CREA-RJ apresenta relatório técnico sobre rios considerados pontos críticos de enchentes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CREA-RJ apresenta relatório técnico sobre rios considerados pontos críticos de enchentes"

Transcrição

1 3 JORNAL DO CREA-RJ - ANO II -EDIÇÃO Nº 16 - FEVEREIRO/MARÇO 2014 Gespública Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização Nível 3 (Alta) Categoria Prata O CREA-RJ deve usar as logomarcas dos programas Gespública, PQ Rio e Pró-Equidade de Gênero e Raça por ter adquirido este direito ao merecer os respectivos prêmios e selos. Rua Buenos Aires nº 40 Centro - Rio (RJ) Central de Relacionamento : (21) CREA-RJ apresenta relatório técnico sobre rios considerados pontos críticos de enchentes Páginas 4 e 5 Eleição da nova diretoria ratifica apoio à atual gestão Da esq. para a dir.: 3º Diretor-Financeiro: Rockfeller Maciel Peçanha; 2º Diretor-Financeiro: Jorge Nisenbaum; 2º Diretor-Administrativo: Oduvaldo Siqueira Arnaud; 1ª Diretora-Administrativa: Regina de Jesus Ramos; Presidente Agostinho Guerreiro; 2ª Vice-Presidente: Marlise de Matosinhos; 1º Vice-Presidente: Manoel Lapa e Silva; 3º Diretor-Administrativo: Glauber Pinheiro; 1º Diretor-Financeiro: Jair José da Silva Página 3 Arciley Pinheiro é reeleito Diretor do Confea Escâner portátil: uma nova Fiscalização Soluções sustentáveis, baratas, de curto e médio prazos podem ser mais eficazes do que grandes e caras obras II Seminário sobre Lei de Autovistoria dá explicações detalhadas a mais de 500 participantes Objetivo principal dos seminários gratuitos do CREA-RJ é debater o LTVP (Laudo Técnico de Vistoria Predial) e sanar as muitas dúvidas de engenheiros, síndicos e público em geral Página 6 O conselheiro federal Arciley Pinheiro, representante do Rio de Janeiro no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) foi reeleito por unanimidade para compor o Conselho Diretor da instituição. Página 7 Equipamento possibilita digitalização dos documentos de forma rápida, evitando o acúmulo de papéis e agilizando o trabalho do fiscal, que durante uma ação não precisa mais esperar por cópia ou envio da documentação. Página 3 Página 3 CREA-RJ apresenta relatório do caso Engenhão Relatório recomendou abertura de processo ético contra responsáveis técnicos por cobertura metálica e análise da Assessoria Jurídica sobre ação de engenheiro português sem habilitação para trabalhar no Brasil.

2 2 Projeto Conselheiro 2014: Sustentabilidade e Ética Prof issional Para Agostinho Guerreiro os Conselheiros têm uma vivência cotidiana que permite que façamos das reuniões plenárias um elemento vivo dentro do nosso Conselho Sustentabilidade e Ética Profissional foram os temas do XIII Seminário do Projeto Conselheiro 2014, que reuniu, no dia 16 de janeiro, novos e atuais Conselheiros, para participarem de várias palestras sobre assuntos referentes à atuação e o papel dos Conselheiros no CREA-RJ. Durante o encontro, o presidente Agostinho Guerreiro anunciou a aquisição de tablets para os Conselheiros, que vão substituir as máquinas de votação e também facilitar o trabalho destes por intermédio do Portal do Conselho. Os conselheiros são representantes de entidades e instituições de ensino e têm uma vivência cotidiana que permite que nós façamos das nossas reuniões Plenárias um elemento vivo dentro do nosso Conselho. Nos últimos anos têm desenvolvido, junto com a Diretoria, Câmaras Especializadas e Comissões, além de servidores, profissionais e empresas que compõem o nosso Sistema, um papel extremamente importante, trazendo ideias e muita criatividade. Não é a toa que o Crea do Rio de Janeiro é uma referência nacional, pois temos tratado de corrigir o que precisa ser corrigido, trazendo novas propostas e reaproveitando com uma nova visão as propostas já existentes, disse Guerreiro. O Conselheiro Federal Arciley Alves Pinheiro, presente ao encontro, destacou a importância do Projeto Conselheiro. A reunião é a marca do início de um entrosamento e troca de ideias entre os novos e antigos Conselheiros. Por intermédio das palestras, os novos são informados como será seu papel e trabalho aqui no CREA-RJ, além de conhecer a estrutura da instituição. POSSE No encontro, nove dos 21 novos conselheiros tomaram posse para o mandato 2014/2016. Foram eles: Gilberto Adib Couri, engenheiro civil (UFF); Glauber Marcio Sumar Pinheiro, engenheiro florestal (APEFERJ); Itamar Marques da Silva, engenheiro industrial-telecomunicações e técnico em eletrotécnica (Clube de Engenharia); José Schipper, engenheiro civil (IEL); Leonardo Heitor Richa Nogueira, engenheiro de segurança do trabalho e engenheiro civil (Sobes-Rio); Marcos Aurélio Barcelos, engenheiro eletricista e de segurança do trabalho e técnico em eletrotécnica (Senge-RJ); Osvaldo Henrique de Souza Neves, engenheiro de Segurança do Trabalho e engenheiro agrônomo (Sobes-Rio); Pedro Pascoal Sava, engenheiro civil (Unisuam); Regina de Jesus Ramos Andrade, engenheira civil (Seaerj). Regina de Jesus Ramos, que tomou posse para seu segundo mandato, reforçou a participação feminina no plenário do CREA-RJ. Estamos intensificando o trabalho com as mulheres no Plenário. Num universo predominantemente masculino, é importante a presença de mais conselheiras no CREA-RJ. Portal: 3 milhões de acessos O portal do CREA-RJ (www.crea-rj.org.br) teve, em 2013, um total de visualizações de páginas (9% a mais do que em 2012), originadas por visitas (+ 8,70%). Os dados foram obtidos pelo Google Analytics, um dos principais medidores de audiência do mercado. Presidente do Crea-RO no Rio O presidente do Crea de Rondônia, Nélio Alencar, acompanhado do presidente do Clube de Engenharia do estado, Alipio Warllenson Meira, visitou o CREA-RJ para conhecer o funcionamento da Fiscalização, do GesPública e de outros programas. Viemos buscar a experiência do CREA-RJ para modernizar o Crea-RO, disse Nélio Alencar. Os presidentes Nélio Alencar e Agostinho 1º Vice-Presidente MANOEL LAPA E SILVA Engenheiro Civil 2ª Vice-Presidente MARLISE DE MATOSINHOS VASCONCELLOS Engenheira Civil e de Segurança do Trabalho Presidente 1ª Diretora-Administrativa REGINA DE JESUS RAMOS ANDRADE Engenheira Civil 2º Diretor-Administrativo ODUVALDO SIQUEIRA ARNAUD Engenheiro Mecânico 3º Diretor-Administrativo GLAUBER MARCIO SUMAR PINHEIRO Engenheiro Florestal 1º Diretor-Financeiro JAIR JOSÉ DA SILVA Engenheiro Mecânico 2º Diretor-Financeiro JORGE NISENBAUM Engenheiro Civil 3º Diretor-Financeiro ROCKFELLER MACIEL PEÇANHA Engenheiro Metalúrgico e de Segurança do Trabalho Jornal do CREA-RJ Assessoria de Marketing e Comunicação - ASMC Assessor-Chefe Chico Junior Edição Viviane Maia Reportagem Renata Idalgo Estagiário William de Assis Projeto Gráfico e Diagramação Uallace Lima Tiragem 120 mil exemplares

3 3 Nova diretoria referenda trabalho do CREA-RJ Da esq. para a dir.: 3º Diretor-Financeiro: Rockfeller Maciel Peçanha; 2º Diretor-Financeiro: Jorge Nisenbaum; 2º Diretor-Administrativo: Oduvaldo Siqueira Arnaud; 1ª Diretora-Administrativa: Regina de Jesus Ramos; Presidente Agostinho Guerreiro; 2ª Vice-Presidente: Marlise de Matosinhos; 1º Vice-Presidente: Manoel Lapa e Silva; 3º Diretor-Administrativo: Glauber Pinheiro; 1º Diretor-Financeiro: Jair José da Silva A Plenária de 22 de janeiro elegeu a nova diretoria do CREA-RJ, para Foram apresentadas duas chapas e a escolha se deu por votação nominal, com os conselheiros optando pelos nomes correspondentes a cada cargo. A nova diretoria ficou assim composta, 1 vice-presidente: engenheiro civil Manoel Lapa e Silva; 2ª vice-presidente: engenheira civil e de segurança do trabalho Marlise de Matosinhos Vasconcellos; 1ª diretora- -administrativa: engenheira civil Regina de Jesus Ramos Andrade; 2º diretor-administrativo: engenheiro Mecânico Oduvaldo Siqueira Arnaud; 3º diretor-administrativo: engenheiro Florestal Glauber Marcio Sumar Pinheiro; 1º diretor-financeiro: engenheiro Mecânico Jair José da Silva; 2º diretor-financeiro: engenheiro civil Jorge Nisenbaum; 3º diretor-financeiro: engenheiro metalúrgico e de segurança do trabalho Rockfeller Maciel Peçanha. Conseguimos manter, como no ano passado, duas mulheres na Diretoria. Agostinho Guerreiro BOM RESULTADO Para a atual gestão, o resultado foi muito bom, pois de todos os oito componentes da Chapa 1, sete foram eleitos e apenas um cargo foi para a chapa da oposição. Houve, inclusive, um ex-presidente que concorreu pela oposição a 3º diretor financeiro e foi derrotado. Não foi um processo fácil. Por exemplo, alguns conselheiros que perderam seus mandatos por faltarem, sem licença prévia, a seis sessões (Art. 49 do Regimento Interno), tentaram, por intermédio de liminares, participar da Plenária. Mas a Justiça Federal não aceitou seus argumentos e em três diferentes varas o resultado foi o mesmo: todos os pedidos foram rejeitados. Escâner portátil: novo salto adiante Um novo equipamento adquirido pelo CREA-RJ promete agilizar o trabalho da Fiscalização. Trata-se de um escâner portátil que possibilita a obtenção da imagem dos documentos de forma rápida, evitando o acúmulo de papéis e agilizando o trabalho do fiscal, que durante uma ação não precisa mais esperar por cópia ou envio, via , da documentação solicitada. No mesmo instante, as imagens digitalizadas são enviadas ao Sistema para composição e instrução dos processos. No total, são 64 aparelhos à disposição dos fiscais do CREA-RJ em todo o Estado. Para o Presidente do CREA-RJ, Agostinho Guerreiro, essa facilidade no dia a dia dos fiscais tende a impulsionar o funcionamento do Conselho. A Fiscalização, em qualquer Crea, é o coração da instituição, o que faz pulsar o Sistema Confea/Creas. Precisamos modernizar cada vez mais os métodos e os equipamentos. Com os novos aparelhos, vamos substituir montanhas de papel por imagens. Isso contribui para a sustentabilidade e permite mais rapidez no processo de fiscalização, disse. O gerente de Fiscalização, Ricardo Rovo, concorda que a obtenção das imagens de documentos ressalta a preocupação que o setor tem de cumprir seu papel de fiscalização do exercício profissional. Com o uso do equipamento evitaremos o número exagerado de cópias e manuseio de papéis, além de dar maior celeridade nas ações de fiscalização, afirmou. No CREA-RJ a oposição costuma ser um espaço que temos para negociar e trabalhar juntos. E a eleição da esmagadora maioria dos representantes da Chapa 1 foi um claro referendo positivo à nossa gestão, um reconhecimento do nosso trabalho, aos numerosos prêmios que o Crea tem recebido nos últimos quatro anos, como o GesPública, o PQRio e o de Equidade de Gênero e Raça, comemorou Agostinho Guerreiro. DECISÃO Um momento importante da votação foi a escolha do cargo de 2º Vice-Presidente, com empate entre os candidatos das duas chapas. De acordo com o regimento do Conselho, cabe ao presidente proferir voto de qualidade, escolhendo um dos candidatos. Agostinho decidiu pela engenheira Marlise Matosinhos. Dessa forma, conseguimos manter, como no ano passado, duas mulheres na Diretoria. Para nós, é fundamental a questão da equidade de gênero, com mulheres na Diretoria e também com mais conselheiras, aumentando a representatividade feminina no plenário, disse. Tudo indica que teremos um trabalho muito bom em 2014 e que continuaremos avançando, dialogando democraticamente e com transparência, como sempre, com o nosso CREA-RJ sendo cada vez mais premiado. No caso da formação das Comissões, a composição refletiu a pluralidade que permeia o Plenário do CREA-RJ, o que é democrático e perfeitamente natural, concluiu o presidente do CREA-RJ. Arciley Pinheiro: reconhecido por todos, é reeleito Diretor do Confea O conselheiro federal Arciley Pinheiro, representante do Rio de Janeiro no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) foi reeleito por unanimidade para compor o Conselho Diretor da instituição. O engenheiro agrônomo também foi eleito para integrar a Comissão de Ética e Exercício Profissional (CEEP) e como membro suplente da Comissão Eleitoral Federal (CEF). Para Arciley, a reeleição é uma oportunidade de contribuir ainda mais com o Confea e dar continuidade ao trabalho já iniciado. Como representante do Rio de Janeiro e com a minha experiência, posso continuar dando apoio a esta Comissão e também aos profissionais do Estado do Rio de Janeiro que me elegeram conselheiro federal, disse o Conselheiro. Com o novo escâner, a imagem vai imediatamente para o computador do fiscal. Isso significa mais rapidez no processo de fiscalização, além de contribuir para a sustentabilidade.

4 4 CREA-RJ apresenta relatório t rios do Estado considerados p O objetivo é oferecer soluções rápidas, baratas e de curto prazo para evitar novas tragédias O presidente do CREA-RJ, Agostinho Guerreiro, que já foi Secretário de Estado de Saneamento e Recursos Hídricos e presidente da Serla (Superintendência Estadual de Rios e Lagoas), apresentou, dia 14 de janeiro, em entrevista à imprensa, o relatório sobre a inspeção realizada em dezembro, com participação do engenheiro sanitarista Adacto Ottoni, assessor de meio ambiente, em áreas do Rio de Janeiro e da Baixada Fluminense que sofreram enchentes decorrentes das fortes chuvas ocorridas em dezembro de No relatório é possível ter um diagnóstico preliminar sobre as principais causas dessas enchentes, além de uma avaliação do que vem sendo feito pelas autoridades do Estado e dos municípios afetados. O objetivo do documento é criar um mecanismo para que as autoridades possam tomar medidas rápidas, relativamente baratas, que são soluções de curto prazo para evitar novas tragédias., afirma Agostinho Guerreiro, em entrevista coletiva. O Crea quer colaborar para o aprimoramento das políticas públicas no controle de enchentes e saneamento ambiental, beneficiando a população e o meio ambiente em toda a bacia hidrográfica drenante a esses rios que transbordaram. Durante a vistoria foi possível verificar que é muito baixa a altura das pontes que passam sobre alguns rios principalmente nas imediações da Rodovia Washington Luiz com relação à margem, criando deste modo um funil que dificulta a passagem da água. A quantidade de lixo que desce pela corrente de água e se aloja no local é muito grande, dificultando ainda mais o escoamento da água. Em outros pontos, enormes obras de canalização não resolveram o problema de enchentes, sendo, em alguns casos, até um facilitador para que o nível de água suba rapidamente, atingindo a população do entorno. A canalização não atua na origem do problema. O objetivo da canalização é aumentar a capacidade de escoamento do rio para ele não transbordar, mas não adianta, porque só empurra o problema para a parte baixa do rio, afirma o presidente Agostinho Guerreiro. Por meio do relatório, o CREA- -RJ enfatiza que devem ser feitas obras que ataquem a causa do problema: intervenções para reter a água na bacia, fazendo saneamento de esgoto, reflorestando as margens, construindo barragens de cheias e bacias de detenção, A canalização não atua na origem do problema, só empurra o problema para a parte baixa do rio. Agostinho Guerreiro aumentando a permeabilidade do solo. Se houver canalização, que seja feita com sustentabilidade ambiental, com pelo menos o reflorestamento das encostas, sempre que possível. Deve-se também investir no saneamento de esgoto e na coleta permanente de lixo nos bairros e locais ribeirinhos. Todas essas intervenções que atacam as causas das enchentes são mais baratas do que as grandes canalizações e dragagens de rios que costumam ser feitas pelo Poder Público. E corrigem com eficiência a degradação das bacias hidrográficas drenantes. Durante a entrevista, o presidente Agostinho Guerreiro, ex-secretário de Estado de Saneamento e Recur Relatório foi enviado à Prefeitura do Rio e a demais órgãos competentes O relatório foi enviado à Prefeitura do Rio, ao Grupo de Atuação Especializada em Meio Ambiente (GAEMA) do Ministério Público do Estado, ao Secretário de Meio Ambiente do Estado e ao Presidente do Instituto Estadual de Ambiente (INEA/RJ), bem como aos prefeitos de Queimados, Nova Iguaçu e Japeri, na Baixada Fluminense. O planejamento das cidades, de um modo geral, tem sido relegado a um segundo plano. A urbanização precisa levar em conta a questão ambiental, porque as enchentes acontecem mesmo e, em grande parte, devido ao desrespeito das autoridades às leis ambientais, ao código ambiental, comenta Guerreiro, que complementa: O poder do CREA-RJ é fiscalizar o exercício profissional, e não podemos intervir em obras, mas nem por isso vamos deixar passar despercebido as tragédias que têm acontecido no Estado, se podemos ajudar. Agost

5 5 écnico sobre a situação de ontos críticos de enchentes os Hídricos e ex-presidente da Serla, detalha as soluções propostas no relatório para os problemas encontrados nos rios vistoriados ho e Adacto durante a vistoria

6 6 II Seminário sobre Lei de Autovistoria dá explicações detalhadas sobre o tema a mais de 500 participantes O CREA-RJ realizou em 28 de janeiro o II Seminário Lei de Autovistoria e Elaboração de Laudo Técnico de Vistoria Predial (LTVP). Mais de 500 pessoas estiveram presentes nos dois auditórios na sede do Conselho, no Centro do Rio. O evento, gratuito, teve como objetivo esclarecer ainda mais engenheiros, síndicos e demais interessados sobre os detalhes da Lei da Autovistoria, que está em vigor no município do Rio de Janeiro desde julho de 2013 e teve o prazo de entrega dos laudos estendido para 1º de julho deste ano. Acesse e conheça a íntegra da cartilha. Ainda pairam dúvidas. A lei é muito nova, precisa ser aperfeiçoada. Há questões que nem mesmo o pessoal técnico está entendendo perfeitamente; imagine uma pessoa que não está habituada a lidar com esse tipo de assunto, comentou o presidente do CREA-RJ, Agostinho Guerreiro, mencionando síndicos e responsáveis por imóveis. O presidente do Conselho coordenou a mesa do evento, que foi composta por membros de entidades representativas do merca- O CDER-RJ (Colégio de Entidades Regionais) realizou no dia 13 de janeiro reunião visando à constituição dos quatro Comitês Temáticos. O CDER tem uma importância muito grande em nível regional, assim como o CDEN, em nível nacional. As entidades vão estar mais próximas ao Crea e este é um dos grandes objetivos do CDER-RJ, ter um diálogo mais direto e profícuo entre o Conselho e as do imobiliário, como o diretor jurídico da Associação Brasileira das Administradoras de Imóveis, Marcelo Borges; a gerente do Departamento Jurídico do Secovi-Rio, Solange Santos; o diretor técnico da ABNT, Eugênio Guilherme Tolstoy, e o 2º vice-presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi), Claudio Hermolin. Também presente no seminário, o chefe da Coordenadoria Geral de Fiscalização de Manutenção Predial da Secretária Municipal de Urbanismo do Rio, Silvio Henrique Coelho, informou que, desde que a Lei da Autovistoria entrou em vigor até a véspera do evento, edificações haviam entregues seus laudos, ou seja, pouco mais de 2% do total de cerca de 270 mil imóveis que devem ser vistoriados. Uma das razões para se prorrogar o prazo foi a falta de entendimento dessa legislação. Toda iniciativa no sentido de levar mais explicação e solucionar problemas de aplica- Estes seminários são importantes pelas instruções e orientações dadas aos profissionais; como a Lei de Autovistoria é nova, ainda existem muitas dúvidas. Arciley Pinheiro Mais de mil pessoas compareceram aos dois seminários gratuitos promovido pelo CREA-RJ para esclarecer dúvidas sobre a elaboração do Laudo Técnico de Vistoria Predial (LTVP) ção da lei não só é valida como é muito desejada, disse Silvio Coelho, que elogiou a iniciativa do Conselho ao dizer que os seminários do Crea são super importantes e definitivos para o sucesso dessa lei. Na parte da tarde, com a participação do Conselheiro Federal e Diretor do Confea, Arciley Pinheiro, foi realizado um painel técnico com o tema Legislação versus Responsabilidades. Marcus Possi, engenheiro eletricista e de eletrotécnica, e Manoel Lapa, engenheiro civil, falaram sobre como suas especialidades se encaixam e são primordiais nas inspeções prediais em edificações. A lei é muito clara quanto aos itens da parte estrutural que devem ser vistoriados, como marquises, colunas e rachaduras; mas na parte elétrica não há nada especificado. CDER-RJ realiza reunião para constituição de comitês entidades, disse o presidente Agostinho, que presidiu a reunião. O Conselheiro Federal e Diretor do Confea, Arciley Alves Pinheiro reforçou a importância da reunião. Acredito que esta simbiose entre o CREA-RJ com as entidades do estado, através do CDER-RJ, seja positiva para ambos e quem vai ganhar com isso são os profissionais do Estado do Rio de Janeiro, afirmou. Os quatro Comitês Temáticos são: Desenvolvimento Nacional Legislação Profissional Organização e Estruturação Educação, Ética e Exercício Profissional Até a véspera do evento, pouco mais de 2% dos imóveis da cidade tinham feito a autovistoria Arciley: ainda existem muitas dúvidas sobre a lei Um profissional sem conhecimento específico pode olhar a caixa de disjuntores e dizer que está tudo OK, quando pode não estar, afirma o engenheiro Marcus Possi. Para Arciley, estes seminários são importantes pelas instruções e orientações passadas aos profissionais; como a Lei de Autovistoria é nova, ainda existem muitas dúvidas. Ricardo Nascimento,coordenador pró-tempore do CDER-RJ e Agostinho Guerreiro na mesa da reunião preparatória

7 7 CREA-RJ apresenta relatório do caso Engenhão Comissão de Conselheiros recomendou abertura de processo ético contra responsáveis técnicos pela cobertura metálica A Comissão de Conselheiros do CREA-RJ instituída em 18 de julho de 2013 para apurar as responsabilidades de profissionais do Sistema no caso Engenhão recomendou a abertura de processo ético contra os responsáveis técnicos pela cobertura metálica e análise da Assessoria Jurídica sobre a situação do engenheiro português que atuou na verificação do projeto, por falta de habilitação para trabalhar no Brasil. A interdição do Engenhão, que ocorreu em março de 2013, foi decidida pelo prefeito Eduardo Paes devido a problemas estruturais na cobertura do estádio. Elaborado a partir de depoimentos de engenheiros envolvidos no projeto e da Comissão Especial de Avaliação do Engenhão da Prefeitura, o documento foi aprovado pelo Plenário do Conselho e pela Câmara Especializada de Engenharia Civil, que decidiu encaminhar o processo à Comissão de Ética Profissional e à Assessoria Jurídica para análise e providências. O estádio, construído para sediar os Jogos Pan-Americanos de 2007, e onde deverão ser realizadas várias competições dos Jogos Olímpicos de 2016, apresentava riscos já na época de sua inauguração e os usuários foram expostos a graves problemas, segundo o engenheiro civil Sebastião de Andrade, membro da Comissão Especial de Avaliação do Engenhão, feita pela Prefeitura. As medições do arco leste mostravam, já em 2007, que havia um deslocamento de 70 cm da estrutura. Todas as pessoas que assistiram ao Pan no Engenhão correram risco real, disse ele à Comissão. No detalhe (seta) parafuso sem porca, além de estrutura com corrosão FALHA DE PROJETO De acordo com o engenheiro civil Nelson Galgoul, também da Comissão Especial da Prefeitura, a ideia da construção da cobertura foi infeliz: A concepção estrutural do arco é errada. O projeto não é bom por conta de uma falha, um erro conceitual, pontuou. Já em 2007, havia um deslocamento de 70 cm da estrutura. Todos que assistiram ao Pan no Engenhão correram risco real. Para a Comissão do CREA-RJ ficou clara que a solução para corrigir a cobertura foi inadequada; que o consórcio responsável pela segunda fase das obras não apresentou um novo projeto para a mesma cobertura; que o mesmo consórcio assumiu erros ao tomar a frente da obra; que houve falhas de execução durante a montagem da estrutura e que não consta o registro profissional no Brasil e a Anotação de Responsabilidade Técnica do engenheiro português que fez a verificação do projeto. Presidente do Crea-PR visita CREA-RJ Marlise (ao centro), que presidiu a reunião, ao lado do presidente Joel Krüger (Crea-PR), à esquerda Discutir o futuro da Engenharia de Segurança do Trabalho no Sistema Confea/Creas foi o objetivo da reunião com representantes do CREA-RJ e o presidente do Crea-PR, Joel Krüger. A reunião foi presidida pela 2ª Vice-Presidente do CREA-RJ e presidente da Sobes-Rio, Marlise de Matosinhos, e contou com a presença do coordenador da Câmara Especializada de Engenharia de Segurança do Trabalho do Conselho paranaense, Cezar Benoliel. A proposta de dissolução das Câmaras de Engenharia de Segurança do Trabalho no Sistema foi firmemente refutado pelo grupo. A criação dessa modalidade de Câmara foi aprovada no Congresso Nacional de Profissionais há 15 anos. O índice de acidentes e doenças do trabalho aumentou assustadoramente no nosso país nos últimos anos. E agora o Sistema quer acabar com a Câmara. Sem ela, quem vai fiscalizar e regular?, questiona Marlise Matosinhos. A pesquisadora Débora Gonzalez, da Fundação Carlos Chagas, em São Paulo, conheceu de perto o trabalho da Comissão Pró-Equidade de Gênero e Raça do CREA-RJ. Débora participa de uma pesquisa desenvolvida pela professora Maria Rosa Lombardi a respeito das características e das condições de trabalho atuais dos engenheiros e engenheiras no Brasil. FISCALIZAÇÃO Outro assunto em pauta foi a situação dos arquitetos que têm o título de Engenharia de Segurança do Trabalho. Para Krüger, todo o processo de fiscalização e atribuição profissional sobre o assunto, deve ser relacionado aos Creas. os arquitetos têm seu registro no CAU, mas a parte de Segurança do Trabalho tem que estar sujeita aos normativos do nosso conselho profissional. Hoje, os arquitetos estão fazendo o registro do exercício da Engenharia de Segurança do Trabalho no CAU, disse Krüger. De acordo com o conselheiro federal e diretor do Confea Arciley Alves Pinheiro, uma alternativa para os arquitetos que obtiveram essa especialização e trabalham nesta área é ter a possibilidade do registro duplo, no Crea e no CAU, desde que haja entendimento entre os conselhos. Comissão de Pró-Equidade de Gênero e Raça recebe pesquisadora da Fundação Carlos Chagas Débora Gonzalez, à esquerda de Agostinho Guerreiro, e a Comissão de Pró-Equidade de Gênero e Raça A visibilidade do CREA-RJ na promoção da equidade de gênero, conseguida por intermédio da conquista do Prêmio Pró- -Equidade de Gênero e Raça, nos motivou a conhecer melhor as atividades da Comissão, disse Débora. De acordo com a coordenadora do Comissão, Teneuza Cavalcanti, a reunião teve como objetivo a troca de informações, conhecimento e reflexão.

8 O CREA-RJ e a Qualicorp buscaram o melhor para você Graças à parceria do CREA-RJ com a Qualicorp, você e sua família podem ter os melhores planos de saúde por adesão, com preços e condições especiais até 50% mais baratos do que planos individuais similares Planos * : 123,85 Alfa 2 R$ ** R$ ** 126,23 Perfil 1E CA R$ ** 172,10 Exato Adesão Trad. 10 AHO QC. ENGENHEIROS, AGRÔNOMOS, TÉCNICOS, TECNÓLOGOS, GEÓLOGOS, GEÓGRAFOS OU METEOROLOGISTAS, APROVEITEM! Os melhores Hospitais e Laboratórios. Confira alguns exemplos: Zona Sul Centro Pediátrico da Lagoa Perinatal (Laranjeiras) Hospital Copa D'Or Hospital São Lucas Hospital Pro Cardíaco Casa de Saúde Santa Lúcia Clínica Sorocaba Instituto Brasileiro Oftamologista Barra da Tijuca Hospital Barra D'Or Cardiobarra Clínica da Primeira Idade Clínica Pediátrica da Barra Hospital de Clínicas Rio Mar Perinatal (Barra) Jacarepaguá Hosp. de Clín. de Jacarepaguá Hospital Rios D'Or Zona Norte Hospital Pasteur Tiju - Trauma Prontobaby Hospital Ordem Terceira Laboratórios Bronstein Cardiolab Pasteur Richet Sérgio Franco LIGUE E DESCUBRA O QUANTO VOCÊ PODE ECONOMIZAR: Segunda a Sexta das 08h30min às 17h30min (21) * Planos de saúde e planos odontológicos, coletivos por adesão, conforme regras da ANS. Informações resumidas. Preços e rede de prestadores sujeitos à alterações, por parte da Operadora, respeitadas as disposições contratuais e legais (Lei nº 9.656/98). Condições contratuais disponíveis para análise. **Preços para a faixa etária de 0 a 18 anos, Operadora Unimed: Plano Alfa 2 QC, Operadora Bradesco: Plano Perfil 1 ECA, Operadora SulAmérica: Plano Exato Adesão Trad. 10 AHO QC.

AUTOVISTORIA E LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA PREDIAL MAIS SEGURANÇA PARA OS CIDADÃOS

AUTOVISTORIA E LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA PREDIAL MAIS SEGURANÇA PARA OS CIDADÃOS AUTOVISTORIA E LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA PREDIAL MAIS SEGURANÇA PARA OS CIDADÃOS AUtOvIStORIA E LAUDO técnico DE vistoria PREDIAL MAIS SEGURANÇA PARA OS CIDADÃOS Agosto/2014 1 MAIS SEGURANÇA PARA OS CIDADÃOS

Leia mais

III Prêmio Oscar Niemeyer supera expectativas

III Prêmio Oscar Niemeyer supera expectativas 3 JORNAL DO CREA-RJ - ANO II -EDIÇÃO Nº 15 - DEZEMBRO 2013/JANEIRO 2014 Gespública Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização Nível 3 (Alta) Categoria Prata O CREA-RJ deve usar as logomarcas

Leia mais

Prêmios ratificam Gestão da Qualidade no CREA-RJ

Prêmios ratificam Gestão da Qualidade no CREA-RJ JORNAL DO CREA-RJ - ANO II -EDIÇÃO Nº 12 - MAIO/JUNHO 2013 Gespública Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização O CREA-RJ usa as logomarcas dos programas Gespública, PQ Rio e Pró-Equidade

Leia mais

Autovistoria. Prevenção agora é Lei

Autovistoria. Prevenção agora é Lei Autovistoria Prevenção agora é Lei Autovistoria: prevenção agora é Lei Agosto/2013 1 2 Autovistoria: prevenção agora é Lei Um importante instrumento de defesa da sociedade passou a vigorar, em março de

Leia mais

Autovistoria: prevenção agora é Lei. Agosto/2013

Autovistoria: prevenção agora é Lei. Agosto/2013 Autovistoria: prevenção agora é Lei Agosto/2013 1 2 Autovistoria: prevenção agora é Lei Um importante instrumento de defesa da sociedade passou a vigorar, em março de 2013, com a publicação de duas novas

Leia mais

Plano Bresser: Atual gestão resolve do início ao fim! Agosto de 2009 a março de 2013

Plano Bresser: Atual gestão resolve do início ao fim! Agosto de 2009 a março de 2013 JORNAL DO CREA-RJ - ANO II -EDIÇÃO Nº 11 - FEVEREIRO/MARÇO 2013 3 O CREA-RJ usa as logomarcas dos programas Gespública(E) e Pró-Equidade de Gênero e Raça(D) por ter adquirido este direito ao ser agraciado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008. DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Regulamenta o artigo 66, do Estatuto dos Servidores Públicos de São Leopoldo, Lei nº 6.055 de 14 de Setembro de 2006, Da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes-

Leia mais

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS DO

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO Nº 001/2015-CACS/FUNDEB/PMJP/RO

EDITAL DE ELEIÇÃO Nº 001/2015-CACS/FUNDEB/PMJP/RO EDITAL DE ELEIÇÃO Nº 001/2015-CACS/FUNDEB/PMJP/RO Ji-Paraná, 07 de outubro de 2015. A Comissão Eleitoral para eleição de membros para o Conselho Municipal de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de

Leia mais

REGULAMENTO Título I DA COSAT Art. 1º - Os servidores (técnico-administrativos e docentes) da Universidade organizarão na sua unidade, acadêmica e

REGULAMENTO Título I DA COSAT Art. 1º - Os servidores (técnico-administrativos e docentes) da Universidade organizarão na sua unidade, acadêmica e REGULAMENTO Título I DA COSAT Art. 1º - Os servidores (técnico-administrativos e docentes) da Universidade organizarão na sua unidade, acadêmica e administrativa, e nos órgãos suplementares da administração

Leia mais

Pesquisa sobre mecanismos de eleição de conselhos nacionais. LEGISLAÇÃO Criado pela Lei nº 378/ 1937 atualmente regido pela Resolução Nº 407/ 2008

Pesquisa sobre mecanismos de eleição de conselhos nacionais. LEGISLAÇÃO Criado pela Lei nº 378/ 1937 atualmente regido pela Resolução Nº 407/ 2008 Pesquisa sobre mecanismos de eleição de conselhos nacionais Conselho Nacional de Saúde (CNS) LEGISLAÇÃO Criado pela Lei nº 378/ 1937 atualmente regido pela Resolução Nº 407/ 2008 COMPOSIÇÃO 50% Usuário

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

ATA DE REUNIÃO. Ata da Sessão Plenária nº 3362 Data: 21/08/2012 Folha: 01/02

ATA DE REUNIÃO. Ata da Sessão Plenária nº 3362 Data: 21/08/2012 Folha: 01/02 Ata da Sessão Plenária nº 3362 Data: 21/08/2012 Folha: 01/02 1. PRESENÇAS: 1.1. Conselheiros Titulares: Adm. Wagner Siqueira Presidente Adm. Carlos Roberto Fernandes de Araujo V.P. de Administração e Finanças

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES Mobilização dos Profissionais do Estado de SP rumo ao MENSAGEM DO PRESIDENTE Caros profissionais da área tecnológica, Chegou a hora: estamos aqui em Gramado, Rio Grande do Sul,

Leia mais

Exerça o democrático direito de voto e escolha seus representantes na Fundação

Exerça o democrático direito de voto e escolha seus representantes na Fundação NÚMERO 21 ABRIL MAIO 2010 Editado pela Assessoria de Comunicação Institucional Exerça o democrático direito de voto e escolha seus representantes na Fundação 02 Candidatos a Diretor de Benefícios participam

Leia mais

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a aplicação da Lei Complementar nº 126/13 e da Lei nº 6400/13, que instituem, por AUTOVISTORIA, a obrigatoriedade de realização de vistorias técnicas

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

MENSAGEM Nº, de 2008.

MENSAGEM Nº, de 2008. MENSAGEM Nº, de 2008. = Tenho a honra de submeter à elevada consideração de Vossas Excelências o projeto de Lei anexo, que objetiva criar o Conselho Municipal Antidrogas COMAD. Um dos mais graves problemas

Leia mais

Autores: Deputado SAMUEL MALAFAIA, Deputado LUIZ PAULO A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE:

Autores: Deputado SAMUEL MALAFAIA, Deputado LUIZ PAULO A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE: PROJETO DE LEI Nº 2584/2013 EMENTA: DETERMINA QUE SEGUROS IMOBILIÁRIOS DE CONDOMÍNIOS, PRÉDIOS RESIDENCIAIS, COMERCIAIS E PÚBLICOS SOMENTE SEJAM EMITIDOS MEDIANTE O CUMPRIMENTO DA LEI Nº6400, DE 05 DE

Leia mais

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 Dispõe sobre a criação de Comissão de Ética de Enfermagem Institucional. CONSIDERANDO o disposto no artigo 8º, I, da Lei 5.905/73, que possibilita ao COFEN aprovar seu regimento

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

270 mil. Edificações no Rio de Janeiro. Total de edificações na cidade 875 mil. Edificações sujeitas à autovistoria:

270 mil. Edificações no Rio de Janeiro. Total de edificações na cidade 875 mil. Edificações sujeitas à autovistoria: Edificações no Rio de Janeiro Total de edificações na cidade 875 mil * Edificações sujeitas à autovistoria: 270 mil ** * Fonte: IBGE ** Estimativa com base nas informações do IBGE Riscos das Edificações

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

Sistema CFBio/CRBios e a Criação. de Novos Regionais

Sistema CFBio/CRBios e a Criação. de Novos Regionais Sistema CFBio/CRBios e a Criação de Novos Regionais Novo Regional do Planalto Central: Plano estratégico para criação Lei 6684 de 03 de Setembro de 1979 Art. 10 - Compete ao Conselho Federal: IV - organizar,

Leia mais

DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 44, DE 24 DE ABRIL DE 2015. (ALTERADA PELA DELIBERAÇÃO PLENÁRIA Nº 55, DE 17 DE JULHO DE 2015)

DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 44, DE 24 DE ABRIL DE 2015. (ALTERADA PELA DELIBERAÇÃO PLENÁRIA Nº 55, DE 17 DE JULHO DE 2015) DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 44, DE 24 DE ABRIL DE 2015. (ALTERADA PELA DELIBERAÇÃO PLENÁRIA Nº 55, DE 17 DE JULHO DE 2015) Institui o Colegiado Permanente de Entidades de Arquitetos e Urbanistas de Santa Catarina

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DO OBJETIVO CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DO OBJETIVO CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA Lei nº 006, de 04 de Abril de 2014. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO CMS - CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito de Santa Inês, município do Estado do Maranhão, no uso de suas

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa.

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa. REGIMENTO DO CEMACT REGIMENTO INTERNO DO CEMACT CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. - Este Regimento estabelece as formas de organização e funcionamento do conselho Estadual de Meio Ambiente,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

Câmara Municipal de Tijucas do Sul

Câmara Municipal de Tijucas do Sul ATA DA 32 a SESSÃO ORDINÁRIA DO PRIMEIRO PERÍODO ORDINÁRIO DA PRIMEIRA SESSÃO LEGISLATIVA DA 15 a LEGISLATURA EM 30/09/2013 Aos trinta dias do mês de setembro do ano de dois mil e treze, nesta cidade de

Leia mais

MEDALHA PEDRO ERNESTO

MEDALHA PEDRO ERNESTO JORNAL DO CREA-RJ - ANO II -EDIÇÃO Nº 8 - JUNHO/JULHO DE 2012 3 CREA-RJ O primeiro e único do país a conquistar o Nível 3 do Gespública (E) e o primeiro a conquistar o Selo Pró-Equidade de Gênero (D) Rua

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA Versão 1.0 Setembro/2014 Página2 2014 Programa de Desenvolvimento Econômico do Território Oeste do Paraná Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PUBLICADO NO DOM N o 80 DE 20 / OUTUBRO / 2005 DECRETO N o 1.255 Regulamenta a Lei n o 11.035/04 e dispõe sobre a instalação de Cercas Energizadas destinadas à proteção

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência - CMDPCD, instituído

Leia mais

LEI N 501, DE 02 DE JULHO DE 2009.

LEI N 501, DE 02 DE JULHO DE 2009. Pág. 1 de 6 LEI N 501, DE 02 DE JULHO DE 2009. CRIA COMISSÃO DE HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO CIPA E A COMISSÃO GERAL DE HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO CIPAG, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO

CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS NOS OUÇAM! Regimentalmente o Conselho de Arquitetura e

Leia mais

NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (205.000-5) DO OBJETIVO 5.1 A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho,

Leia mais

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013.

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre a criação, composição, competência e funcionamento do Conselho Municipal de Esporte e Lazer CMEL. O Povo do Município de Turvolândia Estado de Minas Gerais,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL.

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL. ANEXO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º. Ao Fórum Regional Permanente das Microempresas

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 Dispõe sobre a obrigatoriedade de conservação e manutenção de elevadores elétricos, esteiras e escadas rolantes instalados em edifícios

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE SEÇÃO I Da Instituição: Art. 1º - O presente Regimento Interno, regula as atividades e as atribuições do Conselho Gestor na Unidade de Saúde, conforme

Leia mais

O Perito Judicial e a Justiça Gratuita

O Perito Judicial e a Justiça Gratuita 4º SEMINÁRIO PAULISTA DE PERÍCIA JUDICIAL 26 de agosto de 2011 O Perito Judicial e a Justiça Gratuita Ao CREA-SP, instituído pelo Decreto Federal nº 23.569, de 11 de dezembro de 1933, e mantido pela Lei

Leia mais

Regimento Interno do Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno - FDES. CAPÍTULO I - Da Natureza

Regimento Interno do Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno - FDES. CAPÍTULO I - Da Natureza Regimento Interno do Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno - FDES CAPÍTULO I - Da Natureza Art. 1º. O Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno,órgão colegiado de deliberação

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013.

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. Dispõe sobre a criação e atribuições das delegacias regionais e dos delegados e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS Mensagem nº 62, de 2011 Canoas, 29 de agosto de 2011. A Sua Excelência o Senhor Vereador César Augusto Ribas Moreira Presidente da Câmara Municipal de Canoas Canoas - RS Senhor Presidente, Na forma da

Leia mais

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO LEI N 3934 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E DÁ OUTRA PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.125-A, DE 2013 (Do Sr. Jerônimo Goergen)

PROJETO DE LEI N.º 6.125-A, DE 2013 (Do Sr. Jerônimo Goergen) *C0050418A* C0050418A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.125-A, DE 2013 (Do Sr. Jerônimo Goergen) Dispõe sobre a obrigatoriedade de conservação e manutenção de elevadores elétricos, esteiras e escadas

Leia mais

2. Princípios fundamentais. 3. Objetivos

2. Princípios fundamentais. 3. Objetivos CARTA DE PRINCÍPIOS DO FÓRUM NACIONAL DOS TRABALHADORES DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL FTSUAS. Princípios norteadores de funcionamento do Fórum 1. Natureza O Fórum Nacional dos Trabalhadores do

Leia mais

MINUTA PARA MODIFICAÇÃO DO DECRETO NO 27.208/2000, QUE TRATA DA INSTITUIÇÃO DO CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

MINUTA PARA MODIFICAÇÃO DO DECRETO NO 27.208/2000, QUE TRATA DA INSTITUIÇÃO DO CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS Página 1 CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS CÂMARA TÉCNICA INSTITUICONAL E LEGAL MINUTA PARA MODIFICAÇÃO DO DECRETO NO 27.208/2000, QUE TRATA DA INSTITUIÇÃO DO CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

SESSÃO PLENÁRIA Nº 1996 (ORDINÁRIA) DE 23 DE ABRIL DE 2015

SESSÃO PLENÁRIA Nº 1996 (ORDINÁRIA) DE 23 DE ABRIL DE 2015 SESSÃO PLENÁRIA Nº 1996 (ORDINÁRIA) DE 23 DE ABRIL DE 2015 Item III. Discussão e aprovação da Ata da Sessão Plenária nº 1995 (ORDINÁRIA). PAUTA Nº: 1 PROCESSO: Interessado: Crea-SP Assunto: Discussão e

Leia mais

Manual do candidato. Estudantil. cidadania se constrói com participação

Manual do candidato. Estudantil. cidadania se constrói com participação Par la men to Manual do candidato Estudantil 2011 cidadania se constrói com participação Manual do O que é e como participar O Parlamento Estudantil, regulamentado pelo Decreto Legislativo nº 08/2010,

Leia mais

LEI Nº 3.238/2001 SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE - COMAM.

LEI Nº 3.238/2001 SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE - COMAM. LEI Nº 3.238/2001 SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE - COMAM. A CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAVEL, ESTADO DO PARANÁ, APROVOU, DE AUTORIA DO ILUSTRE VEREADOR BENTO TOLENTINO, COM EMENDAS DOS

Leia mais

TÍTULO I DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO

TÍTULO I DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO QUARTA VERSÃO 07/07/06. Dispõe sobre a gestão democrática e normatiza o processo de escolha de Diretor e Assessor(es) de Direção que integram a equipe gestora das unidades escolares da Rede Pública Estadual

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO

REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Consultivo do Audiovisual de Pernambuco, órgão colegiado permanente, consultivo e

Leia mais

CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR

CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR LOMBARDO, Antonio lombardo@net.em.com.br, lombardo@crea-mg.com.br Universidade de Itaúna, Departamento de Engenharia Mecânica Campus Verde Universidade de Itaúna 35.680-033

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014 EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CONANDA, faz publicar o Edital de Convocação para a eleição das entidades da sociedade

Leia mais

Câmara Municipal de Tijucas do Sul

Câmara Municipal de Tijucas do Sul ATA DA 16 a SESSÃO ORDINÁRIA DO PRIMEIRO PERÍODO ORDINÁRIO DA PRIMEIRA SESSÃO LEGISLATIVA DA 15 a LEGISLATURA EM 26/05/2014. Aos vinte e seis dias do mês de maio do ano de dois mil e quatorze, nesta cidade

Leia mais

CARTILHA ORIENTADORA PARA CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CONSELHOS DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

CARTILHA ORIENTADORA PARA CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CONSELHOS DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CARTILHA ORIENTADORA PARA CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CONSELHOS DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Dilma Rousseff Presidenta da República Federativa do Brasil Maria do Rosário Nunes Ministra de Estado

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre DECRETO Nº 17.301, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova o Regimento Interno do Fórum Municipal dos Conselhos da Cidade (FMCC). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 215-A, DE 2013 (Do Sr. Ricardo Izar)

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 215-A, DE 2013 (Do Sr. Ricardo Izar) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 215-A, DE 2013 (Do Sr. Ricardo Izar) Dispõe sobre locações de veículos para exercício da atividade parlamentar, custeadas com recursos providos pela Câmara

Leia mais

ATA DE REUNIÃO. Ata da Sessão Plenária nº 3420 Data: 26/03/2013 Folha: 01/03

ATA DE REUNIÃO. Ata da Sessão Plenária nº 3420 Data: 26/03/2013 Folha: 01/03 Ata da Sessão Plenária nº 3420 Data: 26/03/2013 Folha: 01/03 1. PRESENÇAS: 1.1. Conselheiros Titulares: Adm. Wagner Siqueira Presidente Adm. Jorge Humberto Moreira Sampaio V.P. de Planej. e Desenvolv.

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

(II Conferência Nacional de Segurança Alimentar Nutricional, 2004)

(II Conferência Nacional de Segurança Alimentar Nutricional, 2004) 1 Segurança Alimentar e Nutricional Segurança alimentar é a realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI- possui atribuições de caráter propositivo

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua

ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Seção I Dos Objetivos Art. 1º O Programa de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria

Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria Regulamenta a aplicação da Lei Complementar 126 de 26 de março de 2013 e da Lei 6400 de 05 de março de 2013, que instituem a obrigatoriedade de realização

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ 1. DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS O presente Regimento Interno visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliação e direção dos profissionais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. CAPÍTULO I Da Natureza

REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. CAPÍTULO I Da Natureza REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CAPÍTULO I Da Natureza Art. 1º O Plano Municipal de Educação é um plano global de toda a educação do Município de Caxias do Sul,

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

Engenheiro Agrônomo Ricardo Veiga Presidente em exercício do Confea

Engenheiro Agrônomo Ricardo Veiga Presidente em exercício do Confea Brasília, 17 de maio de 2008 Ano I, nº 16 Reta final para as eleições do Sistema Confea/Crea Faltam 18 dias para as eleições que indicarão os presidentes do Conselho Federal e dos 27 Conselhos Regionais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben)

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) REGIMENTO INTERNO - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) Este Regimento Interno, aprovado na Assembléia Geral Ordinária da Associação Brasileira de Energia Nuclear (ABEN), realizada em 29

Leia mais

ATA DE REUNIÃO. Ata da Sessão Plenária nº 3409 Data: 19/02/2013 Folha: 01/02

ATA DE REUNIÃO. Ata da Sessão Plenária nº 3409 Data: 19/02/2013 Folha: 01/02 Ata da Sessão Plenária nº 3409 Data: 19/02/2013 Folha: 01/02 1. PRESENÇAS: 1.1. Conselheiros Titulares: Adm. Wagner Siqueira Presidente Adm. Jorge Humberto Moreira Sampaio V.P. de Planej. e Desenvolv.

Leia mais

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. Sindilojas, 24 de julho de 2014

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. Sindilojas, 24 de julho de 2014 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA Sindilojas, 24 de julho de 2014 Legislação da CIPA Decreto-lei nº 7.036 de 10/11/1944 (Lei de Acidentes do Trabalho): Art. 82. Os empregadores, cujo número

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR ISAAC TAYAH

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR ISAAC TAYAH PROJETO DE LEI Nº. 138/2015 CRIA LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA PREDIAL (LTVP) NO MUNICIPIO DE MANAUS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Art. 1º Fica instituída, no Município de Manaus, a obrigatoriedade de autovistoria,

Leia mais

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL CONJACI CONSELHO DISTRITAL DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE JACI-PARANÁ Distrito de Jaci-Paraná Município de Porto Velho - RO MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL Dezembro de 2012. MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO.

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. Estado do Rio Grande do Norte Município de Mossoró CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. REGIMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Petrópolis 2013 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho é um resumo

Leia mais

SÚMULA DA 374ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE GEOLOGIA E ENGENHARIA DE MINAS

SÚMULA DA 374ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE GEOLOGIA E ENGENHARIA DE MINAS Data: 26 de novembro de 2012 Local: Auditório Rebouças - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Geólogo Fábio Augusto Gomes

Leia mais

IV Prêmio Confea de Jornalismo

IV Prêmio Confea de Jornalismo IV Prêmio Confea de Jornalismo O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA - Confea FAZ SABER que, juntamente com a Federação Nacional dos Jornalistas - Fenaj, entidade partícipe do Concurso

Leia mais

PROGRAMA CONSELHEIROS

PROGRAMA CONSELHEIROS PROGRAMA CONSELHEIROS Um projeto de cooperação entre as Instituições de Ensino Superior e o CREA-MG Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Minas Gerais LOMBARDO, Antonio lombardo@net.em.com.br,

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 LEI Nº 810 DE 6 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre a reorganização dos Conselhos Escolares do Sistema Estadual de Ensino e dá

Leia mais

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA RESOLUÇÃO CNE Nº 01/2008, REPUBLICADA (*), DE 07/07/2008 Artigo 1º Este Regimento Interno contém as normas que regulam o funcionamento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

Regulamentação do SIGERH Decreto nº 13.284, de 22/03/1997

Regulamentação do SIGERH Decreto nº 13.284, de 22/03/1997 Regulamentação do SIGERH Decreto nº 13.284, de 22/03/1997 Regulamenta o Sistema Integrado de Gestão de Recursos Hídricos - SIGERH, e dá outras providências. O Governador do Estado do Rio Grande do Norte,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO Conforme aprovado em reunião do Conselho Municipal de Habitação, realizada aos 29 de maio de 2012; REGIMENTO

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Pedra dos Ferros

Prefeitura Municipal de São Pedra dos Ferros CNPJ/MF. nº 19.243.500/0001-82 Código do Município: 847-8 Praça Prefeito Armando Rios, 186-Centro - 35360-000 São Pedra dos Ferros-MG lei no 101, de 08 de maio de 2014. DISPÕE SOBRE A CONSTITUiÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CONFERÊNCIA DA CIDADE DE ALFENAS/MG CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DA CONFERÊNCIA DA CIDADE DE ALFENAS/MG CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DA CONFERÊNCIA DA CIDADE DE ALFENAS/MG CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - A 2ª Conferência Municipal das Cidades convocada por Decreto Municipal nº 732, de 14 de fevereiro de 2013, a

Leia mais

CAPÍTULO I. Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições

CAPÍTULO I. Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições REGIMENTO INTERNO - ANTIGO CAPÍTULO I Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições Art. 1º O Conselho Municipal de Educação de Concórdia (CME), órgão deliberativo e consultivo da Administração no setor

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CMDI

PREFEITURA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CMDI PREFEITURA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CMDI (Extrato) REGIMENTO INTERNO O Conselho Municipal do Idoso de Feira

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= LEI Nº 2.689, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- Autoriza a doação de lote

Leia mais

REGRAS Processo Eleitoral ANPEI

REGRAS Processo Eleitoral ANPEI REGRAS Processo Eleitoral ANPEI 1. DA CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO ELEITORAL: Conforme definido no Art. 40, as eleições serão realizadas em conformidade com o disposto neste Estatuto Social e de acordo com

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DO IBRI - INSTITUTO BRASILEIRO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES, REALIZADA EM 27 DE OUTUBRO DE 2009, ÀS

ATA DA REUNIÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DO IBRI - INSTITUTO BRASILEIRO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES, REALIZADA EM 27 DE OUTUBRO DE 2009, ÀS ATA DA REUNIÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DO IBRI - INSTITUTO BRASILEIRO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES, REALIZADA EM 27 DE OUTUBRO DE 2009, ÀS 18h30, VIA TELECONFERÊNCIA. PARTICIPANTES: Geraldo Soares, Ricardo

Leia mais