TREINAMENTO: CFTV (Circuito Fechado de TV) - Princípios Básicos. Por: Fabio F. Amaral Contato: (71)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TREINAMENTO: CFTV (Circuito Fechado de TV) - Princípios Básicos. Por: Fabio F. Amaral Contato: (71) 3205-2700 E-mail: fabio@multitech.com."

Transcrição

1 TREINAMENTO: CFTV (Circuito Fechado de TV) - Princípios Básicos. Por: Fabio F. Amaral Contato: (71)

2 TREINAMENTO CFTV (Princípios Básicos) Nos dias atuais, principalmente com o aumento da violência, vemos crescer de forma extraordinária a quantidade de pessoas que tem um sistema de segurança em suas residências ou empresas. Diante desta crescente há uma expressiva abertura de mercado, pois a quantidade de pessoas que não tem e que precisam de um sistema de segurança confiável é muito grande, para tanto se faz necessário que exista no mercado profissionais qualificados. O objetivo deste treinamento é qualificar basicamente os profissionais em vendas e instaladores dos sistemas CFTV.

3 Os sistemas de CFTV se dividem em 2 tipos: Analógico e Digital. Sistema analógico: Formado pelos seguintes equipamentos: QuadView - (Equipamento responsável por receber todos os sinais das câmeras e disponibiliza-los em uma única tela separadas por quadros (Multiplexador)) QUADVIEW 16 CANAIS TimeLapse - (Equipamento responsável pela gravação das imagens geradas pelas câmeras, é um tipo de Videocassete.) TIMELAPSE

4 Os sistemas de CFTV se dividem em 2 tipos: Analógico e Digital. Sistema analógico: FITA-VHS Formado pelos seguintes equipamentos: Mídia de Gravação (Equipamento onde é gravada as imagens, é uma FITA-VHS do mesmo modelo utilizado nos antigos vídeo cassetes.) MONITOR Monitor (Equipamento responsável por apresentar as imagens geradas pelas câmeras) Câmera (Responsável pela geração das imagens) CÂMERA

5 Sistema Digital é Subdividido em 03: Base DVR Base IP e Base Standalone. CFTV BASE DVR - Formado pelos seguintes equipamentos: Servidor - (É um computador responsável pelo processamento dos dados é onde é instalado o disco rígido (onde são gravadas as imagens geradas pelas câmeras) e a placa DVR.) Placa DVR DIGITAL VIDEO RECORDER- (Equipamento que é instalado no computador, servidor, é a responsável pelo processamento das imagens, das configurações.. É o gerenciador e responsável principal por todo o sistema, é nesta placa que são conectadas fisicamente as câmeras.) COMPUTADOR PLACA - DVR

6 Sistema Digital é Subdividido em 03: Base DVR Base IP e Base Standalone. CFTV BASE DVR - Formado pelos seguintes equipamentos: Mídia de Gravação (Disco rígido, onde são armazenadas todas as imagens do sistema CFTV. *Quanto maior o tamanho do disco por mais tempo as imagens serão armazenadas.) DISCO RÍGIDO - HD SOFTWARE-DVR Software DVR (Poderoso programa que gerencia todo sistema DVR.) CÂMERA Câmera (Responsável pela geração das imagens)

7 CFTV BASE STANDALONE - Formado pelos seguintes equipamentos: Standalone - (É o aparelho que lembra, só lembra mesmo, um videocassete, este equipamento é completamente destinado, DEDICADO, ao sistema CFTV, completo não necessita de placa DVR pois o mesmo é uma placa DVR, já vem com software embarcado baseado em LINUX, sendo assim se torna uma ferramenta mais segura, pois sabemos que os sistema baseados em LINUX tem boa estabilidade) STANDALONE

8 CFTV BASE STANDALONE - Formado pelos seguintes equipamentos: DISCO RÍGIDO - HD Mídia de Gravação (Disco rígido, onde são armazenadas todas as imagens do sistema CFTV. *Quanto maior o tamanho do disco por mais tempo as imagens serão armazenadas.) MONITOR Monitor (Equipamento responsável por apresentar as imagens geradas pelas câmeras) CÂMERA Câmera (Responsável pela geração das imagens)

9 DIFERENÇAS ENTRE OS SISTEMAS DIGITAL E ANALÓGICO CFTV Digital DVR-PC OU STANDALONE - Gravação em até 960 frames por segundo. - Gravação contínua (Não necessita intervenção humana). - Visualização de 1,4,6,8,9,12,16 OU 32 câmeras com sequencial e controle de zoom. - Qualidade de gravação de DVD (640x480 M-PEG4). - Grava por detecção de movimento, sem necessidade de sensores. - As imagens digitalizadas são armazenadas e organizadas por data/hora para futuras consultas. - Fácil impressão e publicação das imagens via . - As imagens possuem marca d'água para evitar alterações ou edições. Por esse motivo são aceitas judicialmente. - Possui senhas de acesso para visualização das imagens. - As imagens podem ser transmitidas via modem, internet, rede local (LAN) e para monitores e TV's via antena coletiva de TV. - Envia mensagem a pager ou arquivo.wav (arquivo de som) pré-estabelecido via telefone quando o motiondetection é atuado. - Enquanto se assiste os eventos desejados, o computador continua a gravar as imagens. CFTV Analógico - Gravação em até 4 frames por segundo. - Troca de fita a cada 24h ou menos. -Visualização sequencial ou em quad. -Perda de qualidade da fita cassete. -Grava em tempo corrido, ou necessita de sensores de presença adicionais para gravar por detecção de movimento. -As imagens são de difícil localização. -Caso seja preciso imprimir ou publicar as imagens, é necessário contratar um profissional para manipular as imagens. - As imagens não são aceitas judicialmente. -Não possui controle. -As imagens podem ser transmitidas apenas para TV's via antena coletiva. - Não possui recursos similares. - Para assistir a fita é obrigatório parar as gravações.

10 DIFERENÇAS ENTRE OS SISTEMAS DIGITAL E ANALÓGICO Ainda existe outra qualificação para os sistemas CFTV os sistemas podem ser: Simplex: Apenas visualização das imagens ao vivo Duplex: Visualização e Gravação Triplex: Visualização, Gravação e Reprodução das Imagens Tetraplex: Visualização, Gravação, Reprodução das Imagens e Backup (Cópia) Pentaplex: Visualização, Gravação, Reprodução das Imagens, Backup (Cópia) e Acesso pela WEB

11 Segue abaixo esquema de um sistema CFTV digital baseado em DVR PC. ENERGIA ELETRICA FONTE - CAMERA SERVIDOR - PC PLACA DVR CONECTORES CABEAMENTO CAMERA CONECTORES CAMERA ACESSO DE QUALQUER LUGAR DO MUNDO PELA INTERNET.

12 Bem a partir de agora vamos começar a nos aprofundar mais, vamos tomar conhecimento de cada parte que componhe um sistema de CFTV... Vamos começar pelo começo... Energia elétrica. CORRENTE ALTERNADA(ac) X CORRENTE CONTINUA(dc) A eletricidade é muito importante para o mundo atual, sem ela com certeza o mundo seria outro. Bem existem muitas fontes de energia elétrica, mas vamos nos concentrar na forma de energia produzida em nosso pais... Que é a energia mecânica, que vem das hidroelétricas, esta energia é produzida através da força das águas que fazem girar enormes turbinas, que por sua vez geram e distribuem a energia para todo o pais, 98% da energia gerada no pais vem das hidroelétricas. Esta energia é produzida e transportada por enormes redes de cabos até chegarem as centrais de distribuição, denominadas sub-estações. A energia que chega nas sub-estações vêem em altíssimas voltagens e para que cheguem em nossas residências com segurança tem sua voltagem diminuída nas sub-estações para valores padrões como: 110 / 220 volts, esta energia vem na forma de CORRENTE ALTERNADA (Sigla CA ou do inglês AC (Alternating Current)) ou seja pelo cabo FASE chegam tensões +(positivas) e (negativas). Ai é quem vem o problema... Pois as câmeras de CFTV como todos os equipamentos eletrônicos só funcionam em CORRENTE CONTINUA (sigla CC ou do inglês DC (Direct Current)) ou seja a energia tem de ser separada tensões +(positivas) em um fio e (negativas) em outro fio. Para resolver isso foram criados os conversores, denominados de FONTES, estas fontes possuem voltagem que de uma forma geral no caso das câmeras de CFTV é de 12 volts (existem exceções câmeras que funcionam com 9 ou 24volts também) além da voltagem devemos nos preocupar também com a carga (Corrente elétrica, que tem sua unidade medida em AMPÈRE símbolo A ) de cada câmera.

13 Bem a partir de agora vamos começar a nos aprofundar mais, vamos tomar conhecimento de cada parte que componhe um sistema de CFTV... Vamos começar pelo começo... Energia elétrica. CORRENTE ALTERNADA(ac) X CORRENTE CONTINUA(dc) Agora que já sabemos as diferenças entre as correntes AC x DC, vamos aprender a calcular corretamente a fonte correta para uma venda e instalação sem problemas. De uma forma geral as fontes DC (para sistema CFTV) são vendidas pela voltagem e pela corrente, Exemplo: Fonte de 12V e 1A (Esta fonte tem 12Volts e 1Ampère de corrente) as câmeras de CFTV em sua maioria tem 12volts de tensão e sua corrente é disponibilizada em MA sigla que quer dizer Miliampere ou seja a milésima parte do Ampère. Uma mini-câmera por exemplo em média consome 12V e 200MA (Consumo igual a 12voltes e 200 miliamperes) ou seja se você comprar 3 mini-câmeras você irá precisar de uma fonte de 12volts e 600MA, pois cada câmera consome 200MA x 3 = 600MA logo uma Fonte de 12Voltes e 1Ampère atenderia esta demanda pois 1Ampère é = 1000 (Mil miliamperes) restando ainda 400MA de corrente produzida pela fonte, esta sobra deve ser utilizada como margem pois num sistema CFTV além do consumo de corrente das câmeras devese levar em consideração também a perda de corrente nos cabos.

14 Lux (símbolo lx )(No Sistema Internacional de Unidades), é a unidade de iluminamento. Corresponde a incidência perpendicular de 1 lúmen em uma superfície de 1 metro quadrado. Uma vela acesa, por convenção, irradia 12,6 lumens, ou seja, uma vela irradia 12 Lux. Segue abaixo exemplos de iluminancia - LUX No caso das câmeras quanto menor for a medida necessário de LUX (entenda luminosidade) para funcionar, melhor é! Exemplo uma câmera que precisa de 0.3 Lux para funcionar é muito melhor do que a concorrente que precisa de 2 Lux.

15 Câmeras: estão divididas em 04 grupos, segue abaixo breve explanação: MINI-CÂMERAS: São câmeras de baixo custo, mais indicadas para ambientes internos, as melhores possuem sensor CCD da Sony e tem de 420 linhas (horizontais) a 480 linhas, elas podem ser Collor ou P&B, Day ou Daynight. As Day - Funcionam normalmente de dia mais não funcionam a noite, ficando totalmente escuras pois tem menor sensibilidade a luminosidade, em média tem menos de 0,5 Lux* de sensibilidade) As Daynight Funcionam normalmente de dia e a noite adotam a postura P&B e conseguem transmitir imagens mesmo no escuro com luminosidade média de 0,08 Lux* ou seja pouca luminosidade. CÂMERAS PROFISSIONAIS: São câmeras mais elaboradas, possuem qualidade superior de imagem como também dos componentes eletrônicos empregados na sua construção. São indicadas tanto para ambientes internos como externos, com a devida proteção, é claro. As melhores possuem sensor CCD da Sony e tem de 480 linhas (horizontais) a 625 linhas, elas podem ser Collor ou P&B, de uma forma geral todas são Daynight. As Daynight Funcionam normalmente de dia e a noite adotam a postura P&B e conseguem transmitir imagens mesmo no escuro com luminosidade média de 0,3 Lux* ou seja pouca luminosidade. Obs.: A quantidade de linhas horizontais que uma câmera produz também é um fator preponderante na geração da imagem. Quanto mais linhas horizontais a camera produzir melhor será sua resolução (sua qualidade).

16 Câmeras: estão divididas em 04 grupos, segue abaixo breve explanação: CÂMERAS-INFRA: Comumente estas câmeras são montadas com base em mini-câmeras, ou seja, em seu interior tem uma mini-câmera instalada. A grande diferença é que estas possuem LED s, comparando grosseiramente seriam como se fossem mini-lâmpadas, estes LED s emitem um tipo de luz denominada Infra-Vermelha, nós seres humanos não conseguimos perceber esta luz, o máximo que conseguimos quando olhamos para uma câmera destas é ver uma luz avermelhada e fraca, mas para as câmeras elas funcionam como luminárias potentes.tem vários alcances, desde 15 a 300 metros de alcance dos raios infra-vermelhos. CÂMERAS SPEED-DOME: Também conhecidas como PTZ (Pan -Tilt e Zoom), São equipamentos que de uma forma geral tem em seu interior uma câmera profissional de boa qualidade montada sobre motores de alta precisão denominados motor de passo, além disso possuem também lentes de alta performance que possibilitam excelentes ganhos de Zoom. Estas câmeras giram 360º em seu eixo e sobem e descem 180º em seu eixo, tem controle de zoom e foco, todas são DayNight e já existem no mercado modelos dotados de sensores infra-vermelho de alto alcance. Obs.: A quantidade de linhas horizontais que uma câmera produz também é um fator preponderante na geração da imagem. Quanto mais linhas horizontais a camera produzir melhor será sua resolução (sua qualidade).

17 Câmeras... São as protagonistas deste sistema, é nas câmeras que encontramos também componentes que fazem a diferença na captura de imagem, são eles: Sistema de cor Sensor: CCD x CMOS Tamanho do sensor e as Lentes. -Os sistemas de cor basicamente são dois: NTSC (padrão americano) e o PAL ( padrão europeu) ambos são excelentes com uma leve vantagem para o padrão NTSC, por isso este é o mais difundido, raramente encontramos câmeras com sistema de cor PAL mas mesmo assim devemos prestar a tenção e saber qual sistema de cor as câmeras trabalham. PAL (Phase Alternation Line) Sistema Europeu para definição de cor. O padrão PAL trabalha com 25 (FPS) quadros por segundo em 625 linhas de varredura horizontal NTSC (National Television Standards Committee) Padrão Americano para definição de cor. O padrão NTSC trabalha com 30 (FPS) quadros por segundo em 525 linhas de varredura horizontal. No Brasil, somente para broadcast (transmissão de imagem), usa-se uma varredura de 625 linhas e 30 quadros por segundo, da mesma forma que o americano, Daí a nomenclatura PAL-M (Padrão Europeu de Cor com padrão Americano de varredura )

18 Sensores, podem ser: CCD ou CMOS São responsáveis pela captação das imagens. CCD (charge-coupled device) ou Dispositivo de Carga Acoplada: é um sensor para captação de imagens formado por um circuito integrado contendo uma matriz de capacitores ligados (acoplados). Sob o controle de um circuito externo, cada capacitor pode transferir sua carga elétrica para um outro capacitor vizinho. Os CCDs são usados em fotografia digital, imagens de satélites, equipamentos médico-hospitalares (como por exemplo os endoscópios), e na astronomia (particularmente em fotometria, óptica e espectroscopia UV e técnicas de alta velocidade). A capacidade de resolução ou detalhe da imagem depende do número de células fotoelétricas do CCD. Expressa-se este número em pixels (pontos). Quanto maior o número de pixels, maior a resolução (qualidade) da imagem. Atualmente as câmeras fotográficas digitais incorporam CCDs com capacidades de até 200 milhões de pixels ou 20Mega Pixels.

19 CMOS (Complementary Metal Oxide Semiconductor) ou semicondutor metal-óxido complementar : É um tipo de tecnologia empregada na fabricação de circuitos integrados onde se incluem elementos de logica digital (portas lógicas, flip-flops, contadores, decodificadores, etc.), microprocessadores, microcontroladores, memória RAM, etc. O "complementary", em seu nome, vem do fato de que esta tecnologia utiliza os dois tipos de transistores MOSFET, o MOSFET canal N e o MOSFET canal P, de tal modo que um deles "complementa" o outro. A CMOS é hoje a tecnologia mais largamente usada na fabricação de CIs. As principais vantagens dos circuitos integrados CMOS são o baixíssimo consumo de energia (que leva à baixa dissipação de calor) e a possibilidade de alta densidade de integração, comparativamente com outras tecnologias como a TTL. Devido a tais características, circuitos CMOS são também largamente utilizados em calculadoras, relógios digitais, e outros dispositivos alimentados por pequenas baterias. Um sensor CMOS, em particular, é um tipo de sensor de imagem usado comumente em câmeras digitais feito na mesma tecnologia, e que tem sido utilizado como uma alternativa mais barata aos sensores do tipo CCD. Conclusão: Nossa recomendação é a utilização de câmeras baseadas em CCD em todas as situações onde qualidade de imagem ou sensibilidade de iluminação forem os principais requisitos. Para aplicações onde o custo ou tamanho sejam críticos, um câmera baseada em CMOS é normalmente a melhor solução.

20 Vantagens e Desvantagens Sensor CCD Os benefícios da utilização do sensor CCD incluem... - Melhor sensibilidade: Os CCDs podem produzir imagens de boa qualidade mesmo em condições de baixa iluminação. Principalmente os modelos P&B. - Melhores cores e imagem mais nítida: Nos últimos anos os sensores CMOS tem reduzido a lacuna tecnológica entre as duas tecnologias. Porém o CCD se mantém superior e será a melhor opção para os próximos anos. - Nível de qualidade alto e padronizado: Tipicamente o desvio de características entre dois CCDs do mesmo modelo são mínimos. - Baixo nível de ruído de fundo: Um CCD produz muito menos ruído de fundo do que um sensor CMOS. Algumas desvantagens da tecnologia CCD incluem: - Maior custo de produção: O sensor CCD é produzido por um processo diferenciado de maior custo; portanto a unidade tem um preço mais alto em relação aos sensores CMOS. - Maior custo e complexidade de incorporação: É mais complexa a construção de uma câmera baseada em sensor CCD, assim como são necessários componentes adicionais. - Quando existe um objeto muito brilhante na cena (ex. uma lâmpada ou luz direta do sol), o CCD pode ser ofuscar causando listras verticais acima e abaixo do objeto. Este fenômeno é chamado blooming and Conclusão: Nossa recomendação é a utilização de câmeras baseadas em CCD em todas as situações onde qualidade de imagem ou sensibilidade de iluminação forem os principais requisitos. Para aplicações onde o custo ou tamanho sejam críticos, um câmera baseada em CMOS é normalmente a melhor solução.

21 Vantagens e Desvantagens Sensor CMOS Algumas características do CMOS: - Custo mais baixo graças ao processo padrão de fabricação e da não necessidade de componentes especiais - Em ambientes de baixa iluminação, um padrão fixo de ruído aparece. Isto pode ser visto como pequenos pontos ou linhas de ruído na imagem. - É mais fácil de projetar uma câmera baseada em CMOS do que em CCD. Um sensor CMOS permite que seja produzida uma câmera com menos componentes e com tamanho reduzido. - Muito utilizados em Web-Cams domésticas, para pequenas aplicações de vídeo-confência e chats, devido ao baixo custo. Algumas das desvantagens da tecnologia CMOS: - Baixa sensibilidade de iluminação: Para operar corretamente, o sensor CMOS requer um ambiente bem iluminado. - Maior relação de ruído do que CCDs. - As tecnologias mais atuais de sensores CMOS, tem fornecido uma qualidade razoavelmente comparável aos CCDs mais simples. E em comparação aos sensores CMOS anteriormente produzidos produzem uma imagem de boa qualidade com cores mais brilhantes, melhor sensibilidade e maior nitidez na imagem. - Alguns sensores CMOS utilizados em câmeras IP, possuem ainda a desvantagem da imagem produzida ser escalonada pela redução de linhas e pixels. Isto significa que enquanto uma imagem em tamanho completo (VGA, 640x480) será nítida e boa, pode perder informações quando escalonada para 320x240 ou menos. Para resolver este problema existe um processo chamado interpolação onde os pixels próximos são comparados de forma a gerar um pixel baseado em vários outros proporcionando melhor qualidade na imagem reduzida, existe ainda embarcadas neste tipo de câmeras poderosos chips que permitem processos avançados de compactação. Conclusão: Nossa recomendação é a utilização de câmeras baseadas em CCD em todas as situações onde qualidade de imagem ou sensibilidade de iluminação forem os principais requisitos. Para aplicações onde o custo ou tamanho sejam críticos, um câmera baseada em CMOS é normalmente a melhor solução.

22 Tamanhos do CCD: Os sensores CCD tem alguns formatos (Tamanhos) padrão, muitas das vezes os vendedores e ou instaladores (Técnicos) são afrontados com perguntas dos clientes ou até mesmo de curiosos. (Qual a diferença da câmera com CCD de 1/3 e da de 1/4, qual é a melhor?) Bem esta resposta a partir de agora deverá ficar clara.. Pois quanto maior o tamanho do sensor maior será a área de cobertura da câmera. Abaixo vemos explicitamente as diferenças. Sensor uma polegada Sensor 2 terços de polegada Sensor um meio de polegada Sensor um terço de polegada Sensor um quarto de polegada * A marca do sensor CCD também é um outro item muito importante, dentre elas as principais são a Sony e a Sharp, com uma vantagem para Sony por possuir sensores de melhor qualidade transmitindo assim imagens mais reais. É muito importante também que o chip7 da câmera seja da marca Sony.

