19 DESPACHO. I - Trata o presente expediente de relato de ocorrência com Objeto Voador Não Identificado (OVNI)cons tatada no espaço aéreo brasileiro.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "19 DESPACHO. I - Trata o presente expediente de relato de ocorrência com Objeto Voador Não Identificado (OVNI)cons tatada no espaço aéreo brasileiro."

Transcrição

1 PROTOCOLO - COMGAR N.- 9fe.QQÍ5- T,p0 MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA - COMANDO - GERAL DO AR (Proc N /C-329/86 - Ref Of N9 038/CMDO/C-329 de 04 Nov 86, do Comando Aéreo de Defesa Aérea). 19 DESPACHO N9 022/A2/C Brasília-DF, &l Nov 86 Do Comandante Ao Exm9 Sr Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica I - Trata o presente expediente de relato de ocorrência com Objeto Voador Não Identificado (OVNI)cons tatada no espaço aéreo brasileiro. II - Este Comando encaminha o referido expediente para conhecimento de V Ex?.,, CAM/MSA Cópias: See A2 01 Prot Sig...01 Total 02 Ten Br do COMGAR ROSA FILHO rm I H >f! #f // st

2 CGNFILCNCIAL PROTOCOLO - COMGAR N.' ttnnsa TIPO 1 MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA COMANDO AÉREO DE DEFESA AÉREA OF nç^^cmdo /c-3zq Brasília -DF,É>4 de novembro de 1986 Do Comandante Ao Exmo Sr Comandante do Comando Geral do Ar Assunto: Objeto Voador não Identificado Anexo: 01 extrato do Relatório Mensal do COpMl referente ao mes de setembro de I - Trata o presente expediente de relato de ocorrência com Objeto Voador Não Identificado (OVNI) cons tatada no espaço aéreo brasileiro. II - Em consequência encaminho S V.Exa, em anexo, um extrato (MENSREL) docopml, no qual tal episódio foi re] EBJ/JNS Cópia Sec Total ÕT Maj Brig do Ar JOSÉ PEÊi>l^>' UAvALlíAlíTI DE ALBUQUERQUE Comandante do COMDA MINISTÉRIO DA AEMWAUTtCA Camtirie 6w»lét Ar <U DccumtrtaCii PROTOCOLO MAer CONFíLCNCíAL

3 II - RESUMO DAS OCORRÊNCIAS COM OVNI Em setembro houve dois casos relativos a OVNI, os informes sobre os mesmos estão nas folhas a seguir. E interessante salientar que um dos observadores era piloto da FAB. MENSREL COpM 1 II. 2 08/OUT / 86

4 CONFIDENCIAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL PRIMEIRO CENTRO INTEGRADO DE DEFESA AÉREA E CONTROLE DE TRAFEGO AÉREO PARTE S/N Brasília-DF, 22 de setembro de 1986 Do 2S BCT FERNANDO AUGUSTO DA COSTA HEXSEL Ao Chefe do COpM Assunto: Comunicação Anexo : 01 (um) Anexo I - Encaminho-vos para as providências julgadas cabiveis, os seguintes fatos ocorridos no turno das 1400 às 2200 hs P do dia 21/09/86. - As 0015Z do dia 22 de setembro recebemos ligação no TF-1 (üil.ut/u6) do Ten Paulo, Chefe do ACC BS, informando sobre avistamentos reportados por duas aeronaves que voavam entre Rio e S.Paulo. Solicitamos ao ACC BS, que pedisse aos pilotos que após o pouso fizessem ligação a cobrar para o COpM. Iniciamos gravação de vídeo ãs 0018Z com coberturas do Rio e S.Paulo e as 0030 na de TM, em função de outro avistamento, reportado por uma aeronave que ia do Rio para Brasília. Fizemos contato com o sobreaviso do CODA, que deu-nos a vã rias instruções, inclusive de que omitíssemos as informações colhidas, do livro de partes do COpM, e recomendou-nos fazer a presente parte. Às 010SZ recebemos ligação ã cobrar de S.José dos Campos, do comandante do FAB 2176, cujo questionário segue em anexo. O primeiro reporte foi feito pelo FAB 2176 fsbrj/sbsj, FL 090), 0 TF 406 confirmou o mesmo avistamento (SBRJ/SBRP, FL 10(1, cerca de 20 NM atrás do 2176). Quase simultaneamente, o TR 462 D (SBGI./SBBR FL 350) quando voava ã cerca de 80 NM de Confins, setor NNW, reportou um avistamento em seu setor de 9 horas. AUGUSTO FERNANDO DA COSTA HEXSEL - 2S BCT MENSREL II.3 COpM 1 0 8/OI1T / 86_

5 (CONFIDENCIAL I ANEXO II - MENSREL - COpW 1-3LTEMÜR0 1 DE (CONTINUAÇÃO) NOME : MAJ AV SERGIO EDUARDO VILA VERDE END. : Rua Prof. Ililarião Rocha n Apto 201 Bloco 2 Ilha do Governador - Rio de Janeiro IDADE : 36 anos GRAU DE INSTRUÇÃO: Superior OCUPAÇÃO PRINCIPAL: Militar da Ativa, servindo na Div. de Informações Aeronáuticas da DEPV - Aeroporto Santos Dumont RJ. INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES: No primeiro avistamento o objeto estava a 6 9 da linha do horizonte. Ao atingir FL 090, o objeto ficou a cerca de l 9 do horizontc.aparentemente o objeto tinha movimentos de rotação em torno do próprio eixo. Todos a bordo do 2176 erm militares. QUESTIONÁRIO RESPONDIDO PELO CMT DO FAB 2176, EM 22/09/86 AS Como e quando foi que notou pela 1 vez os objetos? Após cruzar 7000/7500 ft (topo da camada) na TMA RJ, interceptado a RAD 2 74 do VOR MRC. 2. Quantos eram e em que posição estavam? Apenas 01 (um) em posição 12 horas da aeronave ligeiramente a esquerda. 3. Pode descrever o objeto? Parecido com Vénus, quando este planeta está com seu brilho mais intenso. De cor amarelada. Afirmou com certeza entretando, que não era Vénus. 4. Forma? Arredondada 5. Tamanho? Não dava para estimar, mas dava impressão de grandeza 6. Cor? Amarelada 7. Velocidade? Aparentemente parado 8. Formação? Um só 9. Som? Não. MENSREL II.4 08/OUT /86 LUpM 1

6 QUESTIONÁRIO CONFIDENCIAL JCIAl) MARÍLIA 406 RJ/RP 22/0<l/86 LIGAÇÃO RECEBIDA A COBRAR AS 0300Z DE 22/OQ/86, PELO 2S ALMEIDA, SOBRE 0 MESMO APARECIMENTO OBSERVADO PELO FAB Como e quando foi que avistou pela 1 vez os objetos? Quando mantinha a proa 240', cruzando FI. 070 para o FL 1D D aproximada - mente RD 255' de Marília. 2. Quantos eram c em que posição estavam? Apenas um as 12 horas. 3. Pode descrever o objeto? Dois faróis juntos e um rotativo vermelho na parte superior 4. Forma? Não deu para precisar mas acredito ser oval ou retangular porque eram duas luzos, uma do lado da outra. 5. Tamanho? Provavelmente 45 metros de envergadura o que equivale a um DC10 aproximadamente. 6. Cor? Branca e a rotativa vermelha i 7. Velocidade? Como mantinha a distância deduz-se que era a mesma do observador (VI 172 kt no FL 100). 8. Formação? Luzes. 9. Som? Não foi possível observar. [). Rastos? Não. 1. Trajetória? Mantendo-se sempre 12 horas ligeiramente alto. ] l. Profundidade? MENSREL _p_8/out_/86_ COpM 1

7 CONFIDENCIAL 13. Duração da observação? 20 minutos. 14. O objeto mudou de aparência? de cor? Somente quando se afastou Dara o lado do mar foi observado que diminuía de tamanho. 15. Estava sozinho ou acompanhado? no caso afirmativo por quantas pessoas. Acompanhado pelo primeiro Oficial apenas. 16. Distância do ponto de observação até o OVNI? Entre 10 e 15 NM. 17. Existência de provas físicas (fotografia, filme, amostras)? Não tem. 18. Observação a olho nú ou com algum dispositivo ótico? A olho nú. 19. Condições de tempo presente (meteorológicas)? Acima do topo, completamente visual. 20. Pados pessoais do observador: - nome: CHEDID MALOUF FILHO - eridereço: RUA MARQUES DE OLINDA 64 APTO 705 BLOCO 1, BOTAFOGO - RJ TELEFONE (DDD 021). - idade: Não foi perguntada - grau de instrução: Superior incompleto - ocupação principal: Piloto - possui ou não conhecimentos técnicos, no caso afirmativo quais. Não possui conhecimentos técnicos. RECEBIDO NO TF PELO 2S ALMEIDA ENTRE 0300Z E DO DIA 25 DE SETEMBRO DE MENSREL COpM 1 II.6 86/OUT /86

OF N 9 X,^/00?/c 1*33 Brasília-DF, A 4 de julho de 1986

OF N 9 X,^/00?/c 1*33 Brasília-DF, A 4 de julho de 1986 T SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL PRIMEIRO CENTRO INTEGRADO DE DEFESA AÉREA E CONTROLE DE TRÁFEGO AÉREO OF N 9 X,^/00?/c 1*33 Brasília-DF, A 4 de julho de 1986 Do Ao Comandante Exmo Sr. Comandante do Comando de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL BASE AÉREA DE ANÁPOLIS. Do Comandante da BAAN Ao Exrn* Sr Cmt do COMDA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL BASE AÉREA DE ANÁPOLIS. Do Comandante da BAAN Ao Exrn* Sr Cmt do COMDA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL BASE AÉREA DE ANÁPOLIS Of 5 0 1/SCOAM/C- Anapolis-GO, y & Do Comandante da BAAN Ao Exrn* Sr Cmt do COMDA Assunto: Acionamento do Alerta Anexo : 04 (quatro) Relatórios I - Encaminho-vos

Leia mais

[CONFIDENCIAL] MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA CDHANDQ AÉREO DE DEFESA AÉREA. Do Comandante Ao Exm B. Ref. : Nota N 9 C QQ2/MIM/ADM, de 13 Abr 78 m

[CONFIDENCIAL] MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA CDHANDQ AÉREO DE DEFESA AÉREA. Do Comandante Ao Exm B. Ref. : Nota N 9 C QQ2/MIM/ADM, de 13 Abr 78 m [CONFIDENCIAL] tommmmm i mm-'» i«' ARA. MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA CDHANDQ AÉREO DE DEFESA AÉREA 3" n* i9ûs/omo/c-j3s Brasília-DF, 02 de Junho de 1986 Do Comandante Ao Exm B Sr Comandante do Comando Ge

Leia mais

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil A reportagem exibida na semana passada mostrava algumas falhas na comunicação entre o avião monomotor em que estava o nosso repórter

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-9 PROCEDIMENTOS ESPECIAIS PARA AERONAVE PRESIDENCIAL 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO

Leia mais

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O V Ô O P O R I N S T R U M E N T O S PLÍNIO JR. 1 D I S T Â N C

Leia mais

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 2-1 Utilização de Aeródromos CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO a. Nesta publicação encontram-se relacionados somente aeródromos brasileiros abertos ao tráfego aéreo, de acordo com a IMA 58-10, de

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA. Apronto Operacional Copa das Confederações FIFA Brasil 2013

COMANDO DA AERONÁUTICA. Apronto Operacional Copa das Confederações FIFA Brasil 2013 Apronto Operacional Copa das Confederações FIFA Brasil 2013 OBJETIVO Padronizar os procedimentos das aeronaves envolvidas nas atividades aéreas relativas ao Controle do Espaço Aéreo na TMA-RJ, por ocasião

Leia mais

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA BASE AÉREA DE SANTA CRUZ 1«GRUPO DE AVIAÇÃO DE CAÇA. Ao Sr Comandante do l 9 Gp Av Ca

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA BASE AÉREA DE SANTA CRUZ 1«GRUPO DE AVIAÇÃO DE CAÇA. Ao Sr Comandante do l 9 Gp Av Ca r"* - :. S* * * MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA BASE AÉREA DE SANTA CRUZ 1«GRUPO DE AVIAÇÃO DE CAÇA PARTE >! Santa Cruz, 28 de maio de 1986 Do 1' Ten Av Kleber Caldas Marinho Ao Sr Comandante do l 9 Gp Av Ca

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Prodedimento RNAV (GNSS) Autor: TCel Av SERGIO KOCH Padronizado por: Cmte. João Gabriel

Leia mais

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 ANEXO 1 DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 Foto 1 Vista do local de execução da sondagem a trado ST-01 (km353). Foto 2- Vista dos tipos de materiais ocorrentes no local da sondagem

Leia mais

ROTAS ESPECIAIS DE AERONAVES EM VOO VISUAL NA ÁREA TERMINAL DE SÃO LUÍS

ROTAS ESPECIAIS DE AERONAVES EM VOO VISUAL NA ÁREA TERMINAL DE SÃO LUÍS BRASIL DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO AIC N DIVISÃO DE INFORMAÇÕES AERONÁUTICAS 21/12 AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ 13 DEZ 2012 TEL: 021 3814-8237 AFTN:

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CARTA DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE O CONTROLE DE APROXIMAÇÃO DE BELO HORIZONTE (APP-BH), TORRE DE CONTROLE DE AERÓDROMO DE BELO HORIZONTE (TWR-BH),

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Regulamentos de Tráfego aéreo de helicópteros Padronizador: Cmte. João Gabriel Faria - VID

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-11

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-11 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-11 CARTA DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE O BRASIL E A BOLÍVIA REFERENTE À OPERAÇÃO NOS AERÓDROMOS DE CORUMBÁ E PUERTO SUÁREZ 2010 MINISTÉRIO

Leia mais

CGU Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação

CGU Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação PARECER Referência: 6002.001639/201-78, 6002.00170/201-82 e 00086.000362/201-92 Assunto: Restrição

Leia mais

Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447

Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447 Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447 Avião da TAM com 95 passageiros ficou sem dados em 2011, após decolar. Companhia respondeu que melhorou treinamento de pilotos, diz relatório

Leia mais

CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO 2-1 Utilização de Aeródromos a. Nenhum aeródromo civil poderá ser utilizado por aeronaves civis se não estiver devidamente registrado ou homologado e, ainda, divulgado

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO CLIMATOLOGIA AERONÁUTICA INSTITUTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO DADOS CLIMATOLÓGICOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DE SUPERFÍCIE

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO N/M BETELGEUSE. Não configurada a ocorrência de acidente e/ou fato da navegação elencados na Lei nº 2.180/54. Infração ao artigo 378 do RTM. Arquivamento.

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO CLIMATOLOGIA AERONÁUTICA INSTITUTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO DADOS CLIMATOLÓGICOS DO AEROPORTO SANTOS DUMONT - SBRJ

Leia mais

Processos de Despesas de Exercícios Anteriores Prazo de arquivamento e destruição de documentos

Processos de Despesas de Exercícios Anteriores Prazo de arquivamento e destruição de documentos DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO - DECEx ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO ADMINISTRATIVO - APA Processos de Despesas de Exercícios Anteriores Prazo de arquivamento e destruição de documentos 1)

Leia mais

TEL: (21) 3814-6252 AFTN: SBRJYGYI ADM: AISCEA FAX: (21) 3814-5369 TELEX: 2137113CAERBR

TEL: (21) 3814-6252 AFTN: SBRJYGYI ADM: AISCEA FAX: (21) 3814-5369 TELEX: 2137113CAERBR BRASIL AIC DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO N DIVISÃO DE INFORMAÇÕES AERONÁUTICAS 12/03 AV. GENERAL JUSTO, NR 160, CASTELO CEP 20021-130 - RIO DE JANEIRO - RJ 27 NOV 2003 TEL: (21) 3814-6252 AFTN:

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Estrutura do Espaço Aéreo Brasileiro Autor: Renan Rodrigues - VID378006 Padronizado por:

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS BRASIL DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ AIC N 21/10 23 SEP 2010 TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC

Leia mais

Departamento de Treinamento

Departamento de Treinamento Departamento de Treinamento Manual de Interpretação de Cartas SID ERC STAR - VAC Departamento de Treinamento - IVAOBR 1 Sumário SID 4 APRESENTAÇÃO 4 BRIEFING 5 CABEÇALHO 6 FREQÜÊNCIAS 6 PROCEDIMENTO 7

Leia mais

Classe de espaço aéreo

Classe de espaço aéreo Curso n 7 Classe de espaço aéreo As classes de espaço aéreo são uma normalização dos serviços prestados nos espaços aéreos. Uma classe de espaço define os serviços que são prestados de acordo com o regime

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 200-1001 PLANO DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM CONFIABILIDADE? Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos -

COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM CONFIABILIDADE? Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos - COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos - - A VEM - A VARIG ENGENHARIA E MANUTENÇÃO - VEM é uma empresa especializada em manutenção

Leia mais

SISTEMA DE ILUMINAÇÂO E SINALIZAÇÂO DE VIATURAS MILITARES OPERACIONAS SISVIMIOP

SISTEMA DE ILUMINAÇÂO E SINALIZAÇÂO DE VIATURAS MILITARES OPERACIONAS SISVIMIOP SISTEMA DE ILUMINAÇÂO E SINALIZAÇÂO DE VIATURAS MILITARES OPERACIONAS SISVIMIOP Cel QEM Auto R/1 Carlos Roberto Gonçalves Tourinho magmec@magmec.com.br 1 1. Objetivo do documento Explicar como se constitui

Leia mais

2007-2010. localização Bengo - Angola. Casa Militar do Presidente da República / GRN. 3 mil milhões de EUR. Projeto de Execução. 1.

2007-2010. localização Bengo - Angola. Casa Militar do Presidente da República / GRN. 3 mil milhões de EUR. Projeto de Execução. 1. localização Bengo - Angola Dono da Obra Casa Militar do Presidente da República / GRN Custo Estimado 3 mil milhões de EUR Perspetiva geral do NAIA Fase Projeto de Execução Área 1.980 ha O Novo Aeroporto

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União NOTA TÉCNICA 12.482/2012/OGU/CGU-PR

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União NOTA TÉCNICA 12.482/2012/OGU/CGU-PR NOTA TÉCNICA 12.482/2012/OGU/CGU-PR Referência: 60502.001065-2012-95 Assunto: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação requerido ao Comando do Exército/Ministério da Defesa pelo

Leia mais

Recurso à CGU, com fundamento no art. 23 do Decreto 7.724/2012, referente a pedido de acesso à informação submetido à pelo

Recurso à CGU, com fundamento no art. 23 do Decreto 7.724/2012, referente a pedido de acesso à informação submetido à pelo NOTA TÉCNICA /2012/OGU/CGU-PR Referência: 48700.000396/2012-76 Assunto: Recurso à CGU, com fundamento no art. 23 do Decreto 7.724/2012, referente a pedido de acesso à informação submetido à pelo Senhor

Leia mais

Navegação Aérea. velocímetro, considerando-se a direção e a distância voada a partir de um ponto de referência conhecido.

Navegação Aérea. velocímetro, considerando-se a direção e a distância voada a partir de um ponto de referência conhecido. Navegação Aérea Navegaçao aerea é a maneira de conduzir um veículo voador de um lugar a outro em segurança, pode ser um balão, um dirigível ou qualquer artefato próprio para voar. A Navegação aérea requer

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Designação de Aerovias ROTAS CONTINENTAIS: São aerovias traçadas sobre o continente ligando pontos e/ou auxílios de

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: SALTOS DE PARAQUEDAS Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO/GPNO SUMÁRIO SUBPARTE A - GERAL 105.1

Leia mais

ORDEM DE INSTRUÇÃO n 010 S/1 PLANO DE TREINAMENTO E ATUALIZAÇÃO DE CONHECIMENTO PTAC/2010 TREINAMENTO PARA ORDENADOR DE DESPESAS TOD/2010

ORDEM DE INSTRUÇÃO n 010 S/1 PLANO DE TREINAMENTO E ATUALIZAÇÃO DE CONHECIMENTO PTAC/2010 TREINAMENTO PARA ORDENADOR DE DESPESAS TOD/2010 MINISTÉRIO DA DEFESA Belém-PA, 13 out 10 1. FINALIDADE Regular as atividades, no âmbito da 8ª ICFEx, relativas ao TREINAMENTO PARA ORDENADOR DE DESPESAS destinado aos oficiais nomeados para o Comando e

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

Guia rápido de Administração do Sistema

Guia rápido de Administração do Sistema Guia rápido de Administração do Sistema SPED (EB) SIGADAer (FAB) 1. Objetivo. a. Fornecer um guia rápido de administração das Contas e Usuários do sistema. 2. Procedimentos para utilização do sistema.

Leia mais

Permite a acumulação de valores, zeramento e auto calibração. Não perdem os valores acumulados por ocasião das quedas de energia.

Permite a acumulação de valores, zeramento e auto calibração. Não perdem os valores acumulados por ocasião das quedas de energia. Contador Digital de Eventos Série ZCE-S Descrição do Produto Equipamento microprocessado que permite conexão com dispositivos geradores de pulsos (encoders lineares ou rotativos, sensores ópticos, indutivos

Leia mais

Jaborandi, BA, 14/12/2013 Relatório de Voo #001. DADOS DO VÔO: Acionamento: 15:40 (local) / 18:40 (GMT) Decolagem: 15:45 (local) / 18:45 (GMT)

Jaborandi, BA, 14/12/2013 Relatório de Voo #001. DADOS DO VÔO: Acionamento: 15:40 (local) / 18:40 (GMT) Decolagem: 15:45 (local) / 18:45 (GMT) Jaborandi, BA, 14/12/2013 Relatório de Voo #001 DADOS DO VÔO: Acionamento: 15:40 (local) / 18:40 (GMT) Decolagem: 15:45 (local) / 18:45 (GMT) Pouso: 16:42 (local) / 19:42 (GMT) Corte: 16:45 (local) / 19:45

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-23

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-23 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-23 CARTA DE ACORDO OPERACIONAL REFERENTE AOS PROCEDIMENTOS DE TRÁFEGO AÉREO NA TMA FOZ, CTR CATARATAS, CTR FOZ, CTR GUARANI E ATZ ITAIPU

Leia mais

Distância focal DISTÂNCIA FOCAL

Distância focal DISTÂNCIA FOCAL Distância focal DISTÂNCIA FOCAL: Unidade de medida relativa à distância existente entre o centro óptico de uma lente e o plano de foco. A distância focal determina a relação de grandeza de um motivo e

Leia mais

INFORMATIVO DOZE DE OURO

INFORMATIVO DOZE DE OURO INFORMATIVO DOZE DE OURO ABRIL 2013/24 EDITORIAL O IDO do início de abril destaca algumas das atividades que conferem ao Btl o conhecido reconhecimento no âmbito da 4ª RM: Capacitação dos Quadros para

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES. (Do Sr. JÂNIO NATAL) Senhor Presidente,

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES. (Do Sr. JÂNIO NATAL) Senhor Presidente, COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES REQUERIMENTO N O, DE 2011 (Do Sr. JÂNIO NATAL) Requer a realização de Audiência Pública para debater questões relativas à aviação civil brasileira. Senhor Presidente, Requeiro,

Leia mais

MAIORES INFORMAÇÕES NOS SITES: www.decea.gov.br www.cgna.gov.br www.anac.gov.br

MAIORES INFORMAÇÕES NOS SITES: www.decea.gov.br www.cgna.gov.br www.anac.gov.br Guiia prráttiico de consulltta sobrre as alltterrações do espaço aérreo parra a Riio+20.. Deparrttamentto de Conttrrolle do Espaço Aérreo ESTE GUIA TEM APENAS A FUNÇÃO DE ILUSTRAR E APRESENTAR, RESUMIDAMENTE,

Leia mais

Regras de Auditoria e Liberação de Movimentos (Parte 1)

Regras de Auditoria e Liberação de Movimentos (Parte 1) Regras de Auditoria e Liberação de Movimentos () Março - 2014 Índice Título do documento 1. Auditoria de Movimentos (ECM) Introdução:... 3 2. Grupos de Usuário (ECM):... 3 3. Colaboradores... 4 4. Configuração

Leia mais

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores do 1º e 2º Ciclo do Ensino Básico

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores do 1º e 2º Ciclo do Ensino Básico Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores do 1º e 2º Ciclo do Ensino Básico Organização espacial cadeia de tarefas. Referencias do PMEB Propósito principal de ensino Desenvolver nos

Leia mais

MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum

MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum (versão: 17/05/2009) 1. INTRODUÇÃO A idéia que o céu é infinito e que existe liberdade ao se voar pode ter seu romantismo, porém, e cada

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

A Sua Excelência o Senhor Deputado Enio Tatto, 1º Secretário da Egrégia Mesa da Assembleia Legislativa do Estado.

A Sua Excelência o Senhor Deputado Enio Tatto, 1º Secretário da Egrégia Mesa da Assembleia Legislativa do Estado. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO CASA CIVIL São Paulo, de junho de 2014 CC-ATL nº 236/2014 Senhor 1º Secretário Tendo em vista o disposto no artigo 20, inciso XVI, da Constituição do Estado, venho transmitir

Leia mais

INDICADOR DE VELOCIDADE / TACÔMETRO DIGITAL modelo UW1200

INDICADOR DE VELOCIDADE / TACÔMETRO DIGITAL modelo UW1200 B17 7000 002 REV. 6 06/11 1/8 12.00 48 x 96 mm INDICADOR DE VELOCIDADE / TACÔMETRO DIGITAL modelo UW1200 Manual de Instruções (Junho/2011) Manual de Instruções - UW1200 1 / 8 ÍNDICE 1 - DESCRIÇÃO GERAL...

Leia mais

Prefeitura Municipal de Limeira Gabine feito. Lim ira, 27 de março de 2014. OF. CM. 989/2014. Senhor Presidente

Prefeitura Municipal de Limeira Gabine feito. Lim ira, 27 de março de 2014. OF. CM. 989/2014. Senhor Presidente Prefeitura Municipal de Limeira Gabine feito ESTADO DE SA0 PAULO. BRASIL Lim ira, 27 de março de 2014. OF. CM. 989/2014 Senhor Presidente Venho à ilustre presença de Vossa Excelência, em atendimento ao

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO:

MANUAL DE INSTRUÇÃO: 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ MANUAL DE INSTRUÇÃO: COMO FAZER O INVENTÁRIO NO SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL GESCOMP ANEXO PORTARIA PAD Nº 045/2010 2 Para a realização do Inventário Físico de Bens

Leia mais

Pelotas, 07 de junho de 2001. Carta : 201-c CONDABRA Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro A/C Cel. Cavalcante.

Pelotas, 07 de junho de 2001. Carta : 201-c CONDABRA Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro A/C Cel. Cavalcante. o Pelotas, 07 de junho de 2001. Carta : 201-c CONDABRA Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro A/C Cel. Cavalcante Prezado Senhor: Conforme nossa conversa telefônica, estou lhe enviando como prometi

Leia mais

7. PROGRAMAÇÃO DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA ISOLADA DE TEMPO FIXO

7. PROGRAMAÇÃO DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA ISOLADA DE TEMPO FIXO 7. PROGRAMAÇÃO DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA ISOLADA DE TEMPO FIXO 7.1 Etapas de programação A programação do semáforo deve ser elaborada de acordo com as etapas apresentadas a seguir. Vale lembrar que esta

Leia mais

INTERFACE USUÁRIO MÁQUINA. Prof. Carlos Marques

INTERFACE USUÁRIO MÁQUINA. Prof. Carlos Marques INTERFACE USUÁRIO MÁQUINA Prof. Carlos Marques Dicionário Michaelis Interface Superfície, plana ou não, que forma um limite comum de dois corpos ou espaços. Ponto no qual um sistema de computação termina

Leia mais

Central de alarme Ventura GSM

Central de alarme Ventura GSM Central de alarme Ventura GSM Manual do Usuário 1 Índice: 1 Aplicação:... 3 2 Características:... 3 3 Características de funcionamento... 3 4- Apresentação da Central... 4 4.1 Parte externa... 4 4.2 Parte

Leia mais

NORMA DA INFRAERO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE AERONAVES PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO

NORMA DA INFRAERO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE AERONAVES PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO NORMA DA INFRAERO ASSUNTO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE OPERAÇÕES (DO) SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO OPERACIONAL (DOGP)

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo 1º Bimestre

Programa de Retomada de Conteúdo 1º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Retomada de Conteúdo

Leia mais

Discadora Via Modulo GSM HERA HR-QUAD

Discadora Via Modulo GSM HERA HR-QUAD Discadora Via Modulo GSM HERA HR-QUAD Manual do Usuário [Ver.V4] Página 1 SUMARIO 1- Identificação e suas FUNCIONALIDADES:... 3 2- Características... 5 3- Cadastrando 1 ou mais números na discadora...

Leia mais

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos.

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos. Óptica Os fenômenos ópticos que observamos através do nosso aparelho de visão (Olho Humano) são todos devidos às propriedades da luz. Para estudarmos a óptica, ou seja, os efeitos sofridos pela luz, utilizaremos

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA GERAL - SG SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA - SEPROD COMISSÃO MISTA DA INDÚSTRIA DE DEFESA - CMID ATA DE REUNIÃO

MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA GERAL - SG SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA - SEPROD COMISSÃO MISTA DA INDÚSTRIA DE DEFESA - CMID ATA DE REUNIÃO MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA GERAL - SG SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA - SEPROD COMISSÃO MISTA DA INDÚSTRIA DE DEFESA - CMID ATA DE REUNIÃO Sessão: 09/2014 Local: Ministério da Defesa, sala 808 Data:

Leia mais

Manual de Utilizador. CNCVisual. Julho de 2006. Âmbito do Projecto de 5º Ano de Engenharia Mecânica. Autor: Bruno Lameiro

Manual de Utilizador. CNCVisual. Julho de 2006. Âmbito do Projecto de 5º Ano de Engenharia Mecânica. Autor: Bruno Lameiro Manual de Utilizador CNCVisual Julho de 2006 Âmbito do Projecto de 5º Ano de Engenharia Mecânica Autor: Bruno Lameiro Introdução: A existência do manual de utilizador da aplicação CNCVisual tem como objectivo

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento TD-002/09 CÁLCULOS DE NAVEGAÇÃO 2009 Página: 002/017 1 INTRODUÇÃO Este documento tem o objetivo de explanar sobre os cálculos que envolvem o planejamento

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 1 o ano Disciplina: Física - Movimento Uniformemente Variado - MUV. Pré Universitário Uni-Anhanguera

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 1 o ano Disciplina: Física - Movimento Uniformemente Variado - MUV. Pré Universitário Uni-Anhanguera Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 1 o ano Disciplina: Física - Movimento Uniformemente Variado - MUV 01 - (IFSP) O jamaicano Usain Bolt,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado da Casa Civil SUBSECRETARIA MILITAR

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado da Casa Civil SUBSECRETARIA MILITAR TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGURO AERONÁUTICO JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por objetivo estabelecer os requisitos e especificações técnicas para a contratação de Seguro

Leia mais

e 4 1 3 5 G c i 2 e i-wá.çjçjttajv DO,Ücj_J MA AERQESPAClAÜ-BRASILEIRO MINISTÉRIO OA AtKuWMu

e 4 1 3 5 G c i 2 e i-wá.çjçjttajv DO,Ücj_J MA AERQESPAClAÜ-BRASILEIRO MINISTÉRIO OA AtKuWMu . Am^QLÊ',-i/> SRAP$& COW)A Doc. analisado am: -h0>]'> Propo*ta 1 :-^ k./20^í_. 22 e 4 1 3 5 G c i 2 e MINISTÉRIO OA AtKuWMu t i-wá.çjçjttajv DO,Ücj_J MA AERQESPAClAÜ-BRASILEIRO P. o T>DC o-* í et\ / 34

Leia mais

DECEA. Melhoria dos Serviços de Navegação Aérea nas Bacias Petrolíferas

DECEA. Melhoria dos Serviços de Navegação Aérea nas Bacias Petrolíferas DECEA Melhoria dos Serviços de Navegação Aérea nas Bacias Petrolíferas OBJETIVO Conhecer as propostas de Melhoria dos STA nas Bacias Petrolíferas. ROTEIRO Cenário Atual Concepção Operacional Planejamento

Leia mais

CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO

CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 11 2414-3803 CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 NAVEGAÇÃO AÉREA Prof. Douglas Santarelli Navegação Aérea Navegação Aérea é a

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 1 2 PROCESSAMENTO DE IMAGENS espectro visível

Leia mais

CAPÍTULO 1 Introduzindo SIG

CAPÍTULO 1 Introduzindo SIG CAPÍTULO 1 Introduzindo SIG Por muito tempo, estudou-se o mundo usando modelos como mapas e globos. Aproximadamente nos últimos trinta anos, tornou-se possível colocar estes modelos dentro de computadores

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DLOG COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO DIVISÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS SERVIÇO DE COMPRAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DLOG COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO DIVISÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS SERVIÇO DE COMPRAS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DLOG COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO DIVISÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS SERVIÇO DE COMPRAS Procedimento 08200.012336/2012-12 Interessado CAOP/DIREX/DPF

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ----

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física II PROFESSOR(A) Fernando ANO SEMESTRE DATA 2º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Considere a figura ao lado. Com base no

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

TAREFA DA SEMANA DE 17 A 21 DE MARÇO

TAREFA DA SEMANA DE 17 A 21 DE MARÇO Transformação de km/h em m/s TAREFA DA SEMANA DE 17 A 21 DE MARÇO FÍSICA 1ª SÉRIE No S.I., a velocidade escalar é medida em metros por segundo (m/s). Na prática a unidade de medida é km/h. Como em muitos

Leia mais

O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação

O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação No dia 15 de dezembro de 1989, o voo KLM 867, operado por um Boeing 747-406M, o PH-BFC, decolou de Amsterdam com destino ao Aeroporto de Narita, no Japão,

Leia mais

Unidade 19: Macros. 19.0 Introdução. 19.1 Antes de você começar. Adicionando a Guia Desenvolvedor

Unidade 19: Macros. 19.0 Introdução. 19.1 Antes de você começar. Adicionando a Guia Desenvolvedor Unidade 19: Macros 19.0 Introdução Se algum dia você se encontrar repetindo a mesma ação no Excel várias vezes, pode valer a pena utilizar uma Macro (do Grego "μάκρο" para grande, a ideia é a de que uma

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO CLIMATOLOGIA AERONÁUTICA INSTITUTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO DADOS CLIMATOLÓGICOS DOS AEROPORTOS CARLOS PRATES (SBPR),

Leia mais

Manual de Fraseologia - Gold Virtual Airlines. Tutorial. Manual de Fraseologia

Manual de Fraseologia - Gold Virtual Airlines. Tutorial. Manual de Fraseologia Manual de Fraseologia 1 Neste tutorial você aprenderá a realizar comunicação com os órgãos de controle de tráfego aéreo. Introdução Após ter realizado seu planejamento de voo e envio do mesmo seguirá com

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções 2 ATENÇÃO Leia o Manual de Operação com atenção, para que o relógio opere de forma adequada e eficiente por um longo período de tempo. O relógio de ponto deve ser instalado em um ambiente

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA 57 10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA ESTABILIDADE ATMOSFÉRICA Ocorre quando há ausência de movimentos convectivos ascendentes. Pode produzir nuvens do tipo estratiformes e também gerar névoas

Leia mais

BOLETIM INTERNO Nº. 046 Natal/RN, 22 de Novembro de 2013. (Sexta-feira)

BOLETIM INTERNO Nº. 046 Natal/RN, 22 de Novembro de 2013. (Sexta-feira) BI Nº. 046 CIPGD 22 DE NOVEMBRO DE 2013 247 RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL POLÍCIA MILITAR COMANDO DE POLICIAMENTO METROPOLITANO COMPANHIA INDEPENDENTE

Leia mais

Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR

Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR International Virtual Aviation Organization Divisão Brasil da IVAO Departamento de Eventos Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR (para pilotos) BR-EAC Brasil, 02 de maio de 2014. - 1 - Índice

Leia mais

Canguru Matemático sem Fronteiras 2009

Canguru Matemático sem Fronteiras 2009 Duração: 1h30min Destinatários: alunos do 1 ano de Escolaridade Nome: Turma: Não podes usar calculadora. Há apenas uma resposta correcta em cada questão. As questões estão agrupadas em três níveis: Problemas

Leia mais

A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES?

A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES? A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES? 2005 Curso de Capitão o Amador: PROGRAMA E INSTRUÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE CAPITÃO O exame para a categoria de Capitão Amador constará de uma prova escrita, com duração

Leia mais

10-7 INFORMAÇÕES GERAIS. O piloto em comando (C.M.) do vôo deverá obrigatoriamente ocupar um dos postos de pilotagem em todos os pousos e decolagens.

10-7 INFORMAÇÕES GERAIS. O piloto em comando (C.M.) do vôo deverá obrigatoriamente ocupar um dos postos de pilotagem em todos os pousos e decolagens. 10-7 INFORMAÇÕES GERAIS O piloto em comando (C.M.) do vôo deverá obrigatoriamente ocupar um dos postos de pilotagem em todos os pousos e decolagens. ATENÇÃO MSA 19.000 FT Obrigatória leitura dos NOTAMs

Leia mais

O O2 fica na Av. José Silva de Azevedo Neto, 200 Bloco 1 Evolution II - Barra da Tijuca.

O O2 fica na Av. José Silva de Azevedo Neto, 200 Bloco 1 Evolution II - Barra da Tijuca. O Centro Empresarial O2 é um ambiente voltado para a qualidade de vida. O condomínio possui instalações ao ar livre e aproximadamente 70% da área do condomínio, cerca de 50.000m², é destinado ao paisagismo

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PROTEÇÃO AO VOO CIRPV 63-4

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PROTEÇÃO AO VOO CIRPV 63-4 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PROTEÇÃO AO VOO CIRPV 63-4 PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS REFERENTES À DIFUSÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE CINZAS VULCÂNICAS 2009 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 11 NOVEMBRO / 2012. (21) 2519 5766 / 2519 5053 RITEx 810 5766 / 810 5053. FALE COM A 1ª ICFEx

BOLETIM INFORMATIVO Nº 11 NOVEMBRO / 2012. (21) 2519 5766 / 2519 5053 RITEx 810 5766 / 810 5053. FALE COM A 1ª ICFEx MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 1ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO (Sv Fundos Reg / 1ª RM 1934) BOLETIM INFORMATIVO Nº 11 NOVEMBRO / 2012 FALE

Leia mais

EMENTA: RECURSO. PENALIDADE ORIGINAL: Multa no valor de R$ 8.000,00. BASE NORMATIVA: Arts. 36 e 88 do Decreto-Lei n 73/66.

EMENTA: RECURSO. PENALIDADE ORIGINAL: Multa no valor de R$ 8.000,00. BASE NORMATIVA: Arts. 36 e 88 do Decreto-Lei n 73/66. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS W>' PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP 21P Sessão Recurso n 6719 Processo SIJSEP n 154 14.000299/2012-50

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO N/T MARTA. Acidente de Trabalho com trabalhador durante a montagem de andaime no tanque do navio que se encontrava docado no estaleiro. Não configurada a

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva

Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva Resumo: Este trabalho é resultado do curso de formação Gestar II Matemática,

Leia mais

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART Continuação 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART a) Vá para o primeiro slide da apresentação salva no item 31. b) Na guia PÁGINA INICIAL, clique no botão LAYOUT e selecione (clique) na opção TÍTULO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Ofícios da Tutela Coletiva

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Ofícios da Tutela Coletiva IC nº 1.28.000.000360/2003-26 DECISÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 11/2012 1. O presente procedimento administrativo foi instaurado, a fim de investigar ilícito ambiental noticiado pelo IBAMA, objeto do Auto de

Leia mais