A SCGÁS sente-se plenamente honrada em participar como postulante. ao maior prêmio do Marketing Catarinense, apresentando nosso case

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SCGÁS sente-se plenamente honrada em participar como postulante. ao maior prêmio do Marketing Catarinense, apresentando nosso case"

Transcrição

1

2

3 A SCGÁS sente-se plenamente honrada em participar como postulante ao maior prêmio do Marketing Catarinense, apresentando nosso case de criação de um novo mercado para o gás natural em Santa Catarina, tendo como orientação principal a estratégia do Marketing de Relacionamento, a qual nos vem auferindo resultados extraordinários. A promoção do Top de Marketing pela ADVB/SC, mais do que um reconhecimento à excelência do marketing no mercado catarinense, é um instigante desafio que induz a superação dos próprios limites de criatividade e à eficácia das açõe s mercadológicas. Luiz Gomes Presidente

4 A EMPRESA A Companhia de Gás de Santa Catarina - SCGÁS, fundada em 1994, é uma empresa concessionária pública de economia mista, que tem como sócios o Governo do Estado de Santa Catarina (representado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Integração ao Mercosul), a Petrobras Gás S.A. - GASPETRO, a Gaspart e a Infragás. A responsabilidade da Companhia é a distribuição do gás natural canalizado, para o Estado de Santa Catarina. Missão: Disponibilizar uma solução energética limpa, eficiente e econômica, contribuindo para a preservação do meio ambiente e para o desenvolvimento do Estado de Santa Catarina Visão: Ser a melhor empresa na prestação dos serviços concedidos no Estado de Santa Catarina, líder em soluções energéticas. Valores: Interagir de forma ética e íntegra com a sociedade Respeitar o Meio Ambiente Colaborar para o desenvolvimento do Estado Remunerar satisfatoriamente os acionistas Utilizar tecnologias adequadas e modernas Valorizar os recursos Humanos Desenvolver ações com foco na responsabilidade Social

5

6 OS DESAFIOS Após ser analisada minunciosamente a viabilidade de implantação da SCGÁS em Santa Catarina, a empresa deparou-se com quatro grandes desafios a serem superados afim de garantir pleno crescimento e maior competitividade. São eles: Implantar uma empresa de distribuição de um produto inédito no estado de Santa Catarina (Gás Natural), levando em consideração a cultura organizacional da demanda industrial, de forma a adaptá-la à modernidade; Conquistar a confiança do mercado para uma proposta nova de produto, quebrando paradigmas culturais e organizacionais pré-estabelecidos; Implementação do sistema de distribuição do Gás Natural de maneira ecologicamente correta, conquistando a confiança da comunidade na segurança do sistema; Implementar usos alternativos para o Gás Natural, em outros segmentos de mercado, tais como residencial e veicular. 05

7

8 AS AÇÕES Teóricos de Marketing afirmam que uma estratégia de criação de mercados é uma estratégia de diferenciação, onde os empreendedores são desafiados a criar ou implementar novas idéias. A ênfase necessária para a implantação de uma empresa no mercado, está além da aplicação de tecnologia, do desenvolvimento de relações com a infra-estrutura do setor e na criação de novos padrões de atendimento. Partindo desta premissa a SCGÁS entendeu que, para criar posições duradouras no mercado, primeiro as empresas tem que criar relações fortes com clientes, fornecedores, distribuidores, revendedores, lideranças empresariais e membros da comunidade. As principais tendências do marketing para o século XXI são: 1.) cai o marketing de transações e sobe o marketing de relacionamento; 2.) a participação no cliente passa ter mais ênfase que a participação no mercado; 3.) os sistemas de marketing apoiados em bancos de dados estão em alta; 4.) a publicidade dá espaço à comunicação integrada, uma abordagem bem mais abrangente. Philip Kotler Coerente com esta tendência a SCGÁS optou por centralizar seus esforços no aspecto do relacionamento, que sintetiza um conjunto de oportunidades estratégicas, no qual o consumidor torna-se o centro de toda atenção da organização em tempo integral. 07

9 É através do Marketing de Relacionamento, que as organizações podem projetar e lançar ações voltadas aos clientes, buscando sempre que estes tornam-se cada vez mais próximos de seus produtos e serviços. Como o conhecimento é a base do relacionamento, explorá-lo é imprescindível para a realização do Marketing de Relacionamento. Conhecendo as necessidades de seus clientes é que a SCGÁS pode antever-se a qualquer ação, surpreendendo e fazendo-se presente em seu cotidiano. Oferecer mais do que o esperado, é extremamente importante para que as diferenciações sejam notadas e para que os clientes tornem-se cada vez mais propensos a adquirir seus produtos e serviços. O Marketing de Relacionamento é essencial ao desenvolvimento de liderança, fidelidade do consumidor e rápida aceitação de novos produtos/serviços no mercado. A criação de relações sólidas e duradouras é uma tarefa árdua, de difícil manutenção. Mais, em um mundo onde o cliente tem tantas opções, mesmo em segmentos limitados, uma relação pessoal é a única forma de manter a fidelidade do cliente. Regis McKenna 09

10 Após definida sua estratégia central as ações práticas adotadas pela SCGÁS foram: 1. LEVANTAMENTO DE MERCADO PARA O GÁS NATURAL A primeira ação efetiva foi conhecer profundamente as características e necessidades reais do mercado industrial catarinense. Sendo assim, nada mais lógico que o levantamento das informações fossem efetuados por uma ampla pesquisa de mercado, tendo como ponto de partida o rol de indústrias, dividido por regiões do estado de Santa Catarina, detectando, desta forma, os segmentos vocacionados para o uso do Gás Natural. Com o objetivo de divulgar o Gás Natural e motivar o empresariado à colaborar com a pesquisa, foram realizadas reuniões nas Associações Comerciais e Industriais, com as principais lideranças empresariais e políticas de cada região. Outra ação a se destacar é a abordagem direta às maiores empresas catarinenses, por pesquisadores contratados através de uma parceria com o SENAI, especificamente treinados para esta tarefa por técnicos da SCGás. A pesquisa se baseou nos seguintes dados: Dados cadastrais e de contatos; Características dos equipamentos com seus respectivos consumos; Dados de consumo ano a ano de combustíveis; Perfil de consumo da energia elétrica, e informações sobre a autogeração e cogeração; Tipos de produtos, produção e projeções de crescimento. Os dados coletados mostraram que havia um mercado industrial potencial para o consumo de m3 de gás natural. 11

11 2. IMPLANTAÇÃO DOS RAMAIS ATRAVÉS DO GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL Os resultados da Pesquisa de Mercado apontaram as regiões prioritárias no processo de implantação dos ramais do gasoduto Bolívia-Brasil; foram elas: região Sul, Vale do Itajaí e Norte, em conseqüência direta das características e das necessidades de seus parques industriais. A conquista destes mercados exigiu a aplicabilidade absoluta de uma estratégia de Marketing de Relacionamento como fator preponderante para o lançamento deste novo produto, sabendo-se que o produto converte-se na pessoa que o representa, nas provas tangíveis que deixa, nas referências, na vantagem competitiva que o confere. A aceitação do produto está vinculada à credibilidade, que não provêm de retóricas, mas do fato do produto preencher ou superar as expectativas do mercado. 3. AGREGANDO VALOR AO GÁS NATURAL O relacionamento direto da SCGÁS com seus consumidores potenciais resultou numa gama de preciosas informações que serviram de base para a criação de projetos específicos, visando solucionar possíveis problemas no manejo do gás natural e até mesmo antecipar novas tecnologias, agregando assim, mais valor ao produto. Na nova economia, vencerão as empresas que usarem a tecnologia para melhorar as relações com os clientes Frederick ReichHeld 13

12 Atualmente existem 14 projetos de pesquisa sendo efetuados pela SCGÁS, com o envolvimento direto de mais de 100 pesquisadores (PHDs, Doutores, Mestres, Especialistas Graduados, Técnicos e bolsistas). Tais Projetos, promovidos em conjunto com outras instituições, possuem como principal objetivo desenvolver o mercado do Gás Natural em Santa Catarina. É a SCGÁS olhando em direção ao futuro, aos avanços tecnológicos, além de oferecer suporte e serviços. 3.1) Projeto de Secagem Direta de Madeira com Gás Natural Para as Indústrias Moveleiras, a SCGás desenvolveu este projeto que objetiva desenvolver uma estufa de demonstração de secagem de madeira empregando o Gás Natural como alternativa à combustão de resíduos da madeira, e capacitação de recursos humanos para dominar as técnicas de secagem a partir da utilização do Gás Natural como insumo energético. Esta nova tecnologia traz como vantagem competitiva às indústrias moveleiras: manutenção reduzida do sistema de secagem, aquecimento mais uniforme das estufas, redução da contaminação da madeira seca em contato com os gases resultantes da queima do gás natural e redução da contaminação ambiental. 3.2) Projeto de desenvolvimento Tecnológico para Utilização de Gás Natural na Indústria Cerâmica Vermelha Ao mesmo tempo em que a SCGÁS está desenvolvendo conhecimentos de seu interesse na busca pela maior utilização do gás na matriz energética do Estado, também está colaborando com o desenvolvimento 15

13 do setor de Cerâmica Vermelha, abrindo a oportunidade para que as empresas conheçam os benefícios e a aplicabilidade do novo combustível no processo produtivo deste produto. Como benefícios temos: a viabilidade técnica e econômica da conversão de fornos intermitentes (à lenha) e contínuos (à serragem) para gás natural e executar a conversão dos fornos caso a viabilidade seja comprovada; utilização dos fornos convert idos para a análise econômica da conversão e também como planta de demonstração para futuras conversões; utilização do ferramental de cálculo e simulação desenvolvido para estudas um novo forno adaptado especificamente à queima de gás natural e simulação de um novo forno para queima de telhas naturais ou esmaltadas, com o uso do gás natural. 3.3) Projeto de Desenvolvimento de Queimadores Porosos Radiantes a Gás Natural Desenvolver sistemas de queima de gás natural para geração de calor utilizando queimadores porosos radiantes super ficiais e volumétricos, formados por multi-camadas porosas de materiais cerâmicos e metálicos, para aplicações em aquecimento, secagem e queima. Com esta tecnologia de queima, visa-se aumentar a utilização e o impacto da utilização racional do gás natural nos setores industrial, comercial e doméstico. Com novas tecnologias, o incremento do uso energético do gás natural se dará simultaneamente com o aumento da qualidade de produtos e redução dos níveis de poluição do meio ambiente. Devido a estrutura dos queimadores porosos obtêm-se a maior eficiência de combustão, maior faixa de estabilidade da chama e menor produção de 17

14 poluentes. Devido à maior eficiência de combustão, os queimadores porosos tornam possível a queima de combustíveis pobres ou de misturas empobrecidas, obtendo-se um maior controle de temperatura de combustão. 3.4) Projeto para Aplicação do Gás Natural na Indústria Metalúrgica Objetivando obter pilotos funcionando em escala fabril, através da utilização exclusivamente do gás natural como fonte energética de calor e como ferramentas geradoras de pesquisas e de senvolvimento de novas tecnologias e na determinação de índices de consumo de gás, índice de emissão de poluentes, custos de manutenção e eficiência térmica. Ainda se possibilitará a obtenção dos dados sobre os parâmetros de operação e influência sobre a qualidade dos produtos gerados, entre outros. Os resultados advindos destas pesquisas auxiliarão a alavancagem do gás natural nas indústrias metalúrgicas nacionais. O projeto de pesquisa é dividido de acordo com as diferentes aplicações que o gás natural pode ter nos diversos processos metalúrgicos, e os resultados esperados são: o aumento do nível de capacitação técnica necessária à manutenção de equipamento; divulgação e repasse de tecnologia a empresas do setor e poder mostrar que o gás natural representa uma alternativa energética economicamente viável de estar afinado com o modelo de sociedade estruturada na preservação ambiental. 3.5) Projeto de Utilização do Gás Natural Veicular (GNV) como Combustível de Frotas Urbanas Visando o mercado de consumo urbano aplicável aos meios de transporte a SCGÁS fomenta este projeto que objetiva a identificação da tecnologia 19

15 existentes para a utilização do GNV em frotas urbanas (ônibus e outros veículos) e verificar a viabilidade técnica/econômica da utilização de sse combustível para o abastecimento dos veículos que comporão a frota do Sistema Integrado de Transporte Público do Município de Florianópolis, servindo de modelo para aplicação nos demais municípios catarinenses. O Estudo objetiva, ainda, determinar os principais problemas encontrados no processo de implantação de sistemas de transporte s urbanos, com a utilização do gás natural como combustível, e a indicação das possíveis soluções para esses problemas. O diferencial deste estudo proposto consiste no fato da parceria com o órgão gestor do sistema de transporte s do Município (no caso o Núcleo de Transportes da Prefeitura Municipal de Florianópolis). É de extremo interesse do referido órgão a busca de uma alternativa mais econômica e menos poluente de combustível para os veículos do sistema, trazendo com isso benefícios de ordem política,social, ambiental e econômica. 4. PLANO DE FIDELIDADE Buscando aprimorar ainda mais o relacionamento com os clientes industriais, já conquistados, premiando os que são especiais e, por tanto merecedores de tratamento diferenciado, a SCGÁS desenvolveu o Plano de Fidelidade, um instrumento de comprometimento entre a empresa e seus clientes. O Plano de Fidelidade SCGÁS consiste em uma premiação para os clientes industriais e de cogeração, adimplentes, de acordo com os seguintes parâmetros: 21

16 a) Critério de adimplência: o cliente deve estar adimplente com suas faturas de gás para participar do Plano de Fidelidade SCGÁS; b) Cliente 100% GN: é aquele cujos processos que utilizem calor em sua empresa estejam operando unicamente a gás natural ou que utilizem algum insumo gerado com o gás natural, como por exemplo: vapor, ar quente, água quente. Estes parâmetros são pontuados no tempo e permitem ao cliente determinados prêmios. De acordo com a pontuação acumulada o cliente fará jus ao Desconto na Tarifa do Gás, conforme a Matriz de Prêmio estipulada pela SCGÁS. 5. PROGRAMA DE ESTÁGIO O programa de estágio é o resultado do convênio entre a SCGÁS e o SENAI onde estão sendo contratados estagiários do curso técnico em Gás Combustível para atuarem na SCGÁS e em seus clientes. O objetivo do programa é preparar mão de obra especializada para o mercado de gás natural, inserir pessoal treinado nas unidades fabris dos clientes, como forma de incentivar a aplicação do gás natural e gerar recursos humanos com alta qualificação para atender o quadro da Companhia de Gás de Santa Catarina com pessoal local. Como benefícios teremos a diminuição da dependência de mão de obra de outros estados, preparação de mão de obra para atuarem no mercado urbano, maior segurança na utilização do gás natural por par te dos clientes residenciais e aumento do valor agregado ao GN para os clientes que receberão este benefício. 23

17 6. A INTERNET COMO FERRAMENTA DE MARKETING DE RELACIONAMENTO É sabido que a Internet mudou, mais do qualquer outra tecnologia desde o surgimento do telégrafo, o conceito de valor do serviço. E mudou de forma singular e radical. Todas as empresas dependem de informações e conhecimentos obtidos em vários tipos de interação. A manutenção de qualquer base de informações, por sua vez, depende da natureza da tecnologia utilizada. Como uma extensão da interação humana numa rede de relacionamentos cada vez mais presente, a Internet é revolucionária por definir os modelos de negócios e o futuro do Marketing. Regis McKenna Por consistir em um meio direto, interativo e quase onipresente, a Internet mudou o conceito de valor do serviço e tornou as informações parte do conteúdo da maioria dos produtos. Esta tecnologia reformula as regras de condução dos negócios, o que muda a maneira de pensar e agir das pessoas como produtoras e consumidoras. A comunicação digital implica a possibilidade de todas as formas de informação texto, som imagem e suas múltiplas combinações estarem em todos os lugares ao mesmo tempo, distribuídas e disponíveis a qualquer momento. A Internet funciona sem parar 24 horas por dia, todos os dias, e lança uma abundância de novas idéias diante dos olhos dos consumidores. Com isto está surgindo um novo tipo de cliente e um novo tipo de 25

18 relacionamento com o cliente totalmente baseados no acesso, na interface, nos serviços incorporados e nos sistemas de informação inteligentes. Os relacionamentos desta nova realidade são virtuais. Convergentes com as possibilidades que o relacionamento via Internet pode oferecer, a SCGás investiu na construção de um site diferenciado, informativo e interativo, criando um novo canal de interação com a comunidade e com o mercado. Funcionando como agência virtual, o site da SCGÁS tem sido uma forte ferramenta no processo do Marketing de Relacionamento da empresa. Hoje o cliente SCGÁS tem a seu dispor, via site, todas as informações sobre a empresa além de ter acesso a faturas de contas, relatórios de consumo e demais serviços. Servindo de forte canal entre a comunidade e a Empresa, o site recebe uma média mensal de visitantes, grande parte dos quais de regiões onde a empresa ainda não está atuando, o que o caracteriza como forte instrumento de comunicação e fortalecimento da marca SCGÁS. 7. MARKETING DE RELACIONAMENTO COM A COMUNIDADE O Programa Gasito vai às Escolas consiste em uma peça teatral didática, onde o personagem principal é o Mascote da SCGÁS conhecido como GASITO. O Gasito costuma visitar as escolas de Santa Catarina (públicas e particulares) e a comunidade em geral para explicar o que é gás natural, quais os principais benefícios e vantagens que ele oferece e quais os cuidados e providências a serem tomados em caso de emergência. A peça foi elaborada a partir de revista em quadrinhos do Gasito, que é distribuída na ocasião das apresentações juntamente com outros brindes. 27

19 Todo esse material foi elaborado para dar apoio na divulgação do gás natural como combustível limpo e seguro e que atende não apenas as indústrias, mas também aos seguimentos veicular, comercial e residencial. Desta forma a SCGÁS busca aproximar-se das comunidades por onde passa a sua rede de distribuição, familiarizando o gás natural tanto com profissionais técnicos quanto com as crianças e seus familiares. 29

20

21 OS RESULTADOS Seguindo as tendências do marketing para o século XXI e optando por desenvolver todas as suas ações estratégicas voltadas para a área do Marketing de Relacionamento, a SCGÁS além do fortalecimento da sua marca obteve um expressivo crescimento tanto qualitativo quanto quantitativo, ultrapassando até mesmo as previsõe s mais otimistas, tornando-se hoje, uma empresa de destaque dentro do cenário local, regional e nacional. Como resultado destas ações estratégicas, podemos citar: Na primeira fase de implantação da Companhia de Gás de Santa Catarina, o gás está sendo distribuído principalmente às indústrias catarinenses. Atualmente, cerca de 70 clientes industriais já estão consumindo o gás natural, totalizando mais de 850 mil metros cúbicos diários. Além desses, outras 08 indústrias estão com contratos assinados e em fase final de adaptação para iniciar o uso do produto; Também encontram-se em pleno funcionamento 07 Postos de Abastecimento de Gás Natural Veicular (GNV), com previsão de fecharmos o ano com 12 postos e alcançarmos a marca de 24 postos em 2003; Até o presente momento a SCGÁS implantou uma rede de distribuição com mais de 400 quilômetros, representando um investimento superior a R$ 100 milhões. Novos ramais já estão em construção, o que possibilitará levar o gás natural às cidades de São Francisco do Sul, São Bento do Sul, São José e Florianópolis, e também estão sendo desenvolvidos estudos para avaliar a distribuição de gás natural em diversas outras regiões do estado; 31

22 A SCGÁS já se configura como o 15º maior arrecadador de ICMS no Estado de Santa Catarina; De acordo com o Balanço Setorial da Gazeta Mercantil (segmento Varejistas de Gás e Combustíveis) a SCGÁS é a 14ª maior distribuidora de gás do país, considerando inclusive as grandes distribuidoras de GLP (Agip, Liquigás, etc...). Se forem consideradas apenas as distribuidoras de Gás Natural, ramo em que a SCGÁS está atuando, a Companhia já é a 7ª maior, atrás apenas de distribuidoras de outros estados com maior tempo de operação, ou que contam com termoelétricas entre seus clientes. Esta posição seria ainda melhor se fosse avaliado que a SCGÁS atende apenas o segmento industrial e recentemente o automotivo, enquanto as demais distribuidoras de outros estados já estão há mais tempo no mercado, atendendo outros segmentos como: petroquímico, residencial/comercial, termoelétrico e de cogeração. Conforme publicado na Revista Amanhã, a SCGás foi a empresa que apresentou maior crescimento em vendas em Santa Catarina no ano de 2001, expressivos 235,4%; Conforme publicado na Revista Expressão, a SCGÁS foi a 3ª empresa com maior crescimento de vendas na Região Sul, enquanto o crescimento médio do setor de energia foi de 31,6% a SCGás ultrapassou a marca de 200%; Desde sua criação o site da SCGÁS teve um crescimento de 30% no número de visitantes, atingindo hoje, a marca de visitas mês. Por seu forte apelo visual, sua praticidade e sua interatividade, o site está concorrendo ao Prêmio IBEST, categoria Minas e Energia, já estando entre os 5 mais votados até o presente momento; 33

23 O sucesso das ações desenvolvidas pela SCGÁS contribuiram para que Companhia fosse reconhecida com diversas premiações, entre elas: a) Grandes e Líderes promovida pela Revista Amanhã e Consultoria Price Whatenhouse Coopers (PWC) b) Prêmio Fritz Müller promovido pela FATMA c) Prêmio Qualidade de Vida pela pela FEEC (Federação de Entidades Ecologistas Catarinenses) 35

24

25

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa Índice 3 Resultados da pesquisa 17 Conclusão 19 Questionário utilizado na pesquisa Esta pesquisa é uma das ações previstas no Plano de Sustentabilidade para a Competitividade da Indústria Catarinense,

Leia mais

Mobilidade urbana Eficiência energética Edifícios e suas appliances

Mobilidade urbana Eficiência energética Edifícios e suas appliances Mobilidade urbana Eficiência energética Edifícios e suas appliances O futuro do uso do Gás Natural no novo desenho urbano das cidades Gás na cidade 1872-1999 1872 1890 1900 1900 Missão Possível O desafio

Leia mais

Pensamento estratégico Percepções/Visão

Pensamento estratégico Percepções/Visão UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL - LAPEM 36.570-000 VIÇOSA MG - BRASIL (Texto oferecido ao CGEE em 20/5/2014 pela profa. Angélica de Cássia

Leia mais

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo São Paulo 2008 1. Introdução. Este estudo tem como finalidade demonstrar a capacidade

Leia mais

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...4. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 46 - Janeiro 2012

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...4. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 46 - Janeiro 2012 Sumário...4 Expediente Conselho Deliberativo ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Luis Domenech Vice-Presidente: Aldo Guedes Conselheiros: Bruno Armbrust,

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS

ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico

Leia mais

DECOMTEC. Convênio FIESP/MDIC APL DE CERÃMICA VERMELHA- ITÚ. Desenvolvimento Industrial Regional/Local OUTUBRO/07

DECOMTEC. Convênio FIESP/MDIC APL DE CERÃMICA VERMELHA- ITÚ. Desenvolvimento Industrial Regional/Local OUTUBRO/07 DECOMTEC Desenvolvimento Industrial Regional/Local Convênio FIESP/MDIC APL DE CERÃMICA VERMELHA- ITÚ OUTUBRO/07 1 Desenvolvimento de Processo Produtivo para novos produtos: Trabalhar e aprofundar as pesquisas

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos gasosos, dentre os quais se destacam o metano, o etano e o propano, resultantes

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

A Gas Natural São Paulo Sul está completando dez anos de gestão

A Gas Natural São Paulo Sul está completando dez anos de gestão A Gas Natural São Paulo Sul está completando dez anos de gestão É uma década de trabalho centrada na evolução da comunidade, das indústrias e da economia da região Sul do Estado de São Paulo. Durante esses

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O que é o Gás LP? - O Gás LP é composto da mistura de dois gases, sendo 30% de butano e 70% de propano. - Por ser um produto

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA. *Edição 2013*

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA. *Edição 2013* PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *Edição 2013* Participante: Cia Ultragaz S.A. Categoria: Infraestrutura Título Ultragaz na busca da excelência da Gestão Ultragaz na Busca da Excelência da Gestão Uma

Leia mais

O gás natural e as indústrias da Grande Natal: uma alternativa para redução de custos ou sustentabilidade ambiental?

O gás natural e as indústrias da Grande Natal: uma alternativa para redução de custos ou sustentabilidade ambiental? O gás natural e as indústrias da Grande Natal: uma alternativa para redução de custos ou sustentabilidade ambiental? Mariana Sarmanho de Oliveira Lima (USP) msarmanho@natal.digi.com.br Pedro Hélio Gomes

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...03. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 50 - Julho 2012

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...03. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 50 - Julho 2012 Sumário...03 Expediente Conselho Deliberativo ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Luis Domenech Vice-Presidente: Aldo Guedes Conselheiros: Bruno Armbrust,

Leia mais

SENAI - ALIMENTOS E BEBIDAS - BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO - RDC 216 ME EPP 80,00 CURSO

SENAI - ALIMENTOS E BEBIDAS - BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO - RDC 216 ME EPP 80,00 CURSO FORMATO EVENTO SINOPSE PÚBLICO CARGA- HORÁRIA PREÇO SENAI - ALIMENTOS E BEBIDAS - BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO - RDC 216 80,00 SENAI - AUTOMOTIVO - MECÂNICO DE TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA 120

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Relatório da Administração

Relatório da Administração Relatório da Administração Exercício 2005 1. Mensagem da Administração Prezados Acionistas, A Administração da SCGÁS submete à apreciação de Vossas Senhorias o Relatório de Administração e as Demonstrações

Leia mais

Fórum Permanente do Gás LP 7º Encontro

Fórum Permanente do Gás LP 7º Encontro Fórum Permanente do Gás LP 7º Encontro O aumento do uso do Gás LP em cogeração e outros usos no mundo Abril 2015 Alberto J. Fossa Estrutura da apresentação Alternativas tecnológicas de uso do Gás LP O

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL II ENCONTRO BRASILEIRO DE SILVICULTURA Campinas, Abril 2011 SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL JOSÉ OTÁVIO BRITO Professor Titular jobrito@usp.br CONJUNTURA MUNDIAL CONSUMO MUNDIAL

Leia mais

PORTAL LUX FRANCHISING

PORTAL LUX FRANCHISING Apresentação PORTAL LUX FRANCHISING é um empreendimento inovador e diferenciado voltado para sustentabilidade e meio ambiente. Consiste no desenvolvimento de uma rede nacional internacional de lojas. Para

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Dep. Engeharia Mecânica Escola Politécnica Universidade de São Paulo Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Experiências de Sucesso e Perspectivas: a Percepção da Academia Escola Politécnica

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada.

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Eng./Arq. Marco Tulio Starling de Vasconcellos Clima Rio 23 de Maio de 2006 Tópicos da Apresentação

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

BRIEFING BRASIL. Parceiro:

BRIEFING BRASIL. Parceiro: BRIEFING BRASIL Parceiro: 1 ÍNDICE 1 Índice... 1 2 Introdução... 2 3 Apresentação... 3 3.1 Tema 1 Consumo consciente... 3 3.2 Tema 2 - Qualidade e Satisfação no Atendimento ao Cliente... 4 4 Desenvolvimento

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA TÊXTIL: UM CASO DE ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA

A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA TÊXTIL: UM CASO DE ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA ! "#$ " %'&)(*&)+,.-/10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.-C)D5.,.5FE)5.G.+ &4-(IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.-D-;./);.& A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA

Leia mais

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 Fortune Top companies: Biggest by Market Value Fortune Top companies: Most profitable VALOR V = Valor percebido pelo cliente (

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria PROGRAMA SENAI + COMPETITIVIDADE INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA (60) MA Construção Civil CE EletroMetalmecânica Energias Renováveis RN Petróleo

Leia mais

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO O programa irá desenvolver no aluno competências sobre planejamento e força de Vendas, bem como habilidades para liderar, trabalhar em equipe, negociar

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2.004 - ABINEE TEC SUL. A Energia do Futuro Mais Perto de Você!

Porto Alegre, 19 de agosto de 2.004 - ABINEE TEC SUL. A Energia do Futuro Mais Perto de Você! Porto Alegre, 19 de agosto de 2.004 - ABINEE TEC SUL A Energia do Futuro Mais Perto de Você! SULGAS Estrutura Acionária 49% PETROBRAS Capital Social 51% RS Histórico da SULGAS Até 1988 distribuição e comercialização

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Belo Horizonte, 26 de Abril de 2011 Jim Michelsen SCS Engineers & Frederico

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO INEE 2008/2009 Diretoria Executiva

PROGRAMA DE TRABALHO INEE 2008/2009 Diretoria Executiva PROGRAMA DE TRABALHO INEE 2008/2009 Diretoria Executiva O presente programa de trabalho do INEE refere-se ao período de abril 2008 a março 2009. A missão do INEE é reduzir o uso de energia primária sem

Leia mais

POR QUE SUA EMPRESA DEVE SE ASSOCIAR À AURESIDE? Filiação categoria BETA Empresas de projeto, integração e instalação

POR QUE SUA EMPRESA DEVE SE ASSOCIAR À AURESIDE? Filiação categoria BETA Empresas de projeto, integração e instalação POR QUE SUA EMPRESA DEVE SE ASSOCIAR À AURESIDE? Filiação categoria BETA Empresas de projeto, integração e instalação Representatividade A AURESIDE atua no Brasil desde o ano 2000 e tem participado de

Leia mais

O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora de Empresas INDETEC/UFSJ.

O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora de Empresas INDETEC/UFSJ. EDITAL DE CONCURSO DE IDEIAS INOVADORAS Nº 01/2010. PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DA UFSJ DE SÃO JOÃO DEL REI (INDETEC) O presente edital regulamenta o processo de recrutamento,

Leia mais

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

SKID para Aquecimento de Água Aplicações Industrias Categoria Aplicações de Gás LP

SKID para Aquecimento de Água Aplicações Industrias Categoria Aplicações de Gás LP CIA ULTRAGAZ SKID para Aquecimento de Água Aplicações Industrias Categoria Aplicações de Gás LP Participantes: Erik Trench Novas Aplicações - Ultragaz Felipe Feitosa Novas Aplicações - Ultragaz Frederico

Leia mais

A Expansão da Rede de Distribuição de Gás Natural da Comgas

A Expansão da Rede de Distribuição de Gás Natural da Comgas A Expansão da Rede de Distribuição de Gás Natural da Comgas Marcelo Menicucci Esteves Diretor de Suprimentos e Projetos de Energia São Paulo - 11/11/2004 Congresso Brasileiro de Eficiência Energética e

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS Portfólio Formal Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS APRESENTAÇÃO Uma Empresa Júnior é uma associação civil, sem fins lucrativos, constituída e

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

RELATÓRIO ABEGÁS MERCADO E DISTRIBUIÇÃO. Ano II - Nº 07 - Janeiro/2008

RELATÓRIO ABEGÁS MERCADO E DISTRIBUIÇÃO. Ano II - Nº 07 - Janeiro/2008 RELATÓRIO ABEGÁS MERCADO E DISTRIBUIÇÃO Ano II - Nº 07 - Janeiro/2008 Sumário Panorama... 4 Estatísticas e Mercado... 5 Expediente Diretoria Executiva ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

14/10/2011 IBP Rio de Janeiro - RJ

14/10/2011 IBP Rio de Janeiro - RJ Projeções Sindigás Usos Restritos 14/10/2011 IBP Rio de Janeiro - RJ Observância às normas concorrenciais Todas as atividades desenvolvidas no âmbito do Sindigás obedecem às normas previstas no seu MANUAL

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 013/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO COMERCIAL E VENDAS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial

SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial Rosângela de Fátima Stankowitz Penteado-(UTFPR) zanza2007@gmail.com João Luiz Kovaleski - (UTFPR) kovaleski@utfpr.edu.br Resumo: O presente trabalho

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

5.500 postos de serviço

5.500 postos de serviço 5.500 postos de serviço Em 2009, a Ipiranga manteve sua trajetória de expansão acelerada da escala, com a aquisição das operações da rede de distribuição de combustíveis da Texaco no Brasil e investimentos

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08

Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08 Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08 RME Rio Minas Energia Participações S.A Luce Brasil Fundo de Investimentos - LUCE Missão da Light: Ser uma grande empresa

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

ABIPTI / MBC Pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica gerando vantagem competitiva Case EMBRACO - Empresa Brasileira de Compressores S.A.

ABIPTI / MBC Pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica gerando vantagem competitiva Case EMBRACO - Empresa Brasileira de Compressores S.A. ABIPTI / MBC Pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica gerando vantagem competitiva Case EMBRACO - Empresa Brasileira de Compressores S.A. São Leopoldo, julho de 2004 Embraco? 2 A Embraco no mundo

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

A tecnologia ORC mais lucro, usando calor residual.

A tecnologia ORC mais lucro, usando calor residual. A tecnologia ORC mais lucro, usando calor residual. O processo de ciclo orgânico de Rankine (OCR) é similar ao ciclo básico de Rankine mas em vez de água utiliza um azeite orgânico em uma caldera de baixa

Leia mais

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas,

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, na Rodovia AM-010 KM-20. A Manauara nasceu do desejo de contribuir para um país mais

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

etanol e bioeletricidade!!). Ora a cana de açúcar se presta a ambas as tecnologias mencionadas. Ao converter açúcar em etanol, nas dornas de

etanol e bioeletricidade!!). Ora a cana de açúcar se presta a ambas as tecnologias mencionadas. Ao converter açúcar em etanol, nas dornas de Comentários sobre o Resumo do Segundo Seminário Internacional sobre Uso Eficiente do Etanol, realizado nos dias 17 e 18 de setembro de 2015, no Auditório do BNDES, Rio de Janeiro, RJ, organizado pelo INEE.

Leia mais

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR O que é Franquia? Objetivo Esclarecer dúvidas, opiniões e conceitos existentes no mercado sobre o sistema de franquias. Público-Alvo Empresários de pequeno, médio e grande

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ANÁLISE DE VIABILIDADE DA ADOÇÃO DO GÁS NATURAL: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA TÊXTIL Lima M.S.O.*, Rebelatto D.A.N.º

Leia mais

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO Mercados dinâmicos demandam profissionais com formação completa e abrangente, aptos a liderarem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

6 de novembro de 2006 - Blumenau - SC

6 de novembro de 2006 - Blumenau - SC 6 6 de novembro de 2006 - Blumenau - SC Promoção Apoio Apresentação Com a criação do Dia Municipal do Empreendedor, e também encaminhado no âmbito estadual e nacional, a ACIB Jovem consolida um esforço

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Edição: agosto/2014 1 ÍNDICE Visão, Missão e Valores 6 Fornecedores e prestadores de serviço 14 Objetivos 7 Brindes, presentes e entretenimento 15 Princípios

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Infraestrutura do ITA (PG-EIA) é um dos pioneiros do país em sua área e lançou as bases para

Leia mais

INOVAÇÃO como DIFERENCIAL ESTRATÉGICO

INOVAÇÃO como DIFERENCIAL ESTRATÉGICO INOVAÇÃO como DIFERENCIAL ESTRATÉGICO Março/2010 A empresa A Empresa nasceu em março de 1977, como uma farmácia de manipulação, no centro de Curitiba. Durante seus 32 anos, evoluiu por diferentes cenários,

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

Congresso Minas Petro

Congresso Minas Petro Belo Horizonte / MG - 25 e 26 de Outubro Congresso Minas Petro IX Congresso de Postos Revendedores de Combustíveis de Minas Gerais Painel de Debates sobre Perspectivas da Revenda diante da nova Matriz

Leia mais

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br Apresentação Geral W2E Bioenergia Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente 1 www.w2ebioenergia.com.br 1 - A Empresa A W2E Bioenergia foi criada em 2010 tendo como base um desafio

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais