UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO DA UNIVALI EM SÃO JOSÉ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO COMÉRCIO EXTERIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO DA UNIVALI EM SÃO JOSÉ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO COMÉRCIO EXTERIOR"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO DA UNIVALI EM SÃO JOSÉ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO COMÉRCIO EXTERIOR JACKELINE SILVA GOULART PLANO DE NEGÓCIO COM VISTAS A ABERTURA DE UMA FACTORING São José 2007

2 JACKELINE SILVA GOULART PLANO DE NEGÓCIO COM VISTAS A ABERTURA DE UMA FACTORING Trabalho de Conclusão de Curso projeto de aplicação apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Administração da Universidade do Vale do Itajaí. Professor Orientador: Ciro Aimbiré de Moraes Santos. São José 2007

3 JACKELINE SILVA GOULART PLANO DE NEGÓCIO COM VISTAS A ABERTURA DE UMA FACTORING Este Trabalho de Conclusão de Estágio foi julgado adequado e aprovado em sua forma final pela Coordenação do Curso de Administração da Universidade do Vale do Itajaí, em 16 de Julho do ano de Prof (a) MSc. Luciana Merlin Bervian Univali CE São José Coordenador (a) do Curso Banca Examinadora: Prof. MSc Ciro Aimbiré de Moraes Santos Univali CE São José Professor Orientador Prof (a) MSc. Evelize Mara de Souza Gomes Martins Univali CE São José Membro Prof. Esp. Crisanto Soares Ribeiro Univali CE São José Membro

4 iii Dedico esta obra aos meus pais, sempre presente na minha vida, por me proporcionar este momento, e em especial ao meu marido Alex, por toda compreensão, carinho, amor e ajuda, prestados durante este processo. Agradeço por você ser esta pessoa tão especial na minha vida.

5 iv Agradeço aos meus professores, que ao longo do curso me repassaram todo o conteúdo técnico e me ensinaram a ser uma pessoa melhor e ter uma visão diferente do mundo. Agradeço também a empresa Atlântico Sul, nas pessoas dos Senhores Gervásio e Elino que me acolheram com muito carinho e ajudaram muito para a realização deste trabalho, agradeço ao meu orientador, professor Ciro, por toda dedicação e por me fornecer as ferramentas necessárias para elaboração deste trabalho, e por fim agradeço a Deus pela pessoa que sou e por ter uma vida maravilhosa ao lado de pessoas que amo e respeito.

6 v Qualquer um pode carregar o seu fardo, embora pesado, até anoitecer. Qualquer um pode fazer seu trabalho, embora árduo, por um dia. Qualquer um pode viver mansamente, pacientemente, amistosamente, até que o Sol se ponha. E isso é o que realmente a vida requer. Stevenson, escritor britânico

7 vi RESUMO No presente trabalho foi desenvolvido um plano de negócios para verificar a viabilidade econômico-financeira para a implantação de uma empresa de factoring no município de Santo Amaro da Imperatriz. O modelo empregado neste trabalho foi descrito pelo autor Fernando Dolabela em seu livro O segredo de Luíza. A escolha deste modelo se deu pelo fato do mesmo estar descrito de forma clara e objetiva facilitando o entendimento. No referencial teórico foram abordados temas como Sistema financeiro, factoring e plano de negócios, com este estudo foi possível aprofundar os conhecimentos nestes assuntos e também do empreendimento em questão que é a empresa de factoring. Para a elaboração do plano foram necessários a coleta de dados na empresa Atlântico Sul Tecnologia e Serviços de Ativos Ltda, que já atua neste mercado há cinco anos, no município de São José. Também foi imprescindível a análise dos aspectos administrativos, técnicos, burocráticos e financeiros, necessários para a implantação do negócio. Em seguida foram descritos os aspectos operacionais, relacionados para o adequado funcionamento do empreendimento, processo de produção, localização, equipamentos, móveis e utensílios, pessoal e os aspectos legais para a abertura de uma empresa. Através do plano, foi desenvolvido o cálculo dos aspectos econômico-financeiro tais como investimentos, custos fixos e variáveis, receitas, resultado operacional, lucratividade, rentabilidade e fluxo de caixa. A partir dos resultados obtidos, foi possível avaliar a viabilidade de abertura deste negócio. Palavras-chave: Plano de negócio, Factoring, Viabilidade econômico-financeira.

8 vii ABSTRACT In the present work a business plan was developed to verify the economical and financial viability for the implantation of a factoring company in the district of Santo Amaro da Imperatriz. The employed model in this work was described by author Fernando Dolabela in his book "O Segredo de Luíza." The choice of this model felt for the fact of the same to be described in a clear and objective way facilitating the understanding.in the theoretical referencial themes were approached as financial System, factoring and plan businesses. This study make possible to deepen the knowledge in these subjects and also of the enterprise in subject that is the factoring company. For the elaboration of the plan they were necessary the collection of data in the company Atlântico Sul Tecnologia and Serviços de Ativos Ltda., that already acts at this market to five years, in the district of São José. It was also indispensable the analysis of the administrative aspects, technicians, bureaucratic and financial, necessary for the implantation of the business. Soon afterwards the operational aspects were described, related for the appropriate operation of the enterprise, production process, location, equipments, pieces of furniture and utensils, personal and the legal aspects for the opening of a company. Through the plan, the calculation of the aspects economical-financier was developed such an as investments, costs fasten and variables, incomes, operational result, profitability, profitability and cash flow. From the obtained results, it was possible to evaluate the viability of opening of this business. Key-words: Plan of business, Factoring, Viability economic-financier.

9 viii Lista de ilustrações Figura 01 Sistema Financeiro Nacional...06

10 ix Lista de Quadros Quadro 01 Investimento Inicial...60 Quadro 02 Custos Dos meses 01 a Quadro 03 Custos Dos meses 07 a Quadro 04 Custos Dos meses 13 a Quadro 05 Custos Dos meses 19 a Quadro 06 Despesas Dos meses 01 a Quadro 07 Despesas Dos meses 07 a Quadro 08 Despesas Dos meses 13 a Quadro 09 Despesas Dos meses 19 a Quadro 10 Volume de Negócios Dos meses 01 a Quadro 11 Volume de Negócios Dos meses 07 a Quadro 12 Volume de Negócios Dos meses 13 a Quadro 13 Volume de Negócios Dos meses 19 a Quadro 14 Receitas e Despesas Dos meses 01 a Quadro 15 Receitas e Despesas Dos meses 07 a Quadro 16 Receitas e Despesas Dos meses 13 a Quadro 17 Receitas e Despesas Dos meses 19 a Quadro 18 Depreciação...71 Quadro 19 Fluxo de Caixa Dos meses 01 a Quadro 20 Fluxo de Caixa Dos meses 07 a Quadro 21 Fluxo de Caixa Dos meses 13 a Quadro 22 Fluxo de Caixa Dos meses 19 a Quadro 23 Demonstração de Resultados Dos meses 01 a Quadro 24 Demonstração de Resultados Dos meses 07 a Quadro 25 Demonstração de Resultados Dos meses 13 a Quadro 26 Demonstração de Resultados Dos meses 19 a Quadro 27 Cálculo do Payback Simples...80 Quadro 28 Cálculo do Payback Descontado...81 Quadro 29 Valor Presente Líquido...81

11 x Lista de Abreviações ANFAC Associação Nacional das Sociedades de Fomento Mercantil - Factoring BACEN Banco Central do Brasil BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social CDB Certificado de Depósito Bancário CF Custo Fixo CMN Conselho Monetário Nacional COFINS - Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social CPMF Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira CV Custo Variável por Unidade CVM Comissão de Valores Mobiliários DRE Demonstração de Resultados do Exercício FGTS Fundo de Garantias por Tempo de Serviço FMI Fundo Monetário Internacional IOF Imposto sobre Operações Financeiras IRPJ Imposto de Renda Pessoa Jurídica ISS Imposto sobre Serviços LC Lei dos Cheques LD Lei das Duplicatas MC Margem de Contribuição MNI Manual de Normas e Instruções MPEs Micro e Pequenas Empresas PAR Programa de Arrendamento Residencial PAYBACK Período de Recuperação do Investimento PE Ponto de Equilíbrio PIS Programa de Integração Social RDB Recibo de Depósito Bancário SEBRAE Serviço Brasileiro de apoio às Micro e Pequenas Empresas SFH Sistema Financeiro de Habitação SFN - Sistema Financeiro Nacional SPC Serviço de Proteção ao Crédito TIR Taxa Interna de Retorno VPL Valor Presente Líquido

12 xi Lista de Tabelas Tabela 01 Referências para cálculos dos Impostos...61 Tabela 02 Parâmetros para o volume de negócios...67 Tabela 03 Critérios para o cálculo da Depreciação...71 Tabela 04 Suposição de retorno dos Ativos...72 Tabela 05 Referência para cálculo de Impostos...75

13 xii Lista de Gráficos Gráfico 01 - Projeção do Lucro líquido no período de 120 meses...79 Gráfico 02 Projeção do Lucro líquido no período de 24 meses...80

14 xiii SUMÁRIO Resumo...vi Abstract...vii Lista de Ilustrações...viii Listas de Quadro... ix Lista de Abreviações...x Lista de Tabelas...xi Lista de Gráficos...xii 1 INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos JUSTIFICATIVA APRESENTAÇÃO GERAL DO TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL (SFN) SUBSISTEMA NORMATIVO CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL (CMN) BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM) SUBSISTEMA DE INTERMEDIAÇÃO BANCO DO BRASIL COMO BANCO COMERCIAL BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL (BNDES) CAIXA ECONÔMICA FEDERAL (CAIXA) INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS FACTORING EMPRESAS DE FACTORING ABORDAGEM LEGAL MODALIDADES DE FACTORING PRATICADAS NO BRASIL O CONVENTIONAL FACTORING O TRUSTEE FACTORING O EXPORT FACTORING O MATURITY FACTORING...24

15 xiv A COMPRA DE MATÉRIA-PRIMA O CONTRATO DE FACTORING NO BRASIL REQUISITOS BÁSICOS DO CONTRATO DE FOMENTO MERCANTIL OS TÍTULOS DE CRÉDITO NEGOCIÁVEIS A DUPLICATA MERCANTIL O CHEQUE OUTROS TÍTULOS DE CRÉDITO A CESSÃO E O ENDOSSO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO MERCADO ECONÔMICO PLANO DE NEGÓCIO SUMÁRIO EXECUTIVO A EMPRESA PRODUTOS E SERVIÇOS ANÁLISE DE MERCADO PLANO OPERACIONAL PLANO DE MARKETING PLANO FINANCEIRO ASPECTOS METODOLÓGICOS RESULTADOS DO ESTUDO SUMÁRIO EXECUTIVO A EMPRESA VISÃO MISSÃO DESCRIÇÃO LEGAL ESTRUTURA FUNCIONAL LOCALIZAÇÃO DA EMPRESA ESCLARECIMENTO DAS RESPONSABILIDADES DA EQUIPE DIRIGENTE CAPITAL SOCIAL PRODUTOS/SERVIÇOS ANÁLISE DE MERCADO PLANO OPERACIONAL SERVIÇOS DE APOIO PREÇO FORNECEDORES PLANO DE MARKETING...58

16 xv CLIENTES CONCORRÊNCIA PLANO FINANCEIRO INVESTIMENTO CUSTOS DESPESAS VOLUME DE NEGÓCIOS RECEITAS E DESPESAS DEPRECIAÇÃO FLUXO DE CAIXA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) PONTO DE EQUILÍBRIO CÁLCULOS: PAYBACK, VPL E TIR PAYBACK VPL TIR CONSIDERAÇÕES FINAIS...83 REFERÊNCIAS...85

17 1 INTRODUÇÃO Em tempos de globalização, desemprego, miséria, fome, muitos optam por ter seu próprio negócio, para tanto, é fundamental ser competente para enfrentar este desafio e estar motivado para todas as ações que envolvem seu próprio negócio, ativando seu espírito empreendedor, através da capacidade em servir-se de recursos tanto humanos quanto materiais. Autores como Drucker, Dornelas, Dolabela, Longenecker entre outros, procuram instruir pessoas sobre a melhor forma de iniciar uma empresa, procurando despertar nelas seu espírito empreendedor. Contudo, isso não é suficiente, para o sucesso do negócio são fundamentais o planejamento, o levantamento de informações e a elaboração de um plano de negócios, onde serão analisadas as principais variáveis para a sua constituição. Para Stoner e Freeman (1995, p.122), o plano de negócios é um documento formal contendo uma descrição da missão, uma descrição dos produtos, ou serviços a serem oferecidos, uma análise de mercado, projeções financeiras e uma descrição de procedimentos gerenciais. Diante das dificuldades que atravessa o Brasil, as factoring aparecem como uma opção das empresas em obter recursos para se desenvolverem economicamente, pois o empresário precisa desses recursos para investimento ou capital de giro. As factorings, por serem mecanismos genuinamente da iniciativa privada, independente do governo, podem contribuir decisivamente para o desenvolvimento econômico, a modernização tecnológica do parque industrial brasileiro, o aumento da produção e a geração de mão-de-obra. O "factoring" é uma atividade mista composta por prestação de serviços de assessoria na gestão de contas a receber da empresa cliente e pela prática comercial através da compra de recebíveis, duplicatas e/ou cheques pós-datados, oriundos exclusivamente das vendas dessas empresas. Diante disso é oportuno definir, segundo Lemos Leite (2005, p.24) que o factoring é o mecanismo destinado a otimizar a capacidade gerencial do pequeno e médio empresário e a suprir-lhe as necessidades de capital de giro. O presente trabalho tem como finalidade elaborar o plano de negócio de uma factoring e o estudo dos aspectos relacionados a ela. O estudo limita-se à conceituação do instituto, sua legislação no país, seus aspectos jurídicos, o contrato de fomento mercantil e à identificação das espécies praticadas no país, assim como o estudo dos elementos que constituem o plano de negócio de uma factoring.

18 2 O seu objetivo geral é a análise do instituto do factoring e a viabilidade de abertura deste negócio na atual conjuntura econômica através da elaboração de um plano de negócio. Especificamente, o presente trabalho tem por objetivos verificar a regulamentação do factoring no país, a análise do mercado e seus componentes para este segmento e identificar os aspectos operacionais e mercadológicos da factoring. Objetiva-se também fazer uma análise econômico-financeira para avaliar a viabilidade de abertura da mesma. 1.1 DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA Considerando que a atividade de factoring destina-se apenas a compra de créditos resultantes das vendas mercantis de seus clientes, estas empresas sofrem uma concorrência desleal de empresas que se dizem factoring, mas na verdade praticam uma atividade ilegal chamada de agiotagem. Isto porque algumas pessoas atuam no mercado financeiro descontando títulos de crédito e cheques sem qualquer tipo de tributação. Outro forte concorrente são as instituições financeiras que oferecerem diferentes modalidades de crédito a custos menores, uma vez que os riscos assumidos nessas operações são menores que a compra de um ativo. Tendo em vista esses pontos, faz-se necessária à avaliação deste empreendimento, tendo em vista a concorrência muito forte e os riscos do negócio. Para esta análise, foram levantados alguns questionamentos: Para esta análise, foram levantados alguns questionamentos: - Quais os serviços que as factoring oferecem? - Como é regulamentada esta operação de crédito no Brasil? - Quais as modalidades de factoring praticadas no Brasil? - Quais as diferenças entre factoring e instituições financeiras? - Quais impostos incidem sobre as factoring? - Qual legislação incide sobre a empresa de factoring? 1.2 OBJETIVOS Objetivo geral Elaborar um plano de negócios para uma empresa de factoring.

19 Objetivos específicos Verificar a regulamentação do factoring no Brasil; Analisar o mercado para este segmento; Caracterizar as operacionalidades da empresa de factoring; Identificar os aspectos mercadológicos para este negócio; Calcular a viabilidade econômico-financeira deste segmento. 1.3 JUSTIFICATIVA A necessidade de conquistar novos mercados e o rápido processo tecnológico tem conduzido os pequenos e médios empresários à busca de novas alternativas de recursos para fomentar os seus ativos e expandir suas vendas. Dolabela (2006, p ), em seu livro o segredo de Luíza, faz uma análise das MPEs no Brasil, onde ele cita que o principal fator para o fechamento destas empresas é justamente a falta de capital de giro e a factoring, por sua vez, vem justamente suprir esta necessidade. Há uma parcela da sociedade brasileira que ainda associa o factoring às práticas não legalizadas, vulgarmente conhecidas como agiotagem. Outras empresas, travestidas da roupagem de factoring, que se dedicam a práticas de agiotagem, definitivamente não fazem factoring, mas extorquem sua clientela, não pagam impostos e se tornam uma concorrência desleal perante este mercado. Enquadram-se na contravenção, estando submetidas às penalidades e sanções da lei. Existem empresas que estão desvirtuando o factoring. O factoring é, por excelência, o mecanismo destinado a prestar apoio e assistência ao pequeno e médio empresário e suprir-lhe as deficiências de capital de giro. O conjunto de serviços prestados é seguido de fornecimento de capital necessário ao giro dos negócios da empresa-cliente. Isso ocorre através da compra dos direitos resultantes das vendas mercantis a prazo. Factoring é, pois, fomento mercantil, porque expande os ativos de seus clientes, aumenta-lhes a venda, elimina seu endividamento e transforma as suas vendas a prazo em vendas à vista. Diante destas concorrências desleais, surge a necessidade de um bom planejamento elaborado através do plano de negócio para se viabilizar e fornecer informações importantes.

20 4 Estes dados são fundamentais para a avaliação de viabilidade deste negócio e torna-se uma ferramenta essencial para que se possa traçar objetivos e atender às necessidades de mercado. Para se abrir uma empresa, deve-se levar em conta que o sucesso de qualquer negócio depende, sobretudo, de um bom planejamento. Embora qualquer negócio ofereça riscos, é preciso prevenir-se contra eles. É necessário criar-se uns sistemas bem estruturados, que contenha tópicos relevantes para o planejamento da empresa. Assim, pode-se estipular como sendo este o momento em que será elaborado o Plano de Negócio. 1.4 APRESENTAÇÃO GERAL DO TRABALHO Neste item estão explicadas as etapas de construção deste trabalho de conclusão de curso. No primeiro capítulo, é exposta uma breve explanação da temática desenvolvida ao longo do trabalho, a descrição do problema de aplicação, os objetivos gerais e específicos que se pretende alcançar, como também a justificativa pela escolha do tema a ser desenvolvido. É neste capítulo também que se expõe a importância deste trabalho para a acadêmica. A seguir, no capítulo dois, vem a fundamentação teórica, onde é explorado, através de vários autores, os assuntos pertinentes ao devido trabalho, bem como uma conceituação dos elementos do mercado financeiro, suas funções e aplicações. Também se faz necessário uma compreensão do que é um plano de negócios, sua tipologia, suas características e sua estrutura e por fim colocam-se as principais teorias relativas a empresa de factoring. No capítulo três apresenta-se a descrição do método, explicitando de que forma metodológica o trabalho foi elaborado, a caracterização da pesquisa e de que forma os dados foram coletados. O capítulo quatro é onde foi desenvolvido o plano de negócios para a factoring. É neste capítulo que o problema de aplicação, assim como os objetivos do trabalho serão respondidos e declarados. Por fim, no quinto e último capítulo, através dos conhecimentos adquiridos na elaboração deste trabalho e mais os resultados obtidos com o mesmo, foram registradas as considerações finais a este.

21 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo serão abordados alguns conceitos, com o objetivo de entender melhor o objeto de estudo deste trabalho, que é um plano de negócio para a implantação de uma factoring. Estes conceitos iniciam-se pelo sistema financeiro nacional, subsistema de intermediação e instituição financeira, segue abordando o conceito de factoring, a legislação da factoring no Brasil, os tipos de modalidades de factorings existentes, os contratos de factoring, mercado econômico e por fim traz algumas definições sobre plano de negócio, os aspectos relacionados e sua estrutura. 2.1 SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL (SFN) O Sistema Financeiro Nacional - SFN foi criado pela Lei da Reforma Bancária nº , de 31 de dezembro de 1964, e Lei de Mercado de Capitais nº , de 14 de julho de 1965, quando foram criados também o Conselho Monetário Nacional - CMN e o Banco Central do Brasil BACEN, além de diferentes instituições de intermediação financeira, entre as quais as integrantes do Sistema Financeiro da Habitação - SFH. Posteriormente, foram incorporados ao quadro institucional do sistema a Comissão de Valores Mobiliários CVM, criada pela Lei nº , de 7 de dezembro de 1976 e, mais recentemente, em 21 de setembro de 1988, através da Resolução nº do BACEN, os Bancos Múltiplos. De acordo com Silva (1997, p. 42), o Sistema Financeiro Nacional consiste de um conjunto de instrumentos e instituições que funcionam como meio para realização da intermediação financeira. Afirma ainda que os instrumentos e as instituições do Sistema Financeiro Nacional propiciam condições para que os dois tipos de agentes econômicos (superavitários e deficitários) tenham suas necessidades atendidas, ao mesmo tempo em que estimulam a elevação das taxas de consumo e de investimentos. De forma abrangente Fortuna (1999, p.12) conceitua o sistema financeiro, como um conjunto de instituições que se dedicam, de alguma forma, ao trabalho de propiciar condições satisfatórias para a manutenção de um fluxo de recursos entre poupadores e investidores. O Sistema Financeiro Nacional tem uma estrutura que é condicionada às estruturas internas e externas da nação. Cada padrão tem sua complexidade e tratamento, de acordo com

22 6 as necessidades básicas necessárias ao gerenciamento financeiro e econômico do país. A Figura 01 representa a estruturação do Sistema Financeiro Nacional. Figura 01: O sistema financeiro nacional Fonte: adaptado de Azeredo (1995, p.16). O Sistema Financeiro Nacional é formado por um subsistema normativo, composto pelo Conselho Monetário Nacional, pelo Banco Central do Brasil, pela Comissão de Valores Mobiliários e Instituições Financeiras. Além disso, por um subsistema de intermediação, que

23 7 se divide em agentes especiais (Banco do Brasil e BNDES) e demais instituições bancárias, não-bancárias e auxiliares SUBSISTEMA NORMATIVO Rudge e Cavalcante (1993) explicam que o subsistema normativo regula e controla o subsistema operativo que é constituído pelas instituições públicas e privado, que atuam no mercado financeiro, tendo como atividade principal, ou acessória, a coleta, a intermediação ou a aplicação de recursos financeiros próprios ou de terceiros, em moeda nacional ou estrangeira, ou, ainda, a custódia de valor de propriedade de terceiros. Assim, o subsistema normativo, responsável pelo funcionamento do mercado financeiro e suas instituições, fiscaliza e regulamenta suas atividades por meio do Conselho Monetário Nacional, do Banco Central do Brasil e da Comissão de Valores Mobiliários. De acordo com Assaf Neto (2001, p.69), a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) é um órgão normativo de apoio do sistema financeiro, atuando mais especificamente no controle e fiscalização do mercado de valores mobiliários (ações e debêntures). O Banco do Brasil e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) são instituições que se enquadram no subsistema normativo. Assaf Neto (2001, p.70) explica que essas instituições financeiras apresentam caráter especial de atuação; assumem responsabilidades próprias e interagem com diversos segmentos do mercado financeiro, sendo por isso denominados agentes especiais. Portanto, o subsistema normativo está constituído pelas seguintes instituições: Conselho Monetário Nacional, Banco Central do Brasil, Comissão de Valores Mobiliários e instituições especiais, como o Banco do Brasil e o BNDES CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL (CMN) O CMN é o órgão responsável pela formulação da política da moeda e do credito. É eminentemente normativo, não tendo nenhuma função executiva. É responsável pela fixação das diretrizes das políticas monetárias, creditícias e cambial do País. Pelo envolvimento destas políticas no cenário econômico nacional. (FORTUNA, 2000, p.14).

24 8 O CMN não desempenha função executiva, mas, na qualidade de órgão normativo do Sistema Financeiro Nacional, é responsável pela fixação de diretrizes da política monetária, creditícia e cambial do país. Pelo seu envolvimento com essas políticas, o Conselho Monetário Nacional acaba transformando-se em verdadeiro Conselho de Política Econômica. Assaf Neto (2001) afirma que o Conselho Monetário Nacional está constituído por apenas três membros: Ministro da Fazenda (Presidente), Ministro do Planejamento e Presidente do Banco Central. Atuam junto ao Conselho Monetário Nacional, as Comissões Consultivas: de Normas e Organização do Sistema Financeiro, do Mercado de Valores Mobiliários e de Futuros, de Crédito Rural, do Crédito Industrial, do Endividamento Público, da Política Monetária e Cambial e dos Processos Administrativos. Fortuna (2001) explicita que o Conselho Monetário Nacional possui as seguintes atribuições específicas: autorizar as emissões de papel-moeda; aprovar os orçamentos monetários preparados pelo Banco Central; fixar diretrizes e normas da política cambial; disciplinar o crédito em suas modalidades e as formas das operações creditícias; estabelecer limites para remuneração das operações e serviços bancários ou financeiros; determinar as taxas do recolhimento compulsório das instituições financeiras; regulamentar as operações de redesconto de liquidez; outorgar ao Banco Central o monopólio de operação de câmbio, quando o balanço de pagamento o exigir; estabelecer normas a serem seguidas pelo Banco Central nas transações com títulos públicos; regular a constituição, o funcionamento e a fiscalização de todas as instituições financeiras que operam no país. (FORTUNA, 2001, p.20). Portanto, constata-se que, na qualidade de órgão normativo, o Conselho Monetário Nacional intervém diretamente nas instituições integrantes do Sistema Financeiro, determinando as diretrizes que possibilitam ao Banco Central cumprir e fazer cumprir as suas normas BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) O Banco Central do Brasil, conforme Azevedo (1995), é o órgão executor das políticas monetária, creditícia e cambial do país. Um dos objetivos básicos do Banco Central é conduzir a política monetária no sentido de controlar o fluxo de moeda na economia, em nível capaz de manter o equilíbrio monetário.

25 9 Ressalta Azevedo (2005) que as funções, em geral, de qualquer Banco Central, são múltiplas: tem o monopólio de emissão de moedas, é o banco dos bancos, o banqueiro do Governo, o superintendente do Sistema Financeiro, o executor da Política Monetária, é assessor Econômico do Governo, executor da Política Cambial (depositário das reservas internacionais), administrador de controles cambiais e executa a canalização Seletiva de Crédito. O controle da emissão de moeda, juntamente com a conveniência prática de se reduzir o número de instituições a fiscalizar, bem como o interesse em participar de maneira mais direta nos lucros que gerava, levaram ao surgimento do monopólio de emissão de moeda. Além disso, ao se concentrar no Banco Central este direito, fortalecia-se a confiança no papelmoeda, assentando-se, dessa forma, a base para um sistema interno de pagamentos mais fluídos. Como banco dos bancos, Fortuna (2001) comenta que o Banco Central realiza operações para os Bancos Comerciais, tais como: manter contas nas quais são depositadas reservas do Sistema Bancário; fornecer crédito às Instituições com necessidades transitórias de liquidez; intervir, em caso de problemas maiores, como emprestador de última instância e administrar a Câmara de Compensação; controlar e fiscalizar, com poderes de liquidar e fazer cumprir a boa ordem bancária. Atualmente, o Banco Central é o principal banqueiro do Governo, pois detém suas contas mais importantes, participa ativamente do manejo do seu fluxo de fundos, administra a dívida pública. Além disso, é o depositário e administrador das reservas internacionais do país e realiza diversas operações internacionais por conta do governo. Fazem parte de suas atividades administrar e controlar as taxas de juros e o dólar, conseguindo com isto importante participação no controle da inflação. Em muitos casos, a superintendência das instituições financeiras é de responsabilidade direta e exclusiva do Banco Central; em outros casos, existem organismos independentes que a desempenham. Não obstante, em nenhum caso a fiscalização é exigência do Banco Central, afinal este é o emprestador em última instância. É soberano sobre os bancos comerciais e instituições financeiras, consórcios e outros. São funções do Banco Central: a) executar a política monetária - esta função é a que define o sentido mais amplo do Banco Central e é aquela que, em última instância, engloba as demais, ao efetuar o controle e

26 10 regulação do crédito. Conta com instrumentos tais como: encaixe legal, redesconto e operações de mercado aberto; b) ser assessor econômico do Governo - esta é uma das antigas e, atualmente, mais comuns e importantes funções do Banco Central, porém o grau de influência do Banco Central, na tomada de decisões macroeconômicas, depende do contexto político e administrativo em que se situa sua ação e, em boa medida, depende também do prestígio e da atitude de sua Presidência; c) executar a política cambial - cabe à autoridade monetária de um país executar a política cambial. Consiste em manter ativos, em ouro e moeda estrangeira, para atuação nos mercados de câmbio, contribuindo para a estabilidade de sua moeda. Em função desses fatos, o Banco Central é normalmente convidado a representar o país em organismos financeiros internacionais, como por exemplo, o FMI - Fundo Monetário Internacional. Pela política monetária, o BACEN exerce influência sobre a economia, com repercussões em toda uma série de fatos macroeconômicos, como: crescimento econômico, emprego, inflação, taxas de juros, taxas de câmbio e balanço de pagamentos. Assim, como competência privativa do Banco Central, estabelecida nos termos do art. 10 da Lei nº , de 31 de dezembro de 1964, considerando a alteração introduzida pela Lei nº , de 31 de janeiro de 1989, pode-se destacar o inciso III: III - determinar o recolhimento de até 100% (cem por cento) do total dos depósitos à vista e de até 60% (sessenta por cento) de outros títulos contábeis das instituições financeiras, seja na forma de subscrição de Letras ou Obrigações do Tesouro Nacional ou compra de títulos da Dívida Pública Federal, seja através de recolhimento em espécie; em ambos os casos, entregues ao Banco Central do Brasil, na forma e condições por ele determinadas, podendo: a) Adotar percentagens diferentes em função: 1) das regiões geo-econômicas; 2) das prioridades que atribuir às aplicações; 3) da natureza das instituições financeiras. b) Determinar percentuais que não serão recolhidos, desde que tenham sido reaplicados em financiamentos à agricultura, sob juros favorecidos e outras condições por ele fixadas. O Banco Central do Brasil elaborou e editou as normas operacionais de todas as instituições financeiras através do Manual de Normas e Instruções MNI. (Lei n de janeiro de 1989, inciso III) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM) A Comissão de Valores Mobiliários tem por objetivo final o fortalecimento do mercado de ações. De acordo com Fortuna (2001, p. 69), trata-se de um órgão normativo do

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários BANCO CENTRAL DO BRASIL O Banco Central do Brasil, criado pela Lei 4.595, de 31.12.1964, é uma autarquia federal, vinculada ao Ministério da Fazenda, que tem

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL

LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL Guilherme J. Falcão Consultor Legislativo da Área VII Finanças, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945 Evolução do SFN MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Profa. Dra. Andréa Paula Segatto-Mendes apsm@ufpr.br 1. Primeiro Período: 1808-1914 Abertura dos portos - acordos comerciais diretos Criação do Banco do

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof.

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof. -Aula 22.10.14 22/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITARIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Contábeis Conceitos e Estrutura Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br Surgimento e Finalidade: Cronograma

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 3: O ambiente operacional do administrador financeiro e da própria empresa Qualquer que seja o tipo de empreendimento empresa industrial, comercial, prestadora de serviços

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Fomento Mercantil. Eunice Bitencourt Haddad 1

Fomento Mercantil. Eunice Bitencourt Haddad 1 76 Fomento Mercantil Eunice Bitencourt Haddad 1 No II Encontro de Fomento Mercantil, realizado no dia 7 de outubro do corrente ano, foi possível a avaliação da atividade de factoring por vários ângulos,

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur 1 - Sobre as atribuições do Banco Central do Brasil, é incorreto afirmar: a) Exerce o controle de crédito b) Estimula a formação de poupança e a sua aplicação

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Rodrigo O. Barbati AULA 01 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema normativo Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional (SFN) pode ser entendido

Leia mais

A empresa e o Ambiente de. Negócios

A empresa e o Ambiente de. Negócios Centro Universitário Franciscano Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I A empresa e o Ambiente de 00 000 00 0 000 000 0 Negócios Profª. Juliana A. Rüdell Boligon Santa Maria, março de 202.

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

valores Sociedades de capitalização Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão)

valores Sociedades de capitalização Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão) CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROFESSOR RODRIGO O. BARBATI 1 ESTRUTURA DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composto de um conjunto de instituições

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Conceito 3.2 Subsistema de Supervisão 3.3 Subsistema Operativo 6/7/2006 2 3.1 - Conceito de Sistema Financeiro Conjunto de instituições financeiras

Leia mais

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS - O QUE TEM DE ATRATIVO?

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS - O QUE TEM DE ATRATIVO? SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS - O QUE TEM DE ATRATIVO? Tiziane Machado(*) Antes de iniciarmos uma discussão sobre securitização é importante definirmos o termo: Securitização é um processo através do qual

Leia mais

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL Conceito de Sistema Financeiro Conjunto

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

Factoring - Fomento Mercantil

Factoring - Fomento Mercantil 1.Considerações Iniciais Factoring - Fomento Mercantil A expressão factoring é de origem anglo-latina, cujo radical latino factor significa fomento mercantil e tem por finalidade expandir a capacidade

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E Solange Honorato Facilitadora Certificação Profissional ANBIMA - CPA-10 Destina-se aos profissionais que desempenham

Leia mais

3.1 - Estrutura do SFN

3.1 - Estrutura do SFN 1 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Estrutura do SFN 3.2 Subsistema normativo 3.3 Subsistema de intermediação 3.4 Títulos públicos negociados no MF 3.5 Principais papéis privados negociados no MF 3/4/2012

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

CURSO INDICADORES ECONÔMICOS. Sistema financeiro e Finanças públicas

CURSO INDICADORES ECONÔMICOS. Sistema financeiro e Finanças públicas Sistema financeiro e Finanças públicas Vamos imaginar um mundo sem finanças... Como seria o mercado imobiliário? A Construção? A Venda? No mundo sem Finanças grande parte dos bens estaria estocada. Na

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 A.1.1.1.2. L100B - Financeiras 1.0.3.9.9.99.99 ATIVO GERAL 01012014 S 1 01 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO 01012014 S 1.0.0.0.0.00.00 2 01 1.1.1.0.0.00.00 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 01012014 S 1.1.0.0.0.00.00

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 140, DE 2004. Dispõe sobre as instituições de mercado de capitais, e dá outras providências. AUTOR: Deputado EDUARDO VALVERDE RELATOR:

Leia mais

AULA 03. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo II

AULA 03. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo II AULA 03 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo II BNDES No subsistema operativo, existem instituições que não captam depósitos à vista, como o BNDES. O Banco Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

S B U SI S ST S E T M

S B U SI S ST S E T M 2.1 - Estrutura do SFN Análise de Mercado Financeiro Cap. II Sistema Financeiro Nacional Conjunto de instituições financeiras e instrumentos financeiros que visam transferir recursos dos agentes econômicos

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

Capítulo 1 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional-SFN

Capítulo 1 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional-SFN Capítulo 1 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional-SFN Introdução Neste capítulo iremos compilar os normativos que tratam sobre o Sistema Financeiro Nacional-SFN, desde a sua criação até a data presente

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Mercado Financeiro Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 5ª aula Início da aula Instituições Operadoras Livro Como esticar seu dinheiro Ricardo

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 2.05.01.01.05 Fundos Especiais de Domiciliados e Residentes no País 01012014 A 2.05.01.01 5 03 2.05.01.02 PATRIMÔNIO SOCIAL REALIZADO - DE RESIDENTE/DOMICILIADO NO EXTERIOR 01012014 S 2.05.01 4 03 2.05.01.02.01

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 350, DE 2015 - COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 350, DE 2015 - COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 350, DE 2015 - COMPLEMENTAR Altera a Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, e a Lei nº 12.529, de 30 de novembro de 2011, para definir, como competência do Conselho Administrativo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional I

Sistema Financeiro Nacional I Conceitos gerais Sistema Financeiro Nacional (SFN) é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilitam a transferência de recursos dos ofertantes finais (poupadores) para os tomadores

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional. Esperamos que, após o estudo do conteúdo desta aula, você seja capaz de:

Sistema Financeiro Nacional. Esperamos que, após o estudo do conteúdo desta aula, você seja capaz de: Sistema Financeiro Nacional A U L A 3 Meta da aula Apresentar a estrutura do Sistema Financeiro Nacional e as principais características das instituições que o compõem. objetivos 1 2 3 Esperamos que, após

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ...

ORIENTAÇÕES GERAIS ... ORIENTAÇÕES GERAIS O Projeto de viabilidade econômico-financeira será solicitado, a critério do Banco, de acordo com as características do investimento, finalidade do projeto, tipo de segmento de mercado,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País.

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. RESOLUÇÃO Nº 3.954 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

BB BNDES. Instituições Financeiras Bancárias. Instituições Financeiras. não Bancárias. Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo

BB BNDES. Instituições Financeiras Bancárias. Instituições Financeiras. não Bancárias. Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo Conselho Monetário Nacional - CMN Comissões consultivas Subsistema Normativo Banco Central do Brasil Comissão de valores mobiliários CVM Instituições Especiais Sistema financeiro brasileiro BB BNDES CEF

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 Conselho Monetário Nacional É constituído pelo

Leia mais

Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005

Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005 Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005 Altera a Resolução 3.121, de 2003, que estabelece as diretrizes pertinentes à aplicação dos recursos dos

Leia mais

COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS PRATICADAS PELOS BANCOS - PARTE I

COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS PRATICADAS PELOS BANCOS - PARTE I COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS O QUE É E COMO FUNCIONA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL? O QUE É POLÍTICA MONETÁRIA? QUAIS INSTRUMENTOS O BANCO CENTRAL UTILIZA PARA INTERFERIR NO MERCADO? O QUE É ASSISTÊNCIA

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional Capítulo Sistema Financeiro Nacional Bibliografia básica Todo o conteúdo dos slides deve ser acompanhado com o livro Mercados Financeiros, publicado pela Editora Atlas. Objetivos do capítulo Distinguir

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público Karina Jaques, professora de Conhecimentos Bancários do site QConcursos.com 1. (CESGRANRIO/2012/CEF/Técnico Bancário) Para estabelecer um relacionamento bancário, as pessoas devem comprovar o seu domicílio.

Leia mais

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira Risco e Mercado de Capitais Risco E Mercado De Capitais PARTE 1 AC- 1 AC- 2 l EMENTA: Estudar a gestão de risco no mercado de capitais, financeiro e de derivativos, por meio dos principais ativos negociados,

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

Professora Elaine Barros Exercícios de Provas Anteriores Conhecimentos Bancários Item 5 SFN. 16. Junto ao CMN funcionam comissões consultivas de

Professora Elaine Barros Exercícios de Provas Anteriores Conhecimentos Bancários Item 5 SFN. 16. Junto ao CMN funcionam comissões consultivas de Professora Elaine Barros Exercícios de Provas Anteriores Conhecimentos Bancários Item 5 SFN 16. Junto ao CMN funcionam comissões consultivas de A seguros privados. B crédito rural e de endividamento público.

Leia mais

Cadastro de clientes Conjunto de dados e informações gerais sobre a qualificação dos clientes e das sociedades corretoras.

Cadastro de clientes Conjunto de dados e informações gerais sobre a qualificação dos clientes e das sociedades corretoras. Câmbio Uma operação de câmbio envolve a negociação de moeda estrangeira através da troca da moeda de um país pela de outro. Uma pessoa que pretende viajar para o exterior precisa fazer uma operação de

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Factoring Antonio César Barros de Lima Histórico As operações de Factoring têm sua origem nos séculos XIV e XV, na Europa. O factor era um agente mercantil, que vendia mercadorias

Leia mais

PREPARATÓRIO PARA CARREIRAS BANCÁRIAS SIMULADO 02 Sistema Financeiro Nacional Professor: Tiago Zanolla

PREPARATÓRIO PARA CARREIRAS BANCÁRIAS SIMULADO 02 Sistema Financeiro Nacional Professor: Tiago Zanolla 1. (BB/FCC/2013) O tem como entidades supervisoras: (A) FEBRABAN e Superintendência Nacional de Previdência Complementar. (B) Receita Federal do Brasil e Resseguradores. (C) Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 443, DE 2008 NOTA DESCRITIVA

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 443, DE 2008 NOTA DESCRITIVA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 443, DE 2008 NOTA DESCRITIVA NOVEMBRO/2008 Nota Descritiva 2 SUMÁRIO Constituição de subsidiárias integrais ou controladas para o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal...4 Aquisição

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO

REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O ALFAPREV RF PRIVATE - Fundo de Investimento

Leia mais

7. Mercado Financeiro

7. Mercado Financeiro 7. Mercado Financeiro 7. Mercado Financeiro Mercado Financeiro O processo onde os recursos excedentes da economia (poupança) são direcionados para o financiamento de empresas (tomadores de crédito). Investidor

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ CAMPUS DE CAMPO MOURÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ CAMPUS DE CAMPO MOURÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ CAMPUS DE CAMPO MOURÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL JULIANO BATHKE TATIANA PEREIRA CAMPO MOURÃO 2002 JULIANO

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO INDICE O Sistema Financeiro Nacional - SFN Instituições de Crédito Cooperativas de Crédito Diferenças entre Bancos e Cooperativas de Crédito O

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

4/2/2011 DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO ATAS DO COPOM TAXA SELIC

4/2/2011 DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO ATAS DO COPOM TAXA SELIC CMN ORGAO MAXIMO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA FAZENDA, MINISTERIO DO PLANEJAMENTO, BACEN COMOC RESOLUÇÕES COPOM DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais

ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS O Sistema Financeiro O sistema financeiro pode ser definido como o conjunto de instituições, produtos e instrumentos que viabiliza a transferência de recursos

Leia mais

Conhecimentos Bancários

Conhecimentos Bancários Conhecimentos Bancários 419 Conhecimentos Bancários Rogério F. Pizza Apresentação: Caro candidato, é com muita satisfação que discorri sobre o tema conhecimentos bancários. Procurei agregar nesse material

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

FACTORING. em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito de Itu (2009).

FACTORING. em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito de Itu (2009). 1 FACTORING Verônica Barbosa da Costa 1 Maria Bernadete Miranda 2 Resumo O presente estudo tem como finalidade colaborar com uma melhor compreensão, à luz do Direito Empresarial, sobre o conceito de Factoring

Leia mais

Antonio Chagas Meirelles Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

Antonio Chagas Meirelles Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 CIRCULAR Nº 765 Comunicamos que a Diretoria do Banco Central, em sessão realizada em 09.03.83, aprovou nova sistemática para a escrituração centralizada, sob o regime de "caixa única", das contas de

Leia mais

Conhecimentos Bancários

Conhecimentos Bancários Conhecimentos Bancários Índice Estrutura do Sistema Financeiro Nacional... Conselho Monetário Nacional... COPOM Comitê de Política Monetária... Banco Central do Brasil... Comissão de Valores Mobiliários...

Leia mais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A Lei nº 6.385/76 define os mandatos legais da CVM: Desenvolvimento do Mercado (art 4º. Incisos I e II); Eficiência e Funcionamento do Mercado (art. 4º,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2828. 1º Para efeito do disposto nesta Resolução: I - Unidades da Federação são os Estados e o Distrito Federal;

RESOLUÇÃO Nº 2828. 1º Para efeito do disposto nesta Resolução: I - Unidades da Federação são os Estados e o Distrito Federal; RESOLUÇÃO Nº 2828 Dispõe sobre a constituição e o funcionamento de agências de fomento. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº. 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Gestão Financeira Aula 2 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Segmentos do Mercado Financeiro Mercado monetário Mercado de crédito Mercado de capitais Mercado de câmbio Mercado Monetário

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

Factoring. Leasing. Capítulo 7

Factoring. Leasing. Capítulo 7 Sumário Capítulo 1 Fundamentos: Sistema Financeiro Nacional, Conselho Monetário Nacional, Banco Central e Moeda 1.1. Sistema Financeiro Nacional (SFN) 1.1.1. Legislação Básica 1.1.2. Subdivisões do SFN

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20 DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS, CONSTITUIÇÃO E AUTORIZAÇÃO

RESOLUÇÃO Nº 20 DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS, CONSTITUIÇÃO E AUTORIZAÇÃO 1 RESOLUÇÃO Nº 20 Documento normativo revogado pela Resolução 2735, de 28/06/2000. O BANCO CENTRAL DA REPÚBLICA DO BRASIL, na forma da deliberação do Conselho Monetário Nacional, em sessão de 28.2.66,

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais