Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP"

Transcrição

1 1 Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP Caderno de prova Processo seletivo Curso de Formação de Instrutores do Programa de Formação de Conselheiros de Cooperativas de Crédito FORMACRED Módulo I: Abordagem Legal Aplicação: 03/02/2014 Nome : LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. Esta prova contém 30 (trinta) questões objetivas. Verifique se este caderno de questões está completo. Caso o caderno esteja incompleto, solicite ao fiscal da prova que tome as providências cabíveis. A prova terá a duração máxima de 3 (três) horas. Durante a prova não se comunique com outros candidatos. Todo material de uso pessoal deverá ser guardado, permanecendo sobre a mesa somente o documento de identidade (com fotografia), caneta esferográfica de tinta azul ou preta. Será eliminado do processo seletivo o candidato que: usar, durante a realização da prova, máquina de calcular, rádios, gravadores, fones de ouvido, telefones celulares, pagers, equipamentos eletrônicos ou fontes de consulta/comunicação de qualquer espécie; O Sescoop não se responsabilizará por perdas ou extravios de objetos ou de equipamentos eletrônicos, ocorridos durante a realização da avaliação de conhecimentos, nem por danos neles causados, assim como pela guarda de quaisquer objetos levados pelo candidato ao local de realização da avaliação de conhecimentos. Os gabaritos e avaliação de conhecimento estarão disponíveis no site conforme cronograma (item 5).

2 2 Esta verificação de conhecimentos é composta de trinta questões e cada uma tem cinco opções de escolha. 1ª Questão: Cooperação e cooperativismo são palavras de mesma origem, mas com sentidos diferentes. Assinale, nas opções abaixo, qual a alternativa que você considera INCORRETA: ( a ) A etimologia de cooperação e cooperativismo é a mesma, vem do latim cum operare, significando operar em conjunto. ( b ) Chama-se cooperação ao ato de indivíduos ou empresas, com problemas comuns se unirem e, pela ajuda mútua, tentar resolvê-los. ( c ) Cooperação depende sempre de incentivos governamentais, ou seja, total ingerência das autoridades na vontade das pessoas de se unir. ( d ) A cooperação é inerente ao ser humano e, até mesmo, aos animais. Nos tempos das cavernas, os homens se agrupavam para enfrentar os inimigos; os animais andam em grupos para se protegerem e atacarem. ( e ) Cooperativismo pressupõe instrumentos legais para a ajuda mútua; a atividade é regulamentada por leis e normas de órgãos fiscalizadores; há regras de funcionamento e penalidades para seu descumprimento. 2ª Questão: Questiona-se frequentemente a natureza empresarial da cooperativa, dada sua concepção legal: afinal, é uma sociedade de pessoas com problemas comuns ou uma sociedade com propósitos empresariais bem definidos? Analise as definições e afirmativas abaixo sobre o assunto, e assinale a opção FALSA. ( a ) A cooperativa de crédito é uma empresa, apesar de toda a filosofia de ajuda mútua. Podemos nos ajudar mutuamente com organização, normas e sustentabilidade. ( b ) No Brasil, o cooperativismo de crédito nasceu por orientação governamental, pressionado por movimentos sindicais. ( c ) A cooperativa manifesta, ao mesmo tempo, duas funções importantes: a de associação, enquanto reunião de pessoas e a de empresa, por ser reunião de capital. ( d ) A primeira cooperativa organizada surgiu na Inglaterra, em 1844, formada por tecelões que criaram um armazém coletivo, destinado a comercializar, para eles mesmos, produtos com preços mais acessíveis. Seu estatuto estabelecia em seus objetivos, contribuição mensal obrigatória (capital) e as regras de funcionamento. ( e ) O cooperativismo organizado com finalidade de ajuda mútua via concessão de crédito nasceu na Alemanha pelas iniciativas de Hermann Schultz e Friederick Raiffeisen, nos anos 1850.

3 3 3ª Questão: As cooperativas de crédito têm algo em comum com as instituições bancárias. Afinal, ambas são integrantes do sistema financeiro. Mas existem várias diferenças legais e operacionais entre elas. Analise as definições e afirmativas abaixo sobre o assunto e assinale a opção FALSA. ( a ) A distribuição dos resultados líquidos apurados no balanço de encerramento do exercício (dia 31 de dezembro de cada ano) é igual para os bancos e cooperativas de crédito. O lucro líquido é creditado aos cotistas ou acionistas proporcionalmente ao seu capital social na instituição. ( b ) O ato cooperativo não é tributado; isso pressupõe que atos não cooperativos são permitidos nas cooperativas de crédito, desde que contabilizados separadamente e oferecidos à tributação. ( c ) O quorum para a realização de Assembleias nas cooperativas é definido pelo número de pessoas associadas que lá comparecem, e não pelo total de cotas-partes que detêm do capital social. ( d ) A cooperativa é uma sociedade simples, de pessoas, sem fins lucrativos e não sujeita a falência, ao passo que o banco é uma sociedade empresária, de capital. ( e ) Nas Assembleias, cada associado tem direito a um único voto, independentemente do total de cotas-partes que possui. 4ª Questão: As afirmativas abaixo se referem às bases legais do cooperativismo de crédito. Identifique a que NÃO É VERDADEIRA. ( a ) As cooperativas são classificadas em singulares, quando formadas pelo número mínimo de vinte pessoas; centrais ou federações, quando formadas por, pelo menos, três cooperativas singulares; e confederações, quando formadas por, pelo menos, três centrais ou federações. ( b ) As confederações de centrais de crédito podem se transformar em confederações de crédito, com status de instituições financeiras, dependendo tão somente de aprovação pelo Banco Central do Brasil. ( c ) As cooperativas de crédito de livre admissão ou abertas são assim denominadas por poderem aceitar todo e qualquer tipo de associado (pessoa física e/ou jurídica), exceto aqueles que possam ser caracterizados como em conflitos de interesses com a própria sociedade. ( d ) A Lei 5.764/71 estabelece que, quando se tratar de cooperativas de crédito, seu funcionamento será normatizado pelas autoridades monetárias definidas pela Lei 4.595/64. ( e ) As Prefeituras, órgãos públicos, fundações e autarquias também podem se associar às cooperativas de livre admissão de associados, fortalecendo o movimento cooperativista.

4 4 5ª Questão: O estatuto da cooperativa de crédito, para ser aprovado pelo Banco Central do Brasil, deve conter itens específicos às atividades pretendidas. Assinale na listagem a seguir qual o conjunto de itens específicos que NÃO É VERDADEIRO. ( a ) As regras para admissão, demissão, exclusão ou eliminação de associados. ( b ) O montante mínimo e máximo de aquisição de cotas e suas possibilidades de devolução. ( c ) A sua área de atuação, que é definida livremente pelo estatuto e pode ser alterada por decisão dos associados em Assembleia Geral, não cabendo às autoridades monetárias qualquer interferência nessa decisão soberana, por força da Constituição Federal de ( d ) A fórmula de cálculo e a destinação das sobras ou o rateio das perdas verificadas no exercício. ( e ) A constituição de fundos obrigatórios e os seus percentuais mínimos, caso haja sobras. 6ª Questão: As Assembleias Gerais têm regras de convocação, abertura e condução para serem legítimas. Essas regras são estabelecidas na Lei 5.764/71 e na Resolução 3.859/10 do Conselho Monetário Nacional. Identifique a afirmativa que NÃO É VERDADEIRA. ( a ) O prazo mínimo para a convocação da assembleia é de dez dias após a divulgação dos demonstrativos contábeis auditados, devendo o edital ser publicado em jornal que comprovadamente circule na área de atuação da cooperativa. ( b ) O associado que não puder comparecer à Assembleia deve indicar um mandatário (procurador) para representá-lo, com todos os direitos de voz e voto. ( c ) Os administradores e fiscais não podem votar em assuntos que sejam de seu interesse, tais como: aprovação das contas, fixação de honorários e cédulas de presença. ( d ) Na terceira e última convocação, o quorum para sua instalação será de, no mínimo, dez associados, exceto para as Centrais, que poderá ser qualquer número. ( e ) Prescreve em quatro anos a ação para anular as deliberações da Assembleia Geral viciadas de erro, dolo, fraude ou simulação, ou tomadas com violação da lei ou do estatuto, contado o prazo da data em que a Assembleia foi realizada.

5 5 7ª Questão: Identifique nas afirmações abaixo a que NÃO CORRESPONDE às normas do cooperativismo definidas na legislação própria. ( a ) Pela incorporação, uma cooperativa absorve o patrimônio, recebe os associados, assume as obrigações e se investe nos direitos de outra ou de outras cooperativas. ( b ) É facultado às cooperativas de crédito, mediante decisão da Assembleia Geral, compensar, por meio de sobras dos exercícios seguintes, o saldo remanescente das perdas verificadas no exercício findo. ( c ) Denominam-se atos cooperativos aqueles praticados entre as cooperativas e seus associados, entre estes e aquelas, e pelas cooperativas entre si para a consecução de seus objetivos sociais. ( d ) O capital do associado pode ser remunerado livremente, dependendo, é claro, dos resultados obtidos pela cooperativa. Além disso, por ser um ato cooperativo, não há tributação sobre os juros recebidos. ( e ) Compete à Assembleia decidir pela fórmula do rateio das sobras apuradas, com base nas operações mantidas ou realizadas pelos associados. 8ª Questão: As regras para a eleição dos administradores das cooperativas de crédito são definidas, além da Lei 5.764/71 e da Resolução 3.859/10 do Conselho Monetário Nacional, pela Lei Complementar 130/09. As afirmativas abaixo são verdadeiras, EXCETO UMA. Identifique-a. ( a ) A cooperativa de crédito não é obrigada a ter Conselho de Administração. Pode ter somente uma Diretoria. ( b ) O mandato dos Conselheiros de Administração é estabelecido pelo Estatuto Social, não podendo, entretanto, ultrapassar quatro anos. ( c ) A renovação é obrigatória em um terço do Conselho de Administração. ( d ) Pela Lei Complementar 130/09, a Diretoria Executiva é eleita pela Assembleia Geral e formada exclusivamente por associados. ( e ) É atribuição legal do Conselho de Administração a representação da sociedade e a convocação de Assembleias Gerais. 9ª Questão: O Conselho Fiscal também tem regras para sua constituição, renovação e funcionamento. Identifique a AFIRMAÇÃO FALSA. ( a ) O mandato dos Conselheiros Fiscais, pela Lei 5.764/71, é de um ano e só podem ser reeleitos dois dos atuais ocupantes, ou seja, a renovação obrigatória é de quatro membros. ( b ) Pela Lei Complementar 130/09, o prazo do mandato dos Conselheiros Fiscais pode ser de até três anos e a renovação obrigatória será de pelo menos dois conselheiros sendo um efetivo e um suplente. ( c ) É obrigação do Conselheiro Fiscal fiscalizar, assídua e minuciosamente, os atos dos administradores da cooperativa de crédito. ( d ) O número mínimo de reunião mensal do Conselho Fiscal é estabelecido no Estatuto Social e uma reunião não pode ser realizada com menos de três conselheiros. Na ausência de um conselheiro efetivo, deve ser convocado um suplente. ( e ) O Conselho Fiscal, por maioria absoluta, pode decidir pela destituição de membros do Conselho de Administração ou Diretoria-Executiva, quando comprovados desvios financeiros e administração irregular.

6 6 10ª Questão: Para ocupar um cargo estatutário na Cooperativa de Crédito, o associado tem que comprovar que não é inelegível, à luz da Lei 5.764/71 e dos normativos do Conselho Monetário Nacional. Identifique a afirmação que NÃO CORRESPONDE À VERDADE. ( a ) Quando a Lei estabelece que parentes entre si até segundo grau, em linha reta ou colateral não podem compor uma mesma Diretoria ou Conselho de Administração, referese exclusivamente a parentesco por consanguinidade. Já que cônjuges e cunhados não são parentes consanguíneos, suas eleições estão fora dos impedimentos. ( b ) O associado que tiver contrato de trabalho com a Cooperativa de Crédito não pode ser eleito para cargos estatutários enquanto a Assembleia Geral não aprovar as contas do exercício em que ele deixou o emprego. ( c ) O associado, para ser elegível, não pode participar da administração ou deter 5% ou mais do capital de qualquer instituição do sistema financeiro (exceto de outra cooperativa de crédito) nem ser proprietário de empresa de fomento mercantil (factoring). ( d ) A Assembleia pode escolher um associado para, em nome da sociedade, mover ação contra os administradores para promover suas responsabilidades. ( e ) As Cooperativas de Crédito com Conselho de Administração podem dispor de Diretoria Executiva, a ele subordinada, composta por não associados. 11ª Questão: As afirmativas abaixo se referem ao Sistema Financeiro Brasileiro no período compreendido entre a vinda da família real (1808) e o final de 1964 (primeiro ano do governo militar). Assinale qual a alternativa que você considera INCORRETA: ( a ) Os registros sobre atividades do Sistema Financeiro Brasileiro tiveram início com a vinda da família real e da nobreza portuguesa para o Brasil em Dom João VI criou um banco, denominado Banco do Brasil, para administrar os recursos financeiros trazidos de Portugal. ( b ) Em 1933, no governo Vargas, foi promulgado um decreto proibindo que contratos de empréstimo tivessem cláusulas de correção monetária, fossem pela variação do ouro ou de qualquer outro ativo (café, açúcar, moeda estrangeira). Foi um verdadeiro engessamento das atividades bancárias, uma vez que as taxas de juros já estavam limitadas a 12% ao ano pela Lei da Usura. ( c ) O governo militar instalado em 1964 reformou todo o Sistema Financeiro Brasileiro, ao revogar a Lei da Usura, permitindo que os bancos, particulares e cooperativas de crédito operassem com taxas de juros livremente pactuadas. ( d ) O Estatuto Bancário Brasileiro (Lei 4.595/64) criou a estrutura básica que vigora até hoje no nosso Sistema Financeiro, com a definição do Conselho Monetário Nacional como instituição normatizadora, do Banco Central do Brasil como fiscalizadora, do Banco do Brasil e do BNDES como auxiliares e dos bancos públicos e privados e cooperativas de crédito como operadores do sistema. ( e ) ) A Lei da Correção Monetária criou as Obrigações Reajustáveis do Tesouro Nacional (ORTN) para correção dos títulos públicos e tributos; depois, foi estendida a todos os contratos de empréstimos, transações comerciais e aplicações financeiras, principalmente à atualização da poupança.

7 7 12ª Questão: A Lei 4.595/64, denominada Estatuto Bancário Brasileiro ou Lei do Sistema Financeiro Nacional, é o marco para o entendimento da organização do nosso Sistema Financeiro. Analise as afirmativas abaixo sobre o assunto e assinale a opção FALSA. (a) A Lei 4.595/64 estabeleceu um novo modelo econômico, com forte intervenção do setor público no setor financeiro brasileiro e regulamentou o funcionamento das suas instituições normatizadoras, fiscalizadoras e operadoras. (b) As instituições bancárias públicas e privadas ficaram subordinadas às normas do Conselho Monetário Nacional, fiscalizadas pelo Banco Central do Brasil e sujeitas às penalidades aplicáveis em caso de desvio de condutas de seus gestores. (c) As Cooperativas de Crédito deram sorte, pois não foram enquadradas como instituições financeiras, isentas, portando, dos rigores da Lei 4.595/64 quanto à subordinação ao Conselho Monetário e às obrigações e penalidades aplicáveis aos integrantes do Sistema Financeiro. (d) A composição atual do Conselho Monetário Nacional foi estabelecida pela Lei do Plano Real (9.069/95) e são seus membros efetivos os Ministros da Fazenda e do Planejamento, bem como o Presidente do Banco Central do Brasil. (e) A principal competência do Banco Central, fixada na Lei 4.595/64 é cumprir e fazer cumprir as disposições que lhe são atribuídas pela legislação em vigor e as normas expedidas pelo Conselho Monetário Nacional. 13ª Questão: As sociedades cooperativas de crédito têm peculiaridades que as diferem das chamadas instituições bancárias. Analise as afirmativas abaixo e assinale a opção FALSA. ( a ) A Cooperativa de Crédito pode remunerar o capital integralizado de seus associados, desde que autorizada pela Assembleia Geral, sendo os juros limitados à taxa de referência do Selic para títulos públicos. ( b ) As Cooperativas de Crédito são sociedades de pessoas e não de capital. Assim, para sua constituição e/ou funcionamento, não dependem das regras rígidas do Conselho Monetário Nacional a respeito de capital e patrimônio mínimos. ( c ) Nas instituições financeiras bancárias, cujas regras acionárias são regidas pela Lei das Sociedades por Ações (Lei 6.404/76), o capital do acionista é um investimento que não é de responsabilidade da empresa emissora. Nas Cooperativas de Crédito, entretanto, a legislação permite que o associado resgate total ou parcialmente suas cotas-partes do capital. ( d ) A Cooperativa de Crédito tem o direito de fazer a compensação das dívidas do associado desligado com o valor a restituir de seu capital social, amparada pelo Novo Código Civil. ( e ) ) As cotas-partes do associado são intransferíveis a terceiros, estranhos à Cooperativa de Crédito, ainda que por herança.

8 8 14ª Questão: As afirmativas abaixo se referem às bases legais do dia-a-dia das Cooperativas de Crédito. Identifique a que NÃO É VERDADEIRA. ( a ) Uma das boas fontes de renda para uma Cooperativa de Crédito é a movimentação de contas correntes de órgãos públicos (a União, os Estados e Municípios, suas autarquias e fundações), dada a estabilidade dos recursos. Essa movimentação é permitida, como exceção, pela legislação em vigor, principalmente a Lei Complementar 130/09. ( b ) A eliminação do associado é aplicada em virtude de infração legal ou estatutária, ou por fato especial previsto no estatuto, mediante termo firmado por quem de direito no Livro de Matrícula, com os motivos que a determinaram. ( c ) Uma das características mais peculiares das cooperativas é a igualdade de votos nas Assembleias Gerais. Cada associado tem direito a um único voto e, caso não compareça à Assembleia, perde o voto, pois a legislação não admite a representação por mandatário. ( d ) Para a legislação cooperativista, o bem comum é maior que o individual. Assim, estabelece que a responsabilidade do associado perante terceiros, por compromissos da sociedade, perdura para os demitidos, eliminados ou excluídos até quando forem aprovadas as contas do exercício em que se deu o desligamento. ( e ) As ) obrigações dos associados falecidos, contraídas com a sociedade, e as oriundas de sua responsabilidade como associado, em face de terceiros, passam aos herdeiros, prescrevendo, porém, após um ano contado do dia da abertura da sucessão. 15ª Questão: As normas para constituição e funcionamento de cooperativas de crédito estão previstas nas Leis 5.764/71 e Complementar 130/09, bem como na Resolução do CMN 3.859/10. As afirmações abaixo são oriundas desses instrumentos legais. Assinale nas opções a seguir a que é FALSA. ( a ) A Cooperativa Central de Crédito deve prever, em seus estatutos e normas operacionais, dispositivos que possibilitem prevenir e corrigir situações anormais que possam configurar infrações a normas legais ou regulamentares ou acarretar risco para a solidez das cooperativas filiadas e do sistema cooperativo. ( b ) O Banco Central do Brasil, no uso de suas atribuições de fiscalização, pode convocar assembleia geral extraordinária de cooperativas de crédito, à qual poderão enviar representantes com direito a voz. ( c ) A atual legislação facilitou bastante a criação de cooperativas de crédito de livre admissão de associados; são permitidas em quaisquer circunstâncias e sem restrições, preferencialmente em áreas com população superior a 300 mil habitantes, beneficiando maior número de cidadãos. ( d ) A cooperativa de crédito pode prestar serviços a não associados, desde que as receitas correspondentes sejam contabilizadas em separado para o cálculo dos tributos a serem recolhidos. ( e ) ) As Cooperativas Centrais, as Confederações e, até mesmo, as empresas contratadas para a auditoria dos demonstrativos contábeis das singulares, devem comunicar às autoridades competentes indícios de prática de ilícitos penais ou administrativos ou de operações envolvendo recursos provenientes de qualquer prática criminosa.

9 9 16ª Questão: As afirmações abaixo são também oriundas dos normativos legais referentes à constituição e funcionamento das cooperativas de crédito. Identifique a que NÃO É VERDADEIRA. ( a ) As cooperativas de crédito de empresários são aquelas constituídas por participantes de empresas vinculadas direta ou indiretamente a sindicatos ou associações patronais de qualquer nível, em funcionamento, no mínimo, há três anos, quando da constituição da cooperativa. ( b ) Os estatutos da cooperativa também podem prever condições de associatividade de estudantes de cursos superiores e de cursos técnicos de áreas afins, complementares ou correlatas às que caracterizam as condições de associação. ( c ) As Cooperativas de Crédito podem prestar serviços de correspondentes no país, visando ao atendimento a associados e a não associados. ( d ) As cooperativas de livre admissão de associados, como a própria expressão diz, podem admitir em seus quadros quaisquer pessoas jurídicas, sejam elas sociedades de fomento mercantil ou mesmo outras instituições financeiras. ( e ) As ) operações de crédito e de concessão de garantias, em favor de um mesmo cliente, por parte de cooperativa singular filiada a uma Central é limitada a 15% (quinze por cento) do seu Patrimônio de Referência; caso não seja filiada, o limite se reduz a 10% (dez por cento). 17ª Questão: Identifique nas afirmações abaixo a que NÃO CORRESPONDE às normas definidas pelo Comitê de Basiléia para Supervisão Bancária, conhecidas como Acordos de Capital de Basiléia. ( a ) O Brasil aderiu ao primeiro Acordo de Capitais de Basiléia em 1994, com a aprovação, pelo Conselho Monetário Nacional, da Resolução 2.099, que estabeleceu disciplinas sobre capital e patrimônio líquido para as instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. ( b ) A gestão dos riscos de liquidez, mercado, operacional e de crédito das instituições do Sistema Financeiro Nacional, é uma preocupação constante do Banco Central do Brasil por conta dos compromissos que o Brasil assumiu com o Comitê de Basiléia para Supervisão Bancária. ( c ) O patrimônio de referência das instituições financeiras (exceto cooperativas de crédito) tem que ser maior que 11% do total das contas do ativo ponderadas pelos fatores de risco a elas atribuído. ( d ) Apesar de todas as precauções do Comitê de Basiléia para Supervisão Bancária, o Sistema Financeiro Internacional deu sinais de fragilidade com a derrocada dos bancos americanos em Assim, já foi divulgado pelo Banco Central do Brasil um cronograma para implantação de controles mais rígidos e novas exigências de capital, conhecidos como Basiléia III. ( e ) ) Felizmente, as Cooperativas de Crédito ficaram dispensadas do cumprimento dos Acordos de Capital de Basiléia, por serem instituições financeiras diferentes, com regras próprias e autogestão.

10 10 18ª Questão: As colocações a seguir referem-se ao estudo da importância do patrimônio próprio para as cooperativas de crédito. Identifique a que, em sua opinião, é FALSA. ( a ) A legislação do Sistema Financeiro Brasileiro exige que suas instituições tenham capital ou patrimônio líquido próprio suficiente para lastrear os riscos que assumem. Quanto maior esse lastro, maior seu poder de alavancagem. ( b ) Contabilidade é definida como a ciência que estuda o registro de atos e fatos que alteram o patrimônio de uma entidade. No Brasil, há normas contábeis para empresas e para as instituições do Sistema Financeiro. Para as instituições financeiras incluídas as Cooperativas de Crédito quem tem autoridade para normatizar a contabilização é o Conselho Monetário Nacional, que delega a fiscalização para o Banco Central (Lei 4.595/64). ( c ) Em contabilidade, denomina-se Patrimônio ao conjunto de tudo que a Entidade possui e também de todas as suas dívidas. O que ela possui é classificado como bens ou direitos; as dívidas são chamadas de obrigações. ( d ) O Patrimônio Líquido (PL) é o complemento do passivo da entidade. São recursos próprios pertencentes aos acionistas, cotistas, cooperados etc. É, também, a diferença entre o Ativo Total e o Passivo Exigível. Uma entidade pode ter muitos bens, mas se possuir muitas dívidas, seu Patrimônio Líquido poderá ser nulo ou até negativo, caracterizando assim uma dívida dos donos para com a entidade. ( e ) Nas ) cooperativas de crédito, o Patrimônio Líquido não tem tanta importância, pois é uma sociedade de pessoas e não de capital. 19ª Questão: As afirmações abaixo se referem a tópicos da legislação brasileira que, de alguma maneira, atingem as cooperativas de crédito e seus ocupantes de cargos estatutários. Identifique a afirmação que NÃO É VERDADEIRA. ( a ) O Conselho de Controle das Atividades Financeiras - COAF foi criado pela Lei 9.613/98 e é uma instituição especializada no combate e prevenção à lavagem de bens, valores e direitos, centralizando as informações geradas pelos diversos órgãos públicos envolvidos no processo. ( b ) Nas Cooperativas de Crédito, a aprovação do relatório, balanço e contas dos órgãos de administração pela Assembleia Geral desonera seus componentes de responsabilidades futuras; afinal, os associados, reunidos em Assembleia Geral, como donos do empreendimento, têm total liberdade nas deliberações. ( c ) A intervenção é um ato pelo qual o Banco Central assume a administração da cooperativa, afasta todos os administradores e conselheiros e nomeia um interventor com amplos poderes na tomada de decisões. ( d ) Após relatório ou proposta do interventor, o Banco Central do Brasil poderá, entre outras medidas, cessar a intervenção ou decretar a liquidação da Cooperativa de Crédito. ( e ) ) Nos casos de desligamento de associado, a Cooperativa poderá promover a compensação entre o valor total do débito do associado desligado na Cooperativa e seu crédito oriundo das respectivas cotas-partes.

11 11 20ª Questão: Identifique, nas afirmações a seguir, a que NÃO CORRESPONDE à verdade. ( a ) A Lei 5.764/71 equipara os componentes da Administração e do Conselho Fiscal, bem como os liquidantes, aos administradores das sociedades anônimas para efeito de responsabilidade criminal. ( b ) Não constitui violação do dever de sigilo o acesso a informações pertencentes a Cooperativas de Crédito por parte de Cooperativas Centrais de Crédito, Confederações de Centrais e demais entidades constituídas por esse segmento financeiro, desde que se dê exclusivamente no desempenho de atribuições de supervisão, auditoria, controle e de execução de funções operacionais das cooperativas de crédito. ( c ) A direção da Cooperativa de Crédito deve evitar a comunicação ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras - COAF de meras suspeitas de tentativas de lavar dinheiro por parte de seus clientes que, afinal, são os próprios associados; as comunicações são obrigatórias somente para os outros tipos de instituições financeiras. ( d ) Equiparam-se à instituição financeira, para as penalidades previstas na Lei do Colarinho Branco (7.492/76) a pessoa jurídica que capte ou administre seguros, câmbio, consórcio, títulos de capitalização ou qualquer modalidade de poupança ou recursos de terceiros, e a pessoa natural que exerça essas atividades, ainda que de forma eventual. ( e ) As ) consequências da Lei 6.024/76 (Intervenção e Liquidação de Instituições Financeiras) para os administradores e conselheiros são, entre outras, a indisponibilidade de seus bens, não podendo, por qualquer forma, direta ou indireta, aliená-los ou onerá-los, até apuração e liquidação final de suas responsabilidades. 21ª Questão: Identifique nas afirmações abaixo a que NÃO CORRESPONDE a normas definidas para a realização de Assembleias Gerais nas Cooperativas de Crédito. ( a ) As decisoras da Assembleia Geral vinculam a todos, ainda que ausentes ou discordantes. ( b ) Todo associado que estabelecer relação empregatícia com a Cooperativa de Crédito pode participar das assembleias gerais, mas sem o direito de votar e de ser votado. ( c ) Caso a cooperativa tenha mais de associados ou associados residentes a mais de 50 Km da sede social, poderá estabelecer no estatuto que o voto dos associados será representado por Delegados eleitos por eles. ( d ) Os associados podem convocar uma Assembleia Geral extraordinária após solicitação não atendida pela administração. É necessário que a convocação seja subscrita por, pelo menos, 1/5 dos associados em pleno gozo de seus direitos. ( e ) O Conselho de Administração pode destituir um ou mais membros do Conselho Fiscal, por motivos graves, devendo comunicar tal fato à próxima Assembleia Geral.

12 12 22ª Questão: As colocações a seguir referem-se a infrações previstas na Lei 4.595/64 (Lei do Sistema Financeiro Nacional), que penalizam todas as instituições financeiras, inclusive as Cooperativas de Crédito. Identifique a que, em sua opinião, é FALSA. ( a ) Deixar de comunicar ao Banco Central do Brasil a nomeação de diretores ou eleição de membros dos órgãos estatutários no prazo de 15 dias de sua ocorrência. ( b ) Adquirir bens imóveis não destinados ao uso próprio, salvo os recebidos em liquidação de empréstimos de difícil ou duvidosa liquidação, caso em que deverão vendê-los no prazo de um ano, a contar do recebimento, prorrogável até duas vezes, a critério do Banco Central do Brasil. ( c ) Divulgar informação falsa ou prejudicialmente incompleta sobre instituição financeira. ( d ) Dar posse aos eleitos sem a aprovação prévia do Banco Central do Brasil. ( e ) Opor obstáculos à fiscalização pelo Banco Central do Brasil. 23ª Questão: As afirmações abaixo se referem a normas legais relativas aos associados das cooperativas. Identifique a que NÃO É VERDADEIRA. ( a ) O associado que estiver inadimplente com suas obrigações na cooperativa poderá ser demitido do quadro social, por decisão da Diretoria-Executiva. ( b ) Será excluído do quadro social o associado que deixar de atender aos requisitos estatutários de ingresso ou permanência na cooperativa. ( c ) A exclusão será obrigatória quando o associado pessoa física vir a falecer. ( d ) A eliminação do associado é aplicada em virtude de infração legal ou estatutária, ou por fato específico previsto no estatuto mediante termo firmado por quem de direito no Livro de Matrícula, com os motivos que a determinaram. ( e ) A responsabilidade do associado perante terceiros, por compromissos da cooperativa de crédito, perdura para os demitidos, eliminados ou excluídos até quando aprovadas as contas do exercício em que se deu o desligamento. 24ª Questão: Identifique, nas afirmações abaixo, a que NÃO É VERDADEIRA. ( a ) É assegurado às cooperativas de crédito o acesso aos instrumentos do mercado financeiro. ( b ) A concessão de crédito e garantias, a integrantes de órgãos estatutários, deve observar procedimentos de aprovação e controle, idênticos aos dispensados às demais operações de crédito. ( c ) É permitida a constituição de cooperativa mista com seção de crédito. ( d ) O associado eliminado da cooperativa poderá recorrer, com efeito suspensivo, à primeira Assembleia Geral. ( e ) É defeso às cooperativas remunerar a quem agencie novos associados.

13 13 25ª Questão: Identifique a afirmação que NÃO É VERDADEIRA. ( a ) É competência exclusiva da Assembleia Geral Extraordinária, deliberar sobre a reforma do estatuto social da Cooperativa de Crédito. ( b ) A Cooperativa de Crédito poderá cobrar prêmios ou ágio pela entrada de novos associados, a título de compensação das reservas. ( c ) O Fundo de Reserva é destinado a reparar perdas e atender ao desenvolvimento das atividades da cooperativa e será constituído, obrigatoriamente, com 10% (dez por cento), pelo menos, das sobras líquidas do exercício. ( d ) Para que um assunto de interesse da cooperativa seja deliberado pela Assembleia Geral Extraordinária, deverá ser expressamente mencionado no edital de convocação. ( e ) Prescreve em quatro anos a ação para anular as deliberações da Assembleia Geral viciadas de erro, dolo, fraude ou simulação, ou tomadas com violação da lei ou do estatuto, contado o prazo da data em que a Assembleia foi realizada. 26ª Questão: As afirmações abaixo são oriundas de normas legais referentes ao dever de sigilo nas instituições financeiras, EXCETO UMA. Identifique-a. ( a ) Não constitui quebra do dever de sigilo a revelação de informações sigilosas com o consentimento expresso do associado. ( b ) O fornecimento de informações constantes de cadastro de emitentes de cheques sem provisão de fundos e de devedores inadimplentes, a entidades de proteção ao crédito é prática ilegal, sujeitando seus infratores às penalidades cabíveis. ( c ) Não é violação do dever de sigilo a comunicação, às autoridades competentes, de informações sobre operações na cooperativa que envolvam recursos provenientes de qualquer prática criminosa. ( d ) A quebra de sigilo, fora das hipóteses autorizadas na legislação, constitui crime e sujeita os responsáveis à pena de reclusão, de um a quatro anos, e multa, aplicando-se, no que couber, o Código Penal, sem prejuízo de outras sanções cabíveis. ( e ) É autorizada a troca de informações entre instituições financeiras para fins cadastrais, inclusive por intermédio de Centrais de Risco, observadas as normas baixadas pelo Conselho Monetário Nacional e Banco Central do Brasil. 27ª Questão: Identifique entre as informações abaixo, relativas à prevenção à lavagem de dinheiro, a afirmação que NÃO É VERDADEIRA. ( a ) É crime ocultar ou dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou propriedade de bens, direitos ou valores provenientes, direta ou indiretamente, de infração penal. ( b ) Incorre nas penalidades de reclusão de 3 a 10 anos e multa quem, para ocultar ou dissimular a utilização de bens, direitos ou valores, provenientes de qualquer infração penal, os adquire, recebe, troca, negocia, dá ou recebe em garantia, guarda, tem em depósito, movimenta ou transfere.

14 14 ( c ) A Cooperativa de Crédito é obrigada a manter ficha cadastral de seus associados (correntistas e/ou aplicadores) atualizada, com ênfase na sua capacidade financeira e de geração de caixa. ( d ) Toda a emissão de TED (Transferência Eletrônica Disponível) acima de R$ 100 mil, independente da forma e/ou se for de associado ou não, deve ser comunicada ao Conselho de Controle das Atividades Financeiras COAF. ( e ) A Cooperativa de Crédito deve comunicar ao COAF, após análise, mudanças nos padrões de vida dos empregados. 28ª Questão: As afirmações abaixo são consideradas crimes contra o Sistema Financeiro (colarinho branco), EXCETO UMA. Identifique-a. ( a ) Dar posse a administradores, diretores ou conselheiros fiscais sem a prévia aprovação pelo Banco Central do Brasil. ( b ) Aplicação irregular de financiamento. ( c ) Gestão fraudulenta ou temerária. ( d ) Operação desautorizada de instituição financeira. ( e ) Evasão de divisas. 29ª Questão: Os procedimentos abaixo são definidos na legislação de prevenção à lavagem de dinheiro e normativos divulgados pelo Banco Central do Brasil. Identifique o que NÃO É VERDADEIRO. ( a ) O Banco Central manterá registro centralizado, formando o cadastro geral de correntistas e clientes de instituições financeiras, bem como de seus procuradores. ( b ) A Cooperativa de Crédito deverá acompanhar criteriosamente todas as operações das Pessoas Politicamente Expostas, definidas como tal em Circular do Banco Central do Brasil. ( c ) Constitui crime de lavagem de dinheiro a importação ou exportação de bens com valores não correspondentes aos verdadeiros. ( d ) As empresas de fomento comercial (factoring) estão dispensadas de comunicações ao COAF de suspeitas de tentativas de lavagem de dinheiro por parte de seus clientes, por não serem consideradas instituições financeiras. ( e ) Os pedidos de provisionamento para saque, em espécie, em valor igual ou superior a R$ 100 mil, mesmo que cancelados, devem ser informados ao COAF.

15 15 30ª Questão: As afirmações a seguir se referem ao estabelecido na legislação cooperativista sobre a Organização das Cooperativas Brasileiras OCB. Todas são verdadeiras, EXCETO UMA. Identifique-a. ( a ) Cabe à OCB, sociedade civil sem finalidade lucrativa, com sede na capital federal, a representação do sistema cooperativista nacional. ( b ) A OCB é constituída de entidades, uma de cada estado, território e Distrito Federal, criadas com as mesmas características da organização nacional. ( c ) As cooperativas não são obrigadas a registrar-se na OCB ou na entidade estadual. ( d ) São vedados à OCB partidarismo político e discriminação racial, religiosa e social. ( e ) A Organização deve dispor de setores consultivos especializados, de acordo com os ramos de cooperativismo.

16 16 CURSO DE FORMAÇÃO DE INSTRUTORES DO FORMACRED ABORDAGEM LEGAL GABARITO PARA CORREÇÃO N ALTERNATIVAS 1. a b c d e 2. a b c d e 3. a b c d e 4. a b c d e 5. a b c d e 6. a b c d e 7. a b c d e 8. a b c d e 9. a b c d e 10. a b c d e 11. a b c d e 12. a b c d e 13. a b c d e 14. a b c d e 15. a b c d e 16. a b c d e 17. a b c d e 18. a b c d e 19. a b c d e 20. a b c d e 21. a b c d e 22. a b c d e 23. a b c d e 24. a b c d e 25. a b c d e 26. a b c d e 27. a b c d e 28. a b c d e 29. a b c d e 30. a b c d e

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: Denominação Artigo 1º - Corrêa Ribeiro S/A Comércio e Indústria é uma sociedade

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001.

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre o sigilo das operações de instituições financeiras e dá outras providências. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

R E S O L V E U: Art. 2. A sociedade corretora tem por objeto social:

R E S O L V E U: Art. 2. A sociedade corretora tem por objeto social: RESOLUCAO 1.655 --------------- O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9. da Lei n. 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP Caderno de prova Processo seletivo Curso de Formação de Instrutores do Programa de Formação de Conselheiros de Cooperativas de Crédito FORMACRED

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20 DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS, CONSTITUIÇÃO E AUTORIZAÇÃO

RESOLUÇÃO Nº 20 DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS, CONSTITUIÇÃO E AUTORIZAÇÃO 1 RESOLUÇÃO Nº 20 Documento normativo revogado pela Resolução 2735, de 28/06/2000. O BANCO CENTRAL DA REPÚBLICA DO BRASIL, na forma da deliberação do Conselho Monetário Nacional, em sessão de 28.2.66,

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.502. III - exercício de cargos em órgãos estatutários; V - cancelamento da autorização para funcionamento.

CIRCULAR Nº 3.502. III - exercício de cargos em órgãos estatutários; V - cancelamento da autorização para funcionamento. CIRCULAR Nº 3.502 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas cooperativas de crédito para instrução de processos referentes a pedidos de autorização e dá outras providências. A Diretoria Colegiada

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO Cooperativismo Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO GESTÃO: Samuel José dos Santos Diretor Presidente Marco Antonio da C.Guimarães - Diretor Operacional João Gonçalves dos Santos Diretor

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 997 Comunicamos que a alínea g do item 16-7-2-2 do Manual de Normas e Instruções (MNI) passa a vigorar com a seguinte redação:

CARTA-CIRCULAR Nº 997 Comunicamos que a alínea g do item 16-7-2-2 do Manual de Normas e Instruções (MNI) passa a vigorar com a seguinte redação: CARTA-CIRCULAR Nº 997 Comunicamos que a alínea g do item 16-7-2-2 do Manual de Normas e Instruções (MNI) passa a vigorar com a seguinte redação: g) que seus 10 (dez) maiores devedores considerado cada

Leia mais

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO 1 INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPITULO I - DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DO PRAZO Art. 2º Para a consecução dos seus

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Brasília (DF), 27 de setembro de 1984. DEPARTAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E AUTORIZAÇÕES BANCÁRIAS Maurício do Espírito Santo CHEFE

Brasília (DF), 27 de setembro de 1984. DEPARTAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E AUTORIZAÇÕES BANCÁRIAS Maurício do Espírito Santo CHEFE CARTA-CIRCULAR Nº 1093 Objetivando dirimir dúvidas relativamente à interpretação das normas consubstanciadas no MNI 16-7-2, comunicamos que a referida seção passa a vigorar com a redação indicada nas folhas

Leia mais

Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 RESOLUÇÃO Nº 530 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista o disposto

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 243, DE 1 o DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N o 250/96, 343/00, 440/06 E 461/07.. Disciplina o funcionamento do mercado de balcão

Leia mais

Cooperativa Central de Crédito Rural com Interação Solidária - Cresol Central SC/RS

Cooperativa Central de Crédito Rural com Interação Solidária - Cresol Central SC/RS Florianópolis, 11 de maio de 2009. Cooperativa Central de Crédito Rural com Interação Solidária - Cresol Central SC/RS A/C Cláudio Risson - Presidente Orientação: Lei Complementar n. 130, de 17 de Abril

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.655 R E S O L V E U:

RESOLUÇÃO Nº 1.655 R E S O L V E U: 1 RESOLUÇÃO Nº 1.655 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em vista o disposto

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.668, DE 25 DE JUNHO DE 1993. Dispõe sobre a constituição e o regime tributário dos Fundos de Investimento Imobiliário e dá

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas funções, para cumprimento das obrigações previstas

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: LEI N o 7.492, DE 16 DE JUNHO DE 1986. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: Art. 1º Considera-se instituição financeira, para efeito desta

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES - Evasão de divisas e lavagem de capitais as alterações da Lei 12.683/12 - Investigação de crimes financeiros - Cooperação jurídica internacional

Leia mais

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado.

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado. ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA Artigo 1º A associação denomina-se ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA, com sede no Hospital de São Sebastião, EPE,, concelho de Santa Maria da Feira, podendo ser transferida

Leia mais

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Conforme aprovado em Assembleia Geral de 22 de julho de 2011 e posterior alteração pela Deliberação Unânime por Escrito de 27 de junho de 2012. CAPÍTULO I Natureza,

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A.

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 27 de abril de 2012

Leia mais

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Texto compilado Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter

Leia mais

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. * V. Dec. 6.180/2007 (Regulamenta a Lei 11.438/2006).

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2211. Art. 1º Aprovar o estatuto e o regulamento anexos, pertinentes ao Fundo Garantidor de Créditos - FGC.

RESOLUÇÃO Nº 2211. Art. 1º Aprovar o estatuto e o regulamento anexos, pertinentes ao Fundo Garantidor de Créditos - FGC. RESOLUÇÃO Nº 2211 Aprova o estatuto e o regulamento do Fundo Garantidor de Créditos - FGC. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o Presidente do

Leia mais

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 Estabelece normas para instituição do seguro agrário. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A. 1 PROPÓSITO A presente Política de Negociação de Valores Mobiliários tem como propósito estabelecer regras para

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. Altera

Leia mais

Res. CFC 1.445/13 - Res. - Resolução CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC nº 1.445 de 26.07.2013

Res. CFC 1.445/13 - Res. - Resolução CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC nº 1.445 de 26.07.2013 Res. CFC 1.445/13 - Res. - Resolução CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC nº 1.445 de 26.07.2013 D.O.U.: 30.07.2013 (Estabelece normas gerais de prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.655. Wadico Waldir Bucchi Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 1.655. Wadico Waldir Bucchi Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 RESOLUÇÃO Nº 1.655 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em vista o disposto

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas.

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01 Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. RESOLUÇÃO Nº 351 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 12 de novembro de 1975,

Leia mais

Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário

Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário 1- Opções de associação de empresas a cooperativas de crédito As pessoas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.120. II - (Revogado pela Resolução 2927, de 17/01/2002). III - (Revogado pela Resolução 2099, de 17/08/1994).

RESOLUÇÃO Nº 1.120. II - (Revogado pela Resolução 2927, de 17/01/2002). III - (Revogado pela Resolução 2099, de 17/08/1994). 1 RESOLUÇÃO Nº 1.120 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista as disposições

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR 1 ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO 1 QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO Resolução 3.265, de 4 de março de 2005. (reunião do Mercado de Câmbio de Taxas Livres e do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes e instituição de

Leia mais

DENOMINAÇÃO NATUREZA SEDE OBJETO DURAÇÃO

DENOMINAÇÃO NATUREZA SEDE OBJETO DURAÇÃO DENOMINAÇÃO NATUREZA SEDE OBJETO DURAÇÃO A Caixa de Assistência dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Estado do Espírito Santo é pessoa jurídica de direito privado, constituída em Assembleia Geral

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio Cooperativismo Cooperativa de Crédito Apoio O que é uma cooperativa. É uma sociedade de pessoas com forma e natureza jurídica própria, de natureza civil, sem fins lucrativos, não sujeita à falência, constituída

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA

DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 18, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2014 Estabelece orientações e procedimentos

Leia mais

Carlos Alberto de Oliveira Paes Consultor Jurídico da OCB-SESCOOP/MT

Carlos Alberto de Oliveira Paes Consultor Jurídico da OCB-SESCOOP/MT Carlos Alberto de Oliveira Paes Consultor Jurídico da OCB-SESCOOP/MT Sociedades de Pessoas Lei 5764/1971. Art. 3º. Celebram contrato de sociedade cooperativa as pessoas que reciprocamente se obrigam a

Leia mais

PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1

PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 1.1 - Aspectos Introdutórios 1.1.1 - Objetivos Básicos Tais operações tratam de modalidades de reorganização de sociedades, previstas em lei, que permitem às empresas,

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA RENOVA ENERGIA S.A. 1. Objetivo da Outorga de Opções 1.1. Este Plano

Leia mais

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno, cria a Controladoria Municipal e dá outras providências., Prefeito Municipal de FAÇO saber a todos os habitantes deste Município

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I Da Associação e seus fins Art. 1º - A Associação Brasileira de Arte Fotográfica, ABAF, fundada em 9 de fevereiro de 1951, no Rio de Janeiro

Leia mais

Novo Regulamento MINUTA EM FASE DE APROVAÇÃO

Novo Regulamento MINUTA EM FASE DE APROVAÇÃO Clubes de Investimento Novo Regulamento BM&FBOVESPA MINUTA EM FASE DE APROVAÇÃO 1 Pauta Características gerais Estatuto Registro do clube Assembleia Geral Administração Composição da Carteira Prestação

Leia mais

Antonio Chagas Meirelles Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

Antonio Chagas Meirelles Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 CIRCULAR Nº 765 Comunicamos que a Diretoria do Banco Central, em sessão realizada em 09.03.83, aprovou nova sistemática para a escrituração centralizada, sob o regime de "caixa única", das contas de

Leia mais

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 04 NOVEMBRO / 2009 O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS (2 a FASE) LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material:

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO Artigo 1º - Sob a denominação de "ABEL - Associação Brasileira

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO O presente instrumento estabelece as normas regulamentares do AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO, destinado ao atendimento de Pessoas Jurídicas de direito público,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Disposições Preliminares Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA CREDICITRUS,

Leia mais

RESOLUÇÃO-COFECI Nº 1.168/2010 (Publicada no D.O.U nº 77, de 26/04/10, fls. 103, Seção 1)

RESOLUÇÃO-COFECI Nº 1.168/2010 (Publicada no D.O.U nº 77, de 26/04/10, fls. 103, Seção 1) RESOLUÇÃO-COFECI Nº 1.168/2010 (Publicada no D.O.U nº 77, de 26/04/10, fls. 103, Seção 1) 1 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas pessoas jurídicas que exerçam atividades de promoção imobiliária

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA 1. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A sociedade limitada é o tipo societário de maior presença na economia brasileira.

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 O Conselho Federal de Contabilidade é uma autarquia especial de caráter corporativo, criado pelo Decreto-Lei n.º 9295/46, que tem por

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 Disposição sobre a consignação em folha de pagamento O MUNICÍPIO DE BOA ESPERANÇA faz saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 4.0 - Março/2015) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO Este Manual visa a consolidar as regras e procedimentos que devem ser observados

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO (NOME FANTASIA DO PRODUTO) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP)

CONDIÇÕES GERAIS DO (NOME FANTASIA DO PRODUTO) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP) - textos na cor azul serão adotados caso selecionados; - textos na cor vermelha deverão ser suprimidos no documento original e trata-se de informações para a elaboração do Título; - textos em negrito,

Leia mais

Estatuto da Associação. de Assistência ao Adolescente CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS

Estatuto da Associação. de Assistência ao Adolescente CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Estatuto da Associação de Assistência ao Adolescente CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Art. 1º A Associação de Assistência ao Adolescente, associação civil sem fins lucrativos, fundada e instalada

Leia mais

PARECER DE AUDITORIA

PARECER DE AUDITORIA PARECER DE AUDITORIA Aos Diretores da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS CORRETORES DE SEGUROS DE BELO HORIZONTE E REGIÃO METROPOLITANA LTDA CREDICORSEGS 1. Examinamos o balanço patrimonial da

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1.927. Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º. Revogar a Resolução nº 1.848, de 31.07.91.

RESOLUÇÃO N 1.927. Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º. Revogar a Resolução nº 1.848, de 31.07.91. RESOLUÇÃO N 1.927 Dá nova redação ao regulamento anexo V à Resolução nº 1.289, de 20.03.87, que autoriza e disciplina os investimentos de capitais estrangeiros através do mecanismo de "DEPOSITARY RECEIPTS"

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A POLÍTCA DE DVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A A Política estabelece diretrizes e procedimentos a serem observados na divulgação de ato ou fato relevante e na manutenção do sigilo de tais

Leia mais

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL I - DENOMINAÇÃO E OBJETIVO Artigo 1 - O IC Clube de Investimento é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a

Leia mais

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE)

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) 1. O depósito criado pela Resolução 3.692/09 do CMN é um RDB (Recibo de Depósito Bancário) ou um CDB (Certificado de Depósito Bancário)? R. É um Depósito

Leia mais

4. O cadastramento a que se refere o item anterior deve ser efetuado concomitantemente à abertura da conta.

4. O cadastramento a que se refere o item anterior deve ser efetuado concomitantemente à abertura da conta. 1 SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. As pessoas físicas ou jurídicas, residentes, domiciliadas ou com sede no exterior, podem ser titulares de contas de depósito em moeda nacional no País, exclusivamente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.088, DE 31 DE OUTUBRO DE 1990. Mensagem de veto Dispõe sobre a atualização do Bônus do Tesouro Nacional e dos depósitos de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

CIRCULAR N. 003433 CIRCULAR 3.433 --------------

CIRCULAR N. 003433 CIRCULAR 3.433 -------------- CIRCULAR N. 003433 CIRCULAR 3.433 -------------- Dispõe sobre concessão de autorização para funcionamento, transferência de controle societário, cisão, fusão, incorporação, prática de outros atos societários

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA. Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA. Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração A Associação adota a denominação INOVA-RIA: Associação de Empresas para uma Rede de Inovação em Aveiro e

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 OBJETIVOS DA ATUALIZAÇÃO DA CPA-10 A Atualização dos profissionais certificados CPA-10 é parte do Código de Regulação

Leia mais