Prova de Residência Médica AEBES 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prova de Residência Médica AEBES 2015"

Transcrição

1 Especialidade: Cirurgia Vascular Nome: Prova de Residência Médica AEBES Qual é a causa mais comum para se indicar tratamento cirúrgico em um paciente com pancreatite crônica? a) obstrução duodenal b) obstrução do colédoco c) dor incessante d) formação de pseudocisto e) hemorragia 2. Após um acidente automobilístico, um passageiro que não usava cinto de segurança é trazido para a sala de emergência. Está acordado e alerta e seus sinais vitais mostram-se estáveis. Ao exame físico nota-se discreta hipersensibilidade abdominal, sem sinais de irritação peritoneal. A radiografia de tórax, feita após a introdução de sonda nasogástrica, revela que a ponta desta está angulada acima do hemidiafragma esquerdo. O próximo passo diagnóstico nesse paciente deve ser: a) lavagem peritoneal diagnóstica b) tomografia computadorizada do abdome c) toracotomia esquerda d) laparotomia exploradora e) broncoscopia 3. Todos os hematomas retroperitoneais devem ser explorados, EXCETO: a) abdominal central b) peripancreático c) pélvico d) paraduodenal e) pedículo renal

2 O enunciado abaixo refere-se às questões 4 e 5: G.A.P.B., 30 anos, masculino, deu entrada em hospital terciário com dor abdominal em epigástrio, com irradiação para hipocôndrios e dorso, associado a náuseas e vômitos, com piora à alimentação, de início há cerca de 1 dia. Exames de entrada: Hb: 16,1g/dL, Ht: 48,2 % Leucócitos: (sem desvio à esquerda), LDH: 350 U/L, Glicose: 108mg/dL, Ur: 49, Cr: 1,1, TGO: 56,TGP: 45, FA: 140, GAMA-GT: 56, Bilirrubina total: 0,82, PCR: 45, Ca: 9,1, PaO2: 120, amilase: 1734, lipase: 2230, ultrassonografia prévia (há 03 meses) com colelitíase. 4- Qual a melhor conduta neste momento: A) Solicitar nova Ultrassonografia de Abdome B) Solicitar Tomografia Computadorizada de Abdome C) Dieta zero, analgesia, antieméticos, colecistectomia laparoscópica D) Dieta zero, analgesia, antieméticos, hidratação venosa E) Colangiopancreatografia endoscópica retrógrada (CPRE). 5- Após melhora do quadro agudo, qual a melhor propedêutica: A) Colecistectomia laparoscópica com colangiografia intra-operatória na mesma internação B) Colecistectomia laparoscópica com colangiografia intra-operatória agendada após 3 a 4 semanas da alta hospitalar C) Colangiopancreatografia endoscópica retrógrada (CPRE) D) Colecistectomia laparoscópica sem colangiografia intra-operatória na mesma internação E) Colecistectomia laparoscópica sem colangiografia intra-operatória agendada após 3 a 4 semanas da alta hospitalar 6- L.M.R., 32 anos, masculino, IMC: 37,4, artropatia de coluna lombar, risco cirúrgico apresentando história de rinite alérgica e espirometria com padrão restritivo leve. Submetido a cirurgia bariátrica tipo gastroplastia a Fobi-Capella, por vídeo. No 2º dia pós-operatório, ao levantar para ir ao banheiro, apresentou quadro de dispneia intensa e súbita. Ao exame com esforço inspiratório e expiratório, FR: 26irpm, sem ruídos adventícios, som claro pulmonar e FTV normal. Qual a principal hipótese diagnóstica, a melhor propedêutica para confirmação diagnóstica e tratamento: A) Crise de asma - teste terapêutico - nebulização com ipatróprio e fenoterol B) Tromboembolismo pulmonar - gasometria arterial - heparinização plena C) Atelectasia - Radiografia de tórax AP e perfil - Fisioterapia respiratória e Ventilação Não Invasiva (VNI) D) Crise de asma - espirometria - adrenalina

3 E) Tromboembolismo pulmonar - angiotomografia de tórax - heparinização plena 7) A colecistectomia aberta ainda é um procedimento muito realizado, mas sua indicação diminuiu consideravelmente em favorecimento da colecistectomia laparoscópica, que é o padrão técnico utilizado pela grande maioria dos serviços de cirurgia em todos os continentes. Entretanto, em situações especiais, a colecistectomia aberta deve ser o procedimento de escolha. Assinale a alternativa que indica uma dessas situações. A) Obesidade B) Idade avançada C) Colecistite em diabéticos D) Suspeita de carcinoma da vesícula biliar E) Gravidez 8) Sobre laparoscopia, assinale a alternativa correta: (A) Está contraindicada no trauma abdominal. (B) O melhor tratamento para crise de colecistite aguda litiásica é a colecistectomia vídeolaparoscópica, com exceção em casos graves de necrose de vesícula biliar com perfuração de sua parede e coleperitônio. (C) O melhor tratamento operatório para apendicite aguda é o videolaparoscópico, independente do tempo de evolução da doença. (D) O paciente portador de pancreatite aguda biliar deverá ser submetido a colecistectomia nas primeiras 48 horas do início do quadro. (E) A colecistectomia por via laparoscópica é contraindicada em pacientes previamente operados no andar supramesocólico. 9) Paciente, 70 anos, sexo feminino, queixa-se de dor tipo cólica em hipocôndrio direito com quatro meses de evolução. Ao exame físico, encontra-se corada, anictérica e sem massas ou visceromegalias palpáveis em abdômen. Fez ultrassonografia de abdômen superior que mostra a vesícula biliar com paredes finas e três cálculos em seu interior sugerindo colelitíase. Submetida a uma colecistectomia laparoscópica, recebe alta hospitalar após 24 horas de internação. Sete dias depois, o laudo histopatológico mostra adenocarcinoma de vesícula biliar com o tumor invadindo a camada submucosa (T1a). A próxima etapa do tratamento desta paciente seria: (A) Solicitar nova laparoscopia para estadiamento da doença com biópsia hepática (B) Observar paciente, a cada três meses, com tomografia de abdômen superior contrastado. (C) Programar uma derivação bileodigestiva (hepático-jejunal em Y de roux), para evitar o desenvolvimento do quadro de icterícia obstrutiva e suas complicações. D) Recomendar ressecção de todas as incisões onde foram colocados os portais para a

4 realização da colecistectomia prévia. (E) Encaminhar com urgência ao oncologista clínico para quimioterapia. 10) O reparo laparoscópico das hérnias inguinais é um método de reparo livre de tensão baseado na abordagem pré-peritoneal. Durante a abordagem laparoscópica de uma hérnia inguinal, o nervo com maior risco de ser lesado é o: (A) Gênito-femoral em seu ramo genital. (B) Ilioinguinal. (C) Ilio-hipogástrico. (D) Cutâneo femoral lateral. (E) Femoral. 11) No decorrer da fundoplicatura laparoscópica, diversas intercorrências podem ocorrer no intraoperatório. Notavelmente a hemorragia, quando ocorre, se origina da: (A) Perfuração gástrica. (B) Laceração esofagiana. (C) Laceração hepática. D) Lesão dos vasos gástricos curtos. (E) Perfuração esofagiana. 12) Paciente de três meses de idade, prematuro, internado em Unidade de Terapia Intensiva infantil, com insuficiência renal aguda e sepse de provável foco pulmonar. O paciente encontravase sem acesso venoso central, que foi conseguido pelo médico intensivista com punção de veia jugular interna direita, e então encaminhado para realização de tomografia computadorizada de tórax com contraste intravenoso. Imediatamente após a infusão do meio de contraste iodado, a criança apresentou piora clínica e foi imediatamente levada de volta à unidade de terapia infantil, sendo contatada a equipe de cirurgia torácica.diante do quadro de derrame pericárdico com tamponamento cardíaco e consequente parada cardíaca, qual a primeira manobra que deve ser realizada, dentre as alternativas abaixo? (A) Massagem cardíaca externa (B) Drenagem pleural bilateral (C) Infusão de Adrenalina em bolus (D) Punção de Marfan (E) Drenagem pleural direita

5 13) No caso descrito na questão anterior, o que provavelmente aconteceu na passagem do acesso venoso central? (A) O cateter perfurou a veia subclávia direita e depois o pericárdio através do espaço pleural direito. (B) O cateter perfurou o coração e o contraste foi injetado no espaço pericárdico. (C) O cateter perfurou a veia jugular e encheu a pleura de líquido que migrou para o pericárdio. (D) A veia jugular e a veia subclávia direita se romperam e encheram o espaço pericárdico de sangue. (E) A veia jugular esquerda e a veia jugular direita se romperam e encheram o espaço pericárdico de sangue. As duas próximas questões são relativas ao texto abaixo: Paciente de 35 anos, feminina, tabagista e em uso de anticoncepcional oral, apresenta dispneia e dor torácica esquerda súbita. Trazida ao pronto socorro, estava consciente, orientada, hipotensa e cianótica. 14) Qual o provável diagnóstico? (A) Infarto agudo do miocárdio (B) Tromboembolismo pulmonar (C) Hemotórax espontâneo (D) Distúrbio neurovegetativo (E) Aneurisma disssecante de aorta 15) Conduta inicial: (A) Intubação orotraqueal (B) Massagem cardíaca externa (C) Anticoagulantes, analgesia e oxigênio (D) AAS, oxigênio e Captopril (E) Diazepan e avaliação psiquiátrica 16) A síndrome do desfiladeiro cervical pode se exteriorizar clinicamente por: (A) Embolia mesentérica (B) Embolia paradoxal

6 (C) Pela sindrome de Kippel Tremaunay (D) Pela sindrome de Budd Chiari (E) Pela sindrome de Paget Schroter 17 )Trauma da artéria poplítea, qual o substituto ideal? (A) Dacron (B) PTFE (C) Veia Safena magna (D) Veia do cordão umbilical (E) Stent revestido 18 ) Na Trombose Venosa Profunda dos membros inferiores, um dos sinais importantes é: (A) Cefaléia (B) Dispneia (C) Homans (D) Hemoptise (E) Dor torácica 19) Qual a conduta terapêutica mais indicada para um paciente com aterosclerose periférica de classificação FONTAINE IV? (A) Indicação de revascularização convencional ou por angioplastia (B) Estimular caminhadas ao menos duas vezes ao dia. (C) Contraindicar arteriografia nos pacientes diabéticos. (D) Prescrever apenas antiagregante e vasodilatadores. (E) Prescrever anticoagulante. 20) A droga de escolha para tratamento da Trombose Venosa Profunda (TVP) é: (A) Hirudina (B) AAS + Clopidogrel (C) Dextran (D) Heparina não fracionada ou de baixo peso molecular

7 (E) Cilostazol 21) A complicação mais comum da simpatectomia toracoscópica bilateral é: (A) Síndrome de Horner (B) Hiperidrose compensatória (C) Neuralgia intercostal (D) Lesão do nervo vago (E) Lesão do nervo frênico 22) A estrutura que NÃO é comumente identificada durante uma exposição supraclavicular para ressecção de uma costela cervical é: (A) Nervo Vago (B) Nervo Frênico (C) Músculo Escaleno Anterior (D) Artéria Subclávia (E) Platisma 23) Na ressuscitação inicial (primeiras 8 horas usando a Fórmula de Parkland) em paciente com 40% da superfície corporal queimada, que pesa 80 kg, com solução de Ringer lactato deve ser de: (A) 200mL/h (B) 320mL/h (C) 400mL/h (D) 600mL/h (E) 800mL/h 24) Uma mulher de 26 anos de idade, tem desconforto no braço esquerdo e tonturas quando lava o cabelo. Ela não tem antecedentes de hipertensão arterial, diabetes mellitus, ou hipercolesterolemia. Fuma um maço de cigarros por dia. Ao exame físico apresenta pressão arterial de 94/72 mm Hg no braço direito e 64/40 mmhg no braço esquerdo, além de um sopro supraclavicular à esquerda. Sua taxa velocidade de hemossedimentação (VHS) é de 72 mm / h. Angiografia por ressonância magnética revela uma estenose de 90% da artéria subclávia esquerda e uma estenose de 50% no óstio da artéria inominada. O tratamento inicial mais adequada seria: (A) Parar o tabagismo

8 (B) Administração de prednisona (C)Angioplastia percutânea com stent da artéria subclávia (D) Cirurgia de enxerto carotídeo-subclávio esquerda (E) Ressecção da primeira costela. 25) Um homem de 73 anos de idade com a aterosclerose, diabetes, hipertensão e apresenta-se na emergência com dor abdominal aguda com duração de 1 hora. A dor era de característica súbita, intensa e difusa, seguido por um grande movimento do intestino, sem apresentar melhora. Ao exame, o paciente apresentava um abdômen flácido, plano e doloroso difusamente, mas sem sinais visceromegalias ou irritação peritoneal. Uma radiografia abdominal não evidenciou ar livre na cavidade. Os resultados de estudos laboratoriais são normais, exceto para um aumento do nível de lactato. Qual é diagnóstico mais provável deste paciente? (A) Pancreatite aguda (B) Colecistite aguda (C) Obstrução intestinal com perfuração (D) Oclusão de artéria mesentérica superior (E) Úlcera gástrica perfurada 26) Uma mulher de 67 anos de idade, apresenta-se ao departamento de urgência e emergência para a avaliação de um pequeno episódio de hematêmese. A paciente tem uma história de hipertensão, aterosclerose e foi submetido à cirurgia para um aneurisma da aorta há 2 anos. Ela está estável hemodinamicamente. A endoscopia digestiva alta revela um pequeno segmento do material da prótese aórtica visível na terceira porção do duodeno sem sangramento ativo. Qual é o próximo passo na condução dessa paciente? (A) Ultrassonografia da aorta (B) Fechamento endoscópico do defeito duodenal com clipes metálicos (C) Observação (D) Terapia cirúrgica (E) Angiografia 27) Paciente do sexo feminino, 70 anos, submetida à colecistectomia por colecistite aguda e evoluindo com fístula biliar de alto débito no terceiro dia de pós-operatório. Suspeita-se de deiscência do coto cístico. Nesse caso, qual a melhor conduta a ser tomada? (A) Laparotomia exploradora com clipagem do ducto cístico. (B) Jejum e nutrição parenteral total.

9 (C) Colangiorressonância e conduta expectante. (D) Colangiopancreatografia endoscópica retrógrada (CPER) e papilotomia. (E) CPRE, papilotomia e endoprótese. 28) O diagnóstico de Colecistite Calculosa Aguda com cálculos impactados no infundíbulo causando cólicas biliares pode ser confirmado pelos exames de imagem abaixo, EXCETO: A). Colecistograma oral. B). Tomografia computadorizada. C). Ressonância Magnética. D). Ultrassonografia. E). Pet-Scan. 29- Paciente de 27 anos dá entrada no pronto-socorro vítima de ferimento de arma branca em abdome (parede abdominal anterior periumbilical esquerda) e ferimento de arma branca em tórax (parede torácica anterior ao nível do quarto espaço intercostal à direita). Ao exame físico: paciente hemodinamicamente estável, frequência respiratória de 18ipm, saturação de oxigênio 95%, murmúrio vesicular diminuído à direita, timpanismo à percussão torácica, dor abdominal difusa de moderada intensidade à palpação com sinais de irritação peritoneal. Em relação ao caso clínico exposto, assinale a alternativa CORRETA: (A) Este paciente deve ser levado imediatamente ao centro cirúrgico e submetido à laparotomia mediana e à toracotomia antero-lateral direita pelo grande risco de lesão vascular torácica. (B) Este paciente pode ser submetido a tratamento conservador em relação ao ferimento abdominal. (C)Se durante a laparotomia para tratamento do ferimento abdominal fosse evidenciado lesão de intestino delgado a 40 cm do ângulo de Treitz grau II, a melhor conduta a ser adotada seria enterectomia segmentar. (D) RX de tórax AP pode ser realizado como método de imagem diagnóstico auxiliar após avaliação primária, uma vez que o paciente está hemodinamicamente estável. (E) A Toracocentese de alívio deveria ser realizada já na sala de emergência, após exame físico do paciente, pelo risco de pneumotórax hipertensivo 30) No trauma abdominal fechado, com paciente estável hemodinamicamente, após uma ecografia positiva para líquido livre em cavidade abdominal, qual seria a próxima conduta? A. Observação. B. Tomografia abdominal. C. Laparotomia exploradora. D. Radiografia para abdome agudo.

10 E. Repetir ecografia após 1 hora 31) A arterite temporal também pode ser denominada de arterite de: (A) Buerger. (B) Células Gigantes. (C) Kawasaki. (D) Takayasu (E) Willebrand 32) Considere a situação clínica em que um paciente, que apresentou oclusão arterial aguda alta em membro inferior esquerdo, foi operado após 5 horas do início dos sintomas e, no pós-operatório imediato, evoluiu com grande edema duro de perna esquerda. Sobre esse caso, a hipótese diagnóstica mais provável para o desenvolvimento do edema é: (A)linfedema pós-infeccioso. (B)Reoclusão arterial. (C)Síndrome Compartimental. (D)Trombose Venosa Profunda (E) Rotura do enxerto 33) Paciente de 23 anos longelíneo apresenta dor torácica aguda em hemitórax direito. Na admissão apresenta ao exame fisico confusão mental, turgência jugular, murmúrio vesicular abolido à direta e hipotensão arterial. Qual conduta imediata mais apropriada: (A) Radiografia de tórax (B) Toracostomia fechada (C) Tomografia de tórax (D) Punção torácica no segundo espaço intercostal (E) Expansão volêmica agressiva com cristalóide 34) Assinale a alternativa que apresenta o principal e mais expressivo mecanismo de ação anticoagulante das heparinas não fracionadas (HNF): (A) Ativação do plasminogênio. (B) Inibição da agregação plaquetária.

11 (C) Inibição do fator XII. (D) Potencialização da antitrombina. (E) Inibição do P450 35) Comparando-se as principais veias superficiais do membro superior, veias cefálica e basílica, é CORRETO afirmar que: A) a veia basílica é mais utilizada como substituto vascular autógeno. B) a veia basílica possui a parede mais muscular do que a cefálica. C) a veia cefálica ascende pela face medial do antebraço. D) a veia cefálica possui trajeto mais superficial do que a basílica (E) A veia basílica é mais facilmente abordada numa punção periférica. 36. São apresentadas as características clínicas de três pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: I. Déficit motor e sensitivo com predomínio braquiofacial e afasia. II. Déficit motor e sensitivo com predomínio crural e sinais de frontalização. III. Náusea, vômito, tonturas e acometimento de pares cranianos baixos. Artéria cerebral anterior, artéria vertebral e artéria cerebral média são provavelmente os territórios acometidos, respectivamente, nos pacientes (A) II, I e III. (B) I, II e III. (C) III, I e II. (D) II, III e I. (E) I, III e II. 37) Paciente de 74 anos, sexo feminino, procura atendimento por sangramento gengival após extração dentária. Refere que, pela segunda vez em dois meses, apresentou o referido fato apesar de compressas geladas aplicação com compressão do local por até 4 horas. Não faz uso de quaisquer medicamentos. Realizou alguns exames que evidenciaram: Tempo de protrombina normal, tempo de tromboplastina parcial ativada = 50s (normal de 20 a 35s), hemograma normal. Eletrólitos e provas de função hepática, tiroidiana e renal estavam normais. Com base nestes dados, qual o diagnóstico, entre os abaixo, mais provável para esta paciente? (A) Deficiência de Fator VII

12 (B) Deficiência de Vitamina K (C) Deficiência de Fator V (D) Doença de von Willebrand (E) Deficiência de Fator X 38) Homem com 56 anos de idade, com diagnóstico de varizes de esôfago há 4 anos por hipertensão portal de etiologia esquistossomótica, deu entrada no pronto-socorro com história de vômitos com sangue em grande quantidade há 1 hora. Ao exame, PA = 70x40 mmhg, pulso fino de 120 bpm, pele fria, sudorese e confusão mental. A conduta recomendada é: (A) endoscopia digestiva alta imediata com ligadura das varizes esofágicas. (B) reposição volêmica vigorosa seguida de laparotomia exploradora e realização da cirurgia de Crawford. (C) reposição volêmica vigorosa seguida de laparotomia exploradora e realização da cirurgia de Warren. (D) reposição volêmica, controle dehb/hto, endoscopia digestiva alta após 24 horas de estabilidade hemodinâmica. (E) reposição volêmica vigorosa e passagem de balão esofago-gástrico se mantiver instabilidade hemodinâmica. 39) Sobre lesões gástricas marque a opção correta. (A) As varizes gástricas devido à trombose da veia esplênica são tratadas preferencialmente por via endoscópica (B) A gastrite hipertrófica (Doença de Ménetrier) é uma doença rara, adquirida, sem relação com o câncer gástrico (C) A laceração de Mallory-Weiss está relacionada com o uso crônico de AAS (ácido acetil salicílico) (D) a lesão gástrica de Dieulafoy é causada por uma artéria tortuosa que faz um trajeto através da sua mucosa gástrica (E) Os bezoares (tricobezoares) geralmente resolvem-se com tratamento clinico 40. A hérnia inguinal cujo conteúdo é um divertículo de Meckel é chamada de: (A) Petit (B) Spiegel (C) Littré (D) Pantaloon

13 (E) Grynfelt 41. No sangramento maciço das úlceras pépticas, as artérias mais acometidas são: (A) pancreatoduodenal superior e gástrica esquerda. (B) pancreatoduodenal inferior e gastroduodenal. (C) pancreatoduodenal superior e gastroduodenal. (D) pancreatoduodenal inferior e gastroepiplóica. (E) pancreatoduodenal inferior e superior. 42. Paciente sexo masculino, 36 anos de idade, com quadro que se iniciou há vários meses com disfagia após a ingestão de líquidos, principalmente os gelados, e posteriormente com disfagia para alimentos sólidos. Evolui com regurgitação de alimentos não digeridos, perda de peso e infecções pulmonares de repetição. Alivia-se da disfagia com elevação do queixo e extensão do pescoço. O diagnóstico mais provável é: (A) acalasia. (B) divertículo de Zenker. (C) câncer do esôfago. (D) esofagite de refluxo. (E) monilíase esofágica Paciente de 55 anos, assintomático, apresenta diagnóstico de câncer de próstata. PSA total 12,5. Toque retal próstata endurecida lobo direito. Biópsia próstata Adenocarcinoma de próstata Gleason 8 (5+3). Todos fragmentos comprometidos em lobo direito. Estadiamento não evidenciou doença a distância. T2bN0M0 Quais as opções de tratamento para este paciente? (A) Ressecção transuretral da próstata (B) Prostatovesiculectomia radical (C) Radioterapia associada a Hormonioterapia (D) Quimioterapia (E) B e C estão corretas 44- Paciente vítima de acidente automobilístico apresenta fratura de bacia (ramo isquiopúbico) e uretrorragia. Não apresenta hematúria. Qual a principal hipótese diagnóstica? (A) Trauma renal

14 (B) Trauma vesical (C) Trauma uretra anterior (D) Trauma uretra posterior (E) Trauma vesical e uretral. 45 Em paciente com traumatismo renal considera-se indicação absoluta de exploração cirúrgica a presença de: (A) Lesão de artéria segmentar. (B) Tecido desvitalizado. (C) Diagnóstico tardio de lesão arterial. (D) Hematoma perirrenal pulsátil. (E) Urinoma 46- Um adolescente com 16 anos de idade entrou na emergência de um hospital reclamando de dor súbita no testículo direito. A dor o despertou do sono e persistiu nas últimas três horas. A mãe informou que ele vomitou uma vez. Relatou também que, há aproximadamente um ano, apresentou dor semelhante, que cedeu espontaneamente. Ao exame, o testículo esquerdo estava normal, mas o direito estava muito edemaciado, elevado e sensível. O reflexo cremastérico estava ausente. Nessa situação, o possível diagnóstico é: (A) Orquiepididimite. (B) Hidrocele infectada. (C) Hérnia inguinal estrangulada. (D) Torção testicular. (E) Tumor de testículo. 47) Qual a conduta inicial diante de um quadro de parafimose? (A) Realização de incisão do anel de constricção do prepúcio (B) Utilização de gelo para regredir o edema (C) Redução manual da parafimose (D) Postectomia (E) Nenhuma das medidas acima

15 48) Sobre o trauma renal é correto afirmar, EXCETO: (A) A Tomografia computadorizada de abdome com contraste venoso é o exame de eleição na avaliação de paciente estável com suspeita de traumatismo renal. (B) Em crianças vítimas de trauma fechado, hemodinamicamente estáveis, se não há hematúria macroscópica a lesão renal pode ser descartada, uma vez que o rim é mais protegido que em adultos. (C) De acordo com a classificação da AAST (American Association for thesurgery of Trauma), o traumatismo renal grau III corresponde à laceração parenquimatosa superior a 1 cm (estende-se até a medula renal) e sem rotura do sistema coletor ou extravasamento urinário. (D) As opções de tratamento acompanham a gravidade da lesão, podendo variar desde simples desbridamento com reparo primário e nefrectomias polares até a nefrectomia total. (E) A intensidade da hematúria não tem correlação direta com a gravidade da lesão renal. 49) Paciente 60 anos, tabagista, deu entrada no PS apresentando quadro de retenção urinária. Refere história hematúria macroscópica há 1 dia. Qual a conduta inicial? A) Hidratação venosa e solicitar EAS para afastar infecção urinária B) Solicitar hemograma e coagulograma. Pedir parecer do urologista C) Realizar sondagem vesical com sonda de 3 vias e iniciar irrigação vesical. D) Realizar sondagem vesical com sonda de 2 vias e solicitar PSA total E) Nenhuma das alternativas acima 50) Para o diagnóstico, na suspeita de cálculo ureteral o melhor exame é: (A) Ressonância magnética (B) Tomografia computadorizada (C) Radiografia simples (D) Ultrassonografia (E) Cintilografia renal

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 QUESTÃO 17 Na cirurgia eletiva de aneurisma de aorta, associada a rim em ferradura com o istmo funcionante e cobrindo grande parte da aorta abdominal, qual

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 NOME INSCRIÇÃO SALA LUGAR DOCUMENTO DATA DE NASC ESPECIALIDADE PROVA DISSERTATIVA ESPECIALIDADES CIRÚRGICAS ASSINATURA DO CANDIDATO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas LOTE

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

MEDICINA/GERIATRIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

MEDICINA/GERIATRIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO MEDICINA/GERIATRIA PARTE I: MÚLTIPLA ESCOLHA 01 A surdez pode ser efeito colateral do uso de:

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR QUESTÃO 21 Paciente com síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores de longa data apresentando queixa de claudicação incapacitante

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs PREPAROS DOS EXAMES E PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM 08.01 Ablação por Cateter com Radiofrequência 08.02 Alergia aos Contrastes Iodados 08.03 Angio Ressonância Abdome

Leia mais

Residência Médica Seleção 2013 Prova de Cirurgia Geral Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1

Residência Médica Seleção 2013 Prova de Cirurgia Geral Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 Caso Clínico 1 Paciente de 55 anos, sexo feminino, chega ao ambulatório de Cirurgia Geral com quadro de icterícia, colúria e acolia fecal. Segundo a paciente, já era portadora de colelitíase sintomática,

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

TRAUMA TORÁCICO. Leonardo Oliveira Moura

TRAUMA TORÁCICO. Leonardo Oliveira Moura TRAUMA TORÁCICO Leonardo Oliveira Moura INTRODUÇÃO E DEFINIÇÕES O politraumatismo é atualmente a maior causa de óbitos em pacientes até a quarta década de vida. Estima-se que nos Estados Unidos 25% das

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

CADERNO DE PROVA ÁREA: CLÍNICA CIRÚRGICA

CADERNO DE PROVA ÁREA: CLÍNICA CIRÚRGICA CADERNO DE PROVA ÁREA: CLÍNICA CIRÚRGICA 1) Paciente jovem, no 5º dia pós operatório de hemicolectomia direita, apresenta febre de 39 C, taquipneia, taquicardia, parada de eliminação de gases e fezes,

Leia mais

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Diagnóstico: História Clinica Exame Físico Avaliação

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Localizado

Módulo: Câncer de Rim Localizado Módulo: Câncer de Rim Localizado Caso 1 CAL, 56 anos, masculino Paciente médico, obeso (IMC = 41; peso 120 kg) Antecedentes clínicos: nefrolitíase Antecedentes cirúrgicos: Laparotomia mediana por divertículo

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

B) Quais os três medicamentos que devem ser prescritos de imediato?

B) Quais os três medicamentos que devem ser prescritos de imediato? Caso Clínico 1 (2 pontos) Primigesta com 36 semanas de gestação é admitida na maternidade com queixas de náuseas, epigastralgia e cefaleia. Gesta II Para I (Parto normal). Ao exame, encontra - se eupneica,

Leia mais

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS 1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA 01. A tuberculose, ainda hoje, apresenta-se como um grave problema de saúde pública mundial. A via de transmissão do seu agente etiológico mais comum, o Mycobacterium

Leia mais

Caso Clínico. Luana Silva Bessa Guimarães

Caso Clínico. Luana Silva Bessa Guimarães Caso Clínico Luana Silva Bessa Guimarães Identificação Id: sexo masculino, 31 anos, natural e procedente de Fortaleza, pardo, católico, auxiliar de produção. Cansaço e inchaço nas pernas" Queixa Principal

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL QUESTÃO 21 São afirmativas verdadeiras sobre o Hiperparatireoidismo, EXCETO: a) É mais comum no sexo feminino. b) Os adenomas são a causa mais

Leia mais

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral QUESTÃO 01 Representa contra-indicação absoluta à colonoscopia: a) Volvo de sigmóide b) Doença inflamatória intestinal c) Câncer colorretal d) Doença diverticular e) Megacólon tóxico QUESTÃO 02 São fatores

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) - Fatores de risco: Idade superior a 40 anos Acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico) Paralisia de membros inferiores Infarto

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR Considerando a classificação de FONTAINE para o estadiamento da Doença Arterial Oclusiva Periférica, é correto afirmar: A) Não se justifica a indicação de revascularização

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR Considerando a classificação de FONTAINE para o estadiamento da Doença Arterial Oclusiva Periférica, é correto afirmar: A) Não se justifica a indicação de revascularização

Leia mais

Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice

Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice 1. Definição/ Avaliação/Profilaxia 1 1.1. Tromboembolismo Venoso 1 2. Descrição do método de avaliação 1 3. Profilaxia

Leia mais

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO...

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO gesep ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... 2009 Converse com o paciente... A Anamnese e o Ex. Físico 70% dos diagnósncos são baseados apenas na história 90% dos diagnósncos

Leia mais

Pancreatite Aguda. Se internar solicitar

Pancreatite Aguda. Se internar solicitar Pancreatite Aguda Quadro clínico: dor abdominal súbita epigástrica irradiando para dorso, acompanhada de náusea e vômitos. Amilase 3 nl e US abdome e Rx abd agudo Avaliar gravidade Internar se: o Dor severa

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA QUESTÃO 21 Um paciente de 75 anos, ex-garçom, tem há três anos o diagnóstico já confirmado de síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores.

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO 2007 1 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÄSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

Parâmetros para profilaxia cirúrgica

Parâmetros para profilaxia cirúrgica Parâmetros para profilaxia cirúrgica O objetivo da profilaxia antimicrobiana em cirurgia é prevenir a infecção de sítio cirúrgico, atingindo níveis do antibiótico no sangue e nos tecidos que exceda, em

Leia mais

www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral

www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral Copyright Bahia Gastro Center - 2009 1 Quem pode ter pedra (cálculo) na vesícula?

Leia mais

TRAUMA ABDOMINAL. Leonardo Oliveira Moura

TRAUMA ABDOMINAL. Leonardo Oliveira Moura TRAUMA ABDOMINAL Leonardo Oliveira Moura Trauma Abdominal Órgãos sólidos: Fígado, baço, pâncreas e rins Órgãos ocos: Esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso, reto e bexiga Vasos calibrosos:

Leia mais

Prof.: José Rubens de Andrade

Prof.: José Rubens de Andrade Prof.: José Rubens de Andrade 2º Semestre/2012 Divertículo verdadeiro (congênito) X Pseudodivertículos Pseudodivertículos: Formações saculares provenientes da herniação da mucosa e submucosa através da

Leia mais

Baseado no Caso Clínico Abaixo Responda as Questões 1 e 2.

Baseado no Caso Clínico Abaixo Responda as Questões 1 e 2. PROVA RESIDÊNCIA MÉDICA 2015/2016 ÁREA DE ATUAÇÃO: ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA ENDOVASCULAR 1 Baseado no Caso Clínico Abaixo Responda as Questões 1 e 2. Paciente 80 anos, insuficiência cardíaca em tratamento

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

CENTRO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

CENTRO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário CENTRO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Sumário NORMAS OPERACIONAIS Atendimento ao Cliente Marcação de Exames Alteração no Programa de Atendimento Gestão de Demanda Admitida Ficha de Convênio Atendimento Prioritário

Leia mais

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Cirurgia do Esôfago Painel de perguntas e filmes cirúrgicos

Leia mais

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1)

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1) AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL Prof. Erivan Façanha Tem início no hiato aórtico do diafragma (T12). Trajeto descendente, anterior aos corpos vertebrais e à esquerda da veia cava

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011.

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011. Portaria 024/2011 Estabelece protocolos operacionais para a atividade de Regulação e Auditoria no âmbito do IPSEMG. A Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, no

Leia mais

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes;

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; CIRURGIAS CARDÍACAS CIRURGIA CARDÍACA As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; Na Europa e Brasil, até fins do século XIX não eram realizados procedimentos cirúrgicos na cardiologia; Com o avanço

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

Gabarito. 1 a Questão: (30 pontos) Resposta: Síndrome de obstrução intestinal: Brida pós-cirúrgica Isquemia mesentérica Diverticulite aguda

Gabarito. 1 a Questão: (30 pontos) Resposta: Síndrome de obstrução intestinal: Brida pós-cirúrgica Isquemia mesentérica Diverticulite aguda 1 a Questão: (30 pontos) Paciente de 68 anos, masculino, branco, com histórico de laparotomia prévia por trauma abdominal fechado há 6 anos, cardiopatia isquêmica e constipação intestinal de longa data,

Leia mais

Oclusão do tubo digestivo

Oclusão do tubo digestivo ABDOME AGUDO O diagnóstico sindrômico de abdome agudo (AA) é caracterizado pela presença de dor abdominal intensa e aguda (horas até 4 dias). O número de causas é enorme e ainda assim, a maioria dos casos

Leia mais

FUNDAÇÃO HOSPITALAR DE TERESINA CADERNO DE PROVA CLÍNICA CIRÚRGICA E OBSTETRÍCIA

FUNDAÇÃO HOSPITALAR DE TERESINA CADERNO DE PROVA CLÍNICA CIRÚRGICA E OBSTETRÍCIA 01. Paciente de 27 anos dá entrada no pronto-socorro vítima de ferimento de arma branca em abdome (parede abdominal anterior periumbilical esquerda) e ferimento de arma branca em tórax (parede torácica

Leia mais

Hemorragia Digestiva Alta (HDA)

Hemorragia Digestiva Alta (HDA) Hemorragia Digestiva Alta (HDA) Emergência de causa gastrointestinal muito comum Etiologia o Doença ulcerosa péptica o Rotura de varizes hemorrágicas o Esofagite erosiva o Lesão de Mallory-Weiss: lacerações

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos TRAUMA RAQUIMEDULAR Dr Antonio Eulalio TRAUMA RAQUIMEDULAR Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m Nº casos/ano : 8.000 Sexo : preferencialmente masculino Faixa etária : entre 15 e 40 anos Custo

Leia mais

Aparelho Cardiovascular

Aparelho Cardiovascular Aparelho Cardiovascular DOR TORÁCICA Angina IAM Dissecção Hidrotórax Pneumotórax TEP Pericardite Perfuração do esôfago ECG. Raio X Enzimas Cardíacas. Gasometria arterial se FR alta ou cianose Estável Instituir

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

CASO CLÍNICO. Geysa Câmara

CASO CLÍNICO. Geysa Câmara CASO CLÍNICO Geysa Câmara C.P.S,sexo feminino, 43 anos, parda, casada, dona de casa, natural de São Paulo,católica. QP: Cólicas fortes o H.D.A: Paciente refere que há 4 anos apresentava ardor miccional,

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER EDITAL Nº 01/2014/COREME/FM/UFMT

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER EDITAL Nº 01/2014/COREME/FM/UFMT MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE MEDICINA COORDENAÇÃO DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 QUESTÃO 26 A heparina administrada por via endovenosa necessita de um co-fator para interferir no mecanismo da coagulação. Identifique-o: a) antitrombina III. b) plaquetário

Leia mais

DISSECÇÃO AÓRTICA. Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL

DISSECÇÃO AÓRTICA. Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DISSECÇÃO AÓRTICA DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL QUADRO CLÍNICO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO CLÍNICO INDICAÇÃO

Leia mais

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata AULA PREPARADA POR: PATOLOGIAS DA PRÓSTATA Prostata A próstata é um órgão interno que só o homem possui; tem a forma de uma maçã muito pequena, e fica logo abaixo da bexiga. ANATOMIA Tem o tamanho aproximado

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIÃO PEDIÁTRICO. Com relação ao tratamento da hérnia inguinal na criança é INCORRETO afirmar:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIÃO PEDIÁTRICO. Com relação ao tratamento da hérnia inguinal na criança é INCORRETO afirmar: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIÃO PEDIÁTRICO QUESTÃO 21 Com relação ao tratamento da hérnia inguinal na criança é INCORRETO afirmar: a) O reforço da parede posterior só estaria indicado em

Leia mais

03/05/2012. Radiografia simples do abdome

03/05/2012. Radiografia simples do abdome Radiografia simples do abdome 3 1 Contrastados: Urografia Excretora Injeção EV Contraste iodado Opacificação: 1. Parênquima renal 2. Sistema coletor 3. Bexiga e uretra 4 Litíase urinária Caso cr Rx simples:

Leia mais

PROGRAMAS COM ANOS ADICIONAIS: CIRURGIA VASCULAR

PROGRAMAS COM ANOS ADICIONAIS: CIRURGIA VASCULAR Edital Nº 03/2015 RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 CADERNO DE QUESTÕES DATA: 1º DE NOVEMBRO DE 2015. PROGRAMAS COM ANOS ADICIONAIS: CIRURGIA VASCULAR ÿû C ESPECIALIDADE: Cirurgia Vascular (R3) Área de Atuação: Ecografia

Leia mais

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Parte IV P R O T O C O L O S D E T R A U M A [213] rotina consiste em infundir 20 ml/kg em bolus de solução de Ringer e reavaliar o paciente em seguida. Manter a pressão sistólica entre 90 e 100 mmhg.

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

M.C.N, Feminina 60 anos Parda Casada Cearense, residente em Caucaia Doméstica

M.C.N, Feminina 60 anos Parda Casada Cearense, residente em Caucaia Doméstica Paulo Marcelo M.C.N, Feminina 60 anos Parda Casada Cearense, residente em Caucaia Doméstica Dor abdominal Paciente procurou, há 3 anos, assistência médica em razão de dor abdominal leve, localizada no

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA GERAL 21. Um paciente que será submetido a uma herniorrafia inguinal bilateral e tem hipertensão arterial moderada muito bem tratada e acompanhada por cardiologista,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 56

PROVA ESPECÍFICA Cargo 56 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 56 QUESTÃO 26 O principal suprimento arterial para músculo peitoral maior é fornecido pela artéria: a) toracodorsal. b) subescapular. c) toracoacromial. d) torácica interna. QUESTÃO

Leia mais

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM)

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Dra. Luciana Baptista Artigo originalmente publicado no caderno Application do Jornal Interação Diagnóstica n.01, abril/maio

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais