UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 9 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MENSURAÇÃO PARAMÉTRICA DE CAPITAL DE GIRO POR PRODUTO Janilce de Oliveira Orientador Prof. Luiz Cláudio Lopes Alves Rio de Janeiro 2006

2 10 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MENSURAÇÃO PARAMÉTRICA DE CAPITAL DE GIRO POR PRODUTO Monografia apresentada no Curso de Pós Graduação, como requisito parcial para a obtenção de especialização em Auditoria e Controladoria, sob orientação do Prof. Luiz Cláudio Lopes Alves pela autora Janilce de Oliveira. Rio de Janeiro 2006

3 11 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por me conceder a saúde e a força necessária para a realização deste trabalho. A vocês, que me deram a vida e ensinaram a vivê-la com dignidade, não bastaria um obrigado. A vocês, que iluminaram os caminhos obscuros com afeto e dedicação para que os trilhássemos sem medo e cheios de esperanças, não bastaria um muito obrigado. A vocês, que se doaram inteiros e renunciaram aos seus sonhos, para que, muitas vezes, pudéssemos realizar os nossos, não bastaria um muitíssimo obrigado. A vocês, pais por natureza, por opção e amor, não bastaria dizer, que não tenho palavras para agradecer tudo isso. Mas é o que acontece agora, quando procuro sofregamente uma forma verbal de exprimir uma emoção ímpar. Uma emoção que palavras dificilmente traduziriam. Às minhas irmãs e familiares, que sempre me apoiaram nas horas difíceis de minha vida, dando muita força e conselho para continuar nesta jornada. Aos colegas que estiveram presentes na minha caminhada. Um dia surgem amigos. E ficam àquelas pessoas que, quando deveriam ser simplesmente professores, foram mestres; que, quando foram mestres, foram amigos e em sua amizade me compreendeu e me incentivou a seguir meu caminho. A vocês, Professores, sobretudo porque souberam ouvir com o coração, o que representa o maior gesto de acolhimento. Pelos momentos de dedicação e apoio nessa jornada anual.

4 12 DEDICATÓRIA Aos meus pais, irmãs, familiares e amigos que contribuíram para o meu crescimento profissional.

5 13 RESUMO Capital de Giro é a forma da empresa manter-se nova dentro do mercado, já que ele determinará a capacidade da empresa em honrar os seus compromissos perante seus credores. As empresas podem ter capital de giro próprio ou mantido por recursos de terceiros. Este é um instrumento delicado, pois por determinar a saúde financeira imediata da empresa, merece uma atenção especial por parte dos administradores financeiros. Então, antes de decidir qual a estratégia a ser adotada em relação à evolução do capital de giro, as empresas devem, primeiramente, prever como a necessidade de capital de giro deverá evoluir nos próximos anos. Uma vez prevista esta evolução, a empresa, dependendo do nível de risco que deseja assumir, determinará a estratégia de sua evolução. O fluxo de caixa representa uma fonte de recursos para pagar os juros, impostos e dividendos, sendo o restante aplicado no crescimento do ativo, isto é, nos investimentos. E para que a empresa sustente o ritmo de crescimento dos seus investimentos será necessário que o fluxo de caixa disponível para investimentos aumente na mesma proporção que a taxa de inflação, aumentando a taxa de crescimento nominal das vendas, pois o efeito da inflação gerará numa redução do fluxo de caixa líquido produzido pela empresa, reduzindo sua capacidade de autofinanciar seu crescimento. Uma redução substancial das vendas em períodos de recessão econômica pode ameaçar seriamente a liquidez das empresas que apresentam uma estrutura financeira inadequada, forçando-as, até mesmo, a encerrar suas

6 14 atividades. E enquanto a necessidade de capital de giro aumenta, o capital de giro diminui, reduzindo conseqüentemente o saldo de tesouraria. Portanto, para garantir o equilíbrio financeiro, a empresa deve assegurar-se de que o aumento do capital de giro seja compatível com o aumento da necessidade de capital de giro, de tal forma que o saldo de tesouraria não se torne excessivamente negativo, o que poderá provocar a falência. A mensuração paramétrica de capital de giro por produto vem para facilitar a análise de como estão as finanças da empresa, tomando por base parâmetros mensuráveis, podendo rapidamente e com segurança verificar como está o capital de giro da empresa e achar uma forma de melhorá-lo. Esta análise individual baseada na margem de contribuição é muito utilizada pela contabilidade gerencial, pois permite determinar quais produtos estão gerando mais ou menos lucros para a empresa.

7 15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 09 CAPÍTULO I 12 MÚLTIPLAS VISÕES DO CAPITAL DE GIRO Tipos de Capital de Giro Necessidades do Capital de Giro Necessidade de capital de giro em empresa industrial Necessidade de capital de giro na empresa industrial e comercial Necessidade de capital de giro na empresa prestadora de serviços Fontes de financiamento das necessidades de capital de giro Commercial paper Factoring Securitização de recebíveis Debêntures Cheque pré-datado Vendor Compror Sistema BNDES Sale lease-back Lei nº 4131 e Resolução nº Export note Forfaiting Pagaré AAC/ ACE Finamex 53

8 Mercado de opções Outros produtos bancários Hot money Desconto de duplicatas A Importância do Capital de Giro para a Gestão Empresarial A Importância do Capital de Giro para a Tesouraria 58 CAPÍTULO II 62 ELEMENTOS ESSENCIAIS DO CAPITAL DE GIRO 62 CAPÍTULO III 66 FLUXO DE CAIXA Fluxo de Caixa interagindo com o Capital de Giro 66 CAPÍTULO IV 69 MENSURAÇÃO PARAMÉTRICA DO CAPITAL DE GIRO POR PRODUTO 69 CONCLUSÃO 77 BIBLIOGRAFIA 79 ANEXO 81 ÍNDICE 84 ÍNDICE DE TABELAS 86 ÍNDICE DE GRÁFICOS 87

9 ÍNDICE DE FIGURAS 88 17

10 18 INTRODUÇÃO O termo capital de giro teve origem com os antigos mascates (vendedores ambulantes) ianques (EUA), que carregavam suas carroças com mercadorias e percorriam suas rotas vendendo seus artigos. A mercadoria era chamada de capital de giro porque era o que o mascate vendia ou girava, para produzir seus lucros. A carroça e o cavalo eram seus Ativos Fixos. Como o mascate em geral era proprietário da carroça e do cavalo, estes eram financiados com recursos próprios, mas os fundos para comprar as mercadorias costumavam, ser provenientes de empréstimos. Esses empréstimos eram chamados de empréstimos de capital de giro e tinham quer ser liquidados a cada viagem, para demonstrar ao banco que o crédito do mascate era bom. Se o comerciante itinerante conseguia pagar o empréstimo que tinha tomado, então o banco lhe fornecia outro empréstimo. O Capital de Giro é um conjunto de necessidades de recursos financeiros representado pelos elementos patrimoniais, absolutamente indispensáveis ao funcionamento de uma empresa, observadas suas condições técnicas, as políticas financeiras e de vendas prevalecentes no mercado onde está inserida. A administração do capital de giro constitui um processo de planejamento e controle dos recursos financeiros aplicados no ativo circulante das empresas, porém esses recursos provêm de diversas obrigações a vencer em curto prazo, representadas no passivo circulante, e do excedente das exigibilidades de longo prazo e do patrimônio liquido em relação aos ativos não circulantes. A gestão do capital de giro é extremamente dinâmica exigindo a atenção diária dos executivos financeiros. Qualquer falha nesta área de atuação poderá comprometer a capacidade de solvência da empresa e/ou prejudicar a sua rentabilidade.

11 19 O capital de giro representa, em média, 30 a 40% do total dos ativos de uma empresa, tendo o capital permanente um peso maior sobre o total dos ativos, atingindo entre 60 e 70%. Apesar de sua menor participação sobre o total dos ativos da empresa, o capital de giro exige um esforço do administrador financeiro maior do que aquele requerido pelo capital fixo. O capital de giro precisa de acompanhamento permanente, pois está continuamente sofrendo o impacto das diversas mudanças enfrentadas pela empresa. Já o capital fixo não exige atenção constante, uma vez que os fatos capazes de afetá-lo acontecem com uma freqüência bem menor. Boa parte dos esforços do administrador financeiro é canalizada para resolução de problemas de capital de giro - formação e financiamento de estoques, gerenciamento do contas a receber e administração de déficits de caixa. Nesta luta para sobreviver, a empresa acaba sendo arrastada pelos problemas de gestão do capital de giro e tende a sacrificar seus objetivos de longo prazo. Os empresários conhecem bem este fenômeno, boa parte de seu tempo é consumido "apagando incêndios" (solucionando problemas), onde o foco mais perigoso reside no capital de giro. Este assunto requer uma análise cuidadosa e contínua em diversas visões (sob vários aspectos) por parte dos profissionais das áreas: financeira e contábil. A pesquisa objetiva a apresentação de conceitos, as múltiplas visões que existem sobre capital de giro mostrando seus elementos e suas interações com o fluxo de caixa, a fim de apresentar o procedimento a ser utilizado para a mensuração do capital de giro por produto, diferentemente de como é mensurado tradicionalmente partindo de grupos ou contas contábeis.

12 20 Entretanto, além de mostrar uma nova fórmula de cálculo do Capital de Giro para ampliar metodologias para tomada de decisões na área financeira, tem também por objetivo incorporar o modelo à Contabilidade Gerencial.

13 21 CAPÍTULO I MÚLTIPLAS VISÕES DO CAPITAL DE GIRO O capital de giro é visto de diversas formas, indo desde exemplos simplistas, passando por algumas tecnicamente mais bem elaboradas, até desaguar em conclusões mais exóticas. Mas, não há discordância abusiva entre as opiniões dos autores, porém colocações de forma diferenciada. Como definições simplistas pode-se citar aquelas que consideram o capital de giro simplesmente como a soma dos itens do Ativo Circulante. Os autores que sustentam esta definição dão ênfase ao aspecto de curto prazo dos recursos disponíveis para a sustentação das atividades operacionais das empresas. As definições mais bem elaboradas são aquelas que evidenciam uma dinâmica operacional da empresa face às entradas e saídas de recursos. Já os autores desse grupo entendem capital de giro como sendo a dinâmica dada pela subtração dos recursos de curto prazo do Ativo Circulante pelo Passivo Circulante. De certa forma todos os autores reconhecem esta dinâmica identificando-a como Capital de Giro Líquido ou pelo nome de Capital Circulante Líquido (CCL). Estudos revelaram que o caso mais famoso de conceito exótico de capital de giro foi feito por um dirigente do mercado financeiro, onde o mesmo julgou que capital de giro era igual à diferença entre o total do Patrimônio Líquido e o Ativo Permanente.

14 22 A seguir, observa-se alguns conceitos de capital de giro, visto por diferentes definições segundo alguns autores: Sanvicente relata que... capital de Giro pode ser chamado de ativos correntes, ativos circulantes, ou capital de giro. Em geral esses ativos compreendem os saldos mantidos por uma empresa nas contas Disponibilidades, Investimentos Temporários, Contas a Receber e Estoques de matérias-primas, mercadorias para venda, produção em andamento e produtos acabados... (1997, p.120) Assaf Neto & Silva define que o termo giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa, geralmente identificados como aqueles capazes de serem convertidos em caixa no prazo máximo de um ano... O capital de giro ou capital circulante é representado pelo ativo circulante, isto é, pelas aplicações correntes, identificadas geralmente pelas disponibilidades, valores a receber e estoques. Num sentido mais amplo, o capital de giro representa os recursos demandados por uma empresa para financiar suas necessidades operacionais identificadas desde a aquisição de matérias-primas (ou mercadorias) até o reconhecimento pela venda do produto acabado. (2002, p ) Já com uma nova visão, Solomon (1997) relata que o termo capital de giro é freqüentemente usado em referência aos Ativos Correntes da empresa e por capital de giro líquido entende-se a diferença entre Ativos e Passivos Correntes. (1997, p. 28)

15 23 Segundo Gitman, capital de giro refere-se aos ativos circulantes que sustentam as operações do dia-a-dia das empresas, por sua vez, os ativos circulantes denominados capital de giro ou capital circulante, representam a parcela do investimento que circula de uma forma a outra, durante a condução normal dos negócios. Essa idéia compreende a transição periódica de caixa para estoques, destes para duplicatas a receber e de volta para caixa, que compõe o ciclo operacional da empresa. (1997, p.619) Entretanto, o conceito de capital de giro deve traduzir tecnicamente e contabilmente a capacidade da empresa em determinado momento de saldar suas obrigações. Neste sentido o capital de giro é um conceito estático, enquanto que a capacidade de pagamento é dinâmica. Dessa forma as relações do capital de giro são inúmeras e pode-se até dizer que muitas ainda não são conhecidas. 1.1 Tipos de Capital de Giro Quando relaciona-se os itens circulantes do balanço patrimonial (ativo e passivo), identifica-se três situações possíveis de capital de giro: Capital de giro nulo que é a relação em que o ativo circulante é igual ao passivo circulante, ou seja, os acontecimentos, bens e direitos conversíveis no prazo de até um ano são iguais às dívidas ou obrigações exigíveis no mesmo prazo.

16 24 Ativo Circulante Passivo Circulante ou seja, AC = PC Capital de giro próprio que é a relação em que o ativo circulante é maior do que o passivo circulante, ou seja, os acontecimentos, bens e direitos conversíveis no prazo de até um ano são maiores do que as dívidas ou obrigações exigíveis no mesmo prazo. Ativo Circulante Passivo Circulante ou seja, AC > PC Capital de giro de terceiros que é a relação em que o ativo circulante é menor do que o passivo circulante, ou seja, os acontecimentos, bens e direitos conversíveis no prazo de até um ano são menores do que as dívidas ou obrigações exigíveis no mesmo prazo. Ativo Circulante Passivo Circulante ou seja, AC < PC Segundo a rentabilidade real das aplicações como observa-se na tabela e no gráfico abaixo, quando examinada sob o aspecto de custo de

17 25 oportunidade do capital, provocará nas empresas os seguintes impactos em relação às posições de capital de giro: Tabela 1: Ganho médio real dos CDB versus Overnight médio deflacionado (% Mensal Médio) Ano Overnight 1 Ganho Real CDB Deflacionado ,10-2, ,40 2, ,60 2, ,60 1, ,40 2, ,80 2, ,13 1, ,00 0,74 Média 15,71 1,19 Fonte: (Di Agustini, 1999, p.30) 1 Aplicação de dinheiro para resgate no dia útil seguinte, isto é, juro primário da economia formado pela troca de reservas bancárias lastreadas em títulos públicos federais Taxa Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) -, servindo de referência para as demais taxas de juros existentes no mercado.

18 26 Gráfico 1: Ganho médio real dos CDB versus Overnight médio deflacionado ( % ) 15 5 CDB Overnight Fonte: (Di Agustini, 1999, p.30) Nas empresas em que se utilizam de capital de giro próprio, as mesmas compararão o retorno real oferecido pelo mercado financeiro (rmf) versus o retorno obtido pelo lucro gerado pela sua operação (rop). Se o rmf for superior ao rop, a empresa tenderá a diminuir o seu nível de atividade para concentrar a maior quantidade possível de recursos nas aplicações financeiras, caso contrário, os investimentos em capital de giro estarão sendo direcionados à atividade operacional. Nas empresas em que se utilizam de capital de giro de terceiros serão observados gastos excessivos com a obtenção de capital de giro, provocado principalmente pelas taxas de juros, que precisarão ser repassadas para o preço do produto. No Brasil, não é raro encontrar empresas nas quais o custo do capital de giro se iguala ou ultrapassa os custos diretos (matéria-prima, embalagem, mão-de-obra, etc.) Pode-se ainda afirmar que o capital de giro negativo tem sido a causa de grande número de falências e concordatas face ao excesso de captação de recursos junto à terceiros. Além da questão dos juros, é de extrema

19 27 complexidade administrar os riscos do processo de indexação das receitas, do passivo e dos custos de uma empresa. 1.2 Necessidades do Capital de Giro O Ciclo Financeiro é que determina o volume de recursos necessários ao Capital de Giro tendo duas variáveis: uma positiva e outra negativa. A parte positiva do Ciclo Financeiro é composta pelas contas: Disponível, Estoques e Duplicatas a Receber. Elas mostram como são aplicados os recursos necessários ao Ciclo Financeiro da Empresa em questão. O somatório destas contas constitui aquilo que denomina-se necessidades de capital de giro ou simplesmente capital de giro. Para este volume de recursos aplicados no Ativo Circulante do Balanço, deverá necessariamente haver uma contrapartida do outro lado (Passivo), que mostrará claramente a origem destes recursos. Também esta contrapartida poderá ter duas origens: ou são Recursos Próprios ou são Recursos de Terceiros. Os Recursos de Terceiros aplicados como Cobertura do capital de giro, podem ser facilmente destacados pela verificação da Escrituração Contábil. Estes recursos aparecem geralmente sob as seguintes rubricas: Fornecedores Financiamento para Capital de Giro Desconto de Duplicatas Impostos a Pagar Obrigações Sociais a Recolher Títulos a Pagar Salários e Encargos a Pagar Outras Obrigações

20 28 Para obtermos o valor exato dos Recursos de Terceiros aplicados como Coberturas do capital de giro, devemos levar em conta dois aspectos importantes: a) todos os valores contabilizados no Passivo Circulante (PC) que digam respeito a compra de Ativos Permanentes (AP), como por exemplo: financiamento para compra de máquinas, veículos, etc., devem ser excluídos do volume de Recursos de Terceiros destinados a suprir as necessidades de capital de giro. Estes Recursos destinam-se especificamente à compra de Ativos Permanentes, obviamente, não podem ser considerados como Cobertura do capital de giro. b) todos os valores contabilizados na rubrica Empréstimo e/ou Financiamento para capital de giro, quer no Passivo Circulante quanto no Exigível a Longo Prazo, devem ser considerados como parte integrante das Coberturas do capital de giro. O valor é incorporado imediatamente ao Ciclo Financeiro da Empresa. A sua devolução é que se dará a Curto ou Longo Prazo, conforme o compromisso assinado. É importante destacar que todos os valores contabilizados que não fazem parte do Ciclo Financeiro normal de uma atividade, devem ser excluídos do cômputo do que denominamos capital de giro. De outra parte, se houverem valores contabilizados a Longo Prazo, que façam parte do Ciclo Financeiro de uma determinada atividade, deve incluí-los como parte integrante do conceito. As necessidades de capital de giro e as estratégias de gerenciamento variam entre diferentes tipos de empresas e indústrias. A composição dos ativos e passivos circulantes, assim como a relação entre os ativos circulantes e ativos totais também dependem da característica da empresa. Portanto, as necessidades de uma empresa de serviços de informática são diferentes

21 29 daquelas de uma empresa fabricante de computadores e, da mesma forma, uma empresa multidivisional por exemplo (com intensas operações de produção e também de distribuição) deve gerenciar as necessidades de capital de giro de cada unidade, separadamente. A necessidade de recursos de capital de giro de uma empresa é determinada em função de seus principais ativos e passivos circulantes operacionais ou de funcionamento, a saber: Tabela 2: Necessidade de recursos de capital de giro Ativo operacional (Aplicações ou usos) Contas a Receber Estoques Outros Passivo operacional (Fontes) Fornecedores Salários e encargos Impostos Fonte: (Di Agustini,1999, p. 52) Segundo Di Agustini, a necessidade líquida de capital de giro (NLGC) é a diferença entre o ativo operacional e o passivo operacional, ou seja, a diferença entre as aplicações ou investimento em capital de giro, estoques e financiamento de vendas (contas a receber) e os passivos ou financiamentos obtidos. (1999, p.52) A NLGC, própria ou de terceiros, de um determinado período, pode ser obtida através da exemplificação gráfica a seguir:

22 30 Gráfico 2: Necessidade líquida de capital de giro própria ou de terceiros $ NLCG SC Lucro* DF Vendas Fonte: (Di Agustini, 1999, p.52) SC = superávit de caixa disponível para aplicação operacional ou no mercado financeiro. DF = deficiência de caixa ou recursos que deverão ser financiados. * Lucro que permanece no caixa da empresa. Adequar o capital de giro às necessidades quantitativas e qualitativas poderá representar a diferença entre a liquidez e a insolvência, crucial na gestão do dia-a-dia da empresa, ou ainda, entre o lucro e o prejuízo, essencial para a manutenção dos negócios. Portanto a fonte de recurso mais saudável de capital de giro para a empresa deve ser oriunda de suas atividades operacionais, principalmente quando o fluxo operacional e financeiro permite formação de capital de giro próprio. Então, a necessidade líquida de capital de giro (NLGC) de uma empresa pode ser financiada através de dois grupos de fontes principais que são as internas e externas.

23 31 Figura 1: Fontes da NLGC: internas e externas Internas - lucros - rotatividade dos itens circulantes PMP > PMR - Sale lease-back Fontes Recursos Próprios Externas Recursos de Terceiros Fonte: (Berti, 1999, p.12) A seguir observa-se detalhadamente a necessidade líquida de capital de giro (NLCG) e suas fontes de financiamento, explicadas individualmente por suas alíneas. Tabela 3: Necessidade líquida de Capital de Giro e suas fontes de financiamento Ativo operacional (Aplicações ou usos) Contas a Receber (a) Estoques (a) Outros (a) Passivo operacional (Fontes) Fornecedores (b) (c) Fonte: (Di Agustini, 1999, p. 60)

24 32 (a) Investimento total em capital de giro realizado pela empresa, deduzidos os ativos circulantes não operacionais: contratos de mútuo entre coligadas ou controladas, direitos decorrentes da venda de ativo permanente e recebimento de seguros. (b) Financiamento de capital de giro proveniente dos fornecedores. (c) Necessidade de financiamentos que a empresa precisa obter para fazer frente ao investimento realizado em capital de giro. Segundo Anélio Berti, é necessário para efetuar o cálculo das necessidades líquidas de Capital de Giro, reclassificar o balanço distribuindo o Ativo Circulante (AC) e o Passivo Circulante (PC) em dois grupos separadamente, sendo AC considerado uma parte como Aplicações de Capital de Giro e uma parte PC como Fontes de Capital de Giro. (1999, p. 22). Portanto, como exemplo, tem: Tabela 4: Reclassificação do Balanço Patrimonial Giro Ativo Aplicações de Capital de Passivo Fontes de Capital de Giro - Duplicatas a receber - Fornecedores - Estoques - Obrigações Fiscais - Despesas Antecipadas - Obrigações Trabalhistas - Outras - Outras Circulante Outras Contas do Ativo Circulante Outras Contas do Passivo

25 33 - Disponibilidades - Duplicatas descontadas - Aplicações Financeiras - Empréstimos e financiamentos - Outras - Outras Realizável a Longo Prazo Ativo Permanente Exigível a Longo Prazo Patrimônio Líquido Fonte: (Berti, 1999, p. 26) Feita a reclassificação do balanço, o cálculo das necessidades líquidas de capital de giro (NLCG) torna-se ágil para a elaboração, pois, é só subtrair do grupo de aplicações as fontes (aplicações fontes). Quando o resultado for positivo (aplicações maiores que as fontes), significa que a empresa necessita de recursos para financiar o giro dos negócios. Mas se o resultado for negativo (aplicações menores que as fontes), significará que a empresa não necessita de mais recursos para financiar o giro, pois a mesma já estará sendo financiada com recursos de terceiros. A seguir, observa-se na figura 2: Figura 2: Necessidades Líquidas de Capital de Giro Aplicações de Capital de Giro menos Fontes de Capital de Giro NLDCG Outras contas do ativo circulante Outras contas do passivo circulante Fonte: (Berti, 1999, p. 27)

26 34 Verifica-se ainda que uma das razões para se calcular o capital de giro é a necessidade de recursos para saldar as obrigações e os indicadores de liquidez mostram exatamente a capacidade de pagamento. Que por sua vez, são instrumentos muito utilizado pelos profissionais das áreas de crédito, principalmente nas decisões de vendas a prazo e empréstimos em geral, que são: Liquidez Imediata (LI) relação existente entre o disponível e as obrigações a curto prazo, isto é, quanto a empresa possui de recursos (liquidez - $) imediatos para pagamento de suas obrigações a curto prazo; positiva quando o disponível for maior que os passivos circulantes. LI Disponível Passivo Circulante Liquidez Seca (LS) é uma medida menos sensível que a imediata, pois, além do disponível, inclui outros direitos a curto prazo e exclui os estoques; positiva quando Ativos Circulantes, exceto estoques, forem maiores que os Passivos Circulantes. LS Ativo Circulante-Estoques Passivo Circulante Liquidez Corrente (LC) mostra quanto a empresa possui de recursos a curto prazo para pagar as obrigações a curto prazo, isto é, para cada real de obrigação a curto prazo quanto ela possui de recursos; positiva quando Ativos Circulantes forem maiores que Passivos Circulantes. LC Ativo Circulante Passivo Circulante

27 35 Liquidez Geral (LG) mostra quanto a empresa possui de recursos a curto e longo prazo para o pagamento das obrigações também a curto e longo prazo; positiva quando Ativos Circulantes mais Realizável a Longo Prazo forem maiores que Passivos Circulantes mais Exigível a Longo Prazo. Ativo Circulante Realizávela Longo Prazo LG Passivo Circulante Exigível a Longo Prazo Para melhor compreensão verifique os cálculos abaixo, extraídos do anexo 1 referente ao balanço patrimonial da Marcopolo, sendo utilizados os valores referente ao balanço consolidado do ano 2001 LI ,08 através, deste índice verifica-se que esta empresa não tem recursos disponíveis de imediato para liquidar LS ,28 através, deste índice verifica-se que esta empresa tem condições de liquidar seus compromissos de curto prazo. LC ,53 através, deste índice verifica-se que esta empresa dentro dos próximos 360 dias, poderá contar com $1,53 de valores circulantes para quitar cada centavo correspondente de compromisso junto à terceiros vencíveis no mesmo período. LG ,14 através, deste índice verifica-se que esta empresa está muito bem posicionada sob o aspecto financeiro.

28 36 Ao projetar as atividades da empresa em níveis de ocupação da sua capacidade instalada, pode-se verificar o nível mais adequado para se trabalhar, isto em função do capital disponível, já que, com a capacidade máxima (100%), a lucratividade é maior. Após a identificação do capital de giro, para os diversos níveis de ocupação, por exemplo, 100%, 90%, 80%, etc. é importante que o técnico faça uma análise vertical e horizontal das necessidades de giro para verificar o comportamento das contas e com isso expressar conclusões, a fim de realizar uma melhor administração. Concluído o cálculo das necessidades de giro nos diversos níveis de atividades da empresa, a análise vertical irá comparar o quadro de capital de giro, conta por conta em relação ao todo. Já na análise horizontal, verifica-se a relação de uma conta em um nível de atividade, com a mesma conta em outro nível de atividade, tendo sempre por base a capacidade máxima que é 100%. Quociente de rentabilidade significa o retorno sobre as necessidades de capital de giro. Deve-se relacionar o lucro de um empreendimento com algum valor que demonstre a dimensão relativa da mesma, para analisar como se saiu a empresa em determinado período. O melhor conceito de dimensão poderá ser ora o volume de receitas ora o volume de ativo total, ora o valor do patrimônio líquido, ora as necessidades de capital de giro, etc. Todos têm suas vantagens e desvantagens. QRNCG lucrolíquido Necessidades de capitalde giro Para diminuir as necessidades de capital de giro algumas decisões devem ser tomadas, tais como: - Redução do período de estocagem de: a) matéria-prima; b) material secundário;

29 37 c) embalagens; d) produtos acabados. - Redução do período do ciclo produtivo, para que essa redução seja possível, é importante verificar o processo produtivo: se algum setor pode ser melhorado para agilizar a produção, ou através de novos equipamentos; e para isso tem-se que analisar o custo dos investimentos se não onera muito inviabilizando-se etc. - Redução dos prazos nas vendas, isto se essa redução não tem como conseqüência a dificuldade de a empresa atingir o mercado, inviabilizando. A necessidade de capital de giro está diretamente relacionada com o lucro operacional. As contas cíclicas representam a contrapartida das contas de receitas e despesas que determinam o Lucro Operacional, antes do resultado financeiro e da depreciação. Outra característica da NCG é a sua relação direta com o Ciclo de Caixa permitindo determinar e projetar seu montante a partir da combinação do volume de vendas e dos prazos de estocagem, recebimento e pagamento Necessidade de capital de giro em empresa industrial O capital de giro em empresa industrial está ligado diretamente com os custos desta, que por sua vez é o consumo de bens e serviços na produção de outros bens e serviços, exercendo um papel importante no cálculo do capital de giro da indústria e auxiliando o administrador na tomada de decisão. Os sistemas de custeamento podem ser: por ordem de produção, onde os custos são calculados em função da ordem e são acumulativos; por processo onde são calculados por departamentos ou processos e rateados de acordo com um dos critérios:

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS INSTITUIÇÃO

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Sociedades de Fomento Mercantil (Factoring); NÃO integram o SFN; As empresas de factoring se inserem na livre

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

Factoring - Fomento Mercantil

Factoring - Fomento Mercantil 1.Considerações Iniciais Factoring - Fomento Mercantil A expressão factoring é de origem anglo-latina, cujo radical latino factor significa fomento mercantil e tem por finalidade expandir a capacidade

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

Gestão Capital de Giro

Gestão Capital de Giro Gestão Capital de Giro Conceito Capital de giro (ou de capital circulante), identifica os recursos que giram (circulam) várias vezes em determinado período. É formado basicamente por três importantes ativos

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs...

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs... 1. Aplicar tudo em primeira pessoa (verbos); 2. Aproveitar o maximo do autor de livros finaneceiros, Gitmam ; 3. No item Problema alterar na primeira linha uma àrea para algo como recurso ou instrumento,

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 2.05.01.01.05 Fundos Especiais de Domiciliados e Residentes no País 01012014 A 2.05.01.01 5 03 2.05.01.02 PATRIMÔNIO SOCIAL REALIZADO - DE RESIDENTE/DOMICILIADO NO EXTERIOR 01012014 S 2.05.01 4 03 2.05.01.02.01

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Introdução Representação gráfica. Ativo. Passivo. Patrimônio Líquido. Outros acréscimos ao Patrimônio Líquido (PL) As obrigações

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Cap. V Produtos Financeiros

Cap. V Produtos Financeiros 5.1 CDB/RDB Cap. V Produtos Financeiros Prof. Uérito Cruz Um banco anuncia pagar 22,6% a.a. para aplicação em CDB de sua emissão. É projetada uma inflação de 7,2% a.a. e o mercado trabalha como taxa referencial

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Um EMPRÉSTIMO é um contrato entre o cliente e a instituição financeira pelo qual ele recebe uma quantia que deverá ser devolvida ao banco em prazo determinado, acrescida dos

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 A.1.1.1.2. L100B - Financeiras 1.0.3.9.9.99.99 ATIVO GERAL 01012014 S 1 01 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO 01012014 S 1.0.0.0.0.00.00 2 01 1.1.1.0.0.00.00 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 01012014 S 1.1.0.0.0.00.00

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Administração e Análise Financeira e Orçamentária 2 Copyright Pereira, F. I. Prof.

Leia mais

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho Professor Luiz Antonio de Carvalho Produtos Bancários PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS A intermediação financeira é o principal produto de um banco, pois capta o dinheiro excedente e empresta a quem precisa.

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004.

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. Analista CNMP Contabilidade Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. De maneira geral, foi uma prova

Leia mais

Noções Básicas de Contabilidade

Noções Básicas de Contabilidade Noções Básicas de Contabilidade Autor Luiz Edgar Medeiros 2009 2006-2008 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO Patrimônio é o conjunto de posses, a riqueza de uma pessoa, quer seja ela física ou jurídica,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos critérios de avaliação de ativos e seus efeitos no patrimônio de uma companhia aberta, julgue os itens a seguir. 51 Um investimento que garanta à sociedade investidora

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br Análise Financeira Adriano Leal Bruni 1 Por que analisar? Mensurar riscos de crédito de correntes e potenciais clientes. Julgar o desempenho esperado das firmas. Monitorar o progresso da firma em alcançar

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

Contabilidade Empresarial Demonstrações Financeiras: O Balanço Patrimonial. Prof. Dr. Dirceu Raiser

Contabilidade Empresarial Demonstrações Financeiras: O Balanço Patrimonial. Prof. Dr. Dirceu Raiser Contabilidade Empresarial Demonstrações Financeiras: O Balanço Patrimonial Prof. Dr. Dirceu Raiser O Balanço Patrimonial consiste em um conjunto de informações sistematizadas. Tais informações demonstram

Leia mais

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda GESTÃO FINANCEIRA Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 AVALIANDO A EVOLUÇÃO DO CICLO DE CAIXA DA EMPRESA Cálculo e interpretação dos prazos médios de recebimento de vendas, giro de estoques e prazo médio de pagamento de compras.

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 20

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 20 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 20 DESVENDANDO A DINÂMICA DO CAPITAL DE GIRO O CÁLCULO TRADICIONAL E O MODERNO (DINÂMICO) DO CAPITAL DE GIRO AS VARIÁVEIS RELACIONADAS À ANÁLISE DINÂMICA DO CAPITALDE GIRO CAVALCANTE

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II Professora: Alessandra Vieira Cunha Marques 1 AMBIENTE FINANCEIRO E CONCEITOS FINACEIROS Atividades

Leia mais

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos CAIXA ECONÔMICA FEDERAL AVALIAÇÃO DE RISCO Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS A ANÁLISE

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais