PROJETO PEICE. Estudo dos Efeitos da Radiação Ionizante em Componentes Eletrônicos e Fotônicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEICE. Estudo dos Efeitos da Radiação Ionizante em Componentes Eletrônicos e Fotônicos"

Transcrição

1 PROJETO PEICE Estudo dos Efeitos da Radiação Ionizante em Componentes Eletrônicos e Fotônicos Odair Lelis Gonçalez (IEAv) Executor: INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS (IEAv) Convenente: FUNDAÇÃO DE CIÊNCIA, APLICAÇÕES E TECNOLOGIA ESPACIAIS (FUNCATE) Financiamento: FINEP Fundo Aeronáutico Dez/2007-Dez/2009 Dez/2010 Set/2011

2 Projeto PEICE - Estudo dos efeitos da radiação ionizante em componentes eletrônicos e fotônicos Motivação: O desenvolvimento de qualquer projeto visando aplicações aeroespaciais deve considerar os efeitos que a contínua ação da radiação cósmica provoca em materiais e componentes, tais como, dispositivos semi-condutores analógicos e digitais, memórias, processadores, fibras óticas e dispositivos de ótica integrada. O uso e o desenvolvimento de produtos resistentes à radiação no país exige o investimento em pesquisa e na criação de sistemas adequados para sua qualificação.

3 Suporte financeiro: CT-Aeronáutico Convênio FINEP Valor total: R$ ,28 R$ ,78 (69%) - materiais, serviços, equipamentos R$ ,50 (31%) - para bolsas DTI. Duração prevista: 2 anos (Dez/2007-Dez/2009) Bolsistas: 5 bacharéis e 2 mestres Colaboradores: UFRGS, INPE, IFUSP Projetos ligados: ITASAT, SIA e QDIP/QWIP

4 Objetivo geral Realização de pesquisa sobre os efeitos da radiação ionizante em: componentes e dispositivos eletrônicos e optoeletrônicos, sensores, fibras ópticas, circuitos analógicos e digitais, memórias, processadores e FPGAs Aplicação aeroespacial e na defesa, com foco nos projetos ligados e demandas de colaboradores.

5 Resultados esperados: Ampliação da capacitação do grupo para a avaliação experimental dos efeitos da radiação ionizante. Consolidação das metodologias e processos para a qualificação de componentes e circuitos quanto à tolerância à radiação cósmica para uso em satélites e aeronaves. Estabelecimento de um centro de referência na caracterização de componentes quanto à durabilidade em ambiente sujeito à radiação cósmica. Formação de um grupo multi-institucional de P&D sobre os efeitos da radiação ionizante em componentes e materiais de uso aeroespacial.

6 Meta 1: Melhoria da infra-estrutura de pesquisa: a) LRI Laboratório de Radiação Ionizante b) LCDS Laboratório de Caracterização de Dispositivos Semicondutores Capacitação para experimentos e testes de qualificação para TID

7 Metas 2, 3 e 4: Realização de experimentos para estudo do efeito de dose total de radiação ionizante (TID) com radiação gama do 60Co Estudo do aumento da atenuação de fibras ópticas Efeitos da Radiação Ionizante no Conversor de Tensão DC/DC LM2596 Análise dos Efeitos de Irradiação Ionizante em dois Amplificadores Operacionais Efeitos de TID FPGA Efeitos de TID num FPAA Teste de upscreening do transistor JANTX2N2219A Análise dos efeitos da radiação em memórias DRAM, SRAM e FRAM Medidas de TID numa matriz de transistores

8 Efeito da Radiação em Fibra Óptica Utilizada em Giroscópio à Fibra Óptica XI SIGE (ITA) A( db) P.[1 exp( P2 t)] P3.[1 exp( P4 P 1 P P 2 3 P 4 C DT 1 1 T1 C 2 1 T 2 1 t 1 DT 2 )]

9 Tensão de Saída (V) Tensão de Saída (V) Estudo dos Efeitos da Radiação Ionizante no Conversor de Tensão DC/DC LM Brazilian Symposium on Aerospace Eng. & Applications Multímetro GPIB BUS Osciloscópio Fonte 0-60V/50A Fonte Co 60 GPIB-LAN Plataforma Virtual VEE Tensão de Entrada (V) Limiar de dose acumulada [krad(si)] 6 19, , , , , , , , V 10 V 15 V 20 V 25 V 30 V 35 V 40 V V 10 V 15 V 20 V 25 V 30 V 35 V 40 V Dose Total Absorvida [krad(si)] 0 0:00:00 48:00:00 96:00:00 144:00:00 192:00:00 240:00:00 Tempo (h)

10 SR [V/us] Amplitude [V] Corrente [ua] SR [V/us] TID em Amplificadores Operacionais (até 500 Krad) XII SIGE (ITA) Gerador GPIB Multímetro GPIB Osciloscópio GPIB 1 Canal 2 Canais 2 Canais Fonte Co60 PCI Rede LAN IEAv Dose [krad] Dose [krad] krad 300krad 500krad Dose [krad] k Frequência [Hz]

11 TID em FPGA IEEE Trans. Nucl. Science, 2010

12 TID em FPAA

13 Medidas da dose de radiação em altitudes de vôo Medidas do espectro e fluxo de nêutrons no solo em várias altitudes

14 Meta 5: Fomentar a Criação de Rede de P&D Workshops: três (ICT, Universidades, Iniciativa privada) Reuniões com várias instituições (públicas e privadas), e Promoção de interação entre diferentes instituições

15 Grupos de Trabalho OBJETIVO Estudar as condições materiais e humanas para desenvolver e qualificar no País circuitos integrados resistentes a radiações ionizantes. ESCOPO Definição de um conjunto de referências balizadoras para subsidiar a elaboração de um programa voltado para: o estabelecimento de uma infra-estrutura distribuída capaz de apoiar e prover a criação e obtenção de circuitos integrados resistentes a radiação ionizante e A formação de recursos humanos qualificados para atuar nas áreas de interesse.

16 Grupos de Trabalho Dr. Issamu (INPE), Dr. Alirio (INPE), Maria Helena (Omnisys), Dr. Nicolás (Mosaico), Dr. Leandro (Opto), Dr. Jackson (AEB), Dr. Gustavo (SM-DH), Dr. Odair (IEAv), Angelo (IEAv), Dr. Nemitala (IFUSP), Dr. Jader (CTI), Dr. Saulo (CTI), Dr Marcio (CTI) Dra. Fernanda (UFRGS), Dr. Gilson (UFRGS)

17 Grupos de Trabalho Grupo de Requisitos e Especificações Identificar componentes e requisitos relevantes ao programa espacial Identificar funções (ASICS) Priorizar, fornecendo estimativas de necessidades para os próximos 5 anos, visando contribuir para a elaboração de planos de ação de órgãos de elaboração de políticas estratégicas. Identificar normas relevantes Identificar requisitos para qualificação de componentes

18 Grupos de Trabalho Grupo de Projetos e Fabricação Identificar demandas tecnológicas; Identificar problemas relacionados com a geração de projetos; Identificar tecnologias a serem utilizadas ; Identificar técnicas de endurecimento do projeto; e Priorizar necessidades e investimentos.

19 Grupos de Trabalho Grupo de Encapsulamento e Testes Necessidades previstas x instalações previstas; e identificação de prioridades para novos investimentos. Grupo de Validação e Qualificação Instalações existentes e suas áreas de atuação; Necessidades x recursos existentes, o que falta no País; Priorização; e Identificar plataformas para testes de componentes.

20 Grupos de Trabalho Grupo de Negócios (financiamento e PI) Identificar áreas de contato do setor aeroespacial outras possíveis fontes de financiamento que permitissem criar as condições para formar a capacitação desejada para atender as necessidades do setor espacial brasileiro (no contexto de componentes robustecidos). Buscar as justificativas para os desenvolvimentos propostos e possível impactos em outras áreas de interesse para o País. Fazer o levantamento de problemas e propostas de soluções (estratégias) relacionados com a propriedade intelectual

21 Grupos de Trabalho Grupo de Requisitos e Especificações Componentes relevantes para o programa espacial ID Descrição C1 Osciladores (VCO e PLL) C2 PWM - Pulse Width Modulator C3 Transistores de RF (UHF) C4 Conversores DC/DC (miniaturizados até 100W, V) C5 Transistores MOSFET C6 Circuito integrado digital memória PROM C7 Circuito integrado digital comunicação 1553 C8 Circuito integrado digital LVDS 031 Line driver C9 Circuito integrado digital LVDS 032 line receiver C10 Circuito integrado digital LVDM crosspoint C11 Microcontrolador 196 C12 FPGA C13 Sensor de Imagem CCD linear C14 Sensor de Imagem APS com 1000 x 1000 elementos C15 Sensor de Imagem com array linear de microbolômetros C16 Sensor de imagem na banda SWIR Em uso 2020 perspectivas upscreening (C1-C12) Desenvolvimento (C13-C16) (questão estratégica)

22 Grupos de Trabalho Grupo de Requisitos e Especificações Funções relevantes identificadas. ID Função F1 Chave de potência MOSFET com limitação de corrente, com possível aplicação para conversores DC/DC de tensão. Consiste de um CI misto analógico-digital capaz de controlar correntes in-rush em equipamentos e mitigar o efeito de latch-up em componentes sensíveis à radiação; F2 Circuito driver utilizado para a geração do pulso de telecomando On/Off. É um circuito integrado misto analógico/digital, amplamente utilizado em projetos de sistemas eletrônicos embarcados em satélites; F3 ASIC para plano focal do sensor CCD de câmeras imageadoras incluindo as funções: drivers clocks, CDS digital, polarizações, e conversão A/D; F4 Função de controle de comunicação avançado utilizando o bus MIL-STD 1553; F5 Função de interface de comunicação de rede, segundo a especificação SpaceWire da ESA (ECCS). SpaceWire é um protocolo utilizado na troca de informação entre equipamentos embarcados em satélites. Em uso Desejável ASICS

23 Grupos de Trabalho Grupo de Projetos e Fabricação Recomendações I Desenvolver biblioteca de células (digitais e analógica) endurecidas à radiação. Desenvolver microcontrolador modular, a partir de blocos e periféricos de base. Priorizar uso de processos de fabricação convencionais. Investir na interface entre potenciais clientes (INPE, empresas do setor aeroespacial) e centros de P&D/universidades. Projetar-se no pais um microcontrolador modular, endurecido à radiação, com os módulos distribuídos às DHs. Promover intercâmbios (no país e exterior) de treinamento, de modo a fomentar parcerias comerciais e/ou acadêmicas. Utilização de tecnologias convencionais, mas com CI s endurecidos via técnicas de projeto e/ou layout especial.

24 Grupos de Trabalho Grupo de Projetos e Fabricação Recomendações II Utilização de tecnologias endurecidas, assim como SOI e EPI-CMOS. Identificar custos. Identificar as foundries que venderiam para o Brasil CIs endurecidos à radiação. Identificar necessidades de encapsulamento especial para altas e baixas temperaturas, umidade, etc... Identificar fornecedores, custo e disponibilidade de venda para o Brasil. Considerando processos convencionais de fabricação, além de técnicas de layout (ELT, guard rings, etc.), adquirir know-how em técnicas de circuito (DICE, redundância temporal, TMR, polarização dinâmica de substrato,etc.) e de sistema (códigos de bloco).

25 Grupos de Trabalho Grupo de Projetos e Fabricação Recomendações III Promover intercambio entre pesquisadores no Brasil e no exterior. Aumentar a formação de recursos humanos na área. RH preparado para atuar em CIs robustos para radiação é capaz de migrar com facilidade para a área de sistemas, contribuindo para transferir para a iniciativa privada o conhecimento para atuarem no setor espacial. Desenvolvimento de IPs tolerante não vinculada a patentes internacionais (patentes e produtos próprios). Sendo o CEITEC, certamente, parte da solução na questão processo, investimentos em equipamentos serão provavelmente necessários por parte do governo.

26 Grupos de Trabalho Grupo de Validação e Qualificação Recomendações gerais Fomentar a integração da comunidade de testes (Universidades e Institutos de pesquisa) Investir na criação de infraestrutura de irradiação com valores altos de energia/nucleon para caracterização em ensaios DD e SEE. Fomentar a formação de RH qualificados para a especificação de condições adequadas de irradiação em função do experimento pretendido. Fomentar a colaboração nacional e internacional para o desenvolvimento de plataformas de testes com transferência de tecnologia. Fomentar o intercâmbio de pesquisadores e estudantes com instituições nacionais e do exterior, para trabalhar na realização de experimentos de estudo de efeitos de radiação em diferentes tipos de componentes.

27 Grupos de Trabalho Grupo de Negócios (financiamento e PI) Identificar áreas de contato do setor aeroespacial outras possíveis fontes de financiamento que permitam criar as condições para formar a capacitação desejada para atender as necessidades do setor espacial brasileiro (no contexto de componentes robustecidos). Buscar as justificativas para os desenvolvimentos propostos e possível impactos em outras áreas de interesse para o País. Fazer o levantamento de problemas e propostas de soluções (estratégias) relacionados com a propriedade intelectual

28 Próximos passos Definidos os componentes de interesse, identificar: Tecnológica Dificuldades de desenvolvimento Tecnologias chave Potencial de mercado dual Potencial de mercado intermediário Perspectivas de uso futuro Valor agregado Estabelecimento de biblioteca(s) de células básicas, módulos básicos, e resultados de ensaios (radiação) Urgência na definição do modelo de PI, divulgação de resultados, formalização de documentação e regras de uso Participação da Iniciativa Privada Gestão do conhecimento Questões estratégicas e de Mercado (sustentabilidade)

29 Próximos passos Refinamento do levantamento de necessidades de infraestrutura e Priorização de investimentos Revisão Buscar mecanismos complementares de financiamento do desenvolvimento, incluindo a iniciativa privada Estabelecer relações de confiança entre os vários atores: Definição do negócio Identificação de competências PI Caminho tecnológico

30 Eventos importantes Novos projetos - Continuidade de investimentos CTI-FINEP-MCT -> CITAR : desenvolvimento CIs robustecidos P&D MCT/CNPq/AEB 033/2010 -> RH UNIESPAÇO Reorientação do ITASAT Convênio LSI-Tec Cubesats SERESSA

31 DISCUSSÕES Mais incentivo ao mercado (inter)nacional de produtos dos mais diversos setores, como automobilístico(?) Mais apoio da política de defesa nacional As quotas governamentais terão preferência no desenvolvimento tecnológico no país A questão é explorar esse recurso (mais motivação da iniciativa privada?)

32 DISCUSSÕES Não adianta só olhar para o nosso mercado, se quisermos atuar na área devemos olhar com seriedade para mercados internacionais Nós temos acordo com a China, com uma série de problemas. Por que também não haver acordo com Índia e Japão por exemplo no setor de satélites geoestacionários? A maior dificuldade do Inpe é a interação com a China (gerou dificuldade de importação) Não se sabe de onde serão lançados nossos satélites PMN, se for lançadores da China poderá ter embargo

33 DISCUSSÕES Componentes espaciais e sua implementação são caros por natureza A ideia seria gastar parte dos R$ 30 milhões do CBERS no próprio Brasil e diversificar o recurso para outros projetos que não do âmbito aeroespacial No entanto, Ângelo defende que a China cresceu no setor, mais que o Brasil Jackson quer focar mais no setor nacional do que discutir o âmbito internacional, ele acha mais importante

34 DISCUSSÕES Componentes espaciais e sua implementação são caros por natureza A ideia seria gastar parte dos R$ 30 milhões do CBERS no próprio Brasil e diversificar o recurso para outros projetos que não do âmbito aeroespacial No entanto, Ângelo defende que a China cresceu no setor, mais que o Brasil Jackson quer focar mais no setor nacional do que discutir o âmbito internacional, ele acha mais importante

35 DISCUSSÕES Saulo: É necessário fazer um prospecto das necessidades Por exemplo, temos DH s crescendo bem, deveríamos pensar em como consolidar a demanda para utilizar a mão de obra das academias brasileira É necessário fazer uma interação maior entre as diversas instituições no sentido de começar de fato a fabricar componentes rad hard e outros qualificados NACIONAIS Jackson: busca contato com setor automobilístico, forças armadas (Saulo concorda)

36 DISCUSSÕES Odair participou de congresso na marinha sobre o ambiente cósmico radioativo e componentes rad hard, eles manifestaram interesse Saulo: tem acesso pelo CTI ao exército. Quer propor interação Márcio fialho: falou sobre exploração petrolífera de poços profundos. As técnicas para tornar componentes resistentes a Altas profundidades são bem semelhantes às técnicas rad hard. Ângelo disse que há parcial contato nesse sentido com a Petrobrás (só falta $$ por parte da Petrobras)

37 DISCUSSÕES Apresentação institucional para a área seria interessante, segundo Ângelo Jackson quer focar na realidade, quer formar uma lista de colaboradores Ângelo quer nomear pessoas para fazer contatos Márcio cita indústria de aviação civil. EMBRAER, por exemplo Foi levantado a necessidade de indústria que queira trabalhar com rad hard? Exemplo: Philips, GE, medicina, etc, etc... Não seria interessante convidar a grande indústria para nossos eventos?

38 DISCUSSÕES Ângelo reforça: cadê a iniciativa privada? Saulo: sugestões Nós aqui nos organizarmos como sociedade Elaboração de um plano estratégico que deverá evoluir para um plano de negócios Jackson: antes de falar em quem devemos falar em como Saulo e Jackson concordam em documentar como fazer para depois definir quem fazer Saulo reforça preparar a sociedade e documentos de divulgação consistentes para o setor industrial de forma que eles tenha RESPOSTAS e não DÚVIDAS

39 DISCUSSÕES Luiz Bernabe: devemos antes conhecer melhor as indústrias e os recursos que temos para atende-las Alguém está de fato procurando o mercado de forma consistente? É necessário que haja um bom programa de captação Alguém disse que o documento citado por Saulo/Jackson é atrasado Cláudio trouxe uma publicação de 29 de nov de 2010 que diz que o congresso vai olhar de forma relevante para meios alternativos de financiamento, adequação de alguns instrumentos judiciais e jurídicos a favor do setor aeroespacial, formação de recursos humanos, fomento, finaciamento, etc, etc...

40 DISCUSSÕES Ângelo disse que criamos um plano estratégico para falarmos todos envolvidos, uma mesma língua Ângelo propõe a Jackson a colaboração para de fato iniciar, como recursos humanos, a agilizar tudo o que foi debatido hoje à tarde (29 Nov 2010). Ele aceita, mas quer mais participantes Odair propõe, dentro do que nós já fizemos, algumas reuniões dos grupos de trabalho criados no workshop PEICE 2009, coordenados por Ângelo e Jackson. Odair pretende disponibilizar estrutura

41 FIM

Projeto CITAR Circuitos Integrados Tolerantes à Radiação

Projeto CITAR Circuitos Integrados Tolerantes à Radiação Projeto CITAR Circuitos Integrados Tolerantes à Radiação Saulo Finco Chefe da DCSH saulo.finco@cti.gov.br Tel.: (19) 3746-6246 - Fax: (19) 3746-6028 www.cti.gov.br Projeto CITAR Circuitos Integrados Tolerantes

Leia mais

INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS Divisão de Física Aplicada Subdivisão de Aplicações Tecnológicas das Radiações

INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS Divisão de Física Aplicada Subdivisão de Aplicações Tecnológicas das Radiações INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS Divisão de Física Aplicada Subdivisão de Aplicações Tecnológicas das Radiações Odair Lelis Gonçalez Pesquisador Titular Roteiro 1. O Projeto PEICE 2. O Laboratório de Radiação

Leia mais

Design House especializada em Circuitos Integrados para os setores Aeroespacial, de Defesa e de Comunicações

Design House especializada em Circuitos Integrados para os setores Aeroespacial, de Defesa e de Comunicações Design House especializada em Circuitos Integrados para os setores Aeroespacial, de Defesa e de Comunicações Gustavo Fernando Dessbesell Líder de Equipe Tópicos SMDH Projetos Necessidades Perspectivas

Leia mais

Saulo Finco, Cordenador da DH-CTI, saulo.finco@cti.gov.br Tel.: +55 19 3746-6246 - Fax: +55 19 3746-6028. www.cti.gov.br

Saulo Finco, Cordenador da DH-CTI, saulo.finco@cti.gov.br Tel.: +55 19 3746-6246 - Fax: +55 19 3746-6028. www.cti.gov.br Saulo Finco, Cordenador da DH-CTI, saulo.finco@cti.gov.br Tel.: +55 19 3746-6246 - Fax: +55 19 3746-6028 www.cti.gov.br DH-CTI Introdução Missão Prover o mercado com soluções inovadoras em desenvolvimento

Leia mais

Efeitos da radiação cósmica. câmeras imageadoras. Opto Eletrônica S.A. Departamento P&D. Leandro A. L. Azeka, Msc Outubro/2009

Efeitos da radiação cósmica. câmeras imageadoras. Opto Eletrônica S.A. Departamento P&D. Leandro A. L. Azeka, Msc Outubro/2009 II Workshop sobre Efeitos das Radiações Ionizantes em Componentes s Eletrônicos e Fotônicos de Uso Aeroespacial Efeitos da radiação cósmica câmeras imageadoras Opto Eletrônica S.A. Departamento P&D Leandro

Leia mais

Componentes Eletrônicos para Uso Espacial

Componentes Eletrônicos para Uso Espacial Componentes Eletrônicos para Uso Espacial Visão da Aplicação Issamu Muraoka (issamu@dem.inpe.br) Programas de Satélite - CBERS -Satélite de monitoramento terrestre em cooperação com a China, início em

Leia mais

Relatório técnico RT/PEICE-07/2009 Versão 01 de 11 ago 2009

Relatório técnico RT/PEICE-07/2009 Versão 01 de 11 ago 2009 1 AVALIAÇÃO DO CURSO INTENSIVO EERCI - ESTUDO DOS EFEITOS DA RADIAÇÃO EM CIRCUITOS INTEGRADOS E DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE TOLERÂNCIA A FALHAS DE EFEITO TRANSIENTE 1. INTRODUÇÃO Odair Lelis Gonçalez

Leia mais

Inovação aberta no desenvolvimento do setor aeroespacial no Brasil

Inovação aberta no desenvolvimento do setor aeroespacial no Brasil Inovação aberta no desenvolvimento do setor aeroespacial no Brasil Mariana de Freitas Dewes Programa de Pós-Graduação em Administração UFRGS III Workshop sobre Efeitos da Radiação Ionizante em Componentes

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema de Caracterização Elétrica dos Efeitos da Radiação Ionizante em Dispositivos Semicondutores e Circuitos Integrados

Desenvolvimento de um Sistema de Caracterização Elétrica dos Efeitos da Radiação Ionizante em Dispositivos Semicondutores e Circuitos Integrados Desenvolvimento de um Sistema de Caracterização Elétrica dos Efeitos da Radiação Ionizante em Dispositivos Semicondutores e Circuitos Integrados "A principal vantagem da Plataforma PXIE em relação a outras

Leia mais

RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL

RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL No dia 06 de fevereiro de 0, às h, reuniram-se, no Auditório do Prédio B da Epidemiologia, alguns pesquisadores

Leia mais

Nicolás César Lavinia Diretor

Nicolás César Lavinia Diretor Nicolás César Lavinia Diretor Empresa de Base Tecnológica Gestão de Inovação Tecnológica Open Innovation Grandes áreas Treinamento Produtos P&D Treinamentos regulares em tecnologia 8 tipos diferentes Treinamentos

Leia mais

Apresentação da Proposta de Trabalho aos ICTs e as Empresas

Apresentação da Proposta de Trabalho aos ICTs e as Empresas Apresentação da Proposta de Trabalho aos ICTs e as Empresas 29 abril 2014 Fundamentação Lei da Inovação Nº 10.973, 02 Dez 2004 Regulamentada pelo Decreto Nº 5.563, 11 Out 2005 Artigo 20, do Decreto Nº

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

A Experiência do LIT / INPE

A Experiência do LIT / INPE A Experiência do LIT / INPE Elaborado por Heyder Hey & Geilson Loureiro 1 O INPE e o MCT MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Órgãos da Assistência Direta (Secretaria Executiva, Gabinete, Assessoria

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

DIRETORIA. Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS

DIRETORIA. Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS DIRETORIA Of. Dir. /2007 Recife, 09 de novembro de 2007 Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS Senhora Diretora, Atendendo solicitação

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais

Da Ciência ao Mercado: Melhores práticas no processo de transferência de tecnologia para geração de inovação. 18 de agosto de 09

Da Ciência ao Mercado: Melhores práticas no processo de transferência de tecnologia para geração de inovação. 18 de agosto de 09 Da Ciência ao Mercado: Melhores práticas no processo de transferência de tecnologia para geração de inovação 18 de agosto de 09 Quem Somos O Grande Vale O Instituto Inovação surgiu com o objetivo de promover

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

www.omnisys.com.br Importância da FAPESP na história da Omnisys

www.omnisys.com.br Importância da FAPESP na história da Omnisys www.omnisys.com.br Importância da FAPESP na história da Omnisys 1 / Sumário 1. Quem somos nós? 2. Nossas instalações 3. Distribuição de receita 4. Áreas de atuação 5. A importância da FAPESP 6. Conclusão

Leia mais

Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações

Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações Painel Setorial de Telecomunicações INMETRO 27 de outubro de 2006 Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Enunciado do 2º Trabalho de Laboratório CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS MODELAÇÃO E SIMULAÇÃO DE CIRCUITOS DE CONVERSÃO ANALÓGICO-DIGITAL E DIGITAL-ANALÓGICO

Leia mais

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS.

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. Sandra Maria Dotto Stump sstump@mackenzie.com.br Maria Aparecida

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos DE E DE Elaboração de Projetos PROGRAMAÇÃO DA AULA Estrutura de projetos de inovação Avaliação de projetos de inovação DE E DE Características dos Projetos de P&D DE E DE OPORTUNIDADES Parceiros Recursos

Leia mais

GT 04 Setorial. Dinâmica econômica e produtiva dos setores empresariais relacionados às atividades do INPE

GT 04 Setorial. Dinâmica econômica e produtiva dos setores empresariais relacionados às atividades do INPE Workshop Intermediário do Planejamento Estratégico do INPE, 14-15 de setembro de 2006 GT 04 Setorial Dinâmica econômica e produtiva dos setores empresariais relacionados às atividades do INPE Participantes

Leia mais

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação 26 a 28 de Setembro de 2012 Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá A Tecnologia Digital oferece meios sem precedentes

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

29/03/2011. Fernando Arruda

29/03/2011. Fernando Arruda 29/03/2011 Fernando Arruda Agenda 1. Apresentação da Samsung - Samsung no Mundo - Samsung no Brasil - P&D Global Samsung 2. P&D Samsung no Brasil - Estratégia - Resultados - Metas para 2011~2014 Samsung

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES 1. Introdução As tabelas a seguir apresentam os MACROPROCESSOS do BNDES, segregados por plataformas. As

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Rede Nacional de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação

Leia mais

PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411

PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411 PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411 Eng. João Marcos Castro Soares (Diretor de P&D) São Paulo, 29 de abril de 2015 REIVAX

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Planejamento Estratégico do Setor de Florestas Plantadas -2012

Planejamento Estratégico do Setor de Florestas Plantadas -2012 CONTEXTO O setor de florestas plantadas no Brasil éum dos mais competitivos a nível mundial e vem desempenhando um importante papel no cenário socioeconômico do País, contribuindo com a produção de bens

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Departamento de Tecnologias da Informação e Serviços DTIS Área de

Leia mais

Microeletrônica no CNPq em 2006. Jackson Maia Coordenação de Apoio à Infra-estrutura

Microeletrônica no CNPq em 2006. Jackson Maia Coordenação de Apoio à Infra-estrutura Microeletrônica no CNPq em 2006 Jackson Maia Coordenação de Apoio à Infra-estrutura METAS INICIAIS Termo de Referência do CI-Brasil: Atração e criação de design houses: criação de pelo menos 10 design

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Fundação Habitacional do Exército. José Ricardo GODINHO Rodrigues

Fundação Habitacional do Exército. José Ricardo GODINHO Rodrigues Fundação Habitacional do Exército José Ricardo GODINHO Rodrigues MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS Caso de sucesso na Fundação Habitacional do Exército FHE Desafios e lições aprendidas Resultados gerados

Leia mais

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010 Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 05 de maio de 2010 Sumário 1. Importância Estratégica 2. Diagnóstico 3. Objetivos e Metas 4. Ações 5. Investimento 6. Governança e Fórum Brasil Digital 2 1. Importância

Leia mais

CEITEC S.A. Informações institucionais

CEITEC S.A. Informações institucionais CEITEC S.A. Informações institucionais Inserir Logomarca Representante comercial Pedro Mucillo / Representante de Negócios Telefone: 3220-9995 E-mail: pedro.mucillo@ceitec-sa.com Componentes para aplicações

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar Ambiente virtual para inovar Secti lança Portal Paraense de Inovação para conectar atores estratégicos e aumentar investimento em inovação no Pará Por Igor de Souza Ana possui uma promissora empresa de

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL MODELO: CARACTERÍSTICAS Terminais banhados à ouro Fácil visualização dos circuitos 18 Módulos envolvendo os principais conceitos de elétrica e eletrônica

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho.

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho. Índice 1. Introdução... 3 2. Atividades científicas, de formação e divulgação....3 3. Publicações.. 3 4. Internet... 4 5. Secções Temáticas e Núcleos Regionais 4 6. Outras atividades....4 2 1. Introdução

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

II Seminário Resultados da Lei da Informática

II Seminário Resultados da Lei da Informática II Seminário Resultados da Lei da Informática Rodrigo Pinto Diretor de P&D 29 de março de 2006 Agenda A Solectron Estratégia Organização Realizações Resultados entre 1998 2003 Resultados entre 2004-2005

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Fundação Habitacional do Exército. José Ricardo GODINHO Rodrigues

Fundação Habitacional do Exército. José Ricardo GODINHO Rodrigues Fundação Habitacional do Exército José Ricardo GODINHO Rodrigues MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS A 18 de Fundação novembro 1980 POUPEX Habitacional Lei nº. 6.855 Instituição Criada pela pública FHE

Leia mais

Estratégias para a implantação do T&V

Estratégias para a implantação do T&V 64 Embrapa Soja, Documentos, 288 Estratégias para a implantação do T&V Lineu Alberto Domit 1 A estratégia de ação proposta está baseada na experiência acumulada na implantação do sistema T&V no estado

Leia mais

Prospecto dos projetos realizados pela EMSISTI no período 2010 à 2015

Prospecto dos projetos realizados pela EMSISTI no período 2010 à 2015 Prospecto dos projetos realizados pela EMSISTI no período 2010 à 2015 Este prospecto descreve os projetos realizados pela EMSISTI no período entre janeiro de 2010 à setembro de 2015. Os projetos compreendem

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019 Agosto-2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Christimara Garcia CEO Inventta+bgi São Paulo, 29 de abril de 2015 CONTEXTO BRASILEIRO APOIO DIRETO Captação de Recursos Evolução dos desembolsos

Leia mais

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e Microeletrônica Área: Sistemas de Computação Nome do Líder:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça SP Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Simplifique a complexidade do sistema

Simplifique a complexidade do sistema 1 2 Simplifique a complexidade do sistema Com o novo controlador de alto desempenho CompactRIO Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas National Instruments Leonardo Lemes Engenheiro de Sistemas National

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil

Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil Biominas Brasil tem 21 anos de experiência na criação e desenvolvimento de empresas de ciências da vida. A Biominas Brasil

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada.

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada. II Reunião de Ministros de Meio Ambiente do MERCOSUL 8 de novembro de 2004, Brasília, Brasil Ata da Reunião nº 02/04 Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, no dia 8 de novembro

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Eng. Fabián Yaksic Presidente do IPD Eletron Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Complexo Eletroeletrônico e Tecnologia da Informação Associação

Leia mais

Certificado Aberto em Microeletrônica

Certificado Aberto em Microeletrônica Certificado Aberto em Microeletrônica Frank Sill Torres Professor Adjunto OptMA lab / ART Departamento de Engenharia Eletrônica Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Brasil 1 Assuntos 1. Introdução

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br Empresas Empresas Empresas Grupo de Trabalho EMBRAPII Projeto Piloto de Aliança Estratégica Pública e Privada Agosto 2011 Embrapii: P&D Pré-competitivo Fase intermediária do processo inovativo Essencial

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Capacitação em Valorização de Tecnologias

Capacitação em Valorização de Tecnologias Capacitação em Valorização de Tecnologias Enquadramento No âmbito do projeto INESPO 2 Innovation Network Spain-Portugal, as universidades parceiras propuseram-se dinamizar uma ação de Capacitação em Valorização

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda Tecnológica Setorial ATS 18 de junho de 2013 Sumário PBM e CIS Objetivo da ATS Focos das ATS Roteiro Metodologia para Seleção

Leia mais

Programa FAPESP. Pesquisa Inovativa EM. Pequenas Empresas

Programa FAPESP. Pesquisa Inovativa EM. Pequenas Empresas Programa FAPESP Pesquisa Inovativa EM Pequenas Empresas Foto CAPA: LÉO ramos Objetivos Criado em 1997, o Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE) apoia a execução de pesquisa científica

Leia mais

X Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Redes de Propriedade Intelectual no Brasil

X Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Redes de Propriedade Intelectual no Brasil Rede Temática de Propriedade Intelectual, Cooperação,Negociação e Comercialização de Tecnologia X Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Redes de Propriedade Intelectual no

Leia mais

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM O circuito de um PWM Pulse Width Modulator, gera um trem de pulsos, de amplitude constante, com largura proporcional a um sinal de entrada,

Leia mais

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Novos padrões para a medição eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Ditec Cgint - Incubadora Samuel Valle - Eng.º

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

Inovação & Sustentabilidade

Inovação & Sustentabilidade Inovação & Sustentabilidade O Sapiens Parque O Sapiens Parque Projeto de Desenvolvimento Regional que integra público e privado Novo conceito: Parque de Inovação Idealizado para promover : turismo, serviços

Leia mais

O Arquivo de Ciência e Tecnologia

O Arquivo de Ciência e Tecnologia Encontro Arquivos Científicos 3 e 4 de julho de 2014 FCSH, Lisboa O Arquivo de Ciência e Tecnologia Paula Meireles Madalena Ribeiro O Arquivo de Ciência e Tecnologia 1. Projeto de tratamento e divulgação

Leia mais

Políticas de Propriedade

Políticas de Propriedade Políticas de Propriedade Intelectual Rubens de Oliveira Martins SETEC/MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Propriedade Intelectual Conceito: sistema de proteção que gera direito de propriedade ou exclusividade

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais