IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS"

Transcrição

1 Missão POWER UP

2 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 3 CONTEXTO 3 IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS 4 DESCRIÇÃO 4 ESTRUTURA DO PROJETO 5 RESULTADOS ATINGIDOS 6 CONCLUSÕES 6 REFERÊNCIAS 7 AUTOR(ES) 7 2/7

3 ENQUADRAMENTO Compromissos Galp: Na Galp temos o compromisso de envolver a comunidade e demais partes interessadas, promovendo a criação de valor partilhado. Adicionalmente, procuramos contribuir para a satisfação das necessidades energéticas futuras e minimizar a intensidade carbónica da atividade. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos. Assegurar o acesso à energia acessível, fiável, sustentável e moderna para todos. Implementar medidas urgentes para combater as alterações climáticas e os impactes associados. CONTEXTO A nossa estratégia Conscientes do papel que comunidades mais informadas têm e poderão ter no que respeita ao desenvolvimento sustentável do planeta, procuramos acrescentar valor apostando nos mais novos para serem consumidores, atores e profissionais mais informados e influentes. No cerne desta estratégia e sendo nós um operador integrado de energia e que tem como foco estratégico agir hoje a pensar no amanhã, acreditamos que faz todo o sentido criar um projeto educativo, dirigido a crianças, sobre a eficiência e o consumo de energia. Assim, com o objetivo de sensibilizar e mobilizar para uma mudança de comportamentos relacionados o consumo mais eficiente de energia, temos atuado na área da educação a nível nacional. Atualmente desenvolvemos nas escolas dois projetos educativos: a Missão POWER UP e a Missão UP. 3/7

4 Importância do tema, na perspetiva da organização e dos seus Stakeholders A Galp está comprometida com um futuro energético mais sustentável e incorporamos esta missão na nossa estratégia. Temos a convicção que a educação sobre a energia e a eficiência energética assume um papel de relevo na atuação da empresa e prova disso são os projetos educativos que temos vindo a desenvolver ao longo dos últimos anos. A mudança de comportamentos é objetivo transversal a todos os projetos educativos que dinamizamos, centrados no consumo responsável e eficiente de energia. Por outro lado, as atuais diretrizes da Comissão Europeia determinam que a mobilidade sustentável é um tema de extrema importância e que os cidadãos devem estar informados. O projeto assenta nesse pressuposto, e torna-se primordial explicar às crianças os temas relacionados com o consumo de eficiente da energia. DESCRIÇÃO O projeto À semelhança do projeto Missão UP, o projeto Missão POWER UP é também um projeto educativo sobre eficiência no consumo de energia. O projeto surgiu, no ano letivo 2014/2015, com o objetivo de estender a Missão UP Unidos pelo Planeta aos alunos do 3º ciclo. Na Missão POWER UP, as Escolas poderão reduzir a sua pegada energética trabalhando em equipa nas várias atividades e jogos pedagógicos. Tendo por base as orientações curriculares do Ministério da Educação, os temas da Missão POWER UP abordam conteúdos sobre Fontes de Energia, Mobilidade Sustentável, Eficiência e Pegada Energética. Estes conteúdos ajudam a complementar as aulas sobre energia e estão disponíveis no portal online do projeto. O portal tem os conteúdos programáticos divididos por duas secções, alunos e professores, sendo que em cada uma delas se encontram os Temas e o Ciclo correspondente. OBJETIVOS A Missão POWER UP partilha os mesmos objetivos da Missão UP, e por isso os seus objetivos são pedagógicos, de comunicação e de eficiência no consumo de energia. Os objetivos pedagógicos centram-se no fornecimento de ferramentas para que as crianças interiorizem os conceitos básicos relacionados com a eficiência do consumo de energia; e na relação da eficiência do consumo de energia com as práticas do dia-a-dia, de forma mostrar como pequenas mudanças podem levar a grandes benefícios e poupanças de energia. Em relação aos objetivos de comunicação, estes focam-se: na divulgação de boas práticas sobre o consumo de energia; no transporte do tema para uma comunidade mais alargada, utilizando como veículo de comunicação um público especialmente interessado e motivado; e no enquadramento da eficiência no consumo de energia no âmbito da sustentabilidade, explicando o fenómeno de alterações climáticas, e mostrando assim os impactes positivos das mudanças de comportamento. Por fim, os objetivos de eficiência no consumo de energia são: fazer do público mais militante o motor de mobilização e motivação para verdadeiras mudanças de comportamento no consumo de energia; e criar consumidores mais conscientes e simultaneamente uma sociedade mais informada sobre este tema. Desta forma, o projeto pretende promover uma ação colaborativa na escola e gerar a oportunidade dos alunos colocarem em prática os conhecimentos adquiridos sobre eficiência energética. O programa desafia os alunos a organizarem-se em equipas com diferentes membros da comunidade escolar, dividindo tarefas, potenciando as maisvalias de cada membro e trabalhando em conjunto para a implementação das ações. 4/7

5 PÚBLICO-ALVO Este projeto foi desenvolvido a pensar nos alunos do 2.º e/ou 3.º ciclo, mas os seus conteúdos são também dirigidos aos professores, comunidade e pais e encarregados de educação. A PRINCIPAL FERRAMENTA UTILIZADA Dado o público-alvo a que se dirige o projeto, a principal ferramenta é uma plataforma online com jogos pedagógicos que abrangem as temáticas do projeto e potenciam a exploração das mesmas, incentivando à participação das equipas. Assim, a avaliação final das escolas engloba não só as ações implementadas pelas equipas, mas também a pontuação obtida pelas mesmas nos jogos. A Missão POWER UP tem também disponíveis aplicações no Google Play e na APP Store. As aplicações permitem o acesso aos jogos através de um smartphone. ESTRUTURA DO PROJETO OS PARCEIROS O projeto tem a parceria com a Direção Geral da Educação (DGE), a Agência para a Energia (ADENE), a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), a Comissão Nacional da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) e a Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG). Neste ano letivo (2015/16). A Missão POWER UP contou ainda com o financiamento da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC). Além destes parceiros, o projeto conta também com parceiros de implementação como a Wiz Interactive, a Sair da Casca, Sustainability intelligence in action e a MESAboardgames. COMO PARTICIPAR? Todas as escolas com o 2.º e/ou 3.º Ciclo do Ensino Básico podem aderir à Missão POWER UP. Para participar neste projeto cada Escola tem de formar equipas multidisciplinares compostas por professores, alunos, membros da Direção da Escola, assistentes operacionais ou outros colaboradores. As equipas participam num concurso que premeia a implementação de várias ações que promovam a eficiência energética na escola. As equipas devem primeiro fazer o Diagnóstico Energético da Escola, com o nosso apoio, para depois definirem e implementarem ações que contribuam para um consumo mais eficiente de energia na Escola. 5/7

6 RESULTADOS ATINGIDOS Os indicadores da Missão POWER UP recolhidos desde a sua primeira edição, no ano letivo 2014/2015 demonstram grande interesse das escolas e alunos em participar no projeto. CONCLUSÕES Lições aprendidas Este projeto veio demonstrar que o investimento na sensibilização e mobilização para uma mudança de comportamentos relacionados o consumo mais eficiente de energia tem reflexos muito positivos, a nível de todas as entidades envolvidas e impactadas, nomeadamente, alunos, professores, pais e encarregados de educação, bem como, outros elementos da comunidade. Com uma boa comunicação dos objetivos do projeto e o envolvimento de todas as partes interessadas, é possível dar às crianças as ferramentas necessárias para interiorizarem os conceitos básicos relacionados com a eficiência no consumo de energia, para que, também elas possam transmitir esses conhecimentos e induzir à adoção de novos comportamentos, junto de colegas, professores, pais, encarregados de educação e outros membros da comunidade. Desta forma, estes projetos têm permitido levar o tema da eficiência no consumo de energia a uma comunidade alargada, utilizando como veículo um público especialmente motivado: as crianças. 6/7

7 Referências Autor(es) Gabinete da Presidência e Comunicação da Galp Ambiente, Qualidade, Segurança e Sustentabilidade da Galp 7/7

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO. Agrupamento de Escolas Rio Arade. Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] Agrupamento de Escolas Rio Arade

PLANO DE COMUNICAÇÃO. Agrupamento de Escolas Rio Arade. Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] Agrupamento de Escolas Rio Arade Agrupamento de Escolas Rio Arade PLANO DE COMUNICAÇÃO Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] 1 / 7 Índice Nota introdutória... 3 O que se pretende?... 4 Instrumentos... 5 Objetivos... 6 Monitorização e

Leia mais

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL Rui D. Camolino Lisboa, 9 de Julho 2008 1 AGENDA Projecto MATISSE Conclusões do Projecto A Contribuição da Associação ITS

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU 2015-2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA 2015-2017 Aprovado

Leia mais

PLANO TIC 1

PLANO TIC 1 2015-2016 PLANO TIC 1 Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres Estrada Nacional n.º 16 6370-147 Fornos de Algodres Tel.: 271700110 Fax: 271700118 www.ae-fa.pt e-mail: aefa.og@ae-fa.pt 2 Equipa PTE

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO B I B L I O T E C A E S C O L A R

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO B I B L I O T E C A E S C O L A R ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO 2014-2017 B I B L I O T E C A E S C O L A R Nota Introdutória A Biblioteca Escolar existe para servir toda a comunidade escolar.

Leia mais

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo MELHORAR RESULTADOS EDUCATIVOS E ESCOLARES EM HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL PLANO DE AÇÃO Julho de 2014

Leia mais

NA MATEMÁTICA TU CONTAS

NA MATEMÁTICA TU CONTAS PLANO AÇÃO ESTRATÉGICA 41ª MEDIDA NA MATEMÁTICA TU CONTAS OBJETIVO Melhorar o sucesso em Matemática. ANO(S) ESCOLARIDA A ABRANGER - Do 1.º ao 9.º de escolaridade. ATIVIDAS A SENVOLVER NO ÂMBITO DA MEDIDA:

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014-2015 Com vista ao sucesso escolar dos alunos e ao desejo da melhoria do serviço prestado pelo Agrupamento de Escolas Pedro Alexandrino, é elaborado este Plano Anual de Atividades

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades. PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA Quadriénio

Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades. PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA Quadriénio Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA Quadriénio 2014-18 Aprender a ler e ler para aprender é uma questão central no ensino e na aprendizagem. Os programas e metas do

Leia mais

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica. Lisboa, 11 de Fevereiro de 2011

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica. Lisboa, 11 de Fevereiro de 2011 Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica Lisboa, 11 de Fevereiro de 2011 A eficiência energética está na agenda da EDP Distribuição Aumento do consumo O consumo de energia eléctrica

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola Disciplina de Oferta de Escola 7º e 8º anos do 3º ciclo do Ensino Básico Domínios temáticos, Conceitos, de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades José Carlos Morais Educação Ambiental para

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 2ºano Curso Operador de Informática ENQUADRAMENTO LEGAL Portaria

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016 RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Data da intervenção Código 170574 Designação AE Vale Aveiras Início 21 de junho de 2016 Fim 23 de junho de 2016 PLANEAMENTO

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA. Agenda 21 local : da teoria à prática

Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA. Agenda 21 local : da teoria à prática Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA Agenda 21 local : da teoria à prática Gina Rizpah Besen Psicóloga Mestre em Saúde Pública FSP-USP consultora em Gestão Ambiental rizpah@usp.br Desenvolvimento

Leia mais

Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa

Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Estratégia para a formação financeira Susana Narciso Departamento de Supervisão Comportamental 11 de julho

Leia mais

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO Pais/Encarregados de Educação CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia Agrupamento de Escolas de Arganil 2º/3º CEB e Secundário

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO PLANO DE MELHORIA Biénio 2016-2017 e 2017-2018 AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO Índice Introdução... 2 Orientações para a ação... 3 Plano de Ação 1... 4 Plano de Ação 2... 5 Plano de Ação 3... 6 Plano

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA Plano de Melhoria Avaliação Externa de Escolas 2012-2013 Índice I. Resumo... 2 Objetivo Introdução Ponto de partida II. Áreas de intervenção... 4 A1 - O

Leia mais

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Securitas Portugal O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Agosto de 2016 1 O Sistema de Gestão da Responsabilidade Social A SECURITAS desenvolveu e implementou um Sistema de Gestão de aspetos de

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 1ºano Curso Acompanhante de Crianças ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO

CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO Criatividade e Economia Identificamos 4 pilares complementares que deveriam ter um papel dinamizador para a promoção do empreendedorismo e a articulação

Leia mais

Prémios LCiP 2016 Portugal

Prémios LCiP 2016 Portugal Prémios LCiP 2016 Portugal Com o surgimento de novos modelos de negócios potencialmente mais sustentáveis, as abordagens de ciclo de vida são estratégias-chave para a melhoria do perfil de sustentabilidade

Leia mais

Clube do Desporto Escolar

Clube do Desporto Escolar Agrupamento de Escolas das Taipas Clube do Desporto Escolar 1. Estrutura organizacional Coordenador: Maria Elisabete da Silva Martinho Grupo de Recrutamento: 620 Departamento: Expressões Composição do

Leia mais

CONVOCATÓRIA. Contato: Luara Lopes Etapas da Convocatória

CONVOCATÓRIA. Contato: Luara Lopes Etapas da Convocatória Contato: Luara Lopes alveslopes@un.org +55 21 99348 5642 www.eird.org/camp-10-15/ O Escritório das Nações Unidas para a Redução de Riscos de Desastres (UNISDR), por meio de seu Escritório Regional para

Leia mais

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 Teresa Almeida A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 1. O Quadro Europeu 2. O Quadro Municipal 3. As

Leia mais

Mais valias do ciclo de vida e da economia circular para o desempenho e negócio das empresas. Sofia Santos 24 novembro 2015

Mais valias do ciclo de vida e da economia circular para o desempenho e negócio das empresas. Sofia Santos 24 novembro 2015 Mais valias do ciclo de vida e da economia circular para o desempenho e negócio das empresas Sofia Santos 24 novembro 2015 A origem da economia circular não é nova Fonte: Paulo Ferrão, apresentação realizada

Leia mais

Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico. Organização e Participação dos Profissionais

Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico. Organização e Participação dos Profissionais AVANÇOS DO CAMPO MUSEAL BRASILEIRO Formação Profissional Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico Organização e Participação dos Profissionais Revisão

Leia mais

A quem se destina. Principais Benefícios. Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro

A quem se destina. Principais Benefícios. Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro FORMAÇÃO FORMAÇÃO A quem se destina Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro Principais Benefícios Conhecimento do perfil energético da empresa; Verificação

Leia mais

AS PARCERIAS NO PROGRAMA ECO-ESCOLA

AS PARCERIAS NO PROGRAMA ECO-ESCOLA AS PARCERIAS NO PROGRAMA ECO-ESCOLA ESCOLA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO NORDESTE Lília Bergantim [1], Lúcia Carreiro [2] & Natália de Abreu [3] [1] lilia.bergantim@gmail.com [2] lucia_mr_carreiro@hotmail.com

Leia mais

PLANEAMENTO DAS AEC 2013/14

PLANEAMENTO DAS AEC 2013/14 PLANEAMENTO DAS AEC 2013/14 ENTIDADE PROMOTORA Município de Ponte de Sor NIPC: 506806456 Coordenação e Monitorização por parte da equipa de Coordenação dos Projetos Socioeducativos ENTIDADES PARCEIRAS

Leia mais

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO PLANOS ESTRATÉGICOS DE DESENVOLVIMENTO URBANO AVISO DE CONCURSO Nº ALT20 06 2016 18 ALT20 16 2016 19 ALT20 43 2016 20 DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA

Leia mais

Escrito por Administrador Quinta, 05 Fevereiro :48 - Actualizado em Terça, 10 Novembro :11

Escrito por Administrador Quinta, 05 Fevereiro :48 - Actualizado em Terça, 10 Novembro :11 Plano de Ação e Plano Estratégico do Agrupamento 1.Plano de Ação Para dar consecução à missão e aos valores, pretende o Agrupamento desenvolver uma ação educativa alicerçada num conjunto de princípios

Leia mais

Medida Financiada no âmbito do Plano de promoção de Eficiência no Consumo de Energia Elétrica, aprovada pela Entidade Reguladora dos Serviços

Medida Financiada no âmbito do Plano de promoção de Eficiência no Consumo de Energia Elétrica, aprovada pela Entidade Reguladora dos Serviços Medida Financiada no âmbito do Plano de promoção de Eficiência no Consumo de Energia Elétrica, aprovada pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos. Enquadramento O Energy Game II é uma medida no

Leia mais

Plano de Formação

Plano de Formação Plano de Formação 2013-2015 Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 2 PÚBLICO-ALVO... 2 OBJETIVOS GERAIS... 2 EXPLICITAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES... 3 ÁREAS PRIORITÁRIAS DE FORMAÇÃO... 3 ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO...

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

Qualidade de Serviço do setor elétrico - Vertente Técnica - Jorge Esteves

Qualidade de Serviço do setor elétrico - Vertente Técnica - Jorge Esteves Qualidade de Serviço do setor elétrico - Vertente Técnica - Jorge Esteves Conteúdo 1. Dimensões da Qualidade de Serviço e Regulação 2. Evolução do Desempenho das Redes Elétricas e Regulação da Qualidade

Leia mais

AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Além de integrar a missão e visão da FACISC, o Desenvolvimento Sustentável passa agora a ser uma de nossas Diretrizes de atuação. Desta forma, propondo a ampliação

Leia mais

Consolidar o universo da energia

Consolidar o universo da energia Consolidar o universo da energia Consolidar o universo da energia O Novo Banco tem vindo a minimizar a pegada ambiental com enfoque na proteção do ambiente e prevenção das alterações climáticas. As principais

Leia mais

Excelência na Gestão

Excelência na Gestão Mapa Estratégico 2012-2014 Visão Até 2014, ser referência no atendimento ao público, na fiscalização e na valorização das profissões tecnológicas, reconhecido pelos profissionais, empresas, instituições

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico apresentado para o ano letivo 2014-2015 e elaborado nos termos do

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

CONSIDERAÇÕES E PRESSUPOSTOS - Falta de cursos de pos-graduação em educação desenvolvimento sustentável e convivência com o Semiárido;

CONSIDERAÇÕES E PRESSUPOSTOS - Falta de cursos de pos-graduação em educação desenvolvimento sustentável e convivência com o Semiárido; GRUPO 4 POLITICAS PUBLICAS CONSIDERAÇÕES E PRESSUPOSTOS - Falta de cursos de pos-graduação em educação desenvolvimento sustentável e convivência com o Semiárido; - PP com foque muito pequeno (especificas),

Leia mais

PROJETO U-BIKE PORTUGAL

PROJETO U-BIKE PORTUGAL PROJETO U-BIKE PORTUGAL Lisboa Auditório do IRHU 28 de janeiro 2016 PROJETO U-BIKE PORTUGAL Auditório do IRHU 28 jan 2016 1. Enquadramento 2. Objetivos 3. Regulamento Geral do Projeto 4. Protocolo IMT

Leia mais

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores

Leia mais

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do OBJETIVO Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental no âmbito do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC DOCUMENTOS DE

Leia mais

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Carta de Missão Ministério da Economia e do Emprego Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Diretor De de de 201. a.. de. de 201 1. Missão do organismo O Gabinete de Prevenção e

Leia mais

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável.

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável. 5 ao Dia 2008 Enquadramento Mudança de hábitos alimentares das crianças A televisão, os jogos de computador e a internet têm mudado os hábitos das crianças e jovens, tornando-as mais inactivas, com menos

Leia mais

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código.

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código. Projecto/Serviços/ Código N.ºA1/A2 Actividade Nº 1 Reuniões de docentes do pré-escolar, 1º e 2º Ciclos. A1 Promover a sequencialidade coerente e estruturada entre a educação préescolar, o 1º Ciclo e o

Leia mais

SUPERVISÃO EDUCACIONAL

SUPERVISÃO EDUCACIONAL SUPERVISÃO EDUCACIONAL OBJETIVO: Subsidiar o trabalho nas Diretorias Regionais da Educação e as Unidades Escolares, de modo a observar, analisar, orientar, intervir e encaminhar as demandas nas seguintes

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria Inicial

Projeto de Ações de Melhoria Inicial Projeto de Ações de Melhoria Inicial PAM Inicial 2015/2016 Outubro de 2015 Índice Pág. 2 1. Introdução 2. Estrutura do documento PAM (Projeto de Ações de Melhoria) Tabela 1 Estrutura do documento Projeto

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro Programa EaSI É um instrumento de financiamento, a nível europeu, gerido diretamente pela Comissão Europeia, para apoiar o emprego, a política social e a mobilidade profissional em toda a UE Visa contribuir

Leia mais

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática 2014/2015 Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática Grupo de trabaho: Professores: Nela Fee (coordenadora) Carla Queiroz (Pré-Escolar) - Rosário Timóteo (1º c) Nuno Tomé (1ºc) - Anabela Hilário

Leia mais

Seminário Apoios Comunitários para o Ambiente e Energia

Seminário Apoios Comunitários para o Ambiente e Energia Seminário Apoios Comunitários para o Ambiente e Energia 4 de fevereiro de 2015 Enquadramento: Os Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) para o período de 2014-2020 serão determinantes no

Leia mais

O Mar no próximo QFP

O Mar no próximo QFP O Mar no próximo QFP 2014-2020 Fórum do Mar José Manuel Fernandes Deputado ao Parlamento Europeu Estratégia Europa 2020 A guia das próximas perspectivas financeiras Estratégia Europa 2020 2020 Crescimento

Leia mais

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 25-Set-2012 1. FUNDAMENTAÇÃO DO PROJETO Garantir o cumprimento do Currículo do 1º Ciclo, no que respeita à área da Expressão e Educação Físico-Motora;

Leia mais

CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA À INICIATIVA COMPETIR XXI

CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA À INICIATIVA COMPETIR XXI CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA À INICIATIVA COMPETIR XXI 30-03-2016 Iniciativa Competir XXI CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA Na sequência da qualificação da Sotecnisol, S.A. como Empresa

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES Plano de Ações de Melhoria (PAM) Equipa de Autoavaliação: Albertina Pinto, Ana Paula Costa, Ana Paula Neves, Ana Spínola, Benjamim Sampaio, Dina Paulino, Francisco

Leia mais

Parecer sobre Referenciais para a Promoção e Educação para a Saúde (PES)

Parecer sobre Referenciais para a Promoção e Educação para a Saúde (PES) Parecer sobre Referenciais para a Promoção e Educação para a Saúde (PES) Sociedade Portuguesa de Educação Física Conselho Nacional das Associações de Professores e Profissionais de Educação Física O documento

Leia mais

associação de pais / encarregados de educação do agrupamento de escolas do concelho de Valença do Minho Relatório de Atividades e Contas 2014/2015

associação de pais / encarregados de educação do agrupamento de escolas do concelho de Valença do Minho Relatório de Atividades e Contas 2014/2015 Relatório de Atividades e Contas 2014/2015 Com o presente relatório a Associação de Pais e Encarregados de Educação do Concelho de Valença vem informar os seus associados sobre as atividades desenvolvidas

Leia mais

Ciências Naturais 5º ano

Ciências Naturais 5º ano Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Escola E.B.,3 Dr. António Chora Barroso Ciências Naturais 5º ano Planificação a Longo Prazo 013/014 Planificação, finalidades e avaliação Grupo Disciplinar

Leia mais

Nove áreas temáticas do programa

Nove áreas temáticas do programa Nove áreas temáticas do programa Com base no Plano de Ação FLEGT da União Europeia, a gerência do programa estabeleceu nove áreas temáticas apoiadas pelo programa. Sob cada tema, há uma lista indicativa

Leia mais

Agenda 21 Local e Agenda 21 Escolar Caderno de Apoio à Criação de Projectos

Agenda 21 Local e Agenda 21 Escolar Caderno de Apoio à Criação de Projectos Agenda 21 Local e Agenda 21 Escolar Caderno de Apoio à Criação de Projectos Projecto Mil Escolas Anos Lectivos 2007/2008 e 2008/2009 Programa Integrado de Educação Ambiental: A Água e os Nossos Rios Notas

Leia mais

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude.

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA PROGRAMA EMPREENDE JOVEM Objetivos Para quem Iniciativas PLATAFORMA EMPREENDEJOVEM MOVE YOUR WAY @ PORTO

Leia mais

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 PPDA 2009-2011 PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 JULHO 2001 PPDA 2009-2011 PARECERES RELATIVOS ÀS MEDIDAS 28, 30 E 33 MEDIDA 28 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

Participar no Horizonte 2020

Participar no Horizonte 2020 Gabinete de Promoção dos Programa Quadro ID&I Participar no Horizonte 2020 Elisabete Pires NCP ICT, FET e Administração pública Castelo Branco 06/04/2016 GPPQ Criado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

e educação de jovens e adultos

e educação de jovens e adultos Formação de neoleitores e educação de jovens e adultos Tancredo Maia Filho III Fórum do Plano Nacional do Livro e Leitura III Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias 20 de agosto

Leia mais

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento Plano de Melhoria do Agrupamento dezembro 2013 1. Introdução O Plano de Melhoria que neste momento se apresenta, constitui um instrumento de suporte à programação e à implementação das ações de melhoria

Leia mais

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR MICROREDE DE ESCOLAS DO CFAC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURE E RIBEIRA DO NEIVA - Medida : Pouca autonomia por parte dos alunos nas diversas disciplinas e falta de hábitos de autorregulação das suas aprendizagens

Leia mais

Avaliando os vínculos externos

Avaliando os vínculos externos Módulo 2 Avaliando os vínculos Conteúdo SESSÃO 1 Avaliando os vínculos 54 53 Módulo 2 Sessão 1 Avaliando os vínculos As áreas chaves ligadas aos vínculos são: Relacionamentos com outras organizações Defesa

Leia mais

Índice. Introdução 3. Identificação dos pontos fortes do Agrupamento. 3. Identificação das Áreas de Melhoria. 4. Priorização das Áreas de Melhoria.

Índice. Introdução 3. Identificação dos pontos fortes do Agrupamento. 3. Identificação das Áreas de Melhoria. 4. Priorização das Áreas de Melhoria. Índice Introdução 3 Identificação dos pontos fortes do. 3 Identificação das Áreas de Melhoria. 4 Priorização das Áreas de Melhoria. 6 Ações de melhoria modelo de ficha. 8 Ações de melhoria. 8 2 Introdução

Leia mais

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis Organização Pan Americana da Saúde Oficina Regional da Organização Mundial da Saúde Municípios e Comunidades Saudáveis Guia dos prefeitos e outras autoridades locais Promovendo a qualidade de vida através

Leia mais

Galp Energia reduz fatura de eletricidade das empresas com formação gratuita em eficiência energética

Galp Energia reduz fatura de eletricidade das empresas com formação gratuita em eficiência energética Galp Energia reduz fatura de eletricidade das empresas com formação gratuita em eficiência energética Procurando ir ao encontro das necessidades das empresas da região e tendo em conta o interesse desta

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA A melhoria da eficácia da resposta educativa decorre de uma articulação coerente entre: Projeto Educativo Currículo Plano de Turma Assim, o Plano de Turma, assume a forma

Leia mais

CONEXÃO VERDE IASEA REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL

CONEXÃO VERDE IASEA REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL CONEXÃO VERDE REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL IASEA INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL 1. APRESENTAÇÃO Conexão Verde é uma rede de aprendizagem e colaboração que envolve jovens

Leia mais

José Luís Ramos CIEP/CC TIC da Universidade de Évora

José Luís Ramos CIEP/CC TIC da Universidade de Évora José Luís Ramos jlramos@uevora.pt CIEP/CC TIC da Universidade de Évora Comunidades Escolares de Aprendizagem Gulbenkian XXI Apoio: Comunidades Escolares de Aprendizagem Gulbenkian XXI Comunidades Escolares

Leia mais

Gestão Estratégica de Projetos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Gestão Estratégica de Projetos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Ferramenta 2.1 Matriz do Modelo de Maturidade de Inovação

Ferramenta 2.1 Matriz do Modelo de Maturidade de Inovação Ferramenta 2.1 Matriz do Modelo de Maturidade de Inovação Este é um de vários exemplos através dos quais o modelo de inovação pedagógica pode ser testado e desenvolvido, sugerindo, ao mesmo tempo, práticas

Leia mais

Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul

Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul Meios de Financiamento Nacionais e Europeus e Integração das Políticas de Desenvolvimento Par$lha de Informação A promoção de um ambiente

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO. Alimentação Humana Promoção e Consumo dos Produtos Regionais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO. Alimentação Humana Promoção e Consumo dos Produtos Regionais PROJECTO DE RESOLUÇÃO Alimentação Humana Promoção e Consumo dos Produtos Regionais Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Exma. Sras. Deputadas e Srs. Deputados Exmo. Sr. Presidente do Governo Exma. Sra. e

Leia mais

Grupo de Pesquisa. Pesquisa em Sustentabilidade

Grupo de Pesquisa. Pesquisa em Sustentabilidade Centro Universitário SENAC Diretoria de Graduação e Pesquisa Coordenação Institucional de Pesquisa Identificação Grupo de Pesquisa Grupo Pesquisa em Sustentabilidade Linhas de Pesquisa Técnicas e tecnologias

Leia mais

Responsabilidade Social Interna. Porque queremos ir mais longe, chegando MAIS PERTO

Responsabilidade Social Interna. Porque queremos ir mais longe, chegando MAIS PERTO Porque queremos ir mais longe, chegando MAIS PERTO No Município de Oeiras é entendida como: Um agente facilitador do desenvolvimento socioprofissional dos colaboradores Um Instrumento de Criação de Valor

Leia mais

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma.é nomeado/eleito na primeira reunião de Pais e Encarregados de Educação da Turma; Tem participação nos Conselhos de Turma; É a

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT20 62 2015 10 Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública (SAMA2020) DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Restaurante do futuro Ambiente e eficiência energética

Restaurante do futuro Ambiente e eficiência energética Restaurante do futuro Ambiente e eficiência energética António Cunha Pereira 17 Abril 2012 Documento compatível com caracteres ecofont - reduzindo o consumo do seu tinteiro em mais de 20%. Mais informações

Leia mais

PROGRAMA SIMPLEX 2016 CAMÕES, I.P.

PROGRAMA SIMPLEX 2016 CAMÕES, I.P. PROGRAMA SIMPLEX 2016 CAMÕES, I.P. Acelerador da Inovação dos Serviços 1 ESTRATÉGIA Modernização administrativa transversal às áreas de atuação do Camões, I.P. 2 PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO

Leia mais

NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância

NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação

Leia mais

Prémio Floresta e Sustentabilidade 2016

Prémio Floresta e Sustentabilidade 2016 Prémio Floresta e Sustentabilidade 2016 Formulário de Candidatura Categoria Sustentabilidade Florestal Iniciativa desenvolvida pela CELPA em associação com o Correio da Manhã e o Jornal de Negócios, com

Leia mais