Juliano Taveira Bernardes e Olavo Augusto Vianna Alves Ferreira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Juliano Taveira Bernardes e Olavo Augusto Vianna Alves Ferreira"

Transcrição

1 CAPÍTULO 2 ORGANIZAÇÃO POLÍTICO- ADMINISTRATIVA BRASILEIRA: FEDERAÇÃO BRASILEIRA. UNIÃO. ESTADOS-MEMBROS. MUNICÍPIOS. DISTRITO FEDERAL. REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS Sumario 1. Federação brasileira: 1.1. Componentes; 1.2. Vedações constitucionais de natureza federativa; 1.3. Capital; 1.4. Idiomas e símbolos oficiais; 1.5. Posição dos Territórios Federais; 1.6. Sistema de execução de serviços 2. União: 2.1. Conceito; 2.2. Personalidade jurídica; 2.3. Bens da União; 2.4. Regiões de desenvolvimento 3. Estados; 3.1. Formação; 3.2. Autonomia: Auto-organização e autolegislação; Autogoverno; Autoadministração; Regiões metropolitanas, aglomerações urbanas e microrregiões; 3.3. Bens dos Estados 4. Municípios: 4.1. Formação; 4.2. Autonomia: Auto-organização e legislação; Autogoverno; Autoadministração 5. Distrito Federal: 5.1. Autonomia: Auto-organização e autolegislação; Autogoverno; Autoadministração; Regiões metropolitanas, aglomerações urbanas e microrregiões 6. Repartição de competências: 6.1. Princípios gerais: Princípio da predominância do interesse; Princípio da subsidiariedade; Princípio dos poderes implícitos; 6.2. Técnicas de repartição: Repartição horizontal; Repartição vertical; 6.3. Sistema da Constituição de 1988; 6.4. Espécies de competências: Quanto à forma; Quanto à extensão; Quanto à origem 235

2 Juliano Taveira Bernardes e Olavo Augusto Vianna Alves Ferreira 1. Federação brasileira 1.1. Componentes Conforme o caput do art. 1º e o art. 18, compõem a Federação brasileira: (a) a União; (b) os Estados; (c) o Distrito Federal; e (d) os Municípios. Sobre os Territórios, ver item 1.5 abaixo Vedações constitucionais de natureza federativa Trata-se das proibições concebidas pelo constituinte com a finalidade específica de manter o equilíbrio federativo e de preservar a laicidade da Federação brasileira. Constam dos incisos I a III do art. 19 da Constituição e se dirigem a todos os entes federados. Daí ser vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: a) Estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar- -lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público (inciso I); IMPORTANTE: 1) O inciso I do art. 19 da Constituição evidencia a natureza laica do Estado brasileiro (princípio da laicidade estatal). 2) Embora laico, o Estado brasileiro é considerado teísta, porque assume a crença em alguma força criadora superior, como evidencia a referência à proteção de Deus contida no Preâmbulo da Constituição de ) Em aparente contradição à natureza laica do Estado brasileiro, o 1º do art. 210 da Constituição determina a inclusão do ensino religioso como disciplina normal nas escolas públicas de ensino fundamental, embora facultativa a matrícula. b) recusar fé aos documentos públicos (inciso II); c) criar distinções entre brasileiros ou preferências entre si (inciso III) Capital A capital da República Federativa do Brasil é Brasília ( 1º do art. 18), e não mais o Distrito Federal, como estava no art. 2º da Constituição anterior. 236

3 ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA BRASILEIRA: FEDERAÇÃO BRASILEIRA Idiomas e símbolos oficiais O art. 13 da Constituição estabelece a língua portuguesa como idioma oficial do Estado brasileiro (art. 13, caput). Todavia, o art. 231 garante às comunidades indígenas o uso das línguas que lhes são próprias. Como o STF já decidiu a questão: O Plenário do STF não admitiu habeas corpus redigido em língua espanhola, ainda que o órgão julgador dominasse o idioma estrangeiro. Entendeu o STF que o conteúdo da peça processual deve ser acessível a todos, sendo irrelevante, para esse efeito, que o juiz da causa conheça, eventualmente, o idioma estrangeiro utilizado pelo impetrante. A imprescindibilidade do uso do idioma nacional nos atos processuais, além de corresponder a uma exigência que decorre de razões vinculadas à própria soberania nacional, constitui projeção concretizadora da norma inscrita no art. 13, caput, da Carta Federal, que proclama ser a língua portuguesa o idioma oficial da República Federativa do Brasil (QO no HC /DF). Por sua vez, são símbolos da República Federativa do Brasil: a bandeira, o hino, as armas e o selo nacionais ( 1º do art. 13). A regulamentação dos Símbolos Nacionais se deu com a Lei 5.700/71, cujas disposições exigem, por exemplo, o ensino obrigatório do desenho e do significado da Bandeira Nacional, bem como do canto e da interpretação da letra do Hino Nacional em todos os estabelecimentos de ensino, públicos ou particulares, do primeiro e segundo graus (art. 39), além da execução compulsória do Hino Nacional, uma vez por semana, nos estabelecimentos públicos e privados de ensino fundamental (art. 39, parágrafo único, com redação da Lei /2009). Curioso notar que legislador previu, ainda, que ninguém poderá ser admitido no serviço público sem que demonstre conhecimento do Hino Nacional (art. 40). Os Estados-membros, o DF e os Municípios também podem adotar símbolos próprios ( 2º do art. 13) Posição dos Territórios Federais Territórios Federais são pessoas jurídicas de direito público interno que integram a estrutura descentralizada da União ( 2º do art. 18). 237

4 Juliano Taveira Bernardes e Olavo Augusto Vianna Alves Ferreira Embora atualmente não exista nenhum, poderão ser criados por meio de lei complementar (art. 18, 2º). Ao contrário do ocorre com o DF, é possível que um Território Federal seja dividido em Municípios (art. 33, 1º). Não possuem capacidade política, mas apenas capacidades administrativas, daí por que são considerados entidades autárquicas (autarquias territoriais) cujo regime jurídico deve ser regulado pela legislação federal infraconstitucional (caput do art. 33). É o Congresso Nacional quem exerce a função legislativa primária acerca dos assuntos dos Territórios Federais. Todavia, a Constituição prevê a edição de lei a regulamentar as eleições e a competência deliberativa das Câmaras Territoriais (art. 33, 3º). Sobre a iniciativa legislativa presidencial a respeito, v. item B do Capítulo 7. Conforme a Constituição Federal, o Poder Executivo dos Territórios Federais deverá ser exercido por Governador nomeado pelo Presidente (art. 84, XIV), após sabatina do Senado (art. 52, III, c ). Já a prestação de contas do Governo dos Territórios Federais é feita perante o Congresso Nacional, com o auxílio do TCU (art. 33, 2º). Nos Territórios com mais de 100 mil habitantes, além do Governador, haverá órgãos judiciários de primeiro e segundo graus, bem como membros do MP e defensores públicos federais. Contudo, todos esses órgãos são mantidos e organizados pela própria União (art. 21, XIII). A) A despeito da alteração promovida pela EC 19/98 no inciso XIV do art. 21 da Constituição, a União segue competente para organizar e manter tanto as polícias civil e militar quanto o Corpo de Bombeiros militar dos Territórios. B) A menos que o Território possua mais de 100 mil habitantes e daí disponha de tribunal próprio, compete ao TJDFT o julgamento do Governador de Território Federal em caso de crimes comuns e de responsabilidade (art. 8º, I, da Lei /2008). 238

5 ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA BRASILEIRA: FEDERAÇÃO BRASILEIRA Sistema de execução de serviços No Federalismo, são conhecidos os seguintes tipos de sistema de execução de serviços públicos: a) sistema da execução imediata: pelo qual cada ente federal mantém corpo próprio de servidores públicos para a execução dos serviços respectivos, mas pode haver cooperação entre eles. Ex.: EUA, Argentina, México; b) sistema de execução mediata: serviços federais prestados por servidores estaduais, havendo pequeno número de servidores federais incumbidos da fiscalização e da vigilância dos serviços prestados. Ex.: Índia e Alemanha; c) sistema de execução mista: permite-se a execução de serviços federais por funcionários estaduais e vice-versa. Ex.: Suíça e Áustria; A Constituição de 1988 adotou o sistema de execução imediata, mas admitiu a cooperação entre os entes federais (art. 23, parágrafo único, com redação da EC 53/2006). Nesse sentido, por exemplo, ver a LC 140/2011, que traz normas sobre a cooperação específica entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios nas ações administrativas relativas à proteção das paisagens naturais notáveis, à proteção do meio ambiente, ao combate à poluição em qualquer de suas formas e à preservação das florestas, da fauna e da flora. 2. União 2.1. Conceito É a entidade federal autônoma, formada pela reunião das partes componentes, a quem cabe exercer as prerrogativas da soberania do Estado brasileiro (JOSÉ AFONSO DA SILVA) Personalidade jurídica a) Direito público externo (direito internacional): São os órgãos da União que representam, nas relações internacionais, o Estado brasileiro. Nessa linha, o Presidente da República age, a um só tempo, como chefe do Poder Executivo da União e chefe do Estado nacional (República Federativa do Brasil). 239

6 Juliano Taveira Bernardes e Olavo Augusto Vianna Alves Ferreira Contudo, não é a União quem aparece nos atos internacionais, mas a República Federativa do Brasil, já que aquela se traduz como simples entidade pertencente a esta. Os demais membros da Federação não têm representação nem competência de direito internacional, o que os torna meras pessoas jurídicas de direito público interno. Assim, ainda que possam celebrar vínculos jurídicos com pessoas jurídicas estrangeiras (particulares ou governamentais), não há nisso automático comprometimento da vontade ou da responsabilidade da Estado brasileiro (CELSO RI- BEIRO BASTOS). Como o STF já decidiu a questão: No RE /RS, o STF considerou constitucional tratado internacional que instituíra isenção de tributos de competência dos Estados-membros, a despeito da vedação constante no inciso III do art. 151 da CF/88. Segundo o entendeu a Corte, essa vedação limita apenas a União no âmbito de sua competência interna federal, mas não se aplica às hipóteses em que a União atua como sujeito de direito na ordem internacional. b) Direito público interno: A União, como ente federal, possui personalidade jurídica de direito público interno (Código Civil, art. 41, I). E, nessa qualidade, é titular de direitos e obrigações, além de responsável pelos atos de seus agentes (art. 37, 6º, da Constituição). Como esse assunto foi cobrado em concurso? O Concurso para Promotor de Justiça do MPDFT (2003) considerou correta a seguinte alternativa: Na Federação Brasileira, o Congresso Nacional, dependendo da matéria legislada, atua como legislativo nacional (ordem total kelseniana) ou como legislativo federal (ordem parcial central kelseniana) Bens da União Conforme art. 20 da CF/88, cujo inciso IV foi alterado pela EC 46/2005, são bens da União: I os que atualmente lhe pertencem e os que lhe vierem a ser atribuídos; II as terras devolutas indispensáveis à defesa das fronteiras, das fortificações e construções militares, das vias federais de comunicação e à preservação ambiental, definidas em lei; III os lagos, rios e quaisquer correntes de água em terrenos de seu 240

7 ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA BRASILEIRA: FEDERAÇÃO BRASILEIRA... domínio, ou que banhem mais de um Estado, sirvam de limites com outros países, ou se estendam a território estrangeiro ou dele provenham, bem como os terrenos marginais e as praias fluviais; IV as ilhas fluviais e lacustres nas zonas limítrofes com outros países; as praias marítimas; as ilhas oceânicas e as costeiras, excluídas, destas, as que contenham a sede de Municípios, exceto aquelas áreas afetadas ao serviço público e a unidade ambiental federal, e as referidas no art. 26, II; V os recursos naturais da plataforma continental e da zona econômica exclusiva; VI o mar territorial; VII os terrenos de marinha e seus acrescidos; VIII os potenciais de energia hidráulica; IX os recursos minerais, inclusive os do subsolo; X as cavidades naturais subterrâneas e os sítios arqueológicos e pré-históricos; XI as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios. Esses bens são objeto de estudo do direito administrativo, daí por que não merecerão detalhamento neste estudo. Ressalte-se, apenas, que graves questões fundiárias, relacionadas ao problema da impossibilidade de usucapir bens públicos (art. 183, 3º), levaram o constituinte derivado a reformar a Constituição, para excluir dos bens da União as ilhas costeiras que contenham sede de Municípios, exceto aquelas áreas afetadas ao serviço público e a unidade ambiental federal (inciso IV do art. 20 com redação da EC 46/2005). Como esse assunto foi cobrado em concurso? O Concurso para Magistratura Estadual do TJSC (2003), ao questionar sobre os bens pertencentes à União, considerou correta a alternativa com a seguinte redação: os recursos minerais, inclusive do subsolo, e os potenciais de energia elétrica Regiões de desenvolvimento Com fins administrativos e com objetivo de reduzir desigualdades regionais (cf. arts. 3º, III; 151, I; e 170, VII), a CF/88 possibilita à União a criação de regiões de desenvolvimento, permitindo a concessão de benefícios, tais como juros favorecedores, isenções e prioridades (art. 43 e seus ). 241

8 Juliano Taveira Bernardes e Olavo Augusto Vianna Alves Ferreira Como esse assunto foi cobrado em concurso? O Concurso para Promotor de Justiça do MPDFT (2009) considerou errada a seguinte alternativa: No sistema constitucional brasileiro, a União é soberana e sobrepõe as suas competências às das demais entidades federadas por representar o interesse público nacional. Na mesma questão, foi considerada correta a seguinte alternativa: No sistema constitucional brasileiro, os entes federados União, Estados, Distrito Federal e Municípios são igualmente autônomos politicamente. 3. Estados São as entidades-componentes que dão estrutura a um Estado federal. Sem Estados-membros não há Federalismo Formação A CF/88 permite aos Estados-membros a incorporação entre si, a fusão, a subdivisão, desmembramento ou formação de novos Estados ou Territórios Federais, mediante aprovação da população diretamente interessada (plebiscito) e do Congresso Nacional (lei complementar) art. 18, 3º. A Lei 9.709/98 (art. 4º) determina que o Congresso Nacional, antes de editar a lei complementar de que trata o 3º do art. 18, ouça as Assembleias Legislativas de cada Estado-membro envolvido, as quais fornecerão detalhamentos técnicos concernentes aos aspectos administrativos, financeiros, sociais e econômicos da área geopolítica afetada. IMPORTANTE: a) Fusão: reunião de dois ou mais Estados-membros num só, extinguindo- -se os Estados originários. b) Incorporação: fenômeno pelo qual um Estado-membro agrega-se a outro, com extinção somente do Estado agregado. Exemplo: a incorporação do Estado da Guanabara pelo Estado do Rio de Janeiro (LC 20/74). c) Subdivisão: fracionamento de um Estado-membro em dois ou mais Estados distintos, extinguindo-se o Estado originário. d) Desmembramento: fracionamento de um Estado-membro em dois ou mais Estados distintos, mantendo-se o Estado originário. Exemplo: a criação do Estado do Tocantins (art. 13 do ADCT). 242

9 ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA BRASILEIRA: FEDERAÇÃO BRASILEIRA... Como o STF já decidiu a questão: Ao apreciar a ADIn 2.650/DF, o Plenário da Corte entendeu que, a despeito da nova redação dada pela EC 15/96 ao 4º do art. 18 da Constituição, o desmembramento de um Estado-membro pressupõe consulta, mediante plebiscito, da população de todo o Estado, e não somente da área que se pretende destacar Autonomia Envolve a capacidade de auto-organização, autolegislação (normatização), autogoverno e autoadministração (arts. 18 e da Constituição) Auto-organização e autolegislação Os Estados auto-organizam-se por meio de constituições estaduais e após, num nível normativo inferior, mediante a legislação baixada pelas respectivas Assembleias Legislativas. a) Limites ao poder dos Estados-membros: Como os Estados-membros são autônomos, e não soberanos, a autonomia estadual é restringida pela Constituição Federal. Assim, mesmo o poder constituinte dos Estados-membros deve curvar-se aos já mencionados: (a) princípios constitucionais sensíveis; (b) princípios constitucionais estabelecidos; e (c) princípios constitucionais extensíveis. (Sobre tais princípios, veja-se item B e C do Capítulo 2 da Parte I do Tomo I). b) Interpretação dos limites constitucionais à autonomia: Conforme doutrina majoritária, a interpretação dos limites constitucionais à autonomia dos Estados-membros deve ser feita restritivamente, sob pena de violação do princípio federalista e da cláusula pétrea inserida no art. 60, 4º, inciso I Autogoverno Trata-se da capacidade de formação e constituição autônoma de Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário próprios, sem a interferência federal. 243

Direito Constitucional II Organização do Estado Político-Administrativa. Arts. 18 e seguintes da Constituição Federal

Direito Constitucional II Organização do Estado Político-Administrativa. Arts. 18 e seguintes da Constituição Federal Direito Constitucional II Organização do Estado Político-Administrativa Arts. 18 e seguintes da Constituição Federal Conceitos Organização político-administrativa, em sentido próprio, significam por um

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, ao Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2007, que transfere ao domínio do Estado do Amapá terras pertencentes

Leia mais

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro Legislação Territorial Constituição Federal de 1988 Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro 01. Como a propriedade é tratada pela constituição brasileira?

Leia mais

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 a) CARACTERÍSTICAS I. Órgãos representativos: Câmara dos Deputados Representa o Povo

Leia mais

ACADEMIA DO CONCURSO

ACADEMIA DO CONCURSO AULÃO DO DIA 26/07/2015 QUESTÕES DE PROVAS ANTERIORES 1. (FGV/TJ/AM/Analista Judiciário/2013) Os bens listados a seguir, integram o domínio da União, à exceção de um. Assinale-o. a) Todas as terras devolutas.

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

@PROVA MPU: TÉCNICO DIREITO CONSTITUCIONAL

@PROVA MPU: TÉCNICO DIREITO CONSTITUCIONAL @PROVA MPU: TÉCNICO DIREITO CONSTITUCIONAL 51. Todas as normas presentes na CF, independentemente de seu conteúdo, possuem supremacia em relação à lei ordinária, por serem formalmente constitucionais.

Leia mais

Sumário. Prefácio... 5. Introdução... 17. Parte I: ESTADO FEDERAL E OS ESTADOS FEDERADOS

Sumário. Prefácio... 5. Introdução... 17. Parte I: ESTADO FEDERAL E OS ESTADOS FEDERADOS Sumário Prefácio... 5 Introdução... 17 Parte I: ESTADO FEDERAL E OS ESTADOS FEDERADOS 1. Surgimento, Expansão e Evolução do Federalismo... 23 1.1 Alguns Conceitos Importantes... 23 1.2 Origem do Federalismo:

Leia mais

DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL

DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL A organização político administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os Estados, o Distrito Federal, e os Municípios, todos autônomos, nos termos

Leia mais

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 I Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Brasília, 29 de março de 2012 SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - SISNAMA O

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA: ENTES FEDERADOS

ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA: ENTES FEDERADOS ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA: ENTES FEDERADOS 251 CAPÍTULO IV ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA: ENTES FEDERADOS DIREITO CONSTITUCIONAL 1. NOÇÕES O conceito de federação surgiu nos EUA, em 1787,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João e José são pessoas com deficiência física, tendo concluído curso de nível superior. Diante da abertura de vagas para preenchimento de cargos vinculados ao Ministério

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

GRAN CUSROS ESCOLA PARA CONCURSOS PÚBLICOS

GRAN CUSROS ESCOLA PARA CONCURSOS PÚBLICOS GRAN CUSROS ESCOLA PARA CONCURSOS PÚBLICOS PROFESSOR: SÉRGIO WAGNER Analista Processual do MPU MPDFT Pós-Graduado em Direito Público, Estado e Constituição. Estudos sobre a Organização Político-Administrativa

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

Organização Político Administrativa FTC 2011

Organização Político Administrativa FTC 2011 Organização Político Administrativa FTC 2011 Organização Político Administrativa O Brasil adotou a Federação como forma de organização do Estado. A Federação é uma aliança de Estados para a formação de

Leia mais

Conteúdo de sala de aula.

Conteúdo de sala de aula. Assunto. Administração Pública I. Categoria. Conteúdo de sala de aula. III - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Mesmo sabendo que a expressão Administração Pública tem vários sentidos e formas de estudo, nesse momento

Leia mais

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativa da Área XI Meio ambiente e direito ambiental, desenvolvimento urbano e interior OUTUBRO/2015 Suely Mara Vaz

Leia mais

prof.luisalberto@gmail.com Master Juris Master Juris

prof.luisalberto@gmail.com Master Juris <master@masterjurisonline.com> Master Juris <master@masterjurisonline.com> Art. 8. A organização político-administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, todos autônomos, nos termos desta Constituição. SOBERANIA

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL 78 QUESTÕES DE PROVAS DA BANCA ORGANIZADORA DO CONCURSO SEFAZ/MS E DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE MS GABARITADAS. Seleção das Questões: Prof. Flávio Alencar Coordenação

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO O Desenvolvimento Urbano e a Constituição Federal AS COMPETÊNCIAS DA UNIÃO Art. 21. Compete à União: XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 REGINA MARIA GROBA BANDEIRA Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Direito Administrativo,

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do art. 23 da Constituição Federal, para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas

Leia mais

ICMS: Guerra Fiscal e a Zona Franca de Manaus. Carlos Alberto de Moraes Ramos Filho

ICMS: Guerra Fiscal e a Zona Franca de Manaus. Carlos Alberto de Moraes Ramos Filho ICMS: Guerra Fiscal e a Zona Franca de Manaus Carlos Alberto de Moraes Ramos Filho Guerra Fiscal : Definição Práticas competitivas entre entes de uma mesma federação em busca de investimentos privados.

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

Competência dos Entes Federativos na Legislação Ambiental

Competência dos Entes Federativos na Legislação Ambiental Competência dos Entes Federativos na Legislação Ambiental Abril 2009 Prof. Dr. Roger Stiefelmann Leal nas Constituições Anteriores Constituição de 1946 Art 5º - Compete à União: XV - legislar sobre: l)

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

O Congresso Nacional, invocando a proteção de Deus, decreta e promulga a seguinte

O Congresso Nacional, invocando a proteção de Deus, decreta e promulga a seguinte 1967/69 Constituição da República Federativa do Brasil (de 24 de janeiro de 1967) O Congresso Nacional, invocando a proteção de Deus, decreta e promulga a seguinte CONSTITUIÇÃO DO BRASIL TÍTULO I Da Organização

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSORA DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO TEMA: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA. 2 o. SEMESTRE/2009

MATERIAL DE APOIO PROFESSORA DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO TEMA: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA. 2 o. SEMESTRE/2009 INTENSIVO REGULAR DE SÁBADO Disciplina: Direito Administrativo Profª.: Daniela Mello Datas: 03.10.2009 Aula n 01 MATERIAL DE APOIO PROFESSORA DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO TEMA: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social. A Regulamentação das Aposentadorias Especiais

MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social. A Regulamentação das Aposentadorias Especiais MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social A Regulamentação das Aposentadorias Especiais Brasília - DF, 14 de setembro de 2010 Quantidade de Servidores da União,

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

COMPETÊNCIA ARTIGOS 21 A 33 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

COMPETÊNCIA ARTIGOS 21 A 33 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL COMPETÊNCIA ARTIGOS 21 A 33 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL A primeira informação que devemos procurar sobre a unidade que vamos agora trabalhar (denominada de competência) e para que se possa ter um bom entendimento

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS. Aspectos Legais do Gerenciamento de Recursos Hídricos

RECURSOS HÍDRICOS. Aspectos Legais do Gerenciamento de Recursos Hídricos RECURSOS HÍDRICOS Aspectos Legais do Gerenciamento de Recursos Hídricos WORKSHOP A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DO SETOR PRODUTIVO EM FÓRUNS AMBIENTAIS CIESP - JUNDIAÍ SETEMBRO - 2010 Wilson A. Bonança

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

CURSO ON-LINE DIREITO CONSTITUCIONAL EM EXERCÍCIOS CESPE PROFESSOR: VICENTE PAULO

CURSO ON-LINE DIREITO CONSTITUCIONAL EM EXERCÍCIOS CESPE PROFESSOR: VICENTE PAULO Aula 5: Organização do Estado brasileiro. Repartição de competências. Intervenção Bom dia. Na aula de hoje, estudaremos como a vigente Constituição da República estruturou o nosso Estado, dispondo sobre

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do

Leia mais

Presidência da República. Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011

Presidência da República. Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do

Leia mais

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 8 13/3/2012 16:26 Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do

Leia mais

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário.

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1)Poderes Administrativos: Poder hierárquico continuação:

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Nº DE 2012

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Nº DE 2012 PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Nº DE 2012 Altera o 1º do art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para dar interpretação à DRU, excluindo de sua base de cálculo a transferência da

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 398, de 2012, do Senador Pedro Taques, que

Leia mais

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa Vitória, 07 de julho de 2008. Mensagem n º 156/ 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que vetei totalmente o Projeto de Lei n 116/2007, por considerá-lo inconstitucional, pois padece dos vícios de

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE AGRONÔMICA ESTADO DE SANTA CATARINA

PREFEITURA MUNICIPAL DE AGRONÔMICA ESTADO DE SANTA CATARINA EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2014 JULGAMENTO DOS RECURSOS CONTRA QUESTÕES E GABARITO DAS PROVAS ESCRITAS Número de recursos Prova/Conteúdo Questão Despacho Decisão Dois candidatos impetraram recurso

Leia mais

AULA 05. 4 características que devem revestir a atividade estatal: Referibilidade deve informar as taxas. A referibilidade apresenta 2 vieses:

AULA 05. 4 características que devem revestir a atividade estatal: Referibilidade deve informar as taxas. A referibilidade apresenta 2 vieses: Turma e Ano: Master A (2015) Matéria / Aula: Direito Tributário / Aula 05 Professor: Vanessa Siqueira Monitora: Evellyn Nobre AULA 05 Conteúdo da aula: Taxas; Base de Cálculo; Princípios de Justiça Legal;

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO Em resposta à questão de ordem apresentada pelo Senador

Leia mais

ANÁLISE CONSTITUCIONAL DA DIVISÃO ESPACIAL DO PODER RESUMO

ANÁLISE CONSTITUCIONAL DA DIVISÃO ESPACIAL DO PODER RESUMO 1 ANÁLISE CONSTITUCIONAL DA DIVISÃO ESPACIAL DO PODER MARCIA WEBER LOTTO RIBEIRO 1 RESUMO Objetiva-se demonstrar através deste trabalho as regras constitucionais que regem a divisão espacial do poder,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL A CE-MS segue um padrão semelhante à Constituição Federal, reproduzindo em muitos artigos o que foi estabelecido na CF de 1988. Trataremos apenas de algumas

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

Da competência privativa da União para legislar sobre seguros

Da competência privativa da União para legislar sobre seguros Da competência privativa da União para legislar sobre seguros A autonomia das entidades federativas pressupõe repartição de competências para o exercício e desenvolvimento de sua atividade normativa. (HORTA,

Leia mais

Constituições. Constituições

Constituições. Constituições Constituições Constituições Federal - Estadual Federal e Estadual Prof. Fabio Milani Prof. Fabio Milani DICAS DE ÚLTIMA HORA DE DIREITO CONSTITUCIONAL Direito Constitucional Para fins de prova deconstitucional,

Leia mais

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem:

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem: STF MINISTROS 11 CIDADÃO +35 / - 65 N.S.J / R.I Pres. Repúb. Senado Federal Maioria absoluta NÃO POS- SUE ORI- GEM Processar e julgar, originariamente: a) a ADi de lei ou ato normativo federal ou estadual

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS Prof. Gabriel Dezen Junior (autor das obras CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS e TEORIA CONSTITUCIONAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS, publicadas pela Editora Leya

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011 Reginaldo Minaré Diferente do Estado unitário, que se caracteriza pela existência de um poder central que é o núcleo do poder político, o Estado federal é

Leia mais

1 (FCC/TRE-RS/Analista/2010) A publicidade, como um dos princípios básicos da Administração,

1 (FCC/TRE-RS/Analista/2010) A publicidade, como um dos princípios básicos da Administração, 1 (FCC/TRE-RS/Analista/2010) A publicidade, como um dos princípios básicos da Administração, a) deve ser observada em todo e qualquer ato administrativo, sem exceção. b) é elemento formativo do ato. c)

Leia mais

Regime jurídico das empresas estatais

Regime jurídico das empresas estatais Prof. Márcio Iorio Aranha Regime jurídico das empresas estatais 1) Submissão aos princípios gerais da Administração Pública (art. 37, caput legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência)

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS 11.1 DEFINIÇÃO A Constituição de 1988, nos arts. 136 a 141, prescreve as regras relativas ao Estado de Defesa e ao Estado Sítio. São normas que visam à

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL, DE 18 DE SETEMBRO DE 1946

CONSTITUIÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL, DE 18 DE SETEMBRO DE 1946 CONSTITUIÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL, DE 18 DE SETEMBRO DE 1946 Art 5º - Compete à União: TÍTULO I Da Organização Federal CAPÍTULO I Disposições Preliminares IX - fiscalizar as operações de estabelecimentos

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR

N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR Relator: Ministro Marco Aurélio Requerente: Procurador-Geral da República Interessados: Governador do Estado de Sergipe Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Seminário de Licenciamento Ambiental de Destinação Final de Resíduos Sólidos Brasília, DF - Novembro de 2005 Coleta de resíduos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 5.249, DE 2013 (Do Sr. Jorge Tadeu Mudalen)

PROJETO DE LEI N.º 5.249, DE 2013 (Do Sr. Jorge Tadeu Mudalen) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.249, DE 2013 (Do Sr. Jorge Tadeu Mudalen) Dispõe sobre o "Sistema de Comanda Eletrônica" (pré-paga) para o consumo em bares, boates, casas de festas, espetáculos

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre a impossibilidade jurídica do Tribunal do Júri na Justiça

Leia mais

Objetivo da exposição

Objetivo da exposição Objetivo da exposição Explanar a respeito do Pacto Federativo Brasileiro na forma como ele está explicitado na nossa Constituição da República. A Federação Brasileira - O Brasil não surgiu como Estado

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Segurança Pública, no entendimento do professor Orlando Soares (in Comentários à Constituição da República Federativa do Brasil), traduz o estado

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo II Chapecó, março/2012 1 Aspectos Legais da Licitação de Obras Denise Regina Struecker Auditora

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

DIREITO ADMINISTRATIVO ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIREITO ADMINISTRATIVO ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Atualizado em 27/10/2015 ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DESCENTRALIZAÇÃO E DESCONCENTRAÇÃO A administração pública exerce as suas competências

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

Estudaremos todo o conteúdo contido no último edital organizado pela FCC em 2011. Veja com foi:

Estudaremos todo o conteúdo contido no último edital organizado pela FCC em 2011. Veja com foi: Caro concursando, meu nome é Adeilson de Melo, mais uma vez fui convidado pelo organizador do deste site, prof. Francisco Junior, para ministrar aulas de outra disciplina muito importante para o nosso

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Direito Administrativo Aula 01

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Direito Administrativo Aula 01 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Direito Administrativo Aula 01 Lei 8.666/93 Licitações Normais Gerais Conceito da Lei Dispensa de Licitação Tipos de Licitação Contrato Administrativo Direito Administrativo Aula

Leia mais

PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS DA DEFENSORIA PÚBLICA

PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS DA DEFENSORIA PÚBLICA PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS DA Caio Cezar Buin Zumioti 1 A Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 05 de outubro de 1988, em seu art. 5º, inciso LXXIV, diz que o Estado prestará assistência

Leia mais

Evandro Guedes. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Evandro Guedes. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br Evandro Guedes Graduado em Administração de Empresas pelo Centro Universitário Barra Mansa (UBM). Graduado em Direito pelo Centro Universitário Geraldo di Biasi (UGB) e pela Faculdade Assis Gurgacz (FAG-PR).

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128 DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128 DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128 DE 2006 Altera o 1º do art. 1º da Medida Provisória nº 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, para incluir os estudantes da educação fundamental de jovens e adultos como beneficiários

Leia mais

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL É o ato de intervir (tomar parte), toda vez que a ação de um Estado- Membro perturbe o sistema constitucional federativo ou provoque grave anormalidade

Leia mais