ANTROPOFAGIA, ANTROPOFAGIA ORGANIZACIONAL E ESTUDOS TRIBAIS: EM BUSCA DA CONCILIAÇÃO DIALÉTICA DE ARTE, CULTURA E MANAGEMENT NO BRASIL*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANTROPOFAGIA, ANTROPOFAGIA ORGANIZACIONAL E ESTUDOS TRIBAIS: EM BUSCA DA CONCILIAÇÃO DIALÉTICA DE ARTE, CULTURA E MANAGEMENT NO BRASIL*"

Transcrição

1 ANTROPOFAGIA, ANTROPOFAGIA ORGANIZACIONAL E ESTUDOS TRIBAIS: EM BUSCA DA CONCILIAÇÃO DIALÉTICA DE ARTE, CULTURA E MANAGEMENT NO BRASIL* Alexandre Faria, Ph.D. Doutor em Administração pela Universidade de Warwick - Inglaterra Professor da PUC-PR Avenida Rui Barbosa, 560, Apto Flamengo Rio de Janeiro Brasil CEP: José Luis Felicio dos S. de Carvalho, M.Sc. Mestre e Doutorando pelo Instituto de Administração e Gerência da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (IAG/PUC-Rio) Rua Marquês de- São Vicente, 225 Gávea -Rio de Janeiro - RJ - Brasil CEP Telefone: (21) Fax: (21) Lyla Collares Lyla Collares Bacharelanda em Psicologia pela UNESA Avenida Rui Barbosa, 560 Apto Flamengo Rio de Janeiro Brasil CEP: Resumo Baseado em reconstrução histórica do movimento antropofágico brasileiro e na leitura crítica de duas obras teatrais da época, o presente ensaio busca a conciliação da cultura e das tendências artísticas seguidas pelos pesquisadores descontentes com a reprodução dos cânones trazidos pelo estrangeiro. O debate inicial enfoca a proposta de antropofagia organizacional e a necessidade de uma proposta menos nacionalística e cientificista para abordar as questões de conhecimento e cultura. Em seguida, baseados em cuidadosa reconstrução do movimento antropofágico original e de sua epistemologia particular, os autores propõem a criação no Brasil de uma linha denominada de estudos tribais. A principal diferença entre estudos tribais e a antropofagia organizacional é a não subordinação irrefletida da cultura e da arte aos interesses funcionalistas das instituições de management. Finalmente, buscando um diálogo dialético com a antropofagia organizacional, os autores propõem estudos tribais como área de pesquisa e de trabalho comprometida com a redução de desequilíbrios injustos em geral e particularmente daqueles advindos de conhecimentos, práticas e ideologias relacionadas ao management. Palavras-chave: antropofagia organizacional, ensino e pesquisa, arte e cultura, estrangeirismo, estudos tribais * Publicado originalmente nos Anais do XXV Encontro Nacional da ANPAD Campinas, setembro de

2 ANTROPOFAGIA, ANTROPOFAGIA ORGANIZACIONAL E ESTUDOS TRIBAIS: EM BUSCA DA CONCILIAÇÃO DIALÉTICA DE ARTE, CULTURA E MANAGEMENT NO BRASIL Introdução Manifestando certa crise de identidade, alguns pesquisadores da área de management no Brasil vêm questionando a aplicação ou reprodução de conhecimentos acadêmicos gerados em outras culturas. Eles(as) argumentam que o enfoque e a base de conhecimentos deveriam estar mais alinhados com as realidades social, econômica e cultural brasileiras (Hemais e Vergara, 2000; Vieira, 2000). Este problema de identidade tem sua razão de ser. A área de management tem funcionado, não obstante ilusões contrárias provocadas pela fragmentação e interdisciplinaridade no âmbito de estudos organizacionais, como um tipo de cultura global de massa. Tal característica tem garantido a popularização de certos tipos de conhecimento e de mídias (Mazza e Alvarez, 2000) e funcionado como principal obstáculo para a constituição de conhecimento local. No Brasil, mesmo a área de estudos organizacionais, mais vinculada a discussões sobre identidade (Motta e Caldas, 1997), reproduz com freqüência procedimentos e idéias vindos dos centros dominantes e de suas instituições de management. O fato é que a maioria dos acadêmicos sediados em países em desenvolvimento vem adotando com crescente intensidade os padrões reportados ou propostos em estudos realizados em países mais desenvolvidos (Alvarez, 1996). Isso vem gerando respostas mais céticas na academia local (Tomei e Adelson, 1999) e mais críticas na literatura anglo-americana (ver Alvesson e Willmott, 1996). No lado mais prático, vem propiciando dois efeitos bem mais relevantes: a ampliação da lacuna entre as teorias acadêmicas e as práticas, e o bloqueio de uma abordagem acadêmica mais crítica nos países periféricos. O problema como um todo cria disfuncionalidades sérias tanto para o âmbito da prática quanto para o acadêmico, e tanto em países periféricos como nos centrais. Porém, maior atenção deveria ser concedida pela academia e particularmente em países periféricos (Kilduff e Mehra, 1997) visto que embora exista um terceiro mundo em todo primeiro mundo e um primeiro mundo em qualquer terceiro mundo, é pouco plausível esperar que este tipo de preocupação seja liderado por acadêmicos e instituições do centro. 2

3 Já foi demonstrado que copiar prescrições de acadêmicos estrangeiros não é proposta confiável (Motta e Caldas, 1997; Wood Jr e Caldas, 1998). Conhecimento em si não pode ser tomado como dimensão intransitiva ou neutra, que não dependa ou que possa prescindir de identidades, valores, ideologia ou estruturas de legitimação (Whittington, 1990; Benson, 1977). Ademais, é ingênuo desconsiderar processos históricos e acadêmicos no nível macro. Primeiro, porque a despeito da expansão do conhecimento o mundo globalizado está muito mais estratificado do que no início do século XX (Chossudovsky, 1999). Segundo porque a academia de management não vem contribuindo para reduzir as contradições correspondentes (Alvesson e Willmott, 1996). Não somente no Brasil, a cultura anglo-americana é usualmente apontada como o principal obstáculo pelos descontentes. De acordo com as idéias de Antonio Gramsci (1999), o lado mais preocupante do problema é que as teorias de management alcançaram o status de hegemonia. Hegemonia, segundo Gramsci, descreve relações de dominação que não são visíveis como tais; envolve não coerção, mas consentimento por parte do dominado ou do subalterno. Portanto, é mais do que relevante o alerta de que pesquisas no Brasil devam retratar valores locais de onde a organização enfocada na pesquisa está inserida" (Hemais e Vergara, 2000, p.1). Ademais, é importante ressaltar que reconstrução histórica já demonstrou que a superioridade norte-americana no âmbito do conhecimento de management não passa de um mito muito bem construído, difundido e legitimado (Locke, 1996). Por conseguinte, qualquer proposta de universalidade de teorias, de práticas empresariais e de tecnologias de management de deve ser desafiada. Os principais caminhos de resistência têm sido evidenciar a inviabilidade de transpor propostas desde um contexto sócio-cultural para outro (Amado, Faucheux e Laurent, 1992) e enfatizar que a dinâmica nas organizações e de seus praticantes somente pode ser entendida se o analista considerar a realidade social e a cultura nas quais as mesmas se inserem e pretendem transformar (Chanlat, 1996). Este cenário é extremamente preocupante porque a resistência de pesquisadores no Brasil continua extremamente tímida. Segundo lideranças acadêmicas no Brasil, a reprodução dos cânones impostos é um problema central pois a produção acadêmica brasileira é periférica e sem originalidade (Wood Jr., 1999, p. 270). O mais grave é que o número de alternativas para a emancipação ou progresso da academia local é reduzido: [ou] desenvolver conhecimento local, que estrangeiros dificilmente poderiam produzir, reproduzir ou emular; ou [buscar] uma maior 3

4 inserção no circuito internacional como colaboradores da construção de conhecimento mundial no campo (Bertero, Caldas e Wood Jr., 1999, p. 174). Não é tarde, portanto, para levantar o alerta de que conhecimento é dimensão de crucial importância porque influencia significativamente outras dimensões (Sztompka, 1998). Uma delas é o desenvolvimento nacional (ver Morel, 1979); no longo prazo, entende-se que a importação de conhecimentos é política e economicamente intolerável (Dedijer, 1964, p. 23). Porém, custos da importação não são o único problema. Há que se considerar ainda os interesses mobilizados por importadores, instituições e indivíduos, dedicados a legitimar conhecimentos culturais exportados (Bourdieu, 1999). Por conseguinte, conhecimento acadêmico não pode ser tratado sob uma abordagem ingênua ou convenientemente apolítica que desconsidere cultura e fronteira nacional. Porém, não se pode desconsiderar certas contradições referentes à academia e ao nacional. Nas seções a seguir do presente ensaio, os autores, baseados na abordagem dialética oferecida pelo movimento antropofágico, demonstram que as propostas culturais que se opõem ao modelo norte-americano, incluindo a antropofagia organizacional (Caldas e Wood Jr., 1998), têm reproduzido, certamente inconscientemente, uma outra faceta crucial da hegemonia norte-americana na área de management: a subordinação da cultura e da arte à cultura e aos interesses da organização e instituições de management. Estudos organizacionais no Brasil: arte, cultura e a reconstrução da antropofagia A arte (ver Mendonça, 2000) tem sido usada como um dos recursos para promover e legitimar o resgate da identidade cultural nacional. Legitimados por textos e concepções pós-modernistas criadas nos centros dominantes, pesquisadores brasileiros vêm usando as mais diferentes expressões da arte para fundamentar suas argumentações, reforçar suas conclusões, criar metáforas e modelagens próprias, e tentar construir simulações e simulacros para driblar ou subverter a rigidez da ciência em geral e, em particular, os dogmas da chamada alta ciência de management. Aparentemente confiando na universalidade da arte e aparentemente adotando postura de consumidores frente a diversas ofertas de produtos nas prateleiras dos supermercados, esses pesquisadores têm-se valido da inspiração de Shakespeare (Carvalho e Siqueira, 2000; Wood Jr., 2000), do jazz experimental americano (Vieira e Leão, 2000), dos procedimentos dos atores da Commedia dell Arte italiana (Carvalho e Siqueira, 2000), de metáforas que remetem ao cinema de Hollywood (Wood Jr., 2000), das mensagens dos filmes de Woody Allen (Lengler et al., 2000). 4

5 Curiosamente, cada vez mais raras são as ocasiões em que se evoca a arte brasileira para a discussão ou construção de teorias de management mais aplicáveis à realidade local (Wood, 1997). Uma das poucas e corajosas incursões da academia local consistiu no resgate da antropofagia artística e na transposição da mesma para a área de estudos organizacionais por meio da chamada antropofagia organizacional (Wood Jr e Caldas, 1998). A abordagem nacionalística sugerida naquele trabalho centrava-se fundamentalmente na proposta de criação de uma dinâmica antropofágica, baseada na representação de devorar, a ser praticada tanto na academia como nas organizações no Brasil. Apesar da importância da proposta, é importante ressaltar que seus autores se basearam em uma leitura bastante particular do movimento antropofágico. Defendendo a idéia de que pesquisadores inconformados têm na alma alguma coisa de Macunaíma e buscando representar mais realisticamente a proposta antropofágica original, o presente ensaio objetiva aprofundar e ampliar a abordagem cultural iniciada por Wood Jr e Caldas (1998) por meio de uma proposta focada não naquele que é ou deve ser devorado i.e., o estrangeiro mas nos rituais e nas teorias tribais que dão significado à prática da antropofagia. Baseado em uma reconstrução particular do movimento antropofágico no Brasil, este ensaio busca reconciliar cultura e tendências seguidas por pesquisadores brasileiros descontentes com a reprodução dos cânones científicos vindos do estrangeiro segundo uma abordagem dialética. A perspectiva universalizante atribuída à arte e a ausência de uma proposta menos nacionalística para lidar com cultura, arte e conhecimento são enfatizados pelos autores no primeiro momento. No segundo momento, os autores, influenciados pela reconstrução da proposta antropofágica, propõem a constituição da área de estudos tribais no Brasil. A mesma se compromete, segundo uma abordagem não cientificista, a buscar a redução de desequilíbrios injustos relacionados ao management, a não subordinar irrefletidamente a cultura e a arte aos interesses das instituições de management, e a promover um relacionamento dialético local com a proposta de antropofagia organizacional. Motivação do estudo e a proposta de resistência A arte brasileira conta com riquíssima coleção de obras, manifestações e movimentos que têm sido desprezados pelos acadêmicos de administração no Brasil. Os autores deste artigo entendem que o conhecimento, o uso, a difusão e a legitimação desse acervo e do contexto em que foi produzido 5

6 podem ajudar acadêmicos a lidar melhor com o contexto local. Os autores também promovem um intercâmbio atípico entre profissionais das artes e da academia científica. Artistas e autores nacionais passaram por momentos semelhantes ao que ora se apresenta aos pesquisadores descontentes da área de management e os últimos têm muito o que aprender com os primeiros. O lado científico não tem aprendido com o lado artístico por causa não somente de preconceito mas também de pouca familiaridade. Ambas são explicadas pela distinção e separação hierárquica entre ciência e arte estabelecida pelo Iluminismo, a qual também explica a subordinação irrefletida da arte e da cultura aos propósitos científicos de management nos textos dos pesquisadores descontentes. Visto que o Brasil não viveu diretamente o movimento Iluminista, os autores deste artigo especulam que há maior possibilidade de intercâmbio mais franco entre arte e ciência para acadêmicos brasileiros do que para estrangeiros dos centros mais desenvolvidos. Conseqüentemente, brasileiros estariam mais propensos a absorver, reproduzir e legitimar os movimentos de resistência efetuados pelos artistas e suas obras. Pesquisadores estrangeiros que propõem uma abordagem crítica (Alvesson e Deetz, 1999, p. 259), por exemplo, argumentam que faltam "esforços sérios para embasar idéias de resistência local em contextos empíricos específicos". Pesquisadores estrangeiros e brasileiros descontentes, impedidos por convenções sócio-políticas e ideológicas impostas pelo Iluminismo, não têm reconhecido a relevância das disputas históricas em que praticantes locais das artes tiveram que subverter propostas de universalização ou colonização. O presente ensaio procura reconstruir perspectivas e significados do momento particular da arte brasileira entre as décadas de 1920 e 1940, com o propósito de evidenciar semelhanças entre aquela situação histórica e o contexto atual vivido por pesquisadores descontentes no Brasil. Naquela época, a questão central para a vanguarda artística brasileira era resistir à colonização estética, ideológica e política imposta pelos padrões estrangeiros. A arte era o principal meio de resistência na época, tendo em vista que a proposta de colonização era reproduzida pelo sistema de educação no país, baseado na chamada escola nova. Naquele contexto histórico, educadores proeminentes introduziram o pensamento liberal democrático, defendendo a escola pública para todos, a fim de se alcançar uma sociedade igualitária e sem privilégios (Aranha, 1996, p. 198). Apesar da preocupação com a emancipação da nação, os líderes intelectuais escolanovistas se baseavam na produção estrangeira ao invés de promover uma análise mais profunda da realidade local. 6

7 O caminho de resistência escolhido pelos artistas foi o do Movimento Antropofágico. Tratava-se de uma abordagem estética, filosófica e política que submetia a arte estrangeira à deglutição e ao reprocessamento crítico e que recebeu diferentes interpretações (Carvalho, 1996; Corrêa, 1967; Prado, 1988). Era também uma proposta de trabalho calcada em atividades e métodos singulares de pesquisa, cujas práticas e reflexões geraram uma epistemologia própria, a qual não contou com o apoio ou com a simpatia das instituições acadêmicas locais da época devido à sua subversividade explícita e ao preconceito da classe cientista em relação à classe artística. De forma análoga, sugere-se que o tipo de pesquisa bibliográfica conduzida no presente estudo exploratório-descritivo sirva como inspiração para acadêmicos descontentes no Brasil. A parte inicial do trabalho representa de forma particular o movimento antropofágico. Primeiro, os autores reconstroem o contexto da criação da obra "O Rei da Vela", de Oswald de Andrade, que marcou o início do movimento, sob uma abordagem que contempla níveis macro e micro de análise. Segundo, os autores traçam os princípios epistemológicos do movimento antropofágico. Em seguida, comparam de forma particular o contexto em que este desenvolvimento se deu e as propostas geradas com o contexto atual vivido e construído pelos pesquisadores descontentes da área de management no Brasil. Mais adiante, é narrada a obra "Macunaíma", de Mário de Andrade. Objetiva-se demonstrar, com esta obra, como a Antropofagia pode responder aos anseios de acadêmicos em fundar a produção acadêmica aos valores, hábitos e crenças locais. Os autores, ecoando de forma específica os argumentos feitos por Wood Jr e Caldas (1998), enfatizam a importância de variações menos glamourosas ou cientificáveis da cultura brasileira, tais como a esperteza, o piadismo, o imediatismo, a transferência de responsabilidade (Vieira, 2000). Macunaíma é apropriado neste ensaio como modelo para estimular uma nova postura acadêmica e promover a legitimação de formas alternativas de conduta para os acadêmicos descontentes no Brasil. A proposta principal da leitura feita pelos autores é reconhecer que um fator central é que mesmo esses pesquisadores descontentes estão ainda governados ou constrangidos por cânones estabelecidos pelo Iluminismo. Na parte final desse ensaio, os autores, influenciados pelas obras artísticas analisadas, propõem um caminho alternativo surpreendente. Ao invés de, mais uma vez, sugerir a reconciliação entre management e uma representação de sociedade menos estratificada ou injusta via cultura ou arte, 7

8 conforme defendido por pesquisadores brasileiros e estrangeiros, os autores propõem um caminho de resistência e de busca por relevância que desafia a colonização da arte e da cultura pelos acadêmicos e instituições de management. A Antropofagia e a resistência teatral: contextualizando arte e academia Estamos no Brasil, início da década de 1920, logo após a Primeira Guerra Mundial e duas décadas após a celebração de 400 anos de descobrimento. Inicia-se o chamado capitalismo tardio, cenário de desesperança na Europa, de crise institucional e econômica nos EUA e de falta de referenciais no Brasil. Em terras brasileiras (re)produz-se uma revolução no âmbito das artes, principalmente com a realização da Semana da Arte Moderna em Curiosamente, o teatro esteve ausente dessa exposição. A revolução formal que atingiu a música, as artes plásticas e a literatura no Brasil, causada principalmente pelo contato de alguns intelectuais com vanguardas européias dos primeiros anos do Século XX e pela redescoberta das "coisas do Brasil", não afetou imediatamente as manifestações cênicas da arte nacional (Carvalho, 1996; Magaldi, 1976). No final dos anos 20, o país permanecia predominantemente insensível à busca de um nacionalismo legítimo. Repetia um modelo europeizado e passadista de um teatro insensível, convencionado e sem criatividade. Cultura teatral significava puro divertimento e comportava no palco três formas principais de representação: as óperas e operetas francesas e italianas, o teatro musicado francês e o repertório desgastado das comédias de costumes das companhias portuguesas (Corrêa, 1967; Prado, 1988). A conjuntura social, política e econômica do mundo pós-guerra fazia dos países de capitalismo tardio suas vítimas mais sofridas (Corrêa, 1967; Magaldi, 1976). No Brasil, o afastamento progressivo da Europa, ainda que a influência fosse considerável, abria espaço para a americanização e para a expansão de Hollywood. Como conseqüência, criava-se uma representação nacional de desenvolvimento ilusório, a qual camuflava um certo tipo intencionado de estagnação, que era sistematicamente alimentada e preservada em acordo não somente com interesses externos (Peixoto, 1967) mas também com interesses de uma certa classe de brasileiros. A nova configuração de ordem mundial pós-guerra, além de suscitar o fantasma da pobreza, criaria uma sombra de insegurança, de perplexidade, de dúvida em relação à equanimidade e viabilidade 8

9 de um sistema econômico que não parecia saber distribui tão bem quanto acumular" (Prado, 1988, p. 14). No Brasil, a principal tarefa das classes dominantes passaria a ser "reconstituir a ordem burguesa, atualizá-la face à nova realidade do mercado externo e ao realinhamento, no plano interno das classes e camadas sociais" (Vianna, 1978, p. 9). O sistema de ensino teve papel central nesse processo. Ainda que mecanismos e atores influentes, tais como globalização econômica ou empresas transnacionais, por exemplo, não fossem o principal foco de preocupação e motivo de resistência para artistas brasileiros da época, como têm sido atualmente para certos pesquisadores descontentes (ver Guedes, 2000), havia o imperativo de compreender e discutir aquela nova realidade brasileira, de expressar expectativas por profundas reformas estruturais (Prado, 1988). Enquanto o teatro dominante preferia, na época, mostrar as ligeiras comédias européias ao invés de captar e representar angústias das camadas populares, mais especificamente "a vida do homem recalcado no Brasil, produto da economia escrava e da moral desumana" (Corrêa, 1967, p. 4), uma pequena parte de intelectuais brasileiros se alinhou à comunidade de descontentes para revelar problemas nacionais e propor soluções correspondentes por meio do teatro. O sentimento daqueles que aguardavam e desejavam o surgimento de um teatro capaz de perturbar a visão positivista do país por meio de uma renovação expressional (Pereira, 1996) foi traduzido principalmente pelo crítico e ensaísta teatral Antônio de Alcântara Machado ( ). Ele empreendeu campanha agressiva contra a inércia do teatro brasileiro. Acusava aquele teatro de não ser nem nacional nem universal. Ou seja, era um teatro que se ignorava e ignorava os outros (Carvalho, 1996; Prado, 1993), crítica de certa forma similar àquela feita recentemente por Bertero, Caldas e Wood (1997) quanto à pesquisa no Brasil. Naquela época, mais especificamente em 1932, era publicado o Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova. O mesmo defendia de forma bastante veemente e otimista a educação pública, leiga e gratuita como um dever do Estado com o propósito de reduzir a defasagem entre a educação e as exigências de desenvolvimento econômico, promover a democratização e transformação social por meio da escola e atender aos anseios da burguesia capitalista urbana em ascensão. Ideais de resistência acadêmica eram eliminados neste Manifesto, pois o mesmo defendia a crença de um Estado neutro, a serviço de todos e por uma concepção não ideológica da ciência e da técnica (Martins, 1996, p. 199). 9

10 Na passagem para os anos 30, a resposta teatral finalmente se manifestou. O movimento buscou relevância para suas práticas ao direcionar sua crítica a elite local: a burguesia. Ou seja, a proposta não era de combater o estrangeiro distante ou promover o enaltecimento artificial da comunidade de locais ou nativos. Acusada de hostil ou indiferente, prepotente ou vulgar, a burguesia local era tida como a massa que o artista criativo deveria ignorar ou atacar e, cada vez mais, chocar" (Carvalho, 1996, p. 36). Entendia-se ser preciso "deixar à platéia o direito de ir para casa com a consciência pesada" (Leite, 1996, p. 23). Esta proposta foi exposta por Oswald de Andrade ( ), na obra "O Rei da Vela", escrita entre 1933 e O texto, de conteúdo sócio-político perturbador, representou momento ímpar na moderna dramaturgia nacional (Corrêa, 1996; Pereira, 1996). A peça é marcada por uma narrativa em que a metáfora e o símbolo são fundamentais para a exposição de uma realidade econômica complexa e contraditória (Corrêa, 1996; Michalski, 1997). O teatro de Oswald de Andrade afirma seu compromisso com diversas rupturas formais: ou seja, "não afirma, ironiza; não unifica, fragmenta; não segue padrões estabelecidos, inova" (Carvalho, 1996, p. 38). A história de sucesso e declínio de Abelardo I, sua submissão ao verdadeiro rei burguês um certo Mr. Jones evidenciando as contradições manobradas pelo poder estrangeiro (Corrêa, 1967), era transmitida por meio de um tipo de encenação que explicitava um universo deformado, habitado por personagens carregados, de falas exageradas e cruéis, compondo um conjunto poderoso de slogans, alegorias, risos amargos, idiotismos e neologismos (Carvalho, 1996). Sua força não é resultado de um mero esquema panfletário pois relevância é acompanhada de consistente riqueza formal. O resultado final, em termos de conteúdo e forma, é uma elaboração artística original e polêmica que reivindica a provocação, assumindo uma postura contestadora veemente (Peixoto, 1967, p. 10). A comunicação da realidade brasileira e das formas que o teatro deve inventar para captá-la e representá-la significava, com "O Rei da Vela", a expressão de uma consciência inédita. A mesma buscava "conhecer a realidade de um país sem história, preso a determinados coágulos que não permitem que essa história possa fluir" (Corrêa, 1967, p. 6). Para denunciar uma estrutura tida como inviável, Oswald de Andrade dedicava-se à dramaturgia da crueldade, da falta de medo da inteligência, do anarquismo, do mau gosto, da negação e da filosofia subversiva do "esculhambo, logo existo" (Corrêa, 1967). Lançavam-se então as bases para o despertar do Movimento Antropofágico Brasileiro, o qual não somente desafiaria as tradições arcaicamente copistas" (Leite, 10

11 1996, p. 24) da cultura brasileira, mas que também geraria respostas contrárias imediatas e ainda, posteriormente, diferentes significados, interpretações e usos. A epistemologia antropofágica e suas leituras no Brasil Conhecimento em geral, assim como conhecimento gerado e difundido por pesquisa acadêmica, não pode ser tomado como epistemologicamente neutro, pois o que um observador vê ou descreve depende em parte de sua experiência passada, de seu conhecimento e de suas expectativas (Chalmers, 1999, p. 49), independentemente de sua consciência quanto a tais influências. A definição antropofágica da nacionalidade baseava-se no contraste entre o modo de pensar e sentir nacional e as formas de consciência não nacionais. O Brasil das verdadeiras contradições ficaria mais acessível ou observável por meio de uma teoria do conhecimento particular (Moraes, 1990, p. 71). Tendo em vista a força de tal argumento, não é surpreendente que diferentes leituras tenham sido geradas no Brasil e que algumas tenham sido feitas mais conhecidas do que outras. A que ganhou maior popularidade foi aquela que associou a proposta à prática ingênua de devorar, a qual foi associada à natureza indígena. Essa proposta carregava o significado de que a história real do Brasil e uma linha mais justa de progresso somente seriam alcançadas se a estrutura, representada convenientemente pela figura do estrangeiro, fosse meramente devorada (ver Carvalho, 1996; Corrêa, 1997). Em um país tido como fruto de uma bagunça generalizada, onde a presença dos mais distantes e mais próximos colonizadores abafa o que poderia ser nossa essência cultural" (Marback, 1978, p. 12), a epistemologia antropofágica, ao invés de alinhar-se à narrativa futurística imposta pela ciência e à proposta correspondente de relacionar intransitivamente futuro com progresso, propunha, segundo uma concepção dialética, o retrocesso. Retrocesso era importante para provocar reflexões, realçar contradições e promover transformação do presente e dos presentes. Retrocesso não significava, portanto, a mera eliminação do estrangeiro. Não se tratava tampouco de uma recaída nostálgica, caracterizada pela melancólica busca do passado paradisíaco e eliminação ilusória do presente. Em outras palavras, o movimento não propunha representar um duelo trágico ou moralista entre a realidade como é contra uma outra representação de realidade como deveria ser. A proposta principal era resgatar um passado mais remoto, em busca também de traços da cultura popular, para desmistificar o passado mais recente, o 11

12 alienígena e elementos locais opressivos. Por meio desta epistemologia dialético-reconstrutiva, tornaria possível o (re)conhecimento e a revelação das verdadeiras contradições do presente e do futuro (Corrêa, 1967; Marback, 1978; Michalski, 1997; Moraes, 1990). O movimento resgatava um sentido particular e histórico da arte. O mesmo se opunha à transformação da arte em recurso ideológico ou mercadológico, como usualmente o Estado e instituições empresariais o fazem. Arte era tomada e representada sob uma perspectiva de tribo, mais especificamente sob a perspectiva daqueles de dentro da tribo. Por conseguinte, o movimento recusava-se a transformar cultura popular em objeto exótico por meio da arte. Assim, desafiava a prática colonialista de cativar audiências distantes ou de além-mar via objetos exóticos transformados em artísticos, como em geral artefatos tribais são convertidos em objetos colecionáveis de arte no Ocidente (ver Clifford, 1993). Seguindo esta abordagem tribal, o movimento defendia a vinculação de desenvolvimento nacional ao desenvolvimento de uma perspectiva indígena, a qual deveria estar presente não somente no âmbito da Arte, mas também nos da política e da ciência (Dedijer, 1964). Curiosamente, esta proposta epistemológica não foi absorvida na época pela academia local. Antropofagia consistia basicamente no uso de diferentes formas de reprocessamento, por intermédio da arte. A cultura do estrangeiro em particular era deglutida, digerida e depois excretada nas manifestações teatrais. Estas representavam a negação de sua assimilação pura e simples. Em um primeiro momento, uma leitura particular desta proposta se expandiu e resultou em implacável revisão de valores por meio do deboche inteligente, do primitivismo, da deformação e da irreverência (Carvalho, 1996; Corrêa, 1967). Tal leitura se opunha à sisudez cientificista e às formas representacionais correspondentes. A academia local manteve-se hermética a tal proposta durante décadas. Fortemente influenciada pela difusão e legitimação de abordagens pós-modernistas na literatura internacional de management nos anos 1990s, aquela leitura particular foi resgatada pela academia local, por meio da proposta de antropofagia organizacional. Entretanto, é importante ressaltar mais uma vez que a epistemologia antropofágica tinha outros desdobramentos e significados. O primeiro ponto central é que a proposta contemplava a coexistência, contraditória e/ou complementar, do estrangeiro e do brasileiro em um mesmo território. O segundo é que não oferecia uma solução implícita ou explícita de ordem e progresso 12

13 coletivo. Não contemplava a mística maniqueísta baseada em representações mais populares : a primeira, na qual o estrangeiro e suas práticas de colonização são eliminados pelo local para que uma proposta de progresso coletivo seja estabelecida; a segunda, na qual o estrangeiro e suas práticas de colonização são usados para conduzir a coletividade de locais a algum tipo ou representação de progresso coletivo (ver Sztompka, 1998, pp ). Dito de outra forma, a epistemologia antropofágica desprezava o mito central da ciência ocidental. Ou seja, a idéia de que uma área de estudos para ser considerada como científica tem que apresentar um progresso marcante (Kuhn, 1998, p. 203) e, assim, eliminar contradições e ambigüidades. Conseqüentemente, a epistemologia antropofágica não indicaria a pesquisadores descontentes de management no Brasil que somente restariam as alternativas de fechamento dentro de fronteiras nacionais para produzir um novo produto ou de alinhamento a bagagens estrangeiras com um produto melhor ou mais adaptado. É fundamental que se reconheça que qualquer alternativa, seja mais ou menos dramática, não eliminará contradições mobilizadas tanto por estrangeiros como por brasileiros, seja no Brasil ou em qualquer outro território ou cenário. Isso significa que a emergência de propostas acadêmicas que contemplem e valorizem identidades e cultura, de modo a evitar a dinâmica inconsciente de reprodução (Amado, Faucheux e Laurent, 1992), é mais do que relevante sob uma abordagem antropofágica. Entretanto, é essencial que haja cuidado muito particular ao se transmutar movimentos nascidos no âmbito das Artes para o âmbito da Ciência. O Ano Zero, marco inicial do movimento, passou a ser o ano de Na representação correspondente, o Bispo Sardinha, religioso português encarregado de catequizar os índios Aimorés, foi convidado a um banquete em que ele próprio era servido como prato principal. Trata-se de uma representação de canibalismo muito sutil ou quase mágica. O ato não propunha violência arrebatadora, pois os índios antropófagos não pensavam ou agiam de forma violenta naquela representação simbólica. Significava uma homenagem irônica à colonização efetuada por religiosos, segundo uma perspectiva inovadora e crítica. A mesma era essencialmente contrária à submissão irrefletida dos presentes à mesa, incluindo o missionário e os componentes da tribo, aos verdadeiros colonizadores, uma mistura contraditória de estrangeiros e brasileiros, e a seus princípios, códigos e teorias. 13

14 Da mesma forma que os intelectuais antropófagos buscaram na arte uma alternativa para perceber, expressar, discutir e legitimar a canibalização de elementos alienígenas e opressores e destacar a importância da cultura local, os autores do presente ensaio entendem que a arte possa estimular a formação e os trabalhos de acadêmicos de ou sobre management no Brasil (ou seja, não necessariamente acadêmicos somente para management). Correspondentemente, a convidar textos e representantes da ciência estrangeira, e também as representações de cientistas disciplinados exercidas tanto por estrangeiros como brasileiros, para um certo tipo de banquete. A história de Macunaíma, primeiro herói brasileiro, é apropriada na próxima seção para este fim. Apropriando Macunaíma como nosso chef de cuisine Além de "O Rei da Vela", escrita por Oswald de Andrade em 1933, ano 379 da deglutição do Bispo Sardinha, outra importante obra marca a essência da antropofagia: a história de "Macunaíma". Esta foi concluída por Mário de Andrade ( ) em 1928, ano 374 da primeira refeição oficial dos antropófagos (Corrêa, 1967). A obra representa uma epopéia brasileira de um herói genuinamente nacional (Magaldi, 1997; Mercado, 1997), avaliada como "contribuição efetiva para nosso autoconhecimento enquanto nação e cultura" (Michalski, 1997, p. 17). De certa forma, pode-se mesmo especular que o personagem tenha influenciado a iniciativa pioneira de Alcântara Machado descrita na seção anterior. A história de Macunaíma tornou-se "um guia, um levantador de questões, um inquietante enigma" (Marback, 1978, p. 14) para a realização da essência complexa do homem e das coisas do Brasil. A despeito da baixa receptividade no âmbito da ciência local, introduzia um novo ponto de vista dentro do processo de identificação da consciência nacional. Um ponto crucial é que ao buscar o caráter brasileiro, realçavam-se as múltiplas e contraditórias facetas de sua nacionalidade (Dacosta e Junqueira, 1997; Marback, 1978). O trabalho de Mário de Andrade transcende a mera descrição contemplativa, mais típica da antropologia científica. A proposta é pragmática, opinativa, foge do absenteísmo, da complacência servil" (Proença, 1987, p. 18). A proposta principal era enfatizar a necessidade de intensificar a pesquisa sobre o caráter nacional" (Moraes, 1990, p. 73) de uma maneira crítica, para evidenciar contradições básicas da inserção do elemento brasileiro no seu contexto social mais próximo e também no que diz respeito àquele mais remoto. 14

15 A partir de um complexo sistema de signos e símbolos, utilizados com irrestrita liberdade criadora não permitida nas representações científicas, Mário de Andrade criou um herói que faz do universo mágico de sua cabeça o motor de sua existência (Magaldi, 1997; Marback, 1978; Michalski, 1997). Macunaíma conta a saga de um brasileiro que foi comido pelo Brasil, especificamente "pelas relações de trabalho, sociais e econômicas que ainda são basicamente antropofágicas" (Dacosta e Junqueira, 1997, p. 8), uma representação bastante aplicável à realidade histórica e contemporânea da maioria dos gerentes e acadêmicos brasileiros. Tratava-se de uma representação bastante particular, quando confrontada com representações tipicamente Hollywoodianas e também seguidas por escritores de best-sellers na indústria editorial do management (ver Wood, 1997, p. 153), de líderes como heróis descentrados sem traços de ambigüidade, ou ainda como mercadorias prontas para serem copiadas ou consumidas. A falta da identidade brasileira autêntica era representada na completa ausência de caráter de Macunaíma (Kopelman, 1978; Moraes, 1990). A história e as estórias do personagem contradizem e subvertem a prática de se desenhar um caráter bem definido que permita ao leitor ou à audiência controlar o comportamento e atitudes de Macunaíma. Macunaíma era indecifrável, "uma figura turbulenta e sem medida, que encarna o caos psicológico de um povo em que os mais diversos elementos (...) se reuniram, sem que estejam, por enquanto, amalgamados" (Proença, 1987, p. 8). Note-se, por conseguinte, que a falta de um caráter significa condição bastante saudável (Mercado, 1997), pois se opunha à representação dominante de indivíduo governado por características, eventualmente científicas, que pudessem ser facilmente conhecidas pelo outro. Como uma das conseqüências, Macunaíma é caracterizado por não ser imoral nem amoral: Pertence, antes à categoria de seres nem culpados, nem inocentes, nem alegres, nem tristes, mas dotados daquela soberba indiferença que Platão ligava à sabedoria" (Proença, 1987, p. 15). Esta sabedoria brasileira própria e legítima está caracterizada nas principais dimensões do personagem, como mostra a Figura 1. Apesar da distância entre a obra de ficção artística e a realidade da ciência contemporânea de management, um olhar mais cuidadoso pode revelar traços interessantes para inspirar pesquisadores a realizarem trabalhos mais autênticos e engajados dentro do confuso contexto atual da teoria e da prática do management. A figura a seguir não tem a ingênua pretensão de esboçar uma abordagem prescritiva ou normativa para pesquisadores descontentes mas tem o objetivo de fornecer bases para a constituição da área de estudos tribais no 15

16 Brasil. A principal função é devolver à tribo dos acadêmicos brasileiros o espírito dialético de emancipação traduzido pelo movimento antropofágico. Reconhecendo a inevitável força de colonizadores, pretende-se o registro de um instrumento pragmático para gerar mudança de atitude do pesquisador descontente frente às refeições importadas servidas pela ciência em geral e pela ciência de management. Preferência pela paródia, pela brincadeira, pelo profano, pelo paradoxo e pelas contradições Predileção pela interpretação crítica e realista e não pela dominação do ambiente Observação do particular, da idiossincrasia, em lugar das proposições nomotéticas generalistas Rejeição às normas estabelecidas, à rigidez dos padrões consagrados Contemplação da diversidade, da heterogeneidade, do pluralismo, da diferença, do ecletismo Orientação perceptual e cognitiva para a abstração, para a subjetividade Busca de soluções criativas únicas e particulares Preocupação com os aspectos sociais, políticos e culturais da realidade Atenção à importância dos signos, das imagens, dos símbolos e da ideologia Estímulo ao diálogo com as minorias oprimidas Explicitação da configuração contrastante entre as periferias marginais e um centro mítico produtor e legislador Figura 1: Manifestações características explícitas e implícitas do personagem Macunaíma As características mais interessantes de Macunaíma podem ser encontradas nos trabalhos de pesquisadores, brasileiros e estrangeiros, que criticam a rigidez, a objetividade, o autoritarismo, a falsa universalidade, a permanência, o empiricismo e o cientificismo imposto ao/pelo mundo ocidental. Isto significa que o personagem transcende fronteiras rígidas espácio-temporais. Portanto, não deve ser apropriado como exclusividade brasileira. O que é importante realçar, segundo a perspectiva de estudos tribais aqui esboçada, é que tais características não sejam apropriadas a la carte de maneira a eliminar ou desprezar as questões contraditórias da realidade. Ainda que não seja o propósito de fornecer aqui uma lista completa dos pontos comuns entre Macunaíma e acadêmicos descontentes, brasileiros ou não, dispostos a subverter ou contestar a 16

17 imposição de um arcabouço científico único, a identificação é inevitável. A inspiração de Macunaíma para a constituição de uma vertente da academia brasileira de management, especificamente a de estudos tribais, mais aplicável à realidade problemática do Brasil, se traduz nas palavras de Kopelman (1978, p. 11): "Por nos termos distanciado das funções sociais que garantiam o equilíbrio com o sobreviver; por termos criado necessidades de consumo fictícias em substituição às básicas e reais; porque ouvimos e vemos e nos esforçamos no sentido de criar coisas e situações para apagar a insatisfação; porque denegrimos nossa inteligência na prática diária da alienação de nós mesmos escrevendo, assim, uma história demente e monstruosa da humanidade; porque dirigimos nossos músculos à catatonia como reação ao medo e à repressão, bichos gulosos de nossa alma, é que nós, que acreditamos na força transformadora do teatro, laçamos, cantando, a imaginação de Macunaíma como antídoto do nosso entorpecimento e indigência." Conclusões e Implicações para Trabalhos Futuros O presente ensaio reconstrói e propõe a antropofagia como uma perspectiva capaz de sensibilizar pesquisadores (não necessariamente todos, tendo em vista a pluralidade de interesses e identidades na comunidade acadêmica brasileira) a desenvolverem trabalhos mais compatíveis com a realidade local e com o propósito de reduzir desequilíbrios injustos. A mesma poderia ser vista como mais uma alternativa, somando àquelas propostas por Bertero, Caldas e Wood Jr (1997), pois poderia servir tanto para o propósito de inserção internacional (Wood Jr e Caldas, 1998) quanto para o desenvolvimento de conhecimento refratário a certos estrangeiros. Entretanto, não se propõe um compromisso intransitivo e retórico com progresso coletivo nem exclusividade nacionalística. Tampouco é sugerida indiferença ou cinismo frente à realidade vivida pela maioria dos brasileiros, marcada principalmente por desequilíbrio e injustiça, dentro e fora das instituições de management. A proposta de estudos tribais aqui esboçada significa uma abordagem de engajamento e de cidadania com o objetivo de promover a redução de desequilíbrios injustos em geral e particularmente àqueles relacionados a práticas, instituições e conceitos controversos de management. Estão localizados na academia de management e alinham-se de forma particular ao trabalho de representantes acadêmicos dos estudos culturais na Inglaterra, cuja proposta essencial 17

18 tem sido a de não ignorar ou aceitar divisão e sofrimento (During, 1993, p. 2) causados por desequilíbrio social em geral. Propõe-se aqui que pesquisa relacionada a management no Brasil, assim como a cultura, seja prioritariamente avaliada por sua capacidade de aprofundar experiências ou práticas para atender o propósito central de reduzir desequilíbrios injustos. Dada a rigidez de governança da ciência quando comparada à da arte, um debate mais profundo sobre estes dois domínios é necessário para a legitimação de estudos tribais dentro e fora do Brasil. A perspectiva e o modo de ser do personagem Macunaíma são vistos pelos autores como relevantes, ainda que não suficientes, para guiar a construção de pesquisa menos cientificista e a formação mais contextualizada de pesquisadores locais, em contraste às tradições e teorias vindas do estrangeiro. Algumas outras questões de ordem prática têm que ser consideradas antes que o leitor se iluda com uma perspectiva ilusória de voluntarismo. Primeiro, é fundamental ressaltar que no âmbito da ciência as transformações são muito mais difíceis (ver, por exemplo, Kuhn, 1998) do que no das artes. Apesar de ter tido sua primeira publicação em 1933, "O Rei da Vela" só ganhou sua primeira montagem teatral 34 anos depois, pelo Teatro Oficina, de São Paulo, que encontrou no texto uma visão atualizada da realidade brasileira de 1967 como nenhuma outra peça contemporânea havia proposto. Por motivos semelhantes, "Macunaíma", publicado inicialmente em 1928, teve sua montagem original somente em 1978, com o Grupo Pau Brasil, dirigido por Antunes Filho (Dacosta e Junqueira, 1997; Kopelman, 1978). No âmbito altamente internacionalizado e estratificado da ciência (Lyotard, 1998), o cenário é ainda mais complicado e por isto a proposta de estudos tribais estaria certamente fadada a hiatos longos entre sugestão teórica, aceitação, legitimação, e implementação prática tanto no Brasil como em qualquer outro lugar. Obstáculos internos, dentro da fronteira brasileira, são tão ou mais complicados do que os no estrangeiro. A transformação do movimento antropofágico original, a partir de absorção ou apropriação pelas elites dominantes locais, por meio de organizações empresariais e do mercado, levou a resultados particularmente frustrantes para seus proponentes ou seguidores. Assim como manifestações culturais populares ou artísticas autênticas têm servido para a massificação da indústria áudio-visual no Brasil, o antropofagismo foi convertido em tropicalismo e foi pouco a pouco sendo assimilado como inconseqüente modismo" (Corrêa, 1967, p. 6). Esses exemplos demonstram que a despeito das intenções mobilizadas por indivíduos, cultura popular tende a ser 18

19 transmutada em arte e posteriormente transformada em cultura de massa pelas elites e por meio de organizações empresariais. Assim, propósitos de resistência manifestados na cultura popular e veiculados posteriormente em forma de arte, são reciclados de forma contraditória: o que era popular é usualmente devolvido ao popular em forma de mercadoria de consumo fácil. Esse tipo de situação, segundo idéias de Gramsci, é muito similar às causas que levaram o fascismo de Mussolini à popularidade ainda que o mesmo significasse redução drástica de liberdade para a maioria dos italianos. O mecanismo subjacente é universal: forças hegemônicas alteram estrategicamente os conteúdos disponíveis de acordo com mudanças de condições sociais e culturais. Conseqüentemente, uma abordagem antropofágica mais realista deve evitar que a área de estudos tribais, ou qualquer área correlata, seja deglutida ou colonizada pela ideologia e, mais especificamente, por um conjunto de poucos beneficiários majoritários. Uma questão crucial a ser observada pelos acadêmicos descontentes no Brasil é o risco de subordinar cultura brasileira à cultura organizacional e aos interesses das instituições dominantes de management. Este tipo de subordinação, apropriação ou modo de produção implica no fortalecimento e legitimação das organizações empresariais e instituições de management. Porém, não garante contrapartidas. O trabalho científico desenvolvido por Hoffstede, baseado em ampla pesquisa desenvolvida na e para a IBM norte-americana, o qual é largamente referenciado por pesquisadores brasileiros preocupados com cultura nacional e identidades, tinha e continua tendo como principal propósito facilitar um certo tipo de cooperação entre o topo das corporações internacionais e nativos. Recente reconstrução da história da IBM mostrou sua colaboração ativa com líderes nazistas para obter monopólio do mercado (Black, 2001), revelando uma faceta de cooperação inter-cultural diametralmente oposta à abordagem ingênua seguida por acadêmicos de management. Cooperação inter-cultural sob tal abordagem apolítica, muito similar a práticas acadêmicas imperialistas lideradas por antropólogos tais como Malinowski e Radcliffe Brown (ver Sztompka, 1998, p. 167), torna-se particularmente controversa no cenário contemporâneo porque pode legitimar práticas imperialistas mobilizadas por corporações transnacionais. Abordagens culturais desse tipo camuflam as contradições da realidade vividas ou (re)produzidas por organizações empresariais, gerentes e cidadãos. Portanto, tendem a não contribuir para o propósito de reduzir desigualdades injustas visto que, no final, disfarçam certos interesses contraditórios de agentes que (re)produzem ou podem (re)produzir maior conteúdo de 19

20 desigualdades. Corporações transnacionais em particular são instituições reconhecidamente geradoras de desequilíbrios injustos (Mokhiber e Weissman, 1999) e, contraditoriamente, as mais interessadas em patrocinar teorias e pesquisas de management relacionadas à cultura. Como sugerido neste ensaio, a apropriação irrefletida de manifestações e simbologias artísticas por acadêmicos de management também tende a reproduzir, no âmbito mais amplo da cultura, os efeitos negativos causados pela profissionalização da arte e de seus praticantes, inclusive o próprio teatro (ver Boal, 2001). Antropofagia não deve por conseguinte ser apropriada de forma irrefletida como um tipo de cultura de massa ou como prática corriqueira por gerentes de empresas e dirigentes preocupados com a globalização (Wood Jr e Caldas, 1998). A subordinação da cultura à fronteira nacional é outra questão crucial. Antropofagia não deve ser tratada sob uma abordagem nacionalista, visto que a mesma homogeneiza acadêmicos de distintas nacionalidades. A proposta de estudos tribais aqui esboçada rejeita a divisão sectária e irrefletida entre acadêmicos do Norte e do Sul ou entre acadêmicos de países desenvolvidos e de países não desenvolvidos por reconhecer a subordinação da academia a mecanismos globais mais poderosos. Conforme apontado por Hugh Willmott, acadêmicos ingleses e suas correspondentes instituições vêm sendo comodificados e controlados de forma abusiva por forças hegemônicas nacionais e transnacionais desde o início dos anos 1980s (Willmott, 1995; Faria e Guedes, 2000), em consonância com a crise mundial da educação iniciada no final dos anos 1960s (Coombs, 1986). Tendo em vista as dificuldades enfrentadas por propostas acadêmicas críticas devido à implausível autonomia das instituições acadêmicas (ver Gadotti, 1989, p. 113), a constituição da área de estudos tribais no Brasil deve se inspirar na representação de coalizão organizacional (Cyert e March, 1963). Coalizões, dentro e através de fronteiras nacionais, podem viabilizar a necessária conciliação de crítica e prática. Por meio de coalizões e do jeitinho a proposta pode se fortalecer. Se a expansão for muito grande, a área (ou território) de estudos tribais deixará de representar um nicho e, conseqüentemente, correrá o sério risco de ser transmutada em cultura de massa e mercadoria de fácil consumo. A proposta de resistência cultural e o interesse prioritário em desequilíbrio e injustiça também sucumbirão se a área ficar relegada a alguns poucos iniciados. Por conseguinte, os autores do presente ensaio entendem que, no Brasil, estudos tribais melhor traduziriam e promoveriam os princípios da antropofagia se for fortalecido o diálogo dialético com a proposta de antropofagia 20

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Juversino Júnior Lisandro Braga "Em lugar da mercadoria aparecer como resultado de relações sociais enquanto relações de produção, ela aparece como um bem que

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias Currículo em movimento: estudos das referências bibliográficas no projeto pedagógico RESUMO Antonio Carlos Moraes Universidade

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii SUMÁRIO Introdução XV 1. Construção do Campo do Trabalho no Pensamento Ocidental como Condição para a Emergência da Psicologia do Trabalho

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola *

Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola * Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola * Dorotéia Baduy Pires** O que seria de uma orquestra, se cada músico tocasse o que quisesse? Se não houvesse disciplina?

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca : Compreensão básica para a Gestão de Pessoas Glaucia Falcone Fonseca É importante verificar que há diversos grupos que compõem uma cultura. As subculturas, constituídas por grupos de pessoas com um padrão

Leia mais

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br INTRODUÇÃO Jorge Nagle com o livro Educação e Sociedade na Primeira República consagrou-se

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição

Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Gestão Educacional e organização do trabalho pedagógico pressupostos teórico - metodológicos Alberto Albuquerque Gomes Total

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Introdução às relações internacionais

Introdução às relações internacionais Robert Jackson Georg Sørensen Introdução às relações internacionais Teorias e abordagens Tradução: BÁRBARA DUARTE Revisão técnica: ARTHUR ITUASSU, prof. de relações internacionais na PUC-Rio Rio de Janeiro

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO Patricia Neves de Almeida Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Sorocaba (UNISO) patricia.almeida@prof.uniso.br Resumo: O presente texto refere-se

Leia mais

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos EDUCAÇÃO CONTRA O TRABALHO INFANTOJUVENIL: CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODO E VULNERABILIDADES Felipe Pitaro * Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos de partida. O primeiro diz

Leia mais

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 .. RESENHA Bookreview HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 Gustavo Resende Mendonça 2 A anarquia é um dos conceitos centrais da disciplina de Relações Internacionais. Mesmo diante do grande debate teórico

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO

AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO 1 AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO Blandina Mara de Lima Freitas* marafreitas@msn.com ÁREA SOBRE A QUAL VERSA O ARTIGO: Teoria Geral do Direito; Introdução ao Estudo do Direito; Ciência Política; Sociologia

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS?

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? É uma contradição, ainda pouco comentada, o fato de a ação educativa e cultural visando a infância e adolescência não serem, como deveriam, prioridade nas

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA Ana Carolina Caldas Mestra em História de Educação UFPR Resumo Este artigo é parte da dissertação

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA *

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * Ana Rosa Salvalagio 1 Clarice Ana Ruedieger Marise Waslawosky Christmann Neida Maria Chassot INTRODUÇÃO: A educação ambiental se constitui numa forma abrangente de educação,

Leia mais

A Cultura Organizacional no Ambiente Educacional

A Cultura Organizacional no Ambiente Educacional A Cultura Organizacional no Ambiente Educacional (Renato Casagrande) O interesse pelo estudo da cultura organizacional não é recente, embora esse tema só tenha começado a ter mais importância nas duas

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

Attached File: Proposta de Curso para Pós.doc

Attached File: Proposta de Curso para Pós.doc nome: Adilson José Gonçalves enviado_por: professor proposta: Ampliar as discuss~eos sobre o redesenho, apontando para a excelencia, agilidade, flexibilidade e aprofundamento da democratização da instituição.

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Carta da Responsabilidades Humanas Novos desafios: novas dimensões da responsabilidade

Carta da Responsabilidades Humanas Novos desafios: novas dimensões da responsabilidade Version 13 11 2007 Carta da Responsabilidades Humanas Novos desafios: novas dimensões da responsabilidade A inegável evolução das relações internacionais pode ser atribuída principalmente ao reconhecimento

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Prof. Gamba Jr. Departamento de Artes e Design (PUC-Rio) Êta, Seu Bonequeiro! A Interdisciplinaridade e sua dimensão política

Prof. Gamba Jr. Departamento de Artes e Design (PUC-Rio) Êta, Seu Bonequeiro! A Interdisciplinaridade e sua dimensão política Prof. Gamba Jr. Departamento de Artes e Design (PUC-Rio) Êta, Seu Bonequeiro! A Interdisciplinaridade e sua dimensão política A Vida na lembrança torna-se um filme mudo. Todos nós temos na mente a imagem

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES Vanilde Gonçalves dos Santos LEITE; Rogério SANTANA F L - UFG vanildegsl@hotmail.com Palavras-chave: Regionalismo Evolução

Leia mais

A ABORDAGEM DO ESPORTE NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UMA ANÁLISE DO CONTEXTO

A ABORDAGEM DO ESPORTE NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UMA ANÁLISE DO CONTEXTO A ABORDAGEM DO ESPORTE NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UMA ANÁLISE DO CONTEXTO SEDORKO, Clóvis Marcelo (UEPG) FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) A hegemonia do esporte na Educação Física Escolar A disciplina

Leia mais

mostrar os limites que o modo dicotomizado da ciência moderna coloca às definições desenvolvidas.

mostrar os limites que o modo dicotomizado da ciência moderna coloca às definições desenvolvidas. TROCAS NA INTERNET COM ESPAÇOSTEMPOS CURRICULARES CALDAS, Alessandra da Costa Barbosa Nunes UERJ ANDRADE, Nivea Maria da Silva UERJ CORDEIRO, Rosangela Lannes Couto UERJ GT-12: Currículo Agência Financiadora:

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná, rua Cristo Rei, 19, Vila Becker, Toledo, Paraná, 85902-490. E-mail: faspanhol@utfpr.edu.

Universidade Tecnológica Federal do Paraná, rua Cristo Rei, 19, Vila Becker, Toledo, Paraná, 85902-490. E-mail: faspanhol@utfpr.edu. MOVIMENTO DO SOFTWARE LIVRE NO ENSINO TÉCNICO DE INFORMÁTICA PARA PROMOVER A CONSCIENTIZAÇÃO E EMANCIPAÇÃO SOCIAL Fabio Alexandre Spanhol; Raquel Ribeiro Moreira, rua Cristo Rei, 19, Vila Becker, Toledo,

Leia mais

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica Danilo L. Brito (UFRJ) A arte tem sido alvo de discussões de diferentes teóricos ao longo da história, desde os gregos, com sua concepção

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL 1 Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro I - Introdução O teatro, como todas as artes, está em permanente

Leia mais

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL Lisandra Marisa Príncepe Faculdade Sumaré lisandra.marisa@sumare.edu.br Juliana Diamente Faculdade Sumaré juliana.diamente@sumare.edu.br RESUMO: Neste texto, discutem-se

Leia mais

A EFICÁCIA DOS DIREITOS HUMANOS: fragmentos de contribuições políticas latino-americanas

A EFICÁCIA DOS DIREITOS HUMANOS: fragmentos de contribuições políticas latino-americanas 1 A EFICÁCIA DOS DIREITOS HUMANOS: fragmentos de contribuições políticas latino-americanas A literatura acerca da temática leva à inferência de que o processo de colonização da América parte de um projeto

Leia mais

CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. AULA 2 Módulo 1. TÍTULO: Autores clássicos em Administração Brasileira

CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. AULA 2 Módulo 1. TÍTULO: Autores clássicos em Administração Brasileira CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO BRASILEIRA CONTEUDISTA: ALESSANDRA MELLO DA COSTA AULA 2 Módulo 1 TÍTULO: Autores

Leia mais

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo 1 O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU Suellen Celina Vitcov Ribeiro IE/UFMT shuribeiro@hotmail.com Juliana Assis da Cruz IE/UFMT- juliassis2010@yahoo.com.br Resumo Este

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

Inclusão digital e a busca por um acesso tecnológico respaldado nos reais interesses dos povos da Amazônia

Inclusão digital e a busca por um acesso tecnológico respaldado nos reais interesses dos povos da Amazônia ARTIGO Inclusão digital e a busca por um acesso tecnológico respaldado nos reais interesses dos povos da Amazônia Ricardo Damasceno Moura RESUMO Este ensaio faz uma análise da importância das tecnologias

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p.

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. RESENHA/REVIEW ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. Resenhado por/by: Acir Mario KARWOSKI (Universidade Federal do Triângulo Mineiro)

Leia mais

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA ESCOLA MIGUEL ARRAES A Fundação João Mangabeira é organizada em vários setores como História Viva para abrigar e documentar a vida do PSB, o setor de promoção de eventos e seminários,

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA.

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. Movimentos sociais e populares, sindicatos, povos, organizações da

Leia mais

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática Por Prof. Manoel Ricardo Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo do conhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes

EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes Nos Estados Unidos o uso de nações indígenas serviu como uma espécie de senha para a tomada

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo

ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo Andréia Ferreira dos SANTOS; Camilla Machado de SOUZA; Carmelita Brito de Freitas

Leia mais

LEITURA E TEATRO: UMA PARCERIA DE SUCESSO. Comunicação - Relato de Experiência

LEITURA E TEATRO: UMA PARCERIA DE SUCESSO. Comunicação - Relato de Experiência LEITURA E TEATRO: UMA PARCERIA DE SUCESSO Maria Rosilene de Moraes rosil_moraes@hotmail.com Escola Estadual Coronel Oscar Prados Comunicação - Relato de Experiência O teatro é uma arte milenar que consiste

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio Currículo Referência em Teatro Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas Investigar, analisar e contextualizar a história do Teatro compreendendo criticamente valores, significados

Leia mais

Direito de Autor e Sociedade da Informação

Direito de Autor e Sociedade da Informação Direito de Autor e Sociedade da Informação 1. Vivemos imersos há alguns anos, e de um modo crescentemente acentuado, na assim chamada sociedade da informação. Ao certo o rótulo não tem conteúdo definido,

Leia mais

Shusterman insere cultura pop na academia

Shusterman insere cultura pop na academia São Paulo, quinta, 21 de maio de 1998 Shusterman insere cultura pop na academia PATRICIA DECIA da Reportagem Local O filósofo americano leva a cultura pop à academia. Em "Vivendo a Arte - O Pensamento

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

SOBRE OBSTÁCULOS E ERROS: A CONTRIBUIÇÃO DE BACHELARD PARA PENSAR O PAPEL DO PROFESSOR NO PROCESSO PEDAGÓGICO

SOBRE OBSTÁCULOS E ERROS: A CONTRIBUIÇÃO DE BACHELARD PARA PENSAR O PAPEL DO PROFESSOR NO PROCESSO PEDAGÓGICO SOBRE OBSTÁCULOS E ERROS: A CONTRIBUIÇÃO DE BACHELARD PARA PENSAR O PAPEL DO PROFESSOR NO PROCESSO PEDAGÓGICO Aurélia Lopes Gomes [1] Paula Rosane Vieira Guimarães 1 RESUMO: Este trabalho visa oferecer

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES Resumo Este texto tem por objetivo discutir as novas formas de gestão da educação no sentido

Leia mais

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Competência pedagógica do professor universitário Copyright 2003, 2012 by Marcos Tarciso Masetto Direitos desta edição reservados

Leia mais