Estados Unidos e América Latina: o caso de Cuba no pós-guerra fria

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estados Unidos e América Latina: o caso de Cuba no pós-guerra fria"

Transcrição

1 GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina Estados Unidos e América Latina: o caso de Cuba no pós-guerra fria Isabella Duarte Pinto Meucci 1 Resumo: As interferências diretas dos Estados Unidos em Cuba foram iniciadas ainda nas guerras de independência. Posteriormente, a Revolução Cubana e a aproximação do país com o Bloco Socialista fizeram com que a política externa norte-americana se voltasse para um modelo de contenção, que tinha por objetivo reprimir o avanço do comunismo no hemisfério ocidental. Com o fim da Guerra Fria, a política externa dos Estados Unidos buscou um novo referencial para justificar suas intervenções no continente americano, principalmente em Cuba. A compreensão desse novo referencial é fundamental para que se possa entender a continuidade de políticas hostis em relação à Ilha, principalmente a manutenção formal do bloqueio econômico. Analisar a política externa norte-americana para com Cuba fornece, não apenas os mecanismos para a compreensão de tal referencial, como também o entendimento de como tais políticas estão voltadas para uma prática imperialista que se estende a todo o continente latinoamericano. Palavras-chave: Estados Unidos; Cuba; América Latina; política externa; imperialismo. A independência cubana e a interferência norte-americana Em 1898, após um período de trinta anos e duas guerras de independência, Cuba estava livre do domínio europeu, sendo a última colônia espanhola da América Latina a se emancipar. No entanto, ao status de colônia espanhola conferido a Cuba foi incorporada a dependência econômica para com os Estados Unidos (AYERBE, 2004, p.22). A presença norte-americana em Cuba já era constante, antes mesmo da Ilha se tornar independente do 1 Mestranda em Ciência Política na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e Bacharel em Ciências Sociais pela mesma universidade. O presente artigo é resultado do Projeto de Iniciação Científica, intitulado Relações Cuba Estados Unidos: a política externa norte americana no pós- Guerra Fria, sob a orientação do Prof. Dr. Shiguenoli Miyamoto, com o financiamento do PIBIC, na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) no período compreendido entre GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina 121

2 domínio espanhol. O país já havia passado à esfera de influência econômica dos interesses norte-americanos, que se voltavam para o açúcar, o minério de ferro, o tabaco e as ferrovias. Para Moniz Bandeira (1998), os interesses dos Estados Unidos eram diretos, não apenas relacionados ao açúcar e ao tabaco, mas também às questões estratégicas. A posse da Ilha era percebida como fundamental para a segurança das rotas no Golfo do México e para a defesa do canal que o governo norte-americano pretendia abrir no Panamá. O historiador Richard Gott (2004) declara que as sementes da intervenção norteamericana são ainda mais antigas. Em 1823 entrou em vigor a Doutrina Monroe, no governo de James Monroe ( ). Por meio dessa doutrina, os Estados Unidos lançaram as bases de sua influência no continente americano antes mesmo de começarem seu envolvimento no sistema internacional (SANTOS, 2007). A Doutrina Monroe, que surgiu diante de ameaças de recolonização da América por parte das metrópoles européias, estendeu a garantia de segurança interna a todo o continente, preservando a excepcional República norte-americana e a segurança hemisférica. Em nome dessa suposta segurança, os Estados Unidos não só combateram potências e imperialismos rivais, como também formas de organizar a sociedade, a economia, a cultura e a política que não estivessem condizentes com os interesses e o modo de vida norte-americano. A Doutrina Monroe garantiu, assim, a América para os americanos, como almejaram os Estados Unidos, auxiliando nas guerras de independência do México, América Central e do Sul, e promovendo a emancipação política da América Latina. Em 1845, o Destino Manifesto associou-se à Doutrina Monroe, garantindo não só a América para os americanos, mas também colocando os Estados Unidos como únicos e legítimos protagonistas dessa ação. Para os norte-americanos, sua missão divina era civilizar regiões que não tiveram a mesma sorte que sua nação. Nesse sentido, essas duas doutrinas justificaram e impulsionaram a ação expansionista dos Estados Unidos na América Latina, principalmente após a consolidação de seu Estado moderno e de seu desenvolvimento econômico com o fim da Guerra de Secessão, em A Guerra Hispano-americana (1898), que culminou na emancipação de Cuba, Porto Rico, Guam e as Filipinas, representou a legitimação dessa política externa expansionista, proclamada muitos anos antes. Como parte da Guerra Hispano-americana, a intervenção dos Estados Unidos no desfecho da segunda guerra de independência cubana foi determinante para o resultado final do processo. Espanha e Estados Unidos põem-se de acordo para evitar que os representantes do povo cubano, que haviam lutado durante trinta anos, participassem da assinatura do GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina 122

3 tratado, não sendo concedida aos mesmos qualquer participação no governo após a retirada das tropas espanholas. Segundo Moniz Bandeira, os Estados Unidos, ao assumirem o domínio sobre o espólio colonial da Espanha, revelaram o caráter imperialista de sua política, que se equiparou a de outras potências da Europa, àquela época, e assustou os povos da América Latina (MONIZ BANDEIRA, 1998, p.34). Posteriormente, o governo de Theodore Roosevelt ( ) caracterizou a plena realização da política externa intervencionista norte-americana tanto em Cuba como no restante da América Latina através do Corolário Roosevelt, ou Big Stick. Por meio da garantia do direito de intervir nos assuntos internos e externos das repúblicas caribenhas e centroamericanas através da força, os Estados Unidos mantiveram as pressões sobre o governo cubano recém emancipado da Espanha (SCHILLING, 1984). Como reforço dessa política de intervenção, em 1901, aprovou-se a Emenda Platt, consolidando o domínio norte-americano sobre Cuba. Sob a ameaça de continuar ocupando militarmente a Ilha por um período indefinido, os Estados Unidos obrigaram Cuba a incorporar essa emenda como apêndice de sua primeira Constituição. Por meio desse apêndice, a Ilha aceitaria a tutela econômica e militar dos Estados Unidos, o que incluía o direito aos norte-americanos de instalar bases militares e portos em Cuba, além de concessões territoriais e privilégios econômicos que violavam a soberania política do país. Aprovada em 1901, a Emenda Platt vigorou até 1934, quando foi revogada no governo de F. Roosevelt ( ) sob a Política da Boa Vizinhança. Durante esse período, o direito de intervenção garantido pela emenda aos Estados Unidos foi amplamente posto em prática, como demonstraram diversas intervenções, de 1906 a 1909, 1912 e de 1917 a 1923 (MORRONE, 2008). Para Gott (2004), essa emenda foi um dos documentos definidores da era imperial, perdurando por muito tempo mesmo depois de revogada. Os governos cubanos que sucederam o período pós-colonial estavam associados aos interesses norte-americanos, pois foram ocupados por altos setores da sociedade colonial, defensores de uma política de anexação. Segundo Sader (2001), Cuba passou a ser uma pseudo-república, além de uma neocolônia no plano econômico, tutelada pela presença dos Estados Unidos. Dessa forma, a situação de Cuba, desde o fim da dominação espanhola, era caracterizada por uma relação de dominação econômica, política, social e cultural com os Estados Unidos (SADER, 2001). Como observa Ayerbe (2004), a participação norteamericana no processo de independência cubano, frustrou expectativas de liberdade e soberania que alimentavam o movimento de independência desde o início. Para o autor a GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina 123

4 desilusão com o desfecho, será fator essencial na formação de uma singular consciência nacionalista, que passa a reivindicar uma terceira guerra emancipatória, desta vez contra os Estados Unidos (AYERBE, 2004, p.25-6). O clima social tornou-se conturbado com o passar dos anos, exigindo regimes políticos cada vez mais duros e subservientes aos interesses das grandes empresas norteamericanas e a Washington. Em meio à violência, corrupção e intervenções militares, existia um clima de insatisfação de grandes parcelas populares que não haviam renunciado a seus objetivos de libertação nacional e que combatiam a submissão de Cuba ao poder norteamericano. Essa situação propiciou o surgimento de insatisfações internas e formação de grupos revolucionários que buscavam o fim da relação de submissão com os Estados Unidos. Em 1952, Fulgêncio Batista liderou um golpe militar, apoiado pelos Estados Unidos, que suspendeu a Constituição e lhe garantiu a presidência. Segundo Morrone (2008), o regime de Batista foi marcado pela corrupção no governo, pela violência da polícia, e principalmente, pela indiferença às necessidades básicas da população em relação à educação, habitação, saúde, justiça e progresso social. Enquanto isso, uma minoria, obviamente vinculada ao seu governo e aos capitais norte-americanos, era beneficiada e gozava de um alto nível de vida. Essa situação contrariou as expectativas da população, que esperava um governo que respondesse aos anseios sociais. Dessa forma, a postura ditatorial do regime de Batista deu margem à organização de movimentos de resistência, inaugurando um novo período para o movimento oposicionista. Iniciou-se, assim, a luta contra uma ditadura que favorecia os interesses norte-americanos. Em Sierra Maestra, com a incorporação e o apoio da população do campo, surgiu a força motora do novo movimento revolucionário, o Exército Rebelde, que agregava o antigo Movimento 26 de Julho e as novas forças incorporadas à luta. O novo movimento foi conduzido por Fidel Castro, seu irmão Raul Castro e Che Guevara. Os três comandaram as ações revolucionárias oriundas do campo que, em consonância com o fortalecimento dos movimentos das cidades, desenvolveram a ofensiva final contra Batista (MORRONE, 2008). Até março de 1958 os Estados Unidos apoiaram o regime de Batista econômica, política e militarmente. No entanto, quando perceberam o crescimento da insatisfação e a iminente força da guerrilha, passaram a promover uma política voltada para a saída de Batista com êxito, evitando assim uma revolução. Sem o apoio e o respaldo norte-americanos, e sob a ameaça do movimento revolucionário, em 31 de dezembro de 1958, Batista abandonou o poder e fugiu para República Dominicana. GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina 124

5 O impacto da Revolução e o recrudescimento das relações Em 1º de janeiro de 1959, o movimento guerrilheiro conquistou poder. Fidel Castro foi nomeado primeiro ministro, e em seu discurso de posse declarou que naquele momento Cuba havia travado sua última batalha por independência e liberdade. O processo revolucionário, que derrubou Batista, retomou a trajetória dos movimentos por independência do século XIX, vinculando libertação nacional e social. A Revolução Cubana tornou-se uma grande preocupação para política externa dos Estados Unidos, visto que afetou suas relações históricas de interferência em Cuba, ao mesmo tempo em que representou um perigo para a hegemonia norte-americana no continente. O temor dos Estados Unidos era que o novo modelo adotado em Cuba pudesse ser visto pelos países do chamado Terceiro Mundo como uma via pacífica e não capitalista de desenvolvimento (MORLEY;MCGILLION, 2002). Dessa forma, à medida que a revolução se concretizava, através de mudanças estruturais e sociais, os Estados Unidos compreendiam que deveriam modificar suas ações em toda a América Latina para evitar que o mesmo ocorresse em outros países do continente. Administrações posteriores buscaram promover mudanças estruturais nos países latino-americanos para evitar que revoluções ocorressem, como foi o caso da Aliança para o Progresso, implantada no governo Kennedy ( ). Ao mesmo tempo em que se modificou a política externa dos Estados Unidos em relação aos países latino-americanos, também se consolidaram intervenções e pressões que possibilitassem a derrubada do regime de Fidel Castro. A partir de 1960, a política de retaliação norte-americana pode ser vista de forma mais clara com o fim da administração Eisenhower ( ) e as posteriores administrações de Kennedy e Johnson (AYERBE, 2002). As intervenções estavam voltadas tanto para uma derrubada do regime, através força, quanto por pressões econômicas que visavam enfraquecer as conquistas do novo governo. Durante os anos que se seguiram à Revolução, foram comuns os bombardeios da Ilha por aviões norte-americanos, o recrutamento de exilados a fim de desencadear ações paramilitares, a destruição de canaviais por meio de produtos químicos, além da recusa em comprar o açúcar cubano e a interrupção do abastecimento de petróleo. Segundo Sader (2001), todos esses fatores produziram uma rápida deterioração nas relações entre os dois governos. Em abril de 1961, o governo Kennedy promoveu a invasão do sul de Cuba, na chamada Baía dos Porcos. A ação foi organizada por grupos guerrilheiros de cubanos contra- GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina 125

6 revolucionários treinados pela Central Intelligence Agency (CIA). O objetivo era derrotar militarmente o governo cubano e promover o fim da revolução. No entanto, esses guerrilheiros foram derrotados em três dias pelas forças cubanas e pela população. O governo Kennedy precisou assumir publicamente a responsabilidade pelo acontecimento, que foi organizado na surdina, como mais um ato de sabotagem e terrorismo do governo norteamericano em relação a Cuba. Do lado cubano, Fidel Castro pôde declarar que o imperialismo norte-americano havia sofrido sua primeira derrota na América (MONIZ BANDEIRA, 1998). De acordo com Sader (1985), o desenvolvimento desses acontecimentos compunha um quadro global de mudança histórica na Revolução Cubana. De um processo democrático radical de derrubada da ditadura de Batista e a implantação de um programa de democratização ampla da sociedade, ela passou a enfrentar a resistência de grandes empresas norte-americanas no país e dos setores da burguesia cubana ligadas a elas e do próprio governo dos Estados Unidos no plano externo. À medida que o governo revolucionário se afastava dos vínculos com o capitalismo norte-americano, a burguesia cubana deixava o país em direção a Miami, esperando que uma nova intervenção de Washington logo os recolocasse no desfrute de seus privilégios na Ilha. As pressões norte-americanas passaram a influenciar as relações de Cuba com os demais países do continente. Em 1962, a Organização dos Estados Americanos (OEA) se viu obrigada pelos Estados Unidos a expulsar Cuba do organismo. Alegando que o regime revolucionário exportava a subversão para o restante do continente, a ação da OEA desencadeou uma sucessão de rupturas nas relações de governos latino-americanos com Cuba, com exceção do México. Para Sader (1985), essa medida teve repercussões internacionais, obrigando Cuba a aprofundar suas relações com países socialistas e com nações da Europa ocidental, como Espanha e Suécia. Além dos problemas nas relações externas, o bloqueio econômico e diplomático proposto por Washington em fevereiro de 1962, aumentou as dificuldades materiais na Ilha a fim de provocar uma crise de privações e insatisfação popular, acreditando que assim seria gerado um movimento interno contra a revolução. Outra modalidade da política externa norte-americana em relação a Cuba, como destaca Morrone (2008), estava relacionada à emigração. Os Estados Unidos se mantiveram como o principal receptor de emigrados cubanos, e desde os primeiros momentos os conceberam como base social da contra-revolução. Em 1963, o Presidente Kennedy acentuou esse estímulo em favor das saídas, anunciando que, os cubanos que chegassem aos Estados Unidos diretamente da Ilha, seriam recebidos como refugiados, enquanto que os que GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina 126

7 procurassem entrar através de terceiros países seriam considerados estrangeiros e deveriam obedecer a todos os requisitos migratórios norte-americanos. Dessa forma, converteu-se o tema migratório em um componente constante no conflito histórico entre Cuba e Estados Unidos e, conseqüentemente, diferenciou os emigrados cubanos dos demais emigrados latinos, convertendo-os em singulares na política doméstica e na política externa norteamericana. Segundo Ayerbe (2002), essas práticas de intervenção dos Estados Unidos foram comuns em muitos países da América Latina, como é o caso da Guatemala, da Bolívia e da Argentina. As modalidades de intervenção estavam associadas a isolamentos diplomáticos e pressões econômicas. No entanto, o caso de Cuba representou um alcance nunca antes visto em relação a essas pressões. As medidas utilizavam boicote econômico, desestabilização política e sabotagens que acabaram por desempenhar um papel decisivo nos rumos da revolução, tanto no plano interno como nas relações exteriores. Moniz Bandeira (1998) afirma que todas essas pressões norte-americanas, que visavam o fim do regime de Castro, acabaram por promover a aliança de Cuba ao regime soviético. Segundo o autor, essa não era uma união inevitável, mas os Estados Unidos não deixaram outra opção ao país que não fosse aliar-se ao comunismo soviético, a fim de assegurar o respaldo econômico, político e militar da URSS. Para o governo norte-americano, a aliança de Cuba com a União Soviética, em plena Guerra Fria, representava não apenas um comprometimento de seus interesses como também um perigo de expansão comunista no continente americano. O momento de maior crise, tanto da relação entre os dois países, como de toda a Guerra Fria, aconteceu em outubro de Os Estados Unidos consideraram o aparecimento de seis bases de mísseis soviéticos em Cuba como uma grande ameaça à sua segurança nacional. O governo norte-americano afirmou que não hesitaria em utilizar armas nucleares contra a iniciativa da URSS. Durante os treze dias de negociações entre Estados Unidos e União Soviética, o temor de uma guerra nuclear havia atingido níveis mundiais. No entanto, os soviéticos optaram pela retirada dos mísseis a fim de evitar uma catástrofe. Deve-se ressaltar que, embora Cuba tenha sido o foco de um possível enfrentamento nuclear, as potências envolvidas não consideraram qualquer interferência do governo revolucionário. Segundo Moniz Bandeira (1998), a resolução para o episódio da Crise dos Mísseis desagradou Fidel Castro, visto que em nenhum momento o governo de Cuba foi consultado sobre a negociação. Após a Crise dos Mísseis, governantes norte-americanos compreenderam que qualquer intervenção direta em Cuba significaria o início de um conflito de proporções mundiais. Além GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina 127

8 de não contar com o apoio da opinião pública na América Latina, nem na Europa Ocidental, nem mesmo dentro dos Estados Unidos, uma ação unilateral norte-americana para derrubar o governo de Castro poderia acarretar conseqüências ainda mais graves no contexto internacional. Uma intervenção armada não contaria com qualquer respaldo para se opor a uma represália da União Soviética na Europa Ocidental ou na Ásia (MONIZ BANDEIRA, 1998). Dessa forma, de 1963 a 1977, nos governos de L. Johnson ( ), R. Nixon ( ) e G. Ford ( ), as ações contra o governo cubano foram marcadas por violações do espaço aéreo, financiamento de grupos contra-revolucionários, pressões para que demais países cumprissem o bloqueio econômico, além de diversas tentativas de atentados contra os líderes da Revolução. No entanto, nenhum enfrentamento direto entre os dois países ocorreu após a Crise dos Mísseis. Em 1977, quando o governo Carter ( ) buscou mudar a face do império agressivo e sem escrúpulos, algumas negociações ocorreram. No entanto, a eleição de R. Reagan em 1980 promoveu uma mudança na política externa norte-americana, que reativou a política do Big Stick e retomou o mito do excepcionalismo dos Estados Unidos, promovendo uma política extremamente conservadora. Em seus dois mandatos ( ), Reagan apresentou uma reformulação da política externa, que tinha por objetivo principal conter o avanço soviético e a ideologia comunista, fatores que contribuíram para o enfraquecimento da União Soviética e para o encaminhamento do fim da Guerra Fria. As análises até aqui apresentadas demonstraram que as interferências norteamericanas em Cuba possuíram, primeiramente, um caráter de promoção da soberania no continente. Aliando a Doutrina Monroe ao Destino Manifesto, a política externa norteamericana pôde se expandir em toda a América Latina, influenciando a história desses países em diversos momentos. A especificidade das relações dos Estados Unidos com Cuba surge após a Revolução Cubana, que modifica as estruturas políticas e sociais do país. Nesse momento, foram as mudanças cubanas que acabaram influenciando uma mudança na política externa dos Estados Unidos. Sucessivos governos norte-americanos buscaram não só derrubar o regime de Fidel Castro, como também conter qualquer novo movimento que pudesse evoluir para uma revolução no restante da América Latina. Nesse sentido, as relações com Cuba durante o período da Guerra Fria, e após a Revolução, passaram a ser justificadas por meio de uma política que visava conter a expansão do comunismo. A derrocada do bloco GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina 128

9 soviético e o fim da Guerra Fria criaram a necessidade de novos paradigmas para justificar a continuidade das políticas hostis em relação a Cuba. A política norte-americana para Cuba no pós-guerra Fria Em 1989, as transformações ocorridas no Leste Europeu após a queda do Muro de Berlim e o colapso da União Soviética representaram o fim da ameaça comunista duramente enfrentada pelos Estados Unidos no período da Guerra Fria. Dessa forma, faria sentido que as relações com Cuba, a partir desse momento, deixassem de ser conflituosas e passassem a uma normalização gradual, visto que sem o respaldo da União Soviética, a Ilha deixaria de constituir uma ameaça ideológica de grande escala. Cuba não seria mais um perigo no que se refere à exportação do comunismo e da revolução no hemisfério ocidental (MORRONE, 2008). Segundo Moniz Bandeira (1998), até mesmo Fidel Castro esperava que com o fim do bloco comunista e a não derrocada de Cuba em virtude do bloqueio econômico, restaria aos Estados Unidos reformar sua política e aproximar-se da Ilha, que teria sua posição fortalecida em virtude de tais acontecimentos (MONIZ BANDEIRA, 1998). No entanto, para os Estados Unidos, as transformações ocorridas após 1989 criaram a expectativa de que sem o apoio da União Soviética, a queda do regime de Fidel Castro seria apenas uma questão de tempo. Apesar do fim da Guerra Fria representar o surgimento de um período difícil em Cuba, chamado por Castro de Período Especial em Tempos de Paz, a adoção de medidas internas e o reordenamento da economia possibilitaram a continuidade do regime, contrariando previsões norte-americanas. Dessa forma, ao sobreviver ao desaparecimento de todos os países socialistas do leste europeu, incluindo a URSS, Cuba demonstrou que manteve diferenças essenciais com aqueles regimes (SADER, 2001). O momento era propício para que as relações com os Estados Unidos pudessem ser normalizadas de forma gradual. No entanto, como já mencionado, a esperança norte-americana era de que as dificuldades econômicas da Ilha pudessem promover a derrubada de Fidel Castro por meio de um golpe interno. Quando a situação não pareceu caminhar para essa vertente, os governos norte-americanos continuaram suas políticas hostis em relação a Cuba. De acordo com Morley e McGillion (2002), durante as cinco décadas posteriores à Revolução, presidentes americanos, tanto democratas quanto republicanos, liberais ou conservadores, revelaram uma relutância em aceitar a permanência de Cuba como símbolo de resistência às ambições imperiais dos Estados Unidos. Essas administrações mantiveram as GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina 129

10 sanções políticas e econômicas colocadas em prática nos anos sessenta, ao mesmo tempo em que procuraram por uma mistura de coerção com diplomacia para atingir um único objetivo: o fim do legado de Castro e de suas estruturas institucionais. A mudança do contexto global que se seguiu ao fim da Guerra Fria, entretanto, eliminou o motivo pelo qual a política de segurança dos Estados Unidos continuava sendo apoiada dos anos sessenta aos oitenta. Os governos de George H.Bush ( ), Bill Clinton ( ) e George W.Bush ( ) recusaram em ponderar qualquer nova avaliação das premissas fundamentais que regiam as políticas para Cuba, ou qualquer possibilidade de mudança nas transformações da política econômica cubana. Na verdade, nem as mudanças na política externa cubana, nem o fim da União Soviética poderiam mudar a ordem das prioridades de Washington. De acordo com Morley e McGillion (2002), primeiro se exigia uma transição política na Ilha para que depois se pudesse conversar sobre um reatamento. Em 1992 foi aprovada pelo Congresso norte-americano a Lei de Democracia Cubana, que também ficou conhecida por Lei Torricelli. Os objetivos da Lei Torricelli consistiram em dois principais temas, o comércio e a democracia. Com o intuito de prejudicar e isolar o comércio de Cuba, acentuaram-se sanções econômicas através de três medidas: proibição de subsidiárias norte-americanas de comercializar com Cuba; proibição de que navios estrangeiros que aportassem em Cuba carregassem ou descarregassem em portos norteamericanos por um período de seis meses; e punição com sanções econômicas a países terceiros que prestassem assistência a Cuba. Todas essas sanções econômicas, bem como a Lei Torricelli, só seriam revogadas caso ocorressem em Cuba eleições democráticas semelhantes ao modelo ocidental e que fossem supervisionadas internacionalmente. Como era esperado, a Lei Torricelli causou uma substancial reação internacional contra o caráter unilateral e extraterritorial de seus principais preceitos. Deve-se ressaltar que essa lei foi inicialmente rejeitada por George H. Bush, mas posteriormente apoiada quando o então presidente percebeu que parcelas significativas do eleitorado norte-americano estavam em questão. Nesse contexto, a condução de novas medidas adotadas pelos Estados Unidos em relação a Cuba passou a contar com grande parcela da população cubana exilada em Miami, que possuía força eleitoral, influência no Congresso e capacidade de obter fundos para campanhas eleitorais. Dessa forma, observa-se que os cubano-americanos haviam adquirido posição relevante na política externa dos Estados Unidos para Cuba no período pós-soviético. Essa decisão reforçava a afirmação de que a política norte-americana para Cuba, nesse período, estava diretamente relacionada com a GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina 130

11 agenda doméstica do país através do eleitorado constituído pelos exilados cubanos (MORRONE, 2008). Para Alzugaray (2004), a administração Clinton pareceu seguir essa política doméstica em relação aos assuntos cubanos. Em 1994, após uma grave crise de emigração cubana, o governo norte-americano precisou negociar com a Ilha um acordo migratório a fim de acabar com a imigração ilegal e normalizar as relações nessa esfera. Em 1996, a aprovação de uma nova lei, Lei para a Liberdade e Solidariedade Democrática Cubana, mais conhecida como Lei Helms-Burton. Para Alzugaray (2004), essa lei poderia ser comparada à Emenda Platt e às disposições da Doutrina Monroe, visto que buscava conter investimentos estrangeiros em Cuba a fim de impedir qualquer recuperação econômica da Ilha. A Lei Helms-Burton consistiu na ampliação de medidas já existentes contra o regime cubano, além de uma série de exigências para uma democratização tal como entendida pelos Estados Unidos e determinada por este país como necessária à normalização das relações entre os dois países. Para Morrone (2008), deve-se ressaltar, que assim como a Lei Torricelli, a Lei Helms-Burton não respondeu somente aos interesses da política externa norte-americana, mas também aos interesses da política interna, uma vez que ambos os mentores desta lei estavam comprometidos com setores cubano-americanos. Esses setores estavam interessados em recuperar propriedades expropriadas pela Revolução Cubana, e além de exercerem forte influência no poder legislativo do país, ainda constituíam parcela decisiva em período eleitoral no estado da Flórida. A ampliação das sanções econômicas afetou as relações de Cuba com a União Européia, pois concedeu aos cidadãos e empresas norte-americanas, expropriadas pela Revolução, o direito de requerer na justiça contra empresas de terceiros países o usufruto destas propriedades. Esse fato provocou a preocupação imediata dos investidores estrangeiros em Cuba, principalmente os países europeus. Como resposta a estas medidas, a União Européia tratou de contestar a legislação, percebida como uma nítida violação internacional e impedimento ao livre comércio. Os Estados Unidos cuidaram então de providenciar uma decisão para minar o impacto da lei nos aliados europeus, e Clinton aprovou uma emenda que dava ao presidente o direito de suspender a disposição do capítulo a cada seis meses e renovála se desejar. No que se refere à imposição da democracia, cláusulas específicas declaravam que nem Fidel Castro, nem seu irmão, Raúl Castro, poderiam participar de qualquer governo democrático futuro, como concebido pelos Estados Unidos (MORRONE, 2008). GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina 131

12 Para Santoro (2010), a década de noventa reflete a convicção de setores mais conservadores da comunidade cubano-americana de que seria possível destruir o regime socialista por meio de um estrangulamento econômico. Enquanto Cuba diversificava suas relações internacionais, os Estados Unidos promulgavam leis que dificultavam qualquer possibilidade de acordo entre os dois países. No entanto, em 2000, a pressão de exportadores agrícolas norte-americanos fez com que os Estados Unidos repensassem o embargo econômico ao promulgar a Trade Sanctions Reform and Export Enhancements Act (TSRA), que permitia a venda de alimentos a Cuba, Irã e Sudão, desde que fossem atendidas certas condições, como situações de emergência humanitária, e que o pagamento fosse feito à vista. As permissões concedidas pela TSRA foram importantes para a resolução do problema de abastecimento cubano, tornando os Estados Unidos o principal fornecedor de alimentos para a Ilha. Naturalmente, a expansão foi possibilitada por interpretações bastante generosas do que constitui uma emergência humanitária. Esses negócios prosseguiram na administração norte-americana posterior. O governo de George W.Bush ( ), enquanto atacava verbalmente Cuba, expandia o comércio de alimentos devido a pressões dos congressistas dos estados rurais e do agrobusiness. Segundo Santoro (2010), as exportações de alimentos para o mercado cubano se multiplicaram de US$ 4 milhões, em 2001, para US$432 milhões em Nesse contexto, pode-se perceber mais uma vez que a relação cubano-norteamericana pós-guerra Fria, associa-se, em grande medida, à uma pressão da política doméstica dos Estados Unidos. No entanto, ao mesmo tempo em que expandia a parceria comercial no setor de alimentos, a administração de George W.Bush aprofundava as políticas de endurecimento ao regime de Fidel Castro, sobretudo após os atentados de 11 de Setembro. Nesse momento, delinearam-se os novos contornos da política externa norte-americana por meio da chamada Doutrina Bush, que apresentava uma categorização especial para Cuba, acusada de manter relações com países terroristas, além de ser considerada como um modelo político não democrático (MORRONE, 2008). Ainda na administração de George W.Bush, dois importantes programas foram elaborados para afetar o sistema político cubano. O primeiro deles, Iniciativa para uma nova Cuba, previa medidas para mudar o sistema político de Cuba na direção do modelo político norte-americano. A ação desse programa estava concentrada no propósito de planejar e orientar uma rápida e pacífica transição para a democracia. O segundo programa, elaborado em 2002, adotou uma nova estratégia para Cuba, em que o programa anterior passou a GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina 132

13 integrar as novas medidas, conhecidas como Comissão de Assistência para uma Cuba Livre (Comission on Assistance to a Free Cuba CAFC). Segundo Ayerbe (2004), esse programa possuía como orientação implementar medidas econômicas para dificultar a captação de divisas pelo governo e pela população cubana; restringir viagens de estudantes norteamericanos aos programas vinculados aos objetivos do governo; limitar visitas de familiares a Cuba a cada três anos, incluindo o estabelecimento de uma cota de gastos diários permitidos durante a estada na Ilha; o controle sobre investimentos estrangeiros no país, que usufruam bens expropriados pela revolução; e, principalmente, fomentar lideranças capazes de conduzir o processo de criação de uma economia de mercado. Deve-se ressaltar que ambas as medidas contaram com a influência da comunidade cubana, a qual constitui um dos alicerces sobre qual Bush se apoiaria na condução de uma política rígida para Cuba, haja vista o papel que exerceram durante seu processo eleitoral. De acordo com Morrone (2008), essas políticas sinalizam que a pressão norte-americana sobre o regime político inaugurado com Fidel Castro nunca cessou, sendo radicalizadas na administração de George W.Bush. Nos últimos anos, governos norte-americanos perderam significativas oportunidades de iniciar um processo de normalização nas relações com Cuba. Pelo contrário, adotaram posições que tiveram como resultado o endurecimento das sanções, tornando mais complexo e difícil um processo de normalização (ALZUGARAY, 2004). No entanto, essas posições tem sido cada vez mais questionadas no interior da sociedade norte-americana, tanto por setores da sociedade civil como por grupos dominantes. Para Santoro (2010), o pragmatismo comercial do agronegócio e as mudanças na opinião política da nova geração cubanoamericana constituem as bases de uma proposta de um novo diálogo com Cuba. Fiori (2008) também aponta para a dificuldade de uma atual mudança nas relações entre esses países. Para esse autor, a atração precoce e a obsessão permanente dos Estados Unidos, deve-se ao fato de que esse país sempre acreditou que Cuba lhes pertencia, fazendo parte de sua zona de segurança. Ao mesmo tempo, a posição soberana dos cubanos acabou transformando a Ilha em um aliado potencial de países que se propõem a exercer influência no continente americano de forma competitiva com os Estados Unidos. Dessa forma, qualquer negociação futura envolveria a destruição do núcleo do poder cubano. Segundo Alzugaray (2004), a maior parte dos críticos qualifica como obsessiva a atitude da elite dirigente norte-americana com respeito a Cuba, a Revolução e a Fidel Castro. Na verdade, para os dirigentes dos Estados Unidos, parece inexplicável que a Revolução GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina 133

14 Cubana possa ter sobrevivido, e que depois de cinqüenta anos os irmãos Castro continuem no poder sem necessitar de nenhum acordo com os Estados Unidos. Não concebem uma Cuba independente, assim como não conceberam no século XIX. Nesse contexto, nota-se que a atual política norte-americana para Cuba mantém o padrão de isolamento e hostilidade iniciado após a vitória da Revolução. No entanto, esse padrão era anteriormente justificado pela ameaça comunista, enquanto atualmente, é conduzido sob o argumento da ausência de democracia em Cuba. Para Morrone (2008) a ausência de uma democracia e, portanto, a permanência de um modelo político que ainda distancia-se daquele vigente nos Estados Unidos, tornou-se o principal paradigma norteamericano para justificar a continuidade das políticas hostis naquela que é a sua área de influência direta e que constituí uma região de extrema importância para o exercício de sua hegemonia. Segundo Santos (2004), a hostilidade de Washington a Cuba, mesmo depois da Guerra Fria, relaciona-se a uma histórica posição norte-americana a toda e qualquer experiência social, política, econômica e cultural que não esteja em conformidade com objetivos geoeconômicos e geopolíticos do capitalismo preconizado por suas elites dominantes e governantes (SANTOS, 2006, p.214). Nesse sentido, as pressões ao governo cubano não estão associadas apenas ao intuito de garantir uma democracia política em um país marcado pelo regime de partido único e pela inexistência de pluralismo de opinião. Na verdade, os Estados Unidos visam garantir um determinado modelo de democracia que não aponte para estratégias revolucionárias, socialistas, nacionalistas ou bolivarianas na região. Considerações Finais Os interesses norte-americanos em Cuba iniciam-se ainda no período colonial cubano, quando a dominação européia na região poderia dificultar a expansão da hegemonia dos Estados Unidos no continente. Dessa forma, a intervenção norte-americana nas Guerras de Independência Cubanas foi crucial para o desfecho do processo, bem como para a garantia do fim de qualquer interferência européia na região. Nesse momento, a política externa dos Estados Unidos para Cuba associava-se a um contexto maior de expansão da hegemonia norte-americana em todo o hemisfério ocidental, como proclamado pela Doutrina Monroe. Anos mais tarde, o êxito do movimento revolucionário cubano modificou as relações entre esses países, pois significou uma ameaça à posição hegemônica ocupada pelos Estados Unidos no continente. No contexto da Guerra Fria, o paradigma utilizado pelos norte- GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina 134

15 americanos para as ofensivas contra Cuba foi o da necessidade de contenção do perigo soviético na região. Os Estados Unidos não poderiam deixar que outros países latinoamericanos seguissem o exemplo cubano e se aliassem a União Soviética, por isso adotaram medidas de contenção ainda mais repressivas após a vitória da Revolução. Nas relações específicas com Cuba, os Estados Unidos promoveram os mais diversos tipos de ataques a fim de liquidar o regime de Castro. Ao contrário do que se esperava, após o fim da Guerra Fria, mantiveram-se políticas hostis justificadas com base no paradigma da democracia, que passou a ser evocado pelos Estados Unidos como necessário para a estabilidade e o pleno desenvolvimento político no mundo. As primeiras medidas norte-americanas, após 1989, buscaram desestabilizar economicamente a Ilha a fim de promover a queda do regime socialista. No entanto, administrações posteriores buscaram promover ações voltadas para o planejamento de intervenções que permitissem uma gradual transição democrática em Cuba. Deve-se ressaltar a emergência de demandas internas, por parte de cubano-americanos, nas relações entre Cuba e Estados Unidos no pós-guerra Fria. Os exilados cubanos em Miami passaram a representar uma importante parcela do eleitorado norte-americano, tornando muitas vezes as políticas norte-americanas em relação a Cuba mais como resoluções da política doméstica do que da política externa. Por fim, o novo referencial adotado pelo governo norte-americano permite concluir a dificuldade na normalização das relações cubano-norteamericanas. As demandas pelo modelo democrático ocidental em Cuba só poderão ser atendidas, da forma como querem os Estados Unidos, quando modificações políticas ocorrerem dentro da Ilha. Ao mesmo tempo, o regime cubano não parece disposto a efetuar tais concessões, assim como não esteve desde o início da Revolução. Nesse sentido, as políticas hostis em relação a Cuba parecem continuar acontecendo com base em diversos paradigmas que se alteram ao longo dos anos, exemplificando o imperialismo norte-americano na América Latina. Referências ALZUGARAY, Carlos. De Bush a Bush: balance y perspectivas de la política externa de los Estados Unidos hacia Cuba y el Gran Caribe. En publicación: América Latina y el (des)orden global neoliberal. Hegemonía, contrahegemonía, perspectivas. José Maria Gómez. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina AYERBE, Luis Fernando. A Revolução Cubana. São Paulo: Editora UNESP, AYERBE, Luis Fernando. Estados Unidos e América Latina. A construção da hegemonia. São Paulo: Editora UNESP, GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina 135

16 CHOMSKY, Noam. A política externa dos Estados Unidos: da Segunda Guerra Mundial a São Paulo: Consulta Popular, FERNANDES, Florestan. Da Guerrilha ao Socialismo: A Revolução Cubana. São Paulo: T. A. Queiroz, FIORI, J.L. Cuba e EUA, aproximação improvável. Le Monde Diplomatique Brasil, fev GOTT, Richard. Cuba. Uma Nova História. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, MONIZ BANDEIRA, Luiz Alberto. De Martí a Fidel. A Revolução Cubana e a América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, MORLEY, Morris H.; MCGILLION, Chris. Unfinished business: America and Cuba after the Cold War, Cambridge, UK; New York: Cambridge University Press, MORRONE, Priscila. A Fundação Nacional cubano-americana (FNCA) na Política externa dos Estados Unidos para Cuba Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais). Programa de pós-graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas (UNESP/UNICAMP/PUC-SP) RIVERO, Nicolas. Fidel Castro: um dilema americano. São Paulo: Donimus, SADER, Emir. A Revolução Cubana. São Paulo: Moderno, SADER, Emir. Cuba: Um Socialismo em Construção. Petrópolis: Editora Vozes, SANTORO, Mauricio. Cuba após a Guerra Fria: mudanças econômicas, nova agenda diplomática e o limitado diálogo com os EUA. Rev. bras. polít. int , vol.53, n.1. SANTOS, Marcelo. O poder norte americano e a America Latina no pós-guerra fria. São Paulo: Annablume, SCHILLING, Voltaire. Estados Unidos x América Latina: as etapas da dominação. Porto Alegre: Mercado Aberto, SCHLESINGER JR., Arthur M. Os ciclos da história Americana. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, SCHOULTZ, Lars. Estados Unidos: poder e submissão: uma história da política norteamericana em relação à América Latina. Bauru, SP: EDUSC, GT 4. Imperialismo, nacionalismo e militarismo na América Latina 136

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE A FORMAÇÃO DOS ESTADOS LATINO- AMERICANOS OS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA FORMARAM-SE A PARTIR DA INDEPENDÊNCIA DA ESPANHA E PORTUGAL. AMÉRICA

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Para entender o que acontece entre Cuba e Estados Unidos Roberto Moll

Para entender o que acontece entre Cuba e Estados Unidos Roberto Moll Para entender o que acontece entre Cuba e Estados Unidos Roberto Moll Tão perto dos demônios e tão longe dos deuses. Dizem que é possível ver as luzes de Miami dos pontos mais altos da ilha de Cuba. No

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

Estados Unidos da América. Aula I Da colonização ao século XIX

Estados Unidos da América. Aula I Da colonização ao século XIX Estados Unidos da América Aula I Da colonização ao século XIX As Teorias: Corrente asiática Estreito de Bering (beríngia). Malaio Polinésia Corrente australiana Ocupação do Continente Americano: Principais

Leia mais

Disputa pela hegemonia mundial entre Estados Unidos e URSS após a II Guerra Mundial. É uma intensa guerra econômica, diplomática e tecnológica pela conquista de zonas de influência. Ela divide o mundo

Leia mais

Guerra da Coreia: 1950-53

Guerra da Coreia: 1950-53 Guerra da Coreia: 1950-53 Esteve dominada pelo Japão durante a segunda guerra e foi dívida entre norteamericanos e soviéticos em 1945, na conferência de Yalta, pelo paralelo 38. Essa divisão era provisória

Leia mais

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana GUERRA DO VIETNÃ Após o fim da Guerra da Indochina (1954), Vietnã é dividido na altura do paralelo 17: Norte: república

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Movimento operário e sindicalismo no Brasil H43 2 Urbanização nas regiões brasileiras H8,

Leia mais

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo.

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo. O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) aprovou na Assembleia Nacional encerrada sábado (9), uma Declaração em que renova as convicções dos ativistas brasileiros pela

Leia mais

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã 1. As mudanças no panorama internacional representadas pela vitória socialista de Mao-Tsé-tung na China, pela eclosão da Guerra da Coréia e pelas crescentes

Leia mais

Cap.3 Europa e América antes da primeira Guerra Mundial BELLE EPOQUE IMPERIALISMO DOS ESTADOS UNIDOS A REVOLUÇÃO MEXICANA

Cap.3 Europa e América antes da primeira Guerra Mundial BELLE EPOQUE IMPERIALISMO DOS ESTADOS UNIDOS A REVOLUÇÃO MEXICANA Cap.3 Europa e América antes da primeira Guerra Mundial BELLE EPOQUE IMPERIALISMO DOS ESTADOS UNIDOS A REVOLUÇÃO MEXICANA Café Van Gogh - 1888 EXPOSIÇÃO UNIVERSAL DE LONDRES - 1851 BIG BEN - 1859 1889

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

A EXPANSÃO DA GUERRA FRIA (1947-1989)

A EXPANSÃO DA GUERRA FRIA (1947-1989) A EXPANSÃO DA GUERRA FRIA (1947-1989) RECAPITULANDO -GUERRA FRIA: Disputa pela hegemonia mundial entre duas potências: EUA e URSS. -ACORDOS ECONOMICOS: -Plano Marshall (1947) -Plano Comecon (1949) ACORDOS

Leia mais

Guerra por domínio territorial e econômico.

Guerra por domínio territorial e econômico. Guerra da Crimeia Quando: De 1853 até 1856 Guerra por domínio territorial e econômico. Cerca de 595 mil mortos Por que começou: A Rússia invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético.

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. A operação Barbarossa A operação Barbarossa era a invasão da União

Leia mais

República Popular Chinesa (1912-1949)

República Popular Chinesa (1912-1949) China atual Revolução Chinesa Primeiro momento (1911): revolução nacionalista contra neocolonialismo, liderada por SunYat-sen e fundador do Kuomitang (Partido Nacionalista) Segundo momento (1949): revolução

Leia mais

Guerra Fria e o Mundo Bipolar

Guerra Fria e o Mundo Bipolar Guerra Fria e o Mundo Bipolar A formação do Mundo Bipolar Os Aliados vencem a 2.ª Guerra (1939-1945). Apesar de na guerra lutarem lado a lado, os EUA e a URSS vão afastar-se a partir de 1945. Guerra Fria

Leia mais

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar A GUERRA FRIA 1. Conceito Conflito político, econômico, ideológico, cultural, militar entre os EUA e a URSS sem que tenha havido confronto direto entre as duas superpotências. O conflito militar ocorria

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

Quatro grandes temas nos convocaram a este Encontro, na busca de uma nova etapa de integração latino-americana e caribenha.

Quatro grandes temas nos convocaram a este Encontro, na busca de uma nova etapa de integração latino-americana e caribenha. Declaração final do XIII Encontro De 12 a 14 de janeiro de 2007, em San Salvador, El Salvador, com a Frente Farabundo Martí para a Libertação Nacional (FMLN) como anfitriã, desenvolveu-se o XIII Encontro

Leia mais

Grupo: Alice do Lago (n 1) Amanda Silva (n 3) Ana Carolina Ribeiro (n 4) Bárbara Perez (n 7) João Pedro Athayde (n 20) Juliana Pyrrho (n 24) Turma 1ºA

Grupo: Alice do Lago (n 1) Amanda Silva (n 3) Ana Carolina Ribeiro (n 4) Bárbara Perez (n 7) João Pedro Athayde (n 20) Juliana Pyrrho (n 24) Turma 1ºA http://cuba.sapo.pt/ Grupo: Alice do Lago (n 1) Amanda Silva (n 3) Ana Carolina Ribeiro (n 4) Bárbara Perez (n 7) João Pedro Athayde (n 20) Juliana Pyrrho (n 24) Turma 1ºA http://www.guiageo-caribe.com/mapas/cuba.htm

Leia mais

A colonização de Cuba ocorreu por meio da formação de grandes monoculturas de açúcar e tabaco. Inicialmente, os colonizadores fizeram opção pela

A colonização de Cuba ocorreu por meio da formação de grandes monoculturas de açúcar e tabaco. Inicialmente, os colonizadores fizeram opção pela A colonização de Cuba ocorreu por meio da formação de grandes monoculturas de açúcar e tabaco. Inicialmente, os colonizadores fizeram opção pela exploração da mão-de-obra escrava das populações indígenas

Leia mais

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do p. 110 A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do México até sua independência a partir de 1823; Em 1839 tornam-se independentes fracasso da

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 .. RESENHA Bookreview HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 Gustavo Resende Mendonça 2 A anarquia é um dos conceitos centrais da disciplina de Relações Internacionais. Mesmo diante do grande debate teórico

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

g1 ge gshow famosos vídeos g1 ge gshow famosos vídeos Para uma melhor visualização do site atualize-o ou escolha outro navegador.

g1 ge gshow famosos vídeos g1 ge gshow famosos vídeos Para uma melhor visualização do site atualize-o ou escolha outro navegador. g1 ge gshow famosos vídeos ENTRE g1 ge gshow famosos vídeos ENTRE Internet Explorer Seu Firefox está desatualizado. Para uma melhor visualização do site atualize-o ou escolha outro navegador. g1 ge gshow

Leia mais

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil ID/ES Tão perto e ainda tão distante A 90 milhas de Key West. Visite Cuba. Cartão postal de 1941, incentivando o turismo em Cuba. 1 Desde a Revolução de 1959, Cuba sofre sanções econômicas dos Estados

Leia mais

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História 1. Assinale V(verdadeira) e F(falsa): a) ( ) Em 1929, o mundo capitalista enfrentou grave crise econômica, causada principalmente pelo crescimento exagerado

Leia mais

Dossiê Tibete: análise dos conflitos sino-tibetanos.

Dossiê Tibete: análise dos conflitos sino-tibetanos. Dossiê Tibete: análise dos conflitos sino-tibetanos. Ana Paula Lopes Ferreira 1 RESUMO Os conflitos entre China e Tibete vêm de um longo processo histórico e desde 1949, quando ocorre a ocupação chinesa

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 50 AMÉRICA CENTRAL: DEPENDÊNCIA E O CASO CUBANO

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 50 AMÉRICA CENTRAL: DEPENDÊNCIA E O CASO CUBANO GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 50 AMÉRICA CENTRAL: DEPENDÊNCIA E O CASO CUBANO Como pode cair no enem Em fevereiro de 2008, após 49 anos no poder, Fidel Castro cedeu a chefia do Estado a seu irmão Raúl. O

Leia mais

DÉCADA DE 50. Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista

DÉCADA DE 50. Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista Corrida Espacial REVOLUÇÃO CHINESA Após um longo período de divisões e lutas internas,

Leia mais

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique.

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique. 2 Lista exercícios 2ª Guerra Mundial 1 Os Estados Unidos entraram fundamentalmente na Segunda Guerra Mundial no ano de 1941. Quais foram os principais fatores que causaram a entrada dos Estados Unidos

Leia mais

Fundamentos e Contradições de uma Resistência

Fundamentos e Contradições de uma Resistência Fundamentos e Contradições de uma Resistência Luis Eduardo Mergulhão Ruas * Resumo Neste trabalho analisamos os efeitos do fim do bloco socialista para a economia cubana e as tentativas de superação desta

Leia mais

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO 2ªRevolução Industrial HOLDING TRUSTE CARTEL Empresas financeiras que controlam complexos industriais a partir da posse de suas ações. Formação de grandes conglomerados

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

Transição da condição colonial para o país livre

Transição da condição colonial para o país livre Transição da condição colonial para o país livre ERA COLONIAL (1521-1810): Conhecido como Nova Espanha, a maior parte das terras era comandada por proprietários espanhóis. Economia e política mexicanas

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

As ordens mundiais GEOGRAFIA GEOGRAFIA A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E SEUS CONTRASTES. Capítulo 13 O espaço geográfico 8.1

As ordens mundiais GEOGRAFIA GEOGRAFIA A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E SEUS CONTRASTES. Capítulo 13 O espaço geográfico 8.1 As ordens mundiais GEOGRAFIA GEOGRAFIA A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E SEUS CONTRASTES Capítulo 13 O espaço geográfico 8.1 NOVA ORDEM MUNDIAL E O SUBDESENVOLVIMENTO A antiga ordem A nova ordem Socialismo x Capitalismo

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Causas da Hegemonia atual dos EUA Hegemonia dos EUA Influência Cultural: músicas, alimentações, vestuários e língua Poderio Econômico: 20% do PIB global Capacidade Militar sem

Leia mais

Acerca da Luta Armada

Acerca da Luta Armada VALOR E VIOLÊNCIA Acerca da Luta Armada Conferência Pronunciada no Anfiteatro de História da USP em 2011 Wilson do Nascimento Barbosa Professor Titular de História Econômica na USP Boa noite! Direi em

Leia mais

Palestina - em defesa da nação oprimida

Palestina - em defesa da nação oprimida Palestina - em defesa da nação oprimida Que o Hamas entregue armas à população! Derrotar a ofensiva sionista com o levante das massas palestinas! Unidade dos explorados do Oriente Médio para enfrentar

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 África: Colonização e Descolonização H40 2 Terrorismo H46 3 Economia da China H23 4 Privatizações

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

Com base nesse artigo e nos conhecimentos sobre a História da América, RESPONDA:

Com base nesse artigo e nos conhecimentos sobre a História da América, RESPONDA: PROCESSO SELETIVO/2006 3 O DIA CADERNO 8 1 HISTÓRIA QUESTÕES DE 01 A 05 01. A base naval norte-americana de Guantanamo tem estado em evidência nos últimos anos. Trata-se de uma área de 117,6 quilômetros

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Leia o texto sobre a Guerra Fria e responda. O termo tornou-se perfeito para se entender o momento político internacional, pois

Leia mais

INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá)

INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá) INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá) Sugere ao Poder Executivo, a imediata retirada das tropas brasileiras do Haiti, e indica a necessidade de revogar o Decreto Legislativo nº 207, de 19 de maio de 2004,

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE.

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE. FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE Nova Odessa SP Maio / 2014 1 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA FELIPE CARCELIANO

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

1 a Questão: (2,0 pontos) APRESENTAÇÃO

1 a Questão: (2,0 pontos) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Para dar uma definição compreensível de revolução, diremos que ela é uma tentativa de substituir o poder estabelecido por outro poder, usando meios ilegais. Esses meios, geralmente, implicam

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito.

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Século XXI Oficialmente, o século XXI, inicia-se cronologicamente no final do ano 2000. Historicamente podemos destacar que os eventos que aconteceram um ano após a entrada do novo milênio marcam a chegada

Leia mais

Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde?

Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde? Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde? África e Ásia (Neocolonialismo) e América (Imperialismo). Causas

Leia mais

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

Conflito do Tibete. Resenha Segurança

Conflito do Tibete. Resenha Segurança Conflito do Tibete Resenha Segurança Ana Caroline Medeiros Maia 1 de abril de 2008 Conflito do Tibete Resenha Segurança Ana Caroline Medeiros Maia 1 de abril de 2008 O Tibete voltou a ser palco de conflitos

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo rivalidades e divergências

Leia mais

ATIVIDADES ON-LINE 9º ANO GUERRA FRIA PROF. JOSÉ CARLOS PROVA DIA 21/08

ATIVIDADES ON-LINE 9º ANO GUERRA FRIA PROF. JOSÉ CARLOS PROVA DIA 21/08 ATIVIDADES ON-LINE 9º ANO GUERRA FRIA PROF. JOSÉ CARLOS PROVA DIA 21/08 1-Na fase Pós-Guerra emergiram e se consolidaram dois grandes blocos rivais, liderados pelos EUA e a URSS, originando a Guerra Fria.

Leia mais

X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012

X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012 X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012 DECLARAÇÃO DE PUNTA DEL ESTE (10 de outubro de 2012) Os Ministros da Defesa e

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS, ATUALIDADES E CARTOGRAFIA PROFESSOR: MEDSON LOZAN

CONHECIMENTOS GERAIS, ATUALIDADES E CARTOGRAFIA PROFESSOR: MEDSON LOZAN 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 13-14- 15-16- 17-18- 19-20- 21-22- 23-24- 25-26- PAÍS CAPITAL PARTE-I AMÉRICA LATINA 1-TREINANDO O CONHECIMENTO CARTOGRÁFICO DA REGIÃO 1-ARGENTINA EM FOCO EXERCÍCIOS SOBRE

Leia mais

Rússia vende sistema antimíssil para o Irã

Rússia vende sistema antimíssil para o Irã Rússia vende sistema antimíssil para o Irã Resenha Segurança Raphael Rezende Esteves 09 de março de 2007 1 Rússia vende sistema antimíssil para o Irã Resenha Segurança Raphael Rezende Esteves 09 de março

Leia mais

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central.

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 2) Considere a tabela para responder à questão: TAXA DE CRESCIMENTO URBANO (em %) África 4,3 Ásia 3,2 América Lat./Caribe

Leia mais

HAITI: HISTÓRIA, CRISE E INTERVENÇÃO. Palavras-chave: Haiti, Nações Unidas, Estados Unidos, Intervenção

HAITI: HISTÓRIA, CRISE E INTERVENÇÃO. Palavras-chave: Haiti, Nações Unidas, Estados Unidos, Intervenção 1 HAITI: HISTÓRIA, CRISE E INTERVENÇÃO Paulo Gustavo Pellegrino Corrêa Graduando em ciências sociais na UNESP Araraquara Pesquisador do OREAL (Observatório das Relações Estados Unidos América Latina) Bolsista

Leia mais

O MUNDO MENOS SOMBRIO

O MUNDO MENOS SOMBRIO O MUNDO MENOS SOMBRIO Luiz Carlos Bresser-Pereira Jornal de Resenhas n.1, março 2009: 6-7. Resenha de José Luís Fiori, Carlos Medeiros e Franklin Serrano (2008) O Mito do Colapso do Poder Americano, Rio

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Habilidades: Compreender o processo de independência Norte Americana dentro do contexto das ideias iluministas. Yankee Doodle 1 Causas Altos impostos cobrados

Leia mais

EUA NO SÉC. XIX 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE:

EUA NO SÉC. XIX 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE: 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE: 1) Combate às políticas de recolonização do continente americano; 2) Aproximação com a América Latina; defesa do não-intervencionismo europeu na América como expressão

Leia mais

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR História Questão 01 Considerando as transformações que abriram caminho para o surgimento do Mundo Moderno, ANALISE o impacto dessas mudanças

Leia mais

Professor Thiago Espindula - Geografia. África

Professor Thiago Espindula - Geografia. África África A seguir, representação cartográfica que demonstra a localização da África, em relação ao mundo. (Fonte: www.altona.com.br) Europeus partilham a África A Conferência de Berlim, entre 1884 e 1885,

Leia mais

Clique Professor. Ensino Médio

Clique Professor. Ensino Médio Revolução Cubana A queda de Batista (1953 1959) Cuba vivia, desde 1952, sob a ditadura de Fulgêncio Batista, que chegara ao poder através de um golpe militar. Batista era um ex sargento, promovido de uma

Leia mais

DÉCADA DE 80. Profa. Dra. Regina S. A. Martins

DÉCADA DE 80. Profa. Dra. Regina S. A. Martins Eventos Marcantes: Guerra das Malvinas Guerra nas Estrelas Glasnost e Perestroika Queda do Muro de Berlim Massacre da Praça da Paz Celestial (Tiananmen) Tragédias sociais e ambientais ESTADOS UNIDOS 1981-1988:

Leia mais

Nome: SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA. 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789:

Nome: SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA. 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789: HISTÓRIA OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROFESSORA ROSE LIMA Nome: PRIMEIRA PARTE SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789: Art.1.º Os homens

Leia mais

GUERRA FRIA 1945 1991

GUERRA FRIA 1945 1991 GUERRA FRIA 1945 1991 Guerra Fria 1945-1991 Conceito: Conflitos políticos, ideológicos e militares (indiretos), que aconteceram no pós guerra entre as duas potências mundiais EUA e URSS entre 1945-1991.

Leia mais

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido.

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido. Confronto entre os aliados, vencedores da 2ª Guerra: Inglaterra, França, EUA e União Soviética. Acordo pós-guerra definiria a área de influência da URSS, onde estavam suas tropas (leste europeu). Conferência

Leia mais

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38 América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural Capítulo 38 Expansão marítima européia; Mercantilismo (capitalismo comercial); Tratado de Tordesilhas (limites coloniais entre Portugal e Espanha):

Leia mais

ALHC. Trajetórias. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes.

ALHC. Trajetórias. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes Carlos Malamud O reconhecimento, por parte da antiga potência colonial, das novas repúblicas

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

A Guerra do Vietnã. Fábio Nauras Akhras fabio.akhras@cti.gov.br

A Guerra do Vietnã. Fábio Nauras Akhras fabio.akhras@cti.gov.br A Guerra do Vietnã Fábio Nauras Akhras fabio.akhras@cti.gov.br I. RAÍZES DA INTERVENÇÃO (1776 1945) Desligamento do Império Britânico (1812). Necessidade de novos mercados China. Ideologia (capitalismo,

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais

Segui buscando en la Red de Bibliotecas Virtuales de CLACSO http://biblioteca.clacso.edu.ar

Segui buscando en la Red de Bibliotecas Virtuales de CLACSO http://biblioteca.clacso.edu.ar Apresentação Titulo Ayerbe, Luis Fernando - Autor/a Autor(es) O Ocidente e o Resto. A América Latina e o Caribe na cultura do Imperio En: Buenos Aires Lugar CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias

Leia mais

A Economia da América Latina

A Economia da América Latina A Economia da América Latina adsense1 Agricultura A agricultura de subsistência era a principal atividade econômica dos povos originais da América Latina, Essa atividade era complementada pela caça, pela

Leia mais

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04. EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.2014 Boa tarde companheiras e companheiros, Primeiramente a Central

Leia mais

CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) O mundo que se esfacelou no fim da década de 1980 foi o mundo formado pelo impacto da Revolução Russa de

Leia mais

Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado

Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado Análise Desenvolvimento Vinícius Tavares de Oliveira 01 de Julho de 2010 Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do

Leia mais

A resolução 1559 e o assassinato do ex- Primeiro Ministro Rafic Al Hariri e seus impactos para o equilíbrio regional de poder no Oriente Médio

A resolução 1559 e o assassinato do ex- Primeiro Ministro Rafic Al Hariri e seus impactos para o equilíbrio regional de poder no Oriente Médio A resolução 1559 e o assassinato do ex- Primeiro Ministro Rafic Al Hariri e seus impactos para o equilíbrio regional de poder no Oriente Médio Análise Segurança Prof. Danny Zahreddine 25 de fevereiro de

Leia mais