UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdad d Ciências Dpartamnto d Informática XCONNS LIGAÇÕES A PARCEIROS COMERCIAIS Estágio Vítor Manul Prlqus Gibão Mstrado m Engnharia Informática 2008

2

3 UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdad d Ciências Dpartamnto d Informática XCONNS LIGAÇÕES A PARCEIROS COMERCIAIS Estágio Vítor Manul Prlqus Gibão Projcto orintado plo Prof. Dr Paulo Jorg Cunha Vaz Dias Urbano co-orintado por João Paulo Frnands Prira Mstrado m Engnharia Informática 2008

4

5 Rsumo A TIM w.. é uma mprsa multinacional qu tm o su ngócio vocacionado para o ntrtnimnto móvl. Nsta ára é fundamntal tr boas rlaçõs com os opradors móvis, tanto a nívl comrcial como a nívl técnico. XConns, ligaçõs a parciros comrciais, é o tma do projcto, qu tm como principal objctivo stablcr ligaçõs com opradors, sja dircta ou indirctamnt, d modo a fortalcr a posição da mprsa no mrcado dos paíss dsss parciros. Foram ntão scolhidas quatro XConns para st projcto, Purbros para a Itália, Nawras para Omã, Avantis na Polónia OKTO no Brasil. A Purbros é um Brokr com ligaçõs aos maiors opradors d Itália qu usa como protocolo d comunicação o protocolo HTTP. Protocolo usado também pla OKTO um Brokr com ligaçõs aos opradors no Brasil, mas qu nst caso vai sr fita apnas a ligação ao oprador Claro. Nawras é o maior oprador m Omã, o protocolo usado é o SMPP, um protocolo apropriado para st modlo d ngócio. Por fim, a Avantis é um Brokr com ligação a todos os opradors na Polónia. Esta última ligação foi implmntada rcorrndo a RPC (Rmot Procdur Call), mais propriamnt SOAP. Palavras-chav: Entrtnimnto móvl, XConns, HTTP, SMPP, SOAP

6

7 Abstract TIM W.E. is a multinational company that has its businss dvotd to mobil ntrtainmnt. In this ara it is ssntial to hav good rlationships with mobil oprators at both lvls, commrcial and tchnical. XConns, links to businss partnrs, is th projct s thm; th main objctiv is to connct TIM w.. with th oprators, ithr dirctly or indirctly, in ordr to strngthn th company's position in th markt. For this projct wr chosn four XConns, Purbros for Italy, Nawras in Oman, Poland with Avantis and OKTO in Brazil. Purbros is a brokr with partnrship with th major oprators in Italy and thy us HTTP has communication protocol. OKTO is a brokr with connctions to oprators in Brazil, but in this cas will b mad only a connction to th oprator Claro, using also HTTP protocol. Nawras is th largst oprator in Oman, th protocol usd is th SMPP, a simpl mssaging protocol. Finally, Avantis is a brokr with partnrships to all oprators in Poland. This connction was implmntd using th Rmot Procdur Call (RPC), mor spcifically SOAP. Kywords: Mobil ntrtainmnt, XConns, HTTP, SMPP, SOAP

8 Índic 1. Introdução Projcto Mtodologias ) Introdução ) Objctivos ) Mtodologia ) Planamnto Contxto do Projcto ) Introdução ) Srviços a) Srviço d On-shot b) Srviço d Subscrição d txto c) Srviço d Subscrição d contúdos d) Srviço d Mobil Markting ) Arquitctura da Plataforma da TIM w ) Frramntas tcnologia ) XConn ) MG Mssag Gatway a) Tratamnto d um MO b) Tratamnto d um MT Purbros Italia ) Introdução ) Fundamnto Tórico... 28

9 3) Espcificação da Ligação ) Anális ) Dsnho implmntação a) Rcpção d um MO b) Envio d MT Omã Nawras ) Introdução ) Fundamnto Tórico ) Espcificação da ligação ) Anális ) Dsnho Implmntação a) Rcpção d um MO b) Envio d um MT Avantis Polónia ) Introdução ) Fundamnto Tórico ) Espcificação da ligação ) Analysis ) Dsnho implmntação a) Rcpção d um MO b) Envio d um MT OKTO Brasil ) Introdução... 52

10 2) Fundamnto Tórico ) Espcificação da ligação ) Anális ) Dsign and implmntation a) Rcpção d um MO b) Envio d um MT Conclusão... 60

11 Glossário B 2 B B u s i n s s t o B u s i n s s B

12 2 C B u s i n s s t o C u s t o m r B r o k r 1

13 P a r c i r o C o m r c i a l q u t m a c o 2

14 r d o s c o m o p r a d o r s C R M C u s t o m 3

15 r R l a t i o n s h i p M a n a g m n t H T T 4

16 P H y p r T x t T r a n s f r P r o t o c o l 5

17 M O M o b i l O r i g i n a t d M G M s s a 6

18 g G a t w a y M T M o b i l T r m i n a t 7

19 d S M P P S h o r t M s s a g P r - t o - p 8

20 r P r o t o c o l V A F V r t i c a l A p p l 9

21 i c a t i o n F r a m w o r k W A P W i r l s 10

22 s A p p l i c a t i o n P r o t o c o l W E B W o 11

23 r d W i d W b W b S r v i c s A x i 12

24 s S o l u ç ã o u t i l i z a d a n a i n t g r a ç 13

25 ã o d s i s t m a s n a c o m u n i c a ç ã o 14

26 n t r a p l i c a ç õ s d i f r n t s 15

27 16

28 Lista d Figuras Figura 1 Plataforma da TIM w.. 29 Figura 2 Estrutura bas d uma XConn 31 Figura 3 Diagrama d squência da rcpção d um MO 33 Figura 4 Diagrama d squência do nvio d um MT 34 Figura 5 Diagrama d squência da rcpção d uma notificação 35 Figur 6 Cabçalho HTTP 42 Figura 7 XConn Purbros (rcpção d um MO) 45 Figur 8 Diagrama d squência da rcpção d um MO 46 Figura 9 Diagrama d classs do nvio d um MT 47 Figur 10 Diagrama d Squência do nvio d um MT com o nvio da Authorization 48 Figura 11 Diagrama d Squência do nvio d um MT com o nvio da Provision 49 Figura 12 Diagrama d Squência do nvio d um MT com o nvio da Dactivation 50 Figura 13 Diagrama d classs da rcpção d um MO 54 Figura 14 Diagrama d squência da rcpção d um MO 55 Figura 15 Diagrama d classs do nvio d um MT 56 Figura 16 Diagrama d Squência do nvio d um MT 57 Figur 17 SOAP XML xampl 59 Figura 18 Diagrama d classs da rcpção d um MO 61 Figur 19 Diagrama d squência da rcpção d um MO 62 Figura 20 Diagrama d classs do nvio d um MT 63 Figura 21 Diagrama d Squência do nvio d um MT 64 Figura 22 Cabçalho HTTP 66 Figura 23 Diagrama d classs da rcpção d um MO 69 Figura 24 Diagrama d squência da rcpção d um MO 70 Figura 25 Diagrama d classs do nvio d um MT 71 Figura 26 Diagrama d Squência do nvio d um MT 72

29 Lista d Tablas Tabla 1 planamnto inicial do Projcto 20 Tabla 2 planamnto do Projcto 23 Tabla 3 Tabla Srvic 36 Tabla 4 Tabla Srvicrcption 37 Tabla 5 Tabla Drum 38 Tabla 6 Tabla Rcqdf 38 Tabla 7 Tabla XConn 40

30 1. Introdução No âmbito do Projcto m Engnharia Informática da Faculdad d Ciências da Univrsidad d Lisboa, para o Mstrado m Engnharia Informática, foi dsnvolvido st rlatório, constituído com informação rcolhida ao longo do projcto. As principais finalidads dst projcto foram a aquisição d conhcimntos técnicos/cintíficos mais aprofundados [1], a intgração no mundo d trabalho, a aplicação prática das mtodologias aprndidas na faculdad o dsnvolvimnto da capacidad d comunicação m grupos d trabalho, com parciros com clints, concluindo dst modo, a formação m Engnharia Informática, tal como foi dfinido plo Dpartamnto d Informática da Faculdad d Ciências da Univrsidad d Lisboa. Est projcto tv a duração d 9 mss qu foram divididos por fass postriormnt idntificadas dvidamnt calndarizadas no capítulo Planamnto (página. 16). Todas as fass do projcto dcorrram na mprsa d acolhimnto, TIM w.., Nw Mdia Entrtainmnt, uma mprsa Portugusa, qu actua na ára d contúdos d ntrtnimnto móvl. A TIM w.. é uma mprsa multinacional, com a sd m Lisboa com scritórios na América do Sul, Estados Unidos da América, Europa, Médio Orint África. Actua na ára do ntrtnimnto móvl, apostando fortmnt na xpansão a nívl mundial tm acordos comrciais m todos os continnts. Tm como parciros comrciais mais d 200 opradors d todo o mundo, ntr os quais s dstacam os portuguss TMN Optimus os intrnacionais Vodafon, T- Mobil, Tl2, Wind, Orang, ntr outros, atingindo crca d 2 biliõs d utilizadors d dispositivos móvis com produtos dos sus próprios canais d vnda [1]. A ára d ngócio ond a mprsa actua é o ntrtnimnto móvl, ond o forncimnto d contúdos para dispositivos móvis, tais como wallpaprs, toqus, jogos, 1

31 ntr outros, foi a bas da mprsa. Um dos objctivos é fazr parcrias com mprsas para a implmntação gstão d sits WAP, as parcrias com os mios d comunicação social, tais como canais d tlvisão, para a implmntação gstão d jogos d ntrtnimnto, ntr outros. O projcto m qu stou insrido ngloba-s na plataforma da TIM w.. dnomina-s Módulo XConns, mais spcificamnt na Ligação a Parciros Comrciais, qu consistm m mprsas com ligaçõs a opradors d tlcomunicaçõs móvis ou aos próprios opradors. O objctivo dst projcto é stablcr ntr os parciros comrciais da TIM w.. da plataforma da mprsa, protocolos d comunicação, obdcndo aos códigos d conduta d cada país do oprador móvl. Os sistmas htrogénos são muito comuns nos nossos dias, isso cria um problma quando duas mprsas têm a ncssidad d comunicar. Por isso, ants d xcutar qualqur possívl parcria, as mprsas prcisam d dsnvolvr protocolos sistmas para qu possam comunicar ntr si. Para a TIM w.. um sócio comrcial podria sr um oprador móvl, como a Vodafon, Optimus ou TMN, ou uma mprsa qu já tm acordos com os opradors móvis ou forncdors d contúdos. O prsnt rlatório foi struturado sgundo as orintaçõs do dpartamnto d Informática da Faculdad d Ciências, divididos m alguns capítulos. O próximo capítulo aprsnta o tma os objctivos do projcto, bm como a utilidad para a socidad a mtodologia utilizada na xcução do projcto, bm como o planamnto fito no início do projcto [2]. O trciro capítulo aprsnta uma visão gral do projcto, mostrando os srviços qu dvm sr suportados nas conxõs com os parciros as APIs qu vão sr utilizadas, qual a abordagm qu dv sr fita para o projcto, sguindo a mtodologia dfinida plo dpartamnto d IT da TIM w... Os capítulos sguints mostram m pormnor o qu foi fito durant st projcto, rfrindo as frramntas a documntação utilizada para ajudar na xcução do trabalho. Est é o principal ponto do documnto ond é dscrito todas as fass, anális, implmntaçõs tsts qu foram fitos para o projcto. O projcto foi dividido m 2

32 quatro parts, cada uma rprsntará uma ligação a um parciro comrcial, dst modo, st documnto trá um capítulo para cada XConn, Purbros Itália, Nawras Oman, Polónia Avantis OKTO Brasil. Em cada um dos capítulos dst. A conclusão dst rlatório, contm uma auto-avaliação, uma corrlação ntr o inicio dst projcto a sua conclusão, como algumas sugstõs para mlhorar o trabalho futuro na mprsa no Mstrado m Engnharia Informática da Faculdad d Ciências da Univrsidad d Lisboa. 3

33 2. Projcto Mtodologias 1) Introdução Est projcto foi dfinido tndo m conta a complxidad d qu um projcto m Engnharia Informática a xigência qu a TIM w.. tm nos sus projctos. Assim, st capítulo, xplicará os objctivos do projcto, rssaltando a importância dst trabalho para a mprsa, mas não mnosprzando a aquisição d novos conhcimntos m novos protocolos d comunicaçõs, a mlhoria das minhas habilidads m idntificar analisar difrnts situaçõs. Encontrar as mlhors soluçõs, tndo m conta prazos, acrscnta assim uma vrtnt d rsponsabilidad a st projcto. 2) Objctivos Est projcto tv três factors prpondrants, a scolha d um projcto qu prnchss os rquisitos da Univrsidad, o sgundo, a implmntação d algum srviço ou mcanismo qu colmatass as ncssidads da mprsa por fim, qu foss algo aliciant a nívl pssoal. O principal objctivo dst projcto para a Univrsidad ra o aprofundar d conhcimntos técnico/cintíficos [2], a intgração no mundo do trabalho, a aplicação prática dos métodos aprndidos na faculdad no aprfiçoamnto da comunicação das rlaçõs com parciros com clints, concluindo qu manira, a formação m Engnharia Informática, tal como dfinido plo Dpartamnto d Informática. A TIM w.. é uma mprsa multinacional oprando m todos os continnts, a sua filosofia é o crscimnto a nívl mundial. A mta da mprsa não é sr o númro um num país na sua ára d ngócio, mas sim trabalhar no maior númro d paíss. Esta stratégia basia-s num objctivo, qu passa por s conctar com os maiors opradors do mundo, tndo assim, uma maior ofrta d srviços, m spcial os srviços d Mobil Markting. Por xmplo, s uma mprsa como a McDonalds prtnd fazr um anúncio 4

34 publicitário na Pnínsula Ibérica através d dispositivos móvis, a TIM w.. podria prstar ss srviço, pois stá ligado a todos os opradors móvis na rgião. Ants da parcria com Purbros Itália, a mprsa não possuia srviços m Itália. As lis italianas os códigos d conduta dos opradors são muito complxas, logo qualqur projcto com st país prssupõ um sforço acima do normal. Omã é um país do Médio Orint, como m qualqur país do Médio Orint as xigências dos opradors são lvadas, o qu significa qu as rstriçõs para a xcução dos srviços são grands. O Nawras é o oprador qu lidra o mrcado móvl no país, assim, d um ponto d vista comrcial sta é um parciro muito important. Há dois anos atrás a TIM w.. tntou ntrar no mrcado polaco, mas as lis não prmitam alguns tipos d srviços, como por xmplo, srviços d subscrição. No momnto m qu as lis mudaram, sndo a Polónia um dos paíss com mais população na Europa, sta passou a sr uma prioridad. A grand dificuldad ncontrava-s na inflxibilidad dos opradors na complxidad da ligação qu apsar da mudança das lis do país, não acompanharam ss procsso, o qu dificultou todo o procsso d intgração. O Brasil, sndo um dos paíss do mundo com uma maior margm d progrssão, é um dos paíss com mais rlvância para a mprsa. Criou-s ntão uma norm xpctativa sobr st país, bm como um aumnto d invstimnto por part da mprsa. O lvado númro d habitants, bm como o tamanho do Brasil, as spcificidads das opradoras a possibilidad da concrtização d vários projctos, tornam o Brasil num grand dsafio ond as dificuldads não s podm sobrpor às oportunidads d ngócio. A complxidad rsponsabilidad dst projcto fizram qu u próprio dfiniss objctivos pssoais, bm como, adquirir xpriência m planamnto, anális, aprofundar conhcimntos técnicos mlhorar as minhas capacidads d comunicação. É important também não dixar d aprndr novas mtodologias d trabalho novas frramntas. 5

35 3) Mtodologia Dada a singularidad do projcto, a mtodologia qu foi scolhida para o dsnvolvr foi o Modlo Espiral. O objctivo do modlo spiral é provr um modlo qu pod acomodar divrsos procssos spcíficos. Isto significa qu podmos ncaixar nl as principais caractrísticas d outros modlos, adaptando-os a ncssidads spcíficas dos programadors ou às particularidads do softwar a sr dsnvolvido. Est modlo prvê prototipagm, dsnvolvimnto volutivo cíclico, as principais actividads do modlo cascata. Sua principal inovação é conduzir o procsso d dsnvolvimnto grado a partir dst modlo com bas m anális d riscos planamnto qu é ralizado durant toda a volução do dsnvolvimnto. [3] Esta scolha dv-s à ncssidad d ajustar as ligaçõs a parciros com o tipo d srviço qu prtnd prstar. Uma ligação pod tr d sr adaptada ao longo do tmpo dado o tipo d srviço prstado, dvido ao plano d ngócios dfinido. Est pod mudar dvido às rstriçõs do parciro, às mudanças nas lis comrciais do país ou a mudança d stratégia d ngócios. Assim, o Modlo Espiral prova sr o mais adquado, porqu s trata d um modlo intractivo, incrmntal qu tnd a sr prmissivo para mudanças d fundo. Est modlo prmit também qu os srviços possam sr disponibilizados para clints parciros indpndntmnt uns dos outros. Apsar dsts factors qu influnciaram a scolha da mtodologia, durant o príodo d anális é important qu uma ligação sja o mais flxívl para pudr suportar os divrsos tipos d srviços. 6

36 4) Planamnto No primiro rlatório foi aprsntado o sguint planamnto: Data d Inicio Dscrição Duração 30/0707 Intgração na mprsa na quipa formação. (Dscrito no Capítulo 3. Intgração na TIM w..) 10/09/07 Implmntação d pqunos srviços, d modo a pôr m prática a formação dada, tr um maior conhcimnto da arquitctura do sistma comprndr os mcanismos d implmntação lógica d cada srviço. 22/10/07 Formação spcífica m XConns, m protocolos HTTP, SMPP Wb Srvics Axis acompanhamnto d algumas implmntaçõs d XConns ralizadas por outros colgas. 27/11/07 Anális da documntação forncida pla PurBros Itália, anális d compatibilidad das plataformas. 30 dias 30 dias 25 dias 5 dias 04/12/07 Anális d riscos dsnho da XConn à PurBros Itália. 5 dias 12/12/07 Implmntação da XConn à PurBros Itália. 8 dias 02/01/08 Tsts da XConn à PurBros Itália com a PurBros. (Tsts d PING-PONG) 04/01/08 Anális da documntação forncida plo oprador d Oman Nawras anális d compatibilidad das plataformas. 2 dias 5 dias 10/01/08 Anális d riscos dsnho da XConn Nawras. 6 dias 7

37 18/01/08 Implmntação da XConn Nawras. 10 dias 31/01/08 Tsts da XConn Nawras com o oprador. (Tsts d PING-PONG) 04/02/08 Anális com o oprador Nawras para a implmntação do Srviço d Subscrição 11/02/08 Anális d riscos dsnho da XConn Nawras com as spcificidads do Srviço d Subscrição 12/02/08 Implmntação da XConn Nawras com as spcificidads do Srviço d Subscrição 18/02/08 Tsts do Srviço d Subscrição com a XConn Nawras (Tsts m ambint d tsts) 21/02/08 Tsts do Srviço d Subscrição com a XConn Nawras (Tsts m ambint d produção) lançamnto do Srviço 25/02/08 Anális com o Brokr PurBros para a implmntação do Srviço d Ral Tim SMS Cálcio 03/03/08 Anális d riscos dsnho da XConn PurBros Itália com as spcificidads do Srviço d Ral Tim SMS Cálcio 04/03/08 Implmntação da XConn PurBros Itália com as spcificidads do Srviço d Ral Tim SMS Calcio 10/03/08 Tsts do Srviço d Ral Tim SMS Calcio com a XConn PurBros Itália (Tsts m ambint d tsts) 12/03/08 Tsts do Srviço d Ral Tim SMS Calcio com a XConn PurBros Itália (Tsts m ambint d produção) 2 dias 4 dias 1 dia 4 dias 3 dias 1 dia 6 dias 1 dia 4 dias 2 dias 1 dia 8

38 lançamnto do Srviço 13/03/08 Anális da documntação forncida pla Avantis Polónia anális d compatibilidad das plataformas. 4 dias 18/03/08 Anális d riscos dsnho da XConn à Avantis Polónia. 2 dias 20/03/08 Implmntação da XConn à Avantis Polónia. 3 dias 26/01/08 Tsts da XConn à Avantis Polónia com a Avantis. (Tsts d PING-PONG) 27/03/08 Anális com o Brokr Avantis para a implmntação do Srviço d Subscrição Wb 01/04/08 Anális d riscos dsnho da XConn Avantis Polónia às spcificidads do Srviço d Subscrição Wb 02/04/08 Implmntação da XConn Avantis Polónia com as spcificidads do Srviço d Subscrição Wb 07/04/08 Tsts do Srviço d Subscrição Wb com a XConn Avantis Polónia (Tsts m ambint d tsts) 09/04/08 Tsts do Srviço d Subscrição Wb com a XConn Avantis Polónia (Tsts m ambint d produção) lançamnto do Srviço 1 dia 3 dias 1 dia 3 dias 2 dias 1 dia 10/04/08 Elaboração final do rlatório d stágio 14 dias Tabla 1 planamnto inicial do Projcto [4] Durant a xcução do projcto foram fitas algumas mudanças a st plano. As altraçõs ao inicial dvram-s à mudança d stratégia da mprsa, com bas no su plano d ngócio. O srviço Calcio mnsagns m tmpo-ral não foi implmntado, comrcialmnt st módulo foi substituído por uma nova conxão para o Brasil. Com ssa mudança, a conxão para Avantis Polónia foi antcipada a nívl tmporal foi 9

39 criada para o Brasil a conxão com o Brokr OKTO com a opradora Claro. Com sts novos dados, o planamnto final ficou como dscrito na Tabla 2: Data d Inicio Dscrição Duração 30/0707 Intgração na mprsa na quipa formação. 30 dias 10/09/07 Implmntação d pqunos srviços, d modo a pôr m prática a formação dada, tr um maior conhcimnto da arquitctura do sistma comprndr os mcanismos d implmntação lógica d cada srviço. 22/10/07 Formação spcífica m XConns, m protocolos HTTP, SMPP Wb Srvics Axis acompanhamnto d algumas implmntaçõs d XConns ralizadas por outros colgas. 27/11/07 Anális da documntação forncida pla PurBros Itália, anális d compatibilidad das plataformas. 30 dias 25 dias 5 dias 04/12/07 Anális d riscos dsnho da XConn à PurBros Itália. 5 dias 12/12/07 Implmntação da XConn à PurBros Itália. 8 dias 02/01/08 Tsts da XConn à PurBros Itália com a PurBros, no ambint d dsnvolvimnto produção. Lançamnto do srviço. 04/01/08 Anális da documntação forncida plo oprador d Oman Nawras anális d compatibilidad das plataformas. 2 dias 5 dias 10/01/08 Anális d riscos dsnho da XConn Nawras. 6 dias 18/01/08 Implmntação da XConn Nawras. 10 dias 10

40 31/01/08 Tsts da XConn Nawras com o oprador. 2 dias 04/02/08 Anális com o oprador Nawras para a implmntação do Srviço d Subscrição 11/02/08 Anális d riscos dsnho da XConn Nawras com as spcificidads do Srviço d Subscrição 12/02/08 Implmntação da XConn Nawras com as spcificidads do Srviço d Subscrição 18/02/08 Tsts do Srviço d Subscrição com a XConn Nawras (Tsts m ambint d tsts) 21/02/08 Tsts do Srviço d Subscrição com a XConn Nawras (Tsts m ambint d produção) lançamnto do Srviço 25/02/08 Anális da documntação forncida pla Avantis Polónia anális d compatibilidad das plataformas. 4 dias 1 dia 4 dias 3 dias 1 dia 4 dias 01/03/08 Anális d riscos dsnho da XConn à Avantis Polónia. 2 dias 03/03/08 Implmntação da XConn à Avantis Polónia. 3 dias 06/03/08 Tsts da XConn à Avantis Polónia com a Avantis. (Tsts m ambint d tsts) 07/03/08 Anális com o Brokr Avantis para a implmntação do Srviço d Subscrição Wb 12/03/08 Anális d riscos dsnho da XConn Avantis Polónia às spcificidads do Srviço d Subscrição Wb 13/03/08 Implmntação da XConn Avantis Polónia com as spcificidads do Srviço d Subscrição Wb 1 dia 3 dias 1 dia 3 dias 17/03/08 Tsts do Srviço d Subscrição Wb com a XConn 2 dias 11

41 Avantis Polónia (Tsts m ambint d tsts) 20/03/08 Tsts do Srviço d Subscrição Wb com a XConn Avantis Polónia (Tsts m ambint d produção) lançamnto do Srviço 21/03/08 Anális da documntação forncida plo Brokr OKTO para o Brasil anális da compatibilidad ntr as plataformas. Anális da migração d clints. 1 dia 7 dias 30/03/08 Anális d riscos dsnho da XConn Brokr OKTO 5 dias 04/04/08 Implmntação da XConn Brokr OKTO. 8 dias 13/04/08 Migração dos srviços implmntação dos scripts d migração dos clints 15/08/04 Tsts d srviços migração d clints XConn Brokr OKTO (Tsts m ambint d tsts) 17/04/08 Tsts d srviços migração d clints XConn Brokr OKTO (Tsts m ambint d produção) tsts d homologação por part do oprador Claro 19/04/08 Migração dos clints para a nova ligação ao Brokr OKTO. 21/04/08 Ralização do rlatório final do projcto, usando todas os dados adquiridos durant a implmntação do msmo 2 dias 1 dia 2 dias 1 dia 14 dias Tabla 2 planamnto do Projcto 12

42 3. Contxto do Projcto 1) Introdução A TIM W.E. é uma grand mprsa qu basia a sua actividad nos modlos d ngócio B2C (modlo d ngócio orintado dirctamnt ao consumidor) B2B (modlo d ngócio orintado a outras mprsas) na ára do ntrtnimnto móvl, para isso, a conxão com todos os opradors d um país é a chav para o sucsso da mprsa. Existm duas maniras d s conctar com opradors, a primira quanto a nívl comrcial financiro é possívl s conctar dirctamnt com a opradora, nsta prspctiva fazr um acordo com o oprador, sm uma trcira part. A outra forma é quando não é possívl s conctar dirctamnt com os opradors. Quando isso acontc é ncssário fazr acordos com uma trcira part, dnominada d Brokr, qu são as mprsas qu já stão conctados com opradoras qu fazm do su modlo d ngócio sta pont ntr as opradoras os provdors d contúdos. Em ambas as situaçõs xist vantagns dsvantagns. Quando for fazr uma ligação dircta com um oprador do ponto d vista financiro é normalmnt mais favorávl, mas a complxidad técnica é maior. Ao msmo tmpo, o controlo técnico dos srviços é muito maior. Quando a ligação é fita através d um Brokr, financiramnt não é tão favorávl, a rcita tm d sr dividido m três parts, mas normalmnt uma ligação com um Brokr rduz a complxidad técnica, bm como torna a ligação a mais do qu uma opradora transparnt para a TIM w.., dado qu normalmnt todas as spcificidads das opradoras são gridas plo Brokr. Por xmplo, num país com três opradors, tal como Portugal, s a ligação stá dirctamnt com o oprador, é ncssário dispor d três difrnts conxõs, cada uma com a sua spcificidad. Mas s la for fita através d um parciro, qu possuía acordos comrciais com as opradoras, para as mprsas qu usarm sta mprsa como Brokr stas spcificidads dvm d sr transparnts. 13

43 2) Srviços A TIM w.. ofrc a clints parciros comrciais um grand númro d srviços. Para cada srviço podrá xistir um ou mais clubs, qu é um subconjunto d um srviço, por xmplo, num Srviço d Subscrição d Contúdos, um club qu podria sr um subsrviço qu ofrc contúdo spcífico, isto significa, qu um srviço é um grupo d clubs. Cada Srviço tm as suas spcificidads as ligaçõs dvm suportar todos os tipos d srviços: a) Srviço d On-shot Não há nnhuma assinatura associada a st tipo d srviço. O clint nvia uma kyword para obtr o contúdo ou uma lista d contúdos. Est srviço pod sr alcançado m duas modalidads, WAP SMS. O mcanismo basado m SMS, também chamado d MOB, ond o clint é cobrado quando o MO é nviado, rcbndo m sguida, um ou mais MTS ond um dls é um WAP PUSH ond o clint faz download do contúdo dsjado. O mcanismo basado m WAP é normalmnt utilizado quando xist publicidad m sits WAP, por xmplo, na página inicial do sit WAP d um oprador. Lá o clint pod acdr ao sit WAP da TIM w.. por um link, o clint pod scolhr os contúdos qu dsja. Dsta forma, a cobrança é fita ants qu o clint faça o download do contúdo. b) Srviço d Subscrição d txto Nst modlo o objctivo é fidlizar o clint a um club qu lh prmitirá rcbr diariamnt contúdos d txto. O procsso d inscrição pod sr fita através d SMS, WAP ou WEB. Est tipo d srviço tm dois concitos importants, srviço d activação dsactivação, qu dpndm das lgislaçõs dos paíss os códigos d conduta dos opradors. A activação do srviço podria sr por OptIn, doubl OptIn ou tripl OptIn. O OptIn xig qu o clint, por xmplo, por SMS, nvi um MO para uma LA com uma kyword o srviço fica activo. Doubl ou tripl significa o númro d confirmaçõs ncssárias para considrar o clint activo no srviço. O srviço d 14

44 dsactivação pod sr OptOut, doubl OptOut ou tripl OptOut, qu funciona como o mcanismo d OptIn. O mcanismo basado m WEB xig smpr doubl OptIn, o clint ntra num sit ond coloca o su númro d tlmóvl, m sguida, rcb m su tlmóvl um MT com uma snha qu dv sr colocada na Wb sit. Assim o clint fica subscrito no srviço. O mcanismo basado m WAP é parcido com o srviço d on-shot basado m WAP, a única difrnça rsid m qu quando o clint faz o primiro download fica subscrito no srviço. c) Srviço d Subscrição d contúdos Nst modlo o clint fica fidlizado a um club qu lh prmitirá rcbr smanalmnt ou mnsalmnt contúdos. Est modlo é m tudo smlhant com o modlo d subscrição d txto. d) Srviço d Mobil Markting Est srviço é normalmnt um srviço B2B. Quando uma mprsa contacta o TIM w.. para fazr uma campanha publicitária através d SMS. 15

45 3) Arquitctura da Plataforma da TIM w.. Figura 1 Plataforma da TIM w.. A Figura 1 ilustra o fluxo ntr um parciro a Plataforma da TIM w.. como s pod vrificar, stá dividida m cinco módulos, XConns, MG, VAF, Srviços TIM w.. CRM. A intracção dos Srviços TIM w.. têm como ponto d partida o nvio d uma SMS, composta por uma palavra ou fras pré-dfinida dnominada por Kyword, para um númro dnominado short cod ou LA, por part d um clint, qu s dnomina por MO, Mobil Originatd. O MO passa pla plataforma do oprador s o parciro 16

46 comrcial da TIM w.. for o oprador ntão o MO é rncaminhado para a Plataforma TIM w.., mas s o parciro comrcial for um Brokr, ntão o MO passará primiro pla sua plataforma só dpois para a Plataforma TIM w... Na Plataforma TIM w.., após tr passado plo módulo XConns, o MO é tratado no MG, Mssag Gatway, ond é idntificada sua origm. No módulo VAF, Vrtical Application Framwork, o srviço é spcificado é criado um pdido a partir do MO para o msmo srviço. Dpndndo do Srviço, é ralizada a lógica associada a st, é forncida a informação sobr o clint o srviço, ao CRM, Customr Rlationship Managmnt. No Srviço, é grada uma SMS, o MT, Mobil Trminatd, qu através do módulo MG, é idntificado o su dstino rncaminhado para a Xconn rspctiva o MT é ntrgu ao parciro comrcial. [5] 4) Frramntas tcnologia O projcto srá implmntado na linguagm orintada a objctos Java. Para a gstão d dados srá utilizada uma bas d dados Oracl. A Plataforma TIM w.., é composta por um conjunto d srvidors, com o sistma oprativo Linux, qu disponibilizam como srviços Wb, o Apach Tomcat Apach Axis. As frramntas a usar são: - Eclips Editor d Java. - SQL Dvlopr Clint Oracl para SQL - Putty Shll SSH (para acsso aos srvidors) - WinSCP Clint SFTP (para acsso aos srvidors) - Salsforc Aplicação d CRM - JtSpd Simulador d nvio rcpção d SMS - NEO Admin Aplicação Wb d gstão d srviços - Opn Wav Simulador d Tlmóvis 17

47 5) XConn XConns é o módulo composto por um conjunto d XConns, dfinidas por parciro comrcial qu têm como função a rcpção nvio d informação ntr a Plataforma TIM w.. as plataformas dos opradors brokrs. Est módulo é orintado a cada parciro, dvido à htrognidad das plataformas dsts. A sua bas são protocolos d comunicação, protocolos sts qu variam d parciro para parciro consoant a sua spcificidad. As ligaçõs podm tr spcificidads difrnts, por contingências das lis do país m qustão ou por particularidads do srviço a qu s dstina. Os protocolos d comunicação podm sr HTTP, SMPP, Wb Srvics Axis, protocolos propritários dos parciros, ntr outros. Nos casos das ligaçõs a implmntar, a XConn Purbros Itália srá m HTTP, a XConn Nawras d Oman srá m SMPP a XConn Avantis Polónia srá m Wb Srvics Axis. Figura 2 Estrutura bas d uma XConn Na Figura 2 stá rprsntado um modlo comum d XConn. Uma XConn tm três componnts bas, podndo dada a sua spcificação tr mais componnts, XConnIn, XConnOut Notif. O XConnIn é rsponsávl pla rcpção dos MOs, transformando-os indpndntmnt do protocolo d comunicação usado formato, 18

48 num MO standard da Plataforma TIM w.., para st último sr tratado plo MG. O XConnOut transforma um MT da plataforma, num MT qu stja d acordo com o protocolo dfinido com o parciro comrcial. O Notif é o componnt rsponsávl pla rcpção das notificaçõs d ntrga dos MTs ao clint. As spcificidads dos três componnts são à priori dfinidas plos parciros comrciais, podndo sr também muitas vzs adaptadas às ncssidads do srviço, criando-s assim um protocolo acordado ntr os TIs rsponsávis d ambas as parts. 19

49 6) MG Mssag Gatway O módulo MG é a rfrência da XConn, os principais componnts utilizados na XConn são os módulos do MG. Por isso é important, no primiro ponto, comprndr como funciona quais as frramntas qu o MG fornc ao módulo XConn, qual a forma corrcta d o fazr, sparando a rcpção d um MO do nvio d um MT. a) Tratamnto d um MO Figura 3 Diagrama d squência da rcpção d um MO A figura 3 rprsnta o fluxo d um MO comça com na XConnIn indpndnt do protocolo utilizado, m qu todos os dados são tratados analisados para um tipo XConnRcSMS. Est tipo é rconhcido plo SMSRcivr. O SMSRcivr é o rsponsávl por passar os dados para ncontrar o srviço, dando a xconnky, origm, dstino mnsagm, o SrvicRcption tm d idntificar qual o srviço a qu o MO prtnc rtorna o srvicid, qu idntifica um srviço. Em sguida, o MO é insrido no RcSMS, ficando com um valor único qu é o idntificador do MO (moid). Para o 20

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO N o 001 - EMBRATEL 1. APLICAÇÃO Est Plano d Srviço ofrc ao usuário do Srviço d Tlfonia Fixa Comutada, a possibilidad d

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

Empresa Elétrica Bragantina S.A

Empresa Elétrica Bragantina S.A Emprsa Elétrica Bragantina S.A Programa Anual d Psquisa Dsnvolvimnto - P&D Ciclo 2006-2007 COMUNICADO 002/2007 A Emprsa Elétrica Bragantina S.A, concssionária d srviço público d distribuição d nrgia létrica,

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais d Contas Sistma d Informação do Técnico Oficial d Contas IAS 24 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 24 Divulgaçõs d Parts Rlacionadas ÍNDICE Parágrafos Objctivo

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

A Certificação de Qualidade na Área dos Seguros. Sandra Santos - ADQ-Ok! TeleSeguro Certificação de Qualidade na Área de Seguros

A Certificação de Qualidade na Área dos Seguros. Sandra Santos - ADQ-Ok! TeleSeguro Certificação de Qualidade na Área de Seguros A Crtificação d Qualidad na Ára d Sgur Importância da difrnciação pla Qualidad do Srviço/ Produto Principal Canal Canal d d Distribuição Tlfon Intrnt Má Má imagm d d Call Call Cntrs Dificuldad m m difrnciar

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES Rodrigo Sousa Frrira 1, João Paulo Viira Bonifácio 1, Daian Rznd Carrijo 1, Marcos Frnando Mnzs Villa 1, Clarissa Valadars Machado 1, Sbastião Camargo

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG.

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG. Atituds Sociolinguísticas m cidads d frontira: o caso d Brnardo d Irigoyn. Célia Niscoriuk Grad/UEPG. Valska Gracioso Carlos UEPG. 1. Introdução: O Brasil Argntina fazm frontira m crca d 1240 km dsd sua

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emrson Marcos Furtado Mstr m Métodos Numéricos pla Univrsidad Fdral do Paraná (UFPR). Graduado m Matmática pla UFPR. Profssor do Ensino Médio nos stados do Paraná Santa Catarina dsd 1992. Profssor do Curso

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 2º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

Análise da Melhor Tecnologia para a Implementação de um Editor Diagramático Avançado

Análise da Melhor Tecnologia para a Implementação de um Editor Diagramático Avançado Anális da Mlhor Tcnologia para a Implmntação d um Editor Diagramático Avançado Pdro Portilha Braga, Dpartamnto d Informática Univrsidad do Minho, Portugal portilha@gmail.com Abstract. Kywords: Diagramas,

Leia mais

Employer Branding. José Bancaleiro Managing Partner da Stanton Chase international

Employer Branding. José Bancaleiro Managing Partner da Stanton Chase international Employr Branding José Bancaliro Managing Partnr da Stanton Chas intrnational Num mundo marcado pla globalização, a complxidad a comptitividad no qual o talnto humano s transformou no principal factor d

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 17 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 17 Locaçõs ÍNDICE Parágrafos Objctivo 1 Âmbito 2-3 Dfiniçõs 4-6 Classificação d locaçõs 7-19 Locaçõs nas dmonstraçõs financiras d locatários 20-35 Locaçõs

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal Procdimnto m duas tapas para o agrupamnto d dados d xprssão gênica tmporal Moysés Nascimnto Fabyano Fonsca Silva Thlma Sáfadi Ana Carolina Campana Nascimnto Introdução Uma das abordagns mais importants

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO PARA FINS DE CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO E AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015 Aprsntação Institucional Estratégia Março 2015 História História A Dot.Lib é uma mprsa brasilira dicada à dissminação da informação cintífica através do acsso onlin a livros digitais, priódicos ltrônicos

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 3º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA Márcio Botlho da Fonsca Lima Luiz Buno da Silva Rsumo: Est artigo tm o objtivo d xpor a rlvância do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS DE CURSOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS ESTRANGEIROS DE ENSINO, PELO INSITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA- IFB. 1. DA ABERTURA 1.1

Leia mais

Experimente. espacoprofessor.pt. espacoprofessor.pt. Manual. Manual. e-manual. e-manual

Experimente. espacoprofessor.pt. espacoprofessor.pt. Manual. Manual. e-manual. e-manual Química Química A A Química 0. ano Química 0. ano Manual Manual Cadrno Laboratório + Guia Cadrno dd Laboratório + Guia dodo (ofrta aluno) (ofrta ao ao aluno) À Prova Exam À Prova dd Exam Cadrno Atividads

Leia mais

Planificação das Actividades Eixo I PROPORCIONAR AOS IDOSOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA INCLUINDO MEDIDAS DE COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL

Planificação das Actividades Eixo I PROPORCIONAR AOS IDOSOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA INCLUINDO MEDIDAS DE COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL PLANO DE ACÇÃO O Plano acção é um documnto anual ond s idntificam os projctos intrvnçõs prvistas para cada ano, dvidamnt nquadradas nas stratégias dfinidas m Plano d Dsnvolvimnto Social. No sgundo PDS,

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha Esta é uma Mdida só para 2012, ou vai continuar? Não stá prvisto na lgislação um príodo d vigência. Uma ntidad mprgadora com mnos d cinco (5) trabalhadors pod candidatar s ao Estímulo 2012? Sim. Nst caso,

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL Nº 14/2011 PRAC SELEÇÃO PÚBLICA A Pró-Ritoria Acadêmica da Univrsidad Católica d Plotas torna pública a abrtura d SELEÇÃO DOCENTE, como sgu:

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01 1 APROVAÇÃO DO DOCUMENTO Rsponsávl plo Procsso Validação Função Nom Razão para a nova vrsão Coord. CTCO José Pirs dos Ris Não - vrsão inicial Pró-Prsidnt para a Qualidad João Lal Aprovação Prsidnt IPBja

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO

POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Catya Marqus Agostinho

Leia mais

Senado Federal maio/2008

Senado Federal maio/2008 Audiência Pública PL 213/2007 Difrnciação d Prços nas Vndas com Cartõs d Crédito José Antonio Marciano Brasília Snado Fdral maio/2008 1 Rgra d Não Sobr-pr prço - Dfinição Rgra contratual imposta plas socidads

Leia mais

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo Stmbro 2015 Est documnto prtnd dar a conhcr a todos os intrvnints no procsso ducativo os critérios d avaliação, rsptivas prcntagns, a qu os alunos do Agrupamnto

Leia mais

GroupLife da ebaotech. e melhor serviço ao cliente. O GroupLife cobre o ciclo de vida completo das operações de

GroupLife da ebaotech. e melhor serviço ao cliente. O GroupLife cobre o ciclo de vida completo das operações de Dfinição Atndimnto Manual Clint Inscrição Faturamnto Configuração Tratado Intgração Dados/ Entrpris Srvics Bus (ESB) Colocação mais rápida produtos no mrcado mlhor srviço ao clint Tabla Dstaqus Técnicos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS Encontro Intrnacional d Produção Cintífica Csumar 23 a 26 d outubro d 2007 OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS Adriana Carla d Souza Maldonado 1 ; Ludhiana

Leia mais

Cleide Ane Barbosa da Cruz 1, Lângesson Lopes da Silva 2

Cleide Ane Barbosa da Cruz 1, Lângesson Lopes da Silva 2 MARKETING DIGITAL: MARKETING PARA O NOVO MILÊNIO Cli An Barbosa da Cruz 1, Lângsson Lops da Silva 2 O prsnt artigo busca analisar o markting digital, como um lmnto difusor da intração ntr clints organizaçõs,

Leia mais

II Seminário NEPPAS: Caminhos e olhares da agroecologia nos sertões de Pernambuco Normas para envio de trabalho

II Seminário NEPPAS: Caminhos e olhares da agroecologia nos sertões de Pernambuco Normas para envio de trabalho II Sminário NEPPAS: Caminhos olhars da agrocologia nos srtõs d Prnambuco Normas para nvio d trabalho Srra Talhada, 26,27 28 d abril d 2012 Espaço Roda Mundo - Rodas d convrsas, rlatos trocas d xpriência

Leia mais

Distinguir os diversos tipos de memórias

Distinguir os diversos tipos de memórias AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO DE SANTARÉM Escola Básica 2,3 Pdro Santarém TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Ano lctivo 2010/2011 3º CICLO - CEF Planificação Anual Unidas Contúdos Objctivos Actividas/

Leia mais

A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tema

A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tema A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tma O ciclo mnstrual tm a missão d prparar o organismo para consguir uma gravidz com êxito. O 1º dia d mnstruação corrspond ao 1º dia do ciclo mnstrual. Habitualmnt,

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO (Duração: 90 minutos + 30 minutos d tolrância) HISTÓRIA B 10º ANO (Cursos Cintífico-Humanísticos Dcrto-Li

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES ETREMOS DA MÁIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ Mauro Mndonça da Silva Mstrando UFAL Mació - AL -mail: mmds@ccn.ufal.br Ant Rika Tshima Gonçalvs UFPA Blém-PA -mail:

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

Pequenas organizações de TI

Pequenas organizações de TI { ISO m foco Pqunas organizaçõs d TI Aprovitando os bnfícios das normas d ngnharia d softwar sistmas Por Claud Y. Laport, Normand Séguin, Gisl Villas Boas Sanyakorn Buasung A capacidad das organizaçõs

Leia mais

República de Moçambique Ministério dos Transportes e Comunicações Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique

República de Moçambique Ministério dos Transportes e Comunicações Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique Rpública d Moçambiqu Ministério dos Transports Comunicaçõs Instituto Nacional das Comunicaçõs d Moçambiqu PROPOSTA DA ESTRATÉGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR POSTAL Junho, 2014 V-1ÍNDICE Abrviaturas...5

Leia mais

SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO

SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO E L U C I D Á R I O do SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO (Principais Qustõs, Esclarcimntos Rspostas) 1. O qu é o SIM Sistma d Imposto Mínimo? É uma nova forma d pagar IRPS ou IRPC a qu passam a ficar obrigados

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo.

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo. Atualiza o Manual d Instruçõs Grais (MIG) Cadastro. A Dirtoria Excutiva da Confdração Nacional das Cooprativas do Sicoob Ltda. Sicoob Confdração, com fulcro no art. 58 do Estatuto Social, basado na strutura

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

A FALHA NÃO É UMA OPÇÃO

A FALHA NÃO É UMA OPÇÃO FLH NÃO É UM OPÇÃO José Wagnr Braidotti Junior (1) Rsumo prssão por mlhors indicadors d produtividad, disponibilidad confiabilidad nas organizaçõs tm aumntado a cada ano, tornando os divrsos procssos d

Leia mais

Manual do Usuário KP1510

Manual do Usuário KP1510 Manual do Usuário KP1510 Kypass Tcnologia Ltda. www.kypass.com.br 2 ÍNDICE 1. Primiros passos... 4 1.1 Considraçõs iniciais... 4 1.2 Espcificaçõs técnicas... 5 1.3 Utilização do snsor biométrico... 6 1.4

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica CONTROLE DIGITAL

Departamento de Engenharia Elétrica CONTROLE DIGITAL Dpartamnto d Engnharia Elétrica CONTROLE DIGITAL PROF. DR. EDVALDO ASSUNÇÃO Univrsidad Estadual Paulista UNESP Faculdad d Engnharia d Ilha Soltira FEIS Dpartamnto d Engnharia Elétrica DEE -03- Sumário

Leia mais

PROPOSTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EDITORA E GRÁFICA ODORIZZI LTDA

PROPOSTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EDITORA E GRÁFICA ODORIZZI LTDA PROPOSTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EDITORA E GRÁFICA ODORIZZI LTDA Mirian Magnus Machado 1 Jocaffi Albino Brda 2 RESUMO A organização Editora Gráfica Odorizzi Ltda, apsar d star a um longo tmpo

Leia mais

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

3 Aritmética Computacional

3 Aritmética Computacional 33 3 Aritmética Computacional 3. Introdução Quando s utiliza um qualqur instrumnto d trabalho para ralizar uma tarfa dv-s tr um conhcimnto profundo do su modo d funcionamnto, das suas capacidads das suas

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE

PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europu PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE FORMULÁRIO DE CANDIDATURA A prnchr plo IEFP, I. P. IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Cntro d Emprgo Data d Rcpção - - Númro do Procsso

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

PROF. MATEUS CONRAD BARCELLOS DA COSTA TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AVANÇADA. [ Serra, ES ] [ 2008 ]

PROF. MATEUS CONRAD BARCELLOS DA COSTA TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AVANÇADA. [ Serra, ES ] [ 2008 ] PROF. MATEUS CONRAD BARCELLOS DA COSTA TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AVANÇADA [ Srra, ES ] [ 2008 ] Rfrências utilizadas na laboração dst matrial Olá, Aluno(a)! 1. LISKOV B. Data Abstraction and Hiararchy. In

Leia mais

Um Agente SNMP para Monitoração do Tempo de Resposta de Interações de Protocolos

Um Agente SNMP para Monitoração do Tempo de Resposta de Interações de Protocolos Um Agnt SNMP para Monitoração do Tmpo d Rsposta d Intraçõs d Protocolos Luciano Paschoal Gaspary, Edrson Cantrl Cntro d Ciências Exatas Tcnológicas Univrsidad do Val do Rio dos Sinos Av. Unisinos 950 93022-000

Leia mais

EFA NÍVEL BÁSICO MÓDULO IV OBJECTIVO GERAL: OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUA DE FORMADORES E MEDIADORES DE CURSOS EFA

EFA NÍVEL BÁSICO MÓDULO IV OBJECTIVO GERAL: OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUA DE FORMADORES E MEDIADORES DE CURSOS EFA CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUA DE FORMADORES E MEDIADORES DE CURSOS EFA MÓDULO IV CARACTERÍSTICAS DOS CURSOS EFA OBJECTIVO GERAL: Conhcr o modlo d funcionamnto dos Cursos EFA - comptências d xcução, acompanhamnto,

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO A TOPOLOGIA

UMA INTRODUÇÃO A TOPOLOGIA Encontro d Ensino, Psquisa Extnsão, Prsidnt Prudnt, 0 a 3 d outubro, 014 0 UMA INTRODUÇÃO A TOPOLOGIA TÍTULO DO TRABALHO EM INGLES Mário Márcio dos Santos Palhars 1, Antonio Carlos Tamarozzi² Univrsidad

Leia mais

Pragmática intercultural e entoação: os enunciados interrogativos (perguntas) em português e em espanhol

Pragmática intercultural e entoação: os enunciados interrogativos (perguntas) em português e em espanhol Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL Pragmática intrcultural ntoação: os nunciados intrrogativos (prguntas) m português m spanhol Lticia Rbollo Couto (UFRJ) 1 Natalia dos Santos

Leia mais

Tabela de Tarifas. Pessoa Física. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br

Tabela de Tarifas. Pessoa Física. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br Tabla d Tarifas Pssoa Física Divulgada m 01/08/013 Vigência a partir d: 01/09/013 Rlação dos srviços tarifados rspctivos valors vignts. Os valors máximos foram stablcidos pla Cooprativa, obsrvada a rsolução

Leia mais