Sintigraf Sindicato dos Trabalhadores na Indústria grafica de Cascavel e Região

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sintigraf Sindicato dos Trabalhadores na Indústria grafica de Cascavel e Região"

Transcrição

1 Sintigraf Sindicato dos Trabalhadores na Indústria grafica de Cascavel e Região SINTIGRAF Cascavel

2 Sintigraf Sindicato dos Trabalhadores na Indústria grafica de Cascavel e Região Cascavel 2007 SINTIGRAF Cascavel

3 MENSAGEM DO SINTIGRAF O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas de Cascavel e Região, visando a melhoria nas condições e de trabalho e salário de seus representados, investe na sua formação, qualificação e especialização profissional com o objetivo final de proporcinar um avanço em sua qualidade de vida, na sua situação social e econômica e na concientização do fortalecimento da base sindical da categoria SINTIGRAF Cascavel

4 APRESENTAÇÃO Esta apostila foi desenvolvida com a preocupação única de ensinar e conscientizar os alunos do curso de Produção Gráfica, sobre todo o fluxo produtivo gráfico. De forma que o participante tenha uma visão geral de todos os momentos que o original irá passar ao chegar numa gráfica. Sempre buscando utilizar palavras e conceitos técnicos, objetivando de forma mais dinâmica e eficiente o aprendizado. E ciente de que, a Indústria gráfica continua se atualizando constantemente, e que os equipamentos se tornam ultrapassados, devemos continuar acompanhando essas mudanças, sempre estudando, para que seja possível continuar exercendo nossas atividades, e evitar assim de sermos engolidos pelo monstro da tecnologia e da automação. SINTIGRAF Cascavel

5 Marketing Existem hoje muitos tipos de publicações (mídias, anúncios, propagandas) nos dias atuais nos quais uma empresa pode investir o difícil é decidir qual é a que irá dar maior reterno para a mesma por isso iremos fazer uma breve análise das vantagens e desvantagens de algumas. Jornais: Um jornal de grande circulação não é, necessariamente o único caminho. Há jornais que, apesar de terem menos leitores podem ser mais qualificados. Procure sempre saber o perfil dos leitores de cada jornal antes de anunciar. (Uma pequena loja de bairro que tem como público alvo a comunidade local, poderia anunciar num pequeno jornal do bairro em que atua,ao invés de gastar em um grande jornal onde o anuncio seria muito mais caro.) Vantagens: Tem grande penetração nos mais variados tipos de público (exceto analfabetos) Ideais para divulgar liquidações, procura de empregos, ofertas especiais lançamentos de produtos etc. Desvantagens: Nada mais antigo que o jornal de ontem. A não ser que você possa fazer repetidos anúncios, sua mensagem será vista apenas no dia (ou dias em que anunciar). Revistas: São de interesse geral, possuindo públicos variados. Revistas especializadas são lidas por um número menor de leitores, porém mais qualificados. Para um equipamento agrícola por exemplo, uma revista do ramo pode ser mais eficaz do que uma revista de interece geral. Vantagens: Qualquer anúncio costuma ter mais tempo de vida, geralmente próximo da duração da própria revista. Revistas semanais são lidas até quase um ou dois dias antes da chegada da próxima edição. Além disso, uma revista pode ter mais de um leitor por número. Às vezes numa casa ou escritório, a mesma revista é lida por duas ou mais pessoas. Desvantagens: Nem todas as pessoas que tem dinheiro para comprar jornal, podem comprar revistas, o que pode significar menos leitores além disso, o maior tempo de vida de um anúncio tem, em contrapartida, o fato de que ele pode ser mais caro, dependendo da revista. Rádio (emissoras): Aqui a escolha deve não só considerar o tipo de emissora mas também o programa e horário adequados para anunciar. Um alto executivo pode gostar de música sertaneja ou clássica. Uma dona de casa pode gostar de entrevistas ou notícias e você tem que saber disso. Então você deve fazer uma pesquisa para saber qual o programa de rádio mais ouvido por seus clientes. Vantagens: A principal vantagem é que as pessoas ouvem rádio em qualquer lugar : no Trânsito, em casa no trabalho (dependendo do tipo), além de ter audiência desde a madrugada até a tarde da noite. O rádio é conhecido como um grande companheiro. Um texto bem elaborado pode passar mensagens de alto índice de recall. Desvantagens: O rádio não possui imagem. Se você depende de imagem para divulgar sua empresa, este não é o melhor meio. Além disso, se o seu cliente potencial é alguém que esta sempre em reuniões até tarde, pode ser difícil encontrar um horário adequado um horário para atingi-lo e, mesmo assim, você terá que torcer para que ele tenha o hábito de ouvir o tipo de programa que você escolheu. Televisão (emissoras): A exemplo do rádio, deve-se verificar a emissora, horário e programas mais adequados. Podem em alguns horários, ter público maior que outras mídias. Vantagens: Apresenta imagem com movimentos e cores, som e possibilidade de uso de textos. De todos os meios de comunicação talvez seja o mais completo em termos de apelos sensoriais (audição, SINTIGRAF Cascavel

6 visão). Em horários bem escolhidos possibilita grande divulgação, uma vez que pode ser programado para inserções locais, regionais ou nacionais. Desvantagens: Costuma ter custo mais elevado que todas as outras mídias e exige, em função disso, grande cuidado na escolha da programação.para objetivos mais restritos ou específicos, pode significar um gasto desnecessário, a não ser que existamprogramas dirigidos para o público que se deseja atingir. Telemarketing: Embora este seja um recurso extremamente amplo, aqui esta considerado em apenas um de seus usos, ou seja, para propaganda. Nesta concepção constitui uma forma de realizar visitas por telefone a clientes potenciais ou habituais. Vantagens: Agiliza enormemente os contatos e permite a transmissão de mensagens a públicos selecionados com um mínimo de dispersão. Divulga atividades promocionais a clientes e pode ter função de gerar tráfego em lojas ou de convidar para visitas a show-rooms. Desvantagens: Requer linha telefônica específica para esse fim. Pode ser agressivo se não for bem orientado, exigindo, portanto, planejamento de chamadas e treinamento adequado para quem o realizar. Mala-Direta: Peça de divulgação que permite os mais variados formatos, tamanhos e cores.em alguns casos permite o envio de pequenas amostras. Vantagems : Pode ter o volume que se desejar e ser enviada a qualquer tipo de cliente, em grandes quantidades ou postagens periódicas. Pode também ser elaborada de forma a conter um cupom resposta que tende a aumentar seu efeito se essa resposta significar alguma gratificação, brinde ou algo semelhante. Permite a divulgação de produtos e serviços de forma rápida atingindo grandes públicos. Associada a um trabalho de acompanhamento telefônico, costuma ter um efeito bastante melhorado. Desvantagens: Tem retorno reduzido em relação ao número de envios. Embora existam variações significativas de um ramo a outro,pode-se dizer,em linhas gerais que de 1 a 3% são retornos excelentes.em função do aumento desses recursos nos últimos anos, as pessoas hoje recebem muito mais malas diretas que no passado, reduzindo seu interesse. Exige, portanto, elaboração planejada para que seu custo seja compensador. Outdoors Cartazes Faixas - Lamb-Lamb Utilizados juntos as vias públicas os outdoors já possuem espaços pré-determinados para propagandas. Os Cartazes, faixas e Lamb-Lambs, tem utilização mais ou menos livres, geralmente junto a muros ou postes, sendo mais vulneráveis que o outdoor. Vantagens: Quando colocados em locais de bom fluxo de pessoas e/ou automóveis promovem o produto anunciado, podendo exibir uma ou duas frases curtas de rápida leitura. Habitualmente são mídias baratas. Desvantagens: A maioria é inadequada para veicular textos ou mensagens mais longas. (lembrem-se que no caso do outdoor a pessoa dentro de um veículo tem que o ler em apenas 4 ou 5 segundos em movimento). Se o local não for bem sucedido, podem passar despercebidas. Desses meios o outdoor costuma ter vida mais longa, porém costuma ter preço mais alto. Dependendo do local pretendido para a fixação de cartazes, faixas e lamb-lamb é necessário uma autorização da prefeitura local. As empresas de outdoor já possuem alvará para exibição de anúncios. Patrocínio de eventos SINTIGRAF Cascavel

7 Neste tipo de divulgação o anunciante faz figurar sua marca, logotipo ou nome de produtos em diversos materiais: convites, cartazes, painéis do evento, entradas de feiras, teatros, além dos próprios veículos em que o evento for divulgado. Vantagens:Desde que bem escolhido, aproxima a empresa de seus clientes potenciais, geralmente em clima festivo. Ocorrendo com regularidade,pode associar o nome da empresa a atividades que despertem interesse, tais como: esporte, música, laser, cultura, educação, ciência e outras. Desvantagens: Requer cuidadoso levantamento de informações sobre os organizadores, experiência destes na promoção de eventos,público a que se destina, objetivos claros e como serão mensurados.um evento ruim ou mal sucedido pode arranhar o nome de seu patrocinador, causando danos imprevisíveis à imagem e até aos produtos da empresa. Web-Site: Apresenta imagem, movimentos e cores, som e possibilidade de uso de textos e também é completo em termos de apelos sensoriais (audição, visão). Possibilita grande divulgação. Vantagens: Baixo Custo. Desvantagens: Requer cuidadoso levantamento de informações sobre a experiência da empresa que irá produzi-lo. O cliente tem que acessa-lo e nem todos os seus clientetem acesso a internet. Trabalhando a imagem da empresa Programação visual Gráfica Porque acontece de vermos determinados símbolos e, mesmo sem que tenham qualquer coisa escrita, sabemos do que se trata? Por que identificamos sinais de trânsito e, mesmo sem palavras, obedecemos a comandos ou instruções que eles representam? É claro que todos sabemos o que é um símbolo. Entretanto, vamos aqui falar um pouco sobre a importância. Segundo o Dicionário Aurélio, símbolo é aquilo que, por um princípio de analogia evoca, representa ou substitui outra coisa. Desde os tempos mais remotos, o homem comunica-se por símbolos, alguns de conhecimento geral, outros secretos e só reconhecidos por iniciados. Temos símbolos universalmente conhecidos e que, em qualquer lugar do mundo, representam a mesma coisa. Símbolos Escreva em sua opinião o que cada símbolo representa: SINTIGRAF Cascavel

8 Linguagem simbólica A linguagem simbólica é, portanto uma forma de comunicação imediata e fácil de reconhecer, mesmo quando estamos em países cuja língua não falamos. Através dos símbolos comunicamos idéias, conceitos, locais, autorizações ou proibições e tantas outras coisas. A própria linguagem escrita é uma linguagem simbólica já que,por convenção cada letra representa um som e estas juntas formam outros sons que entendemos como palavras. No âmbito empresarial isso não é diferente. Todos conhecemos dezenas, talvez centenas de empresas apenas visualizando seu símbolo em luminosos e cartazes de rua, anúncios, nos carros da Fórmula 1, e outros eventos esportivos, no cinema ou televisão e em todo canto ao seu redor. A empresa de cada participante é uma pessoa jurídica, isso quer dizer que ela não tem cara ou corpo visível. Para aqueles que já negociam com ela, a empresa pode ser o José, o João, a Maria,. Pode também ser o prédio da esquina da Avenida Brasil com a Parigot de Souza. Porém, para quem faz ou não negócios com a empresa, seu símbolo é a representação desta em qualquer lugar.por isso, um bom símbolo é o inicio de um bom relacionamento. E o que é um bom símbolo? Bom é aquele que passa as idéias ou conceitos que a empresa incorpora, de forma eficaz. Vejamos como pode ser isso. A identidade da empresas é estabelecida, em primeiro lugar, por seu logotipo (representação gráfica de nome ou palavra, com letras de traçado e forma específicos, design característico na escrita do nome da empresa ou identidade), logomarca (conjunto de logotipo e marca em uma única composição gráfica) ou marca e a forma de aproveitamento desses símbolos em seu cartão de visitas, papel carta, envelopes, locais de tráfego de pessoas dentro da empresa, fachada, veículos crachás de identidade funcional, uniformes de vigias, seguranças, entregadores, etc. Criando (ou atualizando) o logotipo Se pensarmos numa marca para uma empresa de perfil mais sóbrio, digamos um escritório de consultoria financeira ou organizacional, poderíamos ter uma marca trabalhada da seguinte forma: SINTIGRAF Cascavel

9 Se essa mesma marca fosse de uma confecção de moda jovem, talvez fosse mais conveniente um tratamento menos formal e mais arrojado: Ou ainda solução diferente para um escritório de arquitetura ou decoração: Note que a maneira de escrever uma marca ou logotipo, sua distribuição e tamanhos, pode resultar em uma imagem mais apropriada para a sua empresa. A identidade visual está diretamente ligada a como as pessoas lembrarão e reconhecerão seu nome, quando ele aparecer fora de sua fachada ou de seus papeis de carta por exemplo. SINTIGRAF Cascavel

10 1. no caso do escritório de consultoria financeira, a marca (poderia ser um logotipo) aparece de forma discreta, sugerindo uma imagem ética e conservadora como convém a uma empresa que lida com questões organizacionais. Uma solução gráfica espalhafatosa ou visualmente exuberante poderia não conferir a credibilidade desejada. 2. para uma confecção de moda jovem ocorre o oposto. A imagem tem que ser de arrojo, irreverência e impacto, características inerentes ao próprio público que se pretende atingir. Aqui uma marquinha ou logotipos discretos poderiam ser entendidos como bregas, caretas, ou outros qualificativos que distanciariam imediatamente a empresa de seus clientes. 3. um escritório de arquitetura e decoração talvez não busque nem a discrição e nem a irreverência. Para este caso, o mais importante poderia ser a criatividade, o bom gosto a inteligência no uso de recursos gráficos, afim de passar a imagem de competência em trabalhos que exigem beleza, estética e funcionalidade.esta empresa liga-se ao seus clientes pela lembrança de criações diferenciais e com personalidade própria. Cada cliente é um cliente diferente. Naturalmente estes são alguns exemplos. Não significa que se tenha que seguir rigorosamente os itens citados. Eles servem apenas para lembrar alguns conceitos associados a da imagem citada. Entretanto, deve-se lembrar que não há tabelas ou normas para a criatividade embora existam idéias menos eficazes na transmissão de uma imagem. Slogan Uma das formas de melhor capitalizar um bom símbolo é associa-lo a um bom slogan e este um dos usos mais imediatos da propaganda. Além do anúncio de produtos e serviços, divulgando suas imagens, rótulos formatos e tamanhos,o slogan é o apelo associado a sua marca, logotipo ou à um produto que enfatiza suas qualidades ou cria forte ligação com o público a que se destina. Vejamos alguns slogans que marcam: A marca do coração Lar 1001 utilidades Bombril A nº 1 Brahma... Exercício: Crie um logotipo e Slogan para a Gráfica onde você trabalha. SINTIGRAF Cascavel

11 As cores e seu uso Amarelo Muito usado como cor de fundo para cartazes,dependendo da tonalidade pode lembrar o sol, o ouro, a realeza. Na sua forma original,o símbolo yinlyang (é preto e amarelo pois para os orientais,são cores que se opõem). No islamismo o amarelo-ouro caracteriza a sabedoria. Em tons intensos ou usado em demasia pode ser irritante. Em tons suaves é usado como cor infantil neutra. Usado também como cor de fundo para placas de advertência. Azul Lembra frescor e pureza. Divindades hindus como Shiva e Krishna são representadas por tons de azul. Usada em ambientes para efeito calmante ou em embalagens de água e outros produtos que devam passar idéia de pureza. Cor do infinito (o azul do céu). Com tons pasteis é usada para designar produtos infantis, geralmente masculinos. Branco Símbolo universal da pureza e da perfeição,indica também higiene e limpeza. Usado em rituais de nascimentos, casamentos, batizados e também por médicos e profissionais da saúde. Acalma e harmoniza mas, em excesso, pode ser entediante e, dependendo do uso ou ambiente, até depressivo. Cinza Associado a tecnologia, lembra o metálico como o aço,alumínio, etc. Passa a imagem de sobriedade e serenidade. Muito usado em ambientes e artigos masculino. Usado também como base para outras cores por sua propriedade neutra, em seus tons mais claros. Marrom Do bege claro ao marrom intenso essa cor tem forte ligação coma terra. Associado, por motivos óbvios, ao café, chocolate e, por extensão a outros alimentos, especialmente doces. Freqüente em ambientes e produtos masculinos por ter um resultado sóbrio e elegante. Rosa Considerado por muitos como a cor do amor, por estar ligada à deusa grega Afrodite, tem também características femininas e infantis. Embora o uso excessivo possa dar um resultado de mau gosto, pode ser combinada com outras cores com efeitos de legância e suavidade. Verde Florestas, natureza, frescor e fonte de vida são algumas das idéias ligadas á essa cor e todos seus tons. Costuma representar o oposto do vermelho. Usado em alimentos, especialmente naturais, passa a imagem de saudável. Simboliza também dinheiro e esperança. Usado em ambientes pode produzir repouso visual. Vermelho Sangue, fogo, calor vibração, paixão volúpia, fecundidade estão relacionados ao vermelho. SINTIGRAF Cascavel

12 Em ambientes deve ser usado com cuidado e critério. Ligado também a alimentação pode lembrar sabor e coisas quentes ou apimentadas. Em conceitos religiosos pode estar ligado ao demônio ou mal.muito usado para sinais de advertência ou perigo. Em Vitrines, usado com habilidade, pode chamar atenção. Violeta/Lilás Uma é mais intensa e outra mais leve, mas são variações da mesma cor formada pelo rosa puro (magenta) e azul puro (ciano). Para várias culturas orientais, simboliza pureza e paz. É também a cor da meditação. Para os católicos, a tonalidade mais intensa e escura simboliza a paixão de Cristo (daí sua associação à morte). Em tons suaves é muito usada em ambientes femininos. Exercício Crie um Logomarca para uma Gráfica usando as cores que julgar corretas: SINTIGRAF Cascavel

13 O FLUXO PRODUTIVO GRÁFICO Resumidamente podemos entender cada fase do processo da seguinte maneira: Pré-Impressão É a fase produtiva responsável pela concretização das idéias de um artista gráfico em um arquivo digital que possa ser reproduzido em sistemas de impressão em escala industrial. Pode envolver também a gravação de fotolitos, assim como de chapas planográficas, no caso de impressão off-set, ou similar. Impressão Pode ser realizada por diversos processos (offset, rotogravura, serigrafia, flexografia, litogravura e etc...) onde se transfere para um suporte (papel, plástico, metal e etc...) a imagem do trabalho gráfico através da aplicação de pigmentos de diversas naturezas (tintas, toner, verniz e etc...). Pós-Impressão Também conhecida como Acabamento, essa fase de finalização do trabalho possibilita desde um simples corte final do impresso até finalizações mais complexas como dobras, relevos, vinco, verniz e etc... Assim a Indústria gráfica pode ser visualizada por seus principais processos, porém, sem nos esquecermos de que novas tecnologias podem tornar essa divisão teórica menos lógica. Veremos alguns processos que podem encurtar o fluxo produtivo, aproximando cada vez mais o criador do produto final. Vamos conhecer as principais tendências: Computer-To-Film (Do computador para o filme) Esse processo está baseado na produção, diretamente do computador, de filmes (fotolitos) que serão utilizados na gravação de matrizes para impressão. SINTIGRAF Cascavel

14 Prensa UV Revelação Impressão scanner O fluxo baseado em filme requer controle muito refinado dos processos de gravação de filme pelo image setter, revelação química dos filmes, cópia e revelação de chapas. Computer-To-Plate (Do computador para a chapa) Nessa possibilidade do processo produtivo a image setter, equipamento responsável pela confecção de filme é substituída por outro equipamento, a plate setter, que grava diretamente em chapas de impressão. Há também a possibilidade de se usar um duo setter, capaz de gravar tanto chapas quanto filmes. CTPlate Impressão Se a tecnologia computer-to-film já eliminava gravação e revelação de filmes negativos e positivos, podemos perceber que nesse processo não se tem contato com produto químico, pois, eliminamos também a cópia e revelação de chapas. Porém, devemos lembrar que a necessidade do controle digital da fase de preparação do trabalho a ser enviado para a chapa deve ser ainda maior, visto que o custo das chapas é muito maior que o custo do filme. SINTIGRAF Cascavel

15 Trata-se de uma tecnologia de alto custo e sofisticação e seu funcionamento consiste no seguinte: 1. Um dispositivo remove a chapa de alumínio de um cassete onde está armazenada 2. A chapa é destacada da folha de proteção que cobre sua camada fotossensível 3. A seguir, é transportada para um tambor onde a imagem será reproduzida em sua superfície 4. Uma vez exposta a chapa será transportada para um sistema automático de processamento que consiste em revelação, retoque, lavagem, endurecimento e armazenagem. SINTIGRAF Cascavel

16 Computer-To-Press (Do computador para a máquina de impressão) Trata-se de um sistema de impressão digital, que trabalha com produção de uma matriz de impressão obtida a partir da gravação de uma imagem em uma chapa com as mesmas características da impressão off-set, com uma única diferença. scanner CTPress Impressão No sistema off-set convencional, a imagem é gravada sobre a chapa por meio de uma película fotossensível aplicada a sua superfície, sendo esta gravação obtida mediante a exposição à luz de um fotolito. Na impressão digital a imagem é gravada diretamente na chapa por raio laser, que expõe de arquivos gerados em computadores, não havendo portanto necessidade de revelação. Como a exposição é realizada simultaneamente em todas as chapas não há necessidade de ajuste de registro e a abertura dos tinteiros possui controle computadorizado. Com este processo obtém-se um bom resultado, porém devido ao seu alto custo é direcionado para impressões rápidas e de pequenas tiragens. Computer-To-Print (Do computador para impressão) ou Impressão digital No processo de impressão digital não existe matriz, a imagem é criada através de cargas elétricas em cilindros metálicos internos das máquinas que atraem o pigmento e o transferem para o suporte. Como não existe uma matriz fixa, na impressão digital é possível se imprimir uma imagem para cada giro da máquina, tornando assim verdadeiro o processo de personalização do SINTIGRAF Cascavel

17 trabalho. Cada folha pode conter informações relativas ao cliente com o seu nome, foto e cada produto pode ser feito na quantidade desejada mesmo que seja uma única peça. scanner CTPrint Impressão É bom Lembrar que a impressão digital ainda não atingiu a qualidade obtida na impressão offset convencional que utiliza, obviamente, as chapas. Essa tecnologia se torna viável para pequenas tiragens. Como os custos fixos de produção são proporcionais à quantidade de impressos, para as grandes tiragens o preço torna-se inviável se utilizar tal tecnologia hoje disponível. PREPARAÇÃO DO ORIGINAL Há tempos atrás o original era preparado manualmente, como em fotocomposição, por exemplo, onde se utilizava de um paste-up. Hoje em dia os originais são produzidos no computador se utilizando de ferramentas para editoração eletrônica, dentre eles podemos citar: Corel Draw, Adobe Illustrator, Photoshop, PageMaker e QuarkXPress. Cada software tem a sua especialidade: os ilustradores, por exemplo, tem a função clara de ilustrar, desenhar e não de paginar ou tratar imagens. Os mais famosos são: Illustrator, Corel Draw e Freehand da Macromedia. O Corel Draw domina o mercado de PC s (Computadores pessoais baseados na tecnologia da IBM) enquanto o Illustrator domina o de Mac (Macintosh é um computador fabricado pela Apple que foi concebido para SINTIGRAF Cascavel

18 computação gráfica, conseguindo um desempenho nessa área, em torno de 60%, melhor que o PC, em máquinas com especificações próximas, diga-se de passagem). Para retocar imagens temos o muito utilizado Adobe Photoshop que domina os dois mercados seguido bem de longe pelo pálido Corel PhotoPaint. E para paginação temos o PageMaker dominando o mercado de PC s e o QuarkXPress que domina o de Mac. A Adobe lançou, por volta de 1999, o In Design que promete desbancar os outros dois. O mais importante é saber usar cada um no seu momento apropriado e não tentar fazer revistas ou jornais nos ilustradores, nem tentar ilustrar no paginador, assim como evitar fazer a impressão final nos ilustradores. É necessário, também, saber como enviar esse arquivo, depois de pronto, para uma gráfica ou bureau/fotolito. Arquivos Abertos X Arquivos Fechados Antes da pré-impressão digital, os arquivos eram enviados impressos para gráfica que se utilizava da pré-impressão convencional. Hoje em dia numa pré-impressão digital, o arquivo é entregue em disco podendo estar num regime aberto ou fechado. O arquivo aberto é o arquivo criado pelo profissional (.cdr /.p65 /.ai /.qxd) que pode ser aberto em qualquer computador que tenha o aplicativo que o gerou. Dessa maneira é necessário que se envie, na mesma pasta, o arquivo original, todas as fontes utilizadas e todos os vínculos. Esse sistema é mais demorado, pois na gráfica todos os vínculos serão checados, fontes instaladas e o original fechado. Essa demora gera um custo maior e, o que é pior, uma falta de segurança, pois o arquivo pode ser manipulado. Um arquivo fechado nada mais é que um arquivo de impressão que ao invés de ser enviado para a impressora é gravado em disco. Esse arquivo é escrito na linguagem PostScript, que foi desenvolvida pela Adobe Systems e tem a finalidade de descrever às impressoras como os tipos (Fontes e letras) e as ilustrações devem ser posicionados na página a ser impressa. Inclui também informações sobre os ângulos e lineaturas das retículas. SINTIGRAF Cascavel

19 Os image setter s (impressoras de filme ou fotolito) possuem um dispositivo chamado RIP (Raster Image Processor) que tem a função de receber as informações na linguagem PostScript, interpretá-las e transformá-las em pontos que serão então impressos no filme. Quando o usuário fecha um arquivo, ele está usando os parâmetros e fontes de sua própria máquina (diminui o risco de troca de fontes), torna a impressão do filme muito mais rápida e evita ter de pagar taxas adicionais que são cobradas quando o cliente envia o arquivo aberto. Sem contar na total segurança, pois na gráfica o arquivo só poderá ser visualizado e impresso. A vantagem de enviar arquivos abertos é que ele permite correções de última hora. Ao encaminhá-lo no regime fechado o cliente conta com menor prazo de entrega, descontos maiores, uso de fontes e vínculos do seu próprio equipamento e acima de tudo segurança. Apesar disso, estima-se que apenas 20% dos arquivos entregues para a impressão nos bureaus estejam no regime fechado. Vários fatores ajudam essa estatística, como por exemplo: falta de conhecimento para gerar arquivo fechado, expectativa que o bureau corrija eventuais erros na construção do arquivo, tamanho do arquivo fechado que por ser maior dá mais trabalho para transportar e principalmente por não querer assumir responsabilidade. PostScript X PCL Antes de aprendermos como fechar um arquivo, é importante saber que todas as impressoras possuem uma ou mais linguagens de impressão. A linguagem Post Script foi desenvolvida pela Adobe Systems e é padrão em todas as impressoras profissionais, tais como: image-setters, copiadoras coloridas, plotters, platesetters e outras como alguns modelos de jato de tinta e laser. SINTIGRAF Cascavel

20 É uma linguagem de descrição de página, em que todos os elementos de página (textos, ilustrações e fotos) são descritos na forma de texto para serem impressos da maneira mais profissional possível. Esta linguagem possui três versões: PostScript Level (nível) 1,2 ou 3. A outra linguagem disponível para impressoras é a PCL. Desenvolvida pela Hewlett Packard, se tornou um padrão na maioria das impressoras jato de tinta e laser. É uma linguagem eficiente, mas pobre em recursos profissionais, pois não suporta o principal formato profissional de exportação: o EPS (Encapsulated PostScript). Drivers e PPDs Veremos que para fechar um arquivo temos que instalar no nosso computador a impressora onde ele vai ser impresso. Para isso usamos o driver que é o software que permite ao Sistema Operacional controlar a impressora. Uma impressora PostScript sempre necessita, também, de um PPD (PostScript Printer Description) para funcionar. Alguns aplicativos, como o Page Maker, Illustrator e outros pedem, na hora da impressão ou fechamento, o PPD. Os drivers e PPDs das impressoras são específicos para cada bureau pois cada um deles tem impressoras diferentes (ou de um mesmo fabricante e modelo, porém com alguma característica diferente). Esta é justamente a função do PPD: descrever para o driver e complementá-lo, de maneira mais específica, os formatos de impressão, resolução máxima e outras características. O PPD complementa as informações dos drivers. Para instalação dos PPDs na plataforma Windows, basta que eles sejam copiados para o diretório PPD normalmente localizado nos diretórios do Page Maker, Quark, Illustrator ou Freehand. O Page Maker, por exemplo, usa a pasta c:\pm65\rsrc\brasil\ppd4. No Macintosh, os PPDs devem ser copiados para o folder system folder\extensions\printer Description ou, em casos excepcionais, para onde o seu aplicativo especificar. SINTIGRAF Cascavel

21 Fechamento de arquivos Fechar arquivos é algo muito simples. Tão simples quanto imprimir, porém toda vez que for enviar um arquivo para uma gráfica ou bureau, consulte-os para saber certas especificações como: lineatura e ângulo das retículas, separação ou não de cores e outros detalhes que são variáveis. Existem livros que esclarecem todos os detalhes sobre fechamento, por exemplo podemos citar Preparação e fechamento de arquivos para birôs Windows e Macintosh de Ricardo Minoru e distribuído pela editora Érica. Apesar de haver tantas variáveis, segue abaixo uma lista de passos para fechar um arquivo, considerando-se as exigências normais da praça. 1º- Instalar uma Impressora Post Script EM FILE (Antigamente se usava uma impressora genérica, a Linotronic 530 que pode ser usada numa simulação. Mas lembrem-se, a melhor impressora a ser instalada é a que estiver sendo usada na gráfica ou bureau de fotolito). 2º- Ao Imprimir escolher a impressora Post Script e: No Page Maker No botão Papel (Configurar impressora), determine o tamanho do papel e ative as marcas de impressão. O tamanho do papel aqui configurado deve ser maior que a página criada, pois além de conter a página conterá também marcas de corte, registro e etc... No botão Opções ative a opção GRAVAR POST SCRIPT EM ARQUIVO. Escolha em que pasta e com que nome ele será gravado. Se o impresso for a cores, no botão Cor ative separações. Caso use algum Pantone, certifique-se de ativá-lo. Salve. No Corel Draw No menu Arquivo Configurar impressão, determine o papel. Se não estiver ativado, ative o PPD. SINTIGRAF Cascavel

Área Tecnológica Gráfica

Área Tecnológica Gráfica Área Tecnológica Gráfica Área Tecnológica Gráfica ÍNDICE 1- INTRODUÇÃO 6 2- HISTÓRICO 7 Breve História da Imprensa 7 Manuscritos Iluminista 7 Prensa 7 Impressora Rotativa 7 Fotocomposição: 7 3- O FLUXO

Leia mais

Configurando Color Sttings - no CS3 Shift + Ctrl + K

Configurando Color Sttings - no CS3 Shift + Ctrl + K GCR Photoshop CS3 Cores Digitais Primeiramente, vamos entender como é possível substituir o CMY por preto apenas nas áreas cinzas e escuras sem influenciar nas outras cores da foto. Quando um scanner captura

Leia mais

PUBLICIDADE & PROPAGANDA PRODUÇÃO GRÁFICA

PUBLICIDADE & PROPAGANDA PRODUÇÃO GRÁFICA PRODUÇÃO GRÁFICA PUBLICIDADE & PROPAGANDA Prova Semestral --> 50% da nota final. Sistema de avaliação Atividades em laboratório --> 25% da nota final Exercícios de práticos feitos nos Laboratórios de informática.

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

Quadricromia. e as Retículas AM e FM

Quadricromia. e as Retículas AM e FM Quadricromia e as Retículas AM e FM A retícula A retícula tradicional ou convencional AM (Amplitude Modulada) é composta de pontos eqüidistantes e com dimensões variáveis. A retícula A retícula tradicional

Leia mais

Referência de cores Fiery

Referência de cores Fiery 2014 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. 11 de junho de 2014 Conteúdo 3 Conteúdo Introdução à referência de cores

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais

A cor e o computador. Teoria e Tecnologia da Cor. Unidade VII Pág. 1 /5

A cor e o computador. Teoria e Tecnologia da Cor. Unidade VII Pág. 1 /5 A cor e o computador Introdução A formação da imagem num Computador depende de dois factores: do Hardware, componentes físicas que processam a imagem e nos permitem vê-la, e do Software, aplicações que

Leia mais

Fotografia Digital. Aula 1

Fotografia Digital. Aula 1 Fotografia Digital Aula 1 FOTOGRAFIA DIGITAL Tema da aula: A Fotografia 2 A FOTOGRAFIA A palavra Fotografia vem do grego φως [fós] ("luz"), e γραφις [grafis] ("estilo", "pincel") ou γραφη grafê, e significa

Leia mais

Prof. Wanderlei Paré PROCESSOS DE IMPRESSÃO

Prof. Wanderlei Paré PROCESSOS DE IMPRESSÃO CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DIRETA QUANDO A MATRIZ IMPRIME DIRETAMENTE SOBRE O PAPEL. INDIRETA QUANDO A MATRIZ IMPRIME SOBRE UMA SUPERFÍCIE E DESTA PARA O PAPEL. PLANA QUANDO TODA A SUPERFÍCIE DA MATRIZ TOMA

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA FECHAMENTO E ENVIO DE ARQUIVOS DE JORNAIS PARA IMPRESSÃO

PROCEDIMENTOS PARA FECHAMENTO E ENVIO DE ARQUIVOS DE JORNAIS PARA IMPRESSÃO PROCEDIMENTOS PARA FECHAMENTO E ENVIO DE ARQUIVOS DE JORNAIS PARA IMPRESSÃO JANEIRO/2012 Introdução Este guia descreve os padrões, formatos e procedimentos a serem adotados na preparação e fechamento de

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Como Converter Arquivos.DOC em PDF

Como Converter Arquivos.DOC em PDF Como Converter Arquivos.DOC em PDF Conceito de Arquivo PDF O formato PDF (Portable Document Format), nativo do Adobe Acrobat, é considerado o sucessor do arquivo, chamado fechado (PRN, PS ou EPS). No Brasil

Leia mais

Guia de qualidade de cores

Guia de qualidade de cores Página 1 de 5 Guia de qualidade de cores O Guia de qualidade de cores ajuda você a entender como as operações disponíveis na impressora podem ser usadas para ajustar e personalizar a saída colorida. Menu

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras CÓDIGO 042 CÓD. CURSO 42226 CÓD. DISC. 092.2734.2 PROFESSOR PLANO DE ENSINO UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO Letras Produção Editorial Gráfica Marcos Nepomuceno ETAPA 7 CH 04 T 04 P 00 ANO

Leia mais

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica professor Rafael Hoffmann Cor Modelos cromáticos - Síntese aditiva/cor-luz Isaac Newton foi o responsável pelo desenvolvimento da teoria das cores. Em

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

Manual de Artes Fechamento de Arquivos para a OPEC/GP Novembro/2007 Manual de Artes da OPEC Arquivos Impressos

Manual de Artes Fechamento de Arquivos para a OPEC/GP Novembro/2007 Manual de Artes da OPEC Arquivos Impressos Manual de Artes Fechamento de Arquivos para a OPEC/GP Novembro/2007 Manual de Artes da OPEC Arquivos Impressos Gazeta do Povo -vs02- Recomendações para preparação da arte final Segue abaixo algumas dicas

Leia mais

Clique no número da página escolhida para acessá-la. Como funciona o sistema digital Transmissão de anúncios via internet Troca de material

Clique no número da página escolhida para acessá-la. Como funciona o sistema digital Transmissão de anúncios via internet Troca de material MANUAL DE ENVIO DE MATERIAL 2013 Como funciona o sistema digital Transmissão de anúncios via internet Troca de material Resolução Formatos Conteúdo Prova de cor Layout Marcas de corte Cores Clique no número

Leia mais

Especificações Técnicas - Dicas, evitando erros

Especificações Técnicas - Dicas, evitando erros Especificações Técnicas - Dicas, evitando erros Recomendações que evitam os erros mais freqüentes Nunca utilize quadricromia para textos em preto, para evitar problemas de registro na impressão. Evite

Leia mais

Introdução. Tipo de Cor

Introdução. Tipo de Cor Introdução Este material foi pensado pela Gráfica Cartões Mais Barato, com o propósito de facilitar a produção dos seus materiais. Para isso, preparamos o melhor compilado de textos a cerca do fechamento

Leia mais

Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados

Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados Este tutorial tem por finalidade esclarecer algumas dúvidas sobre arquivos abertos e arquivos fechados. Leia e entenda um pouco mais sobre PDF, diferenças

Leia mais

Alguns métodos utilizados

Alguns métodos utilizados Alguns métodos utilizados TIF Algumas pessoas exportam o trabalho feito no Corel em formato TIF,que é um procedimento comum para impressão em jornais e publicações impressas. Para exportar desta forma

Leia mais

Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento

Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento 1 Antes de mais nada, é extremamente necessário lembrar que para tratar uma imagem é necessário que o monitor de seu computador esteja calibrado

Leia mais

Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB.

Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB. Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB. O Portal Art3 é um sistema que permite uma grande flexibilidade na entrega e aprovação de seus

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CÓD. CURSO CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH ANO 170.345.23 Materiais e Processos Gráficos II 4ª 2010

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO UNIDADE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CÓD. CURSO CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO CÓD. DISC. DISCIPLINA 170.345.23 MATERIAIS E PROCESSOS GRÁFICOS II CRÉDITOS ETAPA 4

Leia mais

O Estado de S. Paulo

O Estado de S. Paulo 3 Este manual tem como objetivo recomendar a forma mais adequada de criação, tratamento de imagem, fechamento de arquivos e envio de anúncios que serão impressos no sistema de impressão Offset Web Cold

Leia mais

Porque as. cores mudam?

Porque as. cores mudam? Porque as cores mudam? O que são cores? As cores não existem materialmente. Não possuem corpo, peso e etc. As cores correspondem à interpretação que nosso cérebro dá a certo tipo de radiação eletro-magnética

Leia mais

Imagens Digitais Tratamento de Imagens

Imagens Digitais Tratamento de Imagens Imagens Digitais Imagens de Bitmap Bitmap = Mapa de Bits ou Imagens Raster São as imagens formadas por pixels em oposição às imagens vetoriais. Imagens de Bitmap Imagem de bitmap Imagem vetorial Imagens

Leia mais

TEORIA DA COR NO DESIGN

TEORIA DA COR NO DESIGN FAUPUCRS Design Gráfico TEORIA DA COR NO DESIGN Prof. Arq. Mario Ferreira, Dr.Eng. Outubro, 2011 AXIOMAS NA ÁREA DO DESIGN Projeto cromático tipo e utilização do elemento (objeto ou imagem) tratado; Falta

Leia mais

Especificações Técnicas - Dicas, evitando erros

Especificações Técnicas - Dicas, evitando erros http://publicidade.abril.com.br/revistas/espe_tecnicas/rev _recomenda.shtml Especificações Técnicas - Dicas, evitando erros Recomendações que evitam os erros mais freqüentes Nunca utilize quadricromia

Leia mais

CMs - Gestão de cor. josé gomes ferreira

CMs - Gestão de cor. josé gomes ferreira josé gomes ferreira CMs - Gestão de cor APRESENTAÇÃO A Gestão de Cor da captura à impressão! Conhecer e compreender a teoria da cor para a gestão de cor. A Luz e a sua natureza, os espaços de cor, etc.

Leia mais

Special Effects for Print. Design em uma nova dimensão com o Process Metallic Color System por Color-Logic

Special Effects for Print. Design em uma nova dimensão com o Process Metallic Color System por Color-Logic Special Effects for Print Design em uma nova dimensão com o Process Metallic Color System por Color-Logic Process Metallic Color System O sistema Process Metallic Color System (Sistema de Cores Metálicas

Leia mais

1ª Decomposição das cores contínuas em padrões de distribuição de pontos de cor sólidos através de um scanner

1ª Decomposição das cores contínuas em padrões de distribuição de pontos de cor sólidos através de um scanner 1 2 Qualidade na reprodução Originais Qualidade do original Separação de cores Fotolitos Chapas Tinta Papel Esse itens são fundamentais para que as cores não sejam modificadas na reprodução. 1- opacos

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Concurso Público (Aplicação: 07/08/2011) Cargo: Técnico em Artes Gráficas/Classe D-101 LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: Verifique,

Leia mais

Fiery Color Server SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS. Glossário

Fiery Color Server SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS. Glossário Fiery Color Server SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS Glossário 2004 Electronics for Imaging, Inc. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos das Avisos de caráter legal deste produto. 45044849

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Í n d i c e Apresentação........................................................................................ Uso do Manual.....................................................................................

Leia mais

Especificações Técnicas Editora Abril Copyright 2010, Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados

Especificações Técnicas Editora Abril Copyright 2010, Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados Especificações Técnicas Editora Abril Copyright 2010, Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados Como evitar erros http://grafica.abril.com.br/como_evitar_erros.php A quadricromia não deve ser utilizada

Leia mais

O que é a cor? Como converter as cores para CMYK

O que é a cor? Como converter as cores para CMYK Introdução A Cartilha de Fechamento de Arquivos a seguir foi preparada pela equipe de criação da gráfica Cores, com o intuito de ajudar seus clientes a criarem artes o mais precisa possível, evitando assim

Leia mais

PUBLICIDADE GLOSSÁRIO DIAGRAMAÇÃO E PRODUÇÃO GRÁFICA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

PUBLICIDADE GLOSSÁRIO DIAGRAMAÇÃO E PRODUÇÃO GRÁFICA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA PUBLICIDADE DIAGRAMAÇÃO E PRODUÇÃO GRÁFICA GLOSSÁRIO REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA GLOSSÁRIO PRODUÇÃO GRÁFICA A B C D Alceamento - arranjo de folhas ou cadernos na seqüência adequada para que as páginas fiquem

Leia mais

- VANTAGENS O arquivo fechado corretamente; evita ocorrência de problemas de impressão e torna o tempo total de execução do trabalho muito menor.

- VANTAGENS O arquivo fechado corretamente; evita ocorrência de problemas de impressão e torna o tempo total de execução do trabalho muito menor. GUIA DE ARQUIVOS - VANTAGENS O arquivo fechado corretamente; evita ocorrência de problemas de impressão e torna o tempo total de execução do trabalho muito menor. - LINEATURA A lineatura do arquivo fechado

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer

Leia mais

Fiery E100 Color Server. Impressão em cores

Fiery E100 Color Server. Impressão em cores Fiery E100 Color Server Impressão em cores 2011 Electronics For Imaging, Inc. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. 45098264 09 de agosto

Leia mais

a marca bematech Tudo o que você precisa para usar a marca. Dezembro de 2009

a marca bematech Tudo o que você precisa para usar a marca. Dezembro de 2009 16 a marca bematech Tudo o que você precisa para usar a marca. 17 Marca Dinâmica e evolutiva, a marca Bematech é formada pelo símbolo e logotipo. Suas elipses simbolizam a essência de uma empresa empreendedora.

Leia mais

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Digitalização Este capítulo inclui: Digitalização básica na página 4-2 Instalando o driver de digitalização na página 4-4 Ajustando as opções de digitalização na página 4-5 Recuperando imagens na página

Leia mais

Padrões da Marca de Bandeira Maestro

Padrões da Marca de Bandeira Maestro ORIENTAÇÕES DA MARCA Padrões da Maestro Versión 8.0 Abril 2015 Maestro A Maestro pode aparecer apenas nas versões aprovadas. A escolha da versão depende da aplicação, das restrições orçamentárias, das

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO 42951 CÓD. DISC. 170.3452.3 UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA MATERIAIS E PROCESSOS GRÁFICOS II ETAPA 4 CH

Leia mais

Fiery Color Server. Referência de cores Fiery

Fiery Color Server. Referência de cores Fiery Fiery Color Server Referência de cores Fiery 2007 Electronics for Imaging, Inc. As informações desta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. 45066674 01 de outubro

Leia mais

WEB DESIGN LAYOUT DE PÁGINA

WEB DESIGN LAYOUT DE PÁGINA LAYOUT DE PÁGINA Parte 3 José Manuel Russo 2005 17 Introdução A Cor é um factor importante em qualquer Web Site não só reforça a identificação de uma Empresa como o ambiente psicológico pretendido (calma,

Leia mais

19/11/2015. Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA. James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático.

19/11/2015. Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA. James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático. Prof. Reginaldo Brito Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA Joseph-Nicéphore Niepce * França, (1765-1833) James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático. 1826,

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DA FH

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DA FH 2014 MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DA FH Instruções VISUALIZAÇÃO DO PDF Instruções 3 VISUALIZAÇÃO DO PDF Para melhor visualização deste manual, sugerimos uma alteração de configuração, caso você utilize

Leia mais

Uso correto da Marca ONS. versão 1.0 dezembro 2012

Uso correto da Marca ONS. versão 1.0 dezembro 2012 Uso correto da Marca ONS versão 1.0 dezembro 2012 O ONS desempenha com eficiência e eficácia seu papel no setor elétrico. A Marca ONS identifica e representa a organização e todos que a formam. Este documento

Leia mais

Atualização: JULHO/2011

Atualização: JULHO/2011 Uso do logo Teuto Pfizer Este material também é conhecido por manual da marca Teuto Pfizer. Ele é destinado a profissionais de comunicação, agências de publicidade, fornecedores e usuários em geral que

Leia mais

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS2/CS3 DIREÇÃO DE ARTE Apostila 3 O USO DAS CORES NA PROPAGANDA FEVEREIRO 2009 O USO DAS CORES NA PROPAGANDA Não há como negar que, psicologicamente

Leia mais

Usando os Softwares Corretos. Tudo bem explicadinho

Usando os Softwares Corretos. Tudo bem explicadinho Cartilha da Pré-Impressão A JACUÍ apresenta sua Cartilha da Pré-Impressão, elaborada especialmente como ferramenta de auxílio aos nossos clientes/agências. Facilitar o desenvolvimento de seus impressos

Leia mais

Manual de Fechamento e Envio de Arquivos Digitais

Manual de Fechamento e Envio de Arquivos Digitais Manual de Fechamento e Envio de Arquivos Digitais 2015 Manual de Fechamento e Envio de Arquivos Digitais Introdução Você tem em mãos a nova versão do Manual de Fechamento e Envio de Arquivos Digitais do

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Corel Draw 12. Enviado por: Jair Marcolino Felix. Rua Dr. Osvaldo Assunção nº 72 Tucano BA Próximo a Escola de Artes e Ofícios (antigo CESG)

Corel Draw 12. Enviado por: Jair Marcolino Felix. Rua Dr. Osvaldo Assunção nº 72 Tucano BA Próximo a Escola de Artes e Ofícios (antigo CESG) Corel Draw 12 Enviado por: Jair Marcolino Felix Corel Draw 12 O Corel Draw é um programa de design gráfico pertencente à Corel.O Corel Draw é um aplicativo de ilustração e layout de página que possibilita

Leia mais

Guia do Usuário de Toner Transparente do Servidor de Impressão Xerox FreeFlow Dê ênfase ao brilho!

Guia do Usuário de Toner Transparente do Servidor de Impressão Xerox FreeFlow Dê ênfase ao brilho! Impressoras em Cores Xerox 800/1000 Servidor de Impressão FreeFlow Guia do Usuário de Toner Transparente Guia do Usuário de Toner Transparente do Servidor de Impressão Xerox FreeFlow Dê ênfase ao brilho!

Leia mais

X84-X85 Scan/Print/Copy

X84-X85 Scan/Print/Copy X84-X85 Scan/Print/Copy Introdução Junho de 2002 www.lexmark.com Declaração sobre informações de compatibilidade da FCC (Federal Communications Commission) Este produto está em conformidade com os limites

Leia mais

COR. Prof. Wanderlei Paré

COR. Prof. Wanderlei Paré DEFINIÇÃO Cada fonte, ou centro luminoso, emana ondas ou vibrações que, impressionando a vista, dão precisamente a sensação de luz. A luz se compõe de uma mistura de radiações de diferentes longitudes

Leia mais

Fundamentos. da Cor. Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Teoria da Luz e Cor - EGR5110

Fundamentos. da Cor. Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Teoria da Luz e Cor - EGR5110 Fundamentos da Cor Aluno: Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Turma: 0195A Disciplina: Teoria da Luz e Cor - EGR5110 Professora: Berenice Gonçalves Data de entrega:

Leia mais

Fechamento de arquivos em CorelDraw

Fechamento de arquivos em CorelDraw Fechamento de arquivos em CorelDraw Fechamento de arquivos no CorelDraw X5 Para fechar um arquivo a partir do CorelDraw X5, assim como de qualquer outro aplicativo, precisamos inicialmente observar se

Leia mais

Curso de Tecnologia 1º semestre Introdução à Informática Professor: Gale. Thiago R. França: 06030860 Denis Brolesi: : 06030711

Curso de Tecnologia 1º semestre Introdução à Informática Professor: Gale. Thiago R. França: 06030860 Denis Brolesi: : 06030711 Curso de Tecnologia 1º semestre Introdução à Informática Professor: Gale Thiago R. França: 06030860 Denis Brolesi: : 06030711 Introdução: Há 4 tipos básicos de impressoras utilizados normalmente em escritórios,

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA BRASÍLIA

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA BRASÍLIA MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA BRASÍLIA JUL.2014 1 APRESENTAÇÃO MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL // CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA CFO 3 //APRESENTAÇÃO A concepção da nova marca

Leia mais

Imagem digital - 1. A natureza da imagem fotográfica. A natureza da imagem fotográfica

Imagem digital - 1. A natureza da imagem fotográfica. A natureza da imagem fotográfica A natureza da imagem fotográfica PRODUÇÃO GRÁFICA 2 Imagem digital - 1 Antes do desenvolvimento das câmeras digitais, tínhamos a fotografia convencional, registrada em papel ou filme, através de um processo

Leia mais

Definição de cores e suas diferenças. RGB, CMYK e Pantone

Definição de cores e suas diferenças. RGB, CMYK e Pantone Introdução Esta cartilha foi criada com o objetivo de facilitar e ensinar de maneira didática o processo de fechamento de arquivos, desde os processos iniciais, até a exportação do seu arquivo para o PDF/X-1a.

Leia mais

M A N U A L D E I D E N T I D A D E V I S U A L

M A N U A L D E I D E N T I D A D E V I S U A L M A N U A L D E I D E N T I D A D E V I S U A L Í N D I C E 1. MARCA Apresentação Cores Institucionais Família Tipográfica Reprodução da Marca Usos Incorretos Redução da Marca Arejamento da Marca Versões

Leia mais

PHOTOSHOP. Menus. Caixa de Ferramentas:

PHOTOSHOP. Menus. Caixa de Ferramentas: PHOTOSHOP Universidade de Caxias do Sul O Photoshop 5.0 é um programa grande e complexo, é o mais usado e preferido pelos especialistas em editoração e computação gráfica para linha PC. Outros programas

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Sumário Apresentação 3 Logotipo - Versões Cromáticas 4 Diagrama de Construção, Área de Reserva e Redução 5 Convivência com Outras Marcas 6 Patrocínio 7 Aplicações sobre Fundos 8 Aplicações Incorretas 9

Leia mais

Guia de Impressão. Formatos & Sangria. Cor & Imagem. Tipografia. Finalização

Guia de Impressão. Formatos & Sangria. Cor & Imagem. Tipografia. Finalização Guia de Impressão Guia de Impressão Formatos & Sangria Formatos de Papel 01 Formato Aberto ou Fechado 02 Folhas e Páginas 03 Lâminas 04 Sangria e Margens 05 Cor & Imagem A Impressão CMYK 06 O Preto no

Leia mais

Xerox EX Print Server Powered by Fiery para a Xerox igen 150 Press. Impressão em cores

Xerox EX Print Server Powered by Fiery para a Xerox igen 150 Press. Impressão em cores Xerox EX Print Server Powered by Fiery para a Xerox igen 150 Press Impressão em cores 2013 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão contempladas pelos Avisos de caráter legal deste

Leia mais

Apresentação...03. Especificações...05. Serviços...08. Dicas Importantes...13

Apresentação...03. Especificações...05. Serviços...08. Dicas Importantes...13 S Apresentação...03 Especificações...05 Serviços...08 Dicas Importantes...13 02 Manual de Serviços Gráficos - DIO ES A O Departamento de Imprensa Oficial do Espírito Santo (DIO/ES) é responsável pela impressão

Leia mais

Modelo de Fechamento de Arquivo

Modelo de Fechamento de Arquivo Modelo de Fechamento de Arquivo ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Os arquivos podem ser fechados de várias formas: Para produção de BANNERS, FAIXAS e PAINÉIS, que não haja necessidade de fazer qualquer tipo de alteração

Leia mais

Curso Relações Públicas. Material de Apoio. Manual de Identidade Visual. Produção Gráfica II UNISA

Curso Relações Públicas. Material de Apoio. Manual de Identidade Visual. Produção Gráfica II UNISA Curso Relações Públicas Material de Apoio Manual de Identidade Visual Produção Gráfica II UNISA 1 Identidade visual é o conjunto de elementos formais que representa visualmente, e de forma sistematizada,

Leia mais

UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA.

UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA. UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA. Imagem digital é a representação de uma imagem bidimensional usando números binários codificados de modo a permitir seu armazenamento, transferência, impressão ou reprodução,

Leia mais

Índice (clique no item para ir ao tópico)

Índice (clique no item para ir ao tópico) Índice (clique no item para ir ao tópico) Envio de arquivos para paginar/editorar Orientações para envio de arquivos já diagramados Package (Pacote) no InDesign Fechamento de arquivos para a gráfica Exportação

Leia mais

Soluções Sustentáveis

Soluções Sustentáveis Soluções Sustentáveis em Impressos, Rótulos e Embalagens Impressos, Rótulos e Embalagens Manual de Envio de Arquivos Índice e Informações Atenção: Cliente e Agência 1- Trabalhamos apenas com arquivos abertos

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual ÍNDICE 1. MARCA Apresentação... 04 Cores Institucionais... 05 Família Tipográfi ca... 06 Construção... 07 Versões... 08 Fantasia... 09 Grayscale... 10 Uma Cor... 11 Assinaturas...

Leia mais

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Luz e Cor Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces 1 Luz Cromática Em termos perceptivos avaliamos a luz cromática pelas seguintes quantidades: 1. Matiz (Hue): distingue entre as várias cores

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1 - Área de trabalho e personalizando o sistema... 3 A área de trabalho... 3 Partes da área de trabalho.... 4 O Menu Iniciar:...

Leia mais

CorelDRAW. versões 11,12 e X3

CorelDRAW. versões 11,12 e X3 CorelDRAW versões 11,12 e X3 No menu Arquivo (File), escolha Imprimir (Print) Na divisão Geral Selecione a impressora Acrobat Distiller ( setar a porta da impressora no Painel de Controle/Impressoras/Preferências/

Leia mais

aceitável. A própria imagem nestes monitores apresenta uma qualidade inferior, devido ao baixo contraste. Os LCDs de matriz ativa já apresentam uma

aceitável. A própria imagem nestes monitores apresenta uma qualidade inferior, devido ao baixo contraste. Os LCDs de matriz ativa já apresentam uma Monitores O monitor tem uma importância vital, pois em conjunto com a placa de vídeo forma o principal meio de comunicação entre a máquina e nós. Os factores que diferenciam os inúmeros modelos de monitores

Leia mais

Associação dos Agentes de Fornecedores de Equipamentos e Insumos para a Indústria Gráfica.

Associação dos Agentes de Fornecedores de Equipamentos e Insumos para a Indústria Gráfica. Associação dos Agentes de Fornecedores de Equipamentos e Insumos para a Indústria Gráfica. Planejamento & Sucesso de um Trabalho Gráfico Alexandre Keese alekeese@dtp.com.br Editor da Revista Desktop e

Leia mais

Porque é que é necessário ter padrões de rendimento em páginas?

Porque é que é necessário ter padrões de rendimento em páginas? Introdução Porque é que é necessário ter padrões de rendimento em páginas? O rendimento em páginas indica o número previsto de páginas que podem ser impressas com um cartucho de impressão. Ao longo do

Leia mais

Manual de Identidade Visual. FACEPE Manual de Identidade Visual 1

Manual de Identidade Visual. FACEPE Manual de Identidade Visual 1 Manual de Identidade Visual FACEPE Manual de Identidade Visual 1 1. MARCA Apresentação Aplicação Cores Institucionais Família Tipográfica Reprodução da Marca Usos Incorretos Redução Área de Respiro Aplicação

Leia mais

manual de identidade visual

manual de identidade visual manual de identidade visual Índice do nosso manual 1.Nosso Logo 1.1. Apresentação...3 1.2. Versões...4 Logo A Aplicações...5 Cores...6 Logo B Aplicações...7 Cores...8 Logo C Aplicações...9 Cores...10 1.3.

Leia mais

Um guia para você conhecer o que nós temos de melhor para a sua empresa! A melhor definição em impressos. Portifólio. Objetivos Produtos.

Um guia para você conhecer o que nós temos de melhor para a sua empresa! A melhor definição em impressos. Portifólio. Objetivos Produtos. Um guia para você conhecer o que nós temos de melhor para a sua empresa! A melhor definição em impressos. Portifólio Objetivos Produtos Criações A Empresa A Infotec tem como objetivo a excelência de seus

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Cópia Este capítulo inclui: Cópia básica na página 3-2 Ajustando as opções de cópia na página 3-4 Configuração básica na página 3-5 Ajustes de imagem na página 3-9 Ajustes de posicionamento de imagem na

Leia mais

gerenciamento Gerenciamento da cor de cor na pré-impressão e impressão digital Ary Luiz Bon Alberto Sanches Lopes

gerenciamento Gerenciamento da cor de cor na pré-impressão e impressão digital Ary Luiz Bon Alberto Sanches Lopes Gerenciamento da cor na pré-impressão e impressão digital Ary Luiz Bon Alberto Sanches Lopes Gerenciamento da cor na pré-impressão e impressão digital Apresentação em 5 partes Filosofia de trabalho do.

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Guia de comunicação e uso das marcas Belcorp

Guia de comunicação e uso das marcas Belcorp PARA USO EXCLUSIVO DOS CONSULTORES INDEPENDENTES BELCORP Guia de comunicação e uso das marcas Belcorp NOVEMBRO 2011 Guia de comunicação e uso das marcas Belcorp Este guia fornece orientação sobre boas

Leia mais

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta Teoria da Cor TI Elisa Maria Pivetta A percepção da cor é um processo complexo, resultante da recepção da luz pelo olho e da interpretação desta pelo cérebro. O que de fato determina a cor de um objeto

Leia mais

Instrutor Alexandre - CorelDraw

Instrutor Alexandre - CorelDraw Quem não leu o meu primeiro tutorial, corra para ler, pois tem muitas dicas interessantes lá! Quem já leu, preparem-se para mais dicas!! Abra o COREL e coloque a folha na horizontal (paisagem). Feito assim

Leia mais

CASA DA MOEDA DO BRASIL

CASA DA MOEDA DO BRASIL CASA DA MOEDA DO BRASIL SETEMBRO 2005 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este caderno, com o enunciado das 30 questões das Provas Objetivas, sem

Leia mais