UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SISTEMA DE VIGILÂNCIA E MONITORAMENTO VIA WEB Área de Engenharia Elétrica por Thiago Costa Ferreira João Hermes Clerici, Mestre Orientador Campinas (SP), Dezembro de 2010

2 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SISTEMA DE VIGILÂNCIA E MONITORAMENTO VIA WEB Área de Engenharia Elétrica por Thiago Costa Ferreira Relatório apresentado à Banca Examinadora do Trabalho de Conclusão do Curso de Engenharia Elétrica para análise e aprovação. Orientador: João Hermes Clerici, Mestre Campinas (SP), Dezembro de 2010 ii

3 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho aos meus pais, meu irmão e a minha namorada que sempre estiveram presentes em todas as dificuldades transcorridas durante o período de graduação, sempre me apoiando e ajudando a enfrentar as tarefas do dia-a-dia. iii

4 AGRADECIMENTOS À minha família, aos meus amigos, minha namorada, colegas de trabalho e colegas que enfrentaram as mesmas dificuldade durante o período de graduação e que muito contribuíram para minha formação pessoal e cultural. A todos os professores que tive contato e em especial ao professor João Hermes pelos favores prestados durante a orientação deste trabalho. Para finalizar, não posso me esquecer de agradecer especialmente a Deus, o responsável por me manter firme, me prover inteligência e saúde, para que juntamente com meus esforços, fosse capaz de alcançar meus objetivos. iv

5 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS... vii LISTA DE FIGURAS... viii LISTA DE TABELAS... ix RESUMO... x ABSTRACT... xi 1 INTRODUÇÃO Objetivo geral Objetivo específico Metodologia Estrutura do trabalho ESTUDO DAS CÂMERAS FOTOGRÁFICAS Análise de uma câmera fotográfica Como funciona a câmera digital Resolução Captura da cor Exposição e foco Armazenamento INTRODUÇÃO À CÂMERA IP Histórico O que é uma câmera IP Vantagens do uso COMPARAÇÕES DE TIPOS DE APLICAÇÕES Sistemas de CFTV Digital Tipos de sistemas CFTV baseado em PC com placa de captura CFTV baseado em DVR Stand Alone CFTV baseado em DVR em rede CFTV baseado em Web Server CFTV baseado em Câmera IP Câmeras IP x Câmeras Analógicas (CFTV) SOFTWARE DE GERENCIAMENTO v

6 5.1 Apresentação do MxControlCenter Alarmes sempre sob controle Multivista e planta do edifício integradas Processamento posterior de imagem (contraste, zoom, correção da distorção de objetiva) Suporte à câmeras PTZ analógicas e digitais Apresentação do Netcam Watcher Pro Gravação por detecção de movimento a partir de várias câmeras simultaneamente Alarmes por alerta sonoro ou Acesso remoto de qualquer lugar do mundo Imagens via FTP e/ou imagens de alarme para o site remoto Ferramenta de busca de gravações Display Reconfigurável Utilitário de Impressão Aperfeiçoamento de imagens Comparativo entre os softwares analisados GUIA: COMO MONTAR UM SISTEMA DE VIGILÂNCIA UTILIZANDO CÂMERA IP Escolha do modelo a ser utilizado Instalação física da câmera IP Configuração inicial Definição da rede Criação de um endereço DDNS para acesso remoto Desbloqueio da(s) porta(s) do roteador Utilização de recursos adicionais Aprimoramento das funções e monitoramento de mais de um ponto CONSIDERAÇÕES FINAIS Conclusão Trabalhos Futuros REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFIAS vi

7 LISTA DE ABREVIATURAS CMOS CFTV PTZ FTP DDNS CCD POE I/O IP TCP Complementary Metal-Oxide Semiconductor Circuito fechado de TV Pan, Tilt e Zoom File Transfer Protocol Dynamic Domain Name System Charge coupled device Power over Ethernet Input/Output Internet Protocol Transfer Control Protocol vii

8 LISTA DE FIGURAS Fig. 2.1 Sensor de imagem CMOS... 4 Fig. 2.2 Sensor de imagem CCD... 5 Fig. 2.3 Tamanho de uma imagem obtida com resoluções diferentes... 6 Fig. 2.4 Divisor de feixes... 7 Fig. 2.5 Filtro Bayer... 8 Fig. 4.1 Bloco básico do CFTV Fig. 4.2 CFTV baseado em PC com placa de captura Fig. 4.3 CFTV baseado em DVR Stand Alone Fig. 4.4 CFTV baseado em DVR em rede Fig. 4.5 CFTV baseado em Web Server Fig. 4.6 CFTV baseado em Câmera IP Fig. 5.1 MxControlCenter: visão geral Fig. 5.2 Storyboard: tela de eventos Fig. 5.3 Janela Multivista Fig. 5.4 Correção de objetiva 90º Fig. 5.5 Correção de objetiva 180º Fig. 5.6 Sistema de Vigilância e Monitoramento via WEB Fig. 5.7 Detecção de movimento e seleção de área Fig. 5.8 Visão geral de vários pontos com acesso remoto Fig. 5.9 Janela de exibição de eventos Fig Utilitário de Impressão Fig Imagem melhorada através do software viii

9 LISTA DE TABELAS Tab. 2.1 Tamanho da imagem ix

10 RESUMO FERREIRA, Thiago Costa. Sistema de Vigilância e Monitoramento via WEB. Campinas: Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade São Francisco, Campinas, O trabalho consiste no desenvolvimento de um sistema de vigilância e monitoramento via Web, através de uma câmera IP, que possa ser monitorado por um computador conectado à Internet. Com o auxílio de um ambiente de programação, podese controlar diversos eventos, utilizando-se uma configuração definida pelo usuário, tornando o trabalho simples e funcional. Esse sistema pode ser utilizado tanto no âmbito residencial como comercial. PALAVRAS-CHAVE: Automação, Controle via Web, Câmera IP. x

11 ABSTRACT FERREIRA, Thiago Costa. Sistema de Vigilância e Monitoramento via WEB. Campinas: Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade São Francisco, Campinas, The work consists in developing a surveillance system and monitoring via the Web, via an IP camera, which can be monitored by a computer connected to the Internet. With the aid of a programming environment, you can control various events, using a userdefined configuration, making the job simple and functional. This system can be used both in residential and commercial. Keywords: Automation, Control via Web, IP Camera. xi

12 1 INTRODUÇÃO Nos últimos 20 anos, a maioria das grandes inovações tecnológicas nos produtos eletrônicos fez parte de um mesmo processo básico: a conversão de informações analógicas convencionais (representadas por um sinal variável) em informações digitais (representadas por uns e zeros, ou bits). CDs, DVDs, HDTVs, MP3s e DVRs são todos feitos de acordo com esse processo. Essa mudança fundamental na tecnologia alterou totalmente a maneira como lidamos com as informações visuais e de áudio: ela redefiniu completamente o que foi possível. A câmera digital é um dos exemplos mais marcantes dessa mudança porque é bem diferente de sua predecessora. As câmeras convencionais dependem totalmente de processos químicos e mecânicos: você nem precisa de eletricidade para utilizá-las. Por outro lado, todas as câmeras digitais possuem um computador embutido e todas elas registram imagens eletronicamente. As câmeras digitais não substituíram completamente as câmeras convencionais. Mas, à medida que a tecnologia de geração digital de imagens avança, as câmeras digitais se tornam cada vez mais populares. A segurança patrimonial sempre foi uma preocupação das pessoas. Baseado nisso, hoje temos diversas aplicações na área, sendo uma delas o monitoramento através de um circuito fechado de TV (CFTV). Com o aumento das tecnologias e facilidade de acesso à Internet, esses sistemas que antes eram compostos basicamente por câmeras analógicas, hoje já podem ser substituídos por câmeras IP, que enviam suas imagens de vídeo através do cabo de rede Ethernet, ou até mesmo sem fio, através de dispositivos Wireless. 1.1 Objetivo Geral Este trabalho tem como objetivo geral o desenvolvimento de um sistema de vigilância e monitoramento, via Web, simples e eficaz. 1

13 1.2 Objetivos Específicos Os objetivos específicos deste trabalho são: Criar um sistema de vigilância e monitoramento via Web utilizando-se de câmera IP; Explicar o funcionamento da câmera IP e suas vantagens sobre a analógica; Demonstrar os recursos do sistema criado; Apresentar softwares de gerenciamento que auxiliam no desempenho do sistema integrado de câmeras e alarmes; Apresentar um passo a passo das tarefas para criar um sistema eficaz com câmera IP. 1.3 Metodologia A metodologia deste trabalho está baseada nas seguintes etapas: a. pesquisa bibliográfica sobre a tecnologia de câmeras digitais; b. pesquisa bibliográfica sobre os tipos de sistemas e plataformas utilizados em sistemas de vigilância; c. pesquisa bibliográfica sobre a tecnologia de câmera IP; d. desenvolvimento do sistema de vigilância a partir de uma câmera IP adquirida para este trabalho; e. pesquisa de programas de gerenciamento que possam atender às expectativas do trabalho. 1.4 Estrutura do trabalho No primeiro capítulo é feita a introdução do trabalho, apresentados os objetivos geral e específico e a metodologia utilizada. 2

14 No segundo capítulo é apresentado o funcionamento básico das câmeras digitais. No terceiro capítulo é apresentada a câmera IP, seu funcionamento e uma comparação com as câmeras analógicas. No quarto capítulo são apresentados os principais tipos de sistemas de vigilância existentes no mercado. No quinto capítulo são apresentadas alguns programas de gerenciamento de câmeras, abordando suas funções gerais. Também foi feito uma comparação de dois desses sistemas, quanto aos recursos disponíveis na criação de um sistema híbrido. No sexto capítulo é apresentado um guia passo a passo da criação de um sistema de vigilância com acesso remoto utilizando-se de uma câmera IP. No sétimo capítulo é apresentada a conclusão do trabalho. 2 ESTUDO DAS CÂMERAS FOTOGRÁFICAS 2.1 Análise de uma câmera fotográfica Digamos que você queira tirar uma foto e enviá-la por para um amigo. Para isso, precisará que a imagem seja representada em uma linguagem que o computador reconheça: bits e bytes. Essencialmente, uma imagem digital é uma longa seqüência de 1s e 0s que representam todos os minúsculos pontos coloridos, ou pixels, que compõem a imagem. Digitalizar ondas de luz funciona de forma similar. Se você quiser tirar uma foto desta forma, terá duas opções: - pode tirar uma fotografia usando uma câmera de filme convencional, processando o filme quimicamente, imprimindo-o em papel fotográfico e depois usando um scanner digital para digitalizar a impressão (gravar o padrão de luz como uma série de valores de pixels); - pode digitalizar diretamente a luz original refletida pelo seu objeto, decompondo imediatamente esse padrão de luz em uma série de valores de pixels. Em outras palavras, você pode usar uma câmera digital. Em seu nível mais básico, uma câmera digital, assim como uma câmera convencional, possui uma série de lentes que focaliza a luz para criar a imagem de uma 3

15 cena. Mas em vez de focalizar essa luz sobre um pedaço de filme, ela o faz sobre um dispositivo semicondutor que grava a luz eletronicamente. Um computador então decompõe essas informações eletrônicas em dados digitais. Todo o divertimento e os recursos interessantes das câmeras digitais vêm como um resultado direto desse processo.[8] 2.2 Como funciona a câmera digital Em vez de um filme, uma câmera digital possui um sensor que converte luz em cargas elétricas. O sensor de imagem utilizado pela maioria das câmeras digitais é um CCD, Charge Coupled Device, mas algumas câmeras usam sensores com tecnologia CMOS Complementary Metal Oxide Semiconductor. Ambos os sensores de imagem CCD e CMOS convertem luz em elétrons. Uma maneira simplificada de pensar a respeito destes sensores é imaginar uma matriz bidimensional de milhares ou mesmo milhões de minúsculas células solares.[8] Fig Sensor de imagem CMOS. Assim que o sensor converte a luz em elétrons, ele lê o valor (da tensão) de cada célula na imagem. É nesse ponto que estão as diferenças entre os dois principais tipos de sensores: - Um CCD transporta a tensão através do chip e a lê em um canto da matriz. Um conversor analógico para digital (conversor A/D) transforma o valor de cada 4

16 pixel em um valor digital por meio da medição da quantidade de tensão de cada elemento e converte essa medição para a forma binária; - os dispositivos CMOS usam diversos transistores em cada pixel para amplificar e mover a tensão usando fios tradicionais. O sinal de CMOS é digital, assim ele não necessita do conversor A/D. As diferenças entre os dois tipos de sensores levam a diversos prós e contras: - os sensores CCD criam imagens de alta qualidade e baixo nível de ruído. Os sensores CMOS geralmente são mais suscetíveis a ruídos (interferência eletromagnética); - como cada pixel em um sensor CMOS possui diversos transistores localizados próximos a ele, a sensibilidade à luz de um chip CMOS é menor. Muitos dos fótons atingem os transistores em vez do fotodiodo; - os CCDs consomem 100 vezes mais energia do que um sensor CMOS equivalente; - os sensores CCD têm sido produzidos em massa por um período maior, assim a tecnologia está mais madura. Eles tendem a ter pixels de maior qualidade e em maior quantidade; [8] Fig Sensor de imagem CCD. Apesar das numerosas diferenças que existem entre os dois sensores, ambos cumprem o mesmo papel na câmera: convertem luz em eletricidade. 2.3 Resolução A quantidade de detalhes que a câmera pode capturar é chamada de resolução e é medida em pixels. Quanto mais pixels uma câmera possui, mais detalhes ela pode 5

17 capturar e fotos maiores podem ser feitas sem granulação ou perda de nitidez. Veja abaixo algumas resoluções x encontrada em câmeras muito baratas, essa resolução é tão baixa que a qualidade da foto quase sempre é ruim. Isso corresponde a um total de 65 mil pixels x 480 essa resolução é ideal para fotos enviadas por ou publicação de fotos em sites x este é um tamanho de imagem "megapixel": pixels totais. Bom para fotos impressas x com quase 2 milhões de pixels, essa é uma alta resolução. Pode-se imprimir uma foto de 10 cm x 13 cm tirada com essa resolução com a mesma qualidade que a obtida em um laboratório fotográfico x encontrada em câmeras de 4 megapixels, permite fotos impressas ainda maiores, com boa qualidade para impressões de até 40 cm x 51 cm x uma câmera digital topo de linha, com 11,1 megapixels tira fotos com esta resolução. Nessa configuração, podem-se criar fotos impressas de 35 cm x 23 cm sem perder a qualidade de imagem.[8] Fig. 2.3 Tamanho de uma imagem obtida com resoluções diferentes. 6

18 As câmeras para consumidores de produtos de alto desempenho podem capturar mais de 12 milhões de pixels. Algumas câmeras profissionais suportam acima de 16 milhões de pixels ou 20 milhões de pixels nas câmeras de formato grande. A Hewlett Packard estima que a qualidade do filme de 35 mm é de cerca de 20 milhões de pixels. 2.4 Captura da cor Infelizmente, cada pixel é "cego" para as cores. Ele somente captura a intensidade total da luz que atinge sua superfície. Para obter uma imagem totalmente colorida, a maioria dos sensores usa uma filtragem para enxergar a luz em suas três cores primárias. Assim que a câmera grava todas as três cores, ela as combina para criar o espectro completo. Há diversas maneiras de registrar as três cores em uma câmera digital. As câmeras de maior qualidade usam três sensores independentes, cada um com um filtro diferente. Um separador de feixes direciona a luz para os diferentes sensores. Imagine a luz entrando na câmera como a água flui através de um cano. Usar um separador ou divisor de feixes seria como dividir uma quantidade idêntica de água para três canos diferentes. Cada sensor obtém uma visão idêntica da imagem, mas devido aos filtros, cada sensor responde somente a uma das cores primárias.[8] Fig. 2.4 Divisor de feixes. 7

19 A vantagem deste método é que a câmera registra cada uma das três cores para cada localização de pixel. Infelizmente, as câmeras que usam este método tendem a ser volumosas e caras. Outro método consiste em girar uma série de filtros vermelhos, azuis e verdes na frente de um único sensor. O sensor registra três imagens separadas em uma rápida sucessão. Este método também fornece informações sobre todas as três cores em cada localização de pixel, mas como as três imagens não são obtidas precisamente no mesmo instante, tanto a câmera quanto o alvo da foto devem permanecer estacionários para todas as três leituras e isso não é prático. Filtro de disco giratório: os dois métodos funcionam bem para câmeras de estúdio profissional, mas não são muito práticas para fotos casuais. Uma maneira mais econômica e prática para registrar as cores primárias é colocar permanentemente um filtro chamado conjunto de filtro de cores sobre cada pixel. Ao decompor o sensor em uma variedade de pixels vermelhos, azuis e verdes, é possível obter informações suficientes nos arredores de cada sensor para fazer estimativas muito precisas sobre a cor verdadeira naquele local. Esse processo de olhar os outros pixels na vizinhança de um sensor e fazer uma estimativa aproximada é chamado de interpolação. O padrão mais comum é o filtro Bayer, que alterna uma fileira de filtros vermelhos e verdes com uma fileira de filtro azuis e verdes. Os pixels não são divididos por igual: há tantos pixels verdes quanto azuis e vermelhos combinados. Isso ocorre porque o olho humano não é igualmente sensível a todas as três cores. É necessário incluir mais informações provenientes dos pixels verdes para criar uma imagem que o olho perceberá como uma "cor verdadeira".[8] Fig. 2.5 Filtro Bayer. 8

20 As vantagens deste método estão na utilização de um único sensor e todas as informações de cores (vermelho, verde e azul) são registradas no mesmo instante. Isso significa que a câmera pode ser menor, mais barata e útil em uma maior variedade de situações. A saída bruta de um sensor com um filtro Bayer é um mosaico de pixels vermelhos, verdes e azuis de diferentes intensidades. As câmeras digitais usam algoritmos conhecidos como demosaicing algorithms para converter esse mosaico em outro, de tamanho igual, que apresenta cores verdadeiras. A chave é que cada pixel colorido pode ser usado mais de uma vez. A cor verdadeira de um único pixel pode ser determinada por meio da média dos valores dos pixels circundantes mais próximos. Algumas câmeras de sensor único usam alternativas ao padrão de filtro Bayer. A tecnologia X3, por exemplo, embute fotodetectores vermelhos, verdes e azuis em silício. Algumas das câmeras mais avançadas subtraem valores usando a composição das cores ciano, amarelo, verde e magenta em vez de misturar vermelho, verde e azul. Existe até um método que usa dois sensores. Entretanto, a maioria das câmeras simples disponíveis atualmente no mercado, usa um único sensor com fileiras alternadas de filtros verdes/vermelhos e verdes/azuis.[8] 2.5 Exposição e foco Assim como acontece com o filme, uma câmera digital precisa controlar a quantidade de luz que atinge o sensor. Os dois componentes que ela usa para isso, a abertura e a velocidade do obturador, também estão presentes nas câmeras convencionais. - Abertura: tamanho da abertura na câmera. A abertura é automática na maioria das câmeras digitais, mas algumas permitem o ajuste manual para dar aos fotógrafos profissionais e amadores um controle maior sobre a imagem final. - Velocidade do obturador: a quantidade de tempo que a luz pode passar através da abertura. Ao contrário do filme, o sensor de luz de uma câmera digital pode ser reajustado eletronicamente, de maneira que as câmeras digitais possuem um obturador digital em vez de um obturador mecânico. 9

21 Esses dois aspectos trabalham juntos para capturar a quantidade de luz necessária para produzir uma boa imagem. Em termos fotográficos, eles ajustam a exposição do sensor. Somado ao controle da quantidade de luz, a câmera deve ajustar as lentes para controlar como a luz será focalizada sobre o sensor. Em geral, as lentes de câmeras digitais são similares às lentes das câmeras convencionais, e algumas câmeras digitais podem até mesmo usar lentes convencionais. A maioria utilisa técnicas de focalização automática. No entanto, a distância focal é uma diferença importante entre a lente de uma câmera digital e a lente de uma câmera 35 mm. A distância focal é aquela entre a lente e a superfície do sensor. Os sensores dos diversos fabricantes variam muito em tamanho, mas em geral são menores que um pedaço de filme de 35 mm. Para projetar a imagem em um sensor menor, a distância focal é diminuída pela mesma proporção. A distância focal também determina a ampliação, ou zoom, quando se olha através da câmera. Nas câmeras de 35 mm, uma lente de 50 mm proporciona uma visão natural do objeto fotografado. Aumentar a distância focal aumenta a ampliação e os objetos parecem ficar mais próximos. O inverso acontece quando se diminui a distância focal. Uma lente com zoom é qualquer lente que possua uma distância focal ajustável e as câmeras digitais podem ter zoom óptico ou digital (algumas chegam a ter ambos). Outras câmeras também possuem capacidade de macro focusing, o que significa que a câmera pode tirar fotos bem próxima do objeto fotografado. As câmeras digitais possuem um dos seguintes tipos de lentes: - lentes de foco fixo e zoom fixo - estes são os tipos de lentes das câmeras de filme baratas e descartáveis: são boas para fotos instantâneas, mas bastante limitadas. - lentes de zoom óptico com foco automático - similar à lente de uma câmera de vídeo, possuem opções "grande angular" e "teleobjetiva", além de foco automático. A câmera pode ou não suportar foco manual. Elas realmente mudam a distância focal da lente em vez de apenas ampliar a informação que atinge o sensor. - lentes de zoom digital - com o zoom digital, a câmera pega pixels do centro do sensor de imagem e os interpola para gerar uma imagem de tamanho completo. Dependendo da resolução da imagem e do sensor, esta abordagem pode criar uma imagem granulosa ou embaçada. Você pode fazer a mesma coisa manualmente com um programa de processamento de imagem: basta recortar a seção central da imagem e ampliá-la. 10

22 - sistemas de lentes intercambiáveis - são similares às lentes intercambiáveis de uma câmera de 35 mm. Algumas câmeras digitais podem usar lentes de uma câmera 35 mm.[8] 2.6 Armazenamento A maioria das câmeras digitais possui uma tela de cristal líquido (LCD), de modo que você pode visualizar sua foto imediatamente. Essa é uma das grandes vantagens de uma câmera digital: você obtém um retorno imediato daquilo que captura. É claro, visualizar a imagem em sua câmera perderia o charme se isto fosse a única coisa que você pudesse fazer. Você também pode carregar a foto para seu computador ou enviá-la diretamente para uma impressora. E há várias maneiras para isso. As primeiras gerações de câmeras digitais tinham armazenamento fixo em seu interior. Você precisava conectar a câmera diretamente a um computador por meio de cabos para transferir as imagens. Apesar de a maioria das câmeras de hoje ser capaz de se conectar por meio de conexões seriais, paralelas, USB ou FireWire, geralmente elas também possuem algum tipo de dispositivo de armazenamento removível. As câmeras digitais usam diversos sistemas de armazenagem. Muitas delas utilizam memória flash fixa ou removível. Os fabricantes de câmeras digitais freqüentemente desenvolvem seus próprios dispositivos de memória flash, incluindo os cartões SmartMedia, CompactFlash e Memory Sticks. Alguns outros dispositivos removíveis de memória incluem disquetes, discos rígidos ou microdrives, CDs e DVDs graváveis. Não importa o tipo de armazenamento que usem, todas as câmeras digitais precisam de muito espaço para as fotos. Elas geralmente armazenam as imagens nos seguintes formatos: TIFF, que não é compactado, e JPEG, que é compactado. A maioria das câmeras usa o formato de arquivo JPEG para armazenar as fotos e algumas vezes elas oferecem configurações de qualidade (como média ou alta). O seguinte quadro dará uma idéia dos tamanhos de arquivos que você poderá esperar com diferentes tamanhos de fotos.[8] 11

23 Tamanho da imagem TIFF JPEG JPEG (em pixels) (não compactado) (qualidade alta) (qualidade média) 640x480 1,0 MB 300 kb 90 kb 800x600 1,5 MB 500 kb 130 kb 1024x768 2,5 MB 800 kb 200 kb 1600x1200 6,0 MB 1,7 MB 420 kb Tab. 2.1 Tamanho da imagem. Para aproveitar ao máximo o espaço de armazenamento, quase todas as câmeras digitais usam algum tipo de compactação de dados para diminuir o tamanho dos arquivos. Dois recursos das imagens digitais tornam a compactação possível. Um deles é a repetição (compressão reversível) e o outro a invisibilidade (compressão irreversível). Imagine que em uma determinada foto, certos padrões se desenvolvam nas cores. Por exemplo: se um céu azul ocupa 30% da fotografia, pode ter certeza que alguns matizes de azul se repetirão várias vezes. No processo de repetição, as rotinas de compactação aproveitam os padrões que se repetem, não há perda de informação e a imagem pode ser reconstruída exatamente como foi registrada. Infelizmente, isso não reduz os arquivos em mais de 50% e, algumas vezes, não conseguem chegar nem perto deste nível. Na irrelevância, consegue-se uma compressão maior que com o sistema reversível. Fotografias digitais são registros de informações de uma imagem, que evidentemente ocupam espaço, sendo que muitos destes dados não são reconhecidos facilmente pelo olho humano, ou são invisíveis, portanto, sem relevância. O olho é muito sensível a variações de brilho e proporcionalmente pouco sensível a variações de cor, especialmente às das freqüências mais altas. Algumas rotinas de compressão tiram proveito deste fator para descartar informações menos significativas.[8] 12

24 3 INTRODUÇÃO À CÂMERA IP 3.1 Histórico A primeira câmera IP foi desenvolvida pela Axis Communications em 2006, utilizando a plataforma Linux embarcada. A Axis também disponibilizou sua API (Application Programming Interface ou Interface de Programação de Aplicativos) que permitiu a integração e criação de programas e sistemas de gerenciamento por parte de terceiros, resultando em um crescimento exponencial do mercado de vigilância IP. Essa prática permitiu a criação de sistemas personalizados para as mais diversas aplicações e propósitos, assim como uma distribuição do conhecimento em um número maior de empresas. 3.2 O que é uma Câmera IP Consiste basicamente de um sensor de imagem, circuito de análise e processamento de vídeo, servidor de vídeo web e interface de rede, integrados no mesmo equipamento, com funções e programação otimizados para uma operação em conjunto com sistemas de rede. É formada internamente por uma complexa estrutura de processos, controladas por um sistema operacional próprio, integrando todas as funções necessárias para a sua operação e gerenciamento, incluindo a transmissão remota, processos de captura e compactação de imagens, configuração remota, controle de periféricos, atualização de aplicação, entre outras. Diferentemente das câmeras de CFTV analógicas, as câmeras IP possuem uma comunicação através de redes ethernet, utilizando protocolos de transmissão de dados, baseados principalmente em TCP/IP. Uma câmera IP combina uma câmera de vídeo com características de um servidor de vídeo web, incluindo a digitalização e compactação de imagens, assim como a conectividade de rede. A partir da rede, o vídeo é transportado através de uma rede IP, através de hubs, switches e roteadores, e gravado em um PC. Representa uma atualização dos sistemas de CFTV para uma estrutura digital de transmissão de imagens em rede, desde as câmeras e é também um sistema de vídeo plenamente baseado em 13

25 rede, onde nenhum componente analógico intermediário está sendo utilizado. Um sistema de vídeo em rede utiliza o processamento nas câmeras IP como forma de reduzir a utilização da banda, permitir a utilização da infra-estrutura de rede existente, ampliar as capacidades e conectividades do sistema de CFTV, proporcionando ainda uma resolução superior (megapixel), qualidade de imagem consistente, possibilidade de POE (Power Over Ethernet - Alimentação sobre Rede), utilização de dispositivos de rede Wireless (Wi-Fi), possibilidade de Pan/Tilt/Zoom integrados, áudio, entradas e saídas digitais, acionamento de dispositivos, maior flexibilidade e capacidade de integração. Uma câmera convencional digital tem uma resolução máxima de 640 x 480 com aproximadamente pixels ou aproximadamente 0,3 megapixel, já uma câmera IP poderá ter resoluções de até 2592 x 1944 ou aproximadamente 5 megapixel. Com resoluções desta dimensão a capacidade de reconhecimento e verificação de detalhes em uma imagem fica muito facilitada, mas acima de tudo são possíveis novos recursos como movimentação no escopo da área de visualização, zoom em parte da imagem, etc. Porém um fato importante é que a maioria das redes e conexões de internet ainda não está preparada para gerenciar o trafego gerado por imagens destas dimensões, por isso é muito importante uma análise criteriosa na escolha do sistema. 3.3 Vantagens do uso - Utilização de infra-estrutura de rede e cabeamento estruturado, reduzindo os custos de implantação e manutenção de redes distintas. - Permite a utilização de soluções abertas ou híbridas para gravação e gerenciamento. - Maior confiabilidade e segurança na transmissão de imagens; - Uso de tecnologias de cabeamento com padrões de qualidade superiores, obtendo custos reduzidos para instalações de grande porte ou de missão crítica. (Uso de cabo CAT 5e ao invés de cabos coaxiais RG-59). - Possibilidade de alimentação via POE (Power over Ethernet), ou seja alimentação através do cabo de rede, que faz a transmissão de dados e alimentação. - Possibilidade de atualização de aplicação (Firmware) e configuração remota via rede ou internet. 14

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá 1. ALTA RESOLUÇÃO Câmeras baseadas em IP não estão restritas à baixa resolução das câmeras

Leia mais

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

Manual. Rev 2 - junho/07

Manual. Rev 2 - junho/07 Manual 1.Desbloquear o software ------------------------------------------------------------------02 2.Botões do programa- --------------------------------------------------------------------- 02 3. Configurações

Leia mais

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP.

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. VANTAGENS DAS SOLUÇÕES DE VIGILÂNCIA DIGITAL IP É verdade que o custo de aquisição das câmeras digitais IP, é maior que o custo de aquisição das câmeras

Leia mais

IP Camera Tutorial. CNet Technology Jan 2008

IP Camera Tutorial. CNet Technology Jan 2008 IP Camera Tutorial CNet Technology Jan 2008 O que é Câmera IP? Camera IP é a combinação entre câmera e computador. As câmeras podem ser conectadas diretamente na sua rede. Ela possui internamente software

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões.

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões. CAMERA IP SERIE AV O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa

Leia mais

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP Obrigado por utilizar os produtos Dimy s. Antes de operar o equipamento, leia atentamente as instruções deste manual para obter um desempenho adequado. Por favor,

Leia mais

Câmera CFTV Digital Sem Fio

Câmera CFTV Digital Sem Fio Câmera CFTV Digital Sem Fio Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO)

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) Há vários tipos de sistemas de gravações digitais. Os mais baratos consistem de uma placa para captura de vídeo, que

Leia mais

Artigo. Dez razões para comprar uma câmera de rede ou o que o seu fornecedor de câmeras analógicas não contará para você

Artigo. Dez razões para comprar uma câmera de rede ou o que o seu fornecedor de câmeras analógicas não contará para você Artigo Dez razões para comprar uma câmera de rede ou o que o seu fornecedor de câmeras analógicas não contará para você ÍNDICE Introdução 3 Dez coisas que você não ouvirá de seu fornecedor de câmeras analógicas

Leia mais

Manual de Instruções SOFTWARE DVISION PROTECTION DVR

Manual de Instruções SOFTWARE DVISION PROTECTION DVR Manual de Instruções SOFTWARE DVISION PROTECTION DVR ÍNDICE DESCRIÇÃO................................................. PÁG. 1 - Configuração necessária para o bom funcionamento................... 03 2

Leia mais

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação Controle de Acesso Automático de Veículos Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma solução tecnológica que permita o controle dos portões automáticos remotamente através da internet. Aplicando-se

Leia mais

Sistema irá modular até 32 câmeras: Você pode conectar de 1 até 32 câmeras.

Sistema irá modular até 32 câmeras: Você pode conectar de 1 até 32 câmeras. MANUAL DO SISTEMA Introdução Apresentação Requisitos mínimos Instalação do programa Acessando o Secullum DVR Tela Principal Indicador de espaço em disco Disposição de telas Status de Gravação Usuário atual

Leia mais

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital WHITEPAPER Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital Câmera IP ou câmera analógica? Se você está em dúvida sobre a aquisição de uma solução analógica

Leia mais

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário Página 1 de 20 Security Shop MRS Media Relay System Manual do Usuário Página 2 de 20 Conteúdos: Conteúdos:... 2 Figuras:... 3 1. Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Terminologia... 4 2. GERAL...

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Câmeras. Internas. www.foscam.com.br

Câmeras. Internas. www.foscam.com.br Câmeras Internas IP WIRELESS FOSCAM FI9821W A câmera IP FOSCAM FI9821W é uma solução para clientes que procuram um equipamento de alto desempenho, com compressão de imagem H.264 e resolução Megapixel.

Leia mais

Gravação e Transmissão

Gravação e Transmissão O D-Guard Center é um poderoso sistema de controle e monitoramento, integrado aos mais diversos equipamentos de segurança eletrônica. Ilimitados dispositivos podem ser controlados e monitorados simultaneamente:

Leia mais

Soluções completas de segurança em vídeo IP

Soluções completas de segurança em vídeo IP Soluções completas de segurança em vídeo IP Soluções completas de segurança em vídeo IP www.indigovision.com IndigoVision Visão geral A solução empresarial de segurança IP IndigoVision garante o monitoramento

Leia mais

Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client?

Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client? Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client? Assim que abrir o DVR Client, no canto superior direito há um grupo de opções denominado Login, preencha de acordo

Leia mais

ScatiSuite, A melhor ferramenta para a gravação e a gestão do CFTV

ScatiSuite, A melhor ferramenta para a gravação e a gestão do CFTV ScatiSuite, A melhor ferramenta para a gravação e a gestão do CFTV www.scati.com info@scati.com Índice Scati Suite Caraterísticas gerais Gravação Aplicações cliente de gestão Outras funcionalidades Scati

Leia mais

Manual do usuário. isic 5 - Android

Manual do usuário. isic 5 - Android Manual do usuário isic 5 - Android isic 5 - Android Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O novo aplicativo Intelbras isic 5 possui tecnologia capaz de visualizar

Leia mais

Manual do usuário. isic 5 - Android

Manual do usuário. isic 5 - Android Manual do usuário isic 5 - Android isic 5 - Android Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O novo aplicativo Intelbras isic 5 possui tecnologia capaz de visualizar

Leia mais

Gravador digital de vídeo (DVR) de 8 canais Stand Alone

Gravador digital de vídeo (DVR) de 8 canais Stand Alone Gravador digital de vídeo (DVR) de 8 canais Stand Alone VX-8CH-240C-H 8 Canais de Vídeos e 1 Canal de Audio Suporta 1 (um) Disco Rígido (HD SATA) Compressão de Vídeo H.264 Integração com PTZ Hexaplex -

Leia mais

Manual do usuário. isic5 - iphone e ipod Touch

Manual do usuário. isic5 - iphone e ipod Touch Manual do usuário isic5 - iphone e ipod Touch isic5 - iphone e ipod Touch Este manual irá auxiliá-lo na instalação e utilização do software para visualização das imagens dos DVRs e Câmera Speed Dome IP

Leia mais

Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client

Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client O Software HMS Client permite visualização de imagens de 3 maneiras diferentes: Imagens dos dispositivos (Mini Câmeras e NVRs) gravadas

Leia mais

Nosso foco é alertar quando necessário e recuperar rapidamente os dados corretos. Análise Inteligente de Vídeo

Nosso foco é alertar quando necessário e recuperar rapidamente os dados corretos. Análise Inteligente de Vídeo Nosso foco é alertar quando necessário e recuperar rapidamente os dados corretos Análise Inteligente de Vídeo Adição de sentido e estrutura Quando se trata de vigilância por vídeo, a tendência é IP. Embora

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Índice 1 Introdução... 4 Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Verificação dos itens recebidos... 6 Painel Frontal... 7 Painel Traseiro... 8 3 Conectando o

Leia mais

Modelo: H.264 Câmera IP (1.0 Megapixels) guia de instalação rápida

Modelo: H.264 Câmera IP (1.0 Megapixels) guia de instalação rápida 1 Modelo: H.264 Câmera IP (1.0 Megapixels) guia de instalação rápida 1. Colocado diretamente no desktop Colocou a câmera IP na posição adequada 2 2. Montagem na parede O suporte com o parafuso de bloqueio

Leia mais

Vid8 Servidor. Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR;

Vid8 Servidor. Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR; Vid8 Servidor Versão 8.13.0411 Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Versão 8.12.0311 Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR; Versão 8.11.0311 Correção

Leia mais

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Digitalização Este capítulo inclui: Digitalização básica na página 4-2 Instalando o driver de digitalização na página 4-4 Ajustando as opções de digitalização na página 4-5 Recuperando imagens na página

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos.

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Scanners Manual Básico Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Tipos de Scanners Diferentes tipos de scanners funcionam de diferentes maneiras. Conheça

Leia mais

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem 1 1. Introdução / 2. Conteúdo da embalagem 1. Introdução O Repetidor WiFi Multilaser é a combinação entre uma conexão com e sem fio. Foi projetado especificamente para pequenas empresas, escritórios e

Leia mais

A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS:

A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS: A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS: EXISTEM TRÊS TIPOS DE SENSORES UTILIZADOS NAS CÂMARAS DIGITAIS: CCD - Charge Coupled Device CMOS - Complimentary

Leia mais

HVR - GRAVADOR DIGITAL DE VÍDEO HÍBRIDO GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO

HVR - GRAVADOR DIGITAL DE VÍDEO HÍBRIDO GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO HVR - GRAVADOR DIGITAL DE VÍDEO HÍBRIDO GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO Guia rápido do usuário para instalação e operação do DVR Edição R1.0 Bem-vindo! A série DVR/HVR, é um gravador, reprodutor e editor de imagens,

Leia mais

GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SEU KIT IP-Onvif 720P

GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SEU KIT IP-Onvif 720P GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SEU KIT IP-Onvif 720P Conteúdo 1. Apresentação... Erro! Indicador não definido. 1.1. Opções de Gravação... Erro! Indicador não definido. 2. Instalação da câmera IP-Onvif

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Configurando o DDNS Management System

Configurando o DDNS Management System Configurando o DDNS Management System Solução 1: Com o desenvolvimento de sistemas de vigilância, cada vez mais usuários querem usar a conexão ADSL para realizar vigilância de vídeo através da rede. Porém

Leia mais

DSS H.264 DVR. Guia de instalação rápida V1.0.2

DSS H.264 DVR. Guia de instalação rápida V1.0.2 DSS H.264 DVR Guia de instalação rápida V1.0.2 1. Instalação de Disco Rígido Aviso! Recomendamos para instalar com segurança utilizar HDD SATA. Certifique-se de que a energia não esteja desligada antes

Leia mais

Bancada de CFTV - XI 102 -

Bancada de CFTV - XI 102 - T e c n o l o g i a Bancada de CFTV - XI 102 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada de CFTV - XI 102 - INTRODUÇÃO As instalações prediais nos novos

Leia mais

Manual do Usuário ICCTAB 705B/W/P

Manual do Usuário ICCTAB 705B/W/P Manual do Usuário ICCTAB 705B/W/P 1. Introdução ao Tablet PC 1.1 Diagrama geral do Tablet PC Diagrama Frontal: Figura 1-1. Diagrama Lateral: Figura 1-2 Diagrama Traseiro: Figura 1-3 1.2 Tablet PC - Uso

Leia mais

Empresa GÊNIO INFORMÁTICA

Empresa GÊNIO INFORMÁTICA 0 Empresa Com mais de 15 anos de experiência no mercado, GÊNIO INFORMÁTICA é líder em seu segmento e se destaca na prestação de serviços em redes de computadores e instalação de CFTV (Câmeras de segurança).

Leia mais

Painel de Controle e Configurações

Painel de Controle e Configurações Painel de Controle e Configurações Painel de Controle FERRAMENTAS DO PAINEL DE CONTROLE: - Adicionar Hardware: Você pode usar Adicionar hardware para detectar e configurar dispositivos conectados ao seu

Leia mais

Acesso Remoto Intelbras Internet Explorer

Acesso Remoto Intelbras Internet Explorer Acesso Remoto Intelbras Internet Explorer 1. Abra o navegador de Internet e insira o endereço do DVR na linha Endereço. Por exemplo, se o IP do seu DVR for 10.10.10.1 e a porta HTTP for 8080, digite http://10.10.10.1:8080

Leia mais

CÂMERAS. fotográficas

CÂMERAS. fotográficas CÂMERAS fotográficas Quanto ao suporte: Digital Analógico Como classificar e diferenciar os tipos de Câmeras? Quanto a automação: Automáticas Semi-automáticas Auto e manual Quanto ao visor: Visor direto

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

Software Control Center

Software Control Center Software Control Center Uma solução empresarial de segurança IP, com capacidade de gerenciamento de vídeos, áudio e alarmes sobre redes IP Soluções completas de segurança em vídeo IP www.indigovision.com

Leia mais

Guia Rápido de Instalação. VNT 7704 e VNT 7708

Guia Rápido de Instalação. VNT 7704 e VNT 7708 Guia Rápido de Instalação VNT 7704 e VNT 7708 Conteúdo 1. Instale o HD... 3 1.1. Instale o HD... 3 2. Conexões... 3 2.1. Vista traseira do DVR de 04 canais... 3 2.2. Vista traseira do DVR de 08 canais...

Leia mais

Codificadores de vídeo Axis Trazendo os sistemas de vigilância analógicos para o mundo do vídeo em rede.

Codificadores de vídeo Axis Trazendo os sistemas de vigilância analógicos para o mundo do vídeo em rede. Codificadores de vídeo Axis Trazendo os sistemas de vigilância analógicos para o mundo do vídeo em rede. Transição fácil para o vídeo em rede O setor de vigilância por vídeo está passando rapidamente por

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Manual do equipamento Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Sensores de Imagem ivu

Sensores de Imagem ivu Sensores de Imagem ivu www.bannerengineering.com.br Sensor de Visão ivu com interface integrada Sensor de imagem para inspeções de aprovação/rejeição ou leitura de código de barras Interface Gráfica do

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Imagem via iphone e ipod Touch baseado no sistema operacional ios

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Imagem via iphone e ipod Touch baseado no sistema operacional ios MANUAL DO USUÁRIO Software de Imagem via iphone e ipod Touch baseado no sistema operacional ios Software de Imagem via iphone e ipod Touch baseado no sistema operacional ios Este manual irá auxiliá-lo

Leia mais

Guia de Instalação do Universal WiFi Range Extender WN2000RPTv2

Guia de Instalação do Universal WiFi Range Extender WN2000RPTv2 Guia de Instalação do Universal WiFi Range Extender WN2000RPTv2 CONECTE DISPOSITIVOS CABEADOS COM O RECURSO SEM FIO EXTENSÃO SEM FIO Alcance sem fio ampliado Alcance do roteador ROTEADOR 2011 NETGEAR,

Leia mais

Gravador digital de vídeo (DVR) de 16 canais Stand Alone

Gravador digital de vídeo (DVR) de 16 canais Stand Alone Gravador digital de vídeo (DVR) de 16 canais Stand Alone VX-16CH-C-H 16 Canais de Vídeos e 1 Canal de Audio Suporta 1 Disco Rígido (HD SATA) Compressão de Vídeo H.264 480 FPS (Frames por Segundo) Integração

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS Se todos os computadores da sua rede doméstica estiverem executando o Windows 7, crie um grupo doméstico Definitivamente, a forma mais

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

1. Conhecendo o Pligg

1. Conhecendo o Pligg MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Conhecendo o Pligg....................................................... 1 2. Como instalar o Pligg...................................................... 2 3. Como ativar

Leia mais

GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SEU KIT A-HD

GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SEU KIT A-HD GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SEU KIT A-HD Conteúdo 1. Apresentação... 2 1.1. Opções de Gravação... 2 2. Instalação da câmera... 2 3. Instalando e Configurando CMS VETTI... 3 3.1. Instalando o CMS VETTI...

Leia mais

Operação Básica. Login no Sistema

Operação Básica. Login no Sistema INDICE Operação Básica... 1 1. Logon no Sistema... 1 2. Menu Principal... 1 3. Configurando Gravação... 2 4. Detecção de Movimento... 2 5. Reprodução... 4 6. Configuração de Rede... 6 7. Serviços de Rede...

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

MANUAL DE FUNÇÕES DO DVR

MANUAL DE FUNÇÕES DO DVR MANUAL DE FUNÇÕES DO DVR Flash Systems - Manual de Funções do DVR Manual de Funções do DVR Descrevemos aqui as principais funções do DVR. Para acesso, na tela inicial do DVR, clique o botão direito do

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Levando os benefícios do IP aberto ao controle de acesso físico. Controlador de porta em rede AXIS A1001

Levando os benefícios do IP aberto ao controle de acesso físico. Controlador de porta em rede AXIS A1001 Levando os benefícios do IP aberto ao controle de acesso físico. Controlador de porta em rede AXIS A1001 Abra as portas para o futuro. Com o Controlador de porta em rede AXIS A1001, estamos introduzindo

Leia mais

Guia de Iniciação Rápida

Guia de Iniciação Rápida Guia de Iniciação Rápida http://www.geovision.com.tw V8.3.2 2009 GeoVision, Inc. Todos os direitos reservados. Todos os produtos GeoVision são manufaturados em Taiwan. 2009/11 Portuguese NVRV832-B 1 Introdução

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

NVS (Servidor de vídeo em rede) e Câmeras IPS

NVS (Servidor de vídeo em rede) e Câmeras IPS NVS (Servidor de vídeo em rede) e Câmeras IPS Guia rápido de usuário (Versão 3.0.4) Nota: Esse manual pode descrever os detalhes técnicos incorretamente e pode ter erros de impressão. Se você tiver algum

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Download do aplicativo em http://www.k-mex.com.br > Suporte >Drivers Produtos ou faça o download através do QR code.

Download do aplicativo em http://www.k-mex.com.br > Suporte >Drivers Produtos ou faça o download através do QR code. Slot de cartão TF MIC Micro USB 1. Micro USB: Conector de energia 2. Restaurar Configuração de Fábrica: recupera todos os parâmetros iniciais de fábrica 3. Microfone: ativa o monitoramento com áudio 4.

Leia mais

GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SUA CÂMERA IP ROBOT SD

GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SUA CÂMERA IP ROBOT SD GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SUA CÂMERA IP ROBOT SD Primeiramente, gostaríamos de realçar a importância de termos como nosso cliente. Agradecemos por escolher nossos produtos 1. Instalação da câmera...

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line)

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Criamos, desenvolvemos e aperfeiçoamos ferramentas que tragam a nossos parceiros e clientes grandes oportunidades

Leia mais

Manual do usuário. Intelbras isic5 Tablet - Android

Manual do usuário. Intelbras isic5 Tablet - Android Manual do usuário Intelbras isic5 Tablet - Android Intelbras isic5 Tablet - Android Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual irá auxiliá-lo na instalação

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Guia do Usuário da Ferramenta de Instalação da Câmera Avigilon

Guia do Usuário da Ferramenta de Instalação da Câmera Avigilon Guia do Usuário da Ferramenta de Instalação da Câmera Avigilon Versão 4.10 PDF-CIT-D-Rev1_PT Copyright 2011 Avigilon. Todos os direitos reservados. As informações apresentadas estão sujeitas a modificação

Leia mais

Solução Hibrida para Integração de Câmeras Analógicas e Câmeras IP no Mesmo Servidor

Solução Hibrida para Integração de Câmeras Analógicas e Câmeras IP no Mesmo Servidor Gravador de Vídeo Digital Hibrido em Tempo-Real de até 36 Câmeras Solução Hibrida para Integração de Câmeras Analógicas e Câmeras IP no Mesmo Servidor Velocidade de gravação e visualização entre 120 FPS

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Imagem via Celular (isic) baseado no sistema operacional Symbian

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Imagem via Celular (isic) baseado no sistema operacional Symbian MANUAL DO USUÁRIO Software de Imagem via Celular (isic) baseado no sistema operacional Symbian Software de Imagem via Celular (isic) baseado no sistema operacional Symbian Esse software possui tecnologia

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais: 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais: 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional); Características Possui estrutura com design moderno e LEDs que indicam a confirmação de registros; Os dados são gravados em um cartucho USB. Este modo de gravação oferece total proteção contra a perda

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

Manual do Usuário - Câmera IP. Página 1

Manual do Usuário - Câmera IP. Página 1 Página 1 Índice Capítulo 1 Instrução Software 2 Capítulo 2 Instalação de instruções 3 Capítulo 3 Introdução das funções básicas 5 Capítulo 4 Monitoramento 7 Capítulo 5 Sistema 8 Capítulo 6 Conta 21 Capítulo

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 6 Cabeamento Residencial Cabeamento residencial Sistema que integra os serviços de telecomunicações em uma residência: Rede local de computadores, acesso à internet, controle

Leia mais

EaglePlus CMS/NVR. Gerenciamento Hibrido de Câmeras IP, NVRs, Encoders, Decoders, DVR PC-Based e Standalone

EaglePlus CMS/NVR. Gerenciamento Hibrido de Câmeras IP, NVRs, Encoders, Decoders, DVR PC-Based e Standalone EaglePlus CMS/NVR Gerenciamento Hibrido de Câmeras IP, NVRs, Encoders, Decoders, DVR PC-Based e Standalone Velocidade de visualização e gravação de até 30 FPS por câmera Monitoração e gravação remota de

Leia mais

Resolução máxima de 12,0 mega pixels com capa fina G-Shot D5123 G-Shot D5123 G-Shot D5123 G-Shot D5123

Resolução máxima de 12,0 mega pixels com capa fina G-Shot D5123 G-Shot D5123 G-Shot D5123 G-Shot D5123 Resolução máxima de 12,0 mega pixels com capa fina A mais nova câmera digital CMOS de 5,0 mega pixels a G-Shot D5123, foi lançada pela Genius. Este novo estilo tem uma aparência preta nobre, e a G-Shot

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Manual do usuário. Mobile Client

Manual do usuário. Mobile Client Manual do usuário Mobile Client Mobile Client Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para a sua instalação e operação e traz

Leia mais