e-leadership Aquisição de Competências de e-leadership Estimulando a Transformação Digital da Europa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "e-leadership Aquisição de Competências de e-leadership Estimulando a Transformação Digital da Europa www.eskills-guide.eu"

Transcrição

1 e-leadership Aquisição de Competências de e-leadership Estimulando a Transformação Digital da Europa

2 e-leadership

3 Isenção de Responsabilidade Nem a Comissão Europeia nem qualquer pessoa agindo em nome da Comissão serão responsáveis pela possível utilização da informação seguinte. As opiniões expressas pertencem aos próprios autores e não refletem necessariamente as da Comissão Europeia. Nada neste panfleto insinua ou manifesta uma garantia de qualquer tipo. Os resultados apenas devem ser usados como diretrizes, como parte de uma estratégia global. European Commission, Reprodução autorizada desde que seja mencionada a fonte. Impressão Este panfleto foi preparado pela empirica Gesellschaft für Kommunikations- und Technologieforschung mbh em nome da Comissão Europeia, Mercado Interno da Direcção-Geral GROW, Indústria, Empreendedorismo e PME's. É uma publicação da Iniciativa europeia em e-leadership sob o contrato de serviço "Diretrizes Europeias e Rótulos de Qualidade para novos Currículos que Estimulam as Competências de e-leadership" (www. eskills-guide.eu) Editores Editores: Simon Robinson, Werner B. Korte, Tobias Hüsing, empirica GmbH Conceção e apresentação: Impresso na Alemanha 03

4 04 e-leadership

5 Prefácio Se a Europa quiser competir, crescer e gerar emprego, terá que endereçar a atual escassez aguda de indivíduos capazes de liderar a inovação necessária para aproveitar os avanços das tecnologias de informação e comunicação (TIC). Crescimento económico para a criação de emprego requer que as oportunidades de inovação sejam efetivamente identificadas e exploradas. Isto, por sua vez, exige boas competências de e-leadership. Estas são as competências que podem conduzir a modelos de negócio para projeto de quadros e ao aproveitamento de oportunidades de inovação, utilizando assim as TIC de maneira eficaz e acrescentando valor às suas organizações. A estratégia das e-skills adotada pela UE é um componente fundamental para estimular a competitividade, produtividade e empregabilidade da mão-de-obra, ao endereçar as competências digitais da indústria europeia. Ajuda a melhorar as condições de infraestrutura para a inovação e o crescimento, assim como para novos empregos digitais. Garante também que o conhecimento, as habilidades, competências e inventividade da mão-de-obra europeia satisfaçam os mais altos padrões mundiais e sejam constantemente atualizados ao longo de uma aprendizagem vitalícia. Em 2013, a Comissão Europeia lançou a "Coligação Principal para Trabalhos Digitais" de forma a intensificar e acelerar os seus esforços no preenchimento da lacuna existente nas competências digitais. Dentro da estratégia das e-skills, o desenvolvimento de competências de e-leadership beneficiou do lançamento de uma iniciativa dedicada por parte da Comissão. Esta nova iniciativa foi muito bem-vinda por parte dos principais interessados. Começou inicialmente em 2013 com foco em grandes empresas e foi alargado em 2014 para também incluir pequenas e médias empresas, assim como start-ups. Será sustentado e ampliado durante os próximos anos. Até agora foram alcançados resultados muito interessantes e promissores, e vários interessados estão a convidar a Comissão Europeia e Estados Membros a aumentar o seu apoio no desenvolvimento das competências de e-leadership. Em particular, o relatório do "Fórum da Política Europeia sobre Empreendedorismo Digital" (março de 2015) sobre "a transformação digital da indústria e das empresas europeias", recomenda mais tarde promover a importância da liderança digital e declara que conteúdos relativamente a competências de e-leadership devem ser desenvolvidos e construídos em todos os programas educativos de gestão geral para líderes empresariais e quadros superiores públicos. Existe um forte consenso sobre a urgência, nesta era digital, de um esforço conjunto à escala europeia em desenvolver a oferta de competências de e-leadership em todas as empresas e setores industriais. Michel Catinat Chefe da Unidade Tecnologias Facilitadoras Essenciais e Economia Digital Mercado Interno da DG, Indústria, Empreendedorismo e PME's. Comissão Europeia 05

6 e-leadership O Desafio da e-leadership A Europa precisa de competências em e-leadership para desenvolver a inovação e o crescimento Para garantir um crescimento adequado e empregos de qualidade, a Europa depara-se com uma significativa escassez de e-líderes, pessoas capazes de liderar a inovação necessária para aproveitar os avanços das tecnologias de informação e comunicação (TIC). O crescimento económico para a criação de empregos requer que as oportunidades de inovação sejam efetivamente identificadas e exploradas, o que requer boas competências em e-leadership. Estas competências permitem aos quadros empresariais identificar e projetar modelos de negócio e explorar oportunidades de inovação fundamentais, utilizando assim as TIC de maneira eficaz e acrescentando valor às suas organizações. Iniciativas da Comissão Europeia A Comissão Europeia já respondeu a inadequações difundidas por intervenientes europeus sobre a atual disponibilidade de competências e-skills relativamente às TIC. Lançou iniciativas que promovem as e-habilidades na Europa e melhoram o profissionalismo entre praticantes das TIC. O foco passou a endereçar mais que a lacuna entre oferta e procura de e-habilidades, concentra-se agora na lacuna de competências em e-leadership. Competências de e-leadership As competências de e-leadership incluem um conjunto de conhecimentos e de competências que um indivíduo requer para iniciar e conduzir inovações relacionadas com as TIC em todos os níveis de empreendimento, desde um start-up até a maior das empresas, tanto públicas como privadas. Dentro da indústria europeia, a procura por e-leadership de alta qualidade, capaz de explorar e organizar inovações dentro das TIC para um aumento do valor empresarial, está em crescimento. Pesquisas confirmam uma escassez significativa em toda a Europa. Desenvolvimento da mão-de-obra nas TIC na Europa em 2013 comparado com 2011, com a previsão para 2015 Administração, arquitetura e análise 29,2% 33,8% Principais executantes de TIC - nível profissional 4,3% 7,9% Outros executantes de TIC - nível profissional -21,2% Principais executantes de TIC - nível associado/técnico 5,9% 9,9% Outros executantes de TIC - nível associado/técnico -27,1% 2013 / 2011 Total 0,3% 3,1% previsão 2015 /

7 Medidas tomadas A colmatação do défice de competências em e-leadership requer melhorias no ecossistema educacional da Europa, através de: melhores processos para a criação de ofertas educativas que satisfaçam as exigências dos interessados, encorajamento para a conceção e conteúdo de novos cursos, melhor comunicação no desenvolvimento e emprego das competências de e-leadership. Novas competências para novas tecnologias Contínuas inovações em aplicações das TIC criam oportunidades ao nível da competitividade e crescimento para empresas europeias, mas também desafiam a Europa a proporcionar a compreensão e as competências que possibilitarão o aproveitamento destas oportunidades. A nova onda de inovações em TIC - com a confluência de tecnologias sociais, móveis e na nuvem, a elevação de Grandes Volumes de Dados e a nova análise para criação de valor - incluem muitas tendências que se espera venham a afetar a procura de competências de e-leadership durante a próxima década. As tendências que nós identificamos são dotadas de um significante potencial disruptivo - tecnologias em rápido avanço com amplo impacto e elevado valor. Estas tendências irão mudar dramaticamente o equilíbrio do mercado e afetarão profundamente o equilíbrio das competências. Competências operacionais das TIC estarão em menor procura, mas haverá uma maior procura de design especializado e de competências de aplicação de novos serviços digitais. Competências de e-leadership são necessárias para identificar e explorar estas novas oportunidades de crescimento empresarial. Tendências tecnológicas Mobilidade: A penetração rápida de dispositivos e tecnologias móveis e a manipulação de soluções móveis no ambiente empresarial. Computação na nuvem: o modelo de entrega disruptivo de software e serviços de informática, com base em modelos empresariais flexíveis e mediante solicitação. Análise de grandes volumes de dados: novas tecnologias e arquiteturas que extraem eficazmente dados a partir de grandes volumes de vários tipos de dados usando captura, deteção e/ou análise de alta velocidade Tecnologias de redes sociais: dentro e fora das empresas, empregando técnicas de comercialização social e facilitando a colaboração e a partilha de conhecimentos. Internet das Coisas: Uma infraestrutura de rede global dinâmica com capacidade de auto-configuração baseada em protocolos de comunicação básicos e interoperacionais onde as "coisas" físicas e virtuais possuem identidades, atributos físicos e personalidades virtuais, usam interfaces inteligentes e são integralmente integrados na rede de informação. Sistemas seguros: devido à crescente dependência em sistemas TIC por parte de organizações europeias e à crescente complexidade de ambientes conectados, existe uma forte procura e difusão de software e ferramentas para garantir a segurança de sistemas informáticos a todos os níveis. Sistemas paralelos e de microeletrónica: o aumento da difusão de tecnologias multicore/manycore está a revolucionar a indústria de semicondutores e afeta a dinâmica de todos os mercados de microprocessadores para consumidores finais A mudança para o paralelismo coloca desafios em termos de desenvolvimento de software e requer uma alteração de ferramentas, sistemas e métodos de conceção para o seu desenvolvimento. Convergência: Para além do impacto de cada tendência, a convergência destas novas tecnologias tem um efeito cumulativo na estrutura do mercado; a sua exploração em conjunto coloca responsabilidades ainda maiores sobre as competência em e-leadership. 07

8 e-leadership Previsões de e-leadership Uma pesquisa empresarial levada a cabo em 2013 identificou e quantificou empresas que implementaram, com sucesso, projetos de informática inovadores e revelaram quantos funcionários dentro e fora dos departamentos de informática estavam a iniciar e a conduzir estes projetos. Com base nisto, estima-se que as necessidades de mão-de-obra europeia ao nível da e-leadership na UE28 sejam de (número de pessoas a propor, com sucesso, projetos inovadores de informática) até (principais indivíduos inovadores no domínio da informática). Aproximadamente 40% de e-líderes encontram-se dentro de departamentos de informática e 60% encontram-se fora deles. E-líderes em PME's correspondem a 70-75% do total. procura por empregos altamente qualificados em TIC irá subir, por ano, em média 4,6% até Parece razoável assumir que essa procura de e-leadership é fortemente acoplada aos empregos TIC mais altamente qualificados. Em 2015 estima-se que a procura varie entre a com a aplicação de uma taxa de crescimento de 4.6%, correspondendo a em Procura de empregos em e-leadership prevista para a UE e-líderes: Empregos e potencial de procura Limite inferior Limite superior Com a procura estabelecida em 2013, a previsão ao nível da e-leadership depende de taxas de crescimento calculadas, visto que estão disponíveis poucos dados de mercado sobre vagas em e-leadership ou contratos futuros. Utilizamos uma analogia com as posições mais altamente qualificadas dentro das TIC para as quais tais estimações existem. A IDC e a empirica previram que a Levando em conta a procura pela expansão (novos empregos) e a procura pela substituição (devido a aposentações etc.), por conseguinte a Europa necessitará de a e-líderes adicionais até 2020, ou entre e por ano. 08

9 A Europa precisa de milhares de novos e-líderes todos os anos A mão-de-obra europeia em e-leadership foi recentemente estimada em a indivíduos. Apesar das estimativas da IDC e da empirica num aumento, em média, de 4,6% até 2020, a figura mostra um potencial de procura de e-líderes em 2020, aplicando-se apenas projeções conservadoras. Correspondentes nacionais em todos os Estados Membros realizaram uma procura sistemática no início de 2013 relativamente à oferta de programas de e-leadership educativos. Os resultados mostram que a Europa passou por um aumento significativo em programas interdisciplinares a Nível de Mestrados combinando negócios e informática, mas principalmente para iniciantes de carreira. Há muito trabalho para fazer! Panorama da educação superior e executiva em e-leadership na Europa para 2013 Programas combinados 1091 Profissionalmente orientados 494 Programas para candidatos potenciais 47 Programas para candidatos 21 Programas (a) de nível pós-graduado combinando TIC + negócios... e (b) cujos alvos são aqueles com experiência profissional local mas não a tempo inteiro... e cujos alvos pertencem aos quadros de gestão superior com requisitos técnicos muito elevados... e cuja entrada requer bastante experiência empresarial + missão dos alunos: transformar os negócios Nestas estimativas, a Europa precisará de pelo menos e-líderes adicionais até 2020, incluindo procura de substituição, ou seja por ano. Isto apresenta um forte desafio ao atual ecossistema educativo. Escassa oferta de programas Na Europa, apenas foram encontrados 21 programas que oferecem programas de e-leadership na ótica dos interessados - com a capacidade de liderar executivos experientes em transformações empresariais. O desafio da e-leadership Em toda a Europa cresce a vontade de acelerar a inovação, fortalecer a competitividade, impulsionar o crescimento da economia e criar novos empregos. Um fator principal no desempenho da inovação é a força da liderança, particularmente para tirar proveito de oportunidades novas no domínio das TIC. Porém, a oferta de competências em e-leadership está bem abaixo da procura e necessita-se de uma resposta coordenada. 09

10 e-leadership Respondendo à Procura Objetivo e abordagem A Iniciativa de e-leadership foi lançada pela Comissão Europeia, com um foco inicial em competências de e-leadership para grandes empresas. O objetivo é desenvolver, demonstrar e disseminar diretrizes e etiquetas de qualidade europeias para novos currículos que promovam competências de e-leadership. As diretrizes foram desenvolvidas usando resultados de pesquisas, dados provenientes de interessados e análises das melhores práticas em cooperação com escolas empresariais de renome mundial. As diretrizes foram empregues em toda a Europa e foram largamente aceites e aproveitadas pelas partes interessadas Freddy Van den Wyngaert VP, CIO, AGFA ICS Metas para melhoramentos A Agfa implementou uma gigantesca e bem-sucedida transformação do seu negócio e está determinada a continuar este sucesso ao assegurar que os seus executivos tragam com eles o melhor que se faz ao nível das competências em e-leadership. As principais melhorias passam por desenvolver as melhor práticas usadas na comunicação das exigências do mercado, transparência de conteúdos e a atribuição do rótulo de qualidade. O foco encontra-se em competências de e-leadership para pessoas em posições "ricas em recursos" dentro de empresas onde os executivos são capazes de mobilizar significativos recursos humano e de outra natureza. Tais executivos, inclusive CIO's e cargos de nível C, controlam os escalões mais elevados de recursos humanos numa empresa e assumem responsabilidades diretas perante o negócio, inovação e competitividade. Liderar a inovação em grandes empresas A primeira fase da Iniciativa de e-leadership concentra-se nas necessidades de liderança de quem toma as decisões de topo nas maiores empresas. Estes executivos governam portfólios que consistem em oportunidades de inovação emergentes e bem definidas. A sua busca pela inovação requer o envolvimento de pessoal altamente qualificado, muitos dos quais precisam de auxílio para atingir a compreensão necessária para as TIC e para o seu potencial valor. Małgorzata Ryniak VOLVO, Informática A Volvo está a investir nos nossos técnicos de informática para que eles sejam capazes de nos liderar. Achamos muito atraentes as ofertas de maior qualidade e coerência nas formações em e-leadership na Europa que a Comissão iniciou. Competências específicas incluem a rápida e disciplinada avaliação de casos e de riscos empresariais, ao mesmo tempo encorajando a criatividade necessária para projetar novos modelos de negócio e explorar oportunidades de inovação. Ações por parte da Comissão Europeia para o preenchimento da lacuna em competências de e-leadership Como parte da Iniciativa de e-leadership da Comissão, foram desenvolvidas diretrizes para currículos com base em e-leadership nas empresas. A abordagem suporta a caracterização das competências necessárias para a e-leadership empresarial em tomadas de decisões e definição de resultados de aprendizagem para desempenho em cargos fundamentais, até ao nível C. São gerados perfis curriculares que definem o conteúdo alvo e experiências educativas a serem incluídas em currículos de e-leadership administrados por instituições académicas de formação superior e executiva. A qualidade pode ser facilmente mantida se uma compreensão sobre as exigências das competências no local de trabalho for devolvida aos proporcionadores. A avaliação dos alunos ajudará a manter a atratividade da administração e do conteúdo, proporcionando assim informação adicional sobre como desenvolver requisitos de liderança no trabalho. 10

11 Cristina Alvarez CIO da Telefonica, Espanha A iniciativa da Comissão para melhorar a oferta de competências em e-leadership é de grande interesse para nós; esperamos tirar proveito de programas que desenvolvam estas competências. A implementação das diretrizes fornece transparência a empresas que procuram a e-leadership e a profissionais que procuram formação adicional, com perspetivas de maior responsabilidade e uma transformação empresarial de sucesso. Foi dado encorajamento para o desenvolvimento e melhoria de ofertas educacionais atualizadas capazes de aumentar a oferta de líderes experientes e altamente qualificados em inovações com base nas TIC para o setor público e o setor privado. Jeanne Bracken Editora e Diretora Geral da LID Editorial, Espanha Ter formatos de aprendizagem flexíveis e colaborativos é fundamental. Sejamos realistas, é improvável criarmos líderes inovadores usando os métodos tradicionais! Pascal Buffard Presidente da CIGREF e presidente da AXA Technology Services Para a CIGREF, o tema de "e-leadership" é um desafio top 10 para líderes e gestores até Liderar a transformação digital significa, em primeiro lugar, uma capacidade de desenvolver uma visão estratégica relacionada com o mundo digital para todas as partes interessadas. A CIGREF encoraja a intensificação de ações relacionadas com a promoção da e-leadership na Europa para todos os participantes financeiros. Demonstrações com diferentes escolas empresariais e universidades na Europa mostraram, na prática, como os perfis curriculares, em conjunto com critérios de qualidade, podem ajudar na avaliação de programas administrados por escolas empresariais e instituições académicas superiores. A oportunidade online - MOOCs destinados à e-leadership A inovação no ensino pode ajudar a melhorar as competências de e-leadership, tornando os programas mais acessíveis através da administração de cursos online. Porém, os resultados do investimento em "cursos online abertos de grande escala" (MOOC) não são contudo completamente visíveis até à data em campos relacionados com a e-leadership na Europa e nos E.U.A. A maior parte das universidades possui programas de Mestrado em TIC e administração, mas até mesmo nos E.U.A. estes são administrados tradicionalmente, no local. Hoje os MOOC's oferecem cursos de nível relativamente elementar, tipicamente com objetivos de aprendizagem estáticos ao longo dos anos - o que não é característico de disciplinas no domínio das TIC. Existem ainda pouquíssimos programas online que combinam competências empresariais com as TIC. Grande parte da oferta consiste em "remédios rápidos" isolados e curtos, com duração inferior a uma hora. Estes não são integrados em programas maiores nem servem como crédito para tais programas. 11

12 e-leadership Bases Melhores práticas de educação em e-leadership As diretrizes para os currículos de e-leadership baseiam-se nas melhores práticas exercidas tanto na Europa como no resto do mundo. Uma entrada fundamental foi o excelente programa EuroCIO para formação empresarial. Uma hierarquia de programas modulares proporciona habilitações profissionais e de liderança. Melhores práticas de educação em e-leadership da EuroCIO recompensar a aprendizagem vitalícia, melhorando as competências daqueles que já se encontram empregados e com experiência, especialmente ao nível da arquitetura, estratégia e inovação empresarial; assegurar que os programas oferecidos de baseiam em currículos estáveis mas flexíveis e imparciais sob ponto de vista do vendedor. encorajar os setores académicos, empresariais e públicos para agir com regularidade e focar em complementaridades em vez de diferenças; permitir que o setor académico garanta a relevância e durabilidade da abordagem do currículo; MBA em Gestão de Informação Empresarial EuroCIO MBA Executivo em CIM Programas profissionais s modulares EuroCIO Programa Profissional em Gestão Informática EuroCIO Programa Profissional em Gestão de Estratégia Informática EuroCIO Programa Profissional em Gestão da Procura Programa Profissional em Arquitetura de Empresas e Negócios Numa abordagem educativa, o desenvolvimento de currículos resulta da negociação, em comité, de representantes da indústria e de escolas empresariais. Comités individuais lidam com programas específicos. Foram empregues novas técnicas para alargar este programa de forma a corresponder aos números que a Europa está a exigir. Diretrizes Curriculares INSEAD A Iniciativa de e-leadership baseia-se nas conclusões do estudo INSEAD sobre as "Diretrizes para o Desenvolvimento de Currículos e-competência na Europa", compostas por diretrizes institucionais e de políticas ao longo de todo o domínio das e-skills. As diretrizes da política servem para: encorajar a indústria a fortalecer o desenvolvimento pessoal e proporcionar incentivos para uma aprendizagem vitalícia por ex. por meio da inclusão em avaliações de desempenho. As diretrizes institucionais para um desenvolvimento de currículos com êxito recomendam: (1) criar vontade entre potenciais alunos; (2) garantir relevância perante a indústria e potenciais empregadores; (3) projetar currículos como um conjunto de módulos, tornando-os fáceis de combinar com outros currículos, fomentando assim abordagens multidisciplinares; (4) antecipar a necessidade dos diplomados manterem os seus conhecimentos atualizados; (5) monitorizar o processo de desenvolvimento e entrega de currículos para uma melhoria constante. 12

13 A abordagem do escalonamento das competências de e-leadership leva em conta todas estas diretrizes. A Iniciativa de e-leadership desenvolve as ideias INSEAD ao nível de um portfólio de novos currículos que proporcionam competências de e-leadership, embutidos numa infraestrutura de garantia de qualidade de vida sustentável. Esta infraestrutura garante uma disputa contínua entre conteúdos e inovação nos cursos e exigências de liderança em vários setores económicos e organizações de qualquer tamanho. A Infraestrutura Europeia de e-competência O conceito de multi-competência em e-leadership, e a sua relevância para o futuro desenvolvimento económico e social na economia europeia, foi largamente confirmado por participantes no campo. Os perfis curriculares respondem à insistência dos participantes de que as diretrizes pertinentes aos currículos devem aproveitar a influência da transparência do mercado face a ligações com a Infraestrutura de e-competência. Cada perfil curricular é mapeado à Infraestrutura Europeia de e-competência e esclarece quais as competências e-cf que são melhoradas por meio dos programas compatíveis. Diretrizes para novos currículos Ampliação do fornecimento de competências de e-leadership Ampliar o fornecimento de competências de e-leadership requer mecanismos capazes de endereçar uma falta de transparência no conteúdo dos programas oferecidos. Os programas não são facilmente comparados, portanto a confiança nas ofertas é limitada. O reconhecimento a partir de fonte segura é um bom mecanismo para gerar confiança, desencadear ações e acelerar o fluxo de competências de e-leadership. Estimulação do ecossistema de desenvolvimento de e-competências A ampliação da abordagem requer uma análise clara de locais e processos onde poderão ser feitas melhorias em transparência e comparabilidade. Necessita também de especificações claras sobre como a adesão às exigências de liderança em inovação no local de trabalho de uma grande empresa possa ser garantida, e sobre como podem ser dados sinais claros de que certas ofertas educativas estejam em incumprimento perante estas exigências. O ecossistema de desenvolvimento de competências de e-leadership proporciona uma infraestrutura analítica apropriada. Resumo dos papéis da transparência, comparabilidade e confiança no reconhecimento de programas de apoio Criação de transparência Criação de comparabilidade Criação de confiança Proporcionar reconhecimento Ampliação da oferta educativa, aceleração do fluxo de competências de e-leadership 13

14 e-leadership Prof. Dr. John Board Reitor da Escola de Negócios Henley Henley, com a sua forte tradição em pesquisa e ensino, fez contribuições diretas à iniciativa de e-leadership, ao adaptar programas fundamentais para satisfazer os requisitos definidos pelos Perfis Curriculares de e-leadership. As diretrizes e etiquetas de qualidade centram-se num portfólio de perfis curriculares de e-leadership, flanqueado por análises de qualidade e pela interação das partes interessadas, que constituem canais de feedback eficazes. Os perfis curriculares trazem transparência e comparabilidade de ofertas educativas às partes Eduardo Vendrell Presidente, Conferencia de Directores y Decanos de Ingeniería Informática e Professor na Universitat Politècnica de València interessadas no interior do ecossistema. Instituições de ensino superior e escolas empresariais recebem os meios para o alinhamento de resultados de aprendizagem à procura empresarial para executivos qualificados de modo transparente perante os empregadores e e-líderes do futuro. O Perfil Curricular de e-leadership Os perfis curriculares de e-leadership, fundamentais às diretrizes sobre o desenvolvimento de novos currículos, são desenvolvidos por uma equipa de representantes de academias e indústrias por sua vez apoiados por peritos em educação. Os perfis conferem comparabilidade pelos diferentes programas - trazendo transparência ao ecossistema e-skills. Eles descrevem e expõem a procura por conjuntos de competência de e-leadership e ajudam os currículos a acompanhar um ambiente em evolução. Os perfis são de uma estrutura simples e requerem poucos recursos para manutenção e uso - em linha com o clima económico. As soluções hoje em dia devem ser de peso leve! No meu cargo como Presidente do Conselho Espanhol de Reitores de Graus Académicos em Informática (CODDII), tenho um compromisso com a iniciativa de e-skills e e-leadership, apoiadas pela Comissão Europeia. O ecossistema de desenvolvimento de competências em e-leadership SISTEMA DE OFERTA Educação superior e Executiva Educação Instituições Programas DIRETRIZES TIC e RÓTULOS DE QUALIDADE Interação de Partes Interessadas Canais de Feedback Portfólio de Perfis Curriculares SISTEMA DE PROCURA Empresas - procurando liderança para candidatos usando Qualidade Critérios e Avaliação 14

15 Silvia Leal Diretora Académica, Escola de Negócios IE Escola de Negócios IE foi das primeiras na Europa a aplicar as diretrizes de e-leadership aos nossos cursos de ensino superior e recomendamos fortemente que as outras universidades e escolas de negócios utilizem a abordagem dos Perfis Curriculares de e-leadership. Adam Dzidowski Universidade Tecnológica de Wroclaw, Faculdade de Informática e de Gestão da Universidade Tecnológica de Wroclaw Prof. Dr. Renaud Cornu Emieux Directeur, l Ecole de Management des Systèmes d Information de Grenoble, Chair Orange GEM «Digital Natives» Durante o próximo ano, a "Digital Natives" Orange-Grenoble Ecole de Management e a EMSI conduzirão o desenvolvimento de módulos e certificados em e-leadership para estudantes do currículo principal da Grenoble Ecole de Management (GEM). Estes módulos e certificados serão para estudantes e para profissionais empregados. A parte mais importante do pacote de e-leadership é o seu potencial reflexivo e a forma como pode ser usada para colocar as perguntas certas relativamente aos programas existentes. Componentes de um perfil curricular de e-leadership Título Nome relevante do perfil curricular Base Racional Breve descrição de relevância e de procura Cargos Exemplares Indicação de cargos típicos nos ambientes de trabalho Conteúdo Principal Os temas principais relacionados com este tipo de perfil Resultados da Aprendizagem Conhecimentos, habilidades e competências Competências Mapeadas à infraestrutura de e-competência 15

16 e-leadership Exemplo de um perfil curricular de e-leadership Arquitetura de Empresa Comercial Título Base Racional Perfil de Entrada Conteúdo Principal Aprendizagem Experiência Exemplos de Cargos Perfil Curricular de e-leadership Arquitetura de Empresa Comercial Procura do Mercado Empresas, particularmente as que realizam operações internacionais, precisam de lidar com a complexidade visto que isto aumenta os riscos e as despesas, e devem ser ágeis ao reagirem mudanças de mercado. Projetar um negócio para alcançar estas metas requer competências de arquitetura e de TIC O currículo de Arquitetura Empresarial e de Negócios endereça estes desafios e procura aumentar a capacidade de profissionais experientes para interagirem com partes interessadas na união da estratégia, arquitetura, mudança e valor. O foco está no desenvolvimento de competência profissional e na melhoria de competências comportamentais. Programas baseados neste perfil tipicamente requerem participantes que já tenham experiência prática em cargos de informática de mudança empresarial. O ciclo de vida de uma arquitetura empresarial e de negócios como ativador de estratégia e de execução empresaria, com ligações a funções interrelacionadas: Estratégia e Arquitetura Empresarial Soluções de Arquitetura Empresarial Implementação de um Arquitetura Empresarial Combinar a instrução teórica com uma revisão de grupo facilitada sobre as melhores práticas fortemente definido num contexto organizacional Proporcionar oportunidades para estudantes usarem experiência e conhecimentos do currículo no seu ambiente de trabalho Arquiteto Empresarial Arquiteto de Negócios Resultados da Aprendizagem Criar projetos de arquitetura que ajudem a inovar modelos operacionais e de negócio Explorar tendências digitais para desenvolver arquiteturas de modelos alvo Antever e impulsionar mudanças de arquitetura para desempenho empresarial Influenciar partes interessadas em arquitetura para além fronteiras Construir capacidades de arquitetura e liderar pessoal interdisciplinar Competência e-cf Nível A.1 Alinhamento de estratégia IS e de Negócios 4 A.5 Design de Arquitetura 5 A.7 Monitorização de Tendências Tecnológicas 4 A.9 Inovação 4 E.7 Gestão de Alterações Comerciais 4 Compreensão de e-leadership A.3 Desenvolvimento de Planos de Negócios B.6 Engenharia de Sistemas C.3 Entrega de Serviços E.2 Gestão de Projetos e de Portfolio E.3 Gestão de Riscos E.9 Gestão Informática Cada perfil curricular tem um nome e uma justificação concisa do seu lugar no portfólio, inclui uma listagem dos cargos que lhe são pertinentes assim como um resumo do seu conteúdo. O núcleo de cada perfil inclui os resultados de aprendizagem: o conhecimento, habilidades e competências que um programa proporciona para a atribuição de competências de e-leadership. Todos os perfis desenvolvidos na primeira fase da iniciativa proporcionam as competências fundamentais para e-leadership em grandes empresas. Os resultados de aprendizagem são completamente referenciados à infraestrutura de e-competência, de forma a oferecer uma máxima transparência e para o aproveitamento de auto-avaliações e planeamento de recursos humanos existentes. 16

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas 13 de maio de 2015 PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas Virpi Stucki Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Future Nearshore Necessidades Atuais e Capacitação de Serviços e Talentos

Future Nearshore Necessidades Atuais e Capacitação de Serviços e Talentos CENTRO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA Investigação & Desenvolvimento Tecnológico Future Nearshore Necessidades Atuais e Capacitação de Serviços e Talentos Ana Alice Batista, Ana Lima, Isabel C. Viana, Nuno Soares,

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha.

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Questionário «Para uma avaliação intercalar da Estratégia Europa 2020 do ponto de vista dos municípios e regiões da UE» Contexto A revisão

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? As ofertas de cloud pública proliferaram e a cloud privada popularizou-se. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

ORGANIZATI ONAL AGILITY

ORGANIZATI ONAL AGILITY PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO A VANTAGEM COMPETITIVA DO GERENCIAMENTO EFICAZ DE TALENTOS ORGANIZATI ONAL ORGANIZATI ONAL AGILITY AGILITY MARÇO DE 2013 Estudo Detalhado Pulse of the Profession

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS FERRAMENTA A QUEM É DESTINADA? O QUE É O QUE FAZ OBJETIVOS Guia de finanças para as empresas sociais na África do Sul Guia Jurídico

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé Política Corporativa Setembro 2012 Política de Recursos Humanos da Nestlé Autoria/Departamento Emissor Recursos Humanos Público-Alvo Todos os Colaboradores Aprovação Concelho Executivo, Nestlé S.A. Repositório

Leia mais

Gestão do Desempenho Forecasting. Tomada de decisão. Profissional. Professional. Previsão. A qualificação de negócios profissionais.

Gestão do Desempenho Forecasting. Tomada de decisão. Profissional. Professional. Previsão. A qualificação de negócios profissionais. Professional Profissional Tomada de decisão Gestão do Desempenho Forecasting Previsão A qualificação de negócios profissionais globais O CIMA é a escolha dos empregadores no recrutamento de líderes de

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

Programa de Serviços

Programa de Serviços Programa de Serviços Um Parceiro da Heidelberg Sucesso e segurança para o convertedor de rótulos A maior diversidade de substrato. Um marca de qualidade emerge: um sistema de máquina Gallus garante a mais

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2

INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2 INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2 O projeto LIFE2 (Competências chave para a vida) visa ajudar os jovens a desenvolver, no decurso da sua formação profissional, as competências e confiança necessárias no mundo

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais

3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais 3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais 29 de setembro de 2014 Auditório da BMAG Apoio Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO

FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO Declaração Conjunta da FEEE e do CSEE sobre a «Promoção da Autoavaliação das Escolas e dos Professores» no âmbito do

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS

Visão Geral da Certificação CERTICS Projeto 0113009300 - Implementação da CERTICS - Certificação de Tecnologia Nacional de Software IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Visão Geral da Certificação CERTICS Palestrante: Adalberto Nobiato Crespo

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

COMO CAPACITAR AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS PARA SE TORNAREM APTAS PARA RECEBER INVESTIMENTO? Carlos Azevedo carlos@ies-sbs.org Diretor Académico IES- SBS

COMO CAPACITAR AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS PARA SE TORNAREM APTAS PARA RECEBER INVESTIMENTO? Carlos Azevedo carlos@ies-sbs.org Diretor Académico IES- SBS COMO CAPACITAR AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS PARA SE TORNAREM APTAS PARA RECEBER INVESTIMENTO? Carlos Azevedo carlos@ies-sbs.org Diretor Académico IES- SBS ECONOMIA CONVERGENTE ONDE NASCE A INOVAÇÃO SOCIAL?

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

CEO Briefing Portugal 2015 The Economist. A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas

CEO Briefing Portugal 2015 The Economist. A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas CEO Briefing Portugal 2015 The Economist A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas 92% dos executivos portugueses acreditam que as suas empresas dispõem de capacidades

Leia mais

Programa Avançado de Gestão para o Setor do Pós Venda Automóvel

Programa Avançado de Gestão para o Setor do Pós Venda Automóvel Programa Avançado de Gestão para o Setor do Pós Venda Automóvel ACAP de Portas Abertas para a Universidade RAZÃO DE SER Antes da Agenda O que sabe hoje chega para garantir a SUSTENTABILIDADE e o SUCESSO

Leia mais

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação)

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) Rua Castilho 90 2ºesq 1250-071 Lisboa, Portugal Rua José Gomes Ferreira nº219 - Aviz 4150-442 Porto, Portugal info@beill.pt / www.beill.pt Sobre A Beill

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão do Desenvolvimento Económico, das Finanças e do Comércio 27.4.2012 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre o empreendedorismo baseado nas TIC e o seu impacto no desenvolvimento

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS Acção 1 1 AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS A B Parcerias Estratégicas na área da Educação, Formação

Leia mais

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA O acesso à informação é um direito fundamental de todos os alunos com ou sem deficiência e/ou necessidades educativas especiais. Numa

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Culture OnLine, 5-7.6 Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Peering down the Wormhole Dr. Susan Hazan Filomena Pedroso Realidade Empresarial em Portugal Incerteza nos mercados recomenda

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários:

Leia mais