Dscursarara entre outros oradores o Sr. Walkrío de Fretas e a Sra, Ruth Fretas. Honra f «Correo da Note» O <scorrco da Note» con que aeaça co «a bo- j sas hnperalstas estrangesa ou a honra». Ganha djs j ras? Evdenteente, não, por- tratou co a ebaxada aercana ua capanha de aercanos para calunar e pa; conqusta-se* este apel.o do Congresso" de Varsóyá recursos que é daí que lhe vê os calúnas contra as legações depos exge dnhero d(s da Tchecoslováqua e Polôna. calunados para parar o ataque. sso é u eo de vda Deus sabe até quando, na v- para contnuar, só íoíüou-se o lea de cobate E o baxo recurso de que se dos pájrójãs talanos, que vale o peralso anque da prensa «sada*. Não estranha, pos, que ataque servndo aos dnha quo tanto adora s" erguern contra os planos para tentar afastar do ec:.do dos concorrentes coer- tabé o Cabras. Mas òr de guerra do peralso poderosos do da. anque. aos pores ngos de nosse-, cas. que atra contra este jonal NOS ESTADOS UNDOS Mas o Por ocasão da celebração pasqu pe^ou e- a baba de sua calúna se eles pátra, que trae desavergnhadaente pelos 30 clnhe-..,,, - bálàge e não quer as lar sabe que soos u jornal ro Conrrresso Naconal da Ljní da Juventude Trabalhsta gar- a- hstóra hstóra-w-e.-,pq)hlc,}.uão,é..de._nqsso hâoío dar propnas? r ros de Judas. dos Estados tna, feta de nveneoníces Undos, as dj nfants, de 5.noo jovens oparáros é est((!;!l"s partcpara de u jesuítcas, teperadas velhas artanhas 4í Be, acontece epe en notas sucessvas arrancaos â do esprto ant-seta e an jíjjrçó que se reunu e áscara desses escrbas, ostrando ao povo as provas, da (Conclusão da 8. pag.) t-counsta npty orone e e ouo fovun que fez a faa o a desgraça de ltler. P^! radres Howard Fast. Elzabel Q. Flvnn, Paul Róbespr. e sua deslavada entra e sso o :"!! jornaleco da Cúra Me- j dos casos concretos: p da da de saláros o Abono de Natal. trppòltana ataca, de p.sságe, o Clube dos Cabrat Wnrav. (drgente da j de Jorge Aado à Polôna,,]-!< Trabalhsta). Err ;,,.., j> f-,-,-->nr-j>o ds.so POlíl quo-é de sraeltas, ass Oo qua! seguu de Praga e não Vaos dvdr a sére de dó Brasl, coo afrou o reportagens que hoje ncaos sobre o assunto, e trôs o alguns cdadãos e este j.correo da Note-, e do cl- jornal. T chê que a políca fez publcar Sabeos que òs farseus do coo sendo de folhetos ra- Correo da Note» faze des pzdòs pelo engenhero Sa>.<ae ;asqu ua gazua para na de Moscou sc e que o,- ;ía extorqur dnhero daquele? a bolet da sácrsta do Palaco São Joaqu apresenta ly. "*V %v~ "*v«""»y* ÍS FANTASAS FCAM MAS BONTAS Co os tecdos da. DE A SEDA CASA DAS FAZENDAS BONTAS etns lsos Lstados Estapados O^ganzas Chtão Prateados...àJ^gSOS, 54 (esqunade Buenos Ares)..*» «à> ^4 > R ^ ía. *M ^jj;^. ycbòwgcal Stly of JSócáfâlsstíes* <- na- ktaws M 2:- w*k. «f íslfôfse"- J 52-30í( - Dprenle d^ 9 às 2 e 4 nsvl? ;horaí. >..,... -^y^uctasníívu ÁS Í2: Cr$ looqô < coo sendo de folhetos dstrbudos aqu pelas legações dos países que ve atacando Mas o povo, que sepre to e contnua a ser o fnancador de nosso jornal, há de achar graça nesses lacaos dos aercanos, quando chze que a MPRENSA POPU- LAR recebe subvenção de pases estrangeros. O que o povo não sabe e o «Correo da Note» não pode dzer é coo vve esse pasqu, porqvx- vve na realdade de dl- - ->w-- --(contesnheo.»- sâvel. l\ te», por a :TA?r\íl5«, -JC- do ano; segundo o balanço da Nonah«pões própra epresa, esse captal s-e transforou na fabulosa soa de ,30 -- ou \egesj pela},( sete vezes as. Mas jque nàò se pense que nesse on- Mítr Hríos Sê a;;,^õí50-cd a a partes Na prera, procurareos ostras os lucros abnlosos da epresa; na seeunda, a «perseguções é volêncas pratcadas dentro da íábrca pelos tradores a servço do Mnstro da Fazenda; e na ulta tratareos das lutas herócas do pessoal da largú, que não pôde se conforar co a exploração de que é vta e archa para a -conqusta de suas prncpas revndcações. CAPTAL E RESERVAS Para nco de conversa vejaos- qual o captal co que ncou Gulhere da Slvera suas operações no ano passado. Consta do. «Dáro Ofcal» de :.., ío cruzeros. No f tante estão, ncluídos os dvldendos a sere dstómu dps aos aconstas.,. PeJè con- $& n^ v déndos fora Lü.E5^,000 en> í--;«5t: - a0%; do^ô^al v-,,rv? /" " -+Petgé-se:^ de onde pro- vêotonto dnhero? Per que razão.<> Loíe a Ca. Peres- Movento FACULDADE NACONAL DE DRETO Na nota forncclda. à prensa pelo CACO, ve a notca de que o Conselho Unverstáro revogou, e sua ulta reunão, as taxas cobradas nas Escolas e Faculdades da Unversdade do Brasl. E acentua: «A gratudade do ensno não está copleta. A verba orgaentara federal consgnada no orçaento para a dspensa das taxas ó de Cr$ ,00. E o Conselho Unverstáro revogou apenas Estudantl as trôs prncpas taxas, da freqüênca, de exae e de tv trcula, no total de CrÇ.,,.,,, ,00. Teos u saldoj Mas teos de pensar nos nosn sos futuros colegas que estão prestando exae vestbular f paga ua elevada taxa» j DRETÓRO CENTRAS DOS ESTUDANTES O pr* sdènte do D. C. E. pede & coparecento de todos oa conselheros na próxa reu* não ordnára, da 6, às 20,3(5 horas. ívvso aos nossos dstntos freguezes e agos No ntuto "Hervanarc de be servr, ve o Mnero", fundado ha 33 anos. avsa; sua dstnto clentela, o horáro de furconaento de seu Estsbelecento, que é o segunte Abertura daraente ás 8 e ea. Fecha ás,2as. 4as e 6as. feras, ás 2 horas, 3as. e?5s;. feras, ás 8 horas -,» Sábados ao eo da, Anda solcta a f d«elhor servr que seus agos dêe suas presadas ordens durante o da, evtando, de.xar seus peddos para a ulta hora, quando é possível atender elhor, devdo ao acuulo oentareo de clentes. Agradece penhorado: C. de Seabra. s Rua Jorge Rudge, 2. Esta ruo prncpa na Avenda 28 de Setebro, n- 60, pouco aca do Maracanã. a a w^,_v.. so ndustral aquela, no Bras, que obteve aor perceníage de lucro sobre o captal? Não é dfícl encontrarsè a razão, e parte, desse jçro, quando se sabe que d seu prncpal aconsla, aque- Je que possu u quarto do ontante das ações da co.: psnha, é o sr. Manoel Gulere da Slvera Flho, expresdente do Baíço do Bras! e atual Mnstro da Fazenda de u governo de ne goestas coo é de Dutra. O por é que, enquanto o ganancosò tubarão dvulga acntosaente os lucros fabulosos da sua fábrca de Tecdos, faz ao eso tepo o relatóro as negatvo de quantos já fora fetos po qualquer nstro da Fazenda sobre a stuação do Te-. soo Naconal, confessando ter etdo nada enos de rete blhões de cruzeros. Mas, se é certo, por u lado, que as operações fetas pçlo dretor da Bangú, utlzando cc de suas fure ções de Mnstro da Fazenda, coo a frlação de ua conta de postos a pagar, que se elôyà a dez lhões de ^vloíbraíjuzero,*! o Sl, 03^ /.cruzeros> f v Guer» --: Sterós, \ ovíp^ CxrTa^-tíe-tfc. lucro r l- eh^pfêsa.. por olí(jo ado não enojs <«íto quo o fator captal dos progres» sos da Bangú é a exploração desenfreada dos operáros da tábrca. nclundo o seu departa<; ento Terrtoral» a Ca, Progresso ndustral conta co sete l operáros. Fo da fôrç3. de trabalho destí gente que saíra os 290 l* thões de cruzeros de lucro. Cada operáro, deu, ass, hnsj de 40 l cruzeros à eprê» sa, e apenas u ano de trabalho. E que pagaento teve, por esse esforço sobre» huano, para enrquecer Sl* vernha? Nada. Absoluta* ente nada. Até eso c ês de Abono de Natal re» vndcado. pelos trabalhado» cs fo crnosaente nega* do pelos donos da fabrca. B quanto representara o paga* ento do abono? Nada as de otocentos cruzeroa para cada trabalhador. sto} é, depos de dar u lucro l* qudo de as de quarenta llões de cruzeros, o ope* ráro da Fábrca Bangú não> te dreto a, receber, dessa quanta fabulosa, otocentos cruzeros de Abono de, flt E, se tenta/ arrancar,»s de an^. ;.- :, ;,*?" -MV0 J.".KaE W* :

3 "VU>^ """*" *Sw ^ Jf,-? * < - "Í N- -,,.,.M.,v^aS^* Jjjft..- -"í V: rrrr f*^t >«t«ff \ _V^ 4-"^»^^ MPRENSA POPULAR :..,_;- Q^ ;: _: ^g-r-,:. ;;._.v.: ^ ^ - f-^ -; "átâsm^ss - 8"""*"" EDTORAL» ;»" :.?""? "*?"" -"T è Soledade «o Trbunal Regonal Eleva-En,re_os danados os Canddatos de Preste. Rotorto Morena, Arstdes Saldanha, Mlton Lobato c Ehzcu Olvera ^JW^**** *~ tíoberto Morôta DEPUTADO WÊÊÈÊ ÉÊÉÊK (Resuo do notcáro telegfco das agencas l. p, NS etelepress), ÇflSUlO. VAGENS, f ÁRAS " ESTUDARA A V*0 *^ Svfora o correspondente do Mtâ *rk Tes» e Nova Dege o governo da Republca Po ar ch Chna anfestou 3 dsposção de estudar^ Soposta apresentada v* Co Wsão dos Três da ONU u nndo a cosflaçao de fogo ng &g& exgndo nojent an^o,*studo e solução dos deas do Extreo O leu probleas S«e nao soente o coso co- NTERPLANE- > conhedo centsta sovet-»" Slernfeld declarou que «nao Stá uto longe o da e que f hoe poderá transportar- M faclente de u planeta n outro, ua vez que os tutu- Sros navos do espaço 3» nao pertence as ao doíno üa S&opía. NAO QUEREM GUERRA COM A CHNA Vaos ebros do Partdo Trabal.s- A nglês, e reunão espec.al, reafrara sua deternação «6 se opor a qualquer polítca (»ue possa conduzr a Grã-Bre- Sanha a ua guerra co a RejDublca Popular da Cha. MENSAGEM SOMBRA Truan pedu ao Congresso jnn orçaento de 05 blóea de flolares. Os coentáros da prensa dze que o tont da ensage «ó sobro.». OS MAGNATAS? A SUERRA :.,::Jú govertítí ão Ejto anuncou fuè 3 pessoas, nclusve o exnstro da guerra e ebros «ã4 própra fala real, serão julgados proxaducttc poresçandalo rclacohâçíb co dnhe-».->, tú rrífa rle aravpnfo* E solendade realzada, onte, no Trbunal Regonal Eletofal, fora dploados o senador, deputados e vereadores eletos pelo Dstrto Federal nas eleções de 3 de outubro. Entre os dploados, encontra-se os canddatos de Prestes: Roberto Morena, eleto deputado; Anatdes Saldanha, Mlton Lobato e Elsseu Alves de Olvera, vc- Arstdes Saldanha VEREADOK íeadores, que fora saudados por ua prolongada salva de plaas ao recebere seus dploas. OS DPLOMADOS ího, Edgar Carvalho, Soares Sapao, João Machado, J. L. CarValho, Crspn Fonseca, José unquera, Sagraòr Seuvero, Acoly Lns, Roberto Gonçalves La, Castro Menezes, Fan José Pedro, Saloão Flho, Jos6\Gracn, vereadores. p. g f). _ Gaa Flho; Moura Brasl, Lopo Coello, deputados; Júlo Calalano, Osar Rezende, Álvaro Das, Valter Morera, Hugo Ruos Néycs, Flho, Lev Toso Couto, l vereadores. U. D. N. Maurco Jopert, Jorge.Jfbour, Breno da "Mtráo, Slvera. Heto dépu- EUíSCU Alves de. Olhero VElEADOR Mensagens populares a Prestes no da do seu anr versáro De u estvador de Recfe - U a-ba" xo assnado dos oradores de Nlópols c u ofco do Centro Socal Mertense núeras ensagens de congratulações fora envadas a crestes no da do seu anver- - ano, núeros twegráas, cúras, aoaxu-tuf.-anotí e cartuea, contuuan u chega" a noa-,?<a reuaçáo. coo yuaos razento e edções anterores, puocareos hoje alguas ueasus corresponuencas. Do uncípo ce Nlópols, frado pelos Srs. Sebastão uarcoso, Souza Cabrat, Maro jjogo, Avgero Morera, A. Borges, José Moura, José de Moras Flho, Alfredo Abranenes, Francsco Das Lacerda, Setebrno Das Squera, José Alves, José Alencar, NorYal Ares, Lndolfo Fernandes, e pelas Sr as.,lla Jula Cabral, üdth Cardoso, soleta Dutra e Os delegados, ft organzação flo Pacto do Atlântco concor- «ara co a noeação do tnagnata Wlla Herod, preíídente da General Eletrc, coo supreo coordenador da Antôno Drçe Dutra, recebeos o segunte abaxo-assna- çrodução de guerra. BM MASSA ;.\ do: Oa coveh-os ngleses tr&bawara durantjusõtoa note de «Nós, radores da JNlópols,.Jft^tf * de ftrvrsaro de.«envao-ues j?-; ; os nosjjle felcdade! ao e/ígf:; ntera, corn os J"?í lu )nlnados porjp!?*»* ^ yrtuââ!é ^v. -sètjz De Recfe, ^Ü^NOS.QÜa^ «u estvador» endereçoutaos esta ensage: «Seja a.fftprensa Popular portadorà dò eu abraço ao Cavalevo (a Esperança no- da do.seu rãtalcò. Sou u poícrne» p y p,.._ Benjan Farah, deputados; Telêaco Maa, Mleco Slva, Lauro do Vale Leão, Afonso Segretò Sobrnho, Rafael Quntanlha, vereado. 2*63 P. R! T. ROBERTO MO- RENA, deputado; Mlton Lobalo, Arsdos Saldanha, Elcéu Alves de Olvera, vereadorés. p S. T.- -- José Carlos -N.achado da Costa, vereador. P. O, T. - Manuel Basquez, vereador. p g x, Raundo Magalhâcs Jühòr, vereador. p. T. N. João Fretas, vereador. p r_ Frederco Trota, índo do Brasl, vereadores, p ]» p. Cotv Neto, vereador. DEPUTADOS PELOS TER- HTÔROS Forán tabe, na esa ocasão, tlploados os deputndos fedeas eletos pelos, ler- *^*>.w40 t Mlton Lobato VUEADOK rtórtos. São eles: José Guoar dos Santos, Hugo lbero Carnero, pelo P. S D., Terrtóro do Acre; Cocracy Gentl Nunes, pela Colgação, Aapá; Álüzo Pnhero Ferrera, pela colgação deocrátca, do Guàporé; Felx Valos ce Araújo, pelo P. S. P., do Terrtóro do Acre. endávos & guerra norte-aercanos J^ s^t&s,quntal>v aqu buscando carne huana e rquezas cstatcgcas^ pata a sua áquna de agressão nnpcrahsta As ultas.reddas de guerra da dtadura de bedêu,a as ordens de Truan e ^^^ ^^S t.rofuula nd rna<a» Ò repulsa c todas as Can adíts P0P"a. Ss Oh cvádos para ajudar os banddos Haj-unquc,, nj Jréa 6 para côlprár ateral bélco aos Estados, los, o ÊM reessa de tropas c auxlo aos agressores d< íní Artl. So eddas afrontosas e ntoleráves que no Sn passo da guerra. Por sua vez, representantes d«so governo Vargas já n.anol.ra publcaeng e hggo u o ebaxador do Truan, para assegurar o pgbg eento da polítca de tvacão nacona gs^f^í Esta stuação de extrea gravdade da.u«. cçyo o ;váso à Qunzena Naconal de Protesto contra a Guerr^.. fset^ncer; No dlá 3g hoje, o povo nlo.ro, «.n o o V,S deverá estar oblzado para grãnte S «nn. e a- cõ,s do lassas. Nas ruas, nas escolas, nos veculo^de ans tbrté nos locas de trabalho, nas assebléas, c atravéb de u ante; SaStos, dc^artazes e nscrções, de.co.eos e pas- ( SS, devcs K.zelfeouvr a potente voz do povo claando. pl;lêr Í«galst seus fantoches naconas, tabaxo : ffüerra! Õuoreos Pazhf. - fc ].,.veessár que esses protestos assua^pors«^. grandosas, a fít. de não dexar dúvda sobre a dno lonva o povo de pedr novas eddas quo no. lgue^ sslte crnosa aventura dos trafcantes te «*ra * S O La Naonalde Protesto contra a Gucn» ^vn ; #$,? Só ua advertênca fnal aos que pensan, fecr cor-cr c <ía gue da uventudé braslera c holocaus o.<** ^banquero e; lonáros de Wall Street. O povo braswj» üra sentu aos seus ngos que. não dará u passo w» fhoe^u» centavo, u qulo do que quer que seja, c lmoírco da a taíluerra p.aüsla. Ao contráro, saberá.^r co audacu, e vgor redobrados para conqustar a paz, C, ce a nn/. r sua lbertaçâq naconal. * A «CESSAÇÃO DE FOGO» A DÓCL «ao.-a» ocdental das Nações Undas aprovou a proposta de cnco pontos sobre a «cessação áe fogo» na Coréa, ulto expedente norte - aercano para ganhar tepo e anobrar e face da derrota posta aos agressores de Mac Arthur pelo exercto popular coreano e os contngentes voluntaros chneses. A Chna Popular e a Re publca Popular da Coréa não fora ouvdas sobre esse plano anque. Daí. «sua copleta nutldade, o seu caráter de posção daquele São os seguntes os dploados, por orde de partdos: p rj_ 3, Alencastro Guarães, senador; Lutero Var- Fras, Paes Lee, Pascoal Car- tados; Lfga Bastos, Carlos gas, Segadas Vana, Máro Altno, Edson Passos, Gurgel do ro Martns, Maro Prasrbc; los Magío, Gládstòb Melo, Ma- Aaral, Danton Coelho, Ruy Celso Lsboa e Anbal íspnhera. Lete de Castro, Verea- Aleda, "Eluíaloz José Roero, deputados: Slvno Neto, Mòurâo F- Que [ dores Nos Gua" esa aora que ap*oql nterven vou legalente çâo de Truan na Core*- o Forosa. Se a partcpação dos repxesonaates dos povos chnés e coreano, é evdente que nenhu plano co:strutvc pôde ser elaborado para ua solução pacfca do problec coreano, de que depende ojr probleas da Ása en* geral. Confore fo salentado., cesseção das hostldades, que é o objetvo anque pare consegur ua trégua ot «pausa para resprar», s«apresenta coo o únco ponto concreto do plano. O as são vagussas sugestões que fca para as calenda gregas. Quando o que se põe, e prero lugar, ó í Segundo o jornalsta Drew uto bohzhho. Apenas fcchou clguns jornas, cassou ras estrangeras da &>réa * retrada das tropas ag;esso> Pearson. o general Mac Arthur envou relatóro secre^ alguns andatos dz ela. de Forosa para qub. OT po notfco Coo plhéra é de uto vos coreano e chnês dedan to o Washngton dzendo que hava apenas ce l u gosto. Mas d. Raquel por s esos o seu destno. laa sero. Ela sabe o que Esta é a únca *.u?ão qu< chneses na Coréa, ebóra publcaente j obedece à realdade co dese tvesse de-j quer. jo de pa2 dos povos do :\n clarado que era qunhentos VMdade êle fo do ntero. ^#^*jj ;rnsac^^ l e até u lhão. ultas elec» AVARA «Kt-ürNpAV...jv..^ A propósto desse espan najh* FERRO. VERGALHXO- MA«t toso cabo de guerra, o [ÍV cqí«tacos e MATERAL DE CQNSl ja socbo respondente do «New Kg _ (Do 0r- EM GERAL, PELOS ^M Herald» acaba de dej- Entoa? - PREÇOS DA FKAt^7f^. que «nenhu país, u es ^J^ VWndo ção e quo estanf* coo Abono REAL à 22* V.potafògot* [ Áoy,-t ntto c.-,a r Basso e Santos; Rlftíáfe^d (La «contnuar coíento de sauru. t Av. coo Mac. Jtottjtóos da^rada tle O - v J-,r<íuan- guao, Gennho, Prlo, Neca 4 Os coreanos er- Carê í da 7 jogava nò eo af Valter. N. Tc-^os de Ader, aos 20 se* j,r, l,turu dexara zer j? seu jogo habtual gundos, e Maneca, aos 25 nutos, abos na segunda -ocheras de fase,. Gonçalno,..300~nts. Enquanto sso sr, Gl< berto Frere declar«, que se retra da polítca * - o que não é uto exato, pos na ^"passando pára as de Alexan*,, ^.x x ^hlo. rf ò ^pjlcosas de a vda, dr? sr.crstão de Athayde-- faxa q sra. Saque do Queroz o general Dutra fo dos -*«-4- Estados Undos; jestado Maor ^"a»v f Peranecereos na Coréa e sustentareos a luta. ;s.jlov íw ^ )J l vér çjte X

4 M.:. Págna 2 /ágna * w*^9^! "**-*... ;-,.y.r. y,-...;...;;- ; ; - X;Xf":*v -J^^Slá,..,..,C-t. V^x > JMPREJNS/V POPULAR <í>w""... ^Jff TO.Í.WJT z-c- BB. (saros ufa dós e &í: Í0NTEM PELA CÂMARA,M ÍÚM ê lo, * 9âr7 2f Onte fo aprovado, afnalí o Abono ao fünconalso publco. sso depos de lü í eses de lutas, ; durante os j quas os: reaconáros tudo ; fzera no sentdo de saboj tavlb. A ulta pedra no ca-! nho fo posta onte, -â tl- ;ta hora, pelo lder do Ca«í teto; sr. Acurco Torres, que ) entretanto sofreu as ua derrota, deonstrando não.! contar ne eso co os votos de seu rebanho lesse- ; dsta. OS SABOTADORES Anda quebrara lanças; onte, contra o abono, o usl- NACONAL DE PROTESTO (Conclusão da pág. L) por toda a cdade dversos Ke tos, tas coo cocos-reíár*ugo,. passeatas, qucrna de,.; «.daá. e outras anfestações Jt-gucrreras. E Vla sabel, y.or exeplo, na Praça. 7, houve S codo, durante a fera, no /pa ^s falara dversos oradoconctando os presentes o fcvprr por todos os eos sua Jcodda repulsa à guerra* No neso da, às 20 horas e 30,»alzou-se outro coíco na raça Saenz Pena, no qual *r?. vstos cartazes e pequel/\s faxas conclaando o povo Á lutar contra a tentatva de jrcetçr vnte l brasleros Dará a; Coréa. Anda dongo, na sada do jtosptal Mguel Couto, houvo Jnbc u coíco proovdo, :$os jpntra(v ulheres,,, "ênvõ~rdè.especfcaente "tropas "pára * êt Coréa, as tabé contra boba atôca e pela paz.,<shte na Penha verfcou-se gualente outro coíco e ^<que fora lançddos volantes e jtdtado o povo a se unr à lota pela paz. E Plares-fo queado u 9udas e Praça publca, repre- Truan, enquanto e Çtando ílâ zabe era realzada ua eonferênca de. d. Branca Fa- Bo, bastante concorrda. Nas váras seções da Central; do, brasl; realzara-se nuerosos xocos-relapago,., flo ^.. l à Câara dos Deputados, por ua cossão de personaldades polítcas, jornalstas, hoens das profssões lberas, líderes operáros, deputados e Vfreadoves, o texto da Carta da Paz. Para esse áto, que deverá realzar-se às 7 horas, está sendo convdado o povo e geral. A propósto ouvos onte dversas personaldades. DO SR. CAMPOS VERGAL O deputado Capos Verga do P.S.P., Estado de São Paulo afrou: Contnuo no ou velho propósto: sepre contra a guerra. Consdero a guerra u dervatvo de povos ou nações captalstas,->,íl. armtraentos, nternaconas, logo, Estes 6 que deve soluconar as questões entre as nações. Alás, estaos cansados de saber qúe as guerras tê suas bases e lutas coercas, e dsputas de ercado... Só adto a guerra nua hpótese: nvasão da pátra. Neste caso deveos lutar co unhas e dentes, coo se lutásseos e defesa do própro lar. Foro dsso, não a adto» Contnua o deputado banderantet Quando a luta se estabelece e outras regões, então^ a guerra deve ser facultatva: que quzer que vá-.. e, para sso, que organze «legões estrangeras» ou os chaados «batalhões ercenáros», regaente reunerados. Neste dòras e dè todo o-povo a f d<: que a paz seja antda para o undo. Coo-secretáro gefal da C.T.B. e coo deputado eleto pelos trabalhadores, ape- <> aos trabalhadores carocas a prestgar a concentração do logo as, coparecendo e :assa às escadaras da Caara Federal. DO SH. MLTON LOBATO O vereador Mlton Lobato, eleto tabé sob a legenda» de Prestes no.últo salentou: pleto, O povo da captal da Hepúblca fará, hoje, as ua vgorosa deonstração de aor à paz e ódo à gura. Mães de faílas, jovens, operáros e ntelectuas, personaldades e fõèns sples; -tò^ eso; tepo dsse que a 5 eenda autorzava, Pesouro q a dos estarão reundos co u passar calote no funconalso, só pensaento: luta pela adotando o crtéro do «pago anutenção da paz entro os quando puder». O sr. Eza, povoa E necessáro que todos esteja hoje, no da con cíônalso, abandona a pos- tão rgoroso quanto ao funsagrado naconalente a de> Cão de defensor do eráro, fesa 3a paz, fazendo algua: publco toda vea que se* fcra^ cosa e; benefíco da huandade e contra os- nstga* causão as negocatas de ta de senções dè postos\ dores & propa.gandlstas da : curtos grupos de plutocratas guerra, paulstas), o sr. Pza, con-- tínua o orador, è" u opos- DA SBA. VONE JEAN nero pernabucano João dleofas, da UDN canddato a governador derrotado a a; de outubro e o st. Al^só de Castro, do PSD baanor, E noe da Cossão de Sèrvços Püblbos, o r- Aras de Ataídè odfcou o. ponto de vsta desse órgão e relação a duas das. eendas apresentadas ao sub.stltutvo, A Cossão passou a dar parecer favorável às eendas q^ estende o; abono ao pessoal dat Estra- ; dfe de Ferro ílheus Conqusta* c aos aposentados e penao» nstas das ftttarquas. Man. tnha, poré; o- parecer conv traro à eenda do> sr. Pzan dobrlnhoí que subordnava o: pagaento do Abono a «época que o Poder Executvo deternasse, atendendo^ às pos:- sbkdades do Tesouro Na> olonah e se - apelar, para essão. As duas- preras fora «provadas, de acordo co o novo parecer exposto pelo sr. Aras. A do sr. Pza tabó ío dada coo aprovada,, ern desacordo co o parecer. É que a Mesa se orenta va; na votação sbólca, pelo voto do lder do governo, sr. Acurco Torres, que se anfes tou pela eenda. VVA DSCUSSÃO Travou-se então anado debate e torno da eenda t-lza, tendo o sr, Farah peddo verfcação de votação. Ao donsta que vota ssteat- O líder e declara gnora sso. Lebra o sr., Fàrah úttlwrações fetas, a respeto dessas essões desautorzada», logo. Agora o projeto rá para «naquele eso plenáro^ petò jsenadój. que a Câara : conclua a redação fnal, n presdente da CòésâO der- que^ questão de as dl» Fnanças, sr. Hòracòs LafèR OU enos> da, confore n E o lder; sepre confessandó gnorânca, nsste e dl- fòxqu que os nteressados tzere». J»nto à Cossão de Re^ ízer que não conheca a de* dação e à Mesa, claração dò sr. Lafer. Co efeto, o sr. Lafer,. r\k> GfflJDTO» ESPECAL sessão de qunta-fera últa; afrou que o governa «te No oento e que o.,«etdo constanteente* e que a Cossão de Fnanças; te protestado reteradas vezes contra ossas essões contra gastos efetuados se ; verbas e depos cobertos co: peddos de crédtos especas. Mas o ldér, que: vve a tra-- tar de epregos para s e pa>ra os seus o a contar anedotas só para velhos, aos cavalheros de sua roda, nsste e dzer que o sr, Lafer jaas hava falado e es* soes desautorzadas, Terna pedndo a seus U- derados que aprove a eenda Pza. Procedda a verfcação, ío; o segunte o resultado: paa eenda, 56 votos; contra a eenda, 6. Este núero era nsufcente,.pos o íno exgdo para an votações é 53. Feta a chaada, confeouse a derrota do lder do,dos dversos partdos reacjo* nãrlos, estava aprovado o AUono péte Câara. Acúrco declarava gnorar «referenca do sr. Lafer ac abu sq> de crédtos especas n cobrr despesas e f e t u a d n? se» verbas, a orde do tf : dos; trabalhos damfíâara, j gstrava os seguntes pedda encanhados à Câara o* ensagens do Catete:.. Crédto especas de Ar/ p)l«llões para a rodova tàpcru na-müraé (nteresso eletoral do lder Acúroo); setenta e cnco lhões para aqu sçâo de ateral bélco; v».v te lhões para reforço d«verba da Educação; í) v. lhõès para. pagaento aos a- ; tfundáros -atogrossenspf: t» Mate Laranjeras: doze V hôes para gratfcação d< : agstéro; cnco lhões pa ra o eso f; quatro llhões para a Justça Eletoral: 29 lhões para gcátdcaçf< ao agstéro e trezentos cnqüenta e ses ílloes p* ra os Servços Hollerth. Há anda dos peddos dl Catete. Aprovando a eenda Pza votara 53 e rejetandoa, 02. Durante a chaada- o se: sàcúrco. pnrdeu v.trôstoa; fra de pneus de S Paulo EO--,-aencâo; de dretos para ua Apezar da ã vontade do,e para Natonal Carbon ò.o govôo e de seus cúplces Brasl. j SO 0 POVO PODERÁ CRAR (Conclusão da-. pag:) Todo o Brasl conhece o draa e sabe que o seu palco fo o governo de Vargas. Todo o Brasl conhece a crônca desse onstruoso cre pratcado pelo sr. Getúlo Vargas, pela polítcos, Luz Carlos Prestes í posto e Uberdádè <? pod^ ve: lass, pela prera vez, su: flha querda que ve do Mé xco, órfã de ãe, acopanha da de sua ta Lga Prestes Anta pôde ass vver, algun tepo cercada do carnho pa terno, até que a reação a sep:> HOJE N4 CÂMARA A jornalsta vone Jeau, caente que co o governo. Ter- / Culnando todos êssea atos, se encontrava na Europa durante o últo conflto, nos ro, prncpalente para os \S U auxlar o nazsta Flnto ra novaente do pa, obrgan- na apelando para o plena- sua políca do banddos, pelo Herá- soleneente entregue hoje fez as seguntes declarações:...a.-«... ~. jmuller, entregando Olga Benáque Arara do-o a retoar o requerentofe a dura vda da Pl4steS( efa ada esta. clandestndade. ** Não Seja sóco do nevo século, século das luzes, posso copreender de convocação extraordnára do de gravdez, aos can-asc-os A W. * de avão a jato, da televsão, a que laja ua ss ulher que do Congresso, no sentdo de nazstas, quando ela, pelo próque nío fuja do recnto na pro fato de- ser casada co ta Leocáda pôde contnuar re- Ne ass, entretanto,. Àn«D guerra copulsóra é hacetavel, Alás, a ntelgênca, a cul- possbldade de ua guerra, hora da ctaada braslero, não nossa pensar fraente na para votar. podera ser expulsa do Brasl. Ass, o sr. e que estudava, polcas s sdndo no Brasl. No colégc tura oderna^ deve, colocar especalente agora, co a a guerra fora da huandade Vargas, e fora da le,..] E lugar de boba atôca.; NÉPCA Ao defender E para perpetrar seelhante. cre, volou não ape- era cada vez aor ò>íperg< aeaçava e persegua* í CNSMO?»_r canhões, tanques, carros, blndados e avões, de bobardeo,.];w a paz, a ulher defende o nas seu as les da dgndade huana, as as própras les es- hoje, crnosos guas aos d«de que os banddos polcas d«o.-.. e,3 sr. Acurco, o hoe s.nwr*. V!r< o <>, r?ft &&>*$, #.s XConcusSíí as Z& Eag.; rt^ebt subvençâuua Xlda que a vlda de avía votado a oral eenda Pza Sobrnho, ocupa o Anta Leocáda vu a luz do co crtas do tepo país; de Flnto Muller, a pren«gánzas ses desse estrangeros, o que VDUEantea! g"er coo refé. sso fez fportanca vo éoletadas não Tfíjdo, ftô sabe e ò «Correo barros dos da vato crofone. Dsse da nos cárceres do u capo que suas tas provden< que votara casse e epresas e de lga: Note» Íada vez ts não os. fornamstat *. pode dzer é cono. vve esse ra suas""%& dè concentração, sua sada pela eenda, para onde fo para o effc.l ebora antexorente houvsesfe ttangero, a salvo da» sanha as/ reetda sua ãe, a herona s o povo às í^ató^jp?^,,*fpuenos Ares) pasqu, porq\fêvlve na passado.,col; sassna das feras de aníestado o ponto de vsta dó se panhera de Prestes. Durante quas nos dz Prestes. qu«olga Bènárò, Truav a dedcada conr e senão jfflr $ ;.. """ W w_, V realdade de dnheru>t-^ Ofcal» das de ^-gy-.-y...^^^^"! -y,-. <_.j^a-..,_.<-> - A ^W T" " ^4pnfes- f^oo.000 cruàutra: algu tepo são Anta vveu, no pores: que as próprab fof íav0hvíl ao ABono ^Tl^Ser^ *** sáyel, A - do^ano; segundo cubículo ras de Htler. pavoroso e que a WfW Vvsta da falta de eos Gestapo encerrou sua ãc Depos u poderoso, ovento tes fatos, coo o faz O RAD Esquecer, delberadaente ea fe» fp, por a* «"Tapões n\ gratfleasfò de Natal Própra epresa, «se efetuar 0 transforou" pagaento de soldaredade nteaconal CAL, é falsear a realdade, n> de ^ue lbertou a crança, ^a a Câara deve forpondo-a en\ clusve quando acusa as ãeí Ml%sete lugar, seguro. /que.vezes^fe^^f.,t^osrêsut:. ^ Enquanto sso, brasleraá de não tere pro» S naó;l5e XÜga^wá*«-«-* opge de sua;.testado cwt-a a entrega pense que nesse" on^ét tánte e^tãorncludòs érttía flha Querda, V»»»^ esposo os Çlae^r^jtdo-SGS carrascos naf df ÍBfUÉèWvdendos l^m.-ts am- %x& %ros a sere dspbí Í íí W?! nuou lutando /rf.^) ^.s^?. ü árrànjs a verdade & que ~-^^clandèsbnanonj :a gs fffpsn^rêw^suwtats*v r a apr ovadas as rr*wsv.-*jm* S,(psssOBff Uíreírí^j J tabé aqu, no ^strto,-fe«ulta hora, fetastem Dutra, de seu esposo, ínónotona. de chavões o.caslq ^.Cáyaldrô^.-w,-. *^«^n: pedrq M:$Ê deralj èataxá^^éá-zanm^enw para à secretara ç^^càteteí Esperança; e do «.ôpro futuro quaó^^xnar. ent nòfés#5 ; Bastcaentcí-^suas anfestações.: Na, Gaara Federal, fará ós seus agos! ílá.copa/ e ^jgôrgunfá 8- sí ParaK se ó: E asshn fòí ate q; da c que ^-^-:P-;-^íh-:" cont.polpudàs jrenuuéráçõés pa- de sua.;flha, J^nta Eeocáda an A/\»r}*AoAct wnv«*l K_vr \ $»fe - Refla$So^ííSâ R. &USTAVO LACERDA) 9 reos entrega da Carta dé Paz Coshha.-.í elaborada no decorrer desta O ff, S.obraddt^,;^^^^ «projefó dó síj* Acurctí gnora que o a assassnara; >>r< ^^ ^- ü\tej;é què poderá" assegurf-" de- o retorno dè Anta Leocáda Códgo 3é Vofec capanha. EsCa carta traduz os entos e Vantagens fo coba- governo vve a" etr ss E" 9-45,coní ó ascènsô terra braslera, Rò acohcheg< l. ^ nocrátco, co a derrota do na- d^aojba^fl3 ^^.jb.t,.wkfls Ja^^aUtâíUe^ 4 ta.yj^.^hc--auteífeâs^lâe.. pslws^^^^ã: ajumo hc 9S dos seus entes querdos, áp"3 fçlq.ík odosjja t V x. XX]\ -"y x;

5 -tuos M..Vhk \..- S MFHMNSA PUFUÍ AR Va»»* j atu protestaos contra a orde de prsão preventva votada, por juzes fascstas, contra o Cavalero da. Esperança* JB no transcurso do sou anversáro; tnvaos a Luta Carlos Pres* les as nossas saudações. Ass. José Ferrera, Antero Gon- Salves, Fdels: Soares, José Medèros, Marcro Cazuea, João Cbsta Rego, Laudo Fernandes, srael Franóo, Üscarno Costa, Antôno Barreto, José Azevedo e a* 48 assnaras, BO MOVMENTO SOCAL WERTBNSE: O Movento Socal Mertcnse, entdade recenteente arada no vsnho uncpo flunense de São João de Mert, andou-nos o segunte ofco: «Sendo nos das de Hoje, o Cavalero da esperança, legto representante do gloroso t nesquecvel José Joaqu da Slva Xaver (Tradentes), os»baxo assnados, pertencentes K) quadro de asso-ados do Morento Socal Mertense, o de acordo co as resoluções da Assebléa Geral do da 30 de lezeltfo do ano p. fndo, re- «lve hoenagear ao Grande ttícr Luz Carlos Prestes pela data de 3 de janero de 95, que arca as ua pasasge do seu anversáro, o qual consderaos coo u dos aores sbolos de luta pela Paz, o progresso e a deocraca no Brasl. Asa. Berlo Adalberío Texera, José dos Santos, Slvano Splcano dos Santoa, Hcnrqufta SnpUçanq... Durvalna Das Argolo, FeÜcdade da Conceção, Caretluta Raos, Augusto Napoleão, Fernando Flho, Nerussa Rorrgues, Mara da Conceção «O Bo Vel>r.w«, eont Bwg Cro.-by, as 4 - :> f e 2, ncra3. PATHK - *As í penas brancàa-% co R«f ^ * ehérdsér \; - ft oras ho dores apela para o Deparlaento de Águas e Esgotos, reclaando ua provdenca. K quexa que fzera à redação deste, jornal declarara que a stuação á nsus- ^Príncpe de 6,,k,.^j_ NEMA,í Alfaates e costureras trabalha eur Jòcas; ant-hgêncos c undos «- grosseras E lugar de Abono de Natal, dessões c ds ttrbulçso de eas (Conclusão da wgv 6) fy hoe persegudo e atorentado pelas séras, da V- Das L o as to. HS! e snto, eso até se * ndependênca do assnar o Keu noe debaxo, destas palavras de louvor a. esta. Luz; que nos gula, que & Luhs Cartos tratos e Prestes. Não sou counsta. flâo> ngresse anda neste parído por certas; convenêncas «talvez por falta de fbra... Os alfaates e: (josturehas Mas se este grande. Prestes. epregados nas; ofcnas das precsar de. para una pa>fada dura, cstou co ee: Eu» grandes: lojas da cdade vve sob o eso» rege de tere fbra nesta, hora, eus: «nãos..»! exploração e saláros de foe CONTRA O PROCESSO e vgsr na> aora, d>%fá- fflffamlb Anda de Nlopols recebeos, /ate abaxo assnado;- «Nós» brasleros, trabalhadorea, resdentes, e. Nldpols;, brcas e eprftsas ndustras. Os fatos que passaos a re- ; Marfora trazdb» aa coníto cento do nosso jornal por epregados: nas ofcnas; das oas «Príncpe de 036?*, propredade dos rãos Fodcaen, stuadas à rua Buenos Ares, n,,. e 2ÍÍ andares. NTOLERÁVES AS COND- ÇÕES DE TRABALHO Nessas ofcnas trabalha, ofcas alfaates,- ajudantes e costureras-, Os. locas, batíos pelo só o da todo, 3ão verdarera. fornalha. A nudí-e pera por toda a.parte, tornando a vda dos que al trabalha u artíro de oto horas corrdías Te sdo, e vão que os. trabalhadores; reclaa a nstalação de tol- ; dos e; ua refora, naquelas salas. 0S; propretáros; faze ouvdos de ercador, procurando não gastar u centa» v«dos polpudos lucros» qnè tra, do negfcot BRUTALDADE E MAUS TRATOS Na Seção de Acabaento trabalha e sua aea ocnhas entre 5 e 8 aros. Ganha u. pequeno salãro, apenas sufcente para cobrr j as despezas de transporte, o calçado e o vestdnho barato que gasta para trabalhar c dexar alguns cruzeros e casa,, de ajuda para o suste-nto da faíla. As condç"^ de trabalho nessa Seção sãr gualente ntoleráves e ossas jovens suporta anda a brutaldade e a prepotênca T ERRENOS E M belford roxo Perto da Estação, asla, lux, tre elétrco, ônbus. desde Cr$.520,00, se entrada e se juros. Prestações desde Cr$ 200,00. Rua Buenos Ares, 9 3 andar, $ gagá, BMMWaMBBMgMgMMj» ESCOLA DO POVO NSCRÇÕES DARAMENTE DAS 8 AS 20 Hs, CURSO GRATUTO DE TRABALHOS - J/AMUAS TRABALHOS DE AGULHA, MADERA. ENFETES, TRCÔ, CROCHÊ. BORDADOS. ETC, Av. Venezuela, 27. s. 62 Slva, Severno Santos,. Aaro Rbero La, Olga de Jesus, Joâo Marques e outros. Falta Dágua Há város das está falta n consequênca, a falta da do água na rua Asss Cacne água passou a consttur al ro, e Pedade. Seus ora u séro problea. Faz, por nosso nterédo, u apelo ao Departaento de Águas e Esgotos no sentdo de que seja toada edata provdenca. "? tentavel para as íalas ro- Sdentcs naquela rua, que se vê forçadas a endgar u FALECMENTO pouco dágua para beber nas casas da vznhanças,... s Sr. CECLO DE CARVA- LHO BRTTO No Hosptal RUA HONORO dos Servdores do Estado faleceu dongo o Sr. Ceclo de U orador de CaxaM Carvalho Brttot antgo funconáro do Senado. tsteve e nossa redação, a f de tornar públca a aua reclaação contra o descaso O extnto, que era natural do Maranhão e contava 70 anos da Prefetura pela sorte dos do dade, dexa vuva a Sra. oradores daquele barro. Corna Goes de Carvalho p\z èle que há as de vès, Brltto, alé de dos flhos- é) raepes se encorítra furado u quatro flha todos casados. O enterro realzou-se à tarde, cano na -ocaá Honóro, ;en no cetéro S. Francsco?íaver., ^/ ^Íe ao Djcjedo l «J. t^ l_h_ ""» ^g"^ «>«J V t e. -<.-**<.fff"--7?êsg ) Ê^BM sw. ^ E5L-a jpp-j Máqunas fotográfcas VENDA E CONSEKTO. DE QUALQUER MARCA OU TPO. SERVÇO GARAN TDO J. R.-Pr»eaKl CASA S. FRANCSCO R. do Teatro, 2, and E greve os Ferrováros de Nazaré SALVADOR, 5 (Do etrespondente) Entoa e greve, revndcando u ês de saláros coo Abono ue Natal e auento de saláros da senhora d. Ana, chefe d* Seção. Essa senhota, reflet»- tfo e seu sstea de dürtg» o servço os étodos de ex-.ploraçâo dos. propretáro» da fábrca, ns,ulta! as, oças por qualquer reclaação que forule, tendo chegado ja- a agredu alguas delas; Reclaa tabé, os, epregados contra a grossera do sr. Adolfot chefe- da. fra» que e lugar de ouvr;, pel r correspondesse ao que rnha dreto, nngué _ snou o recbo dc qutação e ã questão fo levada h Tustça do Trabalho. Nesse rege de ganânca dos epregadores e de exporação a as esqunha :s. f alfaates o costureras das fá-.-.< brcas. das lojas < -. Príncpe de J GaíTes», estão copreendendo! \t a necessdade urgente- de se?.; organzar para a defesa de^ seus dretos. \ PROGRAMAS PARA HOJE /S"* PLAZA OLNDA - STÁR - UTZ COLONAL - PRMOR MASCOTE «wnãob e Aras*, co Loretta Young e Alan Lad., a«í «22 ík> ras. PALÁCO ROXY - AMERCA ELDORADO --. MONTE CASTELO - AL/VÇL NTERÓ «Duelo San-! grento» co Aude Murpy í 0Ct,MW>r; à» 4 B? SAO LUÍS - /TORA - l»kal RJfcAK CAÍJ.OCA MjüRANU - ;MADURE- HA ODEON - *0 O.)vao íto Deferço» çuü tvonnt. üe í caro e Kcnaaru..reene; a* \< &.40 n/ã 20, to ^2^0 horas. PAJUSR3NSE: - ASTOUA enos, as reclaações: e ruvndcações dos epregados* ODEON PANEMA Gale Stor, às 4-0.4U 7^0 9, hora. anda, aos berros, que procure a Justça do Trabalho rojado Ebuste» co D«)aC CARA CATGLO -- *AT- Ou., dete suaraente c reclaante, coo aconteceu, há das co o alfaate Davd e< 22 wwa.s { ;.. Per. GLÓRA Tel: 22 9t-.W - *» v A L p.: «Quern tá de ronda è São Borjà", às 20 e 22 horas. - Ca. 20 í-22 horas. - <A nova deta s LUTAM PELO ABONO DE NATAL. Dercy Gonçalves. trt*sf a& Na época do Natal chegara dos Estados esse sr. Aaol- CARLOS GOMES - «Rabo de Pexe", às 20 e fzecreto lo;, Mu*A arf. - fo e o contra-estre Luz. horas. Ca. Beatrz Costa 20 e 22 horaque hava do fazer copras COPACABANA Tel.: PfntflÈ,.r pará as lojas. Justaente nessa ocasão os epregados nas nha", às 2 horas. Toa-.Cubn-7Jvr*>" * «Alegres canções na nr-r*.» JAF?DEL TfJ ofcnas fzera u eoral, revndcando u ês de FENX - Tel.: tro de Arte. - Ca. R^ saláros à ttulo de Abono. «Nnon é do aor", â«20 e j-fssa ulhfí. Os dretores da epresa ne 22 horas Ca. B>b Fèrr.ferà A e 22 horas eso recebera a coa?ãc FOLLES - Tel.: 27 2» Kl - }>"Pra. que fóra ao escrtóro entregar o eoral. Mandara REGNA - Tel.: fe:b8j7 - «? /-^7f ;_,?> Fechado. ->OaO CAE"«> que o docuento fosse dexado e ca da esa e não *As ãos de Eurdce". às 2" ra" ís ft c :- tocara as no assunto. Fzera ua dstrbução de eas ínylon», que troxerá de sua vage. Coo respusta detra a arorla dos sgnatáros do eoral, aos "quas dera à ttulo de r.denízação 500 cruzeros aos afaates e 00 às costureras, a preços yc eopettíor SAPATA R A Coo essas portâncas^ nso..«x. ESPETÁCULOS PARA HG]E l tflò M.yor S 0T/.p". à* /èe f.*.sou; <y snlh)". h«na. Vaíle; " 27S72 - ^0.^r o >2.?, RftffCtl, 2 f 42 - ntnh.-" h -»à. Píòcópló rly Voth.} SóPARA H 0"M È N S SAPATOS 0.4 MELHOR Ü MOE NÚNCO Kua Republca do!,"bío ya - A VN-.V-."-«WAVv^W t* * (Antga rua do Núncoj w ) ur.ro á Praça ESTRANGERO NACONAL E AVARA «REENSACÀ!X> FERBO, VERGALHÃO MADE^AS. TACOS e MATERAL DE CONS^RUÇ/O EM GERAL PELOS MELHORES PREÇOS DA PRACJnlà \ REAL ^ S^JMhft. 3?ontí At?HGOS» *N-^?MU JK>M»rv> - CAMA v. U MfcbA - Fáípca; própra Vendas a varejo S>Wá:,!DÍ),.,..íl Ttradentes.-.-,%P.*^^VV^VWVVVVV Basso e S _. loj^ulo. l?.^í í - Av.ChurehlL Sjl? and#vera os ferrováros da Estrada de V -èlto Roberto --, ^T ^ quan- w uwn -;V«--* f O-vJ whte, guao, Gennho, P-rflb, 7 A"^ ^^no eo ^eca Valter. < Ferro Nazarét ^t. ^ -^^onto;l^«snu<5 Pe s otvos >egro e Juru dexara ^fotozs^ ** Tc-^-os de Ader, aos K-r 20 seg-undos, e Maneca, aos 25 nutos, abos na segunda fase cochera.s de Oíonçalno, passando pára ;# de Alexanâté Corrêa.. CT^^^7 espe- «UMjra $Mh f.-ífcul. R-- /rala*} f^ -^M^M ;^^7\xextj), n soa., af-.! lj ow â rua tóéxcoí 45 \& nh tãâáüàâbà!?#*. \\. \ f -? spj^ <~ÍT ( l. jlfreve na(/ \ Jafétnk l:&!ltrfaíí*flf P»7 h,rge do. JV apenas, _eat%._a»... í,,> Ü ;» v^.-

6 j» Págna 2 Jrf *?* PátfnaV j y^t.^^w*«3w*w*;4l jwtó &WW "-4 S;; v,r p»a»«í íwkw,úí&kt wtâft V. xmf :^^ZZ (Cercado u Grande Núero] De Soldados Moríe-Âercanos -W../ ~í$j ^0T >Tt.x.wn r ftldades do Exercto Poprar da Coréa c guerrlheros atua co desenvoltura na profunrda *. *» «U"P»«- Repete-se os golpes contra a lnha prncpal de abastecento das tro- <.! pas unpenatetas Os avões de Mac Arthur con tnua ncendando cdades M,,OQUO, 6 Tertja fera, AÍBíS) Soldados populares Atuando na retaguarda ner- «a atacara ua lnha vtal $ 88, qulôetros atraz das po- )(*sees dos EE. UU. na frente *- loetros ao sul de Chcchon e lo dos a 72 qulôetros ao sudeste de Wonju. A 2". Dvsão Norte-aercana dona u salente, que se estende até 3 qulôetros ao fwefafur U sul dft vtal posção de Wonju. ÍGOS grande coboo de canhõès que procurava chegar aos féden--nos norte-aercanos cercados se a publcação do vu bloqueado pelo fogo cruzado dos soldados populares, Ç*gu$nt(: PRUNDEMENTE NFL- «A Cossão de Defesa das TRADOS ítôvndeações dos Metalür. U ofcal nforante do 8. fíeos-convda a toda corpora- Exercto aercano cteu a conhecér segunda fera à note 8&o, especalente as Co s- 30es Pró-Abono que duas undades populares de Natal que norto-coreanas, co uns jtcona nas.epresas eptlúrgcas, para ua reunão, hoens, fora observadas e ovento en lugares stuadoa até 88 qulôetros atraz Sue.se realzara aanhã, da cas posções avançadas da Seguhda Dvsão aercana. Ua Ü3> $ rua Teofllo Oton, 42, l&> S;30 horas. Nessa reunyp, força popular de uns honens dscutdas fo avstada a uns 29 quloetros ao sul dé u en- e aprovadas- &rsd % eddas troncaento necessáras para stuada no quloetros a sudeste de Wonju. f prosseguento da luta pe-» Estas vanguardas conqusta do Abono e populares, do profundaente nfltradas, segundo dsse o ofcal nforan- pagaento dos 9% de au- ^ento conceddo pela Justça j-w Trabalho e que até agora fjfío fo pago pelos patrões, H*.) h Cossão». %h *K-~ vda não nteressa a,w JteM entrada o Hosptal guel Couto, e estado graa jove Léa Ferrera Goes, de 7 anos, soltera, do- J&éstca, resdente á rua Mjífstro Vveros de Castro, è23r apartaento 33. f Depos de edcada, conou que hava dsparado tro no abdôen, pos,, y>andonr.da pelo naorado, senta as apêgó à v- Antes de pratcar.o trcsçado gesto, Léa escrevera teu -blhete ao seu ex-nao- )!<*do Francsco de Asss, eftegado do Hotel Excelsor, ra que explca os otvos jfce a levara ao sucído. í central, segunda fera. / U bolet da Marnha dz / que tropas populares que «se acredta seja guerrlheros», tnharr cercado u nuero desço-; nhecdo de soldados norte-aercanos e Cheksong, a 32 qu- te, tratava do cortar a pràcípa lnha de abastecento que va para o sul pelas ontanhas cobertas de neve de Chugju a Hacháng. BÁRBAROS.To oeste da Coréa Merdonal os avões norte-aercanos ncendara Suwon e, segundo calculo conservador, atara uas.400 pessoas. Os avões de bobardeo leve B-26 atacara Suwon co ua torrente de bobas nc-edáas. NOVAS BARBARDADES TÓQUO, 35 (NS) U forte ataque aéreo fo realzado por super-fortalezas voadoras que lançara J36 toneladas de bobas sobre Hasung, na segunda fera, nu ataque vsua sobre aquele centro ndustral norte-coreano no ltoral do leste. DR PAM CLNCA DE NERVOSOS PSCOTERAPA R. Santa Luza, o andar - Sala 62 Fone *, 5»9e Sábado Dc 9 ás l horas :.". -"...&;.y...>...^,*?a...-k- raumv- ;Ha^t\ «f $(. AO NORTE DE YONGWOL U despacho da frente à ulta hora de segunda fera dz que a 9.» Dvsão do Exercto Popular da Coréa, co uns hoens, está entrncherada e terreno elevado ao norte de Yongwol. A BASE DE POTSDAM As reações «ocdentas» a notn sovétca sobre o rearaento da Aleanha dão a edda das contradções que se anfesta cada vez as no seo da coalsão atlântca do é no seo própro partdo aercano. Entretanto, sera ^ pergoso exagerar-lhes a falar portânca de solaento e absoluto de Washngton. E necessáro copreender be que essas contradções se anfesta da coahsao no agressor*. quadro Todas essas pessoas quere a esa cosa a estara prontas a r até o f se «u fazer outro> as despesas da aventura. «u«a«k» quzesse Eles só coeça a se nquetar quando percebe por s esos as conseqüêncas edatas ou reotas da crnosa polítca que, aprova e prncpo. Se a faosa- teora da guerra «aperta-botão» não tvesse sdo desentda pelos fatos, é partcularente pela experenca da Coréa, so a dostração da Unão Sovétca aparecesse coo possível se ser necessáro colocar era capo u enso aparelho ltar, econôco e fnancero, não veríaos aníestar-se na coalsão «ua confusão de espírto que parals-a as vontades»,.para usar Hs expressões do «Parsen Lberé:>, que faz soar de novo a trobeta guerrera. Esta «confusão de esprte não é u sobressalto de concênca. Ela traduz splesente o- edo- dos eos drgentes do partdo áófcano dante da apltude dos probleas colocados pela subssão a poltca cle guerra de Washngton. Ela tra o edo dos cúplces da agressão à edda que se desenvolve o ovento de resstênca popular àquela polítca. A força da oposção popular ao rearaento da Aleanha é tal, sobretudo na França, que não é as possvel responder por u «não> Pede a volta do ponto de ônbus á rua Nerval de Gouvea a dsposções que todo francôs consdera, de qualquor fca, dgnas de exae. Nessas condções, a tátca «ocdental» va se odfcar lgeraente. Londres, Washngton! e Pars já recorrera a ôsse precesso que Staln denuncava.ustaente. coo vontade de dscutr se vontade de resolver, «Recusar-se pura e splesente a conversar pa rece apesar de tudo bastaníe dfcb, escreve o correspendente de «Le Monde» e Washngton, que nos dá a honra de revelar o «truque» aercano. Va-se portanto «conversar», ras nesse eo tepo Esenhovver ve a Pars nuerar as suas dvsões aleães, Mac Cloy conferenca co Adenauer c as conferencas de «pertos ltares» vão coeçar a qualquer oento, apesar dos confusos desentdos... ÍTaó eso tepo Acheson declara que e sua opnão a nota sovétca não é «sufcenteente explcta:».,. E evdente que nessas condlções sera absurdo dar fé às pretensas anfestações de «boa vontade ocdental» e às afratvas de pura propaganda segundo as quas os norte-aercanos acetara a cração de ua Aleanha «neutralzada» e «deocratca*. A verdade é que estaos agora no ponto e que os aercanos não pode as se dar ao luxo de recusar o prncpo de ua dscussão. Já é u êxto para a paz. Mas sso não sera nada se o ovento pe- a paz, e especalente a ação popular contra.o rearaento aleão, não consegusse por a esses «conservadores» Moradores da Estrada desonestos ua Lntehdente Magalhães, de Deodoro, Senador Caará e nada a «resolver». verdadera dscussão dest- Cascadura, faze, por nterédo de prensa Popular, E nútl dssular que a dscussão u apelo não ao Dretor do Tráfego, pode resolver *.no sentda de que volte sobre a base de u «coprósso» relatvo à deslt- a estaconar 6a ônbus que lga Cascadura àqueles suburbostarzação: ou a "Aleanha é na Vua Nerval de desarada, ^Gouvea, dehayto ou "\os do vaíluto não é. t,nf>., Nãofse %a estaçã^ trata,.. wat«mf pasfesaber se se pretende % $ã& ~^^4 ^«Sf as «teses sovétcas» Hue nào jsquestao Trata-s$ ds pfe tánte esíã^^gton, a^ se Adjü- vdendos>;.á serer^^. decsses %rtos.^h HÈbj*^,^H JMV Esteve onte e nossa redação ua cossão áe jovens res* pentes e Jaçarepaguá que veo protestar contra a volenta arbtrara t prsão do enor Roberto Azevedo da Costa, efetuad* por polcas da Orde Socal na adrugada de onte á nu Cânddo Benco, naquele subúrbo. Segundo nos nforara os coponentes da cossão, o jove Roberto anda se acha tendo sdo petrado preso., «.hvbeas oorpw» e seu favor. No clchê,* o.cossão quando falava ao noaso redator. Coparsa de espancadore* 0 Vgáro de Guararapes S. PAULO, 5 (P) Soldados da Força Publca e beleguns da políca poltca puzera a cdade de Guarárapes e pé de guerra no da 7 do ês passado, na esperança de evtar a realzação de u Congresso de Operáros e Caponeses. Agora, poré, surge u portante detalhe denuncado por u caponês que o vgáro da greja local partcpou dos espancaentos p olcas, acrescentando que o sacerdote fo vsto bebendo cerveja Apresentouse o polcal assassno Apresentou-se á delegaca do 24.» dstrto, o polca especal Valter Vera de Albuquerque, covarde assassno do operáro Frno José dos? Santos, cre ocorrdo no da 3 do corrente, na Avenda Autoóvel Clube. O repelente ndvíduo, de - pos de prestar depoento, retrou-se. 0 PO CÉSAR rua DOENÇAS E OPERA- COES DOS OLHOS CONSULTÓRO: R. 5 de Novebro, 34 - Telefone 6937 ~- NTERÓ PRESOS, dos aos açoústâlb^p^^ :%fhõaw ^^^íããpvaãâs osr.*3-^ aa^m í*^*s3e^èr w-<"<«-~-^.-^.--íaskh^bbsut CíU,- arnf no DstrWf Jía-, ulta nova,. sewtalffl^utw^svn^ Í ííos - í«ás oísk f^t[st SSd6^nUt4S a secreta^ or cartaz, no a:*&& ^fe^^oqldentaís^p^te brelra,\vu-se de repente cerca \\^r.$%lk^^ não é, aííl clfr Contas, as do pela polca. O delegado é ^^ÍWÍp dl votos dc nalvade Olvr^ --- **«^>^ ;,f. nassanc Ja! Carta de Paal Cosnltó.- } sua que o respeto ã assnatura espancador de noe Baha ln ao decorrer desta O projt desses eovprnnc. «wau \<su vaduz os entos otueos ene e partcná.vat( co os «tras» e co ua ca* rabna de baxo do braço. Enj frente à greja, o padre an* dou colocar u cartaz cor* fecconado pela polca d«propaganda ant-counsta. dz a denunca do trabalha dor. MORTE SUSPETA Quando era reovdo par» o H. P. S., faleceu o coznherf do Hosptal São Sebastão; Orestes Fernandes, de 25 anos, soltero, funconáro uncpas,- Orestes, segundo declara. seus colegas de trabalho, desde.:. dongo_,ulto ^yjnha s< quexando de fortes dores estôago, atrbundo o fato c u bolo de ca-.fe que coera. Onte, porando o seu estado, fo para ole solctada a assstênca do H. P. s., nfela ente se nenhu resultado, Suspetando trata-so de sucfc do, a polca reoveu o cada. ver para o nsttuto Médc«Legal. NCÊNDO EM NATAL NATAL, 5 (Do correspondente) rropeu u granda ncêndo, onte, nos deposto* da fra João Câara, ndus» tra e Coérco, S. A., da e. dade de Baxa Verde, nêstt Estado. Os prejuízos são estu ados e centenas de lha* res de cruzeros. Os epregados da fra e populares ex<= tgura o fogo co grande esforço, utlzando a água dt açude próxo, graças a«transporte feto por canhõe» que para esse f fora oblzados. DESFLARAM SAUDANDO PRESTES ^Flt^r^JP0 coltespon-; do aloço dente^^r-.jot^-^wocedentes a tí^*^v^l~?\ ca vl a» í, J3 a verdade íe\ V. ^fv?y. o aparato polcal. Os no^. /* trotas fora lbertados ^ tú segunte e vrtude dí"~habea!*- corpus cnnco.rldn oelo jua-... ^

7 6..V3 rkensa PUFÚLAk Págna 7 Flaengo x Atlétco ~ X**ta.* ntnnnac nuaxrrn ü FSTBtflA DF ADÃOZNHO TJOLO- MALCHÉR OU MARO VAN/> CHEGAM HOJE OS ^^^^tls^pè^fã aue NO QUADRO DO TOlCAMPEAO MNERO ete. Chega hoje a esta Captal 03 craques do Atlétco Mnero, de Belo Horzonte, os quas, aat hã, a note, no capo da rua General Severano, darão cotoate ao conjunto do Flaengo. r O nterestadual está sendo aguardado co ansosa expecatva de vez que o publco caaúoea terá oportundade de reycr o capeão nero, o heró de recente jornada nternaconal, Exceção de Lauro, já conratado pelo Botafogo, estarão e ação todos os craques «carjós», que partcpara da exeursáo ao Velho Mundo. ADÃOZNHO DE FORA Nos círculos rubro-negros dyerge as opnões quanto ao lançaento de Adãoznho neste CADA DA QUE PASSA MAOR È O NÚMERO J DE BRASLEROS QUE PASSAM A USAR A Pasta Dental ebate. Alguns - aqueles que so lebra do nsucesso de Keres - acha que o craque (fleve. ser poupado, aguardandose ua elhor oportundade» para a sua estrea, no onzo da Gávea. Oportundade essa que se verfcara, por ocasão dos jogos do torneo Ro-São Paulo. Não jogando Adãoznho, o quadro para a peleja de aanhã, deverá ser o segunte: Cláudo; Osvaldo e Juvenal; Arstóbulo, Dequnha e Bgode* Bguá, Harry, Grngo, Durval e Esqterhha. Coo se vê a esa equpe que venceu o Fa x Flu. O juz da partda será escolhdo de cou acordo. Podeos adantar, no entanto que será ndcado u dos naconas da prera categora da F. M F. LAURO NO BOTAFOGO Reportage de LAERT PAVA Voltou o Vasco a benefcarse pela sorte. E sto aconteceu antes eso de sua equpe entra* e capo, na tarde de dongo, para penar durante todo u tepo. tradconal adversáro. O prlero tnha a sua ausênca, as ou enos postvada, já há alguns das antes do ebato. O ulto, no entanto, fo Arosto, Bragunha e Ávla surpresa de ulta hora. Vta de ua ntoxcação, na tar se consttuíra no «handcap» oferecdo pelo Botafogo ao seu de de sábado, Ávla fcou LBERATO BTTENCOURT FLJO Counca a seus agos, alunos e antgos alunos que rencará suas atvdades no corrente ano, nó Vasco O ea Lauro, do Atlétco Mnero, transferu-se para o CONTRARARAM A Botafogo. O clube de Carluo EXPECTATVA Rocha pagará ao Atlétco oc C0LE60 LUTEGA Apesar de todos estes precalços, os botafoguenses entra- cupru be a sua ssão., l cruzeros pelo passe, devendo o atacante ontanhez ra e capo dspostos a vender caro a derrota e, s poss- soente ua vez lhe escapou, Easso anulou Ader, o quaj frar contrato na esa nos cursos Gnasía Clássco e Centfco vel eso, levar de vencda o ocasão e que bateu tanoe, base dos ttulares alv-negros, DURNO E NOTURNO esquadrão de São Januáro, a Santos e, da lnha do fundo, Para tanto severas nstruções centrou para Maneca, quo at ATLAS sto é, 7 l cruzeros ensas. Lauro deverá recebe Matrículas abertas fora dadas aos craques botafoguenses. Prero, Cennho valdo, assnalando o segundo * encontrava a u etro de Os- anda, 20 l cruzeros q e R L A 24 DE MAO, devera jogar recuado de as, ulto goal da tarde. a f de dar auxlo a Carlto lhe deve o Atlétco. Juvenal e Carlto, a quera ca«roberto, enquanto Prlo desepenhara o papel que cabera a PASSE VOCÊ TAMBÉM Bons os Prograas das Pr bera correr e ca de Ma* Gennho, nua partda noral neca parara na jogada, taü» AMGO BRASLERO para - equpe de General Severano. Não fo por acaso vez agnando u pedew to, A USAR A que não houve, porouantfc que a Prlo fo coetda esta tarefa. Santos brgava co Ader, na lnha de fundo. Mal preparado fscaente, jogando debaxos dos paus, Prlo Pasta Dental! De odo nenhu outro aefensòr alv-negro coeteu fjj CORRDA DE 20 DE M 56 Falcão 60, Ètrtcolle j O.4 pareô.400 ts. - j pregara uto cedo, pos, o seu 54 Real 56, Nco Bf e Chefe 56. Cr* ,00 - VnetaJO, Je- fôlego já é nenhu. Neca, enlhas que redundasse eí! tão, ra ser pratcaente o Sr pergo para ^Osvaldo, 7 JANERO ATLAS 3» üareo t ts.., - cutau 56, Alcazaba 52, Me- únco hoe do alv-negro den Rubnho arcou be "3»?^ ;.. pareô.500 ts. Cf? ,00 Vscondessa da Luna 56, Poranga 56, Thas ^ro a& area. Paraguao, voltan Juvenal e Carlto falhara q.o»nas nos lances dos tentos, * TRÊS VEZES BÔA < Cr$ ,00 Peso: 55 56, Lobela 56, Ttã 52, Bola 50, Erh 54, Waxy 56, Musa 56 j d0 a j0ga jogar be, sepre que pudesse estara ao seu lado, e E C E M POR CENTO > Happy Boy, Avante, Matador, Dourada 56, ljana 56, Noralsta 56 o Vtora do Palar 56. Valter, bsonho anda, sera s- e Easso. O ulto, no entanto, e Mandnga 54. níeso acontecendo co Santo* BRA S LE R Aí Chantecler e Senta a Pua. 2." pareô ts. 4.» pareô.500 ts.. 7. parco.500 ts, fez elhor partda que o sev píesnente q ponta-esquerda. Cr? SO.000,00 Charão 56, Pe- Cr? ,00 Elàn 5(5, Wnter Kng 56, Patfe 52 Thun- Moneo. 54, Caxabú 54, La Co- \ na partda do dongo, pelo e Cr? ,00 Salpcada 54, sto o que se pôde observar, copanhero. A lnha botafoguense, no perndo fnal ressentndo-se de un derbolt 50, Cgana 54 e Loo 56. rá 5), Cavador 5, Plcase 48, nos, na prera fase. E anda a verdade que se dga; a tátca n^spoo, pouco trabalho deu 5.«pareô.600 ts. _ ~\%! Parlaento 60, ta 48, Haus Cr? Zàlus 54, sprà 49 e fupletstá 49. botafoguense, enquanto Gennho â defesa vasçana. P.s, afoa o Prlo tvera fôlego, deu certo. Prlo, atrasado, fo arca- alguas jogadas de Par:.gna<f 52, Lollypop 56, Acer, 58, Macanudo 54, Espuoso 54 e Co- Cr? ,00 Peso: do por Danlo, que entrou e 8 pareô.200 ts. ;! Neca, ounse nada fez. Ahvdos os defensores do.eu.e_de xna 54. Endloss, Cotesse, Keaor, capo não para arcá-lo, as/.,-ft São Janráro, prestara dcesao ataoue, onde ípo- ajuda Küst-- Descíaos a rapa da avenda Maracanã, e eo aos torfedores, que dava expansão ao seu júblo, c face da vtora 6.» pareô ts. -- Dança, Laca, Mald, Hlesn, para vgar Gennho. Resultou -WC^ fo o CrS ,00 Carnho 5,6, Felea. e Õvía, sto nu envolvento dos de- as técnco e Maneca, o as dnâco, aoesar Trónte 56, Díacúlà 50, Naít fensores do Vasco, os quas al - dá severa arcação que sobre de Vasco* Tveos a nossa atenção despertada, nó entanto, para Club 52, Háhbál 52, Lnda Do- pudera defender-se. das cargas v- ] ^,çs6s.j,. alternadaente u grupnho, onde u ndvíduo pontfcava. Botafoguense de contraras, ajudadas sepre por na 50, ltatnba 52, Balanrn yg^eraã íwpap _ t 6 Carlto!. _ u defensor - -, Juvenal quase quatro costados, procurava explcar a derrota. agnava 54, Hare 52, Areja 50 e Ben sepre e até Santos, e AVfrdlv/waíeauto; Djaír. certa «a falta de Ader e Carlto c assegurava que Maneca, ao Hur 54. Notas do tarf fo be açado.. E Ade. ocasão. Custara oa! ícanos ua«decretar a queda do arco de Osvaldo, se achava peddo. U 7.? pareô - -l-mo ts. aprovétoh-íe-otfaente. rulup-ncííro, ntegrante da roda, resolveu, então, consolar o alvnegro despetado... careí 56, Brown Boy 54, Ruvo a égua Landa, que va cor- deparara ;&*, $%Y aay Cr? ,00 Vcludo 54, Ja- Seguu onte para S. P?.ulo duas oportundades que sív e j Não há de ser nada, eu ago. Dongo vocês vao 52, Fogo Bravo 56, Exeplo rer algu tepí era Cdade OUTROS DETÁLH2S vencer. E vencer be. Va ser de punhado. U, ncêndo, 54, Sol Bonto,52, Jard, após o O botafoguense sorru satsfeto e, as calo, lançou a que se recolherá ao Haras São José e Expe- RENDA --- CrS Psnópla ,00 sua dúvda quanto ao resultado do prelo de dongo. O rubrojlegro, então, voltou à carga. ; Va ser de punhado eso. Negoco de 4, b e talvez >tc- 8;.... Ora, dexe, de bobage. Co u escore destes o Aetf«ca pode dar adeus ao capeonato. ;. t A è que tú te enganas. Qual adeus, qual nada. O Aenuca va perder de banho e, no da 28, passar pelo Vasco por u gôlznho a zero. E o goal va serde pênalt ou então gual ao [ÜA Natalno, no prero turno. Ora bolas-... sto c u sonho. U gonho ft. as acontecendo, é do crco pegar fogo, L. J., P. *"...->;:..,,..M.*«&&áÈ>èk^.~- L&boratóno Sydkex Resende ^rvé^. fe»«7«ul «-,>w~t;,-í a-,-,-.-.-tg-r\-ntttr~t~-v -rx r --r-"* - -^-sj; <^t% jy-aq&^&fâ MjÉHjP r,^ímmê-^lvxks 8." pareô ~~ ts. ~-! Cr? ,00 Alecr, 54, Mavls 54, Negra Mara 52, Saquarea 54, Furáo 56, Gue 52, Mranto 56, Habanera 54, Pacalano 54 e Hong Kong 5.8. CORRDA DE 2 JANERO DE l.«pareô.500 ts. Cr? ,00 Peso, 55 Chuva, Obéla, Farawày, Hoe Fleet, Elanut e Bola Azul. 2. pareô.400 ts. Cr? ,00.. dealsta 54, fequtnhonha., 50, Arar 48, W Drea 52 e Luetzow 52. *. páreo (.* prova espe- 4\ éguas).300 ts. íwtojoo.uo.^- Elte 6, Ba- " UAt* J?&~* VMHlOy"- ^O.ruí sy:r\\ Coralíaeo 55 -e -Of.vv";.aW dtus, onde servrá coo roprodutora. XXX Arando Rosa plotará Torpedo, que já se encontra.-an São Paulo, no prêo Pratnn^a, u clássco" e 2.00C etros, a sér corrdo e Cüda de Jard. XXX Hlea, Popova, Sol Bonto, Montenegro e Juru dexara as cocheras de Goncalno, passando pára as de Alexandr,e CòrreaV Ú l.. :-xxx^ / possbltado de atuar, no dongo. E se u substtuto á, altura Rchard, o hoe ndcado para o posto, ale de encontrar-se se contrato, não apresentava condções físca satsfatoras Carvalho Lete teve de lançar ão de Carlto Roberto. Auentava-se ass as apreensões da dreção técnca do alv-negro, já bastante preoeupada or não contar co Otávo e Zeznho, portadores de elhores condções para apareeer nos lugares de Arosto e Bragunha. Fora lançados èntão, Prlo e Valtcr, u veteransso e cansado c o outro, absolutaente nexperente. :-V "a ;.-,-;.,-.-;77::v«t a se apercebere da tátca alvnegra, que dexava Laert prat,- eaente se nngué para arcar, as Danlo encarregado de dos hoens, quando Gennho desca e Prlo nfltrava-se as u poue, propcando abos a Neca as oportundades que perdeu*. Rvyelourse então, nessa fase Je doho botafoguense, a segurança de Barbosa. Augusto, tabé, não deu ua fo&a a Valter. Ely teve altos.6 baxos na arcação de Neca; Jorge, por vezes sucessvas, dexou Paraguao ncursonar, enquanto Laert exerceu severa vglânca sobre o. eso, quando o pontero jogava no eo da area. Danlo, pelos otvos que já reveláos, nâo pôde fazer o seu jogo habtual. ^ MXM a A SEGUNDA FASE Mudou por copleto o p,!«s* raa do prelo, na fase fal O goal-relapago de Ader, batendo Carlto o colhendo d«surpresa Osvaldo, aos 20 seguu dos de jogo, contrbuu decsívãente para sto. Prlo. cansado, não as exí» gu a severa arcação de Da» nlo. E o centro édo vascanfl passou a alentar co cíc» ênca o atanue, ora estcando í Maneca, ora passando a Jpojucan. Os papes nvertera-se po* copleto. Osvaldo é que passou a ser epenhado. A defesa.dfl Botafogo então teve que uaba-, lhar co afnco para. evtar * sucessão de tentos. E dga-se fl< passage que, até certo pontq.., LOCAL -- Estádo do Mar** cana JUZ -- Tjolo (regula) VASCO: Barbosa; Augusttf e Laert; El, Danlo e Jorge; Alfredo, pojucan, Ader, Ma &. neca e Dejar. BOTAFOGO: Osvaldo* - Basso e Santos; Rubnho, Carlto Roberto e Juvenal; Paraguao, Gennho, Prlo, Neca, tt. Valter. W* Te-Los de Ader, aos 20 se*. gundos, e Maneca, aos 25 lnutos, abos na segunda fase,. a.^.,.,,7,^*í^y,77r;;..".-: t7 t*$ J l. l 5; { :: n\ ". /» - ; :--.:.v.*;.<;7:...v.ct..f7 ;. /?«Sfe:,

8 v; &&*s«" ".«* l P j^%?l!l""" trancados à Mséra dos Operáros lactas ernpr^ tfabtr» trn lucre sete vezes Mor que o capítáfenj ovento to ano passado - Verdadero^feudo enqustado no coraçãtf %s subúrbo» da Central «Negado o Abono de Natal a trabalhadores que representa cada u, u lucro de 40 l por ano... **~ : / &o dejàro» Terçadra, 6 de Janero de 95 Todas as terras e a gíáh; de parte dos óves exstentes entre a serra de Ban* gü e o; Guando do Sena,.;de u íado, ç entre Üíoça Bon* ta o Senador Caará, de ou- ÉlÉÍMDescer ta lé... Neta e Nvaldo» preòr par de estres sala sael o baluarte da Es" jcola Marsa e José fce séra Alcdes Barbosa» o poeta do o ro Reportage de SALM tro, pertence aos donos da Ca. Progresso ndustral, sto é; Gulhere da Slvera. A polca, a corporação de NOTCAS OPERÁRAS boberos, a fscalzação da Prefetura, o servço de Saúde Publca, todas as repartções, enf, sedadas e Bangú, O nosso jornal ve de lançar ua grande capanha fnas^.. só obedece as ordens de cera co o objetvo de levantar a quanta de 0 lhões - d* cruzeros para o reaparelhaento da prensa do povo e todo u Únco ao: o atual o Brasl. A capanha é de vulto e deonetra antes de tudo a nstro da Fazenda. ltada confança que os jornalstas do povo deposta nog Depos então, que fo feto patrotas de todas as caadas socas e spocalante noa tra* balhadòres, que.sente coo u patrôno da classe operára nstro da Fazenda o tubarão da ndustra têxtl caro- quartel da reação, defende seus nteresses e revndcações tf braslera os jornas, que. sob a persegução constante e sent ca te usado e abusado ãase poder sobre o feudo serv- sadas dfculdades, e os trabalhadores sabe dsso. Não ds«luta por seus dretos econôcos e polítcos. Este nosso jornal luta co treendas e cada vez as p*v do pela Estrada de Ferro Csntra do Brasl. alguns poucos anuncantes, O preço do papel se elevou de foral poos de outra fonte de renda que não seja "a venda avulsa fl * brutal e consoe essa pequena renda dára, dexando anda ua Antes, procurava responder larga arge de défct,auentada sepre co as peródca* às capanhas revndcatóras dos trabalhadores, co cerco àquela epresa gráfca, que pedndo a crculação d» apreensões polcas nas bancas e ás portas da ofcna, co tf nossa folha tradas deagógcas: encha por das a fo, ocasona prejuízos de utas dezenas" dtf lhares de cruzeros, co os processos envolvendo dretor e roda.* os paredões da fábrca co fores do nosso jornal o requerentos de «habeas corpus» quas cartazes proetendo elhoras de toda espéce, afr- e.fotógrafos presos e servço profssonal. Apesar de tudo sstf. dáros para arrancar dos cárceres da rua da Relação reportere* e dá vda dura^e de sacrfícos se conta que são obrgados a( «ando que os operáros da fazer os que trabalha neste jornal, não cedereos u palo Bangu era os as be pagos da Captal da Republca, jaas pertreos que os esblrros da dtadura, estrangulando de terreno & reação, não dexareos de crcular u só da o" a no3sa prensa aordace o proletarado, que luta por sua etc. Depos, coo essa de- revndcações e por u futuro elhor, Contaos, pos, co a agòga não surtu efeto e os trabalhadores auentara sua capacdade de luta, tt* lzou-se da força para reprr os oventos, andando prender, espancar e dctr os prncpas lderes das capanhas por auento ***» ajuda fnancera dos trabalhadores nesta capanha, que é vtal para a nossa prensa. E, a elhor e as rápda anera d< levantar e cada local de trabalho algua contrbução fna cera para o nosso jornal é crar edataente ua Cossão de Ajuda á prensa do Povo, que atuará, tabé, dentro da fábrca ou epresa coo u grupo Je repoteres voluntáro! para o nosso jornal. As contrbuções que fore arrecadada* deverão ser encanhadas á nossa redação, Esperaos que tf nosso apelo seja ouvdo e cada contrbução trazda consttur! para nós estulo e nosso trabalho e aor responsabldade nesta batalha que travaos., (Conclu na pág, 2.) MARA DA GRAÇA FABR/ãS SNDCATO DOS ESTVA* DORES Hoje, assebléa geral extraordnára, às 6 ou f# v^^éwtlfv oa objetvos que te e vsta, solctaos a ajuda dos ^v<-./.-/- própros trabalhadores, que deverão envar eorre^onden...;s.wí:^^?a para SEÇÃO SNDCAL - rua Gustavo Lacerda, 9 í :,. Mw ü sobrado; ou telefonar para , fazendo suas denúncos e sugestões. $u a garbosa rapazada d» dpero da Tjuca. Nua pose eapecm para o nosso fotografo Santos Guerra w guando atngos a corôa do orro da Forga, que antecede a todos ensaos. tera, Alcdes Barbosa, no SEGURANÇA Aptos quebrara o slenco, rapazada endabrada da bu- RECUSOU-SE A ATEWEB O TRABALHAM SEM ACDENTADO pnde se localza o terrero A batera entra forte, abranda logo e seguda, e a voz pacte, eo da roda, dz á. segunda ta escola de saba «péro As 5 horas de sexta-fera Operáros de ua construção da Tjuca», o ensao desta das pastoras se faz ouvr e «Tanto que eu custe a cons o trabalhador da Central do e Honoro Gurgel quexase contra falta de segurança agreação Já hava terlv toda a sua beleza. Canta [trur eu lar Brasl José de Tal, do quadro fado. As preras pastoras o eterno otvo da separação. Letra e n»eloda de Atorona* de Deodoro, teve u dos oés sonado város desastres. No Para o áu destno vr des- de epregados das Ofcnas no trabalho, o que te oca* trsyancava-se na escadjtha o» de adera. Desca e cdes Barbosa, que deu à sua Laento a tua ausênca esagado por ua barra, de últo acdente al ocorrdo fuava para «s seus casejbres. ra descansar o cor- Fo o destno que quz le- usca o noe de «Laento Mas tenho que conforar ferro, quando trabalhava. os operáros Pedro Couto e a tua ausênca.» bo cansado, não d» ensao, [var. -,. Õ/nduzdo para o Servço M*- Severno Bernardo caíra á dco, o dr. Eub Tavares ua altura de 25 etros. O eu lar fo feto pá" jpos as evoluções fora íentas e suaves, as dotrah» zada va descançar para pa- pra dos Terna o ensao. A rapa- Pedrera Franco recusou-se a prero rteve orte nstantànea e o segundo orreu o- [orar Mas não fu felz eu vvo a edcá-lo, alegando que o lo na fabrca de cgarros, gar fre no batente na anhã qe ve chegando, acdente não era grave. penar, Levado então para o Hosptal Nosgo após os preros curat» [Ue fca lã e baxo. A nosjx presença, no entanto, sa Senhora de Lourdes, fcou Não houve, rotna. p,,ne^ {dscussão íranstornou aqueles planos. tea, OVüeUE E ASSNt constatado que o eso hava sofrdo fratura de u dos jf, para ganhar Ua fotogra- Foos obrgados a nos se-.. Ma no jornal, que não querra fcar as u O destno áu e traçoero [parar PROBLEMAS pés. pouqunho, fétar as u sabnha?.rôdo. o undo, é claro. íaento a swa v^auséncla.-,,,yy " -O v.-..., fv[ Maa>^uanta, Georífna, lda; JErnestna e uts jpu- \\íãs dera ea volta.\e ç -lasj--subndoyá escadnlw, ÊSSaÊM ^ntaente conosco* olhafçítn curosttv0 a ** «Sne- tfsv.-*- * * ; -., WÊ <..-^.^\>!.> Envou-e a ausênca de u [grande aor. Na roda, Neta è Nvaldo, co o pavlhão gloroso da \ escola, apresenta passos de; estre. Ua cada aqu, u MwÊ Keata.seção regstraos teclaações é^^ :4êhuhcàj3,"g hvt-o. vãsí dos-trabalhadores, nas: ertnrêsáb - «> ^"""tl"^ f de aue ela possa ser antda daraente e atnja CONTRA A BOMBA ATÔMCA vos no Hosptal Carlos Chagas. O andae que os sustnha cedeu, precptando-se abos ao solo. sto, alás, ve se repetndo e nuero sas construções que eprega aderae velho nas obras, colocando e pergo a vda dos trabalhadores. FABRCA PRÍNCPE DE GALES recebeos a correspondeu- 7 horas na sede sndcal, para dscutr a segunte Orde da Da:.) letura, dscussãq e aprovação da áta da asse* -Mea anteror;. 2.)..,<. revsão Sát.:nn l-:v-^»>ú~y -y toct- gfob. Ana. benefícos para o exercíco da 95; 3.) revsão da prev* são orçaentara do exercíco de 95; co nclusão da ver* ba do posto Sndcal; 4.) depóstos dos «excedentes d4 contrbuções da prevdênca socal» verfcados até junha de 950; 5.) petções do assocados elnados solcfc tando rengresso no quadro so< ca; 6,) exposção de o< tvos do Sr. Presdente e 7.): < chaados de novos fscas pa< ra o trestre c ELEÇÕES MABCABA8 PARA O DA 26 No S*< dcato dos Jornalstas Profs* sonas do Ro de Janero. Cork correrão três chapas encabeça", das respectvaente pelos jov< naísta Porto da Slvera, atua presdente do Sndcato, Nestoí Barbosa Guarães, abas se atestado de deologa, e VctoB do Esprto Santo. Sndcato dos Marcenero^ Há ua únca chapa regstra* da na secretara da entdade* se atestado de deologa, e cabeçada pelos lderes da cor* poração Antenor Marques ô Gregoro Paxão. CONGRATULA-SE A VrV* RA DE ELZEU f- Recebeos ua carta assnada pelo ex* trabalhador daj Carrs, currupo adante, ua que-í ca. Publcareos reportage bra de corpo, deonstra 6 Barbosa de Soíza, chapa 953, HOJE, EM NLOPOLS, AS Alfredo de Aleda Alentejavalor \ o prero par de ^- 9 foras -p» ro, sohre^o assunto terça-fera vce-presdente da A..B.A.; de congratu^cões co seu? wtestwscde sala da tradco> na! espa. Mársa st, 3ask Proovdo pela - sr.», José Ferrera, secretaro. da fxa. eac-eopanhe os de setor pcs». Assocação Assocação e as <»s drs. 6» BRCA BANGÜ a vltá^daphapa n^ek^_,; segunáslpor dq rneslbsl Pela nterdção da Boba Atô- Pve.g, engehejjo Fernando.. ^_~y. "??.=-A^ cttídestj^; ;*P^l,> KS»/^ jjeaü*aj 8e-â hoje, e Veraadj^.tèAÈretâ ^r^ftlítóz Lobo Carnero =j»sw»^-----r-,*-.«stm^wíluh íexa^ejravjprfl^l^, "fla? r-*--*^sra-fc5^ecôs, for.:^w$ w«t)~w,,«erají estaratlreahzundò enla- para & secretara cl^-^cate^- T/.- " a data "Ju Sé 8 <te íanéro. affoprn future» l nondo -fíríaü ê noóí.-yü;^* casa-jíoí cfl5?n. fín ttulàj eé ^l.bàstccrfsítet^lás anfesta- Co t)olbudas^.l W»*»- --«ocaentass,!- ükqüe bp s«t««««.,.._. <s " João Fetosa Co-, xs> à avurlxçxo, vêndo-so a RanJJf Federal, fa ra os seus < ^eo^d?x [o^condções para la.: brera/\vlw ".dòèfapem.^-üuc ^oàp-éíl.!}^»^"^ 3 ão VW dos ê, afnal de contas, rnáí do \ço dc votos dc Dalra c\a0l\rr:j&. Carta do Pas Cosnla;.. y..u /for sua çuo o pela respeto a olelal. assnatura Os no^ j ^decorrer desta O projeto7 desses dovo -.ajlraduz os entos e.v» V «X aa ^t jg- «ftí"-:;-- y M0 Aj:. <«M y \- Auttf

Missa Nossa Senhora do Brasil

Missa Nossa Senhora do Brasil é%0'.m> }JÍU Pe. José Alves Mssa Nossa Senhoa do Basl PARTTURA Paa 3 vozes guas e Assebléa (*) (*) A pate paa Assebléa é edtada sepaadaente " en cha A 10. Publcado pela: Cossão Aqudocesana de Músca Saca

Leia mais

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Modelagem Analítica do Desempenho de Sistemas de Computação. Disciplina: Medida de Probabilidade

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Modelagem Analítica do Desempenho de Sistemas de Computação. Disciplina: Medida de Probabilidade Departaento de Inforátca Dscplna: do Desepenho de Ssteas de Coputação Medda de Probabldade Prof. Sérgo Colcher colcher@nf.puc-ro.br Teora da Probabldade Modelo ateátco que perte estudar, de fora abstrata,

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento CAP RATES, YIELDS E AALIAÇÃO DE IMÓEIS pelo étodo do rendento Publcado no Confdencal Iobláro, Março de 2007 AMARO NAES LAIA Drector da Pós-Graduação de Gestão e Avalação Ioblára do ISEG. Docente das caderas

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABIOETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA HABEAS CORPUS CONSTRANGIMENTO ILEGAL NÃO DEMONSTRADO ORDEM DENEGADA. .

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABIOETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA HABEAS CORPUS CONSTRANGIMENTO ILEGAL NÃO DEMONSTRADO ORDEM DENEGADA. . ge"..34v 4A k?a 4. h JusrmrS ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABIOETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA ACÓRDÃO HABEAS CORr US I'N o 200.2008.032699-0/00 RELATOR!I : Des. Nlo Lus Ramalho Vera IMPETRANTE!

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

MEDIÇÃO DA ACELERAÇÃO DA GRAVIDADE COM UM PÊNDULO SIMPLES

MEDIÇÃO DA ACELERAÇÃO DA GRAVIDADE COM UM PÊNDULO SIMPLES Medção da Aceleração da Gravdade co u Pêndulo Sples MEDIÇÃO DA ACEERAÇÃO DA GRAVIDADE COM UM PÊNDUO SIMPES O Relatóro deste trabalho consste no preenchento dos espaços neste texto Fundaento Teórco O pêndulo

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Das ideias ao sucesso

Das ideias ao sucesso www.pwc.pt Das deas ao sucesso PwC Startup Portugal 1 mllon fund project Busness Plan FY 2014/2015 Crou recentemente uma empresa com forte capacdade de crescmento? Tem espírto empreendedor com deas novadoras?

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte Controle de Ponto Eletrônco da Câmara Muncpal de Belo Horzonte Instrutor: André Mafa Latn DIVPES agosto de 2010 Objetvo Informar sobre o preenchmento da folha de frequênca; Facltar o trabalho das chefas;

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

.- >. , '. expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior no âmbito I desta Universidade e;

.- >. , '. expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior no âmbito I desta Universidade e; , UNVERS Fundaçso nsttu(da RESOLUÇÃO NO.^&. >., '. nsttu normas para revaldação a) 7. c),) de dplomas de graduação t

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO / gtv. ESTADO DA PARAÍBA # PODER JUDCÁRO 5 8 Agravo de nstrumento n" 2004.008919-2 Relator: Des. Luz Slvo Ramalho Júnor Agravante: Antôno D'Avla Lns Flho e Espólo de Luz Antôno da Slvera D'Avla Lns. Advogado:

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA (Ofíco n. 077/2013-GDJAFS) PISO LAMINADO - CARPETE DE MADEIRA 1. DOOBJETO O presente Termo tem por objetvo a aqusção e nstalação de pso lamnado do tpo carpete de madera numa

Leia mais

COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA. Som da Vila. Cifras e Fichas Técnicas

COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA. Som da Vila. Cifras e Fichas Técnicas COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA Som da Vila Cifras e Fichas Técnicas Músicas 1. Nosso Louvor... 3 2. És... 4 3. Toda Honra, Glória e Louvor... 5 4. Agora e Sempre... 6 5. Àquele que pode... 7 6.

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

AT.'YJOAOES DA CNEN NA AREA DE INSTRUMENTAÇÃO c CONTROLE. Hilton A, de f-felld. 1. - Generalidades sobre o Projeto de Instrumentação e Controle

AT.'YJOAOES DA CNEN NA AREA DE INSTRUMENTAÇÃO c CONTROLE. Hilton A, de f-felld. 1. - Generalidades sobre o Projeto de Instrumentação e Controle AT.'YJOAOES DA CNEN NA AREA DE INSTRUMENTAÇÃO c CONTROLE Hlton A, de f-felld 1. - Generaldades sobre o Projeto de Instrumentação e Controle A area de Instrumentação é Controle ê de vtal mportânca para.

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

CONTRATO Nº 229/ 2014

CONTRATO Nº 229/ 2014 CONTRATO Nº 229/ 2014 Prestação de Serviços de Consultoria especializada em gestão na área de planejamento estratégico e mapeamento de processos. Que fazem entre si de um lado a Prefeitura Municipal de

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

,N,-, i.r,n 1L-~jih '. t'.. -:,

,N,-, i.r,n 1L-~jih '. t'.. -:, N- RN 1L-~jh ' t' -: t I j- :: -'; : t flt;' 1 _ 'A- tl : ESTADO DA PARAÍBA r 4 PODER JUDICIÁRIO 1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB DES MARCOS A SOUTO MAIOR ACÓRDÃO :I 1 RECURSO OFICIAL E APELAÇÃO CÍVEL N 0172004001370-2/001-1

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL Normas Regulamentares PREÂMBULO O regulamento geral dos cclos de estudos conducentes ao grau de Mestre da FCT-UNL organza,

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIARIO GABINETE DO DÊS SAULO HENRIQUES DE SA E BENEVIDES

ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIARIO GABINETE DO DÊS SAULO HENRIQUES DE SA E BENEVIDES I I... 4.4W. npub (,. ~Ne 10 ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIARIO GABINETE DO DÊS SAULO HENRIQUES DE SA E BENEVIDES ACORDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 001 2007 034803-0/001 RELATOR Des Saulo Henrques de Sá

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

Câmara Municipal d.~rio Claro

Câmara Municipal d.~rio Claro Câmara Muncpal d.~ro Claro Estado d e 5ão Pau o ~ ORDEM DO DA N 45/2014 Sessão Ordnára - 24J11/2014 1-2 8 Dscussão da PROPOSTA DE EMENDA À LE ORGÂNCA N 04/2014 - PREFETO MUNCPAL - Altera o artgo 139 da

Leia mais

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado Equpas Educatvas Para uma nova organzação da escola João Formosnho Joaqum Machado TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA A expansão escolar e a mplementação das polítcas de nclusão

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

Boas Práticas de Governança Corporativa e Otimização de Portfólio: Uma Análise Comparativa

Boas Práticas de Governança Corporativa e Otimização de Portfólio: Uma Análise Comparativa Boas Prátcas de Governança Corporatva e Otzação de Portfólo: Ua Análse Coparatva Aeda Batstela de Srquera Unversdade de São Paulo Depto Engenhara de Produção Aqules Ele Guarães Kalatzs Unversdade de São

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

Endereços das Secretarias Estaduais de Educação

Endereços das Secretarias Estaduais de Educação Endereços das Secretarias Estaduais de Educação ACRE MARIA CORRÊA DA SILVA Secretária de Estado da Educação do Acre Rua Rio Grande do Sul, 1907- Aeroporto Velho CEP: 69903-420 - Rio Branco - AC Fone: (68)

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

RELATÓRION0 /2012 Acompanhamento de Projeto Período: / / pág.oi/o/ Contrapartida Não-Rnanceira

RELATÓRION0 /2012 Acompanhamento de Projeto Período: / / pág.oi/o/ Contrapartida Não-Rnanceira RELATÓRION0 /2012 de Projeto Período: / / pág.o/o/ Contrapartda Não-Rnancera Projeto: Sala de stuação para montoramento hdrológco e sstema de prevsão e alerta de cheas com estação lnmétrca para o muncípo

Leia mais

BAHIA SANTA CRUZ CABRALlA. CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ CABRÁLlA PROCESSO DE PAGAMENTO EXERCÍCIO: 2014 PROCESSO: 0000382 DATA: 03/11/2014

BAHIA SANTA CRUZ CABRALlA. CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ CABRÁLlA PROCESSO DE PAGAMENTO EXERCÍCIO: 2014 PROCESSO: 0000382 DATA: 03/11/2014 GLTlR4 MAttR.J CÂMARA MUNCPAL DE SANTA CRUZ CABRÁLlA. ~ r:::g BAHA SANTA CRUZ CABRALlA PROCESSO DE PAGAMENTO EXERCÍCO: 2014 PROCESSO: 0000382 DATA: 03/11/2014. Função: DADOS DO FAVORECDO Favorecido: NSS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL DEPARTAMENTO DE ACOMPANHAMENTO DO FUNDEF PRESIDENTES DOS CONSELHOS ESTADUAIS DO FUNDEF

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL DEPARTAMENTO DE ACOMPANHAMENTO DO FUNDEF PRESIDENTES DOS CONSELHOS ESTADUAIS DO FUNDEF 1. AC 2. AM JONATHAS SANTOS ALMEIDA DE CARVALHO HERALDO LUCAS MELO (068) 922-3257 / 226-4656 / 226-3939 Fax (068) 223-6421 jsantos@tre/ac.gov.br Rua Manoel Cesário, 100 Bairro Capoeira 69.000-000 Rio Branco

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

AVIO BATALHA DE BRITTO

AVIO BATALHA DE BRITTO Visas Capitais 2 ARACAJÚ SE Atualizado em 23/07/13 AVIO BATALHA DE BRITTO Coordenador de Vigilância Sanitária Municipal de Aracajú Rua Sergipe, nº 1310 - Bairro Siqueira Campos Aracaju SE CEP: 49075-540

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

DISPÕE SOBRE ALTERAÇÕES DAS LEIS MUNICIPAIS N" 406/2007, 407/2007 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE ALTERAÇÕES DAS LEIS MUNICIPAIS N 406/2007, 407/2007 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ' hst ADü IX.) ESPÍRI TO SAN I O LEI Nü 618/11 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÕES DAS LEIS MUNICIPAIS N" 406/07, 407/07 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL de São Roque co Canaâ. Estado do Espírto Santo.

Leia mais

ANÁLISE DE ERROS. Todas as medidas das grandezas físicas deverão estar sempre acompanhadas da sua dimensão (unidades)! ERROS

ANÁLISE DE ERROS. Todas as medidas das grandezas físicas deverão estar sempre acompanhadas da sua dimensão (unidades)! ERROS Físca Arqutectura Pasagístca Análse de erros ANÁLISE DE ERROS A ervação de u fenóeno físco não é copleta se não puderos quantfcá-lo Para é sso é necessáro edr ua propredade físca O processo de edda consste

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo -. -. - - - -- - -. ~- -- MERCADO -- -=-- - - -=-=-= - ---=- =-= - ~ Oportundades e desafos no mundo do aquecmento o setor tem crescdo a cada ano, é verdade, mas contnuar nesse rtmo requer a superação

Leia mais

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins:

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: «Diz que quer con tar tu do dos prin cí pios? Dos prin cí pios a gen te nun ca sa be. Quan do é o ca so de se lhe pôr

Leia mais

CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA

CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA PROJETQ DE DECRETO LEGISLATIVO /2015. "Concede o título de cdadãl de Fortaleza ao artsta plástco Ramundo Pnhero Pedrosa, conhecdo como Bruno Pedrosa". A CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA DECRETA: Art. 1 -

Leia mais

Boletim Informativo Eletrónico da EAPN Portugal abril 2011_2

Boletim Informativo Eletrónico da EAPN Portugal abril 2011_2 Boletm Informatvo Eletrónco da EAPN Portugal abrl 2011_2 E U R O P A A proposta de resolução aprovada pelo Parlamento Europeu, no da 09 de março, refere que a Unão Europea deve ntroduzr normas vnculatvas

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CODIFICAÇÃO 7 BC DELPHI COM 93LC66B SR110064 CARGA 032. Evolution. www.chavesgold.com.br

MANUAL DE INSTRUÇÕES CODIFICAÇÃO 7 BC DELPHI COM 93LC66B SR110064 CARGA 032. Evolution. www.chavesgold.com.br MANUAL DE INSTRUÇÕES CODIFICAÇÃO 7 BC DELPHI COM 93LC66B SR110064 CARGA 032 www.chavesgold.com.br Evoluton 02 INDICE CODIFICAÇÃO 7 BC DELPHI COM 93LC66B BODY COMPUTER DELPHI Rotna Para Verfcação Delph...03

Leia mais

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash.

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash. Teoria dos Jogos. Introdução A Teoria dos Jogos é devida principalente aos trabalhos desenvolvidos por von Neuann e John Nash. John von Neuann (*90, Budapeste, Hungria; 957, Washington, Estados Unidos).

Leia mais

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 1 a Começa assim Este jogo começa com todos os participantes procurando as PA LAVRAS SEMENTES. E isso não é nada difícil! Basta as pessoas que vão jogar o jogo saírem conversando

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

DEVE Sffl VOTADA n UBGÊMCIfl PflRfl

DEVE Sffl VOTADA n UBGÊMCIfl PflRfl r-y - há Alternatva Fora to Coexslêca Pacífca do Oradores Grande Coíco Pela Ansta no Da 7: íudo de Cnstro nsté d» Cuslro nl ( urlos Rogé Ferrera (lpos Verga e outros Prtpra-tt ce Entusaso V»!!*» V "^f^^f»^-!»-

Leia mais

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13 O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 To dos so mos igua is, ape nas te - mos di fi cul da des di fe ren tes. Le o nar do

Leia mais

A PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA

A PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA CAPÍTULO 4 8 CAPÍTULO 4 A PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Processos de controlo de volue SUMÁRIO No capítulo 3 dscutos as nteracções da energa entre u sstea e os seus arredores e o prncípo da conservação

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão preliinar 7 de setebro de 00 Notas de Aula de ísica 05. LEIS DE NEWON... ONDE ESÃO AS ORÇAS?... PRIMEIRA LEI DE NEWON... SEGUNDA LEI DE NEWON... ERCEIRA LEI DE NEWON... 4 APLICAÇÕES DAS LEIS DE

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

Missões O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho

Missões O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho Missões O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) é uma organização imparcial, neutra e independente cuja missão exclusivamente humanitária é proteger a vida e a dignidade das vítimas dos conflitos

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

4 Dinâmica de corpos articulados

4 Dinâmica de corpos articulados 4 Dnâca de corpos artculados Contnuaos a descrção ncada no capítulo anteror dos corpos artculados co as les que rege seus oventos. 4.1 Equações de Newton-Euler se restrções Asulaçãodosoventosdecorposrígdosébaseadanosssteasde

Leia mais

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c Marcos hstórcos: 1993 1996 2004 Objetvo da Pastoral da Pessoa Idosa A Pastoral da Pessoa Idosa tem por

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESTUDO 4 Palavra Viva RELEMBRANDO SANTIFICAÇÃO Nossos três grandes inimigos: O MUNDO A CARNE O D IABO 'Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

PArte I. O ALfAbetO POrtuguês. Ouça o alfabeto português. Letra: Letra: érre ésse. jóta. dablio cápa ipsilon

PArte I. O ALfAbetO POrtuguês. Ouça o alfabeto português. Letra: Letra: érre ésse. jóta. dablio cápa ipsilon PArte I guia de fonética O ALfAbetO POrtuguês Ouça o alfabeto português. Letra: Letra: a á n éne b bê o ó c cê p pê d dê q quê e é r érre f éfe s ésse g guê t tê h agá u ú i i v vê j jóta w dablio k cápa

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais