Estrutura do SFN. Sistema Financeiro Nacional SFN Problema 2. Sistema Financeiro Nacional SFN Fonte de capital

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estrutura do SFN. Sistema Financeiro Nacional SFN Problema 2. Sistema Financeiro Nacional SFN Fonte de capital"

Transcrição

1 Sistema Financeiro Nacional SFN Problema 2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Administração Financeira Mercado Financeiro Prof. Msc Mário Sérgio Trainotti Daniel não tinha conhecimento do SFN e nem dos instrumentos de captação de recursos de curto e longo prazos. 1 2 Aplicação dos Capitais Direitos Ativo Balanço Patrimonial Origem dos Capitais Obrigações Passivo e Patrim. Líq. Sistema Financeiro Nacional SFN Fonte de capital Capital De Giro Capital Técnico Ativo Circulante Caixa e Bancos Aplic. Financeiras Duplicatas a receber Estoques Total AC $ 150 Realizável a longo Prazo Dep. Judiciais Total RLP $ 50 Ativo Permanente (Imobil.) Imóveis Máquinas e equipam. (-) Depreciação Automóveis Total AT $100 Passivo Circulante Emprestimos e Financ. Fornecedores Sálários e encargos IR e Contrib. Social Total PC $ 80 Exigível a longo Prazo Empréstimos e Financ. Total ELP $ 30 Patrimônio Líquido Capital Social Reservas de reavaliação Reservas de Lucro Lucros acumulados Total PL $190 Capital De Terceiros Capital Próprio "Conjunto de instituições que tem como finalidade manter o fluxo contínuo de recursos entre poupadores e investidores e assegurar a tranqüilidade do Mercado Financeiro, através de normas e procedimentos que visam a coibir o abuso e manter a confiança na moeda. (Mellagi Filho) Total Ativo $300 Total Passivo $ FINANCIAMENTO INDIRETO FUNDOS INTERMEDIADORES FINANCEIROS FUNDOS Estrutura do SFN INSTRUMENTOS FINANCEIROS SUPERAVITÁRIOS = POUPADORES: Famílias Firmas Governo Estrangeiros FUNDOS MERCADOS FINANCEIROS FUNDOS DEFICITÁRIOS = PRESTAMISTAS Famílias Firmas Governo Estrangeiros Órgãos Normativos Visam disciplinar o mercado financeiro, colocar em prática a política econômica emanada do Governo Federal. FINANCIAMENTO DIRETO MERCADE DE CAPITAIS FIGURA 1 FLUXO DA DEMANDA E OFERTA DE FUNDOS E O SISTEMA FINANCEIRO 5 6 1

2 Estrutura do SFN Funções do Conselho Monetário Nacional: - Adaptar o volume dos meios de pagamentos às reais necessidades da economia nacional e seu processo de -desenvolvimento. - Regular o valor interno da moeda prevenindo ou corrigindo os surtos inflacionários ou deflacionários de origem interna ou externa. - Regular o valor externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamento do País. - Orientar a aplicação dos recursos das instituições financeiras públicas ou privadas, de forma a garantir condições favoráveis ao desenvolvimento equilibrado da economia nacional. - Propiciar o aperfeiçoamento das instituições e dos instrumentos financeiros, de forma a tornar mais eficiente o sistema de pagamento e mobilização de recursos. - Zelar pela liquidez e pela solvência das instituições financeiras. - Coordenar as políticas monetárias, creditícia, orçamentária, fiscal e da dívida pública interna e externa. 7 8 Atribuições Específicas Conselho Monetário Nacional - Autorizar as emissões de papel-moeda. - Aprovar os orçamentos monetários preparados pelo Banco Central. - Fixar diretrizes e normas da política cambial - Disciplinar o crédito em suas modalidades e as formas de operações creditícias. - Estabelecer limites para a remuneração das operações e serviços bancários ou financeiros. - Determinar as taxas do recolhimento compulsório das instituições financeiras - Regulamentar as operações de redesconto de liquidez - Autorizar ao Banco Central o monopólio de operações de câmbio quando o balanço de pagamento o exigir. - Estabelecer normas a serem requeridas pelo Banco Central nas transações com títulos públicos. - Regular a constituição, o funcionamento e a fiscalização de todas as instituições financeiras que operam no País. 9 O Conselho Monetário Nacional- CMN, é formado pelos seguintes membros: Ministro da Fazenda - Presidente Ministros: Secretaria do Planejamento Indústria e Comércio Agricultura e do Interior Presidentes: Banco Central do Brasil Banco Nacional de Desenvolv. Econ. e Social Caixa Econômica Federal Banco do Nordeste do Brasil Instituto de Resseguros do Brasil Comissão de Valores Imobiliários Diretor do DECEX Além disso, nove membros nomeados pelo Presidente da República, pessoas que representam a sociedade civil. 10 Instituições Financeiras do SFN Banco Central do Brasil Comissão de Valores Mobiliários - CVM Banco do Brasil - BB Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) - - Subsidiárias do BNDES Caixa Econômica Federal CEF Subsistema de Intermediação Financeira Bancos Comerciais Bancos de Desenvolvimento Bancos de Investimentos Sociedades de Crédito, Financ. e Invest. Sociedades Corretoras Sociedades Distribuidoras Sociedades de Arrendamento Mercantil Associação de Poupança e Empréstimo Investidores Institucionais Sistema Financeiro da Habitação Bancos Múltiplos Instituições Auxiliares - Bolsas de Valores Bolsa de Mercadorias e Futuros BM&F

3 Banco do Brasil - BB Hoje o Banco do Brasil é um banco comercial que opera na prática como agente financeiro do Governo Federal. Além disso, é o principal executor da política oficial de crédito rural e industrial. Conserva, portanto, algumas funções que não são próprias de um banco comercial comum, como o Departamento de Comércio Exterior (Decex), que desempenha funções nitidamente governamentais; a Câmara de Compensação de cheques e outros papéis; a execução de serviços ligados ao orçamento geral da União; a execução do serviço da dívida pública consolidada; a aquisição de estoques de produção exportável; e a execução da política de preços mínimos de produtos agropecuários. 13 Atribuições: Banco Central do Brasil Emitir papel-moeda e moeda metálica nas condições e limites autorizados pelo Conselho Monetário Nacional. - Executar os serviços do meio circulante. - Receber recolhimentos compulsórios dos bancos comerciais e os depósitos voluntários - das instituições financeiras e bancárias que operam no País. - Realizar operações de redesconto e empréstimos às instituições financeiras dentro de um enfoque de política econômica do governo ou como socorro a problemas de liquidez. - Regular a execução dos serviços de compensação de cheques e outros papéis. - Efetuar, como instrumento de política monetária, operações de compra e venda de títulos públicos federais. - Emitir títulos de responsabilidade própria, de acordo com as condições estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional. - Exercer o controle de crédito sob todas as suas formas. - Exercer a fiscalização das instituições financeiras, punindo-as quando necessário. - Autorizar o funcionamento, estabelecendo a dinâmica operacional, de todas as instituições financeiras. - Estabelecer as condições para o exercício de quaisquer cargos de direção nas instituições financeiras privadas. - Vigiar a interferência de outras empresas nos mercados financeiros e de capitais. - Controlar o fluxo de capitais estrangeiros garantindo o correto funciona mento do mercado cambial. 14 Comissão de Valores Mobiliários - CVM Atribuições: - Regular, com observância da política definida pelo Conselho Monetário Nacional, as matérias expressamente previstas na lei que a criou e na Lei das Sociedades por Ações. - Administrar registros instituídos pela Lei que a criou: registro de empresas para negociação de suas ações no mercado, registro de oferta pública de ações, registro de auditores independentes e consultores e analistas de valores mobiliários, etc. - Fiscalizar a emissão e distribuição de valores mobiliários no mercado; a negociação e intermediação de valores mobiliários, a negociação e o funcionamento das Bolsas de Valores; a administração e custódia de títulos e valores mobiliários; a auditoria das companhias abertas; os serviços de consultor e analista de valores mobiliários; a veiculação de informações relativas ao mercado, às pessoas que dele participem e aos valores nele negociados. - Propor ao CMN limites máximos de preços, emolumentos e qualquer outro rendimento cobrado pelos intermediários financeiros. - Fiscalizar as companhias abertas. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) É a instituição responsável pela política de investimentos de longo prazo do Governo Federal, sendo a principal instituição financeira de fomento do país. Objetivos básicos: - Impulsionar o desenvolvimento econômico e social do País; fortalecer o setor empresarial nacional; - Atenuar os desequilíbrios regionais, criando novos pólos de produção; - Promover o desenvolvimento integrado das atividades agrícolas, industriais e de serviços; - Promover o crescimento e a diversificação das exportações. O BNDES possui quatro subsidiárias, cujas atuações são descritas a seguir conforme Assaf Neto(1999) (BNDES) - Subsidiárias a. FINAME Agência Especial de Financiamento Industrial: Voltada para o financiamento de máquinas e equipamentos industriais e empresas nacionais; b. EMBRAMEC Mecânica Brasileira S.A.: objetiva fundamentalmente impulsionar o processo de substituição de importações de bens de capital, ampliando, como conseqüência, a capacidade de produção instalada no país; c. FIBASA Insumos Básicos S.A., Financiamento e Participações: objetiva desenvolver empreendimentos nacionais voltados à produção de insumos básicos; d. IBRASA Investimentos Brasileiros S.A.: visa reforçar a capitalização da empresa nacional participando, como acionista minoritário, do capital social. O sistema BNDES conta principalmente com recursos provenientes do PIS Programa de Integração Social, Pasep Programa de Formação do Partimônio do Servidor Público, dotações orçamentárias da União, recursos captados no exterior, e recursos provenientes do retornos das várias aplicações efetuadas. Caixa Econômica Federal CEF A Caixa Econômica Federal, equipara-se até certo sentido aos bancos comerciais, pois pode captar depósitos a vista, realizar operações ativas e efetuar prestação de serviços, embora basicamente dirigidas às pessoas físicas. Pode no crédito direto ao consumidor, financiando bens de consumo duráveis, e emprestar sob garantia de penhor industrial e caução de títulos, bem como tem o monopólio das operações de empréstimos sob penhor de bens pessoais e sob consignação. Tem ainda a competência para a venda de bilhetes das loterias. Atua na centralização do recolhimento do FGTS e sua aplicação em habitação e saneamento básico

4 Bancos Comerciais Para financiarem a curto e médio prazo o comércio, a industria, empresas de prestação de serviços e pessoas físicas, este banco pode: abrir contas correntes; descontar títulos; realizar operações de crédito simples ou especiais, inclusive rural, de câmbio e comercio internacional; captar depósitos a vista e a prazo fixo; obter recursos junto a instituições oficiais e externas; efetuar prestação de serviços. Bancos de Desenvolvimento São instituições que operam como repassadores de recursos do Governo Federal e são instrumentos de política de desenvolvimento regional, exemplos: Banco do Nordeste e o Banco da Amazônia Bancos de Investimentos Foram criados para canalizar recursos de médio e longo prazo para suprimento de capital fixo ou de giro das empresas. Não podem manter contas correntes, Captam recursos pela emissão de CDB e RDB ou pela venda de cotas de fundos de investimentos. Em síntese realizam: empréstimos a prazo mínimo de um ano para financiamento do capital fixo e de giro; aquisição de ações, obrigações ou quaisquer outros títulos e valores mobiliários para investimento para investimento ou revenda no mercado de capitais (operações de underwriting); repasses de empréstimos obtidos no país e no exterior e prestação de garantias de empréstimos. 21 Sociedades de Crédito, Financiamento e Investimento Financiam bens de consumo duráveis por meio de crediários ou crédito direto ao consumidor (CDC). Não podem abrir contas correntes e seus instrumentos de captação restringem-se a colocação de Letras de Câmbio (LC, títulos de créditos sacados pelos financiados e aceitos pelas financeiras) junto ao público. 22 Sociedades Corretoras São típicas do mercado acionário, operando com compra e venda de títulos e valores mobiliários (inclusive ouro) por conta de terceiros. Operam nos recintos das bolsas de valores e mercadorias; efetuam lançamentos públicos de ações; administram carteiras e custodiam valores mobiliários; instituem e organizam e administram fundos de investimentos; operam no mercado aberto e intermedeiam operações de câmbio. Compram e vendem títulos do governo. Sociedades de Arrendamento Mercantil Que realizam as operações de leasing, que se assemelha a uma locação, tendo o cliente ao final do contrato as opções de renová-lo, de adquirir o equipamento pelo valor residual fixado em contrato ou devolvê-lo à empresa. Captam recursos através da emissão de debêntures. Sua constituição depende de autorização do Banco Central e o exercício da atividade depende da autorização da CVM

5 Investidores Institucionais Podem ser agrupados em fundos mútuos de investimento, entidades fechadas de previdência privada/fundações seguradoras. São estes investidores que atualmente dão liquidez ao Mercado de Ações através da obrigatoriedade de aplicar parte de suas reservas em ações. Bancos Múltiplos Surgiram através da Resolução n. 1524/88, emitida pelo Banco Central por decisão do Conselho Monetário Nacional, a fim de racionalizar a administração das instituições financeiras. Como o próprio nome diz, permite que algumas dessas instituições, que muitas vezes eram empresas de um mesmo grupo, possam constituir-se em uma única instituição financeira com personalidade jurídica própria e, portanto com um único balanço, um único caixa e, conseqüentemente, significativa redução de custo. As carteiras de um banco múltiplo envolvem carteira comercial, carteira de crédito imobiliário, carteira de aceite e carteira de desenvolvimento FINANCIAMENTO INVESTIMENTO - BNDES FINANCIAMENTO INVESTIMENTO - BNDES FINEP Financiadora de Estudos e Projetos MERCADO FINANCEIRO MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO DE CRÉDITO e MERCADO CAMBIAL

6 MERCADO FINANCEIRO Segmentos Prazos Finalidade Tipo de intermediação Monetário Curto Controle de liquidez monetária na economia Bancário e não bancário Crédito Câmbio Capitais Curto, médio Curto e à vista Médio, longo Consumo e capital de giro Conversão de moedas Investimentos, capital de giro e operações especiais Bancário e não bancário Bancário e auxiliar Não bancário 31 Mercado Monetário Procura executar a política monetária do Governo * Administrando e controlando de forma ágil e rápida a LIQUIDEZ DA ECONOMIA através de operações de curtíssimo e curto prazo; *Administrando o DÉFICIT ORÇAMENTÁRIO do governo; e * Administrando as TAXAS DE JUROS BÁSICAS DA ECONOMIA pretendidas pela política econômica das autoridades monetárias 32 Mercado de Capitais Mercado de Crédito É a área financeira relevante no desenvolvimento econômico utilizada pelos agentes de mercado na função de intermediar * A origem de recursos para financiamento e * A aplicação, destes recursos, em investimentos de capital de giro e capital fixo na economia. No Mercado de Capitais os agentes intermediários cobram comissões pela prestação de serviço não assumindo o risco da operação. Mercado de crédito é composto pelo conjunto de agentes e instrumentos financeiros envolvidos em operações de disponibilização de recursos às pessoas físicas e jurídicas a fim de suprir necessidades de consumo ou de capital de giro através de empréstimos e financiamentos. Como intermediários neste mercado surgem principalmente os bancos comerciais, bancos múltiplos e sociedades financeiras, os quais assumem os riscos de intermediação e financiamento Mercado Cambial Caracteriza-se por atuar em operações de compra e venda de moedas estrangeiras conversíveis, englobando os agentes econômicos que realizam operações com o exterior, notadamente importadores, exportadores, instituições financeiras, investidores e financiadores internacionais. Principais Instrumentos do Mercado Monetário LTN = Letra do Tesouro Nacional: LFT = Letras Financeiras do Tesouro Nacional: NTN = Nota do Tesouro Nacional: BBC = Bônus do Banco Central LBC = Letras do Banco Central NBC = Nota do Banco Central

7 Principais Instrumentos do Mercado de Capitais Títulos Privados ( do âmbito da CVM ) Ações Ordinárias Ações Preferenciais Direto de Subscrição Dividendos Bonificações Juros Sobre o Capital Próprio Debêntures (simples e conversíveis) Ações São títulos privados com valores representativos de uma parcela do capital social das sociedade anônima, negociáveis no mercado. As ações refletem a participação dos acionistas no capital social. As ações conforme a natureza dos direitos e vantagens que conferem aos seus titulares podem ser : Ações Ordinárias Ações Preferenciais Ações Ordinárias Ações Preferenciais Concede aos seus proprietários o direito de participarem, com direito à voto, nas assembléias gerais. As ações ordinárias concedem também aos seus proprietários o direito de participar: (*) nos lucros da sociedade, mediante o recebimento de dividendos na proporção de suas ações; (*) das decisões da empresa, tais como: votação das contas patrimoniais; destinação dos resultados; eleição da diretoria; alterações nos estatutos, entre outros. As ações ordinárias poderão ter classes diversas em função de conversibilidade ou não em ações preferenciais e exigência ou não de nacionalidade brasileira do acionista: Não possuem o direito à voto, mas oferecem em contrapartida algumas vantagens ou preferências, tais como: a prioridade no recebimento de dividendos (muitas vezes em percentual mais elevado que as ações ordinárias); preferência no reembolso de capital em caso de dissolução da sociedade. O número de ações preferenciais sem direito a voto não pode ultrapassar a 2/3 do total das ações emitidas. Se a empresa não distribuir aos acionistas preferenciais dividendos mínimos ou fixos pelo prazo de três anos consecutivos, estas ações poderão adquirir direito a voto Direito de Subscrição São direitos inerentes a todo o acionista de adquirir (subscrever) o aumento de capital na proporção das ações possuídas. Como a subscrição não é obrigatória o investidor pode negociar esses direitos no mercado (em bolsa de valores) auferindo um ganho no caso de o preço de mercado apresentar-se valorizado em relação ao preço de subscrição. Dividendos Representam parte dos resultados líquidos de uma sociedade apurados em determinado exercício social e distribuídos em dinheiro aos acionistas, após a sua aprovação em Assembléia Geral dos Acionistas. Os dividendos representam uma espécie de rendimento para o acionista. Os estatutos sociais da empresa podem estabelecer um dividendo mínimo obrigatório como resultante dos lucros líquidos finais do exercício aos acionistas

8 Debêntures A sociedade anônima a fim de obter recursos pode: - promover aumento de capital por subscrição particular ou pública, - recorrer a empréstimos bancários ou - obter empréstimos a longo prazo, junto ao público. A obtenção de empréstimo a longo prazo pode ser realizada através da emissão de títulos de crédito, com um valor definido, mas dividido em diversas partes iguais, denominadas DEBENTURES. DEBENTURES são títulos privados de crédito, nominativos endossáveis, emitidos exclusivamente por companhias de capital aberto e colocadas no mercado à disposição de investidores interessados. DEBENTURES são títulos com ou sem garantia real, porém com privilégio sobre todos os bens sociais. Os juros são pagos periodicamente. Espécies de Debêntures: - SIMPLES ( ou não conversíveis em ações): quando conferem ao credor (debenturista) um crédito a ser pago periódicamente com juros e correção monetária; - CONVERSÍVEIS em ações: quando conferem aos debenturistas a possibilidade de receber seu crédito, com juros e correção, ou transformá-lo em ações da empresa emissora, tornando-se portanto, seu sócio. * GARANTIAS: - com garantia real: a empresa emissora da debênture oferece em garantia do empréstimo penhor ou hipoteca de bens - com garantia flutuante: a garantia oferecida é composta do total do ativo da emissora - sem garantia: os credores são quirografários, ou seja, não tem garantia nenhuma a não ser o titulo representativo da obrigação Juros Sobre o Capital Próprio No Brasil, as empresas podem optar por remunerar os seus acionistas pelo pagamento de juros calculados sobre o capital próprio, em vez de distribuir dividendos com base nos lucros apurados. Esta forma de remuneração traz vantagens fiscais à empresa, dado que estes juros pagos, ao contrário dos dividendos distribuídos, são considerados como dedutíveis para efeitos de imposto de renda. 45 Referências bibliográficas ASSAF NETO, Alexandre. Mercado financeiro.são Paulo:Atlas, 2001; 4ª. Segunda tiragem., Alexandre. Finanças corporativas e valor. São Paulo. Atlas, 2003 GITMAN, Lawrence J. Princípios de administração financeira. 10 ed. São Paulo. Pearson, Forbes Luiz F. Mercados futuros: uma introdução. São Paulo ; BM&F, FORTUNA, Eduardo. Mercado financeiro. Rio de Janeiro. Qualitymark Ed MELLAGI FILHO, Armando; ISHIKAWA, Sérgio.Mercado financeiro e de capitais. São Paulo: Atlas, 2000; 46 Mercado Primário 1- Emite Ações 2- Colocam as Ações 3- Emitem ordens de venda de ações Mercado Secundário 4- Executa a ordem de venda 5- Executa as ordens de compra e venda 6- Passam ordens de compra e venda 47 Mercado de Futuros Principais características do Mercado Futuro: Enorme possibilidade de alavancagem de resultados; Elevado nível de risco envolvido; Envolvimento de pessoal altamente especializado; Agilidade do processo negocial; Necessidades prementes de informações atualizadas; Atualização constante do estado da arte da teleinformática. 48 8

9 Mercado de Futuros Exemplo de ajuste: Um aplicador entrou no mercado vendendo um contrato 1000 sacas de soja no futuro a R$ 70 a saca. No mesmo dia, a cotação de fechamento foi de R$ 71, ele teve uma perda de R$ 1mil. No dia seguinte ele terá que cobrir esse valor, estando na posição de vendedor ajustado. Mercado de Futuros Mercado de Futuros Contratos/Mercadorias do Mercado Futuro Ouro Disponível ( Spot) Índice de ações: Ibovespa futuro Taxas de juro: DI de um dia futuro Cupon cambial futuro Diferencial DI x dólar futuro Taxas de câmbio: Dólar comercial futuro Dólar flutuante futuro Mercado de Futuros Contratos/Mercadorias do Mercado Futuro Agropecuários: Açúcar cristal futuro Boi gordo futuro Café arábica futuro Milho futuro Soja futuro Próximos Slides: Informações Complementares para estudo pessoal 53 Bolsa de Mercadorias e Futuros BM&F O objetivo maior da BM&F é organizar, operacionalizar e desenvolver um mercado de futuros livre e transparente. Um mercado que proporcione aos agentes econômicos oportunidades para a realização de operações de hedge contra a flutuação de preço das mais variadas commodities - produtos agropecuários, taxas de juro e de câmbio, metais, índices de ações e de conjuntura e todo e qualquer produto ou variável macroeconômica cuja incerteza quanto a seu preço futuro possa influenciar negativamente a atividade econômica. 54 9

10 LTN = Letra do Tesouro Nacional: É um titulo de credito público, de natureza obrigacional, subscrito pelo Tesouro Nacional, emitido para cobertura do déficit orçamentário, bem como, para realizações de operações de crédito por antecipação de receitas, observados os limites impostos pelo Poder Legislativo; LFT = Letras Financeiras do Tesouro Nacional: É um título do Governo Federal emitido para cobertura do déficit orçamentário, bem como, para realizações de operações de crédito por antecipação de receitas, observados os limites impostos pelo Poder Legislativo; NTN = Nota do Tesouro Nacional: É um título da dívida pública federal destinado a prover o Tesouro Nacional de recursos necessários para cobertura de seus déficits explicitados no orçamento ou para realização de operações de crédito baseadas em antecipação de receitas Títulos do Banco Central Principais títulos públicos utilizados para a administração da LIQUIDEZ DA ECONOMIA BBC = Bônus do Banco Central LBC = Letras do Banco Central NBC = Nota do Banco Central CDB/RDB = CERTIFICADOS DE DEPÓSITOS BANCÁRIOS e RECIBO DE DEPOSITOS BANCÁRIOS CDB são títulos emitidos por bancos comerciais que tem como lastro depósitos a vista na instituição emissora. Estes recursos são repassados aos clientes em forma de empréstimos Podemos afirmar que os CDB/RDB são os títulos mais antigos de captação de recursos utilizados pelos bancos em geral junto às pessoas físicas ou jurídicas As taxas de juros se modificam diariamente e são cotadas ao ano para um prazo mínimo de 30 dias Os CDB/RDB podem ser prefixados e pós fixados O CDB/RDB pode ser transferido ( resgatado ) antes do vencimento por endosso nominativo ( endosso em preto) desde que respeitado o prazo mínimo Obviamente quando ocorrer a venda antes do prazo final haverá uma perda de rentabilidade, já que o comprador, no caso a instituição financeira exigirá um spread ou deságio para gerar liquidez. 59 CDI/RDI = CERTIFICADO DE DEPÓSITO INTERBANCÁRIO e RECIBO DE DEPÓSITO INTERBANCÁRIO Os CERTIFICADOS DE DEPÓSITOS INTERBANCÁRIOS - CDI são títulos de emissão das instituições financeiras monetárias e não monetárias que lastreiam as operações do mercado interbancário. Os CDI são de negociação restrita ao mercado interbancário e têm funções idênticas às dos CDB. A sua função básica é transferir recursos entre as instituições financeiras, ou seja, quem tem dinheiro sobrando empresta para quem tem necessidade. O mercado interbancário de reais é o único instrumento capaz de traduzir as expectativas do sistema financeiro. É um mercado privativo dos bancos e brokers que intermediam os compradores e vendedores de dinheiro com lastro em títulos privados. Entretanto, não está isento das influências sazonais do fluxo de recurso mantido entre o governo e o sistema bancário. O custo do dinheiro de um dia negociado no mercado interbancário é muito próximo do custo de troca das reservas bancárias disponíveis lastreadas em títulos federais que ocorrem no mercado aberto através do SELIC, podendo inclusive ser referência para o custo do dia seguinte 60 10

11 FUNDOS DE INVESTIMENTOS ( ou FUNDO DE APLICAÇÕES) COMMERCIAL PAPERS São investimentos feitos através de aquisição de cotas de aplicações abertas, solidárias, com valorização diária, representativas do patrimônio do fundo. Os fundos de investimentos caracterizam-se como se fossem uma espécie de condomínio de cotas, ou seja, embora os aplicadores tenham o direito de resgatar suas cotas num prazo curto, nem todos o fazem ao mesmo tempo. Como conseqüência, fica uma grande soma disponível que o administrador do fundo aplica em títulos mais rentáveis. Os fundos podem ser classificados em fundos de renda fixa e fundos de renda variável de acordo com o grau de exposição de risco que o aplicador pretenda investir variando do mais conservador ao mais agressivo. Os fundos podem ser classificados em : RENDA FIXA = Títulos de Dívida (governos e empresas) = baixa volatilidade, baixo risco. RENDA VARIÁVEL = AÇÕES = alta volatilidade, alto risco. Com o objetivo de obter financiamento de capital de giro as sociedades anônimas podem emitir o título denominado de COMMERCIAL PAPER. Estes títulos têm características semelhantes a uma nota promissória. Estes títulos podem ser adquiridos pelas instituições financeiras a fim de compor a sua carteira própria ou para repasse a clientes investidores. A garantia é o próprio desempenho da empresa emitente Uma das principais vantagens da empresa emissora do COMMERCIAL PAPER é o de obter recursos no mercado a custos inferiores às taxas de juros praticadas no mercado através de outras modalidades de empréstimos bancários e, muitas vezes, até mesmo eliminando a intermediação bancária LETRAS DE CÂMBIO As LETRAS DE CÂMBIO são títulos nominativos emitidos com base em transações comerciais pelo financiado (sacado) de contrato de crédito, com vencimento determinado e com renda fixa. Estes títulos são ACEITOS pelas instituições financeiras. O aceite da letra de câmbio significa a responsabilidade solidária da instituição financeira ao emitente da letra de câmbio. Após o aceite, a letra de cambio é vendida a investidores por meio de mecanismos de intermediação do mercado financeiro 63 EXPORT NOTES São títulos semelhantes aos COMMERCIAL PAPERS e são representativos de uma cessão de crédito proveniente de contratos de exportação. O exportador transfere ao investidor através do EXPORT NOTE seus direitos provenientes da exportação realizada, recebendo em troca o valor correspondente em moeda nacional. 64 Mercado Primário e Secundário O Mercado de Capitais se subdivide em dois outros, o Mercado Primário e o Mercado Secundário. No primário acontece o lançamento primário de ações, no secundário é onde temos as Bolsas de Valores, com a negociação em pregão a viva voz ou eletrônico no Mercado a Vista. 65 Mercado a Vista No mercado a vista a modalidade de operação praticada é a operação a vista, sendo caracterizada pela forma de pagamento (liquidação financeira) que ocorre até três dias após o fechamento do negócio. Nesse intervalo de tempo ocorre o repasse dos títulos negociados ao investidor pela Corretora adquirente, realizando a liquidação física da operação. O mercado a vista da Bolsa de Valores, a compra e venda de ações ocorre conforme as seguintes etapas: 1- O investidor procura uma sociedade corretora de valores mobiliários associada à Bolsa de Valores. 2- O investidor em conjunto com o corretor analisam e especificam quais as ações que representam a melhor oportunidade de investimento. 3- A decisão de compra e tomada emitindo-se uma ordem ao corretor especificando o preço e a quantidade a ser negociada (em lotes de mil ações) 4- A ordem de negociação após autenticada mecanicamente é levada para negociação e execução (pregão). 5- Após a execução da ordem e realizada a cobrança dos custos de corretagem por meio de uma nota de corretagem para liquidação ( no caso de compra) ou para receber o valor de venda

12 Mercado de Opções No mercado de opções a modalidade de operação praticada é a operação com opções, que referem-se a negociações de direitos de compra e venda de ações, a um prazo e preços preestabelecidos. No Brasil este mercado existe desde 1979, inicialmente com opção de compra coberta, mais tarde permitiu-se opções de compra a descoberto, recentemente permitiu-se a emissão de opções de venda. Neste mercado não existe a negociação de ações, mas de direitos sobre elas. No caso da venda a descoberto não existe o depósito do título objeto na Bolsa de Valores e é exigida uma margem de 200% do prêmio (cotação da opção). Os ajustes são diários e calculados pelo preço médio dos últimos 30 minutos do pregão. Terminologia básica 67 Mercado de Opções Terminologia Básica Terminologia básica: Titular: O comprador da opção, ou seja, aquele que adquire o direito de exercer a opção, pagando por isso um prêmio ou preço. Lançador: O vendedor da opção, ou seja, aquele que cede o direito a uma contraparte, recebendo por isso um prêmio. Prêmio: Preço de negociação da opção. ou preço de mercado, ou ainda da cotação da opção em bolsa de valores. Opção de compra: Modalidade em que o titular tem o direito de comprar certo lote de ações a um preço determinado, até certa data. Opção de venda: Modalidade em que o titular adquire o direito de, se assim o desejar, vender ao lançador, até uma data fixada, as ações relativas à opção, por um preço determinado. Preço de exercício: Em opções de compra, é o preço que o titular deve pagar ao lançador por suas ações, se o primeiro exercer o direito de comprar. Em opções de venda, é o preço que o lançador deve pagar ao titular se este exercer seu direito de vender suas ações ao lançador. Vencimento: Data em que cessam os direitos do titular de exercer sua opção. Séries de uma opção: Opções do mesmo tipo (compra ou venda), para a mesma açãoobjeto, e com a mesma data de vencimento. Os prêmios variam conforme os preços de exercício, que diferem de uma série para outra. 68 Mercado a Termo Um contrato a termo é um instrumento pelo qual duas partes se obrigam a comprar e vender, respectivamente, uma certa quantidade de determinado ativo em determinada data futura, por uma preço pré-determinado. A parte que se obriga a comprar é denominada de comprado; e a que se obriga a vender, vendido; o ativo a que o contrato se refere, ativo-objeto (ou, simplesmente, objeto); o preço predeterminado, preço de entrega ou preço a termo; a data em que o comprado se obriga a comprar o objeto e o vendido se obriga a vendê-lo, vencimento do contrato. Dada a caracterização anterior, o lucro do comprado ou do vendido dependerá do preço pelo qual o objeto do contrato esteja sendo transacionado no mercado a vista, no vencimento do contrato. 69 Mercado de Futuros Princípio básico das negociações a futuro contrate agora, acerte depois. Neste mercado é possível comprar sem ter dinheiro e vender sem ter mercadoria. Menos de 2% das operações são liquidadas pela entrega efetiva do bem transacionado (a especulação é imprescindível). Este mercado é altamente alavancado, por exemplo, pode ser negociado uma quantidade de mercadoria, muitas vezes superior à produção do planeta. O mercado de futuros, até recentemente denominado de commodities ( mercadorias), promove a redução do risco financeiro decorrentes de alterações de preços imprevistos, resultantes de quebra de safra, perda de navios, transporte e armazenagem inadequados e fatores econômicos por meio do Hedge. Forbes Luiz F. Mercados futuros: uma introdução. São Paulo ; BM&F, Continua=> Mercado de Futuros - Continuação Objetivo básico deste mercado: a proteção dos agentes econômicos ( produtores primários, industriais, comerciantes, instituições financeiras e investidores) contra oscilações de preço de seus produtos e de seus investimento em ativos financeiros. No Brasil este mercado é realizado através da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) e a Bolsa Brasileira de Futuros ( BBF). Neste mercado encontramos: Os especuladores que assumem os riscos dando liquidez ao mercado buscando resultados financeiros; E os hedgers buscando proteção para seus investimentos, assumindo no mercado futuro posição contrária do mercado a vista ( tem algum vínculo com a mercadoria objeto)

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas.

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas. Glossário de A a Z A Ação - título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação listada em Bolsa - ação negociada no pregão de uma Bolsa de Valores.

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

3.1 - Estrutura do SFN

3.1 - Estrutura do SFN 1 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Estrutura do SFN 3.2 Subsistema normativo 3.3 Subsistema de intermediação 3.4 Títulos públicos negociados no MF 3.5 Principais papéis privados negociados no MF 3/4/2012

Leia mais

S B U SI S ST S E T M

S B U SI S ST S E T M 2.1 - Estrutura do SFN Análise de Mercado Financeiro Cap. II Sistema Financeiro Nacional Conjunto de instituições financeiras e instrumentos financeiros que visam transferir recursos dos agentes econômicos

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

A empresa e o Ambiente de. Negócios

A empresa e o Ambiente de. Negócios Centro Universitário Franciscano Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I A empresa e o Ambiente de 00 000 00 0 000 000 0 Negócios Profª. Juliana A. Rüdell Boligon Santa Maria, março de 202.

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

Banco do Brasil BNDES. BNDESPAR Objetivo: promover a capitalização da empresa nacional por meio de participações acionárias BNDES 03/10/2015

Banco do Brasil BNDES. BNDESPAR Objetivo: promover a capitalização da empresa nacional por meio de participações acionárias BNDES 03/10/2015 ECONOMIA Micro e Macro Mercado Financeiro ADM Mercado de Crédito Econ. Edilson Aguiais Powerpoint Templates Material Disponível em: www.puc.aguiais.com.br Banco do Brasil Sociedade Anônima de capital misto,

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof.

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof. -Aula 22.10.14 22/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITARIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Contábeis Conceitos e Estrutura Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br Surgimento e Finalidade: Cronograma

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur 1 - Sobre as atribuições do Banco Central do Brasil, é incorreto afirmar: a) Exerce o controle de crédito b) Estimula a formação de poupança e a sua aplicação

Leia mais

valores Sociedades de capitalização Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão)

valores Sociedades de capitalização Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão) CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROFESSOR RODRIGO O. BARBATI 1 ESTRUTURA DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composto de um conjunto de instituições

Leia mais

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945 Evolução do SFN MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Profa. Dra. Andréa Paula Segatto-Mendes apsm@ufpr.br 1. Primeiro Período: 1808-1914 Abertura dos portos - acordos comerciais diretos Criação do Banco do

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS. Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva.

MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS. Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva. MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva. 1 Segmentação do Mercado Financeiro MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL JUROS:

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 3: O ambiente operacional do administrador financeiro e da própria empresa Qualquer que seja o tipo de empreendimento empresa industrial, comercial, prestadora de serviços

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Gestão Financeira Aula 2 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Segmentos do Mercado Financeiro Mercado monetário Mercado de crédito Mercado de capitais Mercado de câmbio Mercado Monetário

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

7. Mercado Financeiro

7. Mercado Financeiro 7. Mercado Financeiro 7. Mercado Financeiro Mercado Financeiro O processo onde os recursos excedentes da economia (poupança) são direcionados para o financiamento de empresas (tomadores de crédito). Investidor

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 1/45 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 2/45 Módulo 6 - Demais Produtos de Investimento Este módulo apresenta as principais características de algumas das

Leia mais

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários Mercado de capitais Mercado de capitais Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O mercado de capitais está estruturado para suprir as necessidades de investimento

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

CURSO INDICADORES ECONÔMICOS. Sistema financeiro e Finanças públicas

CURSO INDICADORES ECONÔMICOS. Sistema financeiro e Finanças públicas Sistema financeiro e Finanças públicas Vamos imaginar um mundo sem finanças... Como seria o mercado imobiliário? A Construção? A Venda? No mundo sem Finanças grande parte dos bens estaria estocada. Na

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 2.05.01.01.05 Fundos Especiais de Domiciliados e Residentes no País 01012014 A 2.05.01.01 5 03 2.05.01.02 PATRIMÔNIO SOCIAL REALIZADO - DE RESIDENTE/DOMICILIADO NO EXTERIOR 01012014 S 2.05.01 4 03 2.05.01.02.01

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados.

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados. Faculdades Integradas Campos Salles Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Aplicada às Instituições Financeiras Professor: Adeildo Paulino Aula: 12/05/2012 Matéria: Títulos e Valores Mobiliários

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO V1. 04_2012

GUIA DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO V1. 04_2012 GUIA DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo na tomada de decisões antes da realização

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROF RODRIGO O. BARBATI. Garantias do Sistema Financeiro Nacional

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROF RODRIGO O. BARBATI. Garantias do Sistema Financeiro Nacional Reta Final Escriturário Banco do Brasil Disciplina: Conhecimentos Bancários Prof.: Rodrigo Barbati Data: 09/09/2007 CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROF RODRIGO O. BARBATI Garantias do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

Mercado primário e mercado secundário

Mercado primário e mercado secundário Mercado primário e mercado secundário O mercado primário compreende o lançamento de novas ações/debêntures no mercado, com aporte de recursos para a companhia. Ou seja, quando um título é lançado no mercado

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Conceito 3.2 Subsistema de Supervisão 3.3 Subsistema Operativo 6/7/2006 2 3.1 - Conceito de Sistema Financeiro Conjunto de instituições financeiras

Leia mais

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade IV Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros - Resumo encontro anterior Sistema Financeiro Nacional Órgãos, entidades e operadoras Estrutura do Sistema

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

INVESTIMENTOS 1ª aula

INVESTIMENTOS 1ª aula INVESTIMENTOS 1ª aula Regis Klock - Graduação em Ciências Econômicas Pontifícia Universidade Católica - Pós-Graduação em Didática e Metodologia do Ensino Superior UMC - Universidade Mogi das Cruzes Experiência

Leia mais

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho Professor Luiz Antonio de Carvalho Produtos Bancários PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS A intermediação financeira é o principal produto de um banco, pois capta o dinheiro excedente e empresta a quem precisa.

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 A.1.1.1.2. L100B - Financeiras 1.0.3.9.9.99.99 ATIVO GERAL 01012014 S 1 01 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO 01012014 S 1.0.0.0.0.00.00 2 01 1.1.1.0.0.00.00 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 01012014 S 1.1.0.0.0.00.00

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o objetivo de proporcionar liquidez

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Rodrigo O. Barbati AULA 01 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema normativo Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional (SFN) pode ser entendido

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Mercado Financeiro Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 5ª aula Início da aula Instituições Operadoras Livro Como esticar seu dinheiro Ricardo

Leia mais

CÓDIGOS TÍTULOS CONTÁBEIS ATRIBUTOS

CÓDIGOS TÍTULOS CONTÁBEIS ATRIBUTOS 1 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO UBDKIFJACTSWEROLMNHZ - - - 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES UBDKIFJACTSWEROLMNHZ - - - 1.1.1.00.00-9 Caixa UBDKIFJACTSWER-LMNHZ - - - 1.1.1.10.00-6 CAIXA

Leia mais

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL Conceito de Sistema Financeiro Conjunto

Leia mais

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários BANCO CENTRAL DO BRASIL O Banco Central do Brasil, criado pela Lei 4.595, de 31.12.1964, é uma autarquia federal, vinculada ao Ministério da Fazenda, que tem

Leia mais

Cadastro de clientes Conjunto de dados e informações gerais sobre a qualificação dos clientes e das sociedades corretoras.

Cadastro de clientes Conjunto de dados e informações gerais sobre a qualificação dos clientes e das sociedades corretoras. Câmbio Uma operação de câmbio envolve a negociação de moeda estrangeira através da troca da moeda de um país pela de outro. Uma pessoa que pretende viajar para o exterior precisa fazer uma operação de

Leia mais

Valcedir Vicente Rosa. Sistema Financeiro Nacional

Valcedir Vicente Rosa. Sistema Financeiro Nacional 1 Sistema Financeiro Nacional Tópicos a serem abordados Visão geral do sistema financeiro nacional. Atuação dos participantes Mercado monetário e política monetária. Sistemas CETIP e SELIC Principais títulos

Leia mais

COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS PRATICADAS PELOS BANCOS - PARTE I

COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS PRATICADAS PELOS BANCOS - PARTE I COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS O QUE É E COMO FUNCIONA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL? O QUE É POLÍTICA MONETÁRIA? QUAIS INSTRUMENTOS O BANCO CENTRAL UTILIZA PARA INTERFERIR NO MERCADO? O QUE É ASSISTÊNCIA

Leia mais

Capítulo 1 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional-SFN

Capítulo 1 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional-SFN Capítulo 1 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional-SFN Introdução Neste capítulo iremos compilar os normativos que tratam sobre o Sistema Financeiro Nacional-SFN, desde a sua criação até a data presente

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público Karina Jaques, professora de Conhecimentos Bancários do site QConcursos.com 1. (CESGRANRIO/2012/CEF/Técnico Bancário) Para estabelecer um relacionamento bancário, as pessoas devem comprovar o seu domicílio.

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS O Sistema Financeiro O sistema financeiro pode ser definido como o conjunto de instituições, produtos e instrumentos que viabiliza a transferência de recursos

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO

PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO 1. Classificação dos Títulos 1.1. Títulos públicos e privados 1.2. Títulos de crédito e de propriedade 1.3. Títulos de renda fixa e de renda variável

Leia mais

Factoring. Leasing. Capítulo 7

Factoring. Leasing. Capítulo 7 Sumário Capítulo 1 Fundamentos: Sistema Financeiro Nacional, Conselho Monetário Nacional, Banco Central e Moeda 1.1. Sistema Financeiro Nacional (SFN) 1.1.1. Legislação Básica 1.1.2. Subdivisões do SFN

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional - SFN

Sistema Financeiro Nacional - SFN Sistema Financeiro Nacional - SFN Wilhelm Milward Meiners Ippuc/UniBrasil/Metápolis wilh@uol.com.br Sistema Financeiro Nacional 1 Estrutura do SFN 2 Subsistema normativo 3 Subsistema de intermediação 4

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES MERCADO DE CAPITAIS. Monografia apresentada por Tales Fernandes de Souza

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES MERCADO DE CAPITAIS. Monografia apresentada por Tales Fernandes de Souza UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES MERCADO DE CAPITAIS Monografia apresentada por Tales Fernandes de Souza Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2002 SUMÁRIO Introdução... 1 Capítulo 1 Mercado de Capitais... 3 1.1

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa.

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa. MERCADO À VISTA OPERAÇÃO À VISTA É a compra ou venda de uma determinada quantidade de ações. Quando há a realização do negócio, o comprador realiza o pagamento e o vendedor entrega as ações objeto da transação,

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Módulo VI CPA10 Demais produtos de Investimentos Pg 70 De 8 a 13 Questões na prova (15% a 25%) Demais produtos de

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

TIPOS DE INVESTIMENTO

TIPOS DE INVESTIMENTO TIPOS DE INVESTIMENTO CDB O Certificado de Depósito Bancário (CDB) e o Recibo de Depósito Bancário, (RDB) são os mais antigos e utilizados títulos de captação do setor privado. São oficialmente conhecidos

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E Solange Honorato Facilitadora Certificação Profissional ANBIMA - CPA-10 Destina-se aos profissionais que desempenham

Leia mais

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira Risco e Mercado de Capitais Risco E Mercado De Capitais PARTE 1 AC- 1 AC- 2 l EMENTA: Estudar a gestão de risco no mercado de capitais, financeiro e de derivativos, por meio dos principais ativos negociados,

Leia mais

PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior*

PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior* Publicado em 2 de março de 2007 PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior* 1. Sabemos que o Banco Central exige que os bancos mantenham um nível mínimo

Leia mais

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing,

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Sistema Financeiro Nacional

MERCADO DE CAPITAIS. Sistema Financeiro Nacional MERCADO DE CAPITAIS 1 Mercado de capitais é um sistema de distribuição de valores mobiliários que proporciona liquidez aos títulos de emissão de empresas e viabiliza o processo de capitalização. É constituído

Leia mais

A CVM E O MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

A CVM E O MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL A CVM E O MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL Leonardo B. Pupo Analista de Mercado de Capitais Gerência de Acompanhamento de Mercado 2 Superintendência de Acompanhamento de Mercado Agenda Intermediação Financeira

Leia mais

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA AÇÕES Ações são instrumentos utilizados pelas empresas para captar recursos no mercado financeiro para os mais diversos projetos (investimentos, redução

Leia mais

PARA TOMAR AS DECISÕES CERTAS É PRECISO CONHECIMENTO

PARA TOMAR AS DECISÕES CERTAS É PRECISO CONHECIMENTO ORIENTA 3MERCADO FINANCEIRO PARA TOMAR AS DECISÕES CERTAS É PRECISO CONHECIMENTO Conceitos de moeda e crédito. Definição de Mercado Financeiro seus segmentos. Conceito de Investimento e motivações para

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

Caixa Econômica Federal

Caixa Econômica Federal Turma Exercícios 01) Em relação ao Sistema Financeiro Nacional, analise as afirmativas a seguir: I - Compete ao Conselho Monetário Nacional Regular o valor externo da moeda e o equilíbrio do balanço de

Leia mais

Mercado Financeiro Samantha Broman

Mercado Financeiro Samantha Broman Samantha Broman sambroman@hotmail.com Bibliografia Básica: Autor: Eduardo Fortuna Editora: Qualimark Autor: Virginia l. Oliveira Editora: Campus Metodologia de Ensino: Slides com os temas do capítulo que

Leia mais

BB BNDES. Instituições Financeiras Bancárias. Instituições Financeiras. não Bancárias. Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo

BB BNDES. Instituições Financeiras Bancárias. Instituições Financeiras. não Bancárias. Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo Conselho Monetário Nacional - CMN Comissões consultivas Subsistema Normativo Banco Central do Brasil Comissão de valores mobiliários CVM Instituições Especiais Sistema financeiro brasileiro BB BNDES CEF

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 1 www.tradernauta.com.br I - Sistema Financeiro Nacional CMN Conselho Monetário Nacional Min. Fazenda, Min. Planej., Pres. BaCen Banco Central Mercado Cambial,

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais