Suinocultura e Meio Ambiente: Evidências dos EUA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Suinocultura e Meio Ambiente: Evidências dos EUA."

Transcrição

1 Suinocultura e Meio Ambiente: Evidências dos EUA. Celso Leonardo Weydmann 1 Resumo Neste trabalho objetiva-se descrever alguns fatores associados ao controle ambiental da suinocultura norte-americana e buscar lições desta experiência para o setor brasileiro. O argumento é que a crescente regulação do tratamento e uso dos dejetos na suinocultura americana se deveu basicamente à oposição social organizada e coordenação federal das regras ambientais. A análise mostra que estes elementos não estão presentes no Brasil, além de existirem outros fatores que podem agravar o problema ambiental como baixo desenvolvimento rural dos Estados e quase ausência de fiscalização e punição no setor. A principal conclusão é que a expansão da suinocultura brasileira tende a agravar a questão ambiental, possivelmente dificultando o acesso das exportações de carne suína para mercados desenvolvidos como europeu e japonês. Palavras-chaves: suinocultura, dejetos, legislação ambiental, suinocultura Estados Unidos. 1 Introdução O crescimento da moderna suinocultura se caracteriza pelo aumento da concentração do número de animais confinados por estabelecimento para obter economias de escala. A concentração gera grandes volumes de dejetos dos animais que, se não tratados adequadamente, podem poluir o meio ambiente. Países produtores importantes, com escassez de área para utilizar os dejetos como fertilizante, a exemplo do Japão, Alemanha e Holanda, têm evitado a expansão do setor diretamente por proibições e indiretamente através de legislação ambiental mais severa. 1 Professor do Depto. Ciências Econômicas da UFSC.

2 Por outro lado, países exportadores, com grandes espaços geográficos disponíveis para dispor os dejetos, como Estados Unidos e Canadá, também vêm aperfeiçoando as regras ambientais há pelo menos uma década. No caso específico dos Estados Unidos, a legislação sobre o licenciamento da atividade, que envolve o tratamento e uso dos dejetos, existe desde os anos 70. Recentemente, em 2001, foram estipulados critérios mais rígidos para o controle dos dejetos, cuja vigência se dará no prazo de três anos. Esta preocupação com o impacto ambiental da suinocultura em grande parte se originou pela organização da sociedade civil, cujo clamor contra a poluição de águas e do ar, pressionou os legisladores para aperfeiçoar as regras para o setor 2. A maior rigidez do licenciamento e a oposição social explicam em parte a relocalização da atividade no território norte-americano e a crescente concentração em unidades de grande tamanho. A busca por maiores economias de escala, além de tornar a atividade mais competitiva, permite que insumos ambientais sejam incorporados na atividade, atendendo a legislação. O cuidado ambiental com os dejetos segue paralelo com a preocupação sanitária dos animais, e estes fatores têm permitido que o setor norte-americano seja um dos três maiores exportadores de carne suína 3, atendendo principalmente os ricos mercados europeu e japonês. No Brasil, há indicações de que as normas ambientais para tratamento dos dejetos da suinocultura tendem ser menos restritivas e menos fiscalizadas do que nos Estados Unidos (Weydmann, 2002) 4. Além disso, a preocupação ambiental no processo produtivo como estratégia de comércio ainda é incipiente (MMA, 2001) 5. Isto não significa, entretanto, que não 2 Uma visão das regras ambientais à suinocultura em vários países é encontrada em Beghin e Metcalfe (1998). 3 Dados sobre produção, consumo, exportação e importação pelos principais países podem ser acessados nos endereços e 4 Neste estudo são comparados procedimentos ambientais observados na suinocultura brasileira e americana. 5 Vide documento Comércio e Meio Ambiente. Uma Agenda para América Latina e Caribe disponibilizado pelo Ministério do Meio Ambiente. Pode ser acessado no site Selecione políticas de desenvolvimento sustentável, e depois comércio e meio ambiente. 2

3 haja comprometimento de águas e do ar causados pelos dejetos na suinocultura brasileira. A região Oeste Catarinense, que produz cerca de 80% das exportações brasileiras de carne suína, tem sérios problemas ambientais decorrentes da atividade (Testa et al., 1996). Esta limitação ambiental possivelmente seja um entrave para expansão do setor no Estado. Conseqüentemente novas áreas têm sido buscadas, a exemplo do Centro-Oeste, onde, além da grande produção de grãos, há ampla disponibilidade de solo para depósito dos dejetos e clima adequado para dispersão aeróbica dos mesmos, viabilizando a produção em larga escala. Assim, a suinocultura norte-americana se assemelha à brasileira em termos de concentração da atividade em unidades maiores e mudança regional da produção. Ambas diferem, entretanto, quanto ao grau de regulação da atividade, e em termos de mercado para as exportações, sendo a carne suína norte-americana destinada aos ricos mercados europeu e japonês e a carne brasileira concentra-se no atendimento do mercado russo. No futuro da suinocultura brasileira é razoável prever maior destaque nas exportações, e também que a competição via preço venha ser complementada pela questão ambiental. Países exportadores com restritiva legislação ambiental, à semelhança dos Estados Unidos, podem alegar competição espúria por parte de países que não tem igual cuidado com o meio ambiente, como o Brasil. O argumento é que a competitividade destes últimos decorreria de custos menores em grande parte obtidos pela não utilização de tecnologias apropriadas para minimizar o impacto ambiental da atividade (Gonçalves, 1998). Como conseqüência, a suinocultura brasileira teria dificuldades para ampliar seu mercado externo visando competir com o setor norte-americano. Considerando a regulação crescente do setor em países exportadores, o impacto ambiental negativo da atividade em Santa Catarina e dado o grande potencial para expansão em outras áreas e no mercado internacional, formula-se a seguir a questão relativa ao problema dos 3

4 dejetos no Brasil. A suinocultura brasileira reúne as condições que possam levar a um maior controle ambiental dos dejetos à semelhança do norte-americano? Para responder esta questão, o trabalho tem por objetivo descrever os fatores que levaram a maior regulação ambiental da suinocultura norte-americana e resgatar lições desta experiência visando discutir a viabilidade de um controle mais rigoroso no uso dos dejetos na suinocultura brasileira. Este enfoque pode auxiliar no futuro planejamento do setor visando ampliar o acesso das exportações brasileiras a novos mercados, atualmente concentrado no mercado russo. 2 Metodologia. A descrição da suinocultura americana procura seguir o esquema exposto em Farina et al (1997) e Farina (2000), e que trata da interação entre os ambientes organizacionais, institucionais e tecnológicos visando entender a estrutura, conduta e desempenho de um sistema de produção. Nesta perspectiva, a estrutura da suinocultura norte-americana é suposta ser influenciada pelas inovações (ambiente tecnológico) visando obter economias de escala para absorver os custos com insumos ambientais. A conduta dos agentes, principalmente dos grandes produtores, é caracterizada pela relocalização geográfica da produção. O desempenho resultante é descrito em termos de competitividade revelada e em relação aos prejuízos ambientais da atividade. O ambiente organizacional é representado pela oposição social à suinocultura em larga escala e se pressupõe ser causa da formulação de regras mais rígidas pelo Estado, que representa o ambiente institucional. As lições, por sua vez, são extraídas pelo contraponto dos fatores presentes no setor norte-americano com o brasileiro no que se refere às condições existentes em ambos países que possibilitem maior regulação da atividade. A seção seguinte ilustra este procedimento. 3 Características da Suinocultura Norte-Americana. 4

5 Esta seção utiliza o modelo anterior para descrever as principais características da suinocultura norte americana, visando entender o aparato regulatório relacionado ao controle dos dejetos da atividade. 3.1 Concentração (estrutura). Uma das principais características estruturais da suinocultura norte-americana é a crescente concentração da produção. Em 1996 havia cerca suinocultores, representando apenas 25% do número existente em 1980 (Boehlje et al., 1997). Em 1993, 28% do total de animais pertenciam a produtores com mais de suínos e cinco anos após este percentual era de 63,5%, sendo que aproximadamente 40% deste crescimento foi na Carolina do Norte (Metcalfe, 1999). Além disso, este Estado, juntamente com Iowa e Minnesotta, têm o maior número de explorações consideradas grandes (acima de animais) 6, as quais também produzem quase a totalidade da produção nos estados de Colorado, Oklahoma e Texas (Sullivan et al., 2000). Além de reduzir os custos unitários de produção, as economias de escala permitem implantar inovações que demandam despesas com instalações, equipamentos, contratação de fornecedores genéticos, maior especialização, maior coordenação do fluxo produtivo e do gerenciamento financeiro entre as unidades produtoras. Entre as inovações se destacam as organizativas e tecnológicas como segregated early weaning (instalações físicas separadas para as diversas fases de crescimento), split-sex feeding (alimentação com conteúdo protéico conforme o sexo) e all-in/all out (lotes de animais da mesma idade com entrada e saída programada) 7. Estas inovações aumentam a eficiência da produção já que reduzem despesas com doenças e mortalidade, aumentam a conversão alimentar, produzem maior uniformidade de carcaça. Estes fatores também auxiliam os grandes produtores a obterem preços mais estáveis. 6 Um mapa dos EUA com a localização dos 50 maiores produtores em 1997 pode ser visto em 7 Baseado no trabalho Purdue Cooperative Extension Service,

6 3.2 A relocalização geográfica da produção (conduta). A concentração na suinocultura evolui nos últimos trinta anos e foi acompanhada por uma conduta dos agentes que se caracterizou pela mobilidade geográfica. Nos anos 70, sendo uma atividade de escala pequena, a suinocultura norte-americana se expandiu para a região do Corn Belt 8, cuja proximidade com a produção de milho e soja auxiliava no barateamento do custo da alimentação. Além disso, a região tinha uma densidade populacional média, possivelmente significando que havia uma distância entre os suinocultores e vizinhança que minimizava as reclamações diante dos efeitos dos dejetos no solo e no ar. Nos anos 80, a suinocultura conseguiu suporte político e financeiro para desenvolver explorações de larga escala e se dirigiu para as regiões de agricultura tradicional pouco desenvolvida, como é o caso do estado da Carolina do Norte. Ao mesmo tempo começou a se contrair na região produtora de cereais. Mais recentemente, nos anos 90, dada a concorrência no mercado interno e internacional e a oposição social em regiões de densidade elevada, a expansão tem se dado nos estados do Oeste, como Colorado e Utah. Esta região tem grandes áreas pouco povoadas, além de estar localizada próxima da Costa Oeste, cuja distância aos mercados asiáticos é menor do que a região Leste. A suinocultura também tem se expandido na região Sul, caso do Texas, onde a proximidade com o mercado mexicano e a disponibilidade de área para depositar os dejetos são elementos relevantes. Outros fatores também explicam o deslocamento da suinocultura como existência de incentivos e infraestrutura, capacidade de abate nos frigoríficos, alianças potenciais entre processadores e produtores e entre processadores e, ainda, dos custos de produção, de processamento e distribuição, conforme Boehlje et al (1997, p. 18). 8 A região do Corn Belt é separada em duas áreas: Oeste e Leste. Na primeira estão os estados de Minessota, Iowa e Missouri. Na segunda Wisconsin, Illinois, Indiana, Ohio e Michigan. 6

7 A regulamentação ambiental parece também explicar em parte a mudança geográfica da produção dos maiores grupos suinocultores segundo Roe et al. (2002). Estados com regulação mais branda tenderiam a atrair os novos investimentos do setor, e vice-versa. Neste sentido, quanto mais severa a regulamentação, maior o impacto dos custos ambientais da suinocultura. Metcalfe (2000a, p.4) estimou que os insumos ambientais variam entre US$0,40 e US3,20 por animal representando 1 a 8 por cento do custo total 9. Apesar da pequena participação, estes custos podem significar importante redução nos lucros já que a atividade trabalha com apertadas margens de ganho. Daí que a maior severidade das regras influenciaria menos a grande produção, devido aos ganhos de escala para absorver os custos ambientais, não impedindo, portanto, sua expansão. 3.3 Resultado econômico e ambiental da suinocultura (desempenho). O processo concentracionista e a mobilidade geográfica da produção de suínos, vistos anteriormente, estão associados com a eficiência do setor, conforme dados de competitividade revelada. Nos anos oitenta e noventa, a taxa anual de crescimento da produção foi 1% e 2,7%, respectivamente, enquanto as exportações cresceram a taxas maiores, 10% e 22% (Schrader, 1998). Atualmente os Estados Unidos são o terceiro maior produtor, com um rebanho de cerca de 60 milhões de animais, atrás da China e Comunidade Européia, e é também o terceiro maior exportador seguindo a Dinamarca e o Canadá 10. Por outro lado, o desempenho ambiental da atividade é problemático. A concentração da suinocultura em grandes explorações e também em regiões específicas leva à concentração na produção de dejetos. Estimativas de 1997 mostram que 75% e 15%, respectivamente, das propriedades com grande e pequeno número de animais confinados produzem dejetos em 9 Nestas últimas citações, os textos não informam o tamanho da atividade e tecnologia usada. 10 Dados sobre produção e exportação podem ser encontrados no site citado na nota de rodapé anterior. 7

8 excesso à capacidade das mesmas de absorção como fertilizante 11. Por conta disso, a sobra de nitrogênio nos solos americanos aumentou em 20% em quinze anos (Gollehon e Caswell, 2000). Outro problema ambiental da concentração da produção de dejetos é a ampliação do potencial de grandes vazamentos das lagoas de contenção dos mesmos 12, como acontecido no estado da Carolina do Norte com a contaminação dos lençóis freáticos em e por ocasião da passagem do furacão Floyd em 1999 (Sullivan et al., 2000, p.23) A oposição social à suinocultura (ambiente organizacional). As lagoas de contenção de dejetos exalam um mau cheiro, que afeta a saúde humana 15 e tem impacto negativo no preço de propriedades próximas às áreas de produção suinícola (Rhodes, 1998), além de apresentar risco de vazamento que pode contaminar as águas públicas. Devido a estes fatores, grupos organizados, principalmente em áreas com alta densidade populacional, tendem a desenvolver forte oposição organizada contra a ampliação e implantação de explorações suinícolas. Em conseqüência, é grande a vigilância pública sobre as unidades produtoras, fazendo crescer o número de denúncias de produtores que descumprem a legislação ambiental. A mobilização tem expressão nos grupos que se identificam pela sigla NIMBY (not in my backyard) 16. Apenas no estado da Carolina do Norte, por exemplo, existem seis diferentes 11 As características dos dejetos e os problemas relacionados gerados pela presença dos mesmos na água podem ser vistos em USEPA, 2001d. 12 Apenas a maior empresa produtora americana - Smithfields enfrentou mais de acusações de violação de regras ambientais no período , e sua unidade de processamento em Virgínia foi multada em US$12 milhões segundo a revista Successful Farming, outubro de A informação pode ser vista em 13 A reportagem sobre este assunto, e que ganhou o Prêmio Pulitzer de Imprensa no ano de 1996, pode ser acessada no endereço: 14 Metcalfe (2000b, p. 519) referencia outros casos importantes de poluição por vazamento de dejetos. 15 Um resumo dos efeitos do odor dos dejetos na saúde humana podem ser vistos no artigo Social Influences Afect Odor Perception na revista National Hog Farmer, de agosto de 1998 e que é possivel de ser acessada pelo site 16 Um caso NIMBY pode ser localizado em datado de 17/maio/

9 grupos de oposição 17. Os grupos atuam politicamente, pressionando os legisladores para aprovar regulação mais severa. Por exemplo, em mais da metade dos Estados, é dado o direito de manifestação aos grupos a priori à instalação de atividades de produção. Assim, em muitos Estados as propostas de novas explorações ou ampliação das existentes devem ser tornadas públicas entre 15 a 30 dias anteriores a avaliação da proposta, possibilitando sua discussão pública 18. Em conseqüência da atuação dos grupos, e diante da possibilidade de pagar pesadas multas decorrentes da legislação ambiental, os investimentos para a suinocultura de grande porte tendem alternativamente se direcionar para Estados que dispõem de áreas com baixa densidade populacional, conforme visto anteriormente. 3.5 A legislação para controle dos dejetos (ambiente institucional) Os grupos sociais, frente aos problemas ambientais da suinocultura, exercem pressão sobre os governos federal e estadual para uma regulação mais severa. Nesta seção descreve-se os principais marcos regulatórios para o setor suinicultor norte-americnao. A primeira legislação é o Clean Water Act 19 aprovada pelo congresso em 1972, que estabelece padrões mínimos para a preservação da água e autoriza o EPA (Environmental Protection Agency) a regulamentar a concessão de permissão para controle do lançamento de resíduos nas águas através do programa NPDES (National Pollutant Discharge Elimination System). Posteriormente ocorreram aperfeiçoamentos como o 1990 USDA Water Quality Program, que envolveu o Ministério da Agricultura no problema ambiental, e o 1996 Environmental Quality Incentives Program 20, que alocou recursos federais para auxiliar no 17 No seguinte endereço podem ser encontrados os grupos ambientalistas que atuam no estado da Carolina do Norte: 18 Conforme respostas à questão nove da pesquisa National Survey of Animal Confinement Policies realizada em 1998 por um conjunto de universidades e coordenada por Mark Edelman da Iowa University. Os resultados estão no site 19 A legislação que baseia a atuação do EPA pode ser acessada no endereço 20 Baseado em Metcalfe (1999, p.5) 9

10 controle da poluição do setor. Em 2001, o EPA reviu a regulamentação 21 definindo padrões nacionais mais severos para controle da poluição na suinocultura, avicultura e pecuária de leite 22 com vigência para dezembro de Os Estados têm três anos para implementar os procedimentos 23. Pela legislação, o Governo Federal define os critérios relativos ao depósito dos dejetos nas lagoas de contenção e aos Estados cabe observar as regras para a incorporação dos dejetos no solo como fertilizante 24. Quanto aos estados, 28 deles alteraram suas legislações voltadas para a suinocultura desde 1996 (USEPA, 2001a, p.14). Metcalfe (2000b, p. 529) analisou as legislações de 19 Estados entre 1994 e 1998 e verificou que a maioria delas se tornou mais severa. Em geral, o maior rigor fica por conta da ativação de controles locais junto às áreas de produção, da exigência de debate público para novos projetos, de teste geológico do solo, da imposição de planejamento dos nutrientes das rações dos animais, e da formalização do compromisso de cumprimento da legislação pelos produtores. Observe-se, entretanto, que a implementação por um Estado de uma regulação mais rígida não significa necessariamente a inexistência de graves problemas ambientais, podendo ser uma reação a dificuldades já instaladas, não garantindo também que novos percalços venham a ocorrer no futuro (Sullivan et al., 2000). Finalmente, uma medida mais radical dos estados tem sido a moratória, que suspende a instalação de novas explorações por um ano pelo menos, como aconteceu nos estados da Carolina do Norte e 21 A proposta do EPA Proposed Revisions to the National Pollutant Discharge Elimination System Permit Regulations and the Effluent Guidelines and Standards for Concentrated Animal Feeding pode ser acessada no endereço: Análise dos impactos na suinocultura podem ser encontradas em USEPA (2001b), seções e seção 7, respectivamente. 22 Esta opinião é corroborada pelo EPA e também pelas críticas de produtores (veja o site e solicite busca do termo EPA Plan). Uma visão contrária, alegando que as novas regras não são suficientes para proteger o meio ambiente, pode ser encontrada na home page do grupo ambientalista Farmweb que é 23 Para uma visão das perguntas mais freqüentes (faq) sobre as novas regras entre no site o qual na seção VIII trata dos prazos de implementação. 24 Também chamada de NPS ( non-point pollution source) 10

11 Oklahoma (McMahon et al., 1998) 25, visando dar tempo às autoridades judiciárias para conseguir mais informações sobre a real dimensão do problema A eficiência da regulação. O efeito da regulação não é consensual. Por exemplo, Mo e Abdalla (1998) consideram que a padronização nacional de critérios de licenciamento é eficiente porque pode evitar a competição entre Estados, em termos de controle de qualidade ambiental para atração de novos investimentos. Por outro lado, para Metcalfe (2000b) os critérios da regulação federal, no que tange ao controle dos dejetos como fertilizante, são menos eficientes do que aqueles definidos localmente (estado ou região). O envolvimento federal deveria se restringir em medidas de apoio aos estados para identificar formas mais efetivas de exigir o cumprimento (enforcement) das regras em vigor. Para o autor, (p ) a ambigüidade da legislação federal (NPDES) possibilita que Estados implementem padrões de licenciamento diferenciados entre si e também que criem critérios distintos visando à expansão do setor. Este parece o caso, segundo o autor, do estado da Carolina do Norte, onde foram formuladas regras ambientais pouco rigorosas, cuja implementação era favorecida através do apoio de programas estaduais 26. Este procedimento deveu-se em grande parte à influência política de sete dos dez maiores grupos suinícolas americanos instalados naquele estado 27, e que contavam com representantes no legislativo estadual. 5 Lições da legislação ambiental aplicada à suinocultura norte-americana. 25 O texto também contém uma visão dos destaques nas legislações ambientais estaduais relativas a suinocultura. 26 O exemplo mais contundente é Wendel Murphy que foi senador no estado por 10 anos. Ele também era dirigente do maior grupo produtor privado de suínos nos Estados Unidos, Murphy Family Farms, adquirido pelo grupo processador Smithfield em A leitura da atuação política de Wendel Murphy e o favorecimento à suinocultura está em 27 A relação dos 25 maiores grupos americanos e suas respectivas bases de produção é encontrada em 11

12 Nesta seção extrai-se lições da experiência norte-americana no que se refere às condições que levaram a maior regulação da atividade, contrapondo-as com a realidade do setor brasileiro. Lição 1. A busca de economias de escala na suinocultura norte-americana projeta a tendência do predomínio de unidades de grande tamanho 28, com grande impacto na produção e destino dos dejetos. Ao mesmo tempo, a legislação ambiental tem sido mais severa e a expansão do setor tem ocorrido em áreas com baixa densidade populacional, minimizando a possibilidade de conflitos com grupos de oposição e comunidades. No Brasil, a concentração em unidades de larga escala não tem a dimensão da americana, mas há indícios de sua ocorrência. Entre 1994 e 2000 o número mínimo de animais recomendados para uma granja aumentou 33%, de 150 para 200 (Pinazza e Alimandro, 2000). Estima-se que a produção correspondente aos cerca de suinocultores do Oeste Catarinense, existentes em 1996, poderia ser obtida por apenas após 10 ou no máximo 15 anos (Testa et al., 1996). Por outro lado, não existe aparentemente a oposição organizada de grupos sociais. Uma razão plausível é a grande dependência econômica das comunidades rurais à renda da atividade suinícola, principalmente nas regiões de grande produção. Além disso, alie-se o fato de que a população, em geral, tem pouca consciência sobre a preservação ambiental. Podemos supor, portanto, que no curto-prazo não há indicativos de que haverá pressão social capaz de condicionar a expansão da suinocultura brasileira a um maior cuidado ambiental. Lição 2. A suinocultura norte-americana é regida por legislação federal e estadual que se complementam na questão do licenciamento da atividade suinícola. Este fato possivelmente auxilia o EPA a realizar diagnóstico nacional do impacto da suinocultura no meio ambiente, o 28 Para entender a lógica econômica do mecanismo de formação de preços vis-a-vis ganhos de produtividade que atuam por trás da concentração vide Campos (1995). 12

13 que permite coordenar e tornar dinâmico o processo de ajustamento da legislação às características evolutivas do processo produtivo na suinocultura. Não há similaridade da legislação federal americana nas instituições brasileiras. Possivelmente o Plano Nacional de Recursos Hídricos 29 seja o documento legal mais próximo, o qual trata de um roteiro de procedimentos e regras sobre os cursos d água em geral. Ainda está por surgir qualquer iniciativa federal para coordenar a atuação dos Estados no aperfeiçoamento legislativo visando maior cuidado ambiental no setor suinícola. Lição 3. As regras ambientais à suinocultura nos estados americanos têm se tornado mais rigorosas, entretanto há indicações de menor severidade nos Estados de menor desenvolvimento econômico e onde a suinocultura contribui significativamente na geração de renda e emprego. A regulação brasileira é menos severa do que a americana, conforme indícios apontados em um estudo que comparou as regras para o licenciamento da atividade nos dois maiores estados produtores dos respectivos países, Santa Catarina e Iowa (Weydmann, 2002). A tendência é que esta característica se mantenha, uma vez que há necessidade de desenvolver a área rural nos estados brasileiros, e para isso, os estados podem competir entre si por uma legislação mais branda com o intuito de atrair novos empreendimentos. Esta possibilidade é reforçada pelo fato de não existir uma legislação federal que coordene as regras estaduais e de inexistir pressão pública para tal. Assim é provável que o problema ambiental relacionado aos dejetos suínos se prolongue na região Sul, tendo em vista que abriga as maiores empresas processadoras de carne suína. Estas possuem importância econômica e, portanto, são capazes de exercer influência nas decisões do Estado em relação às regras ambientais para o setor, contrapondo-se a possivel ação de grupos ambientais. Também na região Centro-Oeste o problema tende a não ser adequadamente 29 O plano pode ser localizado no site 13

14 regulado, tendo em vista necessidade de impulsão ao desenvolvimento econômico regional. É provável também que recursos financeiros em condições especiais e/ou favorecimento fiscal possam ser concedidos às empresas e suinocultores, permitindo a expansão da produção sem o devido controle da produção de dejetos. Lição 4. Mesmo havendo legislação mais severa para controle dos dejetos na suinocultura norte-americana, houve falta de fiscalização do cumprimento das regras, o que levou ao agravamento ambiental em alguns Estados. Conforme apontado por Sullivan et al (2000) a insuficiência de recursos prejudicou os estados americanos no cumprimento da tarefa de vigilância e punição (enforcement). Talvez por isso, ressalta o autor, não há evidência estatística de que a suinocultora reduziria produção em resposta à formulação de regras ambientais mais severas nos Estados. É notória a insuficiência de recursos das autoridades legais brasileiras para fiscalizar os impactos dos processos produtivos no meio ambiente. Diante disso, apesar de contraditório, pode ser visto como natural, o fato de a indústria processadora em Santa Catarina estar credenciada para elaborar e encaminhar pedidos de licenciamento de integrados. Uma justificativa seria de que, a princípio, interessa à indústria que o produtor trate adequadamente os dejetos da produção. Porém, a alternativa de um licenciamento com regras mais rígidas implicaria maiores custos par ao produtor, que, diante das pequenas margens de ganho da atividade, poderia comprometer a oferta de matéria-prima para a agroindústria. Daí esta, por si só, não geraria incentivos para os suinocultores usarem insumos ambientais mais dispendiosos e não teria interesse em avaliar eficientemente se as condições requeridas no licenciamento dos produtores fossem obedecidas Na visão da teoria do agente principal, as agroindústrias constituiriam o principal e os suinocultores seriam os agentes. 14

15 6 Conclusões Neste estudo descreveu-se os fatores associados a maior regulação ambiental da suinocultura norte-americana dos quais verificaram-se lições úteis ao setor brasileiro. A análise mostrou que o setor brasileiro tem potencial de expansão da produção sem que se verifiquem os fatores presentes nos EUA, como pressão de grupos organizados e legislação federal específica para coordenação das regras estaduais. Além disso, no Brasil existe também uma grande dependência dos suinocultores às agroindústrias para obter renda e emprego, o que dificulta a oposição ambiental. Dados estes fatores, é muito provável que haja forte influência dos grupos produtores e processadores na definição de regras ambientais estaduais com rigorosidade inferior àquelas dos principais países exportadores. Portanto, se nada for feito no campo legislativo e de conscientização das lideranças empresariais e políticas, a tendência é que a expansão da suinocultura brasileira gere problemas ambientais sérios. Há chances de a região Centro-Oeste se tornar um pollution haven no sentido de permitir a expansão da suinocultura sem a contrapartida de ajuste das regras ambientais. As empresas nacionais possivelmente ficariam restritas ao atendimento dos atuais mercados interno e externo. Por outro lado, as multinacionais do setor, na medida que utilizassem aqui os insumos ambientais exigidos nos países de origem, teriam maiores chances de exportar para os mercados ricos e desenvolvidos, a exemplo da Smithfields. Este grupo tem, provavelmente, vantagem adicional decorrente de menores custos com a coordenação do processo criatório devido a verticalização da atividade. A formulação pelo governo federal de regras ambientais para a suinocultura permitiria a coordenação do setor visando homogeneizar a regulação dos Estados e ajustar a legislação ao dinamismo tecnológico da atividade. Esta coordenação também contribuiria para evitar que 15

16 normas de licenciamento ambiental fossem utilizadas pelos Estados como instrumentos de atração de investimentos do setor. Além disso, os governos federal e estaduais poderiam criar programas de apoio para financiamento da compra dos insumos ambientais através de empréstimos e redução da alíquota dos impostos incidentes na compra dos mesmos 31. Recursos materiais e legais são necessários para a fiscalização e punição dos poluidores. Neste sentido, cabe especial atenção a consideração de co-responsabilidade do setor processador pelos problemas ambientais quando atua de maneira integrada com os produtores. A agroindústria poderia buscar ganhos de marketing para compensar os acréscimos de custo decorrentes do uso adequado de insumos ambientais pelos produtores. Neste sentido, as implementações de selos de qualidade do produto e de preservação ambiental na produção podem ser alternativas úteis. Portanto, tornar a suinocultura brasileira competitiva em termos ambientais implica na atuação conjunta de suinocultores, agroindústrias e Estado. Como sugestão para pesquisa, torna-se relevante conhecer a influência do problema ambiental e das legislações estaduais na expansão da suinocultura para fora da região Sul. Outra abordagem é avaliar o impacto na competitividade dos principais Estados produtores, considerando a adoção de regras ambientais mais severas, equivalentes à norte-americana, por exemplo. 31 Weydmann (2002b) descreve alguns programas de ajuda ao suinocultor americano para atender a necessidade de maior cuidado ambiental na atividade. 16

17 7 Referências bibliográficas BEGHIN, J.; METCALFE, M. Environmental Regulation and Competitiveness in the Hog Industry. An International Perspective. Department of Economics, Iowa State University. (www.econ.iastate.edu/research/webpapers/ndn0011.pdf) BOEHLJE, M.; CLARK, K.; JONES, C.H.D.; MILLER, A.; SINGLETON, B.R.W. & SCHINCKEL, A Food System 21: Gearing up for the New Millenium The Hog/Pork Sector. Staff Paper 97-19, Department of Agricultural Economics, Purdue University, December. (http: agecon.lib.umn.edu/index.html). Accessed 11/2000. CAMPOS, I Complexos de Produção Agroindustrial e Mecanismos de Formação de Preços na Agricultura. Anais do Encontro Nacional de Economia (ANPEC), Salvador, volume 1, FARINA, E. M..M.Q Organização Industrial no Agribusiness. In Economia e Gestão dos Negócios agroalimentares: indústria de alimentos, indústria de insumos, produção agropecuária, distribuição. Decio Zylbersztajn e Marcos Fava Neves organizadores. São Paulo, Pioneira. FARINA, E.M.M.Q; AZEVEDO, P.F. & SAES, M.S.M Competitividade: Mercado, Estado e Organizações. São Paulo: FAPESP/ PENSA: Editora Singular. GOLLEHON, N. e CASWELL, M Confined Animal Production Poses Manure Management Problems. Agricultural Outlook. Economic Research Service, USDA, Setembro. (http://www.ers.usda.gov/publications/agoutlook/sep2000/ao274f.pdf ). Acessado em 13/05/

18 GONÇALVES, R Meio Ambiente e a Economia Política do Comércio Internacional. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, Rio de Janeiro, no. 3, dezembro, p McMAHON, K., VANSICKLE, J. e DUXBURY-BERG, L State of the Industry. National Hog Farmer, May 15, p (http://industryclick.com/magazine.asp?siteid=5&magazineid=17) Acessado em 10/2001. METCALFE, M State Legislation Regulating Animal Manure Management. Review of Agricultural Economics, volume 22, número 2, Fall / Winter. (http://www.aaea.org/fund/pubs/rae). Acessado em 02/05/2002. METCALFE, M. 2000(a). Environmental Regulations and Implications for U.S. Pork Exporters Annual Meeting of the American Agricultural Economics Association. METCALFE, M Location of Production and Water Quality Regulation: the U.S. Hog Industry. Selected Paper presented at the Annual Meeting of the American Agricultural Economics Association, MMA (Ministério do Meio Ambiente) Comércio e Meio Ambiente. Uma Agenda para a América Latina e Caribe. Coordenação Antonio Sérgio Braga. Brasília, MMA, Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável. (http://www.mma.gov.br ) Acessado em 02/2002. MO, Y. e ABDALLA, C. W Analysis of Swine Industry Expansion in the U.S.: the Effect of Environment Regulation. Agricultural Law Update, 15 August, pp.4-7. Para acessar resumo do paper use 18

19 PINAZZA, L.A. e ALIMANDRO, R. Posição Consolidada. Agroanalysis, FGV, Rio de Janeiro, julho de PURDUE COOPERATIVE EXTENSION SERVICE Positioning your Pork Operation for the 21 st Century. Purdue University (USA). RHODES, V.J The Industrialization of Hog Production. In The Industrialization of Agriculture. Vertical Coordination in the U.S. Food System. Jeffrey Royer and Richard Rogers (editors). Brokfield, Ashgate Publishing Company. ROE, B.; IRWIN, E.G. e SHARP, J. S Pigs in Space: Modeling the Spatial Structure of Hog Production in Traditional and Nontraditional Production Regions. American Journal of Agricultural Economics, 84 (2), May, (http://www.ingenta.com/journals/browse/bpl/ajae). Acessado em 05/05/2002. SCHRADER, L.F Coordination in the United States Hog / Pork Industry. Department Agricultural Economics, Purdue University, Staff Paper #98-19, outubro. (http://agecon.lib.umn.edu/index.html) Acessado em 05/2001. SULLIVAN, J.; VASAVADA, U. e SMITH, M., Environmental Regulation and Location of Hog Production. USDA, ERS, Agricultural Outlook, Sept, pp (http:// Acessado em 11/02/2002. TESTA, V.M.; NADAL,R.; MIOR,L.C.; BALDISSERA, I.T.; CORTINA, N O Desenvolvimento Sustentável do Oeste Catarinense (Proposta para Discussão). Florianópolis, Epagri. 19

20 USEPA (United States Environment Protection Agency). 2001a. States Compendium. Programs and Regulatory Activities related to Animal Feeding Operations. EPA. USEPA (United States Environment Protection Agency). 2001b. Economic Analysis of the Proposed Revision to the National Pollutant Discharge Elimination System Regulation and the Effluent Guidelines for Concentrated Animal Feeding Operations. (http:// ). Acessado em 09/2001. USEPA (United States Environment Protection Agency). 2001d. Environment Assessment for the Proposed Revision to the National Pollutant Discharge Elimination System Regulation and the Effluent Guidelines for Concentrated Animal Feeding Operations. (http://www.epa.gov/ost/guide/cafo/envir.html). Acessado em 09/2001. WEYDMANN, C.L Análise Comparada de Políticas Ambientais para a Suinocultura. Revista de Política Agrícola, Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, jul/ago/set,2002, p (http://www.agricultura.gov.br/spa/spa_03.htm) WEYDMANN, C.L. 2002a. Programas de Apoio Ambiental na Suinocultura norte-americana. Atualidade Econômica. Departamento de Ciências Econômicas, UFSC, ano 14, no. 43, julho / dezembro. 20

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

TECNOLOGIAS DE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS ESTUDADAS NO BRASIL 1

TECNOLOGIAS DE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS ESTUDADAS NO BRASIL 1 TECNOLOGIAS DE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS ESTUDADAS NO BRASIL 1 Airton Kunz 2 Martha Mayumi Higarashi 3 Paulo Armando de Oliveira 4 RESUMO A suinocultura no Brasil tem evoluído sensivelmente

Leia mais

A Suinocultura Norte Americana. José Henrique Piva PIC Americas

A Suinocultura Norte Americana. José Henrique Piva PIC Americas A Suinocultura Norte Americana José Henrique Piva PIC Americas Meus objetivos com esta apresentação Dar uma visão das principais mudanças, oportunidades e desafios enfrentados pela industria suína. Mostrar

Leia mais

1 As mudanças na agricultura

1 As mudanças na agricultura MANEJO DE QUALIDADE NA GRANJA, SEGURANÇA ALIMENTAR PRÉ-ABATE E CERTIFICAÇÃO DA INDÚSTRIA SUINÍCOLA Th. G. Blaha University of Minnesota College of Veterinary Medicine, St. Paul, MN 55108, EUA Resumo Comparada

Leia mais

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Larissa Bueno Ambrosini Carlos Alberto Oliveira de Oliveira Pesquisadores Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária Porto Alegre, 21 de novembro de 2012. O debate

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS - CAV COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE AUJESZKY EM SANTA CATARINA

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Antonio Waldimir Leopoldino da Silva (UDESC / UFSC) Paulo Maurício Selig (UFSC) Alexandre de Ávila Lerípio (UNIVALI / UFSC) Cláudia Viviane Viegas

Antonio Waldimir Leopoldino da Silva (UDESC / UFSC) Paulo Maurício Selig (UFSC) Alexandre de Ávila Lerípio (UNIVALI / UFSC) Cláudia Viviane Viegas A SUSTENTABILIDADE DA ATIVIDADE AGROPECUÁRIA DESENVOLVIDA NA REGIÃO OESTE DE SANTA CATARINA, BRASIL, SOB A ÓTICA DE TÉCNICOS DA EXTENSÃO RURAL SUSTAINABILITY IN AGRICULTURAL ACTIVITIES DEVELOPED IN THE

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Osler Desouzart osler@terra.com.br

Osler Desouzart osler@terra.com.br Osler Desouzart osler@terra.com.br Entre out/08 e fev/09 parecia que o mundo acabaria em 2009 2009 foi severo para o mercado mundial de carnes. Apesar disso, a produção registrou um aumento de 0,5% em

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 580 5.3 EXPORTAÇÃO: ESTRUTURA E DESEMPENHO RECENTE José Antônio Nicolau * As vendas no mercado externo são um tradicional indicador de competitividade de empresas e setores produtivos. Ainda que seja resultado

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução Capítulo 9 - Aspectos sociais da produção de leite no Brasil ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL Elmer Ferreira Luiz de Almeida Introdução O agronegócio Leite no Brasil tem passado por mudanças

Leia mais

Estrutura dos Contratos de Integração na Suinocultora de Santa Catarina

Estrutura dos Contratos de Integração na Suinocultora de Santa Catarina 429 ISSN 0100-8862 Novembro/2006 Concórdia-SC Estrutura dos Contratos de Integração na Suinocultora de Santa Catarina Marcelo Miele ¹ Paulo D. Waquil ² 1. Introdução, objetivo e metodologia Ao longo dos

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014 Leite relatório de inteligência Abril 2014 A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades A rotina em uma propriedade leiteira exige acompanhamento e atenção em todos os

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO ENGENHARIA QUÍMICA E ALIMENTOS EQA5510: ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO FLORIANÓPOLIS, JULHO DE 2013. PROFESSOR ORIENTADOR: HAIKO

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos. Vinícius Cantarelli

RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos. Vinícius Cantarelli RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos Vinícius Cantarelli Objetivo Apresentar informações e resultados econômicos, ambientais e sociais da RACTOPAMINA e seus efeitos sobre a SUSTENTABILIDADE

Leia mais

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira Localização da Suinocultura Norte e Nordeste Abates: 2% Exportações: 0% Matrizes

Leia mais

TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011

TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 Dispõe sobre os contratos de integração, estabelece condições, obrigações e responsabilidades nas relações contratuais entre produtores integrados e

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

BNDES ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAS 1 - AO1 SUINOCULTURA GERÊNCIA SETORIAL DE AGROINDÚSTRIA

BNDES ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAS 1 - AO1 SUINOCULTURA GERÊNCIA SETORIAL DE AGROINDÚSTRIA ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAS 1 - AO1 GERÊNCIA SETORIAL DE AGROINDÚSTRIA Data: 20/12/95 N o 6 BNDES SUINOCULTURA INTRODUÇÃO Em termos humanos, a carne suína é a mais consumida no mundo. No Brasil, o consumo

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Conexões Sustentáveis São Paulo Amazônia Quem se beneficia com a destruição da Amazônia Edição 2011

Conexões Sustentáveis São Paulo Amazônia Quem se beneficia com a destruição da Amazônia Edição 2011 Caso: O desmatamento ilegal do bife Link: http://reporterbrasil.org.br/conexoes/?p=147 Íntegra do posicionamento das empresas JBS Friboi 1) Quais as ações realizadas pela empresa para evitar, em sua cadeia

Leia mais

Painel Oficina 4 Agricultura e Segurança Alimentar

Painel Oficina 4 Agricultura e Segurança Alimentar ETHOS Conferência Internacional 2012 Painel Oficina 4 Agricultura e Segurança Alimentar André M Nassar ICONE www.iconebrasil.org.br São Paulo 12 de junho de 2012 Segurança Alimentar: Questões Fundamentais

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Nome da operação. Região País Setor. Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora

Nome da operação. Região País Setor. Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora Nome da operação Região País Setor DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO PROGRAMA (PID) ETAPA CONCEITUAL Relatório nº: AB7437 (O número do relatório é gerado automaticamente pelo IDU e não

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc)

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) O novo mundo rural e o desenvolvimento do Brasil Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos São Paulo, 12 de novembro de 2014

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO PARA O AGRONEGÓCIO SUSTENTÁVEL - PROGRAMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO DA CACHAÇA.

UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO PARA O AGRONEGÓCIO SUSTENTÁVEL - PROGRAMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO DA CACHAÇA. 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN 1984-9354 UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO PARA O AGRONEGÓCIO SUSTENTÁVEL - PROGRAMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO DA CACHAÇA. Cláudio Jorge Martins de Souza (Independente) Resumo Em

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE COMPETITIVIDADE: UM ESTUDO DE CASO

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE COMPETITIVIDADE: UM ESTUDO DE CASO A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE COMPETITIVIDADE: UM ESTUDO DE CASO MARCELO MÁRCIO ROMANIELLO 1 ; JUSSARA MARIA SILVA 2 ; ANTÔNIO CARLOS DOS SANTOS 3 RESUMO: O presente estudo analisou a tecnologia

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos.

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Industria Matéria-prima Mão de obra Saúde e Meio Ambiente Economia 2

Leia mais

AGRONEGÓCIO SUINÍCOLA

AGRONEGÓCIO SUINÍCOLA AGRONEGÓCIO SUINÍCOLA Janete Pereira Amador UFSM - Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção CAMPUS - 97105-900 - Santa Maria - RS - e-mail: a9960199@alunop.ufsm.br João Eduardo da Silva Pereira

Leia mais

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov. ORGÂNICOS SÃO CAROS. POR QUÊ? Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.br Quem nunca ouviu ou falou

Leia mais

- ENLAGRO Encontro Nacional de Laboratórios da Área da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

- ENLAGRO Encontro Nacional de Laboratórios da Área da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Projeto Captação de Recursos - ENLAGRO Encontro Nacional de Laboratórios da Área da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 07, 08 e 09 de junho de 2016. Macro Office Centro de Eventos, Porto Alegre, RS,

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

"Experiências Internacionais de Gestão de Recursos Hídricos: lições para a implementação da Lei sobre Cobrança pelo Uso da Água no Brasil".

Experiências Internacionais de Gestão de Recursos Hídricos: lições para a implementação da Lei sobre Cobrança pelo Uso da Água no Brasil. 1 "Experiências Internacionais de Gestão de Recursos Hídricos: lições para a implementação da Lei sobre Cobrança pelo Uso da Água no Brasil". Autora: Regina Cavini, mestranda do Curso de Desenvolvimento,

Leia mais

I. INOVAÇÃO E NEGÓCIOS UNIVERSIDADE DE SANTA CLARA: PROFESSORA TERRI GRIFFITH TIPOS DE INOVAÇÃO: 3 TIPOS DE INOVAÇÃO

I. INOVAÇÃO E NEGÓCIOS UNIVERSIDADE DE SANTA CLARA: PROFESSORA TERRI GRIFFITH TIPOS DE INOVAÇÃO: 3 TIPOS DE INOVAÇÃO I. INOVAÇÃO E NEGÓCIOS UNIVERSIDADE DE SANTA CLARA: PROFESSORA TERRI GRIFFITH TIPOS DE INOVAÇÃO: 3 TIPOS DE INOVAÇÃO o DE PRODUTO o DE PROCESSO o DE ESTRATÉGIA CARACTERÍSTICAS DA INOVAÇÃO o INOVAÇÃO É

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 3 DE OUTUBRO DE 1975 ABERTURA DO

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO

SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO Pio Guerra 1, Sidney Almeida Filgueira de Medeiros 2 A importância dos eqüinos para o desenvolvimento do Brasil pode ser observada desde os tempos do Brasil-Colônia,

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000

PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000 SECRETARIA NACIONAL DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS SNAI DIRETÓRIO NACIONAL DO PT PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000 GESTÃO: MUNICÍPIO: FICHA DE IDENTIFICAÇÃO U.F.: 1995-1998 DF GOVERNADOR: Cristovam

Leia mais

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais.

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais. Ovinocultura de Leite Uma alternativa de renda às famílias rurais. Área de abragência Oeste, Meio Oeste, Alto Uruguai e Extremo Oeste Catarinense. 53% dos estabelecimentos rurais e 67% da área total rural.

Leia mais

Milho Período: 22 a 26/06/2015

Milho Período: 22 a 26/06/2015 Milho Período: 22 a 26/06/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0885 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Estratégia Internacional

Estratégia Internacional Estratégia Internacional Professor: Claudemir Vasconcelos Aluno: Sergio Abreu Estratégia Internacional A internacionalização não se limita somente ao Comércio exterior (importação & exportação); é operar

Leia mais

Anexo III da Resolução nº. 1 Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução nº. 1 Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução nº. 1 Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição do projeto Ecoinvest Master Agropecuária - Captura e combustão de gases do efeito estufa de granjas suínas

Leia mais

WP Board No. 980/05 Rev. 1

WP Board No. 980/05 Rev. 1 WP Board No. 980/05 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 12 janeiro 2006 Original: inglês Projetos/Fundo

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

HIGIENE ZOOTÉCNICA. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu 1.

HIGIENE ZOOTÉCNICA. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu 1. HIGIENE ZOOTÉCNICA Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu 1 Tortuga A HIGIENE NO PROCESSO DE PRODUÇÃO ANIMAL Genética Alimentação Produção

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Research briefing: Como a EMBRAPA catalisou os ganhos de produtividade nas Indústrias de Soja e Pasta & Papel

Research briefing: Como a EMBRAPA catalisou os ganhos de produtividade nas Indústrias de Soja e Pasta & Papel O que podem os países africanos aprender do desenvolvimento e crescimento inclusivo do Brasil? Research briefing: Como a EMBRAPA catalisou os ganhos de produtividade nas Indústrias de Soja e Pasta & Papel

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 Dispõe sobre a parceria de produção integrada agropecuária, estabelece condições, obrigações e responsabilidades nas relações contratuais entre produtores

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Tipificação e Classificação de Carcaças Bovinas (3/3)

Tipificação e Classificação de Carcaças Bovinas (3/3) Tipificação e Classificação de Carcaças Bovinas (3/3) Classificação por Rendimento A classificação por rendimento do USDA estima o rendimento de carcaça em cortes desossados já limpos (sem gordura externa)

Leia mais

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO Disciplina: Administração em Agronegócios A evolução do setor agrícola brasileiro. Os ciclos da agricultura brasileiro. A modernização da agricultura. O crescimento

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DA AGRICULTURA -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: "Que rurais de Santa Maria e região tenham qualidade de vida; mantenham uma produção altamente tecnificada,

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Juliano Merlotto Mestre em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros

Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros Teiji Sakurai Realização :, SÃO PAULO O que é a JETRO? Órgão oficial de comércio exterior do Japão 1951 Osaka Oficialmente JETRO em 1958 76 escritórios

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

Mercados diferentes geram grandes oportunidades

Mercados diferentes geram grandes oportunidades Mercados diferentes geram grandes oportunidades TI para Agronegócio Aline Cardoso Barabinot Orbiz Desenvolvimento de Negócios e Projetos Internacionais 25 de novembro de 2014 EVOLUÇÃO DA AGRICULTURA NOS

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA E POLÍTICA RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA E POLÍTICA RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA E POLÍTICA RURAL PROJETO DE LEI Nº 3.428, de 1997 Dispõe sobre a elaboração, beneficiamento e comercialização de produtos artesanais de origem animal e vegetal e dá outras providências.

Leia mais

Chamada Interna Projeto Voluntários BB Aposentados 2015

Chamada Interna Projeto Voluntários BB Aposentados 2015 Chamada Interna Projeto Voluntários BB Aposentados 2015 Brasília (DF), 13 de outubro de 2015. Unidade Negócios Sociais e Desenvolvimento Sustentável - UNS Chamada Interna Projeto Voluntários BB Aposentados

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES

A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES Valéria Pastura 1, Antônio Carlos de A. Mól 1,2,3, Ana Paula Legey 1,2,3, e Celso Marcelo F. Lapa 1,2,3 Instituto

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul César Augustus Winck 1, Valdecir José Zonin 2, Luciana Maria Scarton 3,

Leia mais

Inovações Ambientais do

Inovações Ambientais do Inovações Ambientais do Núcleo de Inovação Soluções para um futuro melhor. Qualidade doar Qualidade da Água Qualidade do Ambiente Escritórios Bl Belo Horizonte Salvador Blumenau Apresentam excelente relação

Leia mais