QUESTÃO DE EQUILÍBRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUESTÃO DE EQUILÍBRIO"

Transcrição

1 ANO 1 - Nº 2 ANO 1 - Nº 2 Legislação O que é proibido em período eleitoral Gente Pouco dinheiro para muita vida Gestão Certificação aprimora padrões do RPPS Investimentos Extensão da crise das hipotecas ainda preocupa QUESTÃO DE EQUILÍBRIO Secretário-executivo do Ministério da Previdência, Carlos Gabas, quer que isenções e renúncias fiscais sejam reembolsadas pelos órgãos que as propõem

2 BVA RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO (Fundo de Renda Fixa) O Banco BVA sabe o quanto é importante investir em um sistema previdenciário próprio que atenda as necessidades dos Estados e Municípios. Para isso, desenvolveu o BVA Renda Fixa Previdenciário. Um fundo de Renda Fixa, regulamentado pela Resolução BACEN 3506 e exclusivamente destinado aos Institutos de Previdência de Estados e Municípios que desejam investir os recursos previdenciários dos regimes próprios de previdência. Com taxa de administração de 0,15% a.a. tem como objetivo, proporcionar rentabilidade acima do CDI. Conheça as principais características do fundo: Objetivo: Público-Alvo: Aplicação Inicial Mínima: Aplicações Subseqüentes: Saldo Mínimo: Tipo do Fundo: Análise de Risco: Rentabilidade acima do CDI Institutos de Previdência dos Estados e Municípios R$50.000,00 (cinqüenta mil reais) (As aplicações serão efetuadas pela cota do dia da efetiva disponibilidade dos recursos, quando solicitadas até as 12:00hs para 1ª aplicação, podendo ser feito através de TED ou CETIP) Qualquer valor R$50.000,00 (cinqüenta mil reais) Fundo Aberto Baixo risco de crédito Cota de Aplicação: D+0 Cota de Resgate: D+0 Pagamento de Resgate: D+0 (Os resgates serão pagos no mesmo dia da solicitação, quando solicitados até as 12:00hs. Será utilizada a cota vigente do dia da solicitação do resgate, podendo ser feito através de TED ou CETIP) Liquidez: Diária

3 Taxa de Administração: Tributação: Divulgação: 0,15% a.a. Fundo de longo prazo, de acordo com a classificação tributária do investidor Diária através do site - Apoio Gestora Administradores e Distribuidores Custódia Auditoria BEM DTVM Ltda. - Grupo A Vitória Asset Management S.A. não comercializa nem distribui quotas de fundos de investimentos ou qualquer outro ativo financeiro. As informações contidas neste material são de caráter exclusivamente informativo. Fundo distribuído pelo Bradesco Distribuidora de Títulos Mobiliários Ltda. e outros. Produto não garantido pela Administradora, Gestora, qualquer mecanismo de seguro ou ainda, do Fundo Garantidor de Crédito - FGC. Ao investidor é recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e do regulamento do fundo e/ou clube ao aplicar seus recursos. Rentabilidade passada não é garantia de resultados futuros. Para mais informações, entre em contato conosco -

4

5 A Abipem escolheu a A para idealizar e realizar a revista Previdência Nacional. Estamos muito orgulhosos. Esperamos retribuir esta confiança com a qualidade e o respeito que você merece., compromisso de comunicar com responsabilidade. Tel

6 Sumário Edição 2 Capa 14 Secretário-executivo do Ministério da Previdência, Carlos Gabas, quer que outras pastas restituam custo das isenções que propõem Gestão 20 Prazo para certificação de gestores de institutos estaduais vai até o final do ano Sumário Expediente Carta ao leitor Entrevista: Brian Nicholson diz que Previdência Social brasileira agrava desigualdade Entrevista: André Luiz Goulart descreve caso de sucesso de Uberlândia Lula diz na posse de José Pimentel, novo ministro da Previdência Social, que reforma demora 12 Entrevista: diretor do Ipsemg diz que benefícios devem ter lastro contributivo, mas não propõe criar barreiras 52 Segredos para obter um bom início de gestão O que pode e o que não pode em ano eleitoral Abipem e Apeprem fazem congressos nacional e estadual em São Paulo Ainda não se sabe até onde chegará a crise americana das hipotecas Governo argentino precisa provar que não fez reforma previdenciária cosmética Levar Previdência Nacional a todos os municípios mostra como informação é repartida desigualmente no país Desafios para os municípios: falta de informação, esqueletos no armário, desequilíbrios na previdência Dirigentes de institutos relatam cuidados necessários para garantir administração de boa qualidade Aposentados de idade avançada sofrem com perda de valor da remuneração ao longo das décadas Agendas da Abipem e da Apeprem Abril/maio 2008

7

8 Expediente Abipem (www.abipem.org.br) DIRETORIA Presidente: João Carlos Figueiredo Vice-Presidente: Wellington Costa Freitas Secretário-Geral: Valnei Rodrigues CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO André Luiz Goulart Demétrius Ubiratan Hintz José Maria de Paula Correia Luiz Guilherme Machado de Carvalho CONSELHO FISCAL Roberta Cabral Medeiros José de Anchieta Batista Wilson Risolia Rodrigues Apeprem (www.apeprem.com.br) DIRETORIA Presidente: João Carlos Figueiredo Vice-presidente: Jonas Baldissera 1ª Secretária: Lucia Helena Vieira 2ª Secretária: Solange Maria Maximiano de Pádua 1º Tesoureiro: Antonio Corrêa 2º Tesoureiro: Antonio Scamatti CONSELHO ADMINISTRATIVO Titulares André Luiz da Silva Mendes, Alberto Marques Passos, Christian Petterson Antunes Lemos, Eliane Valim dos Reis, Fernando Rodrigues da Silva, Glória Satoko Kono, Kleber Vicente Cavalcante, Marcia Regina Moralez, Marcus Vinicius Esteves Nunes, Moacir Benedito Pereira, Paulo César Pinto de Oliveira, Paulo Henrique Pastori, Roberto da Silva Oliveira, Sebastião Benedito Gonçalves, Sirleide da Silva. CONSELHO ADMINISTRATIVO Suplentes Antonio Carlos Molina, Elisa Maria Rocha, Guiomar de Souza Pazian, Francisco Carlos Conceição, Maria Aparecida Della Villa, Onésimo Canos Silva Júnior, Paulo Vicentino, Vandré Lencioni de Camargo. CONSELHO FISCAL Titulares Edmilso Martins, José Tomaz, Nelson Rodrigues de Mello. Editora DB2 Editora Ltda. Presidente: Jaime Benutte Diretores: Daniel Bacardi e Iberê Benutte Administrativo: Fátima Conceição Estagiários: Marina Beltrame e Luiz Aymar Previdência Nacional Publisher: Jaime Benutte Conselho Editorial: André Luiz Goulart, Demétrius Ubiratan Hintz, Wellington Costa Freitas (Abipem); João Carlos Figueiredo, Lúcia Helena Viera, Magadar Rosália Costa Briguet (Apeprem); Paulo Henrique Pastori (Regime Geral); Jarbas Antonio de Biagi (Previdência complementar) Editor: Trilogia Comunicação e Arte Ltda. - Mauro Malin, MTB Direção de arte: Belatrix Ltda. Diretor de Arte: Marcelo Paton Assistentes de Arte: Gabriel de Moraes Luiz e Evandro Oliveira dos Anjos Colaboradores: Adriana Aguilar, Carlos Vasconcellos, Emídio Montenegro, Érika Bento Gonçalves, Gustavo Pellizon, João Cox, João Souza, Jorge Félix, José Américo Gobbo, Leonardo Fuhrmann, Luiz Bispo, Luiz Melo, Mauro Nakata, Raul Jr., Romulo Campos, Sérgio Damasceno, Sylvia Leite, Victor Soares, Virginia Finzetto. Impressão: IBEP. A revista PREVIDÊNCIA NACIONAL é uma publicação bimestral da DB2 Editora, localizada na Rua Flórida, 1.703, 11º andar, Brooklin, CEP , São Paulo SP. Tel.: Dúvidas ou sugestões: Os textos assinados são da responsabilidade de seus autores. Não estão autorizados a falar pela revista, bem como retirar produções, pessoas que não constem desde expediente e não possuam uma carta de referência. 8 Abril/maio 2008 CONSELHO FISCAL Suplentes Luiz Roberto Lopes de Souza, Varlino Mariano de Souza.

9 Tecnologias ambientais que preservam o amanhã. O Grupo Estre está profundamente envolvido em desenvolvimento de tecnologias ambientais para defender os recursos naturais do planeta. Esse é o compromisso da Estre com seus clientes e com o futuro. Aterro Sanitário Biorremediação Co-processamento Remediação de áreas contaminadas Reciclagem de material da construção civil Diagnóstico Ambiental

10 Carta ao leitor Em sua segunda edição, Previdência Nacional traz entrevista em que o secretário-executivo do Ministério da Previdência Social, Carlos Gabas, aborda de forma direta os desafios colocados para o sistema e apresenta sua visão sobre as realizações do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no setor. Esperamos contar com a palavra do novo ministro, José Pimentel, em nosso próximo número. A revista traz a você informações precisas e inéditas sobre os caminhos para cumprir a exigência de certificação dos gestores do RPPS. A seção Legislação alerta sobre o que a lei proíbe aos agentes públicos em campanhas eleitorais. Para facilitar a vida de nossos leitores, reproduzimos integralmente a parte da legislação que trata do assunto. Previdência Nacional é experiência singular de distribuição de uma revista em rigorosamente todos os municípios do país. As peculiaridades desse processo nos ajudam a enxergar, como se vê na reportagem Mapa heterogêneo, que a informação é um bem repartido de forma muito desigual no território nacional. A resposta altamente positiva dada à leitura de nossa primeira edição nos estimula a prosseguir na trilha da informação qualificada, apresentada de forma bastante acessível. Apresentamos, em diferentes reportagens, retratos de gente que faz a previdência do regime próprio e de gente que, com idade avançada, constata ter recebido bom tratamento no início da aposentadoria, mas não durante todo o longo período de merecido descanso. Estamos às vésperas do 42º Congresso Nacional da Abipem e do 4º Congresso Regional da Apeprem, que serão realizados conjuntamente em São Paulo, na passagem de junho para julho. Será, sem dúvida, uma oportunidade para renovar nossos conhecimentos e trocar informações sobre a ciência e a arte de dirigir instituições de previdência de estados e municípios. PN Boa leitura. Cordialmente, João Carlos Figueiredo Presidente da Abipem e da Apeprem 10 Abril/maio 2008

11

12 Regime Geral Para os que virão Lula diz na posse do novo ministro da Previdência Social, José Pimentel, que é necessário pensar em reforma para a próxima geração O novo ministro da Previdência Social, José Pimentel, tomou posse no dia 11 de junho, em cerimônia na qual o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, disse estar convencido de que uma reforma da Previdência, para ser aprovada, precisa ser feita para a próxima geração. Lula sugeriu a Pimentel, em discurso, que trate os aposentados e pensionistas com carinho, e ressalvou que o governo precisa ter recursos no cofre para pagar todos os benefícios a que as pessoas têm direito neste país. Alguns dos desafios que esperam Pimentel estão descritos nas páginas seguintes em entrevista a Previdência Nacional dada pelo secretário-executivo do Ministério, Carlos Gabas. Relator da reforma de 2003 José Pimentel foi em 2003, primeiro ano do governo Lula, o relator geral do projeto de Reforma da Previdência na Câmara dos Deputados. Nessa época, disse que não se pode falar em sistema previdenciário justo quando o país tem 40,7 milhões de pessoas maiores de 18 anos fora do sistema, representando 57,7% da população ocupada. O deputado afirmava que o compromisso do governo Lula é com uma previdência socialmente justa e financeiramente equilibrada, e advertia: Se não cuidarmos disso agora, no futuro esses milhões de brasileiros estarão desprotegidos e famintos, sem dignidade, sem auto-estima e à margem da sociedade. Sua proposta de reforma tinha sentido estrutural e visava à criação de um sistema básico e universal, público e compulsório, tanto para os trabalhadores do setor público como para os do privado; a isenção de qualquer contribuição dos aposentados e pensionistas [como se sabe, a reforma estabeleceu a contribuição dos aposentados]; e a gestão democrática de um conselho quadripartite e com poder de deliberação, com a participação de representantes do Estado, de trabalhadores da ativa, aposentados e empresários. Em artigo publicado na ocasião, o deputado explicava: Hoje o tempo médio real de contribuição do servidor público para aposentadoria integral é de 12 anos. A obrigação de cobrir a diferença entre os 12 anos e os 35 anos de contribuição é da sociedade porque aprovamos esse direito na Constituinte. (...) O servidor público não tem culpa dessa distorção. PN Parlamentar atuante José Pimentel, 54 anos, nascido em Picos, Piauí, é advogado, sindicalista e bancário do Banco do Brasil. Em 2006, foi eleito para o quarto mandato de deputado federal pelo PT do Ceará. Em 2005, após a crise do mensalão, que resultou na substituição de dirigentes do partido, exerceu a função de secretário nacional de Finanças e Planejamento do PT. É considerado um dos parlamentares mais assíduos da Câmara. Em 2007, foi colocado pela sexta vez, em estudo do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar, Diap, na lista dos 100 parlamentares mais influentes do Congresso. Foto: Victor Soares 12 Abril/maio 2008

13

14 Capa A cada um o seu Secretário-executivo do Ministério da Previdência sugere que ministérios restituam o custo das isenções e renúncias fiscais que propõem Jorge Félix O déficit da Previdência Social em 2007, na contabilidade mais favorável, fechou em R$ 43,284 bilhões. Embora pela primeira vez tenha apresentado números melhores que os do ano anterior, a situação parece ainda bastante crítica. Isso a olho nu. O secretárioexecutivo do Ministério da Previdência, Carlos Eduardo Gabas, paulista, 42 anos, funcionário do INSS há 22 anos e pós-graduado em Gestão de Sistemas de Seguridade Social pela Universidade de Alcalá de Henares, em Madrid, sustenta que o déficit é muito menor. Basta retomar um briga antiga na Esplanada dos Ministérios: a que propõe que as isenções e renúncias fiscais sejam assumidas pelas pastas que as inventam e defendem. Nesta entrevista, Gabas se diz a favor de reformas previdenciária e trabalhista combinadas e simultâneas. A reforma pode incluir revisão de regras para melhorar a vida dos trabalhadores. Não deve existir tabu, afirma. Previdência Nacional Como avalia a possibilidade de aprovação do fim do fator previdenciário? Carlos Gabas O modelo brasileiro de Previdência Social tem um caráter de solidariedade muito grande. Estamos trabalhando para evitar que sejamos obrigados a criar, no futuro próximo, outro artifício parecido ou na mesma lógica do fator previdenciário. Ele foi criado em 1998 como uma alternativa à imposição de uma idade mínima para a aposentadoria. A maioria dos países já não conta mais com a aposentadoria por idade. Poucos mantêm a aposentadoria por tempo de serviço. Mas no Brasil ainda é possível mantê-la. Previdência Nacional Mas isso acaba prolongando o tempo laboral. O efeito não é o mesmo? Carlos Gabas Como, no Brasil, as pessoas começam a trabalhar muito cedo e não há limite de idade, vão se aposentar com menos de 50 anos. Nosso regime prevê que com 35 anos de contribuição, o homem, e 30 anos, a mulher, é possível a aposentadoria. O fator previdenciário é inibidor da aposentadoria, vamos dizer, precoce. Ele leva em conta no seu divisor, na sua fórmula, a sobrevida do brasileiro, que tem aumentado bastante. Como a média de idade de aposentadoria era de menos de 50, as pessoas ainda viveriam 30 anos recebendo aposentadoria. O fator não impede a aposentadoria, mas reduz o valor do pagamento. É um modelo que confere sustentabilidade ao regime. Apesar de ser um regime solidário, de contar com o pacto entre gerações, tem que se basear no volume de pagamentos e na expectativa de receita. As pessoas estão vivendo mais. Isso implica que deveríamos atrasar o ingresso dos trabalhadores na aposentadoria. É preciso abrir uma discussão muito franca na sociedade sobre o conceito de aposentadoria. Hoje muitos trabalhadores têm o conceito de que aposentadoria é um complemento de renda. Ele se aposenta, continua trabalhando e tem outro salário. É um equívoco não levar em conta o fator previdenciário na hora da aposentadoria. Ou seja, fazer a opção de se aposentar mais cedo, sofrer a redução do fator e continuar trabalhando. Quando ele tiver que parar definitivamente, vai ter só essa aposentadoria. Se ele não tiver uma outra forma de poupança, vai ter uma redução drástica de sua renda. 14 Junho/julho 2008

15 É preciso abrir uma discussão muito franca sobre o conceito de aposentadoria. Muitos acham que é complemento de renda Fotos: Victor Soares Previdência Nacional 15

16 Previdência Nacional Deveria haver uma política para as pessoas entrarem mais tarde no mercado de trabalho? Carlos Gabas Essa foi uma discussão que esteve presente no Fórum Nacional de Previdência Social, em Há um consenso de que a transição demográfica vai nos impelir a fazer mudanças, o que tem acontecido em todo o mundo. A diferença entre o nosso governo e os anteriores é que queremos fazer o debate com a sociedade. A proposta é fazer mudanças para os futuros trabalhadores. Previdência Nacional Aqueles que ainda ingressarão no sistema. Carlos Gabas Isso é planejamento. Previdência é futuro. Se esse mecanismo tivesse sido pensado nas décadas de 70 e 80 nós não necessitaríamos do fator previdenciário. O que nós queremos é discutir com a sociedade uma alternativa que dê sustentabilidade ao nosso modelo de previdência. Esse modelo é sólido, mas sofre com o envelhecimento da população. Previdência Nacional O que significaria para as contas da Previdência o fim do fator previdenciário? Carlos Gabas Há primeiro um problema maior do que o das contas futuras. Se for aprovado, como ficam as aposentadorias já concedidas com base no fator previdenciário? Vamos gerar um esqueleto de bilhões de reais. Estamos fazendo um esforço muito grande de gestão para que a Previdência reduza a sua necessidade de financiamento, para que consigamos atribuir aos diversos atores do governo as suas responsabilidades sobre as contas da Previdência. Por exemplo, fizemos uma discussão no Fórum Nacional de Previdência Social que foi fundamental para que se clareasse essa nuvem que tem sobre a previdência. Se tem déficit, se não tem déficit, qual o tamanho do déficit. Previdência Nacional Existe déficit? Carlos Gabas A Previdência paga a conta da renúncia das universidades sobre a folha de pagamento, dos hospitais, dos asilos, das creches, que são políticas corretas. Mas, para nós, o que deve acontecer é que o ministério responsável pela política seja também responsável pelo orçamento que garante a política. Se ainda é necessário, no Brasil, que haja renúncia para as universidades, para as escolas, que elas possam dar bolsas de estudos para a sociedade, quem tem que dizer qual o local, a quantidade, é o Ministério da Educação. E esse recurso da renúncia deve ser repassado para a Previdência Social. Colocadas essas renúncias em seus devidos lugares do Simples, que deve ser custeado pelo Tesouro Nacional, à questão dos benefícios rurais, que é constitucional, correto, mas que devem ser financiados também pelo Tesouro, se se levar tudo isso em conta, a necessidade de financiamento da Previdência em 2007 não chegou a 4 bilhões de reais. Previdência Nacional O senhor está se referindo à nova contabilidade, adotada recentemente? Carlos Gabas Com o esforço de gestão que fizemos, este ano já temos até superávit. Claro, com esta nova contabilidade, esta nova metodologia. O esforço tem surtido efeito. Nosso modelo de previdência é sólido, mas sofre com o envelhecimento da população Previdência Nacional Mas a necessidade de financiamento, analisando os últimos meses, não caiu. Carlos Gabas Ela vem em queda. Se olhar o ano, já operamos com uma sobra de arrecadação no regime urbano. É preciso desfazer esse mito de que a Previdência Social é quebrada, falida, não dá certo! É claro que a gestão ajudou muito. É fundamental combater desvios, fraudes, corrupção. Estamos fazendo isso muito bem. Mas existe um fator preponderante, o crescimento do país. Nossas contribuições são sobre a folha de salário. Num ambiente de recessão, tem menos salários, menos pa- 16 Junho/julho 2008

17 gamentos, a massa salarial diminui, a arrecadação cai. Como a massa salarial vem crescendo nos últimos anos, os empregos formais estão crescendo, isso é fator decisivo para o equilíbrio das contas da Previdência. Previdência Nacional Gostaria de voltar à questão das renúncias. Há ainda necessidade dessas renúncias, no caso das universidades, por exemplo? Carlos Gabas Essa é uma resposta para o Ministério da Educação. O gestor da política de educação no país é o MEC. Não é a Previdência que tem que gerir essa política. A mesma coisa na área de Saúde. Estamos trabalhando para que cada setor tenha o comando da política, das isenções, e coloque em seu orçamento o tamanho dessas isenções. Quem sabe se há necessidade de renúncias em favor de universidades é o Ministério da Educação Previdência Nacional Os resultados do choque de gestão foram inferiores às metas. Qual é a avaliação agora? Carlos Gabas O que existia era uma expectativa muito grande baseada no desconhecimento do que era o nosso cadastro. A Previdência Social foi deixada em segundo plano anos e anos. Previdência Nacional Em relação à gestão ou em relação à reforma? Carlos Gabas Em relação à gestão. Mas em relação à reforma também. Porque ela é decorrente ou não da gestão. Eu tenho necessidade de mais recurso se eu gastar de forma equivocada. Se eu não tiver controle das contas sempre vai faltar dinheiro. A nossa premissa foi primeiro fazer o dever de casa. Primeiro organizar a gestão. Depois o tanto que falta de recursos. Só para se ter uma idéia. Eu fiz concurso em Em 2003, 18 anos depois, eu era remanescente do último concurso. A Previdência ficou 18 anos sem fazer concurso público para admissão. Previdência Nacional Mas a política focada na questão fiscal hoje continua sendo seguida pelo governo Lula e seus resultados são comemorados. Carlos Gabas O governo deve ter responsabilidade fiscal, mas precisa ter responsabilidade social. Essa é a diferença. A Previdência passou a ter responsabilidade no governo do presidente Lula por ser uma política social relevante. A Previdência transfere recursos para a sociedade de maneira assombrosa. Nosso orçamento para este ano é de 207 bilhões de reais. Previdência Nacional Basta ver o número de municípios onde as transferências da Previdência são significativas. Carlos Gabas Chegam a 65% do total os municípios brasileiros que recebem maior quantidade de recursos da Previdência do que do FPM (Fundo de Participação dos Municípios, que é o repasse da arrecadação de impostos federais pela União. Segundo pesquisa da Associação Nacional dos Auditores da Previdência Social, realizada em 2004, o percentual era de 67,85%). Isso não é só Norte e Nordeste. É São Paulo também. É uma política distributiva. A Previdência Social é uma das maiores políticas de distribuição de renda do país. Por isso, a sua gestão tem que ter muito controle. O cadastro da Previdência, fonte principal de informações, nunca havia sido atualizado. Não tinha data de nascimento! Não tinha sexo! Por isso se falava muito que a Previdência pagava licença-maternidade para homem. Porque o banco de dados não dizia se era homem ou mulher. Em 2004 saiu a notícia de que havia mais aposentados centenários do que o número do IBGE. Por quê? Porque a data era zero e na virada do milênio o sistema assumiu Falha do cadastro. O CPF não existia. Não era possível cruzar com a Receita Federal, com nenhum outro sistema. Previdência Nacional Para a sociedade, a percepção sempre é de que há corrupção. Carlos Gabas Pode ser a falha do Previdência Nacional 17

18 cadastro. Da informação. Constatamos cerca de 100 mil benefícios pagos indevidamente. Porém, mais de 400 mil pessoas devolveram de forma espontânea os cartões com que estavam recebendo. Devolvo para não ser pego pelo cadastramento. Foi muito abaixo do que a perspectiva de fraude que havia. A expectativa, em 2005, era de um déficit de R$ 51 bilhões. Caiu para R$ 45 bi. No ano passado ficou em R$ 44 bi. Isso é resultado da boa gestão, do crescimento da economia. Mas também da redução de pagamentos indevidos, de uma reorganização da Previdência Social. Previdência Nacional Como está a questão das licenças por auxílio-doença, que aumentaram muito recentemente? Carlos Gabas A perícia médica era toda terceirizada. Isso significou, coincidentemente, que a Previdência passou, em 1995, de R$ 1 bi e 700 de gasto para R$ 13 bilhões em Teve uma epidemia no país que se espalhou por todos os ambientes de trabalho e levou os trabalhadores ao afastamento? Não. Foi uma falha de gestão. Quando se terceiriza uma atividade, perde-se o controle. Não é uma crítica direta ao profissional. É à fórmula, à política. De 2005 para cá, acabamos com a terceirização, fizemos concurso público e estruturamos a carreira de perícia médica no INSS. O número cai vertiginosamente. É importante que os regimes próprios tenham sustentabilidade e garantam o benefício dos trabalhadores Previdência Nacional Quando os gestores de regimes próprios serão obrigados a atuar com certificação? Carlos Gabas Os regimes próprios cresceram bastante. O Ministério tem investido bastante para melhorar as regras. A emenda 41 estabeleceu várias regras de segurança. Até então existia uma frouxidão. Os gestores podiam muito. Ou podiam fazer muita bobagem com o dinheiro dos trabalhadores. Essas regras hoje são mais rígidas, mais controladas pela Secretaria de Previdência. Mais do que isso, temos trabalhado em parceria com os gestores dos regimes próprios para formação de estrutura sólida porque ajudam no processo de proteção do trabalhador brasileiro. Para nós é importante que os regimes próprios tenham sustentabilidade e garantam o benefício dos trabalhadores no momento da aposentadoria. A reforma da previdência será combinada com a reforma trabalhista, devido ao dinamismo da sociedade Previdência Nacional Quais são os pontos principais de uma nova reforma? Carlos Gabas Primeiro é preciso discutir com a sociedade e, segundo, estabelecer um pacto de qual o modelo de Previdência que nós queremos para o futuro. Para que, lá na frente, o governo responsável por essa política não seja obrigado a fazer uma reforma dura e ser questionado. Ainda estamos numa situação em que é possível estabelecer uma regra pactuada com as futuras gerações. A pessoa vai entrar no regime já sabendo qual é a regra. Previdência Nacional Idade mínima entra nessas mudanças? Carlos Gabas Há várias opções. Idade mínima, combinação da idade mínima com tempo de contribuição, chegando a um dado limite a partir do qual, quanto maior o tempo de contribuição, possa diminuir um pouco a idade. O mercado de trabalho é muito diferente do que era na década de 40, 50, 60. Previdência Nacional A reforma da Previdência não deveria ser combinada com a reforma trabalhista? Carlos Gabas Acho que isso vai acontecer. A sociedade vive num dinamismo muito grande, as coisas mudam, a realidade é outra e a legislação tem que se adequar. Na medida em que se consiga fazer a interlocução com todos os atores, com a sociedade civil organizada, chegar a um consenso é muito mais fácil. Previdência Nacional Essa evolução não corre o risco de significar sempre a perda de algum direito? Carlos Gabas A medicina, ainda bem, está nos garantindo cada vez mais anos de vida. É um processo natural. Reforma da Previdência não necessariamente quer dizer redução de direitos. Podemos ver pelo aspecto positivo. Ou seja, garantia de sustentabilidade de uma política pública que distribui renda. A reforma pode incluir uma revisão de regras que melhore a vida dos trabalhadores. Não deve existir tabu. PN 18 Junho/julho 2008

19 Para você, que não se contenta apenas com sua meta atuarial... A Dapes Investimentos atua no mercado financeiro assessorando e orientando os Institutos e Fundos de Previdência Municipais de acordo com a resolução 3506 do Banco Central. Avaliamos detalhadamente o perfil de cada cliente e, utilizando-nos de produtos de excelência, buscamos sempre atingir os resultados propostos, com transparência e responsabilidade. Distribuimos: Dapes Investimentos São Paulo Fone: Rua Tapinas, 22 - conj. 52 Itaim - São Paulo - SP Recife Fone: Rua Ernesto de Paula Santos, 187 conj Boa Viagem - Recife - PE

20 Gestão Certificação De igual para igual Certificação de gestores vai aproximar RPPS dos padrões do mercado. Prazo para membros de institutos estaduais termina no final do ano Adriana Aguilar Illustração: Nakata 20 Junho/julho 2008

21 Até o final de 2008, os responsáveis pela gestão dos recursos dos fundos de previdência de estados, Distrito Federal e União integrantes do Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) terão de apresentar ao Ministério da Previdência Social (MPS) o certificado de que estão aptos a exercer a função de gestor. Segundo André Luiz Goulart, vice-presidente para a região Sudeste da Abipem, Associação Brasileira de Instituições de Previdência Estaduais e Municipais, a qualificação de gestores é parte do esforço que a entidade faz para garantir aos segurados um horizonte de segurança e tranqüilidade, o que já se consegue em vários casos (ver A grande virada, página 51). A política de investimento para os RPPS e a certificação Profissional poderá discutir em igualdade de condições com o mercado, diz Otoni Guimarães, do Ministério da Previdência dos gestores estavam previstas na Resolução 3.506, publicada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) em 26 de outubro de Só agora, com as regras trazidas pela Portaria nº 155, de 15 de maio passado, a certificação poderá ser colocada em prática. A certificação é um teste que vai medir o grau de conhecimento dos profissionais. Seu objetivo é garantir qualificação mínima e homogênea entre os diretores e gestores do RPPS. Atrelada à política de investimentos, a exigência da certificação do gestor do RPPS faz com que o profissional esteja afinado com a linguagem, tecnologia e produtos de investimentos. Ele poderá discutir em igualdade de condições com os demais participantes do mercado de capitais, incluindo as instituições financeiras, intermediárias dos recursos, afirma Otoni Gonçalves Guimarães, coordenador geral de Auditoria Atuária, Contabilidade e Investimentos da Secretaria de Política de Previdência Social. Prazos maiores para municípios Para os RPPS dos municípios, há dois prazos para a certificação do profissional responsável pela gestão. Um deles vence em junho de Abrange as cidades com recursos acima de R$ 10 milhões (em 31/12/2007) para serem investidos no mercado de capitais. No caso do outro grupo de municípios, o prazo termina no final de Atinge os institutos de previdência das cidades com recursos inferiores a R$ 10 milhões Fotos: Reprodução Paulo Ricardo Di Blasi (em 31/12/2007) para investimento no mercado de capitais. É importante ressaltar que os R$ 10 milhões devem ser recursos financeiros disponíveis para aplicação em fundos de investimentos, por exemplo. Os valores serão informados no Demonstrativo Financeiro, sujeitos a auditoria do MPS. Não entra no cômputo o patrimônio imobiliário dos institutos. Fica dispensado da exigência do certificado o instituto municipal que não tem recursos financeiros. Se não há dinheiro para investir, para que a certificação?, argumenta Guimarães. O objetivo da certificação não é gerar um custo maior para a instituição que não tem dinheiro aplicado, explica. Com foco neste segmento, a Portaria nº 155 traz uma regra para aqueles que vierem a acumular recursos após a publicação dela, em 16 de maio de O instituto terá um ano para comprovar a certificação do gestor ao MPS, a partir do momento em que começar a aguardar recursos financeiros. Por exemplo, o RPPS que inicia alguma aplicação em junho deste ano tem até o final de 2009 para apresentar a certificação do gestor ao Ministério da Previdência. Não é exigida a certificação de todos os pro- Habilitação será exigida dos que lidam com aplicação de recursos financeiros dos institutos Previdência Nacional 21

REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS

REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS Atualmente, no Brasil, aproximadamente 3000 municípios possuem Regimes Próprios de Previdência. Ao final do ano

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 Boletim Econômico Edição nº 56 fevereiro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 As duas medidas visam economizar R$ 18 bilhões

Leia mais

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ É bom saber... LEI Nº 12.618, DE 30 DE ABRIL DE 2012. Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

Sistema de Previdência

Sistema de Previdência PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES DA UNIÃO Lei nº 12.618, de 30 de abril de 2012. Jaime Mariz de Faria Junior * O Sistema Brasileiro de Previdência Social é organizado em três pilares: o Regime Geral

Leia mais

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano RPPS X RGPS Atuário Sergio Aureliano RPPS PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO E O SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS e REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei. (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. LEI Nº 3.545, DE 17 DE JULHO DE 2008. Publicada

Leia mais

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS RPPS E RGPS GUAXUPÉ MG AMOG - Associação dos Municípios da Microrregião da Baixa Mogiana. Pedro Antônio Moreira - AFRFB RGPS REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Art 201 ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

O recurso argumenta que a opção D também poderia ser assinalada como correta.

O recurso argumenta que a opção D também poderia ser assinalada como correta. DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO TOCANTINS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO E NÍVEL SUPERIOR Analista em Gestão Especializado Administração Disciplina: Conhecimentos

Leia mais

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com 1 CARTILHA DO SEGURADO 1. MENSAGEM DA DIRETORA PRESIDENTE Esta cartilha tem como objetivo dar orientação aos segurados do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Itatiaia IPREVI,

Leia mais

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro * Fernando Marcelino A mundialização financeira, desde meados da década de 1960, em conjunto com uma série de medidas

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicado no DOU nº 164, de 25 de agosto de 2011, Seção 1, página 86)

GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicado no DOU nº 164, de 25 de agosto de 2011, Seção 1, página 86) GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicado no DOU nº 164, de 25 de agosto de 2011, Seção 1, página 86) Dispõe sobre as aplicações dos recursos financeiros dos Regimes Próprios

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

Diagnóstico Qualitativo e Propostas para o Regime Previdenciário dos Servidores Públicos por Gilberto Guerzoni Filho

Diagnóstico Qualitativo e Propostas para o Regime Previdenciário dos Servidores Públicos por Gilberto Guerzoni Filho Diagnóstico Qualitativo e Propostas para o Regime Previdenciário dos Servidores Públicos por Gilberto Guerzoni Filho 1. REGIME PREVIDENCIÁRIO OU ADMINISTRATIVO O principal problema do regime previdenciário

Leia mais

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Por Antônio Augusto de Queiroz - Jornalista, analista político e diretor de Documentação do Diap Com o propósito de esclarecer algumas dúvidas

Leia mais

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010 DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, novembro de 2010 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Os servidores públicos ocupantes de cargo

Leia mais

VI - Sistemas Previdenciários

VI - Sistemas Previdenciários VI - Sistemas Previdenciários Regime Geral de Previdência Social Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais Projeto de Lei Orçamentária Mensagem Presidencial Cabe ao Governo Federal a responsabilidade

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

Material Explicativo

Material Explicativo Material Explicativo Material Explicativo Índice Introdução 4 Sobre o Plano Previplan 5 Adesão 5 Benefícios do Plano 6 Entenda o Plano 7 Rentabilidade 8 Veja como funciona a Tributação 9 O que acontece

Leia mais

MOVIMENTO UNIFICADO EM DEFESA DO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL PREVI-RIO. Uma questão do servidor

MOVIMENTO UNIFICADO EM DEFESA DO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL PREVI-RIO. Uma questão do servidor MOVIMENTO UNIFICADO EM DEFESA DO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL PREVI-RIO Uma questão do servidor PREVI-RIO EM TESE (I) O Previ-Rio é o Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro,

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SALTO VELOSO IPRESVEL RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2014.

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SALTO VELOSO IPRESVEL RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2014. INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SALTO VELOSO IPRESVEL RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2014 Salto Veloso, SC O IPRESVEL O Instituto de Previdência Social dos Servidores

Leia mais

As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência

As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência No dia 21 de julho, o RH do Banco Bradesco e diretores do Bradesco Previdência expuseram, a cerca de 50 dirigentes sindicais, as mudanças no plano de

Leia mais

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 Este parecer tem por objetivo analisar atuarialmente o Projeto de Lei 0252/2015 que Dispõe sobre a Reestruturação do Plano de Custeio

Leia mais

RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES

RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES 1) Já completei 25 anos como professora em sala de aula, tenho hoje 45 anos de idade, com esta idade vou aposentar

Leia mais

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013 1 Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDENCIA SOCIAL - RPPS

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDENCIA SOCIAL - RPPS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDENCIA SOCIAL - RPPS Algumas Considerações sobre o RPPS e Informações sobre Municípios do Rio Grande do Norte Natal, 22 de outubro de 2015 DIEESE- ESCRITÓRIO REGIONAL DO RN Tec.

Leia mais

Perguntas realizadas na apresentação do Fundo Garantidor de Crédito

Perguntas realizadas na apresentação do Fundo Garantidor de Crédito Perguntas realizadas na apresentação do Fundo Garantidor de Crédito - O que significa DPEG? - O que é DPGE 1 e 2? Quais suas finalidades? Qual a diferença para o FGC? DPGEs são títulos de renda fixa representativos

Leia mais

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1 Regulamento para Cadastramento de Instituições Financeiras e similares, sociedade corretoras e Distribuidoras, Gestoras e Administradoras de Títulos e Valores Mobiliários junto à ORGANIZAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A ANBID A ANBID Associação Nacional dos Bancos de Investimentos Criada em 1967, é a maior representante das

Leia mais

Introdução à atuária. Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária

Introdução à atuária. Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária Introdução à atuária Aula 01 Prof. Dr. Junio C. Martinez O ATUÁRIO Profissão regulamentada em 03/04/1970

Leia mais

RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ

RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ NATUREZA JURÍDICA ESTRUTURA FINANCIAMENTO SERVIDRES ABRANGIDOS DESAFIOS 1 História da Previdência Surge no dia que as pessoas começam a acumular para o futuro, para o

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante Fenacor Prev 1 Índice Introdução...3 O Programa de Previdência Fenacor Prev...3 Contribuições...4 Investimentos...5 Benefício Fiscal...5 Benefícios

Leia mais

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE A Previdência Social no Brasil é um direito previsto pela Constituição Federal e se organiza por três regimes previdenciários

Leia mais

Meu interesse está no futuro, pois é lá que vou passar o resto de minha vida C K

Meu interesse está no futuro, pois é lá que vou passar o resto de minha vida C K Meu interesse está no futuro, pois é lá que vou passar o resto de minha vida C K A principal função do OABPrev-SC é auxiliar o advogado a criar uma poupança previdenciária para dar suporte aos riscos

Leia mais

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO D Cartilha - Plano D INTRODUÇÃO Você está recebendo a Cartilha do Plano D. Nela você encontrará um resumo das principais características do plano. O Plano D é um plano moderno e flexível

Leia mais

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007 Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público junho de 2007 Sumário Regulamentação do direito de greve dos servidores públicos Previdência complementar dos servidores da

Leia mais

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Assessoria Econômica - ASSEC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasília, maio de 2008 Roteiro Situação atual do Regime Próprio

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA I. Intróito Na qualidade de Professor de Servidor Público da UESB e de advogado da ADUSB, nos fora solicitado pela Diretoria desta entidade sindical

Leia mais

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO ALTERAÇÕES NORMATIVAS DECORRENTES DE REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS IMPLEMENTADAS OU PROPOSTAS, CLASSIFICADAS POR ASSUNTO, A PARTIR DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/98 - QUADRO COMPARATIVO - MAGNO ANTÔNIO CORREIA

Leia mais

COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA COMPREV COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA O QUE É? É o acerto de contas entre o Regime Geral de Previdência Social - RGPS, representado MPS/INSS e os Regimes Próprios de Previdência dos Servidores RPPS, dos Municípios,

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Considerações técnicas sobre a Conjuntura econômica e a Previdência Social 1 I - Governo se perde

Leia mais

Plano TELOS Contribuição Variável - I

Plano TELOS Contribuição Variável - I Plano TELOS Contribuição Variável - I A sua empresa QUER INVESTIR NO SEU FUTURO, E VOCÊ? A sua empresa sempre acreditou na importância de oferecer um elenco de benefícios que pudesse proporcionar a seus

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA...

CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... 8 CONHEÇA O PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... 9 PARTICIPANTES...

Leia mais

Principais Destaques

Principais Destaques Aumento do Patrimônio Atingimento da Meta Atuarial Principais Destaques 1. Perfil Institucional A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313, de 30 de

Leia mais

PERFIS DE INVESTIMENTO

PERFIS DE INVESTIMENTO PERFIS DE INVESTIMENTO Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a ELETROS? 4 Como são os investimentos em renda variável? 5 Como são os investimentos em renda fixa? 6 Como são os investimentos nos demais

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações

Senado Federal Subsecretaria de Informações Senado Federal Subsecretaria de Informações Data 19/12/2003 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41 Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do 3º do art. 142 da

Leia mais

Assessoria e Consultoria Atuarial. Luiz Claudio Kogut Atuário Miba 1.308 (41)3322-2110 kogut@actuarial.com.br 28 de Março de 2015

Assessoria e Consultoria Atuarial. Luiz Claudio Kogut Atuário Miba 1.308 (41)3322-2110 kogut@actuarial.com.br 28 de Março de 2015 Assessoria e Consultoria Atuarial Luiz Claudio Kogut Atuário Miba 1.308 (41)3322-2110 kogut@actuarial.com.br 28 de Março de 2015 Apresentação Luiz Claudio Kogut Bacharel em Ciências Atuariais MIBA 1.308

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos)

Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos) O que muda Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos) 1. Por que é necessário criar a Fundação de Previdência Complementar do Servidor

Leia mais

Relatório de Seguridade

Relatório de Seguridade Re Relatório de Seguridade Relatório de Seguridade Relatório Maio/2015 O relatório da área de seguridade tem por finalidade apresentar as principais atividades desenvolvidas no mês, informando os números

Leia mais

CONSELHO ADMINISTRATIVO

CONSELHO ADMINISTRATIVO 1 CONSELHO ADMINISTRATIVO ATA DA TERCEIRA REUNIÃO ORDINÁRIA ANO 2013 Felixlândia, 09 de abril de 2013. Horário:14h00min. Local:Sala do Ipremfel Conselheiros Presentes: José Messias Mariz, Marcos Benedito

Leia mais

Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA

Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em consultoria para estudo e/ou reavaliação atuarial do Regime Próprio de Previdência do Município de São Gonçalo. 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

CONSULTA N. 809.491 EMENTA:

CONSULTA N. 809.491 EMENTA: Utilização do saldo positivo da reserva do regime próprio de previdência social para abertura de créditos adicionais suplementares. Arquivamento de notas de empenho pela administração pública CONSULTA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.020.006-38 - PLANO DE BENEFÍCIOS MULTIFUTURO I 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014

LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014 LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014 Dispõe sobre concessão de diária aos Vereadores e servidores que menciona e dá outras providências. A Câmara Municipal de Piranguinho aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATANTE: GOIÁS PREVIDÊNCIA - GOIASPREV CONTRATADA: A CONTRATAR ELABORAÇÃO: DIRETORIA DE PREVIDÊNCIA

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATANTE: GOIÁS PREVIDÊNCIA - GOIASPREV CONTRATADA: A CONTRATAR ELABORAÇÃO: DIRETORIA DE PREVIDÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA PARA ESTUDO ATUARIAL DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE GOIÁS CONTRATANTE: GOIÁS PREVIDÊNCIA - GOIASPREV CONTRATADA: A CONTRATAR ELABORAÇÃO:

Leia mais

CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA DE SOFTWARE SOFTEX RECIFE

CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA DE SOFTWARE SOFTEX RECIFE AUDITORIA NO TERMO DE PARCERIA ENTRE A SOFTEX E A PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE NO PERÍODO DE JULHO A SETEMBRO DE 2007 Í N D I C E Páginas 1 PARECER DA AUDITORIA... 3 e 4 2 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

O NOVO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO PARA O SERVIDOR PÚBLICO

O NOVO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO PARA O SERVIDOR PÚBLICO O NOVO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO PARA O SERVIDOR PÚBLICO MEIRELES 1, Jéssica Maria da Silva KATAOKA 2, Sheila Sayuri Centro de Ciências Sociais Aplicadas /Departamento de Finanças, Contabilidade e Atuária

Leia mais

Página 1 de 7 Demonstrativo de Resultados da Avaliação Atuarial - 2014 RJ - PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA CNPJ : 32512501000143 SIAFI : 985925 Cadastro de Nome do Plano : Plano Previdenciário QUADRO

Leia mais

NA C I P, Associação Capixaba de

NA C I P, Associação Capixaba de ACIP-ES INFORMA ANO 3 EDIÇÃO 1 www.acip-es.org.br VII Seminário Capixaba de Previdência os dias 16 a 17 de maio de 2013, a NA C I P, Associação Capixaba de Institutos de Previdência, realizou o VII Seminário

Leia mais

Brasília, 27.08.2015

Brasília, 27.08.2015 Brasília, 27.08.2015 1/23 FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS Fundo de Pensão instituído em 1º.08.1977 Investidor de longo prazo Patrocinadores: a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL e a própria FUNCEF Planos administrados:

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes 1) Quem passará a receber por meio de conta no BRADESCO e quem deverá providenciar a sua formalização? a. Magistrados, bem como, seus pensionistas e cotistas b. Serventuários ativos

Leia mais

Medidas Provisórias 664 e 665 ( Pacote Levy ): mudanças no seguro-desemprego, abono salarial, auxílio-doença, pensão por morte OTAVIO PINTO E SILVA

Medidas Provisórias 664 e 665 ( Pacote Levy ): mudanças no seguro-desemprego, abono salarial, auxílio-doença, pensão por morte OTAVIO PINTO E SILVA Medidas Provisórias 664 e 665 ( Pacote Levy ): mudanças no seguro-desemprego, abono salarial, auxílio-doença, pensão por morte OTAVIO PINTO E SILVA Pacote Levy No dia 30 de dezembro de 2014, o Governo

Leia mais

Fachesf de FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL www.fachesf.com.br

Fachesf de FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL www.fachesf.com.br Fachesf de Você está em nossos planos Criada em 10 de abril de 1972, pela Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), sua patrocinadora, a Fundação Chesf de Assistência e Seguridade Social é uma

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev Manual Explicativo Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev 1. MANUAL EXPLICATIVO... 4 2. A APOSENTADORIA E VOCÊ... 4 3. PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: O que é isso?... 4 4. BOTICÁRIO

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

- Resolução TC nº 257, de 07 de março de 2013 Altera os dispositivos da Resolução TC nº 227/2011.

- Resolução TC nº 257, de 07 de março de 2013 Altera os dispositivos da Resolução TC nº 227/2011. técnico atuarial do Regime Próprio de Previdência Social dos Servidores Públicos do município de Vila Velha. - Lei Complementar Municipal nº 021, de 17 de janeiro de 2012 Institui o plano de custeio da

Leia mais

SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL

SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL Subseção DIEESE/CUT-Nacional São Paulo, 02 de agosto de 2014 Sindicato dos Trabalhadores(as) na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo - SINDSEP

Leia mais

Lei 18.469 de 30/05/2015

Lei 18.469 de 30/05/2015 Lei 18.469 de 30/05/2015 Publicado no Diário Oficial nº. 9442 de 30 de Abril de 2015 Súmula: Reestruturação do Plano de Custeio e Financiamento do Regime Próprio de Previdência Social do Estado do Paraná

Leia mais

Caro colega. Gustavo Moreno Frias Diretor de Saúde

Caro colega. Gustavo Moreno Frias Diretor de Saúde Caro colega Nesta Cartilha estão as principais perguntas sobre LER, CAT e Direitos, que os bancários fazem seja por telefone ou contato direto no local de trabalho. É um verdadeiro guia rápido e contou

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante FenacorPrev Índice Introdução... 3 O Programa de Previdência FenacorPrev... 3 Contribuições... 4 Investimentos... 5 Benefício Fiscal... 6 Benefícios

Leia mais

Aceprev. Cartilha do Plano de Benefícios REGRA MIGRADOS. Aperam Inox América do Sul S.A. Acesita Previdência Privada

Aceprev. Cartilha do Plano de Benefícios REGRA MIGRADOS. Aperam Inox América do Sul S.A. Acesita Previdência Privada Aceprev Acesita Previdência Privada Aperam Inox América do Sul S.A. Cartilha do Plano de Benefícios REGRA MIGRADOS Aceprev Acesita Previdência Privada DIRETORIA EXECUTIVA Nélia Maria de Campos Pozzi -

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

ATA DA 28ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DELIBERATIVO REALIZADA EM 25 DE JUNHO DE

ATA DA 28ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DELIBERATIVO REALIZADA EM 25 DE JUNHO DE DATA, HORA E LOCAL: Às nove horas e doze minutos do vigésimo quinto dia do mês de junho do ano de dois mil e quinze, na sala de reuniões da sede da Funpresp-Exe. PRESENÇAS: Sr. Dyogo Henrique de Oliveira,

Leia mais

O número de participantes e assistidos no mês de março de 2007 apresentou a seguinte

O número de participantes e assistidos no mês de março de 2007 apresentou a seguinte 1. Introdução O relatório da área de seguridade tem por finalidade apresentar as principais atividades desenvolvidas no mês, informando os números e valores relativos ao período de março de 2007, bem como

Leia mais

Os fundos de pensão precisam de mais...fundos

Os fundos de pensão precisam de mais...fundos Página 1 de 3 Aposentadoria 20/08/2012 05:55 Os fundos de pensão precisam de mais...fundos Os planos de previdência de empresas e bancos não têm conseguido cumprir suas metas, incompatíveis com um cenário

Leia mais

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 VOTORANTIM ASSET MANAGEMENT DTVM LTDA. ( Administrador ), comunica o início da distribuição

Leia mais

Congresso Pernambucano de Municípios

Congresso Pernambucano de Municípios Congresso Pernambucano de Municípios O desenvolvimento dos municípios sustenta o crescimento do Brasil. José Coimbra Patriota Filho Presidente da Amupe RPPS: Sustentabilidade e Compensação Previdenciária

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PL nº 1992, DE 2007 FUNPRESP PERGUNTAS & RESPOSTAS 1. ORÇAMENTO: PL sem dotação orçamentária? O governo enviou, no dia 06 de fevereiro, de 2012 um projeto de lei (PLN nº 1, de 2012; MSG nº 24/2012) que

Leia mais

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1 Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais Alda Maria Santarosa 1 Resumo Nos últimos 25 anos, desde a promulgação da Constituição Federal do Brasil, em 1988, nota-se

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV JÚNIOR VGBL E PGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV JÚNIOR VGBL E PGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV JÚNIOR VGBL E PGBL Com este material, você entenderá melhor o seu plano Brasilprev Júnior. Se você contratou o plano em nome do Júnior, consulte as informações em Titular:

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR O FUTURO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL O déficit da previdência social coloca em risco o direito à aposentadoria Fatores que agravam a situação: Queda da taxa de natalidade Aumento da

Leia mais

RELATÓRIO SEGURIDADE. Março/2010

RELATÓRIO SEGURIDADE. Março/2010 RELATÓRIO SEGURIDADE Março/2010 O relatório da área de seguridade tem por finalidade apresentar as principais atividades desenvolvidas no mês, informando os números e valores relativos ao período de março

Leia mais

TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém

TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém Superintendente: Luciano Moura dos Santos Diretor Adm. Financeiro: Olavo Lopes Perez Diretor de Benefícios: Karine Vecci Rua

Leia mais

CARTILHA PLANO CELPOS CD

CARTILHA PLANO CELPOS CD CARTILHA PLANO CELPOS CD ORIGINAL PLUS O QUE É O PLANO CELPOS CD? O Plano Misto I de Benefícios CELPOS CD é um plano de previdência complementar cujo benefício de aposentadoria programada é calculado de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI: 01/2014 Versão nº: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 074/2014. Unidade Responsável: Departamento Financeiro da Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

Novas Instruções da CVM sobre Fundos de Investimento

Novas Instruções da CVM sobre Fundos de Investimento LUCIANA BARBOSA SILVEIRA Superintendente de Jurídico e Compliance Novas Instruções da CVM sobre Fundos de Investimento Sumário A partir de out/2015, novas normas passarão a reger a indústria de fundos

Leia mais

Conselho Nacional de Controle Interno

Conselho Nacional de Controle Interno Veículo: Site Congresso em Foco Data: 13/07/2012 Editoria: Lei de Acesso Coluna: - Página: - Só 12% das prefeituras dão atenção a transparência Uma mesma pergunta foi feita às administrações de 133 cidades

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO Nº 19, DE 30 DE MARÇO DE 2015

CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO Nº 19, DE 30 DE MARÇO DE 2015 EDIÇÃO 72, SEÇÃO I, PÁGINA 35, DE 16 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO Nº 19, DE 30 DE MARÇO DE 2015 Dispõe sobre os processos de certificação, habilitação e qualificação

Leia mais