Tema 1 Estratégias na Organização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tema 1 Estratégias na Organização"

Transcrição

1 Tema 1 Estratégias na Organização Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia da Produção Gestão da Produção Estratégias na Organização John Jackson Buettgen Introdução Olá! Você está prestes a iniciar o estudo do tema Estratégias na Organização. Porém, antes de iniciar a leitura do conteúdo, acompanhe o vídeo de apresentação do professor John, em que ele apresenta os conteúdos a serem abordados, bem como seus objetivos. Bons estudos! Vídeo disponível no material on-line. Problematização A empresa Sweet Live Cakes faz aproximadamente bolos por ano em dois tamanhos diferentes, ambos baseados na mesma receita. As vendas chegam ao seu pico na época do Natal, quando a demanda é aproximadamente 50% mais alta que no período mais calmo do inverno. Para aproveitar o período de ociosidade, a Sweet Live Cakes elaborou uma estratégia baseada em duas novas linhas de produto: A primeira, chamada de Bolo do cliente, consiste em bolos de diferentes tamanhos, os quais podem conter mensagens personalizadas solicitadas pelos clientes. O consumidor envia o texto com a mensagem para a loja que, na sequência, a envia por para a fábrica. A demanda prevista é de aproximadamente bolos por ano, principalmente em datas festivas, como o Dia dos Namorados e o Dia das Mães. A segunda, chamada de Bolo Individual ou Cup Cake, consiste em uma nova linha de bolos pequenos, direcionados para o consumo individual. A 1

2 demanda prevista para este tipo de bolo é de por ano. Em comparação aos demais produtos existentes, sua distribuição ocorre de uma forma mais uniforme ao longo do ano. Aparentemente, a estratégia de lançar duas novas linhas é bem interessante, porém não está surtindo o efeito esperado. A cúpula organizacional acaba identificando problemas graves em relação às estratégias, e resolve reunir seus gestores para que, juntos, identifiquem a causa. Depois de discutir os detalhes, os gestores conseguem identificar quatro possibilidades: Primeira: As estratégias operacionais e funcionais estão fora da realidade da empresa. Foi necessário muito investimento, mas a qualificação dos colaboradores para o novo mix de produtos deixou a desejar. Segunda: As estratégias que, aparentemente estavam alinhadas com a realidade da empresa, não alcançaram os resultados esperados. Muitos colaboradores não entenderam a entrada dos cup cakes no mix de produtos. Terceira: Foram identificados problemas sérios com a motivação dos colaboradores e com o processo de comunicação interna, pois algumas pessoas não desempenham o trabalho ou simplesmente não sabem o que a empresa espera delas. Quarta: Há disputas de poder na organização, o que atrapalha muito a cooperação entre as diferentes áreas. Como você pode constatar, a situação da organização está bastante complicada. E, para tentar resolver o problema, a cúpula da empresa resolveu indicar o melhor executivo de operações da empresa, ou seja, VOCÊ! E agora, qual solução seria a mais acertada para solucionar os problemas da empresa? Analise as opções a seguir e pense em qual delas seria a solução mais viável para a empresa alcançar resultados efetivos e estrategicamente alinhados. Opção1: Você procura ajuda externa e contrata uma empresa de 2

3 consultoria para refazer as estratégias corporativas. Opção 2: Você cria uma força tarefa interna para promover o alinhamento entre as estratégias corporativas, funcionais, operacionais e individuais (micro estratégias). Opção 3: Você elabora um programa de treinamento sobre as estratégias que já estavam definidas. E agora, qual das opções é a mais correta? Antes de responder essa questão, vamos dar continuidade aos nossos estudos, pois tenho certeza que tudo que você aprenderá o ajudará a escolher a melhor alternativa! Vídeo disponível no material on-line. Estratégia na organização Pois bem! Quero dar continuidade aos nossos estudos fazendo uma pergunta: Por que a globalização impacta nas organizações? A resposta está diretamente relacionada ao fornecimento de novas referências e padrões de consumo. Imagine a seguinte situação: você mora em um país de fronteiras fechadas, em que só é possível consumir aquilo que é produzido no mercado interno. Nessa situação hipotética, você, enquanto consumidor, munido das modernas ferramentas de tecnologia da informação e comunicação, saberia da existência de produtos diferentes daqueles a que está fadado a consumir. Num processo de abertura desse país, a entrada de produtos importados abriria uma possibilidade de consumo desses novos produtos, o que colocaria a indústria nacional em estado de alerta. Diante dessa realidade, as organizações só teriam duas alternativas: sucumbir ao concorrente ou se ajustar ao interesse do consumidor, o que inevitavelmente, necessita de decisões por parte dos gestores de produção. Outro aspecto que também demanda um olhar do gestor de produção para a estratégia é a necessidade de respostas adequadas, precisas e 3

4 rápidas ao mercado. O elevado nível de competitividade faz com que as organizações precisem ser pontuais na aplicação e eficientes no uso dos recursos que têm a sua disposição. A obtenção desse nível de competitividade passa pela rapidez com que a organização percebe e se ajusta a esta nova realidade. Fazer algo bom, mas depois que o concorrente já o fez, pode fazer com que a organização perca o timming do negócio. Devido à alta concorrência, a dinâmica dos interesses do mercado é um aspecto relevante a ser observado, pois os consumidores são bombardeados diariamente com todo tipo de informação, desde novos produtos que são lançados, até novas aplicações para produtos antigos. Portanto, cabe às organizações desenvolverem a sua flexibilidade, ajustando-se assim a estes interesses do mercado. As organizações também precisam ficar atentas às mudanças comportamentais e sociais, pois a nossa sociedade está em constante transformação. Portanto, se as pessoas mudam, as organizações também devem mudar. Agora que você já sabe um pouco mais a respeito da Estratégia Organizacional, vamos discutir sobre a sua decomposição. Analise a imagem a seguir e veja que a Estratégia Organizacional é decomposta em Estratégias Funcionais, Operacionais e, posteriormente, em Micro Estratégias. 4

5 Planejamento Organizacional ou Corporativa Planejamento Tático ou Funcional (Produção) Planejamento Operacional (Qualidade) Planejamento Operacional (Estoques) Planejamento Operacional (Fabricação) Planejamento Tático ou Funcional (Marketing, etc.) Planejamento Operacional (Preços e Produtos) Planejamento Operacional (Publicidade e Propaganda) Planejamento Operacional (Vendas) Figura 1: Decomposição do planejamento nas organizações Fonte: o autor, baseado em Serra; Torres; Torres (2004) e Slack et al (2008) No vídeo a seguir, o professor Jonh irá explicar mais detalhadamente como funciona a decomposição do planejamento, além de discutir sobre as definições das responsabilidades de cada nível organizacional em relação ao planejamento. Vídeo disponível no material on-line. Estratégia Corporativa Você sabe qual é o conceito de Estratégia? Sabe qual é a diferença entre Estratégia e Planejamento Estratégico? Sanar estas questões é muito importante, pois é comum as pessoas confundirem esses conceitos. Para Serra, Torres e Torres (2004) a diferença entre eles seria: Estratégia empresarial: é o conjunto dos meios que a organização utiliza para alcançar seus objetivos. Tal processo envolve as decisões que definem os produtos e os serviços para 5

6 determinados clientes e mercados e a posição da empresa em relação aos seus concorrentes. Planejamento estratégico: é o processo pelo qual se procura determinar como a organização deve atuar em relação ao ambiente, definindo-se os objetivos e as estratégias para alcança-los. O autor Oliveira (2012), afirma que: Planejamento Estratégico corresponde ao estabelecimento de um conjunto de providências a serem tomadas para a situação em que o futuro tende a ser diferente do passado. Entretanto, a empresa deve ter condições e meios de agir sobre as variáveis e fatores, de modo que possa exercer alguma influência sobre este futuro. (OLIVEIRA, 2012, p.4) O mesmo autor complementa que o processo de planejar envolve um modo de pensar, e um modo salutar de pensar envolve questionar: o que, quando, quanto, para quem, por que, por quem e onde. Perguntas básicas, cujas respostas podem mudar o destino das organizações. O resultado do processo de planejamento, normalmente, é concretizado em um documento denominado Plano Estratégico. Contudo, segundo algumas interpretações, o próprio ato de refletir sobre a organização, seus processos e seu futuro é muito mais rico do que o documento propriamente dito. Para saber mais sobre a importância do processo de planejamento, acompanhe o vídeo a seguir! Vídeo disponível no material on-line! Considerando o que foi apresentado, a gestão das operações se encaixa como função responsável pela organização de todo o inter-relacionamento dos diversos recursos necessários à consecução dos objetivos organizacionais. Por isso a necessidade do conhecimento total e envolvimento pleno com a Estratégia Organizacional. Surge, como consequência natural, a pergunta: 6

7 Como a Gestão de Operações pode interferir na estratégia corporativa? Para compreendermos melhor, façamos uma análise do processo de transformação, que é a grande atividade da área de Produção. AMBIENTE COMPETITIVO MERCADO Objetivos estratégicos da organização Ouvindo o cliente Ouvindo os processos RECURSOS TRANSFORMADOS Materiais Informações Consumidores RECURSOS TRANSFORMADORES Instalações Pessoas INSUMOS Operações e processos transformam as entradas PRODUTOS CONSUMIDORES Figura 2: Modelo do processo de transformação e a participação da produção Fonte: Baseado em Slack, Chambers e Johnston (2009, p. 9) e Maranhão e Macieira (2004, p. 18) Analisando a imagem é possível percebermos que ao processar os recursos transformados, a Produção gera produtos, os quais irão gerar uma percepção por parte dos consumidores. Essas percepções, sejam positivas ou negativas, devem ser assimiladas pela organização, inclusive pela área de Produção, e devem ser incorporadas aos objetivos estratégicos. Desta forma, alguns problemas podem ser eliminados e pontos positivos fortalecidos. Assimilar as percepções do mercado e incorporá-las aos produtos é a grande contribuição da Produção para a Estratégia Corporativa. Para que você possa se aprofundar mais sobre a importância da estratégia, acesse o vídeo sugerido a seguir. Intitulado A Gestão Estratégica por Waldez Ludwig, ele mostra o olhar de Waldez sobre a importância da estratégia como ferramenta de gestão eficaz. O objetivo da palestra é direcionado para o setor público, mas todos os conceitos apresentados são oriundos das empresas privadas, logo os exemplos também têm origem nesse 7

8 setor. A capacidade de contribuição As organizações precisam evoluir e aprender constantemente, tanto em sua totalidade quanto em cada uma das suas funções organizacionais (Marketing, finanças, recursos humanos, produção etc.). Cada uma delas deve contribuir de forma significativa para a estratégia corporativa. Neste cenário, quais seriam os papéis a serem exercidos pela função produção? Para Slack, Chambers e Johnston (2009), a produção teria três papéis básicos na organização: Implementadora (ou executora): A Produção deve fazer a estratégia acontecer, transformando decisões estratégicas em realidade. Apoiadora (ou seguidora): A Produção deve apoiar a estratégia, desenvolvendo objetivos apropriados para a utilização dos recursos que administra. Impulsionadora (ou líder): A Produção deve fornecer os meios para a obtenção de vantagem competitiva. Como Implementadora, cabe à Produção colocar em prática as decisões, pois elas são abstratas, não tendo nenhum sentido real se não forem praticadas. Do que serviria a decisão de lançar um produto para atender a um determinado nicho de mercado se a Produção não o projetasse, produzisse e disponibilizasse para distribuição ao mercado? Podemos inferir, portanto, que por mais extraordinária que fosse uma estratégia, nenhum resultado igualmente extraordinário seria obtido se a Produção fosse inepta para colocála em prática. Como Apoiadora, a Produção tem a responsabilidade de criar as 8

9 condições para que a estratégia seja colocada em prática. Em outras palavras, é a produção se adaptando à estratégia, não a estratégia se ajustando às condições da produção. Imagine a seguinte cena: Diretor: - Vamos lançar uma linha de camisetas bem coloridas, para atender aos jovens da região nordeste. Gerente de Produção: - Impossível Sr. Diretor. A nossa máquina de estampar só consegue reproduzir quatro cores. Percebe-se que apoio, definitivamente, não é a base da resposta deste gerente de produção. Mas será que a resposta não poderia ser: Gerente de Produção: - Sr. Diretor. A nossa máquina de estampar consegue reproduzir, no máximo, quatro cores. Precisaríamos de um tempo para que pudéssemos comprar uma máquina com a capacidade desejada. Acredito que seriam necessários dois meses para estarmos prontos para este tipo de lançamento. Como Impulsionadora, a Produção oferece o diferencial que permite criar as condições para a perenidade do sucesso da empresa. Nesta situação, ela acaba oferecendo até mais do que se esperava dela, dando à empresa a possibilidade de escolhas. Encaixam-se neste contexto, principalmente, os saltos tecnológicos, as melhorias de processos e as reduções de custos. Mas qual seria a participação da Produção nos resultados globais e a sua real capacidade de influência na estratégia das organizações? Para Hayes e Wheelwright (1984, apud SLACK et al, 2008, p.63), tudo seria uma questão de capacitação da própria produção. Pois, quanto maior a capacidade de resposta da produção às demandas do mercado, maior o impacto de suas ações na estratégia corporativa. Analise a seguir os quatro estágios propostos por Hayes e Wheelwright: Estágio um: Indica uma Produção que mais atrapalha do que ajuda na conquista dos objetivos estratégicos. Passiva, puramente 9

10 Aumentando o impacto estratégico reativa, mostra-se incapaz de contribuir positivamente, além de assumir uma postura critica e não colaborativa com a estratégia. Estágio dois: A Produção já tenta se comparar aos concorrentes. Ainda não tem uma capacidade criativa, mas já consegue identificar as melhores práticas da concorrência e adequá-las ao seu próprio uso. Estágio três: Neste estágio a Produção já está entre as melhores do mercado. Ainda não é a melhor, mas pode se tornar assimilando claramente os objetivos estratégicos de sua organização. Estágio quatro: Neste estágio a Produção já tem a capacidade de oferecer diferenciais competitivos importantes para a organização, deixando de ser mera executora e se tornando participante efetiva da definição das estratégias globais. A figura a seguir ilustra esta teoria: Redefinir as expectativas da indústria Estágio 4 Fornecer uma vantagem competitiva Claramente melhorar na indústria Estágio 3 Vincular estratégia com as operações Tão bom quanto os concorrentes Estágio 2 Adotar as melhores práticas Preparando a organização Estágio 1 Corrigir os piores problemas Internamente neutros Externamente neutro Internamente encorajador Externamente encorajador Aumentando as capacidades das operações Figura 3: Modelo dos quatro estágios de Hayes e Wheelwright Fonte: Hayes e Wheelwright (1984 apud SLACK et al, 2008, p. 63) 10

11 Objetivos de desempenho O próximo passo é a definição dos objetivos de desempenho estratégico da organização, os quais devem estar associados ao planejamento estratégico a aos interesses do público-alvo. Pois é através deles que a empresa transmite ao mercado como quer ser reconhecida. Dentre os inúmeros objetivos de desempenho existentes, podemos destacar os seguintes: Qualidade: Produzir bens/serviços com desempenho de qualidade mais alto do que a concorrência. (Exemplo: Ferrari). Velocidade: Ser mais ágil do que a concorrência no atendimento dos clientes (exemplo: Sedex, McDonald s, empresas de disquepizza). Confiabilidade: Ter confiabilidade na entrega dos bens/serviços melhor do que a concorrência, ou seja, cumprir as promessas (Brastemp, correios, bombeiros etc.). Flexibilidade: Ser capaz de reagir de forma rápida a eventos repentinos e inesperados (Defesa Civil, empresas de serviços customizados, empresas que atendem necessidades específicas do cliente). Custo: Produzir bens/serviços a um custo mais baixo do que a concorrência (lojas de R$1,99, Casas Bahia etc.). Ético-social: Produzir bens/serviços respeitando a ética nos negócios e a sociedade em geral (O Boticário). As empresas buscam atuar com base em seus objetivos de desempenho, porém sempre irão se destacar apenas por alguns (o ideal seria pelo menos dois, o que impediria a perda de foco), os quais serão investidos mais recursos. São esses que irão definir a marca das empresas no mercado a qual atuam. Com os objetivos claros, as decisões tomadas em qualquer nível da 11

12 organização serão coerentes e tenderão ao acerto, pois passam a obter a vantagem do esforço sinérgico. Todos os esforços vão para a mesma direção, evitando desperdício de recursos de qualquer ordem. No vídeo a seguir, o professor John irá discutir sobre os objetivos de desempenho como traços de personalidade organizacional. Não deixe de conferir! Vídeo disponível no material on-line! Planejamento Tático ou Funcional Os processos executados pela área de Produção são os aspectos operacionais da estratégia organizacional. Logo, os interesses organizacionais precisam refletir sobre a forma de como é planejada a atividade de Produção. Surge, assim, o Planejamento Tático ou Funcional. Obviamente, a escolha da forma de atuação da operação em seus processos internos se baseia na estratégia organizacional, mas suas próprias competências e interesses também servem de fonte de inspiração. Skinner (1969 apud CORRÊA; CORRÊA, 2006, p. 55) aponta alguns motivos que levariam a função Produção a gerir estrategicamente a operação. Vejamos algumas destas razões: As operações envolvem uma grande quantidade de situações e a maior parte dos investimentos em capital das organizações. Esse volume de investimentos nos faz concluir que facilmente os resultados operacionais e financeiros da organização têm grande dependência do sucesso da gestão e organização da produção; A maioria das decisões das operações inclui recursos físicos, cuja natureza implica em inércia decisória. Em outras palavras, decorre um tempo entre a tomada de decisão e a percepção de seu efeito. Essas decisões, uma vez que tomam efeito, são praticamente irreversíveis, seja pela dificuldade em fazê-lo, seja por uma questão 12

13 do alto custo para desfazê-las. Isso implica em responsabilidade na tomada de decisões. As decisões estratégicas impactam diretamente sobre a forma como a empresa será capaz de competir no mercado. Pensando nos elementos propostos por Skinner, fica óbvio que a estratégia da função Produção tem um grande impacto na organização. Sendo assim, deve se conectar diretamente à estratégia corporativa. Mas como isso acontece? Para entendermos a estratégia da função Produção, vamos recorrer ao modelo proposto por Slack, Chambers e Johnston (2009). Nesse modelo, os autores sugerem que elaborar a estratégia da Produção é uma ação que sofre diferentes influências e interpretações, que podem variar entre si conforme a ótica em que se faça a análise. De forma isolada nenhuma delas dá uma ideia do que deveria ser a estratégia de Produção, mas juntas demonstram as influências sobre sua elaboração. Perspectiva da Estratégia de Operação ESTRATÉGIAS DA OPERAÇÃO Perspectiva top-down O que a organização espera da operação Perspectiva da operação O que é possível obter dos recursos da operação Perspectiva do mercado O que o posicionamento estratégico definido requer da operação Perspectiva bottom-up O que a experiência da operação sugere que seja feito 13

14 Fonte: Baseado em Slack, Chambers e Johnston (2009; p. 62) A premissa é de que conhecendo suas influências, a operação possa determinar o melhor caminho para assumir os seus papéis de apoiadora e implementadora, contribuindo efetivamente para os resultados corporativos. Assim, essas quatro perspectivas poderiam ser assim definidas: 1- A estratégia da produção é um reflexo de cima para baixo (top down) do que o grupo ou negócio todo deseja fazer. 2- A estratégia da produção é uma atividade de baixo para cima (bottom-up), em que as melhorias da produção cumulativamente constroem a estratégia. 3- A estratégia da produção envolve traduzir os requisitos do mercado em decisões da produção. 4- A estratégia da produção envolve explorar as capacidades dos recursos da produção em mercados eleitos. O planejamento funcional é uma oportunidade para a Produção demonstrar o seu papel na organização. Acompanhe o vídeo a seguir! Vídeo disponível no material on-line! Planejamento Operacional Independentemente do tamanho da empresa e ramo a qual ela se dedica, algo é comum a todas: a necessidade de planejar. Isso implica em tomar um grande número de decisões que compõem o planejamento ou derivam dele. Veja algumas dessas decisões: Quanto se deve fabricar de cada linha de produtos nos próximos dias, semanas ou meses; Tipos de produtos e/ou serviços a oferecer daqui a dois, três ou dez anos; Evolução da tecnologia nos próximos anos; Necessidade de investimentos futuros; Adoção de novos processos e tecnologias; 14

15 Ampliação e/ou construção de novas instalações; Contratações futuras de pessoal e treinamento; Necessidades de matérias-primas. Perceba que muitas das decisões apresentadas têm uma conexão direta com as ações do dia a dia da área de produção da empresa. Tais elementos refletirão na forma como a empresa vai agir para colocar em prática as orientações/tendências/definições do Planejamento Funcional e do Planejamento Corporativo. Veja que estamos falando de um efeito cascata. Uma boa programação de produção pode assegurar o atendimento das necessidades dos clientes, apoiando o objetivo de desempenho de rapidez, que poderia ter sido uma das decisões do planejamento corporativo. Contudo, nada disso teria qualquer efeito se as pessoas da organização não colocassem em prática, de forma assertiva, as decisões dos diversos níveis de planejamento. Para que você possa refletir melhor a respeito do planejamento operacional no dia a dia da produção, acompanhe o vídeo a seguir. Vídeo disponível no material on-line! Micro Estratégia Para Whittington (2002, p. 119): a organização funcional fracassa quando o tamanho e a diversidade do negócio produzem uma complexidade operacional superior à capacidade de compreensão da alta gerência. Tentando esclarecer as questões interpretativas da estratégia, Roleau (2006) cita alguns conceitos importantes e que podem ser considerados complementares, como o discurso e a ação. Esses conceitos são assim definidos: Sensemaking: é a interpretação e compreensão que os gerentes fazem da estratégia com base nas informações que recebem. 15

16 AMBIENTE SEM SENSEMAKING AMBIENTE COM SENSEMAKING Sensegiving: é o processo de influência no resultado através da comunicação clara de seus anseios aos membros da equipe, de forma a ganhar o seu apoio. Importante: Sensemaking significa criação de sentido, ou seja, geração de significados que possam ser valiosos para os indivíduos e, consequentemente, para as organizações. O artigo sugerido a seguir, intitulado: Decisões estratégicas e informação: sensemaking organizacional como abordagem alternativa, esclarece o conceito sobre o sensemaking demostrando como a subjetividade da interpretação humana tem impacto nas decisões que tomamos. As pessoas têm interesses, valores e percepções diferentes, portanto, podem acontecer interpretações incorretas em relação às estratégias da empresa por parte dos níveis hierárquicos. Esse erro será repassado para todos que estiverem envolvidos na sequência do processo, conforme podemos observar na figura a seguir: Sensemaking como forma de dar sentido à estratégia ESTRATÉGIA DEFINIDA xyz Entendimento do ocupantes do cargo ESTRATÉGIA DEFINIDA xyz Entendimento do ocupantes do cargo Alta Gerência ESTRATÉGIA xyz Alta Gerência ESTRATÉGIA xyz Média Gerência ESTRATÉGIA rst Média Gerência ESTRATÉGIA xyz Base da Organização ESTRATÉGIA rst Base da Organização ESTRATÉGIA xyz = = RESULTADOS INESPERADOS RESULTADOS PLANEJADOS Fonte: o autor, baseado em Balogun e Johnson (2005) 16

17 Perceba que uma estratégia qualquer (xyz, no exemplo), se não for bem entendida por todos, pode ser executada de forma inadequada, gerando um resultado totalmente diferente do esperado (no caso, rst). As facetas da micro estratégia. Vídeo disponível no material on-line! Comunicação Uma interpretação adequada, de forma que faça sentido para todos, gera um nível de comprometimento maior por parte das pessoas envolvidas, aumentando consideravelmente a possibilidade de acerto. Mas qual é o papel da comunicação no processo de compreensão da estratégia? Para saber a resposta, acesse o vídeo disponível no material on-line! Ao analisar a contribuição das pessoas, Chiavenato (2004) afirma que a maneira como elas trabalham nas organizações depende basicamente de como seu trabalho foi planejado, modelado e organizado. A expectativa que se tem em relação à atuação das pessoas, tem suas regras definidas nas políticas da empresa, nas normas e nas descrições do cargo. Portanto, se todas as conexões entre esses documentos e os níveis superiores de planejamento forem respeitadas, o seu simples cumprimento assegura a contribuição efetiva de cada profissional com a estratégia corporativa. Revendo a Problematização Muito bem! Acredito que você já teve tempo suficiente para refletir sobre o caso apresentado no início dos estudos deste tema. Caso queira assistir ao vídeo de problematização novamente antes de responder, acesse o vídeo disponível no material on-line! Analise as opções a seguir e pense em qual delas seria a solução mais viável para a empresa alcançar resultados efetivos e estrategicamente alinhados. 17

18 Opção1: Você procura ajuda externa e contrata uma empresa de consultoria para refazer as estratégias corporativas. Opção 2: Você cria uma força tarefa interna para promover o alinhamento entre as estratégias corporativas, funcionais, operacionais e individuais (micro estratégias). Opção 3: Você elabora um programa de treinamento sobre as estratégias que já estavam definidas. Feedback Opção 1: Essa alternativa até poderia ser uma solução, porém neste caso ela seria a sua última opção. Precisamos partir do princípio de que ninguém conhece melhor a organização do que aqueles que a vivenciam. Se a organização já está com problemas com os resultados que não alcança, não seria interessante perder ainda mais tempo para contextualizar os consultores externos. Além disso, os profissionais da própria empresa poderiam se sentir desprestigiados e considerar a contratação da consultoria como uma ação intervencionista. Opção 2: Essa é uma excelente alternativa! Lembre-se que ao longo do tema você viu que há uma conexão entre os diferentes níveis de planejamento, criando um efeito cascata nas estratégias. Se essa conexão for rompida, as ações estratégicas dos níveis inferiores estarão totalmente desconectadas daquelas que eram as intencionalidades da cúpula organizacional. Podem até conseguir resultados, mas totalmente diferentes daqueles que eram esperados. Ao montar uma força tarefa e alinhar as estratégias dos diversos níveis, você estaria promovendo um efeito sinérgico altamente positivo para a empresa, pois todos esses níveis estariam buscando os mesmos resultados, mesmo com ações diferentes. Opção 3: Essa não é a melhor alternativa, pois, provavelmente, não surtiria o efeito esperado. Lembre-se que o caso informou que nem todas as 18

19 estratégias estão alinhadas com a estratégia corporativa, portanto, treinar as estratégias corretas ajudaria, mas treinar aquelas que não estão alinhadas só aumentaria o problema. Síntese Durante os nossos estudos a respeito das Estratégias na Organização, pudemos verificar que os diversos níveis de planejamento têm uma interrelação profunda, gerando o efeito cascata. Desta forma, aprendemos que os interesses organizacionais expressos no Planejamento Corporativo chegam à base operacional, onde cada profissional contribui de acordo com as suas competências e responsabilidade claramente definidas. Assim, concluímos que grande parte do sucesso das estratégias está associada ao fato de que sejam executadas de forma adequada por parte de quem às elabora e de quem as executa. A você, especialista em Engenharia de Produção, cabe a tarefa de identificar as conexões entre os planejamentos e assegurar que todos estejam alinhados, aumentando as chances de se obter os resultados que a organização busca. Vídeo disponível no material on-line! 19

20 Referências BALOGUN, J.; JOHNSON, G. From Intended Strategies to Unintended Outcomes: the Impact of Change Recipient Sensemaking. Organization Studies, v. 26 n. 11, p , CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas. 2 a ed. Rio de Janeiro: Elsevier, CORRÊA, H. L.; CORRÊA, C. A. Administração de Produção e Operações: manufatura e serviços. 2 a ed. São Paulo: Atlas, p. MARANHÃO, M.; MACIEIRA, M. E. B. O processo nosso de cada dia: modelagem de processos de trabalho. Rio de Janeiro: Qualitymark, p. MOREIRA, D. A. Administração da Produção e Operações. 2 a ed. São Paulo: Cengage Learning, p. 20

21 Atividades 1- O Planejamento Corporativo ou Organizacional é uma ação pensada em longo prazo, assim como as decisões que envolvem investimentos e ampliações da estrutura, por exemplo. Considerando que essas decisões de alto nível estão muito distantes dos profissionais da base operacional, como eles poderiam contribuir para a consecução dessas estratégias corporativas? a) A obrigação de garantir a contribuição estratégica dos colaboradores é dos supervisores, cuja ação rigorosa é suficiente. b) Cada colaborador tem um conjunto de atividades definidas para ele (nas descrições de cargo, nas normas, nos manuais dos colaboradores etc.). Se esses documentos estiverem corretos, a simples execução das suas atividades de rotina já garante a contribuição estratégica. c) Eles não precisam se preocupar com isso, afinal é responsabilidade da direção da empresa. d) Eles precisam buscar alternativas melhores do que as estratégias definidas, mostrando que sabem o que estão fazendo. 2- Os objetivos de desempenho poderiam ser comparados à bandeiras acenadas pela organização, indicando como ela gostaria de ser reconhecida pelo mercado. Esses objetivos de desempenho são: qualidade, velocidade, confiabilidade, flexibilidade, custo e ética-social. Analise as opções a seguir e indique qual delas seria a mais adequada para as organizações. a) Devem buscar todos os objetivos, com o máximo de empenho possível. b) Devem tentar alcançar aquele que exigir menos recursos, afinal é necessário reduzir custos. c) Devem focar nos mesmos objetivos seguidos pelos concorrentes. Se é bom para eles, deve ser bom para todos que estiverem no mercado. d) Focar em um ou dois objetivos, preferencialmente que estejam diretamente 21

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

A Cadeia de Suprimentos

A Cadeia de Suprimentos Tema A Cadeia de Suprimentos Curso Disciplina Tema Professor MBA em Engenharia da Produção Gestão da Produção A Cadeia de Suprimentos John Jackson Buettgen Introdução Quando o assunto é Gestão de Produção,

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston 1 Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 3 O que é estratégia? Estratégia da produção Qual a diferença entre as visões de cima para baixo

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Consultoria! O que é e como usar?

Consultoria! O que é e como usar? Consultoria! O que é e como usar? Luciano Terra Afinal, o que é consultoria? Percebe-se que, para muitos, o termo Consultoria, assim como Marketing, Rightsizing, Merchandising, Downsizing e tantos outros,

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

PERFIL DO CORRETOR DE IMÓVEIS:

PERFIL DO CORRETOR DE IMÓVEIS: PERFIL DO CORRETOR DE IMÓVEIS: O QUE É PRECISO PARA SER UM CORRETOR DE SUCESSO gerenciador e site imobiliário Introdução O perfil do corretor de imóveis de sucesso Aprimorando os pontos fracos Conclusão

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Nos últimos anos, muitas empresas tiveram contato com o Lean e se impressionaram com os ganhos que poderiam obter. Tratava-se de uma nova abordagem de negócios, e que

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2 de um Escritório - O Escritório como mecanismo para gerar excelência operacional, aumentar a visibilidade gerencial e fomentar a inovação - Introdução...2 Visão Geral dos Papéis Estratégicos... 3 Papel

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

Gestão de carreiras nas organizações

Gestão de carreiras nas organizações Gestão de carreiras nas organizações A expressão "Plano de carreira", nas organizações, sempre corre o risco de ser interpretada como algo antiquado, retrógrado, que interessa aos funcionários e, principalmente,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Antes de tudo como sugestão aos donos de construtoras, incorporadoras, imobiliárias e escritórios de arquitetura

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS

Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS Modelo operacional Qual é o modelo organizacional do PDS? Trabalhamos bastante para chegar ao modelo organizacional certo para o PDS. E aplicamos

Leia mais

A função produção apresenta três papéis importantes para a estratégia empresarial:

A função produção apresenta três papéis importantes para a estratégia empresarial: FASCÍCULO 2 Papel estratégico e objetivo da produção Segundo Slack, para que se entenda a contribuição da função produção devese responder a duas questões: qual papel se espera que a produção desempenhe

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade.

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. 1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. Todos nós da AGI Soluções trabalhamos durante anos

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO COMO FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA. Rogerio Leme rogerio@lemeconsultoria.com.br

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO COMO FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA. Rogerio Leme rogerio@lemeconsultoria.com.br TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO COMO FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA Rogerio Leme rogerio@lemeconsultoria.com.br PUBLICAÇÕES Solicitar slides: eventos@lemeconsultoria.com.br Contato: rogerio@lemeconsultoria.com.br

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico.

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. TECH DOSSIER Transforme a TI Transforme a empresa Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. Consolidar para conduzir a visibilidade da empresa e a

Leia mais

Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento

Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento Resenha por Eliana Dutra KIRKPATRICK, Donald L., Evaluating Training Programs - THE FOUR LEVELS. Berrett-Koehler Publishers, Inc. 1994. De acordo com Donald Kirkpatrick,

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

judgment EM PERSPECTIVA:

judgment EM PERSPECTIVA: EM PERSPECTIVA: judgment As teorias de liderança geralmente estão baseadas em características individuais, como o carisma, influência, ética, entre outras, mas um determinante central da performance de

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional

1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional 1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional Conteúdo 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora Atlas Administração - Teoria, Processo e Prática

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000)

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000) de Marketing e Estratégias de Marketing Parte 01 OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO Marcoambiente Ambiente setorial Estratégia Administração Estratégica Estratégico Organização / Direção Estratégia

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Como transformar Grupos em Equipes

Como transformar Grupos em Equipes Como transformar Grupos em Equipes Caminhos para somar esforços e dividir benefícios Introdução Gestores de diversos segmentos, em algum momento de suas carreiras, deparam-se com desafios que, à primeira

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO. Manual do participante

Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO. Manual do participante Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO Manual do participante Autoria: Renato Fonseca de Andrade Responsáveis pela atualização: Consultores da Unidade de Orientação Empresarial

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean Paulo Cesar Brito Lauria Muitas empresas têm se lançado na jornada de implementar a filosofia lean nas últimas décadas. No entanto, parece que

Leia mais

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças Palestra 1 Mudança Organizacional Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças 02 de Dezembro de 2009 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO COLABORADOR www.simplessolucoes.com.br

MATERIAL DE APOIO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO COLABORADOR www.simplessolucoes.com.br Folha 1 de 6 O que é uma avaliação de desempenho? Avaliação de desempenho é um processo contínuo de análise da atuação do colaborador frente às tarefas, responsabilidades e comportamentos da função, contribuindo

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PESSOAS PARA DIVIDIR CONHECIMENTO E MULTIPLICAR RIQUEZAS

FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PESSOAS PARA DIVIDIR CONHECIMENTO E MULTIPLICAR RIQUEZAS FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PESSOAS PARA DIVIDIR CONHECIMENTO E MULTIPLICAR RIQUEZAS ROGERIO LEME rogerio@lemeconsultoria.com.br /rogeriolemeoficial PUBLICAÇÕES ALGUNS DOS NOSSOS CLIENTES SETOR PÚBLICO SERVIÇOS

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Copyright 2011 Edvaldo de Farias Prof. Edvaldo de Farias, MSc. material disponível em www.edvaldodefarias.com Minha expectativa

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO PARADIGMA PARA A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA.

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO PARADIGMA PARA A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO PARADIGMA PARA A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. INTRODUÇÃO A democratização da economia, as frequentes mudanças que se processam

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Adapte. Envolva. Capacite.

Adapte. Envolva. Capacite. Adapte. Envolva. Capacite. Ganhe produtividade em um Ambiente de trabalho digital #DigitalMeetsWork Os benefícios de um ambiente de trabalho digital têm impacto na competitividade do negócio. Empresas

Leia mais

Centro Universitário de Volta Redonda UniFOA Bases Humanísticas Prof. Marcos Antonio Ribeiro Andrade - MSc O Marketing e os Médicos :

Centro Universitário de Volta Redonda UniFOA Bases Humanísticas Prof. Marcos Antonio Ribeiro Andrade - MSc O Marketing e os Médicos : Centro Universitário de Volta Redonda UniFOA Bases Humanísticas Prof. Marcos Antonio Ribeiro Andrade - MSc O Marketing e os Médicos :Petrucio Chalegre Em Epidauro, no interior da Grécia, o teatro da cidade

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais