MENTENEDORA: INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA LTDA-ME MANTIDA: FACULDADE DE TECNOLOGIA DO IPE (FAIPE)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MENTENEDORA: INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA LTDA-ME MANTIDA: FACULDADE DE TECNOLOGIA DO IPE (FAIPE)"

Transcrição

1 MENTENEDORA: INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA LTDA-ME MANTIDA: FACULDADE DE TECNOLOGIA DO IPE (FAIPE) PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CUIABÁ MT 2010

2 2 SUMÁRIO DISCRIMINAÇÃO PAG. 1. PERFIL DO CURSO (Justificativa da oferta do curso) 3 2.ATIVIDADES DO CURSO (Atividades complementares) 8 3. MATRIZ CURRICULAR Ementário com bibliografias básica e complementar PERFIL DO EGRESSO FORMA DE ACESSO AO CURSO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROJETO DO CURSO 34 7.SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO E 35 APRENDIZAGEM 8. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) ESTÁGIO CURRICULAR NUCLEO DOCENTE ESTRUTUANTE NDE Corpo docente para o primeiro ano do curso PROFESSORES COMPROMETIDOS INFRA-ESTRUTURA E INSTALAÇÕES ACADÊMICAS 41

3 3 1. PERFIL DO CURSO (Justificativa da oferta do curso) O Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade do IPE (FAIPE) possui o seguinte perfil: a) Diploma conferido: Tecnólogo. b) Modalidade: Ensino presencial. c) Carga horária mínima do curso: horas. d) Aulas presenciais: horas. e) Atividades complementares: 80 horas. f) Estágio curricular: 80 horas. g) Prazo mínimo para integralização do curso: 2 anos. h) Prazo máximo para a integralização do curso: 3 anos. i) Turnos de oferta: matutino e noturno. j) Vagas anuais: 70 vagas anuais, com duas entradas de 35 vagas cada, sendo uma no primeiro semestre e outra no segundo semestre de cada ano. O Estado de Mato Grosso situa-se no centro da América do Sul e é o Portal da Amazônia. Com uma população de habitantes, possui hoje 141 municípios, é o terceiro estado brasileiro em dimensão territorial, com a área de Km2, representando 10,55% do território nacional e ainda ocupa estratégica posição geopolítica em relação às Américas. Destaca-se pela diversidade de seus recursos naturais caracterizados por três ecossistemas distintos: o pantanal, o cerrado e o amazônico, como também pelas bacias hidrográficas do Paraguai, do Amazonas e do Araguaia-Tocantins que banham o Estado. O Estado de Mato Grosso vem se destacando, nas últimas décadas, pelo dinamismo econômico, pela posição de desstaque no agronegócio brasileiro, e pela sua contribuição à expansão das exportações brasileiras. Ao mesmo tempo, o Estado ganha evidência pela exuberância de seus recursos naturais e pela diversidade dos seus ecossistemas, sobre os quais a expansão econômica vem gerando uma intensa pressão antrópica. A história recente de Mato Grosso se caracteriza pelo intenso e rápido processo de ocupação da fronteira agrícola com a penetração da moderna agropecuária que projeta o Estado como um importante pólo produtor e exportador do Brasil. Ao longo de quase 20 anos, Mato Grosso registrou taxa de crescimento econômico de 7,6% ao ano (1985/2003), três vezes superior à média de crescimento da economia brasileira (2,5% ao ano), precisamente no período de relativa estagnação da economia nacional. O Estado mais dinâmico do Brasil, Mato Grosso vem crescendo também acima da média do Centro-Oeste, considerada a região de fronteira de expansão recente. Como resultado do seu crescimento diferenciado, Mato Grosso vem aumentando a sua participação no PIB nacional, mais do que dobrando de, aproximadamente, 0,68%, em 1985, para 1,5%, registrado em Da mesma forma, como mencionado acima, vem se elevando o produto per capita

4 do Estado, alcançando cerca de R$ 8.800,00 (2003); em pouco menos de 20 anos, a renda per capita do Estado se elevou de 50,5% da média nacional, em 1985, para 96,5% em Este crescimento da renda per capita, muito superior às médias nacional, regional e dos demais estados do Centro-Oeste, é ainda mais significativo devido ao rápido processo de expansão demográfica, alimentado pelo intenso fluxo migratório para o Estado. Com efeito, a população de Mato Grosso saltou de, aproximadamente, 600 mil habitantes, em 1970, para cerca de 2,8 milhões de pessoas em 2005 (IBGE), quase cinco vezes superior; por outro lado, no ano 2000, cerca de 862,2 mil dos 2,5 milhões da população registrada eram imigrantes. A agropecuária constitui-se da economia de Mato Grosso e é carro chefe da expansão econômica das últimas décadas, representando cerca de 36,3% do PIB estadual, em 2003, tendo registrado um taxa média de crescimento de 14,3% ao ano, no período (1985/2003), o dobro do apresentado pela agropecuária do Centro-Oeste e da indústria do Estado (ver gráfico abaixo). Soja, milho, algodão, arroz e pecuária são os principais produtos da agropecuária mato-grossense, componente central da exportação do Estado. Em 2004, segundo dados do INDEA, Mato Grosso tinha o segundo rebanho bovino do Brasil, depois de Mato Grosso do Sul, com cerca de 24,7 milhões de cabeças. Apesar de continuar sustentado na expansão da agropecuária, a economia de Mato Grosso vem apresentando sinais claros de um intenso processo de diversificação da atividade produtiva e de adensamento da cadeia do agronegócio. Tabela 1 Dinamismo dos setores produtivos de Mato Grosso, Região Centro-Oeste e Brasil. Anos médios de estudo (população de 25 anos ou mais) Brasil Centro-Oeste Mato Grosso Agropecuária 3,8 7,4 14,3 Indústria 2,1 4,3 7,3 Serviços 2,5 3,3 5,3 Total 2,5 4,0 7,6 Fonte: IBGE Mato Grosso é um Estado com forte integração comercial com a economia mundial; em 15 anos, de 1989 a 2004, as exportações do Estado cresceram quase 20%, bem acima da média do Centro-Oeste, região com maior crescimento do comércio exterior. Em 2004, Mato Grosso exportou cerca de US$ 3,1 bilhões, gerando um saldo positivo na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,7 bilhões. O crescimento e modernização da economia mato-grossense foram determinados por iniciativas e circunstâncias externas ao Estado, principalmente as políticas e projetos do Governo brasileiro incentivando a expansão da fronteira agrícola no Centro-Oeste. Por outro lado, o 4

5 empresariado do agronegócio de Mato Grosso tem uma forte influência de imigrantes que trouxeram uma cultura técnica e a iniciativa empresarial para as frentes de acupação agropecuária. Embora não acompanhe o mesmo ritmo de expansão da economia, os indicadores sociais de Mato Grosso registraram também melhoria significativa na última década, situando-se levemente acima da média nacional em quase todos os indicadores, excetuando no saneamento básico, em particular esgotamento sanitário, no quak apresenta déficits expressivos. O índice de pobreza do Estado declinou de 38% da população, em 1991, para 27,8% em 2000 (quase 10 pp), indicador, ainda bastante elevado, mas bem inferior À média nacional, estimada em 32,9% neste último ano; em todo caso, Mato Grosso é um dos estados com maior concentração de renda do Brasil. Entretanto, o acelerado crescimento da economia mato-grossense vem ocorrendo à custa da degradação do meio ambiente e das riquezas naturais do Estado, como desmatamento, erosão e compactação dos solos, contaminação da água por agrotóxicos, deterioração dos recursos hídricos, redução da piscosidade dos rios e dos lagos, todos os processos associados, em geral, aos avanços da fronteira agrícola e a incorporação de novas terras ao processo produtivo. Neste início de século, o Mato Grosso parece continuar o movimento de expansão e fortalecimento da agropecuária moderna e altamente competitiva, incorporando os avanços tecnológicos, ao mesmo tempo em que evidencia uma tendência de diversificação da estrutura produtiva e de adensamento das cadeias produtivas. O desenvolvimento futuro de Mato Grosso depende do ritmo e amplitude deste movimento que, por seu turno, reflete as decisões e iniciativas do governo local e das decisões do empresariado mato-grossense; mas depende também das condições econômicas e políticas do Brasil no futuro e da capacidade do Estado de aproveitamento das oportunidades que se abrem no cenário mundial. No contexto da região Centro-Oeste, encontra-se Cuiabá, capital do Estado do Mato Grosso, com uma população aproximada de habitantes, distribuídos em uma área de km2 IBGE. O Produto Interno Bruto (PIB) corresponde a R$ ,31 com um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 0,821 conforme o PNUD em 200O e um Índice de Desenvolvimento da Infância (IDI) de 0,720 conforme a UNICEF em 2004, assim como, uma taxa de analfabetismo de 2,10 para a população de 10 a 15 anos e 6,10 para a população de 15 anos ou mais. Cuiabá, como cidade município, aponta os seguintes indicadores com significância e impacto na decisão da escolha do Curso Superior de Tecnologia em Marketing, segundo o IBGE, quais sejam: a) 260 estabelecimentos de saúde (2005). b) matrículas no ensino médio (2008). c) PIP per capita de R$ ,00 (2007). d) 65 agências de instituições financeiras (2007). 5

6 e) Valor do Fundo de Participação dos Municípios FPM de R$ ,31 (2007). f) Valor do Imposto Territorial Rural ITR de R$ ,15 (2007). g) empresas cadastradas com pessoas ocupadas (2007). Frente às reflexões, o Estado de Mato Grosso e região, sua contextualização, seu crescimento, sua expansão, nas diversas áreas produtivas sinalizam para a necessidade da educação para preparar profissionais, a força de trabalho que possibilite a ampliação da sua competitividade e do seu crescimento. Na cidade município de Cuiabá, apenas duas instituições de ensino superior oferecem o Curso Superior de Tecnologia em Marketing quais sejam: a) INSTITUTO CUIABÁ DE ENSINO E CULTURA ICEC, com 100 vagas no turno noturno. b) UNIVERSIDADE DE CUIABÁ UNIC, com 60 vagas no turno matutino e 60 vagas no turno noturno. As instituições educacionais do Estado já existentes colaboram para melhoria da situação, mas existe ainda uma forte necessidade da formação de profissionais preparados técnica, humana e eticamente para atuar no mercado. A descrição e os dados apresentados demonstram, portanto, a existência de uma demanda reprimida para o curso superior de Tecnologia em Marketing da FAIPE, pretende oferecer 100 vagas anuais sendo 50 vagas para o turno matutino e 50vagas para o turno noturno, face o número de empresas existentes na cidade e o número de matrículas no ensino médio realizada. O Curso Superior de Tecnologia em Marketing da FAIPE tem como objetivo desenvolver competências associadas à utilização dos métodos e técnicas modernas relacionadas ás atividades de planejamento, execução, controle e comercialização de bens e serviços. Neste contexto, o Tecnólogo em Marketing poderá atuar na gestão de empresas comerciais e de serviços, na gestão de equipes de vendas, na gestão de empresas de atendimento (telemarketing, call center, contact centers e apoio ao comércio eletrônico) e em consultoria e assessoria de Marketing, podendo ocupar vários postos de trabalho, dentre eles, os de: a) Agente de vendas de serviços. b) Assistente de vendas. c) Técnico de vendas. d) Vendedor. e) Analista de comercialização. f) Analista de serviço de venda. g) Analista de pesquisa de mercado. h) Analista de Marketing. Assim, o Tecnólogo em Marketing a ser formado pela FAIPE será o profissional responsável pela elaboração de estratégias de vendas, elaborando estudos de 6

7 mercado, a partir do ambiente socioeconômico para criar produtos e serviços, utilizando estratégias para promover marcas e produtos. A FAIPE, para alcançar seus objetivos, irá utilizar uma metodologia definida para desenvolver as atividades do Curso Superior de Tecnologia em Marketing, comprometida com a interdisciplinaridade e contextualização, que possibilitará o desenvolvimento do espírito científico e a formação de sujeitos autônomos e cidadãos. Para tanto, o Projeto do curso prevê, um programa sistemático, com pleno atendimento extraclasse, apoio psicopedagógico ao discente e atividades de integração acadêmica, conforme estabelecido no seu Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI). A FAIPE em seu Projeto Institucional assume, portanto, o compromisso com uma concepção de Educação Crítica, na perspectiva de uma Pedagogia Progressista. Os processos de ensino e aprendizagem propostos têm como objetivo uma ação transformadora, realizada com atividades teórico-práticas. Nesta linha de pensamento, é necessário uma teoria que fundamente a prática e, sobretudo, que sirva de guia para a ação concreta dos docentes envolvidos no processo. O Curso Superior de Tecnólogo em Marketing alinha-se aos pressupostos metodológicos orientados pela Instituição, em seu PDI, tendo em vista que, busca construir a prática educativa cotidiana como um elemento que contribuirá no processo de superação das contradições, que permeiem a sociedade e as atividades acadêmicas, ao mesmo tempo. A metodologia é entendida no Projeto de Curso como uma postura diante da realidade, que implica tarefas indissociáveis, reflexão, conhecimento, interpretação da realidade e sua transformação. O movimento dialético das atividades propostas no processo de ensino/aprendizagem tem compromisso com os momentos: partir da prática (síncrese). Qualquer processo de mudança tem como referência experiências anteriores, portanto partir da realidade do acadêmico e obter informações sobre o senso comum, sempre numa perspectiva contextualizada; refletir sobre a prática (análise). Através da reflexão crítica e coletiva, buscar subsídios para conhecer como funciona a prática, quais são suas contradições, suas leis de movimento para projetar um sentido novo, abrir novas possibilidades, procurar saber como atuar no sentido de sua transformação. É o momento do confronto entre o conhecimento espontâneo e o conhecimento científico; transformar a realidade (síntese). Com os conhecimentos adquiridos no confronto entre senso comum (síncrese) e conhecimento científico (análise) o acadêmico elabora a síntese que representa o domínio dos elementos para reelaborar e/ou transformar a realidade. Ensinar de forma dialética é interagir com a vida do acadêmico e com a realidade na qual ele se insere. 7

8 Considerando este movimento dialético e, também buscando atividades interdisciplinares, a prática metodológica fundamenta-se na proposição de que considera a educação não transformadora da sociedade de forma imediata e linear, mas de modo mediato e indireto, agindo sobre os sujeitos da prática social. Esta proposta em sua aplicação compromete-se com uma metodologia que transcenda a tendência pedagógica tradicional, centrada apenas nas aptidões intelectuais individuais do aluno, para um encaminhamento que prestigie a criação de novas práticas sociais, possibilitando a transformação, de modo a garantir o desenvolvimento das habilidades e competências esperadas para um futuro profissional para agir nas incertezas. A metodologia de trabalho precisa estabelecer vínculos atrativos, atividades diversificadas, sem perder o foco e a essência das competências e habilidades a serem desenvolvidas. Na dinâmica de sala de aula serão utilizadas estratégias pedagógicas diversificadas tais como: exposição dialogada, estudos de caso, dramatização, seminários, pesquisa de campo, painéis, discussões curriculares, debates, aulas expositivas dialogadas, estudo dirigido e atividades profissionais planejadas com roteiros de observação e outros. 2. ATIVIDADES DO CURSO (Atividades complementares) As atividades complementares são componentes curriculares enriquecedores e complementadores do perfil do formando, possibilitam o reconhecimento, por avaliação de habilidades, conhecimento e competência do aluno, inclusive adquirida fora do ambiente acadêmico, incluindo a prática de estudos e atividades independentes, transversais, opcionais, de interdisciplinaridade, especialmente nas relações com o mercado do trabalho e com as ações de extensão junto à comunidade. O que caracteriza este conjunto de atividades é a flexibilidade de carga horária semanal, com controle do tempo total de dedicação do estudante durante o semestre ou ano letivo As atividades complementares poderão ser desenvolvidas pela participação em: a) Eventos internos e externos à Instituição de Educação Superior, tais como semanas acadêmicas, congressos, seminários, palestras, conferências, atividades culturais; b) Cursos de extensão e/ou atualização acadêmica e profissional; c) Atividades de iniciação científica, assim como de monitoria. Orientam-se, desta maneira, a estimular a prática de estudos independentes, transversais, opcionais, de interdisciplinaridade, de permanente e contextualizada atualização profissional específica, sobretudo nas relações com o mundo do trabalho e com as diferentes correntes do pensamento 8

9 tecnológico, devendo ser estabelecidas e realizadas ao longo do curso, sob as mais diversas modalidades enriquecedoras da prática pedagógica curricular, integrando-as às diversas peculiaridades regionais e culturais. Nesse sentido, as atividades complementares constarão de projetos de pesquisa, monitoria, iniciação científica, projetos de extensão, módulos temáticos, seminários, simpósios, congressos, conferências, além de disciplinas oferecidas por outras instituições de ensino ou de regulamentação e supervisão do exercício profissional, ainda que esses conteúdos não estejam previstos no currículo pleno da FAIPE, mas nele podem ser aproveitados porque circulam em um mesmo currículo, de forma interdisciplinar, e se integram com os demais conteúdos realizados. Em resumo, as atividades complementares são componentes curriculares que possibilitam o reconhecimento, por avaliação, de habilidades, conhecimentos e competências do aluno, mesmo que adquiridas fora do ambiente escolar, incluindo a prática de estudos e atividades independentes, transversais, opcionais, de interdisciplinaridade, especialmente nas relações com o mundo do trabalho e com as ações de extensão junto à comunidade. Trata-se, portanto, de componentes curriculares enriquecedores e implementadores do próprio perfil do formando, sem que se confundam com estágio curricular supervisionado e constam da matriz curricular e a carga horária de 80 horas é destinada a sua realização e conta para a integralização da carga horária total do curso. 9

10 10 3. MATRIZ CURRICULAR PRIMEIRO SEMESTRE CARGA HORÁRI DISCIPLINAS A Comunicação Empresarial 80 Metodologia da Pesquisa Científica 80 Filosofia e Ética Profissional 80 Introdução a Estatística 80 Comportamento do Consumidor 80 TOTAL 400 SEGUNDO SEMESTRE CARGA HORÁRI DISCIPLINAS A Introdução a Administração 80 Comportamento Organizacional 80 Empreendedorismo 80 Responsabilidade Sócio-Ambiental 80 Pesquisa de Marketing 80 TOTAL 400 TERCEIRO SEMESTRE CARGA HORÁRI DISCIPLINAS A Inteligência Competitiva 80 Gerenciamento de Produtos,Serviços,Marcas e Mercados 80 Gestão de Vendas 80 Planejamento Estratégico de Marketing 80 E-Commerce 80 Estágio Curricular I 40 TOTAL 440

11 11 QUARTO SEMESTRE CARGA HORÁRI DISCIPLINAS A Sociedade e Organizações 80 Gestão de Serviços e Marketing Interno 80 Marketing de Relacionamento 80 Projeto de Desenvolvimento de Produtos 80 Gestão de Marketing e Comunicação 80 Atividades Complementares 80 Estágio Curricular II 40 Libras - optativa 80 TOTAL 520 RESUMO DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA Aulas presenciais Estágio curricular 80 Atividades complementares 80 TOTAL RESUMO COM LIBRAS DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA Aulas presenciais Estágio curricular 80 Atividades complementares 80 LIBRAS 80 TOTAL 1.840

12 Ementário com bibliografias básica e complementar PRIMEIRO SEMESTRE COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Oralidade e escrita. Organização textual. Produção de textos diversos. GRACIOSO, Francisco. Novas Arenas da Comunicação Com o Mercado (As). São Paulo: Atlas, NÓBREGA, Maria Helena da. Estratégias de Comunicação em Grupo.Como se Apresentar em Eventos Empresariais e Acadêmicos. São Paulo: Atlas, TOMASI, Carolina; MEDEIROS João Bosco. Comunicação e empresarial. São Paulo: Atlas, BUENO, Wilson da Costa. Comunicação Empresarial Políticas e Estratégicas. São Paulo: Saraiva, BROUSSEAU, Guy. Introdução ao estudo das situações didáticas - Conteúdos e métodos de ensino. São Paulo: Ática Universidade, MEDEIROS, João Bosco. Português instrumental. 6.ed. São Paulo: Atlas, MACARENCO, Isabel; TERCIOTTI, Sandra Helena. Comunicação Empresarial na Prática. São Paulo: Saraiva, TAVARES, Maurício. Comunicação empresarial e planos de comunicação. 2.ed. São Paulo: Atlas, METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Fundamentos da Pesquisa Acadêmica. Diretrizes para a Montagem de um Trabalho Acadêmico. Aspectos e Formas do Conhecimento. Apresentação e Divulgação dos Resultados da Pesquisa Acadêmica.

13 13 TACHIZAWA, Takeshy e MENDES, Gildásio. Como fazer monografia na prática.12. ed. Rio de Janeiro: FGV, NETO, João Augusto Máttar. Metodologia Científica na Era da Informática. 3 ed. São Paulo: Saraiva, VERGARA, Sylvia Constant- Métodos de Pesquisa em Administração, 3º ed. São Paulo: Atlas CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, HAIR JR, Joseph F. e Outros. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, PEREIRA, José Matias- Manual de Metodologia da Pesquisa Científica. São Paulo: Atlas, VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 9.ed. São Paulo: Atlas, ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas, FILOSOFIA E ÉTICA PROFISSIONAL O caminho da reflexão ética no mundo ocidental. A dimensão axiológica nas organizações, com enfoque na ética das relações e na coexistência entre a competição e a ética no mercado. Dilemas na implantação da ética nas organizações. A Responsabilidade Sócio-Ambiental. Problemas e Desafios Éticos Contemporâneos. A construção de Princípios e Códigos de Conduta numa perspectiva dialética. NETO, João Augusto Máttar. Filosofia e ética na administração. São Paulo: Saraiva, PESQUEAUX, Yvon. Filosofia e Organizações. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

14 14 SÁ, Antonio Lopes de. Ética profissional. 8 ed. São Paulo: Atlas, ALONSO, Felix Ruiz e outros. Curso de Ética em administração. São Paulo: Saraiva, ARRUDA, Maria Cecília Coutinho. Fundamentos de ética empresarial e econômica. São Paulo: Saraiva, CARVALHO, C.A. VIEIRA, M.M.F., O Poder nas Organizações, São Paulo: Thomson, MATOS, Francisco Gomes de. Ética na Gestão Empresarial. São Paulo: Saraiva, 2007 PINEDA, Eduardo. Ética nas Empresas. São Paulo: Mcgraw-hill, INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA Conceitos Fundamentais. Tabelas e Gráficos. Medidas de Posição e outras. Probabilidade. Variáveis Discretas e Contínuas.Distribuições Binominal, Poisson, Hipergeométrica e Normal. Amostragem. Intervalo de confiança. Testes de Hipótese. Ajustamento. Regressão e Correlação. Controle de qualidade. ANDERSON, David R. e outros. Estatística aplicada à administração e economia. ed. São Paulo: Thomson, BRUNI, Adriano Leal. Estatística aplicada à gestão empresarial. 1ed. São Paulo: Atlas, SILVA, Ermes Medeiros da e Outros. Estatística: para os cursos de: economia, administração e ciências contábeis. 2.ed. São Paulo: Atlas, BARROW, Michael. Estatística para economia, contabilidade e administração.são Paulo: Ática,2007. BUSSAB, Wilton O. e MORETTIN, Pedro A. Estatística Básica. 6 ed.são Paulo: Saraiva, CRESPO, Antônio Arnot.Estatística Fácil. 19 ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

15 15 DOANE, David P. Soane e SEWARD, Lori E. Estatística Aplicada à Administração e à Economia. São Paulo: McGraw-hill, WILLIAMS, Thomas A. e Outros. Estatística Aplicada a Administração e Economia. 2. ed. São Paulo: Thomson, COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR O processo de decisão de compra; características do comprador; determinantes comportamentais; motivação do consumidor; personalidade e análise psicográfica; determinantes ambientais; dinâmicas de aplicação. BARBOSA, Lívia e CAMPBELL, Colin. Cultura, Consumo e Identidade. Rio de Janeiro: FGV, PINHEIRO, Robert M. Comportamento do Consumidor e Pesquisa de Mercado. 3 ed. Rio de Janeiro: FGV, PETER, J. Paulo e OLSON, Jerry C. Comportamento do Consumo e estratégico de Marketing. 8 ed. São Paulo: McGraw-Hill, BACCEGA, Maria Aparecida. Comunicações e Culturas do Consumo. São Paulo: Atlas, BOONE, Louis E. e KURTZ, David L. Marketing Contemporâneo.12. ed. São Paulo: Cengage Learning, GRANDE, Ildefonso. Marketing Cross-Cultura. 12. ed. São Paulo: Cengage Learning, STERHLAN, Suzane. Marketing de Luxo. São Paulo: Cengage Learning, ZOGBI, Edson e PREDEBON, José. Inovação no Varejo: o que faz o Lojista Criativo. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

16 16 SEGUNDO SEMESTRE INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Introdução ao conceito de Administração. Abordagens básicas do pensamento administrativo. Elementos do Processo Administrativo. Principais áreas da Administração.

17 17 COELHO, Marcio. A essência da administração conceitos introdutórios. São Paulo: Saraiva, HEILBORN, Gilberto e Outros. Administração - Princípios e Tendências, 2ª ed.são Paulo: Saraiva, MAXIMIANO, Antônio Cesar Amaru. Fundamentos de Administração. 2.ed. São Paulo: Atlas, BATEMAN, Thomas S; SNELL, Scott. Administração - Novo cenário competitivo, 2. ed. São Paulo: Atlas, CHIAVENATO, Idalberto. Administração para Administradores e Não- Administradores A Gestão de Negócios ao Alcance de Todos. São Paulo: Saraiva, MONTANA, Patrick J. e CHARNOV, Bruce. Administração. 3. ed. São Paulo: Saraiva, OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Introdução à Administração Edição Compacta. São Paulo: Atlas, WEIHRICH, Kontz e Cannice. Administração perspectiva global e empresarial. São Paulo: McGraw-Hill, COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL O comportamento organizacional e suas diferentes dimensões. O processo organizacional: os grupos, motivação, atitude, comprometimento e satisfação com o trabalho. A cultura organizacional. Conflitos nas organizações. Liderança. A percepção e solução de problemas. Interdependência e comunicação nas organizações. A estrutura organizacional. Mudança organizacional. KANAANE, Roberto. Comportamento humano nas organizações. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

18 ROBBINS, Stephen P. Comportamento organizacional. 11. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, SPECTOR, Paul E. Psicologia nas organizações. 3. ed. São Paulo: Saraiva, CHIAVENATO, Idalberto. Comportamento Organizacional. 7. ed. Rio de Janeiro: Campus, FRANÇA, Ana Cristina Limongi. Comportamento Organizacional. 7. ed. São Paulo: Saraiva, HOLLENBECK, John e WAGNER, John. Comportamento Organizacional. São Paulo: Saraiva, RODRIGUES, Aroldo e Outros. Psicologia Social. 27. ed. Petrópolis: Vozes, WOOD JR, Tomaz; CALDAS, Miguel P. Comportamento organizacional: uma perspectiva brasileira. 2. ed. São Paulo: Atlas, EMPREENDEDORISMO Mudanças no Mundo Moderno e Globalizado, Perfil e Características do Empreendedor, O Talento nas Organizações, A Síndrome do Empregado, Oportunidade de Negócios, Prospecção de Negócios, Necessidade do Mercado, A Grande Corrida da Competitividade. 18 BARON, Robert A.; SHANE, Scott A. Empreendedorismo: uma visão do processo. São Paulo: Thomson, CHER, Rogério. Empreendedorismo na veia: um aprendizado constante. Rio de Janeiro: Elsevier, CHIAVENATO, Idalberto. Empreendedorismo: dando asas ao espírito empreendedor. 2.ed. São Paulo: Saraiva, DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo Transformando idéias em negócios. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

19 HISRICH, Robert D. e PETERS, Michael P. Empreendedorismo. 5.ed. São Paulo: Bookman, LENZI, Fernando Cesar ; KIESEL, Marcio Daniel.O Empreendedor de Visão. São Paulo: Atlas, MENDES, Jerônimo. Manual do Empreendedor: Como Construir um Empreendimento de Sucesso. São Paulo: Atlas, SEIFFERT, Peter Quadros. Empreendendo Novos Negócios Em Corporações. Estratégias, Processo e Melhores Práticas. 2. ed. São Paulo: Atlas, REPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL A busca de uma nova racionalidade social. Novos paradigmas da responsabilidade sócio-ambiental. Gerenciamento da responsabilidade social corporativa, interna, externa, corporativa ambiental e comportamento ético da empresa. Envolvimento da Sociedade. GOLDSTEIN, Ilana Responsabilidade social - Das grandes corporações ao terceiro setor. São Paulo: Ática, GOMES, Adriano; MORETTI, Sérgio. A responsabilidade e o social: uma discussão sobre o papel das empresas. São Paulo: Saraiva, HANASHIRO, Darcy Mitiki Mori. Gestão do fator humano. 2.ed. São Paulo: Saraiva, DIAS, Reinaldo. Marketing Ambiental: Ética, Responsabilidade Social e Competitividade nos Negócios. São Paulo: Atlas, MARTINELLI, Dante Pinheiro. Negociação: aplicações práticas de uma abordagem sistêmica. São Paulo: Saraiva, 2009 PEREIRA, Reni.Responsabilidade Social e Incentivos Fiscais.São Paulo: Atlas, REIS, Carlos Nelson dos; MEDEIROS, Luiz Edgar.Responsabilidade Social das Empresas e Balanço Social: Meios Prepulsores do Desenvolvimento Econômico e Social.São Paulo: Atlas, TACHIZAWA, Takeshy.Gestão ambiental e responsabilidade Social Corporativa: Estratégias de Negócios Focadas na Realidade Brasileira. São Paulo: Atlas, 2009.

20 20 PESQUISA DE MARKETING Aspectos Introdutórios. Etapas de uma Pesquisa de Marketing. BARQUETTE, Stael e CHADUBAH, Alfredo. Pesquisa de Marketing. São Paulo: Saraiva, LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Marketing: Conceitos, Exercícios e Casos. 8 ed. São Paulo: Atlas, MATTAR, Fauze Nagib. Pesquisa de Marketing. 4 ed. São Paulo: Atlas, CARRETEIRO, Ronald. Inovação. Tecnológica: como garantir a Modernidade de Negócios. São Paulo: Gen, KERIN, Roger A. e Outros. Marketing. 8 ed. São Paulo: McGraw-Hill, LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Diferenciação e Inovação em Marketing. São Paulo: Saraiva, MARTINS, Gilberto de Andrade. Estudo de Caso: Uma Estratégia de Pesquisa. 2 ed. São Paulo: Atlas, VIEIRA, Sonia. Como Elaborar Questionários. São Paulo: Atlas, TERCEIRO SEMESTRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA Análise das diferentes abordagens teóricas-práticas do processamento de informações. O Ciclo da informação. Caminho evolutivo dos conceitos de dados, informações e conhecimento. Práticas de inteligência estratégica. Vigília, proteção e tratamento da informação. A abordagem das redes estratégicas no contexto da inteligência coletiva. Inteligência competitiva do individual para o coletivo. O processamento de informações como objeto de pesquisa para o desenvolvimento dos métodos e ferramentas de inteligência estratégica.

Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Campus Ceilândia

Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Campus Ceilândia Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Campus Ceilândia GESTÃO E PRÁTICAS EMPREENDEDORAS PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Ceilândia, Fevereiro de 2014. CURSO DE FORMAÇÃO

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

APROVAÇÃO DO CURSO E AUTORIZAÇÃO DA OFERTA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PROMOTOR DE VENDAS. Parte 1 (solicitante)

APROVAÇÃO DO CURSO E AUTORIZAÇÃO DA OFERTA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PROMOTOR DE VENDAS. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA APROVAÇÃO DO CURSO E AUTORIZAÇÃO DA OFERTA PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão de Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

FACULDADE PORTO DAS MONÇÕES PORTO FELIZ

FACULDADE PORTO DAS MONÇÕES PORTO FELIZ FACULDADE PORTO DAS MONÇÕES PORTO FELIZ COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU MBA Engenharia Logística 1. Nome do Curso e Área do Conhecimento Programa de Pós-Graduação

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

e-mail: professor@luisguilherme.adm.br / www.luisguilherme.adm.br FONE: (62) 9607-2031

e-mail: professor@luisguilherme.adm.br / www.luisguilherme.adm.br FONE: (62) 9607-2031 INSTITUTO UNIFICADO DE ENSINO SUPERIOR OBJETIVO - IUESO PLANO DE ENSINO CURSO: Administração PROF. Luis Guilherme Magalhães SÉRIE: 7º e 8º Período TURNO: Matutino DISCIPLINA: Gestão Mercadológica CARGA

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS LAGES Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL DO CURSO:

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL DO CURSO: EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Bacharelado em Administração FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Resolução 038/2001 CONSEPE

Resolução 038/2001 CONSEPE Resolução 038/2001 CONSEPE Aprova as normas de funcionamento do Curso de Administração do Centro de Ciências da Administração CCA/ESAG. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( ) Presencial

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Custos Operacionais e de Produtos. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Custos Operacionais e de Produtos. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negocios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Administração FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MISSÃO DO CURSO Os avanços da ciência, a melhoria dos processos produtivos e a abertura de mercado, são exemplos de fatores que contribuíram

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Matriz Curricular vigente a partir de 2010/1 Fase Cód. Disciplina Carga Horária Prérequisitos

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. Roselaine R. Marconcine de Oliveira EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. Roselaine R. Marconcine de Oliveira EMENTA Plano de Ensino EIXO TECNOLÓGICO: GESTÃO E NEGÓCIOS IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Vendas FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento Estratégico. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento Estratégico. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Superior em Administração FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

O Curso de Administração da ESAG. Prof. Dr. Nério Amboni (ESAG/UDESC) 2011.2

O Curso de Administração da ESAG. Prof. Dr. Nério Amboni (ESAG/UDESC) 2011.2 O Curso de Administração da ESAG Prof. Dr. Nério Amboni (ESAG/UDESC) 2011.2 Missão da ESAG A ESAG tem por missão realizar o ensino, a pesquisa, a extensão, de modo articulado, a fim de contribuir na formação

Leia mais

Fornecer conteúdos e refletir sobre práticas atualizadas de comunicação e marketing, como as técnicas e ferramentas de marketing digital.

Fornecer conteúdos e refletir sobre práticas atualizadas de comunicação e marketing, como as técnicas e ferramentas de marketing digital. MBA em Marketing Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 09 --> A globalização e os avanços tecnológicos estão abrindo oportunidades de negócios, novas formas de comercialização e despertando

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O currículo ora alterado e implantado no início do ano letivo de 2001, deve ser aplicado:

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O currículo ora alterado e implantado no início do ano letivo de 2001, deve ser aplicado: RESOLUÇÃO CONSEPE 43/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, REGIME SERIADO ANUAL, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 64/2011 Altera a Resolução nº. 57/2007 do CONSEPE, que aprova o Projeto Político-Pedagógico

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento de Marketing. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento de Marketing. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1. TURNOS: Matutino ou Noturno Campus de Maringá Noturno Campus de Cianorte HABILITAÇÃO: Bacharelado em Ciências Contábeis GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Ciências Contábeis PRAZO PARA CONCLUSÃO:

Leia mais

Plano de Ensino Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Plano de Ensino Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Faculdade Curso Disciplina Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos PSICOR - Psicologia Organizacional Período Letivo 2013 - Anual Currículo 40032012

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS FLORIANÓPOLIS CONTINENTE PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUADA EM GESTÃO

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

ETEC TAKASHI MORITA - EXTENSÃO PARELHEIROS HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM MARKETING

ETEC TAKASHI MORITA - EXTENSÃO PARELHEIROS HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM MARKETING ETEC TAKASHI MORITA - EXTENSÃO PARELHEIROS HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM MARKETING PLANO TRABALHO DOCENTE 2º SEMESTRE 2013 1 ETEC TAKASORITA - EXTENSÃO PARELHEIROS INDICE

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS Modalidade Semipresencial EDITAL DE SELEÇÃO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS Modalidade Semipresencial EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS Modalidade Semipresencial EDITAL DE SELEÇÃO Regulamentação de Pós-Graduação Lato-Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

03 (TRÊS) ANOS LETIVOS

03 (TRÊS) ANOS LETIVOS Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR GESTÃO COMERCIAL (Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios) TECNOLÓGICA SERIADO ANUAL NOTURNO 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Fase Cód. Disciplina I Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Prérequisito s Carga Horária

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 8º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 8º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Acompanhamento aos Projetos de Pesquisa II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 8º 1 - Ementa (sumário, resumo) Espaço destinado

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: AMPE - ADM DE MICRO E PEQ EMPRESAS Código: ADM 253 Pré-requisito: ------ Período Letivo: 2013.2

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso O Curso Superior de Tecnologia em Secretariado visa formar profissionais com competência técnica, comunicação interpessoal, postura ética, visão holística, espírito

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Administração Mercadológica II Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6 1 - Ementa (sumário, resumo) Administração dos canais

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art.1º. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é componente curricular obrigatório dos cursos

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

CÓD. 1739 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TURNO: NOITE Currículo nº 02 MATRIZ CURRICULAR

CÓD. 1739 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TURNO: NOITE Currículo nº 02 MATRIZ CURRICULAR Aprovado no CONGRAD: 08.05.2012 Vigência: para os ingressos a partir 2012/2 CÓD. 1739 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TURNO: NOITE Currículo nº 02 MATRIZ CURRICULAR CÓD. ÁREAS DE FORMAÇÃO I - CONTEÚDOS DE FORMAÇÃO

Leia mais

ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA Linguagem e Interpretação de Texto 80 Contabilidade I 80 Economia 80 Matemática 80 Teoria Geral da Administração

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. 72h 6º

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. 72h 6º Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais