POLÍTICAS PÚBLICAS E ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICAS PÚBLICAS E ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA I"

Transcrição

1 VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA POLÍTICAS PÚBLICAS E ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA I Rio de Janeiro / 2006 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO

2 Copyright 2006 Universidade Castelo Branco - UCB Todos os direitos reservados à Universidade Castelo Branco - UCB Nenhuma parte deste material poderá ser reproduzida, armazenada ou transmitida de qualquer forma ou por quaisquer meios - eletrônico, mecânico, fotocópia ou gravação, sem autorização da Universidade Castelo Branco - UCB. U n3p Universidade Castelo Branco. Políticas Públicas e Organização da Educação Brasileira I. Rio de Janeiro: UCB, p. ISBN Ensino a Distância. I. Título. CDD Universidade Castelo Branco - UCB Avenida Santa Cruz, Rio de Janeiro - RJ Tel. (21) Fax (21)

3 Chanceler Prof. a Vera Costa Gissoni Reitor Prof. Paulo Alcantara Gomes Vice-Reitor de Ensino de Graduação e Corpo Discente Prof. Marcelo Hauaji de Sá Pacheco Vice-Reitor de Planejamento e Finanças Sergio França Freire Filho Vice-Reitor de Gestão Administrativa e Desenvolvimento Marcelo Costa Gissoni Vice-Reitor de Ensino de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Prof. Samuel Cruz dos Santos Coordenadora de Educação a Distância Prof.ª Ziléa Baptista Nespoli Coordenadores dos Cursos de Graduação Ana Cristina Noguerol - Pedagogia Denilson P. Matos - Letras Maurício Magalhães - Ciências Biológicas Sonia Albuquerque - Matemática

4 Responsáveis Pela Produção do Material Instrucional Coordenadora de Educação a Distância - CEAD Prof.ª Ziléa Baptista Nespoli Supervisor do Centro Editorial - CEDI Joselmo Botelho Conteudista Jane Rangel Alves Barbosa

5 Apresentação Prezado(a) Aluno(a): É com grande satisfação que o(a) recebemos como integrante do corpo discente de nossos cursos de graduação, na certeza de estarmos contribuindo para sua formação acadêmica e, conseqüentemente, propiciando oportunidade para melhoria de seu desempenho profissional. Nossos funcionários e nosso corpo docente esperam retribuir a sua escolha, reafirmando o compromisso desta Instituição com a qualidade, por meio de uma estrutura aberta e criativa, centrada nos princípios de melhoria contínua. Esperamos que este instrucional seja-lhe de grande ajuda e contribua para ampliar o horizonte do seu conhecimento teórico e para o aperfeiçoamento da sua prática pedagógica. Seja bem-vindo(a)! Paulo Alcantara Gomes Reitor

6 Orientações para o Auto-Estudo O presente instrucional está dividido em duas unidades programáticas, cada uma com objetivos definidos e conteúdos selecionados criteriosamente pelos Professores Conteudistas para que os referidos objetivos sejam atingidos com êxito. Os conteúdos programáticos das unidades são apresentados sob a forma de leituras, tarefas e atividades complementares. A Unidade 1 corresponde aos conteúdos que serão avaliados em A1. Na A2 poderão ser objeto de avaliação os conteúdos das duas unidades. Havendo a necessidade de uma avaliação extra (A3 ou A4), esta obrigatoriamente será composta por todos os conteúdos das Unidades Programáticas 1 e 2. A carga horária do material instrucional para o auto-estudo que você está recebendo agora, juntamente com os horários destinados aos encontros com o Professor Orientador da disciplina, equivale a 60 horas-aula, que você administrará de acordo com a sua disponibilidade, respeitando-se, naturalmente, as datas dos encontros presenciais programados pelo Professor Orientador e as datas das avaliações do seu curso. Bons Estudos!

7 Dicas para o Auto-Estudo 1 - Você terá total autonomia para escolher a melhor hora para estudar. Porém, seja disciplinado. Procure reservar sempre os mesmos horários para o estudo. 2 - Organize seu ambiente de estudo. Reserve todo o material necessário. Evite interrupções. 3 - Não deixe para estudar na última hora. 4 - Não acumule dúvidas. Anote-as e entre em contato com seu monitor. 5 - Sempre que tiver dúvidas entre em contato com o seu monitor através do 6 - Não pule etapas. 7 - Faça todas as tarefas propostas. 8 - Não falte aos encontros presenciais. Eles são importantes para o melhor aproveitamento da disciplina. 9 - Não relegue a um segundo plano as atividades complementares e as dicas de estudo Não hesite em começar de novo.

8 SUMÁRIO Plano da disciplina... Unidade I - objetivos... Quadro-síntese da Unidade I... Unidade II - objetivos... Quadro-síntese da Unidade II... Contextualização da disciplina UNIDADE I AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS, AS REFORMAS DO ENSINO E OS PLANOS E DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: PONTOS DE REFLEXÃO E ANÁLISE Texto 1: A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB): contextualização sócio-histórica e política... Texto 2: Os planos e as políticas da educação no Brasil... Texto 3: A LDB/96: trajetória, limites e perspectivas para construção de uma educação cidadã... Texto 4: Financiamento da Educação Escolar UNIDADE II A ESTRUTURA E A ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: ASPECTOS LEGAIS E ORGANIZACIONAIS Texto 5: A estrutura do Sistema de Ensino Brasileiro... Texto 6: A organização administrativa e pedagógica da Educação Básica... Texto 7: Organização curricular da Educação Básica... Texto 8: O papel dos profissionais do magistério na organização do sistema de ensino e na organização da Escola Básica Glossário... Referências bibliográficas... Anexos

9 Políticas Públicas e Organização da Educação Brasileira I Plano da Disciplina Carga Horária Total: 60h/atividades Créditos: 04 Relevância da Disciplina Pretende-se analisar criticamente as políticas, as reformas de ensino, os planos e as diretrizes da educação no Brasil, em especial as da Educação Básica, desde sua organização administrativa, pedagógica e financeira até as questões e rumos que para ela se colocam a partir dos seus princípios e finalidades e segundo a legislação vigente, ressaltando o Ensino Fundamental como um direito. Objetivos da Disciplina Compreender o contexto político em que as reformas educacionais brasileiras acontecem, conhecendo a educação como uma ação política e pedagógica e analisando as políticas educacionais, as reformas de ensino e os planos e diretrizes para a educação escolar.

10 UNIDADE I 11 AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS, AS REFORMAS DO ENSINO E OS PLANOS E DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: PONTOS DE REFLEXÃO E ANÁLISE Objetivos: Tempo estimado de auto-estudo nesta unidade: 15h/atividades Situar a educação pública e democrática no contexto atual das transformações científicas, econômicas e políticas da sociedade contemporânea, ressaltando o impacto da revolução tecnológica e da globalização no campo da educação e as relações entre neoliberalismo e políticas educacionais correntes; Analisar as reformas educacionais em curso no País, constatando a existência de pontos comuns nas políticas educacionais nos diferentes momentos históricos; Analisar criticamente a estrutura e a organização do sistema de ensino brasileiro em seus aspectos legais, organizacionais, pedagógicos, curriculares, administrativos e financeiros, considerando, sobretudo, a LDB (Lei nº 9394/96) e a legislação complementar pertinente; Identificar a origem dos recursos financeiros destinados à educação escolar, bem como os instrumentos legais que podem contribuir para o controle social destes recursos.

11 12 Quadro-síntese do conteúdo programático Assuntos Local Atividades Complementares Texto 1: A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB): contextualização sóciohistórica e política Texto 2: Os planos e as políticas da educação no Brasil Texto 3: A LDB/96: trajetória, limites e perspectivas para a construção de uma educação cidadã p. 19 Leituras recomendadas: PINTO, I. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação: ruptura do espaço social e a organização da educação nacional. IN: BRZEZINSKI, I. LDB Interpretada: diversos olhares se entrecruzam. S. Paulo: Cortez, LIBÂNEO, J. C. et al. A Educação Escolar no contexto das transformações da sociedade contemporânea IN: Educação Escolar: Políticas, Estrutura e Organização. S. Paulo: Cortez, Complemente seu estudo: p. 26 Leituras recomendadas: CURY, C. R. J. et al. Plano Nacional de Educação: da Tecnocracia à Participação Democrática IN: CURY, C. R. J. et al. LDB e Plano Nacional de Educação. São Paulo: Brasil, Complemente seu etudo: p. 32 Leituras recomendadas: SAVIANI, D. A Nova LDB: limites e perspectivas. IN: SAVIANI, D. A Nova Lei da Educação LDB: trajetória, limites e perspectivas. S. Paulo: Autores Associados, SANTOS, C.R. dos. Níveis e Modalidades de Educação e Ensino. IN: SANTOS, C. R. dos. Educação Escolar Brasileira. Estrutura. Administração. Legislação. S. Paulo: Pioneira, LIBÂNEO, J. C. et al. Avaliação da educação básica e do ensino superior IN: LIBÂNEO, J. C. et al. Educação Escolar: Políticas, Estrutura e Organização. São Paulo: Cortez, Consulte a Constituição Brasileira de 1988 (artigos 205 a 214). Complemente seu estudo:

12 Assuntos Local Atividades Complementares 13 Texto 4: Financiamento da Educação Escolar p. 37 Leituras recomendadas: LIBÂNEO, J. C. et al. Financiamento da Educação Escolar. IN: LIBÂNEO, J. C. et al. Educação Escolar: Políticas, Estrutura e Organização. S. Paulo: Cortez, VALLE, B. de B; COSTA, M. de A. Recursos Financeiros na Nova LDB: avanços e limitações. IN: ALVES, N.; VILLARDI, R. Múltiplas Leituras da Nova LDB. Rio de Janeiro: Dunya, Consulte o Site do MEC:

13 14 UNIDADE II A ESTRUTURA E A ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: ASPECTOS LEGAIS E ORGANIZACIONAIS Tempo estimado de auto-estudo nesta unidade: 15h/atividades Objetivos: Caracterizar a estrutura administrativa, pedagógica e curricular do sistema de ensino brasileiro, em especial, do sistema da educação básica; Analisar criticamente a instituição escolar nas suas dimensões estrutural, pedagógica e política, visando à construção da escola pública como espaço de formação e humanização, habilitando-a como instância promotora de cidadania; Definir o papel do professor/educador na estrutura e no funcionamento da educação básica; Identificar as perspectivas atuais de transformação e construção de uma nova escola para os novos tempos.

14 Quadro-síntese do conteúdo programático 15 Assuntos Local Atividades Complementares Texto 5: A estrutura do Sistema de Ensino Brasileiro p. 41 Leituras recomendadas: LIBÂNEO, J. C et al. A Estrutura do Sistema de Ensino: Federal, Estadual e Municipal. IN: LIBÂNEO, J. C. et al. Educação Escolar: Políticas, Estrutura e Organização. S. Paulo: Cortez, Leituras do Boletim do MEC (vide site). Consultar o site do MEC: Texto 6: A organização administrativa e pedagógica da Educação Básica p. 43 Leituras recomendadas: LIBÂNEO, J. C. et al. Organização Administrativa, Pedagógica e Curricular do Sistema de Ensino. IN: LIBÂNEO, J. C. et al. Educação Escolar: Políticas, Estrutura e Organização. S. Paulo: Cortez, Consulte Documentos Oficiais: Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) para o Ensino Fundamental e para o Ensino Médio. Parâmetros em ação (Educação Infantil). Consulte os sites: Texto 7: A organização curricular da Educação Básica p. 53 Consulte Documentos Oficiais: Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) para o Ensino Fundamental e para o Ensino Médio. Parâmetros em ação (Educação Infantil). Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) para a Educação Infantil, Ensino Fundamental, para o Ensino Médio, para a Educação de Jovens e Adultos e para a Educação Especial. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Leitura recomendada: TORRES, R. M. Melhorar a qualidade da educação básica? As estratégias do Banco Mundial. IN: DE TOMMASI, L. et al. O Banco Mundial e as Políticas Educacionais. S. Paulo: Cortez, Complemente seu estudo:

15 16 Assuntos Local Atividades Complementares Texto 8: O papel dos profissionais do magistério na organização do sistema de ensino e na organização da Escola Básica p. 59 Leituras recomendadas: NETO, A.C. Reforma Educacional e Cidadania. IN NETO, A. C. Política Educacional: Desafios e Tendências. Porto Alegre: Sulina, CASTRO, A.M. D. A. Educação a Distância e Formação de Professores. IN: NETO, A. C. Política Educacional: Desafios e Tendências. Porto Alegre: Sulina, Consulte o site do MEC sobre Programas e Projetos de Educação a Distância e Formação de Professores: Complemente seu estudo:

16 Contextualização da Disciplina 17 A disciplina Políticas Públicas e Organização da Educação Brasileira I tem a intenção de auxiliar você, futuro pedagogo e/ou professor, para a compreensão das mudanças pelas quais vem passando a educação escolar brasileira. Sabemos que a escola atual é um modelo ultrapassado para promoção da educação e aprendizado. Por outro lado, as iniciativas governamentais desenvolvidas no campo educacional foram muito intensas nos últimos anos. Desenvolvem-se planos e reformas em que a educação é defendida como fator de desenvolvimento e como instrumento de cidadania e inclusão social; redefinem-se as leis para os níveis de ensino; reformulam-se os currículos e instrumentos de avaliação dos educandos; e o próprio conceito de educação é revisto e reinterpretado sob o enfoque socioeconômico e político. Por sua vez, o atendimento às necessidades sociais e culturais da população requer uma escola de qualidade social e pedagógica que socialize a cultura, a ciência e a arte enquanto direitos universais. Além disso, as pesquisas centram-se na idéia de escola como local de trabalho, isto é, uma organização de trabalho políticopedagógico em que predominam as práticas interativa, participativa, solidária e ética, fruto da construção coletiva de seus profissionais. Logo, os educadores e gestores escolares passam a ser considerados agentes criativos e inovadores nos processos didático-pedagógicos, curriculares e organizacionais, para a transformação da escola e do sistema de ensino. No contexto atual, busca-se examinar o ensino público e privado nas tramas da LDB/96, apontando nexos entre o conteúdo do texto e do contexto em que a Lei foi elaborada. Além disso, os textos expressam as idéias pelo caminho dos embates da cidadania. Todavia, os diversos olhares entrecruzam-se em temas de interesse daqueles que defendem a escola pública brasileira, com a preocupação de que os aspectos qualitativos e quantitativos combinem-se para promover educação e qualidade social para todos. Este estudo não tem a pretensão de apresentar soluções definitivas, mas ajuda a pensar sobre os contornos e os limites da atual política e a enfrentar os desafios postos para os educadores e gestores escolares na perspectiva de redimensionamento das práticas em nível de sistema educacional. As unidades I e II procuram refletir sobre algumas das principais questões em debate na definição das políticas educacionais no Brasil. Compõem-se de textos elaborados a partir dos últimos anos que procuram incorporar elementos fundamentais da conjuntura política educacional. Esperamos que os textos contribuam para aprofundar o debate sobre educação nacional e, em especial, a educação básica, para a busca de alternativas de políticas educacionais comprometidas com os interesses do conjunto da sociedade.

17 18

18 UNIDADE I 19 AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS, AS REFORMAS DE ENSINO E OS PLANOS E DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: PONTOS DE REFLEXÃO E ANÁLISE Esta Unidade possibilita o embasamento necessário para que Você possa compreender melhor como a estrutura e o funcionamento da educação básica estão organizados em termos legais vigentes em nosso país. Sendo assim, seu estudo tornar-se imprescindível, também, para todos os cursos de licenciatura. A Unidade em questão busca situar o aluno (futuro pedagogo e/ou professor) no Sistema Educacional Brasileiro, no que tange à política, à filosofia que o embasa, à estrutura organizacional e à coerência dele com a própria estrutura social da realidade brasileira contemporânea. Os aspectos legais que você vai estudar não devem, jamais, ser analisados de forma dissociada dos acontecimentos histórico-sociais correspondentes, ou seja, divorciados da diversidade cultural (tempo-espaço) do contexto brasileiro. Não perca de vista o momento histórico referente à Lei, a fim de que o estudo, a análise e a reflexão tenham maior densidade política e epistemológica para que, assim, fortaleça o alicerce da sua formação profissional. TEXTO 1: A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB): Contextualização Sócio-Histórica e Política A história da educação no Brasil inicia-se em 1549, com a vinda dos jesuítas em companhia do 1º Governador-Geral, Tomé de Souza. A partir de então, e por mais de duzentos anos, a educação ficou praticamente entregue aos padres da Companhia de Jesus, ou seja, o ensino público em nosso país. Atendendo aos propósitos missionários da Ordem e à política colonizadora inaugurada por D. João III, os jesuítas dedicaram-se fundamentalmente à catequese e à instrução do gentio, criando as escolas de primeiras letras e instalando colégios destinados a formar sacerdotes para a obra missionária na nova terra. Mas os colégios então fundados pelos jesuítas também preparavam para os estudos superiores, em universidades européias, os jovens que não buscavam a vida sacerdotal. Em 1759, um decreto de Sebastião de Carvalho e Mello, Marquês de Pombal, expulsou os jesuítas de Portugal e seus domínios. Ao afastar os jesuítas e ao assumir a responsabilidade pela instrução pública, Pombal pretendera não apenas renovar o ensino em seus métodos e processos, mas laicizá-lo em seus objetivos, colocando-o a serviço dos interesses civis e políticos do Império Luso, mas o ensino no Brasil se reconstruiu sobre as ruínas do sistema jesuítico, fragmentado nas aulas régias de humanidades, ciências e primeiras letras, tardando muito a organizar-se. A vinda da Família Real para o Brasil e a administração de D. João VI, com o objetivo de formar o pessoal especializado de que necessitava, permitiram realizações no campo do ensino técnico e superior, cobrindo uma lacuna, que prejudicava, agora, os interesses do governo sediado no Brasil. Assim, em 1808, para prover a defesa militar do Reino, criou-se a Academia de Marinha e, em 1810, a Academia Militar; para atender à necessidade de médicos e cirurgiões para o exército, fundou-se em 1808 na Bahia, um Curso de Cirurgia e se instalaram no Rio de Janeiro aulas de Anatomia, Cirurgia e Medicina, 1808 e 1810 respectivamente. Outras instituições viriam ainda atender a outras necessidades. Como podemos observar, a instrução elementar não mereceu idênticos cuidados da administração, ficando a educação do povo ao sabor dos interesses pessoais e políticos do soberano no exercício de seu absoluto poder. Com a Independência do Brasil em 1822, inaugura-se uma nova política no campo da instrução popular. Surge a Constituição do Império do Brasil (1824), que garantia a criação de colégios e universidades e prometia a todos os cidadãos a instrução primária pública. O Império legou à República, juntamente com

19 20 seus anseios, esperanças e planos não realizados, uma enorme tarefa a cumprir no campo da instrução pública. Mas, a década de 1930 marcou, no Brasil, o início de grandes transformações no campo da educação e do ensino, graças ao movimento da Escola Nova, que trazia propostas inovadoras como a laicidade do ensino, a coeducação dos sexos, a escola pública para todos e a revolução pedagógica de centrar o ensino no aluno, e não mais nos professores e nos programas como na Escola Tradicional. Tais modificações estavam consubstanciadas no histórico e revolucionário documento que ficou conhecido como Manifesto dos Pioneiros que encarava a educação como um instrumento por excelência de uma reconstrução nacional a expressar-se na formação da hierarquia democrática pela hierarquia das capacidades recrutadas em todos os campos sociais (CHAGAS, 1982: 45). Inspirando-se nas idéias do Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova, o Governo Provisório, chefiado por Getúlio Vargas, toma algumas medidas, como a criação do Ministério da Educação, a reforma do ensino secundário, comercial e superior, nomeando como primeiro Ministro da Educação Francisco Campos. Incorporando muitas das propostas dos Pioneiros, a Constituição de 1934 estabeleceu a educação como um direito de todos, a obrigatoriedade da escola primária integral e extensiva aos adultos, a gratuidade do ensino na escola pública e a assistência dos alunos necessitados. Muitos educadores participaram desse movimento, entre eles, Anísio Teixeira, Lourenço Filho e Fernando de Azevedo que, mais tarde, voltam à luta pela escola pública por ocasião das discussões de nossa primeira LDB (Lei nº 4024, de 20/12/61). Ainda, na mesma Constituição e pela primeira vez em nossa história, constou a determinação de existir uma Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e, também, incumbiu-se a União, por intermédio do Ministério da Educação e do Conselho Nacional de Educação, de elaborar e baixar o Plano Nacional de Educação. Como a Constituição Federal de 1934 teve duração efêmera, essas propostas não se concretizaram, o presidente Getúlio Vargas outorga outra Constituição inspirada na ditadura polonesa da época, em Logo, a existência de uma LDB ficou comprometida e só voltaria a ser discutida a partir de 1948, por determinação da nova Constituição, a de 1946, discutida, aprovada e promulgada pela Assembléia Nacional Constituinte, num clima democrático, uma vez terminado, em 1945, o ciclo da ditadura Vargas. Com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), a Lei nº 4024, de 20/12/61, dá-se um importante passo no sentido da unificação do sistema de ensino e da eliminação do dualismo administrativo herdado do Império. Pela primeira vez começa uma relativa descentralização do sistema como um todo, concebendo-se considerável margem de autonomia aos Estados e proporcionando-lhes as linhas gerais a serem seguidas na organização de seus sistemas, devendo responder por uma certa unidade entre eles. Em decorrência da descentralização prevista pela primeira LDB, houve a separação entre órgãos com funções essencialmente normativas e órgãos com funções administrativas. Assim, o Ministério da Educação e Cultura e as Secretarias de Educação deixaram de absorver ambas as funções, criando-se para o exercício das funções normativas o Conselho Federal de Educação (hoje Conselho Nacional de Educação) e os Conselhos Estaduais de Educação, ficando também incumbido de elaborar o Plano Nacional de Educação (PNE) referente a cada Fundo (Fundo Nacional do Ensino Primário, do Ensino Médio e do Ensino Superior). A primeira LDB, no tocante à estruturação do ensino, não trouxe soluções inovadoras, conservando as grandes linhas da organização anterior. Englobou o ensino secundário e o profissional colégio, respectivamente, para os primeiros e segundo ciclos de todos os ramos, admitiu a equivalência de todos os cursos médios para efeito de continuidade dos estudos. O ensino primário obrigatório continuava a ter quatro séries de duração, facultando-se aos sistemas estaduais o seu prolongamento para seis. Nessa perspectiva, somente em 1961 efetivou-se a vitória dos educadores da década de 20 e início dos anos 30, fixando-se as diretrizes gerais e as grandes linhas de um sistema nacional de educação. A União passava a assumir a função de coordenação da ação educativa que lhe cabia em todo o País e, os Estados, a tarefa de organizar os seus respectivos sistemas, incluindo todos os níveis e modalidades de ensino. Durante o regime militar instalado em 1964, ocorreria progressiva centralização política e administrativa, evidenciando-se um retrocesso na descentralização estabelecida pela LDB. Todavia, os planos governamentais foram se tornando importantes instrumentos de atuação e de interferência do Governo Federal. Enquanto isso, o planejamento da educação, que era incumbência do Conselho Federal de Educação, transferiu-se para os órgãos executivos como reflexo da hegemonia absoluta do Poder Executivo sobre o Legislativo que se foi implantado já a partir dos atos institucionais de 1964 a Instalado em 1964, o Ministério do Planejamento passou a assumir a liderança no processo de

20 planejamento da educação. As novas reformas educacionais, aprovadas na vigência da Emenda Constitucional de 1969 (Lei nº 5540/68 e Lei nº 5692/ 71), refletiram a tendência centralizadora tanto pela sistemática com que foram aprovadas, como pelo conteúdo e regulamentação de alguns assuntos que antes ficavam a cargo dos Estados. Mantendo a mesma divisão de competências fixada pela Constituição de 1946, a Constituição de 1967 e a Emenda Constitucional de 1969, não há dúvida de que o conteúdo e abrangência das diretrizes e bases, bem como a delimitação do âmbito de ação da União e dos Estados se alteraram, ampliando-se a regulamentação e o controle federais. Mas, quanto à organização do ensino, a principal mudança introduzida pela Lei nº 5692/71 dizia respeito à unificação do ensino primário com o primeiro ciclo do ensino médio (ginasial), constituindo o Ensino de 1º Grau, o que significou o prolongamento da escola única, comum e contínua de oitos séries, adiando-se a diversificação dos estudos para o Ensino de 2º Grau. Sendo assim, tal medida vinha ao encontro da ampliação da escolaridade obrigatória determinada pela Constituição de 1967 e de tendência universal, já evidenciada no panorama educacional brasileiro anterior à Lei nº 5692/71. Quanto ao segundo ciclo do ensino médio, pretendeu-se eliminar o dualismo das escolas profissionalizantes e acadêmicas, integrando-se os vários ramos dos cursos colegiais num Ensino de 2º Grau, orientado para uma habilitação profissional. Tal medida, que na época representava uma modificação radical na orientação anterior, resultava da tentativa de subordinar a educação à produção e de estabelecer uma relação direta entre o sistema educacional e o ocupacional. Assim, a profissionalização obrigatória do ensino de 2º grau foi efetivada, apesar das dificuldades relativas à implantação das disciplinas profissionalizantes, que exigiam professores habilitados e qualificados, sem esquecer da necessidade de instalações físicas adequadas para laboratórios e oficinas para a formação profissional. Verificadas tais dificuldades e a sua inviabilidade e sua inconveniência, a obrigatoriedade da profissionalização seria relativizada pelo próprio Conselho Federal de Educação, mediante a aprovação do Parecer CFE nº 76/75, que introduziu as habilitações básicas, destinadas a fornecer uma formação geral para o trabalho, a ser complementada nas empresas. Finalmente, a Lei nº 7044/ 82 aboliu a obrigatoriedade de profissionalização do ensino de 2º grau. Com a promulgação da última e atual Constituição de 1988 sob a bandeira da redemocratização, não se afastou a divisão de competências fixada pelo Constituição de 1934, conservando as mesmas atribuições para a União. Porém, a responsabilidade pela organização dos sistemas de ensino deixa de ser exclusiva dos Estados, reconhecendose a existência dos sistemas municipais e admitindo-se a competência concorrente. Assim, a Constituição Brasileira de 1988, no seu artigo 211, estabeleceu: A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios organizarão, em regime de colaboração, seus sistemas de ensino. Desta maneira, reservava-se para a União a competência privativa de legislar sobre as diretrizes e bases da educação nacional (artigo 22, inciso XXIV). Em 1988, a Câmara dos Deputados introduziu o Primeiro Projeto de Lei da LDB e, em 1990, o Senado Federal, representado pelo Senador Darcy Ribeiro, introduziu o Segundo Projeto de Lei da LDB, que foi aprovado, dando origem a atual Lei de Diretrizes e Bases da Educação Lei nº 9394, de 20 de dezembro de Como você já percebeu, a LDB é a lei que determina os fins da educação, os caminhos a serem percorridos e os meios adequados para atingi-los, enfim, regulamenta a Educação Escolar Nacional (SANTOS, 2003: 52). 21

21 22 Quadros atuais da Estrutura do Sistema Educacional Brasileiro, a partir da LDB/96: I - Níveis Doutorado Educação Superior Pós-Graduação Cursos de Extensão Cursos Seqüenciais Mestrado Especialização Aperfeiçoamento Ciências Humanas Ciências Sociais Cursos de Graduação Ciências Exatas e Tecnológicas Ciências Biológicas e da Saúde Ensino Médio Duração: 3 anos, no mínimo Ensino Fundamental Duração: 8 anos, no mínimo Divisão em séries ou ciclos, a critério do sistema de ensino Ensino Infantil Pré-Escolas crianças de 4 a 6 anos de idade Creches crianças de 0 a 3 anos II - Modalidades de Ensino Educação Básica Educação de Jovens e Adultos Educação Profissional Educação Especial Ensino Fundamental Ensino Médio Ensino Médio Educação Fundamental Educação Infantil

22 III - Metodologia 23 Educação a Distância Educação Superior Educação Especial Pós-Graduação Graduação Ensino Médio Ensino Fundamental Mas a estrutura do Sistema Educacional Brasileiro, com fundamento no Parecer CNE/CEB nº 06/2005, publicado no Diário Oficial da União (DOU), de 14 de julho de 2005, e na Resolução CNE/CEB nº 03, de 03 de agosto de 2005, publicado no DOU, de 04 de agosto de 2005, que define normas nacionais para a ampliação do Ensino Fundamental para nove anos de duração, foi modificada para atender aos dispositivos legais vigentes, cabendo aos sistemas de ensino e escolas fazer as referidas adequações nos prazos estabelecidos. Quadros atuais da Estrutura do Sistema de Ensino Brasileiro proposta pela LDB/96 com as mudanças propostas pelo Parecer CNE/CEB nº 06/2005 e Resolução CNE/CEB nº 03/2005: Educação Básica Nível em que ocorreu mudança Ensino Médio Ensino Fundamental Educação Infantil Duração: três anos no mínimo Matrícula: crianças de 6 anos de idade Duração: 9 anos de escolaridade Pré-Escolar: crianças de 4 e 5 anos de idade Creches: crianças de 0 a 3 anos de idade A organização do Ensino Fundamental de 9 (nove) anos e da Educação Infantil adotará a seguinte nomenclatura: Etapa do Ensino Faixa Etária Duração Educação Infantil Creches Pré-Escolas Até 5 anos de idade Até 3 anos de idade 4 e 5 anos de idade Educação Fundamental Anos Iniciais Anos Finais Até 14 anos de idade de 6 a 10 anos de idade de 11 a 14 anos de idade 9 anos 5 anos 4 anos

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO AS PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA UM CURRÍCULO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Professor Doutor Carlos Henrique Carvalho Faculdade

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

A Educação no Brasil

A Educação no Brasil A Educação no Brasil Breve histórico A história da educação no Brasil começa em 1549 com a chegada dos primeiros padres jesuítas, inaugurando uma fase que haveria de deixar marcas profundas na cultura

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/10/2010, Seção 1, Pág.10. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/10/2010, Seção 1, Pág.10. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/10/2010, Seção 1, Pág.10. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro

Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro O estudo Educação Infantil em Debate - a Experiência de e a Realidade eira faz um paralelo entre as soluções encontradas

Leia mais

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2.1 ASPECTOS FUNDAMENTAIS ATÉ A PRIMEIRA METADE DO SÉCULO 20 Os analistas da educação brasileira afirmam que somente no final do Império e começo da República

Leia mais

É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades das aulas 1 e 2 do Módulo IV do Curso, em que iremos tratar dos seguintes assuntos:

É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades das aulas 1 e 2 do Módulo IV do Curso, em que iremos tratar dos seguintes assuntos: EXERCÍCIO ANTECIPADO PARA O ESTUDO DIRIGIDO Módulo IV Aspectos Contemporâneos do Marco legal Profa. Maria José Lacerda Xavier Prezado (a) Aluno (a), É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO

PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO Entidade Reconhecida como Utilidade Pública Internacional Decreto Federal nº 9.820/1912 PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ATRIBUIÇÕES E PRAZOS INTERMEDIÁRIOS DA LEI Nº 13.005/2014

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ATRIBUIÇÕES E PRAZOS INTERMEDIÁRIOS DA LEI Nº 13.005/2014 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ATRIBUIÇÕES E PRAZOS INTERMEDIÁRIOS DA LEI Nº 13.005/2014 ANA VALESKA AMARAL GOMES E PAULO SENA Consultores Legislativos da Área XV Educação, Cultura e Desporto SETEMBRO/2014

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

UNCME RS FALANDO DE PME 2015

UNCME RS FALANDO DE PME 2015 UNCME RS FALANDO DE PME 2015 DIRETORIA UNCME-RS VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO CONTATOS: Site: www.uncmers E-MAIL: uncmers@gmail.com.br

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Plano Nacional de Educação

Plano Nacional de Educação A c o n s t r u ç ã o d e m o c r á t i c a d a p o l í t i c a e d u c a c i o n a l Plano Nacional de Educação Sistema Nacional de Educação A c o n s t r u ç ã o d e m o c r á t i c a d a p o l í t i

Leia mais

LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino

LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino Disciplina a organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Mococa e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

Rua da Educação. Municipalino:

Rua da Educação. Municipalino: Todas as crianças e adolescentes tem direito à educação e devem freqüentar a escola. As diretrizes para a área da educação são dadas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) Lei 9394 de

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 11/1/2010, Seção 1, Pág. 19. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 11/1/2010, Seção 1, Pág. 19. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 11/1/2010, Seção 1, Pág. 19. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade Cria o Sistema Municipal de Ensino e estabelece normas gerais para a sua adequada implantação. Proc. n.º 5193/02 PAULO DE SOUZA, Vice-Prefeito no exercício do cargo de Prefeito do Município de São Vicente,

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades.

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. III Seminário DENATRAN de Educação e Segurança no Trânsito Brasília 24/11 Vale a pena ser ensinado tudo o que une e tudo o que liberta.

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

Esta síntese apresenta a linha de base dos indicadores referentes às metas do PNE. O documento consiste em análises descritivas das séries históricas

Esta síntese apresenta a linha de base dos indicadores referentes às metas do PNE. O documento consiste em análises descritivas das séries históricas Esta síntese apresenta a linha de base dos indicadores referentes às metas do PNE. O documento consiste em análises descritivas das séries históricas dos indicadores selecionados pelo Ministério da Educação

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 1 Art. 3º. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: [...] Art. 3 O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

Leia mais

AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA NOVE ANOS

AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA NOVE ANOS AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA NOVE ANOS RELATÓRIO DO PROGRAMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Básica A ampliação do Ensino Fundamental para nove anos vem sendo discutida pela Secretaria

Leia mais

A inclusão das crianças de seis anos no Ensino Fundamental

A inclusão das crianças de seis anos no Ensino Fundamental A inclusão das crianças de seis anos no Ensino Fundamental A inclusão das crianças de seis anos no Ensino Fundamental Nessa idade, em contato com diferentes formas de representação e sendo desafiada a

Leia mais

A reforma do Estado e novos desafios para a gestão educacional

A reforma do Estado e novos desafios para a gestão educacional Autor: Indira Alves França Orientador: Alicia Bonamino Título obtido: Mestrado Título da tese ou dissertação: Gestão Educacional em Tocantins Data de finalização: junho de 2007 Data de ingresso no curso:

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES E RESPOSTAS DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA (SEB/MEC)

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES E RESPOSTAS DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA (SEB/MEC) ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES E RESPOSTAS DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA (SEB/MEC) A ampliação do Ensino Fundamental para nove anos de duração, com a matrícula obrigatória

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO (versão preliminar) Brasília, setembro

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001, de 09 de dezembro de 2009.

RESOLUÇÃO Nº 001, de 09 de dezembro de 2009. O Conselho Municipal de Educação fixa normas aprovadas em 09/12/09, de funcionamento do Ensino Fundamental de 09 (nove) anos no Sistema Municipal de Ensino de Jequié-BA. Clique no Leia Mais e confira as

Leia mais

CICLO DA INFÂNCIA E CICLO DE ALFABETIZAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: COMPARAÇÕES PRELIMINARES

CICLO DA INFÂNCIA E CICLO DE ALFABETIZAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: COMPARAÇÕES PRELIMINARES CICLO DA INFÂNCIA E CICLO DE ALFABETIZAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: COMPARAÇÕES PRELIMINARES Rosilene Lagares PET Pedagogia/Campus de Palmas/Pedagogia/Mestrado em Educação/UFT/Capes roselagares@uft.edu.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO Monitoramento e Avaliação dos Planos Municipais de Educação Caderno de Orientações (Versão Preliminar) Apresentação Um grande

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS: ALGUMAS PONDERAÇÕES

A IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS: ALGUMAS PONDERAÇÕES A IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS: ALGUMAS PONDERAÇÕES Inajara Ramos 1, Lislene Nagaroto 2, Luciana Alves 3, Vera Lúcia Catoto Dias 4, Ana Maria

Leia mais

POLÍTICA EDUCACIONAL PARA O ENSINO FUNDAMENTAL NO BRASIL: DO PNE AO PDE EM BUSCA DE EQÜIDADE E QUALIDADE

POLÍTICA EDUCACIONAL PARA O ENSINO FUNDAMENTAL NO BRASIL: DO PNE AO PDE EM BUSCA DE EQÜIDADE E QUALIDADE POLÍTICA EDUCACIONAL PARA O ENSINO FUNDAMENTAL NO BRASIL: DO PNE AO PDE EM BUSCA DE EQÜIDADE E QUALIDADE SUELI MENEZES PEREIRA Professora Doutora em Educação. Lotada no Departamento de Administração Escolar

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de bolsa paga diretamente ao beneficiário e pagamento de demais despesas a ela vinculadas.

Detalhamento da Implementação Concessão de bolsa paga diretamente ao beneficiário e pagamento de demais despesas a ela vinculadas. Programa 1448 Qualidade na Escola Numero de Ações 48 Ações Orçamentárias 009U Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Produto: Bolsa concedida Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 364

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO

PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO I. INTRODUÇÃO: Plano de Carreira é o conjunto de normas que disciplinam o ingresso e instituem oportunidades e estímulos ao desenvolvimento

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA ZAIONS, Eliane de Souza Cubas CME/SME ezaions@sme.curitiba.pr.gov.br Eixo Temático: Políticas Públicas e Gestão da Educação Agência Financiadora:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/003/2009. UNIVERSIDADE ESTADU DA PARAÍBA APROVA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA, DO CENTRO DE EDUCAÇÃO - CEDUC, QUE REFORMULA

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

OS PLANOS DE CARREIRAS DOS MUNICIPIOS DO PRIMEIRO ANEL DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA: A FORMAÇÃO COMO UM ELEMENTO DE VALORIZAÇÃO DO PROFESSOR

OS PLANOS DE CARREIRAS DOS MUNICIPIOS DO PRIMEIRO ANEL DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA: A FORMAÇÃO COMO UM ELEMENTO DE VALORIZAÇÃO DO PROFESSOR OS PLANOS DE CARREIRAS DOS MUNICIPIOS DO PRIMEIRO ANEL DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA: A FORMAÇÃO COMO UM ELEMENTO DE VALORIZAÇÃO DO PROFESSOR Resumo O presente artigo é parte de um projeto de pesquisa

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 Contribuições para o Plano Municipal de Educação de Palmas Maio 22, 2012 DAS 20 METAS DO PNE, CINCO ESTÃO DIRETAMENTE LIGADAS ÀS INSTITUIÇÕES

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Mesa Redonda: PNE pra Valer!

Mesa Redonda: PNE pra Valer! Mesa Redonda: PNE pra Valer! Construindo o futuro ou reeditando o passado? Um esboço comparativo entre a Lei 10.172/2001 e o PL 8035/2010 Idevaldo da Silva Bodião Faculdade de Educação da UFC Comitê Ceará

Leia mais

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 Consulta oriunda da Gerência da Educação Básica da FIEMG com pedido de orientações de ordem prática para cumprimento da Lei Federal nº 11.114,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL OLIVEIRA, Silvana Aparecida Guietti de (UEM) COSTA, Maria Luisa

Leia mais

RAMONA SOULIMÁ VIEIRA MASSAFERA

RAMONA SOULIMÁ VIEIRA MASSAFERA RAMONA SOULIMÁ VIEIRA MASSAFERA O FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO (FUNDEB) E O ENSINO DA CIDADANIA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DO DISTRITO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO Marcos Neves Comissão Central PDI do IFSC PNE EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL O art.

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

META NACIONAL 20- ampliar o investimento público em educação pública de forma a atingir, no mínimo, o patamar de 7% (sete por cento) do Produto

META NACIONAL 20- ampliar o investimento público em educação pública de forma a atingir, no mínimo, o patamar de 7% (sete por cento) do Produto META NACIONAL 20- ampliar o investimento público em educação pública de forma a atingir, no mínimo, o patamar de 7% (sete por cento) do Produto Interno Bruto - PIB do País no 5 o (quinto) ano de vigência

Leia mais

AUniversidade terá um papel fundamental PARA MUDAR O BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO. Eleições 98

AUniversidade terá um papel fundamental PARA MUDAR O BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO. Eleições 98 Eleições 98 LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO PARA MUDAR O BRASIL Divulgação AUniversidade terá um papel fundamental na discussão, elaboração e implementação de um novo projeto nacional de desenvolvimento.

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO FNCE Belém do Pará

XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO FNCE Belém do Pará XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO FNCE Belém do Pará Educação Profissional em EAD; soluções para o Brasil remoto Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br EAD: dispositivos

Leia mais

EIXO I. O Plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação Organização e Regulação

EIXO I. O Plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação Organização e Regulação EIXO I O Plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação Organização e Regulação A garantia do direito à educação de qualidade é um princípio fundamental e basilar para as políticas e gestão

Leia mais

Grande Expediente do Deputado Henrique Afonso PT do Acre. 22 de novembro de 2005

Grande Expediente do Deputado Henrique Afonso PT do Acre. 22 de novembro de 2005 Grande Expediente do Deputado Henrique Afonso PT do Acre 22 de novembro de 2005 Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados. Neste momento extremamente importante da educação brasileira, quando este

Leia mais

INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação. Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO

INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação. Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO 1. Por quê o Plano Municipal de Educação? A idéia de planejamento da educação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO Elisa Machado Matheussi elisa@rla01.pucpr.br Sirley Terezinha Filipak sirley@rla01.pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná RESUMO Este estudo

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 25 Ministério da Educação Nº 1229 - Segunda feira, 21 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 807, de 18 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 808, de 18 de junho

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos

Leia mais

AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA NOVE ANOS. 3 o RELATÓRIO DO PROGRAMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA NOVE ANOS. 3 o RELATÓRIO DO PROGRAMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA NOVE ANOS 3 o RELATÓRIO DO PROGRAMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MAIO DE 2006 Presidência da República Ministério da Educação Secretaria de

Leia mais

Capítulo I Da Educação Infantil

Capítulo I Da Educação Infantil RESOLUÇÃO Nº 443, de 29 de maio de 2001 Dispõe sobre a Educação Infantil no Sistema Estadual de Ensino de Minas Gerais e dá outras providências. O Presidente do Conselho Estadual de Educação, no uso das

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

MUDANÇAS NOS MARCOS REGULATÓRIOS DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA NO PERÍODO DE 2003 A 2010: UMA ANÁLISE DAS ALTERAÇÕES NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E NA LDB

MUDANÇAS NOS MARCOS REGULATÓRIOS DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA NO PERÍODO DE 2003 A 2010: UMA ANÁLISE DAS ALTERAÇÕES NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E NA LDB MUDANÇAS NOS MARCOS REGULATÓRIOS DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA NO PERÍODO DE 2003 A 2010: UMA ANÁLISE DAS ALTERAÇÕES NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E NA LDB Marcelo Soares Pereira da Silva - Universidade Federal de

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre o apoio técnico ou financeiro da União no âmbito do Plano de Ações

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Unidade 2 Unidade 2 Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Nesta Unidade, será apresentada a legislação brasileira de EaD e suas implicações institucionais no sistema da Universidade

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

A EDUCAÇÃO BÁSICA EM MARINGÁ: EXISTE OBRIGATORIEDADE LEGAL?

A EDUCAÇÃO BÁSICA EM MARINGÁ: EXISTE OBRIGATORIEDADE LEGAL? Anais da Semana de Pedagogia da UEM ISSN Online: 2316-9435 XXI Semana de Pedagogia IX Encontro de Pesquisa em Educação 20 a 23 de Maio de 2014 A EDUCAÇÃO BÁSICA EM MARINGÁ: EXISTE OBRIGATORIEDADE LEGAL?

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE

POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE O PNE para 2001-2011 consolidou-se como uma carta de intenções. - Universalização do ensino fundamental - Ampliação significativa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

5. ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA EDUCAÇÃO

5. ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA EDUCAÇÃO 5. ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA EDUCAÇÃO 5.1 A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO SETOR EDUCACIONAL 5.1.1 Centralização, Descentralização e Desconcentração O ensino brasileiro possui um caráter extremamente

Leia mais

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história;

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história; Lei nº 1.315, de 25 de agosto de 2003. Dispõe sobre o Plano Municipal Decenal de Educação e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CODÓ, ESTADO DO MARANHÃO: Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO LARSON, Sandra PUCPR. slarson@terra.com.br MATHEUSSI, Elisa Machado - PUCPR elisa.matheussi@pucpr.br Resumo Esta pesquisa objetiva discutir o projeto político

Leia mais