36º ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS GT 12: ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "36º ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS GT 12: ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS"

Transcrição

1 36º ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS GT 12: ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS CONTRACULTURA NOS ESTADOS UNIDOS E CONTRACULTURA NO BRASIL: UM ESTUDO COMPARADO. FELIPE FLÁVIO FONSECA GUIMARÃES

2 2 CONTRACULTURA NOS ESTADOS UNIDOS E CONTRACULTURA NO BRASIL: UM ESTUDO COMPARADO. Felipe Flávio Fonseca Guimarães 1 Resumo No presente trabalho comparamos a contracultura nos Estados Unidos e no Brasil. Utilizaremos a contracultura enquanto um conceito, uma categoria específica, utilizada para designar uma série de práticas e movimentos culturais juvenis rebeldes nas décadas de 1950 e principalmente 1960 nos Estados Unidos e que foi paralelamente adotada em outros lugares do mundo. Usamos o método comparativo com a finalidade de articular e contextualizar a temática proposta. Destacamos assim as disparidades e similaridades entre os dois processos de construção cultural e social pós-segunda Guerra Mundial. Além do mais, analisamos o conceito contracultura de forma problematizada sob a perspectiva de autores como Roszak (1972) e Groppo (1996), nos possibilitando melhor entendimento do conceito. Através desta pesquisa percebemos que a contracultura possibilitou, nos dois países, novas formas de expressão da juventude, pois conseguiu unir os jovens, suas linguagens e expressões, diversas artes e movimentos numa única prática cultural contra o sistema estabelecido. Palavras-chave: Contracultura, Estados Unidos, Brasil. Abstract In the present study, we compare counterculture in the United States and Brazil. We will utilize counterculture as a conceptual framework, as a specific category used to designate a series of youth-based, rebellious practices and cultural movements of the 1950s and, principally, the 1960s in the United States, that were concurrently adopted in other places of the world. We apply the comparative method with the objective of articulating and contextualizing the proposed theme. In this way, we distinguish the differences and similarities between the two processes of social and cultural construction following the Second World War. In addition to this, we analyze the concept of counterculture by problematizing it based on the perspectives of authors such as Roszak (1972) and Groppo (1996), allowing us a better understanding of the concept. Through this research study, we have perceived that the counterculture movement, in both countries, allowed for new means of youth expression, because it was successful in unifying young people, their language and expressions, diverse artistic and social movements into one unified cultural practice against the establishment. Keywords: Counterculture, United States, Brazil. 1 Aluno do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Social PPGDS, da Universidade Estadual de Montes Claros/Unimontes. Orientadora Regina Célia Lima Caleiro. Bolsista pela CAPPES/CNPQ.

3 3 Introdução No presente trabalho comparamos a contracultura, enquanto um movimento que envolve práticas e expressões culturais, nos Estados Unidos e no Brasil. Usamos o método comparativo para analisar práticas e movimentos culturais específicos da contracultura tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil na década de Foi preciso então, em um primeiro momento, dissertar e expor acerca do termo/categoria contracultura que é problematizado por alguns autores como Theodore Roszak (1972), Groppo (1996), Tânia Cortés (2008), etc. Isto nos permitiu uma melhor compreensão do termo e também do momento social histórico no qual o mesmo foi criado e difundido pelo mundo, juntamente às suas práticas culturais. Ao fazer esta discussão teórica comparamos o pensamento de cada autor acerca do termo, nos empenhando assim em uma tarefa sociológica que vai além da comparação pura e simplesmente. Segundo Franco (2000), O próprio processo de conhecimento do outro e de si próprio, nesta troca entre realidades culturais diversas, implica um confronto que vai além do mero reconhecimento do outro. Implica a comparação de si próprio com aquilo que se vê no outro. Neste processo comparativo, é fundamental conhecer e assumir as categorias que permitem fazer este confronto. (FRANCO, 2000, p. 198) Analisamos e comparamos as principais características destas práticas (contra) culturais nas duas realidades por nós pesquisadas. Desta forma tentamos destacar nos movimentos culturais brasileiros, características importantes que se enquadram na definição de contracultura. Foi necessário, assim, um esforço de contextualização histórica dos dois países na década de 1960, destacando os aspectos relevantes ao nosso objeto de estudo. Isto nos permitiu analisar de maneira singular cada país, as diferenças entre os processos de construção cultural pós Segunda Guerra mundial, além de nos permitir um melhor entendimento da relevância dos fatores social e econômico para o surgimento e expansão da contracultura. Unimos, portanto, o método sociológico à análise histórica no processo de comparação.

4 4 Contracultura, rebeldia juvenil e protesto. Contracultura é um conceito, uma categoria específica, utilizada para designar uma série de práticas e movimentos culturais juvenis nas décadas de 1950 e principalmente 1960 nos Estados Unidos e que foi paralelamente adotada em outros lugares do mundo. A contracultura é fruto de uma sociedade opressora, sendo praticada, reivindicada por jovens que fugiram da padronização da cultura social do ocidente após a segunda guerra mundial. Esse termo difundiu durante muito tempo no senso comum a idéia de juventude transgressiva, porém o trataremos aqui sob outra ótica, a da produção e ação cultural. Pois, compreendemos que os jovens responderam a esta sociedade estandardizada não somente através de idéias, mas também de ações, mostrando ao mundo o que almejavam. Segundo Cortés (2008) a contracultura é um conceito essencial para entendermos toda uma geração que viveu na década de 1960, e que era descontente com a sociedade tal como era imposta. Portanto, entendemos que, através da contracultura os jovens tiveram a oportunidade de se expressarem de forma livre. Esta cultura juvenil foi importante para que a juventude obtivesse visibilidade em uma sociedade adulta e desta forma, tentar criar um modelo novo de sociedade. Para Cortés (2008), el término counterculture, de acuerdo com Bennet (2001), es um término que ayuda a entender la desilusión de los jóvenes de esa época acerca del control de la cultura parental y de la falta de deseo de no querer formar parte de la máquina de La sociedad. (CORTÉS, 2008, p. 263) Já para Roszak (1972), mais que uma forma de entender a desilusão da juventude, a contracultura se transformou em um instrumento a favor da construção de uma nova sociedade. Contra uma sociedade imposta, a contracultura é a ação dos jovens. A juventude não pode ser resumida à uma fase da vida, ou seja à idade, pois está ligada diretamente às práticas sociais do indivíduo. Na sociedade contemporânea o poder do jovem extrapolou (e extrapola até os dias atuais) os limites etários, criando novas formas de viver e atuar na sociedade da qual faz parte. Segundo Roszak (1972), os jovens colocaram em prática aquilo que os adultos criaram em teoria nas grandes universidades, pois ( ) arrancaram-nas (as teorias) de livros e revistas escritos por uma geração mais velha de rebeldes, e as transformaram em um estilo de vida. Transformaram as hipóteses de adultos descontentes em experiências ( ). (ROSZAK, 1972, p. 37) Portanto, não há como desvincular a categoria contracultura das categorias de juventude e de rebeldia.

5 5 Seguindo o mesmo pensamento de Roszak (1972), Carmo (2001) explicita que a contracultura foi uma revolução nos costumes ocidentais. O autor expõe a ideia de ação da juventude frente à imposição material, simbólica, política etc. nos direcionando a tal pensamento: Diferentemente da prática política dos partidos tradicionais, deu-se início a uma nova forma de contestação e mobilização social ( ) A recusa radical da juventude aos valores convencionais entrava em cena com grande alarde. Cabelos longos, roupas coloridas, misticismo oriental, muita música e drogas. Uma série de manifestações culturais novas refletiam e provocavam novas maneiras de pensar, modos diferentes de compreender e de se relacionar com o mundo e com as pessoas (CARMO, 2001, p. 51) Entender a contracultura como tal, pressupõe uma (re) ação dos jovens "contra uma sociedade imposta. O termo é auto-explicativo quando entendemos cultura no seu sentido ocidental, ou seja, tudo aquilo que é produzido e/ou modificado pelo ser humano. Em resposta aos jovens rebeldes, houve um aumento da repressão estatal e social contra os que se posicionavam as margens da mesma. Esta reação do Estado contra os jovens rebeldes, com o apoio da sociedade civil, esteve presente mais claramente nos países que passaram por ditaduras militares, principalmente na América Latina, pois os jovens rebeldes eram sempre associados ao comunismo e às esquerdas. Em oposição a isto o jovem underground (aquele que estava abaixo, no subsolo, às margens da sociedade) buscava uma posição marginal como forma de protesto, pois não desejava estar no centro e assim o fazia por livre vontade e não porque era deixado de lado. Esta vontade do jovem de não pertencer ao mundo tecnocrata 2 adulto edificado ao seu redor, assimila-se à ideia da fuga de uma jaula e isto fica perceptível se consideramos o fator econômico que permeia tal situação. Muitos dos jovens que deixavam suas casas em busca de um novo ideal de vida, fugindo do alistamento militar, das obrigações escolares, do trabalho formal, pertenciam às camadas sociais mais abastadas, e possuíam acesso aos meios de comunicação, lazer, informação, e até mesmo cultura disponíveis. Ou seja, a fuga do centro a qual nos referimos anteriormente, é a 2 Expressão utilizada por Roszak (1972) ao referir-se ( ) àquela forma social na qual uma sociedade industrial atinge o ápice de sua integração organizacional. É o ideal que geralmente as pessoas têm em mente quando falam de modernização, atualização, racionalização, planejamento (ROSZAK, 1972, p. 19)

6 6 própria fuga da condição social/econômica da sua família, suas práticas de consumo, práticas sociais, que buscava a manutenção do seu status quo. Porém, segundo Groppo (1996), no momento em que os movimentos contraculturais estavam em seu ápice, foram veiculados pelos meios de comunicação em massa, a indústria cultural usou de seus ideais, reivindicações, estilos de vestir, para vender uma imagem específica do jovem, acabando assim por padronizar a própria contracultura. Percebe-se isto, segundo o autor, na própria trajetória inicial do rock and roll, um dos pilares da contracultura. O mesmo surgiu de tradições culturais populares e em menos de uma década se tornou uma música veiculada pelos grandes meios de comunicação e passou a ser consumida por um mercado juvenil branco, em sua maioria e pertencente às camadas médias da sociedade. Mas esta não é uma discussão que prolongaremos aqui, o importante é salientar o papel da indústria cultural na difusão dos ideais da contracultura para outros países. Através do cinema, da TV, do rádio, dos discos e livros a contestação e a rebeldia dos movimentos contraculturais foram espalhados pelo mundo, em forma de consumo e em forma de cultura. Optamos aqui por dissertar acerca desta última. Confluímos com a ideia de contracultura expressa por Paes (1997) de que além do consumismo outras duas categorias definem muito bem a década de 1960, em se tratando de juventude: contestação e rebelião. Os inconformados com o mundo em que viviam estiveram em todos os segmentos sociais e em todos os cantos do planeta, não só na Ásia e na África ou na América Latina. Mas, talvez, nenhuma contestação tenha sido tão extraordinária quanto aquela realizada pela juventude (PAES, 1997, p. 20) A seguir abordaremos a contracultura dentro do seu contexto histórico, o momento em que surgiu e como se difundiu para outros países, principalmente no caso do Brasil. Contextualização histórica da Contracultura do surgimento à difusão. O mundo durante a década de 1960 sofreu inúmeras e abruptas transformações e isto afetou diretamente a vida das pessoas, principalmente dos jovens, tanto no que tange ao consumo quanto às escolhas políticas e culturais. O momento Pós- Segunda Guerra Mundial foi marcado pela exploração de novas tecnologias de produção

7 7 e armamentista, racionalização de processos que até então eram quase artesanais. Além do mais, com o advento da Guerra Fria 3 foi exposto o poder de controle tecnológico do homem, através da disputa por conquista espacial chegada do homem a lua marca esta disputa, e também através do desenvolvimento e aprimoramento da tecnologia nuclear. Os Estados Unidos mostraram para o mundo na década de 1960 a sua hegemonia, a sua maneira de lidar com variadas situações, a sua superioridade econômica, que logo foi difundida pelo mundo. Além do grande poderio armamentista 4, explícito na guerra do Vietnã considerado um dos conflitos mais violentos do século XX que foi televisionado para milhões de expectadores, os Estados Unidos exportavam cultura para todo o mundo de forma massiva através do cinema, do rádio, discos e também, através das empresas multinacionais. Boa parte da sociedade adulta estadunidense apoiava as ações do governo, ações pacíficas e não-pacíficas, pois a era intensa a propaganda com intuito de enaltecer o sentimento de patriotismo nacionalista coletivo, as guerras eram travestidas de missões civilizatórias e a expansão do capitalismo travestida de missão desenvolvimentista e anticomunista. É neste terreno, de padronização, unidimensionalização do homem, resumindo-o em números, que surgem os primeiros indícios de uma contracultura nos Estados Unidos, também chamada inicialmente de movimento underground. O Movimento pelos Direitos Civis, luta pela expansão dos direitos para as minorias, foi o ponto de encontro de todos os seguimentos culturais, reivindicatórios, que acabou culminando na contracultura tal como a conhecemos. Não havia esperanças de luta contra o sistema para o jovem estadunidense, a esquerda socialista tradicional provara que era tão burocratizada e repressora quanto a direita capitalista. Portanto, segundo Paes (1997) 3 A Guerra Fria foi uma disputa por hegemonia mundial entre dois sistemas de organização social e, econômica e política: o capitalismo e o dito socialismo. Foi uma disputa sem confronto armado direto, por isso o seu nome. Ao leste a extinta União Soviética tentava expor ao mundo seu modelo de sociedade através de feitos tecnológicos, ou até mesmo através de imposição armada, divisões territoriais autoritárias. Ao Oeste os Estados Unidos estavam combatendo o comunismo a qualquer custo, até mesmo apoiando ditaduras militares na América Latina, rompendo acordos comerciais, declarando guerras. 4 Desde o final da Segunda Guerra o poderio nuclear dos Estados Unidos intimidava demais nações. Nos dias seis e nove de agosto de 1945, sob ordem do Presidente Truman, as cidades de Hiroshima e Nagasaki, respectivamente, foram alvos de bombardeio nuclear. Estima-se que foram mortos nestes dois ataques mais de duzentas e vinte mil pessoas tenham morrido diretamente com este ataque e milhares mais após o ataque devido à radiação.

8 8 ( ) para milhões de jovens naquela década, a saída vislumbrada foi a busca de um mundo alternativo. Da recusa da cultura dominante e da crítica ao establishment ou sistema (como então se dizia), nasceram novos significados: um novo modo de pensar, de encarar o mundo, de se relacionar com as outras pessoas. Da recusa surgia, na verdade, uma revolta cultural que contestou a cultura ocidental em seu âmago: a racionalidade. (PAES, 1997, p. 22) Desta forma o jovem se rebelou através daquilo que ele tinha o máximo de controle o possível: do seu próprio corpo, de seus ideais, da sua forma de vestir e se comportar perante o mundo. Um dos movimentos em que esta revolução é mais evidente é o movimento hippie, que surge nos Estados Unidos na década de 1960, junto a outras manifestações artísticas, como festivais, shows em praças públicas, reivindicações culturais contra a guerra, etc. Os seus adeptos usavam do prazer momentâneo como forma de rebeldia: o uso em demasia de drogas e o sexo livre. Muitos festivais hippies aconteceram nos Estados Unidos e também em outros lugares do mundo, como Inglaterra e Brasil, porém o mais famoso de todos que reuniu cerca de meio milhão de pessoas foi o festival Woodstock. Neste estavam presentes várias bandas e cantores do cenário musical da contracultura (o rock) em três dias de paz, amor e rock n roll lema do festival em questão. Segundo Alves (2002) este movimento, principalmente os seus festivais, foi vista visto como um ato de libertinagem, por parte dos conservadores, onde os jovens abusavam do sexo e das drogas. Porém, nesta época também se deu a divisão mundial (imposta) entre países desenvolvidos (hemisfério norte) e subdesenvolvidos (hemisfério sul), e significava muito para a população dos países estarem ou não em vias do desenvolvimento. Este discurso potencializou o consumo de bens materiais e também simbólicos importados dos países desenvolvidos. Como exemplo podemos citar a música, o cinema, além de bebidas, roupas, calçados, acessórios, etc. 5 Os países que pertenciam ao terceiro mundo (países subdesenvolvidos) deveriam alcançar o desenvolvimento, porém através dos mesmos artifícios utilizados pelos países do primeiro mundo (países desenvolvidos). Ou seja, os países ricos encontraram uma solução para seus problemas de falta de mão-de-obra e falta de matéria- 5 Rock, n, Roll; Hollywood; Coke; Whisky; Jeans; All Star; Ray ban. Dentre inúmeros outros produtos e marcas, estas foram as que tiveram maior aceitação e incorporação no mercado externo, sendo que perduram até os dias atuais com as mesmas características.

9 9 prima, entrando nos países pobres através de indústrias multinacionais e tirando assim a sua autonomia em relação ao crescimento econômico, político e social. E a partir desta entrada, houve uma forte troca de bens culturais. Troca esta que afetou muito a cultura de países como o Brasil, que importavam cultura industrializada e exportava matéria prima e mão de obra em sua maioria. Segundo Paes (1997), Atraídas por mão-de-obra barata e abundante ou por grandes mercados potenciais e, logicamente, por garantias políticas, as multinacionais, sobretudo americanas, atravessaram todas as fronteiras nacionais realizando o que se chamou de internacionalização da economia, dominando a economia mundial e ligando o mundo em dimensões planetárias. (PAES, 1997, p. 12) O Brasil, além da relativa vulnerabilidade econômica em relação aos Estados Unidos, passou por um momento crítico de limitada liberdade de expressão devido à implementação da ditadura militar que se instaurou e obteve legitimidade no ano de Nos primeiros anos de ditadura o governo militar procurou acabar com a oposição, eliminando o direto de voto popular além de instaurar o sistema unipartidário. Portanto, entre os anos de 1964 e 1968 a atenção estava voltada para os inimigos políticos, assim, neste período os artistas tiveram tempo de se reunir e criar diversos artifícios contra a ditadura militar. Porém, no final do ano de 1968 foi imposto o Ato Institucional militar nº 5, conhecido como AI-5. Este ato tinha como objetivo principal reestruturar as forças a favor da chamada revolução militar. Para tanto seria necessário destituir de expressão e participação aqueles que ganharam adeptos e obtinham resultados positivos nas suas lutas contra o regime durante os quatro primeiros anos: os artistas. Os militares, seguindo o decreto do poder executivo, exilaram e torturaram diversos artistas jovens que criticavam o modelo de sociedade que era criado no país. Ainda mais, muitos artistas foram proibidos de publicar sua arte, privados de liberdade de expressão. Mas, mesmo assim, a cultura brasileira sofreu grandes modificações (positivas a nosso ver) durante o período de ditadura militar. Apesar de difundir a desilusão, praticar a tortura levando muitas vezes à morte, durante o período de ditadura militar houve um relativo crescimento do pensamento crítico, fortalecimento da juventude, além do crescimento das produções culturais em nível underground. No período da ditadura no Brasil formulou-se o terreno propício para o surgimento de uma

10 10 contracultura que se consolidou através dos anos 1960 e parte dos anos A mesma possuía características ímpares em relação à contracultura estadunidense, porém entendemos que pode ser caracterizada como tal, por ter função crítica, contestadora e impulsionadora de ações que potencializam os ideais da juventude. Inserida neste contexto sócio/cultural brasileiro, a contracultura foi inicialmente identificada nos movimentos estudantis do início da década de 1960, portanto, contendo um cunho político de luta e rebeldia, embasado nos ideais da novaesquerda estadunidense que lutava contra o alistamento de recrutas para a Guerra do Vietnã. Ainda no início da década de 1960, os jovens adeptos ao rock no país chocavam com a sua estética e suas pretensões de viver a sua própria liberdade, sem as rédeas do mundo adulto. A Jovem Guarda foi o movimento que expressou física e simbolicamente a geração rock and roll no Brasil da década de Segundo Carmo (2001) a Jovem Guarda era a versão nacional da energia rebelde do rock n roll, ritmo que estava invadindo o mundo inteiro. Sua música emblemática, Quero que vá tudo pro inferno, revela um pouco de seu ideário. Defender a música nacional não importava para esta tribo (CARMO, 2001, p. 43) Segundo o pensamento da época, expresso pela revista de circulação nacional Realidade, o rock chocou o país. Quando o Rock n roll chegou ao Brasil, em 1955, com os discos de Bill Haley e seus cometas, os sociólogos e psicólogos ganharam um problema que já preocupava grande parte de seus colegas no resto do mundo. A juventude brasileira adotou não só o rock, mas as atitudes e filosofia dos cantores norte-americanos. Com o tempo, os jovens substituíram o rock pelo twist e depois pelo hully-gully, com uma rápida passagem por Elvis Presley. Até que surgiram os Beatles, com o ié-ié-ié. E, o que era mania de apenas umas parte da juventude, transformou-se em obsessão e fenômeno social. Apareceu então Roberto Carlos, cantando. O calhambeque foi o grande início e em setembro de 1965 nascia em São Paulo uma revolução: o programa Jovem Guarda. (REALIDADE, 1966, p. 75) Portanto, percebe que na própria Jovem Guarda já havia traços de contracultura, no sentido de agir contra a estética cultural do país. Porém, na década de 1960 no Brasil surgem outros grupos, com características mais próximas às da contracultura, porém usando da própria cultura nacional para reivindicar o poder para a

11 11 juventude. Podemos citar como exemplo o movimento artístico/cultura Tropicalismo ou Tropicália. Por possuir ligação com a cultura popular brasileira, e ao mesmo tempo com os mesmo ideais da contracultura, a tropicália nos chama atenção pois, diferentemente da Jovem Guarda, não tenta se tornar cópia do que era produzido de arte no exterior, mas sim produzi-la baseando-se na cultura popular do Brasil e mesclando, interligando com o que era produzido fora do país. Segundo Paes (1997), O pós-tropicalismo 6, da mesma forma que a contracultura, não se restringiu à produção artístico cultural, mas ultrapassou esses limites, envolvendo amplos setores das classes médias urbanas, dos grandes centros do País, em busca de novas concepções de vida, novos valores e comportamentos, buscas enfim de outras explicações do mundo e da felicidade. Atingiu mesmo muitos daqueles que haviam atuado no movimento estudantil e nos partidos políticos de esquerda. A militância política nos moldes dos anos 60 estava inviabilizada, não apenas porque a ditadura em sua fase mais terrorista havia desestruturado todas as organizações, mas também porque muitos daqueles jovens haviam se transformado naquela incrível trajetória dos anos 60 (PAES, 1997, p. 84) Tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos, a contracultura não se restringiu à música, mesmo que esta, segundo Guerreiro (1994), foi um dos principais veículos de exposição da nova cultura, devido ao fácil acesso através das rádios, mostrando um padrão de comportamento e de filosofia que moveu a juventude nos anos Portanto, várias foram as expressões artísticas que, enquanto rebeldes e contestadoras, enquadram-se na categoria contracultura. Nos Estados Unidos tem-se na literatura o movimento beat, as críticas cômicas da revista MAD, no cinema os filmes de Stanley Kubric, que abordavam temas pouco recorrentes na época, como o uso de drogas, a insanidade e a violência. nas artes plásticas as pinturas pop art de Andy Warol. No Brasil apesar do destaque da música, temos o cinema de Glauber Rocha (iniciando o que hoje conhecemos como Cinema Novo), as pinturas de Hélio Oiticica, a imprensa alternativa veiculada pelo Pasquim e demais. Porém, além de se convergirem neste sentido, os dois movimentos contraculturais possuíam outras 6 Termo criado por Heloísa Buarque para designar Underground (marginal, subterrâneo). Ou seja, póstropicalismo indica a influência do tropicalismo e não a superação espaço-temporal do mesmo.

12 12 características similares como por exemplo a forte crítica social presente nos seus discursos. Segundo Paes (1997) ( ) o inconformismo com os esquemas comerciais e com as imposições dos meios de comunicação de massa, a crítica à sociedade de consumo, a recusa dos modelos anteriores e a busca de maior liberdade temática, técnica ou de linguagem e, ainda, a intenção de provocar a desacomodação e a desalienação (termo característico da época) do espectador (PAES, 1997, p. 8) Ainda mais, os dois movimentos convergem no que concerne às mudanças, mesmo que estas não simbolizassem algo coletivo. A contracultura causou mudanças comportamentais em nível macro e também esteve presente no nível micro, individual, mudando comportamentos, maneiras de perceber o mundo, estilos de vida. Para Amorim (2007), as mudanças que eram almejadas por quem aderia à contracultura estavam no âmbito da micropolítica. Com o intuito de ilustrar nossa comparação entre a contracultura nos Estados Unidos e a contracultura no Brasil a seguir compararemos duas canções e suas letras, uma do cantor e compositor Bob Dylan, famoso pela suas letras de protesto a favor da ampliação dos direitos civis. A outra canção foi composta pelo grupo brasileiro Os Mutantes, um dos precursores do movimento tropicalista, este, segundo nossa opinião, é o movimento com as características mais próximas da contracultura no Brasil. Blowin' In The Wind (Bod Dylan) 7 How many roads must a man walk down Before you can call him a man? How many seas must a white dove sail Before she can sleep in the sand? Yes and how many times must cannonballs fly Before they're forever banned? The answer, my friend, is blowin' in the wind The answer is blowin' in the wind Yes and how many years can a mountain exist Before it's washed to the seas (sea) Yes and how many years can some people exist 7 Optamos por manter a música no idioma original para que não houvesse nenhuma alteração na análise, uma possível tradução está anexada no final do texto.

13 13 Before they're allowed to be free? Yes and how many times must a man turn his head Pretend that he just don't see? The answer, my friend, is blowin' in the wind The answer is blowin' in the wind Yeah and how many times must a man look up Before he can see the sky? Yes and how many ears must one man have Before he can hear people cry? Yes and how many deaths will it take till he knows That too many people have died? The answer, my friend, is blowin' in the wind The answer is blowin' in the wind? Esta canção de Bob Dylan tornou-se um hino da contracultura, sendo regravada nos anos 1960 e 1970 por diversos artistas. A letra faz uma crítica forte a favor dos direitos civis, direito à liberdade, direito à vida, direito de ir e vir, isto fica claro no trecho: Yes and how many years/can some people exist/before they're allowed to be free?/. 8 Além do mais, na letra o compositor critica o ato da guerra em dois momentos específicos, no início e no final da letra: Yes and how many times/must cannonballs fly/before they're forever banned?/ ; 9 Yes and how many deaths/will it take till he knows/that too many people have died?/. 10 Enfim, a maior crítica do compositor nesta letra não se refere às guerras, ou mesmo à ampliação dos direito civis, mas sim à apatia dos homens, que vivem em um mundo de guerras e restrição de direitos e quase nada fazem para mudar a situação. Esta crítica está presente no discurso de muitos pensadores do século XX, como Herbert Marcuse, Adorno e Roszak. Porém foi contra esta apatia que os jovens se uniram com a intenção de mudar o mundo, mesmo que não houve revoluções extremas na sociedade, houve uma mudança de pensamento em busca de melhorias. A crítica fica evidente nestas duas partes da letra: Yes and how many times/must a man turn his 8 Sim e quantos anos pode/ algumas pessoas existir/até que sejam permitidas a serem livres?/. 9 Sim e quantas vezes/ precisará balas de canhão voar/até serem para sempre banidas?/ 10 Sim e quantas mortes/ele causará até ele saber/que muitas pessoas morreram?/.

14 14 head/pretend that he just don't see?/ ; 11 Yes and how many ears/must one man have/before he can hear people cry?/. 12 A seguir apresentamos a letra da música Balada do Louco do grupo brasileiro Os Mutantes. Balada Do Louco (Os Mutantes) Dizem que sou louco por pensar assim Se eu sou muito louco por eu ser feliz Mas louco é quem me diz E não é feliz, não é feliz Se eles são bonitos, sou Alain Delon Se eles são famosos, sou Napoleão Mas louco é quem me diz E não é feliz, não é feliz Eu juro que é melhor Não ser o normal Se eu posso pensar que Deus sou eu Se eles têm três carros, eu posso voar Se eles rezam muito, eu já estou no céu Mas louco é quem me diz E não é feliz, não é feliz Eu juro que é melhor Não ser o normal Se eu posso pensar que Deus sou eu Sim sou muito louco, não vou me curar Já não sou o único que encontrou a paz Mas louco é quem me diz E não é feliz, eu sou feliz A música do grupo brasileiro Os Mutantes, a exemplo da música de Bob Dylan analisada acima, também faz uma crítica ao modo de vida normal dos adultos e à forma como estes construíram o mundo. Aqui o jovem é visto como um louco por pensar diferente das demais pessoas, por sonhar: Dizem que sou louco/por 11 Sim e quantas vezes/pode um homem virar sua cabeça/e fingir que ele simplesmente não vê?/. 12 Sim e quantas orelhas/precisará ter um homem/antes que ele possa ouvir as pessoas chorar?/.

15 15 pensar assim/se eu sou muito louco/por eu ser feliz/. Em sua letra o grupo também critica o consumismo que é resultado direto da produção em massa, da indústria cultural e do tipo de desenvolvimento imposto por países como os Estados Unidos:!Se eles têm três carros/ eu posso voar/se eles rezam muito/ eu já estou no céu/. Porém, diferentemente da crítica presente na música Blowin' In The Wind, a crítica feita aqui é uma sátira indireta, onde o louco é aquele que está fora dos padrões sociais, ou seja o jovem underground. Na letra da música Balada do louco a voz do louco é uma figura representativa de todos os jovens da contracultura, que tenta mostrar para o mundo adulto que é melhor/não ser o normal/se eu posso pensar que Deus sou eu e assim decidir, influenciar, mudar o mundo ao seu redor. É possível perceber nas duas letras analisadas a busca pela mudança partindo dos jovens, para combater a padronização social, cultural e de pensamento. Porém na música brasileira os trocadilhos e o simbolismo são mais presentes, pois, a música foi composta durante o período ditatorial no qual não era possível se expressar diretamente sem que houvesse censura. Não há como negar que as duas músicas são parte da contracultura, mesmo que inseridas em duas realidades sociais, culturais e políticas díspares, algumas características principais são mantidas. Considerações Finais Ao iniciarmos a escrita deste artigo pretendíamos fazer uma análise comparativa voltada mais diretamente para os movimentos contraculturais. Porém, com o desenrolar da pesquisa percebemos que não é possível estudar a cultura isoladamente, pois a mesma está ligada à economia, à política e à sociedade, o que não nos permitiu fixar somente em um determinado objeto. Portanto, o exercício da comparação nos exigiu uma contextualização histórica articulada de diversos acontecimentos que acarretaram no surgimento da contracultura e na sua difusão. O método comparativo nos possibilitou abordar a temática proposta de uma maneira mais articulada e contextualizada, destacando as similaridades e disparidades entre as duas realidades estudadas. Segundo Franco (2000) a comparabilidade emerge da capacidade humana de conhecer fazendo analogias,

16 16 singularizando os objetos, identificando suas diferenças e deixando emergir as semelhanças contextualizadas, suas particularidades históricas. (FRANCO, 2000, p. 207) Percebemos que mesmo em duas realidades históricas diferentes, a juventude estadunidense e a juventude brasileira compartilharam, na década de 1960 principalmente, dúvidas, inquietações, repressões, que as impulsionaram a lutar a favor dos seus ideais. Mesmo que estas mudanças não atingiram a esfera macro-social, boa parte da juventude mudou seu modo de pensar e agir, a sua linguagem, o modo de viver e interagir com a natureza e com a sociedade ao seu redor. A contracultura é um dos movimentos que nos auxiliam na compreensão da juventude da década de 1960, pois conseguiu unir, além dos jovens, suas linguagem e expressões, diversas artes e movimentos numa única prática cultural contra o sistema estabelecido.

17 17 Bibliografia ALVES, Luciano Carneiro. Flores no deserto a Legião Urbana em seu próprio tempo p. História e Cultura. Universidade Federal de Uberlândia: Uberlândia, AMORIM, Bruno Delecave de. A Contracultura no Brasil Disponível em <http://contraculturabrasil.blogspot.com/>, acesso em 12 de janeiro de BOB DYLAN. Blowin In The Wind. The Freewheelin. CARMO, Paulo Sérgio do. Culturas da Rebeldia: a juventude em questão. São Paulo: Editora SENAC, CORTÉS, Tania Arce. Subcultura, contracultura, tribus urbanas y culturas juveniles: homogenización o diferenciación?. Revista Argentina de Sociologia. Buenos Aires. Ano VI, n. 11, p GROPPO, Luis Antonio. O Rock e a Formação do Mercado de Consumo Cultural Juvenil:a participação da música pop-rock na transformação da juventude em mercado consumidor de produtos culturais, destacando o caso do Brasil os anos 80. Campinas, Dissertação (Mestrado), IFCH, Unicamp. GUERREIRO, Goli. Retratos de uma tribo urbana: rock brasileiro. Salvador: Centro Editorial e Didático da UFBA, OS MUTANTES. Balada do Louco. (Arnaldo Baptista/Rita Lee). Mutantes e seus cometas no país dos Baurets, Eldorado. PAES, Maria Helena Simões. A década de 60.Rebeldia, contestação e repressão política. 4 ed. São Paulo: Atica. REALIDADE, Revista. Roberto Carlos: a revolução da juventude. Editora Abril, ano 1, nº 2, ROSZAK, Theodore. A Contracultura. Reflexões sobre a sociedade tecnocrática e a oposição juvenil. 2 ed. Pretópolis: Vozes, 1972.

18 18 Anexos Tradução da letra da música Blowin In the Wind do cantor e compositor Bob Dylan: Soprada no Vento (Bod Dylan) Quantas estradas precisará um homem andar Antes que possam chamá-lo de um homem? Quantos mares precisará uma pomba branca sobrevoar Antes que ela possa dormir na areia? Sim e quantas vezes precisará balas de canhão voar Até serem para sempre banidas? A resposta, meu amigo, está soprada no vento A resposta está soprada no vento Sim e quantos anos pode existir uma montanha Antes que ela seja dissolvida pelo mar? Sim e quantos anos podem algumas pessoas existir Até que sejam permitidas a serem livres? Sim e quantas vezes pode um homem virar sua cabeça E fingir que ele simplesmente não vê? A resposta, meu amigo, está soprada no vento A resposta está soprada no vento Sim e quantas vezes precisará um homem olhar para cima Antes que ele possa ver o céu? Sim e quantas orelhas precisará ter um homem Antes que ele possa ouvir as pessoas chorar? Sim e quantas mortes ele causará até ele saber Que muitas pessoas morreram? A resposta, meu amigo, está soprada no vento A resposta está soprada no vento

A VOZ DISCURSIVA DE BOB DYLAN NA CENOGRAFIA DE BLOWING IN THE WIND : UMA CARACTERIZAÇÃO DO GÊNERO CANÇÕES DE PROTESTO

A VOZ DISCURSIVA DE BOB DYLAN NA CENOGRAFIA DE BLOWING IN THE WIND : UMA CARACTERIZAÇÃO DO GÊNERO CANÇÕES DE PROTESTO A VOZ DISCURSIVA DE BOB DYLAN NA CENOGRAFIA DE BLOWING IN THE WIND : UMA CARACTERIZAÇÃO DO GÊNERO CANÇÕES DE PROTESTO Rosana Ferrareto Lourenço Rodrigues 1 Maria Flávia de Figueiredo Pereira Bollela 2

Leia mais

Movimentos culturais. Contemporaneidade

Movimentos culturais. Contemporaneidade Movimentos culturais Contemporaneidade Nenhum outro acontecimento desde a Guerra da Secessão de 1861-65 provocou tamanha divisão na opinião pública norte-americana como o envolvimento dos Estados Unidos

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL

A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL 1 DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES LICENCIATURA EM LETRAS COM A LÍNGUA INGLESA LITERATURA BRASILEIRA JOÃO BOSCO DA SILVA (prof.bosco.uefs@gmail.com) A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL

Leia mais

Internet: A Rede Revolução

Internet: A Rede Revolução Internet: A Rede Revolução A era da informação. Nunca se teve tanto acesso às notícias como agora. Nunca se recebeu tantas informações e fatos mundiais como hoje. As notícias chegam até nós de forma rápida,

Leia mais

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar A GUERRA FRIA 1. Conceito Conflito político, econômico, ideológico, cultural, militar entre os EUA e a URSS sem que tenha havido confronto direto entre as duas superpotências. O conflito militar ocorria

Leia mais

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960 Maíra Zimmermann Data da defesa: 15/MAIO/2009 Instituição: Centro Universitário Senac No período relativo ao segundo pós-guerra, com o

Leia mais

MANIFESTAÇÕES CONTRACULTURAIS NA DECADA DE 1970: A SOCIEDADE ALTERNATIVA DE RAUL SEIXAS *

MANIFESTAÇÕES CONTRACULTURAIS NA DECADA DE 1970: A SOCIEDADE ALTERNATIVA DE RAUL SEIXAS * MANIFESTAÇÕES CONTRACULTURAIS NA DECADA DE 1970: A SOCIEDADE ALTERNATIVA DE RAUL SEIXAS * MORAES, Átila A. ** A contracultura surge no mundo com uma fonte inovadora de manifestações para os jovens que

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

LITERATURA E MERCADO: Discutindo a poesia marginal sob uma perspectiva Adorniana

LITERATURA E MERCADO: Discutindo a poesia marginal sob uma perspectiva Adorniana LITERATURA E MERCADO: Discutindo a poesia marginal sob uma perspectiva Adorniana Luiza Possebon Ribas 1 (luiza.ribas@gmail.com) O grupo de vanguarda que fazia arte no final dos anos 60 no Brasil - e que

Leia mais

Escola Secundária Ferreira Dias. Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos. Curso técnico de vitrinismo. Disciplina: TIC

Escola Secundária Ferreira Dias. Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos. Curso técnico de vitrinismo. Disciplina: TIC Escola Secundária Ferreira Dias Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos Curso técnico de vitrinismo Disciplina: TIC Professora: Vanda Pereira Novembro de 2013 Índice Introdução... 1 Moda dos

Leia mais

Tribos Urbanas Movimentos de Contracultura e Subcultura Como Forma de Manifestação Política

Tribos Urbanas Movimentos de Contracultura e Subcultura Como Forma de Manifestação Política Tribos Urbanas Movimentos de Contracultura e Subcultura Como Forma de Manifestação Política Tribos Urbanas Termo genérico para Subcultura ou Contracultura Grupo onde os indivíduos partilham de mesmos interesses

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

MPB ou música popular brasileira?

MPB ou música popular brasileira? junho/01 8 o e 9 o anos MPB ou música popular brasileira? A expressão música popular brasileira se refere aos estilos musicais criados no Brasil, por compositores e cantores brasileiros, em língua portuguesa,

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

"CANÇÕES E MOMENTOS: UMA HISTÓRIA DOS ANOS 60" RESUMO O TEMA E A PROPOSTA

CANÇÕES E MOMENTOS: UMA HISTÓRIA DOS ANOS 60 RESUMO O TEMA E A PROPOSTA "CANÇÕES E MOMENTOS: UMA HISTÓRIA DOS ANOS 60" Leticia Viegas Vargas Mara Rosangela Dias dos Santos Marcio Rosa da Cunha Paola Otanha Reyes Spiering 1 Carlos Renato Hees 2 RESUMO O presente artigo dedica-se

Leia mais

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII CATEGORIA: EM

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

SÉRIE 9ª ETAPA 3ª. ENSINO Fundamental. Marta Moura

SÉRIE 9ª ETAPA 3ª. ENSINO Fundamental. Marta Moura Revisão História SÉRIE 9ª ENSINO Fundamental ETAPA 3ª Marta Moura 1. A geração explosiva dos anos 60, conhecidos como anos rebeldes, protestava contra as guerras, a corrida armamentista, o racismo, o poder

Leia mais

Projeto Leve Amor. Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória.

Projeto Leve Amor. Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória. Projeto Leve Amor Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória. Vitória - ES RESUMO Exposição de conteúdo referente a idealização de um projeto

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA.

A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA. A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA. Autora: Mestra Rosicleide Henrique da Silva Universidade Federal de Campina

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

A arte da sobrevivência ou sobre a vivência da arte *

A arte da sobrevivência ou sobre a vivência da arte * DOI: 10.1590/1807-57622013.0890 A arte da sobrevivência ou sobre a vivência da arte * criação The art of survival or about experience of art El arte de la sobrevivencia o sobre la vivencia del arte Carla

Leia mais

Edson Pistori Frente Nacional de Prefeitos. II Seminario Internazionale di Rosario Sessão II A pesquisa

Edson Pistori Frente Nacional de Prefeitos. II Seminario Internazionale di Rosario Sessão II A pesquisa Edson Pistori Frente Nacional de Prefeitos II Seminario Internazionale di Rosario Sessão II A pesquisa Somos sempre o jovem ou o velho de alguém (Pierre Bourdieu) JUVENTUDE: conceitos e sentidos Uma etapa

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

A imprensa brasileira e a representação de Geraldo Vandré como símbolo de protesto contra a ditadura militar

A imprensa brasileira e a representação de Geraldo Vandré como símbolo de protesto contra a ditadura militar A imprensa brasileira e a representação de Geraldo Vandré como símbolo de protesto contra a ditadura militar Dalva Silveira* Resumo O artigo pretende compreender a opção feita pela imprensa brasileira

Leia mais

Movimento Gótico: revelando preconceitos e estereótipos Lucas Fernando Braga da Silva 1

Movimento Gótico: revelando preconceitos e estereótipos Lucas Fernando Braga da Silva 1 Movimento Gótico: revelando preconceitos e estereótipos Lucas Fernando Braga da Silva 1 RESUMO: Este trabalho procura refletir sobre a imagem criada para os góticos como estranhos, vândalos e rebeldes.

Leia mais

GUERRA FRIA 1945 1991

GUERRA FRIA 1945 1991 GUERRA FRIA 1945 1991 Guerra Fria 1945-1991 Conceito: Conflitos políticos, ideológicos e militares (indiretos), que aconteceram no pós guerra entre as duas potências mundiais EUA e URSS entre 1945-1991.

Leia mais

E.E. Dr. João Thienne Geografia

E.E. Dr. João Thienne Geografia E.E. Dr. João Thienne Geografia INTRODUÇÃO O presente trabalho é sobre conflitos no Cáucaso, mais concretamente o caso da Chechênia. São objetivos deste trabalho adquirir conhecimentos sobre o assunto,

Leia mais

Aurora na praça da Paz Celestial

Aurora na praça da Paz Celestial Aurora na praça da Paz Celestial CONCEITOS A EXPLORAR F ilosofia Ideologia. Moral e ética. Política. Razão. Liberdade. A rte Comparação entre a arte ocidental e a arte oriental. A influência da cultura

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

As Novas Migrações Internacionais

As Novas Migrações Internacionais As Novas Migrações Internacionais As novas migrações ganharam novas direções, as realizações partem de países subdesenvolvidos para países desenvolvidos, e o novo modelo de migração internacional surge

Leia mais

POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations

POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations Andréa Roloff Lopes * HUGGINS, Martha K. Polícia e Política: relações Estados Unidos/América

Leia mais

Poder: Jornal Fortuna

Poder: Jornal Fortuna Aqui você enriquece sua leitura Jornal Fortuna Volume 1, edição 1 Data do boletim informativo Nesta edição: Poder: Há vários tipos de poder, poder militar, poder da natureza, poder político, o poder da

Leia mais

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência (Artigo publicado no livro Violência & Juventude, editora Hucitec, 2010) Este texto pretende apresentar

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias - ARTE Ensino Médio, 3ª Série POP ART / CARACTERÍSTICAS E MANIFESTAÇÕES

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias - ARTE Ensino Médio, 3ª Série POP ART / CARACTERÍSTICAS E MANIFESTAÇÕES Linguagens, Códigos e suas Tecnologias - ARTE Ensino Médio, 3ª Série POP ART / CARACTERÍSTICAS E MANIFESTAÇÕES ONDE E QUANDO? A partir do fim dos anos 50, simultaneamente, nos Estados Unidos e na Inglaterra.

Leia mais

Mulheres dos Anos Dourados

Mulheres dos Anos Dourados Os Anos Dourados O otimismo do pós-guerra, as esperanças no futuro próximo e a sensação de que o país alcançaria de vez a modernidade ainda hoje dão saudades a muita gente. A nostalgia de uma época que

Leia mais

A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE

A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE 11º Colóquio de Moda 8ªEdição Internacional 2º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda 2015 A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE The youth fashion

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

A IMPRENSA ALTERNATIVA FEMININISTA NA RESISTÊNCIA À DITADURA CIVIL-MILITAR BRASILEIRA

A IMPRENSA ALTERNATIVA FEMININISTA NA RESISTÊNCIA À DITADURA CIVIL-MILITAR BRASILEIRA A IMPRENSA ALTERNATIVA FEMININISTA NA RESISTÊNCIA À DITADURA CIVIL-MILITAR BRASILEIRA SILVA, Izabel Pimentel da (Orientadora) 1 MELO, Dominique Almeida 2 Palavras-Chave: Imprensa Alternativa. Ditadura.

Leia mais

Financiou sua reconstrução com empréstimos norte americanos.

Financiou sua reconstrução com empréstimos norte americanos. No início dos anos 20, a Europa foi sacudida por uma onda de greves e por um crescente desemprego, provocado pela queda da produção agrícola e industrial. Financiou sua reconstrução com empréstimos norte

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o texto e responda às questões 1 e 2. O primeiro de maio estava sendo comemorado na vila de esportes do Sindicato dos Têxteis.

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Claro Oliveira, Celso Fernando Estudos

Leia mais

Série. MAT Disciplina: Arte Professor: FERNANDA CARDOSO ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO

Série. MAT Disciplina: Arte Professor: FERNANDA CARDOSO ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO Polícia Militar do Estado de Goiás CPMG Hugo de Carvalho Ramos Ano Letivo - 2015 Série ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO - Todas essas atividades, tanto as perguntas como respostas deverão ser COPIADAS E RESPONDIDAS

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

A JUVENTUDE ELITISTA E A DITADURA MILITAR NO BRASIL

A JUVENTUDE ELITISTA E A DITADURA MILITAR NO BRASIL A JUVENTUDE ELITISTA E A DITADURA MILITAR NO BRASIL Amábile Sperandio 1 Universidade Estadual de Londrina GT6 - Poder, Política e Estado Resumo: Este artigo introduzirá algumas questões que serão melhores

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Elaine Ramos Clariano da Silva 1

Elaine Ramos Clariano da Silva 1 I KNOW IT S ONLY ROCK AND ROLL : Eu sei é só Rock. Elaine Ramos Clariano da Silva 1 Resumo O Programa Nossa Escola Pesquisa a Sua Opinião desenvolvido em junho de 2009 no Colégio Estadual Tiradentes, apresentou

Leia mais

República Popular Chinesa (1912-1949)

República Popular Chinesa (1912-1949) China atual Revolução Chinesa Primeiro momento (1911): revolução nacionalista contra neocolonialismo, liderada por SunYat-sen e fundador do Kuomitang (Partido Nacionalista) Segundo momento (1949): revolução

Leia mais

SOCIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 06 DESIGUALDADE SOCIAL

SOCIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 06 DESIGUALDADE SOCIAL SOCIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 06 DESIGUALDADE SOCIAL y (-) Vulnerabilidade Desvinculação x (+) (-) 0 Inserção Vulnerabilidade (+) Como pode cair no enem A violência de cada dia A violência normalmente é

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 África: Colonização e Descolonização H40 2 Terrorismo H46 3 Economia da China H23 4 Privatizações

Leia mais

Consumption of fashion, culture and city: a look at the Vila Madalena (SP)

Consumption of fashion, culture and city: a look at the Vila Madalena (SP) CONSUMO DE MODA, CULTURA E CIDADE: UM OLHAR PARA A VILA MADALENA (SP) Consumption of fashion, culture and city: a look at the Vila Madalena (SP) Resumo Nunes, Luisa da Conceição; Graduando; Universidade

Leia mais

A MÚSICA COMO PRODUTO DA INDÚSTRIA CULTURAL E SUA PRESENÇA NA SOCIEDADE

A MÚSICA COMO PRODUTO DA INDÚSTRIA CULTURAL E SUA PRESENÇA NA SOCIEDADE A MÚSICA COMO PRODUTO DA INDÚSTRIA CULTURAL E SUA PRESENÇA NA SOCIEDADE Rafaela Mano Graduanda em História pela Universidade Estadual de Maringá Resumo: O presente artigo visa apresentar a função social

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

Conteúdos: Gêneros musicais: Rock. Revisão. Avaliação

Conteúdos: Gêneros musicais: Rock. Revisão. Avaliação Conteúdos: Gêneros musicais: Rock Revisão Avaliação Habilidades: Valorizar as diversas culturas musicais, especialmente as brasileiras Habilidades: Reconhecer e utilizar com propriedade diversas técnicas

Leia mais

MÚSICA NA ESCOLA: EXPRESSÃO SILENCIADA

MÚSICA NA ESCOLA: EXPRESSÃO SILENCIADA MÚSICA NA ESCOLA: EXPRESSÃO SILENCIADA Autora: Patrícia Fernanda Carmem Kebach 1 Resumo: Este artigo pretende abordar a importância de se trabalhar a educação musical, tanto em ambientes formais, quanto

Leia mais

PROJETO FAZENDO ARTE ESPÍRITA

PROJETO FAZENDO ARTE ESPÍRITA 1. IDENTIFICAÇÃO PROJETO FAZENDO ARTE ESPÍRITA Elaborado pelos jovens, participantes da COJEDF de 2004 Executante: Diretoria de Infância e Juventude/DIJ da Federação Espírita do Distrito Federal/FEDF Previsão

Leia mais

História da Educação Cumprimentos

História da Educação Cumprimentos História da Educação Cumprimentos Burguesia Passagem da Idade Moderna para a Idade Contemporânea Fins do século XVIII Início do século XIX Ascensão dos ricos burgueses ao poder Burguesia Revoluções Burguesas

Leia mais

Anos Rebeldes. Módulo 4

Anos Rebeldes. Módulo 4 Anos Rebeldes Módulo 4 Introdução A mostra A Persistência da Memória¹ apresenta a trajetória das obras que compõem o acervo de arte do Museu de Valores do Banco Central do Brasil. Não se trata de apresentar

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica Danilo L. Brito (UFRJ) A arte tem sido alvo de discussões de diferentes teóricos ao longo da história, desde os gregos, com sua concepção

Leia mais

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA RAVENA FLÁVIA MEDEIROS DE FREITAS, POLIANA SALDANHA DE SOUSA, PATRICIA FERREIRA DOS SANTOS, AIVONEIDE DE OLIVEIRA

Leia mais

Mudança e transformação social

Mudança e transformação social 7 Mudança e transformação social Unidade Não existem sociedades sem mudanças. Há transformações maiores, que atingem toda a humanidade, e menores, que acontecem no cotidiano das pessoas. Normalmente elas

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Causas da Hegemonia atual dos EUA Hegemonia dos EUA Influência Cultural: músicas, alimentações, vestuários e língua Poderio Econômico: 20% do PIB global Capacidade Militar sem

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

Relações Públicas nas entidades do terceiro setor: uma ação para construir

Relações Públicas nas entidades do terceiro setor: uma ação para construir Relações Públicas nas entidades do terceiro setor: uma ação para construir cidadania Aline Fernanda Lima resumo no decorrer do Novecentos observa-se o crescimento das desigualdades sociais, o esvaziamento

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro

Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Vítor Quartezani 1 Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Trabalho de Conclusão de Curso em Forma de Projeto

Leia mais

INSTITUCIONAL ZEZÉ DI CAMARGO & LUCIANO

INSTITUCIONAL ZEZÉ DI CAMARGO & LUCIANO APRESENTA INSTITUCIONAL ZEZÉ DI CAMARGO & LUCIANO ASSISTA O VÍDEO RELEASE! The image cannot be displayed. The ima ge UMA HISTÓRIA DE TALENTO E SUCESSO DE UMA CARREIRA QUE POSSUI NÚMEROS MAIS QUE EXPRESSIVOS

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR É parte de um Sistema Nacional

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes).

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). RESUMO: O principal objetivo deste artigo é apresentar os problemas relacionados

Leia mais

A Nova Guerra: uma introdução 1

A Nova Guerra: uma introdução 1 A Nova Guerra: uma introdução 1 The New War: an introduction Luiz Felipe Machado Villanova 2 Resumo: o presente texto tem como fim introduzir o leitor ao conceito de guerra revisto por Antonio Negri e

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

A influência da Pin-Up Americana no estereótipo da imagem feminina na revista O Cruzeiro.

A influência da Pin-Up Americana no estereótipo da imagem feminina na revista O Cruzeiro. A influência da Pin-Up Americana no estereótipo da imagem feminina na revista O Cruzeiro. The influence of American Pin-Up on the feminine stereotipy in the magazine O Cruzeiro. Paola Zambon Azevedo -

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 9º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Crianças e adolescentes. Lucas 18:15.17

Crianças e adolescentes. Lucas 18:15.17 Crianças e adolescentes Lucas 18:15.17 Quem tem ensinado as nossas crianças? Nós ou Eles? Jogos eletrônicos Os jogos eletrônicos hoje em dia, cada vez mais próximo da realidade, que incitam a violência,

Leia mais