Pancreatite Aguda (PA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pancreatite Aguda (PA)"

Transcrição

1 Pancreatite Aguda (PA) Anatmia Espaç retrperitneal, prçã Superir d abdme Alngada (12 20cm), blíqua: Psiçã lngitudinal-paralel a clédc Duct de Wirsung duct principal Extensã: Diâmetr (cb-4mm/cd-2mm) Duct Acessóri de Santrini (Presente em +/-70%) Ampla de Vater(1cm/1mm) musc. Esfíncter de Oddi Papila Menr (30mm/1mm) Fisilgia pancreática Definiçã Prcess inflamatóri reversível d pâncreas, pdend acmeter tecids peripancreátics e órgãs a distância. Chiari (ativaçã intrapancreática) Autdigestã pancreatite aguda

2 Epidemilgia Incidência: Pac. pr an (EUA) Sex: Hmens > Mulheres (Geral) Idade: ans (Geral) Mrtalidade : PA Leve: Muit baixa. PA Grave: 10 30% Fatr de risc: Dça trat biliar (40%) Mulheres > Hmens Média de idade : 69 ans Risc d cálcul causar PA é inversamente prprcinal a tamanh Obstruçã Ampla Vater Pressã intraductal Pâncreas Micrlitíase culta PA idipática Álcl (35%) Hmens > Mulheres Média de idade 39 ans Cnsum de álcl entre 5 a 15 ans Exacerbaçã aguda da Pancreatite crônica Alcólica Idipátic (> 10%) Pós - CPRE (4%) Trauma (1.5%) Drgas (1.4%): azatiprina, sulfnamidas, tetraciclina, ácid valpróic, fursemida, 6- mercaptpurina, 5-ASA, crticsterides e ctretide. (HCTZ, metrnidazl, nitrfurantina, pirxicam, prcainamida, cimetidina, cisplatina e cmbinações de drgas quimiterápicas.) Infecçã (<1%) : Virais, Bacterianas, Parasitárias, assciaçã SIDA Pancreatite hereditária (<1%) Hipercalcemia (<1%)

3 Alterações anatômicas (<1%) Pâncreas divisum Pâncreas anular Disfunçã esfíncter Oddi HIPERTRIGLICERIDEMIA (<1%): >>1000 mg/dl Tumr (<1%): Obstruçã ductal, Risc de pancreatite cm Tumr Presente : 14% Txinas (<1%) Pós- p (<1%) Classificaçã Dças vasculares (<1%): pliarterite ndsa e lupus eritemats sistêmic PA Leve (Intersticial) (80%): Edema intersticial, Áreas micrscópicas de necrse, disfunçã rgânica mínima PA Grave (Necrtizante) (20%): Necrse Pancreática, Falência rgânica, Abscesss pancreátics Clínica Dr abdminal: em faixa, em andar superir Náusea e Vômits Febre Distensã abdminal Irritaçã peritneal Desidrataçã Taquicardia Icterícia Dispnéia (irritaçã diafragmática, derrame pleural, SARA) PA Grave Alteraçes cirulatórias ( hiptensã, hipvlemia e hipperfusã) SIRS, Sepse Disfunçã rgânica múltipla Equimse em flanc (Grey Turner) Equimse periumbilical (Cullen) Necrse grdursa subcutanea ( paniculite) Exames Labratriais Amilase: Meia vida curta, Fals Psitiv (Obstruçã intestinal alta, Isquemia mesentérica, Dença tub-variana, gestaçã, gestaçã ectópica rta, cetacidse DM, drgas (mrfina), Insuficiência renal, Macramilasemia,Partidite, Aneurisma de Arta, Peritnite, Apendicite Aguda, Trauma Cerebral, Queimaduras ) - 80% ds

4 pacientes cm Pancreatite Aguda apresentam aument da Amilase dentre as primeiras 24 hras Lipase : Meia vida mais lnga, Especificidade > q amilase ALT, AST, Fsfatase alcalina, Bilirrubinas Cálci, Clesterl, Triglicérides Eletrólits, Uréia, Creatinina, Glicemia Hemgrama e Gasmetria Arterial Prteína C-reativa ( PCR) > 150 mg/l Imagem Rx simples de abdme : alça sentinela ( alça islada adjacente a pâncreas ). Sinal d "Cutff" clônic = espasm d cl próxim a pâncreas islad. Na Pa biliar, Rx simples de abdme pde evidenciar cálculs biliares vesícula biliar. Ultra-sm Abdme Diagnóstic etilógic PA Clelitíase Sensibilidade reduzida Nã avalia gravidade da dença Tmgrafia PA Leve Câncer de Pâncreas (Idss) PA Grave e cmplicações Critéris de Baltazar A: Pâncreas de aspect nrmal B: Aument d pâncreas (fcal u difus) C: Inflamaçã peripancreática D: Cleçã líquida única E: Duas u mais cleções Ressnância Magnética (Clangipancreatgrafia) Obstruçã ductal (biliar e pancreática) Nã invasiv, segur e rápid Ecendscpia :Diagnóstic etilógic: Micrlitíase e lesões ampulares Clangipancreatgrafia endscópica retrógrada (CPRE): nunca utilizad cm instrument de primeira linha Indicações Paciente cm PA biliar grave (cledclitíase) Paciente cm PA biliar: Elevaçã Icterícia, Deteriraçã Clínica Esfintertmia e extraçã d cálcul Critéris prgnóstics Ransn PA na biliar PA biliar Na admissã Idade[ans] >55 >70 Leuccits[x10] >16 >18 Glicemia[mg/dl] >200 >220

5 DHL[U/L] >350 >400 TGO[U/L] >250 >250 Após as 48h iniciais Queda ht[%] >10 >10 Aument da BUN [ureia/18] >5 >2 Calcemia [mgdl] <8 <8 PaO2 [mmhg] <60 Base excess [meq/l] >4 >5 Deficit estimad de fluid[l] >6 >4 Mrtalidade (segund critéris) < 2 fatres=0,9% 3-4 fatres=16% 5-6 fatres=40% 7-8 fatres=100% Critéris de Balthazar e Ransn Tabela 1 - Achad tmgráfic Pnts Grau A Tmgraficamente nrmal 0 Grau B Aument fcal u difus d pâncreas 1 Grau C Anrmalidades da glândula pancreática cm alterações inflamatóris peripancreáticas leves 2 Grau D Cleçã líquida única, cmumente dentr d espaç anterir para-renal 3 Grau E Duas u mais cleções líquidas próximas d pâncreas u gás n interir d pâncreas u da inflamaçã peripancreática 4 Tabela 2 Extensã da necrse Pnts <= 30% % 4 >50% 6 Smar pnts da tabela 1 e 2 Mrtalidade Mrbidade 0-3 pnts 3% 8% 4-6 pnts 6% 35% % 92% Sensibilidade: 73%. Especificidade: 77% Avaliaçã smente em 2 mments durante evluçã da dença Acute physilgy and chrnic health evaluatin (APACHE II) Idade T º retal, PAM, FC, PaO 2, ph arterial K, Na, Hematócrit e leucócits Escala de cma de Glascw Status de dença crônica Tratament PA Leve Jejum Hidrataçã vensa Analgesia Antibiótics (cntra indicad)

6 Realimentaçã (melhra da dr e anrexia) Clelitíase Clecistectmia PA Grave: Unidade de terapia intensiva (UTI) Suprte clínic Diminuir prcess inflamatóri Limitar a infecçã e superinfecçã Identificar e tratar cmplicações Hidrataçã vensa Estabilidade hemdinâmica Nutriçã enteral ttal (Nasentérica / Nasgástrica) - Balanç nitrgenad psitiv - Estabilizaçã barreira mucsa - Translcaçã bacteriana Cmplicações infeccisas Nutriçã parenteral ttal: - Indispnibilidade trânsit intestinal - Intlerância d paciente Necrse pancreática Infecçã Mrtalidade (Escherichia cli, Klebsiella pneumniae, Entercccus sp, Staphylcccus sp, Pseudmnas SP) Prfilaxia antibiótica: Efeits adverss, Resistência a drga, Infecçã fúngica Nã há cnsens sbres s benefícis da prfilaxia antibiótica Recmendad smente Sepse Fc Incert Diagnóstic de Necrse Infectada: Punçã agulha fina (PAF) guiada pr Tmgrafia Bacteriscpia (Gram) Cultura e antibigrama Resultad (+) (sem cndições de cirurgia): cateter guiad pr tmgrafia Drenagem Vigilância clínica Infecçã intra-abdminal Pseudcist pancreátic Hemrragia intra-abdminal Perfuraçã de clón Obstruçã intestinal u fistulizaçã Falência de múltipls órgãs Tratament cirúrgic: Necrse estéril cm deteriraçã clínica 2-3 semanas Necrse infectada Cmplicações: Pseudcist e Ascite Pancreática : Abscess pancreátic, Ruptura ductal pancreática, Hemrragia

7 Obstruçã e Perfuraçã de Vísceras Necrse: Necrsectmia (Desbridament): Parênquima pancreátic, Grdura retrperitneal Cmplicaçã: Fístulas pancreáticas Fístulas gastrintestinais Necrse d cóln Hemrragia Defeits da parede abdminal Lavagem da cavidade, Hemstasia Drenagem da lja pancreática Abscesss pancreátics: drenagem percutânea guiada TC, desbridament e drenagem cirúrgica Cmplicações: Pseudcist de pâncreas Aspiraçã percutânea Endscpia: Transpapilar u Transmural Cirúrgic: Drenagem Interna u Externa Cleçã fluída peripancreática > 4 semanas Assintmátics e pequens (< 6 cm) Sintmátics: Dr, Hemrragia, Infecçã Ascite pancreática: Paracentese cm NPT u Nutriçã Enteral CPRE (Transpapilar) Pancreatjejunstmia em Y Rux Pancreatectmia Pancreatite crônica Dença caracterizada pr inflamaçã e degeneraçã fibrótica prgressiva e irreversível d parênquima pancreátic. Classificaçã: Simpósi de Marselha-Rma Pancreatite cônica calcificante 2. Pancreatite crônica bstruitiva 3. Pancreatite crônica inflamatória 1) PANCREATITE CRÔNICA CALCIFICANTE Mais cmum (95%) Principal causa: Etilism crônic

8 2) PANCREATITE CRÔNICA OBSTRUTIVA Mens cmum Principal causa: bstruçã d duct principal (TU intraductal adencarcinma) Dilataçã hmgênea e fibrse d parênquima 3) PANCREATITE CRÔNICA INFLAMATÓRIA Rara Principal causa: dença aut imune (Sd. Sjögren) Nã há bstruçã ductal Agressã inflamatória crônica a parênquima pancreátic Fisipatlgia Isquemia tissular bstruçã cmpressã capilares diminuiçã aprte sanguíne Estresse xidativ etilistas/desnutrids deficiência de substâncias anti-xidantes acúmul de radicais livres (inflamaçã) Etilgia ALCOÓLICA mais cmum (70-80%) cnsum 100g/diárias etanl / 5ans

9 sensibilidade pessal, fatres genétics e nutricinais 5-10% etilistas crônics desenvlvem a dença plugs prtéics TROPICAL Pancreatite calcificante nã alcólica África trpical e Ásia (rara n Brasil) crianças (desnutridas) HEREDITÁRIA herança autssômica dminante (penetrância 80%) < 2% cass jvens (20 ans) mair risc de adencarcinma de pâncreas IDIOPÁTICA 10 30% ds cass Frma juvenil: ans Frma senil: ans OBSTRUTIVA - estense inflamatória - estense neplásica - bstruçã pr cálcul Outrs Pâncreas divisum Hiperparatiridism Trauma Raditerapia Clínica Tríade: DOR: sintma mais cmum andar superir d abdme irradiaçã para drs melhra cm flexã d tórax intensidade variável (leve/intensa-piáces) caráter intermitente (crises/acalmia) surge/pira após alimentaçã e/u libaçã alcólica (2-3 dias) fisipatlgia

10 . Obstruçã ductal ( sd. cmpartimental ). Inflamaçã das terminações nervsas (perineur) ESTEATORRÉIA: INSUFICIÊNCIA EXÓCRINA fase avançada da dença (15 ans alcólica) 90% d parênquima lesad fezes lesas, brilhantes, aderentes a vas, fétidas DIABETES MELLITUS: INSUFICIÊNCIA ENDÓCRINA fase avançada da dença (20 ans alcólica) iníci após esteatrréia 80% das ilhtas lesadas cmplicações micrangipáticas reduzidas em relaçã à DM tip I Estigmas de insuficiência hepática Emagreciment - evitam se alimentar ( quantitativa) - etilistas crônics ( qualitativa) - esteatrréia - diabetes descmpensad Diagnóstic Enzimas pancreáticas amilase e lipase Teste da secretina - CCK - mais sensível e específic (funçã pancreática) sensibilidade 85% % de lesã parênquima Teste da Bentirmida (Bt ácid para aminbenzóic) Mens invasiv e mais barat Radigrafia simples de abdme - calcificações em tpgrafia pancreática - fase avançada (cálculs) 60% c/ insuf. exócrina/endócrina Tmgrafia de abdme (cntraste IV) sensibilidade: 80-90% especificidade: 85%

11 atrfia parênquima, dilataçã/estense ductal, calcificações, cmplicações (pseudcist) CPRE (clangipancreatgrafia endscópica retrógrada) - sensibilidade: 90-95% especificidade: 90% - estenses, dilatações, calcificações, diferencia de neplasia - padrã-ur até advent da USG endscópica USG endscópica aspect hetergêne mais sensível e específic permite biópsia Tratament Clínic Abstinência etílica Fracinament das refeições, reduçã da ingestã de grduras Suplements enzimátics rais Analgesia escalnada (paracetaml/aines/antidepressivs/piáces) Cirúrgic Descmpressã ductal endscópica (retirada de cálculs / endprótese / dilatações) Cirúrgica: Descmpressã ductal cirúrgica (derivações) Ressecçã Blquei d plex nervs celíac INDICAÇÕES DE TERAPÊUTICA CIRÚRGICA: Dr (principal) Fibrse/Cmpressã de estruturas adjacentes (clédc, vass, gástrica, dudenal e clônica) HDA pr hipertensã prtal Ruptura duct pancreátic: ascite, fístula, pseudcists Suspeita de neplasia OBJETIVOS DA TERAPÊUTICA CIRÚRGICA: - melhra da dr - desbstruçã ductal e retrn da secreçã pancreática para TGI, cm mínima de perda parênquima (funçã) - técnicas individualizadas DERIVAÇÕES PANCREÁTICAS Cirurgia Puestw mdificada pr Partingtn Rchelle (anastmse pancreatjejunal lngitudinal em Y de Rux) Melhr preservaçã funçã pancreática Menr mrbi-mrtalidade cmparada à ressecçã Indicaçã: DILATAÇÃO DUCTO PANCREÁTICO (>0,6cm) Alívi da dr 85-95% ds dentes Retarda insuficiência pancreática exócrina

12 DERIVAÇÕES PANCREÁTICAS AMPLIADAS Dilataçã ductal + aument cabeça pâncreas Cirurgia de Berger: ressecçã subttal cabeça pâncreas e preservaçã dudenal; anastmse prçã residual cabeça e prçã distal pâncreas seccinad em alça jejunal em Y Rux. Cirurgia de Frey: ressecçã parcial da prçã central cabeça pâncreas até duden e vass mesentérics; anastmse cavidade criada na regiã cefálica, junt cm duct pancreátic abert lngitudinalmente cm alça jejunal em Y Rux.

13 Ambs: cntrle dr em 90% cass RESSECÇÕES PANCREÁTICAS Pancreatectmia Distal: até 80% pâncreas Lesões segmentares Sem dilataçã ductal Prções distais d órgã Sempre tentar preservar baç (< infecçã) Recidiva dr: lesã cefálica Dudenpancreatectmia (Cirurgia de Whipple) - Dença parenquimatsa imprtante limitada a cabeça pancreática - Obstruçã de via biliar u dudenal assciada - Cntrle da dr 70-85% cass

14 BLOQUEIO DO PLEXO NERVOSO Radilgicamente guiad Injeçã percutânea u endscópica de álcl u crticóide Eficácia de 50% Risc de hiptensã pstural e hemiparesia ESTEATORRÉIA - Repsiçã de enzimas pancreáticas - Liberaçã entérica (alt cust) - Cnvencinais (assciadas u nã a anti-secretres) - Dse de a U pr refeiçã PSEUDOCISTO DE PÂNCREAS: (25%) Cleçã líquida, tamanh variável, cntida pr uma falsa cápsula de tecid de granulaçã, intra u extra pancreática Frmaçã: bstruçã ductal e ruptura Respnsável pr 5-10% óbits na pancreatite crônica Quadr clínic: - Dr persistente e refratária - Sd clestática - Sd bstruçã pilórica - Hemrragia / Abscess / Ruptura (ascite pancreática)

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

Pancreatite Aguda. Se internar solicitar

Pancreatite Aguda. Se internar solicitar Pancreatite Aguda Quadro clínico: dor abdominal súbita epigástrica irradiando para dorso, acompanhada de náusea e vômitos. Amilase 3 nl e US abdome e Rx abd agudo Avaliar gravidade Internar se: o Dor severa

Leia mais

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada Introdução Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada BI + Albumina Hepatócitos Bilirrubina Direta (BD) ou conjugada Canalículos biliares Duodeno

Leia mais

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA Academia Nacional de Medicina PANCREATITE AGUDA TERAPÊUTICA José Galvão-Alves Rio de Janeiro 2009 PANCREATITE AGUDA FORMAS EVOLUTIVAS INÍCIO PANCREATITE AGUDA 1º - 4º Dia Intersticial Necrosante 6º - 21º

Leia mais

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica PANCREATITE AGUDA ETIOLOGIA Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÃO CLÍNICA CRITÉRIOS PROGNÓSTICOS Ranson Na admissão: Idade > 55 anos Leucócitos > 1600 N uréico aumento

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Pancreatite aguda e crônica. Ms. Roberpaulo Anacleto

Pancreatite aguda e crônica. Ms. Roberpaulo Anacleto Pancreatite aguda e crônica Ms. Roberpaulo Anacleto Pâncreas Pâncreas Regulação da secreção pancreática : 1) ph pela ação do suco gástrico liberação de secretina pelo duodeno e jejuno estímulo para liberação

Leia mais

Raniê Ralph. 14 de Novembro de 2007. Professor Chamon.

Raniê Ralph. 14 de Novembro de 2007. Professor Chamon. 14 de Nvembr de 2007. Prfessr Chamn. Vesícula e vias biliares. Cnsiderações cirúrgicas. Objetivs. Cnsiderações da anatmia. Patlgias cirúrgicas. Fisipatlgia. Diagnóstic. Alternativas de tratament. Tratament

Leia mais

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos pancreáticos (principal e acessório) Gatos: Ducto biliar

Leia mais

Deslocamento das vísceras pélvicas no sentido caudal em direção ao hiato genital.

Deslocamento das vísceras pélvicas no sentido caudal em direção ao hiato genital. Prlaps genital (distpias) Deslcament das vísceras pélvicas n sentid caudal em direçã a hiat genital. Sem diferenças entre as raças, idade média de 55 ans (aumentand a incidência cm a idade), 50% das multíparas,

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

Carcinoma Medular da Tireóide

Carcinoma Medular da Tireóide Serviç de cabeça e pescç HUWC Mári Sérgi R. Macêd Intrduçã 5 a 10 % ds cânceres tireóides Origem: Células C prdutras de calcitnina Hazard em 1959 Subtip histlógic Steiner em 1968 defeniu NEM Intrduçã O

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma?

Glaucoma. O que é glaucoma? Glaucma O que é glaucma? Glaucma é a designaçã genérica de um grup de denças que atingem nerv óptic (ver figura 1) e envlvem a perda de células ganglinares da retina num padrã característic de neurpatia

Leia mais

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO 5º ANO SUMÁRIO Métodos de imagem (MI) Pancreatite aguda (PA) Pancreatite crónica (PC) Tumores do pâncreas MÉTODOS DE IMAGEM Ecografia ( ECO ) Tomografia computorizada ( TC ) Ressonância magnética ( RM

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

PANCREATITE. Dr. Joachim Graf

PANCREATITE. Dr. Joachim Graf 5 PANCREATITE Dr. Joachim Graf Objetivos 1. Definir pancreatite aguda 2. Conhecer as principais causas de pancreatite aguda 3. Conhecer aspectos relevantes da história medica 4. Valorizar aspectos do exame

Leia mais

Neurorradiologia I Professor Luciano Farage

Neurorradiologia I Professor Luciano Farage Dig Arauj Med 92 Neurrradilgia I Prfessr Lucian Farage O RX tem puquíssima aplicaçã em neurrradi. Ela só é interessante quand há lesã óssea vista previamente na TC u RM (ela nunca é feita cm primeira esclha).

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

Abcessos Hepáticos. Hospital de Braga. Cirurgia Geral. Director: Dr. Mesquita Rodrigues. Pedro Leão Interno de Formação Específica em.

Abcessos Hepáticos. Hospital de Braga. Cirurgia Geral. Director: Dr. Mesquita Rodrigues. Pedro Leão Interno de Formação Específica em. Hospital de Braga Cirurgia Geral Director: Dr. Mesquita Rodrigues Pedro Leão Interno de Formação Específica em Cirurgia Geral 18-05-2010 Lesões Hepáticas Focais Benignas Abcessos Hepáticos Piogénico Amebiano

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Adenocarcinoma de Pâncreas Bruno Sérgio de Souza Bernardes Sólidos: Tumores do Pâncreas Classificação

Leia mais

DOENÇA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL

DOENÇA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL MATERNIDADE-ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND Diretrizes assistenciais DOENÇA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL DOENÇA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL Cecília Maria Pntes Francisc Edsn de Lucena Feitsa CONCEITO: Os tumres

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB. 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB. 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatóri 1a) Diabetes Mellitus Tip 1, Tip 2, Gestacinal (DMG) Outrs tips específics de diabetes,

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

03/05/2012. Radiografia simples do abdome

03/05/2012. Radiografia simples do abdome Radiografia simples do abdome 3 1 Contrastados: Urografia Excretora Injeção EV Contraste iodado Opacificação: 1. Parênquima renal 2. Sistema coletor 3. Bexiga e uretra 4 Litíase urinária Caso cr Rx simples:

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

5 o Encontro da Escola de

5 o Encontro da Escola de 5 Encntr da Escla de SAÚDE E ALIMENTAÇÃO: UMA VISÃO INTERPROFISSIONAL PROGRAMAÇÃO 13 DE MAIO DE 2014 PALESTRAS E MESAS REDONDAS PARTICIPE E ACOMPANHE Infrmações e inscrições: www.anhembi.br 5 Encntr da

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica

Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica Gustavo Rêgo Coêlho (TCBC) Serviço de Cirurgia e Transplante de Fígado Hospital das Clínicas - UFC Tumores Cís+cos do Pâncreas Poucos tópicos

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

Módulo I (Introdutório 32 horas)

Módulo I (Introdutório 32 horas) Módul I (Intrdutóri 32 hras) Data: 31/Outubr - 3/Nvembr/2013 Prgrama: Fundaments de Química, Biquímica, Bilgia Celular e Mlecular Biquímica da Nutriçã e Regulaçã Endócrina d Metablism: Fundaments de Endcrinlgia

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Oclusão do tubo digestivo

Oclusão do tubo digestivo ABDOME AGUDO O diagnóstico sindrômico de abdome agudo (AA) é caracterizado pela presença de dor abdominal intensa e aguda (horas até 4 dias). O número de causas é enorme e ainda assim, a maioria dos casos

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

RN de Mãe com Endocrinopatia

RN de Mãe com Endocrinopatia Imersã em Endcrinlgia Pediátrica NEONATOLOGIA RN DE MÃE COM ENDOCRINOPATIA RN de Mãe cm Endcrinpatia na Gestaçã Dra. Ana Cláudia Brges d Carm Hsp. Central da Aernáutica - RJ Març/6 na Gestaçã Gestacinal

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Cintilografia Óssea. Tecnologia em Medicina Nuclear Prof. Leonardo

Cintilografia Óssea. Tecnologia em Medicina Nuclear Prof. Leonardo Cintilgrafia Óssea Tecnlgia em Medicina Nuclear Prf. Lenard VANTAGENS DA CINTILOGRAFIA ÓSSEA Avaliaçã rápida de td esquelet em um únic exame, pssibilitand detectar e avaliar uma série de lesões esqueléticas

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

Tumores TGI. Tumores de esôfago. Grande aumento no ocidente industrializado (EUA)

Tumores TGI. Tumores de esôfago. Grande aumento no ocidente industrializado (EUA) Tumres TGI Tumres de esôfag Grande aument n cidente industrializad (EUA) INCIDÊNCIA: Mair em países cm: China, Índia, Irã, Singapura ( > 130/100000 hab) AMÉRICA DO SUL: Uruguai: 40/100000 habitantes Brasil:

Leia mais

Pâncreas: Vascularização e Inervação

Pâncreas: Vascularização e Inervação Universidade de Rio Verde UniRV Faculdade de Medicina de Rio Verde Famerv Liga de Acadêmica de Anatomia Humana - LiAAna Pâncreas: Vascularização e Inervação Ligantes: Janayna Matumoto Mota Thiago Huei

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

A) Benignas. Raniê Ralph

A) Benignas. Raniê Ralph Neplasias gineclógicas Enfatizarems câncer de mama e de cl: s mais freqüentes e s que mais caem. Câncer de cl é mais frequente na ppulaçã feminina n Brasil. Denças da mama Benignas x malignas A) Benignas

Leia mais

SERVIÇO DE CIRURGIA GERAL. Coordenador: Dr Laércio Robles PROTOCOLOS AMBULATORIAIS DE REFERÊNCIA / CONTRA REFERÊNCIA DO HSM COM A REDE BÁSICA

SERVIÇO DE CIRURGIA GERAL. Coordenador: Dr Laércio Robles PROTOCOLOS AMBULATORIAIS DE REFERÊNCIA / CONTRA REFERÊNCIA DO HSM COM A REDE BÁSICA R: Santa Marcelina, 177 Itaquera Fone (0xx11) 6170-6279 CEP 08270-070 - SÅo Paulo-SP SERVIÇO DE CIRURGIA GERAL Coordenador: Dr Laércio Robles PROTOCOLOS AMBULATORIAIS DE REFERÊNCIA / CONTRA REFERÊNCIA

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Tumores na cauda pancreática requerem ressecção do baço (esplenectomia) uma vez que é impossível saber se os tumores já enviaram MT para o órgão.

Tumores na cauda pancreática requerem ressecção do baço (esplenectomia) uma vez que é impossível saber se os tumores já enviaram MT para o órgão. 29 de Maio de 2009. Pâncreas O pâncreas é um órgão retroperitoneal... quando abrimos a cavidade abdominal não vemos nada naquela região... é necessário abrir o omento menor para conseguir ver alguma coisa.

Leia mais

LESÕES QUÍSTICAS DO PÂNCREAS - ABORDAGEM DIAGNÓSTICA POR IMAGEM -

LESÕES QUÍSTICAS DO PÂNCREAS - ABORDAGEM DIAGNÓSTICA POR IMAGEM - LESÕES QUÍSTICAS DO PÂNCREAS - ABORDAGEM DIAGNÓSTICA POR IMAGEM - 6/04/2011 Célia Antunes Moderador: Dr. Luís Curvo Semedo Abordagem multidisciplinar das lesões quísticas pancreáticas Clínica Radiologia

Leia mais

Radiographics Nov 2005. Abril 2007

Radiographics Nov 2005. Abril 2007 Radiographics Nov 2005 Abril 2007 INTRODUÇÃO Aumento da detecção lesões quisticas pâncreas (Eco, TC, RM) Aumento do número de cirurgias pancreáticas Muitas lesões quisticas do pâncreas são benignas Importância

Leia mais

13 de fevereiro de 2009. Apostila 05 Nefrolitíase e ca de próstata. Nefrolitíase

13 de fevereiro de 2009. Apostila 05 Nefrolitíase e ca de próstata. Nefrolitíase 13 de fevereir de 2009. Apstila 05 litíase e ca de próstata litíase Cmpsiçã ds cálculs renais Oxalat de cálci É mais freqüente na humanidade (40-70%). Pde ser de 3 variedades: Pur Ligad a ácid úric: geralmente

Leia mais

HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica

HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 22/07/04 Anastomoses Bilio-digestivas Intra-hep hepáticas em Tumores da Convergência Diego Teixeira Alves Rangel Tratamento Paliativo em 10

Leia mais

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016 Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda DENGUE O Brasil têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos 10 anos com aumento

Leia mais

Mal formações do trato urinário. Luciana Cabral Matulevic

Mal formações do trato urinário. Luciana Cabral Matulevic Mal formações do trato urinário Luciana Cabral Matulevic Refluxo Vésico-Ureteral Fluxo anormal de urina da bexiga para o trato urinário superior Achado isolado ou associado a outras malformações Causas

Leia mais

HIPÓTESES: PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA EM CIRRÓTICO DESCOMPENSADO ENTEROINFECÇÃO (GASTROENTEROCOLITE)

HIPÓTESES: PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA EM CIRRÓTICO DESCOMPENSADO ENTEROINFECÇÃO (GASTROENTEROCOLITE) Caso Clínico 1 (2,0 pontos) Um homem de 50 anos, funcionário público, casado, etanolista diário, deu entrada na emergência, referindo dor abdominal, febre 38 C e evacuações diarreicas aquosas há 24 horas.

Leia mais

Residência Médica Seleção 2013 Prova de Cirurgia Geral Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1

Residência Médica Seleção 2013 Prova de Cirurgia Geral Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 Caso Clínico 1 Paciente de 55 anos, sexo feminino, chega ao ambulatório de Cirurgia Geral com quadro de icterícia, colúria e acolia fecal. Segundo a paciente, já era portadora de colelitíase sintomática,

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 355/2014 Informações sobre Questran Light

RESPOSTA RÁPIDA 355/2014 Informações sobre Questran Light RESPOSTA RÁPIDA 355/2014 Informações sobre Questran Light SOLICITANTE Drª. Mônika Alessandra Machado Gomes Alves, Juíza de Direito do Juizado Especial de Unaí NÚMERO DO PROCESSO 0049989-72.2014 DATA 07/06/2014

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

As análises clínicas em Cuidados farmacêuticos

As análises clínicas em Cuidados farmacêuticos As análises clínicas em Cuidados farmacêuticos Caso clínico Manuel António, de 44 anos, apresenta o seguinte perfil de resultados laboratoriais, obtido em exame de rotina Glucose Ureia Creatinina Ácido

Leia mais

Alta morbidade e mortalidade nas cirurgias pancreáticas

Alta morbidade e mortalidade nas cirurgias pancreáticas Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem LESÕES CÍSTICAS DE PÂNCREAS 02/07/2009 Matheus Gonzalez Lopes R3 Contexto Atual Prevalência crescente

Leia mais

Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica Tuberculose Peritoneal Res : Ana Carolina Assaf

Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica Tuberculose Peritoneal Res : Ana Carolina Assaf Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica Tuberculose Peritoneal Res : Ana Carolina Assaf BK Peritoneal / Relato de Caso Identificação : P.C.S S, 32anos, branca, brasileira,

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW CIRURGIA PEDIÁTRICA EM ONCOLOGIA

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW CIRURGIA PEDIÁTRICA EM ONCOLOGIA PROCESSO SELETIVO 02/2015 PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA ANOS OPCIONAIS E ÁREAS DE ATUAÇÃO E CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW INCA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Câncer do pâncreas Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Diagnóstico A tomografia helicoidal com dupla fase é o melhor exame de imagem para diagnosticar e estadiar uma suspeita de carcinoma

Leia mais

Abdome Agudo Inflamatório. Peritonites

Abdome Agudo Inflamatório. Peritonites Abdome Agudo Inflamatório Peritonites Conceito: Classificação: Funcionais ou Fisiopatológicas Peritonite Primária ou Espontânea Peritonite Secundária Peritonite Terciária Quanto à Extensão Generalizada

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

PROTOCOLO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA AOS CASOS DE INFLUENZA PANDÊMICA (H1N1) 2009. Comitê Estadual de Enfrentamento à Influenza

PROTOCOLO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA AOS CASOS DE INFLUENZA PANDÊMICA (H1N1) 2009. Comitê Estadual de Enfrentamento à Influenza PROTOCOLO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA AOS CASOS DE INFLUENZA PANDÊMICA (H1N1) 2009 Cmitê Estadual de Enfrentament à Influenza MINAS GERAIS 2010 1 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS GOVERNADOR ANTÔNIO

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

Gastroenteroanastomose

Gastroenteroanastomose HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 31/03/05 Gastroenteroanastomose em Tumores Irressecáveis de Cabeça de Pâncreas Diego Teixeira Alves Rangel Estatísticas HM Cardoso Fontes Johns

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral QUESTÃO 01 Representa contra-indicação absoluta à colonoscopia: a) Volvo de sigmóide b) Doença inflamatória intestinal c) Câncer colorretal d) Doença diverticular e) Megacólon tóxico QUESTÃO 02 São fatores

Leia mais

Reunião de casos clínicos

Reunião de casos clínicos Reunião de casos clínicos RM Dr Ênio Tadashi Setogutti Dr Gustavo Jardim Dalle Grave Março 2013 CASO CLINICO - 1 Paciente sexo feminino, 52 anos, HIV +, com dor intensa em região lombar, dificuldade para

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Divisão de Nutrição e Dietética. Atendimento de Nutrição nas Unidades de Internação

Procedimento Operacional Padrão (POP) Divisão de Nutrição e Dietética. Atendimento de Nutrição nas Unidades de Internação UFSC Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina Elaborado por: Nutricionistas clínicas Revisado por: Nutricionistas clínicas Aprovado por: Gisele

Leia mais

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação 1. Tipo de trabalho e responsabilidades principais O Gastrenterologista Pediátrico é um médico com formação em Pediatria

Leia mais

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos.

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA II Curso de Pneumologia na Graduação 11 e 12 de junho de 2010 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Doenças Pleurais Evaldo Marchi Grupo de Pleura -

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO...

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO gesep ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... 2009 Converse com o paciente... A Anamnese e o Ex. Físico 70% dos diagnósncos são baseados apenas na história 90% dos diagnósncos

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais