DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SUPERMERCADO E CASA DE CARNES ARAGUAIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SUPERMERCADO E CASA DE CARNES ARAGUAIA"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO UNIRG FACULDADE UNIRG MUNICÍPIO DE GURUPI RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SUPERMERCADO E CASA DE CARNES ARAGUAIA Acadêmico: Nilton Augusto Figueiras Fagundes Professor orientador: Donária Coelho Duarte, Dra. Gurupi, novembro de 2008

2 1 NILTON AUGUSTO FIGUEIRAS FAGUNDES DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SUPERMERCADO E CASA DE CARNES ARAGUAIA Relatório organizacional apresentado ao Centro Universitario UNIRG, como requisito parcial para a disciplina Estágio Supervisionado I. Orientador: Profa. Donária Coelho Duarte, Dra. Gurupi, outubro de 2008

3 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DELINEAMENTO DA PESQUISA TÉCNICAS DE PESQUISA ANÁLISE DE DADOS CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE AMBIENTE INTERNO Aspectos estratégicos Aspectos financeiros Aspectos mercadológicos Aspectos de recursos humanos Aspectos de prestação de serviços AMBIENTE EXTERNO CONCLUSÃO SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA...17 REFERÊNCIAS...19

4 3 1 INTRODUÇÃO Este trabalho tem como objetivo analisar o ambiente interno e externo do Supermercado e Casa de Carnes Araguaia, empresa do ramo de varejo que atua na venda de carnes e produtos secos e molhados em geral, na pequena cidade de Alvorada-TO. O presente estudo foi desenvolvido através de entrevistas com a proprietária e funcionários, buscando visualizar dentro da empresa as falhas e os acertos da organização. Foram utilizados também o método de pesquisa bibliográfica, pois é através deste método que se possibilita aos envolvidos um conhecimento teórico do assunto estudado. No decorrer do estudo será possível conhecer a história, os meios estratégicos, financeiros, mercadológicos, de recursos humanos e de prestação de serviço da organização. O diagnóstico foi desenvolvido para que o acadêmico coloque em prática tudo o que foi visto na teoria no decorrer de mais de dois anos de estudo. Através desse diagnóstico foi possível que o estagiário visualizasse o cotidiano da organização empresarial com um olhar crítico, tendo em vista que o estagiário é um dos colaboradores da empresa. Para a empresa a relevância deste diagnóstico resume-se no conhecimento adquirido através do contato direto com o mundo atual das organizações, a proprietária pode visualisar a empresa de uma forma diferente da que ela estava habituada e começar colocar em prática seus novos conhecimento adquiridos em prol da empresa.

5 4 2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Neste capítulo serão apresentados os procedimentos, as técnicas e a análise dos dados utilizados para pesquisa do presente trabalho. 2.1 DELINEAMENTO DA PESQUISA Essa pesquisa teve como objetivo o conhecimento da área de trabalho de uma pequena organização, tais como: sua área de planejamento, área mecadológica, financeira, de recursos humanos (RH) e de prestação de serviço. Para isso foram utilizados os métodos de pesquisa indutiva, descritiva e exploratória. De acordo com Cervo e Bervian (2002, p. 23), método é o conjunto de processos empregados na investigação e na demonstração da verdade.. No método de pesquisa indutiva sabe-se que é um método utilizado para observância da realidade de forma ampla dentro de uma organização. De acordo com Prestes (2003, p. 30), o método indutivo é aquele se utiliza a indução, processo mental em que, partindo-se de dados particulares, devidamente constatados, pode-se inferir uma verdade geral ou universal não contida nas partes examinadas. Quanto ao que se refere a pesquisa descritiva e exploratória, Lakatos e Marconi (2001, p. 39) dizem que: A pesquisa descritiva usa padrões textuais como, por exemplo, questionários para identificação do conhecimento. Tem por finalidade observar, registrar e analisar os fenômenos sem, entretanto, entrar no mérito de seu conteúdo. Na pesquisa exploratória estuda-se um fenômeno presente, ainda pouco estudado entre as comunidades. As investigações resultantes desta natureza objetivam aproximar o pesquisador do fenômeno para que este se torne familiarizado com as carcterística e peculariedades do tema a ser explorado, para assim desvendar obtendo percepções, idéias desconhecidas e inovadoras sobre os mesmo. pesquisa. Após feito o delineamento da pesquisa serão apresentadas as técnicas utilizadas para 2.2 TÉCNICAS DE PESQUISA

6 5 O presente trabalho teve como técnicas de pesquisa a observância do cotidiano da empresa, além de conversas em forma de entrevistas com a proprietária e funcionários, possibilitado através de um convívio direto dentro da organização. Também foi utilizado a técnica de pesquisa bibliográfica, técnica essa que Ruiz (2000, p.58) afirma que consiste no exame desse manancial, para levantamento e análise do que já se produziu sob determinado assunto que assumimos como tema de pesquisa científica. Essas técnicas de pesquisa serviram para que os dados necessários para o estudo fossem coletados. No próximo tópico serão apresentados a análise desses dados coletados. 2.3 ANÁLISE DE DADOS A análise dos dados dentro do processo metodológico se faz necessário para se obter informações corretas e confiáveis. Oliveira (2006 p ) afirma que: Dado é qualquer elemento identificado em sua forma bruta que, por si só, não conduz a uma compreensão de determinado fato ou situação e, portanto, não possibilita a tomada de decisão enquanto que informação é o dado trabalhado que permite ao executivo a tomar uma decisão. No estudo realizado, após a coleta dos dados, o próximo passo foi analisá-los e tranformá-los nas tais informações. Dentro da análise de dados existem técnicas de pesquisa quantitativa e qualitativas. No estudo realizado, utilizou-se da técnica qualitativa, tendo em vista que é a técnica mais a propriada quando se tem poucas informações ou essas são coletadas através de informações primárias. Oliveira (2006, p. 116), diz que a abordagem qualitativa se difere da quantitativa pelo fato de não haver pretensão de enumerar ou medir unidades ou categorias homogêneas. A pesquisa qualitativa tem como objetivos situações complexas ou estritamente particulares.

7 6 3 CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE O Supermercado e Casa de Carnes Araguaia é uma empresa do ramo de varejo e atua no mercado a quase vinte anos. Fica situada na avenida Progresso esquina com avenida Rui Barbosa no centro da cidade de Alvorada-TO. Neste capítulo será caracterizado o ambiente interno da empresa, examinando os aspectos estratégicos, financeiros e mercadológicos e também seu ambiente externo. 3.1 AMBIENTE INTERNO Em qualquer organização é primordial que se conheça bem o seu ambiente interno para poder tomar as decisões acertadas e manter uma boa posição no mercado tão competitivo Aspectos estratégicos O Supermercado e Casa de Carnes Araguaia é uma pequena empresa do ramo de varejo, que tem como seu público-alvo as classes populacionais B e C da cidade de Alvorada, assim como também os viajantes que por aquela cidade cruzam, haja vista que a avenida Progresso é uma rodovia estadual que vai até o encontro da rodovia faderal Belém-Brasília. Las Casas (2001, p. 53), define público alvo como sendo: quem a empresa quer atingir homens, mulheres ou crianças? Quais as classes sociais a, b, c ou d? A análise de ameaças e oportunidades poderá determinar quem serão os clientes de uma empresa. A história do Supermercado e Casa de Carnes Araguaia começa no ano de 1990, quando ainda era apenas casa de carnes e constituída de uma parceria entre duas irmãs. Parceria esta que se prolongou por alguns anos. No ano de 2001 já tocando o empreendimento apenas com a ajuda do esposo e dos filhos a proprietária resolveu ampliar os negócios e montar ali naquele mesmo ponto um Supermercado. Após a consolidação da organização em supermercado e casa de carnes a mesma sempre funcionou em ambiente familiar, fato este que a proprietária considera como sendo uns dos pontos forte da empresa. Olieira (2004 p. 89) define pontos fortes e fracos como sendo:

8 7 Pontos fortes são as variáveis internas e controláveis que propiciam uma condição favorável para a empresa, em relação a seu ambiente. Pontos fracos são as variáveis internas e controláveis que provocam uma situação desfavorável para a empresa, em relação a seu ambiente. Por se tratar de uma pequena organização, a proprietária nunca fez um planejamento estratégico para a organização, pois sempre pensou que planejamento era algo para as grandes organizações, suas decisões sempre são tomadas à medida que vão surgindo às necessidades. Oliveira (2006, p ) afirma que: Planejamento estratégico é o processo administrativo que proporciona sustenção metodológica para se estabelecer a melhor direção a ser seguida pela empresa, visando ao otimizado grau de interação com o ambiente e atuando de forma inovadora e diferenciada. Outro fator negativo para a organização é a falta de ter definidos a missão, a visão, o valor e a politica da empresa, pois estes dependem de um planejamento estratégico bem traçado dentro da organização. A missão desta organização também não é algo concretizado, apenas os funcionários são orientados a levarem um serviço de qualidade aos clientes para que eles sintam-se dispostos a voltarem à empresa. Segundo Oliveira (2006, p. 76) a missão é: determinação do motivo central do planejamento estratégico, ou seja, a determinação de onde a empresa quer ir. Corresponde a um horizonte dentro do qual a empresa atua ou poderá atuar. Portanto, a missão representa a razão de ser da empresa. A empresa estudada considera a visão como sendo uma extensão do planejamento estratégico, impossibilitando a mesma de tomar as decisões, haja vista que a organização não possui essa ferramenta de trabalho. Para Oliveira (2006, p. 69), a visão pode ser considerada como os limites que os principais responsáveis pela empresa conseguem enxergar dentro de um período de tempo mais longo e uma abordagem mais ampla. Quanto aos valores que a empresa possui, ela prioriza a amizade com fornecedores e clientes e a parceria com os funcionários para ajudar nas tomadas de decisões. Segundo Oliveira (2006, p. 89), valores representam o conjunto dos princípios e crenças fundamentais de uma empresa, bem como fornecem sustentação a todas as suas principais decisões. A política organizacional do Supermercado e Casa de Carnes Araguaia não é definida pela proprietária, haja vista que os componentes da organização são membros de sua família e a todos são delegados o poder de tomar decisões. Oliveira (2006, p. 79) salienta que:

9 8 Política é a definição dos níveis de delegação, faixas de valores e/ou quantidades limites e de abrangência das estratégias e ações para a consecução dos objetivos. A política fornece parâmetros ou orientações para a tomada de decisões. Corresponde a toda base de sustentação para o planejamento estratégico. Normalmente, são estabelecidas por área funcional da empresa, embora se ressalte que a política é um parâmetro ou orientação para a tomada de decisões pela empresa como um todo. Quanto ao organograma geral da organização ele é de fácil acesso tanto para os fornecedores quanto para os clientes. De acordo com Faria (1997, p.105), organograma é uma apresentação gráfica da estrutura organizacional de uma empresa, especificando as linhas formais de autoridade, níveis hierárquicos e a divisão das atividades. Nesta organização o organograma pode ser apresentado da seguinte forma: Figura 01: Organograma da empresa Casa de Carne e Supermercado Araguaia Fonte: Dados primários (2008) A empresa não tem nada determinado quanto aos objetivos da mesma, porém segue com uma empreitada de fidelização dos clientes da pequena cidade de Alvorada através da satisfação do mesmo frente ao atendimento. No conceito de Oliveira (2004, p.78), objetivo é o alvo ou situação que se pretende seguir. Aqui se determina para onde a empresa deve dirigir seus esforços. Da mesma forma são com as metas organizacionais, não existe um planejamento e elas surgem a medida que as transformações ocorrem, como existem poucos funcionários na organização elas são estabelecidas e todos se esforçam para que elas sejam alcançadas. Metas para Oliveira (2006, p.78), corresponde aos passos ou etapas, perfeitamente quantificados e com prazos para alcançar os desafios e objetivos. Outro deficit da empresa é a falta de um sistema de informação, tanto para armazenar informações financeira quanto informações de seus clientes. A empresa não tem um controle

10 9 eficaz das movimentações feita no mês, e nem pode prever a indole daquele novo cliente que está chegando ou os desejos daqueles que já são fregueses. Para Cornachione (2001, p.27) Sistemas de informação são sistemas preocupados em oferecer à entidade em questão uma espécie de painel de controle, que deve gerar informações relevantes e, principalmente, num lapso ótimo de tempo. Outra vantagem da organização é quanto as tomadas de decisões, pois a empresa é uma organização familiar e dessa forma as decisões de relevância são tomadas com o consenso de todos, um exemplo é a compra de equipamentos de grande valor para organização ou até para o próprio ambiente familiar. Uma grande preocupação para a empresa é a responsabilidade social, ela apesar de não ter nada definido e atuar de forma indireta está sempre fazendo doações para igrejas, escolas e organizações não governamentais. Baterman e Snell (1998, p. 147) salientam que responsabilidade social da empresa é a extensão do papel empresarial além de seus objetivos econômicos. Apresentado o aspecto estratégico da organização passaremos agora para o aspecto financeiro onde o estudo desenvolvido apontará todo seu processo dentro da organização Aspectos financeiros O Supermercado e Casa de Carnes Araguaia tem suas decisões financeiras centradas nas decisões da proprietária com o auxílio de seus colaboradores. Entende-se como colaboradores tanto os funcionários quanto o apoio de uma empresa terceirizada na área contábil. Gitman (2002, p.4) afirma que finanças é como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente todos os indivíduos e organizações obtêm receitas ou levantam fundos, gastam ou investem. Finanças ocupa-se do processo, intuições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Esta organização, além dos ativos que são arrecadados com a venda de mercadorias, conta também com apoio financeiro da mãe da proprietária, que sempre quando solicitada oferece recursos financeiros sem cobrar nada de juros. A empresa não possui um planejamento estratégico dentro de suas instalações, dessa forma também não é elaborado uma estratégia para as finanças, apenas os objetivos tanto estratégicos quanto os financeiro se interligam, pois a empresa trabalha com o propósito de

11 10 sempre atender os clientes bem para que se obtenha o máximo de vendas possíveis para a geração de renda. A empresa nunca se preocupou com auditoria externa ou interna, planos de contas, demostrativos financeiros ou controle orçamentário, pois sempre esteve centrada na idéia que empresas de pequeno e médio porte não necessitam de tais benefícios. Segundo Gitman (2004), os demonstrativos financeiros são a melhor forma de análise sobre as operações da empresa. Na empresa não possui auditoria interna ou externa, mas são feitas fiscalizações por parte do governo diretamente no escritório de contabilidade e, se caso houver alguma irregularidade, são aplicadas multas. De acordo com Franco e Marra (2001, p. 28): a auditoria pode ser definida como a técnica contábil que - através de procedimentos específicos que lhe são peculiares, aplicados no exame de registros e documentos, inspeções, e na obtenção de informações e confirmações, relacionados com o controle do patrimônio de uma entidade objetiva obter elementos de convicção que permitam julgar se os registros contábeis foram efetuados de acordo com princípios fundamentais e normas de Contabilidade e se as demonstrações contábeis deles decorrentes refletem adequadamente a situação econômica financeira do patrimônio, os resultados do período administrativo examinado e as demais situações nelas demonstradas. Para o plano de contas a organização também nunca exigiu do contador um relatório, pois nunca viu a necessidade de fazer uma previsão para os gastos. Franco (1996, p.123), afirma que plano de contas é um dos aspectos mais importante da organização contábil, e destina-se a orientar o registro das operações, oferecendo a vantagem de uniformização das contas utilizadas em cada registro. Quanto ao controle orçamentário este é realizado de forma ancestral, pois tudo apresenta-se em forma de anotações feitas em alguns cadernos. Bateman e Snell (1998, p. 435), definem controle orçamentário como sendo o processo de descoberta do que está sendo feito e comparação dos resultados com os dados orçamentários correspondentes, com intuito de verificar realizações ou sanar diferenças. A empresa possui um número grande de clientes que fazem suas compras para pagarem somente no próximo pagamento. O controle desses devedores são feitos manualmente em blocos fiscais. Sempre que surge um novo cliente que queira comprar a prazo, a proprietária junto com seus funcionários fazem um levantamento para avaliar a conduta desse cliente frente aos outros comércios. A empresa não possui conta bancária e faz suas compras todas perante boletos bancários.

12 11 A principal função do contador para empresa é quanto o planejamento fiscal e tributário, pois ela não possui funcionários com carteira de trabalho e não acha necessário a visualização dos demonstrativos financeiros, já que ela não tem um planejamento formado para as tomadas de decisões. É no âmbito do escritório de contabilidade que são feitas todas as deduções para o recolhimento de taxas para os governos. De acordo com Ribeiro (2005, p. 56) planejamento fiscal é uma das principais metas de uma empresa, visa amenizar, dá melhor maneira possível, seus custos, principalmente no que se refere ao recolhimento de impostos. Agora serão apresentados os aspectos mercadológicos dessa organização Aspectos mercadológicos O Supermercado e Casa de Carnes Araguaia sempre teve sua politica de marketing discreta, nunca fez anúncios ou publicações, talvez pelo fato de não existir na empresa uma pessoa responsavel pora esse segmento. Segundo Kotler (1998, p. 27), marketing é um processo social e gerencial pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam através da criação, oferta e troca de produtos de valor com outros. Mesmo sem oferecer uma política de marketing, a empresa trabalha para atender as necessidades e desejos de seus clientes no que se refere aos produtos oferecidos. Conforme Kotler (1998, p. 27), necessidades humanas é um estado de privação de alguma satisfação básica. As pessoas exigem alimento, roupa, abrigo, segurança, sentimento de posse e auto-estima. Essas necessidades não são criadas pela sociedade ou empresas e desejos são carências por satisfações específicas para atender às necessidades. Esses trabalhos são desenvolvidos de forma a garantir a cada cliente serviço e produtos de qualidade para que os mesmo voltem sempre à organização. Para isso, sempre que há falhas em uma dessas necessidades os clientes têm livre acesso à proprietária para levar sua reclamação. Posteriormente a proprietária reúne-se com seus colaboradores e tentam juntos solucionar o problema. O serviço de distribuição de mercadorias é feito tanto no ponto de venda quanto no domicílio do cliente, na empresa não existe um funcionário específico para esse serviço de distribuição.

13 12 Conforme Cobra (1992, p. 127), distribuição são aliados da empresa para colocação de seus produtos no mercado, prestando ainda serviços de estocagem, promoção e transporte. Para o mecanismo de vendas a empresa conta com a participação de todos que a compõe, somando um total de cinco pessoas, essas vendas são feitas através do boca a boca com os clientes. A empresa não utiliza outra forma de vendas como comércio eletrônico ou até mesmo o telefone. Não existe na organização cotas ou metas de vendas para ser alcançadas, nem comissões ou prêmios para os responsáveis pela venda efetuada. Kotler (1998, p. 618), assume que os consumidores, se deixados sozinhos, normalmente, não compram o suficiente dos produtos da organização. Assim, a organização deve empregar um esforço agressivo de venda e de promoção. Quanto a precificação a proprietária é a responsável. Ela utiliza a estratégia de uma porcentagem menor para os produtos que tem mais saída e que são considerados básicos para o ambiente familiar, pois são produtos disponíveis em qualquer mercearia da cidade. Dessa forma ela pensa em aumentar o lucro pelo número de vendas. Churchill, Gilbert e Peter (2005, p. 314) definem preços como a quantia de dinheiro, bens ou serviços que deve ser dada para se adquirir a propriedade ou uso de um produto. Serão apresentados agora os aspectos de recursos humanos Aspectos de recursos humanos Quanto aos aspectos de recursos humanos (RH), o Supermercado e Casa de Carnes Araguaia sempre adotou a política de trabalho familiar. A empresa nunca contou com um funcionário formado em RH para o gerenciamento dos colaboradores, as decisões no que tange a eles sempre são tomadas pela proprietária com o consemtimento de todos. Chiavenato (2002, p. 157), define as políticas de recursos humanos como uma orientação administrativa para impedir que empregados desempenhem funções indesejáveis ou ponham em risco o sucesso de funções específicas. Assim, políticas são guias para ação. A organização por ser considerada pequena não cobra de seus colaboradores normas a serem seguidas. A gestão da organização é feita por todos que a compõe, porém a proprietária é a que tem maior peso nas tomadas de decisões. Nessa gestão organizacional não existe uma caracteristica predominante a ser seguida pela proprietária, ela apenas defende a eficácia e eficiência nas atividades desenvolvidas. Na organização também não existe um

14 13 manual formalizado para os cargos, áreas e funções, pois todos os funcionários desenpenham diversas tarefas. Na visão da organização a principal característica dos colaboradores é a participação ativa na gestão organizacional. A empresa trabalha com uma política totalmente voltada para os intereses desses colaboradores, onde todos os benefícios agariados por um funcionário de certa forma é repassado aos demais, pois são todos componentes da mesma família. O clima organizacional, no que tange ao bem estar, a segurança, saúde e a motivação dos componentes da organização são respeitados e aplicados pela proprietária. Ao se referir a motivação, os colaboradores são levados a crer que o sucesso da organização corresponde ao sucesso pessoal de cada um. Gil (2001, p. 202), enfatiza que motivação é a força que estimula as pessoas a agir. Dessa forma os colaboradores O Supermercado e Casa de Carnes Araguaia têm uma cultura orientada para o trabalho em equipe. A proprietária rejeita a existência da competitividade entre os colaboradores. Segundo Gil (2001, p. 42); todas as organizações apresentam uma cultura organizacional que se caracteriza pelos valores que esposam, pela regularidade do comportamento de seus membros, pela filosofia que guia suas políticas e pelo clima expresso tanto por seu layout físico quanto pela interação de seus membros entre si e com o púbico externo. A empresa cultiva e protege o capital intelectual de seus colaboradores incentivandoos ao pensamento criativo e inovador. Chiavenato (2002, p. 64), expõem que capital humano: é constituído das pessoas que fazem parte de uma organização. Capital humano significa talento que precisa ser mantidos e desenvolvidos. Mais do que isso, capital humano significa capita intelectual. Um capital invisível composto de ativos tangíveis e intangíveis. Por ser uma empresa de pequeno porte o Supermercado e Casa de Carnes Araguaia não possui CIPAS (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes), todavia existe uma preocupação constante com o intuito de evitar os acidentes. Marras (2000, p. 214), defini CIPAS como sendo: é uma comissão que tem por objetivo observar e relatar as condições de risco nos ambientes de trabalho e solicitar medidas para reduzir, até eliminar, os riscos existentes e (ou neutralizá-los); bem como discutir os acidentes ocorridos na organização. Na empresa nunca houve recrutamento para a seleção de funcionários, porém ao longo de sua existência ela contou com vários colaboradores que de certa forma ajudaram no desenvolvimento da mesma. Milkovich e Boudreau (2000, p. 162) dizem que, recrutamento é o processo de identificação e atração de um grupo dos candidatos, entre os quais serão

15 14 escolhidos alguns para serem posteriormente contratados para o emprego. Esses colaboradores foram selecionados para trabalhar na empresa por indicações de alguns conhecidos da proprietária, que após passarem por uma entrevista foram efetivados no cargo. Segundo Marras (2000, p.79), seleção de pessoal é uma atividade de responsabilidade do sistema de recursos humanos, que tem por finalidade escolher, sob metodologia específica, candidatos a emprego recebidos pelo setor de recrutamento, para o atendimento das necessidades internas da empresa. Hoje em dia porém, todo o capital humano da organização é composto por membros da família da proprietária não havendo seleção para novos colaboradores já alguns anos. Não existe dentro da organização planos de carreira assim como também não há planos de cargos e salários para os funcionários, porém a proprietária exige de seus colaboradores (filhos) que busquem sempre o conhecimento externo através do estudo. De acordo com Lucena (1995, p. 144), plano de carreira, por sua vez está relacionado com objetivos profissionais do indivíduo e suas aspirações pessoais de carreira. Portanto, os planos de carreira são estabelecidos a partir dos interesses e expectativas do indivíduo. No que se refere ao plano de cargos e salários Tachizawa, Ferreira e Fortuna (2004, p. 179) sintetizam que: administração de cargos e salários, juntamente com a sistemática de avaliação de desempenho e do plano de carreira, formam o processo de planejamento, execução e controle das recompensas salariais (administração de salários, políticas de salário, compostos salariais ou outra expressão equivalente). Na prática, os três instrumentos se completam. Nesta organização todos os colaboradores são responsáveis pela execução de qualquer tarefa, eles são recompensados à medida que surgem suas necessidades, não contando com um salário fixo. De certa forma o lucro da organização é repassado a todas as pessoas que a compõem, visto que toda a renda arrecadada pela organização é para o benefício dos familiares da proprietária Aspectos de prestação de serviços O Supermercado e Casa de Carnes Araguaia é uma empresa do ramo de varejo que presta serviços a comunidade alvoradense. De acordo com Kotler (1998, p.412), serviços é

16 15 qualquer ato ou desempenho que uma parte possa oferecer a outra e que seja essencialmente intangível e não resulte na propriedade de nada. Os serviços prestados pela organização se resumem na venda de mercadorias para o consumidor final. O fluxograma dessa atividade pode ser apresentado da seguinte forma: Fornecedor Empresa Vendedores Clientes A mercadoria chega até a empresa trazida por fornecedores, a mesma repassa os preços e produtos disponíveis aos vendedores, que por sua vez repassam o produto aos clientes. Para Colerghi (2003, p. 41): O fluxograma é um gráfico que demonstra a seqüência operacional do desenvolvimento de u m processo o qual caracteriza o trabalho que está sendo realizado, o tempo necessário para sua realização, a distancia percorrida pelos documentos, quem está realizando o trabalho e como ele flui entre os participantes deste processo. Na organização a qualidade na prestação dos serviços é uma prioridade para os colaboradores, contudo não existe uma pessoa responsável pela fiscalização. Colenghi (2003, p. 72) define que a qualidade é atender às reais necessidades dos seus clientes, de forma que estes fiquem entusiasmados e sejam fieis aos seus produtos e serviços, divulgando-os de forma positiva e recomendando-os a outras pessoas. Quanto à padronização no atendimento, a proprietária entende que nenhum cliente é igual ao outro, por isso não se deve fazer o mesmo atendimento a todas as pessoas que visitam e fazem compras no supermercado. Não há na organização uniformes de trabalho para os funcionários, porém a proprietária exige de seus colaboradores o máximo de higiene e decência com os trajes usados. Quanto aos funcionários da linha-de-frente da organização, estes possuem autonomia para as tomadas de decisões referentes às vendas. Os funcionários são impulsionados a satisfazerem os clientes e fechar a venda. Terminado o esboço dos aspectos internos passaremos agora para o ambiente externo da empresa. 3.2 AMBIENTE EXTERNO

17 16 A análise do ambiente externo para uma organização é de suma importância, pois é através do conhecimento desse ambiente que a organização estará sujeita às maiores transformações. É no ambiente externo que estão localizados os concorrentes e o governo, consequentemente as ameaças e oportunidades além dos impostos. O Supermercado e Casa de Carnes Araguaia está localizado na cidade de Alvorada no sul do estado do Tocantins. A cidade tem sua economia movida principalmente pela pecuária e pelo funcionalismo público. Na cidade há um número consideravel de comércios que vendem produtos em geral assim como a empresa estagiada. A organização está sujeita a todos os impostos e tributos previsto em leis, ela recolhe e os repassa aos governos federal, estadual e municipal, devidamente nas datas previstas. A empresa foca os clientes aposentados e assalariados, pois a proprietária acredita que esses clientes têm maior responsabilidade para honrar seus compromissos. Quanto aos fornecedores a proprietária procura manter algumas empresas fiéis. As compras são feitas a medida em que surgem as nececidades. A proprietária convoca os vendedores e os passa uma lista de compras, fechando o negócio com aquela empresa que disponibiliza o menor preço. No que se refere a organização como forma jurídica, ela se classifica como empresa privada, pois não possui sistema de cotas, possuindo apenas uma única proprietária. A organização caracteriza-se como pequena empresa do ramo de varejo, ela possui um número reduzido de funcionários, além de contar com poucos recursos financeiros. Dessa forma, ao somar esses fatores percebe-se que a empresa posui pouquíssima expressão no âmbito nacional. Quanto à concorrência percebe-se que o ramo de supermercados na cidade de Alvorada é bastante elevado, o que acaba gerando um conflito entre as organizações no que se refere ao atendimento e principalmente ao preço. Todavia, a organização estagiada faz sua politica de negócio sem se preocupar com essa concorrêcia. A empresa possui uma bem montada casa de carnes, o que acaba sendo, segundo a proprietária um diferencial aos demais comércios, visto que são poucas as organizações que possui esse ramo de atividade intreligados ao comércio. Outro fator decisivo no quisito concorrência, é que a proprietária exige de seus colaboradores que façam uma política de relacionamento com os clientes com o intuito de fideliza-los à empresa.

18 17 4 CONCLUSÃO O presente trabalho possibilitou o conhecimento em termos gerais das áreas estratégicas, financeira, mercadológica, de recursos humanos e de prestação de serviço do Supermercado e Casa de Carnes Araguaia. O estudo foi elaborado para que tanto o acadêmico quanto as pessoas que compõem a organização saiba da real situação em que se encontra a mesma. A proprietária com esse estudo poderá analisar os pontos fortes e principalmente os pontos fracos de sua empresa. Conclui-se que a organização trabalha em regime familiar onde todos os funcionários são da mesma família e até o apoio financeiro vem da mãe da proprietária. Também visualisou-se no decorrer do estudo que a empresa por se portar como pequena organização nunca desenvolveu atividades de competitividade. Na área estratégica da empresa não possui planejamento algum, as decisões são centradas nas experiências adquiridas ao longo período em que a proprietária atua no ramo de vendas. Na área de finanças o escritório de contabilidade é quem presta-lhe serviços, porém funciona apenas para as deduções de impostos, não emitindo demonstrações financeiras nem plano de contas. Por fim na área mercadológica, a organização tem suas divulgações centradas apenas no boca a boca, ela não tem elaborada uma política especifica voltada para o marketing, ficando atrás da concorrência no que tange a divulgação dos produtos. 4.1 SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA O Supermercado e Casa de Araguaia atua no ramo de varejo na pequena cidade de Alvorada há mais de 18 (dezoito) anos. Nos primeiros anos atuava apenas com a venda de carnes, somente no ano de 2000 (dois mil) ampliou seus negócios passando a contar com um comércio de produtos secos e molhados em geral. Ao longo de sua trajetória chegou a contar com um número de 4 (quatro) funcinários, contratados somente para fazer o atendimento aos clientes, tendo em vista que no que se refere ao produto bovino a matança sempre foi feita pelo esposo da proprietária e a desossa pela própria proprietária. Atualmente o empreendimento conta apenas com a colaboração dos filhos da proprietária, que são um total de 3 (três). Devido a moradia da familia está localizada aos

19 18 fundos da empresa os colaboradores têm livre acesso para transitar entre um espaço e outro. Mais um fator relevante é quanto a não existência de um padrão de atendimento dentro da organização e por fim não existe uma uniformidade no traje utilizado pelos colaborsadores. Diante desse contexto, surge o questionamento: Como são avaliados pelos clientes o atendimento que lhes são prestados pelos colaboreadores do Supermercado e Casa de Carnes Araguaia?

20 19 REFERÊNCIAS BATEMAN, Thomas S.; SNELL, Scott A. Administração: construindo vantagem competitiva. São Paulo: Atlas, CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Prentice Hall, p. CHIAVENATO, Idalberto. Recursos humanos. 7. ed. São Paulo: Atlas, CHURCHILL, Junior; Gilbert A.; PETER, J. Paul. Marketing: criando valor para os clientes. 2. ed. São Paulo: Saraiva, COBRA, Marcos. Administração de marketing. 2. ed. São Paulo, COLERGHI, Vitor Natura. Organização e métodos é qualidade total: uma interpretação perfeita. 2 ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, CORNACHIONE, Jr, Edgard B. Informática aplicada às áreas de contabilidade, administração e economia. 3. ed. São Paulo: Atlas, FARIA, Jose Carlos. Administração: introdução ao estudo. 3. ed. São Paulo: Pioneira, FRANCO, Hilário. Contabilidade geral. 23. ed. São Paulo :Atlas,1996. FRANCO, Hilário; MARRA, Ernesto. Auditoria contábil: normas de auditoria, procedimentos e papeis de trabalho, programas de auditoria, relatórios de auditoria. 4. ed. São Paulo: Atlas, GIL, Antônio Carlos. Gestão de pessoas: enfoque nos papéis profissionais. 1. ed. São Paulo: Atlas, GITMAN, Lawrence J. Administração financeira. 7. ed. São Paulo: Harbra, KOTLER, Philip. Administração de marketing: analise planejamento, implementação e controle. 5. ed. Sao Paulo: Atlas, LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas:

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO IV A EMPRESA COMO SISTEMA Para o estudioso na área de marketing trabalhar melhor o planejamento nas organizações, ele precisa conhecer a empresa na sua totalidade e

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Toda e qualquer análise de mercado irá demandar uma série de etapas a ser seguida, dentre elas:

Toda e qualquer análise de mercado irá demandar uma série de etapas a ser seguida, dentre elas: Capítulo 16 - Os Stakeholders O termo foi originado na língua inglesa e hoje, foi completamente absorvido pela área da administração. Traduzido para o português como sendo parte interessada esse termo

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Gest ão em Cooper at i vi smo

Gest ão em Cooper at i vi smo Gest ão em Cooper at i vi smo Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial 1 A Contabilidade como Ciências; Princípios Fundamentais de Contabilidade e Normas Brasileiras de

Leia mais

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO Considerando que o ser humano é formado por características de personalidade únicas e complexas, o seu comportamento no trabalho e em outros lugares,

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Manual Administrativo A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Teresina 07/10/2009 SUMÁRIO Empresa Júnior ICF 03 Áreas de atuação da A.D.M Consultoria Jr. 04 Organograma 08 Competências 09 Das Atribuições do

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 2 Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita Menezes Coutinho

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Módulo 18 Avaliando desempenho

Módulo 18 Avaliando desempenho Módulo 18 Avaliando desempenho Raimar Richers definiu marketing como sendo entender e atender os clientes. Esta é uma definição sucinta e feliz que podemos usar para definir avaliação de desempenho como

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA VALADARES E ALVES LTDA

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA VALADARES E ALVES LTDA CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA VALADARES E ALVES LTDA Acadêmico: Joaquim Alves Pereira Neto Professora orientadora: Donária

Leia mais

2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 3 1 INTRODUÇÃO A concorrência está cada vez mais forte, e as oportunidades de mercado são precisas serem administradas, e ficarem em alerta a competitividade causada por mudanças no mercado, tanto dentro

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PARA UMA EMPRESA DE ASSESSORIA CONTÁBIL

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PARA UMA EMPRESA DE ASSESSORIA CONTÁBIL PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PARA UMA EMPRESA DE ASSESSORIA CONTÁBIL MARCELO EMERICK Discente do Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos das Faculdades Integradas de Três Lagoas -AEMS MARCELA RIBEIRO

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA MÓVEIS DO LAR

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA MÓVEIS DO LAR 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA MÓVEIS DO LAR Acadêmico: Luiz Henrique Matos da Mota Tamires Rodrigues Coelho Professor orientador:

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA AGRO MÁSTER (PRODUTOS AGROPECUARIOS)

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA AGRO MÁSTER (PRODUTOS AGROPECUARIOS) CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA AGRO MÁSTER (PRODUTOS AGROPECUARIOS) Acadêmico: Wyderralhos Alves dos Santos Professora orientadora:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 16/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Fase Cód. I

Leia mais

A Inovação Aprendizagem e crescimento dos funcionários treinando-os para melhoria individual, numa modalidade de aprendizagem contínua.

A Inovação Aprendizagem e crescimento dos funcionários treinando-os para melhoria individual, numa modalidade de aprendizagem contínua. Balanced Score Card A Tecnologia da Informação é considerada fundamental para os vários setores, tanto no nível operacional como estratégico. Muitas das razões para Tecnologia da Informação fazer parte

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da Coleta Seletiva.

Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da Coleta Seletiva. MANUAL DE PROCEDIMENTOS Formulários on-line SISTEMAS INTEGRADOS MANUAL DE PROCEDI MENTOS PADRÃO Formulários on-line Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da

Leia mais

O diagnóstico do programa de capacitação e desenvolvimento contínuo para encarregados da produção

O diagnóstico do programa de capacitação e desenvolvimento contínuo para encarregados da produção O diagnóstico do programa de capacitação e desenvolvimento contínuo para encarregados da produção Luana Guerreiro Pereira (UNESP), luanague@fc.unesp.br Edwardo Goulart Junior (UNESP), edward@fc.unesp.br

Leia mais

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário Plano de Negócios Plano de Negócios Sumário Introdução... 3 Plano de Negócios... 3 Etapas do Plano de Negócio... 3 Fase 1... 3 Fase 2... 8 Orientação para entrega da Atividade de Avaliação... 12 Referências

Leia mais

2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS

2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS 2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS Para Cobra (1994, p.46) a estruturação da força de vendas divide-se em quatro funções da administração: planejamento, organização, direção e controle. Abaixo segue os

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EXTENSÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº. 10/2013 PREENCHIMENTO DE VAGA PARA DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR ADMINISTRAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EXTENSÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº. 10/2013 PREENCHIMENTO DE VAGA PARA DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR ADMINISTRAÇÃO I - INSCRIÇÕES PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EXTENSÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº. 10/2013 PREENCHIMENTO DE VAGA PARA DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR ADMINISTRAÇÃO Período: 05/03/2013 a 10/03/2013 Pelo

Leia mais

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS RESUMO

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS RESUMO O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS RESUMO Aline Silveira Rolim 1 O presente trabalho tem como enfoque a apresentação do processo de recrutamento e seleção de

Leia mais

Módulo 17 Estratégias mercadológicas

Módulo 17 Estratégias mercadológicas Módulo 17 Estratégias mercadológicas Todas as empresas para terem sucesso no mercado a longo prazo precisam de uma estratégia. Segundo Peter Druker, as estratégias são os planos de vôos das empresas. Analisando

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1

CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1 CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1 SILVEIRA, J.F²; BRANDT, B. O²; CORRÊA, D. M. W²; POTRICH, A. C. G³; ROHDE, C. L. C 4. 1 Trabalho de Pesquisa 2 Psicóloga,

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SENAI - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SENAI - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA SENAI - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Acadêmicos: Carlos Filipe Ferri Izzo Tatiana

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Após traçadas as estratégias através da análise de mercado propiciada pelo plano de negócios - e se mesmo diante das dificuldades

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA VIDEIRA ARTIGOS EVANGÉLICOS E LOCADORA

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA VIDEIRA ARTIGOS EVANGÉLICOS E LOCADORA PREFEITURA MUNICIPAL DE GURUPI FUNDAÇÃO UNIRG CENTRO UNIVERSITARIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA VIDEIRA ARTIGOS EVANGÉLICOS E LOCADORA Acadêmico:

Leia mais

PATRICIA SOARES FEITOSA DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA CELTINS

PATRICIA SOARES FEITOSA DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA CELTINS PATRICIA SOARES FEITOSA DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA CELTINS Relatório organizacional apresentado à Faculdade UNIRG, como requisito parcial para a disciplina Estágio Supervisionado I. Orientador:

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA VENEZA PLAZA HOTEL

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA VENEZA PLAZA HOTEL RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA VENEZA PLAZA HOTEL Acadêmico: Amanda Queiroz Poletto Professor orientador: Donária Coelho Duarte, Dra. Gurupi, setembro de 2008. 1 AMANDA QUEIROZ

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA VERLANGIERI & VERLANGIERI LTDA

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA VERLANGIERI & VERLANGIERI LTDA CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA VERLANGIERI & VERLANGIERI LTDA Acadêmica: Simone Rodrigues Professora orientadora: Donária Coelho

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL.

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. André Murilo de Souza Cavalcante Resumo: Este artigo estuda as etapas do treinamento e suas características, Desta maneira, o

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 Autor(es) LEONARDO GARCIA PAIS DE ARRUDA Orientador(es) ELAINE

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Luciano Mattana (UNIFRA) lucianomattana@unifra.br Greice de Bem Noro (UNIFRA) greice@unifra.br Milena Marinho Mottini (UNIFRA) milleninhamm@hotmail.com

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Contadores. Empresários. Empresários. Empresários. GRÁFICO 5: Freqüência com que o contador visita as empresas

Contadores. Empresários. Empresários. Empresários. GRÁFICO 5: Freqüência com que o contador visita as empresas IV Ciclo de Estudos Contábeis UM ESTUDO DA IMAGEM DO CONTADOR NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA-SC LEONEIDE ERHART RECKZIEGEL Bacharel em Ciências Contábeis; Pós-Graduanda em Controladoria. CARMEM HAAB LUTTE

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profª. Dra. Neyde Lopes de Souza Prof. Ms. Luiz Vieira da Costa SUMÁRIO Pág. 1. Apresentação...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Matriz Curricular vigente a partir de 2010/1 Fase Cód. Disciplina Carga Horária Prérequisitos

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1. Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3.

TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1. Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3. TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1 Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3. 1 Pesquisa realizada no curso de Administração da Unijuí 2 Aluna

Leia mais

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM CRISTIANE MORATTO FÉLIX DE FREITAS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA COMERCIAL DE PEÇAS E ACESSÓRIOS PARA VEÍCULOS LTDA

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA COMERCIAL DE PEÇAS E ACESSÓRIOS PARA VEÍCULOS LTDA CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA COMERCIAL DE PEÇAS E ACESSÓRIOS PARA VEÍCULOS LTDA Acadêmico: Leonardo Figueredo de Moura Professora

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA EM MICROEMPRESAS: A PERCEPÇÃO DOS EMPRESÁRIOS

GESTÃO FINANCEIRA EM MICROEMPRESAS: A PERCEPÇÃO DOS EMPRESÁRIOS GESTÃO FINANCEIRA EM MICROEMPRESAS: A PERCEPÇÃO DOS EMPRESÁRIOS Alexandre Costa Quintana 1 Cristiane Gularte Quintana 2 professorquintana@hotmail.com Resumo O presente estudo é resultado de um projeto

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO FATEC-SP CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO Prof. Me. Francisco Tadeu Degasperi Janeiro de 2005 Agradeço a colaboração do Tecnólogo Alexandre Cândido de Paulo Foi Auxiliar de Docente do LTV da Fatec-SP Atualmente

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

A Avaliação do Uso da Tecnologia da Informação na Administração da Produção de uma Distribuidora de Produtos de Blumenau/SC

A Avaliação do Uso da Tecnologia da Informação na Administração da Produção de uma Distribuidora de Produtos de Blumenau/SC A Avaliação do Uso da Tecnologia da Informação na Administração da Produção de uma Distribuidora de Produtos de Blumenau/SC PERES, Diego de Assis. diegoeletrotecnico@hotmail.com Uniasselvi-Fadesc CRUZ,

Leia mais

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais.

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. Elaine Raquel Fernandes carlosadm@bol.com.br SENAC Flávia Cristina Pereira

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

Contabilidade para Executivos de Cooperativas de Créditos. Dirceu Granado de Souza

Contabilidade para Executivos de Cooperativas de Créditos. Dirceu Granado de Souza Contabilidade para Executivos de Cooperativas de Créditos Dirceu Granado de Souza 1 Conceitos básicos de Contabilidade; Princípios Gerais; Contas; Patrimônio; Lógica dos registros Contábeis; Balancetes

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS

CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS - faz as coisas antes de solicitado ou antes de ser forçado pelas circunstâncias; - age para expandir o negócio em novas áreas, produtos ou serviços; - aproveita

Leia mais

Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2

Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2 A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DO TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2. O presente artigo apresenta os conhecimentos teóricos acerca da importância

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Fase Cód. I II Matriz Curricular vigente a partir de 2010-1 Disciplina Prérequisitos Carga

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

PLANEJAMENTO EM RECURSOS HUMANOS. Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal

PLANEJAMENTO EM RECURSOS HUMANOS. Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal PLANEJAMENTO EM RECURSOS HUMANOS Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal Conteúdo Programático Visão Geral do Planejamento A importância do planejamento estratégico voltado para o mercado; Planejamento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

CARGOS E SALARIOS COMO FERRAMENTA PARA ADMINISTRAÇÃO DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL E PROFISSIONAL NAS PEQUENAS EMPRESAS 1

CARGOS E SALARIOS COMO FERRAMENTA PARA ADMINISTRAÇÃO DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL E PROFISSIONAL NAS PEQUENAS EMPRESAS 1 CARGOS E SALARIOS COMO FERRAMENTA PARA ADMINISTRAÇÃO DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL E PROFISSIONAL NAS PEQUENAS EMPRESAS 1 GUALASSI, Rodrigo Junior 2 RESUMO: Cargos e Salários dentre suas definições pode

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA BANCO DA AMAZÔNIA

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA BANCO DA AMAZÔNIA CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA BANCO DA AMAZÔNIA Acadêmica: Raimunda Wania Alves da Silva Professora Orientadora: Donária Coelho

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS FARMÁCIAS COM MANIPULAÇÃO DE SOBRAL-CE

UTILIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS FARMÁCIAS COM MANIPULAÇÃO DE SOBRAL-CE UTILIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS FARMÁCIAS COM MANIPULAÇÃO DE SOBRAL-CE Ana Gizele Araújo Sousa 1 Resumo: O objetivo principal desta pesquisa é analisar como a utilização

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Pesquisas revelam que os fatores sexo e ordem de idade dentro da família, são os últimos e menos importantes para a escolha.

Pesquisas revelam que os fatores sexo e ordem de idade dentro da família, são os últimos e menos importantes para a escolha. PLANEJAMENTO DA SUCESSÃO É definido como a transferência do negócio familiar. Pesquisas revelam que os fatores sexo e ordem de idade dentro da família, são os últimos e menos importantes para a escolha.

Leia mais