UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV. Concurso Público para Provimento de Cargos Técnico-Administrativos em Educação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV. Concurso Público para Provimento de Cargos Técnico-Administrativos em Educação"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Concurso Público para Provimento de Cargos Técnico-Administrativos em Educação EDITAL Nº 334/2013 CARGO Fotógrafo CADERNO DE PROVAS PROVA I Língua Portuguesa Questões de 01 a 20 PROVA II Conhecimentos Específicos Questões de 21 a 50 Data: 20 de outubro de Duração: 04 horas Coloque, de imediato, o seu número de inscrição e o número de sua sala nos retângulos abaixo. Inscrição Sala

2 Prova I Língua Portuguesa 20 questões TEXTO 1 LER ROMANCES TORNA VOCÊ UMA PESSOA MELHOR. Deixa você com a cabeça mais aberta, sem preconceitos Foi o que concluiu um grupo de pesquisadores da Universidade de Toronto. Eles dividiram 100 pessoas em dois grupos: um deles teve de ler histórias de ficção, de autores como Wallace Stegner e Jean Stafford, enquanto outros leram ensaios sobre ciência, beleza, literatura ou comportamento (de autores como Freud ou Burroughs). Depois, todos passaram por testes psicológicos para medir quanto gostavam (e precisavam) de certezas e estabilidade. Tiveram de dizer, por exemplo, se concordam pouco, muito ou nada com afirmações do tipo eu não gosto de situações incertas e eu desgosto de questões que têm várias respostas diferentes. E, olha só, quem havia lido os romances parecia mais aberto à ambiguidade e incertezas. É que ler romances faz você entrar num outro mundo e abre sua cabeça. Aí você conhece e questiona outras realidades, mas sem a necessidade de tomar decisões, de ter certezas sobre questões polêmicas. O leitor pode até pensar como pessoas que ele nem gosta..., explica MajaDjikic, autor da pesquisa. O leitor pensa através de outros eventos, sem se preocupar com urgência e permanência, e, então, pensa de jeitos diferentes do que até ele mesmo está acostumado a pensar e isso produz um efeito que abre sua mente, conclui. CASTRO, Carol. Ciência maluca. Superinteressante. 04/10/2013. Disponível em <http://super.abril.com.br/blogs/cienciamaluca/ler-romances-torna-voce-uma-pessoa-melhor/>. Acesso em 08 out Da leitura do texto 1, é correto concluir que: A) pessoas que lêem romances podem se tornar instáveis e ter dificuldades para tomar decisões. B) a leitura de romances é menos saudável, já que, ao contrário das outras, abre a mente do leitor. C) ensaios científicos, ao contrário de romances, em nada influenciam o comportamento humano. D) testes psicológicos provaram que as 100 pessoas que leram romances não gostam de incertezas. E) romances fazem as pessoas questionarem realidades diferentes da sua, sem precisar tomar decisões. 02. O texto 1 tem como objetivo principal: A) comprovar todos os benefícios que a leitura de diversos romances pode trazer às pessoas em geral. B) defender a tese de que as pessoas que lêem romances são menos abertas à ambiguidade e incertezas. C) avaliar como os romances podem influenciar seus leitores, fazendo com se tornem pessoas mais preconceituosas. D) mostrar como as histórias de ficção de Wallace Stegner e Jean Stafford podem influenciar o comportamento das pessoas. E) divulgar uma pesquisa científica sobre a relação entre a leitura e o posicionamento das pessoas quanto a certezas e ambiguidades. 03. Assinale a alternativa que ordena os termos do geral para o particular. A) testes (linha 05) / pesquisa (linha13) B) cabeça (linha 10) / pessoas (linha 02) C) pesquisa (linha 13) / ciência (linha 03) D) literatura (linha 03) / romances (linha 08) E) MajaDjikic (linha 12) / autor (linha 12) 04. No trecho...isso produz um efeito que abre sua mente (linha 15), o termo em destaque se refere ao fato de o leitor de romances: A) parecer ser mais aberto à ambiguidade e incertezas. B) não precisar se preocupar com urgência e permanência. C) conhecer e questionar outras realidades diferentes da sua. D) pensar de jeitos diferentes do que está acostumado a pensar. E) ser transportado para outro mundo e encarar outras realidades. Fotógrafo Língua Portuguesa Pág. 2 de 15

3 05. Assinale a alternativa que indica o sujeito elíptico da oração em destaque no trecho Tiveram de dizer, por exemplo, se concordam pouco, muito ou nada com afirmações do tipo (linhas 06-07). A) Todos os pesquisadores. B) Os 100 leitores de ensaios. C) Os sujeitos da pesquisa. D) Os 100 leitores de romance. E) Professores da Universidade de Toronto. 06. No trecho "um deles teve de ler histórias de ficção, de autores como Wallace Stegner e Jean Stafford, enquanto outros leram ensaios sobre ciência, beleza, literatura ou comportamento (de autores como Freud ou Burroughs)." (linhas 02-04), a oração em destaque classifica-se como: A) oração subordinada subjetiva. B) oração subordinada adverbial temporal. C) oração suborbinada adjetiva explicativa. D) oração subordinada adverbial consecutiva. E) oração subordinada adverbial proporcional. 07. Assinale a alternativa em que o acento gráfico de crase se justifica pelo mesmo motivo que em "quem havia lido os romances parecia mais aberto à ambiguidade e incertezas." (linhas 08-09) A) À medida que lemos mais romances, nos tornamos pessoas mais abertas. B) Romances à Wallace Stegner tornam as pessoas menos preconceituosas. C) Ao ler romances, não precisamos nos posicionar quanto às questões polêmicas. D) Bons romances deixam seus leitores muito mais receptíveis às novas ideias. E) MajaDjikic recorreu, em sua pesquisa, às obras de autores como Wallace e Freud. 08. Assinale a alternativa em que o verbo em destaque apresenta a mesma regência do sublinhado em: É que ler romances faz você entrar num outro mundo (linha 10). A) "Eles dividiram 100 pessoas em dois grupos" (linhas 01-02). B) "É que ler romances faz você entrar num outro mundo e abre sua cabeça." (linha 10). C) "Aí você conhece e questiona outras realidades" (linhas 10-11). D) "O leitor pensa através de outros eventos" (linhas 13). E) "isso produz um efeito que abre sua mente" (linha 15). 09. Assinale a alternativa em que o verbo ler está em conformidade com a norma padrão e adequado ao contexto. A) Se tivéssemos mais acesso a livros, leríamos mais. B) Ledes mais romances que serás uma pessoa melhor. C) Se líssemos mais romances, teríamos a mente mais aberta. D) Quando leremos, iremos nos deparar com novas realidades. E) Os pesquisadores acreditam que é importante que leamos mais. 10. Assinale a alternativa em que o acento se justifica pelo mesmo motivo que em "através" (linha 13). A) psicológicos. B) urgência. C) histórias. D) várias. E) você. 11. Assinale a alternativa em que a segmentação silábica do vocábulo está correta. A) de-i-xar. B) si-tua-çõ-es. C) ne-ce-ssi-da-de. D) o-u-tros. E) mui-to. Fotógrafo Língua Portuguesa Pág. 3 de 15

4 TEXTO 2 PESSOAS QUE LEEM SÃO MAIS LEGAIS Pesquisadores da Universidade de Washington e Lee (EUA) constataram esse efeito com um teste bem simples: colocaram voluntários para ler uma história bem curtinha, fizeram algumas perguntas para identificar o quanto cada um tinha curtido o que leu e aí derrubaram, sem querer querendo, um monte de canetas no chão. O estudo conta que, quanto mais transportadas para dentro da história as pessoas tinham sido, maiores eram as chances de levantarem o bumbum da cadeira para ajudar a recolher as canetas. A explicação da pesquisa é que, quando lemos algo que realmente mexe com a gente, criamos empatia pelos personagens da história e quanto maior essa empatia, mais propenso a gente fica a ser bacana com os outros na vida real. PERIN, Thiago. Ciência maluca. Superinteressante. 26/03/2012. Disponível em <http://super.abril.com.br/blogs/cienciamaluca/pessoas-que-leem-sao-mais-legais/>. Acesso em 08 out Assinale a alternativa que reescreve o trecho quando lemos algo que realmente mexe com a gente, criamos empatia pelos personagens da história (linhas 07-08), mantendo seu sentido original. A) criamos empatia pelos personagens da história realmente quando lemos algo que mexe com a gente. B) criamos empatia pelos personagens da história quando lemos algo que mexe realmente com a gente. C) quando lemos algo que mexe com a gente, realmente criamos empatia pelos personagens da história. D) realmente quando lemos algo que mexe com a gente, criamos empatia pelos personagens da história. E) quando lemos algo que mexe com a gente, criamos empatia pelos personagens da história realmente. 13. Assinale a alternativa em que o vocábulo apresentado pertence ao mesmo campo semântico que o destacado em A explicação da pesquisa é que, quando lemos algo que realmente mexe com a gente, criamos empatia pelos personagens da história (linhas 07-08). A) teste. B) cadeira. C) canetas. D) história. E) personagens. 14. No trecho quanto maior essa empatia, mais propenso a gente fica a ser bacana com os outros na vida real. (linhas 08-09), a expressão destacada é antônimo de: A) avesso. B) disposto. C) tendente. D) inclinado. E) estimulado. 15. No trecho colocaram voluntários para ler uma história bem curtinha (linha 02), o vocábulo em destaque classifica-se como: A) adjetivo. B) pronome. C) advérbio. D) interjeição. E) substantivo. Fotógrafo Língua Portuguesa Pág. 4 de 15

5 16. No trecho quanto mais transportadas para dentro da história as pessoas tinham sido, maiores eram as chances de levantarem o bumbum da cadeira para ajudar a recolher as canetas. (linhas 04-06), a oração destacada expressa a noção de: A) causa. B) proporção. C) finalidade. D) comparação. E) consequência. 17. Assinale a alternativa em que a expressão sublinhada tem a mesma classificação que a destacada em: quando lemos algo que realmente mexe com a gente... (linha 07) A) colocaram voluntários para ler uma história bem curtinha (linhas 02). B) fizeram algumas perguntas para identificar o quanto cada um tinha curtido o que leu (linhas 02-03). C) aí derrubaram, sem querer querendo, um monte de canetas no chão (linhas 03-04). D) quanto mais transportadas para dentro da história as pessoas tinham sido... (linhas 04-05). E) quando lemos algo que realmente mexe com a gente (linha 07). 18. No trecho A explicação da pesquisa é que, quando lemos algo que realmente mexe com a gente, criamos empatia pelos personagens da história (linhas 07-08), a vírgula é utilizada para: A) isolar uma oração adjetiva. B) separar uma oração adverbial. C) isolar elementos de valor explicativo. D) separar uma oração reduzida de infinitivo. E) separar orações coordenadas assindéticas. 19. Assinale a alternativa em que a letra destacada representa o mesmo fonema que o representado pela letra sublinhada em gente (linha 08). A) algo. B) ajudar. C) querer. D) cadeira. E) explicação. 20. Da leitura dos textos 1 e 2, é correto afirmar que ambos: A) abordam a importância da leitura de romances. B) defendem que a leitura nos torna mais solidários. C) mostram como a leitura pode melhorar as pessoas. D) explicam a empatia que sentimos pelos personagens literários. E) comprovam que a leitura nos faz questionar novas realidades. Fotógrafo Língua Portuguesa Pág. 5 de 15

6 Prova II Conhecimentos Específicos 30 questões 21. Marque a alternativa correta. A) O equipamento usado pelo fotógrafo para verificação da temperatura de cor de uma fonte luminosa é o fotômetro. B) A temperatura de cor do sol, nossa fonte artificial de luz natural, é da ordem de 5700 K, em condições normais de atmosfera, e pouca poluição, durante o verão. C) A lâmpada do tipo photoflood, quando nova, tem temperatura de cor na ordem de 3200K ou 3400K, sendo portanto mais fria que a luz solar. Por esta razão, emite uma luz branca mais esverdeada. D) É útil ao fotógrafo, perceber que uma luz mais quente, no ponto de vista da física, em kelvin, é aquela que emite mais azul, enquanto na linguagem usual dos fotógrafos uma luz mais quente ou uma imagem em tons quentes é aquela que cria uma atmosfera mais acolhedora, com maior emissão na região do vermelho, laranja e amarelo. 22. Marque a alternativa correta. A) Um refletor fresnel e um softlight são refletores do tipo de fonte luminosa ultra rápido e geram uma iluminação suave. B) Compõem um bom equipamento de luz ultra rápida, para estúdios fotográficos, o refletor tocha (flash), seu gerador, e seus difusores ou rebatedores como a sombrinha e o hazy, que geram uma luz mais suave. C) Os aparelhos de flashes eletrônicos (luz ultra rápida) normalmente procuram reproduzir um espectro solar com temperatura de cor de 5500K. D) Os refletores de luz de tungstênio ou halógena, de luz contínua, já ficam na faixa de temperatura de cor mais alta, como 7000k, emitindo uma luz branca mais avermelhada ou amarelada. 23. Marque a alternativa correta. A) Temos fotômetros de mão para luz contínua e outro para luz de flash eletrônico. O que mede a luz contínua, não mede a fonte luminosa ultra-rápida, e vice-versa. B) O fotômetro de mão, em sua maioria, pode medir a luz refletida na cena a ser fotografada, mas não mede a luz incidente na cena, em diferentes pontos da cena. C) O fotômetro é o instrumento usado pelo fotógrafo para a medição da intensidade luminosa da cena a ser fotografada e a correta escolha de um par velocidade/abertura para determinar uma boa exposição luminosa para obter-se uma imagem fotográfica com boa qualidade de luminância e contraste. D) O ato da medição da iluminação da cena ou objeto a ser fotografado se chama fotometria, podendo ser feito a leitura da intensidade da luz refletida ou da luz incidente na cena. Através dos fotômetros embutidos nas câmeras profissionais de 35mm, ou digitais, podemos medir a intensidade da luz incidente sobre a cena, em diferentes pontos. E) Os fotômetros de mão, que medem a luz incidente ou refletida da cena a ser fotografada e que está sendo iluminada, estão calibrados para entender que o objeto ou cena a ser fotografada, tem os tons e intensidade luminosa de reflexão e refração equivalentes a um cartão opaco de cinza-médio. Assim, se os objetos da cena forem em tons mais claros que o cinza-médio, o fotógrafo precisa corrigir o par velocidade/abertura indicados no fotômetro, aumentando a entrada de luz na câmera re-ajustando o par velocidade/abertura, e se os tons dos objetos da cena forem mais escuros que o cartão cinzamédio, o fotógrafo tem que corrigir a indicação de abertura/velocidade indicados pelo fotômetro, diminuindo o fluxo de luz incidente na câmera (através dos controles de velocidade e abertura da câmera). Fotógrafo Conhecimentos Específicos Pág. 6 de 15

7 24. Marque a alternativa correta. A) O uso de um filme daylight numa cena iluminada por fotolâmpada, deve-se usar um filtro de correção de cor 80A. B) No uso de um filme daylight numa cena iluminada por um refletor que usa lâmpada de tungstênio, deve-se usar um filtro de correção 80B. C) Quando usamos um filme daylight, e a cena é iluminada com luz fluorescente, o resultado das cores vai apresentar uma forte tendência ao vermelho. D) Um filme indicado para uso com refletores de tungstênio, usado com fonte luminosa natural do sol, ao meio dia, não se faz necessário o uso de filtros de correção de cor, e o resultado da reprodução das cores é a correta. 25. Marque a alternativa correta. A) Quando a temperatura de cor da fonte luminosa, em Kelvin, é mais baixa que 4000k, a emissão desta luz tem mais vermelho, quando a temperatura de cor da fonte luminosa, em kelvin, é maior que 6000k, a emissão desta luz tem mais azuis. B) A maneira criteriosa de se determinar a composição espectral da cor de uma fonte de luz, é através do conceito de profundidade de cor. C) Utilizamos o filtro azul para correção das emissões de luz branca que tem mais amarelo, e utilizamos o filtro amarelo para correção das emissões de luz branca que tem mais verde. D) Uma fotografia realizada no exterior, num dia claro de verão, na luz solar do meio dia, no alto de uma montanha, o resultado das cores da imagem fotografada deve ter a predominância do vermelho. E) Uma fotografia realizada no exterior, usando como fonte de luz o sol, luz natural, com atmosfera suja e poluída, durante o dia, com muitas partículas em suspensão, existe uma forte tendência ao esverdeamento da imagem fotografada. 26. Marque a alternativa correta. A) A luz solar ao passar por um prisma, pode ser decomposta em suas diversas cores componentes, que são 10 cores. B) A curva de sensibilidade do olho humano para uma fonte luminosa branca, indica que temos uma alta sensiblidade aos tons da luz vermelha. C) Quando a luz emitida tem exatamente as mesmas características, o mesmo comprimento de onda, denominamos luz monocromática (com uma única cor), este é o exemplo da luz solar. D) O espectro da luz solar que está na região visível aos olhos do ser humano, pode ser decomposto em sete componentes: os vermelhos, os laranjas,os amarelos, os verdes, os azuis, os anis, os violetas. E) Quando a luz emitida não tem um único comprimento de onda, com ilimitadas possibilidades de valores de lambda, esta fonte de luz é considerada policromática (muitas cores). Denomina-se espectro contínuo e a luz de um laser é o exemplo desta emissão contínua. 27. Marque a alternativa correta. A) Iluminância para o fotógrafo é o conceito mais importante. A iluminância de uma fonte de luz é medida em lúmen(lm). B) A intensidade luminosa mede a quantidade de energia luminosa emitida por uma fonte em todas as direções. A unidade de intensidade é lux (lx). C) A intensidade de 1 lx é obtida quando uma fonte luminosa de 1 candela ilumina uma área de 1 metro quadrado, situada a 1 metro da fonte ao plano iluminado. D) O fluxo luminoso mede a quantidade de luz que é emitida por uma fonte luminosa e passa por determinada área. A unidade para determinar o fluxo luminoso é a candela (cd). E) Se a distância entre a fonte luminosa e o plano iluminado aumenta de 1 metro para 2 metros, a área iluminada aumenta de 1 metro quadrado para 4 metros quadrados e a energia luminosa se reduz a ¼ do valor obtido na distância de 1 metro. Quando a distância da mesma fonte luminosa aumenta para 3 metros, a energia luminosa se reduz para 1/12. Pois o calculo do fluxo da energia luminosa na variação da distância da fonte luminosa ao objeto iluminado é de 1/X 2, onde X é a distância da fonte ao objeto iluminado. Fotógrafo Conhecimentos Específicos Pág. 7 de 15

8 28. Sobre uma objetiva cuja abertura do diafragma vai da escala relativa do 16 ao 2.0, indicada pelo fabricante, assinale a alternativa correta. A) A escala da abertura do diafragma é 16; 11; 8; 5.6; 4.0 e 2.0. B) A escala da abertura do diafragma é 16; 11; 8; 5.6; 4.0; 2.8 e 2.0. C) A escala da abertura do diafragma é 16; 11; 8; 5.6; 4.0 e 2.0. E quanto maior o número da abertura do diafragma menos luz entra e sensibiliza o filme. D) A escala da abertura do diafragma é 16; 11; 8; 5.6; 4.0; 2.8 e 2.0. E quanto maior o número da abertura do diafragma mais luz entra e sensibiliza o filme. 29. Marque a alternativa correta. A) As lentes tele-objetivas têm maior ângulo de campo. B) As lentes grandes angulares têm menor ângulo de campo. C) A lente normal de 50mm, tem o ângulo de campo de aproximadamente 53 graus, numa câmera de 35 mm. D) As lentes grande angulares têm maior ângulo de campo enquanto as lentes tele-objetivas têm maior ângulo de foco. E) Para fotografar um objeto a longa distância você utiliza uma lente grande angular, e para fotografar uma cena muito aberta, faz-se necessário o uso de uma lente de ângulo de campo grande, como a lente 50mm de uma câmera de 35 mm. 30. Marque a alternativa correta. A) As grandezas que influenciam na determinação da profundidade de campo são: abertura do diafragma da lente, diâmetro do círculo de confusão, distância focal da lente. B) O termo profundidade de foco aplica-se apenas à região onde são formadas as imagems e designa a região de tolerância em que elas são aparentemente nítidas sendo sinônimo da profundidade de campo. C) Quanto maior a distância focal da lente, maior serão as faixas de profundidade de campo e uma objetiva de distância focal pequena como uma lente grande angular, terá faixas de profundidade de campo menores que uma lente tele-objetiva. D) A distância focal é, junto com a abertura, uma das mais importantes características de uma objetiva. A distância focal de uma lente composta é determinada a partir dos pontos focais e dos pontos nodais. E a abertura do diafragma ou número f é calculado dividindo-se o valor da distância focal pelo valor da abertura efetiva da lente. E) De maneira geral, considera-se lente normal para determinado formato aquela cuja distância focal é aproximadamente igual à diagonal da imagem no plano do filme. Uma lente de 50 mm é considerada uma lente normal para as câmeras no formato 35mm, e também para todas as câmeras fotográficas digitais que têm equivalência a câmera 35mm, mesmo se o sensor não for full frame (equivalente ao tamanho do filme 35mm). 31. Marque a alternativa correta. A) O uso de grandes aberturas reduz o problema de lentes que têm aberração da curvatura de campo. B) Aberrações de lentes quanto a curvatura do campo. Se uma lente não forma imagem plana de um objeto plano, mesmo quando a câmera está na posição perpendicular ao plano fotografado, a 90 graus, ela apresenta a aberração chamada curvatura de campo. C) As lentes com aberrações da curvatura do campo podem ser usadas para ampliações e reprodução de documentos. D) Lentes com curvatura de campo podem ser utilizadas para fotografia de arquitetura, engenharia ou em processos gráficos. E) Quanto as possíveis aberrações que algumas objetivas podem apresentar são apenas: aberração cromática e aberração da curvatura do campo. Fotógrafo Conhecimentos Específicos Pág. 8 de 15

9 32. Atualmente, de maneira mais geral, poder de resolução é a capacidade que um sistema ótico, lentes, objetivas, projetores, ampliadores, e mesmo filmes e papéis têm de diferenciar dois objetos próximos. Marque a alternativa correta. A) Para analisar o poder de resolução de uma objetiva fotográfica, usa-se habitualmente o kelvinômetro. B) Para analisar o poder de resolução de uma objetiva fotográfica, usa-se habitualmente cartelas de barra de cores diferentes. C) Para analisar o poder de resolução de uma objetiva fotográfica, usa-se habitualmente cartelas de tons de cinza diferentes. D) Para analisar o poder de resolução de uma objetiva fotográfica, usa-se habitualmente um aparelho chamado colorímetro. E) Para analisar o poder de resolução de uma objetiva fotográfica, usa-se, habitualmente, um diagrama de resolução, que consiste num conjunto de barras pretas e espaços brancos, normalmente chamados de par de linha-espaço. 33. Marque a alternativa correta. A) Zoom digital é sinônimo de zoom ótico. B) Toda câmera digital profissional é do sistema reflex. C) O conversor analógico-digital de uma câmera digital é um sistema eletrônico que analisa o número de cargas que cada pixel lhe envia e associa um número no sistema binário a esse píxel. A imagem digital colorida constituída por dados no sistema trinário é armazenado no cartão de memória existente na câmera. D) Uma imagem fotografada por uma câmera digital é formada por pixel, e sua definição da quantidade de pixels máximos de uma fotografia feita por ela é definida, geralmente por X megapixels, que é calculado através da multiplicação do número de linhas por número de coluna de pixels, máximo, realizado pela câmera. E) O CCD ou CMOS são tipos diferentes de sensores de câmeras digitais, mas ambos trabalham com a matriz RGB, apresentando filtros nas cores vermelho, verde e azul nos pixels. Estes mesmos sensores fazem o papel do filme de película numa câmera analógica. Alguns fabricantes têm desenvolvido sensores CCD, por exemplo, com um novo tipo de filtragem em ciano, magenta e azul CMY, permitindo que uma maior quantidade de luz atinja a camada sensível do CCD, aumentando assim a sensibilidade do sensor. 34. Marque a alternativa correta. A) Nem toda câmera digital tem variação de abertura de diafragma e de velocidade do obturador. B) Em toda câmera digital profissional, a fotometria é feita apenas no centro do enquadramento da imagem. C) As câmeras fotográficas digitais profissionais têm o controle automático e manual do ISO do sensor. D) Toda câmera digital profissional tem a opção de controle do ISO do sensor, manualmente, e tem a opção do controle da velocidade do diafragma, diafragma este que fica na câmera. E) Quando operamos a câmera no controle manual, e definimos os valores do par velocidade/abertura, da câmera fotográfica digital profissional, o fotômetro indica o sinal de menos (-), quando temos muito luz entrando e a foto ficará superexposta. 35. Marque a alternativa correta. A) Nos catálogos das câmeras digitais, o fabricante informa a maior resolução (tamanho da imagem em pixels) possível. Mas o fotógrafo pode escolher em qual resolução, ou seja, tamanho da imagem em pixels, ele deseja trabalhar, respeitando a resolução máxima de pixels que a câmera tem, que é indicada pelo fabricante. B) A palavra resolução pode ter apenas um significado na fotografia a resolução do sistema óptico da objetiva. C) Outra resolução, referida a característica dos monitores, é o número máximo de pixels por unidade de comprimento, de forma geral, essa resolução é da ordem de 80 pixels a 100 pixels por polegada. D) Resolução do CCD ou resolução digital determina o número de pixels existentes na largura da imagem que formam a imagem digital, e está intimanente ligada à qualidade da imagem produzida pela câmera digital. E) Existe uma tabela para mostrar ou se referir a alguns valores de resolução para monitores e câmeras digitais: QVGA: 320x 240 pixels; VGA: 640 X 460 pixels; SVGA: 800 X 600 pixels; XGA: 1024 x 768 pixels; UXGA:1600 x 1200 pixels ou 1800 x 1440 pixels. Fotógrafo Conhecimentos Específicos Pág. 9 de 15

10 36. Marque a alternativa correta. A) Para que uma imagem digital possa ser formada de maneira completa, uma das etapas necessárias no processo de formação e arquivamento da imagem digital, um sofisticado processo computacional chamado de interpolação deve acontecer, no sistema onde o sensor é um CCD, contendo filtros verde, vermelho e azul, na malha dos pixels. B) Para cada 4 pixels de um CCD, dois pixels são sensíveis ao vermelho, um ao verde e o outro ao azul. Isto porque o olho humano tem uma maior sensibilidade ao verde, assim o sistema de sensores das câmeras digitais foram criadas para aproximar ao máximo ao espectro visualizados pelos olhos humanos. C) Quando a frequência na informação é maior que a frequência na distribuição dos pixels no CCD, o defeito observado no registro de cores é chamado aliasing. É uma deficiência dos sistemas digitais que se torna muito óbvia quando objetos que apresentam detalhes grandes como linhas horizontais grossas de cores diferentes são fotografados. D) No sistema de matriz monocromática o sistema de filtros não pertencem ao CCD. Cada filtro RGB é colocado diante do CCD para cada uma das exposições. A captura completa da imagem leva aproximadamente 10 segundos, e tanto a câmera como o objeto fotografado devem permanecer estáticos. Uma grande vantagem desse sistema é que não apresenta aliasing, pois todos os pixels capturam todas as três cores primárias do sistema RGB, havendo necessidade de interpolação. E) Outra opção para sistema de sensores de uma câmera fotográfica digital é o processo back scanning. Nesse sistema, um CCD com apenas três linhas de pixels, uma vermelha, uma verde, e uma azul, deslocam-se no plano focal da câmera, e a imagem vai sendo formada, parecido com o processo de um scanner. Sistemas desse tipo podem produzir imagens de grande qualidade sem limitações como câmera e objeto fotografado devem estar absolutamente imóveis e ambas os tipos de fonte luminosa como a luz contínua e ultra-rápida pode ser usada na captura. Existem outros sistemas de captura da imagem digital numa câmera fotográfica digital, como por exemplo um CCD em camadas, onde os fotodiodos sensíveis a cada uma das cores RGB são colocadas em camadas da mesma forma que um filme de película. Ou o uso de um sistema de prisma decompõe a luz incidente na câmera, e cada uma das cores atinge um CCD específico é o sistema de 3 CCD's. Mas são câmeras caras e mais pesadas, mas suas imagens tem melhores representação das cores. 37. Marque a alternativa correta. A) Se a imagem for convertida do modo de cor RGB para CMYK o tamanho do arquivo digital aumenta 66%. B) Em algumas câmeras digitais o fotógrafo pode também modificar a relação entre o comprimento e a largura da imagem podendo ser 4:3, 3:2, por exemplo. C) Se a imagem é monocromática, feita apenas em um canal, o arquivo reduz a dois terços do tamanho do arquivo original com 3 canais (RGB ou CMY). D) Arquivo digital e resolução do sensor quanto maior a resolução em pixels do CCD maior o tamanho do arquivo digital. Quanto maior for a profundidade de cor (bits) da imagem digital, menor o tamanho do arquivo da imagem. 38. Marque a alternativa correta. A) LPI é a sigla que denomina a resolução do tamanho de impressão da imagem digital. B) Existe mais de um tipo de conceito para resolução numa imagem fotográfica digital. C) DPI é a sigla que denomina a quantidade total de pixels existentes numa imagem digital. D) A sigla PPI é a resolução da quantidade de cores possíveis em um pixel, na imagem digital. E) Profundidade de cor é a resolução que determina a quantidade de pixels existente numa imagem digital. 39. Marque a alternativa correta. A) As câmeras digitais profissionais têm apenas três valores de ISO sensibilidade do sensor: 100, 200 e 400. B) As câmeras digitais profissionais têm apenas um controle automático da temperatura de cor que se chama AWB. C) As câmeras digitais profissionais também têm controles manuais para determinação da sensibilidade do seu sensor. D) As câmeras digitais fotográficas não têm controle para correção ou filtragem da temperatura de cor das diversas fontes luminosas da cena fotografada. E) A sensibilidade dos sensores de uma câmera digital é determinada pela multiplicação do número de linhas e colunas dos pixels existentes em uma imagem digital. Fotógrafo Conhecimentos Específicos Pág. 10 de 15

11 40. Marque a alternativa correta. A) ICA-AtoM permite ao usuário ligar um único objeto digital e importar vários objetos digitais, como imagens digitalizadas, arquivos de som e imagem em movimento, e outros itens digitalizados ou origem digital. Cada objeto digital deve estar associado a uma descrição arquivística. Para cada objeto carregado, ICA-AtoM cria dois objetos derivados do arquivo original, uma imagem em miniatura e uma cópia para segurança. B) A página de edição de termos inclui uma seção especial que permite ao usuário criar enciclopédias hierárquicas, seguindo os critérios de taxonomia e indexação do ICA - Conselho Internacional de Arquivos, sem ter liberdade de criar novos termos no banco de termos já cadastrados que vieram com o software. C) A taxonomia é um agrupamento de termos controlado vocabulário usado para gerar listas de valores e pontos de acesso. Termos são os valores que compõem vocabulários controlados. Na ICA-AtoM, os termos são agrupados em taxonomias que não podem ser adicionados, editados e excluídos. D) No processo de arquivamento de uma imagem ou documento, por exemplo, existem algumas variáveis que são elementos considerados essenciais para o intercâmbio internacional de informação descritiva: código de referência; título; criador; data (s ); indexação a partir do tesaurus existente no sistema; descrição sintética do documento ou imagem seguindo a taxonomia existente no sistema; nome da instituição que mantém o acervo; nome do pesquisador do banco de dados. E) Embora não haja consenso sobre como se dá o processo de indexação, em geral, são descritas três operações básicas inerentes à atividade de indexação, sendo elas: Análise - leitura e segmentação do texto para a identificação e a seleção de conceitos; Síntese - construção do texto documentário com os conceitos selecionados; Representação - ou tradução, por meio de linguagens documentárias. A etapa de indexação e descrição do item inserido no banco de imagens do ICA-AtoM não é tão importante, precisa-se apenas preencher os dados da ficha cadastral. 41. Marque a alternativa correta. A) Os softwares da categoria OCR servem para indexar um documento numa base de dados. B) Não existe nenhuma técnica segura para realizar a digitalização ou a reprodução de documentos opacos maiores que o tamanho A3. C) Existem também no mercado scanner especiais para atender as demandas de uma biblioteca ou centro de documentação que deseja automatizar a digitalização de seus acervos. O scanner planetário foi criado para automatizar a digitalização de documentos não encadernados, de tamanho A4, por exemplo. Este scanner tem um alimentador automático de papel tamanho A4, para puxar os documentos originais, e passá-los por uma área de scaneamento, de forma automática, onde não se faz necessário o manejo manual de troca de documento. D) Existem, no mercado, diversos tipos de scanner para digitalizar documentos, imagens, em diversas dimensões e de opacidade diferentes. Seus tipos são: os scanners de mesa que digitalizam imagens e documentos até o tamanho A4, e scanners que digitalizam documentos de tamanho A3, e scanners especializados em digitalizar documentos ou imagens transparentes de diversos tamanhos. Existem scanners especializados em digitalizar de forma quase automática, livros, são os chamados scanner planetário e este é o único modelo para cumprir tal função. 42. Marque a alternativa correta. A) Indexar é o ato de categorizar e classificar um documento ou imagem, pertencente a um acervo, a partir de sua resolução. B) O software SepiaDES tem sua função principal de editar e manipular as imagens fotográficas digitais, de um banco de imagens. C) Uma imagem ou documento arquivado num software do tipo ICA-AtoM tem o fim de apenas guardar as imagens digitais de um banco de imagens. D) Indexar é o ato de categorizar e classificar um documento ou imagem, pertencente a um acervo, a partir de sua qualidade da imagem e sua cor: p&b ou colorido. Fotógrafo Conhecimentos Específicos Pág. 11 de 15

12 43. Quais formatos de arquivos de imagem, vídeo e som que o software ICA-AtoM aceita? A) Arquivos de imagem somente os formatos PDF; BMP; GIF. B) Áudio -não aceita arquivos de áudio, apenas de imagem e vídeo. C) Video os tipos mais usuais de formatos de arquivo de vídeo puro, com extensão AVI, contudo não aceita os formatos de arquivos de vídeo comprimidos ou usados em codec's. D) Áudio 8SVX; AC-3; Apple Lossless; ATRAC3; Cook Codec; EA ADPCM; FLAC; Intel Music Coder; Monkey's Audio; MP2; MP3 (native decoder, encoding through LAME); Nellymoser Asao Codec in Flash; QDM2, entre outros formatos. 44. Marque a alternativa correta. A) Scanner planetário de digitalização bidirecional, colorido, resolução de hardware real de até 1000dpi em formato A3 e 600dpi em formato A1, para digitalizar livros, documentos planos, obras raras & históricas até o formato A1 (1100 x 630mm) - este é um dos modelos de scanner planetário que existe no mercado. Usam Câmaras CCD, iluminação LED livre de emissões IR & UV, estação de trabalho, software de captura e processamento de imagens e Mesa com Compensador de Lombadas integrados, com diversos acessórios opcionais (hardware & software) para atender aplicações específicas de digitalização como compensadores de lombadas. Eles oferecem digitalização de documentos planos, livros e qualquer tipo de originais encadernados até o formato A1,por exemplo, nos modos colorido, escala de cinza ou binário (preto e branco). B) Existem diversos tipos de scanner no modelo planetário, scanner do tipo bandeja, e scanner do tipo ADF (Alimentador Automático de Folhas). Mas nenhum consegue digitalizar documentos ou arquivos ou livros no tamanho superior ao A2. C) Não existem scanner para digitalizar filmes fotográficos em película, em tiras, nos tamanhos 35mm e formato médio. D) Para se digitalizar documentos de diversas dimensões, faz-se necessário termos uma mesa reprodutora composta por um tripé fixo perpendicular a mesa, que fixa a câmera para baixo, para enquadrar os documentos que estão na mesa reprodutora. Somente este tipo de equipamento é utilizado para digitalizar documentos de tamanhos A1 e A0. E) É mais eficaz e dá-nos mais qualidade de imagem fotografarmos os documentos, livros, imagens, periódicos, do que digitalizarmos os mesmos, em scanner especiais para esta função. 45. Marque a alternativa correta. A) O uso das câmeras fotográficas analógicas e das câmeras fotográficas digitais, ambas na categoria profissional já produzem uma mesma qualidade de imagem fotográfica. B) Mesmo as câmeras profissionais analógicas mais modernas, não têm os mesmos controles automatizados ou pre-programáveis, em relação da fotometria, definição do par velocidade/abertura e ainda o foco. C) Ao invés de utilizar a película fotossensível (filme) para o registro das imagens, que requer, posteriormente à aquisição das imagens, umprocesso de revelação e ampliação das cópias, a câmera digital registra as imagens através de um sensor que entre outros tipos podem ser do tipo CMOS ou do tipo CCD, armazenando as imagens em cartões de memória. Uma câmera pode suportar um só ou vários tipos de memória, sendo os mais comuns: CompactFlash - tipos I, II e III, e SmartMedia, Memory Stick e SD. O cartão SD só tem uma velocidade de gravação de dados enquanto os outros tem diferentes velocidade de gravação de dados. D) As câmeras fotográficas digitais de preço mais elevado podem usar quase todos os filtros utilizados por câmeras analógicas sem o uso de adaptadores especiais. Já as câmeras digitais compactas (mais econômicas) dispõem de algoritmos que simulam filtros de correção e outros filtros como o sépia e o difusor, e não facilitam o uso de filtros reais (óticos), algorítmos estes que a câmera digital profissional não tem e se faz necessário o uso de filtros analógicos.as câmeras compactas, com raras exceções, não têm rôsca na objetiva para montagem de filtros rosqueáveis, além disso, as objetivas são retráteis, não admitindo a montagem de filtros elásticos. Como as câmeras analógicas mais populares, que não dispõem de objetivas receptivas a filtros, as câmeras digitais não podem fazer uso de filtros menos comuns. Fotógrafo Conhecimentos Específicos Pág. 12 de 15

13 46. Marque a alternativa correta. A) O Tempo de exposição é definido pelo dispositivo que controla a velocidade de abertura do obturador. B) A exposição da imagem ou sensor da câmera digital pela luz incidente é controlada apenas pela definição da abertura do diafragma. C) Os dispositivos básicos de uma câmera fotográfica digital mais importantes, para obter-se uma boa imagem, são: a qualidade da objetiva, a qualidade do sensor, os controles de abertura, a velocidade do diafragma, o fotómetro, e o foco. D) O balanço de brancos (WB) destina-se a tornar brancas as áreas brancas. Normalmente, a definição AWB permite obter o balanço de brancos correto. Se não for possível obter cores de tonalidade natural com a definição automática, pode-se selecionar o balanço de brancos pré-existentes como uma foto usando a luz solar, o céu nublado, e algumas outras opções para vários tipos de fontes artificiais como lâmpada fluorescente ou de tungstênio. Mas estas opções só existem em câmeras digitais profissionais. 47. Marque a alternativa correta. A) Em todas as câmeras digitais existentes não tem a opção na qual o fotógrafo determine o valor da abertura do diafragma e a câmera calcula automaticamente o valor da velocidade do obturador, para uma melhor exposição. B) Todas as câmeras digitais fotográficas tem disponível ao fotógrafo, os pré-programas, onde a câmera calcula abertura do diafragma e velocidade do obturador, bem como o valor do ISO, conforme o tipo de cena que você escolheu, existente no pré-programa. C) A maioria das câmeras digitais amadoras ou profissionais tem programa flexível onde você determina a velocidade do obturador e a câmera calcula automaticamente qual abertura do diafragma deve ser usado para obter uma imagem de qualidade de luminância, cor e resolução. D) Na maior parte das câmeras digitais, mais simples e mais profissionais, existe o modo automático que mede através do fotômetro, a quantidade de luz que entra através da lente, e faz automaticamente o ajuste dos valores de abertura do diafragma, velocidade do obturador, o valor do ISO do sensor, e ainda a resolução de profundidade de bits. 48. Marque a alternativa correta. A) É possível realizar-se o redimensionamento da imagem raster sem criar problemas na qualidade da imagem. B) A sigla PPI (pixels por polegada) é a quantidade de pontos físicos por polegada importante resolução quando formos imprimir uma imagem. Ela define o tamanho final da imagem digital a ser impressa em centímetros. C) Quando estamos editando uma imagem no Photoshop, por exemplo, e estamos no modo de cor RGB, podemos mudar o mode de cor para LAB, e usar o canal L para ajustar melhor o contraste e a luminância da imagem sem alterar muito as cores, depois retornamos para o modo de cor RGB para arquivar a imagem. D) A imagem digital do tipo raster, no modo de cor RGB tem a resolução de profundidade de cor de 8 bits por canal de cor, assim perfazendo 26 bits. Já o modo decor CMYK tem uma resolução de bits, 36 bits por conta dos 4 canais de cores. Já o Modo de cor em Tons de Cinza (Grayscale)tem a Profundidade de bits = 8 bits, ou seja 257 cores. O modo bitmap de cor, tem a profundidade de bits de 1 bit, com uma cor. E) O Pixel a pastilha do mosaico é a unidade mínima de construção da imagem digital em bitmap ou tipo vetorial. É chamada de Pixel (acrônimo de picture element). O pixel é a representação gráfica da variação do bit. É um quadrado indivisível. Toda imagem mapa de bits é constituída por pixels. Sua medida de resolução do tamanho da imagem, em pixels, pode ser dada pela sigla DPI: Dots por Polegada (onde Dots = pixel em inglês). Fotógrafo Conhecimentos Específicos Pág. 13 de 15

14 49. Marque a alternativa correta. A) As câmaras permitem um sistema de armazenamento de dados. Para a transferência dos dados por fios, existem várias conexões: Serial; Paralela; SCSI; USB; FireWire e HDMI. Se ligar a câmara a um computador pessoal, pode utilizar a câmara para transferir imagens a partir do cartão desta. Esta funcionalidade designa-se transferência directa de imagens. B) O programa de visualização de imagens digitais são fáceis de encontrar e de instalar, e todos eles têm as mesmas funções visualizar a imagem e criar um slide show, mesmo o Picasa e o IrfanView. C) As imagens no formato dearquivo RAW, JPG e GIF, ambos com compressão de imagem, geram numa mesma imagem salva em raw, ou jpg ou gif, o mesmo tamanho de arquivo. Geram arquivos pequenos, mesmo imagens com 300 ppi de resolução. D) Dispositivo de armazenamento é um dispositivo capaz de armazenar informações (dados) para posterior consulta ou uso. Um dispositivo que somente guarda informação é chamado mídia de armazenamento. Dispositivos que processam informações (equipamento de armazenamento de dados) podem tanto acessar uma mídia de gravação portátil ou podem ter um componente permanente que armazena e recupera dados. Armazenamento eletrônico de dados é o armazenamento que requer energia elétrica para armazenar e recuperar dados. Dados eletromagnéticos podem ser armazenados em formato analógico ou digital em uma variedade de mídias. Este tipo de dados é considerado eletronicamente codificado, sendo ou não armazenado eletronicamente em um dispositivo semicondutor (chip), uma vez que certamente um dispositivo semicondutor foi utilizado para gravá-la em seu meio. A maioria das mídias de armazenamento processadas eletronicamente (incluindo algumas formas de armazenamento de dados de computador) são considerados de armazenamento permanente (não volátil), ou seja, os dados permanecem armazenados quando a energia elétrica é removida do dispositivo. Em contraste, a maioria das informações armazenadas eletronicamente na maioria dos tipos de semicondutores são microcircuitos memória volátil, pois desaparecem com a remoção da energia elétrica. Fotógrafo Conhecimentos Específicos Pág. 14 de 15

15 50. Marque a alternativa correta. A) Existem dois tipos de arquivos de imagens digitais. O Raster: também conhecido como Bitmap. A informação gráfica é descrita como um conjunto de pixels, normalmente organizados da maneira como são vistos no monitor ou numa impressão: da esquerda para a direita e de cima para baixo. Cada píxel tem uma localização específica e uma cor atribuída a ele através. Exemplos de programas que usam imagens bitmap: Photoshop, PhotoPaint, MicrosftPaint. E a imagem vetorial : a informação gráfica é descrita em termos de equações matemáticas ou de objetos discretos, tais como círculos, linha, retângulos, etc. Usado normalmente em programas de CAD e desenho. Gráficos do Adobe Illustrator e Corel Draw são imagens vetoriais e raster e editam ambos os tipos de imagens. B) Formatos de arquivo JPG : Joint Photographic Experts Group JPEG ou JPG ou JPEG File Interchange Format(JFIF). Criador:The Independent JPEG Group. Não é literalmente um formato, e sim um método de compressão que serve, obviamente, para deixar o arquivo da imagem com tamanho reduzido. Mesmo bastante comprimido, não há tanta perda na qualidade da imagem, por isso é um dos mais usados. É aconselhável apenas salvar seus arquivos nesse formato quando eles já estiverem completos e não precisarem mais de qualquer alteração (tratamento da imagem digital), pois cada vez que um arquivo JPG é salvo, perde um pouco de sua qualidade. Portanto se salvarmos essas imagens diversas vezes, teremos uma perda bem maior de sua qualidade. Opera com modo True Color(24 bits / RGB). Para haver a compressão a figura é transformada em blocos de pixels. Extensão:.jpg;.jpe;.jpeg. Cores: 16,8 milhões. Modos de cores: CMYK, RGB e Tons de Cinza. Bits: 24 bits. C) Imagens no formato de arquivo GIF. Graphics Interchange Format-GIF. Criador: CompuServe Information Service. Concorrente direto do JPG na briga pelas páginas da Web. Vem ganhando espaço na Internet e hoje já o consideram o melhor formato para trabalhar na rede. Possui vantagens e desvantagens em relação ao JPG: Possuem apenas 256 cores (apenas 8 bits por pixel), não tendo perda na profundidade de cor; Possui a capacidade de ser animado; Suas imagens tem codificação e compressão pela especificação LZW, em que não há perda da informação. Diferentemente do JPG, a imagem pode ser salva por diversas vezes sem que haja nenhuma perda em matéria de qualidade. Não tem Transparência. D) Formatos de arquivo de imagem em TIFF. TaggedImageFile Format-TIFF. Criador: Aldus, MicroSoft, and NeXT. Criado em 1986, o formato TIFF não é comum no dia-a-dia de uma pessoa que utiliza imagens apenas por diversão ou para a Web, em geral. É um formato muito útil, no entanto, para saídas de impressoras, separação de cores, scanners ou qualquer programa que trabalhe com edição de fotografia. Na realidade, ele foi craido para ser o formato padrão de todos os arquivos gráficos digitais. Como se trata de um formato com bastante fidelidade à qualidade do original, seus arquivos não são pequenos, mas ele também possui a capacidade de compressão, para deixá-lo um pouco menor quanto ao uso da memória para armazená-lo. Possui muitos tipos de compressão, até mesmo o LZW, também usado no GIF. Ele pode salvar campos de informação dentro do arquivo. Este tipo de imagem armazena cores TrueColor24 bits ou 32 bits (RGB/CMYK). Aplicações recomendadas: Imagens de sem perdas e publicações impressas. Propósito do desenvolvimento: Para salvar imagens criadas por scanners e programas que editam fotografia. Modos de cores: CMYK, RGB, Lab, de cores indexadas e tons de cinza com canais alfa, e Bitmap sem canais alfa. Bits: 8 ou 16 bits. Muito usado em câmeras fotográficas. E) Formatos de arquivo de imagem tipo RAW. Quando um sensor de imagem captura informação que gera uma imagem, algumas câmeras digitais sofisticadas, permitem que se salve um arquivo não processado, ainda cru, por isso échamado RAW. Este formato contém tudo o que a câmera digitalizou. O motivo para seu uso é livrar o processador da câmera digital da tarefa de realizar os cálculos necessários para otimização da imagem digital, possibilitando que isso seja feito no computador. Uma imagem em RAW terá, depois de aberta no computador e otimizada, de ser salva num formato qualquer para ser utilizada. Uma vantagem desse formato é poder gerar um arquivo menor do que no formato TIFF, pelo menos 60%. Como um computador terá muito mais capacidade de processamento que a câmera, a imagem final também terá melhor qualidade do que se for diretamente salva pela própria câmera em formatos JPEG ou TIFF. Contudo, vale notar que o usuário deverá ter domínio o de técnicas de otimização de imagem para poder aproveitar este formato. Modos de cores: somente RGB e tons de cinza com canais alfa. Fotógrafo Conhecimentos Específicos Pág. 15 de 15

ferramentas da imagem digital

ferramentas da imagem digital ferramentas da imagem digital illustrator X photoshop aplicativo ilustração vetorial aplicativo imagem digital 02. 16 imagem vetorial X imagem de rastreio imagem vetorial traduz a imagem recorrendo a instrumentos

Leia mais

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão 1 Diferenças entre o CCD e o Filme: O filme como já vimos, é uma película de poliéster, coberta em um dos lados por uma gelatina de origem animal com partículas

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

Imagem digital. Unidade 3

Imagem digital. Unidade 3 Imagem digital Unidade 3 Objectivos Reconhecer o potencial comunicativo/ expressivo das imagens; Reconhecer as potencialidades narrativas de uma imagem; A criação de sentido nas associações de imagens

Leia mais

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Imagens Uma imagem é representada por uma matriz

Leia mais

19/11/2015. Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA. James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático.

19/11/2015. Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA. James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático. Prof. Reginaldo Brito Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA Joseph-Nicéphore Niepce * França, (1765-1833) James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático. 1826,

Leia mais

Glossário de Fotopublicidade

Glossário de Fotopublicidade Glossário de Fotopublicidade Câmera analógica: câmera que captura as imagens em filme/película. Câmera digital: câmera que salva imagens como arquivos digitais em algum tipo de disco de memória em vez

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais Esse artigo sobre Formatos de Arquivos Digitais é parte da Tese de Doutoramento do autor apresentada para a obtenção do titulo de Doutor em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da USP. Thales Trigo

Leia mais

Utilização do Sistema Multimédia. 2. Formatos de ficheiros 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens. 2. Formatos de ficheiros

Utilização do Sistema Multimédia. 2. Formatos de ficheiros 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens. 2. Formatos de ficheiros Utilização do Sistema Multimédia 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens 2.1. Compressão Formatos com e sem compressão Técnicas de compressão (reduzem tamanho) de 2 tipos: Compressão

Leia mais

Aula 6 Fundamentos da fotografia digital

Aula 6 Fundamentos da fotografia digital Aula 6 Fundamentos da fotografia digital Fundamentos da fotografia digital: Câmeras digitais CCD e CMOS Resolução Armazenamento Softwares para edição e manipulação de imagens digitais: Photoshop e Lightroom

Leia mais

A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS:

A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS: A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS: EXISTEM TRÊS TIPOS DE SENSORES UTILIZADOS NAS CÂMARAS DIGITAIS: CCD - Charge Coupled Device CMOS - Complimentary

Leia mais

Imagens Digitais Tratamento de Imagens

Imagens Digitais Tratamento de Imagens Imagens Digitais Imagens de Bitmap Bitmap = Mapa de Bits ou Imagens Raster São as imagens formadas por pixels em oposição às imagens vetoriais. Imagens de Bitmap Imagem de bitmap Imagem vetorial Imagens

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida!

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida! Introdução e índice Eu sou a Claudia Regina (www.claudiaregina.com) e resolvi criar este pequeno Manual Básico de Fotografia para ajudar quem procura por bom conteúdo para iniciantes, em português. Aprender

Leia mais

CÂMERAS. fotográficas

CÂMERAS. fotográficas CÂMERAS fotográficas Quanto ao suporte: Digital Analógico Como classificar e diferenciar os tipos de Câmeras? Quanto a automação: Automáticas Semi-automáticas Auto e manual Quanto ao visor: Visor direto

Leia mais

TRATAMENTO DE IMAGENS. Elisa Maria Pivetta

TRATAMENTO DE IMAGENS. Elisa Maria Pivetta TRATAMENTO DE IMAGENS Elisa Maria Pivetta CATEGORIAS DE IMAGENS Distinguem-se geralmente duas grandes: Bitmap (ou raster) - trata-se de imagens "pixelizadas", ou seja, um conjunto de pontos (pixéis) contidos

Leia mais

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico)

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) CÂMERA FOTOGRÁFICA Foto analógica Foto digital Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) O DIAFRAGMA OBJETO DIAFRAGMA EM IRIS OBJETO IRIS RETINA ABERTURA PUPILA LENTE CRISTANILO

Leia mais

A cor e o computador. Teoria e Tecnologia da Cor. Unidade VII Pág. 1 /5

A cor e o computador. Teoria e Tecnologia da Cor. Unidade VII Pág. 1 /5 A cor e o computador Introdução A formação da imagem num Computador depende de dois factores: do Hardware, componentes físicas que processam a imagem e nos permitem vê-la, e do Software, aplicações que

Leia mais

Bitmap X Vetorial OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA

Bitmap X Vetorial OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA Editores vetoriais são frequentemente contrastadas com editores de bitmap, e as suas capacidades se complementam. Eles são melhores para leiaute

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) 1 Classificação da imagem Em relação à sua origem pode-se classificar uma imagem,

Leia mais

Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados

Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados Este tutorial tem por finalidade esclarecer algumas dúvidas sobre arquivos abertos e arquivos fechados. Leia e entenda um pouco mais sobre PDF, diferenças

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.1. Imagem Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Cores O que é a cor? Distribuição espectral do sinal de excitação. Função da reflectância e da iluminação

Leia mais

Fotografia Digital Básica

Fotografia Digital Básica Escola de Belas Artes EBA UFMG Cursos de Extensão Alexandre Cruz Leão www.fotodearte.com.br/cursos/fotodigital e-mail: alexandre@fotodearte.com.br Maio 2014 Lançamento de câmeras digitais / ano 178 172

Leia mais

Fotografia Digital. Aula 1

Fotografia Digital. Aula 1 Fotografia Digital Aula 1 FOTOGRAFIA DIGITAL Tema da aula: A Fotografia 2 A FOTOGRAFIA A palavra Fotografia vem do grego φως [fós] ("luz"), e γραφις [grafis] ("estilo", "pincel") ou γραφη grafê, e significa

Leia mais

Aula 2 Aquisição de Imagens

Aula 2 Aquisição de Imagens Processamento Digital de Imagens Aula 2 Aquisição de Imagens Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br EESC/USP Fundamentos de Imagens Digitais Ocorre a formação de uma imagem quando

Leia mais

FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB

FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB Bons web sites necessitam de uma correta integração entre textos e imagens. Este artigo contém o mínimo que você precisa saber sobre imagens para a web. Introdução

Leia mais

KIP 720 SISTEMA DE DIGITALIZAÇÃO CIS COM A AVANÇADA TECNOLOGIA KIP REAL TIME THRESHOLDING

KIP 720 SISTEMA DE DIGITALIZAÇÃO CIS COM A AVANÇADA TECNOLOGIA KIP REAL TIME THRESHOLDING KIP 720 SISTEMA DE DIGITALIZAÇÃO CIS COM A AVANÇADA TECNOLOGIA KIP REAL TIME THRESHOLDING SISTEMA DE DIGITALIZAÇÃO KIP 720 Scanner de imagens KIP 720 O scanner monocromático e colorido KIP 720 apresenta

Leia mais

Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531

Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531 Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531 Também conhecido por digitalizador Scanner é um periférico de entrada Leitura de textos e imagens

Leia mais

Mídia Impressa X Mídia Eletrônica

Mídia Impressa X Mídia Eletrônica Diferenças entre Mídia Impressa e Eletrônica Resolução Web >> 72dpi Impressão >> 300dpi Padrão de cores Web >> RGB Impressão >> CMYK Tipos de Arquivos Web >> GIF / JPEG Impressão >> TIF / EPS Tamanho dos

Leia mais

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos.

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Scanners Manual Básico Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Tipos de Scanners Diferentes tipos de scanners funcionam de diferentes maneiras. Conheça

Leia mais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais Curso Técnico em Multimídia ETI - Edição e tratamento de imagens digitais 2 Fundamentos "Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e no amor que há em Cristo Jesus." 2 Timóteo 1:13

Leia mais

FORMATOS DE ARQUIVOS FORMATOS DE ARQUIVOS NATIVOS FORMATOS DE ARQUIVOS GENÉRICOS. Produção Gráfica 2 A R Q U I V O S D I G I T A I S -

FORMATOS DE ARQUIVOS FORMATOS DE ARQUIVOS NATIVOS FORMATOS DE ARQUIVOS GENÉRICOS. Produção Gráfica 2 A R Q U I V O S D I G I T A I S - Produção Gráfica 2 FORMATOS DE ARQUIVOS A R Q U I V O S D I G I T A I S - FORMATOS DE ARQUIVOS PARA IMAGEM BITMAPEADAS Uma imagem bitmapeada, uma ilustração vetorial ou um texto são armazenados no computador

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA RESOLUÇÃO

COMPUTAÇÃO GRÁFICA RESOLUÇÃO COMPUTAÇÃO GRÁFICA RESOLUÇÃO Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA RESOLUÇÃO Associada à quantidade e a qualidade de

Leia mais

FOTOGRAFIA DIGITAL Conceitos básicos e aplicações práticas Alexandre Cruz Leão 1 Paulo Baptista 2 revisado em Fevereiro/2007

FOTOGRAFIA DIGITAL Conceitos básicos e aplicações práticas Alexandre Cruz Leão 1 Paulo Baptista 2 revisado em Fevereiro/2007 FOTOGRAFIA DIGITAL Conceitos básicos e aplicações práticas Alexandre Cruz Leão 1 Paulo Baptista 2 revisado em Fevereiro/2007 1 Doutorando em Artes pela UFMG 2 Professor do Departamento de Fotografia, Teatro

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE GED. MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br. VILDEANE BORBA vildeane.borba@gmail.com

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE GED. MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br. VILDEANE BORBA vildeane.borba@gmail.com UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CURSO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS GED MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br

Leia mais

Desenho e Apresentação de Imagens por Computador

Desenho e Apresentação de Imagens por Computador Desenho e Apresentação de Imagens por Computador Conteúdo s: Aspetos genéricos sobre o trabalho com imagens computacionais. Imagens computacionais e programas que criam ou manipulam esse tipo de imagens.

Leia mais

WEB DESIGN ELEMENTOS GRÁFICOS

WEB DESIGN ELEMENTOS GRÁFICOS ELEMENTOS GRÁFICOS Parte 4 José Manuel Russo 2005 24 A Imagem Bitmap (Raster) As imagens digitais ou Bitmap (Raster image do inglês) são desenhadas por um conjunto de pontos quadrangulares Pixel alinhados

Leia mais

Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento

Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento 1 Antes de mais nada, é extremamente necessário lembrar que para tratar uma imagem é necessário que o monitor de seu computador esteja calibrado

Leia mais

Tecnologias EOS 550D. Sensor CMOS Canon

Tecnologias EOS 550D. Sensor CMOS Canon Tecnologias EOS 550D Sensor CMOS Canon Desenhada pela Canon para se conjugar com os processadores DIGIC, a tecnologia CMOS integra circuitos avançados de redução de ruído em cada pixel proporcionando imagens

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Formatos de Imagens

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Formatos de Imagens IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage FormatosdeImagens ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger FormatosdeImagens Índice 1 FORMATOS

Leia mais

Estão corretas: (A) I, II e IV (B) II e III (C) II e IV (D) III e V (E) I, III e V

Estão corretas: (A) I, II e IV (B) II e III (C) II e IV (D) III e V (E) I, III e V FUNDAÇÃO VISCONDE DE CAIRU FACULDADE VISCONDE DE CAIRU CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF.: AFONSO CELSO M. MADEIRA DISCIPLINA: COMPUTAÇÃO GRÁFICA (TACOG) 4º SEMESTRE GABARITO Segundo a

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL Representação da imagem Uma imagem é uma função de intensidade luminosa bidimensional f(x,y) que combina uma fonte de iluminação e a reflexão ou absorção de energia a partir

Leia mais

FOTOGRAFIA. Apostila das Oficinas do Projeto Olha a Gente Aqui

FOTOGRAFIA. Apostila das Oficinas do Projeto Olha a Gente Aqui FOTOGRAFIA Apostila das Oficinas do Projeto Olha a Gente Aqui 1500-1800 A evolução da câmera obscura Conhecida pelos árabes desde a antiguidade, a câmera obscura evoluiu de maneira constante a partir do

Leia mais

TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP

TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP Docente: Bruno Duarte Fev 2010 O que é uma imagem digital? Uma imagem diz-se digital quando existe um ficheiro em computador que guarda a informação gráfica desta

Leia mais

A Temperatura de cor - Texto extraído de:

A Temperatura de cor - Texto extraído de: 77 A Temperatura de cor - Texto extraído de: BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade

Leia mais

Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO. 1.1. A Fotografi a é Necessária

Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO. 1.1. A Fotografi a é Necessária Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO 1.1. A Fotografi a é Necessária 1.2. Problema Léxico: Câmera ou Câmara Fotográfica? 1.3. Da Prata ao Silício 2. DICAS 2.1. 25 Questões Básicas sobre Fotografi a Digital

Leia mais

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress Introdução a Informática - 1º semestre AULA 04 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Criar apresentações básicas com uso do LibreOffice Impress; o Manipular a estrutura de tópicos para a digitação de

Leia mais

Registro Digital. E Padrões de Digitalização

Registro Digital. E Padrões de Digitalização Registro Digital E Padrões de Digitalização INTRODUÇÃO... 1 SELECIONAR UM SCANNER... 2 PADRÕES DE FORMATOS DE ARQUIVOS... 4 DIRETRIZES PARA DIGITALIZAÇÃO... 5 NOMEAR E ORGANIZAR ARQUIVOS DIGITAIS...11

Leia mais

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Professora Andréia Freitas 2012 7 semestre Aula 02 (1)AZEVEDO, Eduardo. Computação Gráfica, Rio de Janeiro: Campus, 2005 (*0) (2) MENEZES, Marco Antonio

Leia mais

Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB.

Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB. Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB. O Portal Art3 é um sistema que permite uma grande flexibilidade na entrega e aprovação de seus

Leia mais

Apresentação do Projeto Gráfico

Apresentação do Projeto Gráfico Arte-final Arquivo feito no computador utilizando softwares específicos que permitem a produção de um fotolito para impressão gráfica. Programas Utilizados para a Produção de Arte-final. Dependendo das

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Informática Prof. Macêdo Firmino Representação da Informação Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Introdução Estamos acostumados a pensar nos computadores como mecanismos complexos,

Leia mais

CorelDRAW 11 1. UM PROGRAMA DE DESIGN

CorelDRAW 11 1. UM PROGRAMA DE DESIGN CorelDRAW 11 1. UM PROGRAMA DE DESIGN Com o Corel você vai trabalhar com um dos aplicativos mais usados no campo do design e da auto-edição, já que permite operar com dois tipos de gráficos (vetoriais

Leia mais

Gestão, metodologia e digitalização de documentos:

Gestão, metodologia e digitalização de documentos: Gestão, metodologia e digitalização de documentos: resultados de um projeto conjunto entre o Arquivo da Cidade e a Câmara Municipal de Belo Horizonte Vilma Camelo Sebe Yuri Melo Mesquita O Arquivo Público

Leia mais

Imagem digital - 1. A natureza da imagem fotográfica. A natureza da imagem fotográfica

Imagem digital - 1. A natureza da imagem fotográfica. A natureza da imagem fotográfica A natureza da imagem fotográfica PRODUÇÃO GRÁFICA 2 Imagem digital - 1 Antes do desenvolvimento das câmeras digitais, tínhamos a fotografia convencional, registrada em papel ou filme, através de um processo

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens Sumário Gráficos e imagens bitmap Tipos de dados para gráficos e imagens Imagens de 1-bit Imagens de gray-level

Leia mais

Conceitos do Photoshop. Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores

Conceitos do Photoshop. Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores Conceitos do Photoshop Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores Bitmap Image Conceito de pixel Imagem bitmap x imagem vetorial Pixel x bits Resolução de tela e imagem 72 pixel/inch 300

Leia mais

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 Mauricio Baggio ÍRIS / DIAFRAGMA Dispositivo que permite o controle da quantidade de luz que atinge o filme ou o sensor no interior da câmera. Este controle é realizado definindo-se

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 05

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 05 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 05 Objetivas É uma lente óptica ou conjunto de lentes usada em conjunto com um corpo de câmera e um mecanismo para reproduzir

Leia mais

SCANNER. Introdução. Aplicações para o scanner. Ilustrações. Texto

SCANNER. Introdução. Aplicações para o scanner. Ilustrações. Texto SCANNER Introdução O scanner traduz as informações que vê na página para um formato que o computador pode usar. O scanner é como uma fotocopiadora, exceto que cria um arquivo de computador em vez de uma

Leia mais

Representação de Imagens

Representação de Imagens Representação de Imagens Primitivas Gráficas As primitivas gráficas são os elementos básicos que formam um desenho. Exemplos: Ponto, segmento, polilinha, polígono, arco de elipse, etc. Primitivas já definidas

Leia mais

- Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização

- Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização Disciplina Bases Computacionais Aula 03 Informação, Dados, Variáveis, Algoritmos Roteiro da Aula: - Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização

Leia mais

ATENÇÃO: * Arquivos com tamanho superior a 500 KB NÃO SERÃO ACEITOS * SOMENTE serão aceitos documentos do formato: PDF

ATENÇÃO: * Arquivos com tamanho superior a 500 KB NÃO SERÃO ACEITOS * SOMENTE serão aceitos documentos do formato: PDF TUTORIAL DE DIGITALIZAÇÃO DIRIGIDO AO USO DO PROCESSO ELETRÔNICO Adaptado do tutorial elaborado pelo colega MAICON FALCÃO, operador de computador da subseção judiciária de Rio Grande. Introdução Este tutorial

Leia mais

Introdução à Fotografia Digital

Introdução à Fotografia Digital Introdução à Fotografia Digital Aula 1 Fundamentos, Câmeras, Obje3vas Disponível em www.ecoclics.com/wp- content/pdf/aula_ifd_1.pdf Roteiro da Aula Apresentações Programação do curso Câmeras Objetivas

Leia mais

Resolução máxima de 12,0 mega pixels com capa fina G-Shot D5123 G-Shot D5123 G-Shot D5123 G-Shot D5123

Resolução máxima de 12,0 mega pixels com capa fina G-Shot D5123 G-Shot D5123 G-Shot D5123 G-Shot D5123 Resolução máxima de 12,0 mega pixels com capa fina A mais nova câmera digital CMOS de 5,0 mega pixels a G-Shot D5123, foi lançada pela Genius. Este novo estilo tem uma aparência preta nobre, e a G-Shot

Leia mais

UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA.

UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA. UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA. Imagem digital é a representação de uma imagem bidimensional usando números binários codificados de modo a permitir seu armazenamento, transferência, impressão ou reprodução,

Leia mais

Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza

Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza Câm ara Escura Tipos de Câmeras A Câmera Básica Componentes comuns em todas as câmeras Visor Objetiva Plano do filme Diafragma Obturador Mecanismos de foco

Leia mais

Linhas de Orientação de Media. GS1 Portugal. Sync PT Linhas de Orientação de Media 1

Linhas de Orientação de Media. GS1 Portugal. Sync PT Linhas de Orientação de Media 1 Linhas de Orientação de Media GS1 Portugal 1 Índice Introdução... 3 Especificações Gerais de Imagens... 4 Propriedades da imagem... 5 Cor e Qualidade... 5 Clipping Paths... 5 Fundo... 6 Borda... 6 Formato

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet

DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet 1 Usar a regra dos 2 3 da imagem. 2 - Lembre-se que o flash tem um alcance limitado,

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação Scanner FI-5530C2 Funções Digitalização de 50 páginas / 100 imagens por minuto Driver e software de captura renovados PaperStream IP PaperStream Capture Gerenciamento centralizado de vários scanners Opcional:

Leia mais

Índice. Temos o Apoio:

Índice. Temos o Apoio: Página 2 de 18 Índice Historinha... 2 Definição... 4 Criação da Imagem... 4 Cores/Tons... 6 Dynamic Range... 7 Ruído (Noise)... 9 Recuperação... 10 Perda de Qualidade... 12 Balanço de Brancos (White Balance)...

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação Scanner FI-6770 Funções Capaz de digitalizar documentos a 90 ppm / 180 ipm Equipado com funções inteligentes para operação eficiente AAD ergonômico Funções Veloz e equipado com Flatbed O fi-6770 equipado

Leia mais

Compressão de Imagens

Compressão de Imagens Compressão de Imagens Compressão de Imagens Geradas por Computador (Gráficos) Armazenamento (e transmissão) como um conjunto de instruções (formato de programa) que geram a imagem Utilização de algum esquema

Leia mais

Fiery Color Server SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS. Glossário

Fiery Color Server SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS. Glossário Fiery Color Server SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS Glossário 2004 Electronics for Imaging, Inc. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos das Avisos de caráter legal deste produto. 45044849

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 3)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 3) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 3) Introdução A possibilidade de utilizarmos imagens, gráficos, desenhos e textos artísticos

Leia mais

Tecnologias PowerShot G1 X Mark II, PowerShot SX700 HS, IXUS 155 e PowerShot D30

Tecnologias PowerShot G1 X Mark II, PowerShot SX700 HS, IXUS 155 e PowerShot D30 Tecnologias PowerShot G1 X Mark II, PowerShot SX700 HS, IXUS 155 e PowerShot D30 EMBARGO: 12 de fevereiro de 2014, 04:00 (UCT) Este documento explica as novas tecnologias que não se encontram nos modelos

Leia mais

PADRÕES NORMAS PROTOCOLOS FORMATOS

PADRÕES NORMAS PROTOCOLOS FORMATOS PADRÕES NORMAS PROTOCOLOS FORMATOS FORMATOS: São as várias conformações na qual uma informação digital pode ser armazenada. Um formato de arquivo é um algoritmo expresso por um software para codificação

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação Scanner FI-7280 Funções Altíssima velocidade de digitalização Alimentador de grande volume Equipado com LCD Equipado com função de proteção avançada de papel Redutor de Desvio - mecanismo estável de alimentação

Leia mais

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1... 3 Apresentação do Photoshop... 3 Barra de Menus... 3 Barra de Opções... 3 Barra de Ferramentas...4

Leia mais

aprenda a fotografar em 7 lições CLAUDIA REGINA dicasdefotografia.com.br

aprenda a fotografar em 7 lições CLAUDIA REGINA dicasdefotografia.com.br aprenda a fotografar em 7 lições CLAUDIA REGINA dicasdefotografia.com.br Prefácio à publicação de 2013 Publiquei este manual pela primeira vez em março de 2009, quando o blog Dicas de Fotografia estava

Leia mais

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Aplicações Informáticas B 12.º Ano de Escolaridade Prova 703/1.ª Fase 10 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED)

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) Automação em Arquivos GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) O que é GED GED é a tecnologia que provê um meio de facilmente armazenar, localizar e recuperar informações existentes em documentos e

Leia mais

Tamanho e resolução da imagem

Tamanho e resolução da imagem Tamanho e resolução da imagem Para se produzir imagens de alta qualidade, é importante compreender como é que os dados dos pixels da imagem são medidos e mostrados. Dimensões dos pixels O número de pixels

Leia mais

TUTORIAL FOTOGRAFIA BÁSICA

TUTORIAL FOTOGRAFIA BÁSICA TUTORIAL FOTOGRAFIA BÁSICA História da Fotografia 1727 - Na Alemanha - John Heinrich. Inventou a fotossensibilidade em sais de prata. 1826 Na França Joseph Nicéphore Nièpce. Inventa a Héliohraphia. Morreu

Leia mais

Conceito Técnico de Fotografia

Conceito Técnico de Fotografia Fotografia Digital Conceito Técnico de Fotografia Fotografar é, por princípio, registrar a luz refletida pelo assunto (entende-se por assunto o que está sendo fotografado). Na câmara digital, como na convencional,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» DESIGN GRÁFICO (Perfil 03) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» DESIGN GRÁFICO (Perfil 03) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» DESIGN GRÁFICO (Perfil 03) «21. Numa determinada cena, um fotógrafo ajusta a velocidade de obturação de sua câmera em 125 e a abertura do diafragma em f=11 (125/11). Se quiser

Leia mais

Câmera de Vídeo Útil MPEG-4 de 5,0 mega pixels reais

Câmera de Vídeo Útil MPEG-4 de 5,0 mega pixels reais Câmera de Vídeo Útil MPEG-4 de 5,0 mega pixels reais A Genius agora lança uma câmera de vídeo inovadora de desenho horizontal, a G-Shot DV5122. Este dispositivo oferece clipes de vídeo de 640 x 480 pixels

Leia mais

Velocidade digital. Força analógica.

Velocidade digital. Força analógica. Scanners de microfilme DSV 2400 e DSV 3000 Software POWERFILM Velocidade digital. Força analógica. DSV 2400 DSV 3000 PROTEJA OS DADOS IMPORTANTES COM UM ARQUIVO DE REFERÊNCIA. O MICROFILME NUNCA FOI TÃO

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO

COMPUTAÇÃO GRÁFICA #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO COMPUTAÇÃO GRÁFICA #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO Que é Computação Gráfica Quais as Áreas da Computação Gráfica Dimensões 2D e 3D Primitivas Gráficas Imagem Matricial e Imagem Vetorial Rasterização

Leia mais

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli Câmera Digital Autor: Darllene Negri Nicioli 2 OBJETIVO Têm como objetivo este trabalho mostrar o princípio de funcionamento geral de uma câmera digital até as vantagens e desvantagens do produto final,

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.: Lillian Alvares Aspectos Gerais O uso da tecnologia digital traz grandes perspectivas de trabalho para os arquivos

Leia mais

2. O que é Redundância de código ou informação? Como a compressão Huffman utiliza isso? Você conhece algum formato de imagem que a utiliza?(1.

2. O que é Redundância de código ou informação? Como a compressão Huffman utiliza isso? Você conhece algum formato de imagem que a utiliza?(1. Respostas do Estudo Dirigido Cap. 26 - Reducing the information:... ou Image Compression 1. Para que serve comprimir as imagens? Que aspectos estão sendo considerados quando se fala de: Compression Rate,

Leia mais

Scanner Compacto SnapScan S1300i

Scanner Compacto SnapScan S1300i Scanner Compacto SnapScan S1300i Especificações Funcionais Velocidade de digitalização melhorada (12 páginas por minuto) Sincronize facilmente com dispositivos ipad/iphone e Android Conecte-se facilmente

Leia mais

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica professor Rafael Hoffmann Cor Modelos cromáticos - Síntese aditiva/cor-luz Isaac Newton foi o responsável pelo desenvolvimento da teoria das cores. Em

Leia mais

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta Teoria da Cor TI Elisa Maria Pivetta A percepção da cor é um processo complexo, resultante da recepção da luz pelo olho e da interpretação desta pelo cérebro. O que de fato determina a cor de um objeto

Leia mais

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010 Marcus Ramos UNIVASF Engenheiro elétrico (USP/82); Mestre em Sistemas Digitais (USP/91); Professor do curso de Engenharia de Computação da UNIVASF em Juazeiro-BA

Leia mais