DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL"

Transcrição

1 CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COMISSÃO ESPECIAL - PEC 575-A/98- ILHAS OCEÂNICAS EVENTO: Reunião de Instalação N : 0665/02 DATA: 19/06/02 INÍCIO: 16h17min TÉRMINO: 17h06min DURAÇÃO: 49min TEMPO DE GRAVAÇÃO: 50min PÁGINAS: 13 QUARTOS: 10 REVISÃO: Eliana SUPERVISÃO: Gilza CONCATENAÇÃO: Gilza DEPOENTE/CONVIDADO - QUALIFICAÇÃO SUMÁRIO: Instalação da Comissão e eleição do Presidente e dos Vice-Presidentes. OBSERVAÇÕES

2 O SR. PRESIDENTE (Deputado Pedro Fernandes) Havendo número regimental, declaro abertos os trabalhos da presente reunião, convocada para a instalação da Comissão de Ilhas Oceânicas e eleição do Presidente e dos Vice- Presidentes. Na forma do art. 39, 4º, do Regimento Interno, compete-me assumir a Presidência dos trabalhos. Esclareço aos nobres pares que esta Comissão é composta de 34 Deputados, conforme ato da Presidência, que passo a ler: Nos termos do art. 202, 2º, e art. 33, 1º, todos do Regimento Interno, esta Presidência decide criar Comissão Especial destinada a proferir parecer à Proposta da Emenda à Constituição nº 575-A, de 1998, do Sr. Deputado Edison Andrino, que altera os incisos IV do art. 20 e II e IV do art. 26 da Constituição Federal, constituída de 31 membros, acrescido de mais um, destinado a rodízio entre os partidos não contemplados. Brasília, 26 de setembro de Deputado Aécio Neves, Presidente. Ato da Presidência. Em aditamento ao Ato da Presidência datado de 26 de setembro de 2001, esta Presidência decide alterar para 33, acrescido de mais um, destinado a rodízio entre os partidos não contemplados, o número de membros da 1

3 Comissão Especial destinada a proferir parecer à Proposta de Emenda à Constituição nº 575-A, de 1998, do Sr. Deputado Edison Andrino, que altera os incisos IV do art. 20 e II e IV do art. 26 da Constituição Federal excluir dos bens da União ou dos Estados as ilhas oceânicas e as costeiras que integram o território de Município. Brasília, 7 de maio de O quorum exigido para a eleição dos cargos desta Comissão é de 18 Deputados, maioria absoluta. Peço a compreensão dos Srs. Deputados para que permaneçam no recinto até o término desta reunião. Antes de iniciar o processo de votação, desejo ainda esclarecer a V.Exas. que, por acordo das Lideranças, encontram-se sobre a mesa cédulas com a seguinte chapa: para Presidente, Deputado Nilo Coelho, indicado pelo PSDB; para 1º Vice-Presidente, Deputado Paulo Gouvêa, indicado pelo PFL; para 2º Vice- Presidente, Deputado Carlito Merss, indicado pelo PT; para 3º Vice-Presidente, Deputado Themístocles Sampaio, indicado pelo PMDB. Ainda há cédulas em branco para Presidente e Vice-Presidente, caso a escolha não recaia nos nomes indicados. À medida que forem sendo chamados os Srs. Deputados, depois que assinarem a folha de votação, e de posse da sobrecarta, devem dirigir-se ao local de votação e selecionar a cédula, colocando-a no mesmo envelope que será depositado na urna. 2

4 Convido o Deputado Edison Andrino para auxiliar a Presidência nos trabalhos durante o processo de votação. Solicito a S.Exa. que proceda à chamada dos membros titulares e, em seguida, dos membros suplentes, até que se complete o número da referida bancada. O SR. DEPUTADO EDISON ANDRINO Membros do PFL: Deputado Marcelo Teixeira. (Pausa.) Deputado Carlito Merss. (Pausa.) Deputado Gervásio Silva. (Pausa.) Deputado Eduardo Paes. (Pausa.) Deputado José Carlos Fonseca Jr. (Pausa.) Deputado Paulo Gouvêa. (Pausa.) Deputado Pedro Fernandes. (Pausa.) Deputado Santos Filho. (Pausa.) Os suplentes ficam para o final. PSDB: Deputado Alexandre Santos. (Pausa.) Deputado Nilo Coelho. (Pausa.) Deputado Paulo Feijó. (Pausa.) Deputado Ricardo Rique. (Pausa.) Deputado Salvador Zimbaldi. (Pausa.) PMDB: Deputado Vicente Caropreso. (Pausa.) Deputado Edison Andrino. (Pausa). Deputado Iédio Rosa. (Pausa.) 3

5 Deputado Gustavo Fruet. (Pausa.) Deputado Marcelo Teixeira. (Pausa.) Deputado Osmar Serraglio. (Pausa.) Deputado Renato Vianna. (Pausa.) Deputado Themístocles Sampaio. (Pausa.) PT: Deputado Carlito Merss. (Pausa.) Deputado Fernando Gabeira. (Pausa.) Deputado Jaques Wagner. (Pausa.) Deputado Luciano Zica. (Pausa.) PPB: Deputado Eni Voltolini. (Pausa.) Deputado João Pizzolatti. (Pausa.) Deputado Leodergar Tiscoski. (Pausa.) PTB: Deputado Ary Kara. (Pausa.) Deputado Fernando Gonçalves. (Pausa.) Bloco Parlamentar PDT/PPS: Deputado Fernando Coruja. (Pausa.) Deputado João Herrmann Neto. (Pausa.) Bloco Parlamentar PL/PSL: Deputado Ronaldo Vasconcellos. (Pausa.) Deputado Valdeci Paiva. (Pausa.) Bloco Parlamentar PSB/PCdoB: 4

6 Deputada Socorro Gomes. (Pausa.) PHS: Deputado Darcísio Perondi. (Pausa.) Deputado Eni Voltolini. (Pausa.) Deputado Gustavo Fruet. (Pausa.) O SR. PRESIDENTE (Deputado Pedro Fernandes) - Está encerrada a votação. Solicito ao Deputado Edison Andrino, que está auxiliando a Presidência, que verifique se o número de sobrecartas coincide com o número de votantes. (Pausa.) Informo que o número de sobrecartas coincide com o número de votantes. Passa-se à apuração dos votos. Solicito ao Deputado Edison Andrino que proceda à contagem dos votos. (Processo de apuração.) Está encerrada a apuração. Vou proclamar o resultado. Para Presidente, Deputado Nilo Coelho, vinte votos; nulo, um voto. Para 1º Vice-Presidente, Deputado Paulo Gouvêa, vinte votos; nulo, um voto. Para 2º Vice-Presidente, Deputado Carlito Merss, vinte votos; nulo, um voto. Para 3º Vice-Presidente, Deputado Themístocles Sampaio, vinte votos; nulo, um voto. Declaro empossados os eleitos e convido o Deputado Nilo Coelho para assumir a Presidência da Comissão, desejando-lhe boa sorte. O SR. PRESIDENTE (Deputado Nilo Coelho) - Sras. e Srs. Deputados, tenho a satisfação de convidar o 1º Vice-Presidente eleito, Deputado Paulo Gouvêa; o 2º Vice-Presidente, Deputado Carlito Merss, e o 3º Vice-Presidente, Deputado 5

7 Themístocles Sampaio, para comporem a Mesa e assumirem, respectivamente, as 1ª, 2ª e 3ª Vice-Presidências da Comissão. (Pausa.) A Proposta de Emenda à Constituição nº 575, de 1988, de autoria do Deputado Edison Andrino, reveste-se da maior importância, porque trata de fatos já existentes e que, naturalmente, precisam ser regularizados. Pela Constituição, as ilhas oceânicas devem pertencer a particulares ou ao Estado. Porém, grande parte delas pertencem e são administradas pelos Municípios. Esta PEC legalizará essa situação. A PEC teve parecer favorável na Comissão de Constituição e Justiça e de Redação e agora vamos, nesta Comissão Especial, dar prosseguimento à discussão e conseqüente aprovação para que seja remetida ao plenário. Nos termos do art. 41 do Regimento Interno, designo para a relatoria desta Comissão o Deputado Eni Voltolini, a quem convido a participar da Mesa e ao mesmo tempo concedo a palavra. O SR. DEPUTADO ENI VOLTOLINI - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, neste momento quero somente registrar publicamente o reconhecimento ao meu partido, o PPB, pela indicação do meu nome e agradecer a confiança em mim depositada. Vou procurar honrá-la, assim como a todos os Srs. Parlamentares que integram esta Comissão, fazendo o que acredito saber fazer: trabalhar. Vou dedicarme com todo o afinco e espero contar com V.Exa., o Sr. Presidente da Comissão, para orientar-me, já que sou Deputado de primeiro mandato. Com toda certeza, a somatória do esforço de todos nós produzirá um bom resultado em forma de relatório para resolver definitivamente esse enfrentamento jurídico e legal, que é a 6

8 distinção entre ilha costeira, ilha oceânica, domínio da União, não-domínio da União, que tem causado vários problemas a tantos brasileiros. Faço especial registro sobre a perseverança do Deputado Edison Andrino. Desde que apresentou a matéria, em 1998, amparando-se no Regimento Interno e no seu convencimento, S.Exa. trabalha pela instalação desta Comissão, o que se concretiza hoje. Certamente, esse pertinaz trabalho do Deputado Edison Andrino transformarse-á em realidade constitucional, e para todos nós, catarinenses e brasileiros, será para sempre objeto de reconhecimento. Com a ajuda de Deus e com o nosso trabalho, encaminharemos brevemente uma proposta clara e possível, que mostra a maneira de tratar essas questões. Sr. Presidente, encerro minha manifestação dizendo que pretendo, juntamente com V.Exa., organizar a metodologia para as próximas reuniões e apresentar uma proposta básica para enfrentarmos as fases seguintes. Sei, no entanto, que teremos nos próximos meses dificuldade de logística para poder prosperar nas tratativas que envolvem a aglutinação dos Parlamentares. Mas tão logo essa fase seja encerrada daremos mais celeridade aos trabalhos, para que quem sabe?, ainda neste ano, possamos apresentar um anteprojeto, o esboço do relatório, a ser submetido à análise dos Srs. Parlamentares. O SR. PRESIDENTE (Deputado Nilo Coelho) Comunico aos Srs. Deputados que, de acordo com Regimento Interno desta Casa, terá início, a partir de amanhã, o prazo de recebimento de emendas por dez sessões. 7

9 Esclareço que as emendas deverão ser apresentadas com quorum mínimo de um terço de assinaturas de Deputados, ou seja, 171 assinaturas. As emendas deverão ser apresentadas em quatro vias: uma original e três cópias. Solicitamos que o texto de emenda seja entregue devidamente autenticado, conforme determinação expressa do Ato da Mesa nº 40/00. O prazo para exame do mérito da proposição é de quarenta sessões a partir da constituição da Comissão. Conta-se o prazo pelo número de sessões ordinárias realizadas na Câmara. Concedo a palavra ao autor do projeto, Deputado Edison Andrino. O SR. DEPUTADO EDISON ANDRINO - Em primeiro lugar, cumprimento todos os Deputados que demonstraram especial atenção a esta PEC, particularmente o Deputado Nilo Coelho, que, com persistência e companheirismo, esteve presente no sentido de dar quorum desde a primeira vez que tentamos instalar a Comissão. Cumprimento também o Deputado Pedro Fernandes, que dirigiu os trabalhos na composição da Diretoria desta PEC, e todos os Deputados de Santa Catarina, em nome da Deputada Lidia Quinan, que se encontra presente. Esta PEC é de grande importância para quem habita algum Município sediado em alguma ilha. Durante a elaboração da Constituição, os Constituintes não fizeram distinção entre ilha oceânica, que fica perdida no meio do oceano, e ilha que tem ligação com o continente e é sede de algum Município, como é o caso das Ilhas de São Luís do Maranhão; de Vitória do Espírito Santo; de Santa Catarina; do Marajó; de São Francisco, situada perto da cidade do Relator. Esta emenda à Constituição vai resolver de modo histórico problemas de propriedade de quem mora em Municípios localizados em ilhas. Vejam V.Exas. que 8

10 quem não possui escritura pública do seu terreno não pode fazer empreendimento, não pode dar seu imóvel como garantia para poder construir, ou seja, é dono de fato, mas não de direito, porque não possui escritura pública, devidamente registrada em cartório, do seu imóvel. Recentemente, em 1998, o Governo encaminhou a esta Casa medida provisória em que o Congresso autorizava o Poder Executivo a alienar todos os imóveis da União no Brasil. Conseqüentemente estavam incluídos terrenos da Marinha e os que se encontram localizados em ilhas que são sede de Município. Para que V.Exa. tenha uma idéia, Deputado Nilo Coelho, 70% dos imóveis localizados no interior da Ilha de Santa Catarina não possuem escritura pública. Hoje, não se pode fazer loteamento nessas áreas porque não há escritura pública a Prefeitura não faz desmembramento de área se a pessoa não a possuir. Conseqüentemente, a maioria das construções situadas no interior da Ilha de Santa Catarina são clandestinas. Como a Prefeitura recentemente baixou norma de não fazer ligação de luz, de água e obras estruturais nesses loteamentos, essas cidades vivem situação de grande transtorno e inconveniência. Por isso, esta emenda constitucional resolverá historicamente os problemas dos proprietários de imóveis situados em ilhas que sediam algum Município. Ela foi elaborada com a participação da Ordem dos Advogados de Santa Catarina. O Presidente do Tribunal de Justiça teve nela efetiva participação, assim como uma série de entidades civis e políticas da Capital do Estado. Por isso, creio que, se aprovada tenho certeza de que esta Comissão haverá de tratá-la com muito zelo e carinho, estaremos resolvendo problema criado pelos Constituintes em

11 Muito obrigado. O SR. DEPUTADO PEDRO FERNANDES Sr. Presidente, peço a palavra pela ordem. O SR. PRESIDENTE (Deputado Nilo Coelho) Tem V.Exa. a palavra. O SR. DEPUTADO PEDRO FERNANDES Sr. Presidente, parabenizo o Deputado Edison Andrino pela proposta. Sou de São Luís, capital do Maranhão, situado na Ilha de São Luís, onde se encontram mais três Municípios. Por isso temos problemas seriíssimos, primeiramente porque as Prefeituras, com a Lei de Responsabilidade Fiscal, são obrigadas a lançar os impostos e a cobrar IPTU. Ao mesmo tempo, a União cobra o foro, mas não tem nenhuma obrigação com urbanização e não é solicitada para nada. Precisamos dar celeridade a este projeto, porque estaremos resolvendo, somente na Ilha de São Luís, o problema de mais de 1 milhão de pessoas envolvidas nesta questão. Quero terminar, parabenizando, mais uma vez, o Deputado Edison Andrino. O SR. DEPUTADO PAULO GOUVÊA Sr. Presidente, pela ordem. Em nome da bancada do PFL, primeiramente, parabenizo o Deputado Edison Andrino pela proposta. Sou seu conterrâneo, catarinense como S.Exa., e testemunha da aflição que se instalou em Santa Catarina quando do anúncio da venda dos imóveis por parte da União. Até então havia um certo desconforto em relação a essa situação jurídica, mas não havia tensão. Porém, agora, com a perspectiva de venda dos imóveis, há o medo de a pessoa que pagou por um imóvel e já tem sua posse ter de comprá-lo mais uma vez, desta vez da União. O imóvel é de sua propriedade, embora não tenha sua escritura! Realmente instalou-se o pânico em parte da população. 10

12 Santa Catarina tem duas ilhas completamente urbanizadas. Uma S.Exa. mencionou com mais ênfase, até por ser a Capital do Estado, Florianópolis, da qual foi Prefeito e onde reside: a Ilha de Santa Catarina. Imaginem se, de repente, na Ilha de Santa Catarina, sede da capital do Estado, os imóveis apartamentos, casas, entre outros não pertencessem às pessoas que os compraram. Realmente seria uma situação completamente estranha. A segunda ilha é a de São Francisco, no litoral norte, onde se situa a cidade de São Francisco do Sul. É a cidade mais antiga de Santa Catarina e uma das quatro ou cinco mais antigas do Brasil. Vai completar 500 anos daqui a três anos, ou seja, estará comemorando a mesma idade do Brasil. A decisão de aprovar emenda constitucional, de autoria do Deputado Edison Andrino, é um dever de consciência para quem é da Ilha de São Luís, que sedia a capital do Estado de São Luís do Maranhão; da Ilha de Vitória e outras. Não há dúvida alguma. É questão do mais elementar bom senso pôr ordem jurídica nessa situação, excetuada a regra geral que as ilhas oceânicas são de propriedade da União. Evidentemente, isso deve referir-se às ilhas oceânicas propriamente ditas, afastadas da costa, não urbanizadas. Nesse caso, sim, são patrimônio da União e devem ser cuidadas por ela. Mas não aquelas próximas à costa e urbanizadas, com Municípios instalados no seu interior. Parabenizo o Deputado Edison Andrino e congratulo-me com o Deputado Nilo Coelho, Presidente da nossa Comissão, e os demais membros, manifestando ainda o meu prazer de conviver como 1º Vice-Presidente na direção desta Comissão Especial. Faço votos de que possamos dar celeridade à aprovação desta PEC, apesar das dificuldades naturais do ano eleitoral, como disse o eminente Relator. 11

13 Seguramente o relatório está nas melhores mãos: o Relator, Deputado Eni Voltolini, muito inteligente e competente. Estou certo de que, antes do final deste ano, poderemos ter o relatório pronto e aprovado. Quem sabe até poderemos levar ao Plenário o resultado do nosso trabalho? Muito obrigado, Sr. Presidente. O SR. PRESIDENTE (Deputado Nilo Coelho) Esclareço que esta Presidência se empenhará totalmente para que o projeto seja concluído o mais rapidamente possível. Sabemos das dificuldades que vamos enfrentar com a proximidade das eleições, mas quero, junto com o autor do projeto, Deputado Edison Andrino, o Deputado Paulo Gouvêa e demais integrantes fazer uma programação de forma a encaminharmos o projeto o mais breve possível. Sabemos que devem existir grandes dificuldades com a Lei de Responsabilidade Fiscal. Como os Municípios aplicam recursos num terreno que oficialmente não é deles? Estou consciente dessa importância e quero agir dentro de um consenso nesta Comissão, para que os trabalhos, repito, possam ser concluídos rapidamente. O SR. DEPUTADO PAULO GOUVÊA - Sr. Presidente, peço licença para propor para agosto, após o recesso, a realização de audiência pública em Santa Catarina, Estado em que se encontram duas ilhas: uma, sede da Capital, outra, a mais antiga cidade do Estado. Convido todos os membros desta Comissão para irem ao nosso Estado, a fim de realizarmos ampla audiência pública para tratar desse assunto. Obrigado. O SR. PRESIDENTE (Deputado Nilo Coelho) Caso os Srs. Deputados queiram sugerir nomes para ouvirmos em audiência pública, deverão apresentar 12

14 requerimento por escrito, apresentando-o à Secretaria da Comissão, com antecedência que permita sua publicação na Ordem do Dia das Comissões. Quanto à sugestão do nosso Vice-Presidente, não poderíamos fazer uma audiência pública, mas, talvez, uma visita. Não sei se essa visita contaria como sessão. Como Santa Catarina está à frente desse projeto, creio que poderíamos visitá-la, para que, com a participação de alguns segmentos da sociedade e da OAB, haja subsídios para o Relator. Posteriormente, se fosse o caso, poderíamos visitar São Luís. Srs. Deputados, dia 7 de agosto nos reuniremos aqui ou em Santa Catarina visita? O SR. DEPUTADO PAULO GOUVÊA Não sei se essa é uma questão regimental. Não sendo oficialmente uma audiência pública, não sei se os nomes que participarão desta visita têm de ser submetidos à Comissão. Em caso afirmativo, seria bom realizarmos a reunião do dia 7 de agosto nesta Casa, para primeiramente aprovarmos os nomes. Posteriormente, faremos reunião em Florianópolis. O SR. PRESIDENTE (Deputado Nilo Coelho) Fica convocada a reunião para o dia 7 de agosto, quando todos os membros sugerirão nomes para participarem da reunião em Florianópolis. Em seguida decidiremos o dia. Nesse tempo, pedirei ao autor do projeto, ao Relator e aos demais Deputados de Santa Catarina que junto conosco organizem a reunião naquele Estado. Não havendo mais quem queira fazer uso da palavra, convoco para o dia 7 de agosto, às 14h30min, nossa próxima reunião. Está encerrada a reunião. 13

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COMISSÃO ESPECIAL - PL 2186/96 - ASBESTO E AMIANTO EVENTO: Reunião ordinária N : 000955/01 DATA:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COMISSÃO ESPECIAL - PL 203/91 - POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS EVENTO: Reunião Ordinária N : 000638/01

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO TRANSCRIÇÃO IPSIS VERBIS CPI - SIVAM EVENTO: Reunião Ordinária N : 0454/02 DATA: 21/05/02

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM COMISSÃO ESPECIAL PEC 151-A/95-SEGURANÇA PÚBLICA EVENTO : Reunião ordinária Nº: 0341/00 DATA: 25/04/00 INÍCIO: 15h10min

Leia mais

Manual de Convenção. Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado.

Manual de Convenção. Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado. Manual de Convenção Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado. Seis meses antes da Convenção Data limite de filiação para votar e ser votado nas Convenções Municipais.

Leia mais

Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior

Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior Teste 1 1. ( ) É competência da Mesa da Câmara dos Deputados a decisão de reunião dessa Casa fora do Palácio do Congresso Nacional,

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 1, DE 2002-CN(*)

R E S O L U Ç Ã O Nº 1, DE 2002-CN(*) REPUBLICAÇÃO ATOS DO CONGRESSO NACIONAL R E S O L U Ç Ã O Nº 1, DE 2002-CN(*) Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ramez Tebet, Presidente do Senado Federal, nos termos do parágrafo único

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011)

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) I - Das disposições gerais II - Do processo eleitoral A) Da eleição para a Diretoria e o Conselho Fiscal B) Da eleição para o Conselho de Ética

Leia mais

SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS

SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS ABERTURA Pessoa da cooperativa que não fará parte da mesa verifica o número de associados presentes certificando o quorum

Leia mais

SUMÁRIO CONVENÇÕES MUNICIPAIS DE 2015 INSTRUÇÕES

SUMÁRIO CONVENÇÕES MUNICIPAIS DE 2015 INSTRUÇÕES SUMÁRIO CONVENÇÕES MUNICIPAIS DE 2015 INSTRUÇÕES Calendário da Convenção... 07 Diretórios que poderão realizar Convenção... 09 Filiados que participarão da Convenção... 09 Podem compor a chapa para o Diretório...

Leia mais

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA RESOLUÇÃO CNE Nº 01/2008, REPUBLICADA (*), DE 07/07/2008 Artigo 1º Este Regimento Interno contém as normas que regulam o funcionamento

Leia mais

Seção II Das Reuniões Art. 2 O Parlamento Jovem Brasileiro reunir-se-á em período legislativo único, no segundo semestre de cada ano.

Seção II Das Reuniões Art. 2 O Parlamento Jovem Brasileiro reunir-se-á em período legislativo único, no segundo semestre de cada ano. PARLAMENTO JOVEM BRASILEIRO Módulo 2 - Parlamento Jovem Brasileiro Saiba Mais Anexo I ao Ato da Mesa n 49/04 Câmara dos Deputados Regimento Interno do Parlamento Jovem Brasileiro CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 Dispõe sobre a criação de Comissão de Ética de Enfermagem Institucional. CONSIDERANDO o disposto no artigo 8º, I, da Lei 5.905/73, que possibilita ao COFEN aprovar seu regimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES DE SOJA E MILHO DO ESTADO DE MATO GROSSO

ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES DE SOJA E MILHO DO ESTADO DE MATO GROSSO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES DE SOJA E MILHO DO ESTADO DE MATO GROSSO CAPÍTULO VI Do Procedimento Eleitoral Da Eleição da Diretoria Art. 21 O processo eleitoral inicia-se no mês de julho

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL TRANSCRIÇÃO IPSIS VERBIS

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL TRANSCRIÇÃO IPSIS VERBIS CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO TRANSCRIÇÃO IPSIS VERBIS CPI - GRUPOS DE EXTERMÍNIO NO NORDESTE EVENTO: Reunião ordinária

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS DO

Leia mais

Ata da Vigésima Sessão Ordinária da Câmara Municipal de São Pedro de Alcântara/SC. Segundo Período Legislativo da Quinta Legislatura.

Ata da Vigésima Sessão Ordinária da Câmara Municipal de São Pedro de Alcântara/SC. Segundo Período Legislativo da Quinta Legislatura. Ata da Vigésima Sessão Ordinária da Câmara Municipal de São Pedro de Alcântara/SC. Segundo Período Legislativo da Quinta Legislatura. Aos vinte e cinco dias do mês de agosto do ano de dois mil e catorze,

Leia mais

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira ÍNDICE

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira ÍNDICE ÍNDICE Artigo 1.... 4 Finalidades... 4 Artigo 2.... 4 Composição... 4 Artigo 3.... 4 Competências do Conselho Geral... 4 Artigo 4º... 5 Duração do Mandato... 5 Artigo 5º... 5 Perda do Mandato... 5 Artigo

Leia mais

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem:

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem: Regimento Interno Objeto Composição e Competência Presidência Reuniões Ordem dos Trabalhos Disposições Gerais Capítulo I Objeto Art. 1.º - Em cumprimento ao Estatuto Social da Associação dos Funcionários

Leia mais

Nome: Comissão Especial - Reforma Política Número: 0095/03 Data: 12/03/03

Nome: Comissão Especial - Reforma Política Número: 0095/03 Data: 12/03/03 CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COMISSÃO ESPECIAL - REFORMA POLÍTICA EVENTO: Reunião Ordinária N : 0095/03 DATA: 12/03/03

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO SESSÃO: 237.2.54.O DATA: 04/09/12 TURNO: Noturno TIPO DA SESSÃO: Extraordinária - CD LOCAL: Plenário Principal - CD INÍCIO: 21h11min TÉRMINO: 21h21min DISCURSOS

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI- possui atribuições de caráter propositivo

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

CAPÍTULO I. Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições

CAPÍTULO I. Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições REGIMENTO INTERNO - ANTIGO CAPÍTULO I Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições Art. 1º O Conselho Municipal de Educação de Concórdia (CME), órgão deliberativo e consultivo da Administração no setor

Leia mais

Constituição da CIPA: 5.2. Devem constituir CIPA, por estabelecimento...

Constituição da CIPA: 5.2. Devem constituir CIPA, por estabelecimento... 1 Modelos de Documentos para a constituição da CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - Data: 02/01/2006. Realização: Gerência de Políticas de Prevenção e Saúde Ocupacional Objetivos da CIPA:

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre DECRETO Nº 17.301, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova o Regimento Interno do Fórum Municipal dos Conselhos da Cidade (FMCC). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES 1 REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES Art. 1º O Colégio de Presidentes das Subseções é órgão de Consulta, Sugestões e de Recomendações ao Conselho

Leia mais

Modelo de Implantação da CIPA

Modelo de Implantação da CIPA PROCEDIMENTOS PARA ELEIÇÃO É de responsabilidade do empregador convocar eleições para escolha dos representantes dos empregados na CIPA, no prazo mínimo de 60 dias antes do término do mandato em curso.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO TÉCNICO

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE INFORMÁTICA NATAL, 08.07.2005 BOLETIM OFICIAL 2222 ANO XVI SEXTA-FEIRA

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE INFORMÁTICA NATAL, 08.07.2005 BOLETIM OFICIAL 2222 ANO XVI SEXTA-FEIRA A MESA DIRETORA Deputado ROBINSON FARIA PRESIDENTE Deputada LARISSA ROSADO 1 VICE-PRESIDENTE Deputado RICARDO MOTTA 1 SECRETÁRIO Deputado ALEXANDRE CAVALCANTI 3 SECRETÁRIO Deputado VIVALDO COSTA 2 VICE-PRESIDENTE

Leia mais

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Capítulo I Da denominação, da sede, fins e duração ART. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional

Leia mais

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE N.º 57-A, DE 2011 (Do Sr. Rubens Bueno)

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE N.º 57-A, DE 2011 (Do Sr. Rubens Bueno) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE N.º 57-A, DE 2011 (Do Sr. Rubens Bueno) Propõe ato de fiscalização, com o auxílio do Tribunal de Contas da União, sobre contratação por parte do

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO.

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. Estado do Rio Grande do Norte Município de Mossoró CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. REGIMENTO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MARIA MADALENA Rua Beija-flor, 103 Bombas Bombinhas/SC.

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MARIA MADALENA Rua Beija-flor, 103 Bombas Bombinhas/SC. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO CAPÍTULO I Do nome, da Sede, Duração e Objetivo. Art. 1º A Associação de Moradores do Condomínio Residencial Maria Madalena, é uma associação sem fins

Leia mais

METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS. Art. 2º - São objetivos específicos da ESTATUINTE: a) definir os princípios e finalidades da UFRB.

METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS. Art. 2º - São objetivos específicos da ESTATUINTE: a) definir os princípios e finalidades da UFRB. METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS Art. 1º - A ESTATUINTE consiste em processo consultivo e deliberativo que tem por objetivo geral elaborar o Estatuto da UFRB. Art. 2º - São objetivos específicos

Leia mais

PATRONATO DE PRESOS E EGRESSOS DO ESTADO DA BAHIA ESTATUTO

PATRONATO DE PRESOS E EGRESSOS DO ESTADO DA BAHIA ESTATUTO PATRONATO DE PRESOS E EGRESSOS DO ESTADO DA BAHIA ESTATUTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - O Patronato de Presos e Egressos da Bahia, fundado em 29 de maio de

Leia mais

NR 5 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes LISTA DE ANEXOS

NR 5 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes LISTA DE ANEXOS NR 5 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes LISTA DE ANEXOS Ata de Eleição dos Membros da CIPA---------------------------------------------------------------------- 02 Cópia da Ata de Instalação e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art.1º _ O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher CNDM, é órgão colegiado de natureza consultiva e deliberativa,

Leia mais

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa.

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa. REGIMENTO DO CEMACT REGIMENTO INTERNO DO CEMACT CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. - Este Regimento estabelece as formas de organização e funcionamento do conselho Estadual de Meio Ambiente,

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1512/2009 SÚMULA: Cria o Conselho Municipal da Educação. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO SESSÃO: 017.4.54.N DATA: 27/05/14 TURNO: Matutino TIPO DA SESSÃO: Solene - CN LOCAL: Plenário Principal - SF INÍCIO: 11h43min TÉRMINO: 11h54min DISCURSOS

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Fundação de Turismo de Angra dos Reis Conselho Municipal de Turismo

Estado do Rio de Janeiro MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Fundação de Turismo de Angra dos Reis Conselho Municipal de Turismo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO Capítulo 1 Da Natureza e das Competências Art. 1. O CMT, órgão consultivo e deliberativo, instituído pela Lei nº 433/L.O., de 14 de junho de 1995, alterada

Leia mais

SUBSTITUTIVO Nº 02 AO PROJETO DE LEI Nº

SUBSTITUTIVO Nº 02 AO PROJETO DE LEI Nº PUBLICADO DOC 30/11/2013, pág. 346 SUBSTITUTIVO Nº 02 AO PROJETO DE LEI Nº 711/2013 Atualiza os valores unitários de metro quadrado de construção e de terreno previstos na Lei nº 10.235, de 16 de dezembro

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014 REGIMENTO DO CONSELHO GERAL fevereiro 2014 Agrupamento de Escolas Monte da Lua Regimento do Conselho Geral Capítulo I Enquadramento Legal Índice Artigo 1º Fundamento legal do Conselho Geral...... 2 Capítulo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO CPI - TRÁFICO DE ORGÃOS HUMANOS EVENTO: Reunião Ordinária N : 0517/04 DATA: 11/5/2004 INÍCIO:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA AGAFISP ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

REGIMENTO INTERNO DA AGAFISP ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DA AGAFISP ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL CAPITULO I - Disposições Iniciais Art. 1 Este Regimento Interno, elaborado na forma do Estatuto Social

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CONSELHEIRO LAFAIETE CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO Conselheiro Lafaiete - 2013 2 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 3 DAS

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL REGIMENTO DO CONSELHO GERAL Janeiro de 2015 PREÂMBULO O presente regimento tem por finalidade regular os procedimentos administrativos e modo de funcionamento do Conselho Geral, garantindo a eficiente

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO EVENTO: Audiência Pública N : 000795/01 DATA:

Leia mais

Processo Legislativo

Processo Legislativo Processo Legislativo Os Projetos de Lei Ordinária e de Lei Complementar são proposições que visam regular toda a matéria legislativa de competência da Câmara e devem ser submetidos à sanção do prefeito

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFTA N.º13, DE 23 DE MARÇO DE 1981 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 34, de 17 de dezembro de 1981)

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFTA N.º13, DE 23 DE MARÇO DE 1981 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 34, de 17 de dezembro de 1981) Publicada no D.O.U. de 10/04/1981 Seção I - Página 6737 Retificada no D.O.U. nº 107, de 09/06/1981 Seção I Página 10806 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFTA N.º13, DE 23 DE MARÇO DE 1981 (Alterada pela Resolução Normativa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL CAPITULO I REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL CAPITULO I Das Finalidades e Organização Art. 1º - O presente Regimento Interno destina-se

Leia mais

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS, DURAÇÃO E FÓRUM. Art. 1º A Associação Capixaba de Pebolim também chamada em sua forma abreviada de ACP, sediada à rua Prefeito

Leia mais

Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior

Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior Teste 2 1. ( ) É correta a afirmação, em termos regimentais, de que a sede regular da Câmara dos Deputados é o Distrito Federal.

Leia mais

TÍTULO I DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO

TÍTULO I DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO QUARTA VERSÃO 07/07/06. Dispõe sobre a gestão democrática e normatiza o processo de escolha de Diretor e Assessor(es) de Direção que integram a equipe gestora das unidades escolares da Rede Pública Estadual

Leia mais

COMUNICADO LEGISLATIVO Nº 1/2013. Projetos de Lei e Trâmites 1ª quinzena de novembro/2013

COMUNICADO LEGISLATIVO Nº 1/2013. Projetos de Lei e Trâmites 1ª quinzena de novembro/2013 Matérias na Câmara PEC 185/2012 Acrescenta parágrafos ao art. 37 da Constituição Federal para estabelecer data certa para a revisão geral anual da remuneração dos servidores públicos e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE LIONS CLUBES - DISTRITO LC-1 REGIMENTO INTERNO DAS CONVENÇÕES CAPÍTULO I DA DISPOSIÇÃO INICIAL

ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE LIONS CLUBES - DISTRITO LC-1 REGIMENTO INTERNO DAS CONVENÇÕES CAPÍTULO I DA DISPOSIÇÃO INICIAL ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE LIONS CLUBES - DISTRITO LC-1 REGIMENTO INTERNO DAS CONVENÇÕES CAPÍTULO I DA DISPOSIÇÃO INICIAL Art. 1 Este Regimento Interno estabelece a Constituição e Finalidade das Convenções

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DE ESCRITORES AGEs I DOS FINS E OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DE ESCRITORES AGEs I DOS FINS E OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DE ESCRITORES AGEs I DOS FINS E OBJETIVOS Art. 1º A Associação Gaúcha de Escritores, de sigla AGEs, fundada em 16 de novembro de 1981, é uma associação sem fins lucrativos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Ver. RICARDO MACIEL 1.º Secretário. Página 5 de 5

Ver. RICARDO MACIEL 1.º Secretário. Página 5 de 5 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 ATA N.º 070/2012 Aos nove dias do mês de agosto do ano de dois mil e doze, nesta Cidade, no Plenário desta Casa Legislativa,

Leia mais

MENSAGEM Nº, de 2008.

MENSAGEM Nº, de 2008. MENSAGEM Nº, de 2008. = Tenho a honra de submeter à elevada consideração de Vossas Excelências o projeto de Lei anexo, que objetiva criar o Conselho Municipal Antidrogas COMAD. Um dos mais graves problemas

Leia mais

REGRAS Processo Eleitoral ANPEI

REGRAS Processo Eleitoral ANPEI REGRAS Processo Eleitoral ANPEI 1. DA CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO ELEITORAL: Conforme definido no Art. 40, as eleições serão realizadas em conformidade com o disposto neste Estatuto Social e de acordo com

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSOS REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COMISSÃO EXTERNA - CONFERÊNCIA MUNDIAL ÁFRICA DO SUL EVENTO: Reunião ordinária N : 001197/00 DATA:

Leia mais

ADENDO AO RELATÓRIO. RELATOR: Senador EDUARDO BRAGA I RELATÓRIO

ADENDO AO RELATÓRIO. RELATOR: Senador EDUARDO BRAGA I RELATÓRIO ADENDO AO RELATÓRIO Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre a Proposta de Emenda à Constituição nº 18, de 2013, primeiro signatário o Senador Jarbas Vasconcelos, que altera o art. 55 da

Leia mais

Dossiê sobre a Regulamentação da Profissão de Historiador

Dossiê sobre a Regulamentação da Profissão de Historiador Dossiê sobre a Regulamentação da Profissão de Historiador Como somos profissionais que lidam com a memória, é fundamental que tenhamos conhecimento da longa trajetória, uma verdadeira saga, em busca da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO SANTOS ATLÉTICO CLUBE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO SANTOS ATLÉTICO CLUBE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO SANTOS ATLÉTICO CLUBE CAPITULO I - DA MESA DIRETIVA Art. 01 - A Mesa Diretiva do Conselho Deliberativo será composta pelo Presidente, Vice-Presidente e Secretário,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 502/VIII CRIAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE VISEU. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 502/VIII CRIAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE VISEU. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 502/VIII CRIAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE VISEU Exposição de motivos Viseu possui hoje uma localização perfeitamente central na área do respectivo distrito, o qual lidera em termos

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE TÊNIS. Normas e Instruções Disciplinadoras

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE TÊNIS. Normas e Instruções Disciplinadoras Circular Nota Oficial nº 009/2012 Aos Clubes, Liga e Associações Filiadas REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE TÊNIS Normas e Instruções Disciplinadoras Conforme previsão estatutária, constante

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 3.780, DE 1997 (Apensos: PL 1.205, de 1999, PL 2.278, de 1999, PL 2.485, de 2000, PL 3.138, de 2000, PL 3.836, de 2000, PL 4.405, de

Leia mais

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou e eu, em seu nome, sanciono e promulgo a seguinte Lei: Das disposições Gerais Art.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE TAPURAH

CÂMARA MUNICIPAL DE TAPURAH ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 01 DE FEVEREIRO DE 2.012 Ao primeiro dia do mês de fevereiro de dois mil e doze, na Sede da Câmara Municipal, situada à Avenida Paraná, 1.725, às dezenove e trinta horas

Leia mais

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso:

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso: PROJETO DE LEI Nº 2.093/09, de 30 de junho de 2.009 Dispõe sobre criação do Conselho Municipal de Direitos do Idoso e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, faz saber

Leia mais

O Prefeito da Cidade do Recife, no uso das atribuições conferidas pelo Art. 54, item IV, da Lei Orgânica do Município.

O Prefeito da Cidade do Recife, no uso das atribuições conferidas pelo Art. 54, item IV, da Lei Orgânica do Município. DECRETO Nº 17.596/97 Ementa: Regulamenta o funcionamento das Comissões de Urbanização e Legalização das Zonas Especiais de Interesse Social, nos termos prescritos pela Lei Municipal nº 16.113/95. O Prefeito

Leia mais

REGIMENTO CONSELHO GERAL. Agrupamento de Escolas da Moita

REGIMENTO CONSELHO GERAL. Agrupamento de Escolas da Moita Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita REGIMENTO do CONSELHO GERAL do Agrupamento de Escolas da Moita 2012 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza, responsabilidade,

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração , Estatutos CAPÍTULO I Definições gerais ARTIGO 1º Denominação, natureza e duração 1. A Federação Académica Lisboa, adiante designada por FAL, é a organização representativa das Associações de Estudantes

Leia mais

O SR. CONSTITUINTE ROBERTO

O SR. CONSTITUINTE ROBERTO 1 ASSEMBLÉIA NACIONAL CONSTITUINTE (ATAS DE COMISSÕES) SUBCOMISSÃO DE SAÚDE, SEGURIDADE E DO MEIO AMBIENTE ATA DA 1ª REUNIÃO (INSTALAÇÃO) DA SUBCOMISSÃO DE SAÚDE, SEGURIDADE E DO MEIO AMBIENTE, REALIZADA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL PARA O CONSELHO DELIBERATIVO AUTÁRQUICO DA AUTARQUIA EDUCACIONAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - AEVSF

REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL PARA O CONSELHO DELIBERATIVO AUTÁRQUICO DA AUTARQUIA EDUCACIONAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - AEVSF REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL PARA O CONSELHO DELIBERATIVO AUTÁRQUICO DA AUTARQUIA EDUCACIONAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - AEVSF CAPÍTULO I - OBJETO Artigo 1º. Este Regulamento disciplina o Processo

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENERGIA E GEOLOGIA, I.P. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Definição e regime

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENERGIA E GEOLOGIA, I.P. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Definição e regime REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENERGIA E GEOLOGIA, I.P. CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e regime O Conselho Científico do Laboratório Nacional de Energia

Leia mais

Artigo 2.º Capacidade eleitoral ativa. 1 Os membros docentes e discentes do conselho pedagógico são eleitos pelo conjunto dos seus respectivos pares;

Artigo 2.º Capacidade eleitoral ativa. 1 Os membros docentes e discentes do conselho pedagógico são eleitos pelo conjunto dos seus respectivos pares; REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DO CORPO DOCENTE e DISCENTE PARA OS CONSELHOS PEDAGÓGICOS das ESCOLAS do INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS No seguimento da passagem de duas para quatro

Leia mais

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL dezembro/2008 Capítulo I Da competência do Conselho Fiscal Art. 1º Como órgão de controle interno da EFPC, compete ao Conselho Fiscal, na forma estabelecida no

Leia mais

II. COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES

II. COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES 7 0 * ATA N. 116/XIV Teve lugar no dia um de outubro de dois mil e treze, a reunião número cento e dezasseis da Comissão Nacional de Eleições, na sala de reuniões sita na D. Carlos 1, n. 128 andar, em

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPI Aprova o Regimento do Conselho de Administração da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Administração,

Leia mais

Caro XXXXX, O que é CIPA?

Caro XXXXX, O que é CIPA? Caro XXXXX, Para eleição da CIPA e empresa deve seguir rigorosamente o determinado na Nr 5 da Portaria 3214 do MTB, após a eleição ele deve comunicar a DRT da região bem como o respectivo sindicato da

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 17, DE 2012

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 17, DE 2012 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 17, DE 2012 Primeira sessão de discussão, em primeiro turno, da Proposta de Emenda à Constituição nº 17, de 2012, tendo como primeiro signatário o Deputado Maurício

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 215-A, DE 2013 (Do Sr. Ricardo Izar)

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 215-A, DE 2013 (Do Sr. Ricardo Izar) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 215-A, DE 2013 (Do Sr. Ricardo Izar) Dispõe sobre locações de veículos para exercício da atividade parlamentar, custeadas com recursos providos pela Câmara

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OBSTETRIZES E ENFERMEIROS OBSTETRAS - A B E N F O - Nacional

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OBSTETRIZES E ENFERMEIROS OBSTETRAS - A B E N F O - Nacional ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OBSTETRIZES E ENFERMEIROS OBSTETRAS - A B E N F O - Nacional Regimento Especial da Eleição para Diretoria da Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstetras ABENFO

Leia mais