23 TIPOS DE LENTES E SUAS APLICAÇÕES PRÁTICAS: A função da lente é coletar a luz transmitida de um objeto em uma cena, focada em determinado plano, convergindo-a para o sensor fotossensível ou CCD (Charging Coupling Device), localizado logo atrás da Lente em seu ponto focal - que sensibilizado envia o sinal para o circuito eletrônico da Câmera, que o amplifica e transmite para o Monitor - onde a imagem será reproduzida. A Lente funciona como o olho humano, o sensor CCD como a retina e o conjunto Câmera-Monitor como o cérebro. As lentes podem ser: VARIFOCAIS: São lentes que variam as distancias focais. Exemplo: Lente 2,8mm ~ 8mm, geralmente utilizadas em câmeras profissionais, podem ter integrada a elas a função auto-iris (é um diafragma que fica na saída da lente e controla a entrada de luminosidade... Quando o ambiente tem muita luz ele se fecha quando há pouca luminosidade ele se abre) este diafragma pode ser mecânico(manual) ou eletrônico controlado pela câmera. FIXAS: São lentes que não variam as distancias focais. Exemplo: Lente 2,8mm ou 8mm, você a compra com uma medida se precisar alterar para mais ou para menos o tamanho da lente terá de substitui lá, geralmente utilizadas em câmeras profissionais. MINI LENTES FIXAS: São lentes que não variam as distancias focais. Exemplo: Lente 2,8mm ou 8mm, você a compra com uma medida se precisar alterar para mais ou para menos o tamanho da lente terá de substitui lá, São utilizadas em mini-câmeras.

24 O que é um FRAME? Traduzindo literalmente do Inglês para o português FRAME quer dizer Moldura. Em CFTV um frame é igual a um quadro ( uma imagem, uma foto). PLACAS DVR: As placas DVR se diferenciam basicamente pela quantidade de Frames(quadros) que conseguem gerar em um segundo. As placas que conseguem gravar imagens em tempo real devem fazer estas gravações em 30 FPS (Frames por segundo), a quantidade de frames em si não altera a qualidade da imagem. Mas o que difere em si ter mais ou menos frames? Quando se tem mais frames na gravação se tem uma imagem mais completa, pois conseguimos gravar todos os movimentos do ambiente, quando se tem menos frames na gravação podemos perder imagens. Outro ponto importantíssimo nas placas DVR s como também dos standalones são a resolução de gravação e o formato de compressão da gravação. RESOLUÇÃO: Chamada também de Definição é a quantidade de pontos que compõem uma imagem, estes pontos recebem o nome de PIXEL, quanto mais pontos tiver uma imagem maior resolução ela terá e conseqüentemente uma resolução superior. Abaixo segue tabelas de resolução.

25 Meios de transmissão das imagens. As imagens geradas por câmeras de CFTV são transmitidas para os servidores de gravação através dos meios físicos. Estes meios se dividem em 3 partes ( Cabos metálicos cabos ópticos e pelo ar (wireless)) Cabos metálicos neste grupo temos os cabos Coaxiais são cabos metálicos feitos em cobre no centro revestidos por uma camada de isolante, acima temos uma camada de malha que pode ser em alumínio ou cobre, está camada tem por finalidade a blindagem deste cabo afastando do mesmo as interferencias do ambiente externo como também o aterramento do cabo. Por fim ambas as camadas são revestidas por uma capa em PVC. Ainda falando de cabos metálicos temos também neste grupo os cabos de Par Trançado( Cabos de rede ) Estes cabos, atualmente, estão sendo bastante utilizados nas instalações de CFTV, ele tem uma vantagem muito grande em relação ao cabo Coaxial, pois através deles podemos ligar até 4 câmeras enquanto com o Cabo coaxial só conseguimos ligar uma câmera para cada cabo, em contra partida os cabos UTP (rede) para funcionar com os sistemas de CFTV necessitam de um conversor chamado Vídeo- Balun, isso se dá devido a diferenças de impedância, as câmeras enviam um sinal elétrico a 75 Ohm s para tanto necessitam de um cabo de 75 Ohm s, mas os cabos UTP tem impedância nominal de +/- 100 Ohm s já os cabos coaxias tem impedância nominal de 75 Ohms para tanto não necessitam de conversores. Cabos Ópticos São cabos de fibra óptica. Também necessitam de conversores. Wireless Transmissão sem fios usando tecnologia baseado em protocolo IP

26 Conectores: Como o nome já diz... Fazem as conexões entre as câmeras os cabos e por fim as placas DVR, TV s, Timelapse, Standalone e etc. É um item de extrema importância para o perfeito funcionamento do sistema como um todo, é também o item que causa mais problemas no sistema quando mal instalado, quando mal escolhido (a depender do tipo) ou mesmo quando se encontram em condições adversas sem a devida proteção quando instalados no tempo sem proteção principalmente em áreas costeiras que sofrem com o salitre. O conector mais utilizado na atualidade é o BNC tanto é que se tornou uma espécie de padrão para praticamente todos os fabricantes de câmeras. Segue abaixo alguns tipos de conectores utilizados em CTFV. Conector BNC - BNC (British Naval Connector ou Bayonet Neil Concelman ou Bayonet Nut Connector) Conector para cabos coaxiais (cabos que contêm 2 condutores, um central - fio grosso de cobre - e outro em forma de malha de fios de cobre envolvendo-o, sendo o condutor central isolado da malha por uma camada de plástico) utilizado em aplicações de rede de computadores, no transporte de sinais de aparelhos de medição de altas-frequências (osciloscópios por exemplo) e no transporte de sinais de vídeo (imagem) em aplicações profissionais. Conector RCA - RCA (também conhecidos como Cinch ou bananas) são conectores comumente utilizados em equipamentos eletrônicos e seu nome deriva de "Radio Corporation of America", empresa que introduziu o tipo de conector no mercado em meados dos anos 40. A concepção deste tipo de conector é bem antiga. Estes foram idealizados visando minimizar a interferência em sinais de pequena amplitude. Normalmente são usados em conjunto com cabos blindados com uma malha externa que é aterrada. A parte externa do conector macho é soldada à malha, tornando-se como que uma continuação da blindagem, evitando a indução de parasitas no sinal. Conector P4 Este tipicamente é utilizado como conector de força (elétrico) é por ele que chega a energia enviada pela fonte de alimentação, é também muito sensível a solda pois os fios que são soldados são extremamente finos exigindo do técnico maior atenção para não causar curto.

27 Levantamento para sistema CFTV. Como proceder para fazer uma venda correta e uma instalação bem feita de um sistema de CFTV. -Devemos levar em consideração que um sistema de CFTV tem o objetivo primordial de controlar ENTRADAS e SAIDAS dos locais onde são instalados, ou seja estas áreas devem ser observadas já na visita do consultor de vendas e merecem total prioridade quanto a posicionamento na instalação pelos técnicos, pois como dito anteriormente são pontos cruciais do sistema. Vamos tomar como exemplo um prédio de 12 andares onde existem 2 elevadores (um social e outro de serviço um de frente pro outro com acesso as escadas ao centro do vão dos elevadores) + dois níveis de garagem + Hall principal de entrada, sabendo que existe também uma única entrada e saída de veículos como também uma única entrada e saída de pedestres. Diante deste cenário como deveriam ser distribuídas as câmeras? Quantas câmeras basicamente com base no citado acima deve ter este sistema? qual o tipo mais indicado de câmeras para cada local? E o tipo de lente que deveríamos utilizar em cada local? Qual a placa DVR ou Satand alone indicados? E por fim em caso de escolha de uma placa DVR qual a configuração mínima deste sistema?

28 Levantamento para sistema CFTV. Para começar podemos concluir que este sistema deve ter um total de 7 câmeras, quanto a distribuição e o tipo de câmeras seria assim: 1 infra para entrada/saída de veículos lente 3.6mm 1 infra para entrada/saída de pedestres lente 3.6mm 3 infras lente 3.6mm sendo uma para cada nível de garagem + uma para o Hall principal 2 minis com lente fixa de 1.9 ou 2.5mm para cada elevador. Se fossemos optar por uma placa DVR a mesma deveria ser uma de 16 canais com 120 frames o computador para este sistema deveria ser o seguinte: placa mae chip7 intel + dual core + 2gb de memória + disco rígido de 500gb + placa de vídeo de 256mb com 128bits + nobreak + tela de 18 Se fossemos escolher um standalone o mesmo deveria ter 8 canais e 240 frames + nobreak + tela de 18 Bem, diante do cenário apresentado a melhor opção basicamente seria a apresentada acima, mas é claro que ainda existiriam outras áreas importantes a serem monitoradas neste local Frente da rua - área importantíssima onde ocorrem geralmente pequenos furtos ou até mesmo acidentes com veículos todo o perímetro (cercas ou muros(laterais e fundos)) / Áreas de menor peso mas que devem ser levadas em consideração ( corredores das garagens, piscinas, parquinhos e portaria) Outras áreas de interesse do administrador ou sindico a se estudar.

29 AGORA VAMOS PARTIR PARA PRÁTICA: SEQUENCIA DE ATIVIDADES SISTEMA BASEADO EM PLACA DVR MARCA GEOVISION MOD GV FRAMES: Passo 1 Abrir a pasta que esta na area de trabalho com o nome GV800 Abrir a Pasta DRIVER dentro dela executar o programa de nome: DrvInst SELECIONAR OPÇÃO INSTALL AGUARDAR A CONCLUSÃO DA INSTALAÇÃO DOS DRIVERS. Vamos instalar agora o Geovision system dentro da pasta GV800 vamos abrir agora a paste de nome: LOCAL dentro dela vamos procurar o programa de nome SETUP e executa-lo na 1ª tela devemos escolher a placa que estamos instalando no caso a GV800 selecionem e cliquem em NEXT (próxima) na 2ª tela devemos escolher o sistema de cor que no caso de nossas câmeras é o NTSC na 3ª tela devemos escolher a resolução de tela que no caso é 1024 x 768 pixel s na 4ª tela é apresentado um caminho padrão para instalação, não devemos mudar apenas cliquem em NEXT na 5ª tela é apresentado local onde será armazenado os atalhos no menu iniciar, não vamos mudar cliquem em NEXT depois deste passo vem uma pergunta em inglês que quer dizer: VOCÊ GOSTARIA DE ADICIONAR GV800 PARA INICIALIZAR COM O WINDOWS? a resposta é SIM depois desta vem outra pergunta em inglês que quer dizer: VOCE GOSTARIA DE ADICIONAR O CONTROLE REMOTO? a resposta desta é não sendo assim o sistema fará a instalação do programa de gerenciamento da placa GEOVISION ao final o computador deverá ser reinicializado... Ao rebootar o windows iniciará normalmente e carregará o sistema GV automaticamente, na 1 tela após a inicialialização deveremos criar um usuário e senha para o sistema vale ressaltar que sempre deveremos por como usuário a palavra admin e senha = este é o nosso padrão. Após isso o sistema GV Já estará instalado. Antes de continuarmos com a configuração vamos passar a segunda atividade. Passo 2 Vamos confeccionar um cabo para ligar a câmera 01 utilizaremos cabo coaxial com 90% de malha + tripolar com conector BNC de solda com mola + conector plug P4 para alimentação da câmera. Passo 3 Vamos confeccionar um cabo para ligar a câmera 02 utilizaremos cabo coaxial 4mm com 80% de malha + bipolar com conector BNC de solda com mola + conector plug P4 para alimentação da câmera. Passo 4 Vamos ligar a Câmera 01 a um modulo de áudio.

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO)

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) Há vários tipos de sistemas de gravações digitais. Os mais baratos consistem de uma placa para captura de vídeo, que

Leia mais

Bancada de CFTV - XI 102 -

Bancada de CFTV - XI 102 - T e c n o l o g i a Bancada de CFTV - XI 102 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada de CFTV - XI 102 - INTRODUÇÃO As instalações prediais nos novos

Leia mais

Manual. Rev 2 - junho/07

Manual. Rev 2 - junho/07 Manual 1.Desbloquear o software ------------------------------------------------------------------02 2.Botões do programa- --------------------------------------------------------------------- 02 3. Configurações

Leia mais

GS 16SVR960 Sistema de Gravação de Vídeo - 960H - 16 canais

GS 16SVR960 Sistema de Gravação de Vídeo - 960H - 16 canais www.gigasecurity.com.br GS 16SVR960 Sistema de Gravação de Vídeo - 960H - 16 canais Gravador de vídeo Fonte bivolt Proteção de surto HD opcional Acesso via internet Sistema de gravação de vídeo Muito mais

Leia mais

IP Camera Tutorial. CNet Technology Jan 2008

IP Camera Tutorial. CNet Technology Jan 2008 IP Camera Tutorial CNet Technology Jan 2008 O que é Câmera IP? Camera IP é a combinação entre câmera e computador. As câmeras podem ser conectadas diretamente na sua rede. Ela possui internamente software

Leia mais

Câmera CFTV Digital Sem Fio

Câmera CFTV Digital Sem Fio Câmera CFTV Digital Sem Fio Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

Câmeras. Internas. www.foscam.com.br

Câmeras. Internas. www.foscam.com.br Câmeras Internas IP WIRELESS FOSCAM FI9821W A câmera IP FOSCAM FI9821W é uma solução para clientes que procuram um equipamento de alto desempenho, com compressão de imagem H.264 e resolução Megapixel.

Leia mais

Fonte de alimentação AT, ATX e ATX12V

Fonte de alimentação AT, ATX e ATX12V Fonte de alimentação AT, ATX e ATX12V Introdução As fontes de alimentação são as responsáveis por distribuir energia elétrica a todos os componentes do computador. Por isso, uma fonte de qualidade é essencial

Leia mais

DVR 16CH H.264-480 FPS

DVR 16CH H.264-480 FPS TVCR301 DVR 16CH H.264-480 FPS Gravador Digital (16CH) DVR 16 CH 480FPS H.264 Características Modelo Compacto; Instalação sem ferramentas (Tool-Free); Controles: Botão Liga/Desliga, system reset switch;

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104

MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104 MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104 Obrigado por escolher o DVR USB ST-104 DIMY S. Por favor, certifique-se que a operação do produto esta de acordo com este manual para garantir a estabilidade do sistema

Leia mais

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Índice 1- Preparação da CPU para o funcionamento do Gravador Digital Mamut 1.1 - Preparação da CPU 1.2 - Instalação do Firebird 2 - Instalação

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Gravador digital de vídeo (DVR) de 8 canais Stand Alone

Gravador digital de vídeo (DVR) de 8 canais Stand Alone Gravador digital de vídeo (DVR) de 8 canais Stand Alone VX-8CH-240C-H 8 Canais de Vídeos e 1 Canal de Audio Suporta 1 (um) Disco Rígido (HD SATA) Compressão de Vídeo H.264 Integração com PTZ Hexaplex -

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2014. Termo de Referencia

ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2014. Termo de Referencia ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2014 Termo de Referencia 1. OBJETO Aquisição de equipamentos de sistema de segurança (circuito fechado DVR), sendo DVR, Câmeras e Fontes 2. Descrição Quantidade Equipamento

Leia mais

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário Página 1 de 20 Security Shop MRS Media Relay System Manual do Usuário Página 2 de 20 Conteúdos: Conteúdos:... 2 Figuras:... 3 1. Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Terminologia... 4 2. GERAL...

Leia mais

CÂMERAS. fotográficas

CÂMERAS. fotográficas CÂMERAS fotográficas Quanto ao suporte: Digital Analógico Como classificar e diferenciar os tipos de Câmeras? Quanto a automação: Automáticas Semi-automáticas Auto e manual Quanto ao visor: Visor direto

Leia mais

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos.

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Scanners Manual Básico Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Tipos de Scanners Diferentes tipos de scanners funcionam de diferentes maneiras. Conheça

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais

Sistema irá modular até 32 câmeras: Você pode conectar de 1 até 32 câmeras.

Sistema irá modular até 32 câmeras: Você pode conectar de 1 até 32 câmeras. MANUAL DO SISTEMA Introdução Apresentação Requisitos mínimos Instalação do programa Acessando o Secullum DVR Tela Principal Indicador de espaço em disco Disposição de telas Status de Gravação Usuário atual

Leia mais

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP.

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. VANTAGENS DAS SOLUÇÕES DE VIGILÂNCIA DIGITAL IP É verdade que o custo de aquisição das câmeras digitais IP, é maior que o custo de aquisição das câmeras

Leia mais

Sumário GERAL... 3 INSTALAÇÃO... 3 UTILIZANDO O MINI DVR USB ST-400...10. Opções de Segurança... 12. Gravando as Imagens...13 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Sumário GERAL... 3 INSTALAÇÃO... 3 UTILIZANDO O MINI DVR USB ST-400...10. Opções de Segurança... 12. Gravando as Imagens...13 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Nos campos channel description, podemos nomear os canais. O nome será exibido junto ao vídeo. No campo Channel control, selecionando o modo automatic, podemos definir os canais ativos, o tempo de exibição

Leia mais

Segundo a NBR ISO/IEC 17799:2005,: Objetivo: Prevenir o acesso físico não autorizado, danos e interferências com as instalações e informações da

Segundo a NBR ISO/IEC 17799:2005,: Objetivo: Prevenir o acesso físico não autorizado, danos e interferências com as instalações e informações da 2. Importância da Segurança Física - Monitoramento Segundo a NBR ISO/IEC 17799:2005,: Objetivo: Prevenir o acesso físico não autorizado, danos e interferências com as instalações e informações da organização.

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup MANUAL DO USUÁRIO Software de Ferramenta de Backup Software Ferramenta de Backup Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para

Leia mais

Alarme Conteúdo Detalhado:

Alarme Conteúdo Detalhado: 1 PRÉ REQUISITO: Alarme Conteúdo Detalhado: Ter interesse e disponibilidade para aprender conceitos teóricos e práticos em sistemas de alarme com ou sem monitoramento, cerca elétrica e sensores IVA (barreira

Leia mais

CFTV: Circuito Fechado de Televisão e sua Aplicação em Segurança Eletrônica

CFTV: Circuito Fechado de Televisão e sua Aplicação em Segurança Eletrônica CFTV: Circuito Fechado de Televisão e sua Aplicação em Segurança Eletrônica Este tutorial tem por objetivo introduzir o tema CFTV Circuito Fechado de Televisão. Apesar de diversas outras aplicações existentes,

Leia mais

Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client?

Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client? Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client? Assim que abrir o DVR Client, no canto superior direito há um grupo de opções denominado Login, preencha de acordo

Leia mais

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer 1 Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer Rafael Antonio Barro [1] Jailton Farias de Carvalho [2] Resumo: Este artigo descreve como funciona o módulo de captura de imagens do software Sci-soccer,

Leia mais

1. ESPECIFICAÇÕES...4 1.1 REQUERIMENTOS DE SISTEMA...4 2 TABELA DE GRAVAÇÃO...5 3 INSTALAÇÃO...6 3.1 INSTALAÇÃO DO DVR USB...6 3.

1. ESPECIFICAÇÕES...4 1.1 REQUERIMENTOS DE SISTEMA...4 2 TABELA DE GRAVAÇÃO...5 3 INSTALAÇÃO...6 3.1 INSTALAÇÃO DO DVR USB...6 3. 1. ESPECIFICAÇÕES...4 1.1 REQUERIMENTOS DE SISTEMA...4 2 TABELA DE GRAVAÇÃO...5 3 INSTALAÇÃO...6 3.1 INSTALAÇÃO DO DVR USB...6 3.2 INSTALAÇÃO DO PROGRAMA...6 4 PROGRAMA SUPER DVR...13 4.1 INTERFACE PRINCIPAL...13

Leia mais

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões.

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões. CAMERA IP SERIE AV O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa

Leia mais

DVR CHIP PHILIPS. Índice. 1. Especificações Técnicas... 4. 2. Requerimentos... 5

DVR CHIP PHILIPS. Índice. 1. Especificações Técnicas... 4. 2. Requerimentos... 5 Índice 1. Especificações Técnicas... 4 2. Requerimentos... 5 3. Instalação... 6 3.1 Instalação da Placa... 6 3.2 Instalação do Driver... 7 3.3 Instalação do Programa Servidor [Server Install]... 9 3.4

Leia mais

Aula 2 Aquisição de Imagens

Aula 2 Aquisição de Imagens Processamento Digital de Imagens Aula 2 Aquisição de Imagens Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br EESC/USP Fundamentos de Imagens Digitais Ocorre a formação de uma imagem quando

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

Manual de Instruções SOFTWARE DVISION PROTECTION DVR

Manual de Instruções SOFTWARE DVISION PROTECTION DVR Manual de Instruções SOFTWARE DVISION PROTECTION DVR ÍNDICE DESCRIÇÃO................................................. PÁG. 1 - Configuração necessária para o bom funcionamento................... 03 2

Leia mais

DAS CARACTERÍSTICAS MÍNIMAS

DAS CARACTERÍSTICAS MÍNIMAS TERMO DE REFERÊNCIA DO OBJETO Contratação de empresa especializada para elaboração de projeto, fornecimento de materiais e instalação de Circuito Fechado de TV (CFTV) para o Museu da Língua Portuguesa.

Leia mais

Conectores de Vídeo Radiofreqüência (RF)

Conectores de Vídeo Radiofreqüência (RF) 15 Conectores de Vídeo Existem vários tipos de conexões de vídeo que você pode encontrar no PC e em aparelhos eletrônicos como TVs, aparelhos de DVD e videoprojetores. Apesar de a finalidade geral desses

Leia mais

Para maiores informações contactar: Segurança Industrial Rua Mariópolis, 131 81750-020 Curitiba - PR Fone/fax: 41 3287-1364 ou 9637-8019

Para maiores informações contactar: Segurança Industrial Rua Mariópolis, 131 81750-020 Curitiba - PR Fone/fax: 41 3287-1364 ou 9637-8019 Para maiores informações contactar: Segurança Industrial Rua Mariópolis, 131 81750-020 Curitiba - PR Fone/fax: 41 3287-1364 ou 9637-8019 www.segindbr.com.br - cml@segindbr.com.br LTC 2682/XX Operação realmente

Leia mais

Sistema de Segurança Digital. Tutorial para posicionamento de câmeras de leitura de placas de automóveis com o software Digifort. - Versão 1.

Sistema de Segurança Digital. Tutorial para posicionamento de câmeras de leitura de placas de automóveis com o software Digifort. - Versão 1. Tutorial para posicionamento de câmeras de leitura de placas de automóveis com o software Digifort. - Versão 1.0-01/2011 O objetivo deste tutorial é apenas dar uma dica de como fazer o posicionamento ideal

Leia mais

Manual do usuário. Mobile Client

Manual do usuário. Mobile Client Manual do usuário Mobile Client Mobile Client Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para a sua instalação e operação e traz

Leia mais

INFORMÁTICA BÁSICA PARA FUNCIONÁRIOS IFPE AULA 06. Wilson Rubens Galindo

INFORMÁTICA BÁSICA PARA FUNCIONÁRIOS IFPE AULA 06. Wilson Rubens Galindo INFORMÁTICA BÁSICA PARA FUNCIONÁRIOS IFPE AULA 06 Wilson Rubens Galindo SITE DO CURSO: http://www.wilsongalindo.rg3.net Caminho: Cursos Informática Básica para Servidores Grupo de e-mail: ibps2010@googlegroups.com

Leia mais

CFTV DE BRINQUEDO X PROFISSIONAL O QUE DEVEMOS PERGUNTAR???

CFTV DE BRINQUEDO X PROFISSIONAL O QUE DEVEMOS PERGUNTAR??? CFTV DE BRINQUEDO X PROFISSIONAL O QUE DEVEMOS PERGUNTAR??? Na hora de escolher um sistema de cftv leve em conta suas necessidades. Algumas câmeras podem não atender determinados requisitos, por isso é

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO CENTRAIS DE ALARMES O presente memorial tem por objetivo descrever as instalações do sistema de proteção

Leia mais

Soluções completas de segurança em vídeo IP

Soluções completas de segurança em vídeo IP Soluções completas de segurança em vídeo IP Soluções completas de segurança em vídeo IP www.indigovision.com IndigoVision Visão geral A solução empresarial de segurança IP IndigoVision garante o monitoramento

Leia mais

DESEMBALANDO A IPCAM SECURE300R

DESEMBALANDO A IPCAM SECURE300R Símbolo para Coleta Separada nos Países Europeus Este símbolo indica que este produto deve ser coletado separadamente. O que segue se aplica somente a usuários em países da Europa: Este produto está designado

Leia mais

Passo 3: Posicionando a Câmera na Prova Didática Teórica ou na Prova de Defesa da Produção Intelectual

Passo 3: Posicionando a Câmera na Prova Didática Teórica ou na Prova de Defesa da Produção Intelectual Este manual descreve um procedimento para o registro de Concursos Públicos por meio de áudio e vídeo utilizando-se recursos tecnológicos básicos i. A gravação segue o disposto na Resolução 020/09 da UFSM

Leia mais

Guia de Iniciação Rápida

Guia de Iniciação Rápida Guia de Iniciação Rápida http://www.geovision.com.tw V8.3.2 2009 GeoVision, Inc. Todos os direitos reservados. Todos os produtos GeoVision são manufaturados em Taiwan. 2009/11 Portuguese NVRV832-B 1 Introdução

Leia mais

MOTO LINK VÍDEO MONITORAMENTO DIGITAL. Divisão Relm Monitoramento. Divisão Relm Monitoramento

MOTO LINK VÍDEO MONITORAMENTO DIGITAL. Divisão Relm Monitoramento. Divisão Relm Monitoramento MOTO LINK VÍDEO MONITORAMENTO DIGITAL 3G NOV/2014 MULTI-APLICAÇÕES OPERADORA CDMA/EDGE/GPRS/3G INTERNET CENTRAL DE MONITORAMENTO Evento / Foto ilustrativa Evento / Foto ilustrativa Software de Reprodução

Leia mais

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá 1. ALTA RESOLUÇÃO Câmeras baseadas em IP não estão restritas à baixa resolução das câmeras

Leia mais

Guia Rápido de Instalação. VNT 7704 e VNT 7708

Guia Rápido de Instalação. VNT 7704 e VNT 7708 Guia Rápido de Instalação VNT 7704 e VNT 7708 Conteúdo 1. Instale o HD... 3 1.1. Instale o HD... 3 2. Conexões... 3 2.1. Vista traseira do DVR de 04 canais... 3 2.2. Vista traseira do DVR de 08 canais...

Leia mais

Apresentação Linha de Produtos

Apresentação Linha de Produtos Apresentação Linha de Produtos Linha de Atuação Foco da Empresa Equipamentos para instalações de CFTV Linhas de Produtos - Conversores de Vídeo Passivos - Conversores de Vídeo Ativos - Isoladores de Sinal

Leia mais

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação Controle de Acesso Automático de Veículos Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma solução tecnológica que permita o controle dos portões automáticos remotamente através da internet. Aplicando-se

Leia mais

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO

Leia mais

MANUAL CFTV DIGITAL - LINHA LIGHT 16 CANAIS 120 FPS / VID 120-LI CONFIGURAÇÃO DO COMPUTADOR 16 Canais - 120 FPS Processador Dual Core 2.0GHZ ou superior; Placa Mãe Intel ou Gigabyte com chipset Intel;

Leia mais

GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SUA CÂMERA IP ROBOT SD

GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SUA CÂMERA IP ROBOT SD GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SUA CÂMERA IP ROBOT SD Primeiramente, gostaríamos de realçar a importância de termos como nosso cliente. Agradecemos por escolher nossos produtos 1. Instalação da câmera...

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...8 2 APRESENTAÇÃO: O SS300 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

Gravador digital de vídeo (DVR) de 16 canais Stand Alone

Gravador digital de vídeo (DVR) de 16 canais Stand Alone Gravador digital de vídeo (DVR) de 16 canais Stand Alone VX-16CH-C-H 16 Canais de Vídeos e 1 Canal de Audio Suporta 1 Disco Rígido (HD SATA) Compressão de Vídeo H.264 480 FPS (Frames por Segundo) Integração

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

Os encoders ópticos convertem deslocamentos angulares em uma sequência de pulsos digitais, contando com um só bit ou decodificando um conjunto deles,

Os encoders ópticos convertem deslocamentos angulares em uma sequência de pulsos digitais, contando com um só bit ou decodificando um conjunto deles, Encoders ópticos O que é: Os encoders ópticos convertem deslocamentos angulares em uma sequência de pulsos digitais, contando com um só bit ou decodificando um conjunto deles, os pulsos podem ser convertidos

Leia mais

Vid8 Servidor. Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR;

Vid8 Servidor. Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR; Vid8 Servidor Versão 8.13.0411 Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Versão 8.12.0311 Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR; Versão 8.11.0311 Correção

Leia mais

Câmera de Vídeo Útil MPEG-4 de 5,0 mega pixels reais

Câmera de Vídeo Útil MPEG-4 de 5,0 mega pixels reais Câmera de Vídeo Útil MPEG-4 de 5,0 mega pixels reais A Genius agora lança uma câmera de vídeo inovadora de desenho horizontal, a G-Shot DV5122. Este dispositivo oferece clipes de vídeo de 640 x 480 pixels

Leia mais

HVR - GRAVADOR DIGITAL DE VÍDEO HÍBRIDO GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO

HVR - GRAVADOR DIGITAL DE VÍDEO HÍBRIDO GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO HVR - GRAVADOR DIGITAL DE VÍDEO HÍBRIDO GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO Guia rápido do usuário para instalação e operação do DVR Edição R1.0 Bem-vindo! A série DVR/HVR, é um gravador, reprodutor e editor de imagens,

Leia mais

Aula 6 Fundamentos da fotografia digital

Aula 6 Fundamentos da fotografia digital Aula 6 Fundamentos da fotografia digital Fundamentos da fotografia digital: Câmeras digitais CCD e CMOS Resolução Armazenamento Softwares para edição e manipulação de imagens digitais: Photoshop e Lightroom

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 6 Cabeamento Residencial Cabeamento residencial Sistema que integra os serviços de telecomunicações em uma residência: Rede local de computadores, acesso à internet, controle

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

DSS H.264 DVR. Guia de instalação rápida V1.0.2

DSS H.264 DVR. Guia de instalação rápida V1.0.2 DSS H.264 DVR Guia de instalação rápida V1.0.2 1. Instalação de Disco Rígido Aviso! Recomendamos para instalar com segurança utilizar HDD SATA. Certifique-se de que a energia não esteja desligada antes

Leia mais

Manual de Instalação KIT DVR VENTURA Parte 1: Conexões Parte 2: Configurações de rede Parte 3: Acesso via telefone móvel

Manual de Instalação KIT DVR VENTURA Parte 1: Conexões Parte 2: Configurações de rede Parte 3: Acesso via telefone móvel 1 Manual de Instalação KIT DVR VENTURA Parte 1: Conexões Parte 2: Configurações de rede Parte 3: Acesso via telefone móvel Parte 1: Conexões 2 Instalação do Disco Rídigo (HD) Primeiro é necessário a instalação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Fundamentos da Informática e Comunicação de Dados

Fundamentos da Informática e Comunicação de Dados Fundamentos da Informática e Comunicação de Dados Aula 07 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

Manual do Usuário. Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16

Manual do Usuário. Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16 Manual do Usuário Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16 Índice INTRODUÇÃO E UTILIZAÇÕES GERAIS Funcionalidades...03 Introdução...04 Requisitos Necessários...04 Instalando o xconference...05-07

Leia mais

O produto. Principais Recursos

O produto. Principais Recursos O produto A câmera digital Minimaxx Extreme é leve, compacta e cabe na palma da sua mão. Foi especialmente desenvolvida para registrar suas experiências radicais e suas atividades de lazer. Possui diferentes

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Circuito electrónico incorporado na íris da lente para ajudar a compensar grandes amplitudes do nível deluminosidade.

Circuito electrónico incorporado na íris da lente para ajudar a compensar grandes amplitudes do nível deluminosidade. GLOSSÁRIO CCTV AGC ou CGA Circuito electrónico para manter constante o mesmo sinal de vídeo. Mais útil em câmaras em baixas condições de luz. Quanto maior o número, melhor. Valores típicos de 12 a 20dB

Leia mais

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital WHITEPAPER Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital Câmera IP ou câmera analógica? Se você está em dúvida sobre a aquisição de uma solução analógica

Leia mais

Guia de Iniciação Rápida

Guia de Iniciação Rápida Guia de Iniciação Rápida http://www.geovision.com.tw V8.3.3 2010 GeoVision, Inc. Todos os direitos reservados. Todos os produtos GeoVision são manufaturados em Taiwan. 2010/03 Portuguese NVRV833-A 1 Introdução

Leia mais

Especificação técnica do Software de Gerenciamento de Vídeo

Especificação técnica do Software de Gerenciamento de Vídeo Especificação técnica do Software de Gerenciamento de Vídeo 1. Esta Especificação destina-se a orientar as linhas gerais para o fornecimento de equipamentos. Devido às especificidades de cada central e

Leia mais

Bem-vindo Informações e Advertências Importantes

Bem-vindo Informações e Advertências Importantes 1 Bem-vindo Obrigado por comprar a Câmera AHD MultView! Este manual foi desenvolvido para ser uma ferramenta de referência para a instalação e operação de sua câmera. Aqui você encontrará informações sobre

Leia mais

Guia do Usuário. PCtel E1

Guia do Usuário. PCtel E1 Guia do Usuário PCtel E1 Conteúdo Conhecendo o Produto...05 Instalação Física...08 Módulo Supervidor...10 Política de Garantia...12 Aspectos gerais Conhecendo o produto A Pctel desenvolveu uma plataforma

Leia mais

INTRODUÇÃO... 2 TRANSMISSÃO DE SINAL DE VÍDEO SOBRE CABO UTP... 3 TIPOS DE CONVERSORES DE VÍDEO (BALUNS)... 3 DÚVIDAS FREQUENTES...

INTRODUÇÃO... 2 TRANSMISSÃO DE SINAL DE VÍDEO SOBRE CABO UTP... 3 TIPOS DE CONVERSORES DE VÍDEO (BALUNS)... 3 DÚVIDAS FREQUENTES... INTRODUÇÃO... 2 TRANSMISSÃO DE SINAL DE VÍDEO SOBRE CABO UTP... 3 TIPOS DE CONVERSORES DE VÍDEO (BALUNS)... 3 PASSIVOS... 3 ATIVOS... 3 BALUN ATIVO COM PASSIVO... 4 DIAGRAMA DE INSTALAÇÃO... 4 DISTÂNCIAS

Leia mais

Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego;

Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego; Características Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego; Poderá ser utilizado por empresas autorizadas por convenção ou acordo coletivo a usar sistemas

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

Guia Rápido de Instalação Ilustrado

Guia Rápido de Instalação Ilustrado Livre S.O. Guia Rápido de Instalação Ilustrado Introdução Este guia tem como objetivo auxiliar o futuro usuário do Livre S.O. durante o processo de instalação. Todo procedimento é automatizado sendo necessárias

Leia mais

CMS 2.0 NAZDA. Cms2.0 User Manual

CMS 2.0 NAZDA. Cms2.0 User Manual CMS 2.0 NAZDA Cms2.0 User Manual Parabéns por adquirido o nosso DVR! Este manual foi concebido para ser uma ferramenta de referência para a instalação e funcionamento do sistema de monitoramento remoto

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador 1 Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Curso: Sistemas de Informação Introdução 2 O Computador é uma ferramenta que

Leia mais

Sistema de Detecção de Raios

Sistema de Detecção de Raios Tela do Sistema Apresentação Fig A O "Sistema de Detecção de Raios é um sistema de computador desenvolvido em conjunto com um sensor que mede o campo elétrico das descargas atmosféricas e tem a finalidade

Leia mais

Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client

Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client O Software HMS Client permite visualização de imagens de 3 maneiras diferentes: Imagens dos dispositivos (Mini Câmeras e NVRs) gravadas

Leia mais

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO Processo n 7170/2015 Pregão Presencial nº. 046/2015 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO A Sra. Carla Renata Hissnauer, na qualidade de Autoridade Competente em exercício, e por delegação de competência prevista no inciso

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250 Recomendações Iniciais SOFTWARE HCS 2005 - VERSÃO 4.2 (Compatível com Guarita Vr4.03 e Vr4.04) Para

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Multiplexadores Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Transmissor 1 Receptor 1 Transmissor 2 Multiplexador Multiplexador Receptor 2 Transmissor 3 Receptor 3 Economia

Leia mais

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP Obrigado por utilizar os produtos Dimy s. Antes de operar o equipamento, leia atentamente as instruções deste manual para obter um desempenho adequado. Por favor,

Leia mais