GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO E PROPOSTA DE MODELO ALINHADO À GESTÃO DO CONHECIMENTO E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS ORGANIZACIONAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO E PROPOSTA DE MODELO ALINHADO À GESTÃO DO CONHECIMENTO E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS ORGANIZACIONAIS"

Transcrição

1 31 de Julho a 02 de Agosto de 2008 GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO E PROPOSTA DE MODELO ALINHADO À GESTÃO DO CONHECIMENTO E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS ORGANIZACIONAIS Marta Lucia Marinatto Locha (UFF) Patricia Almeida Ashley (UFSJ) Resumo Gestão por competências é um modelo de gestão de pessoas que vem sendo desenvolvido teoricamente, mas ainda pouco disseminado nas organizações brasileiras como ferramenta integrada à estratégia organizacional e à gestão do conhecimento. A literatura mostra diversas pesquisas sobre os conceitos e a aplicação do modelo de gestão por competências, em algumas organizações sendo ampliado para abarcar conceitos de gestão do conhecimento, aprendizagem organizacional, ativos intangíveis, considerados como diferencial competitivo no mercado mundial. O artigo contribui com os resultados parciais de pesquisa em andamento, apresentando referencial teórico sobre gestão por competências e gestão do conhecimento, propondo um modelo analítico de gestão por competências a ser alinhado à gestão do conhecimento e aos objetivos estratégicos organizacionais. A segunda etapa da pesquisa aplicará o modelo em empresas reconhecidas pelas práticas de excelência em gestão, mais especificamente premiadas pela FNQ, visando identificar modelos aplicados de gestão por competências, seus resultados e contribuição para geração do conhecimento. O resultado final da pesquisa, validando o modelo, apontará variáveis organizacionais e contextuais visando torná-lo adaptável a diferentes negócios e tipos de organização. Abstract Management by Competences is a model for people management that has been theoretically developed but hardly used in Brazilian organizations for employee development. The literature points to many researches on the concepts and application of the model of management by competentes, occurring some case studies that expands

2 its concept in order to include knowledge management, organizational learning and intangible assets, as competitive distinctions in the competitive world market. This paper contributes with partial results of an ongoing research by presenting a literature review on management by competences and knowledge management and proposing an analytical model of management by competences integrated with knowledge management and organizational strategic goals. On the second stage of the research, the proposed model will be applied in analyzing case studies in companies recognized by excellence practices in management, specifically rewarded by the Brazilian National Quality Award, in order to identify models used for management by competences, its results and links knowledge management and strategic goals. The research aims to develop guidelines for a management by customizable competences model that can generate and retain knowledge in the organization aligned to the strategic goals. Palavras-chaves: gestão por competências, gestão do conhecimento, aprendizagem organizacional, alinhamento estratégico IV CNEG 2

3 1. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas, grandes transformações político-econômicas ocorreram em todo o mundo, trazendo impactos diretos para as organizações que vêm buscando continuamente maior competitividade em um ambiente de constante mudança e crescente exigência dos clientes/consumidores e do mercado. Os avanços tecnológicos e a concorrência têm gerado pressões nas organizações que acabam promovendo o desenvolvimento e busca de modelos que as tornem mais flexíveis, criativas, inovadoras, com o sentido de buscar maximização de seus resultados e garantir seu posicionamento no mercado. Estas transformações têm levado as organizações a uma reflexão sobre o seu negócio e as competências necessárias para se manterem competitivas no mercado. Também os indivíduos têm continuamente refletido sobre a necessidade de desenvolvimento de competências individuais que passam a ser uma condição sine qua non para se inserirem e se manterem no mercado de trabalho. Considerando que o sistema de gestão de pessoas passa a ser estratégico dentro das organizações, devemos fazer uma reflexão sobre as ações praticadas pela área de Recursos Humanos que passou por diversas fases, evoluindo de modelos mais tradicionais, focados na divisão do trabalho e descrição das tarefas para modelos mais arrojados e alinhados à estratégia organizacional. O reconhecimento da força de trabalho como essencial para garantir o sucesso da empresa, traz para a área de RH a grande responsabilidade de estar presente como órgão de assessoria aos gestores e toda a equipe, gerando e mantendo o conhecimento organizacional, ou seja, promovendo ações e utilizando modelos de gestão para atração, desenvolvimento e manutenção dos talentos da organização. Entre os modelos aplicadas na gestão de pessoas, a Gestão por Competências surgiu e está sendo implantada nas organizações com o grande objetivo de identificar e desenvolver sua equipe de trabalho, entendendo ser este seu maior recurso e principal diferencial de posicionamento no mercado. Por outro lado, a prática ainda tem demonstrado que mesmo com toda a discussão e entendimento da nova concepção de RH nas organizações, os modelos ainda demonstram IV CNEG 3

4 certa fragilidade em sua aplicação, seja pela fragmentação, pela existência de um ciclo estático, ou pela descontinuidade do processo instalado. No presente estudo, abordaremos justamente as questões sobre a aplicação de um modelo de gestão por competências: integrado, dinâmico e contínuo, buscando uma fundamentação teórica e um alinhamento às estratégias organizacionais. Pretendemos desenvolver uma pesquisa das práticas adotadas por empresas em gestão por competências, analisando-as sobre a abordagem da gestão do conhecimento e alinhamento à estratégia da organização., chegando à proposição de um modelo aplicável pela área de RH de forma integrada, dinâmica e contínua. 1.1 Formulação da situação-problema Quando se fala em práticas e modelos de gestão, aqui mais especificamente na área de Recursos Humanos, uma pergunta sempre deve ser feita: será um modismo passageiro ou o desenvolvimento de um novo conceito que se consolidará como instrumento comprovado? Parte disto se deve ao fato de, em administração de pessoas, estarmos frente a uma ciência aplicada onde os estudos partem de realidades práticas para se construir ou confirmar um referencial teórico que possa ser aplicado em outras situações. O que temos observado é uma preocupação maior com o desenvolvimento de modelos alinhados a conceitos e a teorias organizacionais. Fischer (1998) aponta para o cuidado que se deve ter na ciência social aplicada, como a administração, em distinguir e separar o que vem embalado em um pacote e disponibilizado para utilização com o que foi desenvolvido em uma base conceitual, com pesquisa demonstrando resultados práticos e efetivos. Portanto, o grande desafio das organizações está em utilizar modelos que tenham sido pesquisados e validados e aos profissionais de RH buscar embasamento teórico-científico para proposição de ferramentas que possam ser aplicadas em gestão de pessoas de forma sistematizada e organizada, disseminando o conhecimento nas organizações e com outros profissionais. Tomando por base o exposto, a questão que trataremos aqui é: como os modelos praticados de gestão por competências estão alinhados de forma integrada, dinâmica e contínua à gestão do conhecimento e às estratégias organizacionais. IV CNEG 4

5 1.2 Objetivo O foco deste estudo propõe-se à investigação das variáveis que podem ser incorporadas na gestão por competências de forma a contribuir para sistemas e modelos de gestão em busca da competitividade organizacional, fundamentados em modelos teóricos. Com a construção deste referencial, torna-se possível a construção e aplicação de um modelo com maior embasamento técnico e científico. Objetivo Geral: Contribuir para o avanço conceitual e operacional dos modelos de gestão por competências, alinhados à gestão do conhecimento e às estratégias organizacionais de forma integrada, dinâmica e contínua. Objetivos Específicos: 1. Construir um referencial teórico sobre modelos de gestão por competência que incorpore o alinhamento à gestão do conhecimento e às estratégias organizacionais; 2. Elaborar um modelo conceitual analítico operacionalizável para gestão por competência a ser aplicado no processo de investigação; 3. Conhecer as perspectivas no tema gestão por competências junto a gestores em empresas a serem selecionadas; 4. Apontar diretrizes para o desenvolvimento de modelo de gestão por competências, customizável, alinhado às estratégias organizacionais e à gestão do conhecimento 1.3. MÉTODO Estratégia e Tipo de Pesquisa Considerando os dois critérios básicos de classificação de pesquisa apresentados por Vergara (2007), quanto aos fins e quanto aos meios, teremos neste estudo: a) Quanto aos fins, a pesquisa de caráter exploratório por ser realizada em área de pouco conhecimento acumulado e sistematizado, embora pesquisas tenham sido realizadas sobre o assunto e modelos de implantação têm sido apresentados, pouca relação se estabelece com o modelo analítico apresentado. IV CNEG 5

6 b) Quanto aos meios, será de pesquisa bibliográfica e documental, na primeira etapa, e de pesquisa de campo, na segunda etapa, por meio de estudo de caso comparado, dirigido a poucas unidades, pelo seu caráter de profundidade e detalhamento que a pesquisa requer em virtude da necessidade de levantamento de informações, resultados e depoimentos para a conclusão final Universo e Amostra das Organizações O universo da pesquisa de campo por meio de estudo de caso comparado compreende as empresas que têm em sua gestão modelos de excelência sendo praticados, reconhecidas no mercado por premiações e certificações, mais especificamente as que estão presentes na Fundação Nacional da Qualidade FNQ. A amostra foi definida pelo critério de tipicidade (VERGARA, 2007), pela existência de elementos representativos na população-alvo relacionados aos conceitos tratados no referencial teórico: ativos intangíveis, gestão do conhecimento e gestão por competências. As empresas selecionadas praticam a gestão do conhecimento com foco na gestão por competências. A aplicação do estudo de caso comparado pretende abordar categorias de profissionais que estejam diretamente envolvidos com questões estratégicas, aplicação de modelos e gestão de pessoas. Considerado este perfil, serão envolvidos, no estudo de caso comparado, o gestor responsável pelo RH, ou gestão de pessoas, e gestores da linha de frente no nível gerencial que fazem a aplicação do modelo em sua equipe de trabalho. Dependendo do porte da empresa e localização de suas unidades, poderemos direcionar as entrevistas para gestores em unidades a serem definidas pelo pesquisador e a organização Coleta de dados A coleta de dados se dará nas organizações, utilizando a entrevista semiestruturada. Com os gestores de RH ou de pessoas, as questões serão levantadas focando o modelo, sua estrutura, fundamentação e alinhamento aos objetivos e diretrizes organizacionais. Junto aos demais gestores, o foco das questões será a contribuição e a metodologia para aplicação do instrumento nas equipes de trabalho. IV CNEG 6

7 No que se refere aos entrevistados, será realizada abordagem sobre objetivos e relevância da pesquisa, motivando-os a prestar informações sobre as experiências, sentimentos, avaliações e conclusões sobre o modelo aplicado na organização Instrumento O instrumento utilizado na coleta de dados será a entrevista semi-estruturada, que apresenta pontos a serem explorados pelo pesquisador com maior profundidade. Pretende-se realizar as entrevistas pessoalmente com o público definido, utilizando somente como último recurso a mídia interativa. Os pontos a serem abordados envolvem dados que estão diretamente relacionados à análise e síntese do referencial teórico, compreendendo: a) Diretrizes estratégicas da organização b) Objetivos estratégicos e disseminação c) Modelo de competências implantado d) Objetivos da implantação e) Fundamentação teórica f) Levantamento e Desenvolvimento das competências g) Processos de RH envolvidos h) Resultados esperados /alcançados i) Tempo de aplicação do modelo j) Mensuração dos resultados do modelo k) Revisões do modelo l) Oportunidades de melhoria Em casos múltiplos as questões serão as mesmas para cada caso, visando a obtenção das mesmas informações em todas as empresas selecionadas para o estudo de caso IV CNEG 7

8 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Gestão do conhecimento Para entender o significado de gestão do conhecimento é importante compreender o conceito de dado, informação e conhecimento. A seguir apresentamos diversas abordagens de autores que trataram do tema. Setzer (1999) ao realizar estudo para levantamento de competências profissionais conceituou dado, informação e conhecimento para gerar uma matriz de competências e sua implantação. Abaixo, são apresentadas as definições: Definimos dado como uma seqüência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. Também são dados imagens, sons e animação, pois todos podem ser quantificados a ponto de alguém que entra em contato com eles ter eventualmente dificuldade de distinguir a sua reprodução, a partir da representação quantificada, com o original (SETZER, 1999, p. 2). Informação é uma abstração informal (isto é, não pode ser formalizada através de uma teoria lógica ou matemática), que representa algo significativo para alguém através de textos, imagens, sons ou animação (SETZER, 1999, p. 3). A representação da informação pode eventualmente ser feita por meio de dados. Nesse caso, pode ser armazenada em um computador. Mas, atenção, o que é armazenado na máquina não é a informação, mas a sua representação em forma de dados (SETZER, 1999, p. 3). Conhecimento é uma abstração interior, pessoal, de alguma coisa que foi experimentada por alguém. (...) Conhecimento está associado com pragmática, isto é, relaciona-se com alguma coisa existente no mundo real do qual temos uma experiência direta (SETZER, 1999, p. 4). Quando define o conceito de competência, o autor se refere à capacidade do indivíduo executar uma tarefa em determinada situação do mundo real. Atribui aqui um novo componente, não encontrado nas outras 03 descrições acima, a criatividade, por entender que a competência envolve ação. Nos outros 03 conceitos, ocorre apenas a aquisição e transmissão, não havendo atividade envolvida neles. Outros autores também descreveram a importância de diferenciar dado, informação e conhecimento para criar uma estrutura organizacional de aprendizagem que permita criar a gestão do conhecimento para o processo de tomada de decisões estratégicas. Sob outro enfoque, Fleury e Fleury (2000) apresenta 05 tipos de conhecimento para a construção do processo de desenvolvimento de competências: IV CNEG 8

9 conhecimento teórico (entendimento e interpretação), adquirido na educação formal e continuada; conhecimento sobre os procedimentos (como proceder), adquirido na educação forma e experiência profissional; conhecimento empírico (saber como fazer), adquirido pela experiência profissional; conhecimento social (como comportar), adquirido pela experiência profissional e social; conhecimento cognitivo (como lidar com a informação e como aprender), adquirido pela educação formal e continuada, e as experiências sociais e profissionais. Para Nonaka e Takeuchi (1997), gestão do conhecimento é entendida como a capacidade da organização criar um novo conhecimento, sendo capaz de difundi-lo internamente como um todo e incorporá-lo a seus produtos, serviços e sistemas, apoiando-se em três pilares essenciais: colaborar, compartilhar e consultar. O colaborar refere-se ao desenvolvimento de soluções comuns a partir de diferentes visões dos envolvidos no processo. O compartilhar significa tornar o acesso amplo, disponibilizando informações e conhecimentos para todas as pessoas e áreas da empresa. Por consultar, o autor trata dos diversos mecanismos através dos quais qualquer pessoa possa localizar a informação desejada. Considerando os ambientes descritos acima para criação do conhecimento, Nonaka e Takeuchi (1997) desenvolveram um modelo para o processo de criação do conhecimento organizacional, composto de cinco etapas: (1) compartilhamento do conhecimento tácito; (2) criação de conceitos; (3) justificativa dos conceitos; (4) construção de arquétipos e (5) difusão interativa do conhecimento. Na primeira fase, ocorre a partilha de habilidades e experiências entre as pessoas de diferentes áreas funcionais para atingir um objetivo comum. Interagem por meio de diálogos e atividades em equipe, corresponde à socialização; Na segunda fase, por meio dos diálogos, procuram traduzir o modelo mental tácito da primeira fase em palavras e conceitos explícitos, corresponde á exteriorização; Na terceira fase, os conceitos são avaliados se estão alinhados aos propósitos da organização, normalmente por critérios formulados pelo alto e médio escalão administrativo como custo, margem de lucro, contribuição para os negócios da empresa. Corresponde à internalização; IV CNEG 9

10 Na quarta fase, o conceito aprovado é transformado em algo tangível ou concreto, denominado pelo autor de arquétipo, que pode ser um protótipo físico ou um mecanismo de funcionamento para um modelo. Corresponde à conversão; Na quinta fase, os conceitos criados, aprovados e modelados são disseminados e utilizados para estimular novos ciclos de criação do conhecimento dentro da organização ou também em clientes, fornecedores, concorrentes e outros segmentos. Segundo Choo (2006), na teoria organizacional e na concepção atual da administração, existem três modos de uso da informação, tratados em um primeiro momento como independentes, porém, se identificados e integrados, podemos afirmar que estamos diante de uma organização do conhecimento, onde a informação é utilizada como estratégia. No primeiro modo, a informação é usada para dar sentido às mudanças do ambiente externo, ou seja, criar significado para as diversas mensagens, sinais e tendências do mercado de forma a construir uma definição sobre o que é a empresa, o que está fazendo e como se manter em um ambiente competitivo e dinâmico. No segundo modo, o foco do uso da informação é a construção do conhecimento por meio do aprendizado, a partir da criação, organização e processamento da informação. A gestão do conhecimento está nas atividades essenciais das organizações como criação de novos produtos e serviços, aperfeiçoamento dos já existentes, no desenvolvimento de novas capacidades e na melhoria nos processos organizacionais. No terceiro modo, a informação deve ser avaliada e utilizada para a tomada de decisões. Existem inúmeras variáveis que interferem em um processo decisório como interesses dos acionistas, interferências de grupos externos, consumidores, fornecedores e outros. Uma decisão deve estar fundamentada em uma informação para ganhar confiança interna e externa, uma vez que gera ações que comprometem toda a empresa. Esses três modos de uso da informação passaram a ser vistos de forma integrada, se complementando num ciclo contínuo de aprendizagem e adaptação, denominado ciclo do conhecimento, conforme exibe a Figura 1. IV CNEG 10

11 Correntes de experiência Criação de significado Significados comuns Construção do conhecimento Novos conhecimentos e capacidades Tomada de decisões Comportamento Adaptativo, orientado para objetivos Figura 1 - O ciclo do conhecimento Fonte: Chun Wei Choo (2006: 51 Choo (2006) trata da construção do conhecimento, sendo provocada pelo reconhecimento de lacunas existentes entre o conhecimento existente nas organizações ou nos grupos de trabalho. Apresenta três tipos de conhecimento nas organizações: a) conhecimento tácito, presente na experiência de indivíduos e grupos, tendo como componente a criatividade que leva a uma nova idéia ou conceito; b) o conhecimento explícito, presente nas regras, rotinas e procedimentos, podendo ser testado e implementado em modelos ou protótipos; c) e o conhecimento cultural, presente nas crenças, pressupostos, gerando a atribuição de valor e significado aos novos conhecimentos. A construção do conhecimento acontece com a contínua transformação do conhecimento tácito em conhecimento explícito, dentro das realidades estabelecidas pelo conhecimento cultural da organização. Existem pontos em comum e algumas divergências nas descrições apresentadas pelos autores sobre a gestão do conhecimento, modelos simples e complexos, porém um ponto é comum a todos: o processo de interação do indivíduo com a organização na geração do conhecimento. Alguns autores ainda incluem a análise do ambiente neste contexto de geração do conhecimento. O que pretendemos reforçar aqui é a possibilidade de se gerar o conhecimento a partir de um sistema de desenvolvimento de competências individuais e organizacionais para que a organização seja capaz de competir e atender às exigências do mercado. IV CNEG 11

12 2.2 Gestão por competências Zarifian (2001) discute a questão da competência diante da mudança ocorrida nas organizações, citando dois elementos presentes neste contexto: a prescrição desloca-se, foco não nas operações do trabalho, mas nos objetivos e resultados da atividade profissional. O trabalhador passa a ter acesso ao porquê dos objetivos e ao como atingir estes objetivos. Cria-se um espaço aberto que já dispara a competência da tomada de iniciativa ao assumir responsabilidades pelos objetivos apresentados. A competência é assumida por um coletivo, ou seja, as competências individuais são necessárias, porém convergem para ações profissionais com modelos de organização por equipe, por rede ou por projeto. A automação em cadeia deixa de existir e o sucesso da ação coletiva passa a ser resultado da competência ativa de cada um. Nos Estados Unidos, o autor McClelland inseriu este conceito no contexto organizacional, sob a perspectiva do indivíduo, iniciando um debate sobre competências entre psicólogos e administradores quando publicou o artigo Testing for Competence rather than intelligence (1973). Em sua definição, McClelland faz uma distinção entre competência e conceitos como aptidão, habilidade e conhecimento. Entende aptidão como um talento natural da pessoa, que pode vir a ser melhorado; por habilidade como a demonstração na prática de um talento particular e conhecimento como o que é necessário o funcionário saber para desempenhar uma tarefa. Para Ruas (2005), a noção de competência está mais próxima da capacidade de combinar e mobilizar adequadamente recursos já desenvolvidos do que no armazenamento de conhecimentos e habilidades que se voltam mais para a noção de qualificação. Nesta perspectiva, estabelece um paralelo entre qualificação e competência. Na qualificação ocorre uma relativa estabilidade econômica, a concorrência é localizada e o foco está no processo e na baixa aprendizagem. No contexto de competência, há baixa previsibilidade de negócios e atividades, ampliação da abrangência da concorrência e foco nos resultados e na alta aprendizagem. Diversas concepções são atribuídas ao conceito de competências. Na escola francesa, as competências são vistas principalmente como outputs: funcionários demonstram IV CNEG 12

13 competências a partir do momento que atingem ou superam determinados resultados esperados em seu trabalho. Já nos Estados Unidos, competências são encaradas predominantemente como inputs, ou o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes que afetam o desempenho do indivíduo. A partir dos vários conceitos e escolas com pesquisas no tema, autores brasileiros também pesquisaram e apresentam estudos sobre o modelo de competências. De acordo com Fleury e Fleury (2000), competência é um saber agir de maneira responsável que implica em mobilizar, integrar, transferir conhecimentos, recursos e habilidades que agreguem valor econômico à organização e valor social ao indivíduo. A grande contribuição no conceito definido está em destacar que a competência só efetivamente existirá no momento em que agregar algum valor econômico à organização e valor social ao indivíduo. Segundo Fleury & Fleury (2000), o aumento da competitividade, da instabilidade econômica e a política dos mercados cada vez mais globalizada, têm levado as empresas a se especializarem em core business, gerando mais competência interna. Assim, é por meio da do processo de aprendizagem e da gestão do conhecimento que as organizações podem desenvolver as competências necessárias para a realização da sua estratégia competitiva. ESTRATÉGIA APRENDIZAGEM COMPETÊNCIAS Figura 2 - Construção das competências e da estratégia por meio da aprendizagem Fonte: Fleury & Fleury (2000) Dutra (2001) complementa este conceito ao definir a noção de entrega; ou seja, a competência está vinculada à capacidade de entrega do indivíduo, realizada a partir da aplicação do estoque de repertórios individuais e organizacionais. No modelo de gestão por competências, o autor enfatiza o desenvolvimento de competências para o desenvolvimento da carreira e para atingir os objetivos organizacionais. IV CNEG 13

14 Para o autor, há uma relação íntima entre as competências organizacionais e as competências individuais. No modelo de gestão por competências, os cargos deixam de ser uma simples descrição de tarefas e passam a identificar as expectativas de entregas, associadas a uma escala crescente de complexidade que determinará o nível de agregação de valor para a empresa ou negócio. Fleury e Fleury (2000) e Dutra (2001) procuraram, em sua proposta conceitual sobre competência, ir além das definições tradicionais de competências, da vertente norteamericana: que propõe a somatória de conhecimentos, habilidades e atitudes, desenvolvidas por McClelland (1973) e seus seguidores na década de 80. Os autores desenvolveram um modelo mais focado na escola francesa, com a abordagem mais comportamental para a noção de competência nas organizações, onde os resultados estão atrelados ao desenvolvimento profissional e pessoal dos indivíduos. 3. RESULTADOS 3.1 Análise e Síntese do Referencial Teórico Aplicar o conceito de competências à gestão de pessoas tem sido uma prática utilizada por organizações para melhoria dos seus processos de RH. Pode assim ser definida como uma gestão fundamentada em uma metodologia que busca a transparência e adesão de todos os funcionários, desde a alta direção até os colaboradores operacionais com o propósito de capacitar sua força de trabalho para as exigências do mercado. Embora há alguns anos os conceitos de gestão do conhecimento e gestão por competências vêm sendo discutidos, eles são aplicados em poucas organizações ou são citados mas ainda sem um modelo fundamentado. Fazendo uma reflexão sobre o referencial teórico da seção anterior, cabe ressaltar que tratar a gestão por competência apenas como um modelo implantado na área de recursos humanos para desenvolver habilidades e competências e melhorar o desempenho das pessoas na organização, pode nos trazer uma visão míope deste modelo. Pensar em gestão por competências deve abordar uma visão holística, incluindo conhecimento, atitudes, valores, características pessoais e relacionamentos entre equipes, integrado a outros processos-chave da organização, oferecendo um alinhamento à estratégia IV CNEG 14

15 organizacional e à gestão do conhecimento e visando o aumento do desempenho global da organização. Na figura 3, propomos uma análise do referencial teórico, onde a gestão por competências não deve apenas servir aos processos de RH, mas, fundamentalmente, aos objetivos estratégicos organizacionais, incluindo os conceitos de aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento. A partir desta concepção, uma nova reflexão se torna necessária. Como este modelo está inserido e sendo praticado nas organizações: a) É um ciclo estático ou se insere na organização como um processo dinâmico? b) Interage com outras unidades e sistemas da organização ou está fragmentado e deslocado apenas no processo de RH? c) Ocorre apenas em determinados períodos sem uma relação de continuidade? d) É um processo complexo que o torna inviável ou de difícil compreensão e aplicação para atingir os objetivos propostos? Análise e Síntese do Referencial Teórico Modelos de Gestão por Competência Processos RH Ciclo Estático Objetivos Organizacionais Ciclo Dinâmico Fragmentado Integrado Periódico Contínuo Complexo Prático Figura 3 Análise e Síntese dos Modelos de Gestão por Competência desenvolvido pelos autores. A resposta a estas questões poderá nos informar sobre a aplicação da gestão por competências apenas como um método ou um modismo para denominar as ações de RH ou se inclui uma abordagem com fundamentação teórica, com uma visão macro ligada á estratégia do negócio e gerando o conhecimento organizacional. IV CNEG 15

16 3.2 Modelo Alinhado de Gestão por Competências - MAGECOMP Apresentamos um modelo conceitual analítico de gestão por competências, que denominamos de Modelo Alinhado de Gestão por Competências - MAGECOMP, o qual julgamos ser a essência das práticas implantadas nas organizações para gerar as competências no conceito holístico descrito acima, em que estejam presentes atributos de dinâmica e integração na gestão por competências. A concepção de competências não se limita ao conceito da palavra e no desenvolvimento de competências, mas deve estar fundamentado no conceito de gestão do conhecimento, alinhado aos objetivos estratégicos organizacionais. Figura 4 Modelo Alinhado de Gestão por Competências MAGECOMP desenvolvido pelos autores O modelo proposto assim como a análise do referencial teórico serão os recursos que servirão de base para o desenvolvimento da pesquisa a que se propõe este estudo. A operacionalização e a validação deste modelo objetiva inserir a gestão por competências sob uma ótica mais abrangente, gerando credibilidade para a implantação de um sistema que possa contribuir para a gestão dos ativos intangíveis da organização. IV CNEG 16

17 4. CONCLUSÕES O artigo relata resultados parciais de pesquisa em andamento e apresenta uma revisão dos conceitos e teorias sobre gestão por competências e gestão do conhecimento, propondo um modelo analítico de gestão por competências integrado à gestão do conhecimento e alinhado dinamicamente com os objetivos estratégicos de uma organização. O modelo apresentado será aplicado, em uma segunda etapa da pesquisa junto a empresas reconhecidas pela excelência na gestão a partir dos critérios do Prêmio Nacional da Qualidade, analisando como a gestão por competências está sendo praticada. Um dos resultados da pesquisa em curso está em obter um diagnóstico de práticas de gestão quanto à conexão entre o sistema de gestão por competência, os objetivos estratégicos organizacionais e a gestão do conhecimento em diferentes organizações inseridas em diferentes contextos. Desta forma, o estudo poderá levantar algumas variáveis organizacionais e do contexto institucional, industrial e de mercados do tipo de negócio que possam ser intervenientes a favor ou contra a integração entre gestão por competências, gestão do conhecimento e objetivos estratégicos organizacionais. Considera-se que o diferencial competitivo no mundo corporativo pode estar diretamente relacionado ao conhecimento gerado entre os colaboradores da organização. Nesse sentido, a gestão por competências pode ser reconhecida como sistema de geração do conhecimento, incentivando e proporcionando o desenvolvimento das equipes de trabalho. As organizações podem se beneficiar com os resultados desta prática como ferramenta de gestão quando integrada de forma dinâmica com os objetivos estratégicos, considerando a adaptação do modelo de gestão por competências proposto conforme o segmento, porte e outras características do negócio. REFERÊNCIAS ALVES, Maria Bernadette Amâncio Sá; NEVES, Jorge Tadeu de Ramos. O Papel de um Centro de Informações no Processo de Gestão do Conhecimento de uma Escola de Negócios um Estudo de Caso. XXXI Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro, set., BARBIERI, J.C. et al. Organizações inovadoras - estudos e casos brasileiros. Coletânea de estudos do Fórum de Inovação da FGV. Rio de Janeiro, Editora FGV, IV CNEG 17

18 BARBOSA, Allan C.Q.; RODRIGUES, Marco A. Alternativas metodológicas para a identificação de competências. B.Téc. SENAC, Rio de Janeiro, v.32, n.2, maio/agosto/2006. BRANDÃO, H.P. Gestão baseada nas competências: um estudo sobre competências profissionais na indústria bancária Dissertação (Mestrado em Administração), Universidade de Brasília, Brasília.. Competências no trabalho: uma análise da produção científica brasileira. Universidade Corporativa Banco do Brasil e Fundação Getúlio Vargas FGV, CARDOSO, V. C.; CAMEIRA, R. F.; PROENÇA, A. Inteligência competitiva e a gestão do conhecimento. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 21., 2001, Salvador. Anais do. São Paulo: ABEPRO, CHOO, Chun Wei. A Organização do Conhecimento. São Paulo: SENAC, CONTADOR, José Celso et al.gestão do conhecimento aplicada á Gestão por Processos: Identificação de funcionalidades requeridas às soluções de Business Procdess Management System (BPMS). RAI Revista de Administração e Inovação. São Paulo, v.2, n.2, p. 5-18, 2005 DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, DEMO, Gisela. Políticas de Gestão de Pessoas nas Organizações: papel dos valores pessoais e da justiça organizacional. São Paulo: Atlas, DUTRA, Joel Souza. Gestão de Pessoas: modelo, processos, tendências e perspectinvas. São Paulo: Atlas, DUTRA, Joel Souza et al. Gestão por competências: um modelo avançado para o gerenciamento de pessoas. São Paulo: Editora Gente, DUTRA, Joel Souza; HIPÓLITO, José Antônio Monteiro; SILVA, Cassiano Machado. Gestão de Pessoas por Competências: o Caso de uma Empresa do Setor de Telecomunicações. RAC, v4, n1, Jan/Abr.2000: FERRARESI, Alex A. Inteligência Empresarial E Gestão Do Conhecimento Como Praticas De Suporte Para A Decisão Estratégica - RAI - Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 3, n. 1, p , IV CNEG 18

19 FISCHER, A.L. A constituição do modelo competitivo de gestão de pessoas no Brasil: um estudo sobre as empresas consideradas exemplares p.Tese (Doutrorado) FEA, Universidade de São Paulo, São Paulo. FLEURY, Allonso. & FLEURY, M. T. Leme. Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópio da indústria brasileira. São Paulo: Atlas, FLEURY. M; OLIVEIRA JR. M. Gestão estratégica do conhecimento. Editora Atlas: São Paulo, FUNDAÇÃO NACIONAL DA QUALIDADE. Critérios de excelência. São Paulo: Fundação Nacional da Qualidade, Edições Temáticas: Capital Intelectual e Inovação A Gestão dos Intangíveis. São Paulo: Fundação Nacional da Qualidade, Pesquisa sobre capital intelectual. Resultado da pesquisa sobre capital intelectual desenvolvida para lançamento do Comitê Temático. São Paulo, GIL, Antonio Carlos. Gestão de Pessoas: enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas, Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, HAMEL, G; PRAHALAD, C.K. Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle de seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Campus, K.E. Weick, The Social Psychology of Organizing. Nova York: Randon house, LE BOTERF, Guy. Competénce et navigation prefessionnalle. Paris: Éditions d Organisation, Revista Treinamento & Desenvolvimento, São Paulo, p.12-14, jan LUCHT, Robert Rigobert; HOPPEN, Norberto; MAÇADA, Antônio Carlos Gastaud. Ampliação do Modelo de Impacto de TI de Torkzadeh e Doll à luz do Processo Decisório e da Segurança da Informação. Anais do XXXI Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro, set., MCCLELLAND, D.C. Testing for Competence rather than Intelligence. American Psychologist, Washington, D.C.: 28, 1-4, IV CNEG 19

20 NONAKA, Ikujiro. TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa. Como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, NONAKA, I. The Knowledge-creating company In: Harvard Business Review. Harvard Business Review on knowledge management. Boston, OLIVEIRA, Rezilda Rodrigue; FILHO, Bartolomeu de Figueiredo Alves. Gestão do Conhecimento Organizacional no nível técnico-gerencial de uma empresa. Um estudo do Serpro-Recife. Anais do XXXI Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro, set., PEREIRA, H. J. Proposição de um modelo de gestão para organizações baseadas em conhecimento. In: Simpósio De Gestão Da Inovação Tecnológica, 22., 2002, Salvador. Anais. São Paulo: USP/NPGCT 2002 PRAHALAD, C.K. A competência essencial. H.S.manangement, São Paulo, n.1, p.6-11, mar/abr, Competindo pelo futuro. Rio de Janeiro: Campus, RÉGNIER, Karla. Alguns elementos sobre a racionalidade dos modelos taylorista, fordista e toyotista. Disponível em RODRIGUEZ, Martius V.Rodriguez y. Gestão Empresarial: organizações que aprendem. Rio de Janeiro: Qualitymark Petrobrás, RUAS, Roberto Lima; ANTONELLO, Claudia Simone; BOFF, Luiz Henrique. Os novos horizontes da gestão: aprendizabem organizacional e competências. Porto Alegre: Bookman, SENGE, Peter M. A Quinta Disciplina. São Paulo: Best Seller, SETZER, Valdemar W. Dado, Informação, Conhecimento e Competência. Revista de Ciência da informação n. zero, Artigo 01, dez/99. SOUZA, Maria Regina Alves de. Sistema de certificação profissional por competência: um modelo em construção para o Brasil f. Dissertação (Mestrado em Sistemas de Gestão) Departamento de Engenharia de Produção, Universidade Federal Fluminense, Niterói. SOUZA, Vera Lucia de et al. Gestão de Desempenho. Rio de Janeiro: FGV, IV CNEG 20

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos componentes e fatores condicionantes Glaucia Falcone Fonseca Nos dias de hoje, em todas as organizações, seja ela voltada para serviços, ramo industrial

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Ambientes e fluxos de informação: transversalidades. Profa. Dra. Marta Valentim

Ambientes e fluxos de informação: transversalidades. Profa. Dra. Marta Valentim Ambientes e fluxos de informação: transversalidades Profa. Dra. Marta Valentim Brasília / Brasil 2013 Introdução As transformações políticas, econômicas, tecnológicas, sociais e culturais, tem impactado

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento e do Capital Intelectual Anhanguera Educacional Unidade FACNET Curso: MBA em Gestão de Pessoas Disciplina: Aula 01 08/02/2014 Professor: Rodrigo Porto Agenda 1º encontro 08/02/2014 Parte 1 Curso e Apresentações

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

Qual o principal Desafio das Empresas

Qual o principal Desafio das Empresas Gestão por Competências Caminho para a Sustentabilidade Empresarial Qual o principal Desafio das Empresas Lucratividade sustentável! Capacidade de negociar simultaneamente os 5 (cinco)recursos, indispensáveis

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

Gestão em Sistemas de Saúde

Gestão em Sistemas de Saúde INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão em Sistemas de Saúde Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia XX/XX/2013 Pró diretoria de

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO INTRODUÇÃO Os processos empresariais são fluxos de valor

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL programação do evento 4ª edição RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL 10 de abril de 2014 Staybridge Suites São Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO SILVER EXPO BRAND APOIO REALIZAÇÃO Os desafios do futuro na

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Pós-Graduação Gestão Estratégica de Empresas e Negócios Gestão do Conhecimento Trabalho desenvolvido pelos alunos da turma GEEN 0535, do curso de Gestão Estratégica de Empresas e Negócios, para a disciplina

Leia mais

COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS DE LIDERANÇA E GESTÃO NA ENGENHARIA CIVIL

COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS DE LIDERANÇA E GESTÃO NA ENGENHARIA CIVIL COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS DE LIDERANÇA E GESTÃO NA ENGENHARIA CIVIL Carlos Alberto Czekster, 1 Luciano Andreatta Carvalho da Costa 2 RESUMO O presente estudo é o resultado de um trabalho de pesquisa

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 PLANO DE CURSO C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: Gestão de Pessoas Código: ENGP - 599 Pré-requisito: -----

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (http://www.trt23.jus.br) Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard José Silva Barbosa Assessor de Planejamento e Gestão Setembro/2009 Objetivos Apresentar a

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

Evolução do uso de competências para remuneração

Evolução do uso de competências para remuneração Tema: Competências e Instrumentos de Análise de Desempenho na Gestão da Remuneração: Experiências e Lições dos Principais Grupos Empresariais do Brasil José Hipólito Evolução do uso de competências para

Leia mais

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas 1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso GEPAG UNIFESP abril / 2009 CONTEXTO Características do Trabalho no

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

O Projeto MelhorAção e a Gestão do Conhecimento

O Projeto MelhorAção e a Gestão do Conhecimento Prof a Dr a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Coordenadora Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados Instituto Brasileiro de Informação em Ciência

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS HUMANAS NA BIBLIOTECA THEREZINHA SAMWAYS, CAMPUS NORTE

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS HUMANAS NA BIBLIOTECA THEREZINHA SAMWAYS, CAMPUS NORTE Artigo Científico baseado na ABNT 6022/2003. 3cm. Título do artigo centralizado. IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS HUMANAS NA BIBLIOTECA THEREZINHA SAMWAYS, CAMPUS NORTE DO INSTITUTO DE

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

Seleção e Dinâmicas de Grupo. Aula 2: Seleção Por Competências. Professora Sonia Regina Campos

Seleção e Dinâmicas de Grupo. Aula 2: Seleção Por Competências. Professora Sonia Regina Campos Seleção e Dinâmicas de Grupo Aula 2: Seleção Por Competências Professora Sonia Regina Campos Seleção por Competências Seleção por Competências A Gestão de Pessoas passou por uma alteração de paradigmas.

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)?

1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)? 1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)? Conceitualmente, o Balanced Scorecard, também conhecido como BSC, é um modelo de gestão que auxilia as organizações a traduzir a estratégia em objetivos operacionais

Leia mais

O Livro Schindler do Navegador Definindo os objetivos. Preparando o caminho. Diretrizes estratégicas para o sucesso no mercado de elevadores e

O Livro Schindler do Navegador Definindo os objetivos. Preparando o caminho. Diretrizes estratégicas para o sucesso no mercado de elevadores e O Livro Schindler do Navegador Definindo os objetivos. Preparando o caminho. Diretrizes estratégicas para o sucesso no mercado de elevadores e escadas. Jürgen Tinggren Nosso compromisso Caros colegas Miguel

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software

Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software Gabriel Gavasso 1 Anderson R. Yanzer Cabral 2 Resumo: Gerenciar o conhecimento nas organizações tem se tornado um grande desafio, visto a grande importância

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: Gestão de Pessoas Código: ENGP 599 Prérequisito: Período

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social.

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social. PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNICENTRO, PROVARS: COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS PARA A EFETIVAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. RESUMO: O presente trabalho pretendeu verificar

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais