Medição de desempenho organizacional de TI: um estudo exploratório em IES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Medição de desempenho organizacional de TI: um estudo exploratório em IES"

Transcrição

1 Universidade Presbiteriana Mackenzie Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis Medição de desempenho organizacional de TI: um estudo exploratório em IES João Luiz Jardim Sanches São Paulo 2011

2 João Luiz Jardim Sanches Medição de desempenho organizacional de TI: um estudo exploratório em IES Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Presbiteriana Mackenzie para a obtenção do título de Mestre em Controladoria Empresarial. Orientador: Prof. Dr. José Carlos Tiomatsu Oyadomari São Paulo 2011

3 Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Professor Dr. Benedito Guimarães Aguiar Neto Decano de Pesquisa e Pós-Graduação Professor Dr. Moisés Ari Zilber Diretor do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Professor Dr. Sérgio Lex Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis Professora Dra. Maria Thereza Pompa Antunes

4 S211p Sanches, João Luiz Jardim Medição de desempenho organizacional de TI: um estudo exploratório em IES / João Luiz Jardim Sanches f.: il. ; 30 cm Dissertação (Mestrado em Controladoria Empresarial) Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Prof. Dr. José Carlos Tiomatsu Oyadomari Bibliografia: f Medição de desempenho. 2. Indicadores de desempenho. 3. Controle gerencial.4. Tecnologia da informação. 5. Instituições de ensino superior. I. Título. CDD

5 A imaginação é mais importante do que o conhecimento. Einstein

6 À minha amada esposa Dominique, detentora de minhas virtudes, por sua força, paciência e incentivo durante a jornada, e à nossa filha Laura, que somou mais alegria em nossos corações, colorindo nossa aventura de viver.

7 Agradecimentos A Deus, por me dar a oportunidade de tentar, sempre. Ao mestre, que me guiou nesta jornada, excelente orientador, sábio mentor, Prof. Dr. José Carlos Tiomatsu Oyadomari, pela confiança depositada e por tornar este trabalho possível. Ao líder e conselheiro Vagner Gomes, por clarear meu pensamento e me reconhecer à altura do desafio. Ao também líder Yvan Calil, por sua compreensão ao tornar possível perseguir o objetivo. Aos Professores Drs. Andson Braga de Aguiar, Gilberto Perez e Maria Luísa Teixeira, por mostrarem com atenção e paciência os caminhos possíveis. Aos gestores que aceitaram gentilmente participar deste trabalho, tornando-o viável. Aos familiares e amigos que souberam compreender a ausência. À minha mãe Ana, por ser mãe, em sua plenitude. Ao meu pai, que em vida foi meu maior mentor, conselheiro, líder, amigo e incentivador, mostrando-me que honestidade, justiça, amor e fé são os valores essenciais de um homem.

8 RESUMO Neste trabalho, foi feita a análise de como se dá a mensuração de desempenho da área de Tecnologia da Informação (TI) em Instituições de Ensino Superior (IES), de forma exploratória, utilizando-se a técnica de análise de conteúdo, conforme feito por Perez (2006). No intuito de gerar conhecimento aplicável a um segmento econômico e evitar os riscos de pesquisas abrangentes, porém gerando resultados inconclusivos para determinados segmentos (CHENHALL, 2006), optou-se pelo segmento de Instituições de Ensino Superior (IES). O primeiro objetivo do trabalho foi trazer à tona algumas características da medição de desempenho, revelando em qual estágio de controle gerencial se encontram tais ambientes. O segundo objetivo foi detectar possíveis distâncias entre as práticas ora estudadas e alguns conceitos apregoados pela Academia. Para perseguir esses objetivos, por vezes, durante a análise dos resultados, foi necessário buscar a teoria tal qual o estudo de Järvenpää (2007), segundo o qual, de forma abdutora, parte-se dos resultados para a correta conexão com a literatura. Além da categorização e da análise dos resultados, o framework proposto por Ferreira e Otley (2009) foi utilizado como referência de comparação para os atuais estágios de controle de desempenho encontrados nas áreas de TI. Os resultados mostram um estágio pouco desenvolvido na utilização de ferramentas de controle gerencial para controle de desempenho. Nesse contexto, percebeu-se a influência de fatores externos ainda não absorvidos pelas controladorias, principalmente quanto à captura de aprendizado por meio de Comunidades de Práticas (CoPs). Foi possível constatar uma validação da abordagem contingencial (MERCHANT, 1984; CHENHALL, 2006; FERREIRA; OTLEY, 2009), na qual os fatores externos combinados ao estágio das organizações culminam na adoção dos procedimentos de controle utilizados. Os resultados sugerem que a forma de medição de desempenho pode ser explicada em parte pelo distanciamento da área de Controladoria, indicando que esta não possui papel determinante organizacionalmente, com evidências de gaps em relação à literatura acadêmica. O distanciamento do planejamento estratégico da gestão da área de TI também pode ser em parte um fator explicativo para os fenômenos apresentados nas IES B, C e D. A IES do caso A apresentou-se de forma peculiar em relação às outras, com ambiente de controle mais desenvolvido, consoante com estrutura de controle mais moderna prevista no framework de Ferreira e Otley (2009). Palavras-chave: Medição de Desempenho, Indicadores de Desempenho, Controle Gerencial, Tecnologia da Informação, Instituições de Ensino Superior.

9 ABSTRACT In this work, an exploratory analysis of performance measurement procedures in Information Technology (IT), among Higher Education Institutions (HEI) was done, using a content analysis technique as in Perez (2006).With a view to generate knowledge that is applicable to an economic segment, avoiding the risks of wide ranging research, yet resulting inconclusive for certain segments (CHENHALL, 2006), we opted for the Higher Education Institutions. Our first goal was to identify a few characteristics of those processes, revealing which stage of management control they were at. Our second goal was to detect possible gaps between the practices contemplated in this study and some of the concepts that are preached by the academy. In order to pursue these goals, there were moments during the analysis of the results, in which it became necessary to search for theories such as the Järvenpää (2007) study, in which one departs from the results moving towards the correct connection with the literature. Besides categorizing and analyzing results, the framework proposed by Ferreira and Otley (2009) was used as a reference to compare the current performance control stages identified in IT. The results show a poorly developed stage in the use of management control tools to control performance. The influence of external factors which are not yet absorbed by the controllerships was noticed, mainly related to learning through community practices. It was possible to verify validation of the contingency approach (MERCHANT, 1984; CHENHALL, 2006; FERREIRA, OTLEY, 2009), by which external factors combined with the organization stages culminate in the adoption of the control procedures in use. The results suggest that the current process of performance measurement procedure can be explained in part by the detachment from the Controllership area, suggesting that this area does not play a determining role within the organization, evidencing gaps related to the academic literature. The distance between strategic planning and IT management can also be in part an explanatory factor of the phenomena presented in HEI B, C, and D. The HEI of case A displayed a peculiar form, when compared to the others. It shows a more controlled and developed environment, in accordance with a more modern management control anticipated by the Ferreira and Otley (2009) framework. Key words Performance Measurement Procedure, Performance Indicators, Management Control, Information Technology, Higher Education Institutions

10 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE GRÁFICOS LISTA DE QUADROS INTRODUÇÃO Contextualização Questão de pesquisa Objetivos Justificativa e contribuição REFERENCIAL TEÓRICO Técnicas de mercado Mensuração de desempenho Orçamento Indicadores de desempenho de Tecnologia da Informação Instituições de Ensino Superior Contexto no Cenário Brasileiro PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Técnica da análise de conteúdo APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS Framework de Ferreira e Otley (2009) Análise de Conteúdo Estágio atual da medição de desempenho de TI nas IES pesquisadas Conclusões das análises dos resultados CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES... 75

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Framework de Ferreira e Otley (2009) Figura 2 - Esquema básico de Análise de Conteúdo Figura 3 - Fatores determinantes do processo de medição de desempenho de TI nas IES... 64

12 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 - Evolução do número de matrículas Gráfico 2 - Número de IES e matrículas em

13 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Técnicas de avaliação para TI Quadro 2 - Técnicas de avaliação para investimentos em TI Quadro 3 - Perfil dos respondentes Quadro 4 - Matriz de amarração Quadro 5 - Duração das entrevistas Quadro 6 - Incidência de utilização de indicadores Quadro 7 - Matriz de categorias Quadro 8 - Benefícios fornecidos pelas Comunidades de Práticas... 53

14 1. INTRODUÇÃO 1.1. Contextualização A literatura em Contabilidade Gerencial defende a importância dos Sistemas de Controle Gerencial (SCG) para auxiliar na condução das organizações rumo ao seus objetivos estratégicos. Quanto maior a organização, mais presente se torna a necessidade de controle e maior é a formalização dos sistemas de controle com o objetivo de alcançar a eficácia do controle gerencial (ANTHONY; GOVINDARAJAN, 2006). As organizações lançam mão de Sistemas de Controle Gerencial para controlar suas atividades e influenciar o comportamento dos gestores, e os estudos no campo da Contabilidade Gerencial avançam cada vez mais para o entendimento e o uso dos SCG (SIMONS, 1995). Um exemplo do papel dos SCG para a gestão é a produção de informação útil para a tomada de decisão, planejamento e avaliação de desempenho (FERREIRA; OTLEY, 2006). Os sistemas de mensuração de desempenho são um componente importante dos Sistemas de Controle Gerencial de uma organização, os quais são utilizados para assegurar o alcance dos objetivos estratégicos definidos pelos administradores levando em conta os fatores críticos de sucesso atuais e futuros (FERREIRA; OTLEY, 2009). Importante ressaltar que se vive hoje uma era da economia digital (TURBAN; RAINER; POTTER; 2005), quando a tecnologia de informação tem um papel preponderante, inclusive constituindo um segmento econômico pujante com várias empresas listadas nas principais bolsas de valores mundiais. Nesse cenário de organizações informatizadas, os investimentos e a gestão de Tecnologia da Informação são tópicos cada vez mais relevantes, por isso torna-se importante desenvolver uma adequada infraestrutura de Tecnologia da Informação (TI) para suportar o planejamento e o controle dos processos de negócio (IRANI, 2002). Ressaltando que TI exerce uma função importante não apenas nas grandes empresas, a destacar sua importância para as Instituições de Ensino Superior (IES), população específica que foi objeto de estudo deste trabalho. Escolha desta população justificada não apenas pela sua crescente importância no cenário brasileiro, mas visando gerar conhecimento aplicável a um segmento econômico e evitar os riscos de pesquisas abrangentes, porém gerando resultados inconclusivos para determinados segmentos (CHENHALL, 2006). Essa crescente importância da TI nas organizações tem motivado pesquisas acadêmicas, principalmente na área de Estratégia, que tem focado em determinar financeiramente o efeito de TI no desempenho das empresas, muito embora os resultados

15 15 dessas pesquisas ainda não tenham chegado a um consenso a respeito do efeito dos investimentos em Tecnologia da Informação no desempenho das organizações (LEE; KIM, 2006). Outras, com enfoque mais utilitário, têm procurado formas de avaliar o investimento em TI, como pode ser visto em trabalhos das últimas décadas, como os de Hochstrasser (1990 e 1993), Shank (1996), Serafeimidis e Smithson (1999 e 2000), Remenyi e Sherwood-Smith (1999), Irani (2002), Hu e Quan (2005 e 2006), Ko e Osei-Bryson (2006), Lee e Kim (2006), Moraes, Bobsin e Lana (ENANPAD, 2006), Stiroh (2008), Karadag, Cobanoglu e Dickinson (2008), dentre outros que podem ser encontrados na vasta literatura disponível. O desempenho empresarial, num contexto abrangente das organizações, tem sido objeto de estudos na área de Contabilidade Gerencial (BRITO; VASCONCELOS, 2003; MACEDO; SILVA, 2004; OMAKI, 2005), porém os estudos sobre medição de desempenho de TI, como área organizacional sob a perspectiva da Contabilidade Gerencial, são escassos em âmbito nacional, embora seja esperada a existência de medidas de mensuração do desempenho da área de TI como unidade organizacional, segundo defendem Albertin e Albertin (2009). A ideia de desenvolver indicadores de desempenho para as áreas organizacionais teve maior disseminação com a institucionalização do Balanced Scorecard, proposto por Kaplan e Norton (1997). Porém essa preocupação com foco em TI como unidade organizacional parece ainda não ter sido objeto das pesquisas brasileiras em Contabilidade Gerencial, pois uma revisão feita em 14 de janeiro de 2011 na base de dados de artigos publicados de Eventos Científicos promovidos pela ANPAD (Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Administração), revelou carência de artigos científicos voltados para o desempenho de TI como atividade funcional da organização. Uma possível justificativa para esse fenômeno pode ser a existência de um gap de interesses entre a produção acadêmica e os interesses dos práticos, conforme discutido por Mitchel (2002) e revisado por Oyadomari et al. (2010). Porém não é razoável supor que essas áreas organizacionais não estejam realizando medição de desempenho, mesmo que não seja da forma preconizada pela literatura acadêmica, pois uma primeira leitura das revistas técnicas e dos sites das empresas de consultoria mostra que, nesse ambiente dos profissionais de TI, predomina uma linguagem uniforme delineada pelas próprias Comunidades de Práticas, ou CoPs, abreviatura para Communities of Practice (WENGER, 2000), conforme podemos constatar no trabalho de Farinelli (2008). As Comunidades de Práticas, segundo se verificou, ainda que preliminarmente, são compostas por profissionais do segmento, pelas empresas de consultoria, por grandes fabricantes, fornecedores de serviços de tecnologia da informação e outras organizações do campo de TI, dentre os membros mais importantes. Nas Comunidades

16 16 de Práticas percebe-se uma grande aceitação para utilização de frameworks baseados em melhores práticas de mercado, tais como as propostas ITIL (IT Infrastructure Library), COBIT (Control Objectives for Information and related Technology), e técnicas aplicadas à gestão de projetos de desenvolvimento de software, como Scrum, dentre outros Questão de pesquisa Primeiramente considerou-se que o papel da Tecnologia da Informação tem se tornado cada vez mais preponderante para as organizações e que o desenvolvimento de suas atividades pode ser considerado um fator crítico de sucesso, aliado ao fato de serem raros os estudos acadêmicos que discutem a mensuração de desempenho de TI como unidade organizacional, contrapondo-se com o fato de que as Comunidades de Práticas disseminam diferentes modelos. Somado a isso, com o intuito de gerar conhecimento que possa ser aplicável a um segmento econômico e, com isso, evitar os riscos de pesquisas que abrangem um universo de segmentos econômicos, mas que podem gerar resultados inconclusivos para determinados segmentos (CHENHALL, 2006), optou-se em escolher o segmento de Instituições de Ensino Superior (IES). As IES, além de serem a fonte de conhecimento acadêmico, são um segmento em crescimento no cenário brasileiro, com uma notável expansão nas últimas décadas de matrículas e oferta de cursos, conforme apontam as estatísticas apresentadas pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC). Como em outras organizações da atualidade, TI é uma estrutura funcional crítica nesse setor e pouco estudada no contexto das IES brasileiras. Adicionado à importância do segmento e da atividade ora estudadas, como salientaram Malmi e Grandlund (2009), o foco das pesquisas em contabilidade gerencial deve ter como objetivo melhorar o desempenho das organizações, outrossim, o aspecto da medição de desempenho organizacional de TI nas IES se torna relevante. Com esse foco, a questão de pesquisa é: qual é o estágio atual da medição de desempenho organizacional de TI em Instituições de Ensino Superior (IES) brasileiras? 1.3. Objetivos De forma exploratória, os objetivos perseguidos neste trabalho são dois: o primeiro é descrever como ocorre a medição de desempenho organizacional de TI em IES brasileiras, analisando algumas de suas características. O segundo é identificar, sob a ótica dos gestores

17 17 de TI das IES, eventuais gaps entre a teoria e a prática exercida na medição de desempenho organizacional dessas organizações, bem como entre as percepções do gestor da área de TI em relação ao processo de controle da organização Justificativa e contribuição Embora seja notória a expansão de instituições de ensino particulares no Brasil e em São Paulo especificamente foi possível observar a carência de estudos acadêmicos que abordassem a mensuração de desempenho da área de TI de tais instituições. Há diversos estudos acadêmicos que buscam justificar e comprovar os benefícios da Tecnologia da Informação para as organizações, visando os efeitos da adoção dessa tecnologia nos resultados das empresas conforme contextualizado anteriormente, porém estudos que discutem a perspectiva organizacional de TI como área funcional não foram identificados, conforme pesquisa na base da ANPAD realizada em 14 de janeiro de O ensino superior é um segmento que vem atraindo capital privado e tornando o mercado de ensino mais competitivo, independentemente da forma de atuação de cada organização, com ou sem fins lucrativos, os clientes, os alunos, são disputados cada vez mais por um número crescente de organizações de ensino, que precisam ser economicamente viáveis para cumprir as exigências de qualidade legais e dos próprios alunos. TI tem sido ao mesmo tempo meio para controle de processos acadêmicos e também um sistema de distribuição do ensino por meio de tecnologias de e-learning. Ratifica-se, então, a importância de aprofundar-se acerca da gestão das atividades de TI desse segmento e como e se são realizadas medições de desempenho dessas atividades.

18 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1. Técnicas de mercado É relativamente fácil, utilizando-se ferramentas de buscas na Internet, encontrar materiais propostos por consultorias diversas para auxiliar as organizações a gerir e avaliar seus recursos tecnológicos bem como a contribuição da área de TI. Dentre as práticas de mercado mais citadas por profissionais e empresas do setor, estão a biblioteca de melhores práticas para gestão de serviços de TI, a ITIL, que é marca registrada do governo britânico, e o framework para governança e controle de tecnologia da informação, COBIT, desenvolvido pelo ITGI (IT Governance Institute). A seguir, constará um breve resumo da história e aspectos dessas práticas bastante conhecidas pelos profissionais de TI. ITIL Este tópico teve como fonte o trabalho ITIL, The Basics, disponível no site da APM Group, organização mundialmente reconhecida por órgãos governamentais como referência em certificações de qualidade e de outras naturezas, que atua pelo governo britânico para manter a documentação e demais assuntos relacionados à ITIL, dentre outras metodologias e ferramentas de gestão, difundidas nas organizações ao redor do mundo. A biblioteca ITIL, ou IT Infrastructure Library, que completou 20 anos de existência em 2010, é o framework mais amplamente utilizado para o gerenciamento de serviços de TI no mundo. Esse compêndio de práticas nasceu quando o órgão governamental do Reino Unido denominado Government Commerce Office (GCO), reconheceu que a utilização de práticas consistentes para todos os aspectos do ciclo de vida dos serviços suportados por recursos de TI poderia trazer eficiência para as organizações, bem como previsibilidade de níveis de qualidade de serviço. A filosofia que permeia a ITIL reza que os serviços de TI não devem ser enxergados isoladamente, mas, sim, como parte da cadeia de valor dos serviços para os quais dá suporte, numa abordagem ponta a ponta. Dentre os benefícios que o uso da metodologia pode trazer para a organização, segundo a promotora da marca, têm-se: Alinhamento com as necessidades do negócio;

19 19 Negociação de níveis de serviços atingíveis, entregando o valor necessário por um custo aceitável; Processos previsíveis e consistentes; Eficiência na entrega de serviços; Processos e serviços mensuráveis e passíveis de melhoria; Linguagem comum com termos definidos. Uma das justificativas que os detentores da metodologia defendem para aplicação do ITIL é sua capacidade de garantir processos consistentes e repetíveis, agregando eficiência aos serviços das organizações e atendendo à demanda cada vez maior e com exigências emergenciais em escala global. Além dos aspectos favoráveis que a adoção das práticas previstas na ITIL trazem para auxiliar a gestão das atividades de TI, a força da marca, cuja proposta está em tom semelhante ao que se percebe na maioria das consultorias importantes, independentemente de aprofundamento que se faça nos alicerces dos princípios que a norteiam, é perceptível quando se observa a adoção da ITIL por empresas globais de grande expressão, como Microsoft, HP, Fujitsu, IBM, Walmart, Staples, Citi, Bank of America, Barclay s Bank, Sony, Disney, Boeing, Toyota, Bombardier, Eli Lylli, Pfizer e Takeda Phamaceuticals. COBIT Este tópico foi desenvolvido de acordo com o sumário executivo elaborado e disponibilizado pelo ITGI, que é um instituto específico para assuntos relacionado à governança de TI, afiliado ao ISACA, instituto criado em 1969, na forma de uma associação de empresas de TI que visava auxiliar seus membros e seus empregados a assegurar o valor e a confiabilidade dos sistemas de informação. O sumário executivo pode ser encontrado em meio eletrônico no endereço Center/COBIT/Pages/Overview.aspx. Os detentores da metodologia expõem que a necessidade das organizações de garantir o valor de TI, de gerenciar os riscos relacionados a TI e o aumento de requisitos para controle da informação são considerados elementos chave de governança corporativa. As premissas valor, risco e controle constituem o núcleo da governança de TI, que permeia o framework COBIT. O ITGI defende que a governança de TI integra e institucionaliza boas práticas para garantir que a área de TI da estrutura organizacional consiga suportar os objetivos de negócio.

20 20 Nesse contexto, o COBIT, também uma marca registrada e abreviação da expressão em inglês Control Objectives for Information and related Technology, ou em uma tradução livre Objetivos de Controle para a Informação e Tecnologia Relacionada segundo o ITGI contribui para: Estabelecer uma conexão com os requisitos de negócio; Organizar as atividades de TI em um modelo de processo geralmente aceito; Identificar os principais recursos de TI a serem alavancados; Definir os objetivos de controle gerencial a serem considerados. O framework COBIT, em suma, visa suportar a governança de TI, permitindo garantir-se que: TI está alinhada com o negócio; TI viabiliza o negócio e maximiza seus benefícios; Os recursos de TI são utilizados com responsabilidade; Os riscos de TI estão sendo gerenciados adequadamente. Importante aspecto dos Sistemas de Controle Gerencial é corroborado pelas premissas do framework COBIT. No sumário executivo é defendida a crucial importância da mensuração de desempenho para a governança de TI. Assim, o referido framework suporta a definição e a monitoração de objetivos mensuráveis quanto ao que deve ser entregue nos processos e nas atividades de TI e, ainda, estabelece de que forma essa entrega deve ser feita. Embora não haja referências à literatura acadêmica no sumário executivo do COBIT, seus princípios à primeira vista são coerentes entre si e têm certa similaridade, pelo menos enquanto proposta, com o que preconiza a literatura acerca de medidas de desempenho, como será visto a seguir Mensuração de desempenho As grandes corporações estão permeadas pela relação de agência, que nada mais é do que um contrato no qual uma ou mais pessoas (principais) outorgam autoridade a terceiros (agentes) para cuidarem de seus interesses (JENSEN; MECKLING, 1976). Os agentes são remunerados e premiados pelos principais como forma de recompensa por cuidar dos interesses da organização. Sendo as empresas organizações conduzidas por pessoas que são

21 21 cada vez mais remuneradas e premiadas por seu desempenho, torna-se importante a existência de sistemas de controle eficazes para mensurar seus resultados no exercício de suas funções nas organizações. Enquanto a Estratégia de uma organização busca entender como o desempenho é obtido, a Contabilidade Gerencial busca desenvolver formas para medir esse desempenho (OYADOMARI, 2008) e pode lançar mão de Sistemas de Controle Gerencial (SCG) para auxiliar no alinhamento entre as atividades conduzidas e os objetivos estratégicos (ANTHONY; GOVINDARAJAN, 2006). Definir e desenvolver indicadores de desempenho fazem parte do ferramental da Contabilidade Gerencial e do desenrolar das atividades de controle das organizações e de seus SCG. Como visto em Frezatti et al. (2009), desempenho corresponde à identificação de resultados mensuráveis que foram alcançados em um dado período por uma entidade, uma unidade de negócios, um departamento ou um indivíduo. O desempenho deve ser medido periodicamente e deve proporcionar algum tipo de ação no gerenciamento das organizações, ou seja, as mensurações devem levar à mudança. Desempenho é o resultado propriamente dito e uma questão crítica para que a avaliação de desempenho seja útil para a organização é a identificação de como tal avaliação deve ser utilizada, ou seja, o que se pretende com a atividade de medir o desempenho. O objetivo principal dos sistemas de gerenciamento de desempenho que a literatura dos últimos vinte anos aponta é dar suporte aos gestores das organizações, auxiliando-os a medir o desempenho do negócio e a analisar e melhorar a eficiência operacional por meio de um melhor processo de tomada de decisão (TATICCHI; BALACHANDRAN, 2006). Observando a característica medir dos sistemas de gerenciamento de desempenho, um sistema de mensuração de desempenho procura endereçar as necessidades dos stakeholders de uma organização com a criação de um conjunto de medidas estratégicas: medidas de resultados e causais, medidas financeiras e não financeiras, e medidas internas e externas (ANTHONY; GOVINDARAJAN, 2006). Anthony e Govindarajan (2006) descreveram da seguinte forma os tipos de medidas estratégicas de um sistema de mensuração de desempenho: - MEDIDAS DE RESULTADOS E CAUSAIS: medidas de resultados indicam o resultado final da estratégia (por exemplo, o aumento da receita). São tipicamente indicadores do passado e dizem ao gestor o que aconteceu. Já as medidas causais são medidas de orientação, ou seja, que mostram o progresso das áreas-chave na implantação da estratégia e podem ser utilizadas em níveis mais básicos, além de indicar mudanças incrementais que podem afetar o resultado final, v.g., medir o tempo do ciclo de lançamento de um novo produto. Medidas de

22 22 resultados e causais são intrinsecamente ligadas, já que, se o resultado indicar que há algum problema, porém as medidas causais indicam que a estratégia vai bem, pode estar aí uma situação na qual a mudança na estratégia seja necessária. - MEDIDAS FINANCEIRAS E NÃO-FINANCEIRAS: é evidente que as empresas se preocupam com modelos sofisticados de avaliação financeira. Basta acompanhar o movimentado mercado de valores e as altas remunerações pagas a CFOs (Chief Financial Officers). Porém os autores ressaltam que outros fatores são importantes, como a satisfação do cliente e a qualidade, e, na década de 80, nos EUA, as empresas que não consideraram tais fatores tiveram seus resultados afetados negativamente. A principal dificuldade de se incluir medidas não financeiras nos sistemas de mensuração de desempenho está justamente na forma de medir fatores não financeiros. Podemos citar algumas medidas financeiras surgidas na década de oitenta e ainda hoje muito utilizadas, como ROI, ROE, ROCE, EVA, ABC (TATICCHI; BALACHANDRAN, 2008) e ainda outros indicadores mais populares, como VPL, TIR, Payback, cujo papel primordial é medir resultados financeiros, geralmente num curto período de tempo. - MEDIDAS INTERNAS E EXTERNAS: num cenário ideal, as empresas deveriam atingir um equilíbrio entre as medidas externas, como satisfação do cliente, e medidas internas, como rendimento da produção. A razão para essa recomendação é o fato de que as companhias sacrificam freqüentemente seu desenvolvimento interno para obter resultados externos ou ignoram completamente resultados externos, acreditando, de modo equivocado, que medidas internas são suficientes. A capacidade das mensurações para promover mudanças é um importante aspecto do sistema de mensuração de desempenho devido a sua capacidade para avaliar os resultados e as causas, de maneira a levar a empresa a agir de acordo com a estratégia. A empresa consegue alcançar metas alinhadas ligando os objetivos gerais estratégicos e financeiros aos objetivos de níveis inferiores, que podem ser observados e alterados em diferentes níveis da organização. Uma importante contribuição nesse sentido veio com o Balanced Scorecard, mais comumente conhecido como BSC (KAPLAN; NORTON, 1997), que visa a promover o balanceamento de várias medidas estratégicas em um esforço para conseguir o alinhamento de metas e, assim, encorajar os funcionários a agir de acordo com os interesses da organização. O BSC busca avaliar a organização sob quatro perspectivas de desempenho: FINANCEIRA, CLIENTE, INTERNA e INOVAÇÃO E CRESCIMENTO. Nesta metodologia, que vem provando ser um modelo de sucesso para gestão de desempenho (TATICCHI; BALACHANDRAN, 2008), o gestor deve escolher um conjunto de medidas que (i) reflita com precisão os fatores críticos

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

BENEFÍCIO DO USO DE TECNOLOGIA

BENEFÍCIO DO USO DE TECNOLOGIA GVPESQUISA BENEFÍCIO DO USO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO NO DESEMPENHO EMPRESARIAL Relatório 07/2005 ALBERTO LUIZ ALBERTIN Não é permitido o uso das publicações do GVpesquisa para fins comerciais, de forma

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Governança de TI Ementa: Relacionar a governança de TI com a governança corporativa. Boas práticas

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior A disciplina Nossa disciplina se divide em 4 unidades de aprendizagem: 1. Conceitos e contexto empresarial

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI COBIT Processos de TI Aplicativos Informações Infraestrutura Pessoas O que é o CObIT? CObIT = Control Objectives for Information and Related

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Gerenciamento de TI. Paulo César Rodrigues

Gerenciamento de TI. Paulo César Rodrigues Gerenciamento de TI Paulo César Rodrigues *Analista de Sistemas; *Tutor do curso de graduação em Tecnologia em Sistemas de Computação (UFF/Cederj); * Professor do curso Técnico em Informática da Prefeitura

Leia mais

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Ciência da Computação Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Agenda Histórico Conceitos básicos Objetivos Visão Geral do Modelo Publicações: Estratégia de

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Curso e-learning ISO/IEC 20000 Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Este é um curso independente desenvolvido pelo TI.exames em parceria com a CONÊXITO CONSULTORIA que tem grande

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Gestão da TI. É proibida a cópia deste conteúdo, no todo ou em parte, sem autorização prévia do autor.

Gestão da TI. É proibida a cópia deste conteúdo, no todo ou em parte, sem autorização prévia do autor. Este material foi desenvolvido especialmente para a disciplina Gestão da TI ministrada no curso de graduação em Sistemas de Informação da AES (Academia de Ensino Superior). Algumas imagens são de domínio

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

Introdução A GOVERNANÇA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Introdução A GOVERNANÇA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Introdução A GOVERNANÇA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Referências Gerenciamento Estratégico da Informação. Aumente a Competitividade e a eficiência de sua empresa utilizando a informação como ferramenta

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Ubiratam de Nazareth Costa Pereira (UNIFEI) upereira@sp.senac.br João Batista Turrioni (UNIFEI) turrioni@unifei.edu.br Edson de Oliveira Pamplona

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao 1 Tópicos Especiais Novembro - 2008 2 Referências

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. COBIT José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com COBIT Control Objectives for Information and Related Technology Copyright 1996, 1998, 2000 Information Systems Audit and Control Foundation. Information

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 Gerenciamento de Serviços de TI Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 A Informática, ou Tecnologia da Informação, antigamente era vista como apenas mais um departamento, como um apoio à empresa. Hoje, qualquer

Leia mais

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares,

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares, PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 630/2011 Define a Política de Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicações

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3.

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Dentro do enfoque geral em conhecer e discutir os fundamentos, conceitos e as definições de Governança de TI - Tecnologia da Informação, bem como

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA BALANCED SCORECARD: Uma ferramenta de gestão estratégica para empresa do ramo de consultoria contábil com foco

Leia mais

Café da Manhã Corporativo

Café da Manhã Corporativo Café da Manhã Corporativo O ITIL como ferramenta de Governança de TI Palestrante: Julio Cesar R. S. Avila Palestrante: Julio Cesar R. S. Avila Especialista Newtrend em Governança de TI, é um profissional

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

Palavras-chaves: Auditoria. Controle Interno. Sarbanes Oxley. Planejamento Estratégico. Gestão de Riscos Corporativos. Processo de Negócio.

Palavras-chaves: Auditoria. Controle Interno. Sarbanes Oxley. Planejamento Estratégico. Gestão de Riscos Corporativos. Processo de Negócio. GESTÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO: a participação dos controles internos na gestão estratégica corporativa Nome: Ricardo Alexandre Gonçalves de Moura (Auditor especialista em revisão de controles internos

Leia mais

1.3 Governança de Tecnologia da Informação Modelos de Referência

1.3 Governança de Tecnologia da Informação Modelos de Referência 1 1.3 Governança de Tecnologia da Informação Modelos de Referência Princípios Ciclo de Deming Os passos são os seguintes: Plan (planejamento) : estabelecer uma meta ou identificar o problema (um problema

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao Tópicos Especiais Junho - 2008 Referências Acessos

Leia mais

Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC)

Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC) ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gestão da Estratégia com uso do BSC Conteúdo para impressão Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC) Brasília 2014

Leia mais

Governança em TI ITIL, COBIT e ISO 20000

Governança em TI ITIL, COBIT e ISO 20000 ESADE ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E ECONOMIA. CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Governança em TI ITIL, COBIT e ISO 20000 Camila Madeira Camila Pinto Daniel Mendes Elias Sarantopoulos Evandro Colpo Janaina

Leia mais

1. Introdução e Objetivos 2. Fundamentação teórica 3. Desenvolvimento e Especificações do sistema

1. Introdução e Objetivos 2. Fundamentação teórica 3. Desenvolvimento e Especificações do sistema SISTEMA DE CONTROLE DE INDICADORES DE DESEMPENHO VOLTADO À DISPONIBILIDADE DE SERVIÇOS DE TI BASEADO NA BIBLIOTECA ITIL V3 Eduardo Cuco Roteiroda apresentação 1. Introdução e Objetivos 2. Fundamentação

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

As aplicações do Balanced Scorecard na Engenharia de Produção: uma análise baseada nas publicações do ENEGEP

As aplicações do Balanced Scorecard na Engenharia de Produção: uma análise baseada nas publicações do ENEGEP XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 6 As aplicações do Balanced Scorecard na Engenharia de Produção: uma análise baseada nas publicações do ENEGEP Sérgio Henrique Barszcz (União/UTFPR)

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

O que é e como encontrar uma oportunidade?

O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS É mais fácil perceber uma carência ou uma necessidade do que uma oportunidade.

Leia mais

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Fernando Riquelme i Resumo. A necessidade por criar processos mais eficientes,

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY)

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI na Prática

Gerenciamento de Serviços de TI na Prática Gerenciamento de Serviços de TI na Prática Uma abordagem com base na ITIL Inclui ISO/IEC 20.000 e IT Flex Ivan Luizio Magalhães Walfrido Brito Pinheiro Novatec Sumário Agradecimentos... 19 Sobre os autores...

Leia mais

ITIL. Information Technology Infrastructure Library

ITIL. Information Technology Infrastructure Library Information Technology Infrastructure Library 34929 - Daniel Aquere de Oliveira 34771 - Daniel Tornieri 34490 - Edson Gonçalves Rodrigues 34831 - Fernando Túlio 34908 - Luiz Gustavo de Mendonça Janjacomo

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Sumário. Gerenciamento de serviços de TI terceirizados usando ITIL e ITSM. Boletim técnico

Sumário. Gerenciamento de serviços de TI terceirizados usando ITIL e ITSM. Boletim técnico Gerenciamento de serviços de TI terceirizados usando ITIL e ITSM Boletim técnico Sumário Resumo executivo...................................................2 A oportunidade do Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Emerson de Melo Brasília Novembro/2011 Principais Modelos de Referência para Auditoria de TI Como focar no negócio da Instituição

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Este programa tem como objetivo consolidar conhecimentos sobre as melhores práticas de Governança em TI com base nos modelos propostos pela

Este programa tem como objetivo consolidar conhecimentos sobre as melhores práticas de Governança em TI com base nos modelos propostos pela GOVERNANÇA EM TI Controles do COBIT v4.1 integrados às boas práticas da ITIL v3. Requisitos das principais Normas de TI (ISO 20000 e ISO 27000) no contexto da Governança. Frameworks para outsourcing (escm-cl

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI. ITIL (IT Infraestructure Library) Conceitos Básicos Aula 1

Gerenciamento de Serviços de TI. ITIL (IT Infraestructure Library) Conceitos Básicos Aula 1 Gerenciamento de Serviços de TI ITIL (IT Infraestructure Library) Conceitos Básicos Aula 1 Objetivo do Curso Ensinar os conceitos do ITIL V3 apresentando pelos menos as seguintes visões: Mercado Aplicação

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

Governança de TI: O que é COBIT?

Governança de TI: O que é COBIT? Governança de TI: O que é COBIT? Agenda Governança de TI Metodologia COBIT Relacionamento do COBIT com os modelos de melhores práticas Governança de TI em 2006 Estudo de Caso Referências Governança de

Leia mais

INTRODUÇÃO. Copyright 2015 Todos os direitos reservados. Capacitação e Certificação COBIT 4.1 Foundation

INTRODUÇÃO. Copyright 2015 Todos os direitos reservados. Capacitação e Certificação COBIT 4.1 Foundation Apresentação Inicial BEM-VINDO!!! Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Governança de TI 1 INTRODUÇÃO 2 Introdução do Curso Bem vindo ao Controle de Objetivos de informação e Tecnologia (COBIT)

Leia mais

A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI)

A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI) A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI) Os principais modelos de melhores práticas em TI Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP, ITIL

Leia mais

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS - GRADUAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA - CPA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Ges tão Estra tégica: 3 - I m plantaç ão

Ges tão Estra tégica: 3 - I m plantaç ão Todos gostamos de belas palavras, porém poucos de nós as transformam em atos (Sun Tzu) INTRODUÇÃO Se oferecermos a um piloto de avião, duas aeronaves distintas para ele voar, qual delas escolheria? (i)

Leia mais

A Governança de TI Gestão de TI através de Portfólios

A Governança de TI Gestão de TI através de Portfólios A Governança de TI Gestão de TI através de Portfólios Sandra Sergi Santos, PMP Governança de TI Vamos começar este artigo analisando Governança de TI. A Governança de TI é a área mais crítica de uma governança

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciências Contábeis 7ª série Controladoria e Sistemas de Informações Contábeis A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

Atividade: COBIT : Entendendo seus principais fundamentos

Atividade: COBIT : Entendendo seus principais fundamentos SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PIAUÍ CAMPUS FLORIANO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PERÍODO

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. Prof. Luís s Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL ITIL

Governança de TI. ITIL v.2&3. Prof. Luís s Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL ITIL Governança de TI ITIL v.2&3 Prof. Luís s Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL ITIL Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços Gerenciamento

Leia mais

A gestão econômico-financeira nas IES privadas - Estudo de caso: centro de custos

A gestão econômico-financeira nas IES privadas - Estudo de caso: centro de custos A gestão econômico-financeira nas IES privadas - Estudo de caso: centro de custos César Luiz Silva dos Santos 1 Renato Silva 2 Rose Borba de Lima Cardoso 3 Thais Castro de Souza 4 Resumo: Este artigo tem

Leia mais

Indicadores e Métricas de Desempenho. O modelo de BSC para Service Desk

Indicadores e Métricas de Desempenho. O modelo de BSC para Service Desk Indicadores e Métricas de Desempenho O modelo de BSC para Service Desk Este documento emprega alguns conceitos da metodologia Balanced Scorecard (BSC), amplamente estudados e discutidos pelo Strategic

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

Serviço de Avaliaça o e Planejamento de Governança de TI

Serviço de Avaliaça o e Planejamento de Governança de TI efagundes.com Serviço de Avaliaça o e Planejamento de Governança de TI O serviço especializado avalia, planeja e implanta um modelo de governança nas organizações de TI alinhado com as estratégias e operações

Leia mais