Uma análise da mudança organizacional: um estudo de caso de uma instituição de ensino superior

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma análise da mudança organizacional: um estudo de caso de uma instituição de ensino superior"

Transcrição

1 Uma análise da mudança organizacional: um estudo de caso de uma instituição de ensino superior Paulo Daniel Batista de Sousa (UFPR FAG) Rua Marechal Deodoro, 1653 Bloco 4 apto Cascavel/PR Telefone: (45) Eduardo Angonesi Predebon (UFPR) Rua Des. Motta, 1243/ Curitiba/PR Milena Brustolin Mohr (FAG) Rua Presidente Bernardes, 1645 Res. Olinda apto Cascavel/PR

2 1 Uma análise da mudança organizacional: um estudo de caso de uma instituição de ensino superior RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar os resultados de um estudo realizado em uma universidade privada, no Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil. Parte-se da idéia de que as mudanças no ambiente físico e institucional devem ser vistas como um processo de mudança organizacional, já que possuem um grande potencial de interferência sobre vários aspectos da organização. Os resultados da pesquisa trazem evidências de que as pressões institucionais rumo à modernização do ensino superior brasileiro afetaram a forma organizacional e a conduta estratégica da instituição estudada, alterando, sobremaneira, suas estruturas e posicionamentos de gestão. PALAVRAS-CHAVES: Ensino Superior; Mudança Estratégica; Ambiente. 1 - INTRODUÇÃO As instituições de ensino superior têm sido objeto de numerosos debates críticos nas ciências sociais nos últimos anos. A necessidade crescente do desenvolvimento de programas, cursos e atividades de ensino são uma exigência da globalização, que coloca a atividade acadêmica e, especialmente, as instituições de ensino como players do mercado globalizado (DELANTY, 2001). Esse novo cenário colocou as instituições de ensino em uma posição delicada, propiciando o surgimento de novas organizações educacionais para atender a demanda crescente e a nova realidade do mercado de ensino brasileiro, que exige, cada vez mais, preços competitivos e boa qualidade de serviços em um curto espaço de tempo. O aumento da oferta desses serviços, juntamente com a elevação do mercado potencial gerado pela receptividade à sua implementação, mereceu uma reflexão mais atenta e estruturada do Ministério da Educação brasileiro. Antigamente, as políticas de ensino superior brasileiras levaram o sistema de credenciamento de instituições e de autorização de cursos a uma burocratização excessiva, além da formação de vários cartéis, com reservas territoriais de mercado e a constituição de cartórios com poder de emitir diplomas de ensino superior, por prazo ilimitado e sem avaliação de qualidade. Segundo dados do Ministério da Educação, no período de 1980 a 1994, no Brasil, houve um crescimento de 20% das matrículas, com redução de 3,5% no número de instituições de ensino superior e um crescimento de 26% no número de cursos. No período seguinte, de 1994 a 1999, houve um crescimento de 23% no número de instituições de ensino superior, com uma expansão de 43% nas matrículas. (MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, 2002) Essas mudanças evolutivas ocorreram pela implementação de algumas práticas pelo Ministério da Educação, entre elas, temos: primeiramente, uma divisão mais clara de responsabilidades entre o Ministério da Educação e o Conselho Nacional de Educação; segundo, uma clara divisão de responsabilidades dentro do ministério entre a SESU (Secretaria de Ensino Superior) e o INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais); e terceiro, a incorporação do sistema de avaliação, segundo critérios automáticos, no processo de supervisão, ou seja, nos processos de credenciamento, recredenciamento e descredenciamento de instituições e de autorização, fechamento, reconhecimento e suspensão do reconhecimento de cursos.

3 Essa posição do Ministério da Educação visou a um maior controle social, objetividade e transparência na condução do controle da qualidade da expansão do ensino superior no Brasil, apesar de apupos em contrário, que afirmam que essa atuação seria autoritária, centralizadora e burocrática. Apesar desse ambiente ebulitivo, algumas instituições de ensino optaram por apresentar novas e arrojadas abordagens da educação e aprendizagem, visando à obtenção de diferenciais competitivos, como condição fundamental para a sobrevivência no turbulento mundo do ensino universitário brasileiro. Esse trabalho propõe uma aplicação dos conceitos do modelo de análise da mudança em organizações, que seriam influenciadas por fatores de natureza cognitiva e de natureza institucional, proposto por MACHADO-DA-SILVA, FONSECA e FERNANDES (1999), por meio de um estudo realizado em uma organização de ensino superior do Bolsão Sul-matogrossense, na região Centro-Oeste do Brasil. O trabalho está estruturado em cinco seções, além dessa introdução. A primeira apresenta uma revisão da literatura, estabelecendo o quadro referencial teórico. A segunda seção introduz as principais alterações estruturais ocorridas nas regiões Centro-Oeste e Sudeste do Brasil, no período compreendido entre 1995 e Na terceira seção, discutem-se as mudanças organizacionais ocorridas na instituição foco do estudo. Na quarta seção, discutem-se as mudanças ambientais, seus reflexos e influências. E, na última parte, apresentam-se as considerações finais a que o estudo permitiu chegar. 2 - REFERENCIAL TEÓRICO Nos estudos organizacionais, o ambiente nem sempre foi visualizado como um fator determinante das ações e decisões. MORGAN (1996) ressalta que, no princípio, as organizações eram tratadas como sistemas fechados, onde a ênfase recaía, exclusivamente, sobre o planejamento interno e no aperfeiçoamento do processo produtivo. Com o ocorrer do tempo, passou-se a considerar as organizações como sistemas abertos, que interagiam com o ambiente, influenciando-o e sendo por ele influenciadas. SCOTT (1998) esposa esta mesma opinião, considerando que toda organização existe em um ambiente físico, tecnológico, cultural e social específico, que influencia as estruturas e as operações organizacionais, à medida que é igualmente influenciado por estas. Nesse sentido, a teoria, tanto quanto a pesquisa, tem gerado idéias sobre o processo que define e explica a mesma questão em ambientes organizacionais e sua influência sobre a conformidade ao ambiente (ROSSETO e ROSSETO, 2000). Para TORTATO e MACHADO-DA-SILVA (1999) o ambiente organizacional encontra-se em permanente estado de mudança, o que torna crucial a observação e o estudo desse fenômeno, que evolui a passos largos e rápidos, tornando a análise organizacional cada vez mais complexa. PEREIRA (2000) complementa que não só a organização estaria em contínua mudança, mas igualmente seus ambientes, onde as organizações poderiam redefinir, mudar e influenciar seu ambiente em causa própria. Tais mudanças, segundo CRUBELLATE e MACHADO-DA-SILVA (1998), influenciariam inclusive o próprio papel do Estado contemporâneo, que seria obrigado a abandonar seu caráter essencialmente intervencionista e começar a agir como instância reguladora da sociedade. Ao realizarem um estudo em uma universidade pública, CRUBELLATE e MACHADO-DA-SILVA (1998) evidenciaram a fortíssima pressão ambiental existente no meio educacional, sustentada por premissas econômicas relacionadas a padrões adequados de eficiência e eficácia e a escassez crescente de recursos públicos. 2

4 Essa situação auxiliou na compreensão e visualização de que o ambiente externo, teoricamente construído, pode ser visto como fenômeno objetivo, mas sujeito a diferentes interpretações dos membros organizacionais. Logo, a interdependência entre organização e ambiente seria mediada por fatores internos às organizações que afetariam a percepção e a interpretação dos agentes organizacionais em relação às pressões contextuais (CRUBELLATE e MACHADO-DA-SILVA, 1998). Ao elaborarem-se e difundirem-se regras e procedimentos as organizações adquirem legitimidade e suporte contextual (DIMAGGIO e POWELL, 1991; SCOTT 1998). E, dessa forma, ao adequarem sua forma organizacional às pressões exteriores, submetendo-se a regras, normas e procedimentos, conquistam legitimidade social (HATCH, 1997). Esta busca pela legitimação social é uma das características do ambiente institucional, que ocorre por meio da conformidade da organização com as normas e regras socialmente estabelecidas (SCOTT, 1995; SCOTT, 1998). O ambiente seria, de certa forma, uma elaboração cognitiva: as empresas com quem concorrer, o rol de fornecedores e clientes, enfim o domínio de atuação seria uma opção organizacional regida pela concepção de mundo. Dessa forma, no âmbito dessa delimitação, criam-se regras e procedimentos organizacionais considerados legítimos, aos quais a organização se sujeita para sobreviver (MACHADO-DA-SILVA, FONSECA e FERNANDES, 1999). Essa delimitação caracteriza o fenômeno do isomorfismo, forma de institucionalização de regras e estruturas organizacionais, ou seja, a tendência à padronização das formas e estruturas organizacionais dentro de um dado setor (VASCONCELLOS e VASCONCELLOS, 2000). SCOTT (1998) ressalta que o isomorfismo seria uma das principais formas de ligação estratégica entre os ambientes institucionais, pela incorporação de regras institucionais em suas próprias estruturas, tornando as organizações mais homogêneas, mais similares na estrutura, com o passar do tempo. DIMAGGIO e POWELL (1991) atentam para o fato de existirem três mecanismos que impulsionam as organizações rumo ao isomorfismo: a) isomorfismo coercitivo: resultante das pressões formais e informais exercidas sobre as organizações em situação de dependência e pelas expectativas culturais da sociedade onde se inserem; b) isomorfismo mimético: baseia-se nas incertezas em relação ao ambiente e da observação e imitação de características alheias à organização. c) isomorfismo normativo: relaciona-se à profissionalização, à definição coletiva de condições e métodos de trabalho. Evidentemente, o reconhecimento das pressões isomórficas não implica a eliminação da possibilidade de uma ação diferenciada por parte da organização, especialmente, quanto a possuir um certo grau de autonomia e controle sobre as condições ambientais na busca da concretização de seus objetivos ou na manutenção de seus interesses (MACHADO-DA-SILVA, FONSECA e FERNANDES, 2000). A extensa e complexa discussão sobre o institucionalismo não é o tema deste trabalho, porém não se pode olvidar que as versões iniciais da teoria institucional já colocavam ênfase particular sobre o caráter legitimado das regras institucionais, mitos e crenças, moldando a realidade social e sobre o processo pelo qual organizações tendem a tornar-se impregnadas de valor e significado social (ROSSETO e ROSSETO, 2000). 3 - INDUTORES DE MUDANÇA Aspectos Macroeconômicos A construção da ponte rodoferroviária sobre o rio Paraná: A ponte rodoferroviária propiciará o ligamento da região Centro-Oeste, uma das principais regiões agrícolas do país, com destaque para a produção de soja e milho, com os portos de Sepetiba (RJ) e Santos (SP), através de um 3

5 corredor km quilômetros de extensão. Além disso, esta obra facilitará a interligação com a hidrovia Tietê-Paraná e com os portos de Paranaguá (PR) e São Francisco do Sul (SC). (FOLHA DA REGIÃO). O início da construção da FERRONORTE: o primeiro trecho de 400 km foi construído entre Aparecida do Taboado (MS) e Alto Taquari (MT), um investimento da iniciativa privada no montante de R$ ,00 (Um bilhão e trezentos milhões de reais). Na divisa com o estado de São Paulo, precisamente na cidade de Rubinéia a FERRONORTE, se interligará com a FEPASA (Ferrovia Paulista S.A); a partir da região do Alto Taquari, estado de Mato Grosso do Sul, a ferrovia segue para Cuiabá (MT), onde o projeto prevê uma bifurcação da ferrovia formando um Y, seguindo na direção Noroeste até Porto Velho (RO), numa extensão de km e na direção Norte com mais 200 km até Santarém (PA). Futuramente, esta ferrovia se unirá à hidrovia do rio Amazonas, interligando totalmente a Região Norte com o restante do Brasil. Quando completo, este corredor de escoamento produtivo terá uma extensão de km até o porto de Santos (SP) e de km até o porto de Sepetiba (RJ). Calcula-se que esta obra propiciará, no mínimo, uma economia de cinco bilhões de dólares nos próximos quinze anos. (FERRONORTE) A construção da hidrovia Tietê-Paraná: o rio Tietê banha uma extensão aproximada de 800 km 2, atravessando praticamente todo o Estado de São Paulo, abrigando paisagens e recursos energéticos que fomentam o surgimento de pólos industriais, além de desenvolver o turismo, o lazer e a cultura regionais. Às margens do Tietê existem cerca de 220 municípios, com uma população aproximada de quatro milhões de habitantes. Ao longo do seu percurso foram construídas seis barragens que geram 25 milhões de Kw de energia elétrica. E, em toda sua extensão podem-se identificar 18 pólos regionais turísticos com boa infra-estrutura. Além do Estado de São Paulo, a hidrovia favorece outros estados da União, tais como: Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso e Paraná, fazendo divisa com uma área de 76 milhões de hectares, cerca de 9% do território brasileiro; essa área incorpora quatro dos cinco maiores estados agrícolas do país. Toda esta região é povoada por cinqüenta milhões de habitantes (33% da população brasileira) e concentra as melhores universidades do país, produzindo mais de 50% do PIB nacional. A construção do gasoduto Brasil Bolívia: O gasoduto Brasil-Bolívia é, com certeza, um dos maiores feitos, se não o maior, da integração energética na América Latina. Segundo estudos do Governo Federal, o gás natural como matriz energética nacional, deverá passar dos 2.5% (1998) para 12% (2010), contribuindo sobremaneira para o aumento de energia disponível, criando assim, melhores condições de desenvolvimento e competitividade. Alcançado esse crescimento, o Brasil deverá utilizar um volume de 134 milhões de m³/dia, sendo que desse total, 30 milhões de m³/dia serão fornecidos pelo gasoduto Brasil - Bolívia. Aspectos Microeconômicos Alterações no cenário regional O impacto na região foi automático, atraindo indústrias, incentivando o turismo e implantando novas culturas. Nos últimos cinco anos vários balneários foram construídos, bem como dez novos hotéis, e mais seis estão em construção. A fruticultura aparece como uma alternativa, numa região de predominância da pecuária de corte; o rebanho leiteiro passa a receber mais atenção com a vinda das indústrias de laticínios, e outras indústrias começaram a surgir: frigoríficos de frango e de suínos, fábricas de sabão e de suco de frutas, todas atraídas pelos benefícios oferecidos pela região. (FOLHA DO SUL, 01/06/1998) 4

6 5 Além de Aparecida do Taboado-MS, que também possui uma fábrica de brinquedos, outros municípios também foram beneficiados de forma imediata: de acordo com a prefeitura, em Paranaíba-MS mais de vinte e seis indústrias foram instaladas, dentre elas uma fábrica de calçados e um curtume de grande porte; em Três Lagoas-MS foram em torno de sessenta empresas, como Champion (papel e celulose) e Mabel (biscoitos), conhecidas nacional e internacionalmente, estão instaladas e em plena produção; outras fábricas de grande porte, como do ramo de tecelagens e de informática estão em fase de implantação (dados da Prefeitura); no lado paulista, cidades como Andradina, Ilha Solteira, Santa Fé do Sul e Jales também sentiram vertiginosamente suas indústrias crescerem, mas o impacto maior foi no comércio devido ao diferencial de ICMS entre os dois estados, que oferece maior competitividade ao estado de São Paulo quanto aos preços dos produtos. Neste sentido, desde o ano de 1998, o Estado de Mato Grosso do Sul implantou um plano de desenvolvimento com a finalidade de oferecer vantagens econômicas e financeiras para as empresas que se instalassem no estado, oferecendo redução na alíquota dos impostos estaduais e prorrogação no pagamento da parte incidente; projeto encampado pelas prefeituras que também dão vantagens, como isenção de IPTU por cinco anos (em alguns municípios este prazo é maior), terrenos, terraplanagem do terreno e extensão da rede de energia até as fábricas, além de incentivarem empresas afins, cuja produção se complementam formando assim, uma cadeia de fornecedores e compradores na própria região. 4 - A SITUAÇÃO EM ESTUDO Criada em 1995, a instituição foco do estudo, contou inicialmente com os cursos de Pedagogia e Ciências Contábeis, hoje possui também o curso de Administração e Letras, com pedidos formulados junto ao Ministério de Educação e Cultura, para os cursos de Direito e Sistemas de Informação. A oferta crescente de novos cursos e o aumento considerável de vagas nas Regiões Centro-Oeste e Sudeste, mais especificamente, no Bolsão sul-mato-grossense e em parte do Noroeste do Estado de São Paulo, no período entre e 2.002, pode ser visualizado nos gráficos 1 e 2, abaixo Universidades Públicas Universidades Particulares Gráfico 1 Evolução do número de vagas nas instituições de ensino superior ( ) Fonte: Dados da pesquisa (2002) Conforme se visualiza nos gráficos 1 e 2, a criação de aproximadamente três mil novas vagas e de trinta e três novos cursos na região analisada ocasionou mudanças drásticas na instituição, que para fazer frente a tal seqüência avassaladora de alterações no ambiente

7 6 educacional, implantou-se uma série de medidas, que visavam a consolidar a imagem da instituição e a qualificá-la, técnica e fisicamente, para a acirrada competição pelo mercado educacional local. Dessa forma, a instituição, que funcionou até 1997 em um prédio cedido pelo Poder Público Municipal adquiriu um vasto terreno onde começou a construção de sua sede própria, visando melhor alocar seus recursos técnicos e humanos. Com o término da construção e a inauguração do novo prédio em 1998, a instituição partiu para a consolidação de suas práticas educacionais, através do aperfeiçoamento constante de seu corpo docente e da aquisição de novos equipamentos e materiais de ensino. Em 1999, a instituição inaugurou uma nova edificação em seu campus universitário, com a incorporação de quinze novas salas de aula, uma ampla e confortável biblioteca e um auditório com capacidade para duzentas pessoas sentadas. A ampliação da biblioteca implicou uma melhora em seu acervo, com a aquisição de mais de quatro mil livros novos e a confirmação de assinatura de mais de trinta periódicos especializados. No ano seguinte, sempre no intuito de melhorar a infra-estrutura física de seu campus, instalou, em todas as salas, climatizadores de ambiente. Inaugurou um laboratório central de informática, com a aquisição de trinta novos computadores de última geração, permanentemente disponíveis ao corpo discente Universidades Públicas Universidades Particulares Gráfico 2 Evolução do número de cursos nas instituições de ensino superior ( ) Fonte: Dados da pesquisa (2002) Já em 2001, inaugurou um laboratório de línguas, com isolamento acústico e totalmente equipado para o controle e ensino de uma correta pronúncia em qualquer uma das diversas línguas estrangeiras ministradas em seu campus. Visando aumentar sua penetração no mercado educacional e satisfazer as necessidades crescentes da comunidade local, a instituição instalou, entre os anos de 2000 e 2001, cinco novos cursos de pós-graduação, permitindo aos alunos já graduados a continuação e aperfeiçoamento de seus estudos. Em 2002, inaugurou o curso de Letras. Dando continuidade a sua política de melhorias contínuas em sua infra-estrutura, a instituição adquiriu 20 novos computadores para seu laboratório central de informática e, aproximadamente, novos livros para sua biblioteca central. Interessante ressaltar que, dada a brutal concorrência, o Centro Educacional Visconde de Taunay não pode efetuar aumentos, tampouco reajustes em suas mensalidades, porém, isso não foi impedimento para que continuasse a oferecer um ensino de ótima qualidade e melhorasse, sensivelmente, sua estrutura física e humana.

8 5 - MUDANÇAS AMBIENTAIS: INFLUÊNCIAS E REFLEXOS Assim, partindo-se da idéia de que as mudanças no ambiente físico e institucional devem ser vistas como um processo de mudança organizacional, já que possuem um grande potencial de interferência sobre vários aspectos da organização, pode-se notar que a instituição passou por uma reformulação de suas práticas até então desenvolvidas, visando otimizar seus resultados, bem como melhorar a qualidade de seus serviços. Como conseqüência destas reformulações, delineou-se uma mudança na estrutura organizacional, visando à institucionalização das novas diretrizes, especificamente no que diz respeito aos objetivos, às metas e às estratégias definidas para a organização. Dessa forma, observou-se uma tendência a um comportamento isomórfico, dada a pressão institucional coercitiva, como já salientaram DIMAGGIO e POWELL (1991). Isso se deve as crescentes mudanças ocorridas em seu ambiente técnico e institucional, em suma, em seu contexto ambiental. Essas pressões do contexto ambiental reforçam os modos de organização existentes através das pressões normativas provenientes do meio exterior. Estas pressões modelam e imprimem uma certa direção às mudanças por intermédio das forças imitativas, normativas e coercitivas (HININGS e GREENWOOD, 1989). 6 - CONSIDERAÇÕES FINAIS Pretendeu-se, neste trabalho, contribuir para a discussão do modelo de análise de mudanças organizacionais proposto por MACHADO-DA-SILVA, FONSECA e FERNANDES (1999) através da avaliação crítica de um processo de mudança organizacional de uma instituição de ensino superior, localizada no bolsão sul-mato-grossense. Os resultados da pesquisa trazem evidências de que as pressões institucionais rumo à modernização do ensino superior brasileiro afetaram a forma organizacional e a conduta estratégica da instituição, alterando, sobremaneira, suas estruturas e posicionamentos de gestão. Isto se deve, em grande parte, às exigências legais e às ações dos órgãos reguladores. Assim, as mudanças ocorridas na estrutura de fiscalização e vigilância das organizações educacionais, passando de atividades básicas de inspeção para a função de difusão e acompanhamento de programas e ações que visam a melhora contínua do ensino superior brasileiro, certamente induziram e catalisaram as mudanças organizacionais ocorridas. Tal fato corrobora a afirmação de MINTZBERG e WESTLEY (2000) de que a dimensão ambiental física requer sustentação por parte de sua dimensão institucional associada. Semelhante idéia foi constatada por MACHADO-DA-SILVA e NOGUEIRA (2001) ao evidenciarem a importância do contexto institucional de referência nos processos de mudança organizacional, em especial, no que tange à identidade organizacional. Finalmente, recomendamos a elaboração de pesquisas complementares ao tema proposto, em particular, analisando uma amostra maior de instituições de ensino superior. 7 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CRUBELLATE, J.M. MACHADO-DA-SILVA, C.L. Mudança Organizacional e Adaptação Organizacional: Estudo comparativo de casos departamentais na UEM. Organizações & Sociedade. v. 5, n.13, Setembro/Dezembro, DELANTY, Gerard. The University in the Knowledge Society. Organization. v.8, n.2., p , DIMAGGIO, Paul J. POWELL, Walter W. The Iron Cage Revisited: Institucional Isomorphism and Collective Rationality. in DIMAGGIO, Paul J. POWELL, Walter W. The New Institucionalism in Organizational Analysis.Chicago: The University of Chicago Press,

9 EDITORIAL. Inauguração da ponte rodoferroviária. Folha da Região. Araçatuba-SP, 30/05/98. Ano 26. FERRONORTE. Disponível em: <http://www.ferronorte.com.br> Acesso em: 01 mar GUERREIRO RAMOS, A. A Nova Ciência das Organizações. 2.ed. Rio de Janeiro: FGV, HATCH, M.J. Organization Theory Modern, Symbolic, and Postmodern Perspectives. New York: Oxford, HININGS, C.R. GREENWOOD, R. The Dynamics of Strategic Change. New York: Basil Blackwell, MACHADO-DA-SILVA, Clóvis. FONSECA, Valeria S. da. FERNANDES, Bruno H. R. Cognição e Institucionalização na Dinâmica da Mudança em Organizações. in: VIEIRA, Marcelo M. F. & OLIVEIRA, Lúcia M. B. de (organiz.). Administração contemporânea perspectivas estratégicas. São Paulo: Atlas, Cognição e Institucionalização na Dinâmica da Mudança em Organizações. in: RODRIGUES, Suzana B. CUNHA, Miguel P.(organiz.). Estudos Organizacionais: novas perspectivas na administração de empresas: uma coletânea luso-brasileira. São Paulo: Iglu, p MACHADO-DA-SILVA, Clóvis. NOGUEIRA, Eros S. Identidade Organizacional: um caso de Manutenção, outro de Mudança. Revista de Administração Contemporânea, v.5, ed.especial, p , MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Disponível em: <http://www.mec.gov.br> Acesso em: 03 mar MINTZBERG, Henry. WESTLEY, Frances. Sustaining the Institucional Environment. Organization Studies. v.21, n.0, p , MORGAN, Gareth. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, PAGÈS, M. et alii. O Poder das Organizações. São Paulo: Atlas, PEREIRA, M. F. Mudanças Estratégicas em Organizações Hospitalares: uma abordagem contextual e processual. Revista de Administração de Empresas/FGV/EAESP. V. 40, n. 3, p , Julho/Setembro, PRATES, A.A.P. Organização e Instituição no novo Institucionalismo. Teoria & Sociedade. V. 5, p. 9-15, Julho, VASCONCELOS, F.C. VASCONCELOS, I.F.F. Isomorfismo estrutural e os limites da normalização: dois estudos de caso sobre a implantação das normas ISO 9000 em empresas de informática na França. Anais Eletrônicos, Curitiba: ENEO ROSSETO, C.R. ROSSETO,A.M. As perspectivas institucional e da dependência de recursos no estudo do processo de adaptação estratégica organizacional. Anais Eletrônicos, Curitiba: ENEO SCOTT, W.R. Institutions and Organizations. London: Sage, SCOTT, W.R. Organizations: rational, natural, and open systems. 4.ed. New Jersey: Prentice- Hall, TORTATO, U. MACHADO-DA-SILVA, C.L. Value change and structural configuration in organizations: the case of acquisition of a brazilian company. Anais Eletrônicos, Curitiba: ENEO

5. Análise conjunta dos casos

5. Análise conjunta dos casos 5. Análise conjunta dos casos Após analisar como tem ocorrido o processo de institucionalização da responsabilidade social corporativa nas empresas farmacêuticas estudadas concluiu-se que nas quatro empresas

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406 INFRA-ESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA As salas de aula da FACULDADE BARRETOS estão aparelhadas para turmas de até 60 (sessenta) alunos, oferecendo todas as condições necessárias para possibilitar o melhor

Leia mais

2009 2010 2011 total 58.888 158.947 124.881 344.910

2009 2010 2011 total 58.888 158.947 124.881 344.910 Formação inicial 80000 Plano Nacional de Formação de Professores 70000 60000 50000 40000 Formação Pedagógica 30000 2ªLicenciatura 1ªLicenciatura especial 20000 1ªLicenciatura existente 10000 0 Presencial

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas BOIRAL, O. ISO 9000: Outside the iron cage. Organization Science, v. 14, n. 6, p. 720-737, nov-dez 2003. CARVALHO, C. A. P.; VIEIRA, M. M. F.; LOPES, F. D. Contribuições da

Leia mais

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR I - OBJETIVO GERAL Realização de Módulos do programa de capacitação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e da moralidade, com que se pratica do

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 1- JUSTIFICATIVA O setor de eventos vem passando por uma grande reformulação. Dos eventos corporativos, hoje mais bem estruturados e com foco específico,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4.

INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4. INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4.372/2012) Ministério Secretaria de Regulação e da Educação Supervisão

Leia mais

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA PERSPECTIVAS PARA OS CURSOS TÉCNICOS DO EIXO HOSPITALIDADE E LAZER: um estudo de caso aplicável ao Curso Técnico de Nível Médio em Eventos da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco.

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL Santa Carolina (denominado Projeto Santa

Leia mais

A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD

A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD 1 A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD São Luís MA Maio/2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: D / Meso: H / Micro: M Natureza:

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Luiz Roberto Liza Curi. Sociólogo / Doutor em Economia. Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com

Luiz Roberto Liza Curi. Sociólogo / Doutor em Economia. Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com Luiz Roberto Liza Curi Sociólogo / Doutor em Economia Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com 1 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96 Art. 8 A União, os Estados

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e 7 Conclusão No mundo de negócios, as organizações constantemente buscam melhorias e aperfeiçoamento de suas gestões para sobreviver e crescer em face de um mercado competitivo. Nesse movimento, percebe-se

Leia mais

PROJETO LABORATÓRIO DE PROFISSÕES - QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO LABORATÓRIO DE PROFISSÕES - QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO LABORATÓRIO DE PROFISSÕES - QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL VIGÊNCIA ANO DE 2015 O conhecimento é um tesouro, mas a prática é a chave para obtê-lo." (Thomas Fuller) JOÃO PESSOA PB Fevereiro/2015 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Introdução. Objetivos do Curso

Introdução. Objetivos do Curso Introdução A nova dinâmica dos negócios, principalmente relacionada ao meio industrial, impele uma realidade de novos desafios para a indústria nacional. O posicionamento do Brasil como liderança global

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Expansão, qualidade e eficiência do Ensino Superior em Moçambique

Expansão, qualidade e eficiência do Ensino Superior em Moçambique A Gestão Académica como determinante da Qualidade de Ensino Rodrigues, M.A.F 1. e Cassy, B 2 e-mail: malexa.rodrigues@gmail.com; bhangy.cassy@unizambeze.ac.mz Palavras-Chave: gestão académica, qualidade

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

Laboratório de Políticas Públicas Municipais (LPPM) Nota Técnica n 02 ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CARUARU

Laboratório de Políticas Públicas Municipais (LPPM) Nota Técnica n 02 ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CARUARU Laboratório de Políticas Públicas Municipais (LPPM) Nota Técnica n 02 ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CARUARU Caruaru, 2013 Diretor Presidente da Associação Caruaruense de Ensino Superior Prof. Paulo Muniz Lopes

Leia mais

Comissão Própria de Avaliação -CPA. Ações e Melhorias Institucionais 2010/2011/2012

Comissão Própria de Avaliação -CPA. Ações e Melhorias Institucionais 2010/2011/2012 Comissão Própria de Avaliação -CPA Ações e Melhorias Institucionais 2010/2011/2012 Comissão Própria de Avaliação - CPA A auto-avaliação objetiva sempre a melhoria da qualidade dos serviços educacionais

Leia mais

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes O Papel do Governo no Transporte Ferroviário Atuação do Ministério dos Transportes Brasília, 11 de agosto de 2010 Paulo Sérgio Passos Ministro dos Transportes Um momento especial 2010 tem sido um ano de

Leia mais

Políticas de Educação a Distância

Políticas de Educação a Distância Políticas de Educação a Distância Prof. Fernando Jose Spanhol Prof. Fernando Jose Spanhol LED/UFSC/ABED- Avaliador SESU-INEP-CEE/SC A Evolução da Legislação 1930 - Criação do Ministério dos Negócios e

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: CENECT Centro Integrado de Educação, Ciência e UF: PR Tecnologia S/C Ltda. ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

Consulta Pública ESTRATÉGIAS

Consulta Pública ESTRATÉGIAS Plano Municipal de Educação PME Secretaria Municipal de Educação São Francisco do Sul Fórum Municipal de Educação Consulta Pública META 3: Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população

Leia mais

Panorama da oferta e novo marco regulatório dos cursos de Direito

Panorama da oferta e novo marco regulatório dos cursos de Direito Panorama da oferta e novo marco regulatório dos cursos de Direito Marta Abramo Secretária de Regulação e Supervisão da Educação Superior - SERES/MEC 10 de Março 2015 Antes de decidir, pense no estudante.

Leia mais

1 Introdução. 1.1. A motivação e o problema da pesquisa

1 Introdução. 1.1. A motivação e o problema da pesquisa 1 Introdução O objetivo desse capítulo é propiciar uma visão abrangente do estudo aqui desenvolvido. Dessa forma, ele foi estruturado com as seguintes seções: A motivação e o problema da pesquisa: baseada

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS LAGES Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Coordenação de Pós-Graduação e Extensão Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Os cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu presenciais (nos quais

Leia mais

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail.

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail. EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: OS SOFTWARES LIVRES COMO MEIOS DE ACESSO À GRADUAÇÃO DE TURISMO* Bárbara Cardoso Delgado Carina Fernandes Neves Janille de Oliveira Morais RESUMO Pretende-se delinear uma análise

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE DA ORGANIZAÇÃO Macroambiente e Ambiente competitivo

CONHECENDO O AMBIENTE DA ORGANIZAÇÃO Macroambiente e Ambiente competitivo CONHECENDO O AMBIENTE DA ORGANIZAÇÃO Macroambiente e Ambiente competitivo DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva.

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

C R U E S P Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas. São Paulo, 29 de julho de 2005. Of. CRUESP n 22/2005

C R U E S P Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas. São Paulo, 29 de julho de 2005. Of. CRUESP n 22/2005 C R U E S P Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas Of. CRUESP n 22/2005 São Paulo, 29 de julho de 2005. A Sua Excelência o Senhor Governador GERALDO ALCKMIN Digníssimo Governador do

Leia mais

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Linha Direta INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Desmistificado, ensino técnico brasileiro passa a ser a possibilidade mais rápida de inserção no mercado de trabalho TECNOLOGIA

Leia mais

Escola Paulista de Direito. Transformando Conhecimento em Valores

Escola Paulista de Direito. Transformando Conhecimento em Valores Escola Paulista de Direito Transformando Conhecimento em Valores Índice Apresentação EPD... 3 Campus... 4 Biblioteca... 5 Laboratório informática... 6 Adaptação para portadores de necessidades especiais...

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/05/2008 (*) Portaria/MEC nº 561, publicada no Diário Oficial da União de 12/05/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País

As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País Audiência Pública As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País Carlos Bielschowsky Secretário de Educação a Distância Dados globais

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 4030 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 4030 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº Impresso por: RAFAEL DE SOUZA RODRIGUES DOS SANTOS Data da impressão: 10/08/2015-14:35:04 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 4030 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO

INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO Euro Oliveira de Araújo, graduado em Licenciatura em Química pela Universidade Estadual da Bahia.

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS

PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS Parceria: Ingresso Agosto 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Pós-Graduação em Política e Relações Governamentais O programa objetiva

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 1. Apresentação Este artigo discute as oportunidades e riscos que se abrem para a

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba Visão Institucional O Campus Caraguatatuba do IFSP desenvolveu-se nos últimos anos, ampliando os cursos oferecidos, desde a Formação Inicial e Continuada, passando pelos Cursos Técnicos, de Tecnologia,

Leia mais

BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012

BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012 1 BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012 Antônio Eugênio Cunha* O brasileiro vai investir 13,5% a mais com educação em 2012 relativo ao ano anterior. Este é o levantamento divulgado

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 4029 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 4029 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº Impresso por: RAFAEL DE SOUZA RODRIGUES DOS SANTOS Data da impressão: 10/08/2015-14:35:09 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 4029 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. Bibliotecas FacSenac/DF

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. Bibliotecas FacSenac/DF POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Bibliotecas FacSenac/DF Brasília 2014 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECAS FAC SENAC-DF Brasília 2014 SUMÁRIO MISSÃO...6 SENAC-DF...6 FACULDADE SENAC-DF...6

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável?

Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável? Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável? Dezembro de 2009 Por Vítor Wilher Essa é uma pergunta que parece atordoar todos aqueles minimamente preocupados com

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias O Programa Esporte e Lazer da Cidade e o seu processo formativo para egressos do curso de educação física da Universidade Federal

Leia mais

Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior

Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior G estão escolar: não há diretor de qualquer instituição de ensino que não esteja às voltas com esta questão, hoje. Um cenário

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais