Multimédia Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Multimédia. 3.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt"

Transcrição

1 Multimédia 3.1. Imagem Nuno Miguel Gil Fonseca

2 Cores O que é a cor? Distribuição espectral do sinal de excitação. Função da reflectância e da iluminação Os nervos da retina humana são sensíveis à frequência da onda luminosa que corresponde às cores vermelho, verde e azul Os milhões de cores que somos capazes de distinguir correspondem a diferentes misturas destas cores (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 2

3 Cores (cont.) Os monitores (CRT) criam as imagens à custa de três canhões que emitem vermelho, verde e azul ou Red, Green and Blue (RGB) As cores são especificadas pelo valor de cada componente (entre 0 e 255). Por exemplo, R=255, G=255, B=0 corresponde a amarelo. (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 3

4 Cores (cont.) Existem outros modelos para além do RGB: CMYK (Cyan, Magenta, Yellow, black) (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 4

5 Cores (cont.) Existem outros modelos para além do RGB: HSB (hue, saturation, brightness) Hue é representado por um ângulo numa roda de cores e os restantes por uma percentagem. HSL (hue, saturation, lightness) Hue é representado por um ângulo numa roda de cores e os restantes por uma percentagem. (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 5

6 Imagens Há dois tipos básicos de imagens digitais Bitmaps (ou Raster) imagens digitais Vectoriais desenhos (linhas, quadrados, ) (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 6

7 Imagens Bitmaps Um bitmap é uma matriz que descreve todos os pontos de uma imagem (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 7

8 Imagens (cont.) Bitmaps (cont.) Imagem monocromática Cada pixel é armazenado como um bit (0 ou 1) Uma imagem com 640x480 pixel ocupa 37.5 KB de memória Imagem em escala de cinzentos Cada pixel é armazenado como um byte (valor entre 0 e 255) Uma imagem com 640x480 pixel ocupa mais de 300 KB de memória Imagem a cores de 8 bits Cada pixel é armazenado como um byte Suporta 256 dos milhões de cores possíveis (qualidade razoável) Utiliza paletas de cores para poder optar entre vários grupos de 256 cores Uma imagem com 640x480 pixel ocupa mais de 300 KB de memória (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 8

9 Imagens (cont.) Bitmaps (cont.) Imagem a cores de 16 bits (high color) Cada pixel é armazenado como dois bytes Suporta cores diferentes (boa qualidade) Uma imagem com 640x480 pixel ocupa mais de 600 KB de memória Imagem a cores de 24 bits (true color) Cada pixel é armazenado como três bytes, cada um deles representando uma componente da cor respectiva (RGB) Suporta cores diferentes (alta qualidade) Uma imagem com 640x480 pixel ocupa KB de memória Por vezes são armazenadas em 32 bits, utilizando-se o 4º byte para guardar informação sobre efeitos especiais (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 9

10 Imagens (cont.) Vectoriais É armazenada uma descrição do desenho em vez de cada pixel da imagem Exemplo: RECT 0,0,200,200,RED,BLUE pode descrever um rectângulo que começa no ponto de coordenadas (0,0), tem comprimento e largura de 200 pixel, bordo vermelho e interior azul Mais manipuláveis, uma vez que cada elemento pode ser seleccionado e manipulado individualmente Ficheiros muito mais compactos que os bitmaps É possível converter imagens vectoriais em bitmaps (o inverso também é possível) (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 10

11 Imagens (cont.) Bitmap vs Vectoriais Fonte: vector-conversions.com (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 11

12 Imagens (cont.) Paletas de cores Quando se trabalha com cor de 8 bits apenas é possível representar uma combinação de 256 cores (paleta) No entanto, pode haver diversas paletas que são utilizadas em alternativa A mudança de paleta provoca um flash de cores estranhas no monitor, pelo que deve ser evitada. Numa imagem true color não ocorrem todas as cores. Assim, poderse-á usar uma paleta de cores, sendo os pixels os índices dessas paletas. (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 12

13 Imagens (cont.) Paletas de cores (cont.) Face às limitações da visão humana, é possível reduzir o número de cores usadas, sem que isso se torne muito perceptível, permitindo deste modo reduzir o espaço ocupado pelas imagens conversão por dithering No processo de dithering, os valores de cor de cada pixel são convertidos para a cor mais próxima de entre as existentes na paleta destino Muitos algoritmos deste tipo levam também em conta os valores dos pixels vizinhos, procurando não a cor mais próxima de cada pixel, mas a média de uma pequena área da imagem (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 13

14 Imagens (cont.) Compressão Opera com base na remoção da informação Redundância (correlação) Espacial Temporal Cromática (Espectral) Irrelevância sensibilidade ao contraste sensibilidade aos comprimentos de onda, sensibilidade aos detalhes espaciais resposta temporal Taxa de compressão Número de bits da imagem original Número de bits da imagem comprimida (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 14

15 Imagens (cont.) Compressão (cont.) A remoção da informação redundante pode ser obtida por métodos invertíveis: Compressão não destrutiva (Lossless opera com base na redundância da informação) RLE (PNG) EZW (GIF) A compressão pode ser efectuada removendo pormenores perceptualmente insignificantes Compressão destrutiva (Lossy opera com base na irrelevância da informação) Detalhes espaciais, temporais Contraste Cor DCT (JPEG, MPEG2, MPEG4) DWT (JPEG2000) (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 15

16 Imagens (cont.) Principais formatos JPEG Padrão para compressão de imagens fotográficas criado pelo Joint Photographics Expert Group Utiliza imagens de alta qualidade (true color 24 bits) Tira partido das limitações da visão humana para atingir níveis mais altos de compressão Para isso utiliza técnicas matemáticas sofisticadas, nomeadamente a DCT Compressão com perdas, sendo permitido ao utilizador especificar o nível de qualidade / compressão A taxa de compressão (e a qualidade da imagem) é controlável pelo utilizador (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 16

17 Imagens (cont.) Principais formatos (cont.) JPEG (cont.) Consegue obter taxas de compressão máximas na casa de 100:1 (à custa de elevada degradação de qualidade) Utiliza métodos de compressão pensados para imagens fotográficas, funcionando particularmente bem em imagens com transições suaves entre as cores Apresenta piores resultados em elementos gráficos, que incluem geralmente transições abruptas entre cores. Nestes casos, o JPEG tende a introduzir algum ruído nas zonas de transição A sua flexibilidade e as razoáveis taxas de compressão que permite obter fazem deste formato um dos mais populares hoje em dia. Ideal para fotografias (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 17

18 Imagens (cont.) Principais formatos (cont.) GIF (Graphics Interchange Format) Criado para transmitir imagens através de linhas telefónicas A minimização do tamanho dos ficheiros foi um objectivo primordial da sua criação Tornou-se muito popular e maioritário na web Usa o algoritmo LZW para codificar a informação Limitado a imagens de 8 bits (256 cores) Suporta entrelaçamento GIF89a suporta formas simples de animação Ideal para gráficos, logotipos, etc. (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 18

19 Imagens (cont.) Principais formatos (cont.) PNG (Portable Network Graphics) Surgiu como resposta às questões levantadas com a tentativa da UNISYS de exercer direitos de propriedade sobre parte do formato GIF e foi criado tendo em vista a utilização em páginas web Apresenta características superiores às do GIF, em particular por suportar imagens com profundidade de cor até 24 bits e por incluir algoritmos de compressão mais eficazes e sem perdas O PNG foi já aceite como formato de imagem pelo W3 Consortium e pelos principais fabricantes de browsers. A especificação completa pode ser obtida em (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 19

20 Imagens (cont.) Principais formatos (cont.) Windows - BMP Sistema padrão do Windows Capaz de armazenar imagens com cores de 24 bits Pode utilizar compressão RLE Ficheiros muito grandes MacIntosh - PICT Usado pelo MacDraw para armazenar imagens vector drawn. XBM Sistema padrão do X-Windows Suporta cores de 24 bits TIFF (Tag(ged) Image File Format) Propiedade da Adobe Possui algumas características especiais que tornam este formato ideal para algumas situações concretas (p.e. Número aleatório de bits por pixel ) (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 20

21 Imagens (cont.) Principais formatos (cont.) SVG Formato vectorial criado pelo W3C Suportado pela maior parte dos programas de ilustração/criação de imagem Suportado também pela maior parte dos web browsers Formato baseado em XML <?xml version="1.0" standalone="no"?> <!DOCTYPE svg PUBLIC "-//W3C//DTD SVG 1.1//EN" "http://www.w3.org/graphics/svg/1.1/dtd/svg11.dtd"> <svg width="100%" height="100%" version="1.1" xmlns="http://www.w3.org/2000/svg"> <rect width="300" height="100" style="fill:rgb(0,0,255);stroke-width:1; stroke:rgb(0,0,0)"/> </svg> (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 21

22 Imagens (cont.) Principais formatos (cont.) Windows - BMP Sistema padrão do Windows Capaz de armazenar imagens com cores de 24 bits Pode utilizar compressão RLE Ficheiros muito grandes MacIntosh - PICT Usado pelo MacDraw para armazenar imagens vector drawn. XBM Sistema padrão do X-Windows Suporta cores de 24 bits TIFF (Tag(ged) Image File Format) Propiedade da Adobe Possui algumas características especiais que tornam este formato ideal para algumas situações concretas (p.e. Número aleatório de bits por pixel ) (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 22

23 Imagens (cont.) Programas de captura de imagens Controlo de máquinas fotográficas digitais Função básica é a transferência de fotografias da máquina para o computador Alguns permitem definir opções da máquina (fonte de iluminação ) Controlo de scanners Permitem o controlo do processo de digitalização Área a digitalizar Resolução Escala Tipo de imagem Brilho e contraste... (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 23

24 Imagens (cont.) Programas de edição de imagens Consistem num conjunto de subprogramas capazes de modificar determinados aspectos das imagens Os algoritmos respectivos consistem em transformações matemáticas que, quando aplicadas aos pixels de uma imagem, produzem os efeitos desejados Alteração do tamanho da imagem Alteração do brilho e/ou do contraste Acentuação ou suavização dos contornos dos objectos na imagem Alterações de cor, nomeadamente na profundidade de cor Retoques do conteúdo, por exemplo eliminando imperfeições resultantes do processo de digitalização, eliminando componentes não desejadas da imagem ou criando imagens através da composição de elementos de outras imagens Rotação e/ou simetria da imagem Alteração da textura por aplicação de filtros, eventualmente procurando obter efeitos especiais Exemplos: Photoshop, Paintshop Pro, GIMP, Paint.NET, MS Paint, (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 24

25 Imagens (cont.) Imagens e Internet Diversidade de computadores na web Cuidados com a profundidade de cor utilizada A Internet coloca limitações de largura de banda Para manter os tempos de transmissão dentro de limites aceitáveis há que limitar o tamanho das páginas Tamanho das imagens terá que ser baixo Utilização de formatos comprimidos GIF JPEG PNG GIF/PNG ~ 15kb JPG (50%) ~ 9kb JPG (90%) ~ 3kb (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 25

26 Hardware Monitores Factores a ter em conta aquando da escolha Tecnologia Plasma, LCD (Liquid Crystal Display) ou CRT (Cathode Ray Tube), TFT (Thin Film Transistor), LED (Light-Emitting Diode) Tipos de varrimentos Entrelaçado consiste em cada imagem completa ser mostrada em dois varrimentos consecutivos (1º linhas pares, 2º ímpares) Progressivo consiste em fazer apenas um varrimento de cada moldura de imagem e mostrá-la completa Frequência de varrimento (CRT) Número de vezes por segundo que o ecrã inteiro pode ser desenhado e a ficar pronto para desenhar o seguinte Medida em Hz Valores usuais de 60Hz a 100 Hz (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 26

27 Hardware Monitores (cont.) Factores a ter em conta aquando da escolha (cont.) Tempo de resposta (LCD) Tempo que uma célula de cristal líquido leva para ir do estado activo (preto) para o estado inactivo (branco) e voltar para o estado activo novamente Medido em milissegundos. Quanto mais baixo melhor Valores usuais: 5 ms, 12 ms, 16 ms Dimensão de 12 a? polegadas medidas na diagonal 1 polegada = 2,5 cm (aprox.) Resolução Número de pixels (linhas x colunas) 640 x 480, 800 x 600, 1024 x 768, 1280 x 1024, 1600 x 1200, 1200x800, quanto maior a dimensão do monitor, maior deverá ser a resolução (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 27

28 Hardware (cont.) Monitores (cont.) Factores a ter em conta aquando da escolha (cont.) Dot pitch Distância entre pontos adjacentes no monitor (LCD e CRT) medida em milímetros Valores usuais entre 0.20mm e 0.31mm Profundidade de cor número de cores que é possível visualizar normalmente depende da placa de vídeo e dos drivers desta Número de bits Número de cores 1 2 (monocromático) 2 4 (CGA) 4 16 (EGA) (VGA) 16 65,536 (High Color, XGA) 24 16,777,216 (True Color, SVGA) 32 16,777,216 (True Color + Canal Alfa) (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 28

29 Hardware (cont.) Monitores (cont.) (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 29

30 Hardware(cont.) Placas gráficas (cont.) Dispositivo de hardware que permite ao computador enviar imagem para o monitor Transforma a imagem digital (0s e 1s) no sinal analógico necessário para comandar os feixes de electrões dos monitores CRT, controla a resolução, realiza efeitos especiais, armazena a imagem... Pode ser encontrada como equipamento à parte ou acoplado à motherboard Tem como principais constituintes: processador (chipset), memória, conversor digital-analógico, driver de software Principais fabricantes de chipsets: Intel, ATI e nvidia (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 30

31 Computadores multimédia (cont.) Placas gráficas (cont.) Memória VRAM (pode ser lida e escrita em simultâneo) Capacidade (8, 16, 32, 64, 128, 256, 1024.) Mb Tipos de memória: SDRAM, DDR, DDR II, DDR III Velocidades: 300, 900, MHz A memória existente numa placa gráfica condiciona directamente a resolução e a profundidade de cor com que é possível visualizar-se num monitor. Exemplo: para operar um monitor a uma resolução 1024 x 768 em true color é fundamental que a placa gráfica disponha pelo menos de 1024 x 768 x 3bytes = 2.25 MBytes Poderão ter memória dedicada, partilhada, ou hyper-memory (alguma dedicada e alguma partilhada) (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 31

32 Hardware (cont.) Placas gráficas (cont.) Tipos de barramento PCI AGP PCI Express SLI (para múltiplos GPUs) Interfaces Video-in VGA DVI TV-Out S-Video HDMI (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 32

33 Hardware(cont.) Scanners Um scanner permite a criação de uma imagem electrónica de uma qualquer fotografia, gráfico, desenho, etc Parâmetros mais relevantes: Resolução a de 600 dpi é comum, sendo mais do que suficiente para a maioria dos projectos multimédia Velocidade de digitalização Existem scanners específicos para fotografias e para negativos Existem scanners dos mais variados formatos: De mesa Em forma de caneta Etc. (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 33

34 Hardware (cont.) Scanners (cont.) Processo de digitalização Cada pixel é representado por um número inteiro proporcional ao valor da intensidade de luz no ponto correspondente na imagem analógica (gray level-nível de cinzento) Cada linha do original é iluminada por uma luz, sendo a sua imagem reflectida por um espelho para a lente de um Charge Couple Device CCD Os CCDs são semicondutores de dimensão microscópica, sensíveis à luz A função dos CCDs é produzir uma voltagem em função da intensidade de luz recebida Esta voltagem é convertida num sinal digital por um conversor analógico - digital Para distinguir as cores é necessário que existam três sensores, um relativo a cada cor básica. (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 34

35 Hardware (cont.) Câmaras fotográficas digitais Armazenam as imagens capturadas e permitem a sua transferência para um computador No computador, as imagens obtidas podem ser utilizadas ou manipuladas nos formatos digitais comuns Utilização menos onerosa Não é usado filme Fotografias indesejadas não têm custos (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 35

36 Hardware (cont.) Câmaras fotográficas digitais Usam uma grelha de CCD (Charge Coupled Device) ou um sensor CMOS em vez de filme para registar as fotografias Algumas máquinas conseguem uma melhor resolução ao utilizar três grelhas de CCD, cada uma sensível a uma das cores básicas As máquinas podem ser configuradas para tirar fotografias com diversos tamanhos e níveis de resolução, dependendo o espaço ocupado por cada fotografia destes dois parâmetros (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 36

37 Hardware (cont.) Câmaras fotográficas digitais (cont.) Arquitecturas 1 CCD CCD: nas câmaras monoccd só existe um CCD ao qual é sobreposto uma matriz de filtros com bandas passantes distintas. Preço mais convidativo Pior SNR (Signal-to-Noise Ratio) uma vez parte do sinal electromagnético de entrada é desaproveitado. Nas máquinas com CCD s, a carga eléctrica é transportada ao longo do chip e lida num canto da matriz. Um conversor analógico - digital transforma cada valor de pixel num valor digital. (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 37

38 Hardware (cont.) Câmaras fotográficas digitais (cont.) Arquitecturas (cont.) 3 CCD (cont.) Excelente resolução espacial. Diminui o efeito de aliasing. Bastante mais caro Numa câmara 3CCD existem 3 sensores, uma para cada canal. (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 38

39 Hardware (cont.) Câmaras fotográficas digitais (cont.) Arquitecturas (cont.) CMOS (Complimentary Metal-Oxide Semiconductor) Nesta tecnologia são utilizados vários transístores em cada pixel que amplificam e movem a carga usando fios tradicionais. A abordagem CMOS é mais flexível porque cada pixel pode ser lido individualmente. A tecnologia CMOS tradicionalmente consome menos energia. (cerca de 100x menos do que um CCD) (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 39

40 Hardware (cont.) Câmaras fotográficas digitais (cont.) Gestão de cor Os valores RGB obtidos por uma câmara reflectem o espaço de cor desse equipamento. Num equipamento de reprodução de cor (monitor, impressora) as indicações de cor são também uma propriedade do equipamento. Em função dos equipamentos usados, surgem distorções de cor acentuadas. Cada equipamento é fornecido com um Profile. Esse Profile estabelece o mapeamento entre o espaço de cor do equipamento e o espaço de cor ou vice-versa A conversão é realizada pelo Driver (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 40

41 Hardware (cont.) Câmaras fotográficas digitais (cont.) Factores a ter em conta aquando da escolha Capacidade do sensor (usualmente em MegaPixels) Tipo de máquina Manual ou automática Com lentes permutáveis (SLR, 4:3 ) ou não Tamanho e qualidade do LCD Capacidade de Zoom (óptico e digital) Tipo de armazenamento suportado (MS, SD, MMC, xd, etc.) Tipo de alimentação pilhas, bateria Formatos suportados O preço! Etc. (c) Nuno Miguel Gil Fonseca - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital - Multimédia 41

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.1. Imagem Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Cores O que é a cor? Distribuição espectral do sinal de excitação. Função da reflectância e da iluminação

Leia mais

2. Hardware Multimédia

2. Hardware Multimédia Sistemas e Conteúdos Multimédia 2. Hardware Multimédia Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Computadores multimédia Multimédia PC Marketing Council Criado em 1990 Integrava a Microsoft e

Leia mais

Utilização do Sistema Multimédia. 2. Formatos de ficheiros 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens. 2. Formatos de ficheiros

Utilização do Sistema Multimédia. 2. Formatos de ficheiros 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens. 2. Formatos de ficheiros Utilização do Sistema Multimédia 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens 2.1. Compressão Formatos com e sem compressão Técnicas de compressão (reduzem tamanho) de 2 tipos: Compressão

Leia mais

Imagem digital. Unidade 3

Imagem digital. Unidade 3 Imagem digital Unidade 3 Objectivos Reconhecer o potencial comunicativo/ expressivo das imagens; Reconhecer as potencialidades narrativas de uma imagem; A criação de sentido nas associações de imagens

Leia mais

A cor e o computador. Teoria e Tecnologia da Cor. Unidade VII Pág. 1 /5

A cor e o computador. Teoria e Tecnologia da Cor. Unidade VII Pág. 1 /5 A cor e o computador Introdução A formação da imagem num Computador depende de dois factores: do Hardware, componentes físicas que processam a imagem e nos permitem vê-la, e do Software, aplicações que

Leia mais

TRATAMENTO DE IMAGENS. Elisa Maria Pivetta

TRATAMENTO DE IMAGENS. Elisa Maria Pivetta TRATAMENTO DE IMAGENS Elisa Maria Pivetta CATEGORIAS DE IMAGENS Distinguem-se geralmente duas grandes: Bitmap (ou raster) - trata-se de imagens "pixelizadas", ou seja, um conjunto de pontos (pixéis) contidos

Leia mais

Desenho e Apresentação de Imagens por Computador

Desenho e Apresentação de Imagens por Computador Desenho e Apresentação de Imagens por Computador Conteúdo s: Aspetos genéricos sobre o trabalho com imagens computacionais. Imagens computacionais e programas que criam ou manipulam esse tipo de imagens.

Leia mais

ferramentas da imagem digital

ferramentas da imagem digital ferramentas da imagem digital illustrator X photoshop aplicativo ilustração vetorial aplicativo imagem digital 02. 16 imagem vetorial X imagem de rastreio imagem vetorial traduz a imagem recorrendo a instrumentos

Leia mais

Aula 2 Aquisição de Imagens

Aula 2 Aquisição de Imagens Processamento Digital de Imagens Aula 2 Aquisição de Imagens Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br EESC/USP Fundamentos de Imagens Digitais Ocorre a formação de uma imagem quando

Leia mais

TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP

TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP Docente: Bruno Duarte Fev 2010 O que é uma imagem digital? Uma imagem diz-se digital quando existe um ficheiro em computador que guarda a informação gráfica desta

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens Sumário Gráficos e imagens bitmap Tipos de dados para gráficos e imagens Imagens de 1-bit Imagens de gray-level

Leia mais

1. Formatos de ficheiros de imagem (mapas de bits)

1. Formatos de ficheiros de imagem (mapas de bits) Geração e captura de imagem 1. Formatos de ficheiros de imagem (mapas de bits) 1.1. Formatos mais comuns Existe a necessidade muitas vezes de transferir uma imagem de um programa para outro, quando um

Leia mais

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Imagens Uma imagem é representada por uma matriz

Leia mais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais Esse artigo sobre Formatos de Arquivos Digitais é parte da Tese de Doutoramento do autor apresentada para a obtenção do titulo de Doutor em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da USP. Thales Trigo

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta Teoria da Cor TI Elisa Maria Pivetta A percepção da cor é um processo complexo, resultante da recepção da luz pelo olho e da interpretação desta pelo cérebro. O que de fato determina a cor de um objeto

Leia mais

19/11/2015. Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA. James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático.

19/11/2015. Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA. James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático. Prof. Reginaldo Brito Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA Joseph-Nicéphore Niepce * França, (1765-1833) James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático. 1826,

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) 1 Classificação da imagem Em relação à sua origem pode-se classificar uma imagem,

Leia mais

Aula 6 Fundamentos da fotografia digital

Aula 6 Fundamentos da fotografia digital Aula 6 Fundamentos da fotografia digital Fundamentos da fotografia digital: Câmeras digitais CCD e CMOS Resolução Armazenamento Softwares para edição e manipulação de imagens digitais: Photoshop e Lightroom

Leia mais

WEB DESIGN ELEMENTOS GRÁFICOS

WEB DESIGN ELEMENTOS GRÁFICOS ELEMENTOS GRÁFICOS Parte 4 José Manuel Russo 2005 24 A Imagem Bitmap (Raster) As imagens digitais ou Bitmap (Raster image do inglês) são desenhadas por um conjunto de pontos quadrangulares Pixel alinhados

Leia mais

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão 1 Diferenças entre o CCD e o Filme: O filme como já vimos, é uma película de poliéster, coberta em um dos lados por uma gelatina de origem animal com partículas

Leia mais

A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS:

A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS: A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS: EXISTEM TRÊS TIPOS DE SENSORES UTILIZADOS NAS CÂMARAS DIGITAIS: CCD - Charge Coupled Device CMOS - Complimentary

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologias de computadores Trabalho realizado por: Carlos Aguilar nº 27886 Miguel Xavier nº 26705 Bruno Esteves nº 26975 ECRÃS Introdução Servem basicamente para mostrar

Leia mais

Formatos Imagem. Apontamentos CG + Edward Angel, Sec. 8.2. Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010

Formatos Imagem. Apontamentos CG + Edward Angel, Sec. 8.2. Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010 Formatos Imagem Apontamentos CG + Edward Angel, Sec. 8.2 Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010 1 Na última aula Ray-Tracing Ferramentas Utilizadas: POV-Ray 3.6 (modelling, texturing,

Leia mais

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos.

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Scanners Manual Básico Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Tipos de Scanners Diferentes tipos de scanners funcionam de diferentes maneiras. Conheça

Leia mais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais Curso Técnico em Multimídia ETI - Edição e tratamento de imagens digitais 2 Fundamentos "Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e no amor que há em Cristo Jesus." 2 Timóteo 1:13

Leia mais

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli Câmera Digital Autor: Darllene Negri Nicioli 2 OBJETIVO Têm como objetivo este trabalho mostrar o princípio de funcionamento geral de uma câmera digital até as vantagens e desvantagens do produto final,

Leia mais

Dispositivos de entrada, saída, entrada e saída

Dispositivos de entrada, saída, entrada e saída Dispositivos de entrada, saída, entrada e saída Classificação dos dispositivos (ou periféricos) ricos) Entrada Teclado Rato, touchpad, pointing device, track ball Scanner Câmaras digitais (fotográficas

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

CEFET-RS Curso de Eletrônica

CEFET-RS Curso de Eletrônica CEFET-RS Curso de Eletrônica 7 - Vídeo Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade 07.1 Vídeo Principal periférico de saída desde o final da década de 70;

Leia mais

Representação de Informação -- Texto -- Representação de Informação. Representação de Caracteres

Representação de Informação -- Texto -- Representação de Informação. Representação de Caracteres Representação de Informação -- Texto -- Sistemas Informáticos I, 2004/2005 (c) Paulo Marques SLIDES 5 Representação de Informação Como é que se representa texto? Como é que se representam imagens? Como

Leia mais

Placas de Vídeo. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Placas de Vídeo. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Placas de Vídeo Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Dispositivo responsável pela comunicação entre a placa mãe e o monitor de vídeo para reproduzir imagens. Dispositivo básico de output. Converte

Leia mais

Computação Gráfica. Dispositivos de Visualização. Profa. Carolina Watanabe

Computação Gráfica. Dispositivos de Visualização. Profa. Carolina Watanabe Computação Gráfica Dispositivos de Visualização Profa. Carolina Watanabe Material elaborado pela Profa. Marcela X. Ribeiro, UFSCar, Atualizado pela Profa. Carolina Watanabe, UNIR 1 Dispositivos de Visualização/Exibição

Leia mais

Tecnologias EOS 550D. Sensor CMOS Canon

Tecnologias EOS 550D. Sensor CMOS Canon Tecnologias EOS 550D Sensor CMOS Canon Desenhada pela Canon para se conjugar com os processadores DIGIC, a tecnologia CMOS integra circuitos avançados de redução de ruído em cada pixel proporcionando imagens

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Formatos de Imagens

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Formatos de Imagens IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage FormatosdeImagens ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger FormatosdeImagens Índice 1 FORMATOS

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Entrada e Saída. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores Entrada e Saída. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Entrada e Saída Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal Memória Secundária

Leia mais

Trabalho realizado por: Francisco Cubal, nº11 12ºA

Trabalho realizado por: Francisco Cubal, nº11 12ºA Trabalho realizado por: Francisco Cubal, nº11 12ºA Professor: Miguel candeias Ano lectivo 2010/2011 Índice Bases sobre teoria da cor aplicada aos sistemas digitais Geração e Captura de Imagens Modelos

Leia mais

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress Introdução a Informática - 1º semestre AULA 04 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Criar apresentações básicas com uso do LibreOffice Impress; o Manipular a estrutura de tópicos para a digitação de

Leia mais

Representação de Imagens

Representação de Imagens Representação de Imagens Primitivas Gráficas As primitivas gráficas são os elementos básicos que formam um desenho. Exemplos: Ponto, segmento, polilinha, polígono, arco de elipse, etc. Primitivas já definidas

Leia mais

Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados

Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados Este tutorial tem por finalidade esclarecer algumas dúvidas sobre arquivos abertos e arquivos fechados. Leia e entenda um pouco mais sobre PDF, diferenças

Leia mais

Linhas de Orientação de Media. GS1 Portugal. Sync PT Linhas de Orientação de Media 1

Linhas de Orientação de Media. GS1 Portugal. Sync PT Linhas de Orientação de Media 1 Linhas de Orientação de Media GS1 Portugal 1 Índice Introdução... 3 Especificações Gerais de Imagens... 4 Propriedades da imagem... 5 Cor e Qualidade... 5 Clipping Paths... 5 Fundo... 6 Borda... 6 Formato

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Informática Prof. Macêdo Firmino Representação da Informação Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Introdução Estamos acostumados a pensar nos computadores como mecanismos complexos,

Leia mais

Sistema Gráfico Dispositivos de Exibição

Sistema Gráfico Dispositivos de Exibição Sistema Gráfico Dispositivos de Exibição Profa. M. Cristina Rosane março 27 março 29 Processador Memória Frame buffer Dispositivos de saída Dispositivos de entrada 2 Monitor de Vídeo Tecnologia tradicional

Leia mais

Escola Secundária da Trofa Aplicações Informáticas A 11º Ano Curso Tecnológico de Informática T E S T E T I P O

Escola Secundária da Trofa Aplicações Informáticas A 11º Ano Curso Tecnológico de Informática T E S T E T I P O Grupo I (Utilização de Sistemas Multimédia) 1. Indique os atributos elementares das imagens 2. Complete as seguintes afirmações de forma a torná-las verdadeiras: a. A resolução de uma imagem digital é

Leia mais

Capítulo II Imagem Digital

Capítulo II Imagem Digital Capítulo II Imagem Digital Proc. Sinal e Imagem Mestrado em Informática Médica Miguel Tavares Coimbra Resumo 1. Formação de uma imagem 2. Representação digital de uma imagem 3. Cor 4. Histogramas 5. Ruído

Leia mais

Compressão de Imagens

Compressão de Imagens Compressão de Imagens Compressão de Imagens Geradas por Computador (Gráficos) Armazenamento (e transmissão) como um conjunto de instruções (formato de programa) que geram a imagem Utilização de algum esquema

Leia mais

aceitável. A própria imagem nestes monitores apresenta uma qualidade inferior, devido ao baixo contraste. Os LCDs de matriz ativa já apresentam uma

aceitável. A própria imagem nestes monitores apresenta uma qualidade inferior, devido ao baixo contraste. Os LCDs de matriz ativa já apresentam uma Monitores O monitor tem uma importância vital, pois em conjunto com a placa de vídeo forma o principal meio de comunicação entre a máquina e nós. Os factores que diferenciam os inúmeros modelos de monitores

Leia mais

Bitmap X Vetorial OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA

Bitmap X Vetorial OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA Editores vetoriais são frequentemente contrastadas com editores de bitmap, e as suas capacidades se complementam. Eles são melhores para leiaute

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Dispositivos de Entrada e Saída Prof. Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com Fonte: Material do Prof. Robson Pequeno de Sousa e do Prof. Robson Lins Dispositivos de Entrada Teclado, Mouse, Trackball,

Leia mais

Aquisição e Representação da Imagem Digital

Aquisição e Representação da Imagem Digital Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Aquisição e Representação da Imagem Digital Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/33 Sumário. Introdução 2. Aquisição e Representação da Imagem

Leia mais

PROCESSAMENTO DE IMAGEM #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO

PROCESSAMENTO DE IMAGEM #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO PROCESSAMENTO DE IMAGEM #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO Que é Processamento Digital de Imagens (PDI) Quais as etapas fundamentais em um sistema de PDI Sensores CCD e CMOS Visão Humana x Visão de

Leia mais

Manual do Intermediário: Módulo 3 Digitalização

Manual do Intermediário: Módulo 3 Digitalização Manual do Intermediário Módulo 3 Digitalização Leonel Morgado Jacinta Vilela Isabel Bastos Abril de 2002 1 Índice geral O que é a digitalização?... 3 Como funciona o scâner... 3 Como digitalizar uma imagem...

Leia mais

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Luz e Cor Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces 1 Luz Cromática Em termos perceptivos avaliamos a luz cromática pelas seguintes quantidades: 1. Matiz (Hue): distingue entre as várias cores

Leia mais

Mídias Discretas. Dados Multimídia

Mídias Discretas. Dados Multimídia Mídias Discretas Processamento da Informação Digital Dados Multimídia Representar letras, números e caracteres especiais é simples. O problema é representar de forma precisa e econômica sons, imagens,

Leia mais

Computação Gráfica. 5385: Licenciatura em Engenharia Informática. Cap. 1 Hardware Gráfico. Hardware Gráfico

Computação Gráfica. 5385: Licenciatura em Engenharia Informática. Cap. 1 Hardware Gráfico. Hardware Gráfico Computação Gráfica 5385: Licenciatura em Engenharia Informática Cap. 1 Hardware Gráfico Hardware Gráfico Sumário Arquitetura Conceptual de um Computador (Modelo de von Neumann) CPU Controlo e processamento

Leia mais

Computação Gráfica - 03

Computação Gráfica - 03 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Computação Gráfica - 03 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Tamanho e resolução da imagem

Tamanho e resolução da imagem Tamanho e resolução da imagem Para se produzir imagens de alta qualidade, é importante compreender como é que os dados dos pixels da imagem são medidos e mostrados. Dimensões dos pixels O número de pixels

Leia mais

Multimédia. 3.4. Video. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Multimédia. 3.4. Video. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Multimédia 3.4. Video Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O que é? Consiste de um conjunto de imagens que quando visualizadas sequencialmente dão a sensação de movimento à semelhança do

Leia mais

Monitores. Introdução

Monitores. Introdução Monitores Introdução Até os dias de hoje, o principal método para exibição de vídeos em computadores é o tradicional monitor CRT (Catodic Ray Tube - Tubo de Raios Catódicos). Comparando de uma forma grosseira,

Leia mais

Cintiq 12WX - DTZ-1200WX

Cintiq 12WX - DTZ-1200WX Cintiq 12WX - DTZ-1200WX Descrição A Cintiq é uma das ferramentas mais desejadas entre os artistas digitais, pois combina uma tela de cristal-líquido com 12" polegadas em alta-resolução com uma Tablet

Leia mais

Introdução à Multimédia conceitos

Introdução à Multimédia conceitos 1. Introdução à Multimédia conceitos Popularidade mercado potencial aparece nos anos 90 Avanços Tecnológicos que motivaram o aparecimento/ desenvolvimento da MULTIMÉDIA Indústrias envolvidas - Sistemas

Leia mais

EDITORES GRÁFICOS CAPÍTULO 7. Definição

EDITORES GRÁFICOS CAPÍTULO 7. Definição CAPÍTULO 7 EDITORES GRÁFICOS Definição É um programa destinado a editar imagens digitalizadas usando o computador. Sua função básica é permitir editar os pontos da imagem, alterando cor, contraste, resolução,

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2003

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2003 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. * O leitor consente,

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE GED. MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br. VILDEANE BORBA vildeane.borba@gmail.com

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE GED. MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br. VILDEANE BORBA vildeane.borba@gmail.com UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CURSO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS GED MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br

Leia mais

Fundamentos de Imagens Digitais. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens

Fundamentos de Imagens Digitais. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens Fundamentos de Imagens Digitais Aquisição e Serão apresentadas as principais características de uma imagem digital: imagem do ponto de vista matemático processo de aquisição e digitalização de uma imagem

Leia mais

Prof. Fernando V. Paulovich http://www.icmc.usp.br/~paulovic paulovic@icmc.usp.br. 3 de maio de 2011. SCC0250 - Computação Gráca

Prof. Fernando V. Paulovich http://www.icmc.usp.br/~paulovic paulovic@icmc.usp.br. 3 de maio de 2011. SCC0250 - Computação Gráca Dispositivos de Entrada e Saída SCC0250 - Computação Gráca Prof. Fernando V. Paulovich http://www.icmc.usp.br/~paulovic paulovic@icmc.usp.br Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) Universidade

Leia mais

UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA.

UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA. UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA. Imagem digital é a representação de uma imagem bidimensional usando números binários codificados de modo a permitir seu armazenamento, transferência, impressão ou reprodução,

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL Representação da imagem Uma imagem é uma função de intensidade luminosa bidimensional f(x,y) que combina uma fonte de iluminação e a reflexão ou absorção de energia a partir

Leia mais

FOTOGRAFIA DIGITAL Conceitos básicos e aplicações práticas Alexandre Cruz Leão 1 Paulo Baptista 2 revisado em Fevereiro/2007

FOTOGRAFIA DIGITAL Conceitos básicos e aplicações práticas Alexandre Cruz Leão 1 Paulo Baptista 2 revisado em Fevereiro/2007 FOTOGRAFIA DIGITAL Conceitos básicos e aplicações práticas Alexandre Cruz Leão 1 Paulo Baptista 2 revisado em Fevereiro/2007 1 Doutorando em Artes pela UFMG 2 Professor do Departamento de Fotografia, Teatro

Leia mais

FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB

FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB Bons web sites necessitam de uma correta integração entre textos e imagens. Este artigo contém o mínimo que você precisa saber sobre imagens para a web. Introdução

Leia mais

Formatos Gráficos de Imagens na Web

Formatos Gráficos de Imagens na Web Formatos Gráficos de Imagens na Web Eduardo Corsaletti Godoy 1, Ayslan Trevizan Possebom 1 1 Departamento de Informática Universidade Estadual de Maringá (UEM) Maringá PR Brazil edu_corsaletti@hotmail.com,

Leia mais

ALCANCE DINÂMICO CCD CMOS

ALCANCE DINÂMICO CCD CMOS ALCANCE DINÂMICO Nos sensores de imagem CCD (charge-coupled device) ou CMOS (complementary metal oxide semiconductor), o alcance dinâmico (ou dinâmica) é especificado tipicamente como a razão entre o sinal

Leia mais

Prof. Sandrina Correia

Prof. Sandrina Correia Tecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Definir os conceitos de Hardware e Software Identificar os elementos que compõem um computador

Leia mais

Mídia Impressa X Mídia Eletrônica

Mídia Impressa X Mídia Eletrônica Diferenças entre Mídia Impressa e Eletrônica Resolução Web >> 72dpi Impressão >> 300dpi Padrão de cores Web >> RGB Impressão >> CMYK Tipos de Arquivos Web >> GIF / JPEG Impressão >> TIF / EPS Tamanho dos

Leia mais

Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint

Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint Tecnologias da Informação e Comunicação Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint Aspectos genéricos sobre o trabalho com imagens computacionais Imagens computacionais e programas que

Leia mais

Apresentação do Projeto Gráfico

Apresentação do Projeto Gráfico Arte-final Arquivo feito no computador utilizando softwares específicos que permitem a produção de um fotolito para impressão gráfica. Programas Utilizados para a Produção de Arte-final. Dependendo das

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas LIGADORES DE VIDEO: VGA, DVI, S-VIDEO E COMPONENTE VIDEO José Vitor Nogueira Santos FT2-0749 Mealhada, 2009 Introdução

Leia mais

Processamento de Imagens

Processamento de Imagens Processamento de Imagens Prof. Marcelo Portes de Albuquerque Prof. Márcio Portes de Albuquerque Monitores: Fernanda Dutra Moraes (CBPF) Pedro de Souza Asad (CBPF) IX Escola do CBPF 2012 IX Escola do CBPF

Leia mais

Alguns métodos utilizados

Alguns métodos utilizados Alguns métodos utilizados TIF Algumas pessoas exportam o trabalho feito no Corel em formato TIF,que é um procedimento comum para impressão em jornais e publicações impressas. Para exportar desta forma

Leia mais

Conceitos Básicos de Fotografia Digital. Marcus Ramos marcus@marcusramos.com.br www.marcusramos.com.br

Conceitos Básicos de Fotografia Digital. Marcus Ramos marcus@marcusramos.com.br www.marcusramos.com.br Conceitos Básicos de Fotografia Digital Marcus Ramos marcus@marcusramos.com.br www.marcusramos.com.br Compreender as características, as possibilidades e as limitações da fotografia digital e seus instrumentos;

Leia mais

Coerência temporal: Uma característica importante

Coerência temporal: Uma característica importante Coerência temporal: Uma característica importante A coerência temporal de uma fonte de luz é determinada pela sua largura de banda espectral e descreve a forma como os trens de ondas emitidas interfererem

Leia mais

Fotografia Digital. Aula 1

Fotografia Digital. Aula 1 Fotografia Digital Aula 1 FOTOGRAFIA DIGITAL Tema da aula: A Fotografia 2 A FOTOGRAFIA A palavra Fotografia vem do grego φως [fós] ("luz"), e γραφις [grafis] ("estilo", "pincel") ou γραφη grafê, e significa

Leia mais

Dispositivos de Vídeo. Prof. Rafael Sandim

Dispositivos de Vídeo. Prof. Rafael Sandim Dispositivos de Vídeo Prof. Rafael Sandim Roteiro Conceitos Básicos Adaptadores de Vídeo Placas de Vídeo Tipos de Monitores Frequência Vertical e Frequência Horizontal Conceitos Básicos Pixel Resolução

Leia mais

Willard Boyle (esquerda) e George Smith, inventores do sensor CCD. 1975 primeira camera video de qualidade

Willard Boyle (esquerda) e George Smith, inventores do sensor CCD. 1975 primeira camera video de qualidade Sensores CCD e CMOS CCD Willard Boyle (esquerda) e George Smith, inventores do sensor CCD. 1975 primeira camera video de qualidade Desde a sua invenção nos laboratórios Bell (EUA), nos anos 70 do século

Leia mais

Fotografia Digital Básica

Fotografia Digital Básica Escola de Belas Artes EBA UFMG Cursos de Extensão Alexandre Cruz Leão www.fotodearte.com.br/cursos/fotodigital e-mail: alexandre@fotodearte.com.br Maio 2014 Lançamento de câmeras digitais / ano 178 172

Leia mais

Características do vídeo. Aquisição, síntese, edição e reprodução de vídeo. Características do vídeo analógico. Características do vídeo analógico

Características do vídeo. Aquisição, síntese, edição e reprodução de vídeo. Características do vídeo analógico. Características do vídeo analógico Características do vídeo Aquisição, síntese, edição e reprodução de vídeo Vídeo media dinâmico Vídeo corresponde a um movimento sequencial de um conjunto de imagens, chamados fotogramas ou frames. Frame

Leia mais

KIP 720 SISTEMA DE DIGITALIZAÇÃO CIS COM A AVANÇADA TECNOLOGIA KIP REAL TIME THRESHOLDING

KIP 720 SISTEMA DE DIGITALIZAÇÃO CIS COM A AVANÇADA TECNOLOGIA KIP REAL TIME THRESHOLDING KIP 720 SISTEMA DE DIGITALIZAÇÃO CIS COM A AVANÇADA TECNOLOGIA KIP REAL TIME THRESHOLDING SISTEMA DE DIGITALIZAÇÃO KIP 720 Scanner de imagens KIP 720 O scanner monocromático e colorido KIP 720 apresenta

Leia mais

Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB.

Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB. Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB. O Portal Art3 é um sistema que permite uma grande flexibilidade na entrega e aprovação de seus

Leia mais

Capítulo 31. Câmeras digitais

Capítulo 31. Câmeras digitais Capítulo 31 Câmeras digitais Câmeras digitais produzem fotos sem utilizar filmes. As imagens captadas são armazenadas na sua memória, podendo ser posteriormente transferidas para um computador. Uma vez

Leia mais

DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet

DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet 1 Usar a regra dos 2 3 da imagem. 2 - Lembre-se que o flash tem um alcance limitado,

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA RESOLUÇÃO

COMPUTAÇÃO GRÁFICA RESOLUÇÃO COMPUTAÇÃO GRÁFICA RESOLUÇÃO Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA RESOLUÇÃO Associada à quantidade e a qualidade de

Leia mais

Curso EFA Técnico/a de Informática - Sistemas. Óbidos

Curso EFA Técnico/a de Informática - Sistemas. Óbidos Curso EFA Técnico/a de Informática - Sistemas Óbidos MÓDULO 769 Arquitectura interna do computador Carga horária 25 Objectivos No final do módulo, os formandos deverão: i. Identificar os elementos base

Leia mais

Informática Aplicada a Radiologia

Informática Aplicada a Radiologia Informática Aplicada a Radiologia Apostila: Imagem Digital parte I Prof. Rubens Freire Rosa Imagem na forma digital A representação de Imagens na forma digital nos permite capturar, armazenar e processar

Leia mais

Estão corretas: (A) I, II e IV (B) II e III (C) II e IV (D) III e V (E) I, III e V

Estão corretas: (A) I, II e IV (B) II e III (C) II e IV (D) III e V (E) I, III e V FUNDAÇÃO VISCONDE DE CAIRU FACULDADE VISCONDE DE CAIRU CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF.: AFONSO CELSO M. MADEIRA DISCIPLINA: COMPUTAÇÃO GRÁFICA (TACOG) 4º SEMESTRE GABARITO Segundo a

Leia mais

Hardware Básico. Conectores de Vídeo. Professor: Wanderson Dantas

Hardware Básico. Conectores de Vídeo. Professor: Wanderson Dantas Hardware Básico Conectores de Vídeo Professor: Wanderson Dantas Introdução Nesta aula nós discutiremos os tipos mais comuns de conectores de vídeo existentes. A conexão da placa de vídeo pode ser feita

Leia mais

Principais parâmetros na definição de qualidade numa imagem digitalizada

Principais parâmetros na definição de qualidade numa imagem digitalizada Principais parâmetros na definição de qualidade numa imagem digitalizada reprodução de tom reprodução de cor resolução ruído e luz parasita aberrações e erros de registo. Principais parâmetros na definição

Leia mais

IMAGEM. Ana Cândida Marques Monteiro. IPG, Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Sumário

IMAGEM. Ana Cândida Marques Monteiro. IPG, Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Sumário IMAGEM Ana Cândida Marques Monteiro IPG, Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Tecnologia e Gestão Sumário Neste documento apresentam-se alguns conceitos relacionados com imagem, para a cadeira

Leia mais

2. O que é Redundância de código ou informação? Como a compressão Huffman utiliza isso? Você conhece algum formato de imagem que a utiliza?(1.

2. O que é Redundância de código ou informação? Como a compressão Huffman utiliza isso? Você conhece algum formato de imagem que a utiliza?(1. Respostas do Estudo Dirigido Cap. 26 - Reducing the information:... ou Image Compression 1. Para que serve comprimir as imagens? Que aspectos estão sendo considerados quando se fala de: Compression Rate,

Leia mais

Placa Principal (Motherboard)

Placa Principal (Motherboard) Placa Principal (Motherboard) Placa mãe placa de circuito impresso. Slots de expansão conectores onde se ligam as placas de expansão. Barramento ou bus fios condutores dispostos em paralelo. Constituição

Leia mais

PDA CAM MANUAL DO UTILIZADOR

PDA CAM MANUAL DO UTILIZADOR PDA CAM MANUAL DO UTILIZADOR Português Manual do utilizador Índice Preparações... 2 Conteúdo da embalagem... 2 Requisitos do sistema... 2 Ficar a conhecer o PDA Cam... 3 Componentes do PDA Cam... 3 Instalação...

Leia mais