Certificação ISO no

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Certificação ISO no"

Transcrição

1 Certificação ISO no Instituto t de Informática, I.P. (MTSS)

2 Agenda O Instituto t de Informática, I.P.; Sistema de Gestão Integrado (ISO 9001, 27001, 20000) Manutenção da Certificação ISO Impacto da Certificação ISO Desafios e Dificuldades Conclusões INFORMAÇÃO PÚBLICA 2

3 O Instituto de Informática, I.P. INFORMAÇÃO PÚBLICA 3

4 O Instituto de Informática, I.P. O Instituto de Informática, I.P., tem por missão definir e propor as políticas e estratégias de tecnologias de informação e comunicação, garantindo o planeamento, concepção, execução e avaliação das iniciativas de informatização e actualização tecnológica do MTSS. Tem 270 Colaboradores e sede no Tagus Park Porto Salvo INFORMAÇÃO PÚBLICA 4

5 Visão do II, I.P. O Instituto de Informática, I.P. pretende ser uma referência nacional das melhores práticas na concepção, desenvolvimento, implementação e operação de Sistemas de Informação. INFORMAÇÃO PÚBLICA 5

6 A Caminho da Excelência Auto-Avaliação II, I.P. C2E 100 M CAF 2004 e l h o r Planeamento e Estratégia Resultados Chave do Desempenho Liderança Pessoas Parcerias e Recursos Processos Resultados Clientes Resultados Pessoas Resultados Sociedade Pontuação ISO 9001 Critérios Modelo de Excelência da EFQM EFQM 2008 CAF Auto-Avaliação II, I.P. R4E Planeamento e Estratégia Resultados Chave do Desempenho Liderança Pessoas Parcerias e Recursos Processos Resultados Clientes Resultados Pessoas Resultados Sociedade Pontuação i EFQM 2008 CAF 2006 CAF 2004 a Critérios Modelo de Excelência da EFQM ISO ISO20000 INFORMAÇÃO PÚBLICA 6 Consolidação Sistema Integrado de Gestão da Qualidade / Gestão Ambiental / Responsabilidade Social / C o n t í n u a

7 Sistema de Gestão Integrado Programa de Certificação II, I.P. Sistema de Gestão Integrado ISO 9001 ISO ISO EFQM & CobiT ITIL & PCN INFORMAÇÃO PÚBLICA 7

8 Sistema de Gestão Integrado ISO ISO ISO 9001:2008 INFORMAÇÃO PÚBLICA 8

9 Programa de Certificação II, I.P. Sistema de Gestão Integrado ISO 9001 ISO ISO EFQM & CobiT ITIL & PCN INFORMAÇÃO PÚBLICA 9

10 Processos de Gestão Cadeia de Valor do II, I.P. Gestão da Relação com os Clientes Planeamento Estratégico e Controlo Operacional Processos de Realização Gestão de Projectos Gestão Entregas Requisitos do Cliente Processos de Resolução e Níveis de Serviço Gestão de Alterações Gestão de Operações e Infra-estructura ontinua Melhoría c Gestão da Informação Riscos e Segurança da Informação Processos de Suporte Gestão de Aquisições Gestão de Pessoas Apoio Administrativo Geral INFORMAÇÃO PÚBLICA 10

11 Manutenção da Certificação ISO INFORMAÇÃO PÚBLICA 11

12 ISO/ IEC 27001:2005 Implementação/manutenção de um SGSI INFORMAÇÃO PÚBLICA 12

13 Estrutura Documental Políticas, Normas e Procedimentos Processo de Gestão da Segurança de Informação Processo de Gestão de Riscos INFORMAÇÃO PÚBLICA 13

14 Política de Segurança da Informação INFORMAÇÃO PÚBLICA 14

15 Políticas Detalhadas de Segurança da Informação PSISS-D.1 Organização da Segurança da Informação PSISS-D.2 Politica de Gestão de Activos PSISS-D.3 Politica de Recursos Humanos PSISS-D.4 Politica de Segurança Física e Ambiental PSISS-D.5 SSS Politica de Gestão de Comunicações e Operações PSISS-D.6 Politica de Controlo de Acessos PSISS-D.7 Politica de Desenvolvimento Aquisição e Manutenção de SI PSISS-D.8 Politica de Gestão de Incidentes PSISS-D.9 Politica de Compliance INFORMAÇÃO PÚBLICA 15

16 Organização para a Segurança da Informação INFORMAÇÃO PÚBLICA 16

17 Gestão da Segurança de Informação PROCESSO: Definição de Políticas; Implementação de controlos; Monitorização e Auditoria; Avaliação e reporte; Melhoria Contínua. INFORMAÇÃO PÚBLICA 17

18 Acções de Formação e Sensibilização Objectivo Formar e sensibilizar os colaboradores da segurança social no tema da segurança da informação e no modelo de segurança dfinido Actividades Formar todos os colaboradores da segurança social no novo modelo de segurança Sensibilizar todos os colaboradores da segurança social, directa ou indirectamente relacionados com o SGSI, no modo de tratamento / processamento da informação INFORMAÇÃO PÚBLICA 18

19 Auditorias Internas Objectivo Avaliar a conformidade d dos requisitos it para o processo de certificação Actividades Sensibilização de todos os envolvidos quanto ao processo de certificação (por exemplo: fase da certificação, como responder numa entrevista, que informação deve ser disponibilizada e quando) Simular um processo de certificação de forma a aferir o grau de maturidade do SGSI Discussão das conclusões observadas/identificadas positivas e negativas INFORMAÇÃO PÚBLICA 19

20 Gestão de Riscos PROCESSO: Inventariação de activos; Análise dos riscos; Gestão dos riscos; e Monitorização e revisão dos riscos. INFORMAÇÃO PÚBLICA 20

21 ISO Information security risk management INFORMAÇÃO PÚBLICA 21

22 Gestão Integrada dos Riscos ISO Gestão da Segurança da informação BS Gestão da Continuidade INTEG GRAÇÃO Identificar processos e activos dentro do âmbito, ameaças e vulnerabilidades Avaliar impactos e probabilidades da perda de Confidencialidade, Integridade e Disponibilidade Estimar os níveis dos riscos Identificar processos e activos críticos para o negócio, ameaças e vulnerabilidades Avaliar impactos e probabilidades da perda de Disponibilidade Estimar os níveis dos riscos Análise de Impacto no Neg gócio (BIA) Plano de Tratamento dos Riscos Plano de Continuidade do Negócio INFORMAÇÃO PÚBLICA 22

23 Evolução da maturidade dos controlos Ano Categoria 2007 Intuitivo 2009 Definido 2010 Gerido INFORMAÇÃO PÚBLICA 23

24 Impacto da Certificação ISO INFORMAÇÃO PÚBLICA 24

25 Certificação ISO ImpactonoSGSI Revisão/redefinição de interfaces: Gestão de Níveis de Serviço Gestão de Fornecedores Gestão de Alterações Gestão de Releases Gestão de Configurações Gestão da Continuidade e Disponibilidade Gestão de Alterações Gestão de Incidentes e Problemas INFORMAÇÃO PÚBLICA 25

26 Interfaces (exemplos) INFORMAÇÃO PÚBLICA 26

27 Desafios e Dificuldades d A manutenção do Sistema de Gestão da Segurança de Informação, associada ao acompanhamento da certificação ISO 9001, e à preparação para a certificação ISO Manter a Equipa motivada e disponível, considerando a inevitável acumulação de funções Garantir a mudança cultural ao nível de comportamentos e atitudes, e a implementação corrente de normas e procedimentos Incutir a lógica preventiva em detrimento da lógica correctiva Integrar a gestão dos riscos com a gestão da continuidade e das alterações Implementar a gestão dos incidentes de segurança da informação Fazer funcionar os interfaces entre processos em geral O processo de análise de riscos revela-se muito pesado e moroso devido às características da ferramenta de suporte (em substituição) INFORMAÇÃO PÚBLICA 27

28 Conclusões É essencial o compromisso da Gestão de Topo e de todos os elementos da equipa, assim como uma comunicação abrangente e efectiva a toda a organização Deve existir um Plano de Mudança estruturado e sistemático, que deve englobar o Plano de Comunicação; A gestão dos riscos de segurança da informação deve estar integrada com a gestão dos riscos da organização A articulação com os restantes processos e áreas da organização deve ser efectiva e personalizada, numa lógica de mútuo benefício A estratégia de sensibilização deve ser periodicamente revista INFORMAÇÃO PÚBLICA 28

29 Para o futuro Optimização da monitorização dos controlos Sensibilização nacional de toda a Segurança Social, através de e-learning Extensão do SGSI a toda a Segurança Social (em decisão) INFORMAÇÃO PÚBLICA 29

30 OBRIGADO! Equipa de Auditoria e Qualidade do II, I.P. Telefone: INFORMAÇÃO PÚBLICA 30

Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO

Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO 1 2 3 4 O contexto incentea DESAFIOS DO NEGÓCIO Um Sistema Integrado ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA A Segurança de Informação SUSTENTAÇÃO

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Gestão da Qualidade O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 O Sistema HACCP Princípios: 1 Identificação dos perigos e análise

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO

EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO 18 de Novembro 2016 ENQUADRAMENTO Hospital gerido em regime de Parceria Público-Privada, prestador de cuidados de saúde diferenciados, integrado na rede do SNS

Leia mais

GRC e Continuidade de Negócios. Claudio Basso

GRC e Continuidade de Negócios. Claudio Basso GRC e Continuidade de Negócios Claudio Basso claudio.basso@sionpc.com.br Governança um atributo de administração dos negócios que procura criar um nível adequado de transparência através da definição clara

Leia mais

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MESTRADO EM ENGENHARIA ALIMENTAR SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Sistema de controlo simples e lógico COMO FAZER O FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore Ana Santos,

Leia mais

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia Isabel Catarina Abreu Rodrigues Conselho Regional para a Modernização Administrativa 19 de Outubro de 2005

Leia mais

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR Quem Somos QUEM SOMOS A Bioqual é uma empresa especializada em Qualidade, Higiene e Segurança Alimentar. Presente em todo o país através de uma rede de escritórios, com consultores especializados e experiência

Leia mais

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 Enquadramento Na Europa, 60% dos acidentes de trabalho de que resultam mortos são acidentes rodoviários, incluindo os acidentes de trajecto para o trabalho. Acidentes

Leia mais

1. CONCEITO. Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços SGI CREF13 BA/SE

1. CONCEITO. Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços SGI CREF13 BA/SE 1. CONCEITO Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços Praticar a responsabilidade social defendendo a sociedade e assumindo compromisso com o meio ambiente SGI CREF13 BA/SE Desenvolver

Leia mais

Ferramenta SG IDI para o STV

Ferramenta SG IDI para o STV para o STV 31 de maio de 2012 Assunção Mesquita amesquita@citeve.pt para o STV SG IDI o que são? Sua importância no STV Estrutura da ferramenta SG IDI o que são? para o STV Estruturas empresariais alinhadas

Leia mais

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) Comissão de Estudo Especial de Informática em Saúde (CEE78-IS) GT4 Segurança da Informação e do Paciente 8ª Plenária CEE78IS 15/09/2015 APRESENTAÇÃO DO PROJETO

Leia mais

Como os resultados do diagnóstico de segurança podem priorizar os riscos inerentes aos negócios Security Leaders Belo Horizonte/MG - 15/06/2016

Como os resultados do diagnóstico de segurança podem priorizar os riscos inerentes aos negócios Security Leaders Belo Horizonte/MG - 15/06/2016 Como os resultados do diagnóstico de segurança podem priorizar os riscos inerentes aos negócios Security Leaders Belo Horizonte/MG - 15/06/2016 Fernando Nicolau Freitas Ferreira, MSc, CISM, CRISC, CGEIT,

Leia mais

POLÍTICA. Sistema de Gestão de Segurança da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Referência do Documento PL03 SGSI _V5

POLÍTICA. Sistema de Gestão de Segurança da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Referência do Documento PL03 SGSI _V5 POLÍTICA POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Referência do Documento PL03 SGSI _V5 D Público 1 PL03 SGSI_V5 ÍNDICE 1. Referências Pág. 3 2. Documentos Associados Pág. 3 3. Registos Associados Pág. 3 4.

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 ISO 14001:2004 ISO 14001:2015 Introdução Introdução 1.Escopo 1.Escopo 2.Referências normativas 2.Refências normativas 3.Termos e definições 3.Termos

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016

Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016 Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna 2015 Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016 Agenda 1. Enquadramento 2. Abordagem Operacional 3. Execução do Plano 2015 4. Plano de Auditoria Interna 2016

Leia mais

ENDP 2015 PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E GESTÃO ARIO ZIMMERMANN. PORTO ALEGRE/RS, Setembro de 2015

ENDP 2015 PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E GESTÃO ARIO ZIMMERMANN. PORTO ALEGRE/RS, Setembro de 2015 ENDP 2015 PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E GESTÃO ARIO ZIMMERMANN PORTO ALEGRE/RS, Setembro de 2015 PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E GESTÃO» ROTEIRO PLANEJAMENTO e GESTÃO GOVERNABILIDADE GOVERNANÇA GESTÃO PLANEJAMENTO

Leia mais

Tecnologias de Performance Empresarial

Tecnologias de Performance Empresarial www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Tecnologias de Performance Empresarial Alexandre Leiria alexandre.leiria@quidgest.com Objectivos Dotar os participantes de um enquadramento que lhes permita identificar

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

3) Qual é o foco da Governança de TI?

3) Qual é o foco da Governança de TI? 1) O que é Governança em TI? Governança de TI é um conjunto de práticas, padrões e relacionamentos estruturados, assumidos por executivos, gestores, técnicos e usuários de TI de uma organização, com a

Leia mais

Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução.

Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução. Apresentação A QIS O Método O Sistema de Gestão Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução. 12 Benefícios 4 Razões Referências 1 Consultoria Tecnologia Consultoria Tecnologia Quem somos

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Visão: Objectivos Estratégicos (OE): OE 1. Fomentar o desenvolvimento da competência científica e tecnológica

Leia mais

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS PERSPECTIVA: TRE/RN e Sociedade Objetivo 1: Primar pela satisfação do cliente de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Descritivo: Conhecer e ouvir o cliente

Leia mais

1. Conceitos Fundamentais

1. Conceitos Fundamentais 1. Conceitos Fundamentais a e os processos de planeamento e desenvolvimento de sistemas de informação 2 planeamento informático planeamento informático análise organizacional organizar o planeamento avaliar

Leia mais

efr ENTIDADES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS

efr ENTIDADES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS Promovemos a sustentabilidade do seu negócio Júlio Faceira Guedes XZ Consultores, SA O MODELO DE GESTÃO efr ENTIDADES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS Porto, 08 de Maio de 2012 O modelo de gestão efr 1. O que

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE VIII Auditoria em Informática Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Noções gerais de auditoria na empresa em SI Conceito de auditoria Etapas do processo de auditoria

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Developing your business through qualified people and efficient operations

Developing your business through qualified people and efficient operations Developing your business through qualified people and efficient operations Apresentação actualizada em 20Mar08 e mail@vnetg.com t +351 305525530 f +351 305525559 w www.vnetg.com quem somos A ValueNetworks

Leia mais

Governança em TI na UFF. Modelo de Gestão da STI. Henrique Uzêda

Governança em TI na UFF. Modelo de Gestão da STI. Henrique Uzêda Governança em TI na UFF Modelo de Gestão da STI Henrique Uzêda henrique@sti.uff.br 2011-2013 Universidade Federal Fluminense 122 cursos de graduação e 359 de pós-graduação ~ 45.000 alunos de graduação

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Planos de Segurança da Água

Planos de Segurança da Água Planos de Segurança da Água 10 anos de um trajeto de sucesso Grupo Interno de Especialistas AdP Planos de Segurança da Água Planos de Segurança da Água Constituem uma abordagem baseada no conhecimento

Leia mais

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso Anexo A Protocolo do Estudo de Caso 140 Protocolo do Estudo de Caso - Especificação do Processo de Recolha de Informação O processo de recolha de informação no decorrer do estudo de caso respeita a três

Leia mais

Principais alterações ISO 14001:2015

Principais alterações ISO 14001:2015 Principais alterações ISO 14001:2015 André Ramos Diretor de Marketing Agenda Comissão Técnica O processo de revisão da ISO 14001 Orientações para Revisão Inquérito aos utilizadores Calendário Alterações

Leia mais

7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos

7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos 7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos 1 Introdução Sub-Comitê de Gestão de Riscos (nov 2004) Motivação: O fortalecimento do Conselho

Leia mais

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando Teixeira dos Santos - 16 de Janeiro de 2008 - Senhores

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Cargo/Carreira/categoria Atribuições / Competências/Actividades Nº de postos Planeados Nº de postos de trabalho providos Observações (Universo

Leia mais

DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRUTURA Direção de Serviço de Reformas Cargo Função Técnico Diretor de Serviço Dirigir e enquadrar os projetos de modernização e reforma no âmbito do

Leia mais

Di a s 2, 3 e 4 Di a s 3 e 4 Di a s 7, 8, 9, 1 0 e 1 1 Di a s 1 4, 1 5 e 1 6 Di a 2 1 Di a s 2 4 e 2 5 Di a 3 1 e 1 Ju n h o

Di a s 2, 3 e 4 Di a s 3 e 4 Di a s 7, 8, 9, 1 0 e 1 1 Di a s 1 4, 1 5 e 1 6 Di a 2 1 Di a s 2 4 e 2 5 Di a 3 1 e 1 Ju n h o Di a s 2, 3 e 4 Di a s 3 e 4 Di a s 7, 8, 9, 1 0 e 1 1 Di a s 1 4, 1 5 e 1 6 Di a 2 1 Di a s 2 4 e 2 5 Di a 3 1 e 1 Ju n h o I SO 5 0 0 0 1 SI STEM A DE GESTÃ O DA ENERGI A LEA N OFFI CE TP M TOTA L P

Leia mais

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DE MOÇAMBIQUE

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DE MOÇAMBIQUE ASSOCIAÇÃO MÉDICA DE MOÇAMBIQUE PLANO ESTRATÉGICO E DE ACTIVIDADES 2014-2018 VISÃO: UMA ASSOCIAÇÃO MÉDICA FORTEMENTE ENGAJADA DEFESA DA CLASSE MÉDICA MOÇAMBICA Actividades T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 OE1:

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. O Conhecimento como Paixão. A Engenharia como Profissão!

Instituto Politécnico de Setúbal. O Conhecimento como Paixão. A Engenharia como Profissão! O Conhecimento como Paixão A Engenharia como Profissão! Cursos de Engenharia Cursos de Tecnologia Engenharia do Ambiente Engenharia de Automação, Controlo e Instrumentação Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE CERÂMICA CRIATIVA 1 / 5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE CERÂMICA CRIATIVA 1 / 5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE CERÂMICA CRIATIVA Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1 /

Leia mais

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Brasil: uma vocação natural para a indústria química País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais e terras raras Objetivo Desenvolver

Leia mais

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 1ª Jornada Internacional da Gestão Pública O caso MDIC BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 ANTECEDENTES INÍCIO DE 2011 Contexto de mudança de Governo; Necessidade de diagnóstico organizacional; Alinhamento

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO CONHECIMENTO E EXCELÊNCIA À DISTÂNCIA DE UM CLIQUE

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO CONHECIMENTO E EXCELÊNCIA À DISTÂNCIA DE UM CLIQUE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO CONHECIMENTO E EXCELÊNCIA À DISTÂNCIA DE UM CLIQUE O QUE É O E-DYNAMIC.BIZ PRINCIPAIS PROBLEMAS OBSERVADOS PRINCIPAIS OBJECTIVOS DA PLATAFORMA COMPONENTES DA PLATAFORMA VANTAGENS

Leia mais

Mod rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Fornecedores de Material de Escritório

Mod rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Fornecedores de Material de Escritório Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Fornecedores de Material de Escritório Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação de um Sistema de Gestão

Leia mais

TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Objetivo 1: Aprimorar a adoção de soluções de TI nas atividades de ensino, pesquisa, extensão e gestão, auxiliando na consecução

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

5ª Conferência Anual da itsmf: "A Convergência das Práticas" ISO e o caso Vortal

5ª Conferência Anual da itsmf: A Convergência das Práticas ISO e o caso Vortal 5ª Conferência Anual da itsmf: "A Convergência das Práticas" ISO 27001 e o caso Vortal 28 de Maio de 2008 Classificação Pública ISO 27001 e o caso Vortal Informação como activo de valor A série ISO 27000

Leia mais

Programa Operacional da Administração Pública (POAP),

Programa Operacional da Administração Pública (POAP), Programa Operacional da Administração Pública (POAP), 2004-2006 Ministério das Finanças e da Administração Pública CONTEÚDO DO DOCUMENTO da Eixo 3 Qualificar para modernizar a do Programa Operacional Emprego,

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

Auditorias Independentes COMPLIENCE AUDITORIAS DE 2A PARTE. em atividades aéreas

Auditorias Independentes COMPLIENCE AUDITORIAS DE 2A PARTE. em atividades aéreas AUDITORIAS DE 2A PARTE em atividades aéreas " O QUE É E COMO ATUAMOS NESTA ÁREA. O significado de complience é o de agir de acordo com uma regra, uma instrução interna, um comando ou um pedido, ou seja,

Leia mais

Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis

Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis A oportunidade Na medida em que a computação em nuvem dá origem a novas e poderosas capacidades, ela oferece o potencial de aumentar a produtividade,

Leia mais

Uma abordagem de gerência de configuração em ambiente de TI com as melhores práticas em I.T.I.L

Uma abordagem de gerência de configuração em ambiente de TI com as melhores práticas em I.T.I.L Uma abordagem de gerência de configuração em ambiente de TI com as melhores práticas em I.T.I.L MARCELO CLÁUDIO DANTAS SALLES RIBEIRO JUNIOR MARIA DE JESUS RODRIGUES DA SILVA OBJETIVO Avaliar processos

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER Seminário Final do Projeto Aveiro, 30/05/2012 Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT-09-142-FEDER-000022 Victor M. Ferreira 1 O desafio Em

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

CB.POL a. 1 / 7

CB.POL a. 1 / 7 CB.POL-.01 4 a. 1 / 7 1. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO Esta política estabelece diretrizes e responsabilidades para a implementação e manutenção do Sistema de Controles Internos integrado ao Gerenciamento de

Leia mais

Porquê trabalhar com o Grupo TAKE OFF?

Porquê trabalhar com o Grupo TAKE OFF? Sobre Nós Na Take Off somos especialistas em Consultoria nas vertentes de recursos humanos e desenvolvimento de negócio. Atuamos sob metodologias e procedimentos próprios, os quais assentam na melhoria

Leia mais

Engineering Solutions Consulting. Consulting

Engineering Solutions Consulting. Consulting Engineering Solutions Consulting Consulting Missão e compromisso A nossa missão é proporcionar uma abordagem inovadora, diferenciadora e que aporte valor, com uma equipa jovem, dedicada, empenhada e qualificada,

Leia mais

QUALIFICAÇÃO/AVALIAÇÃO FORNECEDORES/PRODUTOS

QUALIFICAÇÃO/AVALIAÇÃO FORNECEDORES/PRODUTOS QUALIFICAÇÃO/AVALIAÇÃO FORNECEDORES/PRODUTOS Santin e Cavalcanti (2004) afirmam que não existe um procedimento óptimo para avaliar e qualificar os fornecedores e as empresas desenvolvem diferentes procedimentos

Leia mais

Adequação ao esocial Como se preparar?

Adequação ao esocial Como se preparar? www.pwc.com.br/esocial Adequação ao esocial Como se preparar? 28 de abril de 2014 Agenda 1 2 3 4 5 Introdução O que é o esocial? Pesquisa Como as empresas estão se preparando? Impactos Quais são os principais

Leia mais

J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA.

J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA. J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA. 1 Sector de Actividade: Calçado Actividade Principal: Produção de calçado CEO: Joaquim Carvalho Telefone: +351 255310690 Fax: +351 255310699 E-mail: js@mail.calafe.com Morada:

Leia mais

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM 2º Congresso APEGEL - 2011 DESAFIO PARA O 3º CONGRESSO ESTRATÉGICO Competências Enfermeiro Gestor Normas e Indicadores TÁTICO Por nível OPERACIONAL ESTRATÉGICO PRÁTICA

Leia mais

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 PPDA 2009-2011 PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 JULHO 2001 PPDA 2009-2011 PARECERES RELATIVOS ÀS MEDIDAS 28, 30 E 33 MEDIDA 28 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

A importância da Gestão de Riscos. Marcelo de Sousa Monteiro

A importância da Gestão de Riscos. Marcelo de Sousa Monteiro A importância da Gestão de Riscos Marcelo de Sousa Monteiro Agenda Alguns comentários sobre Administração O que é risco? A importância da Gestão de Riscos Alguns comentários sobre Administração Administração

Leia mais

ESPAÇOS DO CIDADÃO Decreto-Lei n.º 74/2014, de 13 de maio

ESPAÇOS DO CIDADÃO Decreto-Lei n.º 74/2014, de 13 de maio ESPAÇOS DO CIDADÃO Decreto-Lei n.º 74/2014, de 13 de maio De forma a garantir que a prestação digital de serviços públicos não implica a exclusão de quem não saiba ou não possa utilizar os serviços públicos

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Como as instituições financeiras devem tratar a gestão de riscos socioambientais? O crescente processo de

Leia mais

Sistema de reconhecimento da qualidade do serviço das pequenas e médias empresas do comércio e serviços

Sistema de reconhecimento da qualidade do serviço das pequenas e médias empresas do comércio e serviços Projecto de Documento Normativo Português (pr DNP 4546) Sistema de reconhecimento da qualidade do serviço das pequenas e médias empresas do comércio e serviços IP, 12.01.2016 Instituto Português da ualidade

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO TESTEMUNHO DE IMPLEMENTAÇÂO DA NORMA ISO/IEC 27001 12 DE MARÇO DE 2014

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO TESTEMUNHO DE IMPLEMENTAÇÂO DA NORMA ISO/IEC 27001 12 DE MARÇO DE 2014 SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO TESTEMUNHO DE IMPLEMENTAÇÂO DA NORMA ISO/IEC 27001 12 DE MARÇO DE 2014 A DIR. REG. DO EMPREGO E QUAL. PROF. MISSÃO DA DREQP APLICAR POLÍTICAS DE EMPREGO NA

Leia mais

Certificação Florestal

Certificação Florestal Certificação Florestal Factor de Diferenciação Certificação Florestal 1 - A Certificação Florestal Objectivos Vantagens 2 - Dois Esquemas de Certificação Florestal PEFC FSC 3 - Estatísticas a nível Mundial

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

A QUALIDADE COMO FACTOR DE COMPETITIVIDADE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Isabel Catarina Rodrigues 02 de Março de 2007 Auditório da Casa da Luz

A QUALIDADE COMO FACTOR DE COMPETITIVIDADE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Isabel Catarina Rodrigues 02 de Março de 2007 Auditório da Casa da Luz A QUALIDADE COMO FACTOR DE COMPETITIVIDADE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Isabel Catarina Rodrigues 02 de Março de 2007 Auditório da Casa da Luz OS DESAFIOS DO SÉCULO XXI Acompanhar a revolução tecnológica

Leia mais

REALIZAR MAIS Sustentabilidade

REALIZAR MAIS Sustentabilidade REALIZAR MAIS Sustentabilidade Grupo Banco Espírito Santo Índice Cultura de cidadania empresarial no modelo de : uma visão integrada para a sustentabilidade ADN Realizar Mais: pioneirismo e profundidade

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES

Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES (novembro 2014) Índice

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA aprovados através de processo de consulta escrita concluído a 13 de Maio de 2015 METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais

Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém

Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém Planeamento estratégico de sistemas de informação de Departamento de Informática e Métodos Quantitativos Licenciatura em Informática - 3º Ano Sistemas

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

INSTITUTO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS VALE DO PARANAPANEMA LTDA CNPJ: / FACULDADES INTEGRADAS DE TAGUAÍ

INSTITUTO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS VALE DO PARANAPANEMA LTDA CNPJ: / FACULDADES INTEGRADAS DE TAGUAÍ VALE DO PARANAPANEMA LTDA CNPJ: 19.412.711/0001-30 POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) TAGUAÍ SP 2015 Política de Aquisição, Atualização e Manutenção

Leia mais

Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Requisitos do sistema de gestão da IDI

Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Requisitos do sistema de gestão da IDI Norma Portuguesa NP 4457 Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Requisitos do sistema de gestão da IDI Gestion de la Recherche, Développement et Innovation (RDI) Exigences du système

Leia mais

Gerir Processos e Implementar a Qualidade Eficácia e Competitividade

Gerir Processos e Implementar a Qualidade Eficácia e Competitividade AGENDA DA APRESENTAÇÃO 11.00 horas Requisitos das organizações e dos sistemas Objecções do Mercado Modelo de acção 11.20 horas Case-study de pequena empresa - Apresentação da empresa Jorge Livramento Lda

Leia mais

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência XIX Seminário de Boas Práticas CIC Caxias do Sul A Importância da Liderança na Cultura da Excelência Msc. Eng. Irene Szyszka 04/ABR/2013 O negócio, o mercado e a sociedade Pressão dos clientes e mercado;

Leia mais

LISTA DOCUMENTOS E REGISTOS ISO 22000:2005

LISTA DOCUMENTOS E REGISTOS ISO 22000:2005 4.1. Requisitos Gerais 4.2. Requisitos da Documentação 4.2.1 4.2.2. Controlo de Documentos Definição do Âmbito SGSA (Manual SGSA...) Controlo processos subcontratados (Instruções, contratos cadernos de

Leia mais

ECO.AP. 29 de Março de 2011

ECO.AP. 29 de Março de 2011 ECO.AP 29 de Março de 2011 1 O SUCH como Empresa de Serviços Energéticos 2 Energia Concluído o quadro legislativo aplicável à formatação e execução de contratos de gestão de eficiência energética, a celebrar

Leia mais

Mod rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Construção Civil

Mod rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Construção Civil Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Construção Civil Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação de um Sistema

Leia mais

Unidade 3 Prof. Wagner Veloso

Unidade 3 Prof. Wagner Veloso Análise de Swot e Mercado Unidade 3 ANÁLISE DE SWOT A Análise SWOT é uma ferramenta utilizada para fazer análise de cenário (ou análise de ambiente), sendo usado como base para gestão e planejamento estratégico

Leia mais

SI nas. Organizações CEM01 CEM01. para Gestão. O conceito de Sistema no contexto das organizações. Definição de Sistema. Page 1

SI nas. Organizações CEM01 CEM01. para Gestão. O conceito de Sistema no contexto das organizações. Definição de Sistema. Page 1 CEM01 Sistemas de Informação para Gestão CEM01 Sistemas de Informação para Gestão SI nas Organizações António nio Lencastre Godinho agodinho@mail.islagaia.pt Tel.: 939 381789 O conceito de Sistema no contexto

Leia mais

7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços

7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços 7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços Principais Alterações e Benefícios da ISO 9001:2015 Sócio-Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade. Formado em Eng. Mecânica pela FEI e Pós-graduado

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário ao Pessoal Não Docente

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário ao Pessoal Não Docente ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA Avaliação Interna Questionário ao Pessoal Não Docente O pessoal dos serviços de administração e gestão da escola e o pessoal auxiliar de acção educativa e guardas-nocturnos

Leia mais

- COTEC GAPI II / UATEC

- COTEC GAPI II / UATEC Sessão de Sensibilização para a Inovação Inovar para Ganhar Gouveia Leal - COTEC GAPI II / UATEC - Janeiro de 2010 A sua empresa na rota da Inovação 1. COTEC; Missão, Estratégia e Iniciativas 2. Por que

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais