GECIV - Grupo Executivo do Complexo Industrial das Ciências da Vida Do Estado do Rio de Janeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GECIV - Grupo Executivo do Complexo Industrial das Ciências da Vida Do Estado do Rio de Janeiro"

Transcrição

1 GECIV - Grupo Executivo do Complexo Industrial das Ciências da Vida Do Estado do Rio de Janeiro Augusto Raupp Subsecretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação

2 Política para Desenvolvimento Biotecnológico Biotecnologia no Mundo no Brasil no Estado do Rio de Janeiro O Cluster Brasileiro de Biotecnologia O GECIV (Grupo Executivo do Complexo Industrial das Ciências da Vida Do Estado do Rio de Janeiro) Projetos Estruturantes Start-up BIO MBA Biotecnologia + Empreendedorismo NRIR - Núcleo de Referência em Regulação

3 Contextualizando a Biotecnologia no Mundo 3

4 Contextualizando a Biotecnologia no Mundo Mercado farmacêutico mundial por tecnologia de produção, em US$ bilhões Biotecnologia Outros Fonte: Evaluate Pharma, 2012: world preview 2018 Em 2011 esse participação era de 34% o que representou um montante de vendas de US$ 142 bilhões e um crescimento de 51% Nas vendas de biofármacos entre 2011 e 2018 (Evaluate Pharma, 2012)

5 Contextualizando a Biotecnologia no Mundo Balança comercial indústria de base química e Biotecnologia em saúde, ,89 9, ,52 2,96 3,08 3,47 3 3,11 3,15 3,03 3,67 3,85 4,39 5,52 0,43 0,53 0,45 0,45 0,39 0,38 0,42 0,47 0,54 0,61 0,74 0,83 6,73 6,95 1,01 1,17 1,35 1, ,09-2,43-2,62-3,02-2,61-2,73-2,73-2,56-3,13-3,24-3,65-4,69-5,72-5,78-7,53-7,64 Exportação Importação Déficit Fonte: Elaborado por GIS/ENSP/FIOCRUZ, 2012, com base em dados do sistema Alice/MDIC

6 E no Brasil...

7 E no Estado do Rio de Janeiro... Vendas globais das 10 principais empresas produtos biológicos na área da saúde, 2011 e 2018 Instalada no Estado do Rio de Janeiro 4 das Top 10 do Mundo

8 E no Estado do Rio de Janeiro... 3 parques tecnológicos 19 incubadoras 19 universidades 26 institutos de pesquisa e desenvolvimento Maior concentração de Ph.D por habitante (50 por ) e 1/3 desses envolvidos com ciências da vida BIORIO foi o primeiro parque Biotecnológico da América Latina 1986

9 E no Estado do Rio de Janeiro Cursos de graduação ligados às ciências da vida 14 M.Sc programas em biotecnologia 14 Ph.D programas em biotecnologia 223 groupos de pesquisas em biotecnologia Centro de instituições financeiras: BNDES FINEP AG RIO FAPERJ Burril Brazil ABVCAP (National VC Association)

10 E no Estado do Rio de Janeiro...

11 Um Cluster Brasileiro de Biotecnologia Governos Hospitais e Laboratórios Instituições de Ensino e Pesquisa Parques Tecnológicos Cluster Startups Imprensa Financiadores Biotecnologia Grandes empresas

12 Um Cluster Brasileiro de Biotecnologia Mapa das empresas de Biotecnologia do país Distribuição por estado Por que o RJ está atrás? O RJ é agora o 3ª estado em numero de empresas de Biotecnologia Fonte: Brbiotec map (2011) 78,1% das indústrias de Biociências localizadas no Sudeste Há tantas e tão boas universidades, Há profissionais altamente qualificados, Dispomos de uma política de atratividade empresarial

13 Um Cluster Brasileiro de Biotecnologia

14 Um Cluster Brasileiro de Biotecnologia Produtos da Biotec Empresas Centrais (core) de Biotec Agentes Biotec (Drug Agent novos compostos validados/produtos em estágio intermediário) Tecnologias de Processos Plataformas X-ômicas Setor de Biotecnologia Fornecedores Complementares de Produtos/Serviços Plataformas para Biotec (novas tecnologias e dispositivos, Hw e Sw, para descoberta e desenvolvimento) Serviços em Biotec (CROs, consultorias, etc.) Tecnologias para Produtos Plataformas Bio-informática Plataforma para entrega de droga (drug delivery) Plataforma para Diagnóstico Reagentes Químicos Básicos A Biotecnologia cria oportunidade para o surgimento de novas rotas tecnológicas para a geração de novos medicamentos farmo-químicos, quebrando o monopólio natural das Big-Farma, gerando empregos, incentivando a concorrência no setor, o nascimento de start-ups (mesmo com risco elevado), e provoca movimentação nas Big-Farmas no sentido de investir mais em P,D&I;

15 Um Cluster Brasileiro de Biotecnologia Criação: DECRETO Nº de 22/11/2011 (alterado pelos Decretos de 11/12/2012 e de 14/01/2013) Objetivo: elaborar e desenvolver as diretrizes das políticas estaduais de fortalecimento do complexo produtivo e de inovação em ciências da vida. Políticas para o Setor: 1.Capacitação e Formação profissional 2.Disponibilização de áreas em Parques Tecnológicos e Incubadoras 3.Incentivos Financeiros 4.Incentivos Tributários 5.Atração de Empresas 6.Fomento a start ups 7.Formação e fortalecimento de âncoras 8.Atração e realização de eventos

16 Plano Tático:

17 Organização Interna & Projetos Estruturantes: GECIV GT RH Centro de Gestão Integrada do Conhecimento (UERJ) Pesquisa de Egressos Levantamento das expertises MBA em Biotecnologia + Empreendedorismo (subsidiado) GT Regulação NRIR - Núcleo de Referência de Inteligência em Regulação Reestruturação da SUVISA GT Negócios Road Map GECIV Edital FAPERJ 07/2013 Startup BIO (ingnition grant) Atraindo BioNovis Incentivos fiscais e financeiros Financiamento e participação acionária Identificação de áreas disponíveis

18 Startup BIO - Ignição (Ignition Grant) Status: Em análise na FAPERJ com previsão de publicação ainda 1º semestre 2014 Doenças Negligenciadas Incentivo a geração de Ideias Promoção prática da cultura Empreendedora STARTUP BIO 12 projetos por programa R$480mil / Projeto Transferência de novas tecnologias TotaR$5,8m / ano

19 STARTUP BIO Pesquisa FOCO DO PROJETO Pesq. Básica Descoberta Teste Pré Clínico Fase I Fase II Fase III Registro Produto Mercado/ / Comercialização Custo Total (%) 4% 15% 10% 22% 31% 3% 15% Risco (%) 85% 75% 40% 10% 0% Tempo (anos) 3,

20 STARTUP BIO - Programa de Ignição (Ignition Grant) do Estado do Rio de Janeiro Ideia Desenv. Tecnologia Desenv. da Aplicação Scale Up Comercial Prova de Conceito Identif. da Aplicação Transf. Tecnologia IG Edital FAPERJ 07/2013 Fundo VC

21 STARTUP BIO - Programa de Ignição (Ignition Grant) do Estado do Rio de Janeiro Qtd. Projetos Selecionados 06 Qtd. Meses 18 Valor Máximo por Projeto R$ ,00 Total Necessário do Fundo R$ ,00 Start-ups de Biotecnologia podem nascer de Spin offs de empresas farmacêuticas, academia, hospitais universitários ou privados e pesquisadores-empreendedores;

22 Pós-Graduação em BioTecnologia + Empreendedorismo Status: Em formatação da grade curricular com previsão de início no 2º semestre de 2014 Incentivo ao retorno de formados para a indústria Da Bancada para a Indústria Preço de Custo, Subsidiado, Patrocinado Opção a bolsas Faperj Empreendedorismo como Base

23 Pós-Graduação em BioTecnologia + Empreendedorismo Titulados em biotecnologia e áreas afins no Rio de Janeiro BIOTECNOLOGIA CIÊNCIAS DE ALIMENTOS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS I CIÊNCIAS BIOLÓGICAS II CIÊNCIAS BIOLÓGICAS III ENFERMAGEM ENGENHARIAS I ENGENHARIAS II ENGENHARIAS IV FARMÁCIA MEDICINA I MEDICINA II MEDICINA III QUÍMICA SAÚDE COLETIVA Soma de Mestrado Titulado Soma de Doutorado Titulado A formação de mestres e doutores em biotecnologia ainda é baixa, porém recente, tendo sido formalizada em 2008 após a união de outros programas advindos da veterinária por exemplo. Fonte: GEOCAPES

24 Pós-Graduação em BioTecnologia + Empreendedorismo Evolução histórica dos mestres e doutores em Biotecnologia no Brasil Soma de Mestrado Titulado Soma de Doutorado Titulado 159 Analisando a série histórica nota-se uma evolução, tanto de matriculados quanto de titulados, o que representa progressivo interesse; ERJ ainda oferece apenas 50% das vagas de formação de nível superior (graduação) se comparado com SP. A região Sudeste como todo oferece 16 cursos e ERJ 6 (biotecnologia); Na pósgraduação são 32 programas só no ERJ e nível técnico 4. Carência maior existe no perfil do PROFISSIONAL EGRESSO (material humano altamente qualificado para a migração da bancada para a indústria ). Recente pesquisa do GECIV...

25 NRIR Núcleo de Referência de Inteligência em Regulação do Estado Status: Aprovado / Aguardando plano de execução junto a ANVISA SES-RJ, IVB, UFF GECIV, ANVISA +R$23m BIO-RIO, FIOCRUZ NRIR Acelerar registro otimizando processos Facilitar pesquisas Fim dos despachantes Sistema regulatório forte

26 Pesquisa de Egressos Garantir a oferta de profissionais qualificados Banco de dados voltado para o empreendedor Pesquisa de Egressos Integração das principais unidades acadêmicas Controle da demanda e oferta de profissionais

27 Pesquisa de Egressos - STATUS Pesquisa com egressos dos cursos de Biotecnologia no Estado do Rio de Janeiro Autoavaliação dos Cursos Atuação na Área 21% 8% 39% 32% Bastante aderente às necessidades do mercado de trabalho Razoavelmente aderente às necessidades do mercado de trabalho Pouco aderente às necessidades do mercado de trabalho Nada aderente às necessidades do mercado de trabalho 7% 1% Não 15% 42% 35% Sim, bolsista Sim, setor público Sim, setor privado Sim, autônomo Identificação de uma situação de baixa fixação de recursos capacitados na área de Biotecnologia. Necessidade de criação de um sistema para integração entre os recursos humanos e o mercado

28 Augusto Raupp Subsecretário de Estado de Ciência e Tecnologia Obrigado! Contatos: Tel: Fax:

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

Ofertar formação profissional sintonizada com as novas exigências do mercado; Incentivar e apoiar empreendimentos novos na área de biotecnologia;

Ofertar formação profissional sintonizada com as novas exigências do mercado; Incentivar e apoiar empreendimentos novos na área de biotecnologia; FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS EM BIOTECNOLOGIA: GT de RH do GECIV/RJ OBJETIVOS Ofertar formação profissional sintonizada com as novas exigências do mercado; Incentivar e apoiar empreendimentos

Leia mais

10 anos do Parque Tecnológico da UFRJ XV Encontro da Rede de Incubadoras, Parques e Polos Tecnológicos do Estado do Rio de Janeiro ReINC

10 anos do Parque Tecnológico da UFRJ XV Encontro da Rede de Incubadoras, Parques e Polos Tecnológicos do Estado do Rio de Janeiro ReINC 10 anos do Parque Tecnológico da UFRJ XV Encontro da Rede de Incubadoras, Parques e Polos Tecnológicos do Estado do Rio de Janeiro ReINC Data: 17 e 18 de setembro de 2013 Local: Parque Tecnológico da UFRJ

Leia mais

Palavras-chave: BIOTECHNOLOGY, HUMAN RESOURCES, RIO DE JANEIRO.

Palavras-chave: BIOTECHNOLOGY, HUMAN RESOURCES, RIO DE JANEIRO. Título: GESTÃO INTEGRADA DA POLÍTICA DE RECURSOS HUMANOS EM BIOTECNOLOGIA: O CASO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL. Autora: Tatiane Alves Baptista Co-autora: Marcia Cristina Paes Resumo: This Project consists

Leia mais

A Tríplice Hélice Universidade, Empresa e Governo em ação.

A Tríplice Hélice Universidade, Empresa e Governo em ação. A Tríplice Hélice Universidade, Empresa e Governo em ação. Fernando Kreutz, M.D./Ph.D. Diretor-Presidente FK-Biotecnologia S.A. Professor Faculdade de Farmácia da PUCRS Pesquisador CNPq Conselheiro Anprotec

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

ESTRATÉGIAS DO MCTI PARA INCENTIVAR A INOVAÇÃO EM TI: Startups e Centros de P&D

ESTRATÉGIAS DO MCTI PARA INCENTIVAR A INOVAÇÃO EM TI: Startups e Centros de P&D ESTRATÉGIAS DO MCTI PARA INCENTIVAR A INOVAÇÃO EM TI: Startups e Centros de P&D 1. DESAFIOS de formular uma política pública 2. Programa Start-Up Brasil 3. Ação de Atração de Centros Globais de P&D JOSE

Leia mais

IEL INSTITUTO EUVALDO LODI

IEL INSTITUTO EUVALDO LODI INSTITUTO EUVALDO LODI IEL Integra o Sistema Indústria juntamente com CNI, SESI, SENAI e Federações Possui mais de 44 anos de atuação em todo o território Brasileiro Tem o compromisso com o aumento da

Leia mais

Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP

Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP Aluysio Asti Superintendente da Área de Planejamento- BNDES Abril/2006 Marcos

Leia mais

Estado de São Paulo. Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde. Juan Quirós Presidente

Estado de São Paulo. Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde. Juan Quirós Presidente Estado de São Paulo Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde Juan Quirós Presidente 12 de agosto de 2015 Investimento Estrangeiro na Saúde Abertura ao investimento do capital estrangeiro: Oportunidades

Leia mais

Fomento à Produção Nacional. Painel de Debate 16/4/2013

Fomento à Produção Nacional. Painel de Debate 16/4/2013 Fomento à Produção Nacional Painel de Debate 16/4/2013 A FINEP A FINEP - Agência Brasileira da Inovação - é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em

Leia mais

MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA

MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA Programa Estratégico de SOFTWARE E SERVIÇOS de TI 1. PANORAMA DO MERCADO 2. COMPARATIVOS INTERNACIONAIS 3. VISÃO DA POLÍTICA 4. PRINCIPAIS MEDIDAS E PROGRAMAS MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos

Financiadora de Estudos e Projetos Financiadora de Estudos e Projetos Cenário da Metrologia Nacional: Demandas e Oportunidades Carlos A. M. Couto Superintendente da ATED Área dos Institutos de Pesquisa Tecnológica. Rio de Janeiro, 17 de

Leia mais

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Estado e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Desempenho Conjuntural da Indústria Participação

Leia mais

A inovação na perspectiva de uma. Thais Guaratini

A inovação na perspectiva de uma. Thais Guaratini A inovação na perspectiva de uma microempresa de base tecnológica Thais Guaratini Micro-empresa de base tecnológica, cuja missão é o desenvolvimento de produtos inovadores e de qualidade para a indústria

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Resumo das Discussão e das Propostas da Mesa de Inovação. Ado Jório, Edleno S. De Moura, Robert Wilson Rafael Roesler, Marcos André Gonçalves

Resumo das Discussão e das Propostas da Mesa de Inovação. Ado Jório, Edleno S. De Moura, Robert Wilson Rafael Roesler, Marcos André Gonçalves Resumo das Discussão e das Propostas da Mesa de Inovação Ado Jório, Edleno S. De Moura, Robert Wilson Rafael Roesler, Marcos André Gonçalves Ado Jório Ressaltou a cultura da inovação na UFMG e o suporte

Leia mais

Indústria Farmacêutica e Farmoquímica

Indústria Farmacêutica e Farmoquímica Capa Indústria Farmacêutica e Farmoquímica A indústria farmacêutica mundial é composta por mais de 10 mil empresas. A cadeia farmacêutica tem se destacado como uma das mais inovadoras entre os setores

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA DOS MEDICAMENTOS PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Prof. Pedro Rolim PANORAMA

Leia mais

Experiência da Anglo American no adensamento da cadeia produtiva mineral Capacitação e desenvolvimento da cadeia de fornecedores de bens e serviços

Experiência da Anglo American no adensamento da cadeia produtiva mineral Capacitação e desenvolvimento da cadeia de fornecedores de bens e serviços MINÉRIO DE FERRO BRASIL Experiência da Anglo American no adensamento da cadeia produtiva mineral Capacitação e desenvolvimento da cadeia de fornecedores de bens e serviços II INOVAMIN Brasília, 11 de junho

Leia mais

gica Thiago Renault thiagorenault@producao.uff.br

gica Thiago Renault thiagorenault@producao.uff.br Tema: Como incorporar técnicas t modernas de apoio à comercialização e como o modelo de incubação fomenta o surgimento de empresas de base tecnológica gica Thiago Renault thiagorenault@producao.uff.br

Leia mais

Laboratório de Desenvolvimento de Novas Formulações - LDNF Universidade Federal Fluminense

Laboratório de Desenvolvimento de Novas Formulações - LDNF Universidade Federal Fluminense Laboratório de Desenvolvimento de Novas Formulações - LDNF Universidade Federal Fluminense Spin-off especializada em otimização de processos industriais de obtenção de produtos naturais de origem vegetal

Leia mais

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Inovação e Tecnológia na Gestão Pública Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Doutorado em Administração (UnB) Mestrado em Contabilidade e Controladoria (UFMG) Graduação em Ciências Contábeis

Leia mais

INOVAÇÃO EM SOFTWARE e SERVIÇOS de TI. 1. Agenda TI Maior 2. Start-Up Brasil 3. Inovação

INOVAÇÃO EM SOFTWARE e SERVIÇOS de TI. 1. Agenda TI Maior 2. Start-Up Brasil 3. Inovação INOVAÇÃO EM SOFTWARE e SERVIÇOS de TI 1. Agenda TI Maior 2. Start-Up Brasil 3. Inovação Prof. José Henrique Dieguez Barreiro Secretaria de Política de Informática Chefe da Divisão de Inovação em Software

Leia mais

9º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed)

9º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed) 9º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed) 18 de agosto de 2015 PALESTRA: Internacionalização dos laboratórios farmacêuticos nacionais: acesso a novos mercados O Projeto A

Leia mais

BNDES renova o Profarma e amplia apoio à biotecnologia

BNDES renova o Profarma e amplia apoio à biotecnologia ESPECIAL BNDES renova o Profarma e amplia apoio à biotecnologia Além da renovação do BNDES Profarma, com orçamento de R$ 5 bilhões, foi lançado também o Inova Saúde - Equipamentos Médicos, com orçamento

Leia mais

TECNOLOGIA EM Estética e Cosmetologia

TECNOLOGIA EM Estética e Cosmetologia TECNOLOGIA EM Estética e Cosmetologia Características gerais do curso O curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmetologia visa à formação do profissional para atuar no segmento de Estética, Cosmetologia

Leia mais

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização Agenda Inovação A Finep Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde Programas de Descentralização Nova fase da FINEP O que é inovação? Inovação é a introdução

Leia mais

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA EDITAL 04/2009 IDÉIA FLUXO CONTÍNUO INCUBADORA MULTI-SETORIAL DE BASE TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO Novembro de 2009. PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS

Leia mais

Ciências da Vida x MPE:

Ciências da Vida x MPE: Ciências da Vida x MPE: Oportunidades e desafios Fernando Kreutz, M.D./Ph.D. Diretor-Presidente FK-Biotec Professor Faculdade de Farmácia da PUCRS Pesquisador CNPq DT IB Conselheiro Anprotec Empreendedor

Leia mais

Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior PITCE para o Setor Farmacêutico

Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior PITCE para o Setor Farmacêutico Uma avaliação da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior PITCE para o Setor Farmacêutico Outubro de 2007/Maio de 2008 Ciro Mortella- Presidente Executivo Mercado Farmacêutico Mundial (12

Leia mais

QUEM SOMOS. O Instituto Vital Brazil é um dos laboratórios oficiais existentes no Brasil, criado pelo cientista Vital Brazil Mineiro da Campanha.

QUEM SOMOS. O Instituto Vital Brazil é um dos laboratórios oficiais existentes no Brasil, criado pelo cientista Vital Brazil Mineiro da Campanha. QUEM SOMOS O Instituto Vital Brazil é um dos laboratórios oficiais existentes no Brasil, criado pelo cientista Vital Brazil Mineiro da Campanha. Atende ao setor público, com a produção de soros (antipeçonhentos,

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Núcleo de Capital Inovador Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Anápolis cenário atual Segunda maior cidade do estado, com mais de 335 mil habitantes; 4,7 bilhões de reais de produto interno bruto,

Leia mais

Parque Científico e Tecnológico de Macaé

Parque Científico e Tecnológico de Macaé Parque Científico e Tecnológico de Macaé Carlos Eduardo Lopes da Silva¹ Ramon Baptista Narcizo² Joelson Tavares Rodrigues³ Resumo Este artigo apresenta os principais conceitos e estratégias que apóiam

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

Edital n 37/2011 Concurso Público para Provimento de Cargos de Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico. Anexo I Cargos e Vagas

Edital n 37/2011 Concurso Público para Provimento de Cargos de Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico. Anexo I Cargos e Vagas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO Edital n 37/2011 Concurso Público para Provimento de Cargos de Professor

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

O BNDES E A INOVAÇÃO

O BNDES E A INOVAÇÃO O BNDES E A INOVAÇÃO LUCIANO COUTINHO PRESIDENTE DO BNDES FÓRUM NACIONAL - INAE 17 de Maio de 2007 1 Onde Estamos A indústria de transformação precisa voltar a funcionar como motor propulsor da economia

Leia mais

GT INDUSTRIAL Proposta Minas Biotec

GT INDUSTRIAL Proposta Minas Biotec GT INDUSTRIAL Proposta Minas Biotec de temas para a agenda do GT Industrial 2010 27 de Novembro de 2009 MDIC - Brasília SINDUSFARQ Base sindical 750 empresas dos setores representados: Indústria Farmacêutica

Leia mais

Objetivos Específicos Os objetivos específicos demostram que ao final do curso os alunos deverão estar aptos a:

Objetivos Específicos Os objetivos específicos demostram que ao final do curso os alunos deverão estar aptos a: CURSO: Graduação em Marketing ( graduação) Missão O Curso de Graduação em Marketing tem como missão formar profissionais com capacidade de criar, planejar, executar e controlar processos de marketing que

Leia mais

Escola de Administração UFRGS. Porto Alegre - RS

Escola de Administração UFRGS. Porto Alegre - RS Escola de Administração UFRGS Porto Alegre - RS 1 A Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS está localizada na cidade de Porto Alegre, com cerca de 1.5 milhões de habitantes. Localização 1 A

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

Sessão Técnica C 3 : Monitoramento, Prospecção Tecnológica e Inteligência Competitiva de Medicamentos

Sessão Técnica C 3 : Monitoramento, Prospecção Tecnológica e Inteligência Competitiva de Medicamentos Sessão Técnica C 3 : Monitoramento, Prospecção Tecnológica e Inteligência Competitiva de Medicamentos Aspectos sobre inteligência tecnológica no desenvolvimento de medicamentos 16 de setembro de 2009 Estratégias

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I 10/11/2008 Ministério da Ciência e Tecnologia Configuração da Política de Estado Gestão Compartilhada MCT/MDIC/MEC/MS/MAPA/MF/M

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

São Paulo, 17 de junho de 2009

São Paulo, 17 de junho de 2009 São Paulo, 17 de junho de 2009 VIII SEMINÁRIO ORGANIZADO PELO COMITÊ DE SAÚDE Tema: "Ambiente de Inovação em Saúde no Brasil" Nos conhecendo... Davi Sales - Engenheiro Eletrônico experiência em interação

Leia mais

Plano Brasil Maior Inovar para competir. Competir para crescer. 2011/2014

Plano Brasil Maior Inovar para competir. Competir para crescer. 2011/2014 II Seminário Brasileiro de Terras-Raras Plano Brasil Maior Inovar para competir. Competir para crescer. 2011/2014 Indústria de Terras Raras no Brasil Proposta de articulação empresarial para integração

Leia mais

graduação administração linha de formação específica análise de sistemas

graduação administração linha de formação específica análise de sistemas graduação administração linha de formação específica análise de sistemas Características gerais O curso de Análise de Sistemas é o ramo da Administração que qualifica o profissional a gerir as organizações,

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO. Modalidade Associada

PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO. Modalidade Associada Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO Modalidade Associada Incubadora Multissetorial de Empresas de Base Tecnológica e Inovação da PUCRS RAIAR

Leia mais

Características gerais

Características gerais Características gerais 9 O curso de Ciências Contábeis prepara o profissional para a gestão da informação empresarial, inserido no contexto das novas tecnologias. A grande ênfase na formação profissional

Leia mais

Programação preliminar

Programação preliminar 22/09 Segunda-feira Programação preliminar Realização: Organizador local: 1 Sumário Mapa da programação... 3 Pré-evento... 4 22/09 Segunda-feira Minicursos... 5 Workshop Anprotec... 7 Atividades com parceiros...

Leia mais

Realização. Apoio. valeitech.d4uweb.com.br

Realização. Apoio. valeitech.d4uweb.com.br Realização Apoio Vale ITech APRESENTAÇÃO O Vale Itech é uma programação de eventos desenvolvido pela D4U WEB uma empresa nascente, constituída no Condomínio Empresarial de TI CETI em Engenheiro Paulo de

Leia mais

Ajudar startups com boas tecnologias a chegarem ao mercado

Ajudar startups com boas tecnologias a chegarem ao mercado DESAFIO Ajudar startups com boas tecnologias a chegarem ao mercado Problema: Grande número de potenciais empreendedores com boas tecnológicas, porém: Sem perfil empreendedor; Com modelagem de negócio errada;

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Plano de Ação 2007-2010 Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Política de Estado Configuração da Política Gestão Compartilhada

Leia mais

Parceria ANPEI e REDETEC

Parceria ANPEI e REDETEC Parceria ANPEI e REDETEC Mecanismos de Apoio para Obtenção de Financiamento para o Desenvolvimento da Propriedade Intelectual no Brasil: Recursos para Inovação Apresentação na REPICT 2013. A Origem do

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de

Leia mais

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Visão Atual e 2021 3º CB APL 29 de novembro de 2007. Brasília - DF 1 CONTEXTO Fórum de Competitividade de Biotecnologia: Política de Desenvolvimento da

Leia mais

Atuação do BNDES no Apoio à Indústria de Equipamentos e Tecnologias para Saúde. Inova Saúde Equipamentos Médicos

Atuação do BNDES no Apoio à Indústria de Equipamentos e Tecnologias para Saúde. Inova Saúde Equipamentos Médicos Atuação do BNDES no Apoio à Indústria de Equipamentos e Tecnologias para Saúde Inova Saúde Equipamentos Médicos Agenda Diagnóstico da Indústria * - Condicionantes e tendências da demanda por saúde - Estrutura

Leia mais

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 Um relatório para o Governo do Estado do Rio Grande Sul (AGDI) e

Leia mais

BIOCANT PARK A NOSSA VISÃO

BIOCANT PARK A NOSSA VISÃO 01 A NOSSA VISÃO O PARQUE DE BIOTECNOLOGIA DE PORTUGAL ESTÁ A CRIAR VALOR PARA A REGIÃO E PARA O PAÍS FOMENTANDO INVESTIMENTOS E INI- CIATIVAS EMPRESARIAIS DE BASE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA. A NOSSA VISÃO

Leia mais

7 Política de investimento direto no Brasil: a internacionalização da economia brasileira

7 Política de investimento direto no Brasil: a internacionalização da economia brasileira 7 Política de investimento direto no Brasil: a internacionalização da economia brasileira Alexandre Petry * A Apex foi criada em 2003, mas funcionava desde 1997 dentro da estrutura do Sebrae. Implementa

Leia mais

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET SOBRE O CURSO Com o crescimento da internet, novos hábitos de consumo e inovadoras formas de negócio surgiram. A sociedade está cada vez mais conectada, acelerando

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Agenda de Políticas para Inovação Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Recursos Humanos para Inovação Horácio Lafer Piva - Klabin A Agenda Promover uma mudança no ensino brasileiro com direcionamento claro

Leia mais

Inovação em fármacos no Brasil. Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009

Inovação em fármacos no Brasil. Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009 Inovação em fármacos no Brasil Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009 Inovação é consenso no Brasil Indústria farmacêutica brasileira investe de forma crescente

Leia mais

Tradicionalmente como surgem? Existem ambientes mais propícios para o nascimento de ideias/projectos inovadores?

Tradicionalmente como surgem? Existem ambientes mais propícios para o nascimento de ideias/projectos inovadores? O que é uma start-up? As empresas que criam modelos de negócio altamente escaláveis, a baixos custos e a partir de ideias inovadoras são normalmente consideradas empresas startups. Concebidas para crescerem

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE Sede Beira, Rua: Correia do Brito, N º 1298, Ponta-Gêa / Telefax N º 843360480

INSTITUTO SUPERIOR CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE Sede Beira, Rua: Correia do Brito, N º 1298, Ponta-Gêa / Telefax N º 843360480 INSTITUTO SUPERIOR CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE Sede, Rua: Correia do Brito, N º 1298, Ponta-Gêa / Telefax N º 843360480 Direcção Académica EDITAL 2015 O Instituto Superior de Ciências e Tecnologia

Leia mais

Programa Complexo Industrial da Saúde

Programa Complexo Industrial da Saúde Programa Complexo Industrial da Saúde Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Setembro/2009 Gestor: Reinaldo Guimarães Cargo: Secretário de Ciência, Tecnologia

Leia mais

Como se insere a Farmacologia?

Como se insere a Farmacologia? Seminário sobre Formação de RH para CT&I: A Formação em Farmácia - Perspectivas e necessidades na área de Medicamentos Novas Drogas e Patentes Como se insere a Farmacologia? Giles Alexander Rae (UFSC)

Leia mais

Forma de coleta e período. Apresentação dos dados. Realização FSB Pesquisa.

Forma de coleta e período. Apresentação dos dados. Realização FSB Pesquisa. Forma de coleta e período Nesta pesquisa exploratória, as entrevistas foram pessoais e telefônicas, tendo sido realizadas entre 25 de novembro de 2014 e 10 de abril de 2015. As entrevistas com os líderes

Leia mais

U S P I n o v a ç ã o

U S P I n o v a ç ã o O contexto Nacional e Estadual em prol da Inovação Autonomia Universitária 3º. 4º. 5º. 24º. 25º. 7º. 8º. 9º. 10º. 23º. 21º. 22º. 1º. 2º. 11º. 12º. 13º. 14º. 15º. 16º. 17º. 18º. 19º. 20º. A USP nesse contexto

Leia mais

O Engenheiro de Controle e Automação é um profissional capacitado para desenvolver soluções que otimizem máquinas, equipamentos e sistemas nas áreas

O Engenheiro de Controle e Automação é um profissional capacitado para desenvolver soluções que otimizem máquinas, equipamentos e sistemas nas áreas O Engenheiro de Controle e Automação é um profissional capacitado para desenvolver soluções que otimizem máquinas, equipamentos e sistemas nas áreas industrial, comercial e agropecuária por meio da aplicação

Leia mais

FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO. Profª Omara Machado Araujo de Oliveira

FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO. Profª Omara Machado Araujo de Oliveira FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO Profª Omara Machado Araujo de Oliveira Nutricionista (UFF) Mestre em Saúde Coletiva (UFF) Pós-Graduada em Nutrição Clínica ( UFF) Surgimento da Nutrição O campo da Nutrição

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Programas para fortalecer a PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS 1 Madeira e Móveis Estratégias: conquista de mercados, focalização, diferenciação e ampliação do acesso Objetivos:

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

Onde os Biomédicos atuam?

Onde os Biomédicos atuam? Onde os Biomédicos atuam? Os profissionais Biomédicos estão distribuídos por todas as esferas científicas públicas e privadas das universidades, faculdades, centros universitários, institutos de pesquisas,

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012)

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) 1. APRESENTAÇÃO O Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio da Secretaria de Ciência, Tecnologia

Leia mais

NOVO MOMENTO PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA

NOVO MOMENTO PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA BRASIL NOVO MOMENTO PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA Newsletter Life Sciences # 07 I Setembro 2011 SAÚDE Mercado em alta no Brasil OPORTUNIDADES Setores mais aquecidos da indústria farmacêutica e hospitalar PROFISSÕES

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES Área de Mercado de Capitais BNDES Desenvolvendo a Governança Corporativa Eduardo Rath Fingerl Diretor 02/06/2006 www.bndes.gov.br 1 de 23 Atuação

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda Tecnológica Setorial ATS 18 de junho de 2013 Sumário PBM e CIS Objetivo da ATS Focos das ATS Roteiro Metodologia para Seleção

Leia mais

Estratégias do CNPq para a Pesquisa e Inovação

Estratégias do CNPq para a Pesquisa e Inovação Estratégias do CNPq para a Pesquisa e Inovação Dr. Glaucius Oliva Presidente CNPq Publicações Matrículas no Ensino Superior Docentes com Doutorado Orçamento - MCTI Orçamento - CNPq Orçamento - Capes Orçamento

Leia mais

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco CNI-MEI São Paulo, 19 de outubro de 2015 Agenda Atuação da BNDESPAR em Capital de Risco Participações diretas Participações por meio de Fundos de

Leia mais

METODOLOGIA INCUBAÇÃO

METODOLOGIA INCUBAÇÃO METODOLOGIA INCUBAÇÃO Incubadora Santos Dumont Programa de Desenvolvimento de Negócios Fundação Parque Tecnológico Itaipu - BR Versão 1/10-Mar-2014 ESTRUTURA 1. Apresentação 2. Estrutura básica do processo

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS BIOTECNOLOGIA

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS BIOTECNOLOGIA Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS BIOTECNOLOGIA Legenda: Branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho =

Leia mais

OS 10 ANOS DE GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Francisco Nunes Navarro Gabriel Gasparini

OS 10 ANOS DE GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Francisco Nunes Navarro Gabriel Gasparini OS 10 ANOS DE GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Francisco Nunes Navarro Gabriel Gasparini Os autores Francisco Nunes Navarro Graduando em Informática Biomédica na Universidade

Leia mais

Tecnologia e Inovação

Tecnologia e Inovação Painel 1 Tecnologia e Inovação Tadeu Pissinati Sant Anna Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2010 Sumário I. Conceitos de Tecnologia e Inovação II. A inovação tecnológica no Brasil I. Conceitos 1) Tecnologia

Leia mais

O QUE SUA EMPRESA PODE FAZER PARA SER MAIS COMPETITIVA?

O QUE SUA EMPRESA PODE FAZER PARA SER MAIS COMPETITIVA? O QUE SUA EMPRESA PODE FAZER PARA SER MAIS COMPETITIVA? O IEL O Instituto Euvaldo Lodi é uma entidade vinculada à CNI - Confederação Nacional da Indústria. Com 101 unidades em 26 estados e no Distrito

Leia mais

Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação

Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação 1. Apresentação Em novembro a comunidade do IFSC Câmpus Canoinhas elegerá seus novos dirigentes: Diretor Geral, Chefe de Departamento de Ensino, Pesquisa e

Leia mais

Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica

Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica Resumo As experiências vivenciadas pela equipe da Accelera IP evidenciam a dificuldade

Leia mais

Orientações para elaboração do Plano de Negócios

Orientações para elaboração do Plano de Negócios Equipamentos Médicos e Tecnologias para a Saúde Orientações para elaboração do Plano de Negócios São Paulo, 19 de agosto de 2013 Agenda Introdução Resultados das Cartas de Manifestação de Interesse Plano

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